Unidade Curricular HIDRÁULICA II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade Curricular HIDRÁULICA II"

Transcrição

1 Unidade Curricular HIDRÁULICA II Luís Tecedeiro Gab. C ext

2 TURBINAS

3 Tipos de Turbinas: de acção (Pelton) de reacção diagonais (Francis) axiais (Kaplan)

4 Turbinas Pelton injector roda

5 Turbinas Pelton (de acção) Principais características: Quedas altas; Eixo vertical (máx. 6 inj.) ou horizontal (máx. 2 inj.) Parte inferior da roda acima do nível de restituição; Agulha do injector controlada pelo regulador automático da velocidade de rotação do grupo turbina-alternador; Injector com deflector para evitar sobrepressões na paragem brusca; Podem ser acopladas duas rodas.

6 Turbinas Pelton

7 Turbinas Pelton

8 Turbinas Pelton

9 Turbinas Pelton

10 Turbinas Pelton

11 Turbinas Pelton

12 Turbinas Pelton

13 Turbinas Pelton

14 Turbinas Pelton

15 Turbinas Francis evoluta distribuidor (directrizes) roda difusor

16 Turbinas Francis (de reacção - diagonais) Principais características: Quedas entre 20 e 500 m; Eixo vertical ou horizontal; As directrizes do distribuidor são comandadas pelo regulador automático da velocidade de rotação do grupo turbina-alternador; A evoluta tem lâminas fixas (pré-directrizes) Podem ser de dupla roda.

17 Turbinas Francis

18 Turbinas Francis

19 Turbinas Francis

20 Turbinas Francis

21 Barragem de Itaipu Qturb. = m3/s Pinst. = MW

22 Barragem de Itaipu

23

24

25

26

27

28

29

30 Itaipu Qturb. = m3/s Pinst. = MW

31 ALQUEVA Qturb. = 400 m3/s Pinst. = 240 MW

32 Castelo do Bode Pinst. = 139 MW

33 BARRAGEM DE ALQUEVA UTILIZAÇÕES - Reserva / Rega / Abastecimento / Energia LOCALIZAÇÃO DADOS GERAIS Distrito - Beja Concelho - Moura Local - Alqueva Bacia Hidrográfica - Guadiana Linha de Água - Rio Guadiana Promotor - Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva SA (EDIA) Dono de Obra (RSB) - EDP - Direcção Operacional de Equipamento Hidráulico Construtor - Ace-Somague-Bento Pedroso-Cubiertas- Dragados Ano de Projecto Ano de conclusão CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS CARACTERÍSTICAS DA ALBUFEIRA Área da Bacia Hidrográfica km2 Caudal integral médio anual x 1000 m3 Caudal de cheia m3/s Período de retorno anos Área inundada ao NPA x 1000m2 Capacidade total x 1000m3 Capacidade útil x 1000m3 Nível de pleno armazenamento (NPA) m Nível de máxima cheia (NMC) - 154,7 m Nível mínimo de exploração (Nme) m CARACTERÍSTICAS DA BARRAGEM DESCARREGADOR DE CHEIAS Betão - Abóboda de dupla curvatura Altura acima da fundação - 96 m Cota do coroamento m Comprimento do coroamento m Largura do coroamento - 7 m Fundação - Rocha Volume de betão x 1000 m3 Localização - 2 no corpo da barragem e encontros Tipo de controlo - Controlado Tipo de descarregador - Soleira tipo Wes c/ canal a jusante Cota da crista da soleira m Desenvolvimento da soleira - 2 x 19 = 38 m Caudal máximo descarregado m3/s Dissipação de energia - Trampolim DESCARGA DE FUNDO CENTRAL HIDROELÉCTRICA Localização - Incorporada na galeria de derivação provisória Secção da conduta - d 3m Caudal máximo m3/s Controlo a montante Controlo a jusante Dissipação de energia - Trampolim Tipo de central - Pé da barragem c/ bombagem Nº de grupos instalados - 2 Tipo de grupos - Reversíveis Turbo/Francis Potência total Instalada MW Energia produzida em ano médio GWh

34 BARRAGEM DE CASTELO DO BODE UTILIZAÇÕES - Abastecimento / Energia / Defesa contra cheias / Recreio LOCALIZAÇÃO DADOS GERAIS Distrito - Santarém Concelho - Tomar Local - Castelo do Bode Bacia Hidrográfica - Tejo Linha de Água - Rio Zêzere Promotor - CPPE, Cª. Portuguesa de Produção de Electricidade, AS Dono de Obra (RSB) - CPPE Projectista - A. Coyne Construtor - Moniz da Maia & Vaz Guedes Ano de Projecto Ano de Conclusão CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS CARACTERÍSTICAS DA ALBUFEIRA Precipitação média anual mm Caudal integral médio anual x 1000 m 3 Caudal de cheia m3/s Período de retorno anos Área inundada ao NPA x 1000m2 Capacidade total x 1000m3 Capacidade útil x 1000m3 Nível de pleno armazenamento (NPA) m Nível de máxima cheia (NMC) m CARACTERÍSTICAS DA BARRAGEM DESCARREGADOR DE CHEIAS Betão - Gravidade com curvatura Altura acima da fundação m Cota do coroamento - 124,3 m Comprimento do coroamento m Fundação - Gneisse e micaxisto Volume de betão x 1000 m3 Tipo de controlo - Controlado Tipo de descarregador - Orifício Cota da crista da soleira m Desenvolvimento da soleira - 28,08 m Comportas - 2 Caudal máximo descarregado m3/s Dissipação de energia - Trampolim DESCARGA DE FUNDO CENTRAL HIDROELÉCTRICA Tipo - Através da barragem Secção da conduta - d 3,0 m Tipo de central - Pé de barragem Nº de grupos instalados - 3 Tipo de grupos - Francis Potência total Instalada MW Energia produzida em ano médio GWh

35 Alqueva e Castelo do Bode - geradores

36 Turbinas Kaplan (de reacção - axiais) Principais características: Quedas baixas; Eixo vertical ou horizontal; Rodas com forma de hélice, com pás orientáveis, controladas pelo regulador de velocidade; Nos grupos bolbo o alternador está alojado no interior de um invólucro com a forma de um bolbo.

37 Turbinas Kaplan

38 Turbinas Kaplan

39 Turbinas Kaplan

40 Turbinas Kaplan

41 Turbinas Kaplan

42 Turbinas Kaplan

43 Turbinas Kaplan

44

45 Comparação de turbinas. Vantagens e desvantagens da sua utilização Pelton vs. Francis Turbinas Pelton: Grande variação de potência sem perda de rendimento Mais fácil evitar sobrepressões; Manutenção mais fácil; Menor risco de abrasão

46 Comparação de turbinas. Vantagens e desvantagens da sua utilização Pelton vs. Francis Turbinas Francis: Exige menor espaço de instalação; Tem maior velocidade de rotação; Tem rendimentos mais altos para as maiores potências;

47 Comparação de turbinas. Vantagens e desvantagens da sua utilização Kaplan vs. Francis 1. Turbinas Kaplan: Tem bons rendimentos numa gama ampla de potência e de queda; Tem maior velocidade de rotação; 1. Turbinas Francis: Menor custo das obras de construção civil; Menor custo da turbina.

48 linha de energia Turbina

49 Relações de semelhança Q H = Q H n P = n P D D 2 H H 2 5 Q caudal turbinado D diâmetro do rotor H queda útil da turbina n nº de rotações por minuto 4 n H D = D = n H 1 2 Q H = Q H 1 2 P H = P H 3 2

50 Nº específico de rotações ns = n 12 P H 54 Velocidade de rotação de uma turbina geometricamente semelhante a outra, que funcionando com igual rendimento fornece uma potência unitária para uma queda útil unitária. (n r.p.m.; P CV; H m)

51 Velocidade de rotação 60 frequência da corrente alterna n= número de pares de polos do alternador Alternador - é uma máquina que transforma energia mecânica em energia elétrica.

52 Escolha de uma turbina

53 fig

54 fig

55 Diagrama em colina

56 fig esq.

57 fig dir.

58 Turbinas Funcionamento em: Vazio - velocidade de regime não fornecendo potência ao exterior (potência e rendimentos nulos) Embalamento com o distribuidor totalmente aberto e o alternador desligado, atinge o regime permanente. (potência e rendimento praticamente nulos e caudal não nulo)

59 Problema

60 Escolha de uma turbina Exemplo: Uma turbina deverá apresentar o seu melhor rendimento com uma queda útil de 120 m e turbinar um caudal máximo de 40 m3/s com essa queda. Determinar: a) O tipo e número específico de rotações da turbina a instalar. b) A potência máxima que a turbina poderá fornecer se a queda útil descer para 90 m.

61 Resolução: a) Para H0 = 120 m (fig ) tem-se uma turbina Francis com ns 170 rpm (m, CV) (valor aproximado no meio da faixa, a corrigir).

62 Resolução (cont.): Neste tipo de turbina, o rendimento para o caudal máximo na queda dos melhores rendimentos é aproximadamente η = 89% (fig ).

63 Resolução (cont.): A potência máxima a fornecer com essa queda é: P = η γ Q0 H0 = 0,89 x 9800 x 40 x 120 = 41,9 x 106 W P (CV) = 41,9 x 106 W / 735 = CV A velocidade de rotação aproximada será: n = ns H05/4 / P01/2 = 170 x 1205/4 / /2 = 283 rpm O número de pares de polos do alternador será: p = 3000 / n = 3000 / 283 = 10,6 pares de polos. Adoptando p = 10 pares de polos, tem-se: n = 3000 / p = 3000 / 10 = 300 rpm. ns = n P01/2 / H05/4 = 300 x /2 / 1205/4 = 180 rpm (m, CV)

64 Resolução (cont.): b) Com H = 90 m temos H / H0 = = 90 / 120 = 0,75 (75%). Entramos com este valor no diagrama em colina deste tipo de turbina (fig a)).

65 Resolução (cont.): b) Os valores obtidos do gráfico são: Q / Q0 82,5% (leitura no eixo das abcissas); η 86,5% (por interpolação entre as curvas de 86% e 88%). Tem-se assim: Q = 0,825 x 40 = 33 m3/s P = 0,865 x 9800 x 33 x 90 = 25,2 x 106 W = 25,2 MW

66 Links Diversos

Paulo Moisés Almeida da Costa. As Máquinas Primárias

Paulo Moisés Almeida da Costa. As Máquinas Primárias Almeida da Costa As Máquinas Primárias Escola Superior de Tecnologia de Viseu - 1999 Estes pequenos apontamentos destinam-se a auxiliar os alunos no estudo das máquinas primárias utilizadas nos aproveitamentos

Leia mais

PANORAMA GERAL DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO PAIS

PANORAMA GERAL DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO PAIS PANORAMA GERAL DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO PAIS O Brasil possui no total 4.466 empreendimentos em operação, totalizando 141.798.700 kw de potência instalada. Está prevista para os próximos anos

Leia mais

Aproveitamento hidroelétricodo Baixo Sabor

Aproveitamento hidroelétricodo Baixo Sabor Aproveitamento hidroelétricodo Baixo Sabor Apresentação à Comissão Executiva da Especialização em Direçãoe Gestão da Construção da Ordem dos Engenheiros Torre de Moncorvo, 09 de novembrode 2012 Interveniente

Leia mais

A Produção Hidroeléctrica em Portugal

A Produção Hidroeléctrica em Portugal A Produção Hidroeléctrica em Portugal Como se desenvolverá o sistema hidroeléctrico futuro em Portugal? Turma: 11MC03_03 Carlos Alexandre Silva Cardoso Dinis de Sá Branco dos Santos Ivan Oliveira de Almeida

Leia mais

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008 Bombas Hidráulicas Nelson R. Amanthea Jun2008 Objetivos Introdução Máquinas Hidráulicas Bombas Hidráulicas Recalque Sistemas de Bombeamento Denominação o Deslocamento Direto o Cinéticas Bombas Centrífugas

Leia mais

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis Aula energias renováveis Hidrelétrica - Desenvolvimento e uso - As usinas hidrelétricas - Turbinas - Sistemas de grande porte Driving the hydropower Hidrelétrica Vento Maré Queda na temperatura da água

Leia mais

Ensaio de Bombas Centrífugas

Ensaio de Bombas Centrífugas Ensaio de Bombas Centrífugas 1. NORMAS DE ENSAIO Os ensaios de desempenho e de cavitação para bombas hidráulicas de fluxo (centrífugas, axiais e mistas), de classe C (bombas de utilização corrente) são

Leia mais

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA

ENERGIA HIDRÁULICA MÁQUINA DE FLUXO ENERGIA MECÂNICA ª EXPERIÊNCIA - ESTUDO DAS BOMBAS APLICAÇÃO DA ANÁLISE DIMENSIONAL E DA TEORIA DA SEMELHANÇA 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS MÁQUINAS DE FLUXO ( BOMBAS, TURBINAS, COMPRESSORES, VENTILADORES) As máquinas que

Leia mais

3 PRINCIPAIS OBRAS E ACTIVIDADES DE ENGENHARIA CIVIL NO ÂMBITO DA HIDROELECTRICIDADE

3 PRINCIPAIS OBRAS E ACTIVIDADES DE ENGENHARIA CIVIL NO ÂMBITO DA HIDROELECTRICIDADE 3 PRINCIPAIS OBRAS E ACTIVIDADES DE ENGENHARIA CIVIL NO ÂMBITO DA HIDROELECTRICIDADE 3.1 Introdução Os principais componentes de um aproveitamento hidroeléctrico são os seguintes: Obras de retenção ou

Leia mais

EFEITOS INDUZIDOS PELO COMPORTAMENTO DINÂMICO EM CENTRAIS DO TIPO PÉ DE BARRAGEM

EFEITOS INDUZIDOS PELO COMPORTAMENTO DINÂMICO EM CENTRAIS DO TIPO PÉ DE BARRAGEM EFEITOS INDUZIDOS PELO COMPORTAMENTO DINÂMICO EM CENTRAIS DO TIPO PÉ DE BARRAGEM Helena RAMOS 1 ; A. Betâmio de ALMEIDA 2 RESUMO Em centrais do tipo pé de barragem a variação de caudal por embalamento

Leia mais

Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono

Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono Bancada para medição de fenômeno hidráulico durante a operação de um grupo gerador como síncrono Carlos Barreira MARTINEZ Leonardo A. B. TORRES Luís A. AGUIRRE Viviane P. F. MAGALHÃES Introdução Operação

Leia mais

Estações Elevatórias de Água

Estações Elevatórias de Água Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Hidráulica Aplicada Estações Elevatórias de Água Renato de Oliveira Fernandes Professor

Leia mais

INDICE Projectos e Obras CPLP Alguns Casos de Estudo mais Recentes 50 Anos Um Balanço

INDICE Projectos e Obras CPLP Alguns Casos de Estudo mais Recentes 50 Anos Um Balanço INDICE Projectos e Obras CPLP Alguns Casos de Estudo mais Recentes Projectos de Reabilitação Projectos e Obras em Curso Gestão e Fiscalização de Obras Reforço de Potência Segurança de Barragens Contribuições

Leia mais

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias SUMÁRIO 1- Caracterização 2- A abordagem adotada 3- Conclusões e Sugestões Análise das últimas estações chuvosas 2011/2012 2012/2013 2013/2014

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO Introdução 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O elevado crescimento urbano verificado nos últimos anos, bem como a necessidade de construção de vias de comunicação, de forma a contribuir

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA04A) º semestre 01 Terças de 10 às 1 h Quntas de 08 às 10h Golpe de Aríete Conceito -Denomina-se golpe de aríete ou transiente hidráulico

Leia mais

ANEXO I. ICF - Índice de Continuidade Fluvial BLOCO 1 - AVALIAÇÃO DO OBSTÁCULO - CNCF000003

ANEXO I. ICF - Índice de Continuidade Fluvial BLOCO 1 - AVALIAÇÃO DO OBSTÁCULO - CNCF000003 ANEO I ICF - Índice de Continuidade Fluvial BLOCO 1 - AVALIAÇÃO DO OBSTÁCULO - CNCF000003 CONDIÇÃO GERAL PARA QUALQUER TIPO DE OBSTÁCULO Morfologia da marg Adequada para espécies rastejantes (por ex. enguia)

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga.

Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. DISCIPLINA DE SANEAMENTO AULA 8 / SUMÁRIO AULA 8 ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS Órgãos de manobra e controlo. Tipos, função e localização. Válvulas de seccionamento. Ventosas. Válvulas de descarga. SANEAMENTO / FEVEREIRO

Leia mais

Hidráulica Geral (ESA024A)

Hidráulica Geral (ESA024A) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024A) 2º semestre 2011 Terças de 10 às 12 h Quintas de 08 às 10h Problema IV.1 Conhecendo-se as características da bomba descrita a

Leia mais

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS

AULAS 11 e 12 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS EXEMPLOS SANEAMENTO Aulas 11 e 12 - Sumário AULAS 11 e 12 ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO Tipos, função e localização. Exemplos CÂMARAS DE PERDA DE CARGA, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS E SOBREPRESSORAS Disposições dos órgãos

Leia mais

Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica

Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica Apresentação Tecnologia Eólica para Produção de Energia Eléctrica Mafalda Antunes mafaldaa@portugalmail.pt Departamento de Electrónica Industrial O que é a Energia Eólica? E A energia eólica, é a energia

Leia mais

2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos. 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido

2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos. 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido 2. Classificação, Descrição e Elementos Construtivos 2.1 Definição e Classificação de Máquinas de Fluido Uma máquina pode ser definida como um transformador de energia. Nas máquinas de fluido ocorre a

Leia mais

CANAIS DE REGA COM CONTROLO POR MONTANTE E SUA MODERNIZAÇÃO. Manuel Rijo,

CANAIS DE REGA COM CONTROLO POR MONTANTE E SUA MODERNIZAÇÃO. Manuel Rijo, CANAIS DE REGA COM CONTROLO POR MONTANTE E SUA MODERNIZAÇÃO Manuel Rijo, rijo@uevora.pt CANAIS CONTROLADOS POR MONTANTE Controlador Q =Qmax Q=0 Sensor NOTA: são mais de 90% canais rega a nível mundial

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH FACULDADE DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO - FESP LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE - BT1 CENTRO TECNOLÓGICO DE HIDRÁULICA - CTH APOSTILA DO EXPERIMENTO - BOMBAS HIDRÁULICAS Esta apostila contém o roteiro

Leia mais

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010 Rodrigo Proença de Oliveira Simulação do funcionamento de uma albufeira IST: Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos Rodrigo Proença de Oliveira, 2009

Leia mais

MEC UFRGS IPH LISTA DE EXERCÍCIOS DHH IPH CANAIS A SUPERFÍCIE LIVRE 26/11/2007

MEC UFRGS IPH LISTA DE EXERCÍCIOS DHH IPH CANAIS A SUPERFÍCIE LIVRE 26/11/2007 1) MOVIMENTO UNIFORME 1.1) Um canal tem taludes com m=1,5, declividade de fundo de 1/1600 e largura de fundo igual a 4m. Se a profundidade é igual a 1,20 m calcule a vazão, a largura superficial e a profundidade

Leia mais

Sistemas elétricos de potência. Potencial hidráulico e energia produzida Operação de sistemas elétricos de potência

Sistemas elétricos de potência. Potencial hidráulico e energia produzida Operação de sistemas elétricos de potência Sistemas elétricos de potência Potencial hidráulico e energia produzida Operação de sistemas elétricos de potência Potencial hidráulico e energia produzida A altura de queda disponível para um aproveitamento

Leia mais

RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA

RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA Gonçalo Tavares goncalo.tavares@cenor.pt SUMÁRIO CONSIDERAÇÕES

Leia mais

CAESB. Aplicação de Inversores de Freqüência em sistemas de Bombeamento WORKSHOP SOBRE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. PoToPS. Philosophy

CAESB. Aplicação de Inversores de Freqüência em sistemas de Bombeamento WORKSHOP SOBRE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. PoToPS. Philosophy WORKSHOP SOBRE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aplicação de Inversores de Freqüência em sistemas de Bombeamento CAESB Brasília DF 31/05/2006 Perfect Harmony Drive System 04.10.2006 1 Máquinas de Deslocamento Positivo

Leia mais

Turbina Francis

Turbina Francis Turbinas Hidráulicas Prof. Daniel D.O. dos Santos Cláudio Augusto Dias Filho Luiz Fernando M. de Almeida Paulo José F. de Almeida Rafael Gomes Andrade Vergílio Torezan S. Del Claro Turbina Francis Introdução

Leia mais

Máquinas de Fluxo e Sistemas Hidráulicos GEM32 (FEMEC 41066)

Máquinas de Fluxo e Sistemas Hidráulicos GEM32 (FEMEC 41066) CÓDIGO: FEMEC41066 / GEM32 PERÍODO/SÉRIE: 7º (6º) UNIDADE ACADÊMICA: FEMEC CH TEÓRICA: CH PRÁTICA: 60h 0h CH TOTAL: 60h OBJETIVOS Projetar e especificar sistemas com máquinas de fluxo otimizar potências

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo.

Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova. (Venda Nova II) Relatório de Visita de Estudo. ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Reforço de Potência Aproveitamento Hidroeléctrico de Vila Nova/Venda Nova (Venda Nova II) Relatório

Leia mais

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE HISTÓRICO 1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE AHE Altamira, à montante da cidade de Altamira (antigo Babaquara) UHE Belo Monte com geração em Kararaô e barramento

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II. Revisão Conservação de Energia e Massa

LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II. Revisão Conservação de Energia e Massa LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II Revisão Conservação de Energia e Massa 1) Determinar a velocidade do jato de líquido no orifício do tanque de grande dimensões da figura abaixo. Considerar

Leia mais

20,2 CV (15,1 kw) a r/ min 18 CV (13,4 kw) a r/min. 20 CV (14,9 kw) 18 CV (13,4 kw) (gasolina) De série

20,2 CV (15,1 kw) a r/ min 18 CV (13,4 kw) a r/min. 20 CV (14,9 kw) 18 CV (13,4 kw) (gasolina) De série 2500 Motor: Motor Diesel: Modelo John Deere Série 220, de 3 cilindros Potência conforme norma ECE-R24 20,2 CV (15,1 kw) a 3.600 r/ min 18 CV (13,4 kw) a 3.000 r/min Motor Gasolina: Modelo Kawasaki, V Twin,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas

LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas 1- Água escoa em uma tubulação de 50 mm de diâmetro a uma vazão de 5 L/s. Determine o número de Reynolds nestas condições, informe se o escoamento é laminar ou

Leia mais

Exercício 9 Água escoa do reservatório 1 para o 2 no sistema mostrado abaixo. Sendo:

Exercício 9 Água escoa do reservatório 1 para o 2 no sistema mostrado abaixo. Sendo: 1 a LIST DE EXERCÍCIOS DE SISTEMS FLUIDO MECÂNICOS 014 Referências: 1) Giles, Evett & Liu - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica Coleção Schaum, a edição, Makron ooks, 1997. ) Fox e McDonald Introdução à

Leia mais

2. USINAS HIDROELÉTRICAS. Recursos hidráulicos Potencial hidroelétrico. Turbinas hidráulicas Usinas hidroelétricas.

2. USINAS HIDROELÉTRICAS. Recursos hidráulicos Potencial hidroelétrico. Turbinas hidráulicas Usinas hidroelétricas. 2. USINAS HIDROELÉTRICAS Recursos hidráulicos Potencial hidroelétrico. Turbinas hidráulicas Usinas hidroelétricas. ORIGEM Moinho Hidrelétricas Em cada país essa energia varia consideravelmente, em função

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

detenção estendido (enchentes + melhoria da qualidade das águas pluviais)

detenção estendido (enchentes + melhoria da qualidade das águas pluviais) Reservatório de detenção estendido (enchentes + melhoria da qualidade das águas pluviais) Triângulo do manejo de águas pluviais 1 Ciclo hidrológico natural (voltar ao ciclo hidrológico natural; Gênesis

Leia mais

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh.

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh. Hidrelétrica Funcionamento: * Pressão causa um aumento da velocidade da água rgh=rv 2 /2 portanto: E a h * Quanto mais alta a represa, maior a velocidade da água e, portanto, maior a energia produzida.

Leia mais

Energía Eólica. Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires. Sinop-MT 2016

Energía Eólica. Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires. Sinop-MT 2016 Energía Eólica Nathalia Cervelheira Michelle Carvalho Neldson Silva Maick Pires Sinop-MT 2016 INTRODUCÃO Denomina-se energía eólica a energía cinética contida nas massas de ar em movimento. Seu aproveitamento

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique PARTIDA DIRETA O motor

Leia mais

AULA 2 DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS I PROF. GERONIMO

AULA 2 DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS I PROF. GERONIMO AULA 2 DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS I PROF. GERONIMO BOMBAS CENTRÍFUGAS Bomba é um equipamento que transfere energia de uma determinada fonte para um liquido, em consequência, este liquido pode deslocar-se de

Leia mais

FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA

FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA Nome da barragem /estrutura: Endereço: Bairro/Distrito: CEP: Telefone /Fax: ( ) I. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Complemento: Município/UF: E-mail:

Leia mais

Rodete equilibrado dinámicamente

Rodete equilibrado dinámicamente EXTRACTORES CENTRIFUGOS DE BAIXA PRESSÃO Série CBM Ventiladores centrífugos de entrada dupla com motor incorporado, fabricados em chapa de aço galvanizado, turbina de alhetas curvadas para a frente, equilibrado

Leia mais

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO 4.1. Introdução A redução da resistência mecânica é um aspecto de grande preocupação na aplicação de rochas em engenharia civil e, por isso, constitui tema de vários relatos

Leia mais

Lista de Exercícios de Operações Unitárias I

Lista de Exercícios de Operações Unitárias I Lista de Exercícios de Operações Unitárias I Bombas Prof. Dra. Lívia Chaguri Monitor Victor Ferreira da Motta L. Fonseca ¹Exercício 1) Considere a instalação mostrada na Figura 1. Azeite de Oliva a 20

Leia mais

Bomba de higiene. Vitalobe. Folheto com as curvas características

Bomba de higiene. Vitalobe. Folheto com as curvas características Vitalobe Folheto com as curvas características Ficha técnica Folheto com as curvas características Vitalobe Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem ser divulgados, copiados,

Leia mais

Equação da Energia Mecânica para Fluidos

Equação da Energia Mecânica para Fluidos Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Instituto Federal do Rio Grande do Norte Curso: Técnico em Mecânica Disciplina: Mecânica dos Fluidos 21 de Setembro de 2016 (Instituto Mecânica dos Fluidos

Leia mais

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS 35088-(36) Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 Despacho (extrato) n.º 15793-H/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 UHE Belo Monte IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 LOCALIZAÇÃO Volta Grande do Xingu Pará Altamira Transamazônica Belo Monte Vitória do Xingu Brasil Novo Anapu

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Disciplina: SISTEMAS HIDRÁULICOS URBANOS arquivo 04 Captação em mananciais superficiais Prof.: Flavio Bentes Freire Locais apropriados para a localização da

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte II

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte II Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos Parte II Prof.: Clodomiro Unsihuay-Vila A Função de Custo Futuro

Leia mais

Sistema PEX AULA O que é o sistema PEX

Sistema PEX AULA O que é o sistema PEX AULA 12 Sistema PEX 1. O que é o sistema PEX É um sistema predial de instalações hidráulicas composto por tubos flexíveis que pode ser utilizado tanto para água fria quanto para água quente com conceito

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

DRENAGEM AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES

DRENAGEM AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES AULA 04 OBRAS DE ARTE CORRENTES Tipos de drenagem Drenagem de transposição de talvegues Tem por objetivo permitir a passagem das águas que escoam pelo terreno natural, não as interceptando, de um lado

Leia mais

Série K CK-25 N CK-35 N CK-40 F CK-50 CK-60 F ECO-500 EXTRACTORES CENTRIFUGOS DE COZINHA. Exaustores de cozinha CK

Série K CK-25 N CK-35 N CK-40 F CK-50 CK-60 F ECO-500 EXTRACTORES CENTRIFUGOS DE COZINHA. Exaustores de cozinha CK EXTRACTORES CENTRIFUGOS DE COZINHA Série K CK-25 N CK-35 N CK-4 F CK-6 F Extractores centrífugos, com aparadeira para recolha de gorduras incorporada, caudais até 625 m 3 /h em, motor 23V-5Hz, Classe II*,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE A LOCALIZAÇÃO DO REGOLFO DA ALBUFEIRO DE ALQUEVA

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE A LOCALIZAÇÃO DO REGOLFO DA ALBUFEIRO DE ALQUEVA RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE A LOCALIZAÇÃO DO REGOLFO DA ALBUFEIRO DE ALQUEVA Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos 1 Art. 115. As águas pluviais que escoam nos limites das propriedades não poderão aumentar as vazões do sistema de drenagem acima das condições naturais e as intervenções por edificações não poderão introduzir

Leia mais

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Aproveitamento da energia eólica Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Formas de aproveitamento Denomina-se energia eólica a energia cinética contida nas massas de ar em movimento

Leia mais

BOMBAS DE FLUXO OPERANDO COMO TURBINAS PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO

BOMBAS DE FLUXO OPERANDO COMO TURBINAS PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO BOMBAS DE FLUXO OPERANDO COMO TURBINAS PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO Augusto Nelson Carvalho Viana 1, Fabio José Horta Nogueira 2 Curso de Engenharia Hídrica Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Avenida BPS,

Leia mais

TYPES OF SPILLWAYS TIPOS DE DESCARREGADORES DE CHEIAS

TYPES OF SPILLWAYS TIPOS DE DESCARREGADORES DE CHEIAS TYPES OF SPILLWAYS TIPOS DE DESCARREGADORES DE CHEIAS Hydropower Hidroenergia Jorge Matos 1 and Inês Lúcio 2 1 jorge.matos@tecnico.ulisboa.pt 2 ines.lucio@tecnico.ulisboa.pt 1 Spillways. Classification

Leia mais

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO BOMBAS Bombas Para deslocar um fluido ou mantê-lo em escoamento é necessário adicionarmos energia, o equipamento capaz de fornecer essa energia ao escoamento do fluido é denominamos de Bomba. CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Descrição Geral A Central da Calheta de Inverno foi construída em 1992, com o objectivo de aproveitar os caudais excedentários ao abastecimento público e garantidos

Leia mais

PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: Data: Outubro 10 Rev: A

PROJECTO DE REDES DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E PLUVIAIS MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: Data: Outubro 10 Rev: A Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, S.A. Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho

Leia mais

Misturadores de concreto

Misturadores de concreto Misturadores de concreto Misturadores de concreto Liebherr Para quem produz concreto pré-misturado, existe um misturador Liebherr adequado para cada tarefa. Quase cinquenta anos de experiência em tecnologia

Leia mais

Recursos Eólicos De onde vem a energia eólica? A energia eólica é a energia cinética dos deslocamentos de massas de ar, gerados pelas diferenças de temperatura na superfície do planeta. Resultado da associação

Leia mais

Operação de Turbinas Bulbos

Operação de Turbinas Bulbos Operação de Turbinas Bulbos Experiências da UHE Igarapava Jefferson Moreira da Silva Turbinas do tipo Bulbo A Unidade Geradora tipo Bulbo é composta por uma turbina hidráulica Kaplan e um gerador síncrono,

Leia mais

A HIDROELECTRICIDADE NA BACIA PORTUGUESA DO RIO DOURO SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

A HIDROELECTRICIDADE NA BACIA PORTUGUESA DO RIO DOURO SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A HIDROELECTRICIDADE NA BACIA PORTUGUESA DO RIO DOURO SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO Rui Manuel LEITÃO EDP - Gestão da Produção de Energia S.A. RESUMO Na presente comunicação é feita uma apresentação

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

Misturadores de argamassa

Misturadores de argamassa Misturadores de argamassa A Betomaq está apta a atender as reais necessidades do mercado brasileiro no segmento de equipamentos e ferramentas. Trabalhando com equipamentos versáteis e de alta tecnologia,

Leia mais

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9%

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Gerência Técnica Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Grupo Construtor Obras Civis e Montagem Eletromecânica Engenharia Contratada: Fornecimentos Eletromecânicos Fornecimentos Eletromecânicos Principais

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

Quantificação de grandezas Ambientais

Quantificação de grandezas Ambientais Quantificação de grandezas Ambientais Hidrologia Cursos d água Perenes: permanece com água o tempo todo, mesmo em períodos em seca. Intermitentes: escoam durante as chuvas, entretanto secam durante as

Leia mais

Brasileira de Perfuratrizes - atua no mercado brasileiro de bens capital

Brasileira de Perfuratrizes - atua no mercado brasileiro de bens capital A COBRASPER - Indústria Brasileira de Perfuratrizes - atua no mercado brasileiro de bens capital desde a década de 80, no s e g m e n t o d e m á q u i n a s perfuratrizes (sondas) para poços de água,

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS. M.Sc. Alan Sulato de Andrade.

Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS. M.Sc. Alan Sulato de Andrade. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como as bombas, os ventiladores são equipamentos

Leia mais

26/11/ Agosto/2012

26/11/ Agosto/2012 26/11/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/11/2012 2 Motores Elétricos Conceitos Motor elétrico é uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. É o mais usado de todos os tipos de

Leia mais

Classificação das Barragens. Prof. Dr. João Luiz Armelin Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Classificação das Barragens. Prof. Dr. João Luiz Armelin Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Classificação das Barragens Prof. Dr. João Luiz Armelin Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira 2/48 Classificação das Barragens A classificação das barragens pode ser feita em função dos seguintes condicionantes:

Leia mais

E P E ANALISTA DE PESQUISA ENERGÉTICA MEIO AMBIENTE / RECURSOS HÍDRICOS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

E P E ANALISTA DE PESQUISA ENERGÉTICA MEIO AMBIENTE / RECURSOS HÍDRICOS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 13 E P E MEIO AMBIENTE / RECURSOS HÍDRICOS EDITAL N o 001/2012 - EPE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os enunciados das 50 (cinquenta)

Leia mais

VENTILADORES PLUGFAN COM VENTILADOR ECBLUE

VENTILADORES PLUGFAN COM VENTILADOR ECBLUE VENTILADORES PLUGFAN COM MOTOR EC NOVO VENTILADOR ECBLUE Sandometal, Metalomecânica e Ar Condicionado, S.A. Estrada Nacional 10 km 127,600 2615-133 Alverca do Ribatejo Telefone: 219 937 890 Fax: 219 586

Leia mais

Central do Reforço de Potência do Escalão de Alqueva

Central do Reforço de Potência do Escalão de Alqueva Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Central do Reforço de Potência do Escalão de Alqueva Carlos Oliveira 1 Verónica Gama 2 Rui Rodrigues 3 Acácio Santo 4 RESUMO A

Leia mais

Aula 13 - Estações Elevatórias

Aula 13 - Estações Elevatórias Sistemas de Água I - Aula 13- Estações Elevatórias 28/01/2014 2 Aula 13 - Estações Elevatórias... seria desejável que os escoamentos fossem inteiramente por gravidade... Entretanto, existem pontos altos

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL AMBIENTE E SANEAMENTO

ENGENHARIA CIVIL AMBIENTE E SANEAMENTO ENGENHARIA CIVIL AMBIENTE E SANEAMENTO AMBIENTE: Conjunto de factores físicos, químicos e biológicos que rodeiam o Homem. SANEAMENTO: Conjunto de obras e equipamentos cujo objectivo fundamental consiste

Leia mais

CAPA COM A FOTO DA MÁQUINA

CAPA COM A FOTO DA MÁQUINA Manual de Instalação A vida fica melhor com um Garen no portão CAPA COM A FOTO DA MÁQUINA GAREN - Automatizador de Portões Av. Dr. Labieno da Costa Machado nº 4292 - Distrito Industrial CEP: 17400-000

Leia mais

Aula 3: Características de Produção Hidrotérmica de Energia para Estudos de Planejamento

Aula 3: Características de Produção Hidrotérmica de Energia para Estudos de Planejamento Planejamento de Sistemas Energéticos Aula 3: Características de Produção Hidrotérmica de Energia para Estudos de Planejamento Docente: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br

Leia mais

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Objetivos da aula Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação triângulo e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores.

Leia mais

O Futuro do Sistema Hidroelétrico em Portugal

O Futuro do Sistema Hidroelétrico em Portugal Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto O Futuro do Sistema Hidroelétrico em Portugal Mestrado Integrado em Engenharia Civil Supervisor: Francisco Piqueiro Monitora: Joana Loureiro Turma 3 Grupo

Leia mais

Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores. Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA

Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores. Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA Tecnologias de Operação e Controle de Aerogeradores Eng. Antonio Carlos de Barros Neiva MSc., MBA a.neiva@gmail.com Sumário Fundamentos de energia eólica Aerodinâmica aplicada Geradores e sistemas acessórios

Leia mais

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 3. AS PECTOS CONS TRUTIVOS 2. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 3. AS PECTOS CONS TRUTIVOS 2. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DESENVOLVI MENTO DE DISPOSITIVO PARA DETECÇÃO DE BARRAS INTERROMPIDAS EM ROTORES DE GAIOLA Agnaldo Reus Medeiros Rodrigues - Sç. Controle de Produtos I - cq-lab1@weg.com.br Vitor Marcon Sç. Metrologia

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

v C = 2.4 ft/s = 20 rad/s v A = 2.4 ft/s = 4 rad/s v C = 4 ft/s

v C = 2.4 ft/s = 20 rad/s v A = 2.4 ft/s = 4 rad/s v C = 4 ft/s 1. O rolete A move-se com velocidade contante v A = 3 m/s; determine a velocidade angular da barra AB e a velocidade do rolete B, v B. R.: = 4 rad/s v B = 5.2 m/s posição horizontal e esta gira no sentido

Leia mais

SEGURANÇA DAS BARRAGENS: A VISÃO DA EDP. 26/3/2012 Manuel Pinho de Miranda

SEGURANÇA DAS BARRAGENS: A VISÃO DA EDP. 26/3/2012 Manuel Pinho de Miranda SEGURANÇA DAS BARRAGENS: A VISÃO DA EDP Controlo de segurança Conjunto de medidas a tomar nas várias fases da vida da obra, contemplando aspectos estruturais, hidráulico-operacionaise ambientais, com vista

Leia mais

LAPIDADORA DE PISO FLAP-12

LAPIDADORA DE PISO FLAP-12 LAPIDADORA DE PISO FLAP-12 CONHEÇA OS BENEFÍCIOS QUE A LAPIDADORA DE PISO TRAZ PARA O TRABALHO NA OBRA. A Lapidadora de Piso FLAP-12 é 4 vezes mais em produtividade do que as politrizes. A lapidadora foi

Leia mais

Eletricista de Instalações

Eletricista de Instalações Eletricista de Instalações UFCD 1183- Variadores de velocidade - instalação e ensaio 2014/ 2015 Aperfeiçoamento nos métodos de produção e sua racionalização, mediante a automação e o controle os processos.

Leia mais

Sistemas de Pressurização Série TAP - Tanques de Pressão

Sistemas de Pressurização Série TAP - Tanques de Pressão Sistemas de Pressurização Série TAP - Tanques de Pressão Menor consumoo de energia TAP-20 C TAP-35 C TAP-20 A TAP-35 A Sistema com tanque de pressão, ideal para residências de até 2 banheiros. Aplicações

Leia mais