Aves em Portugal Ferramentas para a sua monitorização

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aves em Portugal Ferramentas para a sua monitorização"

Transcrição

1 Aves em Portugal Ferramentas para a sua monitorização CEMPA Centro de Estudos de Migrações e Proteção de Aves Estação Ornitológica Nacional Vitor Encarnação Lisboa, Maio de 2013

2 As aves em Portugal e no Paleártico Os diferentes tipos de movimentos Naturais Artificiais Monitorização das populações Resultados e aplicações

3 Paleártico Ocidental

4 Aves de Portugal e do Paleártico Ocidental Mais de 740 espécies no Paleártico Ocidental Mais de 600 ocorrem regularmente 390 ocorrem em Portugal (54 exóticas) destas 21 são nidificantes Alterações que ocorrem Comportamento (dispersão,alimento) Clima

5 Estatuto fenológico das espécies em Portugal R I N/E MP Continente Madeira Açores

6 Aves marinhas

7 Aves aquáticas

8 Aves limícolas

9 Aves palustres

10 Aves florestais

11 Aves rupícolas

12 Os movimentos Naturais Migração Dispersão Alteração da área de distribuição Artificiais (intervenção humana) Intencional Não intencional (comércio) Ocasional

13 Anas platyrhynchos (pato-real) Nidificante Invernante Residente

14 Anas crecca (marrequinha) Nidificante Invernante Residente

15 Migrações - o que são? Uma migração ocorre quando uma população de seres vivos se move de um biótopo para outro, normalmente em busca de melhores condições de vida; alimentação, temperatura, trabalho As migrações podem ser temporárias, ou permanentes Migrações temporárias são conhecidas em muitas espécies de animais e podem ter periodicidades muito diferentes; diárias, verticais do plâncton na coluna de água; anuais como as das andorinhas e de outras aves e de muitos animais terrestres; plurianuais como as das enguias e de outros peixes.

16

17 A origem das migrações É o ciclo das estações que determina as migrações. Pensa-se que na Europa as migrações surgiram com o fim da última época glaciar. As aves adaptaram-se a um ciclo de vida durante o qual ocupam muitas vezes habitats muito variados. Competem com outras espécies e utilizam recursos alimentares diferentes nas diversas épocas do ano.

18 Migração das aves Migração é a deslocação regular, normalmente em grupo, entre habitats realizada por uma determinada população de uma espécie em diferentes épocas do ano. Cerca de metade das populações das zonas mais temperadas também o faz para evitar o frio. As aves também migram dentro dos continentes. A mais longa rota de migração conhecida é a da gaivina do Ártico (Sterna paradisaea), que migra do Ártico para o Antártico e retorna todos os anos.

19 Estratégias de migração ou optimização do esforço De um modo geral pode-se dizer que existem duas estratégias de migração: Migração numa frente ampla Migração numa frente estreita As rotas de migração são normalmente: rota pré-nupcial (mais a leste ) rota pós-nupcial (mais a oeste ) (estas diferenças estão fundamentalmente ligadas aos ventos predominantes)

20 Ciconia ciconia (cegonha-branca)

21 Sterna albifrons (andorinha-do-mar-anã)

22 Ardea purpurea (Garça-vermelha) Nidificante Invernante Residente

23 Phoenicopterus roseus Flamingo Nidificante Invernante Residente

24 Platalea leucorodia Colhereiro Nidificante Invernante Residente

25 Movimentos migratórios Ciconia nigra

26 A viagem do Colhereiro

27 Anilhagem Terschelling Agosto 1996

28 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 El Rocio Fevereiro 1997

29 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 astro Marim Agosto 1997 El Rocio Fevereiro 1997

30 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 ia Ortigueira Maio 1998 Castro Marim Agosto 1997 El Rocio Fevereiro 1997

31 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 Julho 1998 ia Ortigueira Maio 1998 Castro Marim Agosto 1997 El Rocio Fevereiro 1997

32 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 Julho 1998 ia Ortigueira Maio 1998 Moeze Abril 1999 Castro Marim Agosto 1997 El Rocio Fevereiro 1997

33 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 Julho 1998 Julho 1999 ia Ortigueira Maio 1998 Moeze Abril 1999 Castro Marim Agosto 1997 El Rocio Fevereiro 1997

34 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 Julho 1998 Julho 1999 Yves Setembro 1999 ia Ortigueira Maio 1998 Moeze Abril 1999 Castro Marim Agosto 1997 El Rocio Fevereiro 1997

35 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 Julho 1998 Julho 1999 Baie de la Seine Setembro 2000 Yves Setembro 1999 ia Ortigueira Maio 1998 Moeze Abril 1999 Castro Marim Agosto 1997 El Rocio Fevereiro 1997

36 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 Julho 1998 Julho 1999 Baie de la Seine Setembro 2000 Yves Setembro 1999 ia Ortigueira Maio 1998 Moeze Abril 1999 astro Marim Agosto 1997 Março 2001 El Rocio Fevereiro 1997

37 Anilhagem Terschelling Agosto 1996 Julho 1998 Julho 1999 Baie de la Seine Setembro 2000 Yves Setembro 1999 ia Ortigueira Maio 1998 Moeze Abril 1999 Urdaibai Setembro 2001 Castro Marim Agosto 1997 Março 2001 El Rocio Fevereiro 1997

38 Dispersão

39 Perda de habitat Ameaças Urbanização Agricultura (intensificação, químicos, recursos alim.) Alterações do clima Perseguição Obstáculos

40 A monitorização A monitorização é uma obrigação Comunitária (Directiva Aves). É essencial para a identificação dos problemas de conservação. Compreender as estratégias de migração Para elaborar estratégias de conservação é necessário saber como e porquê evoluem as populações ao longo dos anos. Avaliar o impacto das actividades humanas e das alterações climáticas nas populações e nos habitats. Identificar as alterações na distribuição e na fenologia.

41 Como é realizada a monitorização das populações Censos Contagens diretas Estimativas Captura e marcação Captura e recaptura (anilhagem) Contagem de colónias Estudos de distribuição (atlas) Mapeamento territorial Pontos de escuta e contagem

42 Programa Nacional de Monitorização de Aves Aquáticas Invernantes

43 Os locais objeto de monitorização do programa, foram organizados nas 17 bacias hidrográficas em que se divide o território nacional continental. 75 locais de contagem, englobando a maior diversidade possível de tipos de zonas húmidas: estuários, lagoas costeiras, pauis, albufeiras de barragens e açudes Importância ecológica para a avifauna. São recenseadas normalmente 80 espécies de aves aquáticas.

44

45

46 Cobertura dos censos IWC

47 Anilhagem científica de aves Técnica de utilização generalizada Baseia-se na marcação individual através da colocação de anilhas e/ou outros marcadores contendo um código único e internacional Em cada ano, na Europa são anilhadas em segurança e libertadas, 4 milhões de aves. Destas, são recapturadas 90 mil.

48 Breve História da Anilhagem No Mundo Pratica-se desde a antiguidade Primeira anilhagem realizada por Ingleses no séc. XVIII Primeira identificação numérica por Audubon em 1801; Mortensen em 1899 Foram criados programas oficiais de anilhagem: Inglaterra 1909; Holanda 1911; França 1912; Noruega 1914; Itália 1924 Hoje existem mais de anilhadores na Europa

49 Em Portugal William C. Tait (finais do Sec. XIX e XX) W.Tait-Oporto-nº. Publica Birds of Portugal, 1924 Experiências pioneiras e instalação da primeira central no Porto com o Prof. Santos Júnior a partir de 1953 Campanhas de anilhagem IRG do BTO em 1973 Desenvolvimento a partir da criação do CEMPA em 1976 Em 1999 publicação do Dec. Lei 140 Atualmente a CNA tem 230 colaboradores anilham-se aves/ano num total de mais de de 300 espécies

50 As técnicas utilizadas Processos de captura Redes Armadilhas Outros Processos de marcação Anilhas metálicas e/ou coloridas Placas ou marcas alares Marcas nasais Emissores

51 As anilhas metálicas As anilhas de metal, são numeradas e identificadas pela estação responsável pela sua emissão o que que as torna únicas. São de diferentes tamanhos apropriados a cada espécie. As anilhas são colocadas ou retiradas com alicates especiais adaptados para tal.

52 Anilhas plásticas

53 Aves anilhadas controladas

54 Movimentos de Anas clypeata

55 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( )

56 Acrocephalus scirpaceus (rouxinol-pequeno-dos-caniços)

57 Juvenil no ninho (Ilha do Pico) 9198 km Sterna hirundo (garajau) Morta em (157 dias)

58 (Adulto) Hydrobates Pelagicus (Paínho-de-cauda-quadrada) 8599 km (Más condições fisicas)

59 28 anos 5 meses e 14 dias 6197 km Calonectris diomedea (Cagarro)

60 Aplicações da monitorização Estratégias e medidas de conservação Saúde (gripe das aves, virus do Nilo) Qualidade de vida (APA, INE, MAMAOT) Índice de Aves Comuns - Indicador da Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Índice de Aves Comuns de Zonas Agrícolas - indicador do Programa de Desenvolvimento Rural. metas estabelecidas pela Convenção sobre Diversidade Biológica e pela Estratégia para 2020 da União Europeia para travar o declínio da biodiversidade. Sinalização de alterações no habitat Impactes provocados pela atividade do Homem Alterações climáticas

61

62 Consequências das AC Aumento das distâncias a percorrer Aves migradoras da família das toutinegras enfrentam o risco de ter de alongar até mais 400 quilómetros as suas viagens anuais entre a África e a Europa, por causa das alterações climáticas Alterações no calendário dos movimentos Análise de dados de 30 espécies de aves obtidos ao longo de 24 anos concluiu que algumas aves estão a regressar vários dias mais cedo em relação à década de 80. Deslocação das áreas de distribuição Prevê-se a deslocação em cerca de 550km para Nordeste no final deste Século Para algumas espécies, a área de distribuição futura nem sequer se sobrepõe à área de distribuição atual. Estudo em 42 espécies de aves, demonstra que as aves do sul da Europa, entre 1980 e 2004, se tornaram mais comuns em países como, por exemplo, o Reino Unido. Fonte: A Climatic Atlas of European Breeding Birds

63

64 Obrigado

OS MOVIMENTOS DAS AVES

OS MOVIMENTOS DAS AVES OS MOVIMENTOS DAS AVES RESERVA NATURAL DO ESTUÁRIO DO TEJO Observatório Português de Zonas Húmidas Vitor Encarnação DGAC-ZH/CEMPA-Central Nacional de Anilhagem Lisboa, Abril de 2011 As aves em Portugal

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO]

Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO] Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO] Introdução O cagarro é a ave marinha mais abundante nos Açores, que se desloca ao Arquipélago para acasalar e nidificar. Os Açores são considerados

Leia mais

Lagoa de Óbidos. Bases para a classificação da Lagoa de Óbidos como Área de Paisagem Protegida de Âmbito Regional. -Componente Vertebrados Terrestres

Lagoa de Óbidos. Bases para a classificação da Lagoa de Óbidos como Área de Paisagem Protegida de Âmbito Regional. -Componente Vertebrados Terrestres Lagoa de Óbidos Bases para a classificação da Lagoa de Óbidos como Área de Paisagem Protegida de Âmbito Regional -Componente Vertebrados Terrestres Trabalho realizado em 2005 por Raquel Ribeiro Orientadores

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L

M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L Andorinha-das-chaminés Andorinha-dos-beirais Andorinha-das-barreiras Andorinha-dáurica Andorinha-das-rochas INTRODUÇÃO

Leia mais

Temas para estágios e teses - 2015

Temas para estágios e teses - 2015 governamental A SPEA Sociedade com uma Portuguesa vocação científica para o e missão Estudo dirigida das Aves à conservação é uma organização das aves não dos Temas para estágios e teses 2015 seus da conservação

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Espécies nativas 25/06/2012. Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica. Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica

Espécies nativas 25/06/2012. Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica. Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica 25/06/2012 CONCEITOS SOBRE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS www.institutohorus.org.br Sílvia R. Ziller Fundadora e Diretora Executiva Eng. Florestal, M.Sc., Dr. Hovenia dulcis (uva-japão) no Parque Estadual

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

Sociedade, Tecnologia e Ciência!

Sociedade, Tecnologia e Ciência! Sociedade, Tecnologia e Ciência! NG 6 - URBANISMO E MOBILIDADE! Mobilidades Locais e Globais Helder Alvalade! Objectivos!! conhecer os vários tipos de migrações;! identificar consequências demográficas,

Leia mais

ANDAM GOLFINHOS NA COSTA

ANDAM GOLFINHOS NA COSTA ANDAM GOLFINHOS NA COSTA ESCOLA DE MAR INVESTIGAÇÃO, PROJECTOS E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE E ARTES Delphinus delphis Toninha, assim se chama o mais comum dos golfinhos em Portugal. O golfinho-comum (Delphinus

Leia mais

Ecologia Geral. Padrões geográficos em comunidades

Ecologia Geral. Padrões geográficos em comunidades Ecologia Geral Padrões geográficos em comunidades Padrões geográficos em comunidades O que seriam padrões geográficos? As grandes regiões zoogeográficas Origem a partir dos trabalhos de Alfred Russel Wallace

Leia mais

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA Valores eternos. TD Recuperação MATÉRIA Geografia ANO/TURMA SEMESTRE DATA 6º 2º Dez/13 ALUNO(A) PROFESSOR(A) Tiago Bastos TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS NOTA VISTO DOS PAIS/RESPONSÁVEIS 1. Analise e

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

O POTENCIAL HIDROGRÁFICO DA BACIA DO RIO ZAMBEZE Situação geográfica da Bacia do Zambeze (Moçambique) Cont. Características Físicas e Climática Bacia do Zambeze da A Bacia do rio Zambeze é a quarta maior

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Sinais. O mundo está a mudar

Sinais. O mundo está a mudar Sinais O mundo está a mudar O nosso Planeta está a aquecer, do Pólo Norte ao Polo Sul. Os efeitos do aumento da temperatura estão a acontecer e os sinais estão por todo o lado. O aquecimento não só está

Leia mais

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 TAG 4/2010 STC-6 Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 1 Índice Introdução A Migração As Diversas Formas de migração humana As Causas ou motivos de migração humana Os grandes fluxos de migratórios

Leia mais

Propriedades da população. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI)

Propriedades da população. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Propriedades da população Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Índices de densidade Densidade populacional é o tamanho de uma população em relação a uma unidade de espaço definida. Densidade

Leia mais

A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios

A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios A gestão do conhecimento em biodiversidade como requisito para o seu uso sustentável e repartição dos benefícios Rodrigo Medeiros Universidade Federal Rural do RJ Laboratório de Gestão Ambiental & Instituto

Leia mais

in Revista Visão Júnior, nº78, novembro de 2010 (adaptação gráfica)

in Revista Visão Júnior, nº78, novembro de 2010 (adaptação gráfica) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTO ANTÓNIO Língua Portuguesa Esta Visão Júnior é dedicada ao ambiente. ( ) vais descobrir muitas formas diferentes de contribuir para preservar a Terra. O estado do planeta

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

O MUNDO ONDE VIVEMOS!

O MUNDO ONDE VIVEMOS! O MUNDO ONDE VIVEMOS! PLANETA TERRA BIOSFERA (SERES VIVOS) ATMOSFERA (AR) HIDROSFERA (ÁGUA) LITOSFERA (TERRA) AMBIENTE NO SÉC. S XX A TEMPERATURA DA TERRA AUMENTOU MAIS OU MENOS DE 0,6ºC C A 2ºC. 2 AS

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS FLORESTAS

IMPORTÂNCIA DAS FLORESTAS ÍNDICE O que é? Importância das florestas; Taxa de Desflorestação Anual; Processo de Desflorestação; Cobertura Florestal no Mundo; Áreas Florestais no Mundo mais ameaçadas; Consequências; Soluções; Curiosidades;

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1ºEM Material de apoio para o exame final Questão 01) Um transatlântico, navegando pelo Oceano Índico, cruza o Trópico de Capricórnio e segue do Sul para o Norte. Observando

Leia mais

Geografia Por Tabata

Geografia Por Tabata Geografia Por Tabata População População Absoluta: total de habitantes de um dado lugar Ex.: China = maior população cerca 1 bilhão e 300 milhões de habitantes China = país populoso Populoso é o país que

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques)

Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques) Proteção da biodiversidade marinha no Parque Natural da Arrábida 29 abril 2015 Base Naval de Lisboa Alfeite, Almada Um Parque Marinho e um observatório para as mudanças climáticas (Miguel Henriques) Emanuel

Leia mais

BIODIVERSIDADE. Maria José Costa

BIODIVERSIDADE. Maria José Costa BIODIVERSIDADE Maria José Costa Sou de opinião de que estamos longe de conhecer que espécies existem realmente no ambiente oceânico. Hápor aímais espécies do que pensamos. ROBERT H. GIBBS JUNIOR (1986)

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

A Vida do Cagarro. durante 1 ano

A Vida do Cagarro. durante 1 ano A Vida do Cagarro durante 1 ano Outubro-Novembro A grande viagem para Sul Em Outubro, os cagarros juvenis, já com o tamanho e a plumagem de cagarros adultos, são abandonados no ninho pelos seus progenitores,

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total:

Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição XVIII MMXIII Extra 6º ao 9º anos MUDANÇAS CLIMÁTICAS Hoje, tivemos a presença das pesquisadoras

Leia mais

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n N. o 213 14 de Setembro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 6441 3. o A eficácia da concessão está dependente de prévia sinalização, de acordo com as condições definidas nas Portarias n. os 1103/2000

Leia mais

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII ANOTAÇÕES SOBRE A FAUNA Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça,

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre:

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre: áreas protegidas de portugal continental estatutos de conservação (áreas protegidas citadas de norte para sul; legislação essencial por ordem cronológica; dados referentes a março 2006) Pedro Castro Henriques

Leia mais

Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA

Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA Rouxinol-pequeno-dos-caniços Acrocephalus scirpaceus ENCONTRO 2BPARKS Actividades económicas sustentáveis no

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

GEOGRAFIA Questões de 35 a 42

GEOGRAFIA Questões de 35 a 42 GEOGRAFIA Questões de 35 a 42 35. Observe os mapas abaixo. Acerca das escalas apresentadas, é incorreto afirmar: A) O mapa 1 apresenta a menor escala e o maior nível de detalhamento. B) Os mapas 1 e 2

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem;

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem; ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2007/2008 ANO GEOGRAFIA 7.º GERAIS Tema 1: A Terra: estudos e representações Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS

AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS Bruno Miguel Meneses Raquel Saraiva Maria José Vale Rui Reis Projeto Alterações de uso e ocupação do solo

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

População e Povoamento

População e Povoamento Prof. Sandra Custódio L/O/G/O População e Povoamento 8.º ano de escolaridade Resumo 1 Distribuição da população 2 Fatores naturais 3 Fatores humanos 4 Focos populacionais / Vazios humanos Distribuição

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS

INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS INFLUÊNCIA DOS FACTORES DO MEIO A variação de factores do meio, como a luz, a humidade e a temperatura, pode determinar nos animais: - adaptações morfológicas ou - alterações no comportamento nos animais

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE

Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e impactos no Brasil Jose A. Marengo CPTEC/INPE Foreign & Commonwealth Office Desastre climático e midiático. Uma coisa é produzir dados, outra é torná-los inteligíveis

Leia mais

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNACIONAIS 1. RAZÕES DAS MIGRAÇÕES FATORES ATRATIVOS X FATORES REPULSIVOS - CONDIÇÕES DE VIDA - OFERTAS DE EMPREGO - SEGURANÇA -

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014

SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014 SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014 Cenário 2013 - Definições - 2013 foi um ano de neutralidade climática, não tivemos a presença dos fenômenos La Niña e El Niño; (Em anos

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho Pesca Sustentável e Responsável Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho O que é Sustentabilidade? Capacidade de persistir no longo prazo. Característica, p.ex.,

Leia mais

O TERRITÓRIO PORTUGUÊS: Dimensões, Localização, Organização Territorial e Posição Geográfica

O TERRITÓRIO PORTUGUÊS: Dimensões, Localização, Organização Territorial e Posição Geográfica UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 1. O TERRITÓRIO PORTUGUÊS: Dimensões, Localização, Organização Territorial e Posição Geográfica IPS-ESE ME12C André Silva O TERRITÓRIO PORTUGUÊS

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

Estações do ano e Ritmos da vida

Estações do ano e Ritmos da vida Estações do ano e Ritmos da vida Ana Paula Souto 2013 1) Você pretende se mudar para Cuiabá (MT) e, para isso, vai alugar uma casa de 1 (um) dormitório nessa cidade, conhecida pelo seu clima quente. Depois

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

A distribuição da população mundial

A distribuição da população mundial A distribuição da população mundial Trabalho que pode ser visualizado na página da Internet: www.geografiafixe.com.sapo.pt Professor: José Maia Distribuição da população Quais são as principais razões

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A CAATINGA 2011 Aula XI O bioma Caatinga é o principal ecossistema existente na Região Nordeste, estendendo-se pelo domínio de climas semi-áridos, numa área de 73.683.649 ha, 6,83%

Leia mais

Piriquito-da- Califórnia Pombo-viajante Marta marinha Pato-Branco-de- Cristo Tarpan. Auroque. Lobo 28 espécies de. Japonês aves

Piriquito-da- Califórnia Pombo-viajante Marta marinha Pato-Branco-de- Cristo Tarpan. Auroque. Lobo 28 espécies de. Japonês aves Auroque Piriquito-da- Califórnia Pombo-viajante Marta marinha Pato-Branco-de- Cristo Tarpan Manatim Stellier Águia-americana Foca-monge-mediterrânica Lince-ibérico Leopardo-das-neves Panda gigante Animais

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Ecologia Geral. Ecologia de Populações

Ecologia Geral. Ecologia de Populações Ecologia Geral Ecologia de Populações CRONOGRAMA DE APS!!! Equipes já definidas? Não esqueçam das datas. Ecologia de Populações Uma população é o conjunto de indivíduos de uma mesma espécie, que compartilham

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G CADERNO DE EXERCÍCIOS 1G Ensino Fundamental Ciências da Natureza Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimentos dos continentes H7 2 Origem dos seres vivos na Terra H17 3 Relações ecológicas

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais