1 Nossa herança dualista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Nossa herança dualista"

Transcrição

1 1 Nossa herança dualista Pois, para tornar intuitiva a localização de minha alma, isto é, de meu eu absoluto, em qualquer lugar do espaço, devo perceber a mim mesmo através do mesmo sentido pelo qual também percebo a matéria que imediatamente me rodeia, assim como ocorre quando quero determinar meu lugar no mundo como um ser humano, a saber, devo considerar meu corpo em relação com outros corpos fora de mim. Mas a alma se percebe apenas através do sentido interno, enquanto percebe o corpo (quer interna, quer externamente) apenas através dos sentidos externos, e, consequentemente, ela não pode de forma alguma determinar nenhuma localização de si mesma, porque para isso ela teria de fazer de si mesma um objeto de sua própria intuição externa e teria de situar-se fora de si mesma, o que é autocontraditório. I. Kant, A epistemologia e a filosofia da mente que praticamos ainda hoje são profundamente dualistas. Esse dualismo nos foi legado primeiro pelos gregos clássicos, em especial Platão, com sua teoria das Ideias e a distinção entre uma realidade transcendente e as aparências enganadoras, e pelos modernos, em especial Descartes e a distinção mais elaborada entre o corpo, como máquina natural, submetida ao determinismo físico, e a mente, como tudo aquilo que há em nós que possa escapar ao determinismo natural, como o pensamento e a vontade. As duas ordens de distinções foram incorporadas por Kant em sua filosofia crítica, com os devidos ajustes e correções que esse filósofo julgou necessários tanto a Platão como a Descartes, marcando definitivamente o pensamento filosófico desde fins do século XVIII até hoje, seja para os que aceitam essa postura, seja para os que a rejeitam. Em outras palavras, o dualismo ou, melhor dizendo, 1 Cf. KANT, 2007a [1796], 225 6, itálicos no original; tradução do texto publicado em 12: 31 5, na edição da Academia das obras de Kant. Em uma nota de rodapé desse texto no qual Kant critica a tentativa do médico Samuel T. Soemmerring (em seu livro Über das Organ der Seele, publicado em 1796 e dedicado a Kant), o filósofo diz ainda: Por mente entende-se a faculdade de combinar as representações dadas e de efetuar a unidade da apercepção empírica (animus), mas não a substância (anima) de acordo com sua natureza, o que é inteiramente distinto daquele assunto... (KANT, 2007a [1796], p. 223n [12: 32n]). Essa nota é acrescentada a uma passagem em que há também uma referência crítica a Descartes sobre o mesmo ponto. Kant sustenta fundamentalmente um tipo de dualismo diferente daquele de Descartes. Sobre esse ponto, cf. também a Antropologia de um ponto de vista pragmático (KANT, 2007b [1798], p. 286 [7: 176]). Ainda em consonância com a epígrafe deste capítulo, nessa última obra, cf. KANT, 2007b [1798], p. 321 [7: 216], Kant reafirma sua opinião de que é contraditório querer localizar a alma por meio do sentido externo, sendo a própria alma o órgão do sentido interno (KANT, 2007b [1798], p. 272 [7: 161], e, portanto, o tempo é a única forma da sensibilidade pela qual ela pode ser percebida. Nessa mesma última passagem citada, Kant separa a questão se a alma é ou não uma substância (que é, psicológica e, logo, metafísica, para ele) da questão sobre o caráter da experiência interna (que é antropológica, segundo Kant).

2 os dualismos de que estamos tratando se tornaram o ponto de partida do filósofo profissional desde Kant. Os dois dualismos de que falamos são, primeiro, o dualismo entre mente e corpo, obviamente, sendo o conhecimento atribuído à mente, claro, e sendo semelhante à vontade, isto é, independente do determinismo a que o corpo está sujeito e aqui Kant concorda com Descartes, e, segundo, o dualismo entre realidade e aparência, sendo a aparência atribuída à mente humana e a realidade àquilo que ela procura apreender e que está para além dela mesma e aqui Kant ao mesmo tempo concorda e discorda tanto de Platão como de Descartes, pois o que pode ser conhecido (apreendido) é a aparência, o fenômeno, as coisas-para-nós; mas isso não significa que não possa haver algo para além das aparências, as coisas-em-si. Elas existem, a razão assim nos diz e nisso acreditamos, embora não possam ser conhecidas. Independentemente dos acordos e desacordos entre os três mencionados filósofos, eles estão ligados a esses dualismos, isto é, encaram o conhecimento como um evento mental e o corpo como algo que pode ser conhecido em certa medida, pelo menos enquanto parte do que aparece para nós, mas que não pode conhecer. Quem conhece é a mente (no sentido puramente psicológico do termo). Em outras palavras, nossas capacidades cognitivas são capacidades puramente mentais e não corpóreas. E como elas devem ser pressupostas para a ação, uma vez que agimos e interferimos na ordem natural e social do mundo, sobre os corpos e sobre as pessoas, o ser humano não pode ser concebido de maneira monista, isto é, de natureza ou apenas física, ou apenas mental. Ele tem de ser necessariamente compreendido de forma dualista: ao mesmo tempo como mente que age sobre o mundo e como parte do mundo (seu corpo). E o problema é então como compreender de que maneira essas duas formas de ser podem conviver no mesmo ente, como explicar aquilo que Descartes denominou a união substancial ou, nos termos mais recentes da filosofia da mente de hoje, como explicar a interação psicofísica. Diversas concepções foram elaboradas para dar conta desse problema, a partir do próprio Descartes no Discurso do método, nas Meditações e em outros escritos, mas principalmente nas Paixões da alma. 2 Em todos os casos, trata-se de explicar como o corpo e a mente podem interagir ou, mais especificamente, como corpo e mente podem 2 Cf. DESCARTES, 1953, para todas essas obras, dentre outras do filósofo, no mesmo volume. 19

3 agir um sobre o outro se é que podem, pois alguns negam essa possibilidade, enquanto outros ainda dizem que tal interação é mera aparência, e não um acontecimento real. Desse modo, nos livros mais antigos de metafísica e nos mais recentes de filosofia da mente, encontramos rubricas como: materialismo, idealismo, paralelismo, interacionismo, epifenomenalismo, ocasionalismo, teoria da harmonia preestabelecida e teoria do duplo aspecto, entre outras. Algumas se pretendem monistas, e negam o dualismo tradicional, tal como certas formas do materialismo, outras são dualistas, e procuram conciliar o físico com o mental, como o ocasionalismo, o paralelismo etc. Os monismos básicos são, obviamente, o materialismo e o idealismo (ou mentalismo, ou espiritualismo) puros, sendo que o primeiro afirma que tudo é matéria e que, portanto, o que se há de explicar é como pode haver eventos mentais em um mundo inteiramente material, e o segundo afirma que tudo é espírito ou de natureza mental e que, logo, o que se há de explicar é o tipo de aparência que denominamos matéria. O dualismo básico é aquele que provavelmente se encontra em Descartes, isto é, a ideia de que existem tanto a matéria (res extensa) como o espírito (res cogitans), e que, por conseguinte, o que se há de explicar é como se dá a interação entre essas coisas de naturezas diferentes a mencionada interação psicofísica justamente. O registro das discussões dessas doutrinas é fundamentalmente metafísico no sentido tradicional e no sentido que desejamos dar ao termo aqui, em oposição ao que vamos denominar propriamente ontológico (ou conceitual). Ou seja, está em discussão a constituição ou estofo do mundo, isto é, de que são feitas as coisas que há. 3 Esse tipo de discussão se encontra tanto em filósofos modernos, como Descartes, Spinoza, Leibniz e Kant, quanto em autores contemporâneos no domínio da filosofia da mente. Mas, nesse campo e na filosofia a partir dos inícios do século XX, há também autores que encaminham as discussões de uma forma que podemos dizer que seja, antes, ontológica, no sentido contemporâneo do termo tanto para a tradição analítica como para a tradição fenomenológica e existencialista, do que metafísica no sentido tradicional, isto é, como teoria do estofo. Em outras palavras, muitas vezes como uma distinção ou que diz respeito a formas da linguagem, ou de nosso conhecimento do mundo e não sobre o que 3 Utilizamos o termo estofo, embora pouco usual, por nos parecer mais neutro em relação às teorias que falam de matéria, energia, espírito etc., isto é, das diversas modalidades cosmológicas. Em parte, as teorias metafísicas tradicionais são teorias do estofo, digamos então, já que elas pretendem discutir de que são feitas as coisas que há e que tipos de estofo existem. Para uma discussão desses pontos, cf. também DU- TRA, 2013b, em especial quanto à postura emergentista associada ao realismo perspectivista segundo o que podemos distinguir entre níveis de realidades emergentes (físico, orgânico, mental, social). Nesse mencionado artigo, a mesma distinção entre questões ontológicas (ou conceituais) e questões metafísicas é feita e explicada. 20

4 é o estofo do mundo, procuramos discutir que coisas há e se entre elas há alguma que se possa encontrar sob a rubrica geral de matéria e outras que recairiam sob a rubrica geral de mente. Nesse último caso, se matéria e mente não são tomadas como diferentes estofos, devem ser explicadas ou como coleções de propriedades, ou como coleções de eventos. O dualismo é inevitável pelo menos como ponto de partida da discussão e, conceitualmente falando, ele pode ser adequado, pelo menos enquanto a alegação de que o uso de dois vocabulários distintos um fisicalista, outro mentalista é sempre legítimo, embora talvez isso não nos possa conduzir ao conhecimento de dois tipos diferentes de estofo do mundo e esse, a nosso ver, é o teor do texto de Kant citado no início deste capítulo. Sobre isso a ontologia contemporânea toma considerável distância da metafísica tradicional e denuncia seus erros e exageros, como já era a intenção de Kant fazer. As malfadadas tentativas modernas e contemporâneas de reduzir o físico ao mental ou o mental ao físico podem indicar certos acertos do dualismo, digamos. Mas as igualmente malsucedidas tentativas de estabelecer a conexão entre o físico e o mental podem, por sua vez, indicar os erros do dualismo. A nosso ver, há um acerto fundamental no dualismo, que é de caráter conceitual ou ontológico. Esse acerto é aquele que Kant quis pôr em evidência. Mas, em contrapartida, há um erro fundamental, que é de caráter metafísico ou cosmológico, digamos. Este capítulo se destina a comentar esses dois pontos e a esclarecer em que sentido uma perspectiva dualista no plano ontológico não implica uma posição dualista no plano cosmológico. Em outras palavras, ao falarmos de corpo e de mente, não estamos falando de diferentes estofos do mundo. Mas, por outro lado, isso não significa que estejamos apenas diante de duas formas alternativas de falar das mesmas coisas. Embora nosso ponto de vista seja profundamente influenciado por dois autores contemporâneos de grande importância para a psicologia filosófica a saber, Gilbert Ryle (2002) e Donald Davidson (1980), por outro lado, desejamos evitar as conclusões extremas a que eles foram levados ao tentarem conciliar os dois aspectos que aqui estamos denominando conceitual (ou ontológico) e metafísico (ou cosmológico). Além disso, a distinção que estamos propondo entre essas duas ordens de questões se baseia na forma pela qual Quine entende esses assuntos, em especial, suas ideias expostas em On What There Is e em Ontological Relativity (QUINE, 1980 e 1969, respectivamente), embora também não desejemos uma filiação estrita à filosofia desse autor. Nas próximas seções vamos analisar algumas das questões salientes que a tradição nos legou 21

5 a respeito do entendimento do que são noções como: corpo, mente e pessoa. Nosso objetivo é preservar um tipo de dualismo (ou talvez, melhor dizendo, pluralismo) conceitual, evitando ao mesmo tempo qualquer dualismo metafísico. 1.1 O corpo é matéria? Um dos primeiros enganos das discussões sobre a relação entre corpo e mente é a ideia de que a noção de corpo humano coincide com aquela de corpo tout court ou, melhor dizendo, que tratar do corpo humano seria tratar de um caso de coisa material, ou de objeto físico, isto é, pura e simplesmente res extensa, para utilizarmos a expressão de Descartes. A confusão resulta de não termos claro se o que está em questão é o estofo do mundo ou o conceito de corpo humano. Admitamos pelo menos pro tempore o dualismo tal como formulado por Descartes, isto é, que as coisas que há são ou de natureza corpórea (ou material), ou de natureza mental (ou espiritual). Isso posto, certamente, nosso corpo não é de natureza mental, mas material. Contudo, não se segue daí que o corpo humano ou como máquina natural, ou como organismo seja algo físico ou material do ponto de vista conceitual, isto é, especificamente no que diz respeito a suas propriedades e aos eventos que delas dependem. Conceitualmente falando, o corpo humano é um tipo de estrutura, isto é, um arranjo de partes que pode ser assimilado ou a uma máquina, ou a um organismo: dois tipos de sistemas. Para as ciências da vida, ele é um organismo, obviamente. Embora Descartes tenha identificado os organismos animais com máquinas, não é essa noção que corresponde àquela noção de organismo que se desenvolveu nas ciências da vida nos séculos posteriores a ele. Uma forma simples de distinguir máquinas de organismos, pelo menos tal como isso foi feito na segunda metade do século XIX, por exemplo, a partir de Claude Bernard (1984 [1865]), o pai da fisiologia moderna, consiste em tomar o organismo como aquele tipo de estrutura ou sistema natural que possui um meio interno auto-regulativo. Bernard foi o primeiro a utilizar a noção de meio interno de uma forma teoricamente mais desenvolvida e a descrever a economia dos organismos por meio dessa noção. 4 E mesmo as máquinas mais sofisticadas de hoje são incapazes de simular algo semelhante a isso, ou seja, um tipo de meio interno que seja equivalente àquele tipo que encontramos nos seres vivos. 4 Para uma explicação geral da teoria de Claude Bernard do meio interno, suas descobertas científicas e suas reflexões epistemológicas, cf. DUTRA, 2001b. 22

6 Outra forma filosoficamente mais elaborada de distinguir máquinas de organismos é aquela de Kant na Crítica da faculdade de julgar (KANT, 2010 [1790]), segundo a qual a maneira pela qual encaramos um organismo está associada fundamentalmente à ideia de finalidade da natureza, enquanto esse não é o caso em relação a uma máquina, embora as máquinas sejam construídas por nós com determinadas finalidades, obviamente. 5 Mas, claramente, em relação a uma máquina, a finalidade é o projeto ou o plano elaborado pelo construtor, enquanto que em relação a um organismo não ainda que as questões teológicas sobre um ser supremo como construtor do mundo e de suas partes possam ser então evocadas, como o próprio Kant discute na referida obra. 6 De qualquer modo, pondo de lado a relação entre a ideia de finalidade da natureza e de um ser supremo como seu criador, e embora esses não sejam os termos utilizados por Kant, podemos dizer que, desse ponto de vista, pelo menos pro tempore, os organismos seriam dotados de finalidade própria ou intrínseca, digamos assim, enquanto que as máquinas não. Essas podem ser compreendidas segundo a finalidade que seus construtores lhes conferiram. 7 Contudo, independentemente de respeitarmos estritamente essa distinção ou não, o corpo humano como um tipo de sistema ou estrutura não é algo material ou físico, ainda que seja feito do mesmo estofo do qual são feitas outras coisas que não são sistemas, mas estruturas mais simples, como uma pedra, por exemplo. Do ponto de vista 5 Claude Bernard também associa a noção de finalidade à de organismo, e de um modo bastante semelhante a Kant quando opõe o entendimento dos processos fisiológicos em termos de causas eficientes e o entendimento do organismo como um todo como algo voltado para uma finalidade própria. Mas, obviamente, essas discussões não contam com a mesma sofisticação filosófica que temos em Kant. Sobre esses pontos, cf. DUTRA, 2001b, cap Não estamos nos prendendo estritamente aos termos que o próprio Kant utiliza na obra citada (KANT, 2010) para discutirmos o assunto. De fato, para ele, a diferença entre uma máquina e um organismo reside no fato de que temos conhecimento das máquinas por meio de juízos determinantes e do uso da categoria de causação, permitindo descrever o funcionamento da máquina apenas em termos de causas eficientes, enquanto que, no caso dos organismos, a cognição se dá por meio de juízos reflexionantes e do uso da ideia de finalidade da natureza. A ideia de uma finalidade conferida pelo autor de um objeto é aquela que Kant associa à de obra de arte que, assim como o organismo, é objeto de juízos reflexionantes, e não de juízos determinantes. 7 A nosso ver e ao contrário do que pensava Kant uma máquina também deve ser encarada como uma estrutura voltada para determinada finalidade, como discutiremos a seguir. Uma das formas que encontramos hoje de definir máquina no contexto das discussões epistemológicas é aquela proposta por Nancy Cartwright quando essa autora apresenta sua noção de máquina nomológica. Ela diz que uma máquina nomológica é uma máquina que exibe leis (CARTWRIGHT, 1999, p. 50s). Por sua vez, segundo a autora, as máquinas são configurações estáveis de componentes com determinadas capacidades apropriadamente protegidas e postas em funcionamento continuamente (CARTWRIGHT, 1999, p. 151). A esse respeito, cf. também DUTRA, 2013a, cap. 5. A noção de Cartwright não envolve a noção de finalidade da estrutura que é descrita como uma máquina e, a nosso ver, é compatível com a noção kantiana de máquina. A máquina nomológica de que fala Cartwright, por sua vez, exibiria leis que descrevem o comportamento do sistema em termos puramente mecânicos, isto é, apontando causas eficientes. Essa definição de máquina proposta por Cartwright não evita, contudo, que assimilemos os próprios organismos a máquinas, o que faz aquela forma de entender o termo que propomos adiante, neste capítulo. 23

7 cosmológico ou metafísico, o corpo humano e uma pedra são ambos materiais; mas quando tratamos da relação entre mente e corpo, não é isso o que importa, e sim considerar o corpo humano de um ponto de vista conceitual ou ontológico. E, nesse caso, o corpo humano enquanto um organismo animal é algo completamente diferente daquele tipo de estrutura física que é uma pedra. Embora uma pedra possua uma organização molecular, obviamente, esse não é o tipo de organização que faz dela um sistema propriamente. Ela não é nem uma máquina, nem um organismo. Está claro, então, que pelo menos para efeitos de argumentação, é preciso definir claramente os termos que estão sendo aqui utilizados, a saber: estrutura, sistema, máquina e organismo. Ainda que outras distinções e formas de correlacionar essas noções sejam sempre possíveis, esperamos que a forma que vamos apresentar em seguida seja útil pelo menos para podermos mostrar que a relação entre corpo e mente não é a mesma que pode haver, do ponto de vista do dualismo metafísico, entre matéria e mente (ou espírito), isto é, entre res extensa e res cogitans. Entendamos então por estrutura qualquer arranjo de partes, o que faz tanto de pedras, pedaços de madeira, a porção de água dentro de um copo ou em um lago etc. estruturas materiais ou, mais estritamente falando, moleculares, na medida em que são coisas constituídas de agregados de moléculas, e átomos, e partículas elementares quaisquer que sejam, das quais tais outras estruturas microscópicas possam ser feitas. Tais estruturas obedecem fundamentalmente às leis da física (e da química), e correspondem ao que os autores modernos (como Locke, Hume e também Descartes e Kant) denominavam corpo, como quando eles discutem, por exemplo, se há corpos que corresponderiam aos dados de nossos sentidos que os representam. Esse tipo de estrutura não é um sistema no sentido em que propomos tomar esse outro termo. 8 Assim, entendamos por sistema o tipo de estrutura que pode possuir partes que, por sua vez, como subsistemas, têm seu funcionamento voltado para o funcionamento do todo. Esse todo possui propriedades que suas partes não possuem. Um sistema é então a estrutura ou configuração de partes que pode interagir com outras estruturas 8 No sentido que estamos conferindo aqui ao termo estrutura (como um ordenamento ou configuração de objetos), Bertrand Russell em Introduction to Mathematical Philosophy (RUSSELL, 1993 [1919], p. 60s) afirma que uma estrutura é um mapa. Russell fala especificamente de relações, e diz que duas coisas possuem a mesma estrutura se o mesmo mapa serve para ambas. Logo, uma delas pode também ser um mapa da outra. O mapa de uma relação (isto é, sua estrutura), diz Russell, é algo mais abstrato do que outras formas de considerá-la (por exemplo, a extensão da relação). O que é revelado pelo mapa é exatamente a estrutura da relação considerada, portanto. Cf. também DUTRA, 2013a, Introdução. 24

8 em virtude de suas propriedades, mas não das propriedades de suas partes. 9 Se estivermos considerando coisas microscópicas, teríamos então forçosamente que considerar as moléculas e os átomos como sistemas, como também é usual fazer na microfísica. Mas estamos aqui tratando de coisas macroscópicas; e, nesse caso, uma pedra ou a água de um lago não são sistemas, pois suas partes possuem as mesmas propriedades que o todo. Contudo, uma máquina e um organismo são sistemas, já que podem ser subdivididos em subsistemas ou partes articuladas que não possuem as propriedades do todo. Elas possuem outras propriedades que as capacitam a interagir e constituir funcionalmente o todo. A diferença entre um desses tipos de sistema e o outro residirá então no tipo de articulação das partes ou subsistemas. 10 Deste modo, entendamos então por máquina aquele tipo de sistema cujas partes são articuladas mecanicamente, isto é, elas atuam sobre o todo como causas eficientes do comportamento geral do sistema, embora a máquina enquanto tal, sendo destinada a uma finalidade, possa ser pensada em termos teleológicos e não meramente mecânicos. 11 Finalmente, entendamos por organismo o tipo de sistema capaz de autoregulação ou homeostase, embora essa auto-regulação possa se dar por meio de mecanismos eficientes internos. As únicas estruturas reconhecidas até hoje como claramente portadoras desse tipo de capacidade são os organismos animais e vegetais, além de alguns tipos de cristais um fato, aliás, assinalado por Kant em sua terceira crítica. 12 Em outras palavras, um organismo é o sistema que possui meio interno, necessário para a auto-regulação; uma máquina não. A distinção entre os meios internos e externos das máquinas também pode ser feita, obviamente, uma vez que elas também são, a nosso 9 Essa forma de definir um sistema, a nosso ver, está de acordo com aquela concepção apresentada por Herbert Simon (1996, p. 183s), quando esse autor fala de sistemas hierárquicos. Cf. também DUTRA, 2013a, cap. 10, e os próximos capítulos, quando voltaremos diversas vezes às ideias de Simon. 10 Por sua vez, considerados do ponto de vista da microfísica, máquinas e organismos não são sistemas, obviamente, mas apenas agregados de outros sistemas, que são as moléculas, átomos etc. de que são feitas tais coisas macroscópicas. Obviamente, cabe aqui a mesma relatividade ontológica da qual fala Quine (1969) em relação às teorias. O que é um sistema (ou não) do ponto de vista macroscópico não o é (ou é, ou pode ser também) do ponto de vista microscópico, dependendo isso da teoria que empregamos. 11 Entendemos por mecânico o processo ou a configuração de partes que atuam umas sobre as outras como causas eficientes. Logo, uma explicação mecânica de um sistema é aquela que aponta causas eficientes. A articulação mecânica das partes de um sistema não sugere que haja contato direto das superfícies dessas partes, tal como o termo mecânico é entendido popularmente. Sugere, ao contrário, que há uma interface que permite a relação causal eficiente entre as partes assim articuladas ou postas em relação. 12 Por essa razão, Kant, que não fala de estruturas no sentido mais geral que estamos dando a esse termo, distingue máquinas, de um lado, de organismos e obras de arte, de outro, sendo esses últimos, em oposição às máquinas, pensados por meio da ideia de finalidade, mas de maneiras diferentes, o que os coloca então, respectivamente, como dois tipos diferentes de sistemas, num sentido diverso daquele em que estamos empregando o termo sistema aqui. Cf. KANT, 2010 [1790]. 25

9 ver, sistemas. Mas o comportamento das partes ou subsistemas de uma máquina em seu ambiente interno não exibe o mesmo tipo de fenômeno de auto-regulação que um organismo. 13 Se essas distinções terminológicas forem aceitáveis, então as noções de estrutura, sistema, máquina e organismo se separam nitidamente, embora possa haver casos particulares que representariam certa dificuldade para essa forma de classificação das coisas no mundo. Não pretendemos que essas distinções propostas aqui sejam capazes de esgotar todas as coisas que possamos querer classificar, mas apenas pôr determinada ordem na maioria daquelas que a experiência nos oferece. Máquinas e organismos não são os únicos tipos de sistemas que nos interessam, contudo. Quando falamos, por exemplo, de sistemas sociais, que são instituições, e de sistemas de cognição distribuída, estamos também falando de estruturas que são sistemas, mas que não são nem máquinas, nem organismos. A questão que, nesse caso, pode se colocar é se as instituições são como máquinas ou como organismos. Elas são sistemas de cognição distribuída, possuindo finalidade própria e auto-regulação, assim como os organismos, e diferentemente das máquinas, mas um tipo de auto-regulação que se realiza de maneira diferente. Uma instituição não se autorregula da mesma forma que um organismo; a diferença fundamental está no fato de que as instituições têm pessoas como suas partes constitutivas, os organismos não. Mas antes de falarmos de pessoas, voltemos à noção de corpo. A esta altura, a pergunta que dá título a esta seção pode então ser respondida da seguinte maneira: o corpo não é algo material. O corpo humano é um organismo, isto é, um tipo de sistema auto-regulador. Isso significa que ele não é descrito e explicado por meio de leis da física (e possivelmente da química), como aquelas que evocamos com relação às estruturas que caracterizamos como corpo no sentido dos filósofos modernos, isto é, coisa material. Podemos então sustentar um tipo de monismo materialista no plano metafísico que é perfeitamente compatível com um dualismo conceitual, segundo o qual, o corpo humano com o qual devemos correlacionar a mente humana é um organismo no sentido específico que estamos dando ao termo, e que não pode então ser tomado como coisa material. Assim posto, o problema da relação entre corpo e mente não tem nada a ver com algum problema metafísico sobre a relação entre matéria e espírito, 13 Cf. CANNON, 1963; cf. também BERNARD, 1984, autor a cuja obra remonta a noção de homeostase, ou auto-regulação, ou equilíbrio do meio interno do organismo. Cf. ainda WIENER, 1965, p. 114s, para uma comparação dos organismos com as máquinas. 26

10 este último sendo um tipo de estofo cuja existência é hoje, como sabemos, nos meios filosóficos e científicos profissionais, considerada completamente duvidosa e algo não defensável nem científica, nem metafisicamente. Em outras palavras, o problema da relação entre a mente humana e o corpo (humano) tem de ser discutido no plano conceitual, o que faz mudar completamente a forma como a questão deve ser tratada. Não se trata de nenhuma interação psicofísica entre matéria e mente, mas da interação entre aquilo que de modo mais abstrato denominamos atributos mentais das pessoas e aquilo que costumamos indicar como seus atributos físicos, fisiológicos ou, em suma, relativos a seu organismo. Visto desse modo, o problema é completamente outro, pois o organismo humano pode ser encarado então, no plano conceitual, como um mediador necessário e também suficiente entre a mente e o mundo, isto é, entre conhecer e agir. Não é preciso, pois, encontrarmos dentro do organismo humano uma sede da alma ou da mente, uma estrutura fisiológica que permitiria a interação psicofísica, como Descartes procurava. O organismo humano é o lugar no mundo onde há a interação entre a pessoa e o meio social e natural que a rodeia, entre sua cognição e sua ação. A questão que precisa então ser discutida é a da distinção conceitual entre pessoa e organismo e a da interação entre tais coisas, se esse for o caso. 1.2 A pessoa é o organismo humano? No artigo Crença, regra e ação (DUTRA, 2010b), ao tratarmos da questão das crenças que não acarretam modificações de comportamento, dissemos que um agente não é o corpo com o qual normalmente o identificamos. Mais precisamente, o agente ou a pessoa que age não é o organismo humano. Embora possamos e mesmo devamos muitas vezes empregar a noção biológica de organismo humano para identificarmos pessoas físicas (no sentido legal, por exemplo, como distintas de instituições ou pessoas jurídicas), o que dissemos naquele artigo é que o agente deve ser considerado em termos comportamentais, isto é, como a totalidade de seu repertório de ação e que apenas em uma primeira aproximação podemos associá-lo ao organismo humano. Quando falamos de determinadas instituições como agentes, obviamente, não há como fazer tal identificação, mesmo que provisória. Nesse caso, as pessoas físicas são a mediação entre as instituições e o mundo assunto que será tratado nos outros capítulos deste texto. Nes- 27

11 te capítulo, como dissemos no final da seção anterior, interessa-nos a questão da mediação entre a pessoa e o mundo. Essas considerações preliminares já são suficientes para respondermos à pergunta que dá título a esta seção, ou seja, que a pessoa (isto é, o agente) não é o organismo. Mas o organismo é uma mediação necessária, pois não há agente humano (que saibamos) que não aja por meio de seu corpo, isto é, que não atue no mundo como organismo biológico. Além disso, quando falamos do agente de uma forma comportamental, isto é, nos referindo a seus episódios de ação ou interferência no mundo, estamos falando dele de forma mentalista e não biológica ou fisiológica, isto é, fisicalista. 14 Assim, o problema da relação entre mente e corpo deve ser reformulado como o problema da relação entre agente e organismo, o que nos conduz ao conceito de pessoa humana. Por um lado, então, não podemos compreender uma pessoa humana independentemente do organismo (que é, por sua vez, um conceito biológico ou fisicalista e não psicológico ou mentalista), mas, sendo a noção de pessoa uma noção psicológica, obviamente, por outro lado, essa noção não se reduz àquela de organismo. A questão mais apropriada que deve ser colocada então é a seguinte: o agente é a pessoa humana? Nesse caso, a resposta é afirmativa. O agente é a pessoa física, embora pessoas jurídicas também possam ser agentes. Mas quando falamos do agente humano, estamos nos referindo a seus atributos mentais, e não fisiológicos. O engano que pode haver nesse caso consiste em tomar o agente como a mente e o corpo ou organismo apenas como um mediador entre o agente e o mundo. Embora, a nosso ver, não seja também inteiramente apropriado nos expressarmos assim, podemos dizer que o agente ou a pessoa humana é o lugar da mediação entre mente e mundo. E o engano a que isso pode nos conduzir é não nos darmos conta de que o termo mente, nesse caso, designa os atributos de caráter psicológico da pessoa, e que o termo mundo designa o meio externo ao organismo. E, por sua vez, a mente não é algo que esteja dentro do organis- 14 Embora os termos fisicalista e fisicalismo, de um lado, e mentalista e mentalismo, de outro, tenham outros usos na filosofia da mente e da psicologia atualmente, estamos utilizando-os aqui especificamente no sentido conceitual. Ou seja, algo é fisicalista e está relacionado com o fisicalismo se envolve conceitos físicos em sentido amplo (inclusive conceitos químicos, biológicos etc.), e é mentalista e está relacionado com o mentalismo se envolve conceitos psicológicos (também em sentido amplo, isto é, tendo a ver com processos cognitivos, emotivos, comportamentais etc.), conceitos relativos, portanto, aos temas de que tratam tanto a psicologia empírica como a psicologia filosófica (ou seja, a filosofia da ação, a filosofia da mente, a parte da metafísica que trata desses assuntos e as discussões de fundamentação da psicologia empírica). O sentido que associamos a esses termos, portanto, é próximo daquele de Davidson (1980), e também associa o que é fisicalista com as ciências naturais e o que é mentalista com as ciências sociais, humanas ou culturais, embora não seja preciso sustentar uma distinção rígida entre esses dois campos científicos, o que, de fato, não pretendemos fazer. 28

12 mo. O termo mente apenas designa de forma mais abstrata os atributos psicológicos do agente ou pessoa humana. Uma vez caracterizada de forma comportamental e ambientalista, esse tipo de confusão a que pode conduzir a noção de mente humana se desfaz. Aquilo que designamos pelo termo mente também pode ser descrito como um sistema cognitivo, mas trata-se de um sistema cognitivo diferente daquele em que consiste a pessoa humana ou o agente humano. Quando nos perguntamos pelo que seria interno à pessoa humana, essa pergunta é ambígua. Pois podemos estar querendo saber ou sobre o que é interno a seu organismo, e que pode ser descrito em termos fisiológicos (termos fisicalistas, portanto), ou sobre o que é interno a sua mente, e que deve ser descrito em termos cognitivos ou psicológicos (termos mentalistas, portanto) e entre tais coisas internas estão suas crenças, opiniões etc. (O termo interno nos dois casos não tem o mesmo significado; e podemos dizer mesmo que, no segundo, trata-se de uma metáfora, tal como quando falamos das noções internas a uma teoria.) Falar do que seria interno à pessoa propriamente seria equivocado porque misturaria duas ordens de questões. E a distinção clara entre elas é um dos acertos do dualismo. A nosso ver, quando filósofos como Descartes e Kant insistem no caráter dualista do ser humano é a isso que eles se referem. Ou seja, trata-se do fato de que não podemos confundir o agente ou a pessoa humana com o organismo humano. Ideia semelhante se encontra no tipo de dualismo conceitual defendido por Davidson (1980), autor que, aliás, diz seguir Kant a esse respeito, denominando sua posição de monismo anômalo. 15 Embora não desejemos, como já mencionamos acima, neste capítulo, reduzir nossa perspectiva àquela de Davidson, concordamos com esse autor que o dualismo no plano conceitual é adequado e compatível com o monismo materialista no plano metafísico. Mas desejamos explicitar essa posição dualista no plano conceitual de forma diferente daquela de Davidson. Ela é 15 A conhecida postura defendida por Davidson em alguns de seus ensaios reunidos no volume Essays on Actions and Events (DAVIDSON, 1980), e denominada monismo anômalo ou, numa melhor tradução, monismo não nomológico, consiste fundamentalmente em afirmar que os eventos físicos são aqueles que podem ser descritos nomologicamente (em termos de leis causais estritas), isto é, evocando leis físicas (em sentido amplo, o que incluiria também os domínios da química e das ciências da vida), enquanto que os eventos mentais são descritos por enunciados não nomológicos que utilizam um vocabulário mentalista (não fisicalista) irredutível. Segundo Davidson, no domínio da psicologia, o máximo que podemos ter são generalizações empíricas sobre o comportamento, não leis causais genuínas. Assim sendo, segundo esse autor, não há interação psicofísica. Concordamos com essa conclusão, mas por razões muito diferentes das de Davidson, como o restante deste capítulo pretende mostrar. Além disso, vale notar que o fisicalismo e o mentalismo a que nos referimos acima guardam uma importante diferença com relação ao entendimento de Davidson sobre o assunto. Para esse autor, apenas o que é fisicalista é nomológico, e o que é mentalista não. No caso da postura que adotamos uma forma de ambientalismo que será explicada adiante, neste capítulo, e também nos próximos, o que é mentalista também pode ser nomológico. Não se trata de uma questão de princípio, mas de nossa capacidade pragmática de investigar o mundo. 29

13 também diferente, obviamente, das posturas defendidas por outros dualistas não apenas metafísicos, mas também conceituais, como Descartes e Kant. O dualismo conceitual que é preciso explicar é aquele entre, de um lado, a noção de organismo e, de outro, a noção de pessoa. A noção de organismo é inteiramente fisicalista e pertence ao domínio das ciências da vida e, em última instância, às ciências naturais. Trata-se, portanto, de uma noção biológica ou fisiológica, e situa o ser humano no contexto do mundo natural. A noção de pessoa é mentalista em um sentido neutro do termo, isto é, pertence ao domínio da psicologia, da filosofia da mente e da filosofia da ação, e situa o ser humano no contexto do mundo social. Isso não implica, contudo, que estejamos defendendo implicitamente (nem explicitamente, é óbvio) uma demarcação rígida entre o mundo natural e o mundo social, como dissemos acima, nem entre as ciências naturais e as ciências humanas ou sociais. Do ponto de vista conceitual, os mundos natural e social são duas formas diferentes de abstração. Mas também não são, como gostaria Ryle (2002), apenas duas formas alternativas do discurso ou, melhor dizendo, dois discursos alternativos, elaborados em formas diferentes de linguagem, embora isso também seja o caso. Mas, a nosso ver, não o é da forma eliminadora que Ryle propõe. É o caso apenas porque diferentes teorias, em diferentes domínios, recorrem a vocabulários distintos e, logo, criam dialetos diferentes, levando ao problema da tradução entre tais dialetos ou diversas formas de linguagem científica. Ao falarmos dos mundos natural e social, estamos utilizando duas formas alternativas do discurso porque estamos utilizando noções diferentes, ligadas a teorias diferentes e, logo, a ontologias diferentes, no sentido de Quine (1969; 1980). E o dualismo de que estamos falando implica que tais ontologias não sejam inteiramente redutíveis uma à outra; mas não implica, por outro lado, que não possa haver traduções aceitáveis entre suas formas de linguagem ou dialetos. Pois, se examinarmos a ação do ponto de vista natural (isto é, naturalista ou fisicalista), o agente é o organismo, já que ele é necessariamente o lugar no mundo no qual está a pessoa, isto é, onde podemos localizar a pessoa em termos espaçotemporais. Mas isso seria apenas uma forma de falar, pois quando examinamos a ação do ponto de vista social (psicológico ou mentalista), quem age é a pessoa, não seu organismo; o que também é uma forma de falar. E embora possamos de certo modo localizar temporalmente uma pessoa (pois podemos datar o início e o final de suas ações), uma pessoa não pode ser localizada de maneira espaçotemporal, estritamente falando. Essas traduções parciais e indeterminadas entre as formas de linguagem fisicalista e mentalista conciliam as ideias de mente e de organismo, isto é, tor- 30

14 nam aceitável podermos pensar em duas ordens de explicação da ação e dos fatos humanos sem reducionismo e sem problemas metafísicos insolúveis, como o problema da interação psicofísica, ainda que a indeterminação permaneça. Recorrer à metafísica não é a solução e é isso o que, a nosso ver, nos ensinam tanto Kant como Quine, embora de diferentes formas. Não há interação psicofísica alguma porque, quando falamos da ação como algo realizado pelo organismo no mundo físico ou material, estamos em um registro conceitual e ontológico diferente de quando falamos da ação como algo realizado pela pessoa humana, quando estamos então em um registro conceitual segundo o qual a ação é um evento mental ocorrido em um contexto social. Mas a ação é ao mesmo tempo, forçosamente, um evento físico no mundo natural. E por isso a noção de organismo é central para o entendimento do assunto, embora não possamos reduzir a noção de pessoa àquela de organismo. O dualismo consiste então, em última instância, em precisarmos falar do agente também em termos mentalistas ou psicológicos. Trata-se, portanto, de um dualismo sem mistério. O dualismo conceitual de Davidson é diferente porque mantém o mistério, uma vez que faz dos discursos fisicalista e mentalista duas formas irreconciliáveis da linguagem. Para o dualismo ambientalista e naturalizado que estamos propondo, os dois discursos são compatíveis, pois é possível fazer traduções (ainda que parciais e indeterminadas) entre eles, e pensarmos que estamos falando do mesmo mundo, embora não possamos falar de todos os seus aspectos por meio da mesma coleção de noções e de uma só forma de linguagem ou a fisicalista, ou a mentalista A noção mentalista de agente: a pessoa humana O agente do ponto de vista fisicalista é o organismo humano; do ponto de vista mentalista, ele é a pessoa. Desse ponto de vista, o agente deve ser descrito de forma comportamental, mais especificamente, ambiental. Como argumentamos no artigo antes 16 Seguindo em parte Davidson (mas também Dennett), é por isso que Quine em seus dois últimos livros, Pursuit of Truth e From Stimulus to Science (QUINE, 1990, cap. 4; 1995, cap. 8, respectivamente) sustenta que as formas de linguagem extensional e intensional são ambas não elimináveis. Ele fala mesmo do ser humano como um animal bifurcado (QUINE, 1990, p. 62), isto é, a respeito do qual não são elimináveis nem as noções fisicalistas (expressáveis em um vocabulário puramente extensional), nem as mentalistas (que requerem um vocabulário intensional e intencional). Concordamos com Quine a esse respeito, mas o problema é exatamente como explicar essa bifurcação ontológica dos seres humanos. O ambientalismo que procuramos defender é uma forma de dar respostas a essas questões, conciliando o natural e o social, coisa que, a nosso ver, Davidson não fez, mantendo a demarcação rígida que já se encontra em Kant e, antes dele, em Descartes. 31

15 citado (DUTRA, 2010b), o fato de atribuirmos crenças, opiniões etc. a um agente humano não implica o tipo de mentalismo tradicional associado, por exemplo, ao dualismo cartesiano, nem a muitas das formas de cognitivismo contemporâneo, mas à forma de mentalismo conceitual que descrevemos na seção anterior deste capítulo. Que o agente deva ser descrito de forma comportamental, isso decorre do tipo de papel que ele desempenha em sistemas de cognição distribuída, como veremos na próxima seção. Essa abordagem é compatível com o tipo de perspectiva adotada por Edwin Hutchins (1996), quando esse autor expõe e defende sua teoria dos sistemas de cognição distribuída. A abordagem de Hutchins é ambientalista, como a nossa; segundo ele, ela concilia aspectos do cognitivismo e do ambientalismo, evitando o tipo de mentalismo envolvido na maior parte da psicologia cognitiva contemporânea, que é o mesmo tipo de mentalismo tradicional associado ao dualismo cartesiano, e que se fundamenta na ideia de que a ação humana se explica unicamente por meio de entidades, processos, mecanismos, propriedades cognitivas etc. localizadas na mente humana, dentro das fronteiras da pele (do organismo, portanto), e que o que está fora da pele, no ambiente no qual se localiza o organismo, e que resulta da ação do organismo, depende apenas do que está dentro da pele, não sendo, portanto, função de quaisquer variáveis ambientais. Desse modo, o ambientalismo proposto por Hutchins é compatível com uma parte pelo menos das análises do comportamento produzidas pela tradição behaviorista. Ou, melhor dizendo, entre a tradição behaviorista, a teoria dos sistemas de cognição distribuída proposta por Hutchins e a forma de ambientalismo que desejamos defender, há em comum o fato de todas essas variantes levarem em conta fatores ambientais no entendimento das questões cognitivas e da ação humana, sem eliminar, contudo, por outro lado, a atribuição ao agente de fatores internos, mas apenas na forma de hipóteses descritivas, e não de hipóteses explicativas, tal como também discutimos no mencionado artigo (DUTRA, 2010b). 17 Seguindo então essas ideias básicas, o agente humano deve ser descrito em termos comportamentais, isto é, como aquilo que conceitualmente resume determinados repertórios de comportamento ou ação. 18 O agente é então retratado de maneira compor- 17 As hipóteses descritivas completam a narração de determinados fatos, acrescentando informação que não foi obtida empiricamente, mas poderia ter sido assim obtida. Por sua vez, as hipóteses explicativas recorre a elementos de outro nível de realidade, acrescentando informação que não pode ser obtida empiricamente (DUTRA, 2010b, p. 282). 18 Não vamos fazer uma distinção entre comportamento e ação, coisa que fazem diversos autores hoje, como, por exemplo, Davidson (1980), seguindo uma perspectiva essencialmente kantiana. Em termos, contudo, de hipóteses meramente descritivas, é possível fazer a distinção, tal como fizemos em DUTRA, 32

16 tamental por meio de hipóteses descritivas sobre seu comportamento passado, o que envolve fatores ambientais, e deve permitir chegar a localizar padrões de comportamento. Assim, resumidamente, do ponto de vista conceitual, o agente é a coleção de seus padrões de comportamento. Conhecer determinado agente ou pessoa, portanto, nos coloca na posição de prever seu comportamento ou ação em determinados contextos. E isso significa que podemos então, também de forma meramente descritiva, retratar o agente como parte de um sistema de cognição distribuída, como um subsistema de um sistema complexo hierárquico, sistema esse que compreende outros agentes e determinadas instituições, como veremos nas próximas seções, assim como nos próximos capítulos, a respeito de temas particulares ligados à ação humana. Isso quer dizer que, do ponto de vista conceitual, a noção de agente (que é mentalista, comportamental e, portanto, psicológica, no sentido que estamos dando a esses termos) se distingue nitidamente da noção de organismo (que é, como vimos, fisicalista e biológica). Mas se mudarmos do registro conceitual ou ontológico, para o registro metafísico ou cosmológico, então tanto a pessoa (ou agente) como o organismo são identificados com a mesma região do mundo aquela na qual localizamos o corpo humano, situado no espaço e no tempo e feito daquele estofo que a ciência compreende como matéria. Esse monismo metafísico se mantém dentro das fronteiras do materialismo (ou fisicalismo), mas o dualismo conceitual se sustenta igualmente. Científica e filosoficamente, o que sustenta tal dualismo conceitual é a possibilidade de haver teorias psicológicas bem elaboradas que sejam capazes de apresentar hipóteses descritivas convincentes sobre o comportamento humano, a ponto de nos permitir então falar do agente humano como algo distinto de seu organismo. As teorias que tornam a noção de organismo humano científica e filosoficamente aceitável são aquelas oriundas do domínio das ciências da vida, obviamente. Assim, a possibilidade de manter esse dualismo conceitual reside na possibilidade de uma psicologia empírica bem fundamentada, e demanda também então uma psicologia filosófica adequadamente formulada. Tal psicologia filosófica pode então ser vista como uma antropologia, pois a noção central com a qual ela deve lidar é a noção de pessoa humana. Em outras palavras, nas discussões de psicologia e de filosofia da mente e da ação, a noção mais primitiva deve ser aquela de pessoa essa entendida como uma coleção de padrões de compor- 2006b, diferenciando movimento, de comportamento e de ação. Para os propósitos da presente discussão, tal diferenciação não é necessária. 33

17 tamento. É dessa forma que podemos identificar o agente humano e distingui-lo claramente de outras noções. Desse ponto de vista, não pode haver dúvidas ao dizermos que quem age é a pessoa, não seu corpo, organismo ou quaisquer outras estruturas, sejam elas cognitivas, sejam fisiológicas. Por essa mesma razão, ao contrário do que querem muitas teorias cognitivistas e neurofisiológicas hoje, não podemos identificar o agente com estruturas internas (dentro da pele), quer cognitivas, quer neurofisiológicas. Pois tais estruturas internas e a pessoa (no sentido ou cognitivo, ou neurofisiológico) não podem ser quem age, já que elas não estabelecem uma relação entre o eu e o mundo, mas apenas entre um eu abstrato e o organismo. Mas esse, por sua vez, estabelece uma relação entre a pessoa (um eu concreto) e o mundo, isto é, o ambiente social e natural no qual a pessoa age. Dessa perspectiva, por um lado, o cognitivismo padrão, digamos, recai no mentalismo tradicional, dualista do ponto de vista metafísico, enquanto que as doutrinas neurofisiológicas recaem no materialismo metafísico. Elas não alcançam as distinções conceituais que podem preservar o dualismo sem recair na metafísica tradicional. A coleção de padrões de comportamento em que consiste uma pessoa, portanto, para ser dotada de unidade, e podermos então falar do eu, deve também ser descrita como um sistema cognitivo. E por isso é preciso atribuir à pessoa crenças, opiniões etc. E, em última instância, é preciso levantar também a hipótese explicativa (e não meramente descritiva) de que todos esses padrões de comportamento e as crenças e opiniões correspondentes constituem um único sistema, isto é, o eu. Assim, a pessoa enquanto sistema cognitivo pode ser o objeto de pesquisas propriamente cognitivas, caso em que tal sistema será encarado como um sistema complexo hierárquico (no sentido de SIMON, 1996). Isso quer dizer que tal sistema cognitivo possui subsistemas e que as propriedades do sistema que é a pessoa não são propriedades de seus subsistemas. Esse tipo de pesquisa representa aqui aquilo que tem sido descrito na literatura recente em filosofia da mente e da psicologia como uma incursão para dentro. A noção de pessoa é central e procuramos explorar o que há dentro da pessoa. E se encararmos a pessoa humana como a noção básica dessa forma de psicologia, então estaremos livres da ambiguidade que havia quando falávamos do que é interno à pessoa, pois isso podia ser tomado ou no sentido mentalista tradicional, ou no sentido fisicalista (fisiológico). Segundo a perspectiva aqui adotada, o que é interno à pessoa é tomado claramente em termos mentalistas, psicológicos ou cognitivistas, mas no sentido mais 34

O diálogo entre a psicanálise e a neurociência: o que diz a filosofia da mente? Elie Cheniaux

O diálogo entre a psicanálise e a neurociência: o que diz a filosofia da mente? Elie Cheniaux O diálogo entre a psicanálise e a neurociência: o que diz a filosofia da mente? Elie Cheniaux As relações entre a psicanálise e a neurociência As relações entre a psicanálise e a neurociência As relações

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB RESUMO Filosofia Psicologia, JB - 2010 Jorge Barbosa, 2010 1 Saber se o mundo exterior é real e qual a consciência e o conhecimento que temos dele é um dos problemas fundamentais acerca do processo de

Leia mais

Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência".

Epistemologia deriva de episteme, que significa ciência, e Logia que significa estudo, etimologia como o estudo da ciência. Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência". Epistemologia é a teoria do conhecimento, é a crítica, estudo ou tratado

Leia mais

NATUREZA DO CONHECIMENTO

NATUREZA DO CONHECIMENTO NATUREZA DO CONHECIMENTO CONHECER E PENSAR Conhecer e pensar são uma necessidade para o ser humano e indispensável para o progresso. Sabemos que existimos porque pensamos. Se nada soubéssemos sobre o universo

Leia mais

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV.

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. A REVOLUÇÃO CARTESIANA Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. Descartes (1596-1650) foi educado por jesuítas. Ele iniciou a filosofia moderna com um

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza Introdução Eduardo Ramos Coimbra de Souza SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOUZA, ERC. Introdução. In: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato: uma teoria sobre as representações

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

FILOSOFIA PRÉ-PUBLICAÇÕES A LIBERDADE É UM FATO NATURAL OU UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL? 1. Luiz Henrique de A. Dutra

FILOSOFIA PRÉ-PUBLICAÇÕES A LIBERDADE É UM FATO NATURAL OU UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL? 1. Luiz Henrique de A. Dutra FILOSOFIA PRÉ-PUBLICAÇÕES A LIBERDADE É UM FATO NATURAL OU UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL? 1 Luiz Henrique de A. Dutra ANO VI, NÚMERO 51, JUNHO 2001 2 Já que não poderia ser um fato no mundo, para Kant, a liberdade

Leia mais

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes PESSOA E AMBIENTE; O ESPAÇO VITAL Todo e qualquer evento psicológico depende do estado da pessoa e ao mesmo tempo

Leia mais

Filosofia. IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA

Filosofia. IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA Filosofia IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ACTIVIDADE COGNOSCITIVA JOÃO GABRIEL DA FONSECA 1.2 Teorias Explicativas do Conhecimento René Descartes

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA

Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA Concepções do Desenvolvimento INATISTA AMBIENTALISTA INTERACIONISTA Concepção Inatista Eventos que ocorrem após o nascimento não são essenciais para o desenvolvimento. As capacidades, a personalidade,

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

5 Conclusão. ontologicamente distinto.

5 Conclusão. ontologicamente distinto. 5 Conclusão Considerando a força dos três argumentos anti-materialistas defendidos por Chalmers e a possibilidade de doutrinas alternativas não materialistas, devemos definitivamente abandonar o materialismo?

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo JR exemplo (TODOS citado

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

edelman 7/9/05 15:22 Página 19 CAPÍTULO 1 A Mente do Homem COMPLETANDO O PROGRAMA DE DARWIN

edelman 7/9/05 15:22 Página 19 CAPÍTULO 1 A Mente do Homem COMPLETANDO O PROGRAMA DE DARWIN edelman 7/9/05 15:22 Página 19 CAPÍTULO 1 A Mente do Homem COMPLETANDO O PROGRAMA DE DARWIN Em 1869, Charles Darwin exasperou-se com o seu amigo Alfred Wallace, co-fundador da teoria da evolução. Tinham

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

A Concepção Moderna do Ser humano

A Concepção Moderna do Ser humano A Concepção Moderna do Ser humano A concepção do ser humano no humanismo Concepção renascentista do Civilização da Renascença Séc. XIV - XVI Idade do humanismo Tradição medieval - crista humanismo cristão

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV I A pluralidade dos ordenamentos: - Um outro problema pertinente ao ordenamento jurídico é o das relações entre ordenamentos. Assim, para que possamos falar

Leia mais

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade

2 A Concepção Moral de Kant e o Conceito de Boa Vontade O PRINCÍPIO MORAL NA ÉTICA KANTIANA: UMA INTRODUÇÃO Jaqueline Peglow Flavia Carvalho Chagas Universidade Federal de Pelotas 1 Introdução O presente trabalho tem como propósito analisar a proposta de Immanuel

Leia mais

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:.

Trabalho sobre: René Descartes Apresentado dia 03/03/2015, na A;R;B;L;S : Pitágoras nº 28 Or:.Londrina PR., para Aumento de Sal:. ARBLS PITAGORAS Nº 28 Fundação : 21 de Abril de 1965 Rua Júlio Cesar Ribeiro, 490 CEP 86001-970 LONDRINA PR JOSE MARIO TOMAL TRABALHO PARA O PERÍODO DE INSTRUÇÃO RENE DESCARTES LONDRINA 2015 JOSE MARIO

Leia mais

Como entender a ação do signo fora do contexto da vida cognitiva?

Como entender a ação do signo fora do contexto da vida cognitiva? Fisio-Semiótica Como entender a ação do signo fora do contexto da vida cognitiva? Peirce: o universo está repleto de signos, se não for composto exclusivamente de signos justifica-se esta concepção tão

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

DUTRA, Luiz Henrique de A. Epistemologia da Aprendizagem. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2000, 136pp. (Coleção o que você precisa aprender sobre...

DUTRA, Luiz Henrique de A. Epistemologia da Aprendizagem. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2000, 136pp. (Coleção o que você precisa aprender sobre... Resenhas 323 DUTRA, Luiz Henrique de A. Epistemologia da Aprendizagem. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2000, 136pp. (Coleção o que você precisa aprender sobre... ) Como reconhece o próprio autor, o livro

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

O que é o conhecimento?

O que é o conhecimento? Disciplina: Filosofia Ano: 11º Ano letivo: 2012/2013 O que é o conhecimento? Texto de Apoio 1. Tipos de Conhecimento No quotidiano falamos de conhecimento, de crenças que estão fortemente apoiadas por

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico AULA FILOSOFIA O realismo aristotélico DEFINIÇÃO O realismo aristotélico representa, na Grécia antiga, ao lado das filosofias de Sócrates e Platão, uma reação ao discurso dos sofistas e uma tentativa de

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

O Positivismo de Augusto Comte. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

O Positivismo de Augusto Comte. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior O Positivismo de Augusto Comte Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior Augusto Comte (1798-1857). Um dos pais fundadores da Sociologia. Obras principais: Curso de Filosofia Positiva. 6 volumes. (1830-1842).

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Aluno: Matrícula: Curso: Unidade de Estudo: Data Prova: / / METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO AVP MÉDIA 1 A B C D 2 A B C D 3 A B C D 4 A B C D 5 A B C D 6 A B C D 7

Leia mais

A CRIANÇA, OS CONCEITOS TEMPORAIS E A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO OCORRE ESSA RELAÇÃO?

A CRIANÇA, OS CONCEITOS TEMPORAIS E A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO OCORRE ESSA RELAÇÃO? 1 A CRIANÇA, OS CONCEITOS TEMPORAIS E A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO OCORRE ESSA AÇÃO? Aluna: Jéssica Castro Nogueira (Pibic 2012) Aluna: Karla da Silva Martins (Pibic 2013) Orientadora: Zena Eisenberg Que

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor No diálogo Fédon, escrito por Platão, seu personagem Sócrates afirma que a dedicação à Filosofia implica que a alma

Leia mais

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa 2009 Projeto de capa: Luiz Carioca Ilustração da capa: Eduardo Marinho Diagramação: Farrer (C) Copyleft - É livre, e inclusive

Leia mais

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE l! Os parâmetros para decisão do auditor.! Tipos de planos de amostragem estatística em auditoria. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell por: Marouva Fallgatter Faqueti Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedade em redes 1/2016 Professor: Aires José Roverr Peter Russell (1946 - ) Escritor e

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 9 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

INTRODUÇÃO AO O QUE É A FILOSOFIA? PENSAMENTO FILOSÓFICO: Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

INTRODUÇÃO AO O QUE É A FILOSOFIA? PENSAMENTO FILOSÓFICO: Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO FILOSÓFICO: O QUE É A FILOSOFIA? Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO FILOSOFIA THEORIA - ONTOS - LOGOS VER - SER - DIZER - A Filosofia é ver e dizer aquilo que

Leia mais

Psicologia e Senso Comum. "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS

Psicologia e Senso Comum. ... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história. EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum O que é Psicologia? Como usamos o termo Psicologia? A Psicologia é recente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO lugafap@yahoo.com.br jlgabriel.blogspot.com POSITIVISMO JURÍDICO: O NORMATIVISMO DE HANS KELSEN BITTAR e ALMEIDA, Curso de Filosofia do

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO 30 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO Moura Tolledo mouratolledo@bol.com.br Brasília-DF 2006 31 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO

Leia mais

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA O ser humano ao longo de sua existência foi construindo um sistema de relação com os demais

Leia mais

18/03/2014. Artigo Cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico não é:

18/03/2014. Artigo Cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico não é: Artigo cientifico Artigo Cientifico Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.

Leia mais

Duas teorias realistas para a interpretação da semântica dos mundos possíveis

Duas teorias realistas para a interpretação da semântica dos mundos possíveis 77 Duas teorias realistas para a interpretação da semântica dos mundos possíveis Renato Mendes Rocha 1 mendesrocha@gmail.com Resumo: O discurso a respeito dos Mundos Possíveis pode ser uma ferramenta bastante

Leia mais

V CONIFIL. Linguagem, Ética e Política. O indeterminismo e a Ciência atual Alexandre Klock Ernzen - Unioeste

V CONIFIL. Linguagem, Ética e Política. O indeterminismo e a Ciência atual Alexandre Klock Ernzen - Unioeste V CONIFIL Introdução O indeterminismo e a Ciência atual Alexandre Klock Ernzen - Unioeste A tarefa principal da ciência pode ser caracterizada como a busca pela verdade. No entanto, essa busca desde a

Leia mais

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura.

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. Santo André 2014 INTRODUÇÃO Nunca um sistema de pensamento dominou tanto uma época como a filosofia

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

BOLTZMANN E A MATEMATIZAÇÃO DA FÍSICA NO SÉCULO XIX

BOLTZMANN E A MATEMATIZAÇÃO DA FÍSICA NO SÉCULO XIX BOLTZMANN E A MATEMATIZAÇÃO DA FÍSICA NO SÉCULO XIX Educação Matemática GT 19 Katya Margareth Aurani (UNINOVE) Muito se tem discutido sobre a relação entre Matemática e Física. Qual é o papel da Matemática

Leia mais

Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre o Positivismo. Ao final desta espera-se que você aprenda sobre as características do

Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre o Positivismo. Ao final desta espera-se que você aprenda sobre as características do Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada sobre o Positivismo. Ao final desta espera-se que você aprenda sobre as características do positivismo como forma de análise sociológica. Análise que pretende

Leia mais

Do conceito de Complexidade I. Uma introdução ao tema da complexidade e dos sistemas complexos.

Do conceito de Complexidade I. Uma introdução ao tema da complexidade e dos sistemas complexos. Do conceito de Complexidade I Uma introdução ao tema da complexidade e dos sistemas complexos. 1 Uma preocupação: Tema complexo e vago que acena para o irracional? 2 Uma motivação: Está em curso uma mudança

Leia mais

Pesquisa Científica. Atividade da Aula Passada... Pesquisa Científica. Pesquisa Científica...

Pesquisa Científica. Atividade da Aula Passada... Pesquisa Científica. Pesquisa Científica... Atividade da Aula Passada... Qual a relação entre Conhecimento, Ciência e Metodologia? Qual a relação do Conhecimento Empírico com a Ciência? Com base na sua experiência de vida, seu empirismo, existe

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

Pró-letramento Matemática Estado de Minas Gerais

Pró-letramento Matemática Estado de Minas Gerais Pró-letramento Matemática Estado de Minas Gerais Diferentes significados de um mesmo conceito: o caso das frações. 1 Cleiton Batista Vasconcelos e Elizabeth Belfort Muitos conceitos matemáticos podem ser

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA Mais uma vez a UFPR oferece aos alunos uma prova exigente e bem elaborada, com perguntas formuladas com esmero e citações muito pertinentes. A prova de filosofia da UFPR

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem na Educação Profissional numa perspectiva contemporânea

Avaliação da Aprendizagem na Educação Profissional numa perspectiva contemporânea Avaliação da Aprendizagem na Educação Profissional numa perspectiva contemporânea Avaliar é dar nota? Quando a professora Rose Neubauer publicou seu livro É Proibido Repetir, em 1993, causou o maior tumulto

Leia mais

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino.

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. A idéia de ação mediada que trazemos para compreender a sala de aula inspira-se nos estudos de James Wertsch, discutidas em seu livro Mind as Action

Leia mais

Introdução ao pensamento de Marx 1

Introdução ao pensamento de Marx 1 Introdução ao pensamento de Marx 1 I. Nenhum pensador teve mais influência que Marx, e nenhum foi tão mal compreendido. Ele é um filósofo desconhecido. Muitos motivos fizeram com que seu pensamento filosófico

Leia mais

RESENHA. LOWE, E. J. A Survey of Metaphysics. Oxford: Oxford University Press, 2002, 416 pp.

RESENHA. LOWE, E. J. A Survey of Metaphysics. Oxford: Oxford University Press, 2002, 416 pp. RESENHA LOWE, E. J. A Survey of Metaphysics. Oxford: Oxford University Press, 2002, 416 pp. Pedro Merlussi 1 Eis aqui mais ou menos o que a academia brasileira parece pensar acerca da metafísica nos dias

Leia mais

Roteiro 16. Livre-arbítrio. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 16. Livre-arbítrio. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 16 Livre-arbítrio FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Correlacionar o conceito de livre-arbítrio ao de ética, moral, vontade,

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO. PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE.

MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO. PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE. MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO Rodrigo Hernandez SOARES 1 ; Ricardo Couto Antunes da ROCHA 2 PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE. 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos 6 Conclusão Foi visto no segundo capítulo que, de acordo com Raz, uma teoria dos sistemas envolve quatro questões diferentes: a questão de sua existência, de sua identidade, de sua estrutura e de seu conteúdo.

Leia mais

O que é pesquisa? inquietações, ou para um problema;

O que é pesquisa? inquietações, ou para um problema; Metodologia da Pesquisa: A construção do conhecimento O que é pesquisa? 1. Pesquisar é procurar respostas para inquietações, ou para um problema; 2. Atividade básica das ciências na sua indagação e descoberta

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

COMPORTAMENTO INTENCIONAL E CONTEXTOS SOCIAIS : UMA ABORDAGEM NOMOLÓGICA. Luiz Henrique de Araújo Dutra

COMPORTAMENTO INTENCIONAL E CONTEXTOS SOCIAIS : UMA ABORDAGEM NOMOLÓGICA. Luiz Henrique de Araújo Dutra Abstracta 2 : 2 pp. 102 128, 2006 COMPORTAMENTO INTENCIONAL E CONTEXTOS SOCIAIS : UMA ABORDAGEM NOMOLÓGICA Luiz Henrique de Araújo Dutra Abstract This paper aims to argue for a lawful, intentional approach

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein NOME DO AUTOR: Priscilla da Veiga BORGES; André da Silva PORTO. UNIDADE ACADÊMICA: Universidade Federal de

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 6 semestres. Prof. Dr. Jaimir Conte Habilitação: Bacharelado e Licenciatura em Filosofia Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Renovação Atual de Reconhecimento - Port. nº286/mec de 21/12/12-DOU 27/12/12.Curso reconhecido pelo Decr.

Leia mais

Pesquisa Científica. Pesquisa Científica. Classificação das Pesquisas... Pesquisa Científica... Interpretar resultados. Realizar a pesquisa

Pesquisa Científica. Pesquisa Científica. Classificação das Pesquisas... Pesquisa Científica... Interpretar resultados. Realizar a pesquisa Pesquisa Científica Pesquisa Científica! Procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento.! É um

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 4º Teste Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento, de compreensão

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência de. Química 12º ano. Ano Letivo: 2016/2017 Código da Prova: 342

Informação-Prova de Equivalência à Frequência de. Química 12º ano. Ano Letivo: 2016/2017 Código da Prova: 342 Química 12º ano Modalidade da Prova: Escrita e Prática Duração da Prova: Prova Escrita: 90 minutos Prova Prática: 90 minutos Caracterização da Prova: A prova de exame integra itens de tipologia diversificada,

Leia mais

JUÍZOS INFINITOS E DETERMINAÇÃO EM KANT

JUÍZOS INFINITOS E DETERMINAÇÃO EM KANT SÍLVIA ALTMANN JUÍZOS INFINITOS E DETERMINAÇÃO EM KANT Sílvia Altmann UFRGS/CNPQ Na tábua dos juízos, sob o título da qualidade, Kant introduz três momentos: juízos afirmativos, negativos e infinitos.

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

Aspectos introdutórios. rios

Aspectos introdutórios. rios Aspectos introdutórios rios Aspectos teóricos Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Os psicólogos sociais constroem e testam teorias acerca do comportamento social; Teoria psicossociológica o É

Leia mais

FILOSOFIA DA MENTE CORRENTES MATERIALISTAS

FILOSOFIA DA MENTE CORRENTES MATERIALISTAS FILOSOFIA DA MENTE CORRENTES MATERIALISTAS Behaviorismo analítico reação contra a tradição dualista positivistas vienenses na década de 30, e mais tarde por Gilbert Ryle, sob influência de Wittgenstein

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 12) Segundo Marx,as relações de produção ou a natureza da produção e a organização do trabalho, determinam a organização de uma sociedade em um específico momento histórico. Em relação ao pensamento de

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica II. Entropia e Temperatura. Marcos Moura & Carlos Eduardo Aguiar

Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica II. Entropia e Temperatura. Marcos Moura & Carlos Eduardo Aguiar UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física Entropia

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Descartes. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31)

Descartes. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) Descartes René Descartes ou Cartesius (1596-1650) Naceu em La Haye, França Estudou no colégio jesuíta de La Flèche Ingressa na carreira militar Estabeleceu contato com Blayse Pascal Pai da filosofia moderna

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

1. Goodman e a dissolução do problema da indução

1. Goodman e a dissolução do problema da indução Discussões 297 MONTEIRO, HUME E ADÃO LUIZ HENRIQUE DE A DUTRA Universidade Federal de Santa Catarina O prof João Paulo Monteiro e uma das pessoas que marcou minha formação e que mais contribuiu para meu

Leia mais

As tendências contemporâneas no ensino de Matemática e na pesquisa em Educação Matemática: questões para o debate i

As tendências contemporâneas no ensino de Matemática e na pesquisa em Educação Matemática: questões para o debate i As tendências contemporâneas no ensino de Matemática e na pesquisa em Educação Matemática: questões para o debate i José Dilson Beserra Cavalcanti ii INTRODUÇÃO A finalidade do presente trabalho é apresentar

Leia mais

Nota sobre a Filosofia e o Espírito Critico

Nota sobre a Filosofia e o Espírito Critico Nota sobre a Filosofia e o Espírito Critico Alberto Cupani (*) Constitui um fenômeno freqüente na vida intelectual contemporânea a defesa da filosofia em nome da necessidade de cultivar o espirito critico

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais