A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas. IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura outubro 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas. IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura 2020 12 outubro 2012"

Transcrição

1 A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura outubro 2012

2 SIPAC - Enquadramento lega SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Novos seguros criados no âmbito das OCM s das Frutas e Hortícolas e Vinha (Seguro de Colheitas Frutas e Hortícolas e Seguro Vitícola de Colheitas ) Principais aspetos comparativos -SIPAC / Seguro Colheitas Frutas e Hortícolas / Seguro Vitícola de Colheitas 2

3 SIPAC - Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas

4 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Enquadramento legal Legislação nacional Decreto-Lei n.º 20/96, de 19 março (alterado pelo Decreto-Lei n.º 23/2000, de 2 março) Portaria n.º 318/2011, de 30 dezembro(alterada pela Portaria n.º 61/2012, de 20 março) Norma Regulamentar n.º 2/2012-R, de 23 fevereiro Despacho n.º 10/2012, de 26 dezembro Normativos Circular n.º 4/2012, de 14 maio(alterada pela Carta-Circular n.º 4/2012, de 24 julho) 4

5 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Componentes Seguro Colheitas Visa segurar a produção indemnizando o agricultor em caso de sinistro de origem meteorológica, mediante o pagamento de um prémio bonificado Fundo Calamidades Visa compensar os agricultores por sinistros de natureza meteorológica derivados de riscos não cobertos pelo seguro de colheitas Compensação Sinistralidade Visa compensar as seguradoras pelo excesso de sinistralidade que ocorra durante o exercício da sua atividade 5

6 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Seguro de Colheitas Portugal Continental Dotação OE Contrato individual ou coletivo Seguro Colheitas (1996) Todos os produtores registados (beneficiário IFAP) Todas as culturas Riscos origem climatérica (*) (*) Incêndio, ação queda raio, explosão, granizo - cobertura base (contratação obrigatória) Tornado, tromba-d água, geada e queda de neve -cobertura complementar (contratação opcional) Fendilhamento fruto - cerejeira e chuvas persistentes - tomate indústria (Contratados c/ totalidade coberturas) 6

7 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Principais aspetos da contratação do seguro Condições contratação Regulamentadas em Apólice Uniforme Limite ao apoio Aplicável - Tarifas de referência PMI 5% ou 30% (consoante natureza dos riscos) Franquias Aplicável - Franquia danos 20% (horizontal) Nível bonificação Pagamento prémio Mínimo: 35% -Máximo: 70% Variável com riscos, cultura, localização, tarifa referência, tipo contrato e região Tomador paga prémio líquido de bonificação no ato da contratação 7

8 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Distribuição do capital seguro por cultura Capital seguro total: 344 MEuro Hortícolas, 9% Outras, 4% Vinha, 40% Frutas, 22% Cereais, 25% Capital seguro Frutas: 75 MEuro Capital seguro Hortícolas: 31 MEuros Cerejeira, 4% Ameixeira, 4% Pessegueiro, 8% Outras, 1% Outras, 5% Pimento, 2% Laranjeira, 4% Tangerineira, 3% Melão, 3% Pereira, 20% Macieira, 56% Tomate indústria, 90% Fonte: IFAP / Dados

9 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Distribuição da bonificação por cultura Bonificações totais: 16 MEuro Hortícolas, 4% Outras, 2% Vinha, 39% Frutas, 50% Cereais, 5% Bonificações Frutas: 8 MEuro Bonificações Hortícolas: 0,6 MEuro Cerejeira, 5% Pessegueiro, 9% Ameixeira, 2% Outras, 1% Outras, 4% Pimento, 2% Laranjeira 0,5%Tangerineira, 0% Melão, 3% Pereira, 7% Macieira, 76% Tomate indústria, 91% Fonte: IFAP / Dados

10 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Capital seguro vs bonificação por cultura Cultura Capital Bonificação Nível médio bonificação Vinha 40% 39% 70% Cereais 25% 5% 52% Frutas 22% 50% 71% Hortícolas 9% 4% 52% Outras 4% 2% 43% Fonte: IFAP / Dados

11 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Evolução da contratação mil euros Capital total Capital Frutas e Hortícolas Capital total Nº agricultores Mil euros Capital F e H Capital F e H / Total 15% 29% 31% 26% 27% 25% 28% 26% 31% 30% 30% 31% 11

12 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Distribuição do capital seguro por região Capital seguro total: 344 MEuro ALG, 1% EDM, 5% TM, 17% ALENT, 44% BL, 8% BI, 8% Capital seguro Frutas: 75 MEuro ALENT, 10% ALG, 4% EDM 0,1% TM, 34% LVT, 17% EDM 0,1% ALG, 3% Capital seguro Hortícolas: 31 MEuros BI, 0%BL, 1% TM, 0% LVT, 52% LVT, 29% ALENT, 44% BI, 15% BL, 8% Fonte: IFAP / Dados

13 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Distribuição da bonificação por região Bonificações totais: 16 MEuro ALENT 12% ALG 0,3% EDM 8% LVT 7% BI 21% TM 37% Bonificações Frutas: 8 MEuro ALENT 7% LVT 10% ALG 1% EDM 0,1% BL 15% ALG 2% Bonificações Hortícolas: 0,6 MEuro BL 0,5% BI 0% EDM TM 0,1% 0% BI 20% BL 10% TM 52% ALENT 46% LVT 52% Fonte: IFAP / Dados

14 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Capital seguro vs bonificação por região Região Capital Bonificação Nível médio bonificação EDM 5% 8% 70% TM 17% 37% 71% BL 8% 15% 71% BI 8% 21% 72% LVT 17% 7% 56% ALENT 44% 12% 54% ALG 1% 0,3% 47% Fonte: IFAP / Dados

15 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Representatividade da área segura na área cultivada 60% 50% 52% 55% 40% 30% 25% 26% 30% 20% 19% 10% 0% Trigo Cevada Vinha Maçã Pêra Tomate ind. Fonte: IFAP / Dados

16 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Distribuição das indemnizações por causa de sinistro Outras 0,1% Incêndio, raio, explosão 1% Geada 71% Granizo 25% Tornado 1% Tromba de água 2% Fonte: IFAP / Dados

17 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Indemnizações por cultura Indemnizações totais: 260 MEuro Hortícolas, 1% Outras, 4% Vinha, 37% Indemnizações Frutas: 146 MEuro Frutas, 56% Cereais, 2% Indemnizações Hortícolas: 2,6 MEuro Pereira, 5% Outras 6% Melão 5% Macieira, 80% Cerejeira, 7% Pessegueiro, 5% Ameixeira, 2% Tomate para indústria 85% Pimento 4% Outras, 1% Fonte: IFAP / Dados

18 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Indemnizações por região Indemnizações totais: 260 MEuro ALENT, 8% ALG 0,4% EDM, 6% LVT, 5% BI, 21% TM, 42% Indemnizações Frutas: 146 MEuro BL, 18% Indemnizações Hortícolas: 2,6 MEuro LVT, 5% BI, 21% ALENT, 3% ALG, 1% EDM, 1% ALENT, 48% ALG, 3% EDM, 0,01% TM, 0,1% BL, 0,5% BI, 0,01% BL, 11% TM, 58% LVT, 49% Fonte: IFAP / Dados

19 SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades Climáticas Evolução das indemnizações mil euros Total Frutas e Hortícolas Fonte: IFAP / Dados

20 Novos seguros no âmbito das OCM s da Vinha e Frutas e Hortícolas Seguro Colheitas Frutas e Hortícolas Seguro Vitícola Colheitas (SVC)

21 Novos seguros OCM Enquadramento legal Seguro colheitas F&H Reg. (CE) n.º 1234/2007, do Conselho, de 23 outubro (OCM Única) Reg. (CE) n.º 1580/2007, da Comissão (alterado pelo Reg. (CE) n.º 543/2011, da Comissão, de 7 de junho) Portaria n.º 1325/2008, de 18 novembro (alterada pelas Portarias n.º 1247/2009, de 13 outubro e n.º 166/2012, de 22 maio) SVC Reg. (CE) n.º 1234/2007, do Conselho, de 23 outubro (alterado pelo Reg. 491/2009, do Conselho, de 25 maio) Reg. (CE) n.º 555/2008, da Comissão, de 27 junho Portaria n.º 42/2012, de 10 fevereiro Circular n.º NSP-3/2012, de 13 abril (alterada pela Carta-Circular n.º NSP-5/2012, de 2 julho) 21

22 Novos seguros OCM Objetivo da criação Os novos seguros visaram conjugar essencialmente três fatores: Simplicidade Dispor de um seguro de conceção mais simples (menos requisitos para concessão do apoio) Introduzir maior flexibilidade nas relações contratuais (produtores / empresas de seguros) Flexibilidade Novos seguros OCM Racionalização custos Tornar o sistema menos oneroso para o Estado (financiamento comunitário) 22

23 Novos seguros OCM Seguro de Colheitas No âmbito das OCM s (Frutas e Hortícolas e Vinha), a contratualização de seguros de colheitas é apoiada, mediante a atribuição de bonificações aos prémios de seguro Os novos seguros OCM coexistem com o SIPAC, não podendo porém existir duplo financiamento O Seguro de Colheitas F&H encontra-se integrado nos Programas Operacionais das Organizações de Produtores de F&H 23

24 Novos seguros OCM Principais aspetos da contratação Condições livremente negociadas entre o produtor e seguradora, de modo a adaptar as condições de risco associadas à realidade de cada produtor Taxas comerciais Riscos cobertos Fatores que determinam o capital seguro Aspetos a negociar Período de cobertura PMI Franquias 24

25 Novos seguros OCM Principais caraterísticas FEAGA podendo acrescer Dotação OE Contrato grupo Portugal (Continente e Regiões Autónomas) Seguro Colheitas F&H (2012) OP sreconhecidas (Port. 1266/2008, c/ PO aprovado (Port. n.º 1325/2008) Frutas e Hortícolas (parte IX, do anexo I da OCM) Riscos natureza climática (*) Pragas e doenças FEAGA Contrato individual / grupo Portugal Continental SVC (2012) Viticultores - uva p/a vinho registados (beneficiário IFAP) Vinha p/a produção vinho (sit. atualizada RCV) Riscos natureza climática (*) Pragas e doenças (*) Inclui riscos equiparados a catástrofes naturais e outros fenómenos climáticos 25

26 Novos seguros OCM Nível de Apoio Seguro Colheitas F&H 80% 50% Exclusiva/ riscos climáticos equiparados a catástrofes naturais (PMI > 30%) Outros riscos climáticos, pragas e doenças (sem restrições do PMI) 80% Exclusiva/ riscos climáticos equiparados a catástrofes naturais (PMI > 30%) Contrato de seguro de grupo SVC 75% 50% Exclusiva/ riscos climáticos equiparados a catástrofes naturais (PMI > 30%) Contrato de seguro individual Outros riscos climáticos, pragas e doenças (sem restrições do PMI) Contrato de seguro de grupo / individual 26

27 Novos seguros OCM Concessão do apoio Seguro Colheitas F&H SVC OP pagaprémiototalàempresade seguros AjudaéatribuídaàOPpeloIFAPno âmbitodoseup.o. Tomador paga prémio líquido à empresa de seguros Ajuda é transferida pelo IFAP para empresa de seguros 27

28 Novos seguros OCM Tramitação processual Principais fases Candidatura / contratação Fases Comprovativos Pagamentos Sinistros 28

29 Novos seguros OCM Tramitação processual Candidatura / Contratação Fases CANDIDATURA / CONTRATAÇÃO Sinistros Comprovativos Pagamentos Seguro Colheitas F&H OP celebra apólice com empresa seguros (produtos para os quais a OP foi reconhecida) OP inclui no seu PO a ação seguro de colheitas (ação 6.4) - Prazo: 30/set DRAP valida informação - Prazo: 15/dez SVC Tomador prepara informação e contacta empresa seguros Tomador e empresa seguros negoceiam condições contratuais e celebram apólice Empresa seguros envia e valida dados apólice junto do IFAP Tomador paga prémio líquido de bonificação Prazo: 15/mai 29

30 Novos seguros OCM Tramitação processual Comprovativos Candidatura / contratação Seguro Colheitas F&H SVC Fases COMPROVATIVOS Pagamentos OP envia pedido ajuda ao IFAP, incluindo documentos despesa (por exemplo, apólice seguro, faturas / recibos, extrato bancário comprovativo da liquidação) Empresa seguros envia e valida dados comprovativos junto do IFAP IFAP confronta dados apólice com dados comprovativos Sinistros Prazo: se pedido ajuda trimestral 30/abr, 31/jul, 31/out; se pedido ajuda anual - 15/fev/n+1 Prazo limite: 30 dias após envio de candidatura e até 15/jun 30

31 Novos seguros OCM Tramitação processual Pagamentos Candidatura / contratação Seguro Colheitas F&H SVC Fases Sinistros Comprovativos PAGAMENTOS IFAP procede ao pagamento à OP Prazo: até 3 meses após a data pedido ajuda trimestral ou até 15/10/n+1 para pedido ajuda anual IFAP desenvolve procedimentos inerentes ao pagamento e transfere apoio para empresa seguros Prazo limite: 30/set 31

32 Novos seguros OCM Tramitação processual Sinistros Fases Candidatura / Contratação Comprovativos Pagamentos SINISTROS Seguro Colheitas F&H Empresa seguros envia e valida dados sinistros junto do IFAP SVC Empresa seguros envia e valida dados sinistros junto do IFAP Prazo limite: 30/abril/ n+1 32

33 Novos seguros OCM Fundo de Calamidades e Compensação de Sinistralidade Os contratos celebrados ao abrigo dos novos seguros OCM podem beneficiar de: Fundo de Calamidades Compensação de Sinistralidade Desde que incluam pelo menos os riscos da cobertura base do SIPAC Desde que prevejam condições idênticas às do SIPAC (ex. riscos e franquias) 33

34 Principais aspetos comparativos SIPAC / Seguro Colheitas F&H / SVC

35 Comparação entre SIPAC / Seguro Colheitas F&H / SVC SIPAC SEGURO COLHEITAS F&H SVC Âmbito aplicação Portugal Continental Portugal (Continente e regiões Autónomas) Culturas Todas Frutas e Hortícolas (parteix,doanexoidaocm) Portugal Continental Uva para produção vinho Destinatários Todos os produtores OP s reconhecidas Viticultores- uva p/a vinho Riscos passíveis de cobertura Riscos de natureza climática: alguns Todos os riscos natureza climática (equiparados a catástrofes naturais e outros fenómenos climáticos) Riscos natureza climática: todos (equiparados a catástrofes naturais e outros fenómenos climáticos) Contratação em pacote : Cob. base obrigatória Cob. complementar opcional Fendilhamento (cerejeira) ou chuvas persistentes (tomate indústria) Totalidade riscos Pragasedoenças Contratação negociável Pragasedoenças Contratação negociável Tipo contrato Individual ou coletivo Coletivo Individual ou coletivo(grupo) Período cobertura Regulamentado- apólice uniforme Negociável Negociável 35

36 Comparação entre SIPAC / Seguro Colheitas F&H / SVC SIPAC SEGURO COLHEITAS F&H SVC PMI Opcional : Se NBonif 50% => PMI = 5% Se NBonif > 50% => PMI = 30 Franquias Aplicáveis (franquia danos: 20% - aplicação horizontal) Limites ao apoio Nível apoio Aplicáveis tarifas referência (variáveis com cultura, região e tipo contrato) Pode assumir os valores: 50% (PMI=5%) >50% (PMI=30%) N.MaxBonif =70% Variável com riscos, cultura, localização, intervalo tarifação, tipo contrato e região Bonif = CapSeg x TxCom ou TarRef(amenor)xNbonif Opcional: Se NBonif 50% => PMI 30% Se NBonif > 50% => PMI > 30% Negociáveis Aplicáveis - limite de 33% dovalor do PO (medidas de prevenção e gestão de crises) Pode assumir os valores: 50%(PMI 30%) >50%(PMI>30%) N. Max Bonif = 80% (condicionado à existência disponibilidade orçamental) Variável com riscos Bonif=Prem.ElegívelxNbonif Opcional: Se NBonif 50% => PMI 30% Se NBonif > 50% => PMI > 30% Negociáveis Aplicáveis - limite máximo de prémio/ha(variável com região) Pode assumir os valores: 50%(PMI 30%) 75%(PMI>30%eseg.indiv.) 80%(PMI>30%eseg.grupo) N.MaxBonif =80% Variável com riscos e tipo contrato Bonif=PremElegívelxNbonif 36

37 Comparação entre SIPAC / Seguro Colheitas F&H / SVC Pagamentoapoio SIPAC SEGURO COLHEITAS F&H SVC Tomador paga prémio líquido no ato contratação e IFAP transfere apoio para seguradora OP paga prémio por inteiro no ato contratação e IFAP concede apoio à OP no âmbito do seu PO Financiamento DotaçãoOE Fundos comunitários, podendo acrescer Dotação OE Apresentação pedido apoio Tomador paga prémio líquido no ato contratação e IFAP transfere apoio para seguradora Fundos comunitários A cargo da seguradora A cargo da OP Partilhada entre tomador e seguradora 37

38 Sistema de Seguro Agrícolas Operacionalização dos seguros no futuro Pretende-se estender o futuro modelo de operacionalização do SVC aos restantes seguros apoiados por fundos públicos (F&H e outros) e criar um modelo transversal que, respeitando as especificidades de cada seguro, permita criar sinergias e simplificar procedimentos Modelo operacionalização SVC Modelo operacionalização FEH Modelo operacionalização outros seguros Modelo único de operacionalização dos seguros 38

39 Obrigado pela vossa atenção

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas 1. Síntese

Leia mais

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas 3 Síntese

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.1 SEGUROS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE)

Leia mais

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS Colóquio - Debate Pedro Ribeiro 1 ENQUADRAMENTO Importância crescente da gestão de risco, no âmbito da atividade agrícola, face ao contexto de

Leia mais

Seguros Agrícolas LUSOFLORA

Seguros Agrícolas LUSOFLORA Seguros Agrícolas LUSOFLORA Santarém, 27 de Fevereiro de 2015 Índice Indíce A CA Seguros no Crédito Agrícola Seguro de Colheitas o Novo Sistema de Seguros Agrícolas (SSA) o Seguro Vitícola de Colheitas

Leia mais

I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR

I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR 1. Disposições Regulamentares O art.º 103.º-C do Reg.(CE) nº 1234/2007, do Conselho, de 22 de outubro de 2007, inclui nos objetivos dos programas operacionais das organizações

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

Seguros Agrícolas O Sistema Português

Seguros Agrícolas O Sistema Português Seguros Agrícolas O Sistema Português Por Pedro Santos Toda a actividade agrícola está sujeita a variadíssimos riscos, sendo os provocados pelas condições meteorológicas os mais imprevisíveis e menos controláveis.

Leia mais

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em carácter

Leia mais

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2014-2020 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

ficha de produto automóvel

ficha de produto automóvel ficha de produto automóvel O que é? O Seguro de Automóvel é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites de indemnização

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 8 Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

ficha de produto automóvel 2Rodas

ficha de produto automóvel 2Rodas ficha de produto automóvel 2Rodas O que é? O Seguro auto 2Rodas é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola PDR 2020 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice Índice... 1 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 LNEC - LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE LISBOA, 29/06/2015 O que é? Fundo de Eficiência Energética (FEE):

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL RECOMENDAÇÃO N.º 1/2013 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE GÁS NATURAL Janeiro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

Colectivo - SVC Proposta

Colectivo - SVC Proposta Proposta SEGURO NOVO ALTERAÇÃO (PREENCHER APENAS OS DADOS A ALTERAR) N.º APÓLICE N.º COTAÇÃO N.º CANDIDATURA SVC TOMADOR DO SEGURO / PROPONENTE PARTICULAR / EMPRESÁRIO EMPRESA N.º BENEFICIÁRIO IFAP É OU

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I VALE PROJETO SIMPLIFICADO

Leia mais

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 R$ bilhões 1969 1971 1973 1975 1977 1979 1981 1983 1985

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA Porto Alegre - Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 O IRB-BRASIL RE COMO RESSEGURADOR E GESTOR DO FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.3 INVESTIMENTO NA TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS Enquadramento Regulamentar

Leia mais

Gestão de Risco. Seguros e garantias para o setor agropecuário. Seminário Financiamento ao Agronegócio. 31 de julho de 2015

Gestão de Risco. Seguros e garantias para o setor agropecuário. Seminário Financiamento ao Agronegócio. 31 de julho de 2015 Gestão de Risco Seguros e garantias para o setor agropecuário Seminário Financiamento ao Agronegócio 31 de julho de 2015 1. Riscos Climáticos Exposição e vulnerabilidade Secas, inundações, geadas, ventos,

Leia mais

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas:

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas: 1411 e ao abrigo do disposto no n.º 3 do artigo 27.º do Decreto- -Lei n.º 86/90, de 16 de março e para os efeitos previstos nos artigos 46.º a 49.º da Lei n.º 54/2015, de 22 de junho, o seguinte: ANEXO

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

Portugal. Campanha em vigor até 30 Junho 2015

Portugal. Campanha em vigor até 30 Junho 2015 CAMPANHA CAMPANHA Ao domiciliar as ajudas ao rendimento em conta BST, por um valor estimado mínimo de 10.000, durante um período mínimo de 2 anos, recebe um destes equipamentos TV LED ou Mini Ipad. Para

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.2 - INVESTIMENTO NA EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento

Leia mais

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca www.pwc.pt/tax Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca Enquadramento da Lei nº. 70/2013 no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Remunerações no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Benefícios aos

Leia mais

A Importância da Meteorologia na Agricultura de Regadio

A Importância da Meteorologia na Agricultura de Regadio A Importância da Meteorologia na Agricultura de Regadio Jornadas Técnicas: A rede temática FITORREGA Marta Costa Santos marta.santos@cotr.pt 24.10.2012 METEOROLOGIA NA AGRICULTURA DE REGADIO Proporciona

Leia mais

C IRCULAR N.º 01/2005

C IRCULAR N.º 01/2005 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO C IRCULAR N.º 01/2005 DATA DE EMISSÃO: 14-01-2005 ENTRADA EM VIGOR: 01-01-2004 Assunto: Âmbito: SIPAC - Sistema Integrado de Protecção contra as Aleatoriedades Climáticas Às Companhias

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE CONSELHO DIRECTIVO C I R C U L AR CLASSIFICAÇÃO- DATA DE EMISSÃO: 09-04-2012 ENTRADA EM VIGOR: 10-04-2012 Âmbito: Continente INDICE 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 2. INTERVENIENTES 3. BENEFICIÁRIOS

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS (SIALM) Nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas

Leia mais

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias?

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias? SEGURO HABITAÇÃO Qual a importância do Seguro de Habitação? Os bens imóveis, tal como os móveis, estão sujeitos à ocorrência de eventos que lhes podem causar danos. Se não possuir um seguro válido, terá

Leia mais

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 1 Junho 2015 SEGURO de SAÚDE

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 1 Junho 2015 SEGURO de SAÚDE Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família O Seguro de Saúde adquiriu ao longo dos tempos uma importância crescente no apoio aos cuidados de Saúde da Comunidade Farmacêutica,

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO RISCO FLORESTAL

ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO RISCO FLORESTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO RISCO FLORESTAL Seminário UNAC LISBOA, 18 DE MARÇO DE 2010 CRÉDITO AGRÍCOLA SEGUROS SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DA CA SEGUROS 2. DEFINIÇÃO DE SEGURO 3. O SEGURO DE INCÊNDIO FLORESTAL

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg Sessão de Divulgação PDR2020 NERA Loulé 2 de Julho de 2015 Júlio Cabrita - DRAPAlg (Continuação) 25,0% PRODER - TOTAL (Região Algarve) Investimento total por concelho (%), em 2015-03-23 22,5% 20,0% 17,3%

Leia mais

PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES

PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES SOMOS PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES - AÇÃO 3.2.1 PDR2020 - - B r o c h u r a I n f o r m a t i v a Mod. MKT-CON-P321.v01.2/15 Regibio - Formação e Consultadoria, Lda. SEDE: Largo de São Tiago,

Leia mais

2.c.1 Melhorar os níveis de disponibilidade de serviços públicos on-line

2.c.1 Melhorar os níveis de disponibilidade de serviços públicos on-line AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 2 Melhorar o Acesso às Tecnologias de Informação e da Comunicação, bem como a sua Utilização

Leia mais

CONSELHO DIRECTIVO DATA DE EMISSÃO: 02/02/2009 ENTRADA EM VIGOR: 02/02/2009

CONSELHO DIRECTIVO DATA DE EMISSÃO: 02/02/2009 ENTRADA EM VIGOR: 02/02/2009 CONSELHO DIRECTIVO C IRCULAR N.º 2/2009 DATA DE EMISSÃO: 02/02/2009 ENTRADA EM VIGOR: 02/02/2009 Âmbito: Continente A execução e controlo da ajuda aos fundos operacionais das Organizações de Produtores

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 297/2015, de 21 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

estruturais e de investimento (FEEI), entre os quais se infundo Artigo 22.º

estruturais e de investimento (FEEI), entre os quais se infundo Artigo 22.º 1449 Artigo 22.º Extinção ou modificação da operação por iniciativa do beneficiário O beneficiário pode requerer ao gestor: a) A extinção da operação, desde que proceda à restituição das importâncias recebidas;

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

SEMINÁRIO MÉTODOS SIMPLIFICADOS DE CUSTO

SEMINÁRIO MÉTODOS SIMPLIFICADOS DE CUSTO SEMINÁRIO MÉTODOS SIMPLIFICADOS DE CUSTO 14 Dezembro 2012 ENQUADRAMENTO 1 TIPOLOGIAS E ENTIDADES ABRANGIDAS 2 METODOLOGIA 3 ACOMPANHAMENTO E AUDITORIA 4 CONCLUSÕES 5 1. ENQUADRAMENTO CONTEXTO Processo

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:45 Número de Simulação: 14616115 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2020. 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2020 3.3 - Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição da Operação... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA SEGURO RURAL EVOLUÇÃO PSR 2005-2014 SITUAÇÃO 2015 ORÇAMENTO PSR 2016 NOVAS REGRAS 2016-2018 CONCLUSÕES

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE ELETRICIDADE

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE ELETRICIDADE RECOMENDAÇÃO N.º 1/2012 INFORMAÇÃO DO IMPOSTO ESPECIAL DE CONSUMO NA FATURA DE janeiro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, 16.5.2014 L 145/5 REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 499/2014 DA COMISSÃO de 11 de março de 2014 que completa os Regulamentos (UE) n. o 1308/2013 e (UE) n. o 1306/2013 do Parlamento Europeu e

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO TRABALHOS DA COMISSÃO A Subcomissão Permanente de Economia reuniu no dia 16 de junho de 2015, na Sede da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, na cidade da Horta, a fim de analisar e dar

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:40 Número de Simulação: 14616112 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

ficha de produto multirriscos habitação

ficha de produto multirriscos habitação ficha de produto multirriscos habitação O que é? O Seguro de multirriscos habitação é um seguro que visa garantir os edifícios ou fracções de edifícios destinados à habitação permanente do Segurado e construídos

Leia mais

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012)

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012) LISTA DE VERIFICAÇÃO CIRCULARES SUSEP N os 256 e 269/04 E OUTROS NORMATIVOS DESCRIÇÃO ATENÇÃO: No preenchimento da Lista de Verificação, para os itens informativos, a coluna Fls. deverá ser marcada com

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

Novo Regime de IVA de Caixa

Novo Regime de IVA de Caixa QA#005 / Junho.2014 Mónica Veloso * Área Jurídica da Unidade Empreendedorismo ANJE Novo Regime de IVA de Caixa Na Quinta edição da QuickAid Notas Informativas Jurídicas da Unidade de Empreendedorismo ANJE,

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Âmbito do Seguro.04 Artigo 3º Produção de Efeitos e Duração do Contrato.04 Artigo 4º Prémio do Seguro.05 Artigo 5º Inexactidão da Declaração

Leia mais

Segura bem, o teu sonho. >> Seguro Automóvel

Segura bem, o teu sonho. >> Seguro Automóvel Segura bem, o teu sonho. >> Seguro Automóvel >> Mercedes-Benz Seguros A opção mais segura. Optares por um seguro smart é seguramente uma boa escolha. Afinal, os nossos automóveis já são conhecidos por

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar Incentivos a Microempresas do Interior 3 Incentivos a Microempresas do Interior Para que servem estes incentivos? 4 5 Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões

Leia mais

Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors

Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

Regulamento Administrativo nº 41/2003. Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados

Regulamento Administrativo nº 41/2003. Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados Regulamento Administrativo nº 41/2003 Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados O Chefe do Executivo, depois de ouvido o Conselho Executivo, decreta,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE JUDO DE LISBOA

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE JUDO DE LISBOA Anexo à Circular n.º 4/11 DIR SEGURO DESPORTIVO PARA 2012 O Seguro Desportivo de Grupo, contratado através da Corretora de Seguros VIP SEGUROS para a época de 2012, abrange toda a prática desportiva do

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

SEGUROS. Manual de Seguros. Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A

SEGUROS. Manual de Seguros. Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A SEGUROS Manual de Seguros Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A 2013 SUMÁRIO 1. CONCEITOS... 3 1.1. Objeto do Seguro... 3 1.2. Tipos de Seguro... 3 1.3. Vigência... 3 2. COBERTURAS ADICIONAIS... 4 2.1. Responsabilidade

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Junho 2014 Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Índice Enquadramento..3 Tipos de Apoio da Ação 1.1.1....4 Quem são os beneficiários?...5 Critérios de elegibilidade dos beneficiários...6

Leia mais