Folha de Determinação de Elegibilidade ao PNQS 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Folha de Determinação de Elegibilidade ao PNQS 2013"

Transcrição

1

2 Folha de Determinação de Elegibilidade ao PNQS 2013 Categ.: ( X ) Nível B ( )Nível I ( )Nível II ( )Nível III ( )Nível IV ( )IGS Obs: Para as organizações candidatas ao Nível III e Nível IV, preencher o formulário de candidatura ao IGS identificando o case a ser apresentado. Conforme regulamento PNQS 2013, candidatas Nível III deve ser apresentar no mínimo um case e Nível IV no mínimo dois cases. Nome da organização candidata: SANED - Companhia de Saneamento de Diadema Razão social responsável: SANED - Companhia de Saneamento de Diadema ( ) Unidade autônoma de outra organização No caso de Nível III ou IV, só é elegível um agrupamento com mais de uma cidade, se houver organização controladora cobrindo mais de uma cidade. Forma de Direito: ( X ) Público ( ) Privado Número de inscrição no CNPJ: / Endereço Home-page (se existir): Principais atividades: (Operação e Manutenção do Sistema de Água e Esgoto); Distribuição de Água Tratada; Coleta de Esgoto; Tratamento de Esgoto Enviado para tratamento instalações do importador (ETE ABC). Quantidade de pessoas na força de trabalho da organização: 293 Data de início das atividades: : Lei 1254/93 1. Principais clientes e mercados no saneamento ambiental: Residencial, Residencial Social, Comercial, Industrial, Órgãos públicos, Entidades Assistenciais, Grandes Contratos. Incluir terceiros que estejam sob coordenação da candidata. No caso de unidade autônoma, informar também o percentual da força de trabalho da candidata em relação à organização controladora Locais das instalações com força de trabalho (No caso da categoria IGS, informar onde a Prática é definida e onde é aplicada) Nome Endereço Qtd. aprox. de pessoas Prédio Sede Rua Estados Unidos, Centro Operacional Rua Érico Veríssimo, Nota: Se necessário, aumentar o número de linhas da tabela. No caso de haver muitas instalações que prestam serviços equivalentes, pode-se agrupá-las em uma linha apenas. Exemplo: Nome: 150 sedes regionais ou municipais com unidades operacionais no interior; Endereço: regiões norte, sul, leste, oeste e capital do Estado; Qtd. aprox. de pessoas: de 20 a 240). A localização da principal sede administrativa deve estar com endereço completo. Contatos Nome Fone Principal dirigente Elbio Camillo Junior Respons. candidatura Elbio Camillo Junior Aplicável para categorias Níveis B, I, II, III ou IV Declaração de autonomia da organização candidata: Declaramos ter funções e estruturas administrativas próprias e autônomas, no sentido de sermos responsáveis pelo planejamento das ações para atingir nossos objetivos, cumprir nossa missão e atender nossos clientes. Possuímos clientes como pessoas físicas ou outras pessoas jurídicas, consumidoras, usuárias ou compradoras regulares de nossos serviços/produtos no mercado que não são de nossa própria organização. Concordamos que, no caso de candidatura ao Nível B ou I, essa elegibilidade, mesmo que aprovada, poderá ser suspensa se uma organização controladora, que abranja a organização aqui candidata, vier a pleitear elegibilidade em nível acima do aqui postulado. Página 1 de 2

3 Denominação da Prática: Não Aplicável (Práticas implantadas há mais de cinco anos não são elegíveis.) Resumo da prática: (Máximo 12 linhas) Não Aplicável Aplicável somente para Categoria IGS Data de implantação: Não Aplicável Lembrete: Não são elegíveis Cases relativos a melhorias, ideias ou inovações em produtos, processos ou práticas operacionais, como por exemplo: softwares aplicativos, equipamentos, instrumentos, ferramentas e outras soluções técnicas. Área, setor, divisão, departamento, grupo, equipe ou assemelhado, responsável pela Prática: Não Aplicável Questões dos Critérios PNQS, de qualquer Nível, com os quais a prática tem mais relação: Não Aplicável Resultados alcançados: Não Aplicável (Ex.: Nv I: 2b, 3b e 8b ou Nv IV 2.d, 3.1b e 8.2a) Um ou mais tipos de resultados quantitativos relevantes, com demonstração de evolução favorável obtida em decorrência da prática. Se o resultado apresentado não decorrer exclusivamente da prática, justificar a forte correlação. Podem ser apresentados aqui resultados estimados ou preliminares cuja demonstração, na futura inscrição do Case, será aprimorada. Não são considerados elegíveis Cases sem demonstração de resultados decorrentes da prática. Partes interessadas mais beneficiadas pela Prática: Não Aplicável Aplicável a todas as Categorias O responsável principal pela organização candidata, abaixo-assinado, declara, para os fins de direito, que são verídicas as informações apresentadas nesta candidatura ao PNQS, não tendo sido omitidas informações adversas que sejam relevantes para a avaliação dos resultados da organização em relação aos clientes, à comunidade, à sociedade, ao meio-ambiente e força de trabalho. Diadema, 11 / 06 / 2013 Local Data Elbio Camillo Junior Nome do principal dirigente Parecer do Comitê de Elegibilidade (X) Elegível ( ) Não elegível no contexto apresentado Razão da inelegibilidade Página 2 de 2

4 PERFIL DA ORGANIZAÇÃO CRITÉRIO 1 LIDERANÇA... 1 CRITÉRIO 2 ESTRATÉGIAS E PLANOS... 6 CRITÉRIO 3 CLIENTES CRITÉRIO 4 SOCIEDADE CRITÉRIO 5 INFORMAÇÕES E CONHECIMENTOS CRITÉRIO 6 PESSOAS CRITÉRIO 7 PROCESSOS CRITÉRIO 8 RESULTADOS GLOSSÁRIO FOLHA DE DIAGNÓSTICO DE GESTÃO PLANO DE MELHORIA DO SISTEMA DE GESTÃO COMPROVANTE DE PAGAMENTO DECLARAÇÃO DE IDONEIDADE...ANEXO

5

6 P1. Descrição da Organização a - Instituição, propósito e porte SANED Companhia de Saneamento de Diadema. Sociedade de economia mista, com personalidade jurídica de direito privado, criada em face de autorização da Lei Municipal nº 1.254/93, com as alterações e disposições subsequentes contidas nas Leis Municipais nº 1.365/94, 1.404/94 e Lei Complementar 155/01, e posteriormente constituída por Escritura Pública lavrada em 13/09/93, registrada no 1º Cartório de Notas da Comarca de Diadema, sendo ainda, regida pela Lei Federal nº 6.404/76 que seguiu alterada pela Lei /01. A Companhia de Saneamento de Diadema tem como acionista majoritário a Prefeitura Municipal de Diadema. A SANED tem por objetivo, de acordo com o Artigo 4º do seu Estatuto Social: I Operar, conservar, construir, reformar, expandir e explorar, direta ou indiretamente, segundo os princípios da universalização e da equidade no abastecimento, o sistema público municipal de abastecimento de água, entendido este como sendo todas as instalações públicas sob domínio e controle exclusivo da SANED, que estejam no Município e a ela sirvam; II - Operar, conservar, construir, reformar, expandir e explorar, direta ou indiretamente, segundo os princípios da universalização e da equidade no abastecimento, o sistema público municipal de esgotamento sanitário, entendido este como sendo todas as instalações públicas de coleta e afastamento dos efluentes domiciliares e industriais situados no Município e que a ela sirvam; III Fixar e arrecadar as tarifas decorrentes dos serviços de água e esgoto, bem como as taxas de contribuição de melhoria instituídas por lei; IV Promover e executar estudos, pesquisas e projetos relativos ao saneamento ambiental, diretamente ou através de convênio que atuem em áreas afins; V Exercer quaisquer outras atividades relacionadas à preservação dos sistemas municipais Tabela 1 - Porte da Organização População Urbana Residente no Município habitantes População Urbana Residente em Área de Mananciais habitantes População com Abastecimento de Água habitantes População com Esgotamento Sanitário habitantes Índice de Coleta de Esgoto 89,64 % Índice de Tratamento de Esgoto 12,50 % Ligações Ativas de Água unidades Ligações Ativas de Esgoto unidades Fonte: Sistema de Informação SANED Dezembro de 2012

7 b - Serviços ou produtos e processos Os principais serviços prestados pela SANED são: Reservação e distribuição de água tratada; Coleta e exportação de esgoto para tratamento nas dependências do importador Sabesp; Operação e manutenção do sistema de água e esgotamento sanitário. A SANED é a primeira Companhia do ABC a executar obras para a reversão dos esgotos da bacia Billings. Com esta medida o município de Diadema contribui para mitigar o grau de poluição do manancial. c - Sócios, mantenedores ou instituidores Prefeitura Municipal de Diadema Secretaria de Obras d - Força de Trabalho Quadro de funcionários em dezembro de 2012 Os empregados da SANED têm seus contratos de trabalho regido pela Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) e a lei de criação da Companhia estabeleceu o máximo de 09 (nove) cargos comissionados de livre provimento. O quadro em dezembro/2012 é de 287 empregados assim distribuídos: Tabela 2A FUNÇÕES Empregados Funções Administrativas 90 Funções Operacionais 144 Funções Técnicas 26 Chefias/Liderança 27 Total 287 Fonte: Divisão de Administração de Recursos Humanos A estrutura de cargos da Companhia tem como uma de suas premissas a exigência de escolaridade, sendo a força de trabalho assim distribuída: Tabela 2B Nível de Escolaridade Exigido Empregados Fundamental 149 Médio / Técnico 110 Superior 28 Total 287 Fonte: Divisão de Administração de Recursos Humanos Além dos empregados próprios, a Companhia conta com alguns serviços terceirizados (limpeza, jardinagem, atendimento telefônico) totalizando 32 empregados; e conta também com 48 estagiários distribuídos em todas as áreas da Companhia.

8 e - Clientes e mercados Os clientes da SANED estão dispostos e distribuídos por sete categorias, a saber: I. RESIDENCIAL II. RESIDENCIAL SOCIAL III. COMERCIAL IV. INDUSTRIAL V. ÓRGÃOS PÚBLICOS VI. ENTIDADES ASSISTENCIAIS VII. GRANDES CONTRATOS f - Fornecedores e insumos Tabela 3. Contratos e Serviços/Produtos Fornecedores AMIL COMABHI CORPLASTIC ENORSUL GOIÃNIA MAUÁ ITRON INSTITUTO NACIONAL LOWE COMÉRCIO E SERVIÇOS LOCRENTAL LOC. DE EQUIPTO POLIERG SABESP TRANSKOMBY VERSATIL ENG. LTDA VIAÇÃO SANTO IGNACIO LTDA Fonte: Gerência de Licitações Insumos Plano de assistência médica para a força de trabalho Serviços de manutenção eletro mecânica Fornecedora de tubos e conexões PVC Prestação de Serviços de leitura e entrega de contas de água e esgoto Prestação de serviços de manutenção civil Fornecedor de hidrômetros Prestadora de serviços de monitoramento da qualidade da água Serviços de hidrojateamento e caminhão pipa Serviços de locação de retroescavadeiras Fornecedora de tubos e conexões PEAD / PP Fornecedora água tratada no atacado e tratamento dos Esgotos na ETE ABC Locação de veículos Pavimentação asfáltica Locação de poliguindaste Toda aquisição de bens e serviços são adquiridos em conformidade com a Lei de Licitações e Contratos Administrativos Lei 8666/93, para conferir eficiência, agilidade e transparência aos atos administrativos, parte das contratações é feita através do site do Banco do Brasil (elicitações). E, para conferir a qualidade, contamos com quatro empresas credenciadas que avaliam os materiais de uso direto, em consonância com a ABNT. A SANED avalia os novos hidrômetros de acordo com a orientação da Norma ABNT NBR 15538/11, em bancada própria volumétrica e de fadiga, certificada pelo IPEM. g - Sociedade A preocupação com a sociedade é constante na SANED desde seu início, em Pautada pelo entendimento que o acesso aos serviços de saneamento constitui-se como direito de cidadania, a SANED, juntamente com a Prefeitura Municipal de Diadema, instituiu canais de participação direta, audiências públicas e orçamento participativo. Além disto, há na organização a Coordenadoria de Relações Comunitárias, cujo objetivo principal é garantir à

9 população de baixa renda, com vulnerabilidade social, acesso e continuidade nos serviços de abastecimento de água e coleta de esgoto. h - Parceiros Prefeitura Municipal de Diadema Secretarias de Obras e Habitação Ministério das Cidades Caixa Econômica Federal i - Outras partes interessadas Câmara Municipal de Diadema Secretaria de Saúde e Meio Ambiente Movimentos Sociais Sindicado dos Trabalhadores (SINTAEMA) CETESB Todos os fornecedores P2. Concorrência e ambiente competitivo a - Ambiente competitivo A oferta de água por meio alternativo caminhões pipas para os grandes consumidores (indústrias e comércios), tem se constituído grande ameaça à SANED. Para superar este cenário desfavorável, a SANED implantantou práticas de comercialização estratégica. Hoje, os grandes consumidores têm acesso à rede de distribuição de água por meio de contrato de fidelização com tarifa competitiva. Esta prática resultou eficaz. b Desafios estratégicos Formular e implementar a visão de futuro e estabelecer o planejamento estratégico de curto, médio e longo prazo para atender as exigências e necessidades da sociedade diademense. Além desse desafio, a SANED deverá ainda: elaborar novos projetos e investimentos para ações de controle e redução de perdas de água na distribuição; aumentar a eficácia no combate à inadimplência e recuperar dos grandes consumidores P3. Aspectos relevantes A SANED tem como prioridade a promoção da saúde pública, por meio da qualidade e acesso universal aos serviços de saneamento básico. Garantia de acesso e permanência no atendimento à população com vulnerabilidade social, por meio da tarifa social.

10 P4. Histórico da busca da excelência A busca da excelência em gestão tem sido prática recorrente na SANED. A partir de 1996 as ações em saneamento, no município, foram norteadas pelo planejamento estratégico situacional PES. No período de 2001 a 2004 agregamos valor com o gerenciamento pelas diretrizes, com consultoria da Fundação Cristiano Ottoni. Em maio de 2006, a organização conquistou o certificado NBR IS0 9001, Sistema de Gestão da Qualidade, cujo escopo é constituído dos processos: Projetos, Instalação, Manutenção de Sistemas de Água e Esgoto, Reservação e Distribuição de Água Tratada, Coleta e Afastamento de Esgoto, Comercialização. P5. Organograma

11

12 1.a - Como os valores e princípios organizacionais, os padrões éticos, os objetivos e os planos são explicados à força de trabalho? A fim de acompanhar o desenvolvimento das modernas práticas de gestão pública e oferecer atendimento de excelência ao usuário, a SANED implantou em maio de 2006, o Sistema de Gestão da Qualidade com o foco no cliente. Desde então, a missão da Companhia, os princípios organizacionais e seus objetivos passaram a ser traduzidos por meio da política da qualidade, a qual é divulgada e explicada à força de trabalho por canais de comunicação descritos abaixo (Leia a missão e os princípios da Política da Qualidade ao final deste item): Intranet: no menu da página principal da rede interna da SANED há um espaço dedicado à Gestão da Qualidade, onde são descritos, dentre outras informações, os princípios da política da qualidade. Site: no portal da SANED, a barra de direcionamento intitulada Institucional contém os menus: Quem Somos, onde está descrita a missão da empresa e também a Política da Qualidade. SANED em Ação : boletim interno distribuído aos funcionários desde 2007, com periodicidade bimestral, impresso em quatro páginas A4. Gestão à vista: dois painéis instalados em locais de intensa circulação (sendo um na Sede Administrativa e outro no Centro Operacional) exibem, além do desempenho dos indicadores, a política da qualidade. Outras formas de comunicar e explicar os valores e princípios organizacionais, os padrões éticos, os objetivos e os planos são as reuniões realizadas com as equipes intra-setores. Também os treinamentos internos constituem espaço privilegiado onde a direção norteia a ação e o comportamento da força de trabalho, além de explicitar planos específicos, como o Programa de Redução de Perdas. As reuniões de abertura e encerramento de auditoria interna e as reuniões de análise crítica do SGQ são momentos importantes em que se reforça a missão da organização e se discutem as alternativas para a melhoria dos processos e comprometimento da força de trabalho. Conforme previsto no Manual da Qualidade: Os responsáveis por cada processo devem assegurar que a Política da Qualidade seja compreendida, implementada e mantida em todos os níveis de sua respectiva unidade. Os valores comportamentais e éticos da força de trabalho (como sigilo, responsabilidade, espírito de colaboração, higiene, segurança, entre outros) estão pactuados e se encontram em documentos tais como: contrato de trabalho, regimento interno da SANED, termo de responsabilidade de uso de informações e bens da tecnologia da informação. 1

13 1.b - Como as decisões são tomadas e, depois acompanhadas? Desde 2007, a referência para a tomada de decisões são o plano de governo da Prefeitura Municipal de Diadema e a Lei /07. Na SANED, a diretoria colegiada define as diretrizes anuais e as macro decisões. Estas são repassadas e desdobradas em reunião com gerentes, assessores e coordenadores. Estes, por sua vez, desdobram-nas até o nível operacional. Outra importante prática que subsidia a tomada de decisão é o Planejamento Estratégico Situacional, monitorado desde 2009 pela Secretaria de Planejamento e Gestão. O meio utilizado é o SIAP (Sistema de Acompanhamento e Monitoramento de Projetos). Atualizada periodicamente, essa ferramenta detalha os projetos, planos e atividades de interesse do 2

14 governo, possibilitando o acompanhamento dos mesmos, a consolidação e compartilhamento das informações. Para programas específicos, cuja iniciativa de desenvolvimento pertence ao Governo Federal (Ministério das Cidades) como é o caso do Programa de Apoio à Estruturação da Gestão e a Revitalização de Prestadores Públicos de Serviços de Saneamento Básico (PAGSan) o acompanhamento se dá a partir da Unidade de Gerenciamento da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, com desdobramento até o nível local, por meio da UGL Unidade de Gerenciamento Local. Reuniões periódicas são realizadas a fim de avaliar o progresso das ações que compõem o Programa, contando com a participação de representantes do Ministério das Cidades, da Caixa Econômica Federal, da Prefeitura Municipal de Diadema e da Companhia de Saneamento de Diadema SANED. Iniciado em 2010, o PAGSan previu 12 intervenções, as quais foram concluídas em No Sistema de Gestão da Qualidade as decisões são tomadas e acompanhadas pelos indicadores e metas, os quais são monitorados por meio da intranet e quadros de gestão à vista. 1.c - Como os membros da direção interagem com as pessoas da força de trabalho buscando o engajamento de todos? A política da qualidade NBR ISO 9001 no sexto princípio estabelece o envolvimento e comprometimento de todos os colaboradores da SANED. A efetiva prática deste princípio é averiguada nas auditorias internas, externas e na reunião de análise crítica pela alta direção. Nestes momentos se dá a efetiva interação da direção com a força de trabalho. As reuniões de abertura e encerramento são momentos em que se reforça a necessidade do engajamento de todos na busca de melhoria continua do Sistema de Gestão. A verificação dos resultados é feita mensalmente, por meio do painel gestão à vista e também via intranet. A cada semestre é feito contato com a força de trabalho, por meio das auditorias. Isto é possível, pois nosso Sistema de Gestão é composto de treze processos, a saber: Qualidade, Gestão Estratégica, Tecnologia da Informação, Relações Comunitárias, Instalação, Manutenção, Operação, Comercialização, Projetos, Transportes, Financeiro, Pessoas, Suprimentos. O programa de auditoria interna sempre contempla todos eles. 1.d - Como os membros da direção se desenvolvem como líderes? No Sistema de Gestão da Qualidade NBR IS0 9001, certificado desde maio de 2006, as auditorias internas são realizadas, semestralmente, com funcionários do quadro permanente. Estes foram treinados e capacitados a exercer as atividades de auditor interno de forma a apreender o grau de eficácia e conformidade dos processos em relação aos requisitos normativos. Esta função requer que o funcionário demonstre uma série de requisitos comportamentais e técnicos que contribuem diretamente para o seu desenvolvimento, no aspecto gerencial e de liderança. No entanto, isto não é tudo. A alta direção da SANED e as equipes técnicas/gerenciais desenvolvem-se constantemente na arte de liderar, a partir de 3

15 conhecimentos adquiridos em congressos, seminários, exposições, desenvolvimento de projetos, apresentação de experiência em fóruns que congregam várias companhias de saneamento como na ASSEMAE, por exemplo. Com o advento da Lei /07 tivemos a participação em vários cursos de capacitação para elaboração da Política e Plano Municipal de Saneamento. Neste sentido, a coordenação dos trabalhos que resultaram no Plano Municipal de Saneamento de Diadema foi uma prática exitosa. 1.e - Como é verificado se os principais processos gerenciais estão de acordo com os padrões de trabalho estabelecidos? Como já foi explicitado na questão anterior (c), o SGQ possui treze processos gerenciais. Cada um desses processos possui PR Procedimentos estabelecidos e IT Instruções de Trabalho, cuja definição respeita as normalizações técnicas da ABNT, além das legislações, decretos e resoluções específicas. O conjunto desses documentos constitui-se padrão estabelecido para orientar a rotina de trabalho do dia a dia. A verificação da conformidade em relação aos padrões, ocorre nas auditorias internas e externas. Caso seja constatada não conformidade em relação aos padrões de trabalho, recomenda-se a tomada de ações corretivas. Há ainda, a ação preventiva, que busca evitar a incidência de não-conformidade. 1.f - Como é promovida a melhoria nos processos de gestão da organização? A principal ferramenta para a promoção de melhoria contínua nos processos de gestão são as auditorias interna e externa. Semestralmente, o Sistema de Gestão passa por auditoria interna e externa. Os auditores internos apontam as oportunidades de melhoria (OM) para os processos auditados. Estas são apresentadas aos gestores de processo que as implantam. Os auditores externos também registram melhorias que julgam importantes. As ações corretivas também promovem melhoria para os casos em que se detecta alguma não conformidade no processo. Já o método PDCA é aplicado quando as metas não estão sendo atingidas, elaborando-se plano de ação a fim de alcançá-las. 1.g - Como o desempenho da organização é analisado pela direção e controladores, em termos de alcance de metas e em termos de competitividade no setor ou no mercado ou de atendimento a requisitos de partes interessadas? O planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade é estabelecido anualmente. Neste, são previstos reuniões de análise crítica, uma para cada semestre. As análises são realizadas a partir de informações sobre, resultados de auditorias, realimentação de cliente, desempenho de Reunião semestral de análise crítica 4

16 processo e conformidade de produto, situação das ações preventivas e corretivas, ações de acompanhamento sobre as análises críticas anteriores pela direção, mudanças que possam afetar o Sistema de Gestão da Qualidade, e recomendações para melhoria. As saídas da análise crítica incluem as decisões e ações relacionadas à melhoria da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade e de seus processos, melhoria do produto em relação aos requisitos do cliente, e necessidade de recursos. 1 Outros meios de análise do desempenho são os relatórios gerenciais e a respectiva avaliação destes por parte da direção da SANED que estabelece prioridades e metas a serem cumpridas, em consonância com as diretrizes vindas do Governo Municipal. O presidente da Companhia participa de reuniões semanais no gabinete do prefeito (denominadas reunião de secretariado), nas quais o desempenho da organização é acompanhado. 1 In ABNT NBR ISO 9001:2008 pag. 5 e 6. 5

17

18 P2. Processos gerenciais a - Como são definidas as estratégias a serem adotadas pela organização? As estratégias adotadas pela SANED são baseadas, desde 2007, nos princípios constantes na lei /07. Esta legislação estabelece como objetivos a universalização dos serviços de saneamento básico e a participação efetiva da sociedade na definição de ações, obras, programas e investimentos necessários para garantir o acesso de toda população aos serviços. Com o intuito de colocar tais princípios em prática, a SANED participou da atividade de planejamento realizada pelo Governo Municipal em janeiro de Prefeito, vice-prefeito e secretários (dentre os quais inclui-se o diretor-presidente da SANED) traçaram as diretrizes do Governo, ou seja, quais seriam as suas marcas e desafios para o período de 2009 a Tais diretrizes pautaram as discussões posteriores, em março de 2009, quando a SANED participou de Oficina de Planejamento Estratégico. Os projetos estruturantes definidos na ocasião estão descritos na tabela 4 a seguir. Tabela 4 Projetos estruturantes Objetivos estratégicos Projetos Inicio Termino Construção de adutora Nações-Real Melhoria no abastecimento de água Melhoria no índice de tratamento de esgoto Substituição de hidrômetros Construção de adutora Real-Eldorado Setorização das redes de água Construção de coletor tronco Monteiros Construção do coletor tronco Canhema Construção do coletor tronco Curral Grande Construção de redes de esgoto em vias públicas e novos loteamentos Ações para estruturação da gestão do serviço de saneamento Apoio à elaboração do Plano Municipal de Saneamento (LEI /07) Apoio à atualização do sistema SIGES e à implantação do GIS, visando um novo patamar tecnológico e de suporte ao atendimento das necessidades da gestão comercial e operacional da empresa e a integração com os módulos financeiros e contábil da ERP Ações de revitalização do prestador de Serviço (melhoria da gestão da SANED) Apoio as melhorias na infra-estrutura de comunicação entre as unidades Sede e Centro Operacional da SANED, bem como da infra-estrutura física e lógica no interior dessas unidades Macromedição e controle operacional: desenvolver e implantar a macromedição de vazões e pressões no sistema distribuidor; telemetria dos dados para o Centro de Controle Operacional; planejamento do controle operacional e da manutenção do sistema de medições e controle

19 Ações de revitalização do prestador de serviço (melhoria técnicooperacional visando à redução de perdas) Sistema Cadastral; geoprocessamento e modelagem hidráulica; atualizar base cartográfica e utilizar ferramentas do GIS; transpor o cadastro técnico base CAD para uma base GIS; institucionalizar procedimentos de atualização e de geração automática de entrada de dados pra modelos hidráulicos em EPANET; planejar a modelagem hidráulica, construir modelos e calibrá-los; compatibilizar as bases de dados comerciais e operacionais. Desenvolver o controle e redução de perdas reais; definição das zonas e implementação do controle de pressão por VRP; definição das zonas de medição e controle e implementação do combate a vazamentos invisíveis. Mobilização social e plano de capacitação de pessoas: mobilizar a organização para gerir, sustentar e perenizar as ações de controle e redução de perdas, bem como capacitar amplamente as pessoas com este objetivo. Além do plano estratégico, outro balizador para as estratégias da SANED é o Plano Municipal de Saneamento Básico, elaborado com a participação popular, no decorrer do ano de 2011 e regulamentado por meio do decreto 6808/12. Abrangendo os sistemas de abastecimento de água; esgotamento sanitário; drenagem e manejo de água pluviais, além da limpeza urbana e manejo dos resíduos sólidos, o PMSB propõe soluções para a universalização do acesso a esses serviços, indicando o prazo de execução das mesmas e os recursos necessários para concretizar o investimento. b - Como são definidos os indicadores e respectivas metas, associadas às estratégias? Apresentar os principais indicadores associados às estratégias. A definição dos indicadores e metas se dá por meio de discussões em reunião especifica com cada um dos gestores dos 13 (treze) processos que compõe o SGQ. Dos trinta indicadores existentes, oito deles estão diretamente relacionados aos objetivos estratégicos definidos pela alta direção da SANED, os quais estão descritos na tabela abaixo. Tabela 5 Objetivos estratégicos Objetivos Indicadores Meta Verificação/ Freqüência Resp. Universalidade na distribuição de água pelo sistema (rede), coleta e afastamento de esgoto Índice de atendimento urbano de água (IN023) 100% Mensal/ Anual Nível de cobertura conforme Lei /2007 e Plano Municipal de Saneamento de Diadema Índice de coleta de esgoto (IN015) Índice tratamento de esgoto (IN016) 13% 95% Mensal Anual GOP 7

20 Continuidade no abastecimento de água Pesquisa de Satisfação do Cliente (pós venda) Qualidade da Água Reduzir e Controlar as Perdas de água na Distribuição Eficácia no faturamento Fonte: Manual da Qualidade Duração média de paralisações das redes de água no sistema Índice de satisfação dos clientes IQA Índice de qualidade da água Índice de perdas na distribuição (IN049) Índice de perdas de faturamento (IN013) 10 hr/mês Mensal GOP 80 a 100 Semestral APQ 99,50% Mensal GMA 40% Anual GOP 0,40% Mensal GCO c - Como são definidos os planos de ação ou projetos estratégicos para o alcance de metas? Todos os processos que compõe o SGQ possuem metas definidas. O plano de ação para alcançá-las é desenvolvido a partir da ferramenta PDCA. O processo de elaboração do plano ocorre de forma participativa, em reuniões específicas com a presença do gestor do processo e sua equipe de trabalho. Caso as metas não sejam atingidas por três meses consecutivos, o gestor identifica a causa por meio da ferramenta diagrama de causa e efeito. Após esse procedimento e com as causas elencadas, elegem-se - por meio da matriz GUT - as causas principais; em seguida estabelecem-se as ações necessárias para o bloqueio das causas da meta não atingida. Com o plano de ação estabelecido, o próximo passo é o treinamento da equipe que vai operacionalizar o plano. Em seguida monta-se o cronograma de monitoramento e avaliação de eficácia das ações implantadas. Caso a ação seja eficaz, procede-se a padronização da ação. Desta forma, fecha-se o ciclo PDCA. d - Como são acompanhados os planos de ação ou projetos estratégicos definidos? Os projetos e planos de ação definidos como estratégicos pela alta direção são acompanhados por meio do Sistema de Acompanhamento e Monitoramento de Projetos SIAP. Este programa foi estabelecido e implantado pela Secretaria de Planejamento e Gestão, órgão que compõe a Prefeitura Municipal de Diadema. Os registros para acompanhamento e avaliação das ações são realizados mensalmente, por meio do acesso Os projetos definidos no plano de intervenção do PAGSan são monitorados por meio das reuniões da Unidade de Gestão Local UGL e do envio dos indicadores obrigatórios e sugeridos para Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Veja tabela 6 abaixo: 8

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 06/06/2014 18:22:39 Endereço IP: 189.9.1.20 1. Liderança da alta administração 1.1. Com relação

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural. SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural. SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento João Pessoa, 07 de novembro de 2012 Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental VI Seminário Nacional de Saneamento Rural SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Sergio Brasil Abreu Departamento

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos GSAN Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento Versão Atual do GSAN A PROCENGE é líder nacional no fornecimento de softwares de gestão para companhias de Água e Saneamento, com base na sua

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário.

Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário. Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário. 2013 Estrutura Organizacional

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução...03 Projetos e Fatos Relevantes 2008...03 Raio X de Investimentos e Custos...10 Considerações

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À ESTRUTURAÇÃO DA GESTÃO E À REVITALIZAÇÃO DE PRESTADORES PÚBLICOS DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO

PROGRAMA DE APOIO À ESTRUTURAÇÃO DA GESTÃO E À REVITALIZAÇÃO DE PRESTADORES PÚBLICOS DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE APOIO À ESTRUTURAÇÃO DA GESTÃO E À REVITALIZAÇÃO DE PRESTADORES PÚBLICOS DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO - Exercício 2008

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais

SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800

SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800 SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800 Mauricio Kato da Silva Graduado em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Campus Poços de Caldas em 2001. Atua

Leia mais

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I Ref.: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada para Consultoria para implantação da NBR ISO 10.002 com base

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação.

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. IGS INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO Ciclo 2012 Case: Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. A. A OPORTUNIDADE A.1. Qual foi a oportunidade de

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 1 / 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1 REQUISITOS GERAIS... 4 4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos.

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

20 o CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL SISTEMA DE CUSTOS

20 o CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL SISTEMA DE CUSTOS SISTEMA DE CUSTOS Milton Hidehiro Kobo (1) Administrador de Empresas. Assistente da Diretoria Comercial e Financeira do SEMASA. Servidor de carreira da autarquia desde 04/02/74. Marluce Machado da Paz

Leia mais

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS ORGANOGRAMA A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? Desde 1999, a OC utiliza o Modelo de Excelência

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2009 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2009 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2009 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução... 03 Projetos e Fatos Relevantes 2009... 03 Raio X de Investimentos e Custos... 09 Considerações

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE

ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE INVESTIMENTO, CRESCENDO MAIS QUE O CONSUMO, FOI O GRANDE MOTOR DO CRESCIMENTO 200 190 PIB Consumo das Famílias e Investimento (FBKF) Índice

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

Programa Gestão do Conhecimento

Programa Gestão do Conhecimento Companhia de Águas e Esgotos CAERN Gerência de Desenvolvimento Humano - GDH Programa Gestão do Conhecimento (Relatório) Resultados da Pesquisa e para Implementação do Programa Sumário 1.. 2. sobre Gestão

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Modelo inovador na operação do sistema de distribuição de água utilizando Distritos de Manobra Outubro-2013 Organograma da OC

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI Dados de Identificação Dirigente máximo da instituição Nome/Sigla da instituição pública Nome do dirigente máximo Nome/Cargo do dirigente de TI Endereço do setor de TI 1 Apresentação O Tribunal de Contas

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades

Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades Implantação da plataforma ESRI na Sabesp Desafios/Soluções/Oportunidades A Sabesp STATUS: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: R$ 10,5 bilhões* EMPREGADOS: 14.896 Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA Presidencia Diretoria Superintendencia Candiadata OC Div. Gdes. Consumidores Pólo de Comunicação Administrativo

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 001 / Outubro de 2009 CBC - Consultoria e Planejamento Ambiental Ltda. Rua Felicíssimo Antonio Pereira, 21-37, CEP 17045-015 Bauru SP Fone: (14) 3313 6332 www.cbcambiental.com.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES 1 OBJETIVO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO 1.1 A Central de Atendimento do BNDES deverá atender aos seguintes objetivos:

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Informativo Oficial do Municipio de Itapemirim - Criado pela Lei Municipal nº 1.928/05 e Regulamentado pelo Decreto nº 2.671/05 - Ano IX - 1618 DECRETOS DECRETO Nº. 8.552 /2015

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ

MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais