FileMaker 13. Referência SQL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FileMaker 13. Referência SQL"

Transcrição

1 FileMaker 13 Referência SQL

2 2013 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker, Inc Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia FileMaker e Bento são marcas comerciais da FileMaker Inc. registradas nos Estados Unidos e em outros países. O logotipo de pasta de arquivos, o logotipo do FileMaker WebDirect e o logotipo do Bento são marcas comerciais da FileMaker Inc. Todas as outras marcas comerciais pertencem a seus respectivos proprietários. A documentação do FileMaker é protegida por direitos autorais. Você não está autorizado a fazer cópias adicionais ou distribuir esta documentação sem a permissão por escrito da FileMaker. Você pode usar esta documentação somente com uma cópia licenciada válida do software FileMaker. Todas as pessoas, empresas, endereços de e URLs listados nos exemplos são puramente fictícios e qualquer semelhança a pessoas, empresas, endereços de ou URLs é mera coincidência. Créditos são listados no documento Reconhecimentos fornecido com este software. A menção a produtos de terceiros e URLs tem fins unicamente informativos e não constitui endosso ou recomendação. A FileMaker Inc. não assume responsabilidade com respeito ao desempenho desses produtos. Para obter mais informações, visite nosso site em Edição: 01

3 Conteúdo Capítulo 1 Introdução 4 Sobre esta referência 4 Onde localizar a documentação em PDF 4 Sobre SQL 4 Uso de um banco de dados do FileMaker como fonte de dados 5 Uso da função ExecuteSQL 5 Capítulo 2 Padrões suportados 6 Suporte a caracteres Unicode 6 instruções SQL 6 Instrução SELECT 7 Cláusulas SQL 8 Cláusula FROM 8 Cláusula WHERE 9 Cláusula GROUP BY 10 Cláusula HAVING 10 Operador UNION 11 Cláusula ORDER BY 11 Cláusulas OFFSET e FETCH FIRST 12 Cláusula FOR UPDATE 13 Instrução DELETE 16 Instrução INSERT 16 Instrução UPDATE 18 Instrução CREATE TABLE 19 Instrução ALTER TABLE 20 Instrução CREATE INDEX 21 Instrução DROP INDEX 21 Expressões SQL 22 Nomes de campo 22 Constantes 22 Notação exponencial/científica 23 Operadores numéricos 23 Operadores de caractere 24 Operadores de data 24 Operadores relacionais 24 Operadores lógicos 26 Precedência do operador 26 funções SQL 27 Funções de agregação 27 Funções que retornam cadeias de caracteres 28 Funções que retornam números 29 Funções que retornam datas 30 Funções condicionais 31 Palavras-chave SQL reservadas 32 Índice 35

4 Capítulo 1 Introdução Como desenvolvedor do banco de dados, você pode usar o FileMaker Pro para criar soluções de banco de dados sem saber SQL. Mas se tiver algum conhecimento de SQL, pode usar um arquivo de banco de dados do FileMaker como uma fonte de dados ODBC ou JDBC, compartilhando os dados com outros aplicativos via ODBC e JDBC. É possível também usar a função ExecuteSQL do FileMaker Pro para recuperar dados de qualquer ocorrência de tabela em um banco de dados do FileMaker Pro. Esta referência descreve instruções e padrões SQL permitidos pelo FileMaker. Os drivers cliente ODBC e JDBC do FileMaker oferecem suporte a todas as instruções SQL descritas nesta referência. A função ExecuteSQL do FileMaker Pro oferece suporte somente à instrução SELECT. Sobre esta referência Sobre SQL 1 Para obter informações sobre como usar ODBC e JDBC com as versões anteriores do FileMaker Pro, consulte 1 Esta referência assume que você está familiarizado com as noções básicas para uso de funções do FileMaker Pro, codificação de aplicativos ODBC e JDBC e criação de consultas SQL. Consulte um livro de outro fornecedor para obter mais informações sobre esses tópicos. 1 Esta referência usa FileMaker Pro para referir-se ao FileMaker Pro e ao FileMaker Pro Advanced, exceto ao descrever recursos específicos do FileMaker Pro Advanced. Onde localizar a documentação em PDF Para acessar PDFs da documentação do FileMaker: 1 No FileMaker Pro, escolha o menu Ajuda > Documentação do produto. 1 No FileMaker Server, escolha o menu Ajuda > Documentação do produto. 1 Acesse para obter documentação adicional Qualquer atualização para este documento também está disponível no site. SQL, ou Structured Query Language (Linguagem de consulta estruturada), é uma linguagem de programação projetada para consultar dados de um banco de dados relacional. A instrução primária usada para consultar um banco de dados é a instrução SELECT. Além de ser uma linguagem de consulta de banco de dados, a SQL fornece instruções para manipular dados, o que permite adicionar, atualizar e excluir dados. A SQL também fornece instruções para realizar definição de dados. Essas instruções permitem que você crie e modifique tabelas e índices. As instruções e os padrões SQL com suporte ao FileMaker estão descritas no capítulo 2, Padrões suportados.

5 Capítulo 1 Introdução 5 Uso de um banco de dados do FileMaker como fonte de dados Ao hospedar um banco de dados do FileMaker como uma fonte de dados ODBC ou JDBC, os dados do FileMaker podem ser compartilhados com aplicativos compatíveis com ODBC e JDBC. Os aplicativos se conectam à fonte de dados do FileMaker usando drivers cliente do FileMaker, criam e executam as consultas SQL usando ODBC ou JDBC e processam os dados recuperados da solução de banco de dados do FileMaker. Consulte o Guia ODBC e JDBC do FileMaker para obter mais informações sobre como usar o software FileMaker como uma fonte de dados para aplicativos ODBC e JDBC. Os drivers cliente ODBC e JDBC do FileMaker oferecem suporte a todas as instruções SQL descritas nesta referência. Uso da função ExecuteSQL A função ExecuteSQL do FileMaker Pro permite recuperar dados de ocorrências de tabela nomeados no gráfico de relacionamentos, mas independente de quaisquer relacionamentos definidos. Você pode recuperar dados de várias tabelas sem criar associações de tabela ou relacionamentos entre as tabelas. Em alguns casos, talvez seja possível reduzir a complexidade do gráfico de relacionamentos usando a função ExecuteSQL. Os campos de consulta com a função ExecuteSQL não precisam estar em todos os layouts, de modo que você pode usar a função ExecuteSQL para recuperar dados independentes de qualquer contexto de layout. Graças a essa independência de contexto, usar a função ExecuteSQL em scripts pode aprimorar a portabilidade dos scripts. Você pode usar a função ExecuteSQL em qualquer local em que possa especificar cálculos, inclusive para criação de gráficos e relatórios. A função ExecuteSQL oferece suporte somente à instrução SELECT, descrita na seção Instrução SELECT na página 7. Além disso, a função ExecuteSQL aceita apenas os formatos de data e hora ISO da sintaxe SQL-92 sem chaves ({}). A função ExecuteSQL não aceita o formato ODBC/JDBC para constantes de data, hora e carimbo de data/hora em chaves. Para obter informações sobre a sintaxe e o uso da função ExecuteSQL, consulte a Ajuda do FileMaker Pro.

6 Capítulo 2 Padrões suportados Esta referência descreve instruções e criações SQL suportadas pelo FileMaker. Os drivers cliente ODBC e JDBC do FileMaker oferecem suporte a todas as instruções SQL descritas neste capítulo. A função ExecuteSQL do FileMaker Pro oferece suporte somente à instrução SELECT. Use-os para acessar uma solução de banco de dados do FileMaker em um aplicativo compatível com ODBC ou JDBC. A solução de banco de dados do FileMaker pode ser hospedada pelo FileMaker Pro ou pelo FileMaker Server. 1 O driver cliente ODBC oferece suporte a ODBC 3.5 Nível 1 com alguns recursos do Nível 2. 1 O driver cliente JDBC oferece suporte parcial à especificação JDBC Os drivers cliente ODBC e JDBC suportam a conformidade de nível de entrada da SQL-92, com alguns recursos intermediários da SQL-92. Suporte a caracteres Unicode Os drivers cliente ODBC e JDBC suportam a API Unicode. No entanto, se você estiver criando um aplicativo personalizado que usa os drivers cliente, use ASCII para nomes de campo, nomes de tabela e nomes de arquivo (caso uma ferramenta ou um aplicativo de consulta não Unicode seja usado). Nota Para inserir e recupera dados Unicode, use SQL_C_WCHAR. instruções SQL Os drivers cliente ODBC e JDBC oferecem suporte às seguintes instruções SQL: 1 SELECT (página 7) 1 DELETE (página 16) 1 INSERT (página 16) 1 UPDATE (página 18) 1 CREATE TABLE (página 19) 1 ALTER TABLE (página 20) 1 CREATE INDEX (página 21) 1 DROP INDEX (página 21) Os drivers cliente também suportam o mapeamento de tipo de dados do FileMaker para tipos de dados SQL ODBC e JDBC. Consulte o Guia ODBC e JDBC do FileMaker para conversões de tipo de dados. Para obter mais informações sobre como criar consultas SQL, consulte o manual de outro fornecedor. Nota Os drivers cliente ODBC e JDBC não suportam os portais dofilemaker.

7 Capítulo 2 Padrões suportados 7 Instrução SELECT Use a instrução SELECT para especificar quais colunas estão sendo solicitadas. Siga a instrução SELECT com as expressões de coluna (similares aos nomes de campo) que você deseja recuperar (por exemplo, last_name). As expressões podem incluir operações matemáticas ou manipulação de cadeias (por exemplo, SALARY * 1.05). A instrução SELECT pode usar diversas cláusulas: SELECT [DISTINCT] {* column_expression [[AS] column_alias],...} FROM table_name [table_alias],... [ WHERE expr1 rel_operator expr2 ] [ GROUP BY {column_expression,...} ] [ HAVING expr1 rel_operator expr2 ] [ UNION [ALL] (SELECT...) ] [ ORDER BY {sort_expression [DESC ASC]},... ] [ OFFSET n {ROWS ROW} ] [ FETCH FIRST [ n [ PERCENT ] ] { ROWS ROW } {ONLY WITH TIES } ] [ FOR UPDATE [OF {column_expression,...}] ] Os itens entre colchetes são opcionais. column_alias pode ser usado para atribuir à coluna um nome mais descritivo ou abreviar um nome de coluna mais longo. Por exemplo, para atribuir o alias department à coluna dept: SELECT dept AS department FROM emp Os nomes de campo podem ser prefixados com o nome de tabela ou o alias de tabela. Por exemplo, EMP.LAST_NAME ou E.LAST_NAME, em que E é o alias da tabela EMP. O operador DISTINCT pode preceder a primeira expressão de coluna. Esse operador elimina as linhas duplicadas do resultado de uma consulta. Por exemplo: SELECT DISTINCT dept FROM emp

8 Capítulo 2 Padrões suportados 8 Cláusulas SQL Os drivers cliente ODBC e JDBC oferecem suporte às seguintes cláusulas SQL. Use esta cláusula SQL FROM (página 8) WHERE (página 9) GROUP BY (página 10) HAVING (página 10) UNION (página 11) ORDER BY (página 11) OFFSET (página 12) FETCH FIRST (página 12) FOR UPDATE (página 13) Para Indicar quais tabelas são usadas na instrução SELECT. Especificar as condições que os registros devem atender para serem recuperados (como uma solicitação de busca do FileMaker Pro). Especificar os nomes de um ou mais campos que servirão como base para o agrupamento dos valores retornados. Essa cláusula é usada para retornar um conjunto de valores agregados retornando uma linha de cada grupo (como um sub-resumo do FileMaker Pro). Especificar condições de grupos de registros (por exemplo, exibir somente os departamentos com salários que totalizam mais de US$ ). Combinar os resultados de duas ou mais instruções SELECT em um único resultado. Indicar como os registros são classificados. Informar o número de linhas a serem ignoradas antes de começar a recuperar linhas. Especificar o número de linhas a serem recuperadas. Não mais do que o número especificado de linhas é recuperado, embora menos linhas possam ser retornadas se o resultado da consulta for menor que o número de linhas especificado. Executar atualizações ou exclusões posicionadas por meio de cursores SQL. Nota Se você tentar recuperar dados de uma tabela sem colunas, a instrução SELECT não retornará resultados. Cláusula FROM A cláusula FROM indica quais tabelas são usadas na instrução SELECT. O formato é: FROM table_name [table_alias] [, table_name [table_alias]] table_name é o nome de uma tabela no banco de dados atual. O nome da tabela deve começar com um caractere alfabético. Se o nome da tabela começar com um caractere diferente de alfabético, coloque-o entre aspas duplas (identificador entre aspas). table_alias pode ser usado para atribuir à tabela um nome mais descritivo, para abreviar um nome de tabela mais longo ou para incluir a mesma tabela na consulta mais de uma vez (por exemplo, em associações automáticas). Nomes de campo começam com um caractere alfabético. Se o nome do campo começar com um caractere diferente de alfabético, coloque-o entre aspas duplas (identificador entre aspas). Por exemplo, a instrução ExecuteSQL para o campo nomeado _LASTNAME é: SELECT _LASTNAME from emp Os nomes de campo podem ser prefixados com o nome de tabela ou o alias de tabela. Por exemplo, dada a especificação de tabela FROM employee E, você pode fazer referência ao campo LAST_NAME como E.LAST_NAME. Os alias de tabela deverão ser usados se a instrução SELECT associar uma tabela a si mesmo. Por exemplo: SELECT * FROM employee E, employee F WHERE E.manager_id = F.employee_id

9 Capítulo 2 Padrões suportados 9 O sinal de igualdade (=) inclui somente as linhas correspondentes nos resultados. Se você estiver associando mais de uma tabela e quiser descartar todas as linhas que não têm linhas correspondentes em ambas as tabelas de origem, use INNER JOIN. Por exemplo: SELECT * FROM Salespeople INNER JOIN Sales_Data ON Salespeople.Salesperson_ID = Sales_Data.Salesperson_ID Se você estiver associando duas tabelas, mas não quiser descartar as linhas da primeira tabela (a tabela à esquerda ), use LEFT OUTER JOIN. SELECT * FROM Salespeople LEFT OUTER JOIN Sales_Data ON Salespeople.Salesperson_ID = Sales_Data.Salesperson_ID Cada linha da tabela Salespeople aparecerá na tabela associada. Notas 1 RIGHT OUTER JOIN não é suportada. 1 FULL OUTER JOIN não é suportada. Cláusula WHERE A cláusula WHERE especifica as condições que os registros devem atender para serem recuperados. A cláusula WHERE possui condições no formato: WHERE expr1 rel_operator expr2 expr1 e expr2 podem ser nomes de campo, valores de constante ou expressões. rel_operator é o operador relacional que vincula as duas expressões. Por exemplo, a instrução SELECT a seguir recupera os nomes dos funcionários que ganham US$ ou mais. SELECT last_name,first_name FROM emp WHERE salary >= A cláusula WHERE também pode usar expressões como: WHERE expr1 IS NULL WHERE NOT expr2 Nota Se você usar nomes totalmente qualificados na lista SELECT (projeção), também deverá usar nomes totalmente qualificados na cláusula WHERE relacionada.

10 Capítulo 2 Padrões suportados 10 Cláusula GROUP BY A cláusula GROUP BY especifica os nomes de um ou mais campos que servirão como base para o agrupamento dos valores retornados. Essa cláusula é usada para retornar um conjunto de valores agregados. Ela tem o seguinte formato: GROUP BY columns columns deve corresponder à expressão de coluna usada na cláusula SELECT. Uma expressão de coluna pode ser um ou mais nomes de campo da tabela de banco de dados separada por vírgulas. Exemplo O exemplo a seguir soma os salários de cada departamento. SELECT dept_id, SUM (salary) FROM emp GROUP BY dept_id Esta instrução retorna uma linha para cada ID de departamento diferente. Cada linha contém a ID do departamento e a soma dos salários dos funcionários no departamento. Cláusula HAVING A cláusula HAVING permite que você especifique condições de grupos de registros (por exemplo, exibir somente os departamentos com salários que totalizam mais de US$ ). Ela tem o seguinte formato: HAVING expr1 rel_operator expr2 expr1 e expr2 podem ser nomes de campo, valores de constante ou expressões. Essas expressões não precisam corresponder a uma expressão de coluna na cláusula SELECT. rel_operator é o operador relacional que vincula as duas expressões. Exemplo O exemplo a seguir retorna somente os departamentos cujas somas salariais são superiores a US$ : SELECT dept_id, SUM (salary) FROM emp GROUP BY dept_id HAVING SUM (salary) >

11 Capítulo 2 Padrões suportados 11 Operador UNION O operador UNION combina os resultados de duas ou mais instruções SELECT em um único resultado. Esse resultado é todos os registros retornados pelas instruções SELECT. Por padrão, os registros duplicados não são retornados. Para retornar registros duplicados, use a palavrachave ALL (UNION ALL). O formato é: SELECT statement UNION [ALL] SELECT statement Ao usar o operador UNION, as listas de seleção de cada instrução SELECT devem ter o mesmo número de expressões de coluna, com os mesmos tipos de dados, e devem ser especificadas na mesma ordem. Por exemplo: SELECT last_name, salary, hire_date FROM emp UNION SELECT name, pay, birth_date FROM person Este exemplo tem o mesmo número de expressões de coluna, e cada expressão de coluna, na ordem, tem o mesmo tipo de dados. O exemplo a seguir não é válido porque os tipos de dados das expressões de coluna são diferentes (SALARY em EMP tem um tipo de dados diferente de LAST_NAME em RAISES). Esse exemplo tem o mesmo número de expressões de coluna em cada instrução SELECT, mas as expressões não estão na mesma ordem por tipo de dados. SELECT last_name, salary FROM emp UNION SELECT salary, last_name FROM raises Cláusula ORDER BY A cláusula ORDER BY indica como os registros serão classificados. O formato é: ORDER BY {sort_expression [DESC ASC]},... sort_expression pode ser nomes de campo, expressões ou o número posicional da expressão de coluna a ser usada. O padrão é realizar a classificação em ordem crescente (ASC). Por exemplo, para realizar a classificação por last_name e depois por first_name, use uma das instruções SELECT a seguir: ou SELECT emp_id, last_name, first_name FROM emp ORDER BY last_name, first_name SELECT emp_id, last_name, first_name FROM emp ORDER BY 2,3 No segundo exemplo, last_name é a segunda expressão de coluna após SELECT; portanto, ORDER BY 2 realiza a classificação por last_name.

12 Capítulo 2 Padrões suportados 12 Cláusulas OFFSET e FETCH FIRST As cláusulas OFFSET e FETCH FIRST são usadas para retornar um intervalo especificado de linhas que começam com um ponto de início em particular em um conjunto de resultados. A capacidade de limitar as linhas recuperadas dos grandes conjuntos de resultados permite percorrer entre os dados e aprimorar a eficiência. A cláusula OFFSET indica o número de linhas a ignorar antes de começar a retornar dados. Se a cláusula OFFSET não for usada em uma instrução SELECT, a linha inicial será 0. A cláusula FETCH FIRST especifica o número de linhas a serem retornadas, assim como um número inteiro sem sinal maior que ou igual a 1 ou como uma porcentagem, do ponto inicial indicado na cláusula OFFSET. Se OFFSET e FETCH FIRST forem ambas usadas em uma instrução SELECT, a cláusula OFFSET deve vir primeiro. As cláusulas OFFSET e FETCH FIRST não são suportadas em subconsultas. formato OFFSET O formato OFFSET é: OFFSET n {ROWS ROW} ] n é um número inteiro sem sinal. Se n é maior que o número de linhas retornado em um conjunto de resultados, então nada é retornado e nenhuma mensagem de erro é exibida. ROWS é o mesmo que ROW. formato FETCH FIRST O formato FETCH FIRST é: FETCH FIRST [ n [ PERCENT ] ] { ROWS ROW } {ONLY WITH TIES } ] n é o número de linhas a serem retornadas. O valor padrão é 1 se n for omitido, n é um número inteiro sem sinal maior que ou igual a 1, a menos que seja seguido por PERCENT. Se n for seguido por PERCENT, o valor pode ser uma fração positiva ou um número inteiro sem sinal. ROWS é o mesmo que ROW. WITH TIES deve ser usado com a cláusula ORDER BY. A cláusula WITH TIES permite que mais linhas sejam retornadas do que o especificado no valor de conta FETCH porque as linhas pares, as que não são diferenciadas com base na cláusula ORDER BY, também são retornadas. Exemplos Por exemplo, para retornar informações de vinte e seis linhas do conjunto de resultados classificado por last_name em seguida por first_name, use a seguinte instrução SELECT: SELECT emp_id, last_name, first_name FROM emp ORDER BY last_name, first_name OFFSET 25 ROWS Para especificar que você deseja retornar apenas dez linhas: SELECT emp_id, last_name, first_name FROM emp ORDER BY last_name, first_name OFFSET 25 ROWS FETCH FIRST 10 ROWS ONLY

13 Capítulo 2 Padrões suportados 13 Para retornar as dez linhas e suas linhas pares (linhas que não são diferenciadas com base na cláusula ORDER BY): SELECT emp_id, last_name, first_name FROM emp ORDER BY last_name, first_name OFFSET 25 ROWS FETCH FIRST 10 ROWS WITH TIES Cláusula FOR UPDATE A cláusula FOR UPDATE bloqueia os registros das atualizações ou exclusões posicionadas através dos cursores SQL. O formato é: FOR UPDATE [OF column_expressions] column_expressions é uma lista de nomes de campo na tabela de banco de dados que você pretende atualizar, separados por vírgula. column_expressions é opcional e, portanto, ignorado. Exemplo O exemplo a seguir retorna todos os registros do banco de dados de funcionários que têm um valor de campo SALARY superior a US$ Quando cada registro é retornado, ele é bloqueado. Se o registro for atualizado ou excluído, o bloqueio será mantido até que você confirme a alteração. Do contrário, o bloqueio será liberado quando você pesquisar o próximo registro. SELECT * FROM emp WHERE salary > FOR UPDATE OF last_name, first_name, salary

14 Capítulo 2 Padrões suportados 14 Exemplos adicionais: Uso constante de texto constante numérica constante de data constante de hora constante de carimbo de data/hora coluna de texto coluna numérica coluna de data coluna de hora coluna de carimbo de data/hora coluna BLOB a Curinga * SQL de amostra SELECT 'CatDog' FROM Salespeople SELECT 999 FROM Salespeople SELECT DATE ' ' FROM Salespeople SELECT TIME '02:49:03' FROM Salespeople SELECT TIMESTAMP ' :49:03' FROM Salespeople SELECT Company_Name FROM Sales_Data SELECT DISTINCT Company_Name FROM Sales_Data SELECT Amount FROM Sales_Data SELECT DISTINCT Amount FROM Sales_Data SELECT Date_Sold FROM Sales_Data SELECT DISTINCT Date_Sold FROM Sales_Data SELECT Time_Sold FROM Sales_Data SELECT DISTINCT Time_Sold FROM Sales_Data SELECT Timestamp_Sold FROM Sales_Data SELECT DISTINCT Timestamp_Sold FROM Sales_Data SELECT Company_Brochures FROM Sales_Data SELECT GETAS(Company_Logo, 'JPEG') FROM Sales_Data SELECT * FROM Salespeople SELECT DISTINCT * FROM Salespeople a. Um BLOB é um campo de contêiner de arquivo de banco de dados do FileMaker. Notas dos exemplos Uma column é uma referência para um campo no arquivo de banco de dados do FileMaker. (O campo pode conter muitos valores distintos.) O caractere curinga de asterisco (*) é a forma abreviada para tudo. No exemplo SELECT * FROM Salespeople, o resultado é todas as colunas da tabela Salespeople. No exemplo SELECT DISTINCT * FROM Salespeople, o resultado é todas as linhas exclusivas da tabela Salespeople (sem duplicatas). 1 O FileMaker não armazena dados de cadeias vazias; portanto, as consultas nunca retornarão registros: SELECT * FROM test WHERE c = SELECT * FROM test WHERE c <> 1 Se você usar SELECT com dados binários, deve usar a função GetAs() para especificar o fluxo a ser retornado. Consulte a seção Recuperação do conteúdo de um campo de contêiner: CAST() function and GetAs() function, a seguir para obter mais informações.

15 Capítulo 2 Padrões suportados 15 Recuperação do conteúdo de um campo de contêiner: CAST() function and GetAs() function Você pode recuperar dados binários, informações de referência de arquivo ou dados de um tipo de arquivo específico em um campo de contêiner. Se os dados do arquivo ou dados binários JPEG existem, a instrução SELECT com GetAS(field name, 'JPEG') recupera os dados no formato binário; caso contrário, a instrução SELECT com nome de campo retorna NULL. Para recuperar informações de referência de arquivo de um campo de container, como o caminho para um arquivo, uma imagem ou um filme do QuickTime, use a função CAST() com uma instrução SELECT. Por exemplo: SELECT CAST(Company_Brochures AS VARCHAR(NNN)) FROM Sales_Data Neste exemplo, se você 1 Tiver inserido um arquivo em um campo de container, usando o FileMaker Pro, mas tiver armazenado somente uma referência ao arquivo, a instrução SELECT recuperará as informações de referência de arquivo como tipo SQL_VARCHAR. 1 Tiver inserido o conteúdo de um arquivo no campo de container usando o FileMaker Pro, a instrução SELECT recuperará o nome do arquivo. 1 Tiver importado um arquivo para o campo de contêiner de outro aplicativo, a instrução SELECT exibirá? (o arquivo é exibido como Sem nome.dat no FileMaker Pro). Para recuperar dados de um campo de container, use a função GetAs(). Você pode usar a opção DEFAULT ou especificar o tipo de arquivo. A opção DEFAULT recupera o fluxo mestre do container sem precisar definir explicitamente o tipo de fluxo: SELECT GetAs(Company_Brochures, DEFAULT) FROM Sales_Data Para recuperar um tipo de fluxo individual de um container, use a função GetAs() com o tipo de arquivo baseado em como os dados foram inseridos no campo de container do FileMaker Pro. Por exemplo: 1 Se os dados tiverem sido inseridos por meio do comando Inserir > Arquivo, especifique 'FILE' na função GetAs(). Por exemplo: SELECT GetAs(Company_Brochures, 'FILE') FROM Sales_Data 1 Se os dados tiverem sido inseridos por meio do comando Inserir > Som (Som padrão no formato raw do MAC OS X), especifique 'snd' na função GetAs(). Por exemplo: SELECT GetAs(Company_Meeting, 'snd ') FROM Company_Newsletter

16 Capítulo 2 Padrões suportados 16 1 Se os dados tiverem sido inseridos por meio do comando Inserir > Imagem, arraste e solte ou cole da Prancheta, especifique um dos tipos de arquivo listados na tabela a seguir. Por exemplo: SELECT GetAs(Company_Logo, 'JPEG') FROM Company_Icons Tipo de Tipo de arquivo Descrição arquivo Descrição 'GIFf' Graphics Interchange Format 'PNTG' MacPaint 'JPEG' Imagens fotográficas '.SGI' Formato de bitmap genérico 'JP2 ' JPEG 2000 'TIFF' Formato de arquivo raster para imagens digitais 'PDF ' Portable Document Format 'TPIC' Targa 'PNGf' Formato de imagem de bitmap '8BPS' PhotoShop (PSD) Instrução DELETE Use a instrução DELETE para excluir registros de uma tabela de banco de dados. O formato da instrução DELETE é: DELETE FROM table_name [ WHERE { conditions } ] Nota A cláusula WHERE determina quais registros serão excluídos. Se você não incluir a palavrachave WHERE, todos os registros da tabela serão excluídos (mas a tabela será mantida intacta). Exemplo Um exemplo de uma instrução DELETE na tabela Employee é: DELETE FROM emp WHERE emp_id = 'E10001' Cada instrução DELETE remove todos os registros que atendem às condições na cláusula WHERE. Nesse caso, cada registro com a ID E10001 será excluído. Como as IDs de funcionário são exclusivas na tabela Employee, somente um registro será excluído. Instrução INSERT Use a instrução INSERT para criar registros em uma tabela de banco de dados. Você pode especificar: 1 Uma lista de valores a serem inseridos como um novo registro 1 Uma instrução SELECT que copia dados de outra tabela a ser inserida como um conjunto de novos registros O formato da instrução INSERT é: INSERT INTO table_name [(column_name,...)] VALUES (expr,...)

17 Capítulo 2 Padrões suportados 17 column_name é uma lista opcional de nomes de coluna que fornece o nome e a ordem das colunas cujos valores são especificados na cláusula VALUES. Se você omitir column_name, as expressões de valor (expr) fornecerão valores para todas as colunas definidas na tabela e estarão na mesma ordem em que as colunas são definidas para a tabela. column_name também pode especificar uma repetição de campo; por exemplo, lastdates[4]. expr é a lista de expressões que fornece os valores das colunas do novo registro. Geralmente, as expressões são valores de constante das colunas (mas elas também podem ser uma subconsulta). Você deve colocar os valores de cadeia de caracteres entre aspas simples ('). Para incluir uma aspa simples em um valor de cadeia de caracteres que já está entre aspas simples, use duas aspas simples juntas (por exemplo, 'Don''t'). As subconsultas devem ser colocadas entre parênteses. O exemplo a seguir insere uma lista de expressões: INSERT INTO emp (last_name, first_name, emp_id, salary, hire_date) VALUES ('Smith', 'John', 'E22345', 27500, DATE ' ') Cada instrução INSERT adiciona um registro à tabela de banco de dados. Nesse caso, um registro foi adicionado à tabela de banco de dados de funcionário, EMP. São especificados valores para cinco colunas. As colunas restantes da tabela recebem um valor em branco, que significa nulo. Nota Nos campos de contêiner, você pode inserir somente texto usando a instruçãoinsert, a menos que prepare uma instrução parametrizada e obtenha os dados no aplicativo. Para usar dados binários, basta atribuir o nome de arquivo colocando-o entre aspas simples ou usar a função PutAs(). Ao especificar o nome de arquivo, o tipo de arquivo é deduzido da extensão do arquivo: INSERT INTO table_name (container_name) VALUES(? AS 'filename.file extension') Tipos de arquivo não suportados serão inseridos como tipo FILE. Ao usar a função PutAs(), especifique o tipo: PutAs(col, 'type'), em que o valor de tipo é um tipo de arquivo suportado conforme descrito em Recuperação do conteúdo de um campo de contêiner: CAST() function and GetAs() function na página 15. A instrução SELECT é uma consulta que retorna valores para cada valor column_name especificado na lista de nomes de coluna. O uso de uma instrução SELECT em vez de uma lista de expressões de valor permite que você selecione um conjunto de linhas em uma tabela e insirao em outra tabela usando uma instrução INSERT. Este é um exemplo de instrução INSERT que usa uma instrução SELECT: INSERT INTO emp1 (first_name, last_name, emp_id, dept, salary) SELECT first_name, last_name, emp_id, dept, salary from emp WHERE dept = 'D050' Nesse tipo de instrução INSERT, o número de colunas a serem inseridas deve corresponder ao número de colunas na instrução SELECT. A lista de colunas a serem inseridas deve corresponder às colunas da instrução SELECT exatamente como seria em uma lista de expressões de valor no outro tipo de instrução INSERT. Por exemplo, a primeira coluna inserida corresponde à primeira coluna selecionada; a segunda coluna inserida corresponde à segunda coluna selecionada e assim sucessivamente.

18 Capítulo 2 Padrões suportados 18 O tamanho e o tipo de dados dessas colunas correspondentes devem ser compatíveis. Cada coluna da lista SELECT deve ter um tipo de dados que o driver cliente ODBC ou JDBC aceite em uma instrução INSERT/UPDATE da coluna correspondente da lista INSERT. Os valores são truncados quando o tamanho do valor na coluna de lista SELECT é maior que o tamanho da coluna de lista INSERT correspondente. A instrução SELECT é avaliada antes que qualquer valor seja inserido. Instrução UPDATE Use a instrução UPDATE para alterar registros em uma tabela de banco de dados. O formato da instrução UPDATE é: UPDATE table_name SET column_name = expr,... [ WHERE { conditions } ] column_name é o nome de uma coluna cujo valor será alterado. Várias colunas podem ser alteradas em uma única instrução. expr é o novo valor da coluna. Geralmente, as expressões são valores de constante das colunas (mas elas também podem ser uma subconsulta). Você deve colocar os valores de cadeia de caracteres entre aspas simples ('). Para incluir uma aspa simples em um valor de cadeia de caracteres que já está entre aspas simples, use duas aspas simples juntas (por exemplo, 'Don''t'). As subconsultas devem ser colocadas entre parênteses. A cláusula WHERE é qualquer cláusula válida. Ela determina quais registros são atualizados. Exemplos Um exemplo de uma instrução UPDATE na tabela Employee é: UPDATE emp SET salary=32000, exempt=1 WHERE emp_id = 'E10001' Cada instrução UPDATE altera todos os registros que atendem às condições na cláusula WHERE. Nesse caso, o status do salário e da isenção são alterados para todos os funcionários que têm a ID de funcionário E Como as IDs de funcionário são exclusivas na tabela Employee, somente um registro será atualizado. Este é um exemplo com uma subconsulta: UPDATE emp SET salary = (SELECT avg(salary) from emp) WHERE emp_id = 'E10001' Nesse caso, o salário é alterado para a média salarial da empresa para o funcionário que tem a ID de funcionário E Nota Nos campos de contêiner, você pode atualizar somente texto usando a instrução UPDATE, a menos que prepare uma instrução parametrizada e obtenha os dados no aplicativo. Para usar dados binários, basta atribuir o nome de arquivo colocando-o entre aspas simples ou usar a função PutAs(). Ao especificar o nome de arquivo, o tipo de arquivo é deduzido da extensão do arquivo: UPDATE table_name SET (container_name) =? AS 'filename.file extension'

19 Capítulo 2 Padrões suportados 19 Tipos de arquivo não suportados serão inseridos como tipo FILE. Ao usar a função PutAs(), especifique o tipo: PutAs(col, 'type'), em que o valor de tipo é um tipo de arquivo suportado conforme descrito em Recuperação do conteúdo de um campo de contêiner: CAST() function and GetAs() function na página 15. Instrução CREATE TABLE Use a instrução CREATE TABLE para criar uma tabela em um arquivo de banco de dados. O formato da instrução CREATE TABLE é: CREATE TABLE table_name ( table_element_list [, table_element_list...] ) Na instrução, você especifica o nome e o tipo de dados de cada coluna. 1 table_name é o nome da tabela. table_name tem um limite de 100 caracteres. Uma tabela com o mesmo nome ainda não deve estar definida. O nome da tabela deve começar com um caractere alfabético. Se o nome da tabela começar com um caractere diferente de alfabético, coloque-o entre aspas duplas (identificador entre aspas). 1 O formato de table_element_list é: field_name field_type [DEFAULT expr] [UNIQUE NOT NULL PRIMARY KEY GLOBAL] [EXTERNAL relative_path_string [SECURE OPEN calc_path_string]] 1 field_name é o nome do campo. Nenhum campo na mesma tabela pode ter o mesmo nome. Especifique uma repetição de campo usando um número entre colchetes. Por exemplo: lastdates[4]. Nomes de campo começam com um caractere alfabético. Se o nome do campo começar com um caractere diferente de alfabético, coloque-o entre aspas duplas (identificador entre aspas). Por exemplo, a instrução CREATE TABLE para o campo nomeado _LASTNAME é: CREATE TABLE "_EMPLOYEE" (ID INT PRIMARY KEY, "_FIRSTNAME" VARCHAR(20), "_LASTNAME" VARCHAR(20)) 1 field_type pode ser qualquer um destes itens: NUMERIC, DECIMAL, INT, DATE, TIME, TIMESTAMP, VARCHAR, CHARACTER VARYING, BLOB, VARBINARY, LONGVARBINARY ou BINARY VARYING. Para NUMERIC e DECIMAL, você pode especificar a precisão e a escala. Por exemplo: DECIMAL(10,0). Para TIME e TIMESTAMP, você pode especificar a precisão. Por exemplo: TIMESTAMP(6). Para VARCHAR e CHARACTER VARYING, você pode especificar o tamanho da cadeia. Por exemplo: VARCHAR(255). 1 A palavra-chave DEFAULT permite que você defina um valor padrão para uma coluna. Para expr, você pode usar um valor de constante ou uma expressão. As expressões permitidas são USER, USERNAME, CURRENT_USER, CURRENT_DATE, CURDATE, CURRENT_TIME, CURTIME, CURRENT_TIMESTAMP, CURTIMESTAMP e NULL. 1 Definir uma coluna como UNIQUE seleciona automaticamente a opção de validação Exclusivo para o campo correspondente no arquivo de banco de dados do FileMaker. 1 Definir uma coluna como NOT NULL seleciona automaticamente a opção de validação Não vazio para o campo correspondente no arquivo de banco de dados do FileMaker. O campo é sinalizado como um Valor necessário na guia Campos da caixa de diálogo Gerenciar banco de dados no FileMaker Pro.

20 Capítulo 2 Padrões suportados 20 1 Para definir uma coluna como um campo de contêiner, use BLOB, VARBINARY ou BINARY VARYING em field_type. 1 Para definir uma coluna como um campo de contêiner que armazena dados externamente, use a palavra-chave EXTERNAL. relative_path_string define a pasta em que os dados são armazenados externamente, relativa ao local do banco de dados do FileMaker. Esse caminho deve ser especificado como diretório base na caixa de diálogo Gerenciar containers do FileMaker Pro. Você deve especificar SECURE para armazenamento seguro ou OPEN para armazenamento aberto. Se você estiver usando o armazenamento aberto, calc_path_string será a subpasta da pasta relative_path_string em que os objetos container serão armazenados. O caminho deve usar barras (/) no nome da pasta. Exemplos Uso SQL de amostra coluna de texto CREATE TABLE T1 (C1 VARCHAR, C2 VARCHAR (50), C3 VARCHAR (1001), C4 VARCHAR (500276)) coluna de texto, NOT NULL CREATE TABLE T1NN (C1 VARCHAR NOT NULL, C2 VARCHAR (50) NOT NULL, C3 VARCHAR (1001) NOT NULL, C4 VARCHAR (500276) NOT NULL) coluna numérica CREATE TABLE T2 (C1 DECIMAL, C2 DECIMAL (10,0), C3 DECIMAL (7539,2), C4 DECIMAL (497925,301)) coluna de data coluna de hora coluna de carimbo de data/hora coluna para campo de contêiner coluna para campo de contêiner de armazenamento externo CREATE TABLE T3 (C1 DATE, C2 DATE, C3 DATE, C4 DATE) CREATE TABLE T4 (C1 TIME, C2 TIME, C3 TIME, C4 TIME) CREATE TABLE T5 (C1 TIMESTAMP, C2 TIMESTAMP, C3 TIMESTAMP, C4 TIMESTAMP) CREATE TABLE T6 (C1 BLOB, C2 BLOB, C3 BLOB, C4 BLOB) CREATE TABLE T7 (C1 BLOB EXTERNAL 'Files/MyDatabase/' SECURE) CREATE TABLE T8 (C1 BLOB EXTERNAL 'Files/MyDatabase/' OPEN 'Objects') Instrução ALTER TABLE Use a instrução ALTER TABLE para alterar a estrutura de uma tabela existente em um arquivo de banco de dados. Você pode modificar somente uma coluna em cada instrução. Os formatos da instrução ALTER TABLE são: ALTER TABLE table_name ADD [COLUMN] column_definition ALTER TABLE table_name DROP [COLUMN] unqualified_column_name ALTER TABLE table_name ALTER [COLUMN] column_definition SET DEFAULT expr ALTER TABLE table_name ALTER [COLUMN] column_definition DROP DEFAULT Você deve conhecer a estrutura da tabela e como deseja modificá-la antes de usar a instrução ALTER TABLE.

FileMaker 14. Referência SQL

FileMaker 14. Referência SQL FileMaker 14 Referência SQL 2013-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e FileMaker Go são marcas comerciais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Notas sobre o MySQL: Resumo dos comandos no MySQL linha de comandos:

Notas sobre o MySQL: Resumo dos comandos no MySQL linha de comandos: EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Curso EFA SEC Turma C - 2012 / 2013 Notas sobre o MySQL: 1) A indicação mysql> é o prompt do sistema. 2) Uma instrução, no prompt do MySQL, deve terminar sempre com ponto

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados.

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Principais Instruções em SQL Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Atenção: Esta apostila foi desenvolvida com o auxílio on-line do banco MS-ACCESS,

Leia mais

LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS

LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - FATEC-Faculdade de Ciência e Tecnologia Banco de Dados II Sistema de Informação Analise de Sistemas Prof. Msc. Mauricio Prado Catharino. Aluno: LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS Nesta

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC FileMaker 13 Guia de ODBC e JDBC 2004 2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e Bento são marcas comerciais da

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

SQL. Structured Query Language. Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.

SQL. Structured Query Language. Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti. SQL Structured Query Language Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Sumário 1.CREATE TABLE... 5 1.1. Sintaxe... 5 1.2. A instrução CREATE TABLE

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

DML. SQL (Select) Verificando estrutura da tabela

DML. SQL (Select) Verificando estrutura da tabela SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BANCO DE DADOS 2 SQL (Select) PROF: EDSON THIZON DML É a parte mais ampla da SQL. Permite pesquisar, alterar, incluir e deletar dados da base de dados. São quatro as sentenças mais

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

Introdução ao SQL Avançado

Introdução ao SQL Avançado Introdução ao SQL Avançado Introdução as consultas, manipulação e a filtragem de dados com a linguagem SQL Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão

Leia mais

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL SQL TGD/JMB 1 Projecto de Bases de Dados Linguagem SQL SQL TGD/JMB 2 O que é o SQL? SQL ("ess-que-el") significa Structured Query Language. É uma linguagem standard (universal) para comunicação com sistemas

Leia mais

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL Objetivos Revisando a sintaxe SQL SELECT, UPDATE, INSERT, DELETE Manipulando expressões Funções matemáticas, etc Condições de Pesquisa Funções de Agregação

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] FROM [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda.

SQL comando SELECT. SELECT [DISTINCT] <campos> FROM <tabela> [condição] [ ; ] Paulo Damico - MDK Informática Ltda. SQL comando SELECT Uma das tarefas mais requisitadas em qualquer banco de dados é obter uma listagem de registros armazenados. Estas tarefas são executadas pelo comando SELECT Sintaxe: SELECT [DISTINCT]

Leia mais

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte Programação SQL INTRODUÇÃO II parte Programação SQL SELECT; INSERT; UPDATE; DELETE. Este conjunto de comandos faz parte da sublinguagem denominada por DML Data Manipulation Language (Linguagem de manipulação

Leia mais

MySQL - Operações com SQL básico

MySQL - Operações com SQL básico MySQL - Operações com SQL básico Para testar se o MySQL esta instalado corretamente, execute a seguinte linha no prompt do DOS: c:\mysql\bin\mysql Se tudo estiver nos seus devidos lugares você vai receber

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação. O Departamento de Pesquisas da IBM desenvolveu a SQL como forma de interface para

Leia mais

Este manual é dirigido a programadores que possuam alguma familiaridade com a linguagem SQL e está estruturado nos seguintes capítulos e apêndices:

Este manual é dirigido a programadores que possuam alguma familiaridade com a linguagem SQL e está estruturado nos seguintes capítulos e apêndices: 1 Apresentação O acesso a uma base OpenBase por comandos SQL é realizado pelo sistema TSQL. Para a sua utilização não é necessário efetuar previamente qualquer alteração ou adaptação nos dados da base.

Leia mais

FileMaker 14. Guia de ODBC e JDBC

FileMaker 14. Guia de ODBC e JDBC FileMaker 14 Guia de ODBC e JDBC 2004 2015 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e FileMaker Go são marcas comerciais

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados

EXERCÍCIOS PRÁTICOS. Banco de Dados EXERCÍCIOS PRÁTICOS Banco de Dados Introdução ao uso do SQL Structured Query Language, considerando tanto DDL Data Definition Language quanto DML Data Manipulation Language. Banco de Dados selecionado:

Leia mais

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER Gerenciando Tabelas: DDL - DATA DEFINITION LANGUAG Criando uma tabela: CREATE TABLE CLIENTES ID VARCHAR4 NOT NULL, NOME VARCHAR30 NOT NULL, PAGAMENTO DECIMAL4,2 NOT NULL;

Leia mais

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) )

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) ) TADS Exercício Laboratório I Analise o modelo de banco de dados abaixo: MUSICA FAIXA Codigo_Musica: INTEGER Nome_Musica: VARCHAR(60) Duracao: NUMERIC(6,2) Codigo_Musica: INTEGER (FK) Codigo_CD: INTEGER

Leia mais

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS LINGUAGEM SQL PARA CSULTAS EM MICROSOFT ACCESS Objetivos: Neste tutorial serão apresentados os principais elementos da linguagem SQL (Structured Query Language). Serão apresentados diversos exemplos práticos

Leia mais

1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All...

1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All... SQL 1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All... 2. Servidor... 2.1 Ativando log no Broker... 2.2 Leitura do log no

Leia mais

Curso: SQL Básico. Padrão de linguagem de consulta relacional aceito pelos comitês ANSI e ISO.

Curso: SQL Básico. Padrão de linguagem de consulta relacional aceito pelos comitês ANSI e ISO. Curso: SQL Básico Glauco Luiz Rezende de Carvalho glauco.rezende@banese.com.br Este material foi baseado e adaptado pelo material do Prof. MSc. Fábio Soares Silva da Universidade Tiradentes - UNIT SQL

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo )

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo ) PRONATEC - Programador de Sistemas Banco de Dados 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando INSERT INTO INSERT INTO tabela [ ( coluna [, coluna,...] ) ] VALUES

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

SQL Essencial. Este capítulo de bônus é fornecido com o livro Dominando o Delphi 6. Trata-se de uma introdução

SQL Essencial. Este capítulo de bônus é fornecido com o livro Dominando o Delphi 6. Trata-se de uma introdução Este capítulo de bônus é fornecido com o livro Dominando o Delphi 6. Trata-se de uma introdução básica ao SQL para acompanhar o Capítulo 14, "Programação Cliente/Servidor". Os pacotes de SGBDR (sistema

Leia mais

Principais Instruções em SQL

Principais Instruções em SQL Instrução Principais Instruções em SQL Instrui o programa principal do banco de dados para retornar a informação como um conjunto de registros. Sintaxe [predicado { * tabela.* [tabela.]campo1 [AS alias1]

Leia mais

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where.

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where. Introdução a Banco de Dados O.K. Takai; I.C.Italiano; J.E. Ferreira. 67 8 A Linguagem SQL A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial que usa uma combinação de construtores em Álgebra

Leia mais

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados SQL (Structured Querie Language) SQL é mais que uma linguagem de interrogação estruturada. Inclui características para a definição da estrutura de dados, para alterar os dados de uma base de dados, e para

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

3) Palavra-chave distinct (select-from). Obter apenas os pibs distintos entre si.

3) Palavra-chave distinct (select-from). Obter apenas os pibs distintos entre si. NOME: BRUNO BRUNELI BANCO DE DADOS - ADS create database ProducaoMinerais use ProducaoMinerais create table Mineral( nome varchar(15) primary key, preco real) create table Pais( nome varchar(30) primary

Leia mais

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003 Bases de Dados Introdução à linguagem SQL História Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R Renomeada para SQL (Structured Query Language) Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89,

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

Linguagem SQL. Comandos Básicos

Linguagem SQL. Comandos Básicos Linguagem SQL Comandos Básicos Caetano Traina Júnior Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.sc.usp.br Comando

Leia mais

BANCO DE DADOS Parte 4

BANCO DE DADOS Parte 4 BANCO DE DADOS Parte 4 A Linguagem SQL Introdução Desenvolvida pelo depto de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R) Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela

Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela Objectivos: Consultar dados de uma tabela Utilizar operadores aritméticos, relacionais, lógicos, de concatenação de cadeias de caracteres, LIKE

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

Linguagem SQL (Parte I)

Linguagem SQL (Parte I) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte I) Introdução

Leia mais

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5 Bases de Dados 2005/2006 Aula 5 Sumário -1. (T.P.C.) Indique diferenças entre uma tabela e uma relação. 0. A base de dados Projecto 1. SQL Join (variantes) a. Cross Join b. Equi-Join c. Natural Join d.

Leia mais

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes SQL Hélder Antero Amaral Nunes 2 Introdução Desenvolvida pelo departamento de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R); Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

MODELO DE DADOS VS ESQUEMA

MODELO DE DADOS VS ESQUEMA MODELO DE DADOS VS ESQUEMA Um modelo de dados é um conjunto de conceitos usados para se descrever dados. Um esquema é uma descrição de uma determinada coleção de dados, descrição essa baseada num certo

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language)

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language) SQL BÁSICO Prof. Suelane Garcia Introdução 2 Linguagem SQL (Structured Query Language) Linguagem de Consulta Estruturada padrão para acesso a Banco de Dados. Usada em inúmeros Sistemas de Gerenciamento

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Estrutura Básica de consultas SQL: A cláusula SELECT; A cláusula FROM; A cláusula WHERE. Operação com cadeias

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS)

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte II) Recuperando Dados de Várias Tabelas (JOINS) Exemplo - pedido Diagrama Entidade-Relacionamento N Pedido N possui N Produto N faz tira 1 Cliente 1 Vendedor

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

1. Sua primeira tarefa é determinar a estrutura da tabela DEPARTMENTS e seu conteúdo.

1. Sua primeira tarefa é determinar a estrutura da tabela DEPARTMENTS e seu conteúdo. Exercícios (LAB SQL) AULA 01 (INTRODUÇÃO SELECT) Você foi admitido como programador SQL da XYZW Corporation. Sua primeira tarefa é criar alguns relatórios com base nos dados das tabelas de recursos humanos.

Leia mais

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta,

Leia mais

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE

SQL UMA ABORDAGEM INTERESSANTE SQL é uma linguagem de consulta estruturada, do inglês Structured Query Language. É uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada)

SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) SQL (Linguagem de Consulta Estruturada) M.Sc. Cristiano Mariotti mscmariotti@globo.com Introdução à SQL 1 Visão Geral Introdução Comandos de Definição de Dados Comandos de Manipulação de Dados Introdução

Leia mais

T301B S Q L. Structure Query Language. Luis Fernando Calábria Erick Franklin Leonardo Bandeira

T301B S Q L. Structure Query Language. Luis Fernando Calábria Erick Franklin Leonardo Bandeira T301B S Q L Structure Query Language Luis Fernando Calábria Erick Franklin Leonardo Bandeira Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 1.1. SOBRE SQL 3 1.2. VISÃO GERAL DE UM BANCO DE DADOS RELACIONAL 3 1.3. COLUNAS E LINHAS

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML

Banco de Dados I. Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Banco de Dados I Linguagem de Consulta (parte I) DDL DML Linguagem de Consulta:SQL contéudo Structured Query Language Originalmente SEQUEL Structured English Query Language Projeta e Implementada pela

Leia mais

1.264 Aula 7. Introdução ao SQL

1.264 Aula 7. Introdução ao SQL 1.264 Aula 7 Introdução ao SQL Linguagem Estruturada de Consulta (SQL) Aula 7 SELECT, INSERT, DELETE, UPDATE Junções Aula 8 Subconsultas Visões (tabelas virtuais) Índices Transações Segurança Desempenho

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados II

Laboratório de Banco de Dados II Laboratório de Banco de Dados II Esquema de um banco de dados relacional Em aulas anteriores, vocês implantaram um projeto físico de banco de dados com todos os seus elementos, inclusive tratando do projeto

Leia mais

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação Enfoques de SQL Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Linguagem interativa de consulta (ad-hoc): usuários podem definir consultas independente

Leia mais

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico

Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Editora Carlos A. J. Oliviero Faça um Site PHP 5.2 com MySQL 5.0 Comércio Eletrônico Orientado por Projeto 1a Edição 2 Reimpressão São Paulo 2011 Érica Ltda. Noções Livrarse Preparação muitas muita Sumário

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Principais Comandos SQL Usados no MySql

Principais Comandos SQL Usados no MySql Principais Comandos SQL Usados no MySql O que é um SGBD? Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (como no Brasil) ou Sistema Gestor de Base de Dados (SGBD) é o conjunto de programas de computador (softwares)

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Linguagem SQL Parte I

Linguagem SQL Parte I FIB - Centro Universitário da Bahia Banco de Dados Linguagem SQL Parte I Francisco Rodrigues Santos chicowebmail@yahoo.com.br Slides gentilmente cedidos por André Vinicius R. P. Nascimento Conteúdo A Linguagem

Leia mais

Introdução ao BrOffice.org Base

Introdução ao BrOffice.org Base Introdução ao BrOffice.org Base Noelson Alves Duarte 18 de março de 2006 Copyright 2006 por Noelson Alves Duarte Licença Este documento está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição- UsoNãoComercial-Compartilhamento

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Structured Query Language (SQL) Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ambiente Simplificado de um SGBD 2 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados SQL-Consultas Comando SELECT Prof. Luiz Antônio Vivacqua C. Meyer (la.vivacqua@gmail.com) Sintaxe Geral SELECT [ALL/DISTINCT] coluna1, coluna2,..., colunan FROM nome_tabela1,

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DML Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br SQL - DML Os exemplos da aula serão elaborados para o esquema de dados a seguir: Empregado(matricula, nome, endereco, salario, supervisor,

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php)

Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php) Clínica Todos os exemplos apresentados utilizam o SGBD Postgre - open source Documentação: http://www.postgresql.org/docs (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php) Ambulatorios(numero, andar,

Leia mais