HORMÔNIOS DO APETITE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM CÂNCER: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HORMÔNIOS DO APETITE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM CÂNCER: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO HORMÔNIOS DO APETITE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM CÂNCER: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA TALITA RAQUEL DA SILVA ANDRADE NATAL- RN 2016

2 2 TALITA RAQUEL DA SILVA ANDRADE HORMÔNIOS DO APETITE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM CÂNCER: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Nutrição da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito final para obtenção do grau de Nutricionista. Orientadora: Profª Drª Ana Paula Trussardi Fayh NATAL- RN 2016

3 3 TALITA RAQUEL DA SILVA ANDRADE HORMÔNIOS DO APETITE EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM CÂNCER: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação em Nutrição da Universidade Federal do Rio Grande do Norte como requisito final para obtenção do grau de Nutricionista. BANCA EXAMINADORA Orientador 2º Membro 3º Membro Natal, de de 2016.

4 4 ANDRADE, Talita Raquel da Silva. Hormônios do apetite em crianças e adolescentes com câncer: uma revisão sistemática Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Nutrição) Curso de Nutrição, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RESUMO O objetivo deste estudo é descrever os níveis séricos dos hormônios grelina e leptina em crianças e adolescentes com câncer. Trata-se de uma revisão sistemática de literatura baseada em artigos publicados no Pubmed, Lilacs e Scielo, em que foram incluídos estudos realizados com crianças e adolescentes, diagnosticados com câncer e dosados os hormônios do apetite. Foram encontrados incialmente 72 artigos potenciais, mas após os critérios de exclusão apenas 16 foram incluídos na revisão sistemática. Observou-se que os hormônios do apetite estavam alterados nesta população, em comparação aos grupos controles, e eram influenciados por: tipos de câncer, tratamentos antineoplásicos empregados, sexo e idade. Descritores: crianças, adolescentes, neoplasia, leptina, grelina.

5 5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO REFERENCIAL TEÓRICO CÂNCER INFANTO-JUVENIL ALTERAÇÕES NUTRICIONAIS DO CÂNCER INFANTO-JUVENIL ALTERAÇÕES DE HORMÔNIOS RELACIONADOS AO APETITE NO CÂNCER INFANTO-JUVENIL METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 33

6 6 1. INTRODUÇÃO O câncer é uma enfermidade que se caracteriza pelo crescimento descontrolado, rápido e invasivo de células com alteração em seu material genético. Muitos fatores influenciam o desenvolvimento do câncer, tanto os de causas externas como o meio ambiente, hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural, bem como os de causas internas, àqueles geneticamente pré-determinadas, resultando em eventos responsáveis por gerar mutações sucessivas no material genético das células em múltiplos estágios (ASBRAN, 2009). Atualmente, o câncer é a segunda causa de morte no mundo e no Brasil, causando grande impacto em países pobres e em desenvolvimento. Este fato está relacionado ao aumento do envelhecimento da população mundial; a adoção de hábitos poucos saudáveis, como o tabagismo, o sedentarismo e a má alimentação; infecções sexualmente transmissíveis e a falta de acesso aos serviços de saúde para detecção precoce e tratamento. Essa patologia é a principal causa de morte na população infantojuvenil no Brasil. Percebe-se a sua maior prevalência nas regiões Sudeste e Nordeste, e a taxa de cura estimada, conforme alguns estudos relatam, corresponde a 70%, se diagnosticada precocemente e tratada adequadamente em centros especializados (MIRANDA et al., 2016; ALVES et al., 2016). O câncer infanto-juvenil se apresenta de forma diferente daquele que acomete os adultos (etiologia, histologia, evolução e resposta ao tratamento), tornando a prevenção e o diagnóstico precoce mais difícil. O tratamento, que é a principal estratégia contra o câncer em pacientes pediátricos, deve ser realizado por equipe multiprofissional em instituições especializadas, garantindo maior sobrevida com o mínimo de efeitos colaterais. Observa-se que pacientes oncológicos pediátricos apresentam elevada incidência de desnutrição quando diagnosticados ou após o início do tratamento. Esta pode ser causada por inúmeros fatores e interfere na sobrevida e na resposta do paciente ao tratamento (ASBRAN, 2009). A presença do tumor ou o tratamento antineoplásico pode causar complicações gastrointestinais com graves consequências para o estado nutricional do paciente. O estresse da internação e a separação da família são outros fatores que podem comprometer o estado nutricional desse. A intervenção e o acompanhamento nutricional têm como objetivo promover o crescimento e o desenvolvimento normal da criança,

7 7 melhorar a resposta imunológica, aumentar a tolerância do paciente ao tratamento e melhorando a sua qualidade de vida (ASBRAN, 2009). Conforme a Associação Brasileira de Nutrição (2009), a atuação do nutricionista é ampla e deve estar presente em todas as fases do tratamento curativo e paliativo do paciente oncológico pediátrico, incluindo avaliação nutricional (AN), cálculo das necessidades nutricionais, instituição da terapia nutricional (TN) e acompanhamento ambulatorial. Devido ao crescimento contínuo da criança, a AN periódica permite que os problemas sejam detectados e tratados precocemente, buscando suprir às necessidades nutricionais já que estas variam de acordo com a faixa etária (ASBRAN, 2009). A par disso, é visto que o câncer além de ser uma doença crônica degenerativa, é também uma doença inflamatória, liberando citocinas que provocam o catabolismo celular e depleta o tecido muscular, contribuindo para a síndrome da anorexia-caquexia. Recentemente, técnicas moleculares e genéticas têm identificados algumas novas vias e mediadores que controlam a ingestão de alimentos, peso corporal e o gasto energético. O peso corporal é regulado por um circuito de realimentação, em que os sinais periféricos do intestino, fígado e tecido adiposo vão fornecer informações nutricionais via hormônios através de entradas vagais aferentes para centros integrados no hipotálamo e tronco cerebral. Grelina e neuropeptídeo Y são dois dos hormônios envolvidos nesse processo (MOSCHOVI et al., 2008). Outro hormônio que também está envolvido no processo do apetite é a leptina, esta diminui o apetite e naturalmente reduz a ingestão alimentar e aumenta o gasto energético. Além de regular o peso corporal, esse hormônio também demonstrou um papel regulador para a estimulação e diferenciação nas células mielóides e linhagens de células de monócitos. Assim, sobreviventes de câncer infantil têm de possuir um acompanhamento ao longo da vida. Em geral, a leptina é afetada por diversos fatores como o tratamento com esteroides, quimioterapia e resistência central à leptina (ZAREIFAR, 2015). Diante disso, sabendo da importância dos hormônios do apetite e seus níveis séricos, bem como sua associação com o tipo de câncer e a fase de vida na qual esses indivíduos têm seus diagnósticos, além de existirem poucos estudos publicados sobre o comportamento dos hormônios do apetite em pacientes infantojuvenil com câncer e suas devidas limitações metodológicas, é de grande relevância descrever os

8 8 níveis séricos dos hormônios grelina e leptina em crianças e adolescentes com câncer, através do método de revisão sistemática da literatura.

9 9 2. OBJETIVO Descrever, através de uma revisão sistemática da literatura, os níveis séricos dos hormônios grelina e leptina em crianças e adolescentes com câncer.

10 10 3. REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 CÂNCER INFANTO-JUVENIL O câncer recebe essa nomenclatura por envolver a divisão e reprodução anormais (maligno) de células que podem espalhar-se por todo o corpo, conhecido como metástase. Geralmente considerado como uma única doença, o câncer na verdade consiste em vários tipos (GRANT; HAMILTON, 2013). Segundo Kroetz e Czlusniak (2003) os diferentes tipos de câncer correspondem aos vários tipos de células do corpo, ou seja, o câncer que tem início no tecido epitelial é chamado de carcinoma, e já o que se origina em tecido conjuntivo como osso, músculo ou cartilagem, denomina-se sarcoma. Existem também os tumores líquidos como é o caso das leucemias (alterações nos glóbulos brancos) sendo estas as neoplasias mais frequentes nesses indivíduos, e há também os tumores originários do sistema nervoso central e os linfomas. O processo global de industrialização, com consequente integralização das economias e sociedades, além de propiciar modificações nos estilos de vida e alterações de hábitos, tornou essa doença um importante problema de saúde pública. As suas maiores taxas de incidência são em países desenvolvidos e países em desenvolvimento, no qual dos dez milhões de casos novos registrados por ano, sendo cinco milhões e meio correspondendo a países em desenvolvimento (GUERRA et al., 2005). Nesses países, o câncer vem sendo responsável por mais de 6 milhões de óbitos a cada ano, representando cerca de 12% de todas as causas de morte no mundo. A evidência sugere que um terço das mais de mortes por câncer possa ser atribuído a comportamentos alimentares e estilo de vida tais como a má alimentação, sedentarismo, uso de álcool, sobrepeso e obesidade (GRANT; HAMILTON, 2013). Estimativas para o ano de 2016 das taxas brutas por 100 mil habitantes e dos números de casos novos de câncer, em homens e mulheres no Brasil, são: casos novos para o sexo masculino e para o sexo feminino (BRASIL, 2016). Junto às modificações que favorecem o aparecimento do câncer, observou-se alteração na população mundial com a redução das taxas de mortalidade e natalidade. Este processo de reorganização global determinou grande modificação nos padrões de saúde-doença no mundo, conhecida como transição epidemiológica, por ser caracterizada pela mudança no perfil de mortalidade com diminuição da taxa de doenças

11 11 infecciosas e aumento concomitante da taxa de doenças crônico-degenerativas, especialmente as doenças cardiovasculares e o câncer (GUERRA et al., 2005). O câncer na infância é considerado toda neoplasia maligna que acomete indivíduos menores de 15 anos. A progressão do câncer infantil desde o início é insidiosa, e os sintomas, na maioria das vezes, são inespecíficos e só aparecem quando a doença já atingiu estágios mais avançados, o que pode dificultar o diagnóstico. Conforme Lanza e Valle (2014), a detecção precoce é o fator mais importante para o sucesso terapêutico, com possibilidade de cura total, e pode ajudar a determinar o prognóstico e o esquema da terapia, sendo essencial definir precisamente a extensão da doença - o que se denomina estadiamento. Embora o câncer seja a doença relacionada com a causa de morte mais comum entre as crianças no mundo ocidental, as taxas de sobrevida em 5 anos têm melhorado ao longo dos últimos 40 anos após a implementação de mais tratamentos intensivos, especialmente nos países desenvolvidos. Consequentemente, a atenção está em reduzir as sequelas relacionadas durante e após o tratamento. Sabe-se que a maioria das crianças com câncer vive em países de baixa ou média renda, onde as taxas de morte por câncer é de 94% em crianças com idade de 0-14 anos (INIESTA et al., 2015). De acordo com Tan e colaboradores (2013) a Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA) é a neoplasia maligna mais comum encontrada entre os pacientes pediátricos e é conhecido por representar mais de 50% de doenças hematopoiéticas malignas. Do ponto de vista clínico, o câncer que aflige a população pediátrica tem períodos de latência curta, é mais agressivo e cresce rápido. No entanto, há uma melhor resposta ao tratamento por esses, além de apresentarem um bom prognóstico (NOIA, et al., 2015). Sabendo disso, é importante que os profissionais de saúde estejam atentos que o diagnóstico de câncer na infância não é sinônimo de morte e que a detecção precoce e o tratamento especializado e agressivo têm alcançado altas taxas de cura na atualidade. A sobrevida desses pacientes depende principalmente da localização do tumor, da histologia, da sua biologia e do estádio da doença ao diagnóstico (RODRIGUES; CAMARGO, 2003). Assim, observamos a relevância de se ter um diagnóstico precoce e o tratamento mais adequado para essa doença, impedindo assim sua propagação por outras áreas do corpo e aumentando a chance de cura.

12 ALTERAÇÕES NUTRICIONAIS DO CÂNCER INFANTO-JUVENIL O diagnóstico do câncer leva, na maioria das vezes, o desencadeamento de outros sintomas que acabam comprometendo a ingestão dos alimentos, como inapetência e fadiga, que também podem estar relacionadas ao catabolismo da doença ou ao seu tratamento. O nutricionista torna-se essencial para estimular uma alimentação adequada, frente aos sintomas apresentados: xerostomia, náuseas, vômitos, alteração do peristaltismo intestinal, mucosite, entre outros, a fim de prevenir perda de peso, diminuição da imunidade e outras complicações comuns em pacientes oncológicos (SILVA, 2006). A prevalência de desnutrição ao diagnóstico de crianças com câncer tem demonstrado uma variação de 6% a 50%, considerando diferentes estudos e se associa à diminuição da resposta ao tratamento específico e à qualidade de vida, com maiores riscos de infecção pós-operatória e aumento na morbimortalidade. Essa variabilidade é consequência da heterogeneidade do grupo, bem como da heterogeneidade dos critérios utilizados para classificar a desnutrição (GARÓFOLO, 2005). Em geral, o maior risco nutricional está associado aos tumores sólidos, principalmente nas doenças avançadas com algum grau de desnutrição presente logo no início do tratamento conforme alguns estudos relatam. O grau e a prevalência da desnutrição dependem também do tipo e do estágio do tumor, dos órgãos envolvidos, dos tipos de terapia anticâncer utilizadas, da resposta do paciente e da localização do tumor, que quando atinge o trato gastrointestinal (TGI), a desnutrição é bastante evidenciada (SILVA, 2006). Devido às consequências funcionais do tratamento, o estado nutricional dessas crianças é, portanto, uma preocupação geral. A má nutrição é considerada menos aparente no momento do diagnóstico, pois muitas vezes desenvolve-se durante a fase de terapia de indução. A subnutrição também pode ser consequência de uma redução da absorção de nutrientes, como resultado dos efeitos colaterais da terapia do câncer. Por outro lado, o ganho de peso excessivo e extrema obesidade em pacientes com leucemia têm sido associados à utilização pronunciada de corticosteroides durante o tratamento, o que aumenta significativamente o apetite desses pacientes (TAN et al., 2013). A quimioterapia é um método de tratamento sistêmico na qual os agentes antineoplásicos são tóxicos a qualquer tecido de rápida proliferação, normais ou cancerígenos. Nesse sentido, tem-se como consequência o surgimento de efeitos

13 13 colaterais que alteram a qualidade de vida dos pacientes, como, por exemplo, vômitos, alterações do paladar e mucosite, que acabam influenciando na aceitação alimentar de crianças neste tipo de tratamento, fazendo com que haja uma perda de peso significativa nesses (SUEIRO et al., 2015). Levando em consideração o estado nutricional de vulnerabilidade desses pacientes, vemos que a necessidade individual de proteína aumenta durante o período crítico da doença e o estresse. O corpo requer quantidade adicional para reparar e reconstruir os tecidos afetados pela terapia do câncer, bem como manter o sistema imune saudável. Deve-se fornecer energia adequada, ou o corpo passará a usar a massa corporal magra como fonte energética (GRANT; HAMILTON, 2013). Alguns estudos que investigaram a desnutrição em câncer pediátrico, obtiveram comentários que forneceram um resumo da prevalência de desnutrição, bem como evidência para correlações com os resultados clínicos em câncer pediátrico (INIESTA et al., 2015). Um estudo feito por Garófolo e colaboradores (2005), mostrou que a utilização de terapia nutricional por via enteral em crianças com câncer, por meio de sondas nasoentéricas ou gastrostomias, teve grande relevância na última década nos países mais desenvolvidos. Essa mudança na conduta reduziu o uso da nutrição parenteral total (NPT) e os riscos associados a ela, com resultados animadores quanto à recuperação e/ou manutenção do estado nutricional. Atualmente, a indicação precoce de nutrição enteral é um dos principais objetivos da terapia nutricional em crianças e adolescentes com câncer. Diante disso, vemos o quanto se faz necessário que as crianças, principalmente por se encontrarem em um estágio de vida que apresenta constante mudança (altura, peso, transformações corporais entre outras) e pela doença na qual estão acometidas, tenham um bom estado nutricional e uma alimentação equilibrada que forneça nutrientes necessários para melhor qualidade de vida. 3.3 ALTERAÇÕES DE HORMÔNIOS RELACIONADOS AO APETITE NO CÂNCER INFANTO-JUVENIL A regulação do apetite acontece de modo complexo e há vários mecanismos envolvidos nesse processo. O hipotálamo, eixo hipotálamo-hipofisário e o

14 14 sistema autonômico (simpático e parassimpático) são responsáveis pelo controle da ingestão de alimentos. Este controle depende de diversos tipos de neuro-hormônios centrais e gastrintestinais, como: leptina, neuropeptídeo y, grelina, insulina e melanocortina (KOWATA et al., 2009). O apetite é regulado pela interação entre sinais metabólicos e hormonais e mecanismos neurais. A leptina e a grelina são sinais periféricos que agem sobre regiões distintas do núcleo arqueado do hipotálamo. A alteração plasmática de leptina e de grelina é considerada um importante mecanismo capaz de alterar o padrão de ingestão alimentar e levar a desajustes nutricionais. O ritmo e a sincronia na secreção desses hormônios são importantes para o padrão diário das refeições (CRISPIM et al., 2007). Segundo Gibbert e Brito (2011) estudos indicam que um padrão rítmico recíproco entre a leptina e a grelina estabelece o ritmo no sistema regulador do apetite envolvendo o neuropeptídeo Y (NPY), que é o caminho final comum para a expressão do comportamento alimentar pelo hipotálamo. No estômago, os nutrientes são percebidos por estiramento vagal e sensores presentes na mucosa gástrica. A grelina, secretada no fundo gástrico quando o estômago está vazio, dá um poderoso sinal de fome para o cérebro e sua secreção é inibida com a ingestão alimentar. Na porção alta do intestino delgado, a colecistocinina (CCK), sinaliza a saciedade, motivado principalmente pela presença de lipídeos e proteínas. Nas porções mais baixas do intestino delgado e cólon, o neuropeptídeo YY (PYY) e o peptídeo semelhante ao glucagon (GLP-1), são secretados pela estimulação direta dos nutrientes na parede intestinal, bem como por reflexos originados na porção mais alta do intestino. Tanto PYY quanto GLP-1 são anoréxicos. O PYY além de suprimir a ingestão alimentar, modula a atividade da área tegumentar ventral (VTA) e o núcleo striatum ventral (DAMIANI; DAMIANI, 2010). Um dos hormônios que pode gerar mudanças na fome e na saciedade é a grelina, um peptídeo que possui 28 aminoácidos, isolado em 1999 por Kojima e colaboradores. O hormônio aumenta o apetite, estimula a motilidade gástrica, tem papel fundamental na regulação do balanço energético e na ingestão alimentar, além de ser responsável pela manutenção da massa corporal (IVANO, 2013). Esse hormônio ganhou uma atenção especial durante o tratamento de caquexia, já que possui propriedades de aumentos do apetite e acúmulo de massa gorda. A eficácia também foi demonstrada na anorexia do envelhecimento, a etiologia da idade associada à anorexia pode diferir da doença crônica, mas o tratamento com grelina parece beneficiá-los, além

15 15 de ter relação com a situação do estado nutricional, principalmente de crianças, no câncer. Pois esse hormônio está intimamente associado à falta de apetite, e esse sintoma é um dos mais recorrentes nesses pacientes podendo está em concentrações diferentes nos mesmos (DEBOER, 2011). Outro hormônio envolvido com o apetite é a leptina. Este hormônio é sintetizado principalmente pelo tecido adiposo branco. A sua estrutura é semelhante às citocinas. Ela desempenha um papel de informação de sinal periférico do armazenamento de energia e assim participa na regulação a longo prazo do apetite e na quantidade de alimento ingerido. Os níveis plasmáticos de leptina dependem diretamente da massa de tecido adiposo e correlaciona-se com o índice de massa corporal (IMC). Os efeitos centrais e periféricos da leptina são mediados pelos receptores de leptina localizados na superfície da célula (SKOCZEN, 2011). A leptina atua em receptores expressos no hipotálamo, especialmente para promover a sensação de saciedade e regular o balanço energético. Diversos estudos demonstram que a leptina atua no sistema nervoso central por meio de mediadores como o neuropeptídeo Y, o peptídeo agouti (AgRP), o hormônio liberador de corticotropina (CRH), o hormônio estimulante dos melanócitos (MSH), a colecistocinina (CKK), entre outros. No entanto, em altas concentrações séricas, a leptina não consegue atuar devido ao desenvolvimento de resistência que acaba limitando seu efeito anoréxico. Esse hormônio fornece informações sobre o equilíbrio energético corporal para o centro regulatório do cérebro e sua liberação está associada com a promoção da saciedade. Sua ação promove aumento da expressão dos neuropeptídeos anorexígenos bem como inibição da formação dos neuropeptídeos orexígenos, como o neuropeptídeo Y. Segundo o estudo de Gibbert e Brito (2011), foi visto a associação quanto à quantidade sérica deste hormônio durante o câncer e o desencadeamento de caquexias, e eles afirmam que a expressão da leptina é controlada por várias substâncias, como a insulina, os glicocorticóides e as citocinas próinflamatórias. Estados infecciosos e as endotoxinas também podem elevar a concentração plasmática de leptina e essa situação pode está intimamente associada ao paciente com câncer. Níveis elevados de gordura são acompanhados de aumento proporcional dos níveis circulatórios de leptina. Quando há restrição calórica ou inanição, com consequente perda de peso, os níveis de leptina como os de insulina decaem, voltando a elevar-se com a realimentação. Assim, quando há perda de peso, ocorre diminuição dos

16 16 níveis de leptina proporcionais à perda de gordura corporal. Baixos níveis de leptina cerebral aumentam a atividade de sinais orexígenos hipotalâmicos, que estimulam o apetite, suprimem o gasto energético e diminuem a atividade de sinais anorexígenos, os quais suprimem o apetite e aumentam o gasto energético, ou seja, leptina reduz o apetite e aumenta o gasto energético, ativando circuitos catabólicos e prevenindo circuitos anabólicos. A anorexia associada ao câncer parece resultar de fatores circulantes produzidos pelo hospedeiro em resposta ao tumor - as citocinas - substâncias consideradas mediadores do processo da caquexia. Por esta razão, a perda de peso observada em um paciente com câncer, difere muito daquela observada em uma desnutrição simples com ausência de tumores (SILVA, 2006). Outro hormônio que está presente na regulação do apetite é o NPY. É um neuropeptídeo orexígeno (estimulante do apetite), envolvido no regulamento de funcionamento sexual, ansiedade, resistência vascular e periférica. Está abundantemente distribuído no cérebro e secretado no hipotálamo. Esse age aumentando a ingestão de alimentos, diminuindo o gasto energético e aumentando a lipogênese, originando o balanço energético positivo e aumento de reserva de gordura. Quando ocorrem situações de estresse, como no câncer, citocinas envolvidas na regulação do apetite podem influenciar negativamente na regulação do apetite da ação orexígena do NPY, ou seja, em estado de jejum normal o nível ou a liberação de NPY no hipotálamo está aumentado e nos casos de câncer o NPY mantém-se reduzidos (KOWATA et al., 2009). A colecistoquinina (CCK) é conhecida como hormônio da saciedade por estimular a liberação de calcitonina e oxitocina, também inibidores do apetite, e diminuir o esvaziamento gástrico (PAPINI- BERTO; BURINI, 2001). Em pacientes oncológicos, os níveis e a liberação de NPY encontram-se diminuídos, contribuindo para a desnutrição. Segundo Dutra e Sagrillo (2013), as alterações nos níveis de substâncias como leptina, neuropeptídio Y, melanocortina, grelina, insulina, galamina, colecistoquinina, endorfina contribuem para a síndrome de anorexia caquexia (SAC), por interferirem na regulação da ingestão de alimentos, como também no gasto energético. Assim observamos que a atuação hormonal, sua regulação e quantidades presentes em pessoas sãs e pessoas com câncer são bem distintas. Uma vez que esses hormônios estão em quantidades diferentes e começam a ter sua regulação dificultada, permitindo um agravamento do estado nutricional e favorecimento dos sintomas e riscos da doença. Principalmente em crianças que apresentem essa morbidade, já que essa

17 17 população tem um maior estado de vulnerabilidade nutricional e maior facilidade no que diz respeito à falta de apetite, por isso podem apresentar esses sintomas de desnutrição com maior frequência.

18 18 4. METODOLOGIA Trata-se de uma revisão sistemática da literatura baseada na análise de artigos com delineamento observacional e transversal que descrevam o comportamento dos hormônios relacionados ao apetite em crianças e adolescentes com câncer. Os artigos foram selecionados por meio de busca nas bases de dados da literatura Latino- Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs), Scientific Eletronic Library Online (Scielo), US National of Medicine (Medline / PUMED) de Fevereiro a Agosto de Não foram consideradas travas em relação ao ano de publicação, mas foram analisados somente artigos publicados em inglês. Foram usados os seguintes descritores e seus devidos termos MASH em português e inglês: câncer (cancer), crianças (children), adolescentes (adolescents), infância (childhood), hormônios (hormones), grelina (ghrelin), leptina (leptin) e suas associações. Como delineamento do estudo, foi colocado trava para estudos de revisão.

19 19 5. RESULTADOS E DISCUSSÃO Nesta revisão foram incluídos 72 artigos de forma pareada, por dois examinadores independentes. Foram inclusos artigos publicados apenas em inglês, com crianças e adolescentes com câncer na faixa etária de 0 a 19 anos de idade e que envolviam hormônios do apetite. Quanto ao ano de publicação dos artigos, foram avaliados artigos de 1998 a Excluíram-se artigos que não retratavam de crianças sem neoplasias, problemas na tireoide ou alguma outra patologia que interfira na resposta hormonal e estudos que não se relacionem com a temática abordada (não possuam hormônios do apetite ou não abordem crianças). A Figura 1 apresenta o fluxograma de inclusão de estudos na revisão sistemática. Figura1- Fluxograma de seleção de estudos 72 Artigos Potenciais Identificados 1ª Leitura (resumos) 42 Artigos Potencialmente Relevantes 2ª Leitura (artigos na íntegra) Critérios de exclusão (n=30): Artigos de revisão (n=9) Adultos (n=7) Modelo animal (n=1) Ausência dos hormônios do apetite (n=5) Crianças sem câncer (n=8) 16 Artigos Preenchendo Critérios de Inclusão Critérios de Exclusão (n=26): Adultos (n=5) Revisão (n=6) Ausência dos hormônios do apetite (n=4) Crianças sem câncer (n=9) Outro idioma (n=2)

20 20 Dentre os 16 artigos que atenderam aos critérios de inclusão Tabela 1, observamos que há uma relação entre o tratamento de crianças e adolescentes sobreviventes de câncer infantil com os hormônios do apetite. Após o tratamento dessas crianças e adolescentes, algumas apresentaram obesidade e níveis séricos dos hormônios do apetite aumentado, principalmente grelina e leptina. Foi percebido que os níveis desses hormônios se apresentaram mais elevados em meninas e na fase prépuberdade, e crianças com obesidade apresentaram esses níveis hormonais mais elevados do que crianças com sobrepeso. A partir disso, vemos que há relação entre os estudos feitos quanto às variações séricas hormonais e que eles apresentam dados significativos com suas convergências.

21 21 Tabela 1. Avaliação das publicações e principais resultados sobre os hormônios grelina e leptina em crianças e adolescentes com câncer Autor/ Ano de Publicação Tipo de estudo Amostra Detalhamento do Srivastava, R.; Batra, A.; Dhawan, D. et al., 2015 Sawicka-Żukowska, M.; Krowczuk- Rybak, M.; Muszynska- Roslan, K. et al., 2013 Transversal 159 pacientes com leucemia aguda, com média de idade de 10 anos (3-18), sendo 123 do sexo masculino. Transversal 74 pacientes, sendo 42 meninos com 10 anos ou mais após tratamento oncológico. Ainda, 51 pacientes do grupo controle, 34 meninos. Entre, no grupo protocolo Sobreviventes de leucemia aguda que completaram o tratamento pelo menos um ano antes da inscrição neste estudo, tiveram sangue coletado. Foram divididos em dois grupos: obesos e não obesos. Comparação dos pacientes que tiveram tratamento antineoplásico há 10 anos ( ), com o grupo controle. Hormônio do apetite observado Leptina Leptina e seu receptor. Principais Resultados Níveis de leptina sérico não se alteraram em pacientes com leucemia obesos 42 (26,4%). Níveis de leptina se mostraram menores em pacientes sobreviventes do câncer (5,462 ± 6,175 ng/ml) e maiores nas que, após o tratamento, apresentaram obesidade (10,572 ± 10,853 ng/ml).

22 22 Kojima, C.; Kubota, M.; Nagai, A.; et al., 2013 Gorska, E.; Popko, K.; Wasik, M., 2013 Tavil, B.; Balta, G.; Ergun, E. L.; et al., 2012 Transversal Transversal Transversal examinado, haviam crianças obesas após tratamento. 49 pacientes com idade média de 10,7 (6,0-25,3) anos que concluíram quimioterapia, sendo 27 meninos. 57 pacientes com idade entre três meses e 16 anos que tiveram câncer, sendo 46 com leucemia aguda (25 LLA, 11 LMA e 10 LMC) e 11 do grupo controle não obesos. 72 pacientes com idade média de seis (1,08-16) Tratados entre abril de 2009 e março de 2010, e o intervalo médio desde a conclusão da quimioterapia foi de 5,1 anos. E correlacionados entre os pacientes que apresentaram elevadas medidas antropométricas. Foram realizados testes pós tratamento antineoplásico em medula óssea de pacientes que apresentaram leucemia aguda. Pacientes diagnosticados e que Leptina Aumento dos níveis da leptina se mostrou em 18 pacientes (36,7%), e em pacientes com IMC z-score >2,0 e com circunferência abdominal/ altura 5,0. Leptina Percebeu-se diminuição dos receptores de leptina em pacientes com LLA 2,8% (2,3-4,8) em relação aos LMA 4,8% (3,5-8,0). Leptina Não houve aumento significativo em pacientes com alelos 2548a (p>0,005).

23 23 Sckozen, S.; Balwierz, W.; Tomasik, P. J.; et al., 2011 Karaman, S.; Ercan, O.; Yildiz, I.; et al., 2010 anos apresentando 56LLA e 16 não- LLA, sendo 39 meninos. E 70 pacientes no grupo controle, controles sendo 41 meninos. Observacional 82 pacientes, sendo 45 meninos, com idade média de 13 anos, que tenham acabado o tratamento Tranversal LLA. 93 pacientes com idades 8 anos (meninas) e >9 (meninos), sobreviventes de leucemia infantil. 50 pacientes do grupo controle com idade semelhante, sendo 29 meninos. receberam terapia durante os primeiros sete dias. Logo após os sete dias foram observados os resultados sanguíneos. Acompanhou os pacientes durante o tratamento para LLA, com duração média de 3,2 anos. 38% dos pacientes receberam tratamento CRT (crânio radial). Pacientes que tiveram diagnóstico entre janeiro de 1975 e dezembro de Leptina e seu receptor Leptina Aumento significativo nos níveis de leptina em pacientes femininos (29,9 ± 4,86ng/ml vs 16,9 ± 2,44ng/ml p=0,014) e em pacientes tratados com CRT (p<0,03. Níveis elevados de leptina em meninas do grupo caso foram maiores do que o dos meninos (28,99 ± 20,39 vs 15,28 ± 18,99; p=0,002), bem como no grupo controle (19,07 ± 8,38). Chow, E. J.; Simmons, J. Transversal 74 pacientes que Pacientes que foram Leptina Sobreviventes que

24 24 H.; Roth, C. L.; et al., 2010 Petridou, E. T..; Dessypris, N.; Panagopoulou, P.; et al., 2010 Transversal receberam tratamentos, com idade média de 15 anos. 75 pacientes com até 14 anos diagnosticadas com linfoma Hodgkin. tratados há, pelo menos um ano, sendo 48 com quimioterapia convencional e 26 com transplante de células hematopoiéticas. Foram recrutados indivíduos de julho de 2007 a junho de 2009 em Washington e entre abril de 2009 a junho de 2009 em Tennessee. Pacientes diagnosticados no período de , com linfoma Hodgkin. Leptina receberam transfusão apresentaram níveis aumentados de leptina (p<0,001) em relação aos que não receberam (p=0,02). Não houve associação dos níveis séricos de leptina e linfoma Hodgkin. Roth, C. L.; Enriori, P. J.; Gebhardt, U.; et al., 2010 Transversal 108 pacientes, com idade média de 11 anos, sendo 60 meninas. O estudo foi feito com pacientes que tiveram tratamento durante um ano, o soro de α- MSH e leptina foram medidos por radioimunoensaio e α- MSH também após 1 hora de refeição líquida Leptina Níveis de leptina se mostraram maiores em pacientes com obesidade e que não tiveram redução de peso do que em pacientes não obesos (58,8 ± 4,1 ng/ml vs 22,8 ± 4,1 ng/ml, p<.01).

25 25 Petridou, E. T.; Sergentanis, T. N.; Dessypris, N.; et al.,2009 Transversal 121 pacientes com até 14 anos diagnosticados com linfoma não- Hodgkin. E 121 pacientes do grupo controle. de 500 kcal (craniofaringioma e obesos). Foram divididos em três grupos: 52 pacientes com obesidade, 27 saudáveis da mesma idade, 7 obesas com função melanocortina reduzida e 22 pacientes com craniofaringioma. Comparação sérica de pacientes diagnosticados com o grupo controle, composto por pacientes internados com causas cirúrgicas simples. Leptina Os níveis de leptina não apresentaram alterações significativas em quaisquer grupos quando comparados ao NHL (leucemia não- Hodgkin) (OR 1,82,; 95% CI 1,30 a 2,56; p<.001). Trivin, C.; Busiah, K.; Mahlaoui, N.; et al., 2009 Observacional 27 pacientes, com idade média de 8 anos, sendo 15 meninos com craniofaringioma. Níveis séricos de leptina e grelina foram analisados antes e após cirurgia (6-18 meses). Foram divididos em três grupos: grupo 0- sem envolvimento hipotalâmico (n=7); Leptina, grelina Níveis de leptina estavam aumentados antes (14,0 ± 9,8 μg/ml) e 6-18 meses após cirurgia (61 ± 26 μg/ml) no grupo 2, quando comparado aos outros grupos (grupo 0- antes cirurgia (5,6 ± 2,6 μg/ml) e grupo 1 (7,2 ± 4,5 μg/ml);

26 26 Papadia, C.; Naves, L. A.; Costa, S. S. S.; et al., 2007 Muszyńska-Rosłan, K.; Krawczuk-Rybak, M.; Konstantynowicz, J.; Transversal 44 pacientes, com idade média de 13,3 anos (15 meninos) e idade média de 15,2 anos (12 meninas). E, um grupo controle com 17 pacientes com idade média de 12 anos. Transversal 20 pacientes, com idade média de 10, sendo 12 grupo 1- tiveram envolvimento hipotalâmico e foram tratados (n=8) e grupo 2 os que tiveram envolvimento hipotalâmico grave (n=12). Pacientes que tiveram LLA, sendo 27 sobreviventes e estavam com intervalo de tratamento de 3 a 8 anos, tiveram sangue coletado e comparado aos do grupo controle. Pacientes tratados com tumor Wilms, sendo que 18 receberam após cirurgia- grupo 0 (14,2 ± 14 μg/ml) e grupo 1 (32 ± 14 μg/ml). Já os níveis de grelina se encontraram menores no grupo 2 (antes cirurgia (1083 ng/ml), pós cirurgia (722 ng/ml) do que nos outros grupos, o grupo 0 teve níveis mais elevados deste hormônio em ambas as fases. Leptina 14/27 pacientes com LLA e 4/17 tiveram níveis de leptina aumentado, quando comparado ao que se tem na faixa normal de idade (8,5; p<0,05). O nível de leptina foi maior no grupo com LLA (15,5ng/ml) do que no controle (10,7ng/ml). Quando ajustado por sexo, escore z do IMC e idade, o nível de leptina em pacientes do grupo ALL foi 8,5 mais alto do que nos indivíduos do grupo controle (p = 0,006). Leptina Níveis de leptina aumentados em pacientes tratados com radioterapia e

27 27 et al, 2004 meninos. quimioterapia, 7 adicionalmente radioterapia e 2 tratamento cirúrgico. O tempo médio de seguimento após a interrupção da terapêutica foi de 5,6 anos. A média de idade do diagnóstico foi de 3,9 anos. Além disso, foi mensurada massa gorda e massa livre de gordura. Wex, H.; Ponelis, E.; Wex, T.; et al, 2002 Adan, L.; Trivin, C.; Sainte-Rose, C.; et al., 2011 Transversal 77 Pacientes, com idade média de 6 anos. E um grupo controle com 13 pacientes em média de idade de 7 anos. Transversal 90 pacientes, com idade média de 15 anos, sendo 53 meninos. Foram investigados níveis de leptina no plasma em pacientes tratados por LLA, divididos em dois grupos e comparados ao grupo controle. Foram divididos quatro grupos de pacientes que receberam radiação cranial em diferentes Leptina e seu receptor quimioterapia, do que pacientes tratados apenas com quimioterapia. Níveis de leptina menores em pacientes em tratamento quimioterápico (0,92ng/ ml) do que em saudáveis (3,01ng/ml), depois do 33º dia de quimioterapia os níveis de leptina se normalizaram nos pacientes com tratamento (2,6ng/ml). Leptina Níveis de leptina não apresentaram interferência quanto ao GH nos 4 grupos (13,1 ± 1,8μg/ml; 15,4 ± 3,1 μg/ml; 13,9 ± 2,4 μg/ml e

28 28 *gy= Grays concentrações: grupo 1 (7 casos)- receberam 18gy* ou 24 gy (21 casos); grupo 2 (22 casos) gy; grupo 3 (30 casos) 45-60gy e grupo 4 (10 casos) 40-50gy. 8,5 ± 1,7 μg/ml). E os níveis de leptina parecem ser independentes do gh.

29 29 Em alguns estudos, observamos que o hormônio da leptina encontra-se em maior concentração sérica em meninas do que em meninos, alguns levam em consideração o período pós- puberdade. Isso pode se explicar pela alteração fisiológica na qual o corpo da mulher é exposto, fazendo com que suas concentrações hormonais sofram alterações e influenciem na quantidade desse hormônio do apetite. Outros estudos como Kojima e colaboradores (2013) e Roth e colaboradores (2010) mostram a relação da concentração da leptina com o estado nutricional de obesidade na criança. As crianças que apresentavam perfis de obesidade e tiveram seus níveis séricos analisados, apresentaram maiores concentrações desse hormônio, em que podemos identificar a ligação direta da leptina com sua síntese pelo tecido adiposo e possui íntima correlação com a quantidade de massa corporal. Já Sawicka- Zukowska e colaboradores (2013) observaram a relação da obesidade após o tratamento de crianças com câncer. Nessas crianças obesas pós-tratamento antineoplásico, observou-se maiores níveis de leptina em relação as que apresentaram sobrepeso, ou seja, maior concentração de tecido adiposo propiciou aumento relevante nos níveis de leptina desses pacientes, já que a principal forma de síntese deste hormônio é o tecido adiposo. Com relação às crianças que recebem o tratamento anticâncer, seus métodos e quantidades administradas, observamos também que há alterações significativas nos níveis dos hormônios do apetite. No estudo de Sckozen e colabordores (2001), é visto que crianças com tratamento radio-cranial possuem maiores níveis de leptina sérica em relação as que não receberam esse tratamento. Além disso, em outro tipo de tratamento conforme mostra Chow e colaboradores (2010), crianças que recebem transfusão possuem maiores níveis de leptina, podendo está associado ao uso de medicamentos ou ao comportamento corpóreo para se adaptar. Sendo necessário analisar bem o método que será usado para o tratamento desses pacientes, a fim de não desencadear outras doenças que possam comprometê-lo. Trivin e colaboradores (2009) observaram que pacientes com comprometimento hipotalâmico possuíam níveis de leptina maiores antes e após a cirurgia, e os que não possuíam envolvimento hipotalâmico apresentaram níveis de leptina inferiores. Em relação à grelina, pacientes que possuíam envolvimento hipotalâmico apresentaram níveis elevados desse hormônio antes e após a cirurgia quando comparado com pacientes que não possuíam esse tipo de envolvimento. Com isso, vemos que o envolvimento do hipotálamo está associado com os níveis hormonais,

30 30 já que este é um regulador dos mecanismos de ativação dos hormônios, podendo ocorrer uma alteração na função desse órgão e a ausência desse processo regulatório. No estudo de Muszynska-Roslan e colaboradores (2004) foram abordados pacientes tratados com radio e quimioterapia concomitantes e pacientes tratados com apenas quimioterapia. Observou-se que pacientes com tratamento de radio e quimioterapia concomitantes tiveram níveis de leptina em maiores concentrações quando comparado aos pacientes que foram tratados apenas com quimioterapia. O uso da quimioterapia, por ser mais sistêmica, podendo está ligada diretamente a redução de peso do paciente, já que este apresenta uma baixa ingestão alimentar na maioria das vezes, fazendo com que haja baixa síntese de leptina por ter pouco tecido adiposo. Assim como no estudo de Wex e colaboradores (2002), verificou-se que os níveis de leptina em pacientes com tratamento quimioterápico eram menores do que àqueles que completavam 33 dias após este tratamento, observando que os níveis desse hormônio estavam se normalizando. Assim como há estudos comprovando que os níveis séricos de leptina são maiores em meninas, estes estudos são reafirmados quando feitos em meninas que receberam tratamentos antineoplásicos. Os níveis hormonais também são levados em consideração quando falamos no tipo de câncer. Estudos comprovam que há diferenças significativas quando se comparam os tipos de câncer, sua etiologia, seu grau de estadiamento entre outros fatores. Em alguns estudos, como o de Gorska e colaboradores (2013), percebeu-se uma redução nos níveis de leptina em crianças diagnosticada com leucemia linfoblástica aguda (LLA) quando comparados com àquelas que tinham leucemia mielóide aguda (LMA). É conhecido que ambas se agravam rapidamente, entretanto, a diferença está na linhagem na qual atacam, em que a LLA ataca células de defesa da linhagem linfoide, enquanto a LMA ataca células da medula óssea. Outro fator que se leva em consideração quando há presença de LLA, é a faixa etária. Segundo Papadia e colaboradores (2007), crianças com LLA apresentaram maiores níveis de leptina quando comparadas com as crianças saudáveis dessa mesma faixa etária. Contudo, vemos que com o avanço da puberdade esses níveis vão se elevando, principalmente em meninas. Diante dos resultados encontrados, vemos a necessidade de se obter estudos que tratem com maior especificidade a atuação dos hormônios do apetite, suas funções e comportamentos, entre esses merecem destaque a grelina, o GLP-1 e Neuropeptídeo YY, já que tais citados são pouco explorados. É visto o quanto se faz

31 31 necessário à existência de mais estudos bem delineados e com maior tempo de acompanhamento sobre câncer infanto-juvenil, que abordem parâmetros relevantes que influenciam nessa fase da vida e no diagnóstico dessa doença.

32 32 6. CONCLUSÃO Em conclusão, foi observado que a terapêutica recebida durante o tratamento do câncer, o estágio de vida (primeira infância, infância, pré-puberdade, puberdade) e o sexo são fatores que influenciam nos hormônios do apetite, principalmente a leptina. Além disso, é visto que esse hormônio apresentou níveis significativamente elevados em pacientes com câncer. Apesar de já existirem na literatura estudos que abordem sobre níveis hormonais, são necessários mais estudos bem delineados para se conhecer o comportamento desses hormônios na população infantojuvenil, bem como elucidar seus mecanismos em relação ao apetite.

33 33 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADAN, L.; TRIVIN, C.; SAINTE- ROSE, C. et al. Gh deficiency caused by cranial irradiation during childhood: factors and markers in young adults. Journal of clinical and metabolism. v.11. n.86. p November, ALVES, K. M. C.; COMASSETTO, I.; ALMEIDA, T. G. et al. The experience of parents of children with cancer in treatment failure conditions. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 25, n.2, ASBRAN, Consenso Nacional de Nutrição Oncológica/ Instituto Nacional do Câncer. Rio de Janeiro: INCA, BRASIL, INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, CHOW, E. J.; SIMMONS, J. H.; ROTH, R. C. et al.increased cardiometabolic traits in pediatric survivors of acute lymphoblastic leukemia treated with total body irradiation. Biol. of blood and marrow transp.v.12.n.16.p December, DAMIANI, D.; DAMIANI, D. Sinalização cerebral do apetite. Rev. Bras. Clin. Med. São Paulo.v.2.n.9.p , mar. / abr., DEBOER, M. D. Ghrelin and cachexia: Will treatment with GHSR- 1a agonists make a difference for patients suffering from chronic wasting syndromes? Mol Cell Endocrinol.v.304.n.1.p , June DUTRA, I. K. A.; SAGRILLO, M. R. Terapia nutricional para pacientes oncológicos com caquexia. Discipl. Scient., Série: ciências da saúde. Santa Maria.v.1.n.15.p , GARÓFOLO, A. Diretrizes para terapia nutricional em crianças com câncer em situação crítica. Rev. de nut. Campinas.v.4.n.18.p , jul./ ago., GIBBERT, G. A.; BRITO, M. N. Relações fisiológicas entre o sono e a liberação de hormônios que regulam o apetite. Rev. Saú. e Pesq.v.4.n.2.p , maio/ ago., GONCALVES, M. C. S.; BRANDAO, M. A. G.; DURAN, E. C. M. Validação das características definidoras do diagnóstico de enfermagem conforto prejudicado em oncologia. Acta paul. enferm., São Paulo, v. 29, n. 1, p , Feb GORSKA, E. et al. Leptin receptor in childhood acute leukemias. Adv. in exp. Med. and biol. 756.p GUERRA, M. R. et al. Risco de câncer no Brasil: tendências e estudos epidemiológicos mais recentes. Rev. Bras. de cancerol.v.3.n.51.p , 2005.

34 34 GRANT, B. L.; HAMILTON, K. K. Terapia nutricional médica para prevenção, tratamento e recuperação do câncer. Capítulo 37. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.p.833,846,849,851,855. IVANO, F. H.; SILVA, L. M.; SENISKI, G. G. et al. Comparação dos níveis plasmáticos de grelina nos períodos pré e pós-operatório em pacientes submetidos à plicatura gástrica associada à fundoplicatura. ABCD, arq. bras. cir. dig. [online].v.26 p.8-12, INIESTA, R. R.; PACIAROTTI, I.; BROUGHAM, M. F. H. et al. Effects of pediatric cancer and its treatment on nutritional status: a systematic review. Nutrit. Rev.p March, KARAMAN, S.; ERCAN, O.; YILDIZ, I. et al. Late effects of childhood all treatment on body mass index and serum leptin levels. Journal of pediat. Endocrinol. and metabol.v.23.n.7.p KOJIMA, C.; KUBOTA, M.; NAGAI, A. et al. Adipocytokines in childhood cancer survivors and correlation with metabolic syndrome components. Pediat. intern.55.p February, KOWATA, C. H.; BENEDETTI, G. V.; TRAVAGLIA, T. et al. Fisiopatologia da caquexia no câncer: uma revisão. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR, Umuarama.v.13.n.3.p Set./ dez., KROETZ, F. M.; CZLUSNIAK, G. D. Alterações bucais e condutas terapêuticas em pacientes infanto-juvenis submetidos a tratamentos anti-neoplásicos. Publ. UEPG. Cl. Biol. Saú. Ponta Grossa.v.2.n.9.p.41-48, Junho, LANZA, L. F.; VALLE, E. R. M. Criança no tratamento final contra o câncer e seu olhar para o futuro. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 31, n. 2, p , June 2014 MIRANDA, B.; VIDAL, S. A.; MELLO, M. J. G. et al. Cancer patients, emergencies service and provision of palliative care. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 62, n. 3, p , June MOSCHOVI, M.; TRIMIS, G.; VOUNATSOU, M. et al. Serial plasma concentrations of PYY and Ghrelin during chemotherapy in children with acute lymphoblastic leukemia. Pediat, hematol. Oncol.v.30n.10. Octuber., MUSZYNSKA- ROSLAN, K.; KROWCZYK- RYBAK, M.; KONSTANTYNOWICZ, J. et al. [Leptin, body composition and bone mineralization in children after treatment for wilms tumor]. Eur. PMC plus.v.1.n.10.p NOIA, T. C.; SANT ANA, R. S. E.; SANTOS, A. D. S. et al. Coping with the diagnosis and hospitalization of a child with childhood cancer. Invest. educ. enferm, Medellín, v. 33, n. 3, p , Dec

35 35 PAPADIA, C.; NAVES, L. A.; COSTA, S. S. S. et al. Incidence of obesity does not appear to be increased after treatment of acute lymphoblastic leukemia in brazilian children: role of leptin. Insulin and igf-1. Horm. resear.v.68.p March, PAPINI- BERTO, S. J.; BURINI, R. C. Causas da desnutrição pós- gastrctomia. Arq. Gastroenterol.v.4.n.38, out./ dez., PETRIDOU, E. T.; DESSYPRIS, N.; PANAGOPOULOU, P. et al. Adipocytokines in relation to Hodgkin lymphoma in children. Pediatric blood & cancer.v.54.p PETRIDOU, E. T.; SERGENTANIS, T. N.; DESSYPRIS, N. et al. Serum adiponectin as a predictor of childhood non- hodking's lymphoma: a nationwide case-control study. Journal of clinical oncology: office journal of the american society of clinical oncology.v.27.n.30.p Octuber RODRIGUES, K. E.; CAMARGO, B. Diagnóstico precoce do câncer infantil: responsabilidade de todos. Rev. Assoc. Med. Brasileira.v. 1.n.49.p.29-34, ROTH, C. L.; ENRIORI, P. J.; GEBHARDT U. et al. Changes of peripheral alphamelanocyte-stimulating hormone in childhood obesity. Metabolism: clinical and experimental.v.59.p SAWICKA- ZUKOWSKA, M.; Krawczuk-Rybak, M.; Muszynska-Roslan, K. et al. Does q223r polymorphism of leptin receptor influence on anthropometric parameters and bone density in childhood cancer survivors? International journal of endocrinology.v.23. p SILVA, M. P. N. Síndrome da anorexia- caquexia em portadores de câncer. Rev. Brasileira de cancerologia.v.1.n.52.p.59-77, SKOCZEN, S. et al. Os níveis plasmáticos de leptina e receptores de leptina solúvel e polimorfismos do gene da leptina -18G> genes de receptores A e leptina K109R e Q223R, em sobreviventes de leucemia linfoblástica aguda. Journal of experimental e clínica câncer research. 30:64, SRIVASTAVA, R.; BATRA, A.; TYAGI, A. et al. Adiponectin correlates with obesity: a study of 159 childhood acute leukemia survivors from india. Indian journal of cancer.v.52.p April/ June, SUEIRO, I. M.; SILVA, L. F.; GOES, F. G. et al. A enfermagem ante os desafios enfrentados pela família na alimentação de criança em quimioterapia. Aquichán, Bogotá, v. 15, n. 4, p , Oct TAN, S. Y. POH, B. K.; NADRAH, M. H. et al. Nutritional status and dietary intake of children with acute leukemia during induction or consolidation chemotherapy. Journal Hum. Nut. Diet.v.26.p.23-33, TAVIL, B.; BALTA, G.; ERGUN, E. L. et al. Leptin promoter g-2548a genotypes and association serum leptin levels in childhood acute leukemia at diagnosis and under hair-dose steroid therapy. Leukemia & lymphoma.v.4.n.53.p April, 2012.

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Nutrigenômica x Nutrigenética - doenças relacionadas

Nutrigenômica x Nutrigenética - doenças relacionadas Nutrigenômica x Nutrigenética - doenças relacionadas Início Projeto Genoma Humano 20.000 genes (120.000 inicialmente estimados) Diversidade nucleotídica: 0,1 a 0,4% pares de base correspondente a aproximadamente

Leia mais

OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES

OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 14-Mai-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 14/05/2015 Estudo

Leia mais

Pâncreas Endócrino Controle da glicemia

Pâncreas Endócrino Controle da glicemia Pâncreas Endócrino Controle da glicemia Curso de Odontologia da UEM Prof. Kellen Brunaldi Silverthorn (Cap. 22) Guyton (Cap. 78) O SNC é responsável por cerca de 50% da glicose diariamente consumida para

Leia mais

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS]

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] [CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] Geriatria é o ramo da Medicina que foca o estudo, a prevenção e o tratamento de doenças e da incapacidade em idosos. Seus objetivos maiores são: manutenção da saúde, impedir

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

FUNÇÕES HIPOTALÂMICAS

FUNÇÕES HIPOTALÂMICAS Os mecanismos hipotalâmicos agem em conjunto, no sentido de preservar a homeostasia. ANATOMIA FUNCIONAL DO HIPOTÁLAMO O hipotálamo exerce sua influência sobre o meio interno através de três sistemas: Sistema

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON

GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON 1) O pâncreas é uma glândula mista, ou seja, possui função endócrina e exócrina. Na porção endócrina, o pâncreas produz dois hormônios: a insulina e o Esses hormônios

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

Influência do Câncer no Estado Nutricional. UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica

Influência do Câncer no Estado Nutricional. UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica Influência do Câncer no Estado Nutricional UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica Caquexia Definição: Síndrome multifatorial caracterizada

Leia mais

GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT

GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT GUIA BÁSICO DE SUPLEMENTAÇÃO MAGVIT SUPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR O QUE É? Os suplementos vão muito além do mundo esportivo, sendo qualquer substância que venha a suprir necessidades de nutrientes no organismo,

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TRAUMA Definição: Problema de saúde pública Principais causas: acidentes e violência

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO Como pode cair no enem Os mecanismos de autorregulação que levam à homeostase, para garantir um equilíbrio dinâmico, implicam retroalimentação (feedback),

Leia mais

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V

DISCUSSÃO DOS DADOS CAPÍTULO V CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS DADOS Neste capítulo, são discutidos os resultados, através da análise dos dados obtidos e da comparação dos estudos científicos apresentados na revisão da literatura. No que respeita

Leia mais

LITERATURA LOWAT PERCA PESO 2X MAIS RÁPIDO

LITERATURA LOWAT PERCA PESO 2X MAIS RÁPIDO LOWAT PERCA PESO 2X MAIS RÁPIDO A obesidade está associada a um desequilíbrio entre ingestão alimentar e gasto energético, e é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal no indivíduo. A obesidade

Leia mais

Trabalho de biologia

Trabalho de biologia câncer Trabalho de biologia neste livro darei exemplos de dois tipos de câncer, que são eles: Câncer de esôfago E Pulmão. A quais falei e seguida. Câncer de esôfago O câncer de esôfago pode ter duas linhagens,

Leia mais

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON Enfermagem em Clínica Médica Doença de Addison Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com DOENÇA DE ADDISON A insuficiência adrenal (IA) primária, também denominada doença de Addison, geralmente

Leia mais

Aplicação na prevenção e no risco de doenças crônicas

Aplicação na prevenção e no risco de doenças crônicas Polimorfismos genéticos Aplicação na prevenção e no risco de doenças crônicas Fabíola Isabel Suano de Souza fsuano@gmail.com INTRODUÇÃO 1 Obesidade Obesidade e mortalidade 18-25 IMC e mortalidade por todas

Leia mais

PERÍODO ABSORTIVO E PÓS-ABSORTIVO

PERÍODO ABSORTIVO E PÓS-ABSORTIVO PERÍODO ABSORTIVO E PÓS-ABSORTIVO HORMONAS QUE REGULAM O METABOLISMO PRINCIPAIS FONTES DE ENERGIA CELULAR VIAS METABÓLICAS DO PERIODO ABSORTIVO ALTERAÇÕES METABÓLICAS DO PERIODO PÓS-ABSORTIVO PRODUÇÃO

Leia mais

O Cancro - Aspectos gerais O termo Cancro é aplicado e utilizado genericamente para identificar um vasto conjunto de doenças que são os tumores malign

O Cancro - Aspectos gerais O termo Cancro é aplicado e utilizado genericamente para identificar um vasto conjunto de doenças que são os tumores malign presentes na Leucemia Daniela Bessa O Cancro - Aspectos gerais O termo Cancro é aplicado e utilizado genericamente para identificar um vasto conjunto de doenças que são os tumores malignos, também designamos

Leia mais

Dia Mundial de Combate ao Câncer: desmistifique os mitos e verdades da doença

Dia Mundial de Combate ao Câncer: desmistifique os mitos e verdades da doença Dia Mundial de Combate ao Câncer: desmistifique os mitos e verdades da doença Enviado por Link Comunicação 03-Abr-2014 PQN - O Portal da Comunicação Link Comunicação É mito ou verdade? Câncer tem cura?

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E ADOLESCÊNCIA OMS: 10 a 19 anos Estatuto da criança e do adolescente:

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON

GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON GUIA DE ESTUDOS INSULINA E GLUCAGON 1) O pâncreas é uma glândula mista, ou seja, possui função endócrina e exócrina. Na porção endócrina, o pâncreas produz dois hormônios: a insulina e o Esses hormônios

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA NUTRIÇÃO CLÍNICA 2010/2011 2º SEMESTRE OBJECTIVOS Verificar desvios nutricionais egrau Identificar doentes com necessidade de intervenção nutricional Avaliar a

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários. Bioquímica. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários. Bioquímica. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes REFERÊNCIA: Bioquímica Ilustrada - Champe ESTÁGIOS DO CATABOLISMO

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES)

Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES) Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES) Profª Drª Flávia Cristina Goulart Universidade Estadual Paulista CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências UNESP Mecanismo de

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO 16 TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

Câncer: sinais, sintomas e diagnóstico

Câncer: sinais, sintomas e diagnóstico Câncer: sinais, sintomas e diagnóstico ROSA, LM; SOUZA, AIJS; ANDERS, JC; TOURINHO, F; RADÜNZ, V.; ANDRADE, A. E.; BERNDT, L. K Departamento de Enfermagem - Projeto de Extensão: Atenção Oncológica na Atenção

Leia mais

Epinefrina, glucagon e insulina. Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo

Epinefrina, glucagon e insulina. Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo Epinefrina, glucagon e insulina Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo Epinefrina ou adrenalina Estímulos para a secreção de epinefrina: Perigos reais ou imaginários Exercício físico

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Distúrbios e doenças ligadas à obesidade Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Índice Introdução O que é a Obesidade? Doenças e distúrbios físicos

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO Dafiny Rodrigues Silva 1, Laís Gomes Lessa Vasconcelos 1, Maria Cecília Costa Moreira Cardoso

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais

SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais LOCALIZAÇÃO SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais TIPO QUÍMICO HORMÔNIO ALVO EFEITOS PRINCIPAIS Glândula pineal Glândula Amina Melatonina Desconhecido Controla

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção cirúrgica indicada

Leia mais

Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA. Comissão de Residência Médica COREME Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA Comissão de Residência Médica COREME Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA Instituída pelo Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977,

Leia mais

Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)?

Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)? Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)? Cristiane Kochi Profa Adjunta da FCMSCSP Desnutrição ou ganho ponderal aumentado na gestação PIG GIG DCNT

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

Aula: Sistemas Reguladores II. Sistema Endócrino

Aula: Sistemas Reguladores II. Sistema Endócrino Aula: Sistemas Reguladores II Sistema Endócrino PROFESSOR: Brenda Braga DATA:29/05/2014 Sistema Endócrino Formado pelo conjunto de Glândulas Endócrinas Responsáveis pela secreção de hormônios. Apenas algumas

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino. Pâncreas Endócrino. Anatomia Microscópica. Anatomia Microscópica

Fisiologia do Sistema Endócrino. Pâncreas Endócrino. Anatomia Microscópica. Anatomia Microscópica Fisiologia do Sistema Endócrino Pâncreas Endócrino Prof. Dr. Leonardo Rigoldi Bonjardim Profa. Adjunto do Depto. De Fisiologia-CCBS-UFS Material disponível em: http://www.fisiologiaufs.xpg.com.br 2006

Leia mais

PREVENÇÃO E COMPLICAÇÕES DA DIABETES ATRAVES DE UM PROJETO DE EXTENSAO

PREVENÇÃO E COMPLICAÇÕES DA DIABETES ATRAVES DE UM PROJETO DE EXTENSAO PREVENÇÃO E COMPLICAÇÕES DA DIABETES ATRAVES DE UM PROJETO DE EXTENSAO Resumo: Jéssica Coimbra Cangussu 1 Clarissa Duarte Sales Carvalho 1 Matheus Medeiros Aguia 1 Leticia Soares Queiroz 1 Sara de Alencar

Leia mais

USO DO PICTOGRAMA DE FADIGA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À TELETERAPIA

USO DO PICTOGRAMA DE FADIGA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À TELETERAPIA USO DO PICTOGRAMA DE FADIGA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À TELETERAPIA Enfº Msc. Bruno César Teodoro Martins Doutorando em Ciência da Saúde pela UFG Introdução Fadiga é definida como uma sensação

Leia mais

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 1 VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 2 3 Como muitas mulheres, Ângela Helena tem uma vida corrida. Ela trabalha, cuida da família, faz cursos e também reserva um tempo para cuidar

Leia mais

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e Projecto Tutorial - Diabetes Trabalho realizado por: Carlos Bernardo 2 º Ano Bioquímica No âmbito da Cadeira de M.E.T. III Ano Lectivo: 2007/2008 Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino.

Leia mais

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção:

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção: Novembro Azul O movimento mundialmente conhecido como Novembro Azul ou Movember visa conscientizar os homens sobre a importância da prevenção do câncer de próstata e tem o bigode como símbolo adotado para

Leia mais

UNISALESIANO. Profª Tatiani

UNISALESIANO. Profª Tatiani UNISALESIANO Profª Tatiani CONTROLE DAS FUNÇÕES DO CORPO.BIOFEEDBACK As diversas funções do corpo humano são decorrentes de processos físico-químicos que continuamente ocorrem em aproximadamente 100 trilhões

Leia mais

Insulino-resistência e obesidade

Insulino-resistência e obesidade 62 Manual sobre Insulino-resistência Insulino-resistência e obesidade A associação de obesidade visceral com resistência à insulina, hipertrigliceridemia, aumento da apolipoproteína B, aumento das LDL

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

DISTÚRBIOS ALIMENTARES. Msc. Roberpaulo Anacleto

DISTÚRBIOS ALIMENTARES. Msc. Roberpaulo Anacleto DISTÚRBIOS ALIMENTARES Msc. Roberpaulo Anacleto Distúrbios alimentares Caracteriza-se por uma grave perturbação do comportamento alimentar, são responsáveis pelos maiores índices de mortalidade entre todos

Leia mais

* Obesidade e Desnutrição. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* Obesidade e Desnutrição. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * Obesidade e Desnutrição Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates Indivíduo Pessoa considerada em suas características particulares Ou seja, possuímos diferenças físicas

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011 PÂNCREAS ENDÓCRINO Felipe Santos Passos 2011 LOCALIZAÇÃO Região epigástrica e hipocondríaca esquerda Nível de L1 L3 Transversalmente na parede posterior do abdome LOCALIZAÇÃO Retroperitoneal Relações Anatômicas:

Leia mais

Biologia. Transplantes e Doenças Autoimunes. Professor Enrico Blota.

Biologia. Transplantes e Doenças Autoimunes. Professor Enrico Blota. Biologia Transplantes e Doenças Autoimunes Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia HEREDITARIEDADE E DIVERSIDADE DA VIDA- TRANSPLANTES, IMUNIDADE E DOENÇAS AUTOIMUNES Os transplantes

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa SUDCAN Sobrevivência de Cancro em Países Europeus de Língua Latina Luísa Glória SUDCAN Sobrevivência indicador global de avaliação de qualidade

Leia mais

Fatores de risco: O histórico familiar é um importante fator de risco não modificável para o câncer de mama. Mulheres com parentes de primeiro grau

Fatores de risco: O histórico familiar é um importante fator de risco não modificável para o câncer de mama. Mulheres com parentes de primeiro grau Câncer O que é câncer? Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase)

Leia mais

Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir)

Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir) Tópicos atuais em câncer de mama Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir) Dr. André Sasse Oncologista Clínico sasse@cevon.com.br Centro de Evidências em Oncologia HC UNICAMP Centro de Evidências em

Leia mais

A pesquisa que chegou a essa conclusão tem o objetivo de explicar a razão de alguns. tecidos do corpo serem mais vulneráveis ao câncer do que outros.

A pesquisa que chegou a essa conclusão tem o objetivo de explicar a razão de alguns. tecidos do corpo serem mais vulneráveis ao câncer do que outros. Pesquisa diz que \'má sorte\' é causa da maioria dos tipos de câncer A ocorrência da maior parte dos tipos de câncer pode ser atribuída mais à \"má sorte\" do que a fatores de risco conhecidos, como o

Leia mais

Nutrição na Adolescência. Profa. Msc. Milena Maia

Nutrição na Adolescência. Profa. Msc. Milena Maia Nutrição na Adolescência Profa. Msc. Milena Maia ADOLESCÊNCIA Segundo a OMS é o período da vida que se inicia aos 10 anos de idade e prolonga-se até os 19 anos, caracterizado por intensas modificações

Leia mais

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

Tópicos de Imunologia Celular e Molecular (Parte 2)

Tópicos de Imunologia Celular e Molecular (Parte 2) IMUNOLOGIA BÁSICA Tópicos de Imunologia Celular e Molecular (Parte 2) Prof. M. Sc. Paulo Galdino Os três outros tipos de hipersensibilidade ( II, III e IV) têm em comum uma reação exagerada do sistema

Leia mais

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Daiani de Bem Borges Farmacêutica (NASF/PMF) Preceptora da Residência Multiprofissional em Saúde/UFSC/PMF Doutoranda - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/UFSC

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 INTRODUÇÃO Câncer de mama: resultante de proliferação incontrolável de células anormais. Origem:

Leia mais

Título principal. Modelo_3. Texto

Título principal. Modelo_3. Texto Acompanhamento nutricional de pacientes de Cabeça e Pescoço Vitor Modesto Rosa Aspectos nutricionais da doença Câncer Tipo Localização Estágio Tratamento Radioterapia Sintomas Alteração no paladar Boca

Leia mais

Prof. Dra. Bruna Oneda

Prof. Dra. Bruna Oneda Hipertrofia Muscular Prof. Dra. Bruna Oneda Hipertrofia muscular A hipertrofia de fibras musculares individuais, com o treinamento de força, é resultante de um aumento da síntese de proteínas musculares,

Leia mais

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica Professor: Rafaell Batista Pereira E-mail: rafaell.pereira@fasete.edu.br Código: Carga Horária:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO APOIO FAMILIAR A CRIANÇA EM TRATAMENTO ONCOLÓGICO: UMA REVISÃO DE LITERATURA

CONTRIBUIÇÕES DO APOIO FAMILIAR A CRIANÇA EM TRATAMENTO ONCOLÓGICO: UMA REVISÃO DE LITERATURA CONTRIBUIÇÕES DO APOIO FAMILIAR A CRIANÇA EM TRATAMENTO ONCOLÓGICO: UMA REVISÃO DE LITERATURA Nandson Henrique da Silva¹; Marina Saraiva de Araújo Pessoa²; José Rocha Gouveia Neto³; Mônica Gusmão LaFrande

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção cirúrgica indicada

Leia mais

LITERATURA MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS!

LITERATURA MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS! MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS! A Organização Mundial de Saúde aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. Segundo dados

Leia mais

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica Obesidade Bibliografia Conclusão A Bulimia nervosa é um transtorno alimentar causado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguidos

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

ESTRESSE EMBASAMENTO FISIOLÓGICO E RELAÇÕES COM A PRODUÇÃO ANIMAL

ESTRESSE EMBASAMENTO FISIOLÓGICO E RELAÇÕES COM A PRODUÇÃO ANIMAL ESTRESSE EMBASAMENTO FISIOLÓGICO E RELAÇÕES COM A PRODUÇÃO ANIMAL Definição de homeostase Se entende como a manutenção do equilíbrio do meio interno do organismo, se dá por meio de uma série de sistemas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) PROJETO DE LEI Nº., DE 2011 (Do Sr. ELISEU PADILHA) Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/2 Aprovada pela Resolução nº 15 CONSEPE, de 18 de junho de 2014.

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/2 Aprovada pela Resolução nº 15 CONSEPE, de 18 de junho de 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DO MUCURI FAMMUC CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/2 Aprovada pela Resolução

Leia mais

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho TUMOR DO TESTÍCULO 10 / 100 000 homens entre os 20 e os 54 anos aumento da incidência nas últimas décadas Neoplasia sólida mais comum nos homens entre os

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: Sistema Endócrino Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Hormônios: Substâncias informacionais distribuídas pelo sangue. Eles modificam o funcionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO DISICIPLINA FISIOLOGIA HUMANA Período 2º PROFESSOR (a) Alexandre Batista

Leia mais

Iniciação e progressão neoplásica

Iniciação e progressão neoplásica Biopatologia Iniciação e progressão neoplásica Diana Santos Ana Isabel Teixeira Doenças degenerativas -Nos indivíduos novos - a etiologia é hereditária: são sobretudo doenças catabólicas que ocorrem em

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos.

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos. ANÁLISE DAS REAÇÕES ADVERSAS OCORRIDAS DEVIDO AO USO DE ANTIDEPRESSIVOS EM IDOSOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA CRASPI DE GOIÂNIA Gislaine Rosa de SOUZA 1 ; Ana Elisa Bauer

Leia mais

CÂNCER DE COLON. Prof. Dr. Erasmo Benicio Santos de Moraes Trindade

CÂNCER DE COLON. Prof. Dr. Erasmo Benicio Santos de Moraes Trindade CÂNCER DE COLON Prof. Dr. Erasmo Benicio Santos de Moraes Trindade 1. Definição É um conjunto de doenças caracterizado pelo progressivo acúmulo de mutações no genoma de uma célula. Estas mutações conduzem

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO órgãos hormônios

SISTEMA ENDÓCRINO órgãos hormônios SISTEMA ENDÓCRINO Conjunto de órgãos que apresentam como atividade característica a produção de secreções denominadas hormônios, que são lançados na corrente sanguínea e irão atuar em outra parte do organismo,

Leia mais