Remessas dos Emigrantes e Desenvolvimento de Cabo Verde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Remessas dos Emigrantes e Desenvolvimento de Cabo Verde"

Transcrição

1 Maria do Rosário Lopes Correia Remessas dos Emigrantes e Desenvolvimento de Cabo Verde Universidade Jean Piaget de Cabo Verde Campus Universitário da Cidade da Praia Caixa Postal 775, Palmarejo Grande Cidade da Praia, Santiago Cabo Verde

2

3 Maria do Rosário Lopes Correia Remessas dos Emigrantes e Desenvolvimento de Cabo Verde Universidade Jean Piaget de Cabo Verde Campus Universitário da Cidade da Praia Caixa Postal 775, Palmarejo Grande Cidade da Praia, Santiago Cabo Verde

4 Maria do Rosário Lopes Correia, autora da monografia Intitulada Remessas dos Emigrantes e Desenvolvimento de Cabo Verde declara que, salvo fontes devidamente citadas e referidas, o presente documento é fruto do seu trabalho pessoal, individual e original. Cidade da Praia, 27 de Janeiro de Maria do Rosário Lopes Correia Memória Monográfica apresentada à Universidade Jean Piaget de Cabo Verde como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Licenciatura em Economia e Gestão, variante Administração e Controlo Financeiro.

5 Sumário O presente trabalho que se intitula Remessas dos Emigrantes e Desenvolvimento de Cabo Verde enquadra-se no âmbito do curso de licenciatura em Economia e Gestão, variante Administração e Controlo Financeiro realizado pela Universidade Jean Piaget de Cabo Verde. Entre os discursos migração como um problema e emigração como panaceia para as questões de desenvolvimento, são implementadas novas medidas de políticas e estratégias para a gestão do fenómeno migratório. A tendência é d e s e instrumentalizar as migrações a favor do desenvolvimento. No entanto, não se percebeu que ambos se fomentam mutuamente. Pois, a migração é um tipo de resposta de milhares de pessoas às mudanças nas condições de desenvolvimento, e que por sua vez, fomenta a mobilidade humana. Este trabalho visa analisar a contribuição das remessas dos emigrantes no desenvolvimento de Cabo verde, de forma a identificar os principais constrangimentos, evidenciar a importância das remessas dos emigrantes no desenvolvimento desse país e sugerir medidas de políticas e estratégias para a esse respeito. Para a realização da investigação, utilizou-se uma metodologia com enfoque qualitativo de caráter exploratório, com recurso ao estudo documental sobre a matéria e consultas aos responsáveis e especialistas em questões das remessas dos emigrantes e/ou desenvolvimento, e assim fazer a análise SWOT, realçando assim os pontos fortes e fracos, as ameaças e oportunidades. Com a realização deste estudo, concluiu-se que as remessas dos emigrantes têm vindo a contribuir para o desenvolvimento de Cabo Verde no mais diversos setores, com realce para a educação e saúde, a melhoria das condições de habitabilidades das suas famílias, nas atividades económicas e, sendo assim, na criação de riqueza e de mais postos de trabalho, o que tem vindo a contribuir para a melhoria o aumento do poder económico, com efeito indutor a todos os níveis. Entretanto, é preciso que sejam implementadas medidas de políticas e estratégias de forma a um melhor aproveitamento, sobretudo das remessas financeiras em empreendimentos geradores de rendimento. Palavras-chave: Cabo Verde; desenvolvimento; investimentos; remessas dos emigrantes.

6 Abstract The present dissertation research entitled "Emigrants Remittances and Development of Cape Verde" is framed in the extent of obtaining a degree in Economy and Management, Area of Administration and Financial Control at Jean Piaget University of Cape Verde. Among the speeches "migration as a problem" and "emigration as panacea for the development issues", new strategies and political measures are implemented for the management of migration phenomenon. The tendency is to provide tools for the migrations in favour of development. However, it was not realised that both are mutually fomented. Of course, migration is a type of response to thousands of people for the changes to the development conditions, and this foments the human mobility. This research aims to analyze the contribution of the emigrants remittances in development of Cape Verde, in order to identify the main constraints, show the importance of the emigrants remittances in the development of this country and, suggest political measures and strategies for this purpose. To achieve the present research, an exploratory qualitative approach was applied, resorting to documental study and consulting the responsible and specialists in the emigrants' remittances matter and/or development, applying SWOT analysis to highlight the strengths, weaknesses, threats and opportunities. As a result of this research, it is concluded that the emigrants' remittances have been contributing for the development of Cape Verde in different sectors, with emphasis on education and health, the improvement of the families housing conditions, the economic activities and, in this way, increasing the income and providing more job opportunities, which has been contributing to the increasing economic power, with induction effect at all levels. However, it is necessary to implement political and strategic measures in order to make a better use of financial remittances in entrepreneurships that produce income. Key-words: Cape Verde; development; investments; emigrants' remittances.

7 Agradecimentos Na elaboração de qualquer trabalho científico, por muito individual que seja, requer a ajuda, a colaboração e apoio de outras pessoas e instituições. Sendo assim, é com um enorme satisfação que agradeço a todos os que, directa ou indirectamente, contribuíram para a realização deste trabalho. Ao Professor e Orientador, Mestre Simão Paulo Rodrigues Varela, pela sábia orientação, pelos ensinamentos transmitidos e toda a disponibilidade evidenciada, e pelo privilégio da sua orientação e encorajamento. Um agradecimento especial, aos meus Professores, do curso de Economia e Gestão, pelos conhecimentos que me transmitiram ao longo do curso. À minha família e, em particular, aos meus pais, aos meus colegas de curso e a todos os meus amigos, a minha eterna gratidão pela tolerância e compreensão. À todos os que contribuíram, de uma forma ou de outra, para que esse trabalho seja realizados. À todos, um muito obrigada!

8 Abreviaturas / siglas AEO: African Economic Outlook APD: Ajuda Pública ao Desenvolvimento BAfD: Banco Africano do Desenvolvimento BCV: Banco de Cabo Verde BM: Banco Mundial CEDEAO: Comunidade Económica do Estados da África Ocidental CV: Cabo Verde DECRP: Documento Estratégico de Crescimento e Redução da Pobreza EIU: The Economist Intelligence Unit EUA: Estados Unidos da América GAD: Gabinete de Acolhimento de Deportados IC: Instituto das Comunidades IDE: Investimento direto de Estrangeiro INE: Instituo Nacional de Estatística MCA: Millennium Challenge Account MCC: Millennium Challenge Corporation MCE: Ministério das Comunidades Emigradas MFAP: Ministério das Finanças e Administração Pública MNE: Ministério dos Negócios Estrangeiros NU: Nações Unidas NTIC: Novas Tecnologias de Informação e Comunicação

9 OCDE: Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico ODM: Objectivos de Desenvolvimento milénio OIM: Organização Internacional Migrações OMC: Organização Mundial do Comércio PIB: Produto Interno Bruto PMA: País Menos Avançado PNUD: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PRSP: Poverty Reduction Strategy Paper UA: União Africana UE: União Europeia USD: United States Dollar

10 Conteúdo Introdução Contextualização e problemática Relevância do trabalho Perguntas de partida Objetivos do trabalho Objetivo geral Objetivos específicos Estrutura do trabalho Capitulo 1: Abordagem teórica e metodológica Apresentação de conceitos Fundamentação teórica Metodologia utilizada para a realização da pesquisa Capitulo 2: Caraterização de Cabo Verde Situação económica Desenvolvimento e os novos desafios Visão e estratégia de desenvolvimento Impacto do desenvolvimento no cumprimento dos ODM Municipalização dos ODM Dinâmica demográfica Situação ambiental Capítulo 3: Remessas dos emigrantes e desenvolvimento de Cabo Verde Mobilização d o s emigrantes para o desenvolvimento Diáspora enquanto comunidades heterogéneas e vida transnacionais Perfil e comportamento dos migrantes Comportamento dos governos dos países de destino Comportamento do governo de Cabo Verde Remessas enquanto a ajuda não pública ao desenvolvimento Comportamento dos migrantes e as famílias recebedoras... 71

11 Comportamento dos governos dos países de destino O comportamento do governo de Cabo Verde Migração temporária enquanto prática reciclada Comportamento dos migrantes Comportamento dos governos de destino Comportamento do governo de Cabo Verde Tempo de estadia no país de destino Apresentação e análise de dados Remessas dos Emigrantes por País de Origem Remessas dos Emigrantes por Concelho Síntese da análise SWOT Conclusão e Sugestões Referências Bibliográficas... 91

12 Quadro Quadro 1 : Componentes da procura Quadro 2: Operações financeiras do Estado p Quadro 3 : Estudo da Problemática da Habitação em Cabo Verde Quadro 4: Pontos fortes e fracos Quadro 5 : Oportunidades e ameaças... 82

13 Gráficos Gráfico 1. Estrutura da economia Cabo-verdiana Gráfico 2: Percentagem da população pobre por concelhos Gráfico 3: Desemprego geral e por género Gráfico 4: Fonte água potável para os Município Gráfico 5: Evolução da população de Cabo Verde 1940 a Gráfico 6 : distribuição da população nacional por concelhos em Gráfico 7 : Remessas de emigrantes por país de origem Gráfico 8 : Remessas de emigrantes por Concelho

14 Figuras Figura 1:Esquema metodológico Figura 2: Remessas financeiras (registadas) param Cabo Verde: principais países de origem... 71

15 Introdução 1.Contextualização e problemática Em setembro de 2000, a Organização das Nações Unidas estabeleceu os Objetivos do Desenvolvimento do Milénio (ODM), visando globalmente reduzir a pobreza, a desigualdade e melhorar o desenvolvimento humano e garantir o equilíbrio ambiental na base da densificação e qualificação de parcerias para o desenvolvimento entre estados. O ODM tem vindo a assumir um caráter de regimes de governabilidade global de apropriação nacional pelos estados, que enquadraram as metas e indicadores dos ODM nos respectivos planos de desenvolvimentos nacionais, regionais e locais. Os ODM têm sido efectivamente um referencial padrão para a monitorização das estratégias de desenvolvimento à escala mundial. Em Cabo Verde existe um comprometimento do governo, dos municípios e da sociedade civil quanto á realização dos ODM. O sistema das Nações Unidas em Cabo Verde tem desenvolvido um papel de enquadramento e promoção de resultados quando à realização dos ODM. O Governo, a Associação Nacional dos Municípios Cabo-verdianos e os municípios individualmente mostram-se fortemente interessados pelos avanços na realização dos ODM a nível municipal e diminuição das assimetrias existentes. 15

16 A preocupação primordial, principalmente dos organismos internacionais, dos governos e outros intervenientes sociais, de todo o mundo, é o fenómeno da pobreza e da exclusão social. Atualmente, a globalização e o rápido desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação colocam novos desafios às organizações sociais, no sentido destes responderem eficazmente aos problemas emergentes. Para um país como Cabo Verde, com poucos recursos financeiros, esses problemas atingem níveis elevados, acarretando, como é natural, consequências diversas como a desigualdade social e outros. Assim, reconhece-se a importância da organização da sociedade civil no desenvolvimento social e económico e na melhoria da qualidade de vida das pessoas. A redução da pobreza constitui um dos objetivos prioritários da política de desenvolvimento adotados pelo governo de Cabo Verde. O Programa Nacional de Luta contra a Pobreza (PNLP) visa concretizar o objetivo preconizado, através de diversas atividades integradas nas políticas e estratégias de desenvolvimento regional e local. O PNLP propõe-se a integração dos pobres na economia, a melhoria dos indicadores sociais quanto aos pobres, a mobilização social, o reforço da capacidade institucional na implementação de atividades de planificação, coordenação e acompanhamento das ações de luta contra a pobreza. A redução de assimetria regionais, em particular entre o meio rural e urbano, a dinamização do crescimento económico e a equidade social, a melhoria da capacidade dos pobres e o desenvolvimento social, económico, humano e financeiro, a melhoria de infra estruturas económicas e sociais das comunidades pobres, a maior atenção ao setor da educação, a maior mobilização social e o associativismo, entre outros, constituem elementos chave do projeto de combate à pobreza. Há falta de coerência entre as agendas de desenvolvimento e migração, e esta é uma prioridade de política interna para os países de acolhimento e empurra os compromissos internacionais de desenvolvimento para o segundo plano. Por exemplo, a migração temporária e a fuga de 16

17 quadros são duas áreas onde as políticas nos países de acolhimento são baseadas nas suas próprias necessidades, e onde qualquer dimensão de desenvolvimento (do país de origem) não é uma preocupação primordial. A persistente mensagem de que a migração internacional (especialmente a partir de Sul para Norte ) é uma coisa má. E que uma das formas de resolver o problema é promover o desenvolvimento no país de origem do migrante. Não se percebe que políticas de desenvolvimento não reduzem a emigração. Pelo contrário, elas aumentam as capacidades e as aspirações para migrar, traduzindo-se em uma maior mobilidade, pelo menos por um período considerável. Afinal, a causa maior dessas deslocações, a desigualdade real e percepcionada nas condições de vida na origem e no destino, continua a existir. As recomendações da Comissão Mundial sobre as Migrações Internacionais (CMMI) apontaram para a necessidade de se reforçar a ligação entre as migrações, a economia e o desenvolvimento, destacando que o papel que os migrantes desempenham na promoção do desenvolvimento e na redução da pobreza nos seus países de origem, bem como o contributo que dão para a prosperidade dos países de destino, devem ser reconhecidos e reforçados. A complexidade e a dimensão dos fluxos de remessas financeiras que as migrações internacionais comportam e geram. Não podendo ignorá-lo, os Estados procura apreender as dificuldades e as oportunidades que o fenómeno migratório lhes apresenta. Vários estudos têm sido realizados por governos e organizações internacionais, analisando o impacto potencial da migração no desenvolvimento dos países mais pobres. A literatura tornou-se extensa e a mais importante contribuição desse interesse renovado tem sido a de ajudar a corrigir a impressão de que a migração é necessariamente negativa para o desenvolvimento e que é um tipo excepcional do comportamento humano que precisa de ser combatido. No entanto, as ideias ainda não estão claras. Não se interiorizou o fato de que a migração é simultaneamente causa e efeito de processos de desenvolvimento mais amplos, onde as migrações constituem uma consequência da progressiva incorporação das sociedades em contextos económicos, políticos e sociais globais Os estudiosos sinalizam o fato de se estar a perder a perspetiva, quando se analisa a migração como algo separado do desenvolvimento. E, mais especificamente, quando se começa a 17

18 instrumentalizá-la no sentido de se tornar uma ferramenta para gerar desenvolvimento. A migração é, essencialmente, a resposta de milhares de pessoas às mudanças nas condições de desenvolvimento. E este, por sua vez, fomenta a mobilidade das populações. Cabo Verde é um país pequeno, insular, distante da massa continental e com uma economia frágil. O que significa que está no grupo de países onde o impacto das migrações é maior. Ou seja, os fluxos de remessas têm importância extrema na economia, a saída de pessoas qualificadas implica perdas significativas na economia e nas instituições, e a ligação com as comunidades de cabo-verdianos no exterior tem implicações políticas, económicas, culturais e sociais historicamente importantes. Portanto, existem todas as condições para a instrumentalização das migrações a favor do desenvolvimento, e esta preocupação que motivou a realização deste trabalho. E de realçar que, nem sempre, as remessas dos emigrantes, e sobretudo as financeiras têm sido aplicadas em actividades geradoras de rendimento e, sendo assim, da criação do emprego, e o aumento do rendimento e do poder dos agentes económicos, indispensáveis a realização de investimento e de aquisição de bens e serviços para o bem-estar social. Com base no exposto, e tendo em consideração a pergunta de partida, os objetivos e a fundamentação teórica, utilizou-se uma metodologia de carater qualitativa e exploratória, com recurso ao estudo documental e consultas aos especialistas e responsáveis da área. 2. Relevância do trabalho Este trabalho t e m grande importância, para Cabo Verde e, por outro, dar subsídios para a adoção de medidas de políticas que aproveite, da melhor forma possível, as remessas dos emigrantes em prol do desenvolvimento do país tendo em consideração os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM). Com base nessas considerações a escolha do tema Remessas dos emigrantes e Desenvolvimento de Cabo Verde, baseia-se entre outras razoes, nas seguintes: Pertinência e atualidade do tema a nível académico e científico; 18

19 Necessidade pessoal de aprofundar os conhecimentos durante a parte curricular do curso; e Contribuição para uma melhor compressão sobre a contribuição das remessas dos emigrantes no desenvolvimento de Cabo Verde. 3. Perguntas de partida Para a realização da investigação, formulou-se as seguintes perguntas de partida: P1: De que forma as remessas financeiras dos emigrantes têm vindo a contribuir para o desenvolvimento de Cabo Verde? P2: Que medidas de políticas e estratégias devem ser implementadas para uma melhor aplicação das remessas dos emigrantes n o desenvolvimento de Cabo Verde? 4.Objetivos do trabalho 4.1. Objetivo geral Este trabalho tem por objetivo geral analisar a contribuição das remessas dos emigrantes no desenvolvimento de Cabo verde. 4.2.Objetivos específicos Constituem-se os objetivos específicos deste trabalho, entre outros, os seguintes: Identificar os principais constrangimentos ao desenvolvimento de Cabo Verde; Evidenciar a importância das remessas dos emigrantes no desenvolvimento de Cabo Verde; e Sugerir medidas de políticas e estratégias qu e possam contribuir para uma melhor aplicação das remessas dos emigrantes n o desenvolvimento de Cabo Verde. 19

20 5.Estrutura do trabalho Para que o trabalho tenha uma sequência lógica, para além das partes pré-textuais e póstextuais, da introdução e da conclusão, encontra-se estruturado em 3 (três) capítulos a saber: Capítulo 1, Abordagem teórica e metodológica, fez-se a apresentação de conceitos, a fundamentação teórica e a metodologia. Capítulo 2, Caraterização de Cabo Verde, abordou-se os aspectos políticos, a situação económica, o desenvolvimento e os novos desafios, a dinâmica demográfica e a situação ambiental. Capítulo 3, Remessas dos emigrantes e desenvolvimento de Cabo Verde, apresentou-se a mobilização dos emigrantes para o desenvolvimento, as remessas enquanto ajuda não pública aos desenvolvimentos e a migração temporária enquanto prática reciclada. 20

21 Capitulo 1: Abordagem teórica e metodológica 1.1.Apresentação de conceitos Para uma melhor abordagem e compreensão deste trabalho, foram apresentados os conceitos de: Remessas Significa todo o fluxo de recursos em dinheiro ou em produtos, através de canais formais ou informais, do país de acolhimento para ser consumido, doado, depositado ou investido no país de origem do migrante. Além das diferenças entre transferência em dinheiro e transferência em produtos, transferência formal e transferência informal, tem-se em conta o fato de um número crescente de investigadores incluir na categoria remessas sociais as atitudes, competências e tecnologias consciente ou inconscientemente transferidas pelos migrantes (Tolentino et. al. 2008) Comunidade O termo comunidade é utilizado, frequentemente para designar pequenos agregados rurais (aldeias, freguesias) ou urbanos (quarteirões, bairros) e os grupos profissionais (comunidade médica, comunidade científica, entre outros.), as organizações (comunidade escolar) ou os 21

22 sistemas complexos como países (comunidade nacional), regiões (comunidade europeia) ou mesmo o mundo visto como um todo (comunidade internacional ou mundial). Uma caraterística que une todas estas designações é a presença de uma dada semelhança que confere uma identidade ao sistema designado por comunidade, que determina uma fronteira entre os elementos que lhe pertencem aos que lhe são alheios. Segundo a definição dada no Dicionário de Ciências Económicas e Sociais (2001), a comunidade é uma coletividade caraterizada por vínculos intensos, forte coesão (espírito de corpo, objetivos comuns), espírito de solidariedade entre os seus membros face ao exterior, sem no entanto excluir tensões internas. A comunidade assim definida pode referir-se a realidades diversificadas: entidades locais (comunidades rurais ou piscatórias), agrupamentos voluntários (igrejas, associações), minorias étnicas ou religiosas. Segundo Ader-Egg 1980 apud Carmo 2004 la comunidad es una agrupación organizada de personas que se perciben como unidad social, cuyos elementos participan de algun rasgo, interés, elemento, objetivo o función común, con consciencia de pertenencia, situados en una determinada área geográfica en la cual la pluralidad de personas interacciona más intensamente entre si que en otro contexto.assim, subjacentes a esta definição estão duas ideias forças: a de um agregado social com um conjunto de interesses vitais comuns, com uma elevada densidade social, traduzida numa forte consciência de pertença; e a de uma proximidade geográfica que permite uma estruturação sólida de tais interesses. Para Carmo (2004), na sociedade contemporânea, duas circunstâncias têm contribuído para fazer renascer a reflexão sobre o conceito de comunidade: a conjuntura social e política e o desenvolvimento das novas tecnologias de informação e comunicação. Assim, após um longo período em que esteve relativamente latente, a questão comunitária foi recentemente reacendida em virtude da explosão multicultural, ocasionada pela concentração de grandes 22

23 massas populacionais portadoras de diferentes culturas, e da alteração da balança de poder decorrente do fim da guerra-fria simbolicamente marcada pela queda do muro de Berlim em Por outro lado, a elevada densidade social indispensável à existência de uma comunidade deixou de ser determinada pela presença física das pessoas que a ela pertencem. Com efeito, a generalização das novas tecnologias de informação e comunicação (NTICs) permite uma interacção de qualidade em situação de presença virtual dos protagonistas, dando origem à formação de comunidades telemáticas ou ciber-comunidades em que a barreira da distância deixou de existir. Pobreza Foram feitas várias tentativas para definir um número vital baseado na satisfação das necessidades fisiológicas. Contudo, é difícil definir a pobreza de forma absoluta; é uma noção considerada, geralmente, como relativa e que se reporta a uma norma estandardizada, variável com as épocas e com as sociedades: ser pobre não significa a mesma coisa nos Estados Unidos e na Índia; em Portugal, no século XIX ou no século XX, (Dicionário de Ciências Económicas e Sociais, 2001). A pobreza carateriza a situação de indivíduos ou grupos, desprovidos de recursos considerados essenciais e que se encontram numa situação de grande carência (Dicionário de Ciências Económicas e Sociais, 2001). Ao longo desta década diversas instituições como o Comité Económico e Social (1999), a Confederação Europeia dos Sindicatos ( ), a Rede Europeia Anti Pobreza (2000), passaram a incorporar o conceito de exclusão social nos seus objetivos e metas. Outras organizações internacionais e agências especializadas da ONU, seguiram os passos da União Europeia, notando o Banco Mundial em 1998 que a exclusão é um termo, originado no debate europeu sobre a pobreza que têm vindo a ser crescentemente utilizado para analisar a marginalização no mundo em desenvolvimento. Desenvolvimento Segundo o Desarrollo Local y Agenda 21(2006) desarrollo significa enfrentarse con un concepto polisémico, que ha sufrido muy diversas, incluso encontradas, interpretaciones a lo largo de historia. Por de pronto, conviene d iferenciar el 23

24 verdadero desarrollo del desarrollismo, expresión esta última que da cuenta más fielmente de las concepciones y estrategias que, en general, han guiado las grandes políticas económicas en la segunda mitad del siglo xx: producir más, consumir más, y aceptar que más es siempre mejor. De acordo com os dados do INE (2005), o desenvolvimento é o processo de criação de riquezas e de ampliações de condições de bem-estar da população de forma sustentável, ou seja, sem comprometer o nível de satisfação das próximas gerações Fundamentação teórica No campo académico, o estudo das migrações é uma terra de ninguém, Ou melhor, é uma terra de muitos (Peixoto, 2004) É um campo interdisciplinar, que aglomera contributos de economistas, sociólogos, antropólogos, demógrafos, geógrafos e juristas. Para ilustrar tamanha interdisciplinaridade, escreve Jansen: A migração é um problema demográfico: influencia a dimensão das populações na origem e no destino; é um problema económico: muitas mudanças na população são devidas a desequilíbrios económicos entre diferentes áreas; pode ser um problema político: tal é particularmente verdade nas migrações internacionais, onde restrições e condicionantes são aplicadas àqueles que pretendem atravessar uma fronteira política; envolve a psicologia social, no sentido em que o migrante está envolvido num processo de tomada de decisão antes da partida, e porque a sua personalidade pode desempenhar um papel importante no sucesso com que se integra na sociedade de acolhimento e; é também um problema sociológico, uma vez que a estrutura social e o sistema cultural, tanto dos lugares de origem como de destino, são afetados pela migração e, em contrapartida, afectam o migrante (Peixoto,2004). O lado menos positivo de tão grande interdisciplinaridade é a inexistência de uma teoria sólida das migrações. Desde o surgimento das migrações como área de estudo, que elas são vistas como parte integrante do processo de desenvolvimento. O geógrafo Ravenstein, em suas leis da migração, de 1885 (revistas em 1889) observou que (1) a maioria dos migrantes apenas percorre uma curta distância, e as «correntes de migração» dirigem-se para os centros de comércio [e da indústria]; (5ª) Os migrantes provenientes de longas distâncias preferem os grandes centros de comércio [e da indústria]; e (6ª) Os nativos das cidades são menos migratórios do que os das zonas rurais do país (Peixoto, 2004). A ligação fica ainda mais clara quando Lee (Peixoto, 2004), com base nos comentários de Ravenstein, de 1889, agrupa 24

25 as sete leis em cinco e acrescenta-lhes duas: o aumento da migração com o progresso tecnológico (desenvolvimento dos meios de locomoção, indústria e comércio); e a dominância dos motivos económicos (predominância do desejo de melhoramento dos aspetos materiais da vida humana). O debate académico à volta do nexo entre migrações e desenvolvimento tem sido como um pêndulo (De Haas, 2008), oscilando entre aqueles que têm uma perspectiva optimista dessa relação e os de perspetiva pessimista. Ou seja, a produção científica neste campo tem evoluído, não em torno de avanços e ruturas teórico- concetuais, mas sim como resultado de fatores externos, isto é, o peso relativo da perceção dos aspetos positivos e negativos associados à (e) migração ( A b r e u, 2009). A principal controvérsia tem sido entre as perspetivas da teoria económica neoclássica e a teoria histórico-institucional. Nos anos 50 e 60, os economistas do desenvolvimento, com base na teoria neoclássica, enfatizavam a decisão individual e racional de migrar. Esse processo baseava-se na comparação racional dos custos e benefícios relativos de migrar ou não migrar. Para aqueles estudiosos, a mera existência de disparidades económicas entre as diferentes regiões do mundo deve ser suficiente para gerar fluxos de migrantes. A longo prazo, esses fluxos deveriam ajudar a igualar os salários e as condições de vida entre regiões, levando a um equilíbrio económico. O resultado desta visão positiva entre migrações e desenvolvimento pode ser resumido na ideia de um círculo virtuoso : primórdios do desenvolvimento dos países pobres; migração; melhorias no desenvolvimento; tendência de equilíbrio de rendimento e eliminação das causas da migração; menos migração. Em contrapartida, nos anos 70 e 80, a abordagem histórico-institucional viu a migração principalmente como uma forma de mobilizar mão-de-obra barata das nações periféricas para associar ao capital das nações do centro. Consideravam as migrações uma forma de perpetuar o subdesenvolvimento nas ex-colónias europeias. A visão pessimista é resumida pelo círculo vicioso: divisão centro/periferia e dependência; migração; Aumento da dependência dos países pobres; Empobrecimento e perda de rendimentos; trabalho do 'terceiro mundo' disponível para o capital das economias do centro. As abordagens têm-se baseado em teorias de 'transição migratória', menos estáticas que as 25

26 de equilíbrio porque estabelecem a ligação entre a mobilidade e os processos de desenvolvimento e integração económica (Haas, 2008). Deixam de ser dicotómicas, passando a analisar as duas áreas, migrações e desenvolvimento, de forma integrada. Portanto, a teoria avança para uma compreensão mais holística, tanto dos processos de desenvolvimento e de migração em si, como do nexo entre eles. As ideias-chave de algumas das teorias mais recentes são: Nova economia da migração laboral Embora permaneça dentro do paradigma neoclássico de maximização do rendimento e das tendências para o equilíbrio, questiona a teoria no que diz respeito ao caráter eminentemente individual da decisão de migrar, enfatizando o papel das famílias e das comunidades nessa tomada de decisão. Teoria do mercado de trabalho segmentado ou dual Analisa a procura diferenciada de trabalho, como causa e fator estruturante da migração. Teoria das redes migratórias Enfatiza a ação coletiva dos migrantes e de suas famílias e comunidades na organização dos processos de migração e integração. Teoria do transnacionalismo Como resultado das novas tecnologias de transporte e comunicação, que tornam cada vez mais fácil aos migrantes manterem relações económicas, sociais, culturais e políticas através das fronteiras. Enfatiza-se a crescente importância da diáspora, não só dos migrantes, como ator social. A noção de mobilidade Como um termo mais abrangente e adequado, resultante da ideia de migração como consequência de 'oportunidade e capacidade para tal. Assim a, migração internacional é definida como deslocação de pessoas entre fronteiras internacionais resultando numa mudança do país de residência habitual ; e mobilidade humana como a capacidade dos indivíduos, famílias ou grupos de pessoas de escolherem os seus locais de residência. Neste âmbito baseando-se nas noções de Ul Haq e Sen, desenvolve a ideia de migração como 26

27 resultado das capacidades e aspirações das pessoas para migrar. Nos estudos sobre as migrações, os temas e as questões de investigação, e até mesmo os resultados, têm sido frequentemente motivados por considerações políticas. A título de exemplo, Castles (2008) aponta: a 'descoberta', em meados dos anos 1970, de que o comércio era melhor do que a migração para os países em desenvolvimento ocorreu justamente quando a Europa decidiu parar o recrutamento de mão-de-obra estrangeira, e as suas empresas decidiram expandir as atividades industriais para o estrangeiro; objetivos semelhantes podem ser encontrados na abordagem francesa (posteriormente adotada pela Itália), de co-development, que faz as migrações de retorno serem vistas como medidas de desenvolvimento dos países africanos de origem; sugeriu-se, por volta de 2001, que a Convenção dos Refugiados das Nações Unidas (1951) não era mais aplicável, uma vez que criava condições para a utilização indevida do sistema de asilo por migrantes económicos. Foi então criada uma Convention Plus, um conjunto de medidas destinadas a garantir asilo ao mesmo tempo que se aborda a questão de fluxos mistos; e nesse mesmo ano, no Conselho Europeu de Sevilha, procurou-se acordo dentro da União Europeia de forma a fazer depender a ajuda ao desenvolvimento da assinatura de acordos de readmissão de imigrantes deportados. Ainda, acrescenta-se que as migrações internacionais tendem a continuar, a Europa decide aumentar o diálogo com África e outros vizinhos do Mediterrâneo, propondo-lhes cooperar no campo das migrações e da gestão de fronteiras, abrindo caminho à Declaração África- Europa sobre Migrações e Desenvolvimento, na sequência da qual renascem os esquemas de migração temporária, renomeados de parceria para a mobilidade Essas proposições fazem mais sentido do que políticas baseadas na repressão; nomeadamente a militarização de fronteiras e a criminalização da migração. No entanto, a crença na redução da migração é mais problemática do que aparenta. Primeiro, porque reflete o pressuposto implícito, e contestável, de que a migração é indesejável e, portanto, um problema que pode e deve ser resolvido. Em segundo lugar, porque essa crença é fundamentalmente baseada no pressuposto de que o desenvolvimento nos países de origem irá reduzir a migração. Apesar dos avanços verificados nas discussões teóricas, n o sentido de uma compreensão mais holística e integrada do nexo entre desenvolvimento e migrações a nível de políticas, a 27

28 tendência predominante é instrumentalizar a migração, tornando-a numa panaceia para os problemas do desenvolvimento. O uso do termo panaceia é influenciado por Kapur (2003), ligando-se à ideia de que as remessas se tornaram um mantra, traduzindo a crença de governos e autoridades de que o dinheiro enviado por emigrantes pode ser uma receita para o desenvolvimento local, regional e nacional. No presente trabalho entende-se que a ideia pode ser estendida a toda a gama de benefícios, potencialmente resultantes desse nexo. Para além das remessas financeiras, os outros são: migração de quadros, onde a ideia de drenagem é substituída por circulação, beneficiando assim ambos os grupos de países (origem e destino); migração temporária (ou circular), apresentada como uma alternativa de migração regular para indivíduos pouco qualificados, estando assim protegidos e em condições de ajudar a família e contribuir para o desenvolvimento; diáspora, o inexplorado repositório de esperança para o desenvolvimento do país de origem; remessas sociais, os conhecimentos, as habilidades e as atitudes que apoiam o desenvolvimento; e retorno e reintegração, que quando é voluntário pode levar benefícios às comunidades na forma de conhecimentos, experiências e intenções de investimento. As deficiências na compreensão teórica e na recolha de dados comprometem as evidências da relação entre migração e desenvolvimento. Assim, cada componente desse mantra é frágil e controversa. O conceito foi cunhado durante a reconstrução da Europa pós-guerra (1945) e depois aplicado ao Terceiro Mundo pós-colonial. Tornou-se um termo do senso comum, mas a simples definição original, como crescimento do PIB (em termos absolutos ou per capita), tem sido questionada pelas ideias de: (i) sustentabilidade, em que melhorias de curto prazo podem levar a problemas de longo prazo; (ii) liberdade e capacidade, em que o rendimento é visto apenas como uma das cinco liberdades que deverão ser expandidas para uma vida digna (Sen, 1999); (iii) desenvolvimento humano, que, com base nas ideias dos economistas Ul Haq e Sen, conceitualiza o desenvolvimento como uma média (o índice de desenvolvimento humano) de três dimensões: esperança média de vida à nascença, educação e rendimento; e (iv) equidade, baseada em noções de igualdade na distribuição das oportunidades para se alcançar o progresso do ser humano (Merz et al. 2007). Numa tentativa de sistematização de todos esses parâmetros, na viragem do milénio, a comunidade internacional instituiu uma lista de oito áreas de intervenção, os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM). Embora praticamente todos os objetivos possam ser 28

29 relacionados de alguma forma com a migração internacional (Skeldon, 2008), Esta não foi vista como um objetivo chave. Isso talvez se explique pela improbabilidade dos então 189 países soberanos acordarem sobre uma questão tão sensível e controversa. Ainda assim, pensase que poderia haver um objetivo do tipo eliminar o discurso migração-problema. Seria vago, é certo, mas não seria o único, como mostra o oitavo ODM: parceria global para o desenvolvimento. A tarefa de analisar a relação entre migrações internacionais e desenvolvimento é complexa, visto que existem, à partida, restrições metodológicas de peso. Pelo fato de: a natureza multi-facetada do conceito de desenvolvimento, que inclui elementos económicos, políticos, sociais e culturais não facilita a interpretação nem a medição da informação; o processo de decisão para migrar tem um caráter endógeno e seletivo, e por isso difícil de ser estudado; as migrações não são uma estratégia de sobrevivência homogénea. Existem diversos motivos e diversas formas de migrar nacional e internacional, regular e irregular, forçada e voluntária, entre outros. E a estratégia escolhida tem múltiplas repercussões, das quais se sublinha os efeitos no acesso ao mercado de trabalho, no apoio governamental e de instituições jurídicas, na educação e formação, nos serviços de saúde e na criação e acumulação de riqueza; as definições mais frequentes de diáspora e remessas são consideradas incompletas e imprecisas; e não existe um sistema coordenado de informação sobre migrações, daí a terminologia ser vasta e ambígua e os métodos de recolha, tratamento e registo da informação serem muito diversos. É de realçar que a teoria tem evoluído para análises mais holísticas (com menos enviesamento económico, sociológico, demográfico ou de outra natureza) da relação entre migrações e desenvolvimento. Mas a maior visibilidade da migração traz algumas limitações. A questão não é de saber se a migração pode ser usada para promover o desenvolvimento, nem de que forma o desenvolvimento impede a migração, mas como influencia o volume, a escala e os padrões de circulação. Por outro lado, uma questão importante é saber como os investigadores e os decisores poderão melhor contribuir para que os governos e os potenciais migrantes 29

30 estejam cada vez mais preparados para aproveitar as oportunidades que a migração proporciona para as transformações económicas, políticas, culturais e sociais conducentes ao desenvolvimento. No entanto, registam-se avanços mas é necessário reduzir a frequência dos discursos migração como um problema (países de acolhimento) e migração como panaceia para problemas de desenvolvimento (países de origem) e valorizar o conhecimento e o diálogo genuíno na formulação e execução de políticas migratórias Metodologia utilizada para a realização da pesquisa Por metodologia pode entender-se como um caminho que se traça para atingir um objetivo qualquer. É portanto, a forma, o modo para resolver problemas e buscar respostas para as necessidades e dúvidas. Assim a metodologia científica é um caminho que procura a verdade num processo de pesquisa, ou aquisição de conhecimento, um caminho que utiliza procedimentos científicos, critérios normalizados e aceites pela ciência. Nesse caso, a metodologia utilizada seguirá os pressupostos para elaboração de qualquer trabalho de investigação científica (Michel, 2005). Na visão de Fonseca (2002) apud Gerhardt e Silveira (2009), métodos significam organização, e logo, estudos sistemáticos, pesquisa, investigação, ou seja, são o estudo da organização, dos caminhos e serem percorridos, para se realizar uma pesquisa ou um estudo, ou para se fazer ciência. Etimologicamente, significa o estudo dos caminhos dos instrumentos utilizados para fazer uma pesquisa científica. A realização de qualquer trabalho de investigação pressupõe a adoção de métodos, técnicas e procedimentos científicos de recolha, analise, interpretação e discussão de dados, aspetos que conferem rigor e consistência dos resultados de estudo e das conclusões. Neste sentido, com o intuito de atender aos objetivos propostos neste estudo e com base na fundamentação teórica, utiliza-se a metodologia que tornou viável a investigação do problema desta pesquisa. A metodologia utilizada para a realização deste trabalho foi a análise de bibliografia relevante, destacando estudos internacionais, documentos nacionais e estrangeiros e, por fim, autores cabo-verdianos que se têm dedicado às áreas do desenvolvimento e das migrações. 30

31 Apresentou-se a forma como os conceitos migrações e desenvolvimento se interligam e a tentativa de instrumentalização das primeiras em benefício do último. Na segunda parte do trabalho analisa-se o caso de Cabo Verde no que concerne: (i) às atuais opções do país em termos de desenvolvimento; (ii) às práticas e políticas de migração (onde o foco é a emigração, mas não se ignorando a imigração); e (iii) a três conjuntos de questões a considerar aquando da mobilização do potencial das migrações para o desenvolvimento (diáspora, remessas e migração temporária), apresentando recomendações específicas para cada questão. E finalizase com um conjunto de considerações, das quais constam um quadro que se quer resumo exemplificativo das relações entre migrações e desenvolvimento, as conclusões, as limitações do estudo, assim como algumas pistas para investigação futura. Deste modo, para a realização deste estudo, foi adotado o esquema metodológico que se encontra a seguir: 31

32 Pesquisa teórica bibliográfica Documentos de referência sobre Remessas dos emigrantes e desenvolvimento de Cabo Verde. Procedimentos metodológicos Obtenção de dados e informações com base nas pesquisas bibliográficas e consultas aos responsáveis e especialistas na matéria. Identificação dos principais constrangimentos ao desenvolvimento de Cabo Verde. Análise discussão dos dados e das informações sobre as remessas dos emigrantes e o desenvolvimento de Cabo Verde. Contribuição para uma melhor compreensão sobre a importância das remessas dos emigrantes e o Desenvolvimento de Cabo Verde, e assim sugerir medidas de políticas e estratégias a esse respeito. Figura 1:Esquema metodológico Fonte: Elaboração própria (2013) 32

33 Capitulo 2: Caraterização de Cabo Verde 2.1. Situação económica A situação económica de Cabo Verde é caraterizada pela escassez de recursos naturais devido a sua situação geográfica e climática, que determina uma atividade agrícola muito precária e passa alguns problemas resultantes de um conjunto de constrangimentos específicos de pequenos países insulares. O país enfrenta um grande leque de obstáculos e problemas no seu processo de desenvolvimento, resultantes de um conjunto de constrangimentos estruturais e limitações. A estrutura da economia de Cabo Verde distingue-se da maior parte da dos países africanos pelo lugar preponderante que ocupa o sector terciário, dado que representa uma percentagem significativa do PIB e absorve uma quantidade relevante de mão-de-obra. Esta particularidade é consequência da existência de um setor primário e secundário extremamente diminutos, devido à precariedade da agricultura, à insuficiente exploração dos recursos do mar, ausência de economias de escala originada pela descontinuidade territorial e à ausência de outros recursos naturais, a que se junta os constrangimentos inerentes a um mercado interno extremamente reduzido. Da mesma forma a análise da estrutura da produção económica do país faz ressaltar a fragilidade da base produtiva nacional com custos de produção extremamente elevados (Governo de Cabo Verde 2012). Cabo Verde possui uma economia aberta, muito condicionada pela conjuntura externa, o que se explica pela elevada dependência do comércio, da ajuda externa e dos fluxos de capitais oriundos do estrangeiro através de remessas de emigrantes, donativos, etc. A importação é o principal suporte do comércio interno e o maior componente do comércio externo, enquanto a exportação é o menor componente do comércio externo. Cerca de 80% das importações provêm da Europa, sendo Portugal o parceiro mais importante. (Governo de Cabo Verde 2012). Com um setor exportador relativamente reduzido, as exportações de mercadorias, sobretudo têxteis, encontram-se condicionadas por uma mão-de-obra mais cara e m relação a outras economias emergentes e, em particular, pela crescente concorrência dos têxteis chineses. 33

34 O país tem algumas dificuldades em atrair investimentos externos e uma fraca capacidade de gerar empregos, sendo o sector público o principal empregador num mercado de trabalho formal limitado. (BES, 2012) A maior parte da população dedica-se ao sector primário, sendo a cultura mais importante a do milho. O fraco desenvolvimento da agricultura que é imputável aos fenómenos naturais ilustra a impossibilidade de Cabo Verde em cobrir as necessidades alimentares da população. A produção de cereais do país só cobre 10 a 15% das necessidades, estando o défice alimentar na ordem dos 85% a 90% e é absorvido pelas importações de cereais e pela ajuda alimentar que desempenha um papel crucial na garantia permanente das necessidades de base de cerca de 25% da população sobretudo para as populações rurais cuja maioria representa a camada mais pobre do país (Governo de Cabo Verde 2012). A indústria pouco desenvolvida, essencialmente ligada aos setores dos têxteis, do calçado e das pescas, não ocupa mais do que 4% da população ativa e concentra-se na Praia e no Mindelo. (Governo de Cabo Verde, 2012) A pesca está pouco desenvolvida, apesar da morfologia do país e da abundância dos recursos. A economia cabo-verdiana é terciarizada, onde os serviços incluindo o turismo representam o maior potencial de crescimento das exportações e mais de 70% do PIB. O setor de turismo destaca-se como a área de maior potencial, e que pode dar uma maior contribuição para o desenvolvimento do país, uma vez que, este é um setor que está crescendo muito em Cabo Verde, sendo visitado anualmente por cerca de 20 mil pessoas devido à própria condição geográfica e climática que permite o seu desenvolvimento e atrai investimento externo( Governo de Cabo Verde, 2012). Em fevereiro de 2012, a inflação média anual atingiu os 4,3%, aumentando 1,6 pontos percentuais (pp) em relação ao mesmo período de Em termos mensais, os preços cresceram 0,7%, em grande medida devido à actualização pela Agência de Regulação Económica dos tectos máximos dos preços a retalho dos combustíveis, lubrificantes e gás, bem como das tarifas de electricidade (INE,2012). 34

35 Apesar do abrandamento económico na Europa, que responde por 90% do investimento direto estrangeiro (IDE), o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011 foi suportado pelo aumento de 25% do número de turistas e o crescimento de 24% das remessas da grande diáspora cabo-verdiana. Em fevereiro de 2012, as remessas de emigrantes em divisas cresceram 32%, abrandando 2,7 pontos percentuais em relação ao mês de janeiro, determinada pela desaceleração em 5 pontos percentuais para 32% das provenientes da Zona Euro, na medida em que, o ritmo de crescimento das remessas dos EUA manteve se em torno dos 14% (BCV, 2012). Segundo Arnaud Louis, Diretor Associado da Equipa de Análise Soberana da Fitch, apesar de um ambiente externo difícil em 2011, estima-se que o crescimento real do PIB cresça cerca de 5% em 2012 e 2013 refletindo o êxito de Cabo Verde em diversificar o comércio e os parceiros financeiros na Europa, tendo como principais Portugal, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido. É de destacar que a estrutura da economia de Cabo Verde distingue-se, na sua sub-região, pelo mais elevado PIB per capita, USD em (AEO); e, no continente, pela preponderância do setor terciário no PIB (74,4%) e a debilidade dos setores primários (6,6%) e secundário (19%) (todos em 2006, EIU, 2010). Tal estrutura justifica-se, em grande parte, pela precariedade da agricultura, a insuficiente exploração dos recursos do mar e a ausência de outros recursos naturais, acrescidos dos constrangimentos inerentes a um mercado interno extremamente reduzido, geograficamente descontínuo e insular. Estas vulnerabilidades refletem-se numa elevada taxa de desemprego, cerca de 13%10 (INE), e numa economia fortemente dependente de fluxos externos (Investimento Direto Estrangeiro (IDE), Remessas e Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD). Entre os aspetos positivos destaca-se o fato de a economia ter crescido, nos cinco anos anteriores a 2008, antes da crise corrente, a uma média superior a 6%. A estrutura da economia cabo-verdiana diferencia-se pela expressão que nela tem o setor terciário, o qual representa cerca de 68% do PIB) e absorve 66% do emprego, aproximando- 35

36 se da estrutura típica das economias desenvolvidas, não obstante às suas profundas limitações estruturais. Gráfico 1. Estrutura da economia Cabo-verdiana Fonte: ANMCV (2010) A preponderância do setor terciário decorre, principalmente, da fraca expressão do setor primário, devido às limitações estruturais da agricultura e da escassez de outros recursos naturais. A pesca, que possui algum potencial, encontra-se ainda numa fase embrionária de desenvolvimento. No seu conjunto, o setor primário representa 13 do PIB, empregando cerca de 16 % da população ativa. O setor secundário representava 19% do PIB e 18% do emprego. A fraca expressão do setor secundário, explica-se pela reduzida dimensão do mercado interno e pela quase inexistência de uma atividade industrial voltada para exportação (ANMCV, 2010) Com base na geografia económica de Cabo Verde, pode-se identificar os seguintes fatores como potencialidades importantes do desenvolvimento: 36

37 Recursos humanos com um nível de formação relativamente satisfatório; Uma zona económica exclusiva de cerca de Km² que representa algumas potencialidades económicas; Uma localização geográfica no meio o Atlântico que permite excelentes ligações Atlântico norte/atlântico sul; (ANMCV, 2010) Em Cabo Verde, regista-se, ainda, constrangimentos sérios que dificultam o seu desenvolvimento: Encontra-se muito distante dos principais mercados e por conseguinte exposto a custos elevados das comunicações com o exterior, Dificuldades quanto à uma economia de escala, particularmente no que diz respeito à execução das infra estruturas devido a dispersão geográfica (nove ilhas habitadas), Uma fraca base agrícola, consequência de falta de água e de uma superfície agrícola útil (SAU) muito reduzida (10%), (ANMCV, 2010). É de realçar que, face à vulnerabilidade do país aos choques externos, o desenvolvimento do Cabo Verde é fortemente influenciado pela evolução da economia global Desenvolvimento e os novos desafios A vulnerabilidade é visível tanto ao nível económico, setor no qual ainda não conseguimos nos desenvolver o bastante ao ponto de nos tornarmos auto-sustentáveis, quanto ao nível da função segurança do Estado, em que não temos conseguido manter o controlo efetivo sobre todo o território nacional, particularmente o marítimo (...) A categoria de Estado vulnerável é meramente transitória e a sua transitoriedade é cada vez mais acentuada com o passar do tempo e com a nova conjuntura global. (PNUD, 2013) Em 35 anos de independência, Cabo Verde conheceu progressos consideráveis, nomeadamente em matéria de crescimento do PIB e do rendimento per capita, melhoria da saúde, da esperança de vida e da educação. Estes bons resultados não devem contudo ocultar as vulnerabilidades que caraterizam o país: assimetrias regionais crescentes, o que terá 37

38 reforçado as migrações internas, bem como as desigualdades em matéria de consumo e de rendimento da população o coeficiente de Gini passou de 43 em 1989 para 50 em 2007 (PNUD, 2009). E também não deverão desviar o país de conseguir melhores índices relativos ao desenvolvimento humano (IDH): em (121º em 181 países) (PNUD, 2009). O mais fraco dos três índices que constituem o IDH é o índice do PIB (dimensão um nível digno de vida medido por PIB per capita). Os outros são a esperança média de vida e a educação. Os novos desafios. As prioridades de Cabo Verde constam dos d o c u m e n t o s programáticos em vigor, nomeadamente o Programa do Governo para a legislatura e o segundo Documento de Estratégia de Crescimento e Redução da Pobreza (DECRP II) para o período Estes enformam as ações definidas para a nova fase do desenvolvimento do país, que inclui: uma parceria especial com a União Europeia (UE) em 2007, no quadro do Acordo de Cotonou ( ), Cabo Verde e UE deram uma nova orientação ao relacionamento existente, à qual chamaram parceria especial, que, por enquanto, constituiu pouco mais do que uma intenção de ultrapassar a relação de dadorbeneficiário e abarcar interesses, ditos comuns, em matéria de segurança e desenvolvimento. A cooperação, significativamente maior, possibilitará o acesso de Cabo Verde a normas, mecanismos e instrumentos que aproximem mais o seu sistema económico do europeu, melhorando assim a sua credibilidade externa e a possibilidade de participar, progressivamente, nalgumas políticas e programas da União específicos para as regiões ultraperiféricas (RUP) Madeira, Açores e Canárias. A parceria assenta em seis pilares: boa governação; segurança e estabilidade integração regional (RUP e CEDEAO); transformação e modernização; sociedade do conhecimento e da informação; e luta contra a pobreza e desenvolvimento. Em maior grau de maturação está a questão da mobilidade, um dos sub pilares da segurança e estabilidade (assunto a ser analisado mais adiante). Mediante um plano de ação e programas de trabalho, em Cabo Verde, um Conselho de Ministros especializado é dotado de um Secretariado Permanente, sob a direção do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), que tem por finalidade assegurar o funcionamento regular dos mecanismos bilaterais de seguimento, que são: o grupo local de seguimento, o grupo técnico de seguimento e 38

39 a troika ministerial. Neste processo, ambos os lados deverão estar atentos a dois aspetos muito importantes, nomeadamente o caráter inédito e, por conseguinte, indefinido desta parceria especial, sem dúvida inovadora e uma grande expetativa feita de promessas e equívocos, que, com o tempo, ganhará corpo e sentido em torno do que agora se chama os seis pilares (ou o que deles restar); a adesão à Organização Mundial do Comércio (OMC),e em 1999, Cabo Verde apresentou o seu primeiro pedido formal de adesão à OMC. Em finais de 2007, por via negocial, foi aceite como o 153º membro. Tal significa, em termos gerais, que terá de liberalizar o regime comercial; oferecer um ambiente transparente e previsível para o comércio e o investimento estrangeiro; participar nas negociações multilaterais; e terá oportunidade (teórica) de aceder aos outros 152 mercados. As exigências feitas pelos países desenvolvidos em matéria de concessão de mercado, tanto a nível de redução das tarifas aduaneiras como a nível do setor de serviços, implicarão: reformas legislativas e institucionais; maior agressividades na busca de soluções que vão para além da ajuda externa; modernização das instituições; melhoria da qualidade dos serviços prestados; organização da classe empresarial; e oportunidade aos técnicos nacionais de se especializarem em áreas diversas. Presentemente, elaboram-se os planos de ação setorial, dos quais se destacam, pela urgência: legislação comercial, medidas sanitárias e fitossanitárias, código aduaneiro e lei de direitos de autor (OMC, 2007); Notar-se-á, contudo, que para uma economia caraterizada pela fraca capacidade de exportação e enorme dependência da importação, a questão alfandegária é muito sensível. Isto é, o desmantelamento das barreiras aduaneiras e a consequente privação das receitas do sub setor implicará difícil e cautelosa negociação de períodos e mecanismos de transição; graduação de País Menos Avançado (PMA), e o país foi membro do grupo dos PMA de 1977 a Graças aos progressos reconhecidos e através de várias tentativas em 1994, 1997, 2000, bem como por ocasião da última revisão em 2004, satisfez dois dos três critérios para sair deste grupo. Os critérios segundo os quais o desempenho foi considerado satisfatório são o rendimento per capita e o índice do capital humano, enquanto o da vulnerabilidade económica, baseada sobretudo na instabilidade agrícola e na fraca diversificação da economia, nunca foi superado. Além 39

40 de outras consequências, a saída do grupo dos PMA implica: a redução gradual dos donativos e dos empréstimos concessionários, o que é extremamente complicado para uma economia altamente dependente do exterior e, do ponto de vista comercial, perda das preferências comerciais, comprometendo ainda mais as exportações. Isto justifica o facto de Cabo Verde ter negociado um prolongamento de mais três anos (depois da penúltima avaliação em 2000) no grupo dos PMA; e a Assembleia Geral das NU e o Governo de Cabo Verde terem decidido criar o Grupo de Apoio à Transição (GAT) com a missão de propor estratégias de gestão do processo de saída dos PMA, cujo período de transição foi alargado para quatro anos, ao invés de três (até 2011). As atuais recomendações do GAT são: melhoria do acesso ao mercado internacional, simplificação do acesso às novas formas de financiamento e de investimento, reforço das capacidades nacionais, apoia à participação da diáspora no processo de desenvolvimento do país e parceria reforçada com o setor privado (NU, 2008), Os objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM). A nova condicionalidade da cooperação internacional para o desenvolvimento é constituída por oito objetivos, a ser atingidos até 2015, cujo cumprimento é medido por 18 metas e 48 indicadores. São todos objetivos recomendáveis e com o mérito de chamar a atenção e canalizar recursos e ações para assuntos há muito discutidos. Contudo, o conceito de alguns desses objetivos é vago, as metas são exclusivamente quantitativas e as estatísticas, a nível mundial, baseiam-se em sistemas de recolha, registo e partilha pobres e frágeis. A seguir, veremos um quadro resumo do cumprimento dos ODM (que reportam a 1990) por Cabo Verde. Cooperação internacional continua a ser extremamente importante. A APD é uma questão crucial para Cabo Verde. A par das remessas dos emigrantes, a cooperação internacional foi vital para o desenvolvimento do país (em 1991 representou 40% do PIB). Nos últimos anos, oscila à volta dos 10%, não tendo contudo diminuído o seu valor absoluto médio. Outra novidade é o fato das contribuições multilaterais21 assumirem um papel crescente a nova modalidade de ajuda, o Apoio Direto ao Orçamento (2005) tem tido a adesão de um número crescente de doadores, o que permite uma maior coordenação entre estes e o governo do país. Também em 2005, Cabo Verde foi um dos 19 países seleccionados pela Millennium Challenge Corporation (MCC), uma agência governamental norte- americana, para beneficiar de um fundo de ajuda, o Millennium Challenge Account (MCA), destinado a países 40

41 em desenvolvimento, comprometidos com a boa governação, a liberdade económica, a transparência da gestão da coisa pública e o investimento nos seus cidadãos. O país recebeu USD 110 milhões (MCA I) para um programa de cinco anos, direcionado para a agricultura, infra estruturas físicas e fortalecimento do setor privado. Em 2009, foi selecionado para um segundo pacote (MCA II) ainda em fase de preparação, onde as áreas prioritárias serão revistas em função dos resultados do MCA I e das novas necessidades. No capítulo das relações internacionais e de cooperação, Cabo V e r d e t e m procurado consolidar a sua identidade regional e a sua vocação de ponte entre civilizações, por exemplo, através: (i) da progressiva participação na CEDEAO e na UA; (ii) de um novo tipo de relacionamento com a UE, que, além das boas relações bilaterais, potencia a diáspora cabo-verdiana e a proximidade com as RUP atlânticas; (iii) do reforço da antiga relação com os EUA, procurando valorizar o enorme potencial das redes entretecidas ao longo do tempo, os recursos do MCC e a entrada na sociedade do conhecimento; (iv) do contributo à renovação da CPLP, sem descurar os laços bilaterais com o Brasil, os quais têm evoluído pela via da capacitação humana e do comércio; (v) do pragmatismo da solidariedade e do negócio com a China e; (vi) de novas incursões na Ásia (Índia). Programa da presente legislatura. Para o período , o Governo caboverdiano apresenta cinco grandes objetivos a atingir: maior competitividade e crescimento económico; crescente integração nos mercados globais; redução da pobreza; modernização do aparelho do Estado; e maior justiça social. Preconiza uma afirmação plena e substantiva da qualidade de Nação Global, integrando no espaço e no tempo as ilhas atlânticas e as ilhas da diáspora espalhadas pelo mundo na afirmação da cabo- verdianidade, valorizando o quadro internacional da política externa de Cabo Verde, dando ênfase ao seu posicionamento nos planos económico e cultural, adequado ao reforço da nossa inserção e afirmação crescente na comunidade internacional (Governo de Cabo Verde, 2006). E considera ainda a consolidação do regime democrático e da boa governação recurso estratégico para o desenvolvimento do país (Governo de Cabo Verde, 2006) fatores chave de toda a estratégia de desenvolvimento. 41

42 Estas intenções estão ancoradas no primeiro Documento Estratégico de Crescimento e Redução da Pobreza ( ), onde se assume o combate à pobreza de forma integrada. É óbvia a forma como os objetivos do programa do governo refletem o discurso que está por trás dos Programas Estratégicos de Redução da Pobreza (PRSP) 24. Este discurso surge em 1999, altura em que a iniciativa Países Pobres Altamente Endividados (HIPC) sofre alterações, na medida em que as Instituições de Bretton Woods passam a integrar a expressão redução da pobreza nos seus programas. A iniciativa HIPC II procede a algumas alterações, mas persistem críticas relativas aos (ainda) muito rigorosos critérios de acesso; à promoção de investimentos que, a longo prazo, não contribuem para o desenvolvimento; e à promoção de uma política errada de perdão da dívida que tem levado a um maior endividamento e agravamento da pobreza nos extremos. E é neste âmbito que surgem os PRSP como substitutos dos Programas de Ajustamento Estrutural. A diferença está no fato de os PRSP anunciarem o envolvimento dos governos dos países devedores e da sua sociedade civil (um conceito ambíguo) na elaboração dos seus próprios planos estratégicos, sem (supostamente) imposição de condições. E, assim, o desenvolvimento ou seja, a combinação indissociável de progresso social, avanço democrático e afirmação da independência nacional dentro de uma globalização multipolar negociada, nas palavras de Amin (2006) é reduzido à luta contra a pobreza e à boa governação. Documento Estratégico de Crescimento e Redução da Pobreza ( D E C R P ). A elaboração de um DECRP inscreveu-se nos objetivos do governo cabo-verdiano, ao assumir a política de combate à pobreza como parte integrante da globalidade das políticas públicas. Os objetivos gerais dessa estratégia convergem para o fim último da redução da pobreza, procurando abordar e sistematizar todas as estratégias de redução da pobreza em consonância com os ODM. Este tipo de documento passou a constituir o quadro de referência das intervenções do país e dos parceiros na definição e implementação das políticas públicas, sendo o suporte para a alocação de recursos internos e externos. Ele é financiado com recursos internos e outros provenientes da ajuda bilateral e multilateral ao desenvolvimento, não se esquecendo da sensibilizaçãoda diáspora para reforçar o envio de remessas e realização de investimentos (MFAP, 2007). 42

43 O DECRP II,( ), herda vulnerabilidades e retoma os eixos estratégicos do primeiro. As fraquezas subsistentes, identificadas pelo então MFAP28, são: (i) base produtiva nacional pouco diversificada; (ii) elevados custos de bens e serviços (água, energia, telecomunicações); (iii) baixa qualidade do ensino; (iv) ensino superior ainda incipiente e ausência de mecanismos de produção de elites; (v) formação profissional muito aquém das necessidades crescentes do sistema produtivo; (vi) mercado laboral pouco flexível; (vii) sistema financeiro pouco desenvolvido; (viii) défice de infra estruturação económica do país; (ix) fraco desempenho das comunicações (aéreas, marítimas, rodoviárias); (x) sistema de regulação incipiente; (xi) existência de barreiras administrativas ao investimento; e (xii) não inclusão económica das Pequenas e Médias Empresas ( M F A P, 2008: Preâmbulo). E os cinco eixos de ação são: promover a boa governação, reforçando a sua eficácia e garantindo a sua equidade; desenvolver e valorizar o capital humano; promover a competitividade para favorecer o crescimento económico e a criação de emprego; melhorar e desenvolver as infra estruturas básicas, promover o ordenamento do território e salvaguardar o ambiente; e melhorar o sistema de proteção social, reforçar a sua eficácia e garantir a sua sustentabilidade. A novidade do atual Documento Estratégico de Crescimento e Redução da Pobreza, (DECRP) é a apresentação de uma Agenda de Transformação, criada para responder aos novos desafios da modernização MFAP, 2008 parceria especial com a UE, graduação de PMA e adesão à OMC. Para tal define cinco pilares de ação, idênticos aos do próprio DECRP II, que agrupam dez objetivos de médio e longo prazo, e prevê um sistema de seguimento e avaliação. Os documentos que se acabam de sintetizar revelam duas realidades contraditórias. Por um lado, o predomínio da burocracia internacional, cuja prática e linguagem deixam pouca margem de manobra a um país pequeno e com pouca capacidade humana instalada. Sabe-se que, em geral, o discurso em torno da redução da pobreza não é endógeno nem eficaz. Por outro lado, Cabo Verde tem tido a sorte de ser governado por patriotas honestos e razoavelmente preparados, que têm procurado 43

44 tirar o proveito máximo do desequilíbrio de forças: não podendo impor-se, utiliza essas doutrinas e esses documentos que as reflectem como referência mais ou menos universal, enquanto tenta aumentar a capacidade de os modificar e de se libertar da pobreza Visão e estratégia de desenvolvimento Como Visão Estratégica de desenvolvimento persetiva-se no longo prazo Um país aberto ao exterior, com uma economia de serviços competitiva, sustentada por recursos humanos altamente qualificados. Um desenvolvimento que abraça cada uma das ilhas, com sentido estético e ambiental. Uma sociedade democrática, aberta e respeitadora dos direitos humanos (ANMCV,2010). A luta contra a pobreza é tida como um objetivo maior. Neste sentido, a aposta consiste em assegurar um crescimento económico forte, sustentado e durável, com taxa de desemprego a níveis aceitáveis e num quadro de estabilidade macroeconómica compatível com a solidariedade social no conjunto das ilhas e num processo equilibrado no plano ambiental. (ANMCV, 2010) Cabo Verde, decorrente das suas estratégias e políticas de desenvolvimento e da sua situação de um país pequeno e insular e economicamente vulnerável, assumi o firme compromisso de realizar os ODM tendo o integrado no seu quadro estratégico de desenvolvimento, desde as Grandes Opções do Plano, Estratégias de Transformação de Cabo Verde, Documento Estratégico de Crescimento e de redução da pobreza, tendo definido s seguinte visão de desenvolvimento no longo prazo.(anmcv, 2010). Para ANMCV (2010), a longo prazo foram definidas as seguintes opções: A boa Governação, A capacidade empreendedora, a competitividade, o crescimento e alargamento da base produtiva, O desenvolvimento dos recursos Humanos, O desenvolvimento social e a luta contra a pobreza, reforço da coesão social. O desenvolvimento das infra-estruturas. 44

45 Foram fixados 7 eixos principais da estratégia nacional de desenvolvimento: Manutenção de equilíbrios macroeconómicos, promoção da competitividade da economia e da confiança dos investidores privados e a credibilidade externa, e consolidação da convertibilidade da moeda nacional; Continuação das privatizações das empresas e apoio ao pluralismo económico; Modernização do setor privado, promoção das exportações e o desenvolvimento de parcerias a favor dos investimentos externos; Desenvolvimento de serviços essenciais à produção (água, saneamento, energia) através do desenvolvimento das infra estruturas afins; Valorização de recursos humanos a todos os níveis; Reforma de Administração e Reforço da descentralização; e Apoio ao desenvolvimento do turismo. A agenda política para o desenvolvimento do país deve assentar-se sobre um crescimento suportado largamente pelo setor privado e por uma inserção dinâmica da economia global na base do aproveitamento da posição geo económica do país em matéria de comércio externo e de serviços turísticos e das transferências privadas Impacto do desenvolvimento no cumprimento dos ODM A situação, a nível global, é marcada pela crise económica e financeira atual, tendo o Fundo Monetário Internacional revista em baixa o cenário de crescimento mundial aponta para uma taxa de crescimento de 2,2% em 2009, 0,8 p.p. abaixo da anterior previsão, quando as principais economias mundiais se encontram já à beira da recessão técnica.(anmcv, 2010). Os riscos de uma deterioração mais acentuada da economia a nível mundial, dado o prolongado período de paralisação dos mercados de crédito, são grandes. As mais recentes perspetivas para o crescimento têm vindo a ser revistas em baixa para os diferentes países e regiões. (ANMCV, 2010). A nível nacional, as informações mais recentes da conjuntura económica apontam para um menor ritmo de crescimento da atividade económica, a avaliar pelo comportamento dos 45

46 indicadores de curto prazo (qualitativos, resultantes dos inquéritos de conjuntura do INE, e quantitativos da procura interna) calculados pelo Banco de Cabo Verde. De acordo com o relatório ao governo do Banco de Cabo Verde, de Maio de 2009, o ritmo de crescimento da atividade económica continua dando sinais de abrandamento pelo que para 2009, prevê-se um crescimento real do PIB no intervalo de (4,7% - 5,7%). Este abrandamento tem por base sobretudo uma desaceleração da procura interna, designadamente do consumo e investimento privado, a que se junta a esperada evolução menos positiva da procura externa, em particular na sua componente exportações de serviços. Cabo Verde enfrenta múltiplos desafios, no quadro da sua aposta de alcançar o desenvolvimento económico, social e ambiental sustentável. Num contexto de crise económica e financeira internacional os indicadores de desenvolvimento económico e social do país continuam uma trajetória positiva com boas perspetiveis no médio prazo. Os dados apontam para uma retoma no setor do turismo e na dinamização das Pequenas e Médias Empresa (PME). (ANMCV, 2010). Os investimentos previstos no setor das infra estruturas de produção podem fazer crescer o potencial produtivo do país contribuindo para acelerar o crescimento da economia e por conseguinte para o desenvolvimento do país, de uma forma global. O crescimento no setor do turismo nos últimos anos contribuiu largamente para os bons resultados alcançados pelo país, sendo o setor a principal fonte de divisas, apesar de apresentar uma tendência de abrandamento com base nos dados dos últimos dois anos. De acordo com as estatísticas de o Conselho Mundial do Turismo e Viagens (WTTC), o turismo deverá representar 15.2 % do PIB em 2009 e deter 13,9 % do emprego total, contra respetivamente 17.2 e 15.8 % em (ANMCV, 2010). O aumento progressivo do investimento público contribuiu igualmente para o crescimento conseguido. A construção da Barragem Trindade e o desenvolvimento dos projetos de bacias hidrográficas em curso, os três aeroportos construídos (Praia, Boa Vista e Mindelo), bem como as construções realizadas e previstas de unidades turísticas um pouco por todo pais foram 46

47 realizações importantes e de grande impacto no crescimento e na promoção económica. O investimento na agricultura é ainda modesto e é um setor de baixa produtividade. Apenas 10 % das terras do país são aráveis. Acusa-se alguma melhoria nos rendimentos com irrigação gota a gota e com a densificação de acessos aos mercados. Apesar da chuva abundante em 2009, a contribuição da agricultura para o PIB deverá situar ainda a volta dos 10% em 2009, a mesma que em (ANMCV, 2010). A pesca, apesar de ainda ter uma modesta contribuição para o PIB (5%), constitui um dos raros recursos naturais que representa um verdadeiro potencial económico. É ainda um setor pouco desenvolvido, mas responsável por 10% das exportações e tem uma contribuição muito importante para dieta alimentar cabo-verdiana e por conseguinte para a segurança alimentar, um dos indicadores da avaliação no presente estudo. O crescimento do PIB real devera situar-se em 2009 em 5%. O crescimento do investimento privado em 2009 deverá também ficar nos 7% contra em O consumo global também poderá acusar um abrandamento prevendo uma retoma em O consumo privado poderá manter-se a um nível dos anos anteriores, em virtude de um melhoramento substancial das condições de vidas das famílias nos últimos anos (QUIBB,2007). 47

48 Quadro 1 : Componentes da procura Fonte: INE O Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2010 prevê um aumento de 15,2 % de despesas que deverá atingir os 33 % do PIB. A previsão para o crescimento das despesas de investimentos é de 28,4 %, graças ao do programa de investimento público desenvolvido. As despesas correntes devem também crescer em 3,8 % do PIB. As receitas públicas devem manter ao mesmo nível de 2009, 28.2 % do PIB. O total dos compromissos dos 48

49 parceiros multilaterais e bilaterais deve atingir em 2009, os cerca de 15 % do PIB. Para 2010 as previsões apontam em para cerca de 33,4 % do PIB. O défice orçamental em 2009 deve situar-se a volta dos 3,5% do PIB e em 2010 a previsão é para 4,3%. O reforço da administração fiscal tem permitido uma grande melhoria na cobrança de impostos. As taxas do IUR para as empresas e particular passa de 30 para 25% em O imposto sobre as pequenas empresas passa de 20 para 15 %. Estavam previstos desde o ano passado a revisão dos códigos tributários a fim de simplificar a gestão de regularização de impostos. Espera-se dessas medidas a redução do custo de actividades económicas e, por conseguinte, a maior competitividade da economia. Segundo as estimativas do Banco Mundial, o rácio de valor nominal do total da dívida sobre PIB devera passar de 67% dos finais de 2007 a 49% em O objetivo de um rácio de dívida interna sobre PIB de 20% fora atingido em 2007, dois anos antes do previsto, permitindo ao país uma certa margem de manobra para fazer face á crise e promover o desenvolvimento investimentos nas infra-estruturas de grande impato no crescimento e redução da pobreza. Tal focalização represente um forte engajamento do país quanto aos ODM. A preparação do quadro das despesas de médio prazo setoriais (CDMT), desenvolvido em articulação com o Documento estratégico para o crescimento de redução da pobreza (DECRP-II), foi concluída em maio de O DECRP-II deve permitir um melhor alinhamento dos orçamentos anuais sobre as prioridades fixadas nas estratégias. O novo quadro sobre as finanças públicas permitirá a actualização anual dos CDMT. A passagem do país de PMA para PDM representa um desafio importante para Cabo Verde, na medida em que poderá conduzir a uma diminuição progressiva da ajuda pública ao desenvolvimento (APD). Por outro lado, Cabo Verde preenche apenas dois dos três critérios fixados para alteração do seu estatuto: O rendimento per capita e o desenvolvimento humano. O país não consegue ainda preencher o critério de vulnerabilidade económica, devido sobretudo à sua forte dependência das importações, mas também das suas dificuldades ambientais, sua insularidade. 49

50 A curto prazo o país tem garantido a ajuda orçamental. A qualificação do país abre também perspetivas, podendo pelas características da sua economia aceder a financiamentos importantes. A curto prazo ainda, Cabo Verde deve mobilizar a ajuda externa para financiar os investimentos públicos, particular a nível dos municípios pobres para atenuar as assimetrias e privilegiar as receitas internas. Deve portanto melhorar a disciplina orçamental suprimindo as despesas públicas e custos de funcionamento supérfluos e melhorar a capacidade de cobrança de impostos. Quadro 2: Operações financeiras do Estado p Operações Financeiras do Estado e 2009p 2010p Receitas totais (com donativos) Receitas fiscais Donativos Despesas totais Despesas correntes Sem juros Salários Pagamentos de Juros Despesa de capital Saldo primário Saldo global Fonte: INE 50

51 O Banco Central (Banco Cabo Verde - BCV), é a autoridade monetária e de supervisão do setor financeiro (Bancos, seguros e mercado de capitais). Nas condições atuais, os riscos são mínimos em virtude da pequenez da economia cabo-verdiana e da sua fraca exposição a fluxos internacionais de capitais. A paridade fixa ECV e a facilidade de crédito de Portugal dão maior consistência às operações. Nível de reserva tem acusado um bom indicador superior a 3 meses das importações. A taxa de inflação situa-se, em 2009, a 1.0 %, contra 6.8 % em 2008, e a previsão para 2010 é de 3%. O sistema financeiro de Cabo Verde mostra-se relativamente resistente face à crise internacional, por causa também das suas interações limitadas com os mercados de capitais internacionais e rácio relativamente importante de depósitos dos bancos comercias em relação às suas carteiras de empréstimos Municipalização dos ODM Do diagnóstico, compatibilizando objetivos, metas e Indicadores com as bases estatísticas municipais disponíveis fixou-se um quadro de municipalização dos ODM nos Municípios. Nesse sentido, foram escolhidos oito objetivos, dez metas e vinte e cinco indicadores. (ANMCV, 2010). Tal escolha de indicadores deve se, por um lado à realidade socioeconómica e de Cabo Verde face aos novos dados do seu desenvolvimento com bons resultados em áreas como Saúde, Educação, Infra estruturas. Por outro lado a limitação de dados estatísticos por municípios condicionou a escolha de indicadores. Por exemplo para o caso dos indicadores de mortalidade infantil e materna os dados ainda não foram municipalizados. O mesmo acontece com a segurança alimentar. (ANMCV, 2010). Segundo ANMCV (2010),Matriz II encontram-se os objetivos, metas e indicadores ODM em Cabo Verde Cabo Verde em termos globais tem a situação seguinte, em 2007, quanto aos Objetivos do Desenvolvimento do Milénio: 51

52 O país, pelos dados do INE já terá atingido quatro dos oito ODM, nomeadamente os 2, 4 e 5. Os dados existentes não são suficientes para avaliar a evolução em relação a três dos quatro últimos objetivos, mas Cabo Verde devera ter atingido o objetivo sobre a luta contra o VIH/Sida. O país progrediu igualmente no índice de desenvolvimento humano das Nações Unidas, passando de 0.59 em 1985 para 0.74 em (ANMCV, 2010). O objetivo da redução da pobreza deverá ser atingido em Os dados oficiais referem a uma redução da pobreza de 10% entre 2002 e 2008, passando de 36 para 26 % da população. A segunda estratégia de luta contra a pobreza propõe prosseguir neste ritmo e desenvolver programas de 2008 para (ANMCV, 2010). A situação a nível dos municípios quando indicador da pobreza é ilustrada no gráfico seguinte. Gráfico 2: Percentagem da população pobre por concelhos Fonte (ANMCV, 2010) O BAfD, o Banco Mundial e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas implementaram um programa de redução da pobreza baseado sobre o micro crédito às populações rurais. O Governo elaborou e aprovou DECRP-II em Maio de 2008, que orientará até em 2011 os programas de desenvolvimento sobre bases praticamente idênticas ao DECRP-I. Essas intervenções têm tido um impacto notório a nível dos municípios. 52

53 Apesar do crescimento dos dez últimos anos, 26.6 % da população era pobre em 2007, de acordo com as estatísticas do QUIBB As zonas urbanas aproveitaram mais do crescimento que as zonas rurais, que detinham 63 % dos pobres em 2001 e 72 % em A situação do desemprego a nível dos municípios é elucidada no gráfico seguinte. Da análise do gráfico sobressaem os casos dos 10 municípios com níveis acima do indicador nacional, que acusa um nível de 21,6 (nacional). SZ, SCFO, SV e PL acusavam piores indicadores, em Gráfico 3: Desemprego geral e por género Fonte: INE, (2007) O DECRP mostra que o Cabo Verde está num bom ritmo para realizar o ODM que visa reduzir para metade, até 2015, os níveis de extrema pobreza de A habitação tem sido uma componente de grande expressão da pobreza em Cabo Verde. O Défice habitacional geral é avaliado em cerca de fogos como elucida o quadro seguinte. 53

54 Quadro 3 : Estudo da Problemática da Habitação em Cabo Verde Défice Ilhas Numero % Urbano Rural Total Urbano Rural S. Antão S. Vicente S. Nicolau Sal Boa Vista Maio Fogo Brava Resto Santiago Praia Cabo Verde Fonte: IFH (2009) O Governo definiu a política social de habitação como uma das prioridades das políticas públicas para os próximos anos, elaborou um Plano de Ação designado de Programa Casa Para Todos que define a visão, a missão, os eixos estratégicos, as metas e um conjunto de programas e projetos que deverão resultar na redução efetiva do deficit habitacional nacional nos próximos 5 anos. (IFH, 2009). O Programa HABITAR CV é parte integrante do Casa para Todos, foi desenvolvido para dar combate ao défice no meio urbano e tem como objetivo executar obras e serviços que resultem em unidades habitacionais novas, inseridas em parcelas legalmente definidas de uma área, dotadas de padrões mínimos de habitabilidade, salubridade e segurança, na forma definida pelo SNHIS e em perfeita articulação com os demais 54

55 programas. Será através da execução da Linha de Credito que este programa será implantado.(ifh, 2009). Para atender às necessidades da População com problemas específicos no acesso à habitação, e assim, permitir o acesso a terra urbanizada e a habitação digna e sustentável, a uma parte da Comunidade Cabo-verdiana, instituiu-se o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social (SNHIS), que tem como objetivo implementar as políticas e os programas de investimentos habitacionais. Este sistema define também quais os parâmetros, classes de beneficiários, preços máximos de construção e venda para Habitação de Interesse Social. (IFH, 2009). O Sistema é composto pelo Estado, através do departamento governamental responsável pela área da habitação, o Fundo de Habitação de Interesse Social (FHIS), as Instituições de Crédito interessadas em participar na actividade creditícia para habitações de interesse social, as Instituições Accionistas da Sociedade Gestora do FHIS, a Comissão de Coordenação e Credenciação (CCC-SNHIS) e os Conselhos Municipais. (IFH, 2009). Decorre um processo mobilização de financiamentos especiais para um programa de construção de 8470 fogos (quadro seguinte), orientado para os segmentos de interesse social, equivalente a cerca de 20% do défice habitacional quantitativo, bem como a reabilitação de 16 mil fogos, equivalente a 24% do défice habitacional qualitativo. A taxa de escolarização no ensino primário situa se a volta de 96 %. A educação recebe 20% dos recursos orçamentais do país. Perspetiva-se o alargamento da escolaridade obrigatória, por um período pelo menos de oito anos para todos os jovens Cabo-verdianos. Um novo Centro de formação profissional (Centro de Formação Profissional da Praia - CFPP) abriu na Praia. O ensino superior conheceu um progresso importante, com a abertura da Universidade de Cabo Verde e a criação e abertura da Universidade de Santiago em Assomada, em (IFH, 2009). De acordo com a comissão nacional do VIH/Sida, a taxa de predominância passou de 0.5 % em 1989 para 1,1 % em 2002, tendo baixado para à 0.8 % em Em 2007, 80 % da população tinham acesso à água potável. Mas a extensão do serviço é 55

56 complexa, devido à dispersão das comunidades rurais sobre todo o país. O exemplo da precariedade da situação são os casos dos municípios quanto ao cesso à água para conferir no gráfico seguinte. Oito municípios apresentam indicadores muito baixo de nível nacional. São os casos de MO e SF, SSM (indicador mais baixo de todos) RGST e SLO. Gráfico 4: Fonte água potável para os Município Fonte: INE, (2007) O desemprego, que ascendeu ao 17.8 % fim 2008, continua a ser um dos maiores problemas do país. Afeta mais as mulheres (28 %) que os homens (15 %), e é particularmente frequente nos jovens. A situação dos municípios quanto aos ODM é bastante diferenciada. Passamos a análise da situação por indicadores e por municípios. 2.2.Dinâmica demográfica Em Cabo Verde, o período de 1940 a 1950, foi a década que registou um crescimento populacional negativo. Este período ficou conhecido como a fome de 47 uma vez que grande número da população dependia da agricultura para a sobrevivência e, com a falta da chuva o país sofreu secas prolongadas, levando as famílias a passarem por um período de grandes dificuldades atingindo o crescimento de apenas 1.9% (INE, 2010). 56

57 A década de 70 foi marcante porque foi nessa década que ocorreu a expansão da imigração Cabo-verdiana e também ficou conhecida como um período de redução da população. A partir dos anos 80 a imigração passou a ser vista como uma alternativa para melhores condições de vida, dai a intensificação dessa tendência. A contenção do fluxo migratório derivado das políticas de emigração restritivas levadas a cabo pelos países de acolhimento nos anos 90, apesar da redução da taxa de fecundidade em Cabo Verde, houve um crescimento populacional de 2.4%. De 1990 a 2000, o número da população era de mil habitantes. (INE, 2010). Cabo Verde é composto por 10 ilhas, das quais nove são habitadas, para uma população estimada em habitantes dos quais 98.5% ( mil habitantes) eram residentes presentes, 1.5% (7.246 mil habitantes) eram residentes ausentes e uma 0.0% (192) eram população sem abrigos, correspondendo a uma taxa de crescimento média anual de 1.2% entre 2000 e Dos mil habitantes cerca de 49.5% ( mil habitantes) eram do sexo masculino e 50.5% ( mil habitantes) eram do sexo feminino. A demografia Cabo-verdiana é caracterizada por um forte desequilíbrio regional entre as nove ilhas habitadas, sendo que 55.8% concentra na ilha de Santiago, 15.5% na ilha de São Vicente e 8.9% em Santo Antão, que são as principais ilhas do país, representando juntas um total de 80.2% da população total (INE, 2010). Gráfico 5: Evolução da população de Cabo Verde 1940 a 2010 Fonte: INE (2010) 57

58 Relativamente à distribuição da população por grupo etário, a população cabo-verdiana é caraterizada como muito jovem, uma vez que 54.4% da população tem menos que 25 anos de idade, 31.6% tem menos de 15 anos e apenas 6.4% tem mais de 64 anos (INE, 2010). Esta ocorrência se traduz num desafio para o Governo de Cabo Verde no que se refere ao desenvolvimento de políticas de educação, formação profissional, saúde, habitação e emprego. A taxa de crescimento médio anual por concelho é maior na ilha de Boa Vista com 7.8%, seguida da ilha do Sal com 5.5% e, regista-se as taxas mais baixas em Paul com -1.8%, em Ribeira Grande e Brava ambos com uma taxa negativa de -1.3%. (INE, 2010). O crescimento acelerado da urbanização teve consequências negativas para as áreas da educação, saúde, saneamento, habitação e emprego uma vez que as infra estruturas sociais não acompanharam a evolução do crescimento destes centros urbanos. Essa situação não possibilitou a inserção de todos os que se deslocaram para estas ilhas à procura de trabalho, contribuindo assim para o aumento do índice da pobreza das f a m í l i a s e dificultando cada vez mais as suas condições de vida (Governo de Cabo Verde, 2012). A situação sócio demográfica é caraterizada por uma esperança de vida à nascença de 72,3 anos para os dois sexos, uma taxa de mortalidade infantil de 30%, uma taxa de mortalidade materna de 14,5%, uma taxa de fecundidade de 2,9% crianças por mulher, uma taxa líquida de escolaridade de 96% e uma taxa de prevalência do VIH/SIDA de 1% (BCV, 2012). A População de Cabo Verde é marcadamente jovem na sua Estrutura Etária, com 40% dos efectivos entre os 0-14 anos (de acordo com os dados das projeções demográficas da INE, ) de apenas 6% acima dos 65 anos, a média de idades da população caboverdiana ronda os 24 anos. A Esperança Média de Vida situa-se ao nível de 71 anos (67 para homens; 75 para as mulheres). A esperança de vida em Cabo Verde é de 71 anos, sendo maior entre as mulheres (75 anos) do que entre os homens (67 anos). 58

59 A Taxa de Mortalidade Infantil representava, em 2008 (MSRE, 2008), um valor de 24.9 (26.2 em 2000; 23.9 em 2004). A Taxa de Crescimento da População, dependente dos fluxos migratórios, situou se, no decénio (data do último censo populacional), em cerca de 2,4%, valor que se manteve constante até A distribuição da população nacional por concelhos em 2007 era a que se apresenta no diagrama seguinte. (INE, ). Gráfico 6 : distribuição da população nacional por concelhos em Situação ambiental Fonte: INE, O clima do país é subtropical seco com temperaturas médias que variam entre 20 e 26 C, 59

60 dependendo das condições oceânicas e atingindo a humidades valores abaixo dos 10%. Existem duas estações, a da seca e a das chuvas, sendo esta última escassa e irregular, ocorrendo normalmente durante os meses de Julho a Outubro e por precipitações por vezes torrenciais e muito mal distribuídas no espaço e no tempo. Os ecossistemas do país podem ser considerados frágeis, devido à sua condição insular e por causa de vários fatores naturais e antrópicos que provocam a diminuição dos recursos naturais (água, biodiversidade, terras e recurso marinhos). (MAA-DGA, 2004). As condições climáticas associadas à baixa percentagem de solo arável comprometem em certa medida a abundância de recursos naturais terrestres, provocando um défice de produção agrícola (MAA-DGA, 2003). A biodiversidade cabo-verdiana quando comparado com a de outros arquipélagos da Macaronésia é relativamente pobre. A própria de recursos genéticos próprios, alguns comuns aos arquipélagos supramencionados e aos países africanos continentais mais próximos (como a Mauritânia e o Senegal) e alguns de distribuição mais integral (MAA- DGA, 2012). A dimensão e a descontinuidade do território, o isolamento, a introdução de espécies exóticas, os regimes climatéricos e oceanográficos e a constante pressão demográfica, são fatores que determinam o estado atual da biodiversidade no arquipélago (Lima, 2008). O Arquipélago possui um nível bastante considerável de biodiversidade, expressa nas suas mais diversas formas (genética, específica, taxinómica, ecológica e funcional). O isolamento e um clima seco levaram à evolução de fauna e de flora únicas, uma vez que as espécies locais gradualmente se adataram às condições climáticas e geológicas variadas, resultando em elevados níveis de endemismo por todas as ilhas (MAA-DGA, 2002). Constata-se, em Cabo Verde, uma intensiva exploração dos recursos naturais (terrestres, marinhos, hídricos e atualmente de inertes), bem como a degradação desses recursos devido à introdução de espécies exóticas, transformação de habitats (em terrenos agrícolas, urbanização), fragmentação e destruição de habitats (Lima, 2008). 60

61 A diversidade biológica terrestre cabo-verdiana é constituída por diversos tipos de organismos vivos, nomeadamente plantas, animais, líquenes e fungos. As plantas identificadas classificam-se em Angiospérmicas, Gimnospérmicas (apenas existem espécies introduzidas), Pteridófitas e Briófitas. Os animais mais conhecidos representam as classes de vertebrados, sendo as mais representativas as classes de aves e répteis. Os mamíferos e os anfíbios selvagens estão representados, respetivamente 1 espécie de macaco verde (Cercopithecus aethiops) e 1 espécie de morcego, e 1 espécie de sapo (Bufo regularis), todas introduzidas. Em relação aos invertebrados, merecem realce (devido ao seu estado atual de conservação) os artrópodes, representados pelos insectos, aracnídeos e crustáceos de água doce (todos extintos) e os moluscos (59% dos moluscos terrestres estão ameaça dos) extra marinhos de água doce e das zonas mais húmidas (MAA-DGA, 2012). Os ecossistemas terrestres são representados por baixa diversidade, sendo que a flora é mais conhecida do que a fauna. A flora é constituída em grande parte por angiospérmicas, sendo estas representadas por 240 espécies indígenas, onde 85 são endémicas 40, estimando-se no total 621 espécies. As ilhas mais montanhosas (S. Antão, S. Nicolau, Santiago, Fogo) apresentam maior diversidade terrestre, por apresentarem um microclima de altitude e também porque neste ambientes os endemismos estão melhor representados, sendo a ilha de Santo Antão a que detêm maior número de espécies indígenas (150) e endémicas (50) que estão concentradas nos biótopos, sendo S. Nicolau, Santiago e Fogo as ilhas que depois de Santo Antão, detêm um maior de espécies endémicas (45, 38 e 37, respetivamente) em relação às restantes ilhas (MAA, 2012). A biodiversidade terrestre endémica de Cabo Verde é bem distribuída por todas as ilhas. Os fatores mais determinantes são o tamanho da ilha, a diversidade do clima e o relevo geográfico e, portanto, os nichos ecológicos. Santo Antão é a ilha mais rica em termos de endemismo, com 46 espécies (das quais 11 espécies são exclusivas da ilha), seguido por São Nicolau, com 44 (com 7 espécies exclusivas da ilha), Santiago com 36, Fogo com 35, São Vicente com 34, Brava com 24, Boavista com 14, Sal com 13, Santa Luzia com 12 e Maio com 10 espécies. Em todas as ilhas há uma variedade de plantas medicinais, tanto 61

62 nativas como exóticas, que são utilizadas pelas populações rurais (PNUD,2010). Quanto a fauna, 47% das espécies de aves em Cabo Verde estão ameaçadas, incluindo 17 das 36 espécies que se reproduzem nas ilhas. Várias aves endémicas estão na lista de ameaçadas de extinção, incluindo a Pandion haliaetus, Halcyon leucocephala e Calonectris edwardsii. A alauda razae, que só vive em Cabo Verde, foi reduzida a uma população de 250. O primeiro censo do Papagaio Vermelho Red Kite (Milvus milvus fasciicauda) e o Milhafre Preto (Milvus migrans m.) revelou que as suas populações em todo o arquipélago totalizam menos de 10 de cada espécie (PNUD, 2010). Cabo Verde é um importante ponto para a migração (130 espécies) e de nidificação de aves (40 espécies), com quatro dessas espécies na lista de espécies ameaçadas (Fregata magnificens, Sula leucogaster, Calonectrix edwardsii e Phaethon aethereus Mesonauta). O país já possuiu 28 espécies de répteis em sua história, sendo 25 endémicas, 18 das quais existem ainda, e 25% dessas estão ameaçadas. Existem 5 espécies de tartarugas nos ecossistemas marinhos de Cabo Verde que têm sido geralmente exploradas de forma insustentável (PNUD-PEFA, 2020). Os répteis terrestres estão representados por 28 taxa, 6 são endémicos ao nível da espécie e 16 são ao nível da subespécie, sendo 28% encontram-se ameaçadas. A biodiversidade marinha de Cabo Verde é abundante. O país abriga 10% da diversidade mundial de gastrópode marinho do género Conus. A biodiversidade marinha está concentrada na grande plataforma marinha compartilhada pelas ilhas de Boavista, Sal e Maio. Nas outras ilhas, devido ao fato de as águas serem muito profundas, a produtividade biológica é fraca (Lima, 2008). As ilhas de Boa Vista e Maio albergam quase 50% das espécies endémicas e as de São Vicente, Sal e Santiago quase 40%, devido a ocorrência de um número considerável de espécies endémicas marinhas e o fato da maior diversidade estar associada às zonas de maior extensão das plataformas insulares. Cabo Verde alberga 639 espécies de peixes, sendo que todos estão presentes em número 62

63 elevado. Embora, em geral, as populações de peixes são grandes, a percentagem de espécies endémicas de peixes na área específica das ilhas de Cabo Verde é considerada baixa (aproximadamente 13%) (PNUD, 2010). Dentre as quatro famílias conhecidas da lagosta, encontra-se no arquipélago nacional o Palinuridae (a lagosta rosa, verde e marrom) e a Scyllaride (lagosta de pedra). O charlestoni Palinuris é uma espécie endémica. Várias espécies marinhas em Cabo Verde são exploradas, muitas vezes, ao limite da sustentabilidade. Os ecossistemas costeiros e marinhos de Cabo Verde também abrigam mamíferos marinhos (pelo menos 17 espécies de baleias e golfinhos), recifes de corais, algas e esponjas. A sua diversidade de corais é considerada como sendo uma das mais elevadas do mundo (PNUD, 2010). 63

64 Capítulo 3: Remessas dos emigrantes e desenvolvimento de Cabo Verde 3.1.Mobilização d o s emigrantes para o desenvolvimento Entre outros potenciais benefícios resultantes do nexo entre migrações e desenvolvimento, referidos anteriormente como panaceias para o desenvolvimento, estão a diáspora, as remessas e os esquemas de migração temporária. Na parte seguinte deste trabalho, a ideia é, de forma resumida, clarificar os conceitos, identificar as formas como cada uma dessas questões se relaciona com o desenvolvimento de Cabo Verde e identificar questões incontornáveis -agrupadas em quatro dimensões: migrante, governo do país de destino, governo de Cabo Verde e tempo. Ou seja, procura-se identificar aspetos que favoreçam a elaboração de políticas públicas capazes de transformar o potencial da diáspora, remessas e migrações temporárias em realidade. Isto é, para umas políticas públicas menos reactivas e mais prospectivas. (Tolentino et al, 2008) Diáspora enquanto comunidades heterogéneas e vida transnacionais 64

65 Muitos migrantes continuam a seguir os padrões tradicionais de fixação permanente ou de mobilidade para trabalho sazonal, mas um número crescente tem vindo a adotar uma atitude e uma consciência transnacionais. A evolução e o barateamento dos transportes e das comunicações permitem aos migrantes manter, desenvolver e reproduzir laços sociais, políticos, culturais e económicos transfronteiriços, dotando-se assim de identidades, redes e meios de existência transnacionais. Hoje, uma pessoa pode trabalhar num país, viver num outro e ser cidadão de um terceiro (IMI, 2006). Considera-se que um grupo de pessoas constitui uma diáspora se preenche os seguintes critérios: movimento de um país de origem, mito coletivo de uma terra ancestral, consciência étnica de grupo sustentada ao longo do tempo (baseada numa história, cultura e/ou religião comum) e uma rede de relações sociais sustentada com membros do grupo a viver em países diferentes (Bakewell, 2009). Portanto, a diáspora diferencia-se de grupos de migrantes e de pessoas com vidas transnacionais. Pois nem todos os migrantes se tornam diáspora, nem todas as diásporas podem ser consideradas de migrantes (embora os seus ancestrais tenham de ser). Assim como nem todas as pessoas que se envolvem em práticas transnacionais pertencem a uma diáspora. Como se vê, é um conceito abrangente e, talvez por isso, frequentemente mal utilizado. A confusão entre diáspora, migrantes e pessoas com vidas transnacionais tem implicações na definição de tipos de medidas que se queira tomar. Os contributos da diáspora para o desenvolvimento do seu país de origem, ou de seus ascendentes, podem ser resumidos por: fluxos de remessas financeiras, familiares ou comunitárias; remessas em produtos, familiares ou comunitárias; e remessas sociais práticas, valores, atitudes, normas e capital social (conhecimento, experiência e competências) que consciente ou inconscientemente os migrantes transferem de um país para o outro (Tolentino et. al. 2008) as mais difíceis de quantificar, mas as com maior impato a longo prazo, por isso, sobejamente importantes. 65

66 3.1.2 Perfil e comportamento dos migrantes É importante saber quem está na diáspora implica conhecer o emigrante e seus descendentes. Pegando, por exemplo, nos seis países de maior concentração de caboverdianos, EUA, Portugal, Angola, Senegal, Holanda e França, dever-se-á recolher dados sobre: idade, sexo, qualificações, setor e tipo de vínculo na actividade profissional, ilha de origem, estado civil, local de residência no destino, duração de residência, estatuto legal, formas de organização, formas de relação com Cabo Verde (níveis de transnacionalidade), intenção de re-emigrar (e para onde), intenção de regresso, entre outros. Esse levantamento poderá ser feito com base numa parceria entre representações diplomáticas de Cabo Verde, organizações de migrantes, agências oficiais (de estatísticas e serviços de fronteira) no país de residência e instituições de investigação académica. Somente após a compilação e análise das diversas diásporas se deve tentar identificar um padrão de comportamento e, por último, definir formas de actuação. (Tolentino et al, 2008) Comportamento dos governos dos países de destino O perfil da diáspora é também moldado pelas políticas do governo do país onde ela reside. Ou seja, pelas práticas relativas à imigração e integração, isto é, as condições que envolvem a autorização de residência de longa duração, a aquisição de nacionalidade, o reagrupamento familiar, o acesso ao mercado de trabalho e a participação política; os condicionamentos institucionais e normativos à organização e ação das comunidades imigrantes residentes; e o peso e formas de ação da opinião pública. Um bom investimento na cooperação entre o país de destino e Cabo Verde seria a atribuição de bolsas para a realização de estudos sobre os fluxos migratórios que envolvem os dois Países. (Tolentino et al, 2008) Comportamento do governo de Cabo Verde Para Najam (2007), deve-se ter em consideração o comportamento de Cabo Verde enquanto 66

67 país de origem, diante dos seguintes aspetos: Perfil da diáspora - a diáspora não é um grupo homogéneo, nem dentro de si mesma, nem em comparação com as de outras regiões (sejam localidades ou países). Devem ser identificadas e avaliadas as diferenças entre os países de acolhimento, para que as políticas que advenham da análise desta informação possam, de alguma forma, complementar-se. Pois os países de destino são diferentes, aplicam políticas diferentes, recebem e integram os imigrantes de forma diferente, apresentam ciclos económicos e de desenvolvimento diferentes. O que dá um certo poder a Cabo Verde de equilibrar, de forma a se complementarem, os contributos das diferentes diásporas. O foco nas diásporas nos EUA e na Europa, em geral as mais qualificadas, organizadas, com mais recursos e com mais fácil acesso a redes de conhecimento, comunicação e transportes mais baratos, não deverá fazer esquecer as comunidades em África e na América do Sul que pela proximidade (das primeiras) e, principalmente, menor dimensão talvez sejam mais fáceis de mobilizar e envolver em actividades para e em Cabo Verde, Filantropia da diáspora: como Estado recebedor, terá de perceber o conceito e as práticas existentes, que poderão ser resumidos naquilo que Najam (2007) chamou os 4 I s : Individuals (indivíduos) no geral, a diáspora prefere doar diretamente ao indivíduo, em vez de o fazer a organizações. O desafio é encontrar mecanismos que permitam aos fluxos da diáspora usufruir de economias de escala, sem limitar a supervisão por parte da mesma, nem o seu contacto com o beneficiário; Institutional Trust (confiança institucional) no geral, a diáspora tem muito pouca confiança nas instituições do país de origem. O desafio é conseguir fazer com que os emigrantes contribuam não só com dinheiro, mas também com conhecimento e experiência, promovendo exemplos e modelos de boa gestão; Identity (identidade) - a filantropia no país de origem satisfaz necessidades de identidade do emigrante, quer em termos de identidade nacional, regional ou religiosa. Esta questão reveste-se de grande importância para o país de origem, principalmente se, deixando de lado os muitos aspetos positivos, for levado em conta o potencial de geração de 67

68 conflitos e o efeito multiplicador nas gerações descendentes; e Instruments (Instrumentos) - uma das poucas coisas que se pode fazer para aumentar e variar o tipo de remessas enviadas é promover meios de transferência baratos, fáceis, confiáveis e diversificados, Reivindicações - a luta por direitos não se confina ao país de acolhimento, ela estende-se ao país de origem na forma de grupos de pressão de emigrantes que reivindicam direitos políticos e socioeconómicos. Entre as principais reivindicações, relativamente ao país de origem, estão: direito de voto nas eleições locais; direito de transportar os benefícios da segurança social (principalmente as pensões de invalidez e velhice); barateamento de tarifas alfandegárias e de transporte de mercadorias para revenda; e criação e/ou reforço de programas de reintegração para os emigrantes que retornam. Responsabilização a efetividade e responsabilidade da ajuda são um debate recorrente. O envolvimento da diáspora nos processos de desenvolvimento do país de origem acresce uma nova dimensão a esta questão. Embora seja uma minoria, parte da diáspora, nos países desenvolvidos, tem recursos, financeiros e de conhecimento, que lhe dá o poder de decidir em que projetos investir, influenciando a escolha dos mesmos por parte das autoridades no país de origem. Mas um aspecto pouco debatido é a avaliação e responsabilização pelos resultados obtidos. Ou seja, existe um risco de negligência e impunidade, Obrigação moral - o Estado cabo-verdiano terá de persistir na clarificação da situação jurídico-legal de uma parcela dos descendentes de cabo-verdianos nascidos no estrangeiro (apátridas de facto), Tempo - Quanto maior é a integração do migrante na sociedade de acolhimento, conjugada com a distância geográfica, a probabilidade de degeneração dos laços com o país de origem é maior. Mas no caso de se conseguir manter a ligação e o interesse da diáspora, mais concretas e efetivas se podem tornar a relação e ações relativas ao país de origem. Isso não acontece quando o emigrante se encontra em situação precária. Com o tempo, as comunidades deixam de pertencer, exclusivamente, ao contexto da sociedade de 68

69 acolhimento e ao da de origem -- elas passam a procurar oportunidades de pertencer a ambos, avaliando o que é mais adequado às suas necessidades. Pode-se, assim, prever um cenário onde identidades, recursos e direitos serão constantemente negociados num, entretanto emergido, terceiro espaço aquele entre os contextos de origem e de acolhimento. Ou seja, a ideia de gestão da diáspora deverá deixar de se basear na limitada noção de passividade do migrante, e prever abordagens profissionais (com base em números e factos o mais reais possível), permanentes, diversas e cambiantes Remessas enquanto a ajuda não pública ao desenvolvimento Qualquer discussão em torno deste tema está comprometida à partida. Pois, para além da amplitude do conceito remessas financeiras, em produtos e sociais, existem dificuldades na obtenção de dados fiáveis. Veja-se o caso das remessas financeiras. Os fluxos remetidos por canais formais, ou seja, bancos e companhias de transferência de dinheiro, são a principal fonte de estatísticas nacionais. E mesmo estes são difíceis de medir, dada a pequena quantia que em média é enviada e a variedade de métodos e níveis de rigor no tratamento da informação existente entre países. Os fluxos remetidos por canais informais só são possíveis de prever. Estes consistem em viajantes, amigos ou familiares que periodicamente viajam à terra natal, ou até mesmo em redes organizadas, que transportam dinheiro. Além destas dificuldades, existe o fato de parte das remessas assumir a forma de fluxos em produtos (electrodomésticos, roupas, medicamentos, etc.), que tanto servem para consumo como para revenda. Portanto, para além da dificuldade de definição e medição, ou talvez por isso, elas são definidas, medidas e divulgadas de forma diferente por países e instituições internacionais. Em 2009, apesar de ter diminuído 6%, o fluxo de remessas para os países em desenvolvimento persistiu, ao contrário dos outros fluxos externos. E é esperado aumentar em 6% em 2010 e 7% em Para além disso, o Grupo de Prospeção em Migrações e Remessas59 (BM, 2010) informa que as remessas (registadas) terão atingido o valor de USD 414 mil milhões, sendo que 316 mil milhões terão sido destinados para países em 69

70 desenvolvimento. Em termos absolutos, os maiores recebedores foram os tradicionais (em mil milhões de USD): Índia (49), China (48), México (22) e Filipinas (20). A lista dos 20 maiores também inclui a Nigéria (10), o Egipto (7) e os Marrocos (6). Mas note-se que esses números não incluem as remessas informais, que são estimadas de forma diferente. O BM, por exemplo, estima-as em 50%60 do valor das formais (Tolentino, 2008). Esta percentagem é pouco representativa das remessas enviadas para a África subsariana, dado o elevado custo de transferência para, dentro, dessa região (Tolentino, 2009). Outro aspecto a ter em conta é o fato de, na lista dos maiores recebedores, a qualidade dos sistemas de colecta de informação influenciar o estar ou não ali representado. Para melhor se perceber os contributos das remessas para o desenvolvimento de Cabo Verde é necessário levar em conta os seguintes aspetos: Os governos e as agências de desenvolvimento deverão ter em mente que as remessas são recursos privados e que os migrantes e suas famílias têm suas próprias expetativas e prioridades relativamente ao uso das mesmas. As remessas são conhecidas como o maior, mais estável e previsível fluxo de financiamento externo em várias economias em desenvolvimento. Para além disso, ao contrário do que acontece com os outros fluxos externos, as remessas tendem a aumentar durante e imediatamente depois das crises fato explicado pelo altruísmo (Tolentino e outros, 2008). Em Cabo Verde, em 2008, o valor das remessas (registadas) foi de , a APD foi de e o IDE de (em milhões de escudos cabo-verdianos (ECV) (BCV). Através da figura a seguir, pode-se ter uma ideia da dimensão e distribuição (por país de origem) do envio de remessas para o arquipélago, nos últimos quinze anos (Tolentino et al, 2008). 70

71 Outros Espanha Luxemburgo Angola Suiça Reino Unido Portugal Alemanha Itália França Países Baixos Estados Unidos milhares E C V Figura 2: Remessas financeiras (registadas) para Cabo Verde: principais países de origem Fonte: BCV (2009) A distância, a baixa densidade populacional e as dificuldades de comunicação determinam o nível de exclusão a que estão remetidas certas regiões. Para além de obstáculos de natureza física, existem os institucionais. Muitas instituições bancárias não estão preparadas para lidar com indivíduos pouco qualificados, que fogem ao estereótipo de cliente que os bancos definiram, o que acontece com o imigrante, no país de destino, onde vê os obstáculos acrescidos se for indocumentado ou se não dominar o idioma. Tal realidade explica a grande importância das agências de correios e companhias de transferência de dinheiro Comportamento dos migrantes e as famílias recebedoras Conhecer o perfil económico e social de quem migra, constitui um indicador do perfil de quem recebe, o que ajuda a explicar a distribuição e a utilização das remessas. O padrão de distribuição de remessas varia com que o perfil económico e social de quem migra (ii) o perfil migratório das comunidades. Nas que possuem fluxos recentes, a tendência é o menos 71

72 pobre entre os pobres emigrar, e por isso a distribuição não é equalizadora e tende a reforçar desigualdades existentes. No caso de os fluxos serem antigos, a tendência é o mais pobre emigrar. Pois este vê os seus custos de emigração reduzidos pelas remessas e pela informação. Neste caso, a distribuição de remessas é considerada equalizadora; e (iii) a propensão para remeter. Estudos demonstram que a proporção de migrantes com menos qualificação tem propensão para enviar valores relativamente maiores que os mais qualificados que se fazem acompanhar da sua família nuclear quase que imediatamente. Acredita-se assim, que diferenças nos níveis de propensão para remeter também têm um efeito equalizador (Ferranti e Ody, 2007). Para Ferrani e Ody (2007), no curto e médio prazos, as remessas tendem a ser mais estáveis e menos cíclicas que os outros fluxos. Mas isso não se verifica a longo prazo, cujas tendências são: (i) uma vez estabelecido e melhoradas as suas condições financeiras, o migrante tende, numa fase inicial, a remeter valores maiores; (ii) numa fase subsequente, ele tende a enfraquecer os laços com o país de origem. E, da geração descendente, não se deverá esperar o mesmo nível de comprometimento (iii) a longo prazo, a sustentabilidade das remessas dependerá da renovação do estoque de migrantes Comportamento dos governos dos países de destino O acesso a sistemas financeiros diversificados, alargados e minimamente eficientes é um fator determinante do volume de remessas enviado para casa. Na relação entre remessas e instituições financeiras, destacam-se dois aspetos: os custos das transferências e o ambiente em que operam tais instituições. Enviar dinheiro para o país de origem pode ser muito caro (chegam a atingir 20% do valor enviado (Tolentino et al, 2008)), principalmente nos corredores Sul-Sul. As inovações tecnológicas têm desempenhado um muito importante papel na redução desses custos e no aumento e diversificação de formas de remeter. Mas, por outro lado, introduzem dificuldades na contabilização e regulamentação das mesmas. As remessas não deverão justificar desvios dos compromissos de Ajuda Pública ao Desenvolvimento (Gosh, 2006). Dada a euforia de alguns círculos políticos e profissionais sobre o papel potencial das remessas no desenvolvimento dos países pobres, o alerta 72

73 parece oportuno. Apesar de tanto a APD como as remessas terem impactos na redução da pobreza e no crescimento económico, os dois fluxos diferem profundamente nas suas motivações e modalidades de funcionamento, incluindo a seletividade dos beneficiários. Enquanto a APD é essencialmente uma operação oficial de negociação entre governos doadores e recetores, as remessas são transferências puramente privadas O comportamento do governo de Cabo Verde As remessas podem ter impacto positivo no crescimento e desempenho económicos, s o b u m a condição geral: o país deve ter boas políticas macroeconómicas, estabilidade política, governação responsável e um ambiente favorável ao investimento, incluindo uma administração pública e um sistema financeiro eficientes e transparentes. Pois, as remessas não podem compensar um ambiente institucional que trave, de forma mais geral, o desenvolvimento económico e social. Ao estabelecer o Acordo de Cooperação Cambial com Portugal (paridade fixa entre o ECV e o euro) (1998), Cabo Verde criou confiança geradora de remessas mas, ao mesmo tempo, limitou a capacidade do país para utilizar a taxa de câmbio como forma de estimular a exportação e a competitividade de uma economia fortemente dependente do exterior. De acordo com Tolentino et al. (2008), no estudo sobre a importância e o impacto das remessas no desenvolvimento de Cabo Verde, traçam um importante perfil de Cabo Verde como destinatário de remessas, onde com a informação de fonte documental e recolhida através de inquérito, escreve-se a biografia de Cabo Verde como país destinatário de remessas, apresentando-se, de forma detalhada, a informação necessária a disponível e a em falta. Assim como recomendação para melhorar a ação no domínio das remessas. 73

74 Para assegurar remessas futuras é importante ter em mente que: as remessas são resultado do estoque (fluxos acumulados) de emigrantes, pelo que o fator tempo é decisivo; quanto mais baixas as barreiras à mobilidade laboral, mais directamente ligadas estarão às consequências de ciclos económicos desse corredor; quanto mais altas elas forem, maior é o tempo de estadia no destino; e quanto mais diversos forem os destinos de emigração, mais estáveis e resistentes serão as remessas (Tolentino et al, 2008). 3.3.Migração temporária enquanto prática reciclada As migrações internacionais são facilitadas pela globalização dos mercados de trabalho, de mercadorias e financeiros. Os Estados estão conscientes da importância que a gestão deste processo tem para a manutenção da sua competitividade na economia mundial. No essencial, isto implica a distinção entre migrantes altamente qualificados e migrantes pouco qualificados (IMI, 2006). E a confusão no uso dos termos temporário, curto prazo, circular e sazonal, parece depender do país de destino e de quem migra. Se for um migrante qualificado, terá probabilidades maiores de ver a sua estadia ampliada após o período de contrato. Se for pouco qualificado, implica ter de regressar à origem depois de feito o trabalho (sazonal: pelo menos três meses, mas menos de um ano). Portanto, uma situação menos provida de direitos. Neste trabalho ignora-se as subtis, mas importantes, diferenças entre os termos acima indicados, e opta-se por temporário. Cabo Verde, após participar nos programas europeus de trabalhadores-convidados (décadas de 60 e 70), foi seleccionado pelo Conselho Europeu, em 2007, para uma parceria para a mobilidade (definida anteriormente). Em 2008, Cabo Verde, a Comissão Europeia, Portugal, Espanha, França e Luxemburgo assinam a Declaração Comum sobre a Parceria para a Mobilidade que prevê os seguintes aspetos: mobilidade, migração legal e integração; migração e desenvolvimento; gestão de fronteiras, documentos de identidade e viagem; e luta contra a imigração ilegal e o tráfico de seres humanos. Embora tal declaração ainda tenha de passar pelos respectivos parlamentos, algumas iniciativas já estão em curso: projecto Centro de Apoio ao Migrante no País de Origem; projeto Migrer les yeux ouverts; 74

75 projecto Diáspora para o Desenvolvimento de Cabo Verde; projeto de Mobilização de Competências para o Desenvolvimento de Cabo Verde; Acordo entre Cabo Verde e França sobre gestão de fluxos migratórios e desenvolvimento solidário; e primeira (2009) ronda de negociações sobre facilitação de vistos e (o importante aspeto de) readmissão. Os esquemas de migração temporária têm implicações para o desenvolvimento do país de origem, na medida em que (i) condicionam o sistema de ensino e de formação profissional, que passam a responder às necessidades do mercado de trabalho dos países de destino; (ii) permitem maior previsibilidade de remessas financeiras, permitindo traçar um perfil por origem, períodos de transacção, canais e quantidade enviada que, contudo, deverá ser menor dado o tempo de estadia no exterior e a precariedade do tipo de atividade profissional que normalmente estão abrangidas por este tipo de programas; (iii) existe alto risco de overstay, o que implica um hiato de tempo maior para o início de envio de remessas; (iv) existe menor probabilidade de remessas sociais, dada a pequena duração e/ou menor necessidade de integração que este tipo de movimento implica; (v) restringe os intervalos específicos de idade para emigrar (adulto), visto que não dá lugar a reunificação familiar; e (vi) não prevê a portabilidade de direitos sociais (Cassarino, 2009) Comportamento dos migrantes Procurar, perceber, quem participa nestes esquemas temporários (sexo, idade, qualificação), aspirações relativas à emigração, se emigra em família, duração (real) da estadia no exterior; número de vezes em que participa; setor de atividade; nível salarial; fluxos de remessas financeiras (quantidade, canais de envio, periodicidade e para que fim) Comportamento dos governos de destino Nesse caso é de destacar o continente europeu, dado ser o destino de maiores e mais renovados fluxos de cabo-verdianos, na atualidade, e ser o continente com o qual, ou parte 75

76 dele (UE), Cabo Verde tem uma parceria para a mobilidade que, neste caso, significa permitir que imigrantes trabalhem na União, por um período de tempo específico, sendo que, para ser elegível para um novo contrato, terá de, primeiro, retornar a casa. Tais pacotes de mobilidade: (i) são duplamente seletivos, visto que um país é seleccionado depois de cumprir determinadas condições, sendo uma das mais importantes a condição do país terceiro readmitir os seus cidadãos (dado o padrão persistente de overstays), e limitados a migrantes trabalhadores de áreas específicas; (ii) não eliminam a necessidade de visto; e (iii) não implicam um processo de legalização extraordinário (Cassarino, 2009). Com este tipo de acordo, a UE para além de ter de elaborar uma estratégia que balanceie as suas preocupações de segurança com as expetativas pressionantes dos países terceiros passa a ter aliados nas regiões onde vê necessidade de tampões para fluxos migratórios irregulares: leste europeu e ocidente africano; e permite ao seu setor privado ter trabalhadores baratos, com contratos temporários que não implicam obrigações com a segurança social Comportamento do governo de Cabo Verde Para Cassarino (2009), o Governo de Cabo Verde deve, entre outros aspetos: Considerar as aspirações dos migrantes que, no geral, são melhores oportunidades de emprego, melhores salários, iguais direitos e tratamento, e aquisição de conhecimentos) Adoptar medidas de acompanhamento permanente da parceria, para as quais se deverá articular com diversos ministérios do governo, os sindicatos e as entidades empregadoras, procurando definir as áreas em que interessa ao país ter gente com experiência e garantir o máximo de direitos aos trabalhadores (salários base, protecções de saúde e de segurança, entre outros). Manter o diálogo com a UE de forma a explorar a possibilidade de repetir as visitas e de expandir os esquemas de trabalho verdadeiramente sazonal em setores como a agricultura e o turismo. Capitalizar aquilo que se chama de condicionalidade ao contrário, ou seja, dado que passa a haver interdependência entre as agências de controlo nos países de 76

77 acolhimento (UE), trânsito e origem, os países do Norte e Oeste africano tornam-se atores chave, e não de segunda, nas conversações sobre migrações; Reforçar o diálogo e a coordenação com os países vizinhos e parceiros na CEDEAO, de forma a não se tornar um trampolim para migrantes irregulares a caminho da Europa; Criar incentivos para o envio de remessas, dado que o curto período que este tipo de migração implica, normalmente, coincide com o chamado hiato de remessas, ou seja, a altura em que o migrante ainda está a poupar para depois enviar. Mas como nestes acordos já se viaja com garantia de emprego, talvez não exista um hiato dessa grandeza. As ações, portanto, deverão centrar-se no barateamento dos canais de envio. Porque se estes forem caros, os emigrantes, caso retornem a Cabo Verde, deverão preferir levar as suas poupanças, ao invés de ter de pagar para enviá-las; Planear modos de reintegração após o retorno, que sejam coerentes com o tipo de atividade profissional desenvolvida no exterior, com as necessidades das comunidades para onde o migrante regressa (não necessariamente a de origem) e que, de alguma forma, impliquem a socialização do conhecimento adquirido. Para além disso, precaver modos de reintegração temporária, pois o retorno não é, necessariamente, o fim do projeto migratório Tempo de estadia no país de destino Tendo em consideração a curta duração e a composição do fluxo humano (pouco qualificado), Haas (2006) duvida que os migrantes temporários sejam melhores agentes de desenvolvimento do país de origem do que os de longa duração, social, económica e politicamente reconhecidos e ativos. O autor talvez deixe de ter razão, caso estes esquemas temporários sejam bem geridos pelo país de origem e durem por muito tempo, implicando, assim, um grande número de migrantes Apresentação e análise de dados 77

78 Remessas dos Emigrantes por País de Origem A existência de milhares de emigrantes de Cabo Verde espalhados pelo mundo e que no seu total é superior ao número de residentes em Cabo Verde deixa bem claro o valioso papel que as poupanças, enviados por estes assumem no desenvolvimento do arquipélago. À maioria destes emigrantes residem nos Estados Unidos de América e na Uniao Europeia e com destaque para Portugal, mais abrangendo igualmente para França, Holanda e Luxemburgo. De acordo com os dados fornecidos pelo BCV as remessas dos emigrantes por pais de origem, advém de maior parte dos países da Europa, e também com destaque para os Estados Unidos da América, como pode-se analisar através do gráfico que se segue, apresentando os valores em milhões de escudos. Gráfico 7 : Remessas de emigrantes por país de origem Fonte: BCV Em 2001 os cinco principais países emissores de remessas para Cabo Verde foram estados Unidos com 2.515,5 milhões de escudos, países baixos com 1331 milhões de escudos, Portugal com 1726 milhões de escudos, frança com 1532 milhões de escudos e finalmente Itália com 720 milhões de escudos Cabo Verdianos. 78

79 A análise comparativa feita confirma que Portugal, França e Estados Unidos são principais países de origem de remessas de emigrantes que tiveram maior fluxo de remessas de 2005 a 2013 para Cabo Verde, estatuto que é, aliás, coerente como principal parceiro bilateral do desenvolvimento do arquipélago. Embora se considera os Estados Unidos o pais da disporá cabo-verdiana, o país que acolhe maior número dos emigrantes cabo-verdianos, porém apresenta menor volume de remessas do que Portugal e França. No entanto, demonstra claramente que os emigrantes que escolheram os Estados Unidos de América a procurar melhores condições de vida não estão a apostar nos investimentos em Cabo Verde. As remessas de Portugal representaram, com maior destaque em 2005 com milhões de escudos Cabo Verdiano, além do impacto direto na economia. Comparativamente as remessa dos emigrantes, com outros setores, nomeadamente o turismo, em 2006, as receitas de turismo ultrapassaram em valor absoluto as remessas dos emigrantes. Esta secção mostra a evolução e a importância vital das transferências externas na sobrevivência e desenvolvimento de Cabo Verde. Como se pode ver no anexo, em 2006 as remessas dos emigrantes estiveram no topo da lista dos fluxos financeiros externos, com milhões de Escudos Cabo-Verdianos. Em síntese, durante a década de as remessas dos emigrantes cresceram, certamente por causa do desenvolvimento macroeconómico (melhoria da rentabilidade dos seus investimentos, com a redução da inflação e aumento da taxa de juro real) e do aumento do estoque de emigrantes Remessas dos Emigrantes por Concelho A emigração representa uma das fontes de recursos externas mais importantes para Cabo Verde. As remessas dos emigrantes constituem, com a APD, dois dos principais pilares do desenvolvimento da economia desde a Independência. De acordo com os dados fornecidos pelo BCV, apenas treze concelhos das dez ilhas de Cabo Verde são afetados com as remessas dos emigrantes. Os gráficos que se seguem ilustram essa afetação, em milhões de escudos. 79

80 Gráfico 8 : Remessas de emigrantes por Concelho Fonte: BCV O gráfico acima, ilustra os concelhos afetados pelas remessas dos emigrantes na diáspora, o concelho da Praia e Santa Catarina de Santiago são os concelhos que mais receberam as remessas provinientes dos países de origens onde no ano de 2013 foram de milhões de escudos, e milhões de escudos respetivamente a cada concelho. Dos concelhos destacados a ilha do Sal, Maio e Brava são as que menos receberam as remessas dos emigrantes evidenciando-se com 32.8 milhões de escudos, 25.3 milhões de escudos, 17.4 milhões de escudos respetivamente. A nível geral as remessas dos emigrantes tem vindo a diminuir praticamente em todos os concelhos excepto o concelho da praia que teve aumento no período 2008 a

CONTRIBUTOS PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

CONTRIBUTOS PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA T E S E S 17 DEZEMBRO 2008 CONTRIBUTOS PARA UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Professores e Alunos em Contexto Intercultural S Ó N I A A L M E I D A A R A Ú J O PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS CONTRIBUTOS

Leia mais

UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024

UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024 UMA AGENDA PARA A DÉCADA 2015-2024 CINCO DIFERENÇAS QUE FAZEM A DIFERENÇA QUATRO PILARES PARA AFIRMAR PORTUGAL 1º PILAR: VALORIZAR OS NOSSOS RECURSOS 2º PILAR: MODERNIZAR A ATIVIDADE ECONÓMICA E O ESTADO

Leia mais

O Impacto da Imigração nas Sociedades da Europa

O Impacto da Imigração nas Sociedades da Europa O Impacto da Imigração nas Sociedades da Europa Um Estudo para a Rede Europeia das Migrações - o caso Português - Ponto de Contacto Nacional em Portugal Serviço de Estrangeiros e Fronteiras do Ministério

Leia mais

Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher. - Pequim, 1995 -

Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher. - Pequim, 1995 - Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher - Pequim, 1995-147 Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher - Pequim, 1995 - Apresentação Maria

Leia mais

AS SEM ABRIGO DE LISBOA

AS SEM ABRIGO DE LISBOA Ana Maria Ferreira Martins AS SEM ABRIGO DE LISBOA Estudo realizado na AMI em Lisboa (centros sociais de Olaias e Chelas) Dissertação para a obtenção de grau de Mestre em Estudos Sobre as Mulheres Orientadora:

Leia mais

PARECER DE INICIATIVA

PARECER DE INICIATIVA PARECER DE INICIATIVA SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS, SOCIAIS E ORGANIZACIONAIS DECORRENTES DO ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO (aprovado em Plenário a 13/03/2013) Relator: Conselheiro Manuel Lemos Março

Leia mais

Afinal, por onde vamos?

Afinal, por onde vamos? Esta é uma iniciativa única em Portugal, na qual a SIC Notícias e o Expresso, em parceria com a PwC e o Banco Popular, pretenderam reposicionar Portugal no mapa da competitividade, tendo identificado 6

Leia mais

Uma década para Portugal. Relatório

Uma década para Portugal. Relatório Uma década para Portugal Relatório Abril, 2015 GRUPO DE TRABALHO Uma década para Portugal Relatório Abril, 2015 O aumento do potencial de crescimento da economia requer que as instituições públicas promovam

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE CONTROLADORIA PARA A TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO GOVERNAMENTAL Tema 3: Tributação,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE URUÇUÍ - PI

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE URUÇUÍ - PI FUNDAÇÃO PARA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA - FUNDACE MBA GESTÃO PÚBLICA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - CODEVASF DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos

Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Educação para os Media em Portugal: experiências, actores e contextos Manuel Pinto (coordenador) Sara Pereira Luís Pereira Tiago Dias

Leia mais

plano integração III 06/09/27 12:50 Page 1

plano integração III 06/09/27 12:50 Page 1 Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social 1º Plano de Acção para a Integração das Pessoas com Deficiências ou Incapacidade Autoria > Gabinete da Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação, Secretariado

Leia mais

Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico

Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 27, 2012, 249-286 Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico Valmir Luiz Stropasolas Introdução à problemática de investigação

Leia mais

A Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social

A Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social A Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social Equipa do Projeto: Cândida Soares José António Sousa Fialho Fernando Chau João Gageiro /Helena Pestana POAT/FSE: Gerir, Conhecer

Leia mais

Novo século, novos desafios 4

Novo século, novos desafios 4 Novo século, novos desafios 4 Globalização e governação 8 O desafio de 1945 10 O desafio de hoje 11 Governar melhor em conjunto 13 As preocupações dos povos 15 Viver ao abrigo da necessidade 20 Conseguir

Leia mais

aos serviços bancários Bruno Dias Elisa Silva Rahul Kumar Tiago Ralha

aos serviços bancários Bruno Dias Elisa Silva Rahul Kumar Tiago Ralha ACEsso Dos imigrantes aos serviços bancários EM PorTugal Bruno Dias Elisa Silva Rahul Kumar Tiago Ralha Biblioteca Nacional Catalogação na Publicação Dias, Bruno e outros Acesso dos imigrantes aos serviços

Leia mais

Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida

Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 30.10.2000 SEC(2000) 1832 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida 1 Memorando sobre Aprendizagem ao Longo

Leia mais

Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho

Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho Pessoas com Deficiência: Mobilidade, Educação e Trabalho Parecer de Iniciativa (Aprovado no Plenário de 19 de Novembro de 2008) Relatora: Conselheira Isabel Guerra Lisboa 2008 Índice Nota Prévia........

Leia mais

8. ENSINO FUNDAMENTAL

8. ENSINO FUNDAMENTAL 8. ENSINO FUNDAMENTAL 8.1 ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL A legislação educacional brasileira define que o ensino fundamental, com duração de oito anos, é de freqüência obrigatória e oferta gratuita

Leia mais

Segurança Social: Um novo consenso

Segurança Social: Um novo consenso Segurança Social: Um novo consenso DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO DE PORTUGAL 1 2 A edição original desta obra foi publicada pelo Bureau Internacional do Trabalho

Leia mais

PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL Estudo do caso do município de Rancho Queimado

PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL Estudo do caso do município de Rancho Queimado UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Relatório de síntese do Secretário-Geral sobre a Agenda Pós-2015

Relatório de síntese do Secretário-Geral sobre a Agenda Pós-2015 Organização das Nações Unidas O Caminho para a Dignidade até 2030: erradicar a pobreza, transformar todas as vidas e proteger o planeta Relatório de síntese do Secretário-Geral sobre a Agenda Pós-2015

Leia mais

Immigration and the labour market in Portugal: research and recent trends João Peixoto*

Immigration and the labour market in Portugal: research and recent trends João Peixoto* PEIXOTO, João (2008), Imigração e mercado de trabalho em Portugal: investigação e tendências, in PEIXOTO, João (org.), Revista Migrações - Número Temático Imigração e Mercado de Trabalho, Abril 2008, n.º

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia

Leia mais

A EUROPA IMIGRANTES E OS SEUS NO SÉCULO XXI. COORDENAção de: DEMETRIOS G. PAPADEMETRIOU

A EUROPA IMIGRANTES E OS SEUS NO SÉCULO XXI. COORDENAção de: DEMETRIOS G. PAPADEMETRIOU A EUROPA E OS SEUS IMIGRANTES NO SÉCULO XXI COORDENAção de: DEMETRIOS G. PAPADEMETRIOU A EUROPA E OS SEUS IMIGRANTES NO SÉCULO XXI COORDENAção de: DEMETRIOS G. PAPADEMETRIOU Edição: Fundação Luso-Americana

Leia mais

Impacto e Reflexos do Trabalho Imigrante nas Empresas Portuguesas Uma Visão Qualitativa (1)

Impacto e Reflexos do Trabalho Imigrante nas Empresas Portuguesas Uma Visão Qualitativa (1) Impacto e Reflexos do Trabalho Imigrante nas Empresas Portuguesas Uma Visão Qualitativa (1) (2) Impacto e Reflexos do Trabalho Imigrante nas Empresas Portuguesas Uma Visão Qualitativa IMPACTO E REFLEXOS

Leia mais

BRASIL E O REGIME INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES MIGRANTES BRAZIL AND THE INTERNATIONAL REGIME FOR PROTECTION OF MIGRANT WORKERS

BRASIL E O REGIME INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES MIGRANTES BRAZIL AND THE INTERNATIONAL REGIME FOR PROTECTION OF MIGRANT WORKERS BRASIL E O REGIME INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES MIGRANTES BRAZIL AND THE INTERNATIONAL REGIME FOR PROTECTION OF MIGRANT WORKERS Danny Zahreddine 1* Ricardo Bezerra Requião 2** RESUMO As Migrações

Leia mais

PORTUGAL CONSOLIDAÇÃO DA REFORMA ESTRUTURAL PARA O APOIO AO CRESCIMENTO E À COMPETITIVIDADE

PORTUGAL CONSOLIDAÇÃO DA REFORMA ESTRUTURAL PARA O APOIO AO CRESCIMENTO E À COMPETITIVIDADE Série Melhores Políticas PORTUGAL CONSOLIDAÇÃO DA REFORMA ESTRUTURAL PARA O APOIO AO CRESCIMENTO E À COMPETITIVIDADE JULHO 2014 O presente documento é publicado sob responsabilidade do Secretário-Geral

Leia mais

MIGRAÇÕES E TRABALHO

MIGRAÇÕES E TRABALHO MIGRAÇÕES E TRABALHO Ministério Público do Trabalho Erlan José Peixoto do Prado Renata Coelho Organizadores MIGRAÇÕES E TRABALHO Brasília MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 2015 Ministério Público do Trabalho

Leia mais

Família, gênero e políticas: famílias brasileiras nos anos 90 e seus desafios como fator de proteção *

Família, gênero e políticas: famílias brasileiras nos anos 90 e seus desafios como fator de proteção * Família, gênero e políticas: famílias brasileiras nos anos 90 e seus desafios como fator de proteção * Ana Maria Goldani ** O objetivo deste artigoo é ilustrar as condições macrossociais com que se defrontam

Leia mais