Desenvolvimento de uma Aplicação utilizando SOA: um Estudo de Caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de uma Aplicação utilizando SOA: um Estudo de Caso"

Transcrição

1 Desenvolvimento de uma Aplicação utilizando SOA: um Estudo de Caso Roberto Felipe Caliendo, Daniel Luís Notari Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Universidade de Caxias do Sul (UCS) Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130 Bloco Caxias do Sul RS Brasil {rfcalien, Categoria do trabalho: Trabalho de Graduação Resumo. O objetivo deste artigo é apresentar o desenvolvimento de uma aplicação utilizando SOA (Arquitetura Orientada a Serviços). Um estudo de caso apresenta uma arquitetura de software para uma aplicação acessar os serviços de notícias disponibilizadas na web através de feeds RSS. Um protótipo do estudo de caso foi implementado, o qual contém um cadastro de usuários com as suas preferências de categorias de notícias. Estas informações são utilizadas para realizar pesquisas em sites de notícias na web. O protótipo permite que os serviços sejam acessados por um cliente web e por um cliente desktop. Com isto, o usuário pode acessar as suas preferências de notícias de duas formas diferentes, demonstrando desta maneira, o consumo do mesmo serviço implementado como um WebService. Palavras-chaves: SOA, WebServices, RSS Abstract. The purpose of this paper is to present the development of a SOA (Software Oriented Architecture) application. A case study shows a software architecture for an application to access news available on the web through RSS feeds. The case study has a prototype implementation that contains user registers with their favorite news categories. These informations are used to search website news. The prototype's services can be accessed by both a web and a desktop thin client. In this way, users can access their news preferences by two different ways, consuming the same service implemented as a WebService. Keyworks: SOA, Web Services, RSS 1. Introdução O uso de tecnologias novas como SOA e WebServices em aplicações é uma realidade. Contudo, as organizações não podem simplesmente descartar as aplicações existentes. Uma vez que, reconstruir uma aplicação legada com o uso de novas tecnologias exige pessoal especializado, tempo e, em geral, é muito custoso e demorado. As aplicações existentes são usadas diariamente e, geram uma quantidade enorme de dados. Acessar estes dados por outras aplicações, por exemplo para visualizações de maneira diferente dependendo do perfil do usuário, requer a construção de softwares que façam isto. Esta tarefa também é custosa e demorada. Por isto, é necessário pesquisar maneiras novas de acessar os dados destas aplicações com os investimentos existentes feitos nas organizações (SAMPAIO, 2006). Neste cenário, a diversidade de sistemas de informação existentes também causa um problema para os profissionais da área de TI (Tecnologia da Informação) administrarem: sistemas heterogêneos desenvolvidos por fornecedores e com linguagens de programação diferentes. Isto resulta em aplicações que não estão aptas a trocarem informações. Um exemplo

2 disso é a troca de dados entre um sistema de CRM (Customer Relationship Management) e um sistema ERP (Enterprise Resource Planning) com a intenção de minimizar o cadastro de informações comuns aos dois sistemas. A troca de informações entre as aplicações, ou seja, a interoperabilidade é um dos objetivos de SOA. A comunicação dos sistemas é o ponto chave para estabelecer a relação entre sistemas de diferentes fornecedores (SAMPAIO, 2006). Apesar do desenvolvimento de sistemas estar em constante evolução, ainda não existe um padrão para o reuso de componentes de software. SOA possui também como objetivo maximizar o reuso dos seus componentes (serviços), para que em médio prazo, a tarefa do desenvolvimento de uma aplicação seja primordialmente a tarefa da composição e coordenação dos serviços já implementados, aumentando o reuso e diminuindo o dispêndio de recursos (MCCOY, 2003). Atualmente, a abordagem de SOA, de maneira simplificada, é uma camada de software que permite um sistema publicar suas funcionalidades como serviços, e estes podem ser consumidos por qualquer outra aplicação (SAMPAIO, 2006). O objetivo deste artigo é desenvolver uma aplicação baseada em SOA visando a reutilização dos serviços definidos através da sua invocação por uma aplicação web e por uma aplicação desktop. A validação deste objetivo é apresentada através do desenvolvimento e implementação de um estudo de caso. A aplicação desenvolvida no estudo de caso apresenta um cenário e um protótipo para o cadastro de usuários com as suas preferências de categorias de notícias para pesquisa em sites de notícias na web. O usuário pode acessar as suas preferências de notícias de duas formas diferentes (web e desktop), demonstrando desta maneira, o consumo do mesmo serviço implementado como um WebService. As categorias de notícias e as notícias são acessadas via feeds RSS. A partir dos resultados obtidos com este estudo de caso, será possível planejar o uso de SOA para aplicações reais existentes para a troca de informações através do uso da tecnologia de WebServices em uma empresa real. Este artigo esta organizado da seguinte maneira. A seção 2 apresenta uma breve introdução sobre arquitetura orientada a serviços, serviços e WebServices. A seção 3 mostra o cenário para o desenvolvimento de uma aplicação utilizando SOA, trabalhos relacionados e a arquitetura de software do protótipo implementado. A seção 4 apresenta o estudo de caso. E, por fim, a seção 5 apresenta as conclusões e trabalhos futuros deste artigo. 2. Arquitetura Orientada a Serviços A OASIS (Organization for the Advancement of Structured Information Standards) é a comunidade responsável pela especificação de SOA. SOA representa uma coleção dos melhores princípios, das melhores práticas e dos melhores padrões relacionados aos serviços, as empresas e a computação distribuída (OASIS, 2008). Em um ambiente corporativo SOA é definida como uma configuração de um software multi-camadas que ajudam as organizações a compartilhar lógica e dados através de múltiplas aplicações e modelos de uso (PACHECO, 2005). Para CIO (2007), a conceituação de SOA apresenta dois aspectos distintos: as duas primeiras palavras (Arquitetura e Orientada) expressam uma metodologia para desenvolvimento de software, enquanto que a terceira palavra (Serviço) é um panorama de todos os ativos de software 1 de uma empresa. Com isto, entende-se SOA como parte da estratégia para a divulgação de todos os ativos de software de uma empresa, através de uma metodologia de programação orientada a serviços. 1 Ativo de software é tudo aquilo que pode ser reutilizado em termos de software, de qualquer fase de desenvolvimento, até mesmo os sistemas finais.

3 Para W3C (2008), a orientação a serviços modulariza os recursos de TI, criando os processos de negócios interligados e que integram informações entre sistemas. Desta forma, os serviços são pequenas porções de software, construídas de tal forma, que possam ser vinculadas a outros componentes de software. A idéia central é que a tecnologia expresse resultados de forma que analistas de negócio possam entender facilmente o seu propósito e poder reutilizar os serviços já definidos e implementados (MICROSOFT, 2006). Um serviço, no contexto de SOA, é um mecanismo para permitir o acesso a um conjunto de regras de negócio. O acesso é provido através de uma interface 2 descrita com restrições e políticas como especificados pela descrição de serviço (OASIS, 2008). Um WebService é a implementação de um serviço. É importante destacar que um WebService não é a única alternativa para implementação e publicação de serviços. Outras alternativas possíveis são o uso de serviços de objetos remotos, tais como, CORBA (Common Object Request Broker Architecture), RMI (Remote Method Invocation), DotNET, etc. Todos estas tecnologias permitem a publicação de serviços e, conseqüentemente, a invocação deste permitindo a interoperabilidade entre aplicações. A Figura 1 apresenta a arquitetura básica de um WebService. Uma aplicação servidora registra um serviço (1) através de um documento WSDL (Web Service Description Language). Este documento fornece as características operacionais do serviço (ENDREL, 2004; ORT, 2005; W3C, 2008). Figura 1: Arquitetura Básica de WebService (SAMPAIO, 2006) O serviço é registrado no repositório UDDI (Universal Description, Discovery and Integration). Este é o padrão para registro de serviços onde é especificado a forma de armazenamento e recuperação das informações dos serviços, tais como, nome, descrição, URL (Uniform Resource Locator) e a interface do serviço (ENDREL, 2004; ORT, 2005). Após a publicação e registro do serviço, este pode ser consumido por uma aplicação. A invocação do serviço (3) ocorre através do protocolo SOAP (Simple Object Access Protocol). Este é um protocolo de comunicação baseado em XML que permite a troca de informações em um ambiente distribuído. O protocolo define um formato comum de mensagens para troca de dados entre aplicações clientes e servidores (ENDREL, 2004; ORT, 2005; W3C, 2008). Se tudo estiver correto com a invocação do serviço, a resposta (4) é enviada para a aplicação. 3. Cenário para o desenvolvimento de uma aplicação utilizando SOA A Figura 2 apresenta um cenário para o desenvolvimento de uma aplicação utilizando os conceitos de SOA. A aplicação visa cadastrar usuários e as suas preferências de categorias de notícias. A partir disto, a aplicação irá acessar feeds RSS e pesquisar as categorias de notícias cadastradas e apresentar estas para os seus usuários. 2 Interface é composta por um cabeçalho com o nome de um método e um conjunto de parâmetros.

4 O cenário está dividido nas seguintes camadas: clientes (front-end), servidores, serviços de aplicação e serviços de domínio. A camada cliente permite consumir os serviços através de uma aplicação desktop e de uma aplicação web. Os serviços disponíveis são de consultas as informações dos usuários, consulta as categorias de notícias e, consulta as notícias propriamente ditas. Figura 2 : Cenário para integração de aplicações A camada de servidores fornece os serviços de um servidor web para acesso aos websites de notícias e de um SGBD para armazenar as informações dos usuários. A camada de serviços de aplicação contém a implementação dos serviços para cadastramento dos usuários e de suas preferências de categorias de notícias. Quando um usuário é cadastrado, uma mensagem eletrônica é enviada para confirmação do cadastro. A camada de serviços de domínio é responsável pelo acesso remoto a outros aplicativos disponíveis na web. Os serviços disponíveis são o envio de mensagem de correio eletrônico, de acesso as categorias de notícias dos usuários e de acesso a notícias via feeds RSS. A seguir são apresentados alguns trabalhos relacionados com a proposta deste artigo, bem como, a arquitetura de software da implementação do protótipo Trabalhos Relacionados Os trabalhos relacionados nesta seção possuem a característica de terem desenvolvido estudos de casos com aplicações baseadas em SOA. O estudo de caso apresentado por GROSSI (2005) teve como objetivo mostrar os passos necessários para a concepção e o desenvolvimento de aplicações baseadas em serviços que fazem parte desse novo modelo de programação. A aplicação, desenvolvida no estudo de caso, pretendeu construir um sistema de mineração de dados em um ambiente distribuído. A mineração de grandes bases inclui diversos requisitos interessantes, como a localização e o uso dinâmico de serviços remotos, que podem ser mapeados no modelo de SOA. O resultado foi um sistema baseado em WebServices que atende aos requisitos necessários para a mineração de

5 dados distribuída. A extensibilidade e escalabilidade da plataforma foram medidas para demonstrar a viabilidade e as potencialidades do uso de um modelo baseado em SOA. O estudo de caso de CUADRADO et. al. (2008) demonstra a evolução de um sistema legado existente para uma sistema baseado em SOA. O objetivo principal do estudo de caso é obter uma melhor manutenabilidade do sistema como um todo. O processo proposto inclui a recuperação da arquitetura do sistema legado. Esta arquitetura foi utilizada para planejar a evolução do sistema legado para uma concepção baseada em SOA, além de definir como as mudanças seriam executadas e validadas. O estudo de caso foi aplicado para um sistema de imagens médicas, desenvolvido como um modelo de serviços implementados como WebServices. O estudo de caso de CANFORA et. al. (2008) diz que a modernização de sistemas de software usando SOA e WebServices representa uma valiosa opção para prolongar o tempo de vida de sistemas de missão crítica. CANFORA et. al. apresentam uma abordagem de modernização usando um estilo arquitetural caixa-preta para expor funcionalidades interativas de sistemas legados como serviços. O problema de transformar uma interface de usuário original do sistema em uma interface de requisição/resposta de SOA é resolvido por um wrapper que é capaz de interagir com o sistema em benefício do usuário Arquitetura de Software do Protótipo O cenário proposta na Figura 2 foi implementado conforme a arquitetura de software apresentada na Figura 3. A implementação 3 deste protótipo utilizou a ferramenta de desenvolvimento Turbo Delphi for DotNET da Borland, o SGBD SqlServer 2005 e a ferramenta de disponibilização dos serviços IIS (Internet Information Services). Para testar o cliente web foi utilizado o navegador Internet Explorer 7. Para o cliente desktop foi utilizado o sistema operacional Windows XP. Figura 3: Arquitetura de Software 3 A implementação deste protótipo foi realizada na disciplina de Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação da Universidade de Caxias do Sul. O ambiente de desenvolvimento utilizado foi em uma empresa de desenvolvimento de software local. Esta empresa utiliza as ferramentas da plataforma da Microsoft. Por esta razão estas ferramentas foram utilizadas.

6 As próximas seções descrevem as camadas da arquitetura 4 de software: aplicação, WebServices e regras de negócio Camada de Aplicação A camada de aplicação representa a interface de comunicação com as aplicações clientes, ou seja, o cliente pode ser uma camada de apresentação, outra camada de negócio ou outra aplicação. Desta forma, esta camada necessita acessar os serviços da camada de negócio desta arquitetura. Esta camada é responsável por controlar o fluxo do trabalho, conforme o conceito de SOA, quem realiza este papel é o orquestrador (SAMPAIO, 2006), assim os clientes instanciarão os WebServices necessários para realização do trabalho desejado. Nesta arquitetura, os clientes web e desktop são considerados leves, pois não possuem regras de negócio e, esta camada possui um servidor de informações (IIS) que contêm os serviços a serem consumidos. Desta forma, as tarefas mais relevantes de sua lógica interna, exigem um mínimo de hardware e software presentes na máquina cliente, levando-se em consideração que o processamento mais pesado é realizado em um servidor apropriado (SAMPAIO, 2006) Camada de WebServices Esta camada tem como finalidade principal a publicação dos serviços, não ficando sob sua responsabilidade, a execução das solicitações realizadas aos seus métodos publicados. Para tanto, nesta camada foram utilizados dois padrões de projeto, tendo em vista um melhor reaproveitamento do código escrito nas demais camadas. O padrão de projeto delegate define que um objeto pode enviar uma mensagem para outro objeto, em resposta a uma mensagem (LARMAN, 2004). Os WebServices desenvolvidos executam as chamadas recebidas e delegam a execução para a próxima camada da arquitetura (fachada). O padrão de projeto proxy evita a execução desnecessária de funcionalidades custosas de maneira transparente para os clientes (BRAUDE, 2005). Com isto, quando um WebService recebe um documento XML, este repassa-o para o fachada com a finalidade de interpretar esta informação de maneira transparente ao cliente, não necessitando fornecer dados no formato esperado para a plataforma interna. Todos os protocolos de WebServices foram criados a partir das definições apresentadas na seção 2. Os serviços desenvolvidos foram publicados como WebServices para serem consumidos por esta ou outra aplicação de maneira padrão e, contemplar as premissas de uma arquitetura SOA que visa a exposição dos serviços, podendo estes serem consumidos em qualquer plataforma e potencialmente acessados de qualquer lugar do mundo (SAMPAIO, 2006) Camada de Negócio Esta camada é responsável por receber as solicitações de chamadas dos serviços publicados, executar este serviço e devolver a resposta ao solicitante. Para realizar estas tarefas, esta camada está organizada em camadas internas. A primeira camada interna é a fachada. Esta camada é a mais importante do ponto de vista gerencial. A principal atribuição desta camada é receber uma solicitação de serviço e delegar a sua execução para o objeto correto (LARMAN, 2004; BRAUDE, 2005). A segunda camada interna é a de serviços. Esta camada é a responsável por mapear os serviços que provêm as funcionalidades básicas, técnicas e de negócio. A terceira camada interna é a camada de sistemas. Esta camada é responsável por gerenciar toda a persistência de dados independente do SGBD utilizado. A quarta camada interna é a camada de acesso aos dados que implementa o padrão de projeto DAO (Data Access 4 O diagrama de classes das camadas não será apresentado por causa da limitação do número de páginas deste artigo. Os mesmos podem ser obtidos com os autores deste artigo.

7 Object). Este padrão é responsável pela manipulação da estrutura física de armazenamento dos dados (LARMAN, 2004). A camada de negócio utiliza os serviços desta camada para modificar ou consultar os dados. A implementação deste módulo independerá do banco de dados a ser utilizado, devido o uso da plataforma DotNet. 4. Estudo de Caso Nesta seção será apresentado um estudo de caso para validar o protótipo implementado. Inicialmente, o usuário da aplicação poderá utilizar as duas aplicações clientes independentes ou simultaneamente. A Figura 4 apresenta o cliente web com a relação dos usuários já cadastrados, sendo permitida a inclusão de um novo usuário, a edição e exclusão do usuário, bem como, acessar as notícias selecionando-se a categoria desejada Figura 4: Cliente Web 5 A Figura 5 apresenta o cliente desktop da aplicação onde pode ser visualizada a relação de usuários cadastrados Figura 5: Cliente Desktop 3 A Figura 6 apresenta as notícias selecionadas para uma categoria de um usuário. As informações são as mesmas mostradas no cliente web (Figura 4). Note que a mesma informação na web foi disposta de maneira diferente na aplicação desktop. O que na interface web está organizada em uma página, na interface desktop tem-se guias que representam a informação dos usuários cadastrados mais as notícias de seu interesse. 5 O número do CPF e o número do telefone foram alterados por questões de segurança.

8 Figura 6: Notícias via RSS do Terra no Cliente desktop Para cadastrar um usuário na aplicação web deve ser preenchido o formulário apresentado na Figura 7 e, após clicar no botão de Inserir. Havendo sucesso, o usuário será remetido para a página de preenchimento do perfil do usuário. Em caso de erros existentes na postagem das informações no servidor, o mesmo responderá com uma lista de erros que será exibida abaixo do botão de inserir. Os campos indicados com (*) são obrigatórios. Figura 7: Cadastramento de Usuários WEB 6 A Figura 8 mostra o cliente web com a opção para definir as preferências de visualização de notícias para um usuário cadastrado. No exemplo, a categoria esportes foi selecionada e, o WebService buscou as opções da categoria esportes via RSS 7. Figura 8: Definição do Perfil do Usuário no cliente web. 6 A mesma tela para a aplicação desktop não será mostrada por causa do número de páginas. 7 Para o desenvolvimento do estudo de caso, foi utilizado o feed RSS do site Terra (www.terra.com.br)

9 5. Considerações finais e trabalhos futuros Durante a elaboração deste trabalho surgiram muitas dificuldades técnicas para a montagem do ambiente de desenvolvimento necessário para atender a arquitetura especificada. Os problemas foram decorrentes da complexidade dos softwares utilizados no que tange a suas aquisições, instalações e configurações. Isto porque a característica deste trabalho previu o seu funcionamento completo com a integração entre banco de dados (Sql Server 2005), ferramenta de disponibilização dos serviços (IIS) e ferramenta de desenvolvimento Turbo Delphi for DotNET. Durante o desenvolvimento do trabalho notou-se a real interoperabilidade entre aplicações heterogêneas que a SOA oferece, utilizando-se clientes leves que consomem os mesmos serviços em clientes completamente diferentes. Com este trabalho mostra-se que a implementação dos serviços por uma aplicação é tão importante quanto a publicação dos mesmos. A organização da aplicação torna os serviços mais eficientes, podendo desde diminuir o tráfego da rede, até ter formas de persistência mais eficientes e rápidas para diminuir o tempo de resposta para o cliente do serviço, além de transferir a carga de processamento para o lado do servidor. O uso de WebServices mostra-se como tendência para comunicação e troca de informações entre aplicações e disponibilização de informações em diferentes contextos. Porém deve-se ter um cuidado todo especial ao consumir serviços de terceiros, exigindo sempre qual a garantia de que o referido WebService esteja disponível e acessível. Um exemplo disto, foi a utilização da consulta as informações de endereço através do CEP (Código de Endereçamento Postal). Neste caso foi assumido o risco em consumir um serviço qualquer disponível na Internet que não especifica garantia de acesso as informações, sob pena de ficar inacessível de uma hora para outra, estabelecendo-se assim uma relação de confiança. E isto aconteceu, pois os Correios passaram a cobrar para usar o seu serviço de consulta aos CEP dos logradouros. A decisão do desenvolvimento de um sistema completo baseado em WebServices é avaliada como interessante e viável. Tendo-se em vista as possibilidades que se pode atingir com o uso de WebServices os quais podem ser consumidos por aplicações diferentes tais como: web, desktop, palmtops, celulares, etc. A experiência adquirida com o desenvolvimento e testes do estudo de caso irá permitir o planejamento de novas funcionalidades ao sistema da empresa (na qual o protótipo foi desenvolvido) através do compartilhamento de informações utilizado WebServices sem o desenvolvimento de uma aplicação completamente nova. Como trabalhos futuros sugere-se a adaptação de uma metodologia de testes com a finalidade de garantir a qualidade e permanente funcionamento das camadas de uma arquitetura SOA, pois deve-se considerar a manutenção nestes fontes no momento em que se pretende fazer melhoria e ou ampliar seus limites. O uso de sistemas implementados em larga-escala com WebServices deve ser exaustivamente testado antes de ser disponibilizado aos clientes finais. Além disto, é necessário submeter os serviços implementados a uma carga maior de dados para saber a real possibilidade de uso dos WebServices e do tráfego de rede utilizado. Por fim, e talvez mais importante de tudo, será qualificar a equipe de planejamento (analistas de negócio e de sistemas) e desenvolvimento (programadores e testadores) de software para obter uma produtividade considerável no uso das tecnologias de SOA e WebServices.

10 Referências BRAUDE, Eric. Projeto de Software. Porto Alegre: Bookman, CANFORA, Gerardo; FASOLINO, Anna Rita; FRATTOLILLO, Gianni; TRAMONTANA, Porfirio. A wrapping approach for migrating legacy system interactive functionalities to Service Oriented Architectures. Journal of Systems and Software, Volume 81, Issue 4, April 2008, Pages Selected papers from the 10th Conference on Software Maintenance and Reengineering (CSMR 2006). Elsevier Inc., Disponível em: <http://dx.doi.org/ /j.jss >. Acessado em 11 de fevereiro de CIO. O Tsunami SOA. Disponível em: <http://cio.uol.com.br/estrategias/2007/06/13/idglead />. Acessado em julho de CUADRADO, Félix; GARCÍA, Boni; DUEÑAS, Juan; PARADA, Hugo. A Case Study on Software Evolution towards Service-Oriented Architecture," ainaw,pp , 22nd International Conference on Advanced Information Networking and Applications - Workshops (aina workshops 2008), Disponível em: <http://doi.ieeecomputersociety.org/ / WAINA >. Acessado em 11 de fevereiro de ENDREL, M. et al. Patterns: Service-Oriented Architecture and Web Services. RedBooks, IBM, Apr Disponível em: <http://www.redbooks.ibm.com/redbooks/pdfs/sg pdf>. Acessado em outubro de GAMMA, Erich, et al. Padrões de projeto. Soluções Reutilizáveis de Software Orientado a Objetos. Porto Alegre: Bookman, GROSSI, Bruno Estolano. Estudo do modelo de computação orientada a serviços e sua aplicação a um sistema de mineração de dados. Dissertação de Mestrado, Curso de Pósgraduação em Ciência da Computação, UFMG, Disponível em: <http://dspace.lcc.ufmg.br/dspace/bitstream/1843/rvmr-6eafwy/1/brunoestolanogrossi.pdf>. Acessado em 11 de fevereiro de LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. São Paulo: Bookman, MCCOY, David W., Yefim V. Natis; Service-Oriented Architecture: Mainstream Straight Ahead. Disponível em: <http://www4.gartner.com/displaydocument?doc_cd=114361>. Acessado em setembro de MICROSOFT, Conheça a Arquitetura Orientada a Serviços (SOA - Service Oriented Architecture). Disponível em: <http://www.microsoft.com/brasil/servidores/biztalk/solutions/soa/overview.mspx#eeb>. Acessado em julho de PACHECO, Xavier. Guia do Desenvolvedor de Delphi for.net. São Paulo: Pearson Makron Books, SAMPAIO, Cleuton. SOA e Web Services em Java. Brasport, OASIS, Reference Model for Service Oriented Architecture. Disponível em : <http://www.oasisopen.org/committees/tc_home.php?wg_abbrev=soa-rm>. Acessado em dezembro de ORT, E. Service-Oriented Architecture and Web Services: Concepts, Technologies, and Tools. Article, Sun Microsystems, April Disponível em: <http://java.sun.com/developer/technicalarticles/webservices/soa2/soa2.pdf>. Acessado em outubro de W3C, Working Group Note. Web Services Architecture. Disponível em: <http://www.w3.org/tr/ ws-arch>. Acessado em dezembro de 2008.

Arquitetura SOA SCP. Sistema de Controle Patrimonial. Pandora Tech Soluções em Software Livre. Versão Atual 1.0. Data Versão Descrição Autor

Arquitetura SOA SCP. Sistema de Controle Patrimonial. Pandora Tech Soluções em Software Livre. Versão Atual 1.0. Data Versão Descrição Autor SCP Pandora Tech Soluções em Software Livre Versão Atual 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autor 24/02/2010 1.0 Criação do Documento Fernando Anselmo Parte Conceito O uso de tecnologias

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Programação Cliente em Sistemas Web

Programação Cliente em Sistemas Web Programação Cliente em Sistemas Web WEBSERVICES Cap 18. - Sistemas distribuídos e serviços web em Deitel, H.M, Sistemas Operacionais, 3 ª edição, Pearson Prentice Hall, 2005 Fonte: Rodrigo Rebouças de

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB Deusa Cesconeti e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ {dcescone, jean}@fsjb.edu.br RESUMO

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

A utilização do JSWDP para construção de Web Services

A utilização do JSWDP para construção de Web Services A utilização do JSWDP para construção de Web Services Fabiana Ferreira Cardoso 1, Francisco A. S. Júnior 1, Madianita Bogo 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Centro Universitário Luterano de Palmas

Leia mais

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML.

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. Web services Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. XML é utilizado para codificar toda a comunicação de/para um web service. Web services

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços

SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços Sérgio Larentis Júnior, Jorge Luis Victória Barbosa, Sérgio Crespo Coelho da Silva Pinto, Andrêsa Vargas Larentis Programa Interdisciplinar

Leia mais

: : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal

: : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal : : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal Sérgio Magalhães mgi01020@fe.up.pt As vantagens competitivas ganham-se muitas vezes por ser o primeiro a chegar

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Carlos E. G. Paiola Engenheiro de Controle e Automação, M.Sc. Gerente Comercial - Aquarius Software Ricardo Caruso

Leia mais

Prontuário Pessoal Eletrônico com Web Services na Urologia

Prontuário Pessoal Eletrônico com Web Services na Urologia Prontuário Pessoal Eletrônico com Web Services na Urologia Anita Maria da Rocha Fernandes 1, Vilcionei Márcio Weirich 2 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Faculdade de Ciências da Computação, Campus

Leia mais

INTEROPERABILIDADE EM SISTEMAS UTILIZANDO WEB SERVICES COMO MIDDLEWARES

INTEROPERABILIDADE EM SISTEMAS UTILIZANDO WEB SERVICES COMO MIDDLEWARES INTEROPERABILIDADE EM SISTEMAS UTILIZANDO WEB SERVICES COMO MIDDLEWARES Bruno B. Boniati 1, Agner Q. Olson 1, Ms. Edson Luiz Padoin 2 2 Departamento de Tecnologia - 1 Curso de Informática: Sistemas de

Leia mais

Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services

Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services Elisandra Fidler Pez, Heitor Strogulski Núcleo de Processamento de Dados Universidade de Caxias do Sul (UCS) Caxias do Sul, RS Brasil {efidler, hstrogul}@ucs.br

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

No artigo anterior explicamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso. Parte II: Especificando Caso de Uso

No artigo anterior explicamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso. Parte II: Especificando Caso de Uso Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte II: Especificando Caso de Uso Vinicius Lourenço de Sousa viniciuslsousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de 10 anos,

Leia mais

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 12.09.2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline 20.10.2015 1.0 Atualização

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Hal Zucati Microsoft Corporation Publicado em: Setembro de 2012 Atualizado em: Novembro de 2012 Aplica-se a: SharePoint

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Tendências da Arquitetura na Produção de Software

Tendências da Arquitetura na Produção de Software Tendências da Arquitetura na Produção de Software Prof. Dr. Ivanir Costa icosta11@terra.com.br mai-08 IC TECNOLOGIA EM SOFTWARE LTDA 1 Prof. Dr. Ivanir Costa Bacharel em Física pela USP Pós-Graduado em

Leia mais

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA

Leia mais

Aplicação de tecnologias de Web Services para definição de um modelo de arquitetura orientada a serviço (SOA)

Aplicação de tecnologias de Web Services para definição de um modelo de arquitetura orientada a serviço (SOA) Aplicação de tecnologias de Web Services para definição de um modelo de arquitetura orientada a serviço (SOA) Kléber Onélio Campos 3, André Donadel 1, José Leomar Todesco 1,2, Gregório Varvákis 1, Paulo

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas

Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Arquiteturas de Aplicações Distribuídas Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando Tópicos Introdução. HTTP / CGI. API sockets. JDBC. Remote Method Invocation.

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Extensões MIDP para Web Services

Extensões MIDP para Web Services Extensões MIDP para Web Services INF-655 Computação Móvel Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática MIDP Architecture MIDP = Mobile Information Device Profile Connection Framework HttpConnection

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INTEGRAÇÃO ORIENTADA A SERVIÇOS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CEFET-AL

IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INTEGRAÇÃO ORIENTADA A SERVIÇOS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CEFET-AL IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROTÓTIPO PARA INTEGRAÇÃO ORIENTADA A SERVIÇOS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CEFET-AL Marcilio SOUZA JÚNIOR (1); Mônica CUNHA (2); João Gabriel CAMPOS NETO (3); Heitor SANTOS BARROS

Leia mais