Para pensar a publicidade e o jornalismo nos editoriais de moda das revistas femininas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para pensar a publicidade e o jornalismo nos editoriais de moda das revistas femininas"

Transcrição

1 1 Para pensar a publicidade e o jornalismo nos editoriais de moda das revistas femininas Thinking about advertising and journalism in the women's magazines fashion editorials Daniela M. Schmitz 1 (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Neste artigo, proponho-me a discutir sobre a configuração híbrida dos editoriais de moda das revistas femininas. Aponto como as lógicas e especificidades do jornalismo e da publicidade se apresentam imbricadas nesse produto midiático. Na discussão, também proponho um conceito que defina esse gênero tão característico da imprensa de moda. Palavras-chave: editorial de moda, publicidade, jornalismo In this article, I propose a discussion on the hybrid configuration of women's magazines fashion editorials. I point out how the logics and specificities of journalism and advertising are presented overlapping in this media product. In this discussion, I also propose a defining concept to this genre of fashion journalism. Keywords: fashion editorial, advertising, journalism A moda e as revistas femininas possuem uma ligação histórica, na qual suas inter-relações contribuíram para a consolidação de ambas, conforme argumenta Buitoni (1986). Nesta mesma obra, a autora reconstrói a história deste tipo de imprensa em nosso país, incluindo uma discussão sobre o surgimento e percurso de alguns magazines femininos internacionais que tiveram ascendência sobre a formatação de títulos nacionais. Para iniciar essa discussão, recorro à pesquisa de Buitoni em alguns aspectos históricos, contudo, nessa introdução, a intenção aqui não é abordar este relacionamento pela via histórica, tão bem trabalhada pela autora e também por Mira (2001), na pesquisa que focaliza a segmentação de público dos títulos da Editora Abril. A própria Abril, inclusive, uma gigante nacional do setor de revistas, é citada por Mira como responsável pela modernização da imprensa nacional a partir de 1960 e, em 2000, a editora lança um livro comemorativo dos 1 Publicitária e Mestre em Comunicação pela Unisinos, doutoranda em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora substituta do curso de Publicidade e Propaganda da UFRGS.

2 2 seus 50 anos, contando a história das revistas no Brasil o que, no fundo, vem a ser a sua própria história. Recorro a estes títulos em vários momentos, porém intenciono, em primeiro plano, tratar de aspectos ligados ao tratamento que a moda recebe neste tipo de imprensa, principalmente no que concerne ao imbricamento de aspectos e linguagens características da publicidade e do jornalismo. O mercado de revistas femininas é o segmento de maior destaque no país, tanto no número de publicações disponíveis, como por seu faturamento em vendas, reproduzindo um modelo de sucesso importado dos grandes centros: as revistas femininas formavam, no limiar do século XXI, o setor mais importante do mercado editorial brasileiro (A REVISTA NO BRASIL, 2000, p. 158) e, ainda hoje, representam a maior fatia do mercado de revistas (SCALZO, 2004, p. 35). Mira (2001) associa diretamente a revista à mulher, uma vez que esta é a mídia mais feminina que há e que a relação entre as duas tem sido marcada pela confiança e pela intimidade (2001, p. 43). Buitoni compartilha da idéia de que a imprensa feminina é um conceito definitivamente sexuado e acrescenta ainda que, desde que surgiu no mundo ocidental, no fim do século XVII, já trouxe a destinação às mulheres no próprio título do jornal Lady s Mercury prática a persistir até hoje (1986, p. 07). A forma como os veículos da imprensa feminina se comunicam com suas leitoras é marcada por uma proximidade incomum a outros meios. Esta ligação se construiu no fato de que os assuntos tratados pelas revistas são de interesse preeminentemente feminino moda, culinária, amor, comportamento e sentimentos e também no tom de comunicação que as revistas adotam, que muitas vezes fica próximo de uma relação de amizade e cumplicidade. Na ótica de Mira (2001), esta forma de tratamento se consolida no pós-guerra, período que traz uma renovação para a imprensa feminina que vai se refletir inclusive na forma de tratamento e interpelação das leitoras, fato que consolida a intimidade entre o produto-revista e a consumidora-leitora. Tendo em conta o otimismo destes tempos, a autora vai argumentar que: A imprensa feminina, que vinha ajudando no lar, retratando a moda, discutindo os problemas da mulher, ouvindo o seu sofrimento, cuidando de sua beleza, já pode tratá-la de você. Adota uma técnica já conhecida da publicidade, a personalização. O tom das matérias muda, dirigindo-se diretamente à leitora. Focalizando o

3 3 rosto da mulher, a revista aumenta seu grau de aproximação (MIRA, 2001, p. 50). Este tipo de linguagem, com estilo que dá ênfase à proximidade, que conjuga o lado informativo do jornalismo com a personalização e sedução próprias da publicidade vai manter-se até os dias atuais, e é uma constante nos editoriais de moda que viso discutir neste texto. Antes de me aprofundar sobre as combinações entre jornalismo e publicidade que a moda em revista ostenta, gostaria de investir algumas palavras a respeito do termo editoriais de moda. Para tanto, busco algumas referências no jornalismo de moda, para refletir sobre um de seus produtos. Em publicações nacionais, foi possível encontrar o livro de Joffily (1991), O jornalismo e produção de moda, que trata especificamente de matérias de moda para revistas, e a dissertação de Pitombo (1997), A sagração da aparência: moda e imprensa, que vai retratar a relação entre a moda e jornalismo na imprensa baiana a partir de matérias publicadas em dois tradicionais jornais da cidade. O livro de Joffily faz várias referências ao termo editoriais de moda sem, no entanto, adentrar na discussão de sua concepção. Rabaça e Barbosa (2002) definem em seu Dicionário de Comunicação editorial de moda como sendo: 1. Matéria jornalística, essencialmente fotográfica, elaborada por uma editoria de moda, geralmente em revistas especializadas nesse tema, em que são apresentadas informações sobre tendências, estilos, modismos e combinações relativas a vestuário, acessórios, cabelo, maquiagem, etc. Não existe um padrão rígido para esse tipo de matéria, que está sujeita, como a própria moda, a constantes transformações de estilo e de conceito. Mas o editorial de moda costuma seguir um fio condutor, um tema determinado, que pode ser a moda da estação ou da cor, um tecido, um acessório, uma griffe ou mesmo uma personagem p.ex., a roupa que uma atriz famosa gosta de usar no seu dia-a-dia. Seu texto, muitas vezes criado em função do ensaio fotográfico, limita-se em alguns casos à descrição das peças, geralmente com indicação de preços e lojas, mas pode também conter opiniões do editor ou dos jornalistas, depoimentos de pessoas focalizadas e maiores informações sobre o tema em pauta. 2. Artigo opinativo em revista de moda, geralmente ilustrado, no qual o editor ou a equipe de editores expressam seus pontos de vista sobre tendências de vestuário, comportamento, atitude e estilo, novos lançamentos, etc. (RABAÇA; BARBOSA, 2002, p. 256). As revistas, principalmente as que dedicam maior ênfase à moda como Vogue, L Officiel e Elle, no Brasil fazem uso comumente do termo editoriais de

4 4 moda para referirem-se à seção de moda que trata de tendências de vestimenta 2. Inclusive, referem-se a esta seção usando o termo editoriais de moda em seu espaço destinado ao editorial tradicional, no qual a diretora de redação da revista deixa sua mensagem do mês, a qual está ligada à linha editorial da revista. É talvez aqui que resida a maior falta de clareza em relação ao termo, na sua comparação com o que o jornalismo vem tradicionalmente tratando como editorial. Desta forma, cabe destacar que o editorial tradicional é, segundo os autores já citados: Texto jornalístico opinativo, escrito de maneira impessoal e publicado sem assinatura, referente a assuntos de acontecimentos locais, nacionais ou internacionais de maior relevância. Define e expressa o ponto de vista do veículo ou da empresa responsável pela publicação (jornal, revista, etc.) ou emissão (programa de televisão ou de rádio). [...] (RABAÇA; BARBOSA, 2002, p. 255). Portanto, o termo editorial de moda difere, em parte, da definição de editorial jornalístico, uma vez que é essencialmente visual, com seus conteúdos fotográficos. Porém, penso que, a partir do momento em que é a editoria de moda do veículo quem faz as escolhas acerca dos assuntos, conteúdos, temas e tendências que serão destacadas, este tipo de matéria não deixa de ter um caráter de editorial tradicional uma vez que ali estão expostas as escolhas, opiniões e ponto de vista da revista em relação às tendências de moda vigentes na estação. Joffily (1991) elenca três diferentes tipos de matérias de moda constantes nas revistas femininas: tendência, serviço e comportamento (1991, p. 95) que não necessariamente são produzidas de forma tão partida. As matérias sobre tendências são as mais comuns e, ao meu ver, são a base da produção dos editoriais de moda, embora eles também possam combinar os outros dois tipos de matérias. Ao tratar do tema produção de moda, a autora trabalha com uma definição da função do produtor de moda, que é o responsável em pôr em prática as idéias discutidas na reunião de pauta por toda a equipe da editoria de moda muitas vezes com a presença da própria diretora de redação para a produção dos editoriais da edição do mês. Sua função é determinada da seguinte forma: uma produção de moda é uma composição que organiza elementos na busca de um estilo, ou, mais 2 Leitoras de revista, principalmente as que apresentam uma competência maior para o meio revista ou mesmo para o circuito da moda, também referem-se às páginas de moda das revistas como editoriais. É o que pude confirmar na pesquisa do mestrado, em que entrevistei 27 mulheres leitoras de revistas femininas e também no grupo de 12 adolescentes até agora pesquisado na investigação de doutorado.

5 5 concretamente, de um certo clima global da foto que traduza um estilo (JOFFILY, 1991, p. 103). E, sendo que o objetivo visado pela produção de moda é o editorial, penso que o caminho para uma definição da expressão passe pela prática do profissional. Sendo assim, compartilho com Joffily da definição da prática do produtor de moda e conjuntamente com as definições apontadas por Rabaça e Barbosa (2002), vejo no editorial de moda das revistas femininas: o espaço em que a revista revela, através de uma matéria jornalística temática e do uso preponderante de imagens conjugadas com pequenos textos informativos e descritivos, sua posição editorial em relação às tendências de vestuário vigentes, em que todos os elementos convergem na emissão de uma mensagem de um ou mais estilos que são propostos: modelo, roupas, acessórios, maquiagem, penteado, locação, postura, cores, tratamento gráfico, diagramação e texto. Ou seja, existe uma relação com o que classicamente se tem tomado como editorial nos estudos de jornalismo como já havia citado pois, se considerarmos o espaço destinado aos editoriais de moda das revistas femininas, é possível perceber que ele mantém características constitutivas do editorial tradicional, pois revela a posição da revista em relação às tendências lançadas na São Paulo Fashion Week e Fashion Rio, fazendo as suas escolhas e apostas editoriais de acordo com o perfil de leitora de cada revista, construindo contratos de leitura (Fausto, 1995; Verón, 2004) específicos. Mas, voltando à relação entre o jornalismo e a publicidade sobre a qual a moda em revista se constrói, busco em Pitombo uma argumentação sobre esta conjugação. A autora estrutura seu referencial teórico sobre o jornalismo de moda fundamentado no trabalho do francês Daniel Roche, que vai apontar para a junção destas duas áreas do campo da comunicação a partir do uso de procedimentos da publicidade neste tipo de jornalismo para: promover uma representação sedutora do objeto colocado em circulação, o recolocar dentro de um quadro distinto, vender não apenas um produto mas um modo de vida e, por todos os meios, suscitar e avivar o desejo dos consumidores (ROCHE apud PITOMBO, 1997, p. 60). Ao folhear a revista Elle, publicação feminina que analisei na pesquisa de mestrado 3, vários exemplos das similitudes entre os editoriais e os anúncios de moda podem ser vistos: os estilos e as posturas das modelos, as expressões do 3 O título da dissertação é Mulher na moda: recepção e identidade feminina nos editoriais de moda da revista Elle (2007), defendida no Programa de Pós Graduação em Comunicação da Unisinos.

6 6 rosto, os visuais construídos a partir das roupas e acessórios, a diagramação das páginas, os cenários e outros tantos detalhes que os aproximam, como acontece na comparação entre as figuras 1 e 2. Figura 1. Anúncio de moda da revista Elle. Fonte: edição de novembro de Figura 2. Editorial de moda da revista Elle. Fonte: edição de fevereiro de A relação entre jornalismo e publicidade na revista Elle e nas demais revistas femininas extrapola o imbricamento das duas linguagens no tratamento da moda (e também em outras seções), encarnando inclusive uma relação de dependência, no momento em que a publicidade contribui, e muito, para o bem da saúde financeira de toda a revista. Scalzo nos lembra que os anúncios, no atual modelo editorial, são indispensáveis à sobrevivência das revistas. Sem falar que a publicidade, quando adequada ao veículo, também pode ser lida como informação

7 7 (2004, p. 83). Hollenbach (2005) vê nesta vinculação jornalismo-publicidade uma relação de dependência entre o campo midiático no caso, as revistas femininas e o campo econômico, relação que colocaria em cheque alguns dos princípios fundadores do jornalismo: imparcialidade, objetividade, neutralidade e verdade, assim como acontece com o emprego do tom persuasivo da linguagem publicitária que atravessa as matérias constantes nas publicações femininas. Reportando-me novamente à pesquisa do mestrado, na investigação encontrei pistas de uma outra forma de relacionamento entre o campo econômico e as revistas femininas. Com a intenção de efetuar um levantamento das marcas mais assíduas nos editoriais de moda da revista Elle, realizei uma análise quantitativa das marcas constantes nos editoriais dos 5 primeiros meses do ano de Tomei como base as marcas de moda participantes da segunda edição do décimo ano da São Paulo Fashion Week para servir de referência na busca das grifes mais freqüentes nestas páginas específicas da revista. A São Paulo Fashion Week, como evento oficial da moda brasileira, apresenta as criações das marcas nacionais mais consagradas e, embora não varie muito a sua listagem de marcas participantes, também serve de porta de entrada para marcas que queiram se estabelecer no mercado e que tenham potencial financeiro para investir. É um ótimo referencial para as revistas buscarem quem (marca) e o quê (tendência de vestuário) está em voga no momento. Usei como base a lista de 46 marcas participantes da São Paulo Fashion Week em junho de 2005, para cotejar com marcas exibidas na revista. Os resultados revelaram que 44,5% das peças de vestuário (não foram considerados sapatos e acessórios) eram das marcas participantes da SPFW. E, se estendesse a análise, incluindo as marcas participantes da Fashion Rio 4, o segundo maior evento de moda do país, teríamos 65% das peças de moda provenientes destes dois eventos que concentram as maiores marcas nacionais. Embora a entrevista com a editora especial de moda da revista Elle à época, Jussara Romão 5, tenha revelado uma preocupação editorial em diversificar as grifes constantes na revista e que existam profissionais responsáveis em garimpar o que as outras marcas que não desfilam estão colocando no mercado, é possível perceber pistas de uma forte ligação entre o campo econômico de moda, encarnado 4 Importante destacar: quem participa da Fashion Rio não pode participar da São Paulo Fashion Week e vice-versa. 5 Entrevista realizada por telefone em 01/11/05.

8 8 pelas marcas de moda mais importantes do país, e o campo midiático, para além dos anúncios de moda inseridos na revista Elle, ou seja, também nos conteúdos de seus editoriais com as tendências de moda. A vinculação entre jornalismo e publicidade também pode ser vista de várias formas na produção, no formato e no tratamento dos editoriais de moda de Elle. Se abordarmos as características concernentes à prática do jornalismo, temos nestes editoriais a informação e a atualidade, e também o entretenimento e a educação que, estes últimos, conforme argumenta Scalzo (2004), são dois caminhos bem evidentes que as revistas tomaram ao longo de sua história. Sobre a conjugação entre informação e atualidade nas revistas, não se trata do sentido clássico da informação atual a que estamos acostumados a consumir nos jornais, rádio e televisão, e sim, mais informações pessoais (aquela que vai ajudar o leitor em seu cotidiano, em sua vida prática) (SCALZO, 2004, p. 14). Buitoni alerta para o mesmo detalhe, mas se detêm à imprensa feminina como exemplo, dizendo que não se trata do mesmo tipo de atualidade buscada e propagada pelo jornalismo informativo, porém, o atual, a novidade não deixam de constituir os conteúdos das revistas femininas: No sentido de registro de fato, a atualidade não está muito presente na imprensa feminina devido a seus conteúdos tradicionais: moda, beleza, culinária, decoração aceitam a ligação com o atual, mas não são por ele determinadas. A moda (grifo meu) tem obrigação de ser atual, só que em função das tendências de mercado, e sua atualidade é pré-fabricada (1986, p. 13). No que tange à publicidade, podemos ver a presença de características do fazer publicitário nos editoriais de moda, pois temos: a) imagens sendo colocadas em primeiro plano, tendência maior dos anúncios publicitários em revistas; b) diagramação das páginas que se aproxima da arte dos anúncios de revista que se constitui de imagem, chamada, texto de apoio, legendas; c) textos que se valem do modo imperativo dos verbos na transmissão das mensagens, remetendo ao tom persuasivo de grande parte das peças gráficas; d) linguagem de sedução que substitui a objetividade informativa; e, f) referência a marcas e preços das peças nas legendas das imagens que compõem as páginas. Ainda dentro dos aspectos da publicidade que os editoriais de moda carregam em si, Berger (1999) vai argumentar que, independente do produto, marca ou serviço que as peças publicitárias ofereçam, a publicidade é em si uma linguagem

9 9 que faz sempre a mesma proposição geral: ela propõe a cada um de nós que nos transformemos, ou a nossas vidas, ao comprar alguma coisa a mais (1999, p. 133) e a forma como esta proposta é ofertada, mostrando pessoas que conseguiram esta coisa a mais de que nos fala Berger é que constitui o glamour que envolve a publicidade. O autor entende que a publicidade fabrica uma projeção do que o comprador seria se usufruísse tal produto/serviço. Por isso, o apelo volta-se sempre ao futuro comprador, suscitando a inveja que ele sentiria de si mesmo pelo que poderia ser e que também seria despertada aos olhos do outro, se caso ele adquirisse o produto e a imagem ligada ao produto que a publicidade oferta. Portanto, para Berger, a publicidade gira em torno de relações sociais, não em torno de objetos (1991, p. 134). Há ainda na concepção do autor uma relação entre glamour e inveja, pois esta seria o motor da glamourização, visto que é na felicidade de ser invejado por si e pelo outro que reside o glamour da publicidade. Este glamour de que nos fala Berger é uma presença constante nos editoriais de moda de várias publicações femininas. O conjunto de elementos que cooperam neste processo de glamourização da moda em revista é composto por: estilos de aparência e comportamento atuais e modernos que são propostos; roupas novas, modernas e atualizadas com as últimas tendências de moda; valores monetários das peças destacadas; modelos que são referenciais de beleza muito magras, jovens e bonitas e por suas posturas e poses poderosas encarnadas em cada imagem fotografada; locação e atmosfera do cenário; efeito do tratamento gráfico na imagem escolhida; e, diagramação dos elementos da página (imagem e texto). Neste caso, seguindo a argumentação anterior que aproxima o conteúdo jornalístico dos editoriais de moda ao estilo das peças publicitárias, tomo o editorial de moda como um gênero híbrido, com características informativas do jornalismo, e publicitário no que tange às características de glamourização de seus conteúdos. Para concluir, sem esgotar o assunto, o produto editoriais de moda carrega em sua gênese essa hibridização que vem sendo discutida nas transformações do jornalismo contemporâneo e que é apontada por Marshall: O determinismo econômico, matriz dos fenômenos sociais, está consequentemente na raiz do processo de mutação do jornalismo. A doutrina do livre mercado e a lógica do marketing e da publicidade, imperantes na sociedade da pós-modernidade,determinam a transgenia do campo jornalístico. (2003, p. 19).

10 10 REFERÊNCIAS A revista no Brasil. São Paulo: Editora Abril, BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, BUITONI, Dulcilia Helena Schroeder. Imprensa feminina. São Paulo: Atica, CIDREIRA, Renata Pitombo. A sagração da aparência: moda e imprensa p. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura Contemporâneas) Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, FAUSTO Neto, Antonio. A deflagração do sentido. In: Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, HOLLENBACH, Gabriela Boemler. Sexualidade em revista: as posições de sujeito em Nova e TPM. Dissertação de mestrado. (Mestrado em Comunicação e Informação) Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, JOFFILY, Ruth. O jornalismo e produção de moda. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, MARSHALL, Leandro. O jornalismo na era da publicidade. São Paulo: Summus, MIRA, Maria Celeste. O leitor e a banca de revistas: a segmentação da cultura no século XX. São Paulo: Olho d Água/Fapesp, RABAÇA, Carlos Alberto; BARBOSA, Gustavo Guimarães. Dicionário de comunicação. 2. ed. São Paulo: Campus, SCALZO, Marília. Jornalismo de revista. São Paulo: Contexto, VERÓN, Eliseo. Fragmentos de um tecido. São Leopoldo: UNISINOS, 2004.

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores**

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** 16 revistas 3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** Fonte: *IV (Out/09 a Set/10) E **Ipsos-Estudos Marplan/EGM- Out/09 a Set/10 Leitores Ambos, 10/+ anos Audiência Líquida das Revistas

Leia mais

Jornalismo de Moda. A Instituição: Fashion Campus

Jornalismo de Moda. A Instituição: Fashion Campus Jornalismo de Moda A Instituição: Fashion Campus O Fashion Campus é uma instituição que oferece cursos de extensão nas áreas de moda, arte, design e comportamento em Brasília. Temos como objetivo preparar

Leia mais

JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA

JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA Fashion Journalism in Bahia: Culture and Behavior on question Alves, Larissa Molina; Estudante; Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

CONTATOS: FASHION TEEN

CONTATOS: FASHION TEEN CONTATOS: FASHION TEEN End: QI 13 Bloco E Loja 08 Lago Sul Brasília DF Tel: + 55 61.3366.2277/ 61.8533.2515 E-mail: contato@fashionteen.com.br Web: www.fashionteen.com.br APRESENTAÇÃO CURSO FASHIONTEEN

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

12. JORNAL DE ONTEM. 5 a e 8 a SÉRIES. A vida no Egito e México antigos. Guia do Professor

12. JORNAL DE ONTEM. 5 a e 8 a SÉRIES. A vida no Egito e México antigos. Guia do Professor 5 a e 8 a SÉRIES 12. JORNAL DE ONTEM A vida no Egito e México antigos Áreas: H, LP, G, PC SOFTWARES NECESSÁRIOS: ENCICLOPÉDIA MICROSOFT ENCARTA 2000 MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT EXCEL 2000 MICROSOFT PUBLISHER

Leia mais

CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO

CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO CULTURA MIDIÁTICA E ADOLESCÊNCIA: O CORPO NA REVISTA CAPRICHO Flávia Mantovani Orientadora: Profª. Drª. Márcia Elisa Teté Ramos RESUMO O presente trabalho tem por objetivo apresentar, em linhas gerais,

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente.

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. .a agência A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. Nosso compromisso é auxiliar empresas e organizações

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 1. Tema As relações interpessoais na atualidade. 2. Delimitação do tema As relações humanas e a socialização. 3. Problema Qual a importância das relações interpessoais

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

Questões com textos não verbais. Prof. Bruno Augusto

Questões com textos não verbais. Prof. Bruno Augusto Questões com textos não verbais Prof. Bruno Augusto (ENEM) Em uma conversa ou leitura de um texto, corre-se o risco de atribuir um significado inadequado a um termo ou expressão, e isso pode levar a certos

Leia mais

As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers

As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers ASSUNTO em pauta As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers As lojas de shopping não estão explorando todo o potencial desta poderosa ferramenta de marketing. P o r Fábio Mestriner

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING A Estillo Fashion Training se concentra em tudo o que você quer e precisa saber sobre como trabalhar com imagem pessoal e imagem corporativa. Nosso objetivo é a

Leia mais

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Maicon Ferreira de SOUZA 3 Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. RESUMO O presente

Leia mais

Sumário. Tiragem 5. Empresa Projeto Editorial. Projeto Santander Projeto Gráfico

Sumário. Tiragem 5. Empresa Projeto Editorial. Projeto Santander Projeto Gráfico Sumário Empresa Projeto Editorial Tiragem 5 9 13 7 11 Projeto Santander Projeto Gráfico Locais de Distribuição Clientes 17 21 15 19 23 Distribuição Investimentos Agradecimento empresa A Shelter Editora

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Editorial de Moda: Anos 60 1

Editorial de Moda: Anos 60 1 Editorial de Moda: Anos 60 1 Lucas Paiva de OLIVEIRA 2 Rosana Vilanova LACERDA 3 Paola Monteiro CORRÊA 4 Gabriella Grendene ZANCHI 5 Renata STODUTO 6 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto Alegre,

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CORPORATIVA

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CORPORATIVA MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CORPORATIVA Índice 1. Introdução... Pág. 3 2. A Marca Atacadão Guarujá... Pág. 3 3. Logotipo... Pág. 4 4. Símbolo... Pág. 5 5. Utilização das Figuras Corporativas... Pág. 6

Leia mais

Quem Somos. Nossa meta é o resultado do cliente!

Quem Somos. Nossa meta é o resultado do cliente! 2 0 1 5 Quem Somos Somos a equipe que você deseja para resolver um pequeno impasse, ou um grande dilema, quando o assunto e a MÍDIA certa, no lugar certo e no momento adequado. Regional, personalizada

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE 11º Colóquio de Moda 8ªEdição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE The youth fashion

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 RESUMO Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 Ailanda Ferreira Tavares 2 Alciane Ayres da Mota 3 Raimunda Monteiro 4 Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, Pará O livro-reportagem

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial.

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial. www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial.html Cursos de extensão presencial A Extensão é a ação

Leia mais

203.000 146.000 1.420.000 2ª. BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente

203.000 146.000 1.420.000 2ª. BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente 5x maior que BOA FORMA vende mais de circulação garantida de BOA FORMA fala com mais de Entre as revistas femininas, é a

Leia mais

Máxima Nova Classe Média autoestima 33%

Máxima Nova Classe Média autoestima 33% Máxima é a primeira revista mensal totalmente voltada para os desejos e as necessidades da mulher da Nova Classe Média. Sua missão é ajudá-la a resolver as questões do seu dia a dia e ser fonte de inspiração

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CONSULTORIA SOLIDÁRIA: MODA BRECHÓ PARTICIPANTES: AMANDA CAROLINE COLOGNI - 060.115.469-00 FRANCIELE PEREIRA ANTUNES - 067.639.869-39 NAIARA DA ROSA PIRES

Leia mais

Os tempos mudaram. Campanha de valorização

Os tempos mudaram. Campanha de valorização Campanha de valorização Os tempos mudaram Terceira fase da Campanha de Valorização do Marketing Direto enfatiza a revolução nas formas de conquistar o público e a proximidade da disciplina com as novas

Leia mais

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas:

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas: Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ), uma campanha publicitária alertando sobre os

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/JORNALISMO ALINE BASSANESI DANYMEIRE RAMOS CARVALHO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/JORNALISMO ALINE BASSANESI DANYMEIRE RAMOS CARVALHO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/JORNALISMO ALINE BASSANESI DANYMEIRE RAMOS CARVALHO PRÉ-PROJETO DA REVISTA FEMINIS/ A CONQUISTA DA MULHER NO ESPAÇO MASCULINO

Leia mais

Revista Lilica & Tigor

Revista Lilica & Tigor filhos família moda Revista Lilica & Tigor Lilica & Tigor é a revista produzida para o Grupo Marisol S.A., uma das maiores indústrias nacionais no segmento de vestuário, que hoje detém como marcas Lilica

Leia mais

Curso Completo de Marketing Multinível MARKETING DE ATRAÇÃO

Curso Completo de Marketing Multinível MARKETING DE ATRAÇÃO Curso Completo de Marketing Multinível MARKETING DE ATRAÇÃO MARKETING DE ATRAÇÃO Uma das estratégias mais poderosas que você pode usar para trabalhar com contatos frios é o marketing de atração. Esse é

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

Mídia Kit 2016. Você é nosso convidado a mudar a forma como se relaciona com os seus clientes

Mídia Kit 2016. Você é nosso convidado a mudar a forma como se relaciona com os seus clientes Mídia Kit 2016 Você é nosso convidado a mudar a forma como se relaciona com os seus clientes Conceito Muito prazer, somos a Revista Viva Minas! Nos autodefinimos como um veículo de comunicação para leitores

Leia mais

PÚBLICO ALVO DO PROJETO ESTRUTURA E GÊNERO DRAMÁTICO

PÚBLICO ALVO DO PROJETO ESTRUTURA E GÊNERO DRAMÁTICO APRESENTAÇÃO A aparência é um manifesto de nossa personalidade. Através das roupas, penteados, acessórios, tatuagens etc. comunicamos ao resto do mundo uma infinidade de informações: do lugar social até

Leia mais

Guia de Entretenimento da cidade de São Paulo

Guia de Entretenimento da cidade de São Paulo O Aplicativo VEJA SP O aplicativo VEJA São Paulo foi lançado em maio de 2010, com o objetivo de ser o melhor e mais completo Guia de Entretenimento da cidade de São Paulo. Para isso, seu conteúdo reune

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

Mudanças de paradigmas no estereotipo da mulher na propaganda

Mudanças de paradigmas no estereotipo da mulher na propaganda UMESP Universidade Metodista de São Paulo Mudanças de paradigmas no estereotipo da mulher na propaganda Autoras: Celeste Marinho Manzanete Roberta Baldo Orientador: Profº Dr. Gino Giacomini Filho São Bernardo

Leia mais

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1 Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O presente trabalho apresenta a experiência de produção laboratorial

Leia mais

Editora. Palavra da. Rosana Di Hipolito Editora da Revista Arraso

Editora. Palavra da. Rosana Di Hipolito Editora da Revista Arraso Mídia Kit 2015 Palavra da Editora Mas por que falar só de moda se ela não se restringe ao seu closet? A moda está na sala da sua casa, no seu jardim, na festa do seu casamento, na educação dos seus filhos

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro. Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia

2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro. Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia 2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia Juruaia, 16/09/2010 SEDE Secretária de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Reforço da Competitividade

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Audiência PAINEL 1 DESTAQUES DO CASE

Audiência PAINEL 1 DESTAQUES DO CASE Audiência Os dados eram muito expressivos e demonstravam a força dos jornais, principalmente em suas cidades sede, mesmo quando comparado a outros meios tidos pelo senso comum do mercado como mais fortes.

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

Ao saber destes aumentos por jornais (impressos e TV), estimulamos a pergunta de se isso impacta na forma que ele gasta seu dinheiro:

Ao saber destes aumentos por jornais (impressos e TV), estimulamos a pergunta de se isso impacta na forma que ele gasta seu dinheiro: PESQUISA: 2015 AMOSTRA: 525 pessoas da classe AB 13 de dezembro 5 capitais brasileiros: Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador e Brasília A ideia da pesquisa foi entender as expectativas do brasileiro

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS

Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO: objetivo do livro. O ambiente pro ssional (mercado): veículos, agências, empresas privadas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA Coleção de moda para o público infantil aliando Arte & Cultura à técnica de estamparia

Leia mais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais INTRODUÇÃO Em plena era 2.0 é imprescindível que as empresas estejam presentes na

Leia mais

O QUE FUNCIONA EM PUBLICIDADE NO VAREJO. Paulo Secches Officina Sophia

O QUE FUNCIONA EM PUBLICIDADE NO VAREJO. Paulo Secches Officina Sophia O QUE FUNCIONA EM PUBLICIDADE NO VAREJO Paulo Secches Officina Sophia Realização organização O QUE FUNCIONA E O QUE NÃO FUNCIONA NA COMUNICAÇÃO DE VAREJO Julho / 2012 TRÊS QUESTÕES-CHAVE A Comunicação

Leia mais

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Washington Anibal CORREA 2 Egberto Gomes FRANCO 3 Daniel Ladeira de ARAÚJO 4 Miguel VALIONE JUNIOR 5 Faculdade do Povo,

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015 REGULAMENTO I - AS CATEGORIAS São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 11 de Matéria Completa 3 de Texto 4 de Arte 4 de Fotografia 5 Digitais 2 Especiais Prêmio Roberto Civita Prêmio Matéria

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. ARARIBÁ HISTÓRIA O livro tem oito unidades, divididas

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Daniela Baldo Martins

Daniela Baldo Martins Daniela Baldo Martins O IMPACTO DAS REDES SOCIAIS NOS PEQUENOS COMÉRCIOS Como aproveitar os canais e ferramentas on-line para obter resultados nos negócios Universidade Metodista de São Paulo São Bernardo

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

FOTOGRAFIA DE MODA EM GOIÁS

FOTOGRAFIA DE MODA EM GOIÁS FOTOGRAFIA DE MODA EM GOIÁS Fashion photography in Goiás Autora MOURA, Gabriela B. F. de; Graduanda em Design de Moda; Universidade Federal de Goiás bibi_ferraz_@hotmail.com Orientador SILVA, Odinaldo

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

MAIS QUE UM BLOG um estilo de vida. Um ESTILO que só as BURGUESINHAS tem!

MAIS QUE UM BLOG um estilo de vida. Um ESTILO que só as BURGUESINHAS tem! Mídia Kit 2015 MAIS QUE UM BLOG um estilo de vida. Um ESTILO que só as BURGUESINHAS tem! BURGUESINHAS Com cinco anos de existência (surgiu no dia 14 de fevereiro de 2010), o Burguesinhas é um blog de entretenimento

Leia mais

JOOPP O construtor de sites mais rápido do mundo!

JOOPP O construtor de sites mais rápido do mundo! O construtor de sites mais rápido do mundo! DIFERENÇAS ENTRE PÁGINA DO FACEBOOK (FANPAGE) E PERFIL Página no Facebook (Fanpage) Fanpage é uma página no facebook própria para empresas; Vantagens: Pode ser

Leia mais

SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO. Jheniffer Oliari; Graziela Morelli Centro Universitário de Brusque - Unifebe

SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO. Jheniffer Oliari; Graziela Morelli Centro Universitário de Brusque - Unifebe Trabalho 001 SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO Jheniffer Oliari; Graziela Morelli E-mail: jhenifferoliari@ig.com.br Palavras-chave: Surfwear; Surf; Vestuário A indústria surfwear é um dos segmentos da indústria

Leia mais