Curso Delphi 4.0 com MS-Access PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 1/178

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Delphi 4.0 com MS-Access PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva idelson@bol.com.br - Página Nr. 1/178"

Transcrição

1 ipsgyn. Curso Delphi 4.0 com MS-Access PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 1/178

2 Curriculum Vitae I- Identificação Nome: Fernando Antonio Fernandes Anselmo Data Nascimento: 17 de Agosto de 1966 Contato: Site:http://orbita.starmedia.com/~anselmo32//programa/default.html II- Resumo Coordenação e desenvolvimento de atividades de análise, definição de projetos, experiência na definição e criação de algoritmos lógicos, codificação, compilação e teste de programas. Treinamento e iniciação de usuários em diversos ambientes, entre estes destacam-se Delphi, Java e ASP. Seus cursos são oferecidos pela MCI Informática e pela FINATEC. Possui larga experiência quanto ao levantamento de Informações, acompanhamento e análise do processamento dos programas desenvolvidos. Grande experiência em programação para ambientes Cliente/Servidor. III- Formação Desenvolvimento WEB e JavaScript Promotor: Politec Ambientação em SQL Server, Internet, Interdev e IIS 4.0 Promotor: EFATEC ORACLE Para DBA Promotor: ORACLE do Brasil SCO UNIX SYSTEM V Promotor : CT&S Modelagem e Desenvolvimento de Sistemas Aplicativos Promotor : UsP - Universidade de São Paulo Programação em Computadores Promotor : ETUC - Faculdade Católica de Tecnologia Língua Inglesa Promotor : Fluency Idiomas Formação básica no Segundo Grau com Habilitação em Química Colégio Santa Rosa de Lima IV- Categoria Profissional Cargo Atual: Analista de Sistemas Sênior (Líder de Projetos) Tempo de experiência: 11 anos V- Experiência Profissional a) Atividades Principais: Experiência no Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas para Internet utilizando ASP, JAVA e HTML. Domínio em SGBDR de 4a. geração, tais como ORACLE, MS-SQL Server, INTERBASE entre outros. Ministra cursos destinados a profissionais Desenvolvedores da área de informática - SENAC e MCI Informática Escrevi os livros: "Delphi - O caminho das Pedras" e "Delphi & Access - O melhor de PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 2/178

3 dois mundos" Grande experiência com sistemas em Delphi em especial para aplicações Intranet utilizando Delphi e objetos ActiveX. b) Ambiente Operacional: Domínio dos ambientes operacionais Windows e Linux. Conhecimentos do ambiente operacional Netware. Noções em Ambientes de Grande Porte ADABAS, ROSCOE, NATURAL, COMPLETE, JCL, VM/CMS e CICS. c) Histórico das Últimas Atividades Exercidas 1999/Atual - Politec Ltda Cargo: Analista de Sistemas Sênior - Contratado para auxiliar ao desenvolvimento do Sistema Justiça do Superior Tribunal de Justiça - STJ. - Ministrando aulas de Delphi, HTML, ASP e Java. 1994/ FIA/USP Cargo: Líder de Projetos Ano 99 - Iniciei o desenvolvimento de Sistema Piloto em OutLook 98 para controlar os atendimentos ao usuário - Treinei em INTERNET sobre o modelo adotado pela Microsoft - IIS 4.0, MTS e Interdev - Desenvolvi sistema em Delphi para controle de Biblioteca utilizando o banco de dados textual MicroIsis Ano 98 - Planejei e desenvolvi os sistemas em Delphi 4.0: Cadastro de Processos de Licitação, Controle de Help Desk para o atendimento ao usuário e Criação de diversos objetos para suporte as aplicações - Iniciei o desenvolvimento do Sistema de Cadastro Dinâmico para o Fechamento do Censo Escolar de 97 com o prazo de entrega previsto para 31/12/1997 Ano 97 - Treinei usuários do FNDE em Power Designer Ferramenta CASE e Delphi 3.0 Client / Server - Iniciei a criação de diversas "Templates" para a automação da ferramenta Power Designer na geração de sistemas na plataforma DELPHI 3.0. Ano 96 - Fui transferido para o contrato FIA/MEC - Fui responsável pelo desenvolvimento técnico com a criação de vários objetos em DELPHI para servir de apoio ao desenvolvimento dos sistemas. Ano 95 - Ministrei vários cursos de DELPHI desde o básico ao avançado. - Estudei mudanças para substituição da plataforma ACCESS / ORACLE e adoção a ferramenta de desenvolvimento de 4a. Geração Borland Delphi. Ano 94 - Fui contratado pela FIA/USP - Sendo lotado para trabalhar no IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio-Ambiente e Recursos Naturais Renováveis. Para liderar a equipe de desenvolvimento. PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 3/178

4 1993/ Politec Ltda Cargo: Analista de Sistemas - Desenvolvimento do Sistemas na plataforma Visual Basic e Natural for Windows. - Fui contratado pela POLITEC, para a manutenção e desenvolvimento do projeto JUSTIÇA, lotado no Superior Tribunal de Justiça. Inicia os trabalhos de manutenção e reajustes no sistema de controle e distribuição de processos jurídicos - desenvolvimento em ambiente NATURAL II / ADABAS. 1992/ RCM Informática Cargo: Analista de Sistemas - A RCM, nesta época, era a representante na América do Sul pela comercialização do SGBD4 ZIM. Fui contratado para iniciar os trabalhos no sistema de Tele-Suporte para o Sistema de Arrecadação Comercial para o DNRC. 1990/ FIA/USP Cargo: Programador a Analista de Sistemas Fui lotado para trabalhar na NOVACAP - Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil. Neste período desenvolvi diversos sistemas na plataforma Clipper e bancos padrão xbase e na nova plataforma Unix com banco ZIM Racional Informática Cargo: Programador Durante um período de treinamento de 1 mês, não cheguei a ser contratado em carteira, pois foi imediatamente contratado pela FIA/USP. Nesta empresa realizei os trabalhos de programação do Sistema Controle de Estoque e Mercadorias - Desenvolvido em ambiente DOS / dbase III Plus. 1989/ FTI - Fundação de Tecnologia Industrial Cargo: Programador Fui lotado para trabalhar no Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio, desenvolvi em sistemas nas seguintes linguagens: Natural, COBOL, PL1, EASYTRIEVE Plus, JCL e Clipper. Outros Dados: Primeiro emprego em Carteira na KRION Vídeo Clube na área de programação em Computadores em Ambiente dbase III plus e planilha para contabilidade em Lótus Conclui com nota "A" o Estágio de Programação de Computadores no PRODASEN - Processamento de Dados do Senado Federal Contratado como "Free-lancer" pela ETUC - para ministrar cursos de COBOL e PL Primeiro trabalho remunerado como substituto de um Digitador em férias no Banco do Nordeste do Brasil em máquinas PC. VI- Local, data e assinatura Assumo total responsabilidade que todas as informações prestadas são verdadeiras até a presente data. Fernando Antonio Fernandes Anselmo Brasília, sexta-feira 20 de setembro de 2002 PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 4/178

5 Programção Orientada a Objetos Pré-Requisitos: Autor: Fernando Antonio Fernandes Anselmo Windows 98 Delphi 4.0 versão Client/Server Suite BDE 5.00 MS-Access 97 Prefácio Para você poder compreender melhor o ambiente de desenvolvimento Delphi, é necessário que seja apresentado alguns conceitos da POO (Programação Orientada a Objetos). Não os confunda com POE (Programação Orientada a Eventos), muito difundido com a linguagem encontrada com o MS-Access, o Access-Basic (um ambiente baseado em Objetos). Vou tentar expor aqui as sensíveis diferenças que existem entre esses dois conceitos. A POO e a POE são facilmente confundidas, mas lembre-se, a POO contém a POE, masapoe não contém a POO; um objeto pode existir mesmo que para ele não exista nenhum evento associado, mas é impossível existir um evento se não houver um objeto associado. Outra característica que pode causar confusão, são ambientes Orientados a Objetos e ambientes Baseados em Objetos. Em ambiente Orientado aobjetosexiste a possibilidade da criação e manipulação de objetos, enquanto que o Baseado em Objetos esta possibilidade é totalmente inexistente o que existe é a simples manipulação ou no máximo uma derivação (criação de um a partir de outro já existente) dos objetos. A POO é um conceito desenvolvido para facilitar o uso de códigos de desenvolvimento em interfaces gráficas. Sendo a Inprise, uma das primeiras a entrar neste novo conceito, possui suas principais linguagens de programação (tais como Object Pascal e Object C), totalmente voltadas para este tipo de programação. A POO atraiu muitos adeptos principalmente pelo pouco uso de código que o Projeto (diferente de Sistema) carrega no programa fonte, ao contrário de linguagens mais antigas como o Clipper 87 muito utilizado no final da década de 80 e início da década de 90. O resultado desta limpeza resulta que uma manutenção no projeto é muito mais simples. Para entender o sistema POO, vamos tentar pensar simples, imagine que você acabou de adquirir uma caixa de bloquinhos de Lego, você pode criar várias coisas com eles, mas você possui um número limitado de peças, você pode aumentar sua coleção, aumentando também a possibilidade do número de coisas que você poderá criar, formando verdadeiras cidades de Lego. Depois do comercial, a POO é basicamente isto, adquirindo o Delphi você está adquirindo um ambiente totalmente flexível para a criação de um número de determinados sistemas, você pode aumentar sua produtividade simplesmente aumentando o número de objetos. Os conceitos que vou apresentar a seguir existem desde que foi sonhada a Orientação a Objetos, provavelmente você deve conhecer uma boa parte, se não, então é a hora de você se familiarizar com este ambiente. PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 5/178

6 Conceitos da Orientação a Objeto Antes de começarmos a falar realmente de linguagem orientada a objetos e necessário que você possua os conceitos básicos da orientação a objetos, são eles: Objeto - é qualquer estrutura modular que faz parte de um produto. Uma janela por exemplo, é um objeto de uma casa, de um carro ou de um software com interface gráfica para o usuário. Atributos - São as características do objeto, como cor e tamanho, a janela, por exemplo, tem atributos como o modelo, tamanho, abertura simples ou dupla, entre outros. Encapsulação - é um mecanismo interno do objeto escondido do usuário. Uma pessoa pode abrir uma janela girando a tranca sem precisar saber o que há dentro dela. Ação - é a operação efetuada pelo objeto. Todas as janelas, por exemplo, controlam a iluminação e temperatura ambiente, dependendo do seu design. Herança - um objeto novo nem sempre é criado do zero. Ele pode herdar atributos e ações de outros já existentes. Um basculante herda atributos das janelas e das persianas. Polimorfismo - é a capacidade de objetos diferentes reagirem segundo a sua função a uma ordem padrão. O comando abre, por exemplo, faz um objeto entrar em ação, seja ele uma janela, uma porta ou uma tampa de garrafa. Ligação - é quando um objeto conecta a sua ação a outro. Um sensor de claridade, por exemplo, ativa o acendimento automático da iluminação de rua. Embutimento - Permite a um objeto incorporar funções de outros, como um liquidificador que mói carne com a mudança do tipo da lâmina. Linguagem Object Pascal Object Pascal é uma linguagem Orientada a Objetos não é pura, mas, híbrida, por possuir características de programação não só visual mas também escrita, para os programadores que já conhecem técnicas de estruturas de programação, tais como C, Basic, Pascal ou xbase entre outras linguagens a Object Pascal providência uma migração de forma natural oferecendo um produto de maior complexibilidade. Object Pascal força a executar passos lógicos. Isto torna mais fácil o desenvolvimento em ambiente gráficos (tais como o Windows), de aplicações livres, ou que utilizam banco de dados do tipo Cliente/Servidor. A linguagem trabalha com o uso de ponteiros para a alocação de memória e todo o poder de um código totalmente compilável. Além disso, possibilita a criação e reutilização (vantagem de re-uso tão sonhado com a Orientação a Objetos) de objetos e bibliotecas dinâmicas (Dynamic Link Libraries - DLL). Object Pascal contém todo o conceito da Orientação a Objetos, incluindo a herança, o encapsulamento e o polimorfismo. Algumas extensões foram incluídas para facilitar o uso tais como conceitos de propriedades, particulares e públicas, e tipos de informações em modo run-time, manuseamento de exceções, e referências de classes. O resultado de toda esta junção faz com que Object Pascal consiga suportar as facilidades de um baixo nível de programação, tais como: Controle e acesso das sub classes do Windows (API); PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 6/178

7 Passar por cima das mensagens de loop do Windows; Mensagens semelhantes as do Windows; Código puro da linguagem Assembler. Como deu para perceber a base de toda a programação Delphi é a linguagem Object Pascal nunca diga então que você programa em Delphi e sim que você programa em Object Pascal, assim como você nunca programou em Clipper mas em xbase, vamos aprender alguns conceitos básicos dentro deste tipo de programação. Símbolos Especiais A Object Pascal aceita os seguintes caracteres ASCII: Letras - do Alfabeto Inglês: A até Z e a até z. Dígitos - Decimal: 0 até 9 e HexaDecimal: 0 até 9 e A até F (ou a até f) Brancos - Espaço (ASCII 32) e todos os caracteres de controle ASCII (ASCII 0 até ASCII 31), incluindo final de linha e Enter (ASCII 13). Especiais - Caracteres: + - * / = < > [ ]., ( ) : ; { } $ # Símbolos - Caracteres: <= >= :=.. (* *) (..) // Importante - O colchetes esquerdo [ e equivalente ao (. e o colchetes direito ] e equivalente a.). Importante - Os comentários são formados por chave esquerda { e equivalente ao (* e fechados com a chave direita } e equivalente a *).Ocomentáriodeumalinhaéo // (não é aceito pelo Delphi 1.0). for i := 1 to 10 do // Este é o exemplo de um comentário apenas desta linha for i := 1 to 10 do { Este é o exemplo de um comentário que pode ser em várias linhas } for i := 1 to 10 do (*Este é o exemplo de um comentário que pode ser em várias linhas *) Palavras Reservadas Object Pascal se utiliza das seguintes palavras reservadas, não podendo as mesmas serem utilizadas ou definidas: And Exports Library Set Array File Mod Shl As Finnaly Nil Shr Asm For Not String Begin Function Object Then Case Goto Of To Class If On Try Const Implementation Or Type Constructor In Packed Unit Destructor Inherited Procedure Until Div Initialization Program Uses Do Inline Property Var Downto Interface Raise While Else Is Record With End Label Repeat Xor Except Uma outra lista a seguir, apresenta as diretivas que são utilizadas em contextos de identificação de objetos: Absolute Export Name Published Abstract External Near Read Assembler Far Nodefault Resident At Forward Override Stored Cdecl Index Private Virtual PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 7/178

8 Default Interrupt Protected Write Dynamic Message Public Números É possível definir variáveis ou constantes com tipos Inteiros ou Numéricos de ponto flutuante, a diferença entre os diversos tipos permitidos se deve a capacidade de armazenamento e o espaço ocupado, veja a comparação nas tabelas abaixo: Para os tipos Inteiros Tipo Range Formato Integer bit + sinal Shortint bit + sinal Smallint bit + sinal Longint bit + sinal Int64-2^63..2^ bit + sinal Cardinal bit Byte bit Word bit Longword bit Para os tipos Ponto Flutuante Tipo Range Dígitos Significantes Tamanho em Bytes Real x 10^ x 10^ Real 5.0 x 10^ x 10^ Single 1.5 x 10^ x 10^ Double 5.0 x 10^ x 10^ Extended 3.6 x 10^ x 10^ Comp -2^ ^ Currency var i : double; // Aqui crio uma variável i sendo Float z : integer; // Aqui crio uma variável z sendo Inteira t : real; // Aqui crio uma variável t sendo Real i := StrToFloat('10.23'); z := Round(i); t := i; Constantes Uma constante é um identificador com valor(es) fixo(s). Um bloco de declarações constante possui a seguinte expressão: [Declaração Constante] [Identificador] (=) [constante] (;) A lista abaixo apresenta um conjunto de funções que podem ser utilizadas para a declaração das constantes: Ab Length Ord SizeOf Chr Lo Pred Succ Hi Low Ptr Swap High Odd Round Trunc PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 8/178

9 Alguns exemplos para a definição de Constantes: const Min = 0; Max = 100; Centro = (Max - Min) div 2; Beta = Chr(225); NumLetras = Ord('Z') - Ord('A') + 1; MensOla = 'Instrução inválida'; MensErro = ' Erro: ' + MensOla + '. '; PosErr = 80 - Length(MensErro) div 2; Ln10 = ; Ln10R = 1 / Ln10; DigNumericos = ['0'..'9']; LetrasAlpha = ['A'..'Z', 'a'..'z']; AlphaNum = LetrasAlpha + DigNumericos; Expressões As expressões em Object Pascal (como em qualquer linguagem) são formadas por operadores e operandos; os operadores são divididos em quatro categorias básicas: Not Multiplicativos >, /, div, mod, and, shl, shr, as Adicionais +, -, or, xor Relacionais =, < >, <, >, < =, > =, in, is As expressões obedecem as regras básicas de lógica para a precedência da execução das operações. Identificadores Identificadores podem ser constantes, tipos, variáveis, procedures, funções, unidades, programas e campos de registros. Não existe limite de caracteres para o nome de um identificador mas apenas os 63 primeiros caracteres são significantes (não podendo ser idêntico ao nome das palavras reservadas). O nome de um identificador deve ser iniciado por Letras ou o caracter underscore ( _ ). O resto é formado por Letras, Dígitos, caracter underscore (ASCII $5F). Não é permitido a utilização de espaços para a formação do nome. Importante - Exemplo de identificadores válidos: Form1, SysUtils.StrLen, Label1.Caption with... do...; Delimita um determinado bloco de declarações para um identificador específico evitando a declaração deste identificador. A sintaxe do comando é: WITH {nome do identificador} DO {comandos};. Ex.: {... comandos iniciais... } with form1 do Caption := Teste ; BorderStyle := bssizable; array [... ] of...; // Equivalente a Form1.Caption // Equivalente a Form1.BorderStyle Define um conjunto de variáveis ou constantes de um mesmo tipo. A sintaxe do comando é: array [{quantidade de ocorrências}] of {Tipo};. Os arrays são controlados por três funções: PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 9/178

10 Função Low High SizeOf Ex.: Valor de Retorno Primeiro elemento Aponta para o último elemento Tamanho do array const t: array [1..50] of Char { Declara 50 elementos para o tipo Char } var s : array[1..100] of Real { Declara 100 elementos para o tipo real } ind: Integer; for Ind := Low(s) to High(s) do s[ind] := 0; { Zera os elementos do array S } if SizeOf(t) = C then exit; { Se o último elemento do array T for C sai do bloco } {... outros comandos... } Declarações Declarações descrevem ações de um algorítmo a serem executadas.... Prende um conjunto de declarações em um bloco de comandos determinado. A sintaxe do comando é: BEGIN {comandos} END;. Ex.: {... comandos iniciais... } {... bloco 1... } {... bloco 2... } {... comandos finais... } if... then... else...; Esta expressão escolhe entre o resultado de uma condição booleana o caminho verdadeiro (then) ou falso (else). A sintaxe do comando é: IF {condição} THEN {bloco de comandos} ELSE {bloco de comandos};. Ex.: {... comandos iniciais... } if x > 2 then {... Bloco verdadeiro... } else {... Bloco falso... }; goto... ; Transfere a execução de um programa para o ponto determinado pelo Label. A sintaxe do comando é: GOTO {Label};. Ex.: label primeiro; PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 10/178

11 {... comandos iniciais... } if x = 2 then goto primeiro; {... outros comandos... } Primeiro: {... comandos do Primeiro... } case... of... else... Consiste de uma lista de declarações que satisfaz a condição de um seletor de expressões, se nenhuma parte da lista satisfizer ao seletor executa os comandos do sub-comando else. Para o seletor serão válidos os tipos definidos, tipo Inteiros ou LongInt. A sintaxe do comando é: CASE {seletor} OF {Expressão 1}: {comando da expressão 1}; {Expressão 2}: {comando da expressão 2}; {Expressão n}: {comando da expressão n} ELSE {comando};. Ex.: {... comandos iniciais... } case x of 1: {... Bloco para x = 1... } 2, 3: {... Bloco para x = 2 ou X = 3... } 4..6: {... Bloco para 4 <= x <= 6... } else {... Bloco para x < 1 ou x > 6... }; repeat... until; Repete um determinado bloco de declarações até a condição booleana do subcomando until ser satisfeita. A sintaxe do comando é: REPEAT {comandos}; until {condição};. Ex.: {... comandos iniciais... } x := 0; repeat x := x + 1 until (x = 2); for... to (downto)... do...; Incrementa em 1 uma determinada variável inteira, repetindo um bloco de comandos, até que esta atinja o valor final do intervalo, o subcomando downto realiza o incremento reverso. A sintaxe do comando é: FOR {variável} := {valor inicial} to (downto) {valor final} do {bloco de comandos};. Ex.: {... comandos iniciais... } for i := 1 to 10 do // Executa o [comandos A] para i = 1,2,3,4,5,6,7,8,9 e 10 {... Comandos A... } for s := 10 downto 1 do // Executa o [comandos B] para i = 10,9,8,7,6,5,4,3,2 e 1 {... Comandos B... } while... do...; Repete um bloco de comandos enquanto que determinada condição booleana seja satisfeita. A sintaxe do PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 11/178

12 comando é: WHILE {condição} DO {bloco de comandos};. Ex.: {... comandos iniciais... } while i := 1 do // Repete o [Bloco de comandos] enquanto i = 1 {... Bloco de comandos... } break; ou continue...; O comando break interrompe um bloco de repetição for, while ou repeat saindo do bloco. A sintaxe do comando é: BREAK; enquanto que o comando continue retorna a primeira instrução do bloco de repetição for, while ou repeat. A sintaxe do comando é: CONTINUE;. Ex.: {... comandos iniciais... } for i := 1 to 10 do if i = 8 then break; // Salta para os [comandos C] {... comandos A...} if i = 5 then continue; // Retorna para o comando for pulando os [comandos B] {... comandos B...} {... comandos C...} Blocos de Procedimentos ou Funções As procedures ou funções são declaradas na seção de tipos de declarações (abaixo do comando type) pertencendo ao objeto ou serem do tipo public (públicas - executadas por outras unidades) ou private (particulares - restritas a unidade local). Procedure procedure {cabeçalho}; var {declaração das variáveis}; {bloco de comandos}; O cabeçalho da procedure é composto pelo nome do procedimento e variáveis que serão recebidas (ou modificadas através da declaração var, ex.: procedure teste(var x:string); ). procedure soma(a,b: integer); var c: integer; c := a + b; // Início enviando as variáveis A e B do tipo inteiro. // Declaração de variáveis locais a procedure // Corpo do procedimento. Function function {cabeçalho} : {resultado}; var {declaração das variáveis}; {bloco de comandos}; As funções se diferem dos procedimentos pela obrigatoriedade do retorno de um resultado, podendo este resultado ser retornado pela declaração: {nome da função} := valor ou result := valor. function soma(a,b: integer) : integer; // Início enviando as variáveis A e B do tipo inteiro. // Corpo do procedimento. soma := a + b; // ou result := a + b; Importante - Junto com o Delphi vem o manual Object Pascal Reference em formato.hlp, caso a PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 12/178

13 linguagem seja novidade para você aconselho que você dê uma boa olhada (o Delphi 1.0 traz o mesmo manual, mas em formato.pdf), mas não se preocupe com o que foi explicado acima já está mais do que suficiente para um bom entendimento com o Object Pascal. Tudo o que vimos acima é o que normalmente temos em outras linguagens comuns, mas o caracteriza realmente a linguagem Orientada em Objetos é o trabalho e a manipulação com os mesmos. PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 13/178

14 Manual dos Objetos Pré-Requisitos: Windows 98 Delphi 4.0 versão Client/Server Suite BDE 5.00 MS-Access 97 Arquivos trabalhados juntos com esta apostila: AlignEdit.ZIP Card.ZIP ChessBrd.ZIP Date97.ZIP DbCmpList.ZIP DgFiltro.ZIP DgPrint.ZIP EditN.ZIP Moon.ZIP mylabel3d.zip PGridStr.ZIP PosEstado.ZIP PrtGrid.ZIP SelectDlgT.ZIP Semelha.ZIP sgridsql.zip Tips.ZIP Prefácio Autor: Fernando Antonio Fernandes Anselmo Desde o começo do meu tempo de Delphiano, tenho feito duas coisas, criar objetos e colecionar objetos (FREEWARE) de terceiros, melhorando-os e adaptando-os as minhas necessidades, uma boa coleção de objetos é importante em qualquer construção de um projeto em uma linguagem Orientada a Objetos, aqui estou disponibilizando mais do que objetos, estou também disponibilizando este manual que ensina como utilizá-los corretamente e usá-los para o desenvolvimento eficaz de qualquer projeto ou aplicativo. Para Instalá-los no Delphi 4.0 Aconselho que você crie um outro diretório (além do LIB tradicional do Delphi) para conter seus "outros" objetos, não fique alterando o diretório padrão do Delphi, por uma simples razão, quando você quiser criar um backup com seus objetos basta você copiar este novo diretório então crie por exemplo c:\arquivos de programas\borland\delphi4\lib1 para guardar seus objetos e descompacte nele todos os arquivos mencionados no início da apostila. Todos os objetos que são instalados no Delphi 4.0 Client/Server precisam estar embutidos em um Package, isto facilita na hora de transportar os objetos de um Delphi instalado em uma máquina qualquer para outro em outra máquina, fora o controle dos mesmos, aqui colocarei por ordem na Componnent Pallete que os objetos serão instalados, antes de instalar qualquer objeto dê uma olhada se ele depende da instalação de outro primeiro, para iniciar vamos instalar o primeiro objeto, vá em Component Install Component... enapáginainto new Package eserá mostrada a seguinte janela: PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 14/178

15 Unit file name - Corresponde ao nome do fonte que contém o objeto (localize o arquivo Posestad.PAS) Search path - Caminhos disponíveis dos diversos objetos Package file name - Nome do Pacote que será instalado seu objeto (localize o diretório Lib1 e coloque o nome Colecao.DPK) Package description - Uma descrição do pacote (Coleção com meus objetos por exemplo) Após preenchido os dados necessários e pressionado o botão de OK uma janela se abrirá questionando se você deseja compilar e instalar o novo objeto, responda negativamente para siguirmos em frente instalando os outros objetos, você acabará com esta janela: Agora para incorporarmos um novo Objeto ao Package basta apenas clicarmos no botão Add e adicionarmos os fontes mencionados. Ao final de todo o processo de instalação compilaremos todos os objetos instalados através do botão Compile. Vamos começar então: PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 15/178

16 Objetos Instalados na Component Pallete em Additional PosEstado - Objetivo: Objeto derivado do TPanel que verifica e mostra o estado e o número de registros de um objeto do tipo BDE ligado a um DataSource Propriedades: DataSource: Nome do DataSource que está ligado o BDE Funções ou procedimentos necessários para execução: Procedimento Atualiza - faz a verificação do estado e do numero de registros do objeto ligado ao DataSource. Fonte que deve ser instalado no pacote Posestad.pas Objeto ao qual depende que seja instalado primeiramente Nenhum PGridStr - Objetivo: Enviar para a impressora o conteúdo de um objeto StringGrid. Propriedades: LeftMargin: margem a esquerda TopMargin: margem entre o início da página e o começo da impressão RightMargin: margem a direita BottomMargin: margem a ser deixada no final da página ColHeaderFont: Fonte do cabeçalho ColScale: Escala de impressão (Ex: 100 % a 0 %) TitleFont: Fonte do Título LinesFont: Fonte das linhas detalhe StringGrid: Objeto StringGrid a imprimir PrintMgrTitle: Título Title: Cabeçalho TitleAlignment: Alinhamento do Cabeçalho Orientation: Tipo de orientação do papel PrintToFile: Se ao invés de imprimir gera um arquivo FullPage: Página toda PrintFileName: Nome do arquivo a gerar PrintFileDir: Diretório do arquivo a gerar FromPage: Inicia na página EndPage: Até a página Border: Deve imprimir linhas em volta ColLines: Deve imprimir linhas entre as colunas RowLines: Deve imprimir linhas entre as linhas detalhe HorizontalGap: Distância horizontal entre as linhas detalhes VerticalGapPct: Distância vertical entre as linhas detalhes PageNumberPos: Posição do número da página PageNumberLabel: Label para o número da página (Ex: Pág:) DatePos: Posição da data atual DateLabel: Label para a data atual (Ex: Data:) Funções ou procedimentos necessários para execução: Procedimento Print - Inicia o processo de impressão PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 16/178

17 Procedimento PrintDialog - Mostra uma janela de configuração da impressão Procedimento SaveToFile - Gera direto para um arquivo determinado Fonte que deve ser instalado no pacote PGridStr.pas Objeto ao qual depende que seja instalado primeiramente Nenhum AlignEdit - (Original de José María Ferri - Objetivo: Objeto derivado do TEdit que o melhora proporciando um alinhamento do texto a Direita, a Esquerda ou Centralizado e modificação das cores do objeto caso esteje ou não em foco Propriedades: Alignment: Tipo do Alinhamento ColorOnFocus: Cor do objeto quando tiver o foco ColorOnNoFocus: Cor do objeto quando não tiver o foco TextOnFocus: Cor do texto quando o objeto tiver o foco TextOnNoFocus: Cor do texto quando o objeto não tiver o foco ExitOnReturn: Se deve sair do objeto com o pressionamento da tecla Enter Funções ou procedimentos necessários para execução: Nenhuma Fonte que deve ser instalados no pacote AlignEdit.pas Objeto ao qual depende que seja instalado primeiramente Nenhum mylabel3d - Objetivo: Descendente do objeto TLabel que o adiciona a capacidade de ficar em 3D, ganhando sombras ou em degradê Propriedades: AStyle3D : Estilo do objeto AShadeRightBottom: TColor read FShadowColor write SetShadowColor default clgray; AShadeLeftTop : Cor do degradê em visão 3D AHShadeOffSet : Distância horizontal da sombra AVShadeOffSet : Distância vertical da sombra AShadeLTSet : se o degradê deve ficar Branco ou assumir a cor da propriedade AShadeLeftTop Funções ou procedimentos necessários para execução: Nenhuma Fonte que deve ser instalados no pacote MyLabel.pas Objeto ao qual depende que seja instalado primeiramente Nenhum EditN - (Original de José.Mª Gías - Objetivo: Descendente do objeto TLabel que o adiciona a capacidade de ficar em 3D, ganhando sombras ou em degradê PDF criado por: Idelson Pessoa da Silva - Página Nr. 17/178

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados.

Principais Instruções em SQL. Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Principais Instruções em SQL Contidas nesta apostila as principais instruções em SQL para a manutenção em Bancos de Dados. Atenção: Esta apostila foi desenvolvida com o auxílio on-line do banco MS-ACCESS,

Leia mais

1 Apostila de Delphi 1.1 A LINGUAGEM OBJECT PASCAL

1 Apostila de Delphi 1.1 A LINGUAGEM OBJECT PASCAL 1 1 Apostila de Delphi 1.1 A LINGUAGEM OBJECT PASCAL Por mais recursos gráficos que as linguagens orientadas a objetos possuam, em determinado momento não há como fugir do código. A programação em Delphi

Leia mais

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS LINGUAGEM SQL PARA CSULTAS EM MICROSOFT ACCESS Objetivos: Neste tutorial serão apresentados os principais elementos da linguagem SQL (Structured Query Language). Serão apresentados diversos exemplos práticos

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

SQL. Structured Query Language. Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.

SQL. Structured Query Language. Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti. SQL Structured Query Language Copyright 2003 2014 Prof. Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Sumário 1.CREATE TABLE... 5 1.1. Sintaxe... 5 1.2. A instrução CREATE TABLE

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada.

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada. Texto retirado e adaptado da apostila A Linguagem Pascal, disponível no site http://www.portaldaprogramacao.com (autor: desconhecido) ARQUIVOS Anteriormente, foi estudado o conceito de tabelas em memória

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Quantas vezes eu não lamentei por este componente não ter uma propriedade que guardasse uma lista paralela a lista que é mostrada em

Leia mais

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01

Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 Gabarito - Banco de Dados SQL - 30/07/2013 AULA 01 1 1- Bancos de dados compreendem desde agendas telefônicas até sistemas computadorizados. (Sim) 2- Só podemos instalar o SQL Server Express se tivermos

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Introdução Object Pascal/Delphi 1 INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Objetivo Demonstrar a sintaxe e a semântica do Object Pascal e a forma como esse linguagem de programação será aplicada na disciplina de

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO O Paradigma da Orientação a Objeto Apresentada em Cumprimento Parcial dos Requerimentos para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Fazer uma breve introdução a respeito do MS SQL Server 7.0; Criar uma pequena base de dados no MS SQL Server 7.0; Elaborar

Leia mais

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS

LINGUAGEM SQL PARA CONSULTAS EM MICROSOFT ACCESS LINGUAGEM SQL PARA CSULTAS EM MICROSOFT ACCESS Objetivos: Neste tutorial serão apresentados os principais elementos da linguagem SQL (Structured Query Language). Serão apresentados diversos exemplos práticos

Leia mais

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi Índice Índice...1 Desenvolvendo Conduits...2 (Passo a Passo)...2 Criando um Arquivo.mdb... 2 Arquivos...6 Instalando os componentes... 7 Recompilando os Comonentes do Delphi...13 Configurando a Conexão

Leia mais

Introdução ao SQL Avançado

Introdução ao SQL Avançado Introdução ao SQL Avançado Introdução as consultas, manipulação e a filtragem de dados com a linguagem SQL Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto

Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL. www.pedrofcarvalho.com.br contato@pedrofcarvalho.com.br São José do Rio Preto Pedro F. Carvalho OCP Oracle 2008.2 10g LINGUAGEM SQL Objetivos Revisando a sintaxe SQL SELECT, UPDATE, INSERT, DELETE Manipulando expressões Funções matemáticas, etc Condições de Pesquisa Funções de Agregação

Leia mais

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows DINAMIC LINK LIBRARIES Capítulo 7 Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows O QUE É UMA DLL? Dinamic Link Libraries

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets O objetivo mais importante no desenvolvimento de um programa é fornecer ao cliente maior liberdade para usar as interfaces e ao mesmo tempo tornar

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Elementos do IDE do Delphi

Elementos do IDE do Delphi Capítulo 2 Um Tour pelo Ambiente de Programação do Delphi Ao final deste capítulo, você estará apto a: Identificar os elementos do IDE do Delphi Identificar os elementos essenciais que formam uma aplicação

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP Programação WEB Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula III Introdução PHP Introdução PHP PHP=Hypertext Pre-Processor Linguagem de script open

Leia mais

Arq = Freefile Open C:\Pasta\Arquivo.dat For Binary As #arq Abrir o arquivo binario. X = Seek(arq) Mostra a posição que está sendo lida no arquivo

Arq = Freefile Open C:\Pasta\Arquivo.dat For Binary As #arq Abrir o arquivo binario. X = Seek(arq) Mostra a posição que está sendo lida no arquivo 6.3 Arquivos Binários Para ler arquivos binários é utilizado o seguinte comando. Arq = Freefile Open C:\Pasta\Arquivo.dat For Binary As #arq Abrir o arquivo binario Get #arq, 1, CabArquivo Lê o arquivo

Leia mais

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções)

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções) Aulas anteriores... Formulação adequada do problema Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução Definição do algoritmo Método de decomposição hierárquica utilizando

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Treinamento sobre SQL

Treinamento sobre SQL Treinamento sobre SQL Como Usar o SQL Os dois programas que você mais utilizara no SQL Server são: Enterprise Manager e Query Analyzer. No Enterprise Manager, você pode visualizar e fazer alterações na

Leia mais

Microsoft Excel 2010

Microsoft Excel 2010 Microsoft Excel 2010 Feito por Gustavo Stor com base na apostila desenvolvida por Marcos Paulo Furlan para o capacitação promovido pelo PET. 1 2 O Excel é uma das melhores planilhas existentes no mercado.

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica Em certa época, a planilha era um pedaço de papel que os contadores e planejadores de empresas utilizavam para colocar

Leia mais

Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10

Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10 Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212

Leia mais

1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All...

1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All... SQL 1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All... 2. Servidor... 2.1 Ativando log no Broker... 2.2 Leitura do log no

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

APOSTILA PHP PARTE 1

APOSTILA PHP PARTE 1 APOSTILA PHP PARTE 1 1. Introdução O que é PHP? PHP significa: PHP Hypertext Preprocessor. Realmente, o produto foi originalmente chamado de Personal Home Page Tools ; mas como se expandiu em escopo, um

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte Programação SQL INTRODUÇÃO II parte Programação SQL SELECT; INSERT; UPDATE; DELETE. Este conjunto de comandos faz parte da sublinguagem denominada por DML Data Manipulation Language (Linguagem de manipulação

Leia mais

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados SQL (Structured Querie Language) SQL é mais que uma linguagem de interrogação estruturada. Inclui características para a definição da estrutura de dados, para alterar os dados de uma base de dados, e para

Leia mais

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco 1 Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco MARCELO JALOTO (marcelo@jaloto.net) é graduado no curso superior Projetos e Gestão de Redes de Computadores e formado no curso Técnico em Processamento

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas O que é PHP? Acrônimo de PHP: Hipertext Language PostProcessor Inicialmente escrita para o desenvolvimento de aplicações Web Facilidade para iniciantes e recursos poderosos para programadores profissionais

Leia mais

Principais Instruções em SQL

Principais Instruções em SQL Instrução Principais Instruções em SQL Instrui o programa principal do banco de dados para retornar a informação como um conjunto de registros. Sintaxe [predicado { * tabela.* [tabela.]campo1 [AS alias1]

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho.

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho. DELPHI BÁSICO VANTAGENS Ambiente de desenvolvimento fácil de usar; 1. Grande Biblioteca de Componentes Visuais (VCL - Visual Component Library), que são botões, campos, gráficos, caixas de diálogo e acesso

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Você já não precisou de uma determinada propriedade (que não foi implementada) num componente? Por exemplo: Quem nunca precisou de uma propriedade

Leia mais

Projeto Supermercado - Produtos

Projeto Supermercado - Produtos OBJETIVO: Este projeto possibilitará fazer a manutenção dos dados da tabela de Produtos. Didaticamente, ele permite ao programador iniciante ter os primeiros contatos com os objetos de visualização individual

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução à Programação em Visual Basic Fabricio Breve Objetivos Ser capaz de escrever programas simples em Visual Basic Ser capaz de usar os comandos de entrada e saída Familiarizar-se

Leia mais

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5

JavaScript 2.0X 1.0 3.0X 1.1 4.0 4.05 1.2 4.06 4.61 1.3 5.0 1.4 6.0 1.5 JavaScript Diego R. Frank, Leonardo Seibt FIT Faculdades de Informática de Taquara Fundação Educacional Encosta Inferior do Nordeste Av. Oscar Martins Rangel, 4500 Taquara RS Brasil difrank@terra.com.br,

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

Disparando o interpretador

Disparando o interpretador Capítulo 2: Usando o interpretador Python Disparando o interpretador O interpretador é frequentemente instalado como /usr/local/bin/python nas máquinas onde está disponível; adicionando /usr/local/bin

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem.

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem. 1 - O que é JAVASCRIPT? É uma linguagem de script orientada a objetos, usada para aumentar a interatividade de páginas Web. O JavaScript foi introduzido pela Netscape em seu navegador 2.0 e posteriormente

Leia mais

Use a mala direta para criar e imprimir cartas e outros

Use a mala direta para criar e imprimir cartas e outros Página 1 de 19 Word > Mala direta Use a mala direta para criar e imprimir cartas e outros documentos Ocultar tudo É possível usar a mala direta quando deseja criar um conjunto de documentos, como uma carta

Leia mais

Desvendando o Caminho das Pedras

Desvendando o Caminho das Pedras Borland Desvendando o Caminho das Pedras file:///c /cursos_e_livros_cd/informática/programação/delphi/cópia%20de%20bíblia%20do%20delphi.htm (1 of 157)28/09/2004 18:41:02 De Sumário Desvendando o Caminho

Leia mais

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel Avançado Trabalhando com VBA Descubra a linguagem de programação do Microsoft Office e torne-se um expert no desenvolvimento de funções, macros e planilhas eletrônicas Nas edições anteriores da revista

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL OBJECTIVOS Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL O objecto DOCMD Este objecto permite o acesso a todas as operações sobre todos os objectos

Leia mais

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL PL/SQL Laboratório de Bases de Dados PL/SQL Program Language SQL linguagem de programação da Oracle que permite processar dados armazenados no banco de dados Exemplos de operações permitidas alterar, remover,

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas. Vitor Valerio de Souza Campos

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas. Vitor Valerio de Souza Campos Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos do curso 1. Criar uma tabela no modo de exibição Folha de Dados. 2. Definir tipos de dados para os campos na tabela.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Professor: Renato Dourado Maia Disciplina: Programação de Computadores Curso: Engenharia de Alimentos Turma: Terceiro Período 1 Introdução

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

AnsiLowerCase Converte todos os caracteres de uma string para minúsculo; Sintaxe: AnsiLowerCase(const S: string): string;

AnsiLowerCase Converte todos os caracteres de uma string para minúsculo; Sintaxe: AnsiLowerCase(const S: string): string; AnsiLowerCase Converte todos os caracteres de uma string para minúsculo; AnsiLowerCase(const S: string): string; Var X:String; Begin X:=Label1.caption; Label1.caption:=AnsiLowerCase(X); { Label1 ficará

Leia mais

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda:

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: 33 Capítulo 3 Procedimentos (macros) Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: O objetivo de uma macro é automatizar as tarefas usadas com mais freqüência. Embora algumas macros sejam

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap

Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap Servidores REST usando TMS Aurelius e DataSnap Introdução Em artigo anterior a framework na Active Delphi, apresentados o TMS Aurelius, uma framework para mapeamento objeto-relacional (ORM) e mostramos

Leia mais