ISSN: Santa Maria, RS - Outubro, 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN: 2175-0955 - Santa Maria, RS - Outubro, 2013"

Transcrição

1

2 XII Simpósio de Informática SIRC 2013 Coordenação Geral Ricardo Giuliani Martini Comissão Organizadora Alessandro André Mainardi de Oliveira Alexandre de O. Zamberlan Ana Paula Canal Guilherme C. Kurtz Gustavo Cantarelli Gustavo Rissetti Henrique Gabriel Gularte Pereira Mirkos Ortiz Martins Reiner F. Perozzo Ricardo Giuliani Martini Sylvio Vieira Tatiele Bolson Moro Tiago Rios da Rocha Comissão Avaliadora Adenauer Yamin (UCPEL e UFPEL) Adriana Pereira (UFSM) Ana Elisa Ferreira Schmidt (Univali - Itajaí) Alex Pinho Magalhães (UFSC) Alexandre Zanatta (UPF) Andre Adami (UCS) Andre Du Bois (UFPEL) Andre Martinotto (UCS) Andre Zanki Cordenonsi (UFSM) Anibal Guedes Bruno Augusti Mozzaquatro (UFSM) Carlos Holbig (UPF) Cristiano Both (UFRGS) Daniel Notari (UCS) Fernando Prass (ULBRA) Giovani Rubert Librelotto (UFSM) Guilherme Dhein (UFSM) Gustavo Cantarelli (UNIFRA) Gustavo Zanini Kantorski (UFRGS) Iara Augustin (UFSM) Leandro Loss (UFSC) Lucio Duarte (UFRGS) Marco Castro Barbosa (UTFPR) Marcos Luís Cassal (UFSM) Osmar Marchi dos Santos (UFSM) Rafael Teodósio Pereira (Uminho-PT) Roberto Wiest (IFSul - Passo Fundo) Roberto Willrich (UFSC) Rodrigo Goulart (FEEVALE) Simone Ceolin (UFSM) Valdir Stumm Junior (IFC) Walter Prienitz Filho (UFSM) 1

3 Sistemas Multiagentes: Comparativo entre Organização Centralizada e Organização Descentralizada Patrícia N. Coutinho, Gustavo S. Cantarelli, Guilherme C. Kurtz, Alexandre de O. Zamberlan Curso de Ciência da Computação Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas, Santa Maria RS Abstract. This work aims to compare the forms of modeling organizations Multiagent Systems centralized and decentralized, based on two case studies originally modeled using the Prometheus methodology. By tallying case studies to use the methodology Moise+, it were listed the specific characteristics of the two modeling methodologies in order to assist the designer of the MAS to choose the most appropriate system requirements. Resumo. Este trabalho tem por objetivo comparar as formas de modelagem de organizações de Sistemas Multiagentes centralizada e descentralizada, com base em dois estudos de caso originalmente modelados utilizando a metodologia Prometheus. Ao adequar os estudos de caso para utilizar a metodologia Moise+, foram elencadas as particularidades de modelagem características das duas metodologias com o intuito de ajudar o projetista do SMA a escolher a que fique mais adequada aos requisitos do sistema. 1. Introdução Um Sistema Multiagente (SMA) é o resultado da combinação de um grupo de agentes, distintos ou não, que precisam trabalhar juntos na resolução de um problema comum. Na maioria das vezes, cada agente desse sistema é responsável por resolver uma parte do problema geral que o conjunto de agentes precisa resolver, economizando, entre outros, a utilização de recursos disponíveis e o tempo necessário para a resolução do problema. Portanto, há a necessidade de organizar esse SMA para otimizar a resolução do problema [Russel e Norvig 2004], [Hübner, Bordini e Vieira 2004]. Sobre Organização de Sistemas Multiagentes, Hübner e Sichman (2003) definem claramente o significado e o funcionamento desse sistema com organização centrada nos agentes e na organização. Ao desenvolver um SMA, o desenvolvedor precisa conhecer as metodologias de modelagem de organização de SMA, a fim de utilizar a metodologia que melhor se aplique ao problema que o SMA precisa resolver, reduzindo os problemas relacionados à construção do SMA. Este trabalho tem o intuito de auxiliar na escolha da melhor metodologia de modelagem a ser utilizada ao construir um SMA levando em consideração o tipo de organização do sistema e a metodologia de modelagem. Foram trabalhados dois estudos de caso, originalmente modelados em Prometheus, que satisfaçam os tipos de organização centralizada e descentralizada. Foi feita a modelagem em Moise+ dos dois estudos de caso com base nas modelagens em Prometheus. Essa comparação entre os 2

4 dois estudos de caso e de metodologias foi utilizada como referência no apontamento das características das duas metodologias de modelagem de SMA. Para tanto, o texto foi dividido em quatro seções. A Seção 2 aborda conceitos de sistemas multiagentes. A Seção 3 apresenta a proposta deste trabalho além de expor os estudos de caso e sua modelagem em Prometheus e Moise+. Na Seção 4 estão as conclusões. E, por fim, são apresentadas as referências bibliográficas. 2. Teoria de Agentes De acordo com [Russel e Norvig 2004], um agente é um sistema que possui a capacidade de perceber o que acontece no seu ambiente utilizando sensores e de agir com o ambiente através de atuadores. Russel e Norvig (2004) exemplificam que um agente robótico poderia usar câmeras e detectores da faixa de infravermelho na função de sensores e vários motores como atuadores. Já para um sistema ou um programa ser caracterizado agente, além de perceber a atuar com o ambiente, é necessário apresentar um comportamento fundamentado no raciocínio que possua atitudes como, por exemplo, crenças (o que ele conhece), intenções (suas metas) e desejos (motivação para realizar as metas). Wooldridge e Jennings (1995) dividiram a arquitetura de agentes em arquitetura: cognitiva ou deliberativa, reativa e híbrida. A arquitetura cognitiva ou deliberativa é caracterizada pela complexidade dos agentes que proporcionam mecanismos de inferência robustos, interações sofisticadas e elevado grau de intenção no comportamento [Russel e Norvig 2004]. A base da arquitetura reativa está na proposta de que um agente pode ampliar sua inteligência por meio de interações com o ambiente, não necessariamente precisando de um modelo pré-estabelecido por não usar qualquer tipo de modelo ou raciocínio simbólico. Um agente reativo não possui a habilidade de planejar suas ações, de sincronização de tarefas entre agentes, e, também, não possui ou especifica uma meta. Este agente simplesmente reage a eventos quando eles ocorrem [Teahan 2010]. Já a arquitetura híbrida é a mistura de componentes das duas arquiteturas anteriores de forma a deixar esta arquitetura mais apropriada e funcional para a construção de agentes. Desta forma, os agentes possuem comportamento reativo com os eventos ocorridos no ambiente e comportamento deliberativo quando uma escolha precisa ser feita e há uma definição simbólica do mundo (isto é, a descrição formal dos possíveis estados de um ambiente) [Russel e Norvig 2004]. Um agente pode ser implementado utilizando qualquer linguagem, contudo existem algumas linguagens específicas que facilitam o desenvolvimento dos requisitos demandados pelo agente. Uma das mais utilizadas e importantes é a AgentSpeak(L), mas existem ainda a LALO, Obliq, Python, Smalltalk e Prolog, por exemplo Sistemas Multiagentes Conforme Russel e Norvig (2004), os Sistemas Multiagentes possuem uma sociedade de vários agentes inteligentes que cooperam com o intuito de resolver um problema maior, em conjunto, que não pode ser resolvido com um agente específico. Para tal, os agentes de um SMA precisam ser desenvolvidos de forma a resolverem problemas que não foram previamente especificados. Sistemas Multiagentes são classificados arquiteturalmente de acordo com o tipo dos agentes contidos no sistema, seguindo a mesma arquitetura apresentada para agentes 3

5 (cognitivo, reativo ou híbrido). Um SMA Cognitivo possui agentes complexos que utilizam um modelo de raciocínio em que suas ações são planejadas e suas interações com outros agentes são negociadas (negociação é a comunicação entre agentes que precisam entrar em acordo, que beneficie ambos, num processo de tomada de decisão conjunta) [Young 1991]. Um SMA Reativo é composto por agentes reativos simples que são desprovidos de modelo simbólico ou interno do ambiente agindo de forma estímulo/resposta (o agente recebe um estímulo e produz uma resposta de acordo com o que foi recebido). E o SMA Híbrido que reúne as duas arquiteturas prévias possuindo agentes deliberativos e agentes reativos interagindo em sociedade [Alvares e Sichman 1997] Organização de Sistemas Multiagentes Segundo Romesíne e Garcia (1997 apud Hübner e Sichman 2003), a organização possui a finalidade de manter o propósito do sistema, para que tal continue válido considerando as mudanças que ocorrem em um SMA. Uma definição pertinente a este trabalho é a proposta por Lemaître e Excelence (1998 apud Hübner e Sichman 2003) que propõe a divisão da organização em dois tipos: a centralizada (o grupo de agentes é organizado de forma centrada na organização) e a descentralizada (grupo de agentes com organização centrada nos agentes). Na organização centralizada o organizador pode obter do grupo de agentes uma descrição da organização adotada pelo sistema, sendo que a organização existe de forma objetiva sem a necessidade de analisar o comportamento da organização ou seus agentes. Esta descrição explícita da organização do sistema é chamada de organização institucionalizada [Lemaître, Excelence 1998 apud Hübner e Sichman 2003]. Na organização descentralizada não há uma representação explícita de organização no SMA, ela está distribuída entre seus agentes. Neste tipo de organização, um agente do grupo, ou um observador, pode deduzir uma descrição baseada na observação do comportamento dos agentes da sociedade, tal descrição é chamada de organização observada [Lemaître, Excelence 1998 apud Hübner e Sichman 2003]. 3. Proposta O projetista de software de um sistema multiagente precisa conhecer qual metodologia de modelagem é a ideal para suprir as necessidades do software projetado, minimizando assim os problemas provenientes de sistemas multiagentes com erros em sua modelagem. Sendo assim, a proposta é modelar em Moise+ dois estudos de caso, já modelados em Prometheus, com organizações de sistemas multiagentes distintas e elencar as características e dificuldades encontradas Estudos de Caso O Primeiro Estudo de Caso (Agenda), que possui organização centralizada, tem a finalidade de resolver o problema da alocação de horários de compromissos em agendas compartilhadas ou públicas entre todos os usuários envolvidos. Existe um agente organizador chamado secretária e os outros agentes do sistema são responsáveis pelas agendas dos usuários. Todas as agendas de usuários, quando precisam agendar um compromisso compartilhado, conversam com o agente secretária (o agente centralizador) que negocia com todos os agentes envolvidos e avisa estes agentes em qual horário o compromisso será marcado [Costa 2011]. 4

6 No Segundo Estudo de Caso (Gerenciamento de Tráfego Urbano), com organização descentralizada, Baccin (2011) apresenta um sistema que auxilie na configuração dos componentes envolvidos no gerenciamento de tráfego urbano. Esse sistema tem o intuito de gerenciar o número de veículos nas ruas usando semáforos inteligentes e sistemas informatizados otimizando o tráfego de veículos nos cruzamentos. O sistema possui três agentes principais. O agente Veículo verifica principalmente a condição do semáforo avançando na Via ou parando conforme sinalizado. O agente Via faz o controle do número de veículos que existem em um determinado trajeto e, quando solicitado, informa o número ao agente Semáforo. E, por fim, o agente Semáforo faz a sinalização de quais ruas possuem permissão para avanço de veículos [Baccin 2011] Modelagem Os estudos de caso utilizados neste trabalho são provenientes de dois trabalhos realizados na área de Sistemas Multiagentes em que a organização não foi considerada como parte do trabalho mesmo apresentando, implicitamente, uma organização. Para a Organização Centralizada de Sistemas Multiagentes, Costa (2011) define um sistema com agentes agenda e um agente secretária responsável por gerenciar os conflitos de horários de atividades compartilhadas entre as agendas. Baccin (2011) apresenta um sistema de cruzamento entre vias com agentes reativos (veículo, via e semáforo) representando a Organização Descentralizada de Sistemas Multiagentes Prometheus Utilizando inicialmente a tecnologia Prometheus, a modelagem dos dois estudos de caso foi feita e possui três etapas, sendo a primeira a especificação do sistema onde são especificadas a visão geral das metas do sistema. Em um segundo momentos são definidos os cenários do sistema. E, finalmente, o diagrama de funções do sistema que possui os papéis que o sistema irá assumir são mostrados, para os dois estudos de caso, nas Figuras 1 e 2. Figura 1. Diagrama de Funções do Sistema Agenda. Adaptado de [Costa 2011] Moise+ Com base nos estudos de caso, foi feita a modelagem, utilizando a metodologia Moise+. Da mesma forma como Prometheus, Moise+ possui três etapas de modelagem, chamadas de dimensões organizacionais. Essas dimensões são referentes à estrutura da organização, às suas funcionalidades e a terceira dimensão, a deôntica, tem a função de 5

7 ligar as duas primeiras. As Figuras 3 e 4 mostram a estruturação inicial e principal da metodologia Moise+. Finalmente, sugere-se consultar [Coutinho 2012] para detalhes do trabalho e metodologia. Figura 2. Funcionalidade do Sistema de Gerenciamento de Tráfego Urbano. Adaptado de [Baccin 2011]. Figura 3. Especificação Estrutural do Sistema Agenda. Figura 4. Especificação Estrutural do Sistema de Tráfego Urbano. 6

8 4. Conclusão Prometheus e Moise+ possuem abordagens de modelagem diferentes e, portanto, é necessário entender como o sistema a ser modelado (neste caso em Prometheus) funciona e com base nesse entendimento modelar o novo sistema (em Moise+) apenas com o que foi compreendido de seu comportamento esperado. Assim, pode haver erros nessa compreensão do sistema e, consequentemente, na sua modelagem. As etapas necessárias para a modelagem em Prometheus não explicitam como os papéis são organizados dentro da organização. Por não levar em consideração a organização do SMA, Prometheus não se preocupa em estruturar melhor o sistema, o que pode tornar o entendimento do mesmo confuso, principalmente em sistemas mais complexos como, por exemplo, o do segundo estudo de caso (Gerenciamento de Tráfego Urbano). Assim, a metodologia Prometheus pode ser utilizada facilmente em sistemas mais simples (poucos papéis e poucas interações) e possuam uma organização de SMA centralizada. A metodologia Moise+ possui a vantagem de ser melhor estruturada ao ser utilizado em trabalhos com muitas interações entre papéis e que o SMA possua organização descentralizada. É sugerido para trabalhos futuros o envolvimento do interpretador Jason com Moise+, principalmente o sistema de Gerenciamento de Tráfego Urbano por ser um sistema mais complexo, e relatar como o processo de desenvolvimento desse sistema se comporta em relação a um sistema modelado em Prometheus. Ainda, pode-se realizar uma comparação de modelagem via Prometheus e Moise+ do princípio e relatar o tempo e complexidade da tarefa. Referências Bibliográficas ALVARES, L. O. e SICHMAN, J. S. (1997), Introdução aos Sistemas Multiagentes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. BACCIN, J. P. (2011), Sistema Multiagente Reativo para Tráfego de Veículos com Gerenciamento de Semáforos, Centro Universitário Franciscano, Santa Maria. COSTA, C. V. D. (2011), Agente para Atuação no Google Agenda, Centro Universitário Franciscano, Santa Maria. COUTINHO, P. N. (2012), Sistemas Multiagentes: comparativo entre organização centralizada e descentralizada, Centro Universitário Franciscano, Santa Maria. HÜBNER, J. F.; BORDINI, R. H. e VIEIRA, R. (2004), Introdução ao Desenvolvimento de Sistemas Multiagentes com Jason, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau. HÜBNER, J. F. e SICHMAN, J. S. (2003) Organização de Sistemas Multiagentes, III Jornada de Mini-Cursos de Inteligência Artificial, Campinas, p RUSSEL, S. J. e NORVIG, P. (2004), Inteligência Artificial, Rio de Janeiro: Elsevier, 2ª Edição. TEAHAN, W. J. (2010), Artificial Intelligence - Agent Behavior I, Willian John Teahan & Ventus Publishing ApS. WOOLDRIDGE, M. e JENNINGS, N. R. (1995) Inteligent Agents: Theory and Practice, The Knowledge Engineering Review, v. 10, n. 2, p YOUNG, H. P. (1991), Negotiation Analysis, Michigan: Michigan Press. 7

9 Implantação De Um Cluster Failover Utilizando Software Proprietário Rodrigo Ferreira Gonçalves 1, Carlos Michel Betemps 1, Sandro da Silva Camargo 1 1 Universidade Federal do Pampa Campus Bagé (UNIPAMPA) Travessa 45, n Bairro Malafaia - CEP: Bagé, RS Brasil Abstract. Provide services without interruption is a critical requirement, because a failure can cause financial damage to the company and its reputation. In this scenario, this work aimed to deploy a high-availability solution using proprietary software. As research hypothesis will be examined whether the deployment of Cluster Failover provides high availability of information in the distributed servers. The methodology was a literature review on the topic, deployment and experimentation of a Cluster Failover and display of results. It was concluded that the equipment used in the deployment responded to most of the tests, providing high availability of information and applications. Resumo. Fornecer serviços sem interrupção é um requisito crítico, pois uma falha pode gerar danos financeiros à empresa, bem como a sua reputação. Neste cenário, este trabalho teve por objetivo implantar uma solução de Alta Disponibilidade utilizando software proprietário. Como hipótese de pesquisa, será analisado se a implantação do Cluster Failover provê alta disponibilidade das informações distribuídas nos servidores. A metodologia de trabalho foi a revisão bibliográfica sobre o tema, implantação e experimentação de um Cluster Failover e exposição de resultados. Concluiu-se que os equipamentos utilizados na implantação responderam à maioria dos testes aplicados, provendo alta disponibilidade das informações e aplicações. 1. Introdução Devido à necessidade de atender diferentes requisitos do negócio, muitas organizações estão migrando seus sistemas do ambiente de rede local para o ambiente Web. Nesta nova realidade, fornecer serviços sem interrupção é um requisito crítico, pois uma falha pode ser significante tanto na geração de impactos financeiros, em curto prazo, quanto na geração de danos à reputação empresarial, em longo prazo [Zhang, Abdelzaher and Stankovic 2004]. Uma solução viável para aumentar a disponibilidade dos serviços é a utilização de clusters. Os clusters surgiram com o objetivo de suprir algumas dificuldades dos sistemas centralizados e também para aumentar o desempenho das aplicações, redes e ferramentas padronizadas para computação distribuída de alto desempenho. A composição de um cluster abrange questões complexas de pesquisa em computação tais como escalabilidade, disponibilidade, tolerância a falhas e alto desempenho [Alecrim 2013]. A fim de tornar a falha de um nó imperceptível ao usuário, a técnica de failover é 8

10 uma solução que permite o redirecionamento das requisições para outro nó. No contexto de Banco de Dados, um Cluster Failover é útil se um nó falha ou mesmo se ocorre qualquer manutenção planejada nos recursos de um Sistema de Banco de Dados. Com o avanço tecnológico e econômico, várias empresas necessitam cada vez mais manipular informações de maneira segura e contínua. Para isso, necessitam de servidores que possam disponibilizar dados armazenados de forma rápida e eficaz com alta disponibilidade aos usuários. A motivação que levou à realização deste trabalho se deve a relevância do tema para as organizações que utilizam software proprietário para o gerenciamento de dados. Outro fator considerável foi que no ambiente corporativo onde ocorreu esta implantação há preferência pela utilização da plataforma Windows para servidores e para Banco de Dados. Neste ambiente, a cultura do uso de software proprietário é antiga e também são levados em consideração todos os riscos envolvidos na migração para uma plataforma de distribuição livre. Neste contexto, a implantação do Cluster Failover propõe garantir alta disponibilidade dos recursos e aplicações entre os servidores. Este artigo está estruturado da seguinte forma: na seção 2 são apresentados alguns conceitos relacionados ao tema do trabalho; na seção 3 são descritos o ambiente onde foi implantado o cluster failover e como se deu a experimentação deste cluster, apontando detalhes da metodologia de trabalho; por fim, a seção 4 apresenta algumas considerações finais, seguidas da indicação de trabalhos futuros. 2. Clusters Cluster é um sistema que compreende dois ou mais computadores ou subsistemas (nós). Estes elementos executam aplicações ou realizam tarefas específicas de tal maneira que os usuários tenham a noção de um sistema único e homogêneo. A comunicação é feita através de polling, que são pedidos contínuos de informações, permitindo que um servidor saiba que existem outros nós do cluster em funcionamento [Rocha 2004] Cluster Failover O Cluster Failover é um cluster de Alta Disponibilidade. É muito utilizado em Data Centers de bancos e sites de e-commerce, uma vez que tais exemplos necessitam manter-se 24 horas online. Também são utilizados em empresas que desejam incrementar sua escalabilidade, gerenciamento de recursos, disponibilidade ou processamento de forma supercomputacional a um preço moderado [Pitanga 2013]. O processo de failover é o modelo de recuperação em cluster. Este processo pode ser entendido como a troca, através de transações, para um nó alternativo ou um nó de backup, devido a uma situação simples de falha em um dos nós do cluster. O processo de failover deve ser totalmente transparente e automático, sem a intervenção de um administrador de sistema computacional e, principalmente, sem a necessidade de reconexão manual do cliente da aplicação crítica. Para algumas aplicações não críticas, que podem suportar um tempo maior até a recuperação da falha, pode-se utilizar failover manual. Além do tempo entre a falha e a sua detecção, existe também o tempo entre a detecção e o restabelecimento da disponibilidade da aplicação e dos recursos envolvidos no sistema computacional. Grandes Bancos de Dados podem exigir um considerável período de tempo, após uma falha, até que sejam ajustadas suas tabelas. 9

11 Durante este tempo a aplicação ainda não estará disponível. Para realizar o failover de uma aplicação crítica é necessário que os nós do cluster envolvidos na utilização deste mecanismo possuam recursos equivalentes. Um recurso pode ser uma interface de comunicação de rede ou um disco, onde os dados existentes no disco são elementos necessários à prestação de um determinado serviço para a aplicação crítica em questão. Dependendo da natureza da aplicação e do sistema de computação, executar um failover significa interromper as transações em andamento, perdendo-as, sendo necessário reiniciá-las após o failover. Em outros casos, significa apenas um retardo até que a aplicação e os serviços oferecidos pela aplicação estejam novamente disponíveis [Technet 2013]. 3. Implantação do Cluster Failover O procedimento de implantação do Cluster Failover desenvolvido neste trabalho teve como objetivo implantar e experimentar este tipo de mecanismo, visando oferecer melhorias em termos de alta disponibilidade de recursos. A seguir são descritos o ambiente de implantação do Cluster Failover e os experimentos realizados Ambiente de Implantação O ambiente organizacional onde estão localizados os servidores que foram configurados como fazendo parte do cluster failover não contava com uma estrutura redundante de Banco de Dados e de Sistema Operacional. Existem, no ambiente de implantação, dois servidores, sendo que um faz o gerenciamento dos usuários e é utilizado como servidor de arquivos e controlador de domínio (para aplicativos preexistentes); e o outro servidor atua apenas como Banco de Dados. Então, neste contexto, foi implantado um cluster de alta disponibilidade para que os dois servidores fiquem com a mesma versão de Banco de Dados instalado e, logo após, seja clusterizado o Sistema Operacional e a base de dados. O ambiente corporativo de implantação do Cluster Failover conta com um parque de trinta computadores (estações desktop) e dois servidores (acima mencionados). Os equipamentos estão interligados por uma rede Gigabit Ethernet através de um switch gerenciável de marca 3Com modelo 2952 com 48 portas, que utiliza cabeamento de rede modelo Categoria 6. Este switch faz a ligação e distribuição da Internet para os componentes ativos que compõem a estrutura da rede, conforme mostrado na Figura 1. Foram utilizados dois servidores, de marca DELL, com a seguinte configuração: Processadores Intel Xeon CPU 2.40GHz, 8Gb de memoria RAM, 4 (Quatro) HDs de 500Gb de espaço de armazenamento. O Sistema Operacional utilizado foi o Windows Server 2008 e como Banco de Dados o SQL Server O servidor nomeado SRVGRAFICA-1 foi utilizado como nó 1 e responsável por controlar o domínio e replicar as informações dos sistemas para o servidor SRVGRAFICA-2 (nó 2). Este último ficou com a cópia de todas as informações inseridas, alteradas e excluídas do Banco de Dados do Servidor 1. O tempo de replicação das informações entre os servidores foi configurado através do assistente de replicação do SQL Server Este método foi adotado porque, caso ocorresse uma 10

12 falha de um dos servidores, o nó ativo assumiria o controle e continuaria disponível aos usuários sem que estes percebessem a ocorrência de alguma falha. Figura 1. Parque de Computadores do Ambiente Corporativo. A replicação aplicada de forma assíncrona propiciou que o servidor que ficou indisponível (off-line), devido a algum evento de falha, recebesse as informações atualizadas após a sincronização com o servidor ativo. Durante as instalações do cluster foi desabilitado o firewall do Windows de cada um dos servidores, através do painel de controle, pois habilitado causou bloqueios de portas de rede que o Cluster Failover usa durante a instalação. A instalação do cluster foi feita através do gerenciador de servidores do Windows Server e foi selecionado o Framework.NET, que é um recurso que possui as funções necessárias para funcionamento dos programas sob qualquer Sistema Operacional da plataforma Windows. Após a instalação do cluster nos servidores, foi configurada a replicação dos Bancos de Dados, através da Replicação Merge, que por função replicou as 250 tabelas do Banco e qualquer informação alterada foi aplicada para o outro servidor, mesmo este tendo ficado temporariamente fora de sincronismo. Quando a sincronização ocorreu com o servidor que ficou indisponível (off-line), este enviou os dados para todos os locais especificados. Depois foi necessário configurar as publicações e assinaturas locais dos servidores de Banco de Dados SRVGRAFICA-1 e SRVGRAFICA-2. Quando o SQL Server foi instalado no servidor SRVGRAFICA-2, foram configurados os metadados que compõem as suas estruturas lógicas e de controle. Dentre esses, as estruturas mais importantes são: Master, Model, Tempdb e Msdb, que fazem parte do Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados. Nesta etapa definiu-se que os dois servidores teriam a função de Distribuidor/Publicador, que tem por função a distribuição e armazenagem dos metadados e dados de histórico para todos os tipos de replicação. 11

13 3.1. Experimentação do Cluster Failover Para analisar o desempenho da implantação foram utilizadas ferramentas nativas que estavam pré-instaladas nos servidores. A ferramenta Windows MMC (Microsoft Management Console) foi utilizada para gerenciar os recursos dos servidores, pois possui vários serviços que podem ser adicionados e tem por função gerenciar os aplicativos instalados no sistema operacional. Foi executada a ferramenta de validação dos clusters através do gerenciador de Cluster Failover, que analisa todas as configurações de hardware e software instalados nos servidores. Verificou-se que os processos de instalação do cluster do Sistema Operacional foram bem-sucedidos. Após, desconectou-se um dos servidores através do desligamento do cabo de rede da interface. A desconexão foi executada propositalmente (no servidor SRVGRAFICA-2) no momento que acontecia uma atualização de um dos Bancos de Dados, a fim de testar o Cluster Failover e verificar como iria se comportar a replicação após a falha. O servidor SRVGRAFICA-1 assumiu o controle automaticamente de todos os serviços que estavam sendo fornecidos pelo servidor 2. Esta ação foi visualizada através da ferramenta de gerenciamento de clusters do servidor. Todas as aplicações e sistemas ficaram disponíveis aos usuários sem que eles percebessem a falha de um dos servidores. A desconexão foi de 5 minutos, tempo suficiente para visualizar como o cluster iria se comportar após o sincronismo. Para testar o tempo de resposta de alguns comandos executados nos Bancos de Dados foi realizada a instalação em conjunto de três pacotes: (Sql Cmd LnUtils),(Shared Management Objects),(Power Shell Tools) 1. Estes pacotes foram instalados e executados nos dois servidores, a fim de avaliar o desempenho de tempo de resposta de cada. Figura 2: Análise de processos executados nos servidores. Os referidos pacotes usam scripts que executam os comandos dentro de cada Banco de Dados (criação de tabela, escrita dos dados, atualização, leitura, exclusão dos dados e exclusão de tabelas). Estes comandos mostraram o tempo de resposta de cada operação, desta forma podendo ser analisado o desempenho obtido por cada Banco de 1 Disponível em: <http://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=30440>. 12

14 Dados. Todas as operações executadas, mostradas na figura 2 (Creating Table, Writing Data, Updating Data, Reading Data, Deleting Data e Dropping Table), estão no mesmo intervalo de tempo, possuindo desempenho equivalente em tempo de resposta. 4. Considerações Finais e Trabalhos Futuros Esta implantação foi realizada utilizando a plataforma Windows Server 2008 e SQL Server 2008, porém podem ser utilizadas outras configurações, como Linux e distribuições livres de Banco de Dados. A implantação do Cluster Failover em software proprietário pode possuir um custo elevado para as organizações, porém, quando estes softwares estão disponíveis, contar com um tipo de aplicação deste porte traz uma maior disponibilidade e segurança das aplicações. Para validar os testes foram utilizadas ferramentas do próprio Sistema Operacional e outras conforme foi citado anteriormente. As ferramentas de verificação/validação avaliaram os seguintes itens: Armazenamento: onde foi feita à validação dos discos do cluster; Configuração do Sistema: foi realizada a checagem dos drives do sistema, configurações do Active Directory e atualizações de software; Inventário: onde foram listadas as informações sobre drives do sistema, informações da BIOS e processos em execução; Rede: onde foi validada a comunicação de rede, nós do cluster, endereços IPs e configurações do firewall do Windows. Após as verificações citadas acima, foram utilizadas as ferramentas Sql Cmd Ln Utils, Shared Management Objects e Power Shell Tools para avaliar o desempenho do Cluster Failover do SQL Server. Foram executados comandos de criação de tabelas, escrita de dados, atualização, leitura, exclusão de dados e de tabelas. Analisou-se que os servidores responderam aos testes aplicados, propiciando uma alta disponibilidade dos dados entre os servidores e suas aplicações. Como trabalhos futuros é sugerido um estudo mais aprofundando sobre o tema, expandindo, assim, a possibilidade para a execução de mais trabalhos científicos que necessitam de um ambiente desse porte para gerar dados mais significativos como, por exemplo, a utilização de mais e diferentes testes para avaliar o desempenho e comportamento dos sistemas. Pode-se aplicar a arquitetura descrita neste estudo para incitar novas configurações para a utilização de Clusters Failover. Referências Alecrim, Emerson. Clusters: Conceitos e Características. Disponível em: <http://www.infowester.com/cluster.php>. Acesso em: 23 Jun Pitanga, Marcos J. Computação em Cluster. Disponível em: <http://www.clubedohardware.com.br/artigos/153>. Acesso em: 03 Set Rocha, Lidiane Lins. Cluster Visão Geral, Artigo, Brasília: UCB, Technet, Microsoft. Cluster Failover. Disponível em: <http://technet.microsoft.com/pt-br/library/cc731844%28v=ws.10%29.aspx>. Acesso em: 27 Abril Zhang, R., Abdelzaher, T. F., and Stankovic, J. A. (2004). Efficient TCP connection failover in web server clusters. In Proceedings of the IEEE InfoCom Conference. Vol. 2,

15 Paralelização de Ray Tracing utilizando Intel Cilk Plus Júlio C. Vieira 1, Guilherme W. Cassales 1, Fernando Faé 1, Andrea S. Charão 1 1 Curso de Ciência da Computação Universidade Federal do Santa Maria (UFSM) {julioc, cassales, fae, Abstract. This paper discusses the parallelization of an algorithm of Ray Tracing by the use of an extension of the C and C++ programming languages, the Intel Cilk Plus. This extension allows data and task parallelism by inserting keywords at certain points of the code. Although it is simple, it is necessary to understand the code that will be parallezide to find the best point to insert the keywords, increasing the maximum parallel performance. Resumo. Este artigo trata da paralelização de um algoritmo de Ray Tracing fazendo o uso da uma extensão das linguagens C e C++, o Intel Cilk Plus. Essa extensão possibilita paralelismo de dados e de tarefas através da inserção de keywords (palavras-chaves) em determinados pontos do código. Apesar de simples, é necessário ter compreensão do código a ser paralelizado para encontrar o melhor ponto de inserção das keywords, aumentando ao máximo o desempenho em paralelo. 1. Introdução Programação Paralela é uma área da computação de alto desempenho que estuda maneiras de agilizar processos utilizando a estratégia de dividir grandes processamentos de dados em processamentos menores. Ao dividir a carga em diversos processadores (cores), cria-se um fluxo maior de dados sendo processados simultaneamente, gerando um speed-up. Existem diversas formas de explorar o processamento paralelo, tanto em termos arquiteturais, como de comunicação: distribuído e paralelo (mais de uma máquina processando em paralelo), utilizando memória compartilhada, GPU, entre outros. Este artigo mostrará o funcionamento da ferramenta Intel Cilk Plus e seu uso em um algoritmo de ray tracing. Será abordada a nova sintaxe estabelecida e o que é necessário para executar programas que a contenha. Após isso, apresenta-se um processo de profiling utilizado para determinar os pontos que poderiam ser paralelizados e, então, é feita uma avaliação dos resultados produzidos após a adaptação do código. O processador utilizado foi um Intel Core i3-3110m, com dois núcleos físicos de 2.40GHz. A escolha de paralelizar um algoritmo de ray tracing deve-se ao fato de que estes algoritmos demandam muito processamento, pois dependem da complexidade da imagem e números de pixels. Por ser um método que não é necessariamente serial, com a paralelização é possível diminuir consideravelmente o tempo de processamento. 14

16 2. Fundamentação A primeira tarefa foi entender como funciona e como utilizar o Intel Cilk Plus, conhecimento que encontra-se de forma resumida nesta seção Funcionamento O Intel Cilk Plus é um framework de desenvolvimento que fornece uma interface de programação simples e intuitiva [Camargo, C. Araújo, A. Cavalheiro, G. (2012)] para criações e sincronizações explícitas e aninhadas de threads. Ele adiciona três keywords à sintaxe da linguagem C: cilk_for, cilk_spawn e cilk_sync; Para desenvolver programas com este framework, há duas opções: a) Instalar um compilador da Intel (Inter Composer XE, Inter Parallel Studio XE ou Intel C++ Compiler) e o Intel Cilk++ SDK; b) Configurar o compilador próprio do Intel Cilk Plus juntamente com o gcc/g++ do Linux. A filosofia por trás do desenvolvimento Cilk é fazer da linguagem dela uma verdadeira extensão paralela da linguagem C [Robert D. Blumofe, et al. (1996)] Utilização O Intel Cilk Plus utiliza basicamente três keywords para tornar a execução do programa paralela [Introducing Intel Cilk Plus]. São elas: cilk_for: utilizado para paralelizar loops; cilk_spawn: essa keyword define que a função chamada pode executar em paralelo com a origem da chamada, desde que essa função não tenha dependências. Por exemplo, um loop que chama uma função que não tem dependências pode ser executado várias vezes paralelamente, sem causar problemas de sincronização. É importante salientar que cilk_spawn não ordena que seja executado em paralelo, somente cria a oportunidade do plano de execução criar novos threads, ou seja, o Intel Cilk Plus analisa se é viável a paralelização que está sendo proposta. Se for, o cilk_spawn é realizado. Caso não seja, a execução continua serialmente. O próprio plano de execução determina se é possível a paralelização; cilk_sync: determina que todos os threads criadas pelo cilk_spawn devem terminar antes de continuar a execução. Para exemplificar a paralelização de loops for, é necessário comparar a utilização de somente cilk_for no lugar de for e cilk_spawn e cilk_sync nas chamadas de funções dentro do loop [Introducing Intel Cilk Plus], como visto nas Figuras 1 e 2. 15

17 Figura 1. Loop for com o uso de cilk_for. Figura 2. Exemplo de um loop for com o uso de cilk_spawn e cilk_sync. 3. Desenvolvimento Após entender como utilizar corretamente a nova sintaxe fornecida pelo Intel Cilk Plus, era necessário determinar qual ou quais seriam os melhores pontos do algoritmo que gerariam uma taxa de speed-up considerada proveitosa para a utilização da ferramenta. 3.1 Estratégias e uso de ferramentas Utilizou-se a ferramenta Performance Analysis, do Microsoft Visual Studio 2012, para gerar um profiling da execução. Um profiler serve para verificar quais são as partes do algoritmo que mais consomem tempo de execução e, portanto, mais propensas a gerar uma alta taxa de speed-up ao ser paralelizado. Por exemplo, na Figura 3, é possível ver que 99,98% do tempo de execução do algoritmo concentra-se dentro da função main, sendo 95,85% deste tempo consumido em chamadas da função ray_trace. Através da ferramenta Performance Analysis, é possível percorrer as funções chamadas e observar em que parte do código dentro delas consome mais tempo de execução naquela função. Explorando mais a fundo os resultados do profiling, podemos ver as funções mais chamadas dentro da função intersect, conforme pode ser visto na Figura 4. O compilador da Intel escolhido com o Intel Composer XE, versão trial de 30 dias. Figura 3. Resultado do profiling. 16

18 Figura 4. Visualização do profiling da função intersect. 4. Avaliação Para facilitar a execução de testes com e sem o framework Intel Cilk Plus, foram realizadas pequenas alterações no código original do algoritmo escolhido, incluindo um novo argumento para definir a utilização ou não das keywords do framework. A sintaxe de execução do programa é a seguinte: <executável> <level> <cilk on/off> > fig.ppm O argumento level estabelece a quantidade de objetos que formarão a imagem e, por tanto, quanto mais alto o level, maior a quantidade de objetos para ser realizado o ray tracing. A parte da sintaxe > fig.ppm faz com que a saída do programa vá para um arquivo com extensão.ppm, que é o formato que os dados são gerados. Para executar no Windows, o programa foi compilado utilizando o Visual Studio 2012 e executado através do Prompt de Comando. Após análise do resultado gerado pela ferramenta Performance Analysis, concluiuse que a paralelização deveria envolver as chamadas de função ray_trace na main e/ou intersect na função ray_trace. Foram criadas duas versões diferentes do código paralelizado. Na primeira, foram adicionadas keywords somente nas chamadas da função ray_trace, na main. Já na segunda, além destas, foram adicionadas também na chamada da função intersect, dentro da função ray_trace. Ambas as versões foram testadas, obtendo resultados similares, apresentados na Tabela 1. 17

19 Tabela 1. Tempo médio em segundos das execuções do programa nas três versões. Level Versão original Versão Cilk Plus I Versão Cilk Plus II 1 2,71 8,758 9,8 2 26,931 28,477 29, ,224 53,523 55, ,543 75,155 79, ,086 91,433 93, , , , ,819 96,544 10, , , , , , , , , , , , ,615 Como podemos ver no gráfico da Figura 5, o desempenho sem o uso de Intel Cilk Plus com um e dois levels é superior ao de quando o framework é usado. À medida que o grau de complexidade (level) aumenta, o uso de Intel Cilk Plus torna-se vantajoso, diminuindo consideravelmente o tempo de execução em levels altos. Esse baixo desempenho do framework nos levels menores deve-se ao trabalho em segundo plano necessário para criação, distribuição e gerenciamento dos threads decorrentes do uso das keywords. O trabalho em segundo plano é o responsável pelo particionamento, comunicação, aglomeração e mapeamento, princípios básicos da paralelização. Cilk I Cilk II 1,6 1,4 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0, Figura 5. Gráfico do speed-up com as duas versões de uso do Intel Cilk Plus. 18

20 5. Conclusão Ao finalizar este trabalho, chega-se à conclusão de que o Intel Cilk Plus é uma ferramenta com incrível capacidade e facilidade de paralelização. Além de ter aumentando o desempenho em taxas de speed-up de até 1,5, o processo de paralelização pode ser feito mesmo sem o uso de profiling, pois as alterações no código são mínimas, o que facilita os experimentos à medida que modificações são feitas. O Intel Cilk Plus foi, de fato, uma ferramenta com ótimos resultados na relação desempenho obtido/dificuldade encontrada. Referências Robert D. Blumofe, Christopher F. Joerg, Bradley C. Kuszmaul, Charles E. Leiserson, Keith H. Randall, and Yuli Zhou. (1996) Cilk: An efficient multithreaded runtime system Introducing Intel Cilk Plus: Extensions to simplify task and data parallelism. Available on the internet from Camargo, C. Araújo, A. Cavalheiro, G. (2012) Uma revisão sobre ferramentas de programação multithreads comerciais e acadêmicas. Frigo, M. Leiserson, C. Randall, K. (1998) The implementation of the Cilk-5 Multithread Language. 19

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907

Aranda INVENTORY. Benefícios Estratégicos para sua Organização. (Standard & Plus Edition) Beneficios. Características V.2.0907 Uma ferramenta de inventario que automatiza o cadastro de ativos informáticos em detalhe e reporta qualquer troca de hardware ou software mediante a geração de alarmes. Beneficios Informação atualizada

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL EXPERIMENTOS A realização de experimentos é essencial a qualquer plano de implementação de uma tecnologia. Para a implementação da tecnologia IP multicast foram realizados vários experimentos que abordaram

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

On Scalability of Software-Defined Networking

On Scalability of Software-Defined Networking On Scalability of Software-Defined Networking Bruno dos Santos Silva bruno.silva@ic.uff.br Instituto de Computação IC Universidade Federal Fluminense UFF 24 de Setembro de 2015 B. S. Silva (IC-UFF) On

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

Introdução ao Active Directory AD

Introdução ao Active Directory AD Introdução ao Active Directory AD Curso Técnico em Redes de Computadores SENAC - DF Professor Airton Ribeiro O Active Directory, ou simplesmente AD como é usualmente conhecido, é um serviço de diretórios

Leia mais

Group Policy (política de grupo)

Group Policy (política de grupo) Group Policy (política de grupo) Visão Geral As Diretiva de Grupo no Active Directory servem para: Centralizar o controle de usuários e computadores em uma empresa É possível centralizar políticas para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS (DFS) Visão geral sobre o Sistema de Arquivos Distribuídos O Sistema de Arquivos Distribuídos(DFS) permite que administradores do

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Auto Download

Manual do usuário. Mobile Auto Download Manual do usuário Mobile Auto Download Mobile Auto Download Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I Prof. MSc. Hugo Souza Como já vimos, os sistemas distribuídos são apresentados considerando um planejamento bem mais complexo relacionado aos

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks Universidade Federal Fluminense - UFF Instituto de Computação - IC Disciplina: Engenharia de Redes

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais