A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia"

Transcrição

1 A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia Resumo Renato Gallina (Centro Universitário da FEI) Roberto G. Rotondaro (Depto Eng. Produção da EPUSP) Este trabalho procura determinar e analisar as principais dimensões da qualidade que são consideradas por ocasião da contratação de serviços de calibração, junto aos laboratórios de metrologia. Para se chegar aos objetivos propostos utilizou-se a metodologia survey, através de um questionário, junto aos clientes de um laboratório prestador de serviços de calibração de instrumentos. Os resultados indicaram que as dimensões de confiabilidade, presteza e preço são determinantes nesse tipo de prestação de serviços. Em função desses resultados o laboratório estabeleceu índices de desempenho, baseados na voz do cliente e conseqüentemente voltados à satisfação do mesmo. Palavras chave: Metrologia, Calibração, Serviços. 1. Introdução Ao longo desses últimos anos houve um avanço significativo na infra-estrutura tecnológica de apoio como suporte à atividade produtiva, através da consolidação da Rede Brasileira de Calibração (RBC), entre outras ações. A importância do desenvolvimento dessa infra-estrutura tornou-se mais visível desde que o país optou pelo modelo de inserção competitiva no comércio mundial e as empresas passaram a implantar um sistema da qualidade em suas atividades. Nesse contexto, até por ser um tema integrante das normas série ISO 9000, a calibração dos instrumentos de medição passou a ser um item crítico e conseqüentemente a fazer parte do cronograma de atividades das empresas. Um sistema de medição único e confiável é essencial para os campos industrial, científico, tecnológico e comercial. Para a indústria os benefícios são claros, pois proporciona um aumento na eficiência da produção e melhora da qualidade dos produtos, processos e serviços. Metrologia define-se como a ciência da medição. A metrologia abrange todos os aspectos teóricos e práticos relativos às medições, qualquer que seja a incerteza, em quaisquer campos da ciência ou da tecnologia (INMETRO, 2000). A importância da metrologia assume proporções relevantes, não apenas pela sua interação aos processos industriais, mas também por interferir em processos sociais, induzindo a melhoria da qualidade dos padrões de vida e de saúde do cidadão. Apenas como exemplo, no Brasil, pesquisas conduzidas numa determinada região do país revelaram que cerca de 80% dos esfigmomanômetros de uma amostragem-teste apresentaram erros de leitura superior a 30% indicando a possibilidade de ocorrência de diagnósticos e tratamentos equivocados em níveis preocupantes (SARDENBERG, 2001). Desta forma as dificuldades nesse tipo de prestação de serviços, relações entre as entidades participantes, medição de satisfação dos clientes e as melhorias na prestação de serviços; são alguns exemplos de pontos importantes que merecem estudos e considerações. Nesse contexto, os objetivos deste trabalho são: - Revelar quais são as dimensões da qualidade que efetivamente determinam a contratação de serviços de calibração de instrumentos de medição, junto aos laboratórios; ENEGEP 2004 ABEPRO 1812

2 - Como os laboratórios prestadores de serviços metrológicos tratam essas dimensões de forma a satisfazer os seus clientes. 2. Dimensões da qualidade Zeithaml, Parasuraman & Berry (1990), analisaram o comportamento dos clientes e baseados em diversos estudos e pesquisas demonstraram que a qualidade do atendimento, aparentemente difícil de ser quantificada poderia ser descrita em dez dimensões: tangibilidade, confiabilidade, presteza, competência, cortesia, credibilidade, segurança, acesso, comunicação e o entendimento do cliente. Estudos com essas dez dimensões sugeriram, entretanto, que os clientes eram capazes de identificar apenas cinco, visto a grande superposição existente entre algumas delas, como mostra o Quadro 1 a seguir. Essas cinco dimensões da qualidade foram denominadas, pelos autores acima, de pesquisa SERVQUAL. DIMENSÕES DIMENSÕES SERVQUAL ORIGINAIS Tangibilidade Confiabilidade Presteza Garantia Empatia Tangibilidade Confiabilidade Presteza Competência Cortesia Credibilidade Segurança Acesso Comunicação Entendimento Fonte: Zeithaml, Parasuraman e Berry (1990) Quadro 1 Correspondência entre as dimensões SERVQUAL e as dez dimensões originais Por sua vez, Gianesi & Corrêa (1994) e Clutterbuck et al. (1994) propuseram, também, a dimensão do preço do serviço, às dimensões propostas por Zeithaml, Parasuraman & Berry (1990). Tendo em vista a forte concorrência que existe atualmente entre os laboratórios prestadores de serviços metrológicos, a dimensão preço foi considerada nas dimensões da qualidade mais características deste tipo de serviço. Portanto, neste trabalho estamos também considerando a dimensão preço, além das cinco presentes no SERVQUAL, conforme apresentado no Quadro 2. Confiabilidade Tangibilidade Presteza Garantia Empatia Preço Capacidade de prestar o serviço de forma confiável e precisa Instalações físicas, equipamentos, aparência do local, etc. Disposição de prestar o serviço prontamente Capacidade de inspirar confiança e segurança Cuidado e atenção dispensados ao cliente Quanto o consumidor irá pagar pelo serviço recebido Quadro 2 As seis dimensões da qualidade consideradas 3. Metodologia ENEGEP 2004 ABEPRO 1813

3 O aspecto que vamos observar neste trabalho de pesquisa é a qualidade na prestação de serviços, por parte de um laboratório de metrologia. Para isso, o conhecimento da avaliação que os clientes fazem desse laboratório é de fundamental importância para a obtenção de dados confiáveis. Isto nos conduz ao planejamento de uma pesquisa de enfoque quantitativo. Neste trabalho está sendo utilizada a metodologia survey com os clientes de um conceituado laboratório de metrologia da região do ABC paulista. 3.1 A metodologia survey O survey tem por objetivo a coleta de dados, por entrevista ou questionário projetados para esse fim, no entanto o pesquisador não intervém em nenhum momento, segundo Bryman (1989). Ele consegue um instantâneo das práticas e atitudes de um determinado grupo em um ponto no tempo. O survey é o método de coleta de dados mais utilizado e conhecido, sendo extensamente utilizado em diversos tipos de pesquisa. O termo quantitativo caracteriza bem esse método. Como pontos fortes essa metodologia apresenta uma visão abrangente do mercado, identificação de necessidades dos clientes, tendências e tem validade estatística. Como pontos fracos tem um alto custo e os aspectos específicos são desprezados em prol de informações de cunho agregado (CARVALHO, 2002). 3.2 Critérios para a escolha do laboratório prestador de serviços Foram definidos os seguintes critérios para a escolha do laboratório a ser estudado: - Ter os seus serviços de calibração de instrumentos credenciados pelo Inmetro. Esses laboratórios têm o sistema da qualidade implantado segundo a NBR ISO/IEC 17025/2001 o que confere uma maior credibilidade e confiabilidade nos serviços prestados e conseqüentemente, também, nos resultados deste trabalho; - Estar situado na região do ABC paulista. Essa é uma região que acolhe as principais montadoras do país, além de ser um forte polo industrial com muitas empresas fornecedoras dessas montadoras com o sistema da qualidade QS 9000 implantado e que invariavelmente se utilizam desses serviços de calibração. A escolha do laboratório, entre vários da região, foi feita usando o conceito de amostragem teórica ou intencional. Na amostragem intencional o critério básico para a seleção de unidades de estudo é a sua relevância teórica, ou seja, a sua contribuição para o desenvolvimento do assunto. 3.3 Perfil do laboratório selecionado O laboratório selecionado faz parte do Centro de Pesquisas do IPEI Instituto de Pesquisas e Estudos Industriais, ligado ao Centro Universitário da FEI, localizado em São Bernardo do Campo. Trata-se de um laboratório que foi fundado em 1975 e que em 1992 foi reconhecido pelo Inmetro, recebendo então o credenciamento para a prestação de serviços de calibração. Desde então faz parte da RBC Rede Brasileira de Calibração. Em 1997 o IPEI conseguiu a certificação do seu sistema da qualidade segundo as normas ISO 9000 e mais recentemente a NBR ISO 9001:2000. Ao longo de sua existência tem prestado inúmeros serviços para todas as montadoras da região e suas fornecedoras, além de outras empresas de vários segmentos da economia e locais do país, nas áreas de metrologia dimensional, elétrica, termometria, força e vidraria. Tem em seu quadro de funcionários algo em torno de 20 profissionais, entre engenheiros, técnicos de nível médio e pessoal administrativo. ENEGEP 2004 ABEPRO 1814

4 3.4 O instrumento de pesquisa O instrumento utilizado para se levantar os dados foi um questionário de pesquisa criado pelo próprio laboratório por ocasião da implantação do sistema da qualidade em seus serviços. Este questionário foi elaborado com base nos aspectos mais característicos da prestação de serviços de calibrações metrológicas, dentro de cada dimensão da qualidade. As dimensões da qualidade escolhidas para esse questionário de pesquisa, propostas por Zeithaml, Berry & Parasuraman (1990) e complementadas por Gianesi (1994) e Clutterbuck et al. (1994) foram adaptadas em aspectos relacionados com o tipo de serviço prestado pelo laboratório, conforme mostra o Quadro 3 a seguir: DIMENSÕES DA QUALIDADE ASPECTOS AVALIADOS Confiabilidade - Laboratório credenciado pelo Inmetro - Baixas incertezas de medição Tangibilidade - Instalações funcionais e c/ boa aparência Presteza - Prazo de entrega do orçamento - Prazo de entrega do serviço Garantia - Contratos de prestação de serviço de longo prazo - Possibilidade de presenciar o serviço Empatia - Serviço de busca e entrega do material (via moto-boy) - Serviço de gerenciamento das calibrações dos instrumentos do cliente - Atendimento prestado Preço - Preço do serviço compatível com o mercado - Pagamento facilitado Quadro 3 Relação das dimensões da qualidade consideradas para um laboratório prestador de serviços metrológicos Através do questionário solicita-se aos clientes a identificação do grau de satisfação com o serviço realizado em cada dimensão, além do grau de importância de cada aspecto. A identificação do grau de satisfação e de importância foi concebida objetivando levantar as percepções do cliente. No caso deste questionário, para a medição do grau de importância temos: 1 nada importante; 2 pouco importante; 3 importante e 4 muito importante. Já para o grau de satisfação consideramos: 1 ruim; 2 regular; 3 bom e 4 excelente. Este questionário, mostrado no Anexo 1, foi entregue aos clientes logo após a realização dos serviços e posteriormente devolvidos preenchidos, assinados e carimbados, ao laboratório, por fax ou correio. Neste trabalho foram coletadas e tabuladas as pesquisas realizadas com os clientes do laboratório ao longo de 10 meses (abril/2003 a fevereiro/2004), num total de 200 clientes pesquisados. 4. Análise dos resultados ENEGEP 2004 ABEPRO 1815

5 O Quadro 4 a seguir sintetiza o resultado da pesquisa realizada com os clientes do laboratório, mostrando a porcentagem de citações em cada aspecto: PESQUISA DE GRAU SATISFAÇÃO SATISFAÇÃO Os serviços técnicos prestados bem como os resultados destes serviços você classifica como: As nossas instalações você classifica como: Você classifica o nosso prazo de envio de orçamento como: Você classifica o nosso prazo de entrega do serviço como: Como você avalia o nosso atendimento de pós-venda: Como você avalia o seu atendimento quando da solicitação do serviço: O atendimento de suas expectativas, você o classifica: Como você classifica o nosso preço: 1% 6% 24% 69% - Lab. credenciado pelo Inmetro - Baixas incertezas de medição - 2% 16% 82% - Instalações funcionais e com boa aparência - 9% 50% 41% - Prazo entrega do orçamento 4% 8% 38% 50% - Prazo entrega do serviço 5% 11% 48% 36% - Contratos de prestação de serviços de longo prazo - Possibilidade de presenciar o serviço % 60% - Serviço de busca e entrega do material (via motoboy) 2% - 37% 61% - Serviço de gerenciamento das calibrações do cliente - Atendimento prestado 1% 25% 61% 13% - Preço do serviço compatível com o mercado - Pagamento facilitado AVALIAÇÃO DA GRAU IMPORTÂNCIA IMPORTÂNCIA % 95% - 22% 31% 47% 26% 33% 21% 20% - 2% 34% 64% - - 2% 98% 18% 29% 31% 22% 19% 28% 33% 20% % 78% 9% 7% 23% 61% - - 2% 98% - - 7% 93% - 6% 33% 61% Quadro 4 Síntese dos percentuais de indicação dos clientes nos aspectos relacionados às seis dimensões da qualidade consideradas Analisando-se as respostas dos clientes pesquisados, observa-se que os aspectos relacionados às dimensões de presteza, preço e confiabilidade tendem a ser considerados como muito importantes. O credenciamento do laboratório pelo Inmetro e o prazo de entrega do serviço foram os aspectos mais citados como de maior importância. Essa importância é coerente com esse tipo ENEGEP 2004 ABEPRO 1816

6 de prestação de serviço, onde a confiabilidade e o período em que os instrumentos ficam fora da empresa são determinantes para a compra do serviço. Por outro lado, os aspectos relacionados à dimensão de garantia tendem a ser considerados apenas como importantes e aqueles relacionados à dimensão dos tangíveis como pouco importantes. A dimensão da empatia, embora tivesse recebido uma boa cotação, entende-se que esse resultado surge muito mais como um sentimento daquilo que os clientes esperam receber, do que um fator determinante para a compra desse tipo de serviço. O laboratório pesquisado monitora constantemente os resultados da pesquisa de satisfação de seus clientes, através do cálculo de índices de desempenho que são levados às reuniões semestrais de análise crítica de seu sistema da qualidade. Esses índices de desempenho são relativos à pontualidade na entrega dos serviços, capacitação tecnológica de seu corpo técnico, atualização tecnológica de seus equipamentos de calibração, índice de ocorrências de não-conformidades e o índice de satisfação dos clientes. Como podemos notar, os três primeiros índices estão relacionados às dimensões de presteza e confiabilidade e que são considerados como muito importantes pelos usuários dos serviços; o que demonstra a seriedade e disposição com que o Instituto trata a satisfação de seus clientes. Esses resultados são analisados pelo Comitê da Qualidade e daí são tomadas ações de melhoria contínua, além do estabelecimento de metas de desempenho para o próximo semestre. 5. Conclusões Das informações obtidas durante esse trabalho de pesquisa, foi possível chegar às seguintes conclusões: - As dimensões da qualidade relativas à confiabilidade, presteza e preço são dimensões consideradas muito importantes pelos clientes e que efetivamente determinam a contratação dos serviços de calibração em instrumentos; - O credenciamento pelo Inmetro está cada vez mais deixando de ser um diferencial na prestação de serviços nessa área e passando a ser uma necessidade para os laboratórios conquistarem e manterem os seus clientes; - Com relação às incertezas de medição: surpreendentemente esse quesito não se revelou de muita importância para a maioria dos clientes pesquisados. Dessa forma isso nos leva a considerar uma hipótese de que as empresas não conhecem ou ainda não sabem avaliar os efeitos positivos que uma calibração realizada com reduzidas incertezas de medição pode proporcionar nas avaliações metrológicas posteriores; - Um outro aspecto de muita importância que esse trabalho revelou foi na dimensão da presteza. A questão do tempo em que os instrumentos ficam fora da empresa é, para muitos clientes, um fator que pode determinar ou não a compra do serviço. São cada vez maiores as exigências que os clientes de calibração fazem nesse sentido, chegando a casos onde há uma programação antecipada das calibrações para que os instrumentos não fiquem muito tempo fora das empresas; - A dimensão preço, sempre presente em qualquer decisão de compra, apresenta-se de forma cada vez mais decisiva. Os preços dos serviços de calibração caíram muito nos últimos anos, tanto por efeito da concorrência como pelo aumento da periodicidade com que as empresas estabelecem a calibração dos seus padrões e instrumentos. Hoje em dia ter preços competitivos, aliado a algumas facilidades, é fundamental para a sustentação ENEGEP 2004 ABEPRO 1817

7 dos laboratórios. Em alguns casos não vale mais o conceito de se cobrar um preço maior pelo fato de se ter um padrão de elevada exatidão para a realização dos serviços; - A dimensão da qualidade relativa à tangibilidade é considerada de pouca importância nesse tipo de prestação de serviços; - Muito embora a dimensão da empatia, por si só, não seja determinante para a compra de um serviço, alguns aspectos relacionados a ela, como o atendimento prestado e os serviços gratuitos de transporte dos instrumentos e de seu gerenciamento, são pontos que impactam na avaliação positiva do laboratório prestador de serviço e que por esse motivo não podem ser deixados de lado. O tratamento que o laboratório dispensa a essas dimensões da qualidade, vitais para o cliente comprar o serviço, são decididas nas reuniões de análise crítica do sistema da qualidade e leva em conta o nível de satisfação de seus clientes. Podemos relacionar, entre outras, as seguintes ações tomadas: - busca constante por credenciamento de novos serviços, pelo Inmetro; - pesquisas de novas metodologias de medição com conseqüente aquisição de novos padrões; - treinamento técnico de seus profissionais; - estabelecimento de contratos de calibração de longo prazo com seus clientes; - pesquisa de preços de mercado, junto a seus principais concorrentes. Uma outra decorrência dos resultados de pesquisa junto aos seus clientes permitiu ao Instituto criar índices de desempenho, baseados na voz dos clientes e conseqüentemente voltados à satisfação dos mesmos. Esses índices são: de pontualidade, de atualização tecnológica, de treinamento dos técnicos, de não conformidades e de satisfação dos clientes. Referências ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas (2000). Sistema de Gestão da Qualidade Requisitos. NBR ISO Rio de Janeiro. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas (2001). Requisitos gerais para a competência de laboratórios de ensaio e calibração. NBR ISO/IEC Rio de Janeiro. BRYMAN, A. (1989) Research methods and Organization studies. Unwin Hyman. London. CARVALHO, M. M. (2002) Selecionando Projetos Seis Sigma in Seis Sigma. Coordenado por Rotondaro, R. G. Atlas. São Paulo. CLUTTERBUCK, D.; CLARK, G. & ARMISTEAD, C. (1994) Serviço inspirado no cliente: estratégias para qualidade do serviço. IMAM. São Paulo. GIANESI, I. & CORRÊA, H. (1994) Administração estratégica de serviços: operações para a satisfação do cliente. Atlas. São Paulo. INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (2000). VIM Vocabulário Internacional de termos fundamentais e gerais de Metrologia. 2 a ed. Brasília. ISO International Organization for Standardization (1995). Requisitos do sistema da qualidade. QS São Paulo. SARDENBERG, R. (2001) Programa Tecnologia Industrial Básica e Serviços Tecnológicos para a Inovação e Competitividade. Coordenação de Política Tecnológica Industrial. Ministério da Ciência e Tecnologia. Brasília. ZEITHAML, V.A.; PARASURAMAN, A. & BERRY, L.L. (1990) Delivering service quality: balancing customer perceptions and expectations. Free Press. New York. ENEGEP 2004 ABEPRO 1818

8 ANEXO 1 INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS INDUSTRIAIS - IPEI QUESTIONÁRIO DE PESQUISA Prezado Cliente e Usuário. Suas críticas e sugestões constituem insumos essenciais para o aprimoramento contínuo dos serviços prestados pelo IPEI. E é com este propósito, o de atingirmos a excelência de nossos serviços e a satisfação total de nossos clientes, que solicitamos preencher e devolver o questionário abaixo. Cliente/Empresa:... Pessoa de contato:... Departamento:... Serviço(s) executado(s):... Data:.../.../... PESQUISA DE SATISFAÇÃO 1) Os serviços técnicos prestados e os resultados dos mesmos você classifica como: 2) As nossas instalações você classifica como: 3) Você classifica o nosso prazo de envio de orçamento como: 4) Você classifica o nosso prazo de entrega do serviço como: 5) Como você avalia o nosso atendimento de pós-venda: 6) Como você avalia o seu atendimento quando da solicitação do serviço: 7) O atendimento de suas expectativas, você o classifica: 8) Como você classifica o nosso preço: Excel ente Bom Regu lar Ruim Assinale:1- Nada importante; 2- Pouco importante; 3- Importante; 4- Muito importante PESQUISA DE GRAU DE IMPORTÂNCIA Laboratório credenciado pelo Inmetro Baixas incertezas de medição Instalações funcionais e com boa aparência Prazo de entrega do orçamento Prazo de entrega do serviço Contratos de prestação de serviços de médio/longo prazo Possibilidade de presenciar o serviço Serviço de busca e entrega do material (via motoboy ou representante) Serviço de gerenciamento das calibrações do cliente Atendimento prestado Preço do serviço compatível com o mercado Pagamento facilitado Faça aqui as observações e críticas que julgar necessárias Carimbo da empresa/cliente e assinatura: ENEGEP 2004 ABEPRO 1819

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Materiais de Referência no Brasil Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2008. Renata Martins Horta Borges. Divisão de Acreditação de

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Lívia Gebara Muraro Serrate Cordeiro Bolsista PCI/DTI, M.Sc. Maria Alice

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é Identificação de problemas em seu sistema da gestão A melhoria contínua deve ser vista como uma atividade constante que tem como objetivos aumentar o envolvimento de todos da equipe, o aperfeiçoamento

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Marta Brandão Tozzi Bolsista, Química Industrial, M. Sc. Maria Alice Goes Orientadora, Engenheira Metalúrgica, D. Sc. Resumo O CETEM é acreditado

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Embora a condução de análise crítica pela direção

Embora a condução de análise crítica pela direção A análise crítica pela direção como uma ferramenta para a melhoria de desempenho A análise crítica pela direção é um requisito obrigatório para as organizações certificadas pela norma NBR ISO 9001 e para

Leia mais

Sistemas Premissas Básicas

Sistemas Premissas Básicas Sistemas Premissas Básicas Todo o sistema tem um OBJETIVO Geralmente, o objetivo de um sistema é transformar os insumos em produtos Todo o sistema é formado por um ou mais elementos, ou componentes, das

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

PALESTRA. Aplicação da Norma IEEE 829 como Mecanismo de Gerência do Processo de Teste de Produtos de Software. CenPRA

PALESTRA. Aplicação da Norma IEEE 829 como Mecanismo de Gerência do Processo de Teste de Produtos de Software. CenPRA PALESTRA Aplicação da Norma IEEE 829 como Mecanismo de Gerência do Processo de Teste de Produtos de Software Centro de Pesquisas Renato Archer Laboratório de Qualidade de Processos de Software - LQPS www.cenpra.gov.br

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Evandro Eduardo Seron Ruiz Departamento de Física F e Matemática tica Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA O DESAFIO: A qualidade dos produtos finais e serviços prestados, é requisito mínimo nos dias de hoje para as organizações que desejam estar à frente. O mercado encontra-se cada

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles.

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto SGQ SGQ Sistema de Gestão da Qualidade Sistema (Definição do dicionário Michaelis) 1- Conjunto de princípios

Leia mais

Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos

Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos Departamento de Matemática Aplicada Biblioteca Luiza Baptista Melo lbmelo@fc.up.pt I Jornadas GABUP Reitoria da

Leia mais

Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto

Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Eng. e Gestão do Conhecimento Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto Rafael Tezza Introdução Clientes de e-commerce

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Normas Série ISO 9000

Normas Série ISO 9000 Normas Série ISO 9000 Ana Lucia S. Barbosa/UFRRJ Adaptado de Tony Tanaka Conteúdo Conceitos principais A série ISO9000:2000 ISO9000:2000 Sumário Princípios de Gestão da Qualidade ISO9001 - Requisitos Modelo

Leia mais

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF Qualidade na Saúde Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF De acordo com o Dicionário Aurélio, QUALIDADE consiste na: * Maneira de ser, boa

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA.

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. Elton Dias Paz Aluno de administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Elton.paz@fibria.com.br

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

1. Relativos à imagem do INMETRO referentes ao seu reconhecimento e confiabilidade junto à população brasileira:

1. Relativos à imagem do INMETRO referentes ao seu reconhecimento e confiabilidade junto à população brasileira: TERMO ADITIVO AO CONTRATO DE GESTÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC E O INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO.

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Joselino Lacerda - Gerente de Qualidade Acumuladores Moura PRESENÇA Marca líder na América do Sul 6 plantas industriais Mais de 70 centros de

Leia mais

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA

Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Capítulo 4: Diagnóstico do Sistema Normativo do SISMETRA Caracterizado no Capítulo 3, à luz da prática internacional de normalização, o sistema normativo do SISMETRA foi objeto de criteriosa análise de

Leia mais

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020?

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? O que buscar quando há uma necessidade 3 Como ter confiança em um Organismo 4 Como a acreditação do organismo de inspeção

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015

II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015 II INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife 12 de Agosto de 2015 A estratégia do trabalho em rede para o fortalecimento da metrologia industrial no Estado de São Paulo Celso Scaranello Rede

Leia mais

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 Profissional com SELO DE QUALIDADE Certificar os conhecimentos e as habilidades do trabalhador em sua área de atuação torna-se uma receita para garantir a competitividade

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA

ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA ANÁLISE DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE CALIBRAÇÃO EM LABORATÓRIOS DE METROLOGIA Eduardo Abreu da Silva Universidade Estadual do Norte Fluminense LEPROD/CCT/UENF Av. Alberto Lamego, 2000, Campos dos Goytacazes-RJ,

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO Heitor Vitor Chaves Galindo (UFPE) heitorgalindo@hotmail.com Renata Maciel de Melo

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Auditoria de organizações prestadoras de serviços

Auditoria de organizações prestadoras de serviços QSP Informe Reservado Nº 63 Outubro/2006 Auditoria de organizações prestadoras de serviços Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório

Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório Para obter a acreditação o laboratório deve implementar um sistema de gestão da qualidade com especial atenção para os aspectos da

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 14 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO Luciane de Oliveira Cunha (ITA) lucianeoc@yahoo.com.br João Murta Alves (ITA) murta@ita.br

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais