Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função"

Transcrição

1 Título Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função Departamento Jurídico da Holding Documento BGHP_version1_ Finalidade A finalidade desta política relativa a subornos, presentes e hospitalidade é declarar inequivocamente a posição da Randstad perante atos de suborno, ofertas ou aceitação de presentes e/ou hospitalidade. Na Randstad, a integridade e o comportamento ético são valores fundamentais que estão na base da nossa conduta pessoal e profissional. Na qualidade de signatária do Pacto Global da ONU, a Randstad esforça-se sempre por manter os seus princípios na área do combate à corrupção. Alterações recentes às leis antissuborno a nível internacional e uma crescente tendência para a aplicação mais ativa dessas leis mostraram que a não abordagem da questão do suborno pode ter um custo muito elevado para as empresas em termos de perda de clientes, multas, custos e reputação. Uma violação das leis antissuborno pode ainda sujeitar os administradores e colaboradores a processos judiciais, multas de natureza penal e pena de prisão. Além disso, a corrupção constitui uma ameaça à boa gestão, ao desenvolvimento sustentável, ao processo democrático e às práticas comerciais equitativas. Através da implementação desta política relativa a subornos, presentes e hospitalidade, a Randstad poderá reforçar a sua reputação, fomentar o respeito dos seus colaboradores, aumentar a credibilidade junto dos principais intervenientes e apoiar o seu compromisso de responsabilidade social da empresa. Esta política é consistente com os Princípios de Negócio da Randstad e apoia-os, em particular os princípios 1, 5, 6 e 7: 1. Conhecemos e cumprimos as leis que regem o nosso setor, os princípios internacionais dos direitos humanos e as políticas e procedimentos internos da Randstad. 5. Negociamos de modo justo e ético e evitamos qualquer situação que possa criar um conflito de interesses, real ou aparente, entre os interesses da Randstad e os nossos interesses privados. 6. Não oferecemos, pagamos ou aceitamos subornos nem damos ou oferecemos presentes ou hospitalidade que possam gerar influência indevida.

2 7. Recusamos presentes ou hospitalidade que possam gerar uma influência indevida, real ou aparente. 2. Aplicabilidade Esta política aplica-se com efeito imediato na Randstad e a todos os: administradores e colaboradores, que devem também assegurar que todos os familiares e quaisquer empresas por eles controladas também respeitem esta política na medida em que tais atividades possam afetar a Randstad e/ou as empresas da Randstad; e agentes, intermediários, representantes, consultores, parceiros de consórcio e qualquer outra pessoa que atue em nome da Randstad (coletivamente, Parceiros de Negócios ). (Os administradores, colaboradores e Parceiros de Negócios da Randstad são designados como Representantes da Randstad no presente documento). Os Representantes da Randstad estão proibidos de recorrer a terceiros, direta ou indiretamente, a fim de evitar a aplicação desta política caso qualquer atividade constituísse uma violação desta política se fosse realizada por um Representante da Randstad. No entanto, esta política não abrange presentes ou hospitalidade oferecida pela Randstad aos seus próprios colaboradores (ex.º: presentes da Natal da empresa). 3. Estado Esta é uma nova política do Grupo Randstad. Foi adotada pelo conselho de administração da Randstad Holding em 2 de Março de Esta política pode ser alvo de revisões periódicas para garantir a sua conformidade com os requisitos legais aplicáveis e continuar a dar resposta às nossas necessidades comerciais. 4. Definições Autoridades públicas e funcionários governamentais incluem: qualquer responsável ou funcionário governamental; qualquer pessoa que atue a título oficial para ou em nome de um governo; responsáveis e funcionários de empresas detidas ou controladas pelo estado; partidos políticos, responsáveis políticos ou candidatos a cargos políticos; qualquer responsável ou funcionário de uma organização pública internacional; familiares de qualquer dos supra referidos; membros de famílias reais; membros honorários de entidades governamentais.

3 5. Política 5.1 Requisitos antissuborno Dar e aceitar subornos Na qualidade de Representante da Randstad, está estritamente proibido de fazer, prometer, oferecer ou autorizar subornos. Um suborno é qualquer coisa de valor (ou seja, não apenas dinheiro) que proporcione um benefício ao destinatário, tal como dinheiro ou equivalentes (ex.º: vales de oferta), a aquisição de propriedade ou serviços a preços inflacionados ou reduzidos, hospitalidade extravagante, carros, joias, melhoramentos da habitação, benefícios não materiais, viagens e valores mobiliários. A oferta destes artigos pode ser considerada um suborno se for feita com o intuito de influenciar qualquer ato ou decisão por parte do destinatário ou se tal oferta for de algum modo desonesta e ilegal, constituir uma quebra de confiança ou, de qualquer outra forma, criar uma influência indevida. Além disso, os Representantes da Randstad não estão autorizados a aceitar qualquer oferta de algo de valor de uma parte externa se a intenção de tal oferta for a de influenciar qualquer ato ou decisão por parte do Representante da Randstad ou se tal oferta for de algum modo desonesta e ilegal, constituir uma quebra de confiança ou, de qualquer outra forma, criar uma influência indevida Agentes e intermediários O recurso a agentes, intermediários, representantes e consultores para obter negócios com clientes é uma área onde existe um risco particularmente elevado de subornos. Embora este recurso não seja comum no Grupo Randstad, é necessário tomar cuidados acrescidos caso sejam usados agentes, intermediários, representantes ou consultores e, consequentemente, estes não podem ser nomeados sem o consentimento prévio por escrito do Departamento Jurídico do Grupo. Caso já recorra a um agente, intermediário, representante ou consultor, tem de contatar o Departamento Jurídico do Grupo (consultar dados de contacto infra) por forma a obter consentimento por escrito para o referido acordo Autoridades públicas e funcionários governamentais Habitualmente, a oferta de presentes ou hospitalidade a autoridades públicas ou funcionários governamentais é fortemente regulamentada por complexa legislação local, que é ativamente aplicada pelas autoridades responsáveis; é necessário tomar cuidados acrescidos nesta área.

4 Os Representantes da Randstad não podem fazer, oferecer, prometer ou autorizar um presente ou pagamento de dinheiro ou algo de valor, direta ou indiretamente, a ou em benefício de uma autoridade pública ou funcionário governamental com qualquer propósito ilícito. Os Representantes da Randstad não podem dar, oferecer, prometer ou autorizar presentes ou hospitalidade a autoridades públicas ou funcionários governamentais a menos que o Departamento Jurídico do Grupo (consultar dados de contato infra) tenha sido contactado, por forma a garantir que tal acordo possa ser avaliado. As despesas de deslocação de quaisquer autoridades públicas ou funcionários governamentais não devem ser pagas nem reembolsadas pela Randstad, independentemente de tais indivíduos atuarem ou não a título oficial. Pode haver lugar a exceções individuais feitas por escrito e antecipadamente pelo Departamento Jurídico do Grupo (consultar dados de contacto infra) e sujeitas a limitações estritas. Todos os reembolsos de viagens feitos a autoridades públicas ou funcionários governamentais devem ser devida e corretamente registrados Viagens e alojamento no estrangeiro A hospitalidade que inclua viagem e alojamento internacionais é vista, por definição, como invulgarmente generosa. Se for proposto dar ou receber viagem e/ou alojamento internacional fora do âmbito indicado no n.º infra, contacte o Departamento Jurídico do Grupo (consultar dados de contacto infra), por forma a garantir que tal acordo possa ser avaliado Contribuições filantrópicas Se for feita uma contribuição filantrópica relacionada com a Randstad, deve ser para uma instituição de caridade idónea que não facilite, direta ou indiretamente, o pagamento de subornos nem financie atividades criminosas, terrorismo ou partidos políticos e todas as referidas contribuições devem ser devidamente registadas. Tais contribuições também não devem ser feitas se tiverem o intuito de influenciar qualquer ato ou decisão por parte do destinatário ou se tal oferta for de algum modo desonesto, ilegal, constituir uma quebra de confiança ou, de qualquer outra forma, criar uma influência indevida. Os Representantes da Randstad não podem fazer contribuições filantrópicas a pedido de autoridades públicas ou funcionários governamentais, a menos que o Departamento Jurídico do Grupo (consultar dados de contacto infra) tenha sido contactado, por forma a garantir que tal acordo possa ser avaliado.

5 5.1.6 Contribuições políticas Em conformidade com os Princípios de Negócio, os Representantes da Randstad não podem fazer contribuições a quaisquer candidatos a cargos públicos ou privados, partidos políticos ou organização pública internacional ou outros interesses políticos em nome da Randstad, seja direta seja indiretamente. 5.2 Presentes e hospitalidade Geral Como princípio geral, cada Representante da Randstad deve usar o seu bom senso e discernimento e atuar em conformidade com os Princípios de Negócio quando oferecer ou aceitar presentes e/ou hospitalidade. Isto significa que qualquer presente e/ou hospitalidade oferecido ou aceite por um Representante da Randstad deve ser: razoável em termos de custo, quantidade e frequência; adequado à hierarquia do destinatário (por exemplo, o que é adequado para um diretor-geral pode não ser aceitável para um comercial em início de carreira); e não deve: ser proibido pela legislação local ou pelas práticas empresariais conhecidas do destinatário; por outras palavras, se souber que o cliente que pretende convidar para determinado evento tem uma política de tolerância zero relativamente a presentes e/ou hospitalidade, não deve convidá-lo; e criar a aparência de influência indevida; por exemplo, não deve oferecer presentes (que não artigos de valor simbólico) e/ou hospitalidade a um cliente quando está a negociar um contrato ou durante um concurso para adjudicação. As circunstâncias e costumes locais determinam o que deve ser considerado razoável, embora nunca se devam exceder os limites estabelecidos pelos Administradores Delegados de acordo com os n. os e infra. Os presentes e hospitalidade oferecidos por fornecedores e vendedores devem ser alvo de cuidados acrescidos. Se o seu cargo na Randstad implicar a responsabilidade da escolha entre fornecedores ou vendedores, tais presentes e hospitalidade devem ser declinados, a menos

6 que sejam permitidos ao abrigo dos limites eventualmente definidos pelos Administradores Delegados de acordo com os n. os e infra. Todos os presentes e/ou hospitalidade oferecidos por uma empresa do Grupo Randstad devem ser adequada e explicitamente inseridos nos registros financeiros da referida empresa. Se receber um presente (que não artigos de valor simbólico) ou aceitar qualquer forma de hospitalidade, deve comunicar este fato de acordo com o procedimento local de modo a manter um registro de todos os presentes e/ou hospitalidade recebida por Representantes da Randstad no seu país. Estes registros serão analisados durante as auditorias realizadas em cada país Hospitalidade Como norma mínima, e sujeita aos requisitos do n.º supra, aplicam-se as regras que se seguem. Cada Administrador Delegado determinará anualmente o montante máximo aceitável para hospitalidade oferecida ou recebida no seu país que seja adequado e esteja em linha com as práticas empresariais locais. É necessário obter parecer jurídico para garantir que os referidos limites sejam permitidos ao abrigo da legislação e regulamentos locais, em particular no caso de ofertas a autoridades públicas ou funcionários governamentais. Qualquer hospitalidade que exceda o referido montante por pessoa para uma única ocasião não pode ser aceita nem oferecida, salvo aprovação do Administrador Delegado. Qualquer hospitalidade que exceda os EUR (ou montante equivalente na divisa local e individualmente ou no agregado) por pessoa está sujeita a aprovação por parte do Departamento Jurídico do Grupo (consultar dados de contacto infra). O colaborador da Randstad que ofereça a hospitalidade, ou outro colaborador, deve estar sempre presente durante o evento. Ao convidar clientes, a menos que essa hospitalidade seja habitual de acordo com as normas locais, deve certificar-se de que a entidade empregadora da pessoa tem conhecimento da hospitalidade oferecida e garantir que existe um registro escrito. A hospitalidade não deve envolver atividades, produtos ou locais que possam causar constrangimento ao destinatário ou à Randstad ou ser considerados de mau-gosto ou possam violar os Princípios de Negócio Presentes Como norma mínima, e sujeita aos requisitos do n.º supra, aplicam-se as regras que se seguem.

7 Cada Administrador Delegado determinará anualmente o montante máximo aceitável para presentes oferecidos ou recebidos no seu país que seja adequado e esteja em linha com as práticas empresariais locais. É necessário obter parecer jurídico para garantir que os referidos limites sejam permitidos ao abrigo da legislação e regulamentos locais, em particular no caso de ofertas a autoridades públicas ou funcionários governamentais. Quaisquer presentes que excedam esse montante não podem ser aceites nem oferecidos, a menos que tenham aprovação do Administrador Delegado. Qualquer presente que exceda os EUR 250 (ou montante equivalente na divisa local e individualmente ou no agregado) por pessoa está sujeito à aprovação por parte do Departamento Jurídico do Grupo (consultar dados de contacto infra). Os presentes de valor simbólico podem ser oferecidos e aceites em quantidades razoáveis. Exemplos destes artigos são canetas, conjuntos para secretária, materiais promocionais, artigos com um logótipo da empresa, etc. Os presentes devem ser sempre enviados para o endereço profissional da pessoa, não para o seu endereço pessoal. Os presentes não devem envolver produtos ou serviços que possam causar constrangimento ao destinatário ou à Randstad ou ser considerados de mau-gosto ou possam violar os Princípios de Negócio Viagem e alojamento internacionais Os Representantes da Randstad podem aceitar convites para eventos no estrangeiro (desde que respeitem as diretrizes desta política, incluindo qualquer política local aplicável) se pagarem as suas próprias despesas de deslocação e alojamento. Nos casos em que a viagem e alojamento internacionais sejam providenciados por empresas operadas pela Randstad em circunstâncias excepcionais (como a ida aos Jogos Olímpicos, a corridas de Fórmula 1 ou a eventos a bordo do Clipper, em que a Randstad é um dos patrocinadores), serão implementados procedimentos independentes adequados para garantir o cumprimento dos requisitos legais. Uma vez mais, se forem oferecidos viagem e alojamento internacionais a autoridades públicas ou funcionários governamentais, o Departamento Jurídico do Grupo (consultar dados de contacto infra) tem de ser contactado para garantir que tal acordo possa ser avaliado. 5.3 Parecer jurídico Conforme mencionado acima, os limites locais devem ser estabelecidos mediante parecer jurídico local para garantir a conformidade com toda a legislação e regulamentos aplicáveis. Caso tenha qualquer dúvida relativa a esta política, à implementação geral da mesma ou

8 necessite de contatar o Departamento Jurídico do Grupo para fins de conformidade com esta política, queira contatar Fiona Van Lede do Departamento Jurídico do Grupo ).

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO

DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO I. Declaração da Diretriz. É a diretriz da Global Crossing Limited ( Global Crossing ou a Empresa ) conduzir todos os seus negócios de uma maneira honesta e ética. Ao fazer

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER I. PROPÓSITO POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER A corrupção é proibida pelas leis de quase todas as jurisdições do mundo. A Danaher Corporation ( Danaher ) está comprometida em obedecer as leis

Leia mais

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs)

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) AS COMUNICAÇÕES ENTRE ADVOGADO E CLIENTE SÃO ESTRITAMENTE CONFIDENCIAIS Este documento destina-se a abordar questões que possam surgir no decurso

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. a JUSTIFICATIVA: A Alcoa Inc. ( Alcoa ) e sua administração têm o compromisso de conduzir todas as suas operações em todo o mundo com ética e em conformidade com todas

Leia mais

POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO

POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO Introdução A integridade é um dos valores mais importantes da American Sugar Holdings, Inc.. Esta política de conformidade anticorrupção descreve as normas de comportamento

Leia mais

Política Antissuborno

Política Antissuborno Política Antissuborno 1 Introdução 1.1 Finalidade A finalidade desta política é assegurar que a Ebiquity e os seus colaboradores cumpram a legislação antissuborno e as melhores práticas de combate à corrupção

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

Política Anticorrupção

Política Anticorrupção Soluções que impulsionam e valorizam sua empresa. Política Anticorrupção Ano fiscal 2016 Política Anticorrupção Objetivo Definir procedimentos para assegurar que todos os colaboradores, funcionários, sócios

Leia mais

Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos

Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos Conteúdo 1 Página Capítulo 2 1. Introdução 3 2. Nossos Compromissos 3! Compromissos com a sociedade 3! Compromissos para com os clientes 4! Compromissos para

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO COM PARCEIRO DE NEGÓCIOS

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO COM PARCEIRO DE NEGÓCIOS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO COM PARCEIRO DE NEGÓCIOS Um dos valores que mais importam ao ASR Group é a integridade. Em adjunto enviamos a Política Anticorrupção do ASR Group, que inclui tanto corrupção quanto

Leia mais

MOTA-ENGIL AFRICA N.V. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO

MOTA-ENGIL AFRICA N.V. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO 2014 MOTA-ENGIL AFRICA N.V. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO INTRODUÇÃO A Mota-Engil Africa N.V. ( Mota-Engil Africa ou a Empresa e juntamente com as suas subsidiárias, o Grupo ") compromete-se a conduzir

Leia mais

ICTSI CÓDIGO DE CONDUTA NOS NEGÓCIOS

ICTSI CÓDIGO DE CONDUTA NOS NEGÓCIOS ICTSI CÓDIGO DE CONDUTA NOS NEGÓCIOS MENSAGEM DO PRESIDENTE A ICTSI tem crescido de forma sólida ao longo dos anos, tornando-se uma empresa líder na gestão de portos, com um alcance global que se estende

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET

POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET JUNHO DE 2015 OBJETIVO DA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO A Dun & Bradstreet está comprometida com os mais elevados padrões éticos. Acreditamos em conduzir os negócios

Leia mais

Diretrizes para a prevenção de conflitos de interesses e corrupção

Diretrizes para a prevenção de conflitos de interesses e corrupção 1. Princípios e validade Integridade e transparência são as chaves para atividades comerciais bem sucedidas e sustentáveis. Nossa imagem e reputação pública se baseiam em objetividade e honestidade. Imparcialidade

Leia mais

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO I. DECLARAÇÃO DA POLÍTICA A política da RGIS ( Companhia ) é conduzir as operações mundiais de forma ética e conforme as leis aplicáveis, não só nos EUA como em outros países.

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

Cenário Mundial - Corrupção

Cenário Mundial - Corrupção Cenário Mundial - Corrupção Pesquisa aponta 10 práticas de corrupção comuns no dia a dia do brasileiro 1. Não dar nota fiscal 2. Não declarar Imposto de Renda 3. Tentar subornar o guarda 4. Falsificar

Leia mais

HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS. Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade

HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS. Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade A Hillenbrand, Inc., incluindo todas suas subsidiárias (referidas em conjunto como a Empresa ), mantém

Leia mais

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Proteção de dados É do conhecimento do contratante que, não só a informação referente à empresa particularmente informação referente

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS 1. Introdução A presente Política, aplicável à WEG S/A e todas as suas controladas, representa uma síntese das diretrizes existentes na

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

Política Global Anticorrupção

Política Global Anticorrupção POLÍTICA A Política Global Anticorrupção da Savis (a Política ) obriga a Savis Tecnologia e Sistemas S.A. e suas subsidiárias e afiliadas (coletivamente, Savis ou a Empresa ), em todas as operações ao

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS

NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS Página 1 de 9 UL NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS Página 2 de 9 ÍNDICE 1.0 OBJETIVO... 4 2.0 ESCOPO... 4 3.0 DEFINIÇÕES... 4 4.0 PRÁTICAS DE CONTRATAÇÃO... 5 4.1 TRABALHO FORÇADO... 5 4.2 TRABALHO

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Essas regras estão organizadas em torno das seguintes exigências:

CÓDIGO DE ÉTICA. Essas regras estão organizadas em torno das seguintes exigências: CÓDIGO DE ÉTICA O Grupo PSA Peugeot Citroën construiu seu desenvolvimento com base em valores implementados por seus dirigentes e funcionários, e reafirmados nos objetivos de desenvolvimento responsável

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO)

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO) Código de Conduta Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global John Snyder Presidente e Diretor Executivo (CEO) Mike Janssen Diretor de Operações (COO) Stephan

Leia mais

Política de Integridade

Política de Integridade Política de Integridade 1. INTRODUÇÃO Os procedimentos aqui descritos são complementares às diretrizes do Código de Conduta da empresa, e são norteados pelo compromisso assumido junto ao Pacto Empresarial

Leia mais

Política Anticorrupção

Política Anticorrupção Política Anticorrupção pág. 1 Política Anticorrupção Índice 1. Introdução pág. 03 2. Abrangência pág. 07 3. Definições pág. 09 4. Informações Preliminares pág. 13 5. pág. 17 6. Sinais de Alerta pág. 29

Leia mais

Código de Ética - Ultra

Código de Ética - Ultra Código de Ética - Ultra Ética na gestão - Equidade, transparência e responsabilidade - Cumprimento das leis - Desenvolvimento sustentável Ética nos relacionamentos - Acionistas e investidores - Colaboradores

Leia mais

Política Antissuborno e anticorrupção

Política Antissuborno e anticorrupção Política Antissuborno e anticorrupção Data de entrada em vigor: 1 de janeiro de 2016 Para uso interno e externo. Índice Introdução... 2 Qual é a finalidade da Política ABC da Pearson?... 2 A quem se aplica

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E CÓDIGO ANTICORRUPÇÃO

CÓDIGO DE CONDUTA E CÓDIGO ANTICORRUPÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA E CÓDIGO ANTICORRUPÇÃO 2 ÍNDICE CÓDIGO DE CONDUTA Apresentação...7 Objetivo e Âmbito de Aplicação...7 Registros Comerciais e Financeiros...8 Uso de Ativos...8 Prevenção de Conflito de

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL A Política de Prevenção à Corrupção tem como objetivo dar visibilidade e registrar os princípios e valores éticos que devem nortear a atuação dos empregados,

Leia mais

Código de Conduta. Agentes Autônomos

Código de Conduta. Agentes Autônomos Código de Conduta Agentes Autônomos Introdução e Aplicabilidade Este Código de Conduta ( Código ) estabelece diretrizes com relação à atuação dos Agentes Autônomos de Investimento ( Agentes Autônomos )

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

manual anticorrupção

manual anticorrupção manual anticorrupção ÍNDICE Introdução 4 Histórico 4 O Código de Conduta da Klabin 5 Por que um Manual Anticorrupção se já há um Código de Conduta? 5 Conceitos e Esclarecimentos 6 O que é corrupção? Práticas

Leia mais

Manual Anticorrupção & FCPA

Manual Anticorrupção & FCPA Manual Anticorrupção & FCPA pág. 1 Manual Anticorrupção & FCPA Índice 01. Introdução pág. 03 02. Abrangência pág. 07 03. Definições pág. 09 04. FCPA Informações Preliminares pág. 13 pág. 17 06. Sinais

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Estrutura do Código de Ética e Conduta 1. Introdução pág. 03 2. Mensagem da Diretoria pág. 04 3. Relações no Ambiente de Trabalho pág. 05 4. Relacionamento Externo pág. 07 5.

Leia mais

Manual Anticorrupção

Manual Anticorrupção Manual Anticorrupção pág. 2 Estrutura do Manual Anticorrupção 1. Introdução pág. 04 2. Definições pág. 06 3. Regras e Procedimentos pág. 08 4. Violações e Sanções Aplicáveis pág. 16 pág. 3 1. Introdução

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 Tipo: PROCEDIMENTO Data: 29/08/2015 Título: CLÁUSULA ANTICORRUPÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 Tipo: PROCEDIMENTO Data: 29/08/2015 Título: CLÁUSULA ANTICORRUPÇÃO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 1 OBJETIVO Em observância à Política Anticorrupção adotada pela NM ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. (a Política Anticorrupção ), o modelo de cláusula a seguir deve

Leia mais

CNH INDUSTRIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA FORNECEDORES

CNH INDUSTRIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA FORNECEDORES Sede Social: 25 St. James s Street, Londres, SW1A 1HA Reino Unido CNH INDUSTRIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA FORNECEDORES Visão Geral Nós, da CNH INDUSTRIAL NV e nossas subsidiárias ("CNH Industrial" ou a Companhia)

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS A Wilson Sons, por meio deste Guia Anticorrupção, pretende disseminar os valores morais e éticos que norteiam seus diversos negócios, reiterando seu princípio de combate

Leia mais

Código de Conduta (Code of Conduct) as empresas do Grupo Festo

Código de Conduta (Code of Conduct) as empresas do Grupo Festo Código de Conduta (Code of Conduct) as empresas do Grupo Festo Prefácio Como empresa familiar de longa tradição, e a operar a nível internacional, o Grupo Festo goza de uma excelente reputação junto dos

Leia mais

Índice. 1. Princípios gerais. 2. Plano TCC: compromissos

Índice. 1. Princípios gerais. 2. Plano TCC: compromissos 1 Índice 1. Princípios gerais 2. Plano TCC: compromissos 2.1 Subornos 2.2 Doações a partidos políticos 2.3 Doações a organizações beneficentes e patrocínio 2.4 Tratamentos de favor 2.5 Presentes, alojamentos

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

ÍNDICE POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO 1. OBJETIVO...3 2. APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIA...3 4. CONCEITOS...3 5. CONDIÇÕES GERAIS...3

ÍNDICE POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO 1. OBJETIVO...3 2. APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIA...3 4. CONCEITOS...3 5. CONDIÇÕES GERAIS...3 ÍNDICE POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO 1. OBJETIVO...3 2. APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIA...3 4. CONCEITOS...3 5. CONDIÇÕES GERAIS...3 5.1. Corrupção de Agentes Públicos...4 5.2. Corrupção Privada...5 6. POLÍTICAS...5

Leia mais

Política Anti-Suborno:

Política Anti-Suborno: Política Anti-Suborno: Política Global Novartis 1º de março de 2012 Versão GIC 100.V1.PT 1. Introdução 1.1 Objetivos Nosso Código de Conduta afirma que não subornamos ninguém. Esta Política define os respectivos

Leia mais

Esta política é baseada na legislação vigente e nos valores da Global conforme definições apresentadas no Código de Ética e Conduta.

Esta política é baseada na legislação vigente e nos valores da Global conforme definições apresentadas no Código de Ética e Conduta. POLITICAS CORPORATIVAS Assunto: Programa Anticorrupção / Antissuborno Objetivo Visa descrever e explicar as proibições contra suborno e corrupção em todas as operações da Companhia, destacar os requisitos

Leia mais

Política de integridade Empresarial

Política de integridade Empresarial Política de integridade Empresarial Introdução Integridade e responsabilidade são valores fundamentais para a Anglo American. Ganhar a confiança e mantê-la é fundamental para o sucesso de nossos negócios.

Leia mais

WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS

WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS 1. Code of Ethics WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS Honestidade, integridade e transparência são valores fundamentais da William E. Connor & Associates Limited (a

Leia mais

NORMATIVOS INTERNOS DO GRUPO - NIG

NORMATIVOS INTERNOS DO GRUPO - NIG 1. OBJETIVO A presente política tem como principal objetivo assegurar que os Colaboradores do Rendimento (GRUPOBRSA) observem os requisitos da Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 conhecida como Lei

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

Procedimento para Recebimento e Oferta de Presentes e Entretenimento

Procedimento para Recebimento e Oferta de Presentes e Entretenimento Procedimento para Recebimento e Oferta de Presentes e Entretenimento 1 A troca de presentes e entretenimento pode fortalecer relações comerciais, mas alguns presentes e entretenimento podem criar influências

Leia mais

GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO

GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO (Síntese adaptada do normativo interno PG-0V1-00034-0 Guia de Recebimento e Oferecimento de Presentes,

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores 00 12/02/2015 Original Natalia Simões Araujo (Coordenadora Funções Corporativas e Compliance) Antonio Ferreira Martins (Vice- Presidente Jurídico e

Leia mais

Política Anticorrupção e Suborno Potássio do Brasil

Política Anticorrupção e Suborno Potássio do Brasil Política Anticorrupção e Suborno Potássio do Brasil Novembro de 2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. PÚBLICO ALVO... 3 4. DEFINIÇÃO DE CORRUPÇÃO... 4 4.1. Corrupção Pública... 4 4.2. Corrupção

Leia mais

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DE FRANCO ADVOGADOS ÍNDICE CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES 1 CAPÍTULO II OBJETIVO 2 CAPÍTULO III AMBIENTE DE TRABALHO 2 CAPÍTULO IV - REGRAS E PROCEDIMENTOS 2 CAPÍTULO V - VANTAGEM INDEVIDA

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

FUCHS PETROLUB GROUP POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO LUBRICANTS TECHNOLOGY. PEOPLE.

FUCHS PETROLUB GROUP POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO LUBRICANTS TECHNOLOGY. PEOPLE. FUCHS PETROLUB GROUP POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO LUBRICANTS TECHNOLOGY. PEOPLE. SUMÁRIO Prefácio 4 1. Objetivos e abrangência desta política 5 2. O que é corrupção? 6 3. Consequências para os colaboradores

Leia mais

Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo

Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo MEDIDAS DE ÉTICA E CONDUTA 1 - A empresa se encontra em situação regular com a Fazenda Federal? A empresa deve apresentar documento

Leia mais

Minerals Technologies Inc. Resumo das políticas de conduta comercial

Minerals Technologies Inc. Resumo das políticas de conduta comercial Minerals Technologies Inc. Resumo das políticas de conduta comercial É sempre exigido um comportamento legal e ético Este Resumo das políticas de conduta comercial (este "Resumo") fornece uma descrição

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

Ética & Princípios de Conduta Empresarial

Ética & Princípios de Conduta Empresarial Nossa Cadeia de Fornecedores Ética & Princípios de Conduta Empresarial ao exercer atividades de negócios com a CH2M HILL Outubro 2011 Princípios baseados no livro The Little Yellow Book, escrito em 1978

Leia mais

Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft

Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft 1 Versão em português Bem-vindo Bem-vindo Bem-vindo ao Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft. Este curso foi desenvolvido para ajudar

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR INTRODUÇÃO Ciente de sua responsabilidade como fornecedora de refeições coletivas e prestadora de serviços, o Grupo Vivo Sabor divulga seu Manual

Leia mais

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15 ética Programa de Integridade 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Última atualização em: Circular Bancoob Página: 1/15 Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Risco da prática de atos lesivos contra

Leia mais

2.1. Cumprimos leis e regulamentos nacionais e internacionais. Obedecemos a todas as leis e regulamentos internacionais e nacionais relevantes.

2.1. Cumprimos leis e regulamentos nacionais e internacionais. Obedecemos a todas as leis e regulamentos internacionais e nacionais relevantes. CÓDIGO DE CONDUTA 1. Introdução O Código de Conduta Ahlstrom descreve os princípios éticos que sustentam o modo como conduzimos os negócios em nossa empresa. Baseia-se em nossos principais valores Agir

Leia mais

1. OBJETIVO E ÂMBITO. 1.1 Objeto 1.1.1 A Mota-Engil Africa N.V. ( Mota-- Engil Africa ou a Empresa ) e respetivas

1. OBJETIVO E ÂMBITO. 1.1 Objeto 1.1.1 A Mota-Engil Africa N.V. ( Mota-- Engil Africa ou a Empresa ) e respetivas 1. OBJETIVO E ÂMBITO 1.1 Objeto 1.1.1 A Mota-Engil Africa N.V. ( Mota-- Engil Africa ou a Empresa ) e respetivas subsidiárias (juntamente com a Empresa, o Grupo ) comprometem-se a conduzir todos os seus

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda.

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Objetivo O presente Código de Conduta Ética tem por objetivo estabelecer os aspectos e postura exigidos de administradores, colaboradores e funcionários

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO ÍNDICE 1 - Política Anticorrupção da Lombardi & Advogados Associados 2 - Código de Conduta da Lombardi & Advogados Associados 3 - Cenário Jurídico 4 - O que é corrupção 5 - Quem

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

Política Mundial Anticorrupção

Política Mundial Anticorrupção Política Mundial Anticorrupção I. OBJETIVO A legislação da maioria dos países considera crime o pagamento, oferta de pagamento, ou mesmo o recebimento de suborno, propina, ou outro pagamento corrupto,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES MANUAL DE GOVERNANÇA 2015 ABA MANUAL DE GOVERNANÇA I. INTRODUÇÃO É norma e política da Associação Brasileira de Anunciantes ("ABA"), o estrito cumprimento de todas

Leia mais

Programa de Compliance

Programa de Compliance Programa de Compliance O que é compliance? Origem: to comply, tradução aproximada: conformidade Em poucas palavras significa observar determinadas normas ou comportar-se de forma a não perturbar a ordem

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES SUMÁRIO 1. Introdução... 04 2. Abrangência... 04 3. Objetivo... 04 4. Princípios Éticos... 05 5. Preconceitos e Discriminação... 05 6. Respeito à Legislação e Integridade nos Negócios... 05 7. Documentos,

Leia mais

ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS GERAIS

ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS GERAIS ÍNDICE 3 3 4 4 4 5 5 6 6 6 6 7 7 7 8 8 9 9 9 9 10 10 1. PRINCÍPIOS GERAIS 2. PLANO TCC: COMPROMISSOS 2.1 Subornos 2.2 Doações a partidos políticos 2.3 Doações a organizações beneficentes e patrocínio 2.4

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo...

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo... Concurso Público para a elaboração do Inventário de Referência das Emissões de CO2 e elaboração do Plano de Acção para a Energia Sustentável do Município do Funchal CADERNO DE ENCARGOS Índice Artigo 1.º

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS A SINALMIG e seus colaboradores prezam pela condução ética, legal, profissional, transparente e adequada de seus trabalhos. Estes são os pilares de suas relações internas e externas,

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2012

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2012 CONTROLE DE VERSÃO SERVIÇO 102 - SMP TELEMAR NORTE LESTE S.A E OI S.A. ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2012 1. ALTERAÇÕES REALIZADAS NO CORPO DO CONTRATO: Alteração da redação do item CLÁUSULA QUINTA

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

Plano de Tolerância Zero com a corrupção. Plano TCC

Plano de Tolerância Zero com a corrupção. Plano TCC Plano de Tolerância Zero com a corrupção Plano TCC ÍNDICE 3 3 4 4 4 5 5 6 6 6 6 7 7 7 8 8 9 9 9 9 10 10 1. PRINCÍPIOS GERAIS 2. PLANO TCC: COMPROMISSOS 2.1 Subornos 2.2 Doações a partidos políticos 2.3

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta 2015 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ALIANSCE I. Abrangência A Aliansce, todas as sociedades, direta ou indiretamente por ela controladas ou sob mesmo controle, e os Shopping Centers

Leia mais

A presente Declaração Local de Privacidade explica como iremos recolher e utilizar os seus Dados Pessoais.

A presente Declaração Local de Privacidade explica como iremos recolher e utilizar os seus Dados Pessoais. Declaração Local de Privacidade: O responsável pelo tratamento de dados para efeitos da presente Declaração Local de Privacidade de Dados é a CATERPILLAR FINANCIAL CORPORACIÓN FINANCIERA, E.F.C., S.A.

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

ETRS/SRTL Decisão Administrativa Pública 2001/13

ETRS/SRTL Decisão Administrativa Pública 2001/13 ETRS/SRTL Decisão Administrativa Pública 2001/13 Decisão Administrativa Pública: O valor de benefícios não-salariais, ou benefícios em espécie, para empregados de empregadores isentos de imposto sobre

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais