SANIDADE DE SEMENTES E MANEJO DE DOENÇAS EM FORRAGEIRAS TROPICAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANIDADE DE SEMENTES E MANEJO DE DOENÇAS EM FORRAGEIRAS TROPICAIS"

Transcrição

1 SANIDADE DE SEMENTES E MANEJO DE DOENÇAS EM FORRAGEIRAS TROPICAIS José da Cruz Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS--MG Maria Luiza Nunes Costa UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Fonte: Jaime Maia (2010)

2 Panorama brasileiro da ocupação de áreas com atividades agro-pecuárias e florestas. BRASIL: 813 MILHÕES DE HA PASTAGENS: 208 MILHÕES DE HA 80% DEGRADADAS

3 CARACTERÍSTICAS INERENTES DOS CULTIVOS DE FORRAGEIRAS EM RELAÇÃO A SANIDADE DE SEMENTES 5-9- Plantas Manejo sofrem de doenças injurias em frequentes áreas de e sucessivas pastagens durante já estabelecidas o período encontra de pastoreio dificuldades programado na 1- A maioria e aplicação assim das tornando-se espécies de pesticidas de mais plantas na predispostas parte forrageiras aérea, a com são agentes base propagadas fitopatogênicos nos curtos por períodos sementes (pastoreio de (verdadeiras) provoca carência portas entre que de épocas entrada podem para aplicações abrigar inúmeros um dos patógenos); grande produtos número e o momento de fitopatógenos, de consumo constituindo da pastagem se pelos em fontes animais. e meio de disseminação de inóculo entre regiões. 6- Maioria das pastagens é usada como parte de sistema de rotação de culturas ou Grande Doenças consórcio, parte em de forrageiras plantas descanso forrageiras prejudicam de áreas é cultivadas perene tanto as e em cultivada plantas solos hospedeiras mais maneira pobres como extensiva ou já desgastados animais e em monocultivo; por que outros alimentam-se cultivos. São diretamente consideradas delas sub-culturas ; no pastoreio (riscos de toxinas e outros metabólitos) Os Sementes cultivos são de realizados forrageiras de são maneira comercializadas adensada (condições sem qualquer favoráveis informação a doenças); sobre a sua 11- A pouca condição motivação sanitária e (ou uma demanda) grande parcela por aspectos é comercializada sanitários de de forma sementes ilegal. Não de 4- Sementes são colhidas em diferentes estádios de maturação e, na maioria dos existem forrageiras padrões constitui sanitários fator para determinante essas sementes para o mesmo baixo em engajamento programas de casos, diretamente na superfície do solo de cultivo (maiores chances de certificação; pesquisadores e surgimento de inovações nesta área. contaminações/infecções); Sanidade A maioria de dos animais produtores e vegetais e usuários vem se de tornando sementes barreiras desconhecem fitossanitárias o significado das mais da restritivas associação no de comercio patógenos internacional; com sementes;

4 O perfil de qualidade de um lote de sementes Pureza genética Germinação Pureza física Vigor Sanidade Informações não fornecidas no mercado

5 A problemática dos rótulos em embalagens comerciais

6 Colheita de sementes de forrageiras na superfície dos solos (ambiente propício para contaminações diversas)

7 Valor Cultural - (% pureza x % germinação) em sementes de forrageiras VC = 60%??? Alta pureza Em sementes de forrageiras os riscos de contaminações de impurezas dos lotes são ainda maiores...

8 Componentes de um lote comercial de sementes forrageiras Palha= 25% Sementes = 53% Torrões, etc = 22%

9 SIGNIFICADO/IMPORTÂNCIA DA INTERAÇÃO DE PATÓGENOS COM SEMENTES I- Semente como vítima do ataque direto de patógenos (perdas diretas) * principais consequências : perda de estande, de vigor e formação de fontes primárias de inóculo em áreas de cultivo; II- Semente como abrigo e meio de transporte de agentes fitopatogênicos (papel epidemiológico) (preocupação maior em cultivos destinados a pastoreio); * perpetuação e disseminação de inóculo de doenças (no tempo e espaço)

10 I- SEMENTE COMO VÍTIMA DO ATAQUE DIRETO DE PATÓGENOS (PERDAS DIRETAS) [Sementes são vulneráveis ao ataque de patógenos em diferentes situações] A - Em campos de produção da semente, durante a sua formação ainda na planta mãe. B- Na fase pós-colheita (armazenamento) até a semeadura C- No solo, por ocasião do processo de germinação até o estabelecimento das plantas no campo

11 A - Em campos de produção de sementes, durante a sua formação ainda na planta mãe. Danos principais: deformações, descolorações, redução do número de sementes por planta, redução de reservas nutricionais e outros componentes sementes com menor capacidade germinativa, baixo vigor e baixo valor comercial Predominância de agentes fitopatogênicos, caso de Colletotrichum gloesporiodes (antracnose), Claviceps, Phoma sp, Phomopsis sp, Drechslera sp, Bipolaris sp, Cercospora sp, Ustilago sp, Tilletia sp, Puccinia sp, algumas bactérias e vírus. Qualidade de sementes se faz no campo de produção

12 cercosporiose

13 Fotos: MLN Costa

14 helminthosporiose e ferrugem

15 fusariose Mancha de helminthosporum

16 Mancha de helminthosporium (Bipolaris maydis)

17 Antracnose em Stylosanthes (Ag. Colletotrichum gloeosporioides ) Fonte: Fernandes(2000)

18 Mela-das-sementes Claviceps maximensis C.D. Fernandes

19 Figura 1. Mela-das-sementes: mela em Brachiaria brizantha cv. Xaraés (A); escleródios nas sementes de braquiária (B); mela e crescimento de saprófitas Panicum maximum cv. Tanzânia (C). Figura 2- Estromas de Claviceps em sementes de sorgo [foto JC Machado]

20 Carvão (Ustilago operta) C.D. Fernandes

21 Cárie-do-sino em panículas de Panicum (Tilletia ayresii Neergaard, 1979 Fonte: C.D. Fernandes

22 Mofo-branco em leguminosas e outras dicotiledôneas J.C Machado

23 Mofo-branco em nabo forrageiro

24 Ferrugem (Ag. Puccinia levis var. panici-sanguinalis)

25 Bacteriose em espécies de leguminosas Foto JC Machado

26 Doenças viróticas em Brachiaria spp. [em fase de identificação] Fonte: Fernandes (2013)

27 FITONEMATOIDES ASSOCIADOS A PRODUÇÃO DE SEMENTES DE BRACHIARIA SPP E PANICUM MAXIMUN Aphelenchoides spp Ditylenchus spp. Helicotylenchus spp. Tylenchus spp. Pratylenchus spp. Heterodera spp. Fonte: Fernandes(2012)

28

29 B- Sementes como vítimas na fase pós-colheita (armazenamento) até a semeadura Danos principais: perda de reservas nutricionais, rupturas de membranas protetoras, exposição de embrião, alterações genéticas, produção toxinas perda de germinação e vigor Predominância de microrganismos deterioradores das sementes, caso das espécies de Aspergillus e Penicillium ; Principais fatores predisponentes: desequilíbrio de temperatura e umidade no ambiente de armazenamento, injúrias físicas

30 DETERIORAÇÃO DE SEMENTES NO ARMAZENAMENTO [Aspergillus e Penicillium] Fungos de armazenamento

31 Em relação a qualidade fisica-fisiológica das sementes Danos físicos e fisiológicos em sementes/grãos [Estrangulamento do eixo embrionário e trincas]

32 C- As sementes como vítimas no solo, por ocasião da germinação até o estabelecimento das plantas no campo Danos principais: enfraquecimento de tecidos de plântulas, mortes em pre e pósemergência perda de estande e de vigor com formação de focos primários de infecção Predominância de patógenos que estão associados às sementes e/ou patógenos já presentes no substrato (solo) de semeadura, caso de Fusarium sp (F. chlamydosporium, F. verticillioides), Rhizoctonia solani (tombamento), S. sclerotiorum, Machophomina phaseolina (podridão cinza), Pythium sp, nematóides diversos

33

34 Lesões radiculares (tombamentos) Fusarium sp Rhizoctonia solani Fusarium sp

35 Falhas de estande por patógenos de solo Fernandes (2008)

36 Falhas de estande Fonte:C.D. Fernandes

37 Reboleiras provocadas por patógenos de solo

38 A grande maioria dos agentes fitopatogênicos pode associar- se às sementes de espécies hospedeiras Agrios, 2005

39 Doenças mais comuns em espécies forrageiras associadas às sementes [Brachiaria decumbens, B. brizantha; Panicum maximun, P. infestum Stylosanthes spp] Grupo 1 Doenças da parte aérea 1.1. Infecções de Inflorescências: Mela das sementes ag. causal Claviceps sulcata (f. assexuada: Sphacellia sp Carvão ag. causal Ustilago operta Tilletia sp Manchas foliares: Agentes: Cercospora, Phoma, Phomopsis, Drechslera (Bipolaris), Puccinia (ferrugens), Colletorichum gloeosporioides, C. truncatum (leguminosas), bacterioses, viroses Grupo 2 Doenças radiculares (tombamentos e podridões de raízes): Agentes: Fusarium (5-7 espécies), Rhizoctonia, Pythium, Sclerotinia, Aphelenchoides, Dytilenchus Grupo 3- Doenças em armazenamento Deterioração de sementes e forragens por Aspergillus e Penicillium

40 II- A SEMENTE DE FORRAGEIRAS COMO ABRIGO E MEIO DE DISSEMINAÇÃO DE AGENTES FITOPATOGÊNICOS

41 Sobrevivência de patógenos em associação com sementes Patógeno Hospedeiro Longevidade inóculo (anos) Alternaria brassicicola brassicas 8 Ascochyta pisi ervilha 7 Colletotrichum gossypii algodão 13,5 Peronospora manshurica soja 8 Phomopsis sojae soja 1-2 Pyricularia oryzae arroz 4 Sclerotinia sclerotiorum diversos 7 Stenocarpella maydis (Diplodia maydis) milho 2-4 Virus do mosaico comum feijão 30,0 Xanth.c.pv. malvacearum algodão 4,5 Xanth.c.pv. phaseoli feijão 15 Xanthomonas axonopodis pv. glycines soja 2,5

42 Alguns exemplos de sanidade de sementes em forrageiras [Testes de sanidade de sementes]

43 Drechslera sp em brachiaria

44

45 Drechslera em sementes de setaria

46 Fotos: MLN Costa

47 Colletotrichum graminicola gramineas

48

49 Incidência No. focos de infecção/ha

50

51 Incidência

52 Introdução aleatória e precoce de inóculo de fitopatógenos em áreas de cultivo P/ ex: 16% sementes contaminadas

53 Progresso da antracnose do feijoeiro a partir de sementes infectadas

54 Mallmann et al

55 Tabela 2- Frequência e incidência de fungos após desinfestação superficial de sementes de forrageiras produzidas em regiões tropicais no Brasil. Fungos Frequência % Incidência (%) ND D ND D ND* =não desinfestada D ** = desinfestada Medias seguidas de mesma letra na linha não diferem estatisticamente pelo teste de Tuckey (P< 0,05). Análises feitas entre ambos ttatamentos: ND e D. Santos et al, Journal of Seed Science, v.36, n.1, p , 2014

56 Mallmann et al, 2013

57 MANEJO DE DOENÇAS ASSOCIADOS ÀS SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS Para a abordagem deste tema, considerar 2 circunstâncias: 1- Ambiente da produção de sementes (maiores cuidados com a sanidade dos cultivos visando à formação de sementes sadias) 2- Ambiente de cultivo comercial extensivo (cuidados com a qualidade das sementes (uso de sementes sadias e o controle de doenças em cultivos já estabelecidos) Medidas legislativas (quarentenárias, padrões sanitários) Escolha de áreas (histórico), época de semeadura, adubação equilibrada Uso de cultivares resistentes, caso estejam disponíveis Uso de sementes certificadas com atestado de sanidade Cuidados na colheita das sementes, a exemplo das grandes culturas Beneficiamento adequado dos lotes de sementes Tratamento de sementes (medida fundamental para forrageiras) Cuidados no armazenamento Práticas culturais e controle químico (em campos de produção de sementes) Manejo do pastoreio/pisoteio da lavoura Rotação e consorcio de cultivos (planejamento técnico) C.D.Fernandes (com modificações)

58 Sementes não tratadas Sementes tratadas

59 Publicações disponíveis no site: Capítulo 9 Teste de sanidades de sementes

60 O Boletim de análise sanitária de sementes e sua interpretação

61

62 INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA ANÁLISE SANITÁRIA DE SEMENTES DE ACORDO COM GRUPOS DE PATÓGENOS E OUTROS MICRORGANISMOS Microrganismos/Agentes patogênicos de campo) Exs. Espécies de Colletotrichum, Fusarium, Alternaria, Cercospora Drechslera, Ustilago, Rhizoctonia, Xanthomonas, Vírus de Mosaicos Comuns, Nematoides etc Microrganismos de armazenamento (deterioração) Exs. Espécies de Aspergillus, Penicillium Microrganismos saprófitos (incluindo antagonistas) Exs. Espécies de Cladosporium, Epicoccum, Trichoderma, Bacillus etc

63 De grande importância ou impacto nestes últimos anos foi a criação de um Grupo Técnico Permanente de Sanidade de Sementes (GTPSS) com o intuito de tratar de todas as questões referentes a sanidade de sementes no Brasil Composição atual do GTPSS: 3 Representantes do MAPA (incluindo o coordenador) 1 Representante da ABRASEM 1 Representante da ABRATES 1 Representante da Confederação Nacional da Agricultura 1 Representante da Embrapa 1 Representante de Universidades Federais 1 Representante de Universidades Estaduais A primeira missão do Grupo foi conduzir as Análises de Risco de Pragas (ARPs) e implementar os padrões sanitários para algumas Pragas Não Quarentenárias Não Regulamentadas (PNQRs)

64

65

66 Universidade Federal de Lavras Obrigado e boa sorte a todos!

SANIDADE DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO DE PLANTAS: IMPORTÂNCIA DO INÓCULO INICIAL DE DOENÇAS

SANIDADE DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO DE PLANTAS: IMPORTÂNCIA DO INÓCULO INICIAL DE DOENÇAS Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Fitopatologia e Nematologia SANIDADE DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO DE PLANTAS: IMPORTÂNCIA DO INÓCULO INICIAL DE DOENÇAS

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES INDUSTRIAL (TSI) E QUALIDADE DE SEMENTES

TRATAMENTO DE SEMENTES INDUSTRIAL (TSI) E QUALIDADE DE SEMENTES I Workshop de Tratamento de Sementes Industrial 4-5 de agosto de 2015 Piracicaba -SP TRATAMENTO DE SEMENTES INDUSTRIAL (TSI) E QUALIDADE DE SEMENTES José da Cruz Machado Prof. Titular de Fitopatologia

Leia mais

Manejo de Doenças do Solo

Manejo de Doenças do Solo Manejo de Doenças do Solo Eng. Agr. Nilvo Altmann Sócio Proprietário e Diretor Técnico SIGMA SOLUÇÕES AGRONÔMICAS LTDA ROTEIRO DA PALESTRA Identificação e manejo de rebouleiras nas lavouras Evolução dos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO no uso das atribuições

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES DE SOJA COM FUNGICIDAS

TRATAMENTO DE SEMENTES DE SOJA COM FUNGICIDAS TRATAMENTO DE SEMENTES DE SOJA COM FUNGICIDAS Augusto César Pereira Goulart, Eng. Agr. M.Sc. Fitopatologia/Patologia de Sementes Embrapa Agropecuária Oeste, C.P. 661 Dourados, MS. CEP: 79.804-970 e-mail:

Leia mais

Dinâmica e manejo de doenças. Carlos A. Forcelini

Dinâmica e manejo de doenças. Carlos A. Forcelini Dinâmica e manejo de doenças Carlos A. Forcelini Campo Experimental UPF (28º10 S, 52º20 W, 687m) 6 km Manejo de doenças e rendimento de grãos Com manejo Sem manejo 2009 58 27 2010 56 33 2011 61 45 Fatores

Leia mais

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 1 Hugo Fernandes dos Santos; 1 Lamartine Eduardo de Assis ; 2 Rosilene Agra da Silva] 1 Graduandos em Agronomia CCTA/UFCG

Leia mais

DOENÇAS DO QUIABEIRO

DOENÇAS DO QUIABEIRO DOENÇAS DO QUIABEIRO ÍNDICE: A Cultura do Quiabo Doenças Causada por Fungos Oídio (Erysiphe cichoraceaarum de Candolle - Oidium ambrosiae thum.) Cercosporiose (Cercospora malayensis, Cercospora hibiscina)

Leia mais

ROTAÇÃO DE CULTURAS E O CONTROLE DOS NEMATÓIDES E DAS DOENÇAS. Eng. Agr. Nilvo Altmann

ROTAÇÃO DE CULTURAS E O CONTROLE DOS NEMATÓIDES E DAS DOENÇAS. Eng. Agr. Nilvo Altmann ROTAÇÃO DE CULTURAS E O CONTROLE DOS NEMATÓIDES E DAS DOENÇAS Eng. Agr. Nilvo Altmann Roteiro da Palestra Sustentabilidade do sistema de produção Monocultura de soja Sucessão de culturas com soja Rotação

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Estrutura disponível Planejamento

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES Silvio Moure Cicero

TRATAMENTO DE SEMENTES Silvio Moure Cicero 1 TRATAMENTO DE SEMENTES Silvio Moure Cicero 1. Introdução Conceito de tratamento de sementes. 2. Controle de patógenos Destacam-se os microorganismos que podem ser transmitidos por sementes: o grupo dos

Leia mais

Tombamento de mudas Caciara Gonzatto Maciel Marília Lazarotto Graziela Piveta Marlove Fátima Brião Muniz

Tombamento de mudas Caciara Gonzatto Maciel Marília Lazarotto Graziela Piveta Marlove Fátima Brião Muniz Tombamento de mudas Caciara Gonzatto Maciel Marília Lazarotto Graziela Piveta Marlove Fátima rião Muniz O tombamento de mudas pode ocorrer em pré-emergência e/ou pósemergência. No primeiro caso, o patógeno

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

Doenças da cenoura SINTOMAS. SEMENTE em processo de germinação: afeta os tecidos da plântula

Doenças da cenoura SINTOMAS. SEMENTE em processo de germinação: afeta os tecidos da plântula Doenças da cenoura (Daucus carota) Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa 1. PODRIDÃO DE PRÉ-EMERGÊNCIA E TOMBAMENTO DE PÓS-EMERGÊNCIA SINTOMAS SEMENTE em processo de germinação: afeta os tecidos da

Leia mais

CICLO DAS RELAÇÕES PATÓGENO X HOSPEDEIRO

CICLO DAS RELAÇÕES PATÓGENO X HOSPEDEIRO Ciclo de vida do patógeno: Disciplina: Fitopatologia Geral CICLO DAS RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO O desenvolvimento do patógeno compreende fases ativas e inativas. As fases ativas são patogênese e saprogênese.

Leia mais

DOENÇA. Fenômeno de natureza complexa, que não tem definição precisa, mas que possui características básicas, essenciais

DOENÇA. Fenômeno de natureza complexa, que não tem definição precisa, mas que possui características básicas, essenciais Conceitos Básicos O que é DOENÇA? Limite entre normal/sadio - anormal/doente doença x injúria física ou química doença x praga (afetam o desenvolvimento) Fatores ambientais - causas de doença DOENÇA Fenômeno

Leia mais

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO Héria de Freitas TELES, Larissa Leandro PIRES, Marcos Gomes da CUNHA, Guilherme

Leia mais

14/05/2012. Doenças do cafeeiro. 14 de maio de Umidade. Temperatura Microclima AMBIENTE

14/05/2012. Doenças do cafeeiro. 14 de maio de Umidade. Temperatura Microclima AMBIENTE 14/05/2012 Doenças do cafeeiro Doutoranda Ana Paula Neto Prof Dr. José Laércio Favarin 14 de maio de 2012 Umidade AMBIENTE PATÓGENO Temperatura Microclima HOSPEDEIRO 1 DOENÇAS Ferrugem Hemileia vastatrix

Leia mais

AUGUSTO CÉSAR PEREIRA GOULART Eng. Agr. M.Sc. Fitopatologia/Patologia de Sementes cpao.embrapa.br Dourados, MS - Brasil

AUGUSTO CÉSAR PEREIRA GOULART Eng. Agr. M.Sc. Fitopatologia/Patologia de Sementes   cpao.embrapa.br Dourados, MS - Brasil TRATAMENTO DE SEMENTES DE SOJA COM FUNGICIDAS SOYBEAN SEED TREATMENT WITH FUNGICIDES AUGUSTO CÉSAR PEREIRA GOULART Eng. Agr. M.Sc. Fitopatologia/Patologia de Sementes email: goulart@ cpao.embrapa.br Dourados,

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

Microflora fúngica de sementes comerciais de Panicum maximum e Stylosanthes spp.

Microflora fúngica de sementes comerciais de Panicum maximum e Stylosanthes spp. Microflora fúngica de sementes comerciais de Panicum maximum e Stylosanthes spp. Fungic microflora of Panicum maximum and Styosanthes spp. commercial seed Carlos Eduardo Marchi 1* ; Celso Dornelas Fernandes

Leia mais

Culturas de cobertura e de rotação devem ser plantas não hospedeiras de nematóides

Culturas de cobertura e de rotação devem ser plantas não hospedeiras de nematóides Culturas de cobertura e de rotação devem ser plantas não hospedeiras de nematóides Mário Massayuki Inomoto e Guilherme Lafourcade Asmus* Durante muito tempo acreditou-se que um dos benefícios do Sistema

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

Algumas prioridades e demandas da pesquisa relacionadas ao

Algumas prioridades e demandas da pesquisa relacionadas ao Capítulo 2 Demandas para as Pesquisas Relacionadas ao Melhoramento Genético Fábio Gelape Faleiro; José Ricardo Peixoto; Alexandre Pio Viana; Claudio Horst Bruckner; Francisco Ferraz Laranjeira; Flávio

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES DE SOJA UTILIZADAS NO ESTADO DE MATO GROSSO OBTIDAS NA ABRANGÊNCIA DO CIRCUITO TECNOLÓGICO APROSOJA NA SAFRA 2013/2014

QUALIDADE DE SEMENTES DE SOJA UTILIZADAS NO ESTADO DE MATO GROSSO OBTIDAS NA ABRANGÊNCIA DO CIRCUITO TECNOLÓGICO APROSOJA NA SAFRA 2013/2014 MAGDA DA FONSECA CHAGAS QUALIDADE DE SEMENTES DE SOJA UTILIZADAS NO ESTADO DE MATO GROSSO OBTIDAS NA ABRANGÊNCIA DO CIRCUITO TECNOLÓGICO APROSOJA NA SAFRA 2013/2014 LAVRAS MG 2014 MAGDA DA FONSECA CHAGAS

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS ASSOCIADOS ÀS SEMENTES DE ALGODOEIRO EMPREGADAS NA REGIÃO DE CHAPADÃO DO SUL 1

IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS ASSOCIADOS ÀS SEMENTES DE ALGODOEIRO EMPREGADAS NA REGIÃO DE CHAPADÃO DO SUL 1 Página 1108 IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS ASSOCIADOS ÀS SEMENTES DE ALGODOEIRO EMPREGADAS NA REGIÃO DE CHAPADÃO DO SUL 1 Gustavo de Faria Theodoro (UFMS theodoro@nin.ufms.br), André Augusto Chumpati 2 (UFMS),

Leia mais

SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA. Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA. Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO A sucessão da soja-milho safrinha sustenta a produção de grãos na região Centro-Oeste do Brasil. No entanto, de acordo com Brüggemann

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Consórcio Milho-Braquiária

Consórcio Milho-Braquiária Gessí Ceccon Consórcio Milho-Braquiária 1Oque é. É o cultivo simultâneo de milho safrinha com braquiária utilizando a semeadora de soja, ajustando-a para uma linha de milho safrinha e outra de braquiária.

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Tecnologias de Manejo Nematoides da soja e cultura do milho: mitos e verdades

Tecnologias de Manejo Nematoides da soja e cultura do milho: mitos e verdades No Brasil, tem sido relatado um aumento de incidência de nematoides e maior preocupação dos agricultores. Segundo pesquisadores da Embrapa Dourados, MS, os maiores prejuízos vêm sendo registrados na região

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

AULA FINAL / PARTE 1. Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado

AULA FINAL / PARTE 1. Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado AULA FINAL / PARTE 1 Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado 4.1 ÉPOCAS DE SEMEADURA PARA SOJA NO BRASIL Denominações Das Épocas 1. Normal Meses e Respectivas Quinzenas SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR

Leia mais

Produção de sementes Espaçamento entre as linhas (cm)

Produção de sementes Espaçamento entre as linhas (cm) Adubação Verde ADUBAÇÃO VERDE O que é adubação verde Consiste no cultivo e na incorporação ao solo de plantas (principalmente as leguminosas) que contribuem para a melhoria das condições físicas, químicas

Leia mais

5.9 Controle de Pragas e Doenças

5.9 Controle de Pragas e Doenças 5.9 Controle de Pragas e Doenças 1 5.9.1 Medidas gerais de controle de pragas 2 a) Métodos Legislativos -Realizado pelo serviço de vigilância sanitária; - Consiste na fiscalização de portos, aeroportos,

Leia mais

LFN 0225 MICROBIOLOGIA GERAL Responsável: Prof. Dr. Sérgio F. Pascholati. NOÇÕES BÁSICAS DE FITOPATOLOGIA: o estudo das doenças de plantas

LFN 0225 MICROBIOLOGIA GERAL Responsável: Prof. Dr. Sérgio F. Pascholati. NOÇÕES BÁSICAS DE FITOPATOLOGIA: o estudo das doenças de plantas LFN 0225 MICROBIOLOGIA GERAL Responsável: Prof. Dr. Sérgio F. Pascholati NOÇÕES BÁSICAS DE FITOPATOLOGIA: o estudo das doenças de plantas M. Sc. Thiago Anchieta de Melo Doutorando em Fitopatologia Piracicaba,

Leia mais

Doenças do Maracujazeiro. Grupo: Carolina Colin Gabriela Venancio Luiza Soares

Doenças do Maracujazeiro. Grupo: Carolina Colin Gabriela Venancio Luiza Soares Doenças do Maracujazeiro Grupo: Carolina Colin Gabriela Venancio Luiza Soares Maracujá Passiflora sp.; Família: Passifloraceae; Algumas espécies: P. edulis e P. alata; Originário da América tropical; Planta

Leia mais

10. Principais Pragas e Doenças da Cultura do Arroz

10. Principais Pragas e Doenças da Cultura do Arroz CULTURA DO ARROZ 10. Principais Pragas e Doenças da Cultura do Arroz PRAGAS DO ARROZ 3 PRAGAS DE SOLO Arroz de terras altas Cupins; ** Pão-de-galinha ou bicho-bolo ou cascudo-preto; Larva-arame; Broca-do-colo

Leia mais

Dra. Neucimara Rodrigues Ribeiro - Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso APROSMAT Dr. Waldir Pereira Dias Embrapa/Soja

Dra. Neucimara Rodrigues Ribeiro - Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso APROSMAT Dr. Waldir Pereira Dias Embrapa/Soja DISTRIBUIÇÃO DE FITONEMATÓIDES EM REGIÕES PRODUTORAS DE SOJA DO ESTADO DE MATO GROSSO Dra. Neucimara Rodrigues Ribeiro - Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso APROSMAT Dr. Waldir Pereira

Leia mais

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade B.Sc. Agronomia José Eduardo de Macedo Soares Júnior Fazenda Capuaba / Lucas do Rio Verde-MT Fazenda Capuaba Lucas do Rio Verde

Leia mais

Influência da adubação silicatada na qualidade sanitária de sementes de arroz

Influência da adubação silicatada na qualidade sanitária de sementes de arroz Influência da adubação silicatada na qualidade sanitária de sementes de arroz Sílvia Miranda Borba (1), Vanda Maria de Oliveira Cornélio (2), Moizés de Sousa Reis (2), João Roberto de Mello Rodrigues (2),

Leia mais

SANIDADE DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS

SANIDADE DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS SANIDADE DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS JOSÉ OTAVIO M. MENTEN MARIANE S. ISHIZUKA CURSO DE ATUALIZAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SEMENTES FORRAGEIRAS TROPICAIS: ASPECTOS RELEVANTES À PRODUÇÃO DE SEMENTES AEAPP/FATL

Leia mais

LEVANTAMENTO DA OCORRÊNCIA DE DOENÇAS DA SOJA EM MATO GROSSO DO SUL, EM QUATRO SAFRAS: 1996/1997 A 1999/2000

LEVANTAMENTO DA OCORRÊNCIA DE DOENÇAS DA SOJA EM MATO GROSSO DO SUL, EM QUATRO SAFRAS: 1996/1997 A 1999/2000 ISSN 1516-8441 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agropecuária do Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 163, km 253,6 - Trecho Dourados-Caarapó km 5 Caixa Postal

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

03 LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE ESPÉCIES DE

03 LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE ESPÉCIES DE 03 LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE ESPÉCIES DE NEMATOIDES NA CULTURA DA SOJA NA REGIÃO DO MÉDIO NORTE DE MATO GROSSO Nematoides são parasitas obrigatórios, e dependem da presença de plantas hospedeiras para

Leia mais

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES RESUMO Dércio Dutra 1 ; Derblai

Leia mais

INCIDÊNCIA DE FUNGOS ASSOCIADOS A SEMENTES DE SOJA TRANSGÊNICA VARIEDADE BRS VALIOSA RR

INCIDÊNCIA DE FUNGOS ASSOCIADOS A SEMENTES DE SOJA TRANSGÊNICA VARIEDADE BRS VALIOSA RR 52 INCIDÊNCIA DE FUNGOS ASSOCIADOS A SEMENTES DE SOJA TRANSGÊNICA VARIEDADE BRS VALIOSA RR Thatyane Pereira de Sousa¹; Ivaneide Oliveira Nascimento²; Claudio Belmino Maia²; Joacir Morais 1 ; Gustavo de

Leia mais

Fatores Bióticos e Abióticos: desafios para a eficiência produtiva. Sérgio Abud Embrapa Cerrados

Fatores Bióticos e Abióticos: desafios para a eficiência produtiva. Sérgio Abud Embrapa Cerrados Fatores Bióticos e Abióticos: desafios para a eficiência produtiva Sérgio Abud Embrapa Cerrados Crescimento Populacional Esperado por Região 2010-2050 7 bilhões 9 bilhões 2015 2050 Volatilidade do mercado

Leia mais

(Foto: Ricardo Borges Pereira)

(Foto: Ricardo Borges Pereira) Raiz rosada da Cebola - Pyrenochaeta terrestris Ricardo Borges Pereira Pesquisador Dr. em Fitopatologia Embrapa Hortaliças Gilvaine Ciavareli Lucas Dra. em Fitopatologia Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Doenças da Parte Aérea

Doenças da Parte Aérea 11 Doenças da Parte Aérea Adriane Wendland Murillo Lobo Junior Aloísio Sartorato Carlos Agustín Rava Seijas (in memoriam) 288 Quais são as doenças fúngicas da parte aérea mais comuns nas lavouras de feijão

Leia mais

Doenças em Arroz Irrigado: Processo da Produção Integrada 35

Doenças em Arroz Irrigado: Processo da Produção Integrada 35 Doenças em Arroz Irrigado: Processo da Produção Integrada 35 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Clima Temperado Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Doenças em Arroz Irrigado

Leia mais

Doenças da Pupunha no Estado do Paraná

Doenças da Pupunha no Estado do Paraná Doenças da Pupunha no Estado do Paraná Álvaro Figueredo dos Santos Dauri José Tessmann João Batista Vida Rudimar Mafacioli A pupunha é cultura de introdução recente no Estado do Paraná e tem sido cultivada

Leia mais

Comunicado117 Técnico

Comunicado117 Técnico Comunicado117 Técnico ISSN 1983-9731 Campo Grande, MS Abril, 2010 Colheita de Sementes de Brachiaria humidicola pelo Método de Sucção Rogério Novais Teixeira 1 Jaqueline Rosemeire Verzignassi 2 Introdução

Leia mais

Premissa básica para produção animal em pasto é a existência de pasto

Premissa básica para produção animal em pasto é a existência de pasto Estabelecimento de pastagens: escolha da planta forrageira, preparo do solo e semeadura/plantio Introdução Premissa básica para produção animal em pasto é a existência de pasto Necessidade d deassociação

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200 INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP Campus Experimental de Dracena (18) 3821-8200 8200 lupatini@dracena.unesp.br 1 INTRODUÇÃO Monocultivo de culturas e pastagens; Problemas

Leia mais

Consórcio de milho com braquiária: aspectos práticos de implantação. Intercropped corn-brachiaria: practical deployment.

Consórcio de milho com braquiária: aspectos práticos de implantação. Intercropped corn-brachiaria: practical deployment. Consórcio de com braquiária: aspectos práticos de implantação Intercropped corn-brachiaria: practical deployment. Gessi Ceccon 1 e Luís Armando Zago Machado 2 Identificação das principais forrageiras perenes

Leia mais

Disciplina Forragicultura

Disciplina Forragicultura Histórico Disciplina Forragicultura Professora: Ana Cláudia Ruggieri Chegada do gado no Brasil Cabo verde Força de trabalho Região sul Animais europeus Histórico Aspectos Gerais Chegada do gado zebuino

Leia mais

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas Departamento de Sanidade Vegetal DSV Análise de Risco de Pragas Análise de risco de pragas Organização Mundial do Comércio OMC Acordo sobre Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (SPS) Convenção

Leia mais

EFEITO DO VIGOR E DO TRATAMENTO FUNGICIDA NOS TESTES DE GERMINAÇÃO E DE SANIDADE DE SEMENTES DE SOJA

EFEITO DO VIGOR E DO TRATAMENTO FUNGICIDA NOS TESTES DE GERMINAÇÃO E DE SANIDADE DE SEMENTES DE SOJA Original Article 59 EFEITO DO VIGOR E DO TRATAMENTO FUNGICIDA NOS TESTES DE GERMINAÇÃO E DE SANIDADE DE SEMENTES DE SOJA EFFECT OF THE VIGOUR AND OF THE FUNGICIDE TREATMENT IN THE GERMINATION AND SANITY

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS 69 SIMPAS Tangará da Serra-MT, 22 de novembro de 2016 Prof. ROGÉRIO DE A.COIMBRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATOGROSSO CÂMPUS DE A SEMENTE O QUE É? PL AN EJ AM EN

Leia mais

Patologia de sementes olerícolas

Patologia de sementes olerícolas Patologia de sementes olerícolas 1 Ana Paula Simplício Mota, 2 Érica Fernandes Leão, 3 Laís Assupção Junqueira, 4 Lucas Emanuel Nunes Gonçalves, 5 Maristela dos Santos Rey 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Voluntária

Leia mais

Classificação botânica

Classificação botânica FEIJÃO PLANTA FEIJÃO SEMENTE Classificação botânica Reino Vegetal Sub ramo = Angiosperma Classe = Dicotiledônea Ordem = Fabales Família = Fabaceae Subfamília = Faboideae Tribo = Phaseoleae Gênero = Phaseolus

Leia mais

Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho

Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 112/2016 09 de março de 2016 Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho Considerando o pleno desenvolvimento da Safra 2016 de milho, a Associação

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 17 A 24 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 17 A 24 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 76 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 17 A 24 DE FEVEREIRO DE 2014 No decorrer desta semana a Ampasul promoveu o Tour do Algodão módulo Doenças, passando por

Leia mais

Carteira de projetos Manejo da cultura do feijão-comum

Carteira de projetos Manejo da cultura do feijão-comum Carteira de projetos Manejo da cultura do feijão-comum Goiânia, 20 de março de 2013 Objetivo Desenvolver e disponibilizar tecnologia para produção com uso eficiente de recursos e que assegurem a sustentabilidade

Leia mais

Qualidade Sanitária de Sementes de Soja de Diferentes Cultivares Introduzidos para Cultivo em Sergipe. 73 ISSN Dezembro, 2012

Qualidade Sanitária de Sementes de Soja de Diferentes Cultivares Introduzidos para Cultivo em Sergipe. 73 ISSN Dezembro, 2012 Qualidade Sanitária de Sementes de Soja de Diferentes Cultivares Introduzidos para Cultivo em Sergipe 73 ISSN 1678-1961 Dezembro, 2012 ISSN 1678-1961 Dezembro, 2012 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

NUTRIÇÃO DE PLANTAS PIMENTÃO. Romério José de Andrade Engº Agrônomo EMATER/DF - GAMA Fone: (61)

NUTRIÇÃO DE PLANTAS PIMENTÃO. Romério José de Andrade Engº Agrônomo EMATER/DF - GAMA Fone: (61) NUTRIÇÃO DE PLANTAS CULTURA DE PIMENTÃO Romério José de Andrade Engº Agrônomo EMATER/DF - GAMA Fone: (61) 3556-4323 e-mail: romerioandrade@ig.com.br set/2009 ANÁLISE DE SOLO: EQUILÍBRIO DE BASES. Cálcio

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Caxias do Sul RS Out/2014

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Caxias do Sul RS Out/2014 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Caxias do Sul RS Out/2014 VANTAGENS DAS MUDAS EM BANDEJAS Rendimento operacional quantidade de sementes utilizadas Melhoria na

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção,

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I ESTABELECIMENTO/FORMAÇÃO DE PASTAGENS Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP UNESP Campus

Leia mais

Tratamento Industrial de Sementes: vantagens, limitações e desafios.

Tratamento Industrial de Sementes: vantagens, limitações e desafios. Tratamento Industrial de Sementes: vantagens, limitações e desafios. Ademir Assis Henning Embrapa Soja 1) Phomopsis sp. É o principal patógeno em sementes de soja. Juntamente com Fusarium pallidoroseum

Leia mais

16 Produção de Sementes e Comercialização

16 Produção de Sementes e Comercialização 16 Produção de Sementes e Comercialização Luciene Fróes Camarano de Oliveira Sérgio Utino Cláudio Bragantini Lídia Pacheco Yokoyama 480 Qual é o tipo de grão mais comercializado no Brasil? O tipo de grão

Leia mais

Fitopatologia Geral. Princípios Gerais de Controle

Fitopatologia Geral. Princípios Gerais de Controle Fitopatologia Geral Princípios Gerais de Controle Controle de doenças visa a redução na incidência e na severidade deve ter conotação econômica e biológica Como alcançar o máximo de eficiência? depende

Leia mais

XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol PRINCIPAIS DOENÇAS E ESTRATÉGIAS DE MANEJO

XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol PRINCIPAIS DOENÇAS E ESTRATÉGIAS DE MANEJO XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol PRINCIPAIS DOENÇAS E ESTRATÉGIAS DE MANEJO Eng. Agr. Valtemir J. Carlin - AGRODINÂMICA LONDRINA, PR - 28 DE

Leia mais

Tratamento de Sementes

Tratamento de Sementes 1 Tratamento de Sementes João José Dias Parisi Priscila Fratin Medina Instituto Agronômico - IAC, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fitossanidade. Av. Barão de Itapura, 1481, 13020-902, Campinas,

Leia mais

INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM SEMENTES DE PINHÃO-MANSO 1

INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM SEMENTES DE PINHÃO-MANSO 1 INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM SEMENTES DE PINHÃO-MANSO 1 Leimi Kobayasti 2, Andressa Iraides Adoriam 2, Vespasiano Borges de Paiva Neto 3, Charline Zaratin Alves 3, Mônica Cristina Rezende Zuffo 3 ABSTRACT FUNGI

Leia mais

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 7 Consórcio Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 153 Desde quando o consórcio é utilizado no Brasil? O cultivo em consórcio é empregado, na prática, no Brasil, há muito tempo, mas, só a partir

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Código da Disciplina: AGR 271 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998

Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998 Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998 Picinini, E.C. 1 ; Fernandes, J.M.C. 1 Introdução A cevada cervejeira constitui importante alternativa de inverno na região

Leia mais

Conceitos Gerais sobre Resistência

Conceitos Gerais sobre Resistência Conceitos Gerais sobre Resistência O que é RESISTÊNCIA? Doença= produto interação planta-patógeno Planta resistente x baixo nível de doença R e S - termos arbitrários Padronização para diferentes patossistemas

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS Prof. Dr. André Mendes Jorge Pesquisador do CNPq Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu NECESSIDADE DE INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA Manejo intensivo

Leia mais

Original Article SURVEY OF FUNGI IN SAMPLES RECEIVED BY MICOLOGY AND PLANTS PROTECT LABORATORY AT FEDERAL UNIVERSITY OF UBERLÂNDIA FROM 2001 TO 2008

Original Article SURVEY OF FUNGI IN SAMPLES RECEIVED BY MICOLOGY AND PLANTS PROTECT LABORATORY AT FEDERAL UNIVERSITY OF UBERLÂNDIA FROM 2001 TO 2008 Original Article 77 LEVANTAMENTO DE FUNGOS EM AMOSTRAS RECEBIDAS NO LABORATÓRIO DE MICOLOGIA E PROTEÇÃO DE PLANTAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, NO PERÍODO 2001-2008 SURVEY OF FUNGI IN SAMPLES

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES. Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR

CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES. Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR Fundação Pró-Sementes Quem Somos? Instituída em 1999 por 39 produtores de sementes do RS e Apassul;

Leia mais

Cobertura do solo e ocorrência de plantas daninhas em área com diferentes rotações entre soja, milho, pastagem e Sistema Santa-fé

Cobertura do solo e ocorrência de plantas daninhas em área com diferentes rotações entre soja, milho, pastagem e Sistema Santa-fé Cobertura do solo e ocorrência de plantas daninhas em área com diferentes rotações entre soja, milho, pastagem e Sistema Santa-fé Vinicius Gustavo Freire Barcelos 1, Edson Aparecido dos Santos 2, Eduardo

Leia mais

MILHO SAFRINHA EM CONSÓRCIO COM ALTERNATIVAS DE OUTONO- INVERNO PARA PRODUÇÃO DE PALHA E GRÃOS, EM MS, EM 2005

MILHO SAFRINHA EM CONSÓRCIO COM ALTERNATIVAS DE OUTONO- INVERNO PARA PRODUÇÃO DE PALHA E GRÃOS, EM MS, EM 2005 MILHO SAFRINHA EM CONSÓRCIO COM ALTERNATIVAS DE OUTONO- INVERNO PARA PRODUÇÃO DE PALHA E GRÃOS, EM MS, EM 2005 Gessi Ceccon (1), Luís Armando Zago Machado (2), Luiz Alberto Staut (3) Introdução As alterações

Leia mais

Doença de plantas é definida como qualquer alteração

Doença de plantas é definida como qualquer alteração 127 Manchas foliares de plantas de trigo Ariano M. Prestes Doença de plantas é definida como qualquer alteração fisiológica ou mau funcionamento de tecidos ou de células de um hospedeiro, resultante de

Leia mais

AUXÍLIO NA DIAGNOSE DE DOENÇAS DE PLANTAS À COMUNIDADE ACADÊMICA DA UEMS - AQUIDAUANA

AUXÍLIO NA DIAGNOSE DE DOENÇAS DE PLANTAS À COMUNIDADE ACADÊMICA DA UEMS - AQUIDAUANA AUXÍLIO NA DIAGNOSE DE DOENÇAS DE PLANTAS À COMUNIDADE ACADÊMICA DA UEMS - AQUIDAUANA Rogério Romero da Silveira 1 ; Felipe André Sganzerla Graichen 2 1 Acadêmico do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL ATRIBUTOS PRODUTIVOS

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS PARA O MANEJO DE RISCO DE XANTHOMONAS AXONOPODIS PV. CITRI EM FRUTOS CÍTRICOS

SISTEMA INTEGRADO DE MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS PARA O MANEJO DE RISCO DE XANTHOMONAS AXONOPODIS PV. CITRI EM FRUTOS CÍTRICOS MERCOSUL/GMC/RES. N 48/05 SISTEMA INTEGRADO DE MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS PARA O MANEJO DE RISCO DE XANTHOMONAS AXONOPODIS PV. CITRI EM FRUTOS CÍTRICOS TENDO EM VITA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon

Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 121 PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA COM INTEGRAÇÃO LAVOURA E PECUÁRIA () () Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon 1. Introdução O safrinha é uma

Leia mais

GUIA DE SEMENTES 2016

GUIA DE SEMENTES 2016 Dow SementesTM GUIA DE SEMENTES 2016 Soluções para um Mundo em Crescimento PATROCINADOR MUNDIAL A Dow AgroSciences faz a diferença no agronegócio de mais de 140 países, investindo constantemente em pesquisa

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E CONDUÇÃO DE CAMPOS DE SEMENTES FORRAGEIRAS

CARACTERÍSTICAS E CONDUÇÃO DE CAMPOS DE SEMENTES FORRAGEIRAS CARACTERÍSTICAS E CONDUÇÃO DE CAMPOS DE SEMENTES FORRAGEIRAS Matheus Gonzaga de Lima Março /2017 CARACTERÍSTICAS DA ÁREA Jataí - GO 770 m 10% argila 1800 mm /ano Sistema de rotação 1/3 soja safrinha crotalaria

Leia mais

20/02/2017. Herbário de doenças de plantas Fitopatologia Aplicada. 1. Diagnose tradicional de doenças de plantas

20/02/2017. Herbário de doenças de plantas Fitopatologia Aplicada. 1. Diagnose tradicional de doenças de plantas Ficha contendo o material herbarizado Disponível em www.labfito.webnode.com Herbário de doenças de plantas Fitopatologia Aplicada Daniel Diego Costa Carvalho Mestre em Fitopatologia (UFLA) Doutor em Fitopatologia

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=557>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=557>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Importância da qualidade da semente para o estabelecimento de pastagens Jalison Lopes

Leia mais

FUNGOS ASSOCIADOS AS SEMENTES DE Paspalum notatum FLÜGGE. 1

FUNGOS ASSOCIADOS AS SEMENTES DE Paspalum notatum FLÜGGE. 1 FUNGOS ASSOCIADOS AS SEMENTES DE Paspalum notatum FLÜGGE. 1 AGUIAR, A. R. de 2 ; SILVA, C. M. S. 3 ; AGUIAR, D. 3 ; OLIVEIRA, F. R. de 2 ; GONÇALVES, C. E. P. 2 ; KÖPP, M. M. 4 ; OLIVEIRA, J. C. P. 4 ;

Leia mais

Envelhecimento acelerado e ocorrência de fungos em duas cultivares de soja. Accelerated aging test and occurrence of fungi in two soybean cultivars

Envelhecimento acelerado e ocorrência de fungos em duas cultivares de soja. Accelerated aging test and occurrence of fungi in two soybean cultivars Envelhecimento acelerado e ocorrência de fungos em duas cultivares de soja Accelerated aging test and occurrence of fungi in two soybean cultivars Tereza Cristina de Carvalho 1* ; Ana Dionisia da Luz Coelho

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais