DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes"

Transcrição

1 DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013

2 Introdução Estoques são acumulações de matérias-primas, de materiais em processo e de produtos acabados que surgem em diversos pontos da cadeia de suprimentos: Estoque em trânsito Estoque na fábrica Estoque em campo

3 Razões a favor dos estoques Garantia da disponibilidade do produto e melhoria do nível de serviço ao cliente Fidelização Aumento das vendas Redução de custos Operações de produção mais prolongadas e equilibradas Economias em compras (aproveitamento de descontos em função da quantidade) Economias em transporte (aproveitamento das economias de escala existentes na estrutura custo-frete) Redução do impacto de incertezas associadas ao tempo do ciclo do pedido Prevenção contra contingências

4 Razões contra os estoques Estoques podem ser considerados desperdício, pois absorvem capital que poderia ser utilizado para incrementar a produção e a competitividade Desvio de atenção quando há problemas de qualidade Isolamento de elos do canal logístico, o que dificulta o planejamento integrado da cadeia de suprimentos

5 Razões contra os estoques

6 Tipos de estoques Canal Estoques em trânsito entre os elos do canal de suprimentos Quando o modal de transporte é lento ou as distâncias são longas, os estoques no canal tendem a exceder o estoque existente nos pontos de depósito Especulação Estoques para especulação envolvendo o preço da matériaprima (ouro, prata,...) Regular Estoque necessário para suprir a demanda média no período de tempo entre dois reabastecimentos Depende do tamanho do lote de produção, das quantidades de embarque, dos prazos de reposição etc

7 Tipos de estoques Segurança Acréscimo ao estoque normal (regular) como forma de prevenção contra a variabilidade da demanda e dos prazos de reposição Obsoleto ou morto Estoque deteriorado ou ultrapassado que acaba sendo perdido durante um armazenamento prolongado

8 Fatores impactantes no gerenciamento de estoques Filosofia de gerenciamento Grau de agregação de produtos Existência de estoques de múltiplos estágios Existência de estoques virtuais

9 Filosofias de gerenciamento de estoques Estoque puxado Cada ponto de estocagem é considerado isoladamente A previsão de demanda e a determinação das quantidades de reposição levam em conta apenas as condições locais Não considera o impacto das quantidades e dos tempos de reposição nas fábricas de origem

10 Filosofias de gerenciamento de estoques Estoque empurrado Os níveis de estoque são estabelecidos coletivamente no canal de suprimentos As fábricas alocam quantidades de reposição aos pontos de estocagem de acordo com as projeções de necessidade de cada local, espaço disponível ou algum outro critério

11 Custos relevantes Custos de aquisição Custos de manutenção Custos de falta de estoques

12 Custos relevantes Custos de aquisição Preço de compra ou custo de fabricação do produto Custo da preparação do processo de produção Custo de processamento e de transmissão do pedido Custo de transporte do pedido

13 Custos relevantes Custos de manutenção Custos de espaço (aluguel ou próprio) Custos de capital (representam a maior parte dos custos totais de estoque) Custos dos serviços de estocagem: seguros, impostos,... Custos dos riscos de estocagem: perda direta do valor do produto ou custo de retrabalho devido à deterioração, roubo, danos ou obsolescência

14 Custos relevantes Custos de falta de estoques Resultam quando um pedido não pode ser atendido a partir do estoque ao qual foi encaminhado Custos de vendas perdidas: lucro perdido (hoje e no futuro) Custos de pedidos atrasados: custo adicionais de processamento

15 Controle de estoques empurrados Qual é o estoque ideal a ser mantido em cada ponto de estocagem? Qual é a parte de uma ordem de compra ou de um processo de produção a ser alocada em cada ponto de estoque? Como distribuir os suprimentos excedentes?

16 Controle de estoques empurrados Exemplo: Empresa processadora de produtos de atum A planta central possui uma capacidade de produção de 125 mil libras que precisa ser alocada a três armazéns centrais devido a sua capacidade limitada de armazenamento Armazém Nível atual de estoque (lb) Demanda prevista (lb) Erro de previsão (desvio padrão) (lb) Nível de disponibilidade de estoques (%)

17 Controle de estoques puxados O controle de estoque puxado baseia-se na determinação dos pedidos de reposição de estoques ao longo do tempo Quais são os fatores que influenciam os modelos de reposição de estoques?

18 Controle de estoques puxados Demanda Constante x Variável Conhecida x Aleatória Contínua x Discreta Tempo de reposição Nulo Constante ou variável (determinístico/estocástico) Dependência dos itens Independente x Dependente Tempo de revisão Contínuo x Periódico Número de camadas Única x Multi (>1) Capacidade/Recursos Ilimitada x Limitada Descontos Inexistente x Variável Excesso de demanda (falta de estoque) Inexistente Pedidos pendentes Pedidos perdidos Substituição Perecibilidade Inexistente x Uniforme com o tempo Horizonte de planejamento Período único Período finito x Período infinito Número de itens Um x Muitos Forma do produto Estágio único x Multi-estágio

19 Modelo EOQ (Economic Order Quantity) Demanda Constante x Variável Conhecida x Aleatória Contínua x Discreta Tempo de reposição Nulo Constante ou variável (determinístico/estocástico) Dependência dos itens Independente x Dependente Tempo de revisão Contínuo x Periódico Número de camadas Única x Multi (>1) Capacidade/Recursos Ilimitada x Limitada Descontos Inexistente x Variável Excesso de demanda (falta de estoque) Inexistente Pedidos pendentes Pedidos perdidos Substituição Perecibilidade Inexistente x Uniforme com o tempo Horizonte de planejamento Período único Período finito x Período infinito Número de itens Um x Muitos Forma do produto Estágio único x Multi-estágio

20 Modelo EOQ (Economic Order Quantity) Hipóteses: Demanda é uniforme e determinística O tempo de reposição é nulo Toda a quantidade pedida é recebida

21 Modelo EOQ (Economic Order Quantity) Tamanho do pedido: há muitas políticas potenciais

22 Modelo EOQ (Economic Order Quantity) Custo relevante total: custo de aquisição + custo de manutenção D TC S IC Q Q 2 TC = custo relevante total anual de estoque Q = tamanho do pedido de reposição D = demanda anual de itens (taxa constante e determinística) S = custo de colocação do pedido C = valor do item em estoque I = custo da manutenção do item em estoque (% do valor do item)

23 Modelo EOQ (Economic Order Quantity) Quantidade de pedido que minimiza o custo relevante total: Q* 2DS IC Número ótimo de pedidos anuais: Intervalo ótimo entre pedidos: D N Q * T* Q* D Custo total mínimo: TC* 2 D S I C

24 Análise de sensibilidade - Modelo EOQ Quão sensível é a política de estoques com relação a: Tamanho do pedido (maior ou menor que o ótimo) Demanda (maior ou menor que a esperada)

25 Análise de sensibilidade - Modelo EOQ Exemplo: Demanda anual: 2000 unidades Custo de colocação de um pedido: $500 Valor do produto: $50 Custo de manutenção de estoque: 25% ao ano

26 Custo Análise de sensibilidade - Modelo EOQ Determinação da quantidade ótima de pedido: Q* 400 TC* 5000 T* 0,2 anos Custo do pedido Custo de manutenção 4000 Custo relevante total Tamanho do pedido (Q)

27 Análise de sensibilidade - Modelo EOQ Sensibilidade com relação ao tamanho do pedido: D Q S IC TC( Q) Q 2 1 Q* Q TC( Q*) 2 D S I C 2 Q Q* Q Custo do pedido Custo de manutenção Custo relevante total Q/Q* (%) TC/TC* (%) , , , ,5 Q* = , ,5

28 Análise de sensibilidade - Modelo EOQ Sensibilidade com relação ao tamanho do pedido:

29 Análise de sensibilidade - Modelo EOQ Sensibilidade com relação à demanda: E = Demanda real/demanda Estimada Q = Quantidade econômica de pedido para demanda estimada Q* = Quantidade econômica de pedido para a demanda real Q 2DS IC E D D Demanda real Demanda estimada Q* Q E TC 1 1 E TC * 2 E

30 Análise de sensibilidade - Modelo EOQ Para D =2000 unidades: D E Q*/Q TC /TC* 200 0,10 0,32 1, ,50 0,71 1, ,75 0,87 1, ,90 0,95 1,00 D = ,00 1,00 1, ,50 1,22 1, ,00 1,41 1, ,00 3,16 1,74

31 Reflexões sobre o modelo EOQ Baseia-se no trade-off entre tamanho do pedido e estoque médio Custo total é relativamente insensível a mudanças em: Q arredondamentos no tamanho do pedido D erros de previsão S, C, I erros nos parâmetros de custo O modelo EOQ é amplamente utilizado apesar de suas hipóteses restritivas

32 Extensões ao modelo EOQ Reposição com prazo de entrega

33 Extensões ao modelo EOQ Reposição com prazo de entrega Reorder point (ROP): Quantidade a que se permite que o estoque baixe antes de encaminhar o pedido de reposição Política de estoque: fazer o pedido de Q* unidades quando o nível de estoque atingir ROP ROP d LT ROP = nível de estoque do ponto de reposição d = taxa de demanda LT = prazo médio de entrega do pedido de reposição

34 Controle avançado de estoque puxado Há impossibilidade de determinar com precisão a demanda e os prazos de entrega Além do estoque regular, há necessidade de um adicional (estoque de segurança) que determina o nível da disponibilidade de estoque ao cliente a partir do controle da probabilidade de ocorrência de uma situação de falta de estoque

35 Modelo com demanda probabilística Demanda Constante x Variável Conhecida x Aleatória Contínua x Discreta Tempo de reposição Nulo Constante ou variável (determinístico/estocástico) Dependência dos itens Independente x Dependente Tempo de revisão Contínuo x Periódico Número de camadas Única x Multi (>1) Capacidade/Recursos Ilimitada x Limitada Descontos Inexistente x Variável Excesso de demanda (falta de estoque) Inexistente Pedidos pendentes Pedidos perdidos Substituição Perecibilidade Inexistente x Uniforme com o tempo Horizonte de planejamento Período único Período finito x Período infinito Número de itens Um x Muitos Forma do produto Estágio único x Multi-estágio

36 Modelo com demanda probabilística

37 Modelo com demanda probabilística Como se distribui a demanda durante o prazo de entrega (DDLT)? Demanda no período t: Média: Desvio-padrão: Demanda durante o prazo de entrega ( LT nt ): Média: d d LT Desvio padrão: s d s s LT d d

38 Modelo com demanda probabilística

39 Modelo com demanda probabilística Política de estoque: 2DS Q* IC Para uma determinada probabilidade de presença em estoque durante o prazo de entrega ROP d LT z s d AIL Q 2 z s d Estoque de segurança Estoque médio Estoque regular

40 Modelo com demanda probabilística O custo relevante total passa a conter dois novos termos : Custo do estoque de segurança Custo da falta de estoque Como obter o número esperado de itens em falta no estoque? Usar uma função perda: L(k) = valor esperado de uma variável aleatória X exceder um limite especificado k

41 Modelo com demanda probabilística Função Perda: L( k) x k p x xk L( k) xo k fx xo dxo k Qual o valor de L(k) se k=5? Demanda ~U(1,8) Estoque de segurança = 5 Número esperado de itens faltantes em um ciclo de pedido: L(k) = 0,75 Se f N, s L k s E k x d d Em que: E(k) -> Função Perda Normal E( k) x k ( x) dx N k 0,1

42 Modelo com demanda probabilística O custo relevante total passa a conter dois novos termos : TC D S IC Q z s IC D k s E Q 2 Q d d ( z) Custo do estoque de segurança Custo da falta de estoque k custo unitário da falta de estoque (sd )E(z) número previsto de itens em falta no estoque durante um ciclo de pedido E(z) função perda normal

43 Modelo com demanda probabilística É possível estabelecer uma métrica de nível de serviço associada ao índice de atendimento ao cliente: Nível de serviço = 1 [(Número esperado de unidades faltantes no período t)/(demanda total no período t)] SL D Q s E s E 1 1 D Q d ( z) d ( z)

44 Modelo com demanda probabilística Exemplo Determinar uma política de estoque para o seguinte problema:

45 Modelo com incerteza da demanda e do prazo de entrega Demanda Constante x Variável Conhecida x Aleatória Contínua x Discreta Tempo de reposição Nulo Constante ou variável (determinístico/estocástico) Dependência dos itens Independente x Dependente Tempo de revisão Contínuo x Periódico Número de camadas Única x Multi (>1) Capacidade/Recursos Ilimitada x Limitada Descontos Inexistente x Variável Excesso de demanda (falta de estoque) Inexistente Pedidos pendentes Pedidos perdidos Substituição Perecibilidade Inexistente x Uniforme com o tempo Horizonte de planejamento Período único Período finito x Período infinito Número de itens Um x Muitos Forma do produto Estágio único x Multi-estágio

46 Modelo com incerteza da demanda e do prazo de entrega Qual o desvio padrão da distribuição DDLT com base na incerteza tanto da demanda quanto do prazo de entrega? s LT s d s d d LT s LT desvio padrão do prazo de entrega

47 Modelo com incerteza da demanda e do prazo de entrega

48 Modelo com incerteza da demanda e do prazo de entrega

49 Controle agregado de estoques Planejamento de longo prazo: Interesse maior pelo investimento total comprometido em estoques e com os níveis de serviço para grupos ampliados de itens do que pelo controle de itens separados Como estabelecer políticas de controle agregado de estoques? Como atingir um objetivo para o sistema como um todo?

50 Controle agregado de estoques Algumas políticas de controle agregado de estoques: Classificação ABC Giro de estoques Limite de investimentos Curvas de troca

51 Classificação ABC e giro de estoques Giro = (vendas anuais) / (investimento médio em estoque) Itens A Ampla distribuição geográfica Elevado número de armazéns Altos níveis de estoques Itens B Poucos armazéns regionais Níveis intermediários de estocagem Itens C Único ponto central de estocagem Menores níveis de estocagem

52 Limite de investimentos ( ) i i i i i i i i i i i Q C L DS Q C I D S C L Supondo um limite L de investimento para itens i em estoque Artifício para obter Q revisado:

53 Curvas de troca Estoque regular (Situação 1): Trade-off entre o estoque regular total e o número de pedidos de reposição Estoque de segurança (Situação 2): Trade-off entre o estoque de segurança total e o nível de serviço

54 Curvas de troca Situação 1: S = custo comum de colocação do pedido para todos os itens I = custo comum de manutenção do estoque (% do valor do item) Di = demanda do item i Ci = valor do item i Qi = quantidade econômica de pedido (EOQ) do item i Investimento total em estoque regular: Número total de pedidos de reposição: 2DS i Q ICi InvestTot C C i 2 2 n n i i i1 i1 N n D Q i n i1 i i1 D i 2DS i IC i InvestTot n SDiCi S 1 2I I 2 i1 i1 n D C i i N n IDiCi I 1 2S S 2 i1 i1 n D C i i

55 Curvas de troca S/I = S/I = 10 Curva de troca para 65 itens de uma enfermaria de um hospital Ponto Current Operations calculado a partir dos pedidos reais Permite que a administração determine valores de S/I para atender limites orçamentários: Supondo InvestTot = $ 20000, N = 100 e S/I = 200

56 Curvas de troca Situação 2: = desvio padrão da demanda do item i durante o prazo de entrega s di zi = z associado a uma probabilidade de presença em estoque do item i durante o prazo de entrega ki = custo unitário da falta de estoque Di = demanda do item i Ci = valor do item i Qi = quantidade econômica de pedido (EOQ) do item i Investimento total em estoque de segurança: Nível de serviço InvestTot C z s Número esperado de situações de falta de estoque: Custo esperado da falta de estoque: n i1 i i di D n i NFE s di E( zi ) i1 Qi n Di FE i di ( zi ) i1 Qi Custo k s E

57 Curvas de troca z = 3 z = 1,6 Curva de troca para 65 itens de uma enfermaria de um hospital Permite que a administração determine valores de z para atender limites orçamentários: Supondo InvestTot = $ 1500, esperaríamos aproximadamente 100 situações de falta de estoque em um ano e determinaríamos z = 1,6

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Administração e Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração e Materiais e Recursos Patrimoniais Gestão de Estoques Administração e Materiais e Recursos Patrimoniais 07 novembro Cícero Fernandes Marques Estoques Estoques podem ser uma forma das organizações se protegerem da imprevisibilidade dos processos

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway):

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway): Um inventário (stock) é uma reserva de materiais para facilitar a produção ou satisfazer a procura pelos clientes. Os stocks funcionam como almofadas entre as diversas taxas de procura e produção Os inventários

Leia mais

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto ESTOCAGEM Processos e Serviços em Transporte Curso Técnico em Logística Módulo II Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto CONTEÚDO Vantagens de constituir estoques; Custos de Estoques: fixos e variáveis; Classificação

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO

RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO Aluna: Joana Freire de Carvalho Orientador: Fernanda Maria

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Planejamento e Gestão de Estoques

Planejamento e Gestão de Estoques PLANO DE AULA Planejamento e Gestão de Estoques Objetivo: Descrever o papel exercido pelo estoque na cadeia de suprimentos e as possíveis ações para administrálo sem afetar a eficiência da cadeia de suprimentos.

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

O PRODUTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes

O PRODUTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes O PRODUTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé R. Murça TRA-53 Logística e Transportes Agosto/2013 Natureza do produto logístico Parte física Peso Volume Forma Desempenho Durabilidade Parte intangível

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer a terminologia usada na gestão de estoques Conhecer os métodos e procedimentos básicos de planejamento

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Planejamento da Movimentação de Mercadorias

Planejamento da Movimentação de Mercadorias Planejamento da Movimentação de Mercadorias Engenharia Logística II Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar as maneiras pelas quais produção e demanda devem ser compatibilizadas

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO Este texto é o segundo de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva diferente da

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 10 09/06/2016 Logística

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Abril/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 08 Suprimentos e administração de materiais Gestão de

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla Gestão de Stocks Março 2000 Introdução Objectivos Perceber o que é o stock Saber como classificar stocks Saber fazer uma análise ABC Saber comparar modelos de gestão de stocks Saber utilizar modelos de

Leia mais

Gestão de Estoques. Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP

Gestão de Estoques. Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP Gestão de Estoques Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP Sumário Introdução A arte da segmentação Políticas Diferenciadas Aspectos Fundamentais Políticas de Estoques

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado Gestão de Operações: Gestão de e MRP 1 genda Gestão de s (1a parte) MRP (Materials Requirements Planning) Gestão de Operações: Gestão de e MRP 2 Gestão de Stocks - Definição de Sistema de Classificação

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

DECISÕES EM TRANSPORTES

DECISÕES EM TRANSPORTES TOMANDO DECISÕES SOBRE TRANSPORTE NA PRÁTICA DECISÕES EM TRANSPORTES Professor ALINHAR AS ESTRATÉGIAS COMPETITIVA E DE TRANSPORTE CONSIDERAR O TRANSPORTE FEITO PELA PRÓPRIA EMPRESA E O TERCEIRIZADO (OPERADOR)

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO

RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. 1 RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO Disciplina: Movimentação e Armazenagem de Materiais CARGA UNITÁRIA 1.4

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE 1. A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais no estoque. 2. Materiais que requerem cuidados especiais na armazenagem

Leia mais

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS Prof. Gilberto Porto Recursos Materiais Prova: CESPE - 2013 - MPU - Técnico AdministraMvo Na figura, a curva ABC representa uma situação

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A OTIMIZAÇÃO DA CADEIA LOGÍSTICA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Por: Narcio Batista dos Santos Orientador: Prof.: Jorge Tadeu

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

GESTÃO DA DA CADEIA PRODUTIVA

GESTÃO DA DA CADEIA PRODUTIVA ENG ENG 3051 3051 GESTÃO DA DA CADEIA PRODUTIVA Engenharia de Produção Prof. Ricardo Ferrari Pacheco GESTÃO DA CADEIA PRODUTIVA 59 2 O PROCESSO DE ABASTECIMENTO E COMPRAS Aí vêm sete anos de grande abundância

Leia mais

Projeto de Armazéns e Modelos de Armazenamento

Projeto de Armazéns e Modelos de Armazenamento Projeto de Armazéns e Ricardo A. Cassel Projeto de Armazéns Modelos de armazenamento baseado em classes 1 O armazenamento dedicado é utilizado quando uma unidade mantida em estoque (SKU) é designada para

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Armazenagem e movimentação de materiais

Armazenagem e movimentação de materiais V I R T U A L Armazenagem e movimentação de materiais Lote econômico e estoque de segurança GESTÃO DE LOGÍSTICA Professor: Wilson Luigi Silva Mestre em Administração Apresentação da unidade Uma vez determinada

Leia mais

Classificação de Materiais

Classificação de Materiais Classificação de Materiais A classificação de materiais é o processo de aglutinação de materiais por características semelhantes. O sucesso no gerenciamento de estoques depende, em grande parte, de bem

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Armazenagem de Produtos

Armazenagem de Produtos Armazenagem de Produtos Engenharia Logística I Objetivos Facilitar o engenheiro de logística a analisar o processo logístico, com uma maior ênfase ao controle de estoque, identificando a importância que

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE

Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE Nos anos 80 muitas empresas tiveram problemas estratégicos sérios por acharem que deveriam, a todo o custo, BAIXAR A ZERO seus estoques, seduzidas por uma leitura equivocada

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

2 Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (Q, R)

2 Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (Q, R) Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (, ) Neste capítulo é apresentado um modelo para o sistema de controle de estoque (,). Considera-se que a revisão dos estoques é continua e uma encomenda de

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

COMPETÊNCIAS DECISIVAS I N C O M P A N Y PETTERSON GROUP

COMPETÊNCIAS DECISIVAS I N C O M P A N Y PETTERSON GROUP COMPETÊNCIAS DECISIVAS I N C O M P A N Y PETTERSON GROUP Módulo 1 Macro Distribuição e Cadeia Suprimentos pettersongroup.com.br Macro Distribuição e Cadeia Suprimentos IN COMPANY V Estoque no sistemas

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTO PREÇO. Custo: Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço

CUSTOS LOGÍSTICOS CUSTO PREÇO. Custo: Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço OBSERVAÇÃO IMPORTANTE CUSTOS LOGÍSTICOS Prof., Ph.D. CUSTO PREÇO : Quanto a organização irá gastar para produzir o produto/serviço Preço: Decisão de negócio - Quanto a empresa cobrará pelo serviço SÍNTESE

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS PRIAD - Adm. Materiais e Logística Prof. Célio 1 PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS QUESTÃO 1. Aponte a alternativa que não corresponde aos objetivos da Logística Empresarial

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 LOGÍSTICA Capítulo - 4 Conceitos relacionados com o Objectivos Aplicação dos conceitos básicos de gestão de inventário; Como calcular o stock de segurança; Verificar como as políticas de produção influenciam

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Problema de Transporte. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos

Problema de Transporte. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos Problema de Transporte Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos Problema de Transporte Rede bipartida onde um conjunto contém nós de oferta e o outro

Leia mais