Melhoramento de espécies alógamas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Melhoramento de espécies alógamas"

Transcrição

1 Disciplina LGN0313 Melhoramento Genético Melhoramento de espécies alógamas Luciana Gonçalves Chaves Piracicaba, Novembro de 2011

2 Introdução - Alógamas -Naturalmente predomínio de cruzamentos - > 95% -Troca de genes entre indivíduos Indivíduos da população têm vários locos em heterozigose permanência de alelos recessivos deletérios e ou letais na população Depressão por endogamia acentuada devido a heterosigose e ELEVADA CARGA GENÉTICA; Parentais não transferem seus genótipos aos descendentes

3 DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA: perda do vigor devido ao cruzamento entre indivíduos aparentados

4 HETEROSE: restauração do vigor, devido ao cruzamento entre indivíduos endogâmicos (restaura heterozigose dos locos) -h = F 1 -[(P1-P2)/2] (média dos parentais) - genético -h = F 1 P superior (parental superior) -h = F 1 Elite (híbrido comercial)

5 HETEROSE:

6 Heterose:

7 Programas de melhoramento de alógamas Objetivo: Selecionar e reproduzir os genótipos das plantas superiores Procedimentos: Obter linhagens puras homozigóticas que podem ser reproduzidas. Cruzá-las e selecionar o melhor cruzamento (híbrido), que pode ser produzido indefinidamente, uma vez que os genótipos das linhagens podem ser mantidos e multiplicados

8 Procedimentos: POPULAÇÃO DE PLANTAS A POPULAÇÃO DE PLANTAS B RESTABELECIMENTO DO VIGOR PELO CRUZAMENTO (HETEROSE) DEPRESSÃO DO VIGOR DEVIDO À ENDOGAMIA

9 Melhoramento Genético - Objetivos DUAS LINHAS PRINCIPAIS: * - Variedades de polinização aberta - importante no passado, mas pouco utilizada atualmente - Híbridos - quase totalidade sementes comercializadas e plantadas atualmente * NÃO SÃO INDEPENDENTES

10 Melhoramento Genético - Variedades Conjunto de genótipos (plantas) que possuem características próprias bem definidas e sofrem acasalamento ao acaso mantêm suas características; Quem utiliza? Pequenos produtores pouco capital; baixa tecnologia; Vantagens - Semente com baixo custo; - Menor sensibilidade aos efeitos ambientais; - Possibilidade de produção da própria semente ponto de vista genético; Exemplos BRS Sol da Manhã (solos de baixa fertilidade); BR 106 (alto potencial produtivo); BR 451 QPM (alta qualidade protéica); São Francisco (adaptada para o Vale do São Francisco);

11 Melhoramento Genético - Híbridos Obtidos utilizando o mesmo princípio de gerar endogamia e hibridação (Shull, 1909) * Fixar e reproduzir o(s) melhor(es) genótipo(s) de uma população indefinidamente As principais etapas são: 1. Obtenção de linhagens endogâmicas por meio de autofecundações sucessivas (endogamia) 2. Obtenção de híbridos por meio do cruzamento entre essas linhagens endogâmicas (hibridação)

12 Melhoramento Genético - Híbridos 1) Obtenção de linhagens endogâmicas por meio de autofecundações sucessivas (endogamia) Linhagem: Genótipos que possuem aproximadamente 100% dos genes em homozigose (descendentes são plantas idênticas); Como são obtidas? Através de ciclos sucessivos de autofecundação (6 8 ciclos); De onde são extraídas? Populações, variedades sintéticas, híbridos comerciais, etc...

13 Melhoramento Genético Híbridos OBTENÇÃO DE LINHAGENS: População inicial Autofecundações sucessivas (6 a 8 gerações) n linhagens homozigóticas Tipo de população inicial? população que já foi autofecundada e recombinada, menos genes deletérios/letais maior concentração de genes/alelos favoráveis maior chance de genótipos superiores

14 Melhoramento Genético - Híbridos Obtenção a partir de um híbrido A (Aa=100%) 1º ciclo = Aa x Aa 1/4AA:1/2Aa:1/4aa = S 1 2º ciclo S 1 = 1/4AA:1/2Aa:1/4aa (50% heterozigotos) ½(1/4AA:1/2Aa:1/4aa) 1/4AA + 1/8AA = 3/8AA 1/4Aa 1/4aa + 1/8aa = 3/8aa 3º ciclo S 2 = 3/8AA:1/4Aa:3/8aa (25% heterozigotos) ¼(1/4AA:1/2Aa:1/4aa) 3/8AA + 1/16AA = 7/16AA 1/8Aa 3/8aa + 1/16aa = 7/16aa 4º ciclo S 3 = 7/16AA:1/8Aa:7/16aa (12,5% heterozigotos) 1/8(1/4AA:1/2Aa:1/4aa) 7/16AA + 1/32AA = 15/32AA 1/16Aa 7/16aa + 1/32aa = 15/32aa 5º ciclo S 4 = 15/32AA:1/16Aa:15/32aa (6,25% heterozigotos)

15 Melhoramento Genético - Híbridos 2) Obtenção de híbridos por meio do cruzamento entre as linhagens endogâmicas (hibridação) -Restaurar condição heterozigótica da espécie natural -Explorar a HETEROSE nível do agricultor -Diferentes tipos de HÍBRIDOS podem ser obtidos

16 Exemplo: Duas linhagens homozigóticas L1 e L2 (reproduzíveis) L1 AAbbCCDDeeff L2 aabbccddeeff Gametas: L1: AbCDef L2: abcdef L1 x L1: AAbbCCDDeeff = L1 L2 x L2: aabbccddeeff = L2 Híbrido: L1 x L2 AaBbCcDDeeFf

17 Melhoramento Genético - Híbridos Híbrido simples (HS) Linhagem A (LA) x Linhagem B (LB) Hibrido simples (HSAB) Mais produtivo que os outros híbridos; Grande uniformidade de plantas; Sementes têm alto custo de produção, são produzidas a partir de linhagens, baixa produção; Mais utilizado na produção comercial, apesar do alto custo das sementes.

18 Melhoramento Genético - Híbridos Híbrido duplo (HD) Linhagem A (LA) x Linhagem B (LB) Linhagem C (LC) x Linhagem D (LD) Hibrido (HSAB) x Hibrido (HSCD) Híbrido duplo (HD) Envolve quatro linhagens endogâmicas; Para a sua formação são necessárias duas gerações; Primeira geração são obtidos os dois HS (LA x LB) e (LC x LD); Fornecerão as sementes para a obtenção do HD na geração seguinte; Menor custo para produção de sementes; Utiliza-se o HS de maior produtividade como genitor feminino.

19 Melhoramento Genético - Híbridos Híbrido triplo (HT) Linhagem A (LA) x Linhagem B (LB) Híbrido (HSAB) x Linhagem C (LC) Híbrido triplo (HT) São requeridas duas gerações para ser produzido; O genitor feminino será sempre o HS; Menor custo de produção das sementes; Menor heterose do que o HS.

20 Híbridos simples => 3 campos 2 p/ as linhagens de produção 1 p/ o híbrido simples Híbridos triplos => 5 campos 3 p/ as linhagens 1 p/ o híbrido simples 1 p/ o híbrido triplo Híbridos duplos => 7 campos 4 p/ as linhagens 2 p/ os híbridos simples 1 p/ o híbrido duplo

21 Melhoramento Genético Híbridos COMPARAÇÃO DIFERENTES TIPOS DE HÍBRIDOS: 1) PRODUTIVIDADE: HS > HT > HD 2) HOMOGENEIDADE: HS > HT > HD 3) CUSTO PRODUÇÃO DE SEMENTES: HS > HT > HD

22 Obtenção de híbridos Problemas: Depressão por endogamia acentuada para caracteres de baixa herdabilidade A linhagem deve ter um nível mínimo de produtividade para ser conseiderada aceitável. Não há correlação entre a performance das linhagens e de seus híbridos para produtividade

23 Obtenção de híbridos Problemas: Com n linhagens podemos obter: HS n( n 1) 2 HT n( n 1)( n 2 2) HD n( n 1)( n 2)( n 3) 8

24 Exemplo: Para n = 20 Para n= HS HS HT HT HD HD Número inviável para obtenção e avaliação práticas Não é possível obter e avaliar todos os híbridos

25 Etapas de um programa de melhoramento genético do milho 1º Passo - Obtenção das populações fontes (populações, variedades, híbridos comerciais); Bancos de germoplasma nacional e internacional (CENARGEN; CIMMYT); Instituições de pesquisa (Embrapa, IAC, IAPAR, Universidades, etc...); 2 º Passo - Obtenção das linhagens Autofecunda-se as melhores plantas de cada população; Seleciona-se, após a colheita, melhores progênies autofecundadas de cada população;

26 progênies (linhagens S1) Obtenção das linhagens Cada progênie amostra de sementes plantio Plantio das linhagens S1 selecionadas; - Autofecundação dessas linhagens; - Colheita, debulha, amostra plantio; *Processo é repetido várias vezes... As linhagens obtidas são autofecundadas por 6 à 8 ciclos para obtenção das linhas puras;

27 Obtenção linhagens cruzamentos controlados Cruzamento (polinização) Manual: Proteger a espiga imatura com saco plástico, para evitar a contaminação com pólen indesejado, antes que apareçam os estigmas;

28 Obtenção linhagens cruzamentos controlados Cruzamento (polinização) Manual: Estigma protegido pronto para receber o pólen;

29 Obtenção linhagens cruzamentos controlados Cruzamento (polinização) Manual: Os pendões são cobertos para coleta de pólen; A cobertura deve ser realizada de um dia para o outro;

30 Obtenção linhagens cruzamentos controlados Cruzamento (polinização) Manual: Para a cobertura dos pendões e coleta de pólen, deve haver pelo menos 30% das anteras abertas ;

31 Obtenção linhagens cruzamentos controlados Cruzamento (polinização) Manual: Após a coleta do pólen, faz-se a polinização sobre o estigma receptivo;

32 Seleção das linhagens Seleção identificação e separação das linhagens que apresentam as melhores características (Fenótipo) para o programa; Como fazer a seleção? F = G + E + GxE Visualmente, no campo de linhagens, considerando as diferentes características da planta: - Tipo de pendão; - Tipo de folha; - Arquitetura das folhas; - Quantidade de espigas; - Tamanho da espiga; - Empalhamento da espiga; - Qualidade do colmo; - Sistema radicular; - Presença de doenças; - Severidade de doenças;

33 Quando fazer a seleção? Seleção das linhagens No início do programa; - seleção das linhagens em S2/S3 permitindo o avanço de gerações somente das melhores linhagens; Durante o programa; - seleção das linhagens durante o avanço de gerações para realização dos cruzamentos; No final do programa; - seleção das linhagens em S6/S7 onde há grande presença de variabilidade entre as progênies;

34 Melhoramento Genético Híbridos PROBLEMAS: correlação entre a linhagem e o híbrido é nula, para a maioria dos caracteres (linhagens devem ser avaliadas em cruzamentos) pequeno número de linhagens - grande quantidade de cruzamentos possíveis SOLUÇÃO: Cruzamentos Topcrosses Cruzamentos Dialélicos

35 Testes de combinação As linhagens são avaliadas em cruzamentos, através de seus híbridos; Esquemas de cruzamentos: Cruzamentos dialélicos; - ideal para o intercruzamento de poucas linhagens (n); - grande mão de obra; - grande quantidade de híbridos obtidos (10 linhagens = 45 híbridos); Cruzamentos top-crosses; - utiliza-se como macho um testador comum a todas as linhagens, de grupo heterótico distinto das linhagens; - pode-se cruzar grande número de linhagens;

36 Seleção das linhagens para capacidade de combinação L1 x T= C1 L2 x T= C2 L3 x T= C3... Ln x T =Cn Avaliação em experimentos com repetição Obs: O testador é o mesmo, então a melhor combinação vai indicar a melhor linhagem com melhor concentração de alelos favoráveis. Com base nos resultados dos experimentos, são selecionadas as linhagens cujos cruzamentos apresentaram melhor performance.

37 Testes de combinação Avaliação dos híbridos em ensaios delineamentos específicos duas ou mais repetições; diferentes ambientes INTERAÇÃO GENÓTIPO x AMBIENTE; com presença de testemunhas; Quais características são avaliadas? - QUANTITATIVAS depende das necessidades do programa; altura da planta; altura da espiga; número de plantas acamadas; número de plantas quebradas;

38 Testes de combinação Análise dos resultados coleta dos dados de campo e galpão ; digitação dos dados em planilhas eletrônicas; análise estatística em softwares específicos; interpretação dos resultados; identificação das linhagens com as melhores capacidade de combinação; identificação das melhores combinações híbridas;

39 Predição de híbridos HT (1/ 2)( HS HS ( AB)( C) AC BC ) HD (1/ 4)( HS HS HS HS ( AB)( CD) AC AD BC BD ) Tendo-se as performance dos híbridos simples, pode-se predizer as performances dos híbridos triplos e duplos possíveis

40 Produção de semente básica Multiplicação das linhagens parentais dos melhores híbridos (aumento de sementes); Aumento de sementes das melhores combinações híbridas; Instalação de rede nacional de ensaios por dois ou três anos; Identificação das regiões de adaptação dos híbridos (INTERAÇÃO GENÓTIPO x AMBIENTE); Envio dos melhores híbridos para o ensaio nacional da EMBRAPA (Rede de Ensaios); Lançamento do híbrido no mercado REGIÃO ALVO (GxA);

41 Produção de semente comercial Sementes são produzidas em propriedades agrícolas particulares; Os campos de polinização são isolados no tempo ou no espaço preservar identidade genética; O esquema de plantio dos parentais obedece critérios específicos (2 x 1 ou 4 x 1 ou 6 x 2 ); Emasculação das linhas fêmeas no florescimento;

42 DESPENDOAMENTO

43 6 x 2

44

45 Bibliografia 1. ALLARD, R.W. Princípios do melhoramento genético das plantas, BORÉM, A. Melhoramento de plantas. Viçosa: UFV

Melhoramento de. Melhoramento de Espécies Alógamas. (cont.) SELEÇÃO COM TESTE DE PROGÊNIE. Teste de progênie: avaliação do genótipo

Melhoramento de. Melhoramento de Espécies Alógamas. (cont.) SELEÇÃO COM TESTE DE PROGÊNIE. Teste de progênie: avaliação do genótipo Aula 11 SELEÇÃO COM TESTE DE PROGÊNIE Melhoramento de Espécies Alógamas (cont.) Teste de progênie: avaliação do genótipo dos progenitores com base no fenótipo dos seus descendentes. 1. Seleção espiga por

Leia mais

Aula 10: Genética Quantitativa II

Aula 10: Genética Quantitativa II LGN215 - Genética Geral Aula 10: Genética Quantitativa II Prof. Dr. Antonio Augusto Franco Garcia Monitora: Maria Marta Pastina Piracicaba SP Caracteres Quantitativos Caracteres controlados por muitos

Leia mais

Variedades Híbridas: obtenção e predição. João Carlos Bespalhok Filho

Variedades Híbridas: obtenção e predição. João Carlos Bespalhok Filho Variedades Híbridas: obtenção e predição João Carlos Bespalhok Filho Histórico Shull (1909) Esquema básico para produção de sementes de milho híbrido Donald F. Jones (1918) Híbrido duplo Krug (1939) Primeiro

Leia mais

MELHORAMENTO DE POPULAÇÕES POR MEIO DE SELEÇÃO INTRODUÇÃO

MELHORAMENTO DE POPULAÇÕES POR MEIO DE SELEÇÃO INTRODUÇÃO MELHORAMENTO DE POPULAÇÕES POR MEIO DE SELEÇÃO 12 INTRODUÇÃO Os métodos de melhoramento de plantas alógamas podem ser divididos em duas categorias: (a) Melhoramento de Populações, e (b) Variedades Híbridas

Leia mais

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Piracicaba, 2013 1 -Introdução Na natureza as espécies vegetais podem se reproduzir assexuadamente ou sexuadamente

Leia mais

LGN 313 Melhoramento Genético

LGN 313 Melhoramento Genético LGN 313 Melhoramento Genético Professores: Antonio Augusto Franco Garcia José Baldin Pinheiro Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Genética - ESALQ/USP Segundo semestre - 2010

Leia mais

Endogamia & Heterose. Leandro S. A. Gonçalves Dr. Genética e Melhoramento de Plantas

Endogamia & Heterose. Leandro S. A. Gonçalves Dr. Genética e Melhoramento de Plantas Endogamia & Heterose Leandro S. A. Gonçalves Dr. Genética e Melhoramento de Plantas - Endogamia - Conceito: Acasalamento entre indivíduos aparentados (FEHR, 1987) - Histórico: Desde os primeiros tempos

Leia mais

Melhoramento de espécies autógamas

Melhoramento de espécies autógamas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies autógamas Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução Efeitos

Leia mais

Avaliação de Híbridos Simples, Triplo e Duplos e Suas Respectivas Gerações Endogâmicas.

Avaliação de Híbridos Simples, Triplo e Duplos e Suas Respectivas Gerações Endogâmicas. Avaliação de Híbridos Simples, Triplo e Duplos e Suas Respectivas Gerações Endogâmicas. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC João Cândido de Souza1;

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS. 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas

MELHORAMENTO DE PLANTAS. 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas MELHORAMENTO DE PLANTAS 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas Espécies autógamas A autofecundação sucessiva leva a homozigose genótipo homozigótico - linhagem - ou mistura de linhas

Leia mais

Predição de Híbridos e Macho Esterilidade Genético Citoplasmática

Predição de Híbridos e Macho Esterilidade Genético Citoplasmática Universidade de São Paulo - USP Escola Superior de Agricultura Luiz De Queiroz - ESALQ Departamento de Genética LGN-313 Melhoramento Genético Predição de Híbridos e Macho Esterilidade Genético Citoplasmática

Leia mais

Melhoramento de autógamas por hibridação. João Carlos Bespalhok Filho

Melhoramento de autógamas por hibridação. João Carlos Bespalhok Filho Melhoramento de autógamas por hibridação João Carlos Bespalhok Filho O que necessitamos para fazer melhoramento? Variabilidade genética Populações com diferentes genótipos Como criar variabilidade genética?

Leia mais

Melhoramento de. vegetativa

Melhoramento de. vegetativa Aula 05 Melhoramento de espécies de propagação vegetativa Introdução Em espécies em que existe uma variabilidade intra e interespecífica como: produção de biomassa, taxa de crescimento, resistência a geadas

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR SELEÇÃO 6 INTRODUÇÃO A seleção é uma das principais ferramentas do melhorista independente do tipo de método de melhoramento utilizado. A seleção é utilizada tanto

Leia mais

Métodos de Melhoramento em Plantas Alógamas

Métodos de Melhoramento em Plantas Alógamas Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Departamento de Fitotecnia - Programa de Pós-Graduação em Agronomia Disciplina de Melhoramento Genético de Plantas Métodos de Melhoramento

Leia mais

HÍBRIDOS EM ESPÉCIES AUTÓGAMAS

HÍBRIDOS EM ESPÉCIES AUTÓGAMAS HÍBRIDOS EM ESPÉCIES AUTÓGAMAS INTRODUÇÃO Edson Perez Guerra & João Carlos Bespalhok F. Como discutido anteriormente, o tipo mais usado de variedade em espécies autógamas é a linha pura. Entretanto, para

Leia mais

Aula 2 Caracteres Qualitativos e Quantitativos

Aula 2 Caracteres Qualitativos e Quantitativos Aula Caracteres Qualitativos e Quantitativos Piracicaba, 011 1 -Introdução Caracteres controlados por muitos genes são denominados de caracteres poligênicos, e como se referem a mensurações de quantidades

Leia mais

Retrocruzamento. Allard, Cap. 14 Fehr, Cap. 28

Retrocruzamento. Allard, Cap. 14 Fehr, Cap. 28 Retrocruzamento Allard, Cap. 14 Fehr, Cap. 28 Retrocruzamento Retrocruzamento (RC) Hibridação recorrente pela qual uma característica desejável é transferida para uma cultivar (que seja deficiente nesse

Leia mais

Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização

Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização Reprodução Assexual Propagação vegetativa Sem fusão de gametas Multiplicação comercial das espécies - RÁPIDA E UNIFORME

Leia mais

Métodos de Melhoramento em Plantas Alógamas

Métodos de Melhoramento em Plantas Alógamas Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Departamento de Fitotecnia - Programa de Pós-Graduação em Agronomia Disciplina de Melhoramento Genético de Plantas Métodos de Melhoramento

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

Genética. Gregor Mendel (1866)

Genética. Gregor Mendel (1866) Genética Gregor Mendel (1866) Fundamentos da genética moderna Experimentos com Pisum sativum Sucesso dos resultados deveu-se ao controle dos cruzamentos, reprodução rápida, características contrastantes

Leia mais

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Professor: Robson Fernando Missio 1ª Avaliação 1) Um pesquisador trabalhando com o melhoramento de milho realizou o cruzamento controlado

Leia mais

Base Genética dos Caracteres Qualitativos e Quantitativos, Componentes da Variação Fenotípica, Coeficiente de Herdabilidade e Progresso com Seleção

Base Genética dos Caracteres Qualitativos e Quantitativos, Componentes da Variação Fenotípica, Coeficiente de Herdabilidade e Progresso com Seleção Aula 0 Base Genética dos Caracteres Qualitativos e Quantitativos, Componentes da Variação Fenotípica, Coeficiente de Herdabilidade e Progresso com INTRODUÇÃO Caracteres qualitativos são controlados por

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

1ª Lei de Mendel. Tema 2: Genética Mendeliana. Prof. Leandro Parussolo

1ª Lei de Mendel. Tema 2: Genética Mendeliana. Prof. Leandro Parussolo Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia IV Tema 2: Genética Mendeliana 1ª Lei de Mendel Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br Histórico Johann

Leia mais

Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica

Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Bases genéticas dos caracteres quantitativos e qualitativos e componentes de variação fenotípica Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desenvolvimento de Sintéticos de Milho para o Sudoeste de Goiás José Branco de Miranda Filho 1, Edésio Fialho dos

Leia mais

TEORIAS E MÉTODOS MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL

TEORIAS E MÉTODOS MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL TEORIAS E MÉTODOS EM MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL III - SISTEMAS DE ACASALAMENTO Joanir Pereira Eler* MÉDICO VETERINÁRIO, DOUTOR EM CIÊNCIAS * PROFESSOR TITULAR DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADE

Leia mais

VARIEDADES HÍBRIDAS: OBTENÇÃO E PREDIÇÃO

VARIEDADES HÍBRIDAS: OBTENÇÃO E PREDIÇÃO VARIEDADES HÍBRIDAS: 15 OBTENÇÃO E PREDIÇÃO INTRODUÇÃO Variedade híbrida é a progênie de um cruzamento entre dois genitores geneticamente diferentes. Esses genitores podem ser variedades de polinização

Leia mais

Definições. Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes

Definições. Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes Seleção Natural Definições Interpretação ingênua de seleção natural: sobrevivência do mais apto ou a natureza com unhas dentes Essas definições são inexatas e insuficientes Seleção Natural Para Huxley,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE MILHO CRIOULO

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE MILHO CRIOULO CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE MILHO CRIOULO CARDOSO Aron, H.L. Freitas, Celso, R.. Discentes Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva COUTO, Wedner, Rogério do. Docente Faculdade

Leia mais

AULA Nº 4. Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez

AULA Nº 4. Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez AULA Nº 4 Neste tópico começamos a falar dos aspectos quantitativos da coleta, uma vez que até aqui tratamos dos aspectos qualitativos. Para tanto teremos que apreender alguns conceitos de genética de

Leia mais

Experimentação em Genética e Melhoramento

Experimentação em Genética e Melhoramento 04 Introdução Experimentação em Genética e Melhoramento Na natureza as espécies vegetais podem se reproduzir assexudamente ou sexuadamente. Pode-se ter as seguintes classificação: Assexuada; Sexuadas:

Leia mais

5.1 Estratégias de regeneração. Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem

5.1 Estratégias de regeneração. Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem a) Para populações autógamas 5.1 Estratégias de regeneração Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem controle genético e considerando u como a proporção de sementes da amostra

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho de Híbridos de Milho Pipoca na Safra de Verão no Estado de São Paulo Eduardo Sawazaki 1, Maria Elisa Ayres

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS

GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS Unidade 2 - PATRIMÓNIO GENÉTICO Situação Problemática Que desafios se colocam à genética no melhoramento da qualidade de vida? Cap. 1.1 Transmissão

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO 7 INTRODUÇÃO Vimos no capítulo anterior a utilização da seleção no melhoramento de espécies autógamas. O requisito básico para utilizarmos essa técnica

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE Palestrante: Allan Henrique da Silva Introdução Primeiro cereal criado pelo homem; Reduzir a deficiência de alimento; Uso: Forragem verde e feno Silagem Grãos secos para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética BG403 - GENÉTICA ANIMAL. Lista de Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética BG403 - GENÉTICA ANIMAL. Lista de Exercícios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética Profa Angelica Boldt BG403 - GENÉTICA ANIMAL Lista de Exercícios T7 GENÉTICA DE POPULAÇÕES 1) As propriedades genéticas

Leia mais

Aspectos agronômicos e de qualidade de espiga em famílias endogâmicas de milho doce

Aspectos agronômicos e de qualidade de espiga em famílias endogâmicas de milho doce ISSN 1518-4269 Aspectos agronômicos e de qualidade de espiga em famílias endogâmicas de milho doce 121 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2009 Autores Flavia França Teixeira Embrapa Milho e Sorgo. Cx. Postal 151

Leia mais

Genética Quantitativa. Genética de características com herança complexa

Genética Quantitativa. Genética de características com herança complexa Genética Quantitativa Genética de características com herança complexa DIFERENÇAS ENTRE CARÁTER QUANTITATIVO 1 E QUALITATIVO 2 1 herança poligênica 1 estudadas em nível de população; descritas através

Leia mais

Melhoramento de plantas

Melhoramento de plantas UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Melhoramento de plantas Prof. Dr. João Antonio da Costa Andrade Departamento de Biologia e Zootecnia MELHORAMENTO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DE TAMAREIRAS DE PROPAGAÇÃO POR SEMENTES

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DE TAMAREIRAS DE PROPAGAÇÃO POR SEMENTES CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DE TAMAREIRAS DE PROPAGAÇÃO POR SEMENTES Resumo A tamareira (Phoenix dactylifera L.) é uma palmeira (Arecaceae), que corresponde a uma das mais antigas árvores frutíferas associadas

Leia mais

MÉTODO DE HIBRIDAÇÃO NA CULTURA DA SOJA

MÉTODO DE HIBRIDAÇÃO NA CULTURA DA SOJA MÉTODO DE HIBRIDAÇÃO NA CULTURA DA SOJA Rafael Dauernheimer 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antonio Feldmann 3, Anderson Rhoden 3 Palavras chaves: Soja. Genética. Cruzamento genético. INTRODUÇÃO Pela grande

Leia mais

Prof. Manoel Victor. Genética Quantitativa

Prof. Manoel Victor. Genética Quantitativa Genética Quantitativa Modos de ação dos genes ação qualitativa expressão de genes seguindo padrões e modelos como os descritos por Mendel AA Aa aa (genes qualitativos) Fenótipos Genótipos Modos de ação

Leia mais

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA Página 1417 LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 200910. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Nelson Dias Suassuna 2, Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire

Leia mais

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Cap.1.1.Transmissão das Características Hereditárias (1ªParte) Genética Mendeliana Biologia 12º ano UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

2ª LEI DE MENDEL Lei da Segregação Independente. DIIBRIDISMO, TRIIBRIDISMO E POLIIBRIDISMO

2ª LEI DE MENDEL Lei da Segregação Independente. DIIBRIDISMO, TRIIBRIDISMO E POLIIBRIDISMO 2ª LEI DE MENDEL Lei da Segregação Independente. DIIBRIDISMO, TRIIBRIDISMO E POLIIBRIDISMO SEGREGAÇÃO INDEPENDENTE DOS CARACTERES Os alelos de dois ou mais genes de um indivíduo segregam-se (separam-se)

Leia mais

Assim ele percebeu que a cor verde não tinha simplesmente desaparecido na geração F1, ela

Assim ele percebeu que a cor verde não tinha simplesmente desaparecido na geração F1, ela GENÉTICA 1ª PARTE Mendel (1822 1884) O pai da genética Mendel era filho de camponeses pores e se tornou monge. Cursou Matemática e Ciências Naturais na Universidade de Viena, onde se interessou pelas causas

Leia mais

Ligação, permuta e mapas genéticos: ligação e permuta genética, estimativa da freqüência de permuta

Ligação, permuta e mapas genéticos: ligação e permuta genética, estimativa da freqüência de permuta Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Ligação, permuta e mapas genéticos: ligação e permuta genética, estimativa da freqüência de permuta Após

Leia mais

QUESTÕES DE GENÉTICA - PROFESSORA: THAÍS ALVES 30/05/2015

QUESTÕES DE GENÉTICA - PROFESSORA: THAÍS ALVES 30/05/2015 QUESTÕES DE GENÉTICA - PROFESSORA: THAÍS ALVES 30/05/2015 01. Em situações problemas relacionadas à genética mendeliana, um dos cálculos probabilísticos utilizados é a aplicação da denominada regra da

Leia mais

Ficha de estudo Biologia

Ficha de estudo Biologia Unidade 2 Património genético Transmissão de características hereditárias Ficha de estudo Biologia 12º ANO DE ESCOLARIDADE MÓDULO 1 Mendel, segundo filho de uma família de agricultores, nasceu em 1822,

Leia mais

GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos

GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos FONTE: www.klickeducacao.com.br GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos História Mentor Gregor Mendel (1822 a 1884); Formação Matemática e Ciências Naturais; Pesquisa Variabilidade genética de plantas

Leia mais

Extensões da Análise Mendeliana. Explicações moleculares

Extensões da Análise Mendeliana. Explicações moleculares Extensões da Análise Mendeliana Explicações moleculares Tipos de interações Tipo Descrição 1. Herança Mendeliana Simples Termo reservado para descrever situações em que os alelos seguem estritamente os

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

Estratégia de seleção e produção de carne no Brasil

Estratégia de seleção e produção de carne no Brasil Estratégia de seleção e produção de carne no Brasil MODELO GENÉTICO PARA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE PARA O BRASIL Raça Pura... Angus no Sul e Nelore no Centro-Oeste e Norte Cruzamento Industrial... Cruzamento

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 110 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C. postal 137 Telefone (084)3315.1796

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS CCNE DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE GENÉTICA AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS CCNE DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE GENÉTICA AGRONOMIA 1. Introdução UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS CCNE DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE GENÉTICA AGRONOMIA Unidade 8 Um poligene é definido como um gene que,

Leia mais

Cultivares comerciais de milho não transgenico de instituições publicas

Cultivares comerciais de milho não transgenico de instituições publicas Cultivares comerciais de milho não transgenico de instituições publicas características Espécie variedade Finalidades (aptidões) Regiões indicadas Cor Tamanho/tipo planta Ciclo Resistência Há algum indicativo

Leia mais

Aula 4: Genética da Transmissão III

Aula 4: Genética da Transmissão III LGN215 - Genética Geral Aula 4: Genética da Transmissão III Prof. Dr. Antonio Augusto Franco Garcia Monitora: Maria Marta Pastina Experimentos de Mendel Inicialmente, Mendel estudou cruzamentos considerando

Leia mais

Análise de Trilha para os Componentes de Produção de Grãos em Variedades de Milho Tropical

Análise de Trilha para os Componentes de Produção de Grãos em Variedades de Milho Tropical XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Análise de Trilha para os Componentes de Produção de Grãos em Variedades de Milho Tropical Rafael Silva Ramos dos

Leia mais

Genética Quantitativa I Capítulo 11. Seleção

Genética Quantitativa I Capítulo 11. Seleção Genética Quantitativa I Capítulo 11. Seleção Profa. Dra. Sandra Aidar de Queiroz Departamento de Zootecnia FCAV UNESP Outubro de 2012 A resposta e sua predição Mudanças nas propriedades genéticas da população:

Leia mais

Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento

Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação

Leia mais

Aula 2: Genética da Transmissão I

Aula 2: Genética da Transmissão I LGN215 - Genética Geral Aula 2: Genética da Transmissão I Antonio Augusto Franco Garcia Maria Marta Pastina Primeiro semestre de 2011 Piracicaba SP Conceitos Essenciais A existência de genes pode ser deduzida

Leia mais

POTENCIAL DE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MILHO PARA OBTENÇÃO DE LINHAGENS EM PROGRAMAS DE MELHORAMENTO 1

POTENCIAL DE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MILHO PARA OBTENÇÃO DE LINHAGENS EM PROGRAMAS DE MELHORAMENTO 1 POTENCIAL DE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MILHO PARA OBTENÇÃO DE LINHAGENS EM PROGRAMAS DE MELHORAMENTO 1 Eliel Alves Ferreira 2, Maria Elisa Ayres Guidetti Zagatto Paterniani 3, Fernanda Motta da Costa Santos

Leia mais

Proteção de Plantas :Gestão da propriedade intelectual nos programas de melhoramento. Luiz Carlos Federizzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Proteção de Plantas :Gestão da propriedade intelectual nos programas de melhoramento. Luiz Carlos Federizzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul Proteção de Plantas :Gestão da propriedade intelectual nos programas de melhoramento Luiz Carlos Federizzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul MELHORAMENTO DE PLANTAS ARTE Experiência, intuição,

Leia mais

Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA

Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Híbridos de Milho do Programa de Melhoramento Genético do DBI/UFLA Renato Barbosa Camargos 1, Amanda

Leia mais

Importância e objetivos do melhoramento de plantas

Importância e objetivos do melhoramento de plantas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Importância e objetivos do melhoramento de plantas Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Introdução

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS

Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS Gessi Ceccon 1, Leonardo M. P. Rocha 2, Islaine C. Fonseca 3, Antonio L. N. Neto 3 e Rodrigo C. Sereia 4 1 Embrapa Agropecuária Oeste,

Leia mais

MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS

MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS Disciplina: Docência Orientada Doutorandos: Danyela de Cássia S. Oliveira Eduardo Venske Carlos Busanello Orientadores: Antônio Oliveira MÉTODOS DE MELHORAMENTO

Leia mais

BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec GRUPO I

BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec GRUPO I A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA Módulo 2º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO E DE SORGO PARA SILAGEM

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO E DE SORGO PARA SILAGEM AVALIAÇÃO D CULTIVARS D MILHO D SORGO PARA SILAGM. Antônio Carlos Viana(1); João ustáquio Cabral de Miranda (1); José Carlos Cruz (1); José de Oliveira Valente (2) & José Joaquim Ferreira (3), (1) - mbrapa

Leia mais

ATO Nº 10 DE 19 DE SETEMBRO DE 2008 ANEXO I

ATO Nº 10 DE 19 DE SETEMBRO DE 2008 ANEXO I ATO Nº 0 DE DE SETEMBRO DE 008 ANEXO I INSTRUÇÕES PARA EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DA ESPÉCIE CENTEIO (Secale cereale) L. I. OBJETIVO Estas instruções

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO Página 1481 CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. Murilo Barros Pedrosa (Fundação Bahia / algodao@fundacaoba.com.br), Camilo de Lelis Morello (Embrapa

Leia mais

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL Adeliano Cargnin 1, João Augusto Müller 1, Fernando Daminelli Araújo Mello 1, Cláudia Martellet Fogaça 1 ( 1 Embrapa

Leia mais

Palavras-chave: Oryza sativa, melhoramento de arroz, número ótimo de ambientes.

Palavras-chave: Oryza sativa, melhoramento de arroz, número ótimo de ambientes. NÚMERO ÓTIMO DE ANOS AGRÍCOLAS PARA AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DE ARROZ IRRIGADO NO ESTADO DE MINAS GERAIS Antônio Carlos da Silva Júnior 1 ; Plínio César Soares 2 ; Iara Gonçalves dos Santos 3 ; Francyse

Leia mais

LGN GENÉTICA. Aula 2 - Genética da Transmissão I. Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello

LGN GENÉTICA. Aula 2 - Genética da Transmissão I. Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello LGN 215 - GENÉTICA Aula 2 - Genética da Transmissão I Antonio Augusto Franco Garcia Filipe Inácio Matias Marianella F. Quezada Macchiavello Departamento de Genética Escola Superior de Agricultura Luiz

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Milho na Região Norte e Noroeste Fluminense Pedro Henrique Araújo Diniz Santos

Leia mais

Desenvolvimento de híbridos não convencionais de milho

Desenvolvimento de híbridos não convencionais de milho Desenvolvimento de híbridos não convencionais de milho Cleso A. P. Pacheco 1, Adelmo R. Silva 1, Carlos R. Casela 1, Hélio W. L. Carvalho 2, José H. Vasconcellos 1, José N. Tabosa 3, Lauro J. M. Guimarães

Leia mais

Híbrido simples de Milho BRS 1010

Híbrido simples de Milho BRS 1010 Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 07 ISSN 00-5605 Dezembro, 2004 Sete Lagoas, MG Híbrido simples de Milho BRS 00 Sidney Netto Parentoni Elto Eugenio Gomes e Gama Manoel Xavier dos Santos

Leia mais

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum IMPORTÂNCIA DAS SOLANÁCEAS PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS Vanessa Neumann Silva Fonte: ABCSem, 2007 SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE Família Solanaceae Tomate: Solanum lycopersicum Pimentão: Capsicum

Leia mais

BC.09: Herança de um par de alelos BIOLOGIA

BC.09: Herança de um par de alelos BIOLOGIA ATIVIDADES A provável fórmula genética dos cruzantes é: 1. Pessoas de mesmo genótipo para o caráter cor da pele podem adquirir fenótipos diferentes expondo-se mais ou menos às radiações solares. Tal fato

Leia mais

METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE FAMÍLIAS RB DA SÉRIE 07 NAS FASES INICIAIS DO MELHORAMENTO DE CANA-DE-AÇÚCAR

METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE FAMÍLIAS RB DA SÉRIE 07 NAS FASES INICIAIS DO MELHORAMENTO DE CANA-DE-AÇÚCAR UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA MELHORAMENTO GENÉTICO DE PLANTAS METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE FAMÍLIAS RB DA SÉRIE 07 NAS FASES INICIAIS DO MELHORAMENTO DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO SAFRINHA NO MUNICÍPIO DE SINOP-MT Alexandre Ferreira da Silva (1), Miguel Marques Gontijo Neto (2), Flávio Dessaune Tardin (3) Eduardo Lopes Filimberti (4),

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA Rafael Santos Finholdt (1), Roberto Kazuhiko Zito (2), Maria Eugenia Lisei de Sá (3) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG, rafaelfinholdt@yahoo.com.br;

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

CAPACIDADE COMBINATÓRIA E DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MILHO RECOMENDADOS PARA A REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ

CAPACIDADE COMBINATÓRIA E DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MILHO RECOMENDADOS PARA A REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO- PR CAPACIDADE COMBINATÓRIA E DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE HÍBRIDOS COMERCIAIS DE MILHO RECOMENDADOS PARA A REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

Nome Ano Turma. 1. A cor das penas dos periquitos é determinada pela interacção de dois pares de genes:

Nome Ano Turma. 1. A cor das penas dos periquitos é determinada pela interacção de dois pares de genes: Actividade 5 Versão professor Exercícios sobre diibridismo Nome Ano Turma Data 1 1. A cor das penas dos periquitos é determinada pela interacção de dois pares de genes: A determina a deposição de pigmento

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS O PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DA BATATA DA EMBRAPA Aluno: Roberto Fritsche

Leia mais

BIOLOGIA QUESTÕES DE GENÉTICA

BIOLOGIA QUESTÕES DE GENÉTICA QUESTÕES DE GENÉTICA 01. (Fac. Objetivo-SP) Em camundongos o genótipo aa é cinza; Aa é amarelo e AA morre no início do desenvolvimento embrionário. Que descendência se espera do cruzamento entre um macho

Leia mais

Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel. Profa. Vanessa Kava

Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel. Profa. Vanessa Kava Segregação Monogênica: 1 a Lei de Mendel Profa. Vanessa Kava 1a Lei de Mendel VOCÊ JÁ SABE QUE Os cromossomos situam-se no núcleo das células 1 cromossomo 1 molécula de DNA 1molécula de DNA vários genes

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA

PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng.Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o cultivo do arroz representa

Leia mais

ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE VARIEDADES DE MILHO NA SAFRINHA 2009 PELA METODOLOGIA DE MODELOS MISTOS

ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE VARIEDADES DE MILHO NA SAFRINHA 2009 PELA METODOLOGIA DE MODELOS MISTOS ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE VARIEDADES DE MILHO NA SAFRINHA 2009 PELA METODOLOGIA DE MODELOS MISTOS Lauro José Moreira Guimarães 1, Paulo Evaristo Oliveira Guimarães 1, Cleso Antônio Patto Pacheco

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE INDÚSTRIA NA EMBRAPA CERRADOS

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE INDÚSTRIA NA EMBRAPA CERRADOS AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE INDÚSTRIA NA EMBRAPA CERRADOS Cásio Alves Costa de Souza 1, Eduardo Alano Vieira 1, Josefino de Freitas Fialho 1, Francisco Duarte Fernandes 1, Roberto Guimarães Júnior

Leia mais

Desempenho Produtivo de Híbridos de Milho de Endogamia Parcial (S3 x S3 ) em Nove Locais do Estado de Goiás

Desempenho Produtivo de Híbridos de Milho de Endogamia Parcial (S3 x S3 ) em Nove Locais do Estado de Goiás Desempenho Produtivo de Híbridos de Milho de Endogamia Parcial (S3 x S3 ) em Nove Locais do Estado de Goiás Previous Top Next SALIM NETO 1, A. A. MELO. de, PEDRO 2, H. E, RIBEIRO, JOSÉ 3, J. R de SOUZA

Leia mais

Genética Conceitos Básicos. Professor Fláudio

Genética Conceitos Básicos. Professor Fláudio Genética Conceitos Básicos Professor Fláudio O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: - Genética Clássica Mendel (1856 1865) - Genética Moderna

Leia mais

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Gomes Lopes, Maria Teresa; Soriano Viana, José Marcelo; Lopes, Ricardo CAPACIDADE PRODUTIVA DE HÍBRIDOS DE FAMÍLIAS

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Componentes de Produção de Seis Cultivares de Milho na Região de Pompéia - SP. Elvio Brasil Pinotti 1, Silvio José

Leia mais