FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS"

Transcrição

1 FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG

2 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO PROFª. Ms. MARIA HELIODORA DO VALE ROMEIRO COLLAÇO GESTOR DO CURSO PROF. Esp. Eduardo Fernandes Saad Faculdade de Talentos Humanos Rua Manoel Gonçalves de Rezende nº 230 Bairro São Cristóvão Uberaba - MG CENTRAL DE ATENDIMENTO:

3 Ficha Técnica Curso Sistemas de Informação Ato de autorização Portaria Ministerial nº , de 06/05/2005 Ato de reconhecimento Portaria Ministerial nº 159, de 03/02/2009, publicada no Diário Oficial da União em 06/02/2009 Titulação conferida Bacharel em Engenharia Civil Especialista em Análise de Sistemas, Docência Universitária, Gestão Educacional, Geração de Energia Duração Mínima de 4 anos e máxima de 6 anos. Periodicidade Semestral Turno Noturno Número de vagas anual 160 Contato Prof. Esp. Eduardo Fernandes Saad Faculdade de Talentos Humanos Rua Manoel Gonçalves de Rezende nº 230 Bairro São Cristóvão Uberaba - MG 3

4 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 3. BREVE HISTÓRICO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 4. CONCEPÇÃO DO CURSO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 5. OBJETIVO GERAL... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 7. PERFIL DO EGRESSO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 8. CONSIDERAÇÕES GERAIS... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 9. FLEXIBILIDADE... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 10. COMPONENTES CURRICULARES. ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 11. ESTÁGIO CURRICULAR... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 12. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 13. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 14. FORMAS DE INGRESSO E INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 15. SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EMENTÁRIO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 17. ESTRUTURA DE LABORATÓRIOS PROFISSIONALIZANTES... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 18. ESTRUTURA DA BIBLIOTECA... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 19. AVALIAÇÃO DO CURSO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 20. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 4

5 APRESENTAÇÃO Este documento contém o Projeto Pedagógico do curso de Sistemas de Informação da FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS (FACTHUS). Em meados da década de 90, a idéia de projeto pedagógico passou a ser objeto de estudo e discussão no meio acadêmico de quase todas as instituições de ensino do país. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional instituída em 1996 (Lei 9.394/96), em seu artigo 12, inciso I, prevê que os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de elaborar e executar sua proposta pedagógica, deixando explícita a idéia de que a escola não pode prescindir da reflexão sobre sua intencionalidade. Assim, a elaboração deste projeto se fundamentou na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Lei nº 9.394/96, no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da FACTHUS, nas Diretrizes Curriculares Nacionais para Cursos de Graduação em Computação e Informática. MATRIZ CURRICULAR - CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1º PERÍODO Algoritmos Estruturados Filosofia e Ética Introdução à Computação Língua Portuguesa Matemática Básica

6 Teoria Geral da Administração DO PERÍODO º PERÍODO 3º PERÍODO Algoritmos e Linguagem Programação Arquitetura e Organização de Computadores Cálculo Contabilidade Inglês Instrumental Sociologia DO PERÍODO Administração da Produção Análise de Sistemas Estatística Programação Orientada a Objetos Sistemas Operacionais DO PERÍODO º PERÍODO Administração de Sistemas Operacionais Desenvolvimento de Sistemas Orientado a Objetos Engenharia de Software Estrutura de Dados Redes de Comunicação DO PERÍODO º PERÍODO Banco de Dados

7 Desenvolvimento de Sistemas para Web Direito Virtual Gerência de Projetos de Software Metodologia da Pesquisa Científica Redes Wireless Sistemas Distribuídos DO PERÍODO º PERÍODO Administração de Banco de Dados Administração e Segurança de Redes Comunicações Móveis Governança em Tecnologia da Informação Interface Homem-máquina Qualidade de Software Segurança e Auditoria em Informática DO PERÍODO º PERÍODO Computação Gráfica Fundamentos de Hardware e Microcontroladores Inteligência Artificial Orientação de Estágio Projeto Integrado Sistemas Embarcados DO PERÍODO PE RÍO Administração de Comércio Eletrônico

8 Empreendedorismo Infraestrutura de Tecnologia da Informação Inovação e Novas Tecnologias Aplicadas a Sistemas de Informação Optativa Perícia em Infomática Processamento de Imagens Trabalho de Conclusão de Curso DO PERÍODO DE S ESTÁGIO SUPERVISIONADO 260 ATIVIDADES COMPLEMENTARES 150 DO CURSO h.a SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O Sistema de Avaliação do processo de ensino e aprendizagem da Faculdade de Talentos Humanos FACTHUS, em conformidade com o Regimento Unificado e as Instruções Normativas que regulamentam sua aplicação, será realizado da seguinte forma: 1. A avaliação da aprendizagem e do desempenho escolar será feita por disciplina incidindo, sobre aspectos quantitativos: aproveitamento aferido nos conteúdos, competências e habilidades desenvolvidos pelos alunos e aspectos qualitativos: postura e ética observadas na conduta acadêmica. 2. A freqüência às aulas e participação nas demais atividades acadêmicas serão obrigatórias e constituirão direito dos alunos regularmente matriculados o usufruto pleno de todos os serviços educacionais oferecidos pela Instituição, nos termos do Contrato de Prestação de Serviços Educacionais assinado entre as partes O relatório de freqüência dos alunos (diário), a ser elaborado por disciplina, deverá ser entregue pelo professor à Secretaria Acadêmica, em prazo por ela determinado e será amplamente divulgado para acompanhamento dos interessados. 8

9 2.2. Independente dos demais resultados obtidos será considerado reprovado na disciplina o aluno que não tenha obtido freqüência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades desenvolvidas, durante o período letivo Será dado tratamento excepcional para alunos amparados por legislação específica, sendo-lhes atribuídos nesses casos, como compensação da ausência às aulas, exercícios domiciliares supervisionados com acompanhamento docente, segundo normas regulamentadas pelo Colegiado de Coordenadores e aprovadas pelo Conselho Acadêmico em consonância com a legislação vigente A freqüência ao Estágio Supervisionado, Atividades Complementares e atividades de Prática Profissional obedecerá a regulamentos específicos, estabelecidos pelo Colegiado de Coordenadores e aprovados pelo Conselho Acadêmico, em consonância com a legislação vigente. 3. O aproveitamento escolar, em cada disciplina, será aferido através do acompanhamento contínuo do aluno, realizado por meio de proposta discutida, negociada e definida entre o professor e os alunos, no início de cada período letivo, consideradas as decisões gerais do Colegiado de Coordenadores aprovadas pelo Conselho Acadêmico Competirá ao professor da disciplina elaborar os instrumentos de avaliação de acordo com o seu Plano de Ensino, bem como analisar, julgar, registrar, discutir em classe os resultados apresentando medidas de intervenção necessárias à auto-superação dos alunos, em tempo hábil, de forma a garantir o sucesso do processo de ensinoaprendizagem. 4. A verificação do aproveitamento deverá ser entregue à Secretaria Acadêmica ao final de cada bimestre letivo, em data previamente estabelecida e agendada no Calendário Acadêmico. 5. Para fins de registro acadêmico, ao aproveitamento final do aluno será atribuído, de acordo com critérios definidos pelo Colegiado de Coordenadores e aprovados pelo Conselho Acadêmico, um resultado final correspondente ao seu desempenho acadêmico. 9

10 5.1. Em cada disciplina, durante o período letivo, haverá quantas avaliações forem consideradas necessárias para o acompanhamento do desempenho dos alunos, desde que nunca inferior a 03 (três) e de forma adequada à natureza da disciplina Em cada disciplina serão distribuídos 40 (quarenta) pontos durante o período letivo. Sendo 20 (vinte) pontos no primeiro bimestre e 20 (vinte) pontos no segundo bimestre. A média final do aluno será calculada da seguinte forma: ((Quantidade de pontos 1º Bimestre + Quantidade de pontos 2º Bimestre) / 4)) Para fins de resultado, será considerado o seguinte critério: Média Final >= 7,0 (sete) Aprovado Média Final >= 4,0 (quatro) e < 6,9 (seis inteiros e nove décimos) Exame Final Media Final <= 3,9 (três inteiros e nove décimos) Reprovado 5.4. O aluno que for obrigado a realizar o Exame Final terá todos os pontos do período descartados e a nota do Exame Final irá substituir sua Média Final. 6. As disciplinas práticas de projetos de caráter experimental ou laboratorial, em função da não aplicabilidade de trabalhos escritos, terão sua forma de avaliação definida em consonância com a sua especificidade, segundo critérios previamente estabelecidos pelo Colegiado de Coordenadores e aprovadas pelo Conselho Acadêmico As disciplinas desenvolvidas com periodicidades diferentes das estabelecidas terão seus períodos de avaliação discutidos e definidos pelos professores com os seus alunos, em consonância com as normas e critérios do Regimento Unificado. 7. Caso o aluno falte, por justa causa, a alguma das avaliações previamente agendadas com o professor, ele poderá fazer jus a uma segunda oportunidade, desde que protocole na Secretaria Acadêmica, até 48 (quarenta e oito) horas após a sua realização, requerimento, acompanhado de justificativa, dirigido à Coordenação de Curso, que se pronunciará sobre a sua solicitação. Caso este prazo não seja observado, o aluno não terá direito à avaliação compensatória. 10

11 8. Considerar-se-á aprovado na disciplina, o aluno que, atendida a exigência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) de freqüência, obtiver um nível desempenho maior ou igual a 7,0 (sete). 9. O aluno reprovado em até 02 (duas) disciplinas na série/período será promovido para a série subseqüente e poderá cursá-las em regime de dependência Os alunos reprovados em 03 (três) ou mais disciplinas, deverão renovar sua matrícula na mesma série/período que freqüentava, para cursar essas disciplinas, ficando dispensado de cursar aquelas em que obteve aprovação e podendo cursar outras disciplinas da série subseqüente, desde que haja vaga, compatibilidade horária e inexistência de prérequisitos Os alunos reprovados pela segunda vez em uma ou mais disciplinas, deverão renovar sua matrícula na mesma série/período que freqüentava, para cursar essas disciplinas, ficando dispensado de cursar aquelas em que já obteve aprovação e podendo cursar outras disciplinas da série seguinte desde que haja vaga, compatibilidade horária e inexistência de pré-requisitos. 10. A Instituição poderá oferecer como forma de recuperação para os alunos em dependência, adaptação ou reprovados cursos, disciplinas ou atividades programadas com metodologia adequada, inclusive à distância, na forma que se compatibilizem com as suas atividades regulares, desde que regulamentadas pelo Colegiado de Coordenadores. 11

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM UBERABA MG 2010 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR E DIMENSIONAMENTO DA CARGA HORÁRIA POR PERÍODO LETIVO (A CARGA HORÁRIA APRESENTADA NAS TABELAS REFEREM-SE À HORA AULA DE 50 MINUTOS)

MATRIZ CURRICULAR E DIMENSIONAMENTO DA CARGA HORÁRIA POR PERÍODO LETIVO (A CARGA HORÁRIA APRESENTADA NAS TABELAS REFEREM-SE À HORA AULA DE 50 MINUTOS) MATRIZ CURRICULAR E DIMENSIONAMENTO DA POR PERÍODO LETIVO (A APRESENTADA NAS TABELAS REFEREM-SE À HORA AULA DE 50 MINUTOS) PRIMEIRO SEMESTRE / 1 O ANO Leitura e Interpretação de Textos 2-40 Matemática

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

I Seminário Integrador do Curso de Administração

I Seminário Integrador do Curso de Administração I Seminário Integrador do Curso de Administração! Coordenador: Prof.,MSc.,Mário,Mendonça mariomacneto@gmail.com, Vice9Coordenador: Prof.,MSc.,Robson,Materko robsonmaterko@yahoo.com.br, Telefone:,(96),331291763

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Sumário 1. CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES... 3 2. CAPÍTULO II DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO ACADÊMICO PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA...

Sumário 1. CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES... 3 2. CAPÍTULO II DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO ACADÊMICO PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA... Sumário 1. CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES... 3 2. CAPÍTULO II DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO ACADÊMICO PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA... 3 CAPÍTULO III - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 6 2 CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Habilitação: Bacharel em Sistemas de Informação Cálculo I - 90 6 Lógica - Programação I - 90 6 1º. Fundamentos de Sistemas de Informação - Metodologia da Pesquisa - 30 2 Comunicação Empresarial - 30 2

Leia mais

Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira Grade Curricular. Faculdade de Ciências Administrativas e Contábeis de Itabira

Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira Grade Curricular. Faculdade de Ciências Administrativas e Contábeis de Itabira Renovação de Reconhecimento - Portaria Nº 653 de 02/06/10 - DOU: 04/06/10. Emissão: 08/07/15 :34 Página: 1/5 0 GSI0 Libras () 0 GSI067 Gestão de Serviços () 0 GSI068 Jogos Empresariais () 0 GSI069 Administração

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE ANO II Nº 003 Editado pela Secretaria Geral das FIPAR Faculdades Integradas de Paranaíba FIPAR Paranaíba, 08 de agosto de 2008. AVISO DE PUBLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE MATRIZ

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE

REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DISCENTE São Paulo 2012 Art. 1º. A avaliação dos resultados de aprendizagem, parte integrante

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Resolução nº 015, de 25 de fevereiro de 2014.

Resolução nº 015, de 25 de fevereiro de 2014. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 09/07/2007

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 09/07/2007 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 09/07/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Rede Brasileira de Ensino à Distância

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE)

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE) Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Núcleo Docente Estruturante (NDE) 20/05/2015 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução e Motivação Resultados da

Leia mais

Carga horária: 504 horas Unidade Curricular Carga Horária (h) Carga Horária Semanal (h)

Carga horária: 504 horas Unidade Curricular Carga Horária (h) Carga Horária Semanal (h) ORGANIZAÇÃO CURRICULAR A estrutura curricular do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da FESC, tem sua essência referenciada na pesquisa de mercado identificando a demanda

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

Prof. Dr. Reinaldo Gonçalves Nogueira Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Diretor

Prof. Dr. Reinaldo Gonçalves Nogueira Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Diretor À PROGRAD: Prof.ª Sandramara Matias Chaves Goiânia, 22 de Novembro de 2013 Em reunião no dia 22 de Novembro de 2013, o Conselho Diretor da EMC, aprovou a alteração do Anexo 1 da Resolução CEPEC 765/2005,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2004-A (Alterada pela Resolução Nº 22/2007 e Resolução Nº 16/2009)

RESOLUÇÃO Nº 07/2004-A (Alterada pela Resolução Nº 22/2007 e Resolução Nº 16/2009) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 07/2004-A (Alterada pela Resolução Nº 22/2007 e Resolução Nº 16/2009) Regulamenta

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Curso: Bacharelado em Informática Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Informações Básicas do Currículo Duração Ideal 8 semestres Mínima 6 semestres Máxima 14 semestres Carga Horária Aula

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estágio Supervisionado: Educação Infantil 4 e 5 anos Educação de Jovens e Adultos (EJA) Ensino Fundamental Educação Especial (Ensino

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA DE CONHECIMENTOS PARA OS CURSOS DE TECNOLOGIA DA FATEC SÃO CAETANO DO SUL - EDITAL 001/2015 -

EXAME DE SUFICIÊNCIA DE CONHECIMENTOS PARA OS CURSOS DE TECNOLOGIA DA FATEC SÃO CAETANO DO SUL - EDITAL 001/2015 - EXAME DE SUFICIÊNCIA DE CONHECIMENTOS PARA OS CURSOS DE TECNOLOGIA DA FATEC SÃO CAETANO DO SUL - EDITAL 001/2015 - A Diretora da Unidade FATEC São Caetano do Sul, no uso de suas atribuições legais, torna

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Semestre 1 Semestre 2

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Semestre 1 Semestre 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Cálculo I 40 Cálculo II 40 Princípios Desenvolvimento de Algoritmos I 80 Princípios Desenvolvimento de Algoritmos II 80 Matemática 40 Lógica Matemática 40 Probabilidade

Leia mais

Altera os procedimentos acadêmicos e administrativos que regem a distribuição de carga horária para docentes que atuam nos CURSOS DE GRADUAÇÃO.

Altera os procedimentos acadêmicos e administrativos que regem a distribuição de carga horária para docentes que atuam nos CURSOS DE GRADUAÇÃO. RESOLUÇÃO HOMOLOGADA pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - ConEPE da Universidade Potiguar, na reunião realizada no dia 24 de junho de 2010, conforme registro na respectiva Ata. Conselho de Ensino,

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014 Altera a Deliberação CONSEP Nº 107/2012, que Dispõe sobre o Currículo Pleno do Curso de Pedagogia - Licenciatura, regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

www.fafia.edu.br PORTARIA - FAFIA Nº 016/2014

www.fafia.edu.br PORTARIA - FAFIA Nº 016/2014 PORTARIA - FAFIA Nº 016/2014 Regulamenta a implantação e os procedimentos para oferta de componentes curriculares em regime semipresencial. A Professora ROSANE MARIA SOUZA DOS SANTOS, Diretora da Faculdade

Leia mais

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente 1º TERMO NOTURNO - 2013 23/09/13 2ª feira 08:20 h B1 (DP) ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO I 23/09/13 2ª feira 19:00 h A1 ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO I 24/09/13 3ª feira 19:00 h A COMUNICAÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 229/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 229/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 229/2002 Aprova a estrutura do currículo pleno do Curso de Administração (ênfase em Gerenciamento Empresarial). O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº ECA-784/02,

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 CÓD. 207 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Noite - Currículo nº 06 CÓD. 2509 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Manhã e Noite - Currículo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Geografia, oferecido regularmente pela

Leia mais

Guia de Orientação ao Aluno

Guia de Orientação ao Aluno Guia de Orientação ao Aluno Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Março de 2012 1. Palavras iniciais Este Guia de Orientação serve para orientar

Leia mais

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 Diante da evolução de técnicas e ferramentas tecnológicas, aliado a novas necessidades curriculares,

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACTHUS E D I T A L PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 14/NOVEMBRO/2015 INGRESSO 2016/1

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACTHUS E D I T A L PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 14/NOVEMBRO/2015 INGRESSO 2016/1 FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACTHUS E D I T A L PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 14/NOVEMBRO/2015 INGRESSO 2016/1 UBERABA-MG 6/10/2015 1 BREVE HISTÓRICO DA FACTHUS Ensino Superior acessível, com qualidade

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2010

RESOLUÇÃO N 003/2010 RESOLUÇÃO N 003/2010 Institui regulamento para o cumprimento das atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia da FCH/ FUMEC. O PRESIDENTE DO COLEGIADO DE CURSOS NO USO DE SUAS

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí ESTRUTURA E CONTEÚDO CURRICULAR Organização Curricular do Curso A grade curricular do Curso de Bacharelado em Administração das Faculdades Integradas do Vale do Ivaí está fundamentada em dois grandes blocos.

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E TCC I E II PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CAPIVARI (FUCAP)

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E TCC I E II PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CAPIVARI (FUCAP) REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E TCC I E II PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CAPIVARI (FUCAP) Dezembro de 2012 Dispõe sobre o Regulamento Geral dos Estágios da Faculdade Capivari,

Leia mais

19) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA LICENCIATURA

19) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA LICENCIATURA 19) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA LICENCIATURA 19.1) Matriz curricular do turno matutino Fase N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 01 Leitura e produção textual

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESU DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESU DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESU DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades relacionadas ao Estágio

Leia mais

CÓD. 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42

CÓD. 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42 Aprovado no CONGRAD: 15.09.09 Vigência: 2010/1, com efeito retroativo para os ingressos a partir 2009/1 104 - CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 42 ÁREAS DE FORMAÇÃO I - CONTEÚDOS

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito Faculdade Escola Paulista de Direito MANUAL DO ALUNO Este manual tem por finalidade informar à comunidade universitária as normas e os procedimentos acadêmicos institucionais da Faculdade Escola Paulista

Leia mais

Portal do Aluno Parfor UFPA

Portal do Aluno Parfor UFPA Do Ingresso do Professor de Educação Básica no PARFOR/UFPA O ingresso do professor da Educação básica como aluno do PARFOR na UFPA dar-se-á através de algumas etapas. A primeira delas é a inscrição dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta o processo de dependência e atendimento especial e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR

CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR Aprovado no CONGRAD: 08.05.2012 Vigência: para os ingressos a partir 2012/2 CÓD. 1739 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TURNO: NOITE Currículo nº 02 MATRIZ CURRICULAR CÓD. ÁREAS DE FORMAÇÃO I - CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CAMPUS Bambuí

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CAMPUS Bambuí 45 APÊNDICE B - MATRIZ CURRICULAR 1º Período Sigla Disciplina CHT 1 CHP 2 CH Total Pré-requisitos AED1 Algoritmos e Estruturas de Dados I 40 40 80 - CALC1 Cálculo I 80-80 - FC Fundamentos da Computação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO. COORDENADORA Iris Fabiana de Barcelos Tronto irisbarcelos@ufv.br

SISTEMA DE INFORMAÇÃO. COORDENADORA Iris Fabiana de Barcelos Tronto irisbarcelos@ufv.br SISTEMA DE INFORMAÇÃO COORDENADORA Iris Fabiana de Barcelos Tronto irisbarcelos@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2010 89 Bacharelado ATUAÇÃO Sistemas de Informação é um curso da área de Informática voltado

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO

Leia mais

FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES DIRETORIA ACADÊMICA

FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES DIRETORIA ACADÊMICA FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES DIRETORIA ACADÊMICA TRINDADE-GO, 2015 FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES DIRETORIA ACADÊMICA Normativa complementar ao Art. 83 do Regimento Interno, sobre a avaliação do desempenho acadêmico

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 03/2011 Fixa normas para o Estágio Supervisionado em

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS Goiânia 2010 REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Resolução 012/2010 da Pró-Reitoria de Graduação CAPÍTULO I - DO CONCEITO Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSAC 003/2012

RESOLUÇÃO CONSAC 003/2012 Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães, 222 Ponto Central CEP 44.032-620 RESOLUÇÃO

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais