POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS 1. INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS 1. INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO

2 NORTE CENTRO SUL 1. INTRODUÇÃO

3 1. INTRODUÇÃO

4 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS P51 Praia do Amanhã PRAIA A RECLASSIFICAR P51 A P60 Frente Urbana de Santa Cruz P45, P46, P47 Porto Novo Santa Rita Praia de Cambelas PRAIA A CLASSIFICAR P63 A P64 Praia Azul Foz Sizandro P65 Praia e Porto de Assenta 1. INTRODUÇÃO: PRINCIPAIS ZONAS BALNEARES

5 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS 1989 Primeira Bandeira Azul 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: BANDEIRA AZUL

6 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Bandeiras Azuis 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: BANDEIRA AZUL

7 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Bandeira Azul 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: BANDEIRA AZUL

8 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Bandeiras Azuis 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: BANDEIRA AZUL

9 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Bandeiras Azuis 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: BANDEIRA AZUL

10 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS Bandeiras Azuis 3 Praias com Galardão Praia Acessível + Praia do Navio Galardão Quality Coast 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: BANDEIRA AZUL / PRAIA ACESSÍVEL / PRÉMIO QUALITY COAST

11 PROJECTO PRAIA LIMPA PROJECTO PRAIA SEGURA 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: PRAIA SEGURA / PRAIA LIMPA

12 PRÉMIO MELHOR CONCESSIONÁRIO APOIO NA ELABORAÇÃO DE PROJECTOS DE ADAPTAÇÃO AO POOC 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: APOIO AOS CONCESSIONÁRIOS

13 MONITORIZAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, REMOÇÃO DE BLOCOS, REPERFILAMENTO E SINALIZAÇÃO DE ZONAS DE RISCO 1. EXCELÊNCIA AMBIENTAL: GESTÃO DO RISCO DE ARRIBAS

14 RISCO VALOR PAISAGÍSTICO A EXECUÇÃO DO PLANO DE PRAIA REQUER COORDENAÇÃO PROJECTO INTEGRADO DE PRIORIDADES ENTRE MONITORIZAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, REMOÇÃO (PLANO DE BLOCOS, PRAIA?) REPERFILAMENTO ARH, INAG E SINALIZAÇÃO E AUTARQUIAS DE ZONAS DE RISCO CASO DE ESTUDO 1 COMPATIBILIZAÇÃO RISCO PATRIMÓNIO PAISAGÍSTICO

15 PU Santa Cruz / Póvoa Penafirme / Silveira Início: Janeiro de 2005 Fase actual: Proposta Preliminar PP Foz do Sizandro Início: Junho de 2003 Fase actual: Proposta de Plano Data Limite Publicação (PROT): Out PP Área Turística de Maceira Início: Setembro de 2003 Fase actual: Proposta Preliminar Data Limite Publicação (PROT): Out PP Porto Novo Santa Rita Início: Setembro de 2003 Fase actual: Proposta Preliminar Data Limite Publicação (PROT): Out PP do Casal do Seixo e Área Turística Início: Maio 2005 Fase actual: Proposta Base Data Limite Publicação (PROT): Out IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

16 1. MOROSIDADE DOS PROCESSOS DE PLANEAMENTO Tempo do Projecto Tempo de Aprovação Regras Pouco Claras dos Planos Supra-Municipais Alteração de Pressupostos/ Legislação 2. IMPOSSIBILIDADE DE LICENCIAR EM UOPG S Não Licenciar Obras de Reabilitação, Reconstrução e Ampliação DEGRADAÇÃO DO IMOBILIÁRIO DEGRADAÇÃO DA IMAGEM URBANA 3. TEMPOS DE PUBLICAÇÃO DOS IGT S 2002 POOC 2007 PDM Torres Vedras 2007 GIZC (Gestão Integrada das Zonas Costeiras) 2009 PROT PROT implica alteração a PDM em vigor há dois anos; PROT (+ GIZC) implicam revisão do POOC. MONITORIZAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, REMOÇÃO DE BLOCOS, REPERFILAMENTO E SINALIZAÇÃO DE ZONAS DE RISCO CASO DE ESTUDO 2 PROBLEMAS RELACIONADOS COM O DESENVOLVIMENTO DOS PLANOS

17 4. ARTICULAÇÃO ENTRE IGT S 21 Programas e Planos com incidência na faixa dos 500m em Torres Vedras MONITORIZAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, REMOÇÃO DE BLOCOS, REPERFILAMENTO E SINALIZAÇÃO DE ZONAS DE RISCO CASO DE ESTUDO 2 PROBLEMAS RELACIONADOS COM O DESENVOLVIMENTO DOS PLANOS

18 5. QUE PAPEL PARA O POOC MONITORIZAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, REMOÇÃO DE BLOCOS, REPERFILAMENTO E SINALIZAÇÃO DE ZONAS DE RISCO CASO DE ESTUDO 2 PROBLEMAS RELACIONADOS COM O DESENVOLVIMENTO DOS PLANOS

19 5. QUE PAPEL PARA O POOC MONITORIZAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, REMOÇÃO DE BLOCOS, REPERFILAMENTO E SINALIZAÇÃO DE ZONAS DE RISCO CASO DE ESTUDO 2 PROBLEMAS RELACIONADOS COM O DESENVOLVIMENTO DOS PLANOS

20 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS RECONVERSÃO DA ORLA COSTEIRA DE SANTA CRUZ Duração: 2006 / 2009 Investimento: IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: PLANOS DE PRAIA

21 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS RECONVERSÃO DA ORLA COSTEIRA DE SANTA CRUZ Duração: 2006 / 2009 Investimento: PLANO DA PRAIA AZUL Duração prevista: 2008 / 2012 Fase Actual: Projecto Base elaborado; Concurso de Especialidades 3. IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: PLANOS DE PRAIA

22 POOC ALCOBAÇA MAFRA FAIXA LITORAL DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS PLANO DE PRAIA FOZ DO SIZANDRO Duração Prevista: DEPENDE DE PP PLANO DE PRAIA FÍSICA/NAVIO Duração Prevista: 2010 / 2013 PLANO DE PRAIA FÍSICA/NAVIO Duração Prevista: DEPENDE DE PP RECONVERSÃO DA ORLA COSTEIRA DE SANTA CRUZ Duração: 2006 / 2009 Investimento: P. PRAIA FORMOSA Dur.Prev.: 2010/2013 PLANO DA PRAIA AZUL Duração prevista: 2008 / 2012 Fase Actual: Projecto Base elaborado; Concurso de Especialidades P. DE PRAIA ASSENTA Dur. Prev.: AGUARDA DEFINIÇÃO 3. IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: PLANOS DE PRAIA

23 RECONVERSÃO DA ORLA COSTEIRA DE SANTA CRUZ FASE 1 CENTRO URBANO 3. IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: RECONVERSÃO ORLA COSTEIRA SANTA CRUZ

24 RECONVERSÃO DA ORLA COSTEIRA DE SANTA CRUZ FASE 2 PASSEIO MARÍTIMO E REABILITAÇÃO DA AZENHA 3. IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: RECONVERSÃO ORLA COSTEIRA SANTA CRUZ

25 3. IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: PLANO DA PRAIA AZUL

26 PORTO DE PESCA DA ASSENTA Risco elevado de Arribas Acesso Difícil MODELO ALTERNATIVO Inexistência de Areal DE OCUPAÇÃO TURÍSTICA POOC + adaptado a MONITORIZAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, REMOÇÃO DE BLOCOS, REPERFILAMENTO E SINALIZAÇÃO DE ZONAS DE RISCO outras ocupações balneares CASO DE ESTUDO 3 PLANOS DE PRAIA DE ELEVADA COMPLEXIDADE POOC + flexível face à necessidade de captar investimento;

27 SANTA RITA NORTE SANTA RITA SUL NAVIO SANTA HELENA 4. IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: APOIOS DE PRAIA JÁ ADAPTADOS

28 MIRANTE FÍSICA FRESCURAS VARANDINHA/PISÃO 4. IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: APOIOS DE PRAIA EM VIAS DE ADAPTAÇÃO

29 A NAU CONJUNTO DA PRAIA CENTRO 4. IMPLEMENTAÇÃO DO POOC: APOIOS DE PRAIA EM VIAS DE ADAPTAÇÃO

30 300m área concessionada 2 apoios simples 260m área não concessionada 100m área concessionada 1 apoio completo APOIO SIMPLES DA PRAIA AZUL Marcação errada das unidades balneares tem como consequência sub-dimensionamento de apoios de praia MONITORIZAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, REMOÇÃO DE BLOCOS, REPERFILAMENTO E SINALIZAÇÃO DE ZONAS DE RISCO CASO DE ESTUDO 4 SUB-DIMENSIONAMENTO DE APOIOS DE PRAIA

31 1. INTRODUÇÃO

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

Praia do Pisão (Santa Cruz)

Praia do Pisão (Santa Cruz) Praia do Pisão (Santa Cruz) Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear PISAO (STA. CRUZ) Código da Água Balnear PTCW9X Ano de Identificação 1993 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Foz do Sizandro - Mar

Perfil de Água Balnear da Foz do Sizandro - Mar Perfil de Água Balnear da Foz do Sizandro - Mar Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear Foz do Sizandro - Mar Código da Água Balnear PTCH9C Ano de Identificação 2013 Categoria/Tipo Água balnear

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Nazaré

Perfil de Água Balnear da Nazaré Perfil de Água Balnear da Nazaré Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear NAZARE Código da Água Balnear PTCX9F Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P.

PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P. PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA DA ÁREA TERRITORIAL DA ARH DO TEJO, I.P. Sessão de Debate - 11 de Setembro de 2009 Mudança e Inovação para os POOC de 2ª Geração Centro de Informação Geográfica e

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Foz do Arelho Lagoa

Perfil de Água Balnear da Foz do Arelho Lagoa Perfil de Água Balnear da Foz do Arelho Lagoa Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FOZ DO ARELHO-LAGOA Código da Água Balnear PTCE7K Ano de Identificação 1993 Categoria/Tipo Água balnear

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Baleia

Perfil de Água Balnear da Baleia Perfil de Água Balnear da Baleia Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear BALEIA Código da Água Balnear PTCX3T Ano de Identificação 2004 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal

Leia mais

2ª FASE - AVALIAÇÃO DOS POOC NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO

2ª FASE - AVALIAÇÃO DOS POOC NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO 3.5.1. OBJECTIVOS PROPOSTOS NOS POOC Antecedendo a avalição dos objectivos no conjunto dos POOC e em cada um deles por si, procedeu-se ao elencar dos objectivos propostos em cada POOC, ao nível do ordenamento

Leia mais

2ª FASE - AVALIAÇÃO DOS POOC NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH TEJO

2ª FASE - AVALIAÇÃO DOS POOC NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH TEJO I. PERÍMETROS URBANOS Não existem situações a destacar ao nível dos perímetros urbanos na área abrangida pelo POOC Cidadela de Forte de São Julião da Barra. I.1. Descrição Sumária I.2. Proposta Antes da

Leia mais

Praia da Areia Sul. Administração da Região Hidrográfica do Tejo e Oeste. Identificação da Água Balnear. Fotografia

Praia da Areia Sul. Administração da Região Hidrográfica do Tejo e Oeste. Identificação da Água Balnear. Fotografia Praia da Areia Sul Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear AREIA SUL Código da Água Balnear PTCK7H Ano de Identificação 1995 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal Moderadamente

Leia mais

Nuno Lacasta Vagos, 15 de julho LITORAL XXI Governança e Programa de Ação

Nuno Lacasta Vagos, 15 de julho LITORAL XXI Governança e Programa de Ação Nuno Lacasta Vagos, 15 de julho 2016 LITORAL XXI Governança e Programa de Ação LITORAL considerações gerais A zona costeira assume uma importância estratégica em termos ambientais, económicos, sociais,

Leia mais

PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ENQUADRAMENTO Sessão: ESTRATÉGIA PARA A ZONA COSTEIRA DE PORTUGAL EM CENÁRIOS DE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS 20 de fevereiro de 2015 Ordem dos Engenheiros, Lisboa, PT A zona costeira de Portugal continental

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Mar

Perfil de Água Balnear do Mar Perfil de Água Balnear do Mar Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear PRAIA DO MAR Código da Água Balnear PTCH3J Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Foz do Lizandro - Rio

Perfil de Água Balnear da Foz do Lizandro - Rio Perfil de Água Balnear da Foz do Lizandro - Rio Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FOZ DO LIZANDRO - RIO Código da Água Balnear PTCW3M Ano de Identificação 2013 Categoria/Tipo Água balnear

Leia mais

Perfil de Água Balnear de São Martinho do Porto

Perfil de Água Balnear de São Martinho do Porto Perfil de Água Balnear de São Martinho do Porto Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear S. Martinho do Porto Código da Água Balnear PTCT7M Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Rei do Cortiço

Perfil de Água Balnear do Rei do Cortiço Perfil de Água Balnear do Rei do Cortiço Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear REI DO CORTIÇO Código da Água Balnear PTCV8M Ano de Identificação 2010 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

* *** PROGRAMA DA ORLA COSTEIRA ALCOBAÇA - CABO ESPICHEL. Saúde I

* *** PROGRAMA DA ORLA COSTEIRA ALCOBAÇA - CABO ESPICHEL. Saúde I Nova Praia EAP5 EQUIPAMENTOS E APOIOS APC Apoio de Praia Completo APS Apoio de Praia Simples AC Apoio Complementar EAP Equipamento com Funções de Apoio de Praia EC Equipamento Complementar E Equipamento

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Índice 1. Localização e Termos de referência 2. Eixos Estratégicos e Objetivos 3. Enquadramento legal 4. Diagnóstico 5. Proposta 6. Concertação

Leia mais

A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Esmoriz e Cortegaça

A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Esmoriz e Cortegaça 28 Novembro 2014 Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território A evolução de povoações costeiras no litoral da Região Centro de Portugal o caso de estudo das praias de Provas Públicas Nuno Rafael Almeida

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO

PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO PLANO DE PORMENOR DA ÁREA DE EQUIPAMENTOS DA FRENTE MARÍTIMA DA COSTA NOVA - ÍLHAVO PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO janeiro de 2012 ÍNDICE 1 PROGRAMA DE EXECUÇÃO... 3 1.1 IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Salgado

Perfil de Água Balnear do Salgado Perfil de Água Balnear do Salgado Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear SALGADO Código da Água Balnear PTCP7Q Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Perfil de Água Balnear. Madeira. Madeira. Ribeira do Faial

Perfil de Água Balnear. Madeira. Madeira. Ribeira do Faial Pe r f i l d e Á g u a B a l n e a r Perfil de Água Balnear Ribeira do Faial Ribeira do Faial Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear: Ribeira do Faial Código da Água Balnear: PTMK7D Ano de

Leia mais

Perfil de Água Balnear de São Julião

Perfil de Água Balnear de São Julião Perfil de Água Balnear de São Julião Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear S. JULIAO Código da Água Balnear PTCE9W Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Programa Polis Vila Real

Programa Polis Vila Real Mestrado em Riscos, Cidades e Ordenamento do território. UC-Cidades e Ordenamento do Território Programa Polis Vila Real Trabalho elaborado por: Bruno Vieira Catarina Pereira Pedro Silveira Docentes: Helena

Leia mais

Perfil de Água Balnear de São Pedro de Moel

Perfil de Água Balnear de São Pedro de Moel Perfil de Água Balnear de São Pedro de Moel Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear S. PEDRO DE MOEL Código da Água Balnear PTCQ9K Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

Mais de metade das praias

Mais de metade das praias da saída de concelhos Gomo o de Sintra e de Cascais e do temporal na Madeira, a Apesar bandeira azul vai ser hasteada em 240 praias do país, um número recorde que representa mais de 50% das zonas balneares.

Leia mais

Em resposta ao requerimento em epígrafe, cumpro-mo transmitir a V. Ex.ª a seguinte informação:

Em resposta ao requerimento em epígrafe, cumpro-mo transmitir a V. Ex.ª a seguinte informação: Em resposta ao requerimento em epígrafe, cumpro-mo transmitir a V. Ex.ª a seguinte informação: 1. Plano do Ordenamento da Orla Costeira do São Jorge Os Planos de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) traduzem,

Leia mais

O R E G I M E T R A N S I T Ó R I O E A T R A N S P O S I Ç Ã O D A S N O R M A S D O S P L A N O S E S P E C I A I S

O R E G I M E T R A N S I T Ó R I O E A T R A N S P O S I Ç Ã O D A S N O R M A S D O S P L A N O S E S P E C I A I S O R E G I M E T R A N S I T Ó R I O E A T R A N S P O S I Ç Ã O D A S N O R M A S D O S P L A N O S E S P E C I A I S A n t ó n i o S e q u e i r a R i b e i r o Porto, 13 de julho de 2015 A L e i d e

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Praia Grande

Perfil de Água Balnear da Praia Grande Perfil de Água Balnear da Praia Grande Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear GRANDE Código da Água Balnear PTCX2W Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Perfil de Água Balnear das Pedras Negras Marinha Grande

Perfil de Água Balnear das Pedras Negras Marinha Grande Perfil de Água Balnear das Pedras Negras Marinha Grande Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear PEDRAS NEGRAS - MARINHA GRANDE Código da Água Balnear PTCH2J Ano de Identificação 2003 Categoria/Tipo

Leia mais

Zonas Costeiras: - Erosão costeira - Elevada pressão urbanística

Zonas Costeiras: - Erosão costeira - Elevada pressão urbanística Zonas Costeiras: - Erosão costeira - Elevada pressão urbanística Linha de costa de Portugal FAIXA LITORAL OU COSTEIRA: Zona de transição entre o domínio continental e o domínio marinho. É uma faixa complexa,

Leia mais

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO DO LITORAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 Nos termos do regulamento específico Acções de Valorização

Leia mais

ORDENAMENTO DOS ESPAÇOS MARÍTIMOS:

ORDENAMENTO DOS ESPAÇOS MARÍTIMOS: 23-04-2015 ORDENAMENTO DOS ESPAÇOS : ALGUMAS REFLEXÕES SINÓTICAS Nuno Antunes Índice Enquadramento Jurídico Ordenamento dos Espaços Marítimos Instrumentos de Ordenamento Títulos de Utilização Privativa

Leia mais

Perfil de Água Balnear. Madeira. Madeira. Praia Formosa

Perfil de Água Balnear. Madeira. Madeira. Praia Formosa Pe r f i l d e Á g u a B a l n e a r Perfil de Água Balnear Praia Formosa Pe r f i l d e Á g u a B a l n e a r Praia Formosa Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear: Formosa Código da Água Balnear:

Leia mais

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Lei de Bases de OT e Urbanismo Lei n.º 48/98 de 11 de Agosto - Lei de Bases da Política de Ordenamento do Território e de Urbanismo Lei n.º 54/2007 de

Leia mais

Perfil de Água Balnear das Maçãs

Perfil de Água Balnear das Maçãs Perfil de Água Balnear das Maçãs Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear MACAS Código da Água Balnear PTCT2J Ano de Identificação 1992 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal

Leia mais

DISCUSSÃO PÚBLICA POOC PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA ALCOBAÇA - MAFRA

DISCUSSÃO PÚBLICA POOC PLANO DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA ALCOBAÇA - MAFRA Oikos - Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria PATO - Associação de Defesa do Paúl de Tornada GEOTA - Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente Armeria - Movimento

Leia mais

EDITAL Nº 39/X-2º/

EDITAL Nº 39/X-2º/ /X-2º/2010-11 (Sobre o Plano de Pormenor das Praias de Transição (PP5)) EU, JOSÉ MANUEL MAIA NUNES DE ALMEIDA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DO CONCELHO DE ALMADA Torno público que na Reunião da Sessão

Leia mais

Riscos de inundações fluviais e estuarinas

Riscos de inundações fluviais e estuarinas Riscos de inundações fluviais e estuarinas Elsa Alves Marta Rodrigues Iniciativa Riscos Ciclo de Encontros Riscos Naturais 20 de Setembro de 2012, Fundação Calouste Gulbenkian Riscos de inundações fluviais

Leia mais

IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS

IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS IV CONGRESSO RODOVIÁRIO PORTUGUÊS SINALIZAÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO João Andrade Santos Estoril, 5 de Abril de 2006 1. Em 1993, um Despacho Normativo do Secretário de Estado do Turismo estabelece apoios

Leia mais

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico Enquadramento Jurídico Decreto-Lei n.º 307/2009 de 23 de Outubro - Regime Jurídico da Reabilitação Urbana Legislação relacionada Decreto-Lei n.º 152/82 de 3 de Maio - Regime de criação de ADUP's e ACP's

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Guincho

Perfil de Água Balnear do Guincho Perfil de Água Balnear do Guincho Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear Guincho Código da Água Balnear PTCV7Q Ano de Identificação 1992 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS DUNAS DE SÃO JACINTO DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO

PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS DUNAS DE SÃO JACINTO DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS DUNAS DE SÃO JACINTO DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO S. JACINTO, 25 de Agosto de 2004 INTRODUÇÃO O período de Discussão Pública da proposta do Plano

Leia mais

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Workshop Regional de Disseminação do Universidade do Minho - Braga -10 de Abril de 2012 GUIÃO Orientador da Temática dos Transportes nos Planos Municipais de Ordenamento do Território António Pérez Babo

Leia mais

Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 5. PLANO OPERACIONAL DE GESTÃO

Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 5. PLANO OPERACIONAL DE GESTÃO Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 1.. REGULAMENTO 2.. PLANTA DE ORDENAMENTO 3.. RELATÓRIO 4.. PLANTA DE CONDICIONANTES

Leia mais

PLANO DE PRAIAS do PPT

PLANO DE PRAIAS do PPT COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S.A. PLANO DE PORMENOR DAS PRAIAS DE TRANSIÇÃO PLANO DE PRAIAS do PPT ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1. Enquadramento 1.2. Objectivos

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO. Introdução RELATÓRIO DE GESTÃO Introdução O relatório de gestão enquadra-se no âmbito da prestação de contas relativa ao exercício de 2010 e foi elaborado de acordo com os procedimentos estabelecidos no Plano Oficial

Leia mais

R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007)

R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007) R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES.1. Como se deverá processar a adaptação dos Planos Directores Municipais (PDM)

Leia mais

CONTROLO ORÇAMENTAL DE DESPESA

CONTROLO ORÇAMENTAL DE DESPESA FREGUESIA DE PORTO MARTINS MUNICÍPIO DE PRAIA DA VITÓRIA CONTROLO ORÇAMENTAL DE DESPESA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2012 Controlo da Despesa Pág.: 1 de 7 das 01 0103 Autarquia 114.629,77 67.678,99 0,00 67.678,99

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Justificação para não sujeição a avaliação

Leia mais

POLIS LITORAL RIA FORMOSA PROJETOS ESTRUTURANTES. 7 de abril de 2015

POLIS LITORAL RIA FORMOSA PROJETOS ESTRUTURANTES. 7 de abril de 2015 POLIS LITORAL RIA FORMOSA PROJETOS ESTRUTURANTES 7 de abril de 2015 POLIS LITORAL RIA FORMOSA PROJETOS ESTRUTURANTES Enquadramento Enquadramento _ EXTENSÃO DA LINHA DE COSTA DE PORTUGAL = 987KM _ CONCELHOS

Leia mais

Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e Ordenamento do Território

Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e Ordenamento do Território Os Recursos Geológicos na Região do Norte: Ambiente e 9 de Outubro de 2008 ISEP Recursos Geológicos: Pressupostos Instrumentos Programáticos de Instrumentos Programáticos de Ordenamento Sectorial Acção

Leia mais

PARECER DO CONSELHO NACIONAL DO AMBIENTE REVISÃO DO REGIME JURÍDICO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE. Enquadramento

PARECER DO CONSELHO NACIONAL DO AMBIENTE REVISÃO DO REGIME JURÍDICO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE. Enquadramento PARECER DO CONSELHO NACIONAL DO AMBIENTE E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOBRE REVISÃO DO REGIME JURÍDICO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE Enquadramento O Conselho Nacional do Ambiente e do

Leia mais

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras O caso da Câmara Municipal da Trofa Diagnóstico das Explorações Bovinas no Concelho da Trofa Trofa - Representatividade das explorações

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO Exposição de motivos A reserva ornitológica do Mindelo tem antecedentes históricos únicos no quadro

Leia mais

Classificação de Zonas Balneares

Classificação de Zonas Balneares NORMA DE PROCEDIMENTOS Agosto de 2005 17 / AM Tramitação dos processos de Classificação de Zonas Balneares 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma da Tramitação

Leia mais

Proposta dos critérios de planejamento da gestão integrada da orla marítima dos municípios do litoral Sul de Santa Catarina.

Proposta dos critérios de planejamento da gestão integrada da orla marítima dos municípios do litoral Sul de Santa Catarina. Proposta dos critérios de planejamento da gestão integrada da orla marítima dos municípios do litoral Sul de Santa Catarina. Bióloga, Dra. Cláudia Regina dos Santos (CRBio 17706 03) Professor Supervisor:

Leia mais

Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres. Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação

Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres. Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação Diário da República, 1.ª série N.º 93 13 de maio de 2016 1565 Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres (n.º de Ordem) Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação

Leia mais

Lisboa, 25 de novembro de 2011

Lisboa, 25 de novembro de 2011 Lisboa, 25 de novembro de 2011 A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do setor do turismo, enquanto elemento integrante da nossa oferta turística A regeneração urbana estabelece

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO E RIBEIRAS DO OESTE

ESTRATÉGIA PARA PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO E RIBEIRAS DO OESTE ESTRATÉGIA PARA PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL 02 03 REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO E RIBEIRAS DO OESTE TÁGIDES ESTRATÉGIA PARA PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO E RIBEIRAS

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PRIORIDADE DE INVESTIMENTO: INVESTIMENTO NA CONSERVAÇÃO, PROTECÇÃO, PROMOÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PATRIMÓNIO CULTURAL

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DOS RISCOS NO PLANEAMENTO MUNICIPAL - O CASO DA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SETÚBAL

A INTEGRAÇÃO DOS RISCOS NO PLANEAMENTO MUNICIPAL - O CASO DA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SETÚBAL INTEGRATING RISKS IN MUNICIPAL PLANNING - THE CASE OF SETÚBAL S MASTER PLAN REVISION ESTRUTURA 1. Introdução 2. Planeamento Municipal e Riscos 3. Concelho de Setúbal Da Diversidade à Suscetibilidade Territorial

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Riviera

Perfil de Água Balnear da Riviera Perfil de Água Balnear da Riviera Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear RIVIERA Código da Água Balnear PTCH3V Ano de Identificação 1998 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

ESTRATÉGIA DE REGULARIZAÇÃO DAS INDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO MINERAL NA REGIÃO DO ALGARVE. Maria José Nunes Diretora de Serviços de Ambiente da CCDR Algarve

ESTRATÉGIA DE REGULARIZAÇÃO DAS INDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO MINERAL NA REGIÃO DO ALGARVE. Maria José Nunes Diretora de Serviços de Ambiente da CCDR Algarve ESTRATÉGIA DE REGULARIZAÇÃO DAS INDUSTRIAS DE EXTRAÇÃO MINERAL NA REGIÃO DO ALGARVE SINTESE DA SITUAÇÃO E CONSTRANGIMENTOS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS NO TERRITÓRIO DO ALGARVE Maria José

Leia mais

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU Proposta de Delimitação e Fundamentação 1. Introdução Fundamentação Com a revisão efetuada ao Plano Diretor Municipal de Proença a Nova, cuja aprovação foi publicada

Leia mais

Económico Ambiental Social

Económico Ambiental Social EUROPA 2020 Desenvolvimento Sustentável Crescimento Inteligente, Sustentável e Inclusivo (CISI) Estratégia Marítima da União Europeia para a Área do Atlântico Estratégias Regionais de Suporte (asseguram

Leia mais

DIRECÇÃO MUNICIPAL DE BOMBEIROS E PROTECÇÃO CIVIL SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL CHEIAS RIO DOURO. Plano Municipal Especial de Cheias V. N.

DIRECÇÃO MUNICIPAL DE BOMBEIROS E PROTECÇÃO CIVIL SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL CHEIAS RIO DOURO. Plano Municipal Especial de Cheias V. N. CHEIAS RIO DOURO Plano Municipal Especial de Cheias V. N. Gaia I CONGRESSO INTERNACIONAL DE RISCOS MAIO 2009 Salvador Almeida Carla Bastos Concelho V. N. Gaia - Plano Municipal Especial de Cheias - PMEC

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Tramitação dos processos de Licenciamento de Flutuação e Estruturas Flutuantes

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Tramitação dos processos de Licenciamento de Flutuação e Estruturas Flutuantes NORMA DE PROCEDIMENTOS Agosto de 2005 12 / AM Tramitação dos processos de Licenciamento de Flutuação e Estruturas Flutuantes 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4.

Leia mais

U.B. 2 da Praia da Luz - Apoio de Praia Completo com Equipamento Associado

U.B. 2 da Praia da Luz - Apoio de Praia Completo com Equipamento Associado U.B. 2 da Praia da Luz - Apoio de Praia Completo com Equipamento Associado I. DO POOC 1. O POOC refere praias do tipo I, II e III. Nesta situação, qual é a classificação atribuída à praia? De acordo com

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DECLARAÇÃO AMBIENTAL PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA O UP4 DE SANTARÉM - PROPOSTA DE PLANO

AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DECLARAÇÃO AMBIENTAL PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA O UP4 DE SANTARÉM - PROPOSTA DE PLANO AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DECLARAÇÃO AMBIENTAL PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA O UP4 DE SANTARÉM - PROPOSTA DE PLANO OUTUBRO - 2010 2 AAE DO PLANO DE URBANIZAÇÃO UP4 SANTARÉM Índice 1. Introdução... 4

Leia mais

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Lisboa, LNEC, 25 de maio de 2016 Divulgação Alterações climáticas Definição

Leia mais

O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores

O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores Vitor Campos Director-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Porquê

Leia mais

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Funchal, 22 de maio de 2015 Cidade do Porto, Diagnóstico

Leia mais

Legislação temática Ordenamento do território. Decreto-Lei nº Servidões relativas ao serviço de telecomunicações militares.

Legislação temática Ordenamento do território. Decreto-Lei nº Servidões relativas ao serviço de telecomunicações militares. Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Decreto-Lei nº 37 575 Estabelece regras relativas à localização de edifícios escolares 08-10-1949 Revogado pelo Decreto-Lei nº 80/2010,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E PROGRAMAÇÃO DE PRAIAS 1

CLASSIFICAÇÃO E PROGRAMAÇÃO DE PRAIAS 1 CLASSIFICAÇÃO E PROGRAMAÇÃO DE PRAIAS 1 (Página propositadamente deixada em branco) 2 CLASSIFICAÇÃO E PROGRAMAÇÃO DE PRAIAS CLASSIFICAÇÃO E PROGRAMAÇÃO DE PRAIAS [PROPOSTA DE PROGRAMA] /// PROGRAMA DA

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE MAFRA REVISÃO VOLUME XI PROGRAMA DE EXECUÇÃO JANEIRO Departamento de Urbanismo, Obras Municipais e Ambiente DPTGU

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE MAFRA REVISÃO VOLUME XI PROGRAMA DE EXECUÇÃO JANEIRO Departamento de Urbanismo, Obras Municipais e Ambiente DPTGU PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE MAFRA REVISÃO VOLUME XI PROGRAMA DE EXECUÇÃO JANEIRO 2015 Departamento de Urbanismo, Obras Municipais e Ambiente DPTGU Janeiro 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DOMÍNIO A:

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM

Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM É uma pessoa coletiva de direito público de natureza associativa e âmbito territorial e visa a realização de interesses comuns aos Municípios que a integram,

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DAS PRAIAS URBANAS DA COSTA DA CAPARICA PLANOS DE PRAIA

PLANO DE PORMENOR DAS PRAIAS URBANAS DA COSTA DA CAPARICA PLANOS DE PRAIA PLANO DE PORMENOR DAS PRAIAS URBANAS DA COSTA DA CAPARICA PLANOS DE PRAIA PLANO DE PORMENOR DAS PRAIAS URBANAS DA COSTA DA CAPARICA PLANOS DE PRAIA ÍNDICE 1 Introdução...1 2 Classificação das Praias...2

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS

NORMA DE PROCEDIMENTOS NORMA DE PROCEDIMENTOS Agosto de 2005 16 / AM Tramitação dos processos de Licenciamento de Actividades Ocasionais em DPH 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Turismo, Planeamento e Ordenamento do Território no Algarve Dr. Sérgio Palma Brito sergiopalmabrito@gmail.com Faro, 09 de Novembro 1 Estrutura da Apresentação Proposta de Metodologia O Planeamento do Território

Leia mais

fixe para destacar o dia-a-dia de Torres Vedras!

fixe para destacar o dia-a-dia de Torres Vedras! fixe para destacar o dia-a-dia de Torres Vedras! Agosto 2009 fixe adj.2gén. 1 fi xo; seguro 2 diz-se da pessoa leal, constante; fi xe! exclamação que exprime prazer, entusiasmo, satisfação, alegria (Do

Leia mais

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007 Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º Abordagem presente Trabalho em curso Perspectiva futura Artigo 5.º Novos estabelecimentos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação Territorial Europeia 2007/2013 Que oportunidades para Lisboa e Vale do Tejo? Centro Cultural de Belém 31 de Março 2008 Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação territorial

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS POR CONVITE PI 6.3 PRODUTOS TURÍSTICOS INTEGRADOS DE BASE INTERMUNICIPAL AVISO N.º CENTRO-14-2016-16 O Mérito do Projeto

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Geografia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 719/2.ª Fase Critérios de Classificação 8 Páginas 2015 Prova

Leia mais

Compatibilizar a deteção de incêndios com edifícios de valor patrimonial por André Mingote

Compatibilizar a deteção de incêndios com edifícios de valor patrimonial por André Mingote Compatibilizar a deteção de incêndios com edifícios de valor patrimonial por André Mingote 18-10-2016 Apresentação: Parte 1 A Parques de Sintra Monte da Lua Parte 2 Sistema automático de deteção de incêndio

Leia mais

PLANO DE AVISOS 2016 (*)

PLANO DE AVISOS 2016 (*) PO PO PO PO Calendário de de Dados do Identificação do Referência do Empreendedorismo Qualificado 3 3.1, 8.5 janeiro 16 abril 16 SI - 02/SI/2016 Inovação Empresarial Inovação Produtiva Científico e Tecnológico

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FONTE DA TELHA Código da Água Balnear PTCX7L Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

Praia fluvial de Fernandaires

Praia fluvial de Fernandaires Praia fluvial de Fernandaires Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FERNANDAIRES Código da Água Balnear PTCE2L Ano de Designação 2006 Categoria/Tipo Água balnear interior em albufeira/ Albufeira

Leia mais

A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial

A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial A ZONA COSTEIRA DA REGIÃO CENTRO COMO REGIÃO DE RISCO o risco como oportunidade de valorização territorial FÁTIMA LOPES ALVES EDUARDO OLIVEIRA LISA PINTO DE SOUSA TANYA ESTEVES INÊS ANTUNES contacto: malves@ua.pt

Leia mais

UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol

UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol Não especifica 1. Espaços Naturais: Espaços Naturais de Grau I 2. Espaços Urbanos: Áreas Urbano-turísticas 3. Espaços Urbanizáveis: Áreas Degradadas

Leia mais

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Mar nos Programas Temáticos Regionais 2014-2020 João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Panorama Nacional e Internacional Oceano Atlântico Norte Oceano Atlântico Sul Reafirmar Portugal

Leia mais

VII CONGRESSO SOBRE PLANEAMENTO E GESTÃO DAS ZONAS COSTEIRAS DOS PAÍSES DE EXPRESSÃO PORTUGUESA

VII CONGRESSO SOBRE PLANEAMENTO E GESTÃO DAS ZONAS COSTEIRAS DOS PAÍSES DE EXPRESSÃO PORTUGUESA VII CONGRESSO SOBRE PLANEAMENTO E GESTÃO DAS ZONAS COSTEIRAS DOS PAÍSES DE EXPRESSÃO PORTUGUESA Biodiversidade costeira: o que a nova geração de POOC traz de novo para a conservação da Biodiversidade:

Leia mais

Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão

Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão Reunião do Núcleo Base CCDR-LVT Lisboa, 11 de abril de 2012 ORDEM DE TRABALHOS Acompanhamento e dinamização da revisão dos PDM do OVT 1. Ponto de situação

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Tarquínio-Paraíso

Perfil de Água Balnear do Tarquínio-Paraíso Perfil de Água Balnear do Tarquínio-Paraíso Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear TARQUINIO-PARAISO Código da Água Balnear PTCJ8N Ano de Identificação 2004 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais