Risco de Escotomas Futuros na Perimetria Clássica Baseado no FDT Matrix

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Risco de Escotomas Futuros na Perimetria Clássica Baseado no FDT Matrix"

Transcrição

1 Oftalmologia - Vol. 35: pp Artigo Original Risco de Escotomas Futuros na Perimetria Clássica Baseado no FDT Matrix Mário Ornelas 1, Mª Inês Rodrigues 1, Cláudia Loureiro 1, Paula Sens 2, Cláudia Gonçalves 2, António Figueiredo 3, Manuel Monteiro Grillo 4 1 Interno do Internato Complementar de Oftalmologia do HSM 2 Assistente Hospitalar de Oftalmologia do HSM 3 Assistente Hospitalar Graduado de Oftalmologia do HSM 4 Director do Serviço de Oftalmologia do HSM Clínica Universitária de Oftalmologia Hospital de Santa Maria, EPE Director: Prof. Doutor M. Monteiro Grillo RESUMO Objectivo: Determinar a capacidade da perimetria de dupla frequência de segunda geração (FDT-Matrix) de prever o aparecimento de novas alterações na perimetria estática convencional no Humphrey Field Analyser (HFA). Determinar se o risco de aparecimento de novas alterações é mais significativo em determinados sectores. Métodos: 23 olhos de 15 doentes foram avaliados em 2007, tendo realizado perimetria FDT- -Matrix e perimetria HFA, sendo que este último exame foi repetido em No exame HFA realizado em 2007 foram analisados 66 pontos de cada campo visual de modo a serem classificados como normal, escotoma suspeito e escotoma. Estes pontos foram ainda distribuídos conforme o seu resultado no FDT-Matrix realizado em Os pontos considerados normais no exame HFA foram comparados com o exame realizado em 2010 de modo a ser calculado o risco relativo (RR) de alterações no FDT-Matrix para desenvolvimento de escotoma no HFA após 3 anos. Resultados: Enquanto 12.5% dos pontos com FDT inicial alterado e HFA normal se tornaram em escotoma no HFA final, o mesmo aconteceu a apenas 4% dos pontos classificados inicialmente como normais nos 2 exames. Estes resultados correspondem a um risco relativo de escotoma ao fim de 3 anos de 1.95 (IC ; p = ). Os resultados foram mais significativos quando analisados por sectores. Conclusão: O aparecimento de alterações no FDT-Matrix, ainda não presentes na perimetria convencional apresenta um elevado risco para o desenvolvimento de escotomas futuros neste exame. Palavras chave FDT-Matrix, perimetria de dupla frequência, campos visuais, progressão ABSTRACT Purposes: To determine second generation frequency-doubling perimetry s (FDT-Matrix) ability to predict new findings in conventional automated static perimetry with Humphrey Field Analyser (HFA). To evaluate if the risk of new findings is more relevant in certain sectors. Vol Nº 4 - Outubro-Dezembro

2 Mário Ornelas, Mª Inês Rodrigues, Cláudia Loureiro, Paula Sens, Cláudia Gonçalves, António Figueiredo, Manuel Monteiro Grillo Methods: 23 eyes of 15 patients were examined in 2007; FDT-Matrix and HFA perimetries were performed. The last exam was repeated in In 2007 s HFA exam, 66 points of each visual field were analyzed and graded as normal, suspect scotoma and scotoma. These points were distributed considering FDT-Matrix results of The points considered normal in the HFA exam were compared to the exam of 2010 so the relative risk (RR) of FDT-Matrix findings for scotoma progression after 3 years was established. Results: 12,5% of points with altered initial FDT and normal HFA exam resulted in scotoma in the final HFA exam; the same happened in 4% of the points initially graded as normal in the 2 exams. These results imply a relative risk after 3 years of 1.95 (IC ; p = ). The results had higher significance if analyzed in sectors. Conclusion: FDT-Matrix findings, not evident in conventional perimetry, imply a high risk of scotomas progression. Key-words FDT-Matrix, frequency-doubling perimetry, visual fields, progression. INTRODUÇÃO O glaucoma é uma doença crónica que causa lesão progressiva do nervo óptico, com consequente perda de campo visual. O método funcional gold standard na avaliação da perda de campo visual é a perimetria estática computorizada 1 que permite a quantificação da sensibilidade retiniana em diversos pontos do campo visual. No entanto, este método só detecta alterações do campo visual quando já ocorreu perda de 30 a 50% de células ganglionares da retina 2. De referir ainda que a perimetria convencional apresenta uma elevada flutuação de teste para teste, a qual é tanto maior quanto maior for a perda campimétrica global e mais afastado do ponto de fixação estiver o defeito campimétrico 3, dificultando deste modo a diferenciação entre progressão e variação entre exames. A perimetria de Frequência Duplicada (FDT), utilizada desde , baseia-se na ilusão criada por um estímulo de baixa frequência espacial e de alta frequência temporal descrito inicialmente por Kelly 5. Com este método a flutuação de teste para teste não aumenta com a profundidade do defeito ou com a sua excentricidade 6 e existem vários trabalhos que mostram a sua elevada sensibilidade e especificidade na detecção de lesão glaucomatosa 4,7-10, tornando-o assim um excelente método de rastreio. No entanto, no que diz respeito à capacidade deste método perimético detectar precocemente alterações campimétricas, em relação à perimetria convencional, existem poucos trabalhos publicados 11-15, todos eles com o primeiro perímetro FDT disponível. Em comparação com a versão incial do perímetro FDT, o FDT-Matrix, disponível desde 2003, tem como principal diferença em relação ao seu antecessor a ultilização de um estímulo de menor dimensões (um quadrado de 5 x5, ao invés de 10 x10 ). Este estímulo de menor tamanho aumenta a sensibilidade para defeitos de pequenas dimensões e permite ainda uma distribuição espacial dos estímulos de forma semelhante à perimetria convencional (6 de espaçamento entre cada ponto) 16. Surgiram já alguns trabalhos que comparam os dois modelos de perimetria FDT, tendo concluído que a capacidade diagnóstica do FDT-Matrix é semelhante à do seu antecessor. Este estudo tem como objectivo determinar se a existência de uma alteração no exame FDT-Matrix num ponto normal no exame HFA aumenta o risco de desenvolvimento de escotoma nesse preciso ponto. Pretende-se ainda determinar se o risco de desenvolvimento de escotomas em pontos com alterações no FDT-Matrix é mais significativo de acordo com a sua localização. MATERIAL E MÉTODOS Foram incluídos neste estudo 15 doentes (9 do sexo feminino) seguidos no departamento de glaucoma do nosso Hospital com o diagnóstico de glaucoma primário de ângulo aberto ou hipertensão ocular. Considerámos como critérios de inclusão a acuidade visual superior a 5/10, a realização prévia de pelo menos duas perimetrias estáticas computorizadas, percentagem de 336 Revista da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia

3 Risco de Escotomas Futuros na Perimetria Clássica Baseado no FDT Matrix falsos positivos e falsos negativos inferior a 33% e idade entre os 40 e os 85 anos. Os critérios de exclusão foram: qualquer outra doença ocular ou sistémica que possa afectar o campo visual, erro refractivo superior a 6D de esfera e/ou 2D de cilindro, perda grave do campo visual (> 15dB), cirurgia de catarata durante os 3 anos do estudo. O FDT-Matrix foi realizado com o perímetro de frequência duplicada (Carl Zeiss Meditec). Foi utilizado o programa 30-2 teste limiar que testa 69 pontos nos 30 graus centrais. A perimetria convencional foi realizada com o Humphrey Field Analyser (Carl Zeiss Meditec). Foi utilizado o programa 30-2 teste limiar que testa 74 pontos nos 30 graus centrais. Os exames foram realizados com a correcção óptica adequada. Para comparação dos 2 exames, foram exluídos 3 pontos no exame FDT-Matrix (ponto central e pontos próximos à mancha cega), bem como 8 pontos no exame HFA que não têm representação no FDT-Matrix. Foram então analisados 66 pontos em cada exame (Figuras 1 e 2). A classificação de cada um dos 66 pontos foi baseada no mapa de probabilidade do desvio padrão. No FDT-Matrix os pontos foram classificados em normais (se p>1%) e alterados (se p<1%). No HFA os pontos foram classificados como normais (se p>5%), escotoma suspeito (se 5%>p>1%) e escotoma (se p>1%). Os pontos classificados como normais no HFA realizado em 2007 foram então comparados com os respectivos pontos no HFA realizado em 2010, determinando assim quais os pontos que se transformaram em escotoma ao fim de 3 anos. Além da análise global, foi realizada também uma análise por sectores. Para isso, os 66 pontos em análise fora divididos em 3 sectores: sector central (correspondente aos 12 graus centrais) e sectores superior e inferior (correspondentes aos respectivos hemicampos). A análise estatística foi realizada através do cálculo do risco relativo e do teste de Fischer (software EpiInfo 3.5.3) RESULTADOS Este estudo incluiu 23 olhos de 15 doentes com idade média de 69 anos (DP 10.4). Na Tabela 1 encontram-se o resumo dos índices perimétricos da população em estudo. Nos exames FDT-Matrix e HFA realizados em 2007 foram analisados um total de 1518 pontos correspondentes a 23 olhos de 15 doentes incluídos no estudo (Tabela 2). Uma vez que o intuito da comparação dos exames realizados em 2007 com o HFA realizado em 2010 era avaliar a capacidade das alterações no FDT-Matrix predizerem escotomas que se vão desenvolver futuramente no HFA, na comparação com o exame HFA realizado em 2010 foram Fig. 1 e 2 X pontos excluídos; S Sector superior;i Sector Inferior; C Sector Central. Vol Nº 4 - Outubro-Dezembro

4 Mário Ornelas, Mª Inês Rodrigues, Cláudia Loureiro, Paula Sens, Cláudia Gonçalves, António Figueiredo, Manuel Monteiro Grillo Tabela 1 Índices perimétricos da população em estudo HFA 2007 HFA 2010 FDT 2007 Média DM (DP) (3.19) (3.13) (4.06) Média PSD (DP) 3.74 (3.34) 3.36 (3.06) 4.51 (2.06) Tabela 2 Índices perimétricos da população em estudo FDT Normal (p>1%) Alterado (p<1%) TOTAL Normal (p>5%) HFA Suspeito (5%>p>1%) Escotoma (p<1%) TOTAL utilizados apenas os pontos que tinham HFA normal em 2007 (1213 pontos). Destes, 1125 tinham em 2007 o FDT- -Matrix normal e 88 apresentavam alterações neste exame. Em 1125 pontos que tinham exames FDT-Matrix e HFA normais à partida, o aparecimento de um escotoma verificou-se em 46 pontos (4.08%). No que diz respeito aos 88 pontos que em 2007 tinham um exame FDT alterado com o exame HFA normal, 11 desses pontos (12.5%) passaram a apresentar um escotoma. Estes resultados conferem um risco relativo para o aparecimento de escotoma no caso do FDT--Matrix estar alterado de 1.95 (IC 95%: , p= ). Os resultados tornam-se mais significativos na análise por sectores. No sector superior apenas 1.49% dos 404 pontos com resultados normais nos exames realizados em 2007 desenvolveram escotoma em Por seu lado, 12.12% Gráf. 1 Distribuição dos resultados da análise aos pontos no exame HFA realizado em Foram analisados apenas os pontos considerados normais no exame HFA 2007 e distribuídos conforme a sua classificação no exame FDT 2007 como alterados ou normais. dos pontos deste sector que estavam alterados no FDT-Matrix realizado em 2007 desenvolveram escotoma. No que diz respeito ao sector inferior desenvolveram-se escotomas em 2.03% dos pontos com FDT-Matrix normal e em 10% dos pontos com FDT-Matrix alterado. Assim sendo, o risco relativo para o desenvolvimento de escotoma num ponto com FDT-Matrix alterado nos sectores superior e inferior, é de 7.39 (IC 95%: ; p < 0.01) e de 4.58 (IC 95%: ; p<0.05) respectivamente. No que diz respeito ao sector central os resultados não foram estatisticamente significativos. DISCUSSÃO Desde a sua introdução na prática oftalmológica a perimetria FDT tem sido objecto de vários estudos. Isto deve- -se ao facto da resposta ao estímulo utilizado neste método perimétrico ser mediada por um subgrupo de células ganglionares da retina (CGR) diferentes da perimetria convencional, a via magnocelular 20. Trata-se de uma via composta pos células ganglionares de maiores dimensões, mais propensas à lesão glaucomatosa precoce Embora inicialmente se tenha pensado que esta resposta era mediada por um sub-grupo da via magnocelular as células My 24 - mais recentemente, White et al e Anderson et al 25,26 verificaram que o estímulo FDT activa a via magnocelular em geral. O facto da via magnocelular constituir apenas cerca de 10% do total das CGR 27 reduz marcadamente a redundância do sistema de recepção dos estímulos retinianos, reduzindo consequentemente a flutuação entre testes referida 338 Revista da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia

5 Risco de Escotomas Futuros na Perimetria Clássica Baseado no FDT Matrix Gráf. 2 e 3 Distribuição dos resultados da análise aos pontos no exame HFA realizado em 2010 de acordo com a sua localização. previamente. Deste modo, é de esperar que a perimetria FDT possa permitir detectar e localizar precocemente as alterações do campo visual. Bayer e Erb 11, demostraram que o perímetro FDT de primeira geração detecta alterações campimétricas progressivas 12 a 24 meses antes da perimetria convencional em doentes com diagnóstico de glaucoma estabelecido. Medeiros et al 13 demonstrou também, que em doentes sem alterações campimétricas à partida, as alterações detectadas com o mesmo perímetro são capazes de prever alterações campimétricas na perimetria convencional. No que diz respeito ao FDT-Matrix, Brusini et al 28 concluiu no seu estudo que este perímetro tem maior sensibilidade que a perimetria convencional na detecção precoce de alterações campimétricas. Apesar dos trabalhos supra-citados se referirem à detecção precoce de alterações campimétricas através do método FDT, apenas Kogure 15, teve a preocupação de relacionar não só a progressão dos defeitos campimétricos entre os exames FDT e perimetria convencional a longo prazo, bem como a localização dos mesmos. A sua tarefa foi dificultada uma vez que utilizou o perímetro FDT de primeira geração que testa apenas 17 ou 19 pontos nos 20 centrais que não têm correspondência directa com a perimetria convencional. Assim sendo, embora no exame FDT-Matrix 2007 tenham sido detectados mais pontos alterados do que no exame HFA, seria também de esperar que o desvio médio no exame FDT-Matrix fosse superior ao do HFA, o que não se verificou. Existem, no entanto, 4 factos que podem justificar este achado: (a) embora os resultados do FDT-Matrix sejam fornecidos em decibeis ajustados aos valores resultantes das perimetria estática convencional, a tecnologia FDT testa propriedades físicas diferentes das perimetria convencional, (b) as respostas aos estímulos dos dois perímetros são mediadas por diferentes grupos celulares, (c) a perimetria convencional, como já foi referido, apresenta uma maior flutuação, podendo então tratar-se de falsos positivos e (d) o FDT-Matrix utiliza um estímulo de maiores dimensões. No que diz respeito à análise do RR para o aparecimento de escotomas ao fim de 3 anos em pontos com FDT-Matrix alterado e HFA normal, o resultado foi mais relevante e estatisticamente significativo (p<0.05) nos sectores superiores e inferiores, correspondendo aos locais mais frequentemente lesados na doença glaucomatosa 29, não sendo valorizáveis as alterações existentes no FDT-Matrix nos 12º centrais. Tal como já foi referido, a perimetria convencional apresenta uma flutuação marcada, o que juntamente com o tamanho da amostra, constitui uma limitação do nosso trabalho, dado que o aparecimento de alterações no HFA realizado em 2010 que serviu de base para o cálculo do risco relativo, não foi foi comprovado com a repetição dos campos visuais. Em conclusão, e apesar das condicionantes referidas, é inequívoco que o aparecimento de alterações campimétricas no FDT-Matrix representa um elevado risco para o desenvolvimento de escotomas na perimetria convencional. BIBLIOGRAFIA 1. Beck RW, Bergstrom TJ, Lichter PR. A clinical comparision of visual field testing with a new automated perimeter, the humphrey field analyser and the goldman perimeter. Ophthalmology 1985; Quingley HA, Addicks EM, Green WR. Optic nerve damage in human glaucoma. III. Quantitative correlation of nerve fiber loss and visual field defect in glaucoma, ischemic neuropathy, papilledema, and toxic neuropathy. Arch Ophthalmol 1982; 100: Heijl A, Lindgren A, Lindgren G. Test-retest variability in glaucomatous visual fields. Am J Ophthlamol 1989; 108 (2): Vol Nº 4 - Outubro-Dezembro

6 Mário Ornelas, Mª Inês Rodrigues, Cláudia Loureiro, Paula Sens, Cláudia Gonçalves, António Figueiredo, Manuel Monteiro Grillo 4. Johnson CA, Samuels SJ; Screening for glaucomatous visual field loss with frequency-doubling perimetry. Invest Ophthalmol Vis Sci 1997; 38: Kelly DH. Frequency doubling in visual responses. J Opt Soc Am 1966; 56: Chauhan BC, Johnson CA. Test-retest variability of frequency-doubling perimetry and conventional perimetry in glaucoma patients and normal subjects. Invest Ophthalmol Vis Sci 1999; 40: Cello KE, Nelson-Quigg JM, Johnson CA. Frequency doubling technology perimetry for detection of glaucomatous visual field loss. Am J Ophthalmol 2000; 129: Patel SC, Friedman DS Varadkar P, Robin AL. Algorithm for interpreting the results of frequency doubling perimetry. Am J Ophthalmol 2000; 129: Burnstein T, Ellish NJ, Magbalon M, Higginbotham EJ. Comparision of frequency doubling perimetry with Humphrey visual field analysis in a glaucoma practice. Am J Ophthalmol 2000; 129: Thomas R, Bhat S, Muliyil JP, Parikh R, George R. Frequency doubling perimetry in glaucoma. Journal of Glaucoma 2002;11 (1): Bayer AU, Erb C. Short wavelenght automated perimetry, frequency doubling technology perimetry, and pattern electroretinography for prediction of progressive glaucomatous standard visual field defects. Ophthalmology 2002; 109: Landers JA, Goldberg I, Graham SL. Detection of early visual field lloss in glaucoma using frequency doubling perimetry and short-wavelenght automated perimetry. Arch Ophthalmol 2003; 121: Medeiros FA, Sample PA, Weinreb RN. Frequency doubling technology perimetry abnormalities as predictors of glaucomatous visual field loss. Am J Ophthalmol 2004; 137: Haymes SA, Hutchison DM, McCormick TA, Varma DK, Nicolela MT, LeBlanc RP, et al. Glaucomatous visual field progression with frequency-doubling technology and standard automated perimetry in a longitudinal prospective study. 15. Kogure S, Toda Y, Tsukahara S. Prediction of future scotoma on conventional automated static perimetry using frequency doubling technology perimetry. Br J Ophthalmol 2006; 90: Anderson AJ, Johnson CA, Fingeret M, Keltner JL, Spry PGD, Wall M, et al. Characteristics of the normative database for the Humphrey matrix perimeter. Invest Ophthalmol Vis Sci 2005; 46: Racette L, Medeiros FA, Zangwill LM, Ng D, Weinreb RN, Sample PA. Diagnostic accuracy of the Matrix 24-2 and original N-30 frequency-doubling technology tests compared with standard automated perimetry. Invet Ophthalmol Vis Sci 2009; 48: Spry PGD, Hussin HM, Sparrow JM. Clinical evaluation of trequency doubling technology perimetry using the Humphrey matrix 24-2 threshold strategy. Br J Ophthalmol 2005; 89: Leeprechanon N, Giangiacomo A, Fontana H, Hoffman D, Caprioli J. Frequency doubling perimetry: comparision with standard automated perimetry to detect glaucoma. Am J Ophthalmol 2007; 143: Kelly DH. Nonlinear visual responses to flickering sinusoidal gratings. J Opt Soc Am 1981; 71: Quigley HA, Sanchez RM, Dunkelberger GR, L Hernault NL, Baginski TA, Chronic glaucoma selectively damages large optic nerve fibers. Invest Ophthalmol Vis Sci 1987; 28: Quigley HA, Dunkelberger GR, Green WR. Retinal ganglion cell atrophy correlated with automated perimetry in human eyes with glaucoma. Am J Ophthalmol 1989;107: Glovinsky Y, Quigley HA, Dunkelberger GR. Retinal ganglion cell loss is size dependent in experimental glaucoma. Invest Ophthalmol Vis Sci 1991; 32: Madess T, Henry GH. Performance of nonlinear visual units in ocular hypertension glaucoma. Clin Vision Sci 1992; 7: White AJ, Sun H, Swanson WH, Lee BB, An examination of physiological mechanisms underlying the frequency-doubling illusion. Invest Ophthalmol Vis Sci 2002; 43: Anderson AJ, Johnson CA. Mechanisms isolated by frequency-doubling technology perimetry. Invest Ophthalmol Vis Sci 200;43: Perry VH, Oehler R, Cowey A. Retinal ganglion cells that project to the dorsal lateral geniculate nucleus in the macaque monkey. Neuroscience 1984; 12: Brusini P, Salvetat ML, Zeppieri M, Parisi L. Frequency doubling technology perimetry with the humphrey matrix 30-2 test. J Glaucoma 2006; 15: Iester M, Mikelberg FS. Optic nerve head morphologic characteristics in high-tension and normal-tension glaucoma. Arch Ophthalmol 1999; 110; Revista da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia

Utilização da tecnologia de freqüência duplicada em pacientes submetidos a "laser assisted in situ keratomileusis" (LASIK): Análise de custo-benefício

Utilização da tecnologia de freqüência duplicada em pacientes submetidos a laser assisted in situ keratomileusis (LASIK): Análise de custo-benefício Utilização da tecnologia de freqüência duplicada em pacientes submetidos a "laser assisted in situ keratomileusis" (LASIK): Análise de custo-benefício Frequency doubling technology in patients submitted

Leia mais

Location and frequency of visual field defects as measured by SITA (Swedish Interactive Threshold Algorithm) strategy in primary open angle glaucoma

Location and frequency of visual field defects as measured by SITA (Swedish Interactive Threshold Algorithm) strategy in primary open angle glaucoma Localização e freqüência das alterações de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto na estratégia SITA Location and frequency of visual field defects as measured by SITA (Swedish Interactive

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema em JAVA para Perímetros Computadorizados

Desenvolvimento de um Sistema em JAVA para Perímetros Computadorizados Desenvolvimento de um Sistema em JAVA para Perímetros Computadorizados Alfredo Chaoubah 1, Ana Paula Sobral 1, Jane Azevedo da Silva 1, Jacqueline Furtado Vital 1, Luiz Guilherme Pais dos Santos 1, Luiz

Leia mais

GLAUCOMA PRIMÁRIO DE ÂNGULO ABERTO (GPAA)

GLAUCOMA PRIMÁRIO DE ÂNGULO ABERTO (GPAA) Prof. F. Falcão dos Reis 2006 DEFINIÇÃO Um suspeito de glaucoma é um indivíduo com achados físicos e/ou uma constelação de factores de risco que indicam uma probabilidade elevada de desenvolver Glaucoma

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário de evidências e recomendações para o uso de tomografia de coerência óptica em pacientes com glaucoma Porto Alegre,

Leia mais

Análise da Repercussão de uma Sessão Educativa sobre o Glaucoma no Conhecimento da Doença

Análise da Repercussão de uma Sessão Educativa sobre o Glaucoma no Conhecimento da Doença Oftalmologia - Vol. 33: pp. 301-306 Análise da Repercussão de uma Sessão Educativa sobre o Glaucoma no Conhecimento da Doença Amaral, A. 1, Leitão P. 1, Pinto, L. 1, Ferreira, A. S. 1, Silva, J. P. 2,

Leia mais

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA

GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA GLAUCOMA APÓS CIRURGIA DE CATARATA CONGÉNITA Catarina Pedrosa, Inês Coutinho, Cristina Santos, Mário Ramalho, Susana Pina, Isabel Prieto Estágio de Glaucoma Dr. Esperancinha, Dr. Fernando Vaz, Dr. Paulo

Leia mais

Dr. Marcelo Palis Ventura. Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi. Volume 1. Conceito e Diagnóstico. Volume 2. Exames complementares

Dr. Marcelo Palis Ventura. Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi. Volume 1. Conceito e Diagnóstico. Volume 2. Exames complementares Introdução Glaucoma pode ser definido como um grupo complexo de doenças caracterizadas pela degeneração progressiva das células ganglionares da retina e perda progressiva da visão, sendo a pressão ocular

Leia mais

Formação para Agentes de Desporto Novembro Ilda Maria Poças

Formação para Agentes de Desporto Novembro Ilda Maria Poças Novembro 2015 Ortoptista Prof. Coordenadora Especialista Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Sumário Campos visuais conceitos Campimetria - Objectivos - O Exame A Via Óptica Alterações do

Leia mais

Campimetria de Duplicação de Frequência e Comparabilidade com Campimetria SAP na Detecção, Análise e Seguimento do Glaucoma

Campimetria de Duplicação de Frequência e Comparabilidade com Campimetria SAP na Detecção, Análise e Seguimento do Glaucoma [CAMPIMETRIA DE DUPLICAÇÃO DE FREQUÊNCIA E COMPARABILIDADE COM CAMPIMETRIA SAP NA DETECÇÃO, 2008/2009 ANÁLISE E SEGUIMENTO DO GLAUCOMA] 2008/2009 Campimetria de Duplicação de Frequência e Comparabilidade

Leia mais

A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública

A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública Carla Costa Lança (1), Ana Costa Veiga (2), Maria

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Márcio Cavalcante Salmito SÃO PAULO 2012 Márcio Cavalcante Salmito Avaliação

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 11.09.2013

Leia mais

FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE

FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE Rafaella Italiano Peixoto (1); Manuella Italiano Peixoto (2); Hákylla Rayanne Mota de Almeida

Leia mais

Fazer um diagnóstico. Testes Diagnósticos. Necessidade dos testes. Foco principal

Fazer um diagnóstico. Testes Diagnósticos. Necessidade dos testes. Foco principal Testes Diagnósticos Avaliação Crítica Fazer um diagnóstico tentativa de tomar uma decisão adequada usando informações inadequadas resultado de testes diminuir a incerteza do diagnóstico Ideal saber viver

Leia mais

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal Fazer um diagnóstico Avaliação Crítica tentativa de tomar uma decisão adequada usando informações inadequadas resultado de testes diminuir a incerteza do diagnóstico Ideal saber viver com a incerteza saber

Leia mais

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Título: Associação da morfologia do edema macular e do status da membrana limitante externa com a acuidade visual na retinopatia diabética. Autores: Rosana Zacarias HANNOUCHE; Marcos Pereira de ÁVILA;

Leia mais

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 25 de Novembro de 2009 A publicação Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007, apresenta,

Leia mais

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa IPL Carla Costa Lança carla.costa@estesl.ipl.pt 2010 Introdução As competências profissionais no

Leia mais

Detecção e Correção Automáticas de Olhos Vermelhos

Detecção e Correção Automáticas de Olhos Vermelhos Setor de Tecnologia da Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica TE 072 Processamento Digital de Sinais Detecção e Correção Automáticas de Olhos Vermelhos Trabalho elaborado pelo aluno

Leia mais

Ectasias Tratamento Cirurgia Refractiva a LASER Sim ou Não?? Paulo Torres Departamento de Córnea e Superfície Ocular Hospital Santo António CHP U.P., ICBAS Cirurgia Refractiva a Laser Contraindicações

Leia mais

Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico

Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico Síndrome Acta Oftalmológica de Múltiplas 13; Manchas 27-32, 2003 Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico 27 Síndrome de Múltiplas Manchas Brancas Evanescentes. A Propósito de um Caso Clínico

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I 16 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

Na hipertensão arterial

Na hipertensão arterial Erros frequentes na prática clínica como evitá-los? Na hipertensão arterial - Novembro de 2013 - Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém Hipertensão Arterial Importante problema de saúde

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESPESSURA DA CAMADA DE FIBRAS NERVOSAS DA RETINA APÓS A TRABECULECTOMIA

AVALIAÇÃO DA ESPESSURA DA CAMADA DE FIBRAS NERVOSAS DA RETINA APÓS A TRABECULECTOMIA Nikias Alves da Silva AVALIAÇÃO DA ESPESSURA DA CAMADA DE FIBRAS NERVOSAS DA RETINA APÓS A TRABECULECTOMIA Orientador: Prof. Dr. Sebastião Cronemberger Faculdade de Medicina Universidade Federal de Minas

Leia mais

O Drusen do Disco Óptico em Imagens

O Drusen do Disco Óptico em Imagens Oftalmologia - Vol. 34: pp. 321-328 O Drusen do Disco Óptico em Imagens Ana Miguel Quintas 1, Leonor Almeida 2, Eliana Neto 1, Rui Ferreira 2, Manuel Monteiro-Grillo 3 1 Interna do Internato Complementar

Leia mais

Técnica de crushing na remoção de material cortico-nuclear com vitréctomo 23 G. A nossa experiência

Técnica de crushing na remoção de material cortico-nuclear com vitréctomo 23 G. A nossa experiência Oftalmologia - Vol. 37: pp.237-244 Artigo Original Técnica de crushing na remoção de material cortico-nuclear com vitréctomo 23 G. A nossa experiência Maria Picoto 1, Filipe Isidro 1, Sofia Donato 2, António

Leia mais

SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA

SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA S. Pina, A. R. Azevedo, F. Silva, A. Gonçalves, S. Alves, D. Cavalheiro, F. Vaz, P. Kaku, F. Esperancinha SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA HOSPITAL PROF. DR. FERNANDO FONSECA Director Serviço: Dr. António Melo

Leia mais

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES A manutenção da saúde ocular está diretamente relacionada com os exames de rotina realizados por um médico oftalmologista, em

Leia mais

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 198 a 212: tendência e padrões de sazonalidade Baltazar Nunes Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge IV Congresso

Leia mais

MANIFESTAÇÕES OCULARES DOS REUMATISMOS INFLAMATÓRIOS

MANIFESTAÇÕES OCULARES DOS REUMATISMOS INFLAMATÓRIOS MANIFESTAÇÕES OCULARES DOS REUMATISMOS INFLAMATÓRIOS PALMARES, J. VIEIRA, J. C, ARAÚJO D., ALMEIDA M. e A. LOPES-VAZ MANIFESTAÇÕES OCULARES DOS REUMATISMOS INFLAMATÓRIOS SEPARATA DA "" - VOLUME XI-TOMO

Leia mais

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

Desenhos de estudos científicos. Heitor Carvalho Gomes

Desenhos de estudos científicos. Heitor Carvalho Gomes Desenhos de estudos científicos Heitor Carvalho Gomes 2016 01 01 01 Desenhos de estudos científicos Introdução Epidemiologia clínica (Epidemiologia + Medicina Clínica)- trata da metodologia das

Leia mais

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Serviço de Oftalmologia Director de Serviço: Dr. António Melo BIOMICROSCOPIA ÓPTICA 15 de Junho de 2012 Catarina Pedrosa, Susana Pina, Ana Azevedo, Cristina Santos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Cristina Marques de Almeida Holanda¹, Michele Alexandre da Silva². Universidade Federal da Paraíba - UFPB cristinamahd@gmail.com¹, michelebr@live.com

Leia mais

DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS

DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS Resultados do Hospital de Braga 1 Serviço de Endocrinologia; 2 Serviço de Pediatria; C.Grupo Endocrinológico Pediátrico, Hospital

Leia mais

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho Controlo da qualidade e supervisão laboratorial Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho A importância do diagnóstico precoce PHOTO CAPTION A realização dos testes de rastreio vão permitir

Leia mais

Clóvis Ferraz de Oliveira Santos** Izaias Rangel Nogueira*** INTRODUÇÃO

Clóvis Ferraz de Oliveira Santos** Izaias Rangel Nogueira*** INTRODUÇÃO DIMENSÕES DOS VASOS Ε AUMENTO NO COMPRI MENTO DAS FIBRAS LENHOSAS EM RELAÇÃO ÀS CAMBIAIS FUSIFORMES NOS ANÉIS DE CRESCIMENTO DO EUCALYPTUS SALIGNA Smith. Clóvis Ferraz de Oliveira Santos** Izaias Rangel

Leia mais

NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética

NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética Nefropatia; Diabetes Conselhos Directivos das Administrações Regionais de Saúde,

Leia mais

Psicofisiologia da visão

Psicofisiologia da visão Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Psicofisiologia da visão O olho A retina O nervo óptico O núcleo geniculado lateral O córtex visual Dos neurónios à percepção

Leia mais

PULMONAR E NA PÓS-CARGA VENTRICULAR DIREITA

PULMONAR E NA PÓS-CARGA VENTRICULAR DIREITA REDUÇÃO DO RC TIME APÓS O TRANSPLANTE CARDÍACO: OS EFEITOS INESPERADOS DA FREQUÊNCIA CARDÍACA NA HEMODINÂMICA PULMONAR E NA PÓS-CARGA VENTRICULAR DIREITA Nádia Moreira 1, Rui Baptista 1, David Prieto 2,

Leia mais

Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas

Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas Picos de pressão intra-ocular: comparação entre curva tensional diária, minicurva e medida da pressão intra-ocular às 6 horas Intraocular pressure peaks: comparison between the circadian curve, diurnal

Leia mais

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2008 17 de Fevereiro de 2009 A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2008 foi de 7,8%. Este

Leia mais

1 - Visual 2 - Audição 3 - Saúde Mental 4 - Coordenação motora e atenção

1 - Visual 2 - Audição 3 - Saúde Mental 4 - Coordenação motora e atenção Sistema de Avaliação psicofísico computadorizado Avaliação psicofísica Unique, totalmente informatizado, desenvolvido por médicos e engenheiros de sistemas, utilizados para avaliar as condições de pessoas

Leia mais

Química Analítica V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula:

Química Analítica V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: Química Analítica V 2S 2012 Aula 3: 04-12-12 Estatística Aplicada à Química Analítica Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan 1 Conceito

Leia mais

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril.

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril. Informação Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2016 Escola Básica de Porto Alto Escola Básica Prof. João Fernandes Pratas Prova de Equivalência à Frequência de Geografia (18) 3º Ciclo - 9.º Ano de

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO William Damian Perdonsini Klein 1 ; Vander José Dall Aqua

Leia mais

Influência da postura na pressão intra-ocular e nos defeitos de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto e glaucoma de pressão normal

Influência da postura na pressão intra-ocular e nos defeitos de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto e glaucoma de pressão normal ARTIGO ORIGIAL19 Influência da postura na pressão intra-ocular e nos defeitos de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto e glaucoma de pressão normal Postural influence on intraocular pressure

Leia mais

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV SCREENING SCREENING POR POR CITO CITO Miller AB. Screening

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

MATEMÁTICA 3º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Currículo Paulo VI. Números naturais. Relações numéricas Múltiplos e divisores

MATEMÁTICA 3º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos. Currículo Paulo VI. Números naturais. Relações numéricas Múltiplos e divisores MATEMÁTICA 3º ANO NÚMEROS E OPERAÇÕES Tópicos Números naturais Relações numéricas Múltiplos e divisores Novo programa de matemática Objetivos específicos Realizar contagens progressivas e regressivas a

Leia mais

João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa http://www.redorbit.com/news/health/1987876/recommendations_changed_for_vision_screening_of_children/

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

Valor preditivo da topografia de disco óptico para o. desenvolvimento de glaucoma

Valor preditivo da topografia de disco óptico para o. desenvolvimento de glaucoma LUCIANA PEREIRA MALTA DE ALENCAR Valor preditivo da topografia de disco óptico para o desenvolvimento de glaucoma Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção do

Leia mais

1. Introdução. 3º Ciclo do Ensino Básico. Prova de Equivalência à Frequência de:

1. Introdução. 3º Ciclo do Ensino Básico. Prova de Equivalência à Frequência de: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 Prova de Equivalência à Frequência de: Geografia

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas. Data: 10/04/2013

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas. Data: 10/04/2013 Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 10/04/2013

Leia mais

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDA DA OCORRÊNCIA DE EVENTOS COMO DOENÇAS, AGRAVOS À SAÚDE (ACIDENTES, VIOLÊNCIAS) E MORTES. Exemplo: número de pessoas que apresentaram uma dada doença num certo

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não?

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Clínica de Risco Familiar Instituto Português de Oncologia de Lisboa Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Hugo Nunes 1, Ana Clara 1,2, Ana Luis 1,2, Ana

Leia mais

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Oftalmologia - Vol. 38: pp.7- Artigo Original Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Mónica Franco, Cristina Pereira, Luisa Colaço, Raquel Seldon 2, Ana Vide Escada 2, Gabriela Varandas 3, Maria

Leia mais

Recomendações da Câmara Técnica Nacional de Medicina Baseada em Evidências do Sistema Unimed. Rastreamento (Screening) para glaucoma

Recomendações da Câmara Técnica Nacional de Medicina Baseada em Evidências do Sistema Unimed. Rastreamento (Screening) para glaucoma Rastreamento (Screening) para glaucoma 1 I Elaboração Final: 25/01/2007 II Autores: Dr. Luiz Henrique P. Furlan*, Dr. Alexandre Pagnoncelli*, Dr. Carlos Augusto Cardim de Oliveira*, Dra. Claudia Regina

Leia mais

Prevalência da Asma em Portugal:

Prevalência da Asma em Portugal: Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Prevalência da Asma em Portugal: Análise nacional, regional e comparação internacional

Leia mais

CDS / Partido Popular

CDS / Partido Popular N.º: 588-VIII Proc.º: 50.04.04.34 Data: 16.04.2008 do Governo Senhora e Senhores Membros do Governo Uma jovem inglesa enfrentou a oposição da família e teve sérias dificuldades em os convencer que cuidar

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO)

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) Prevalência e Factores de Sucesso do Aleitamento Materno no Hospital

Leia mais

Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG

Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG Utilização das transformadas wavelets na detecção de características em um sinal de ECG Orientador: Prof. Dr. Aldo Artur Belardi Departamento: Engenharia Elétrica Candidato: Gabriel Diego Porfirio N FEI:.206.062-9

Leia mais

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Especializanda: Renata

Leia mais

Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais

Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais Escola Nacional de Saúde Pública Universidade Nova de Lisboa Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais Sílvia Lopes Carlos Costa Modelos de Gestão na Saúde Implicações nas Ciências

Leia mais

Tema: Saúde Individual e Comunitária

Tema: Saúde Individual e Comunitária Ficha de Trabalho de Ciências Naturais 9º Ano Tema: Saúde Individual e Comunitária 1- Observa a imagem seguinte: 1.1- Indica porque está a saúde representada por um triângulo? 1.2- Dá 2 exemplos da vida

Leia mais

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade A importância da consulta oftalmológica De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade cheia de apelos visuais, em que o contato com o mundo se faz inicialmente por

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS. HORMONAS PEPTÍDICAS, MARCADORES TUMORAIS E TESTE DE GRAVIDEZ hcg

Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS. HORMONAS PEPTÍDICAS, MARCADORES TUMORAIS E TESTE DE GRAVIDEZ hcg Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS HORMONAS PEPTÍDICAS, MARCADORES TUMORAIS E TESTE DE GRAVIDEZ hcg Programa Analito Nº de distribuições por ano Nº de amostras por distribuição Péptidos

Leia mais

Persistência das fibras de mielina e não só: Síndrome de Straatsma

Persistência das fibras de mielina e não só: Síndrome de Straatsma Oftalmologia - Vol. 37: pp.117-124 Artigo Original Persistência das fibras de mielina e não só: Síndrome de Straatsma Maria Inês Rodrigues 1, Claúdia Loureiro 1, Leonor Almeida 2, Manuel Monteiro-Grillo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR. S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C.

A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR. S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C. A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C. Lança Aveiro, 2015 Introdução Computer Vision Syndrome (CSV): Conjunto

Leia mais

Avaliação da Estereopsia em Crianças sob Terapêutica Oclusiva por Ambliopia e Relação desta com a Acuidade Visual

Avaliação da Estereopsia em Crianças sob Terapêutica Oclusiva por Ambliopia e Relação desta com a Acuidade Visual Oftalmologia - Vol. 34: pp. 307-313 Avaliação da Estereopsia em Crianças sob Terapêutica Oclusiva por Ambliopia e Relação desta com a Acuidade Visual Amaral, A 1, Leitão, P 1, Paixão, A. 2, Martins, M.

Leia mais

PERFIL DA CATARATA EM IDOSOS DA REGIÃO DA BORBOREMA

PERFIL DA CATARATA EM IDOSOS DA REGIÃO DA BORBOREMA PERFIL DA CATARATA EM IDOSOS DA REGIÃO DA BORBOREMA Yggo Ramos de Farias Aires Graduando do curso de Fisioterapia - UEPB (yggo.ramos@gmail.com) Camilla Ribeiro Lima de Farias - Mestranda em Saúde Pública

Leia mais

Índice. Índice de Figuras. Índice de Tabelas. Lista de Abreviaturas. Resumo e Palavras-chave. 1. Introdução Objetivos 6

Índice. Índice de Figuras. Índice de Tabelas. Lista de Abreviaturas. Resumo e Palavras-chave. 1. Introdução Objetivos 6 Índice Índice de Figuras iii Índice de Tabelas iv Lista de Abreviaturas v Resumo e Palavras-chave vii 1. Introdução 1 2. Objetivos 6 3. Materiais e Métodos 8 4. Resultados e Discussão 10 5. Conclusão 17

Leia mais

Exotropia Intermitente: Do sucesso cirúrgico à necessidade de reintervenção a longo prazo

Exotropia Intermitente: Do sucesso cirúrgico à necessidade de reintervenção a longo prazo Oftalmologia - Vol. 37: pp.259-263 Comunicações Curtas e Casos Clínicos Exotropia Intermitente: Do sucesso cirúrgico à necessidade de reintervenção a longo prazo Diana Cristóvão 1 ; Raquel Seldon 2 ; Maria

Leia mais

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina ( )

DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina ( ) DR. MÁRIO JUNQUEIRA NÓBREGA CRM 4294 FORMAÇÃO Graduação em Medicina: Escola Paulista de Medicina (1976-81) Residência Médica em Oftalmologia: Escola Paulista de Medicina (1982-83) Título de Especialista:

Leia mais

Angiotomografia Coronária. Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho

Angiotomografia Coronária. Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho Angiotomografia Coronária Ana Paula Toniello Cardoso Hospital Nove de Julho S Aterosclerose S A aterosclerose é uma doença inflamatória crônica de origem multifatorial que ocorre em resposta à agressão

Leia mais

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM! Mauricio Zapparoli DAPI - Diagnóstico Avançado por Imagem / Curitiba-PR Disciplinas de Radiologia Médica e Recursos Diagnósticos - Hospital de Clínicas UFPR Enterografia

Leia mais

Matemática 3º Ciclo. Planificação Anual 7.º ano. N.º de aulas. Objectivos 1.º PERÍODO. Ano Lectivo 2009/2010. Apresentação 1. Teste Diagnóstico 2

Matemática 3º Ciclo. Planificação Anual 7.º ano. N.º de aulas. Objectivos 1.º PERÍODO. Ano Lectivo 2009/2010. Apresentação 1. Teste Diagnóstico 2 i Temas Sub-temas Objectivos 1.º PERÍODO Apresentação 1 Teste Diagnóstico 2 Múltiplos e divisores. Critérios de divisibilidade. Obter números, a partir de outros, por composição e decomposição; Números

Leia mais

MATEMÁTICA PARA A VIDA

MATEMÁTICA PARA A VIDA MATEMÁTICA PARA A VIDA B2 6 Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação usando processos e procedimentos matemáticos. Utilizar a moeda única europeia e outra familiar em actividades do dia

Leia mais

Importância dos Protocolos Clínicos

Importância dos Protocolos Clínicos Importância dos Protocolos Clínicos Miguel Castelo-Branco Centro Hospitalar Cova da Beira, E.P.E. Melhores Práticas Hiato nos cuidados clínicos Práticas Reais Majumdar, Sumit R. et al; J Am Coll Cardiol,

Leia mais

Vanda Pires. Divisão de Clima e Alterações Climáticas Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva

Vanda Pires. Divisão de Clima e Alterações Climáticas Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva Aplicações Estatísticas em Climatologia Statistical Applications in Climatology Vanda Pires Agradecimentos: Fátima E. Santo e Álvaro Silva Divisão de Clima e Alterações Climáticas vanda.cabrinha@ipma.pt

Leia mais

ULTRA-SONS: DEFINIÇÃO MÉDICA

ULTRA-SONS: DEFINIÇÃO MÉDICA ULTRA-SONS: DEFINIÇÃO MÉDICA Em aplicações médicas, são usados ultra-sons de alta frequência no diagnóstico e tratamento de pacientes. A gama de frequências usada em imagem médica varia de 2-15 MHz. EFEITO

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE NA OCLUSÃO DE DE VEIA RETINIANA CENTRAL

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE NA OCLUSÃO DE DE VEIA RETINIANA CENTRAL NOTA TÉCNICA 141/2014 Solicitante Emerson Chaves Motta Juíza de Direito - Comarca de Teófilo Otoni - MG. Processo número: 0686 14 010142-5 Data: 18/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

GÉNERO PERCENTAGEM DE SUJEITO COM INTERNAMENTOS. OBJETIVO, MÉTODOS e CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA

GÉNERO PERCENTAGEM DE SUJEITO COM INTERNAMENTOS. OBJETIVO, MÉTODOS e CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA Paula Cristina Correia 1, Bernardo Barata 2, Ana Carolina Santos 3, Maria Inês Figueiredo 3 1 Pedopsiquiatra, 2 Interno de Psiquiatria, 3 Psicóloga clínica Serviço de Psiquiatria da Infância e Adolescência,

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO EXAME NACIONAL DE CURSOS

ANÁLISE CRÍTICA DA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO EXAME NACIONAL DE CURSOS ANÁLISE CRÍTICA DA NOVA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO EXAME NACIONAL DE CURSOS Rubén Romero 1, Anna Diva P. Lotufo 2 FEIS/UNESP 1 Av. Brasil 56, Ilha Solteira, SP ruben@dee.feis.unesp.br FEIS/UNESP 2 Av.

Leia mais

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Sérgio Madeira, João Brito, Maria Salomé Carvalho, Mariana Castro, António Tralhão, Francisco Costa,

Leia mais

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP Controle - 3 Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho 1 Realizar o Controle da Qualidade Preocupa-se com o monitoramento dos resultados do trabalho, a fim de verificar se estão sendo cumpridos

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados

Métodos Quantitativos Aplicados Métodos Quantitativos Aplicados Mestrados Economia e Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação, Economia e Políticas Públicas, Economia Internacional e Estudos Europeus Aula 1 Docente: Vítor Escária vescaria@iseg.ulisboa.pt

Leia mais

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Fevereiro de 2010 26 de Março 2010 Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição O valor médio de avaliação bancária 1 de habitação no

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

Regulamento Prémio Hipocoagulação 2016

Regulamento Prémio Hipocoagulação 2016 1 Regulamento Prémio Hipocoagulação 2016 A Associação de Internos de Medicina Geral e Familiar (AIMGF), em colaboração com a Bayer Portugal, SA, criaram um prémio anual, de forma a desenvolver a investigação

Leia mais