PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas"

Transcrição

1 PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas

2 Tão bom quanto um Damha. só outro Damha. Bem-vindo ao Residencial Damha II O Residencial Damha II Brasília seguirá o mesmo padrão e a mesma infraestrutura de sucesso do primeiro residencial. Localizado na região que mais cresce do Distrito Federal, este empreendimento possui o melhor do campo e da cidade juntos: a tranquilidade e o sossego de viver em meio à natureza, com toda a segurança, área de esporte, lazer e diversão de um residencial fechado de alto nível. Confira a seguir as normas construtivas, detalhes dos lotes e informações técnicas para realizar seu projeto de forma adequada e de acordo com nossos padrões.

3 Residencial Damha II Brasília Área Total do Empreendimento: m² Número de Lotes: 517 Menor Lote: 360 m² Maior Lote: 514,22 m² Área de Lazer: m² Área Verde: m² Área de Preservação Permanente: m² MURO GRADIL MURO E GRADIL

4 Observações: A2 B2

5 Observações: C2 D2

6 Observações: E2 F2

7 Observações: G2 H2

8 Observações: I2 J2

9 Observações: K2 L2

10 Observações: M2 N2

11 Observações: O2 P2

12 Q2 I. INTRODUÇÃO 1. O objetivo destas restrições é a proteção do investimento dos COMPRADORES contra o uso indevido do imóvel e garantir a ocupação do solo em face às posturas urbanísticas, ambientais e legais às quais se submete o loteamento. 2. As restrições e obrigações em tratamento, consideradas convencionais, suplementam as normas federais, estaduais e municipais aplicáveis à espécie e sua observância pelas partes é indeclinável. Em sobrevindo norma pública conflitante com estas restrições prevalecerá sempre aquela que for mais restritiva. 3. As restrições convencionais se aplicam indistintamente a todos os lotes, no total de 517 unidades, salvo disposição contrária prevista neste regulamento ou estatuto social, e devem ser cumpridas por todos os COMPRADORES, estando estes sujeitos à aplicação de penalidades no caso de descumprimento, sem prejuízo da responsabilidade civil e criminal prevista em lei. 4. O(s) COMPRADOR(ES) e os seus sucessores, seja a que título for, ficam sujeitos ás restrições e obrigações fixadas em regulamento, cujas regras são objeto das cláusulas seguintes, as quais deverão constar da escritura definitiva de compra e venda que será outorgada ao(s) COMPRADOR(ES), assim como das escrituras referentes às transações futuras. As partes, desde já, autorizam o Oficial do Registro de Imóveis a proceder à inscrição das regras aqui previstas no assento competente. 5. Compete aos COMPRADORES transmitir as restrições às pessoas envolvidas no desenvolvimento dos projetos ou nas obras residenciais. 6. As normas do presente Regulamento, Anexo I ao Instrumento Particular de Compromisso de Compra e Venda de Imóvel com Pacto de Eventual Alienação Imobiliária e Outras Avenças, não se aplicam: ao lote 01 da quadra R-2, ao lote 01 da quadra S-2, ao lote 01 da quadra T-2, ao lote 01 da quadra U-2, ao lote 01 da quadra V-2 lote 01 da quadra W-2, lote 01 da quadra X-2 e lote 01 da quadra Y-2. Aos lotes relacionados neste item se aplicam as normas municipais, estaduais e federais estabelecidas para este zoneamento. 7. A VENDEDORA é responsável por garantir o cumprimento das normas através da aprovação dos projetos e fiscalização das obras residenciais até que a constituição da ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL DAMHA II ocorra, considerando que, uma vez constituída, esta ficará subrogada em todos os direitos e obrigações decorrentes do exercício das atividades aqui tratadas. Residencial Damha II BrasÍlia RESTRIÇÕES CONSTRUTIVAS CONVENCIONAIS

13 II. APROVAÇÃO E CONSTRUÇÃO II.1. APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO 8. Todos os projetos de construção, modificações e acréscimos ou unificação e desdobro de lotes devem ser submetidos à aprovação prévia da VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO, que analisará e aprovará mediante o cumprimento das restrições. O prazo máximo para a análise dos projetos é de 15 (quinze) dias, a contar da data de protocolização do projeto. Estando esse em conformidade ao presente Regulamento Construtivo, será aprovado. 9. O projeto a ser submetido à análise da VENDEDORA ou da ASSOCIAÇÃO deverá conter todas as informações de um projeto completo, como plantas, cortes, fachadas e detalhes. Outras documentações e projetos complementares serão solicitados quando necessário. 10. Para a aprovação serão necessárias 4 (quatro) cópias do projeto no padrão exigido pela Municipalidade e 1 (uma) cópia do memorial descritivo. Aprovado o projeto, será retida uma cópia pela VENDEDORA ou pela ASSOCIAÇÃO, que as manterá em arquivo próprio com a finalidade de acompanhar, orientar e fiscalizar durante todo o andamento da construção. 11. O(s) COMPRADOR(ES) deve(m), após a aprovação junto à VENDEDORA ou à ASSOCIAÇÃO, submeter à aprovação da Prefeitura Municipal de Cidade Ocidental-GO, para a emissão do Alvará de Construção de Obras. Em sendo os projetos também aprovados pela Prefeitura Municipal, o(s) COMPRADOR(ES) deve(m) apresentar 1 (uma) cópia do projeto aprovado e 1 (uma) cópia do Alvará de Construção de Obras à VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO, que deliberará sobre o início da construção. 17. Fica determinado que 517 (quinhentos e dezessete) lotes residenciais é o número máximo no loteamento. Somente é permitido o desmembramento de lotes desde que: esse número total não seja ultrapassado; que a área mínima do lote resultante do desmembramento possua, no mínimo, 360,00m² (trezentos e sessenta metros quadrados); e que a testada mínima do lote tenha 12,00 (doze) metros. 18. Não é permitido, em hipótese alguma, a abertura de vielas, ruas, praças ou passagens de pedestres em decorrência da unificação de lotes. II.2. NORMAS CONSTRUTIVAS 19. É permitida a construção de uma única residência por lote, denominada construção principal, e destinada à habitação do tipo unifamiliar. 20. É proibida a construção de edícula nos lotes do empreendimento. 21. É expressamente vedada a construção com finalidade divergente à mencionada no item 19 (dezenove), como prédio de apartamentos multifamiliar, construção para fins comerciais, industriais e escritórios. 22. É proibido o exercício de atividades comerciais, industriais, todo e qualquer tipo de estabelecimento de ensino, hospital, clínica, boutique, consultório, atelier para prestação de serviços, templos, cinemas, teatros, hotel, motel, pensão e demais atividades que não se enquadrem nos objetivos residenciais do empreendimento. 23. A soma das áreas de projeção horizontal dos pavimentos da construção principal (térreo, superior e subsolo) não podem ultrapassar a Taxa de Ocupação de 50% (cinqüenta por cento) da área total do lote. ÁREA MÍNIMA DA CONSTRUÇÃO PRINCIPAL 26. Deve ser mantido como Área Permeável o equivalente a 20% (vinte por cento) da área do lote. Para a aplicação da Taxa Permeável pode ser somada a área ajardinada do recuo frontal. 27. São permitidos, no máximo, 02 (dois) pavimentos (térreo e superior) acima do nível da rua, além de 01 (um) subsolo. NÚMERO DE PAVIMENTOS 28. O piso do pavimento térreo deve estar situado, no máximo 1,00m (um metro) acima ou 1,00m (um metro) abaixo, da cota média existente no alinhamento frontal do terreno, indicado no memorial descritivo. 30. O mezanino será sempre considerado pavimento, independentemente da sua metragem quadrada. 31. Os locais destinados aos reservatórios (caixa d água), não podem ter acesso através do interior da construção e não podem ter utilização que os caracterizem como terceiro pavimento ou sótão. 32. A altura máxima da construção são 9,00m (nove metros), contados do primeiro piso do pavimento térreo ao ponto mais alto da cobertura, excetuando-se volumes de caixa d água e casa de máquinas. ALTURA MÁXIMA 33. A faixa de recuo frontal do lote deve ser ocupada somente com ajardinamento e pavimentação de acesso para veículos e pedestres. 34. A construção principal deve obedecer aos seguintes recuos mínimos obrigatórios: a) Recuo frontal: 3,00m (três metros); b) Recuo lateral: conforme tabela abaixo: Lotes de Meio de Quadra Recuo Lateral mínimo = 1,50m (ambos os lados) Lotes de Esquina Recuo para a Rua Lateral = 2,00m Recuo para a Divisa com Lote = 1,50m 12. Fica reiterado neste Regulamento, que a VENDEDORA ou a pessoa designada pela ASSOCIAÇÃO, quando constituída, poderá fiscalizar as obras e as edificações, concluídas ou não, com o objetivo de garantir o cumprimento do presente regulamento. 13. Lotes titularizados por um mesmo COMPRADOR podem ser unificados. 14. No aproveitamento de dois ou mais lotes, sempre para a construção de uma única residência unifamiliar, prevalecerá para efeito da aplicação das restrições urbanísticas, o perímetro desses lotes então reunidos, com se de um único lote se tratasse. TAXA DE OCUPAÇÃO MÁXIMA RECUOS LATERAIS CASAS TÉRREAS e assobradadas lotes de esquina 15. Para a aprovação dos projetos residenciais em lotes unificados o(s) COMPRADOR(ES) deve(m) comprovar a unificação apresentando preliminarmente o projeto de unificação aprovado pelo Município. 16. Para lotes remembrados pela divisa dos fundos, somente poderá ser executada uma única edificação, sendo proibida a construção de edícula, e aplicando-se o recuo frontal para ambos os alinhamentos. 24. A área máxima a ser construída no lote, considerando a soma das áreas dos pavimentos da construção principal (térreo, superior e subsolo) deve corresponder ao Coeficiente de Aproveitamento 1 (um). 25. A área mínima da construção principal a ser construída no lote deve ser de 120,00m2 (cento e vinte metros quadrados). NÚMERO DE PAVIMENTOS 29. É considerado subsolo o pavimento cuja laje de cobertura não se situe acima da cota mais alta do alinhamento frontal. RECUOS LATERAIS E FUNDOS CASAS TÉRREAS e assobradadas lotes MEIO DE

14 35. Recuo de fundos: 2,00m (dois metros). 36. As sacadas não podem avançar sobre as áreas destinadas aos recuos. 37. Todos os recuos mencionados são contados da alvenaria até os alinhamentos, divisas laterais e divisas de fundos do lote. 38. O subsolo, assim como os demais pavimentos, deve atender aos recuos mínimos obrigatórios. 39. Nos lotes de esquina, o fechamento da lateral que faz divisa com a rua deve possuir a altura máxima de 2,50m (dois metros e cinquenta centímetros), na extensão de 10,00m (dez metros), contados a partir da divisa dos fundos, sempre respeitada à faixa de calçada. recuo piscinas 43. A casa de máquinas deve obedecer aos mesmos recuos da piscina, ou seja, recuo mínimo obrigatório de 1,00m (um metro), sendo tolerada a execução sobre o recuo lateral e de fundos quando não houver conflito com a faixa de servidão do lote vizinho. Para a liberação destes casos a VENDEDORA ou a ASSOCIAÇÂO deve ser consultada. Se a casa de máquinas possuir características de área construída deve-se respeitar os recuos mínimos obrigatórios. 50. É permitida a construção de pergolado sobre o recuo lateral ou de fundos, desde que o comprimento dele não exceda ao limite de 20% (vinte por cento) da metragem da divisa lateral ou dos fundos. A altura e a largura das pérgolas ficam limitadas, respectivamente, a 0,30m (trinta centímetros) e 0,15m (quinze centímetros), e o espaçamento mínimo entre elas não pode ser inferior a 0,10m (dez centímetros). Não é permitido pergolado sobre a faixa de recuo frontal e, nos casos dos lotes de esquina, sobre o recuo lateral voltado para a rua. 56. Ressalvadas as vedações executadas pela VENDEDORA ou ASSOCIAÇÂO, pode ser executado o fechamento do lote, nas divisas laterais e fundos, com muros ou gradis assentados sobre alvenaria, até a altura de 2,50m (dois metros e cinquenta centímetros), contados a partir da cota de nível final nas divisas dos lotes. Fica, contudo, excetuado do permissivo a lateral do lote de esquina que tem a via de acesso como confrontante, em cujas divisas e respectiva faixa de recuo não se edificará qualquer fechamento, ressalvado o muro conforme consta no item a execução de corte ou aterro nos lotes e o emprego de muro de arrimo para a devida contenção, nas divisas laterais e de fundo. Os muros de arrimo devem, obrigatoriamente, ser impermeabilizados e drenados, e a sua altura máxima será de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros), contados a partir da cota original do lote. FECHAMENTO DO LOTE DE ESQUINA EXTENSÃO lateral FECHAMENTO DO LOTE DE ESQUINA ALTURA MÁXIMA 40. Para os lotes de esquina, quando aplicados os recuos frontal e lateral, o raio de concordância entre estes dois segmentos é definido pela seguinte fórmula: RC = R [(RF+RL) / 2] onde: RC = Raio de concordância, R = Raio da curva que define o alinhamento do lote; RF = Recuo frontal; RL = Recuo lateral. 41. Será permitida a construção de quiosque no fundo do lote, observado o recuo mínimo de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros) em face de qualquer dos alinhamentos do terreno. O quiosque não pode ser fechado com alvenaria ou qualquer outro material de fechamento e ser interligado com as outras construções do lote. O beiral não pode exceder a 0,80m (oitenta centímetros) e a altura máxima é de 2,50m (dois metros e cinquenta centímetros), medidos do piso acabado até o beiral. 42. Para as piscinas, spas e ofurôs, o recuo mínimo obrigatório é de 1,00m (um metro). Os recuos são contados do alinhamento das divisas laterais e de fundo. Não é permitida a construção deles sobre o recuo frontal. 44. Sobre os recuos mínimos obrigatórios não é permitida a construção de churrasqueiras, fornos a lenha ou qualquer elemento construtivo que possa expelir fuligem ou resíduos. 45. É permitida a construção de espelho d água e fonte no recuo frontal, desde que a profundidade máxima seja de 0,20m (vinte centímetros) e se respeite o recuo de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros), medidos da margem ou face edificada até as divisas laterais e o alinhamento frontal. 46. É permitida a construção de cascatas junto aos muros, desde que estas não ultrapassem a altura deles. 47. É permitida a construção de floreiras em balanço sobre as áreas de recuos mínimos obrigatórios, desde que elas não ultrapassem a projeção de 0,40m (quarenta centímetros) nas laterais e 0,60m (sessenta centímetros) na frente e nos fundos. 48. É permitida a construção de abrigo para automóveis encostado em uma das divisas laterais, desde que ele atenda às especificações abaixo: a) Profundidade máxima do abrigo de 6,00m (seis metros), contados a partir do recuo frontal obrigatório de 3,00m (três metros) da frente do lote. b) Altura máxima (pé-direito) de 3,00m (três metros) da laje de cobertura e sem nenhuma utilização na parte superior, nem mesmo como terraço, no espaço destinado ao recuo lateral obrigatório mínimo de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros). Poder-se-á apenas a utilização para jardineira. c) Para os lotes de esquina, é permitida a construção do abrigo de veículos voltado para a rua lateral, desde que respeitados os recuos mínimos obrigatórios. 49. Os lotes de esquina serão considerados com frente para a rua, tal como indicada no Memorial Descritivo dos Lotes. PERGOLADO 51. O abrigo de medidores de água, energia, telefone e TV a cabo, deve ser implantado no recuo frontal, obedecendo ao padrão e localização exigidos pelas Concessionárias locais e definidos pela VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO. 52. Os locais para a implantação de caixa de correio, filtro de água e lixeira serão definido pela VENDEDORA ou pela ASSOCIAÇÃO. 53. Não é permitida a execução de qualquer tipo de poço nos lotes. 54. Considera-se beiral a projeção do telhado existente além da parede ou da estrutura que lhe dá sustentação, até o limite de 0,80m (oitenta centímetros). É considerada e computada como área construída a projeção do beiral que exceder os 0,80m (oitenta centímetros). Os beirais podem avançar sobre os recuos mínimos obrigatórios 0,80m (oitenta centímetros), no máximo. 55. É vedada a construção de muros ou gradis, na frente e nas laterais do lote inseridas dentro da faixa de recuo frontal obrigatório de 3,00m (três metros). Nas divisas laterais do lote é permitido o plantio de cerca viva ou sebe, com altura máxima de 1,00m (um metro). DIVISA DE LOTES CERCA VIVA MURO DE ARRIMO 58. Não é permitida a compensação de alturas entre os muros de arrimo e de fechamento, nos casos onde a altura máxima permitida para cada um dos tipos não foi utilizada. A altura deles será mensurada de forma independente. 59. Os muros devem ser revestidos e pintados externamente, podendo também receber cobertura vegetal. O acabamento dos muros com materiais aparentes deve ser submetido à aprovação da VENDEDORA ou da ASSOCIAÇÃO. 60. As calçadas devem ser executadas e mantidas em perfeitas condições de circulação pelo(s) COMPRADOR(ES) do lote ao término da construção. Deve possuir uma faixa de circulação contínua com largura de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros), localizada no eixo da calçada, e com inclinação máxima de 3% (três por cento) em direção a guia, estando totalmente desobstruída e sem rampas ou degraus, e pavimentada em material a ser definido pela VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO. CALÇADA

15 61. A calçada será do tipo calçada verde, ou seja, duas faixas de grama de 0,75m (setenta e cinco centímetros) intercaladas por uma faixa impermeável antiderrapante de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros). O escoamento das águas pluviais será executado através de canalização embutida nas calçadas e lançado nas sarjetas. 62. Na divisa com os lotes vizinhos, dentro da faixa de recuo frontal, deve ser mantida a topografia original. Os casos especiais devem ser submetidos à aprovação da VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO, que aprovará ou não, considerando o padrão urbanístico do loteamento e a interferência no lote vizinho. II.3. OBRAS 63. A obra de terraplenagem no lote somente pode ser iniciada mediante prévio e escrito consentimento da VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO. 64. Após a expedição da autorização pela VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO, pode ser construído um barracão provisório para a guarda de materiais a serem empregados na obra. Construído o barracão, este deve ser demolido caso o início da obra não ocorra no prazo de 60 (sessenta) dias, contados da expedição do documento mencionado. 65. Na execução de terraplenagem será obrigatória a construção de proteções contra erosão e assoreamento dos lotes vizinhos e da via pública. 66. Os lotes se encontram demarcados com piquetes, cujo posicionamento e integridade são de responsabilidade dos proprietários. 67. O(s) COMPRADOR(ES) é (são) responsável(is) por providenciar e contratar os serviços pertinentes ao bom desenvolvimento da obra como levantamento planialtimétrico, sondagem, projetos estruturais, e outros que se fizerem necessários, garantindo a estabilidade construtiva, a segurança dos funcionários da obra e dos vizinhos. 68. O(s) COMPRADOR(ES), ou o(s) representante(s) da obra mediante procuração, é(são) responsável(is) por cadastrar junto à VENDEDORA ou à ASSOCIAÇÃO os funcionários permanentes e eventuais (prestadores de serviços) para a autorização de acesso ao loteamento, bem como informar sobre a dispensa de funcionário para procedimentos de cancelamento da autorização. 69. Os lotes não podem ser utilizados como depósitos de materiais de qualquer espécie, salvo os necessários a construção. 70. Toda e qualquer descarga ou depósito de materiais de qualquer espécie, seja pelo tempo que for, deve ser feita exclusivamente dentro do lote em construção, devendo o interessado providenciar, antecipadamente, o rebaixamento da guia por onde devem entrar os veículos transportadores. Em casos excepcionais, os materiais de construção podem ser descarregados na calçada, em frente à obra, e devem ser recolhidos para o interior do lote no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas, sempre com a anuência da VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO. 71. Se necessário, a obra poderá ter um único lote vizinho para apoio à construção. Neste caso, o COMPRADOR do lote vizinho deverá emitir autorização, por escrito, através de documento protocolado e arquivado junto a VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO. Terminada a obra, ou se paralisada por período superior a 90 (noventa) dias, deverão ser restabelecidas as condições originais de limpeza e conservação do lote de apoio. 72. No caso de paralisação da obra por prazo superior a 60 (sessenta) dias corridos, o(s) COMPRADOR(ES) deve(m) providenciar a limpeza da obra através da remoção dos entulhos e detritos existentes. Todos os materiais e recipientes que possam armazenar água devem ser guardados em locais protegidos da chuva. Devem ainda manter a obra fechada em todo o perímetro, conter os taludes e aterrar locais onde o acúmulo de água possa ocorrer. 73. Se a paralisação da obra ocorrer por prazo superior a 120 (cento e vinte) dias, a construção deverá ter todos os vãos e aberturas fechadas, de acordo com as determinações do órgão competente do município. 74. É proibido o acesso de veículos ou caminhões através de outros lotes. Casos excepcionais devem ser solicitados à VENDEDORA ou à ASSOCIAÇÃO, para anuência. Quando o caminhão adentrar ao lote a guia deve ser protegida. 75. Para o início das obras de construção da edificação, após a terraplanagem, o lote deverá ser cercado com tapume em todo o perímetro. O tapume pode ser em madeira, chapas metálicas ou fibrocimento, com altura mínima de 2,20m (dois metros e vinte centímetros) e deve ser instalado nos limites do lote. Durante todo o andamento da obra, os tapumes devem permanecer em bom estado de conservação, e devem receber manutenção e pintura sempre que necessário, para garantir o fechamento e o padrão do loteamento. 76. Os fechamentos das laterais e do fundo do lote podem ser substituídos por muros ou gradis assentes sobre alvenaria, considerando a racionalização e os custos da obra, desde que a execução deles ocorra no prazo máximo de 30 (trinta) dias, a contar da data de início desta. O restante do perímetro, onde não é permitida a execução de fechamentos, faixa do recuo frontal, deverá obrigatoriamente receber tapume. 77. O(s) COMPRADOR(ES) é (são) responsável(is) por manter as vias de acesso à obra limpas, bem como as áreas de uso comum adjacentes, correndo por sua exclusiva conta os riscos, ônus ou prejuízos que forem causados às partes comuns. O passeio que dá acesso à obra deve receber proteção com grama e nos acessos de veículos deve ser depositado brita. 78. Os entulhos ou quaisquer outros materiais descartados devem ser depositados em caçamba localizada próxima à obra e devem ser removidos constantemente, evitando transtornos aos vizinhos. 79. Os materiais agregados a serem utilizados na obra como areia, pedra e outros, devem ser depositados nos lotes e armazenados adequadamente em caixas ou baias, evitando sua dispersão para áreas externas à obra. 80. Em hipótese alguma é permitida a utilização das calçadas e vias públicas para preparo de qualquer material destinado à construção, como argamassas e concreto. 81. Após a locação do gabarito da obra, o responsável técnico deverá comunicar a VENDEDORA ou a ASSOCIAÇÃO para a realização de uma vistoria conjunta obrigatória. II.4. OBRIGAÇÕES GERAIS 82. É proibida a instalação de letreiros e anúncios de qualquer natureza nos lotes, exceto aqueles que identifiquem o profissional responsável pela obra e/ou autor do projeto, e o endereço da obra ou agente financiador. É permitida a instalação de letreiros e anúncios de empresas e prestadores de serviço nos tapumes somente em obras iniciadas. A VENDEDORA ou a ASSOCIAÇÃO poderá proceder à sumária retirada dos anúncios que violarem esta cláusula. 83. Para a afixação de anúncios comerciais ou informativos, a VENDEDORA ou a ASSOCIAÇÃO disponibilizará, na portaria ou em local visível a ser definido, um quadro de avisos. A ASSOCIAÇÃO poderá proceder à sumária retirada dos anúncios que violarem esta cláusula. 84. É vedada a criação de quaisquer espécies de animais, inclusive aves, salvo nos casos em que sua reduzida quantidade e as favoráveis condições de higiene afastem os incômodos inerentes a esta prática. Não serão permitidas as instalações de dependências destinadas à criação de animais, tais como: galinheiros, cocheiras, chiqueiros e outros. 85. É expressamente proibido estacionar nas ruas e avenidas do loteamento, permanentemente, veículos de carga ou utilitários. 86. Visando otimizar o mais adequado aproveitamento dos lotes a montante, que tenham caída para os fundos, fica(m) o(s) COMPRADOR(ES) obrigados a conceder(em) servidão de passagem para a instalação da rede de águas pluviais e esgoto nos recuos de fundos ou lateral, caso o lote vizinho possua o desnível do perfil original com queda para os fundos e necessite desta servidão para o escoamento à rede pública. Esta servidão de passagem deve possuir uma faixa, de no mínimo, de 1m (um) metro. 87. Caso a obra do lote à jusante seja iniciada antes da obra do lote dos fundos, deve o proprietário ou responsável técnico alertar o vizinho sobre a necessidade de executar as tubulações de esgoto e águas pluviais da servidão, desde o alinhamento frontal até a divisa do lote a montante. 88. As ligações de esgoto dos lotes de montante e jusante, para a via pública, devem atender as determinações da concessionária local. Será obrigatória a indicação em projeto, das tubulações de águas pluviais e esgoto e caixas de inspeção destinado à servidão de passagem. O diâmetro mínimo das tubulações será de 150mm (cento e cinquenta milímetros) para a tubulação de águas pluviais e 100mm (cem milímetros) para a tubulação de esgoto. A caixa de esgoto deve atender aos 2 (dois) lotes, obedecendo ao padrão do croqui a ser fornecido pela VENDEDORA ou AASSOCIAÇÃO. 89. Quando houver pavimento abaixo do nível da rua, o(s) COMPRADOR(ES) deve(m) tomar as medidas necessárias para o escoamento adequado das águas pluviais e esgoto. 90. A caixa de esgoto deverá atender aos dois lotes, obedecendo ao padrão do croqui a ser fornecido pela VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO quando da elaboração do projeto. Será obrigatória a indicação em projeto, da faixa de servidão de passagem e das tubulações de águas pluviais e esgoto para o lote de jusante cujo desenho deverá ser fornecido pelo proprietário de montante. 91. As águas pluviais devem ser captadas em rede independente do esgoto sanitário e devem ser lançadas nos locais definidos para este fim (sarjetas). 92. O esgoto deve ser interligado à rede executada para esta finalidade. 93. Os locais destinados aos animais domésticos devem, obrigatoriamente, possuir interligação com a rede de esgotos, sendo proibida a utilização da rede de águas pluviais. 94. As ligações externas de energia elétrica, telefones, interfones, etc. são obrigatoriamente subterrâneas, no trecho compreendido entre a via pública e a construção principal. 95. A caixa de entrada de energia elétrica deve obedecer ao modelo padrão da Concessionária, devendo ser observado o tipo adotado pela referida Concessionária por ocasião da respectiva instalação. 96. O(s) COMPRADOR(ES) deve(m) solicitar as ligações de água, esgoto e energia às concessionárias. É vedada a utilização das ligações de água e energia de obras ou residências vizinhas, sendo esta somente liberada mediante autorização por escrito do(s) COMPRADOR(ES) cedente(s). 97. Não serão aprovados projetos de residências cujo sistema construtivo seja pré-fabricado. Casos especiais devem ser submetidos à análise da VENDEDORA ou ASSOCIAÇÃO, que emitirá parecer, considerando a qualidade e o padrão estabelecido pelo loteamento.

16 98. Os lotes, enquanto não utilizados para a edificação de moradias, deverão ser mantidos limpos, com serviço de capinação ou tosa. Esta limpeza deve ser constante. É proibido o uso de fogo na limpeza dos lotes 99. Os entulhos ou quaisquer outros materiais descartados deverão ser depositados em caçamba localizada próxima à obra e deverão ser removidos constantemente, evitando transtornos aos vizinhos O(s) COMPRADOR(ES) que realizar(em) obras em seu lote, será(ão) responsável(is) pela perfeita limpeza das vias de acesso e das demais áreas de uso comum por onde transitarem os materiais de construção e entulhos, correndo por sua exclusiva conta os riscos, ônus, ou prejuízos que forem causados às partes comuns Ao término da obra, o(s) COMPRADOR(ES) deve(m) comunicar a VENDEDORA ou a ASSOCIAÇÃO para a realização de vistoria final. O(s) COMPRADOR(ES) deve(m) também solicitar junto ao órgão municipal competente a emissão do Habite-se e apresentar à VENDEDORA ou à ASSOCIAÇÃO uma cópia, para a liberação da ocupação da edificação Não será permitida a ocupação do imóvel com Habitese parcial, mesmo quando a edificação possuir partes que possam ser ocupadas 103. A VENDEDORA ou a ASSOCIAÇÃO pode estipular horários para o funcionamento das obras no loteamento. Quando houver moradores, o(s) COMPRADOR(ES) das obras deve(m) ser avisado(s) com o prazo mínimo de 15 dias corridos sobre esta decisão para as providências necessárias. É obrigatório o cumprimento do horário estipulado Aquele que der causa a qualquer dano é obrigado a repará-lo imediatamente, refazendo o que foi danificado, sob pena de a VENDEDORA ou a ASSOCIAÇÃO mandar fazê-lo, cobrando do infrator, além dos custos que vier a suportar. Ilustração da infraestrutura

17 Residencial Damha II Brasília Rodovia DF 140 Próximo ao Jardim ABC CEP: facebook.com/damhaurbanizadora Perspectivas artísticas meramente ilustrativas (incluindo elementos paisagísticos) sujeitas a alterações no projeto sem prévio aviso. Os móveis e equipamentos também têm caráter meramente ilustrativo. Os ambientes serão entregues conforme memorial descritivo. O Residencial Damha II compõe o loteamento denominado RESIDENCIAL E COMERCIAL DAMHA, registrado sob nº R03, da matrícula do Registro de Imóveis, Títulos e Documentos Civil das Pessoas Jurídicas, Civil das Pessoas Naturais e de Interdições e Tutelas da Comarca de Cidade Ocidental GO, em 27 de agosto de 2012.

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares.

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. Artigo 47º. O CONDOMÍNIO, uma vez instituído na conformidade das disposições constantes do respectivo Memorial

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS 1 OBJETIVO Este Manual Técnico de Projetos e Obras tem por objetivo orientar e informar aos proprietários dos lotes, bem como

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.944 DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE O ZONEAMENTO ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL. JOSÉ AURICCHIO JÚNIOR, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul, no uso das atribuições que

Leia mais

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ ÍNDICE I. DEFINIÇÕES...4 II. DISPOSIÇÕES GERAIS...7 III. III.1. III.2. III.2.1 PROJETOS...8 APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO...8 PROJETO DE REMEMBRAMENTO

Leia mais

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL I - DO OBJETO REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Artigo 1º - O presente regulamento disciplina

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 08

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS DO ASSOCIAÇÃOVILLE DES LACS ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições

Leia mais

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS VILLA JARDIM É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

Normas de Construção

Normas de Construção Normas de Construção As presentes normas foram elaboradas em complemento as normas e procedimentos já existentes do Residencial Granja Carneiro Viana, objetivando ampliar as disposições e regras da Prefeitura

Leia mais

LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA)

LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA) LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA) Todo proprietário de lote do Loteamento Fechado Jardim da Paineira, ao executar, qualquer construção complementação, modificação

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS Que entre si celebram, de um lado, a SOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 5, inscrita no C.G.C./MF, sob o n.º 51.244.861/0001-56, isenta

Leia mais

LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA

LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA LOTEAMENTO FECHADO RESIDENCIAL FLORESTA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS Todo proprietário de lote do Loteamento Fechado RESIDENCIAL FLORESTA, ao executar, qualquer construção complementação, modificação

Leia mais

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF)

ARQUIVO MODELO PADRÃO de APRESENTAÇÃO DE PROJETOS (PDF) 1. OBJETIVO... 2 2. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO DE LOTES... 2 2.1. Documentações necessárias... 2 2.2. Modelo Prancha Única Remembramento (fig. 01)... 2 2.3. Restrições para Áreas...

Leia mais

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE EUSÉBIO ÍNDICE I DEFINIÇÕES Item 01... 3 II DISPOSIÇÕES GERAIS Itens 02 a 07... 7 III USOS III.1 Área Residencial... 7 III.2 Área Comercial... 8 IV APROVAÇÃO

Leia mais

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT.

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT. REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS e URBANÍSTICAS FLORAIS DOS LAGOS É condição essencial desta Escritura Pública de Compra e Venda a observância das disposições abaixo mencionadas, a que estão obrigados

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições limitativas do uso e ocupação

Leia mais

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 ITENS REVISADOS: ARTIGO 14, alínea c c) Todos os recuos mencionados na alínea b deverão ser totalmente livres, sendo que a projeção de beirais com largura de até

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

Condomínio Residencial Rural

Condomínio Residencial Rural Condomínio Residencial Rural CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 ÍNDICE. 1.0 PROJETOS...03 1.1 Aprovação/ Reaprovação/ Substituição...03 1.1.1 Considerações Gerais...03 1.1.2 Documentos

Leia mais

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA 1. Apresentar cópia de Planta Aprovada pela Prefeitura Municipal de Campinas, cópia do Alvará de Execução para liberação de obra e cópia da ART recolhida do responsável

Leia mais

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença.

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença. DECRETO N o 1487/2006 DATA: 27 de janeiro de 2006. SÚMULA: Aprova, com ressalvas, o Loteamento denominado LOTEAMENTO ALPHAVILLE. MARINO JOSE FRANZ, Prefeito Municipal de Lucas do Rio Verde, Estado de Mato

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBRA...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA EXECUTAR OS SERVIÇOS PERTINENTES A ESTRUTURAS TEMPORÁRIAS CONFORME CROQUIS ESQUEMÁTICOS

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA 0 Helcio Kronberg Avaliador e Leiloeiro Público Oficial R. Emiliano Perneta, 736 Centro - Curitiba/PR Fone/Fax 41 3233-1077 LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA Processo 0033193-67.2011.8.16.0179-1ª

Leia mais

www.camposdeminasof.com.br

www.camposdeminasof.com.br REGULAMENTO DE RESTRIÇÕES URBANISTICAS E DE CONSTRUÇÃO, PROTEÇÃO E DE USO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL CAMPOS DE MINAS 1- Considerações Iniciais 1.1- As restrições e as limitações constantes deste regulamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

MONT BLANC RÉSIDENCE

MONT BLANC RÉSIDENCE LOTEAMENTO MONT BLANC RÉSIDENCE REGULAMENTO DE RESTRIÇÕES URBANÍSTICAS E DE CONSTRUÇÃO, 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 As restrições e limitações constantes deste Regulamento constituem normas convencionais

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL

C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL ANÁLISE DE PROJETOS APROVAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS SETEMBRO DE 2011 ÍNDICE 1 OBJETIVO 3 2 - INFORMAÇÕES GERAIS 3 3 - SOBRE AS RESPONSABILIDADES E ISENÇÕES DE RESPONSABILIDADES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE Assunto Itens Página I Principios Gerais 01 a 05 02 II Restrições da Construção e do Uso do Lote 06 a 24 03 III Inicio das Edificações,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR

ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR ANEXO I REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ÁGUAS CLARAS SÃO JORGE D OESTE - PR Página 1 de 20 ÍNDICE I DEFINIÇÕES... 3 II DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 III USOS... 6 IV APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO... 7 V UNIFICAÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA 1. GENERALIDADES A gleba destinada ao condomínio horizontal de lotes possui superfície de 446.750,54 m², em Atlântida município de Xangrilá-RS, conforme plantas

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ Srs. Condôminos, Arquitetos e Engenheiros. Assunto: Alterações no Regulamento de Normas Construtivas. Prezados senhores! Desde a entrada em vigor do REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS em

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 591, DE 02 DE OUTUBRO DE 2012 AUTORIZA A DESAFETAÇÃO E A ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS PARA FINS DE IMPLANTAÇÃO DE PARQUE INDUSTRIAL A EMPRESAS DEVIDAMENTE CONSTITUÍDAS NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Página 1 de 31 ALPHAVILLE GRACIOSA RESIDENCIAL CADERNO DE PROJETOS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RATIFICADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE MAIO DE 2007 Página 2 de 31 1.0 PROJETOS...

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta)

NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de planta) 1/7 COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DIVISÃO DE LICENCIAMENTO MULTIRESIDENCIAL NORMAS APLICÁVEIS A PROJETO DE EDIFICAÇÃO MULTIRESIDENCIAL 2ª Versão 22/11/2005 (Por tipo de

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA - B (AMORAEVILLE FASE 2) JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA- A JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas, diretrizes e condicionantes

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções:

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções: * Código citado no Artigo 10º, item I do Estatuto Social. 1 - APROVAÇÃO DE PROJETOS 1.1 Para primeira análise: 01(uma) via do projeto arquitetônico completo (inclusive projeto contendo memorial de áreas);

Leia mais

UBATUBA COUNTRY CLUBE

UBATUBA COUNTRY CLUBE CÓDIGO DE OBRAS INTRODUÇÃO Esta codificação pretende estabelecer regras de convivência para os proprietários e freqüentadores do Ubatuba Country Clube (UCC), bem como harmonizar com a paisagem os elementos

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA 1 PROJETO Nº 013/2014 Solicitação: MEMORIAL DESCRITIVO Tipo da Obra: PINTURA MURETA, POSTES, BRINQUEDOS DO PARQUE INFANTIL E TROCA PISO SALAS DE AULA Reforma: local indicado em planta Local: EMEI CRIANÇA

Leia mais

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS I 1 PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1.1 - Os proprietários e seus contratados (engenheiros e arquitetos) são obrigados a cumprir integralmente

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES GOLD MÁLAGA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS SPE LTDA ( Incorporadora ; Ginco ) inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ)

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO E O PARECER TÉCNICO

Leia mais

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO São os seguintes os Critérios de Edificação para o Condomínio Quintas do Sol, aprovados na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 08.12.2002 e complementados na AGE de 17.10.2004.

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Seção III Dos Locais de Reunião Art. 19 - São considerados locais de reunião: I II III IV V - estádio; - auditórios, ginásios esportivos, halls de convenção e salões de exposição; - templos religiosos;

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS OBRAS-001 1 1-26

REGULAMENTO DE OBRAS OBRAS-001 1 1-26 DE OBRAS OBRAS-001 1 1-26 DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS II 1 PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1.1 - Os proprietários e seus contratados (engenheiros e arquitetos) são obrigados a cumprir integralmente

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R)

CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R) CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R) A ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL ITATIBA COUNTRY CLUB, a seguir simplesmente designada como Associação, conforme disposto no artigo 74 do Capítulo XXII Das

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015.

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. Dispõe sobre loteamento urbano fechado, condomínio horizontal fechado, responsabilidade do incorporador e loteador, concessão de uso e dá outras providências. O

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60.

196,6 referente à habitação unifamiliar isolada e habitação multifamiliar única e isolada R$ 196,60. ANEXO XII LICENÇA PARA EXECUÇÃO DE OBRAS OU SERVIÇOS DE ENGENHARIA 1.0 TERRENO R$ 1.0.1 Análise de terreno referente a desmembramento, remembramento e demarcação, com 163,89 área até 5.000m². 1.0.2 Análise

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais