Este procedimento refere-se à execução de paredes moldadas com a geometria e os materiais definidos nos desenhos de construção.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este procedimento refere-se à execução de paredes moldadas com a geometria e os materiais definidos nos desenhos de construção."

Transcrição

1 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento refere-se à execução de paredes moldadas com a geometria e os materiais definidos nos desenhos de construção Abreviaturas e definições Não aplicável 2. MODO DE PROCEDER Implantação Procede-se à implantação topográfica do muro guia com o auxílio de equipamento topográfico. Implantação Elemento do Topógrafo muro guia É executada a escavação de uma vala com 0,8 m a 1,50 m para a execução do muro guia que marcará o alinhamento da parede, conforme especificado em projecto. Esta estrutura temporária tem como objectivo conduzir a máquina de escavação no alinhamento Espessura da parede pretendido, garantido as dimensões e o posicionamento da parede moldada especificados no projecto de contenção e escavação. Escavação Procede-se à escavação dos painéis com recurso a um balde de maxilas, sendo a estabilização das paredes do furo feitas através de lamas bentoníticas. A escavação é efectuada por troços, sendo a largura da vala assegurada pelos muros guia e o comprimento pela capacidade do equipamento de escavação. A profundidade da parede a executar deve ser superior em dois a três metros à base da laje de fundo e é verificada fazendo uso de uma sonda. Profundidade Densidade das lamas bentoníticas (Nova/Reciclada) Viscosidade do cone de Marsh (base 1 litro) Teor de areia das lamas bentoníticas (Nova/Reciclada) Filtrado Espessura de cake das lamas bentoníticas (Nova/Reciclada) Colocação dos tubos-junta e São introduzidos dois tubos de junta, nas extremidades do troço em execução. Após a sua introdução no furo, estes são fixos com cunhais de madeira. Para os painéis seguintes, apenas é necessário a colocação de um tubo de junta, uma vez que o painel já executado funciona como cofragem. As são pré-fabricadas em, no estaleiro de ferro, de acordo com o especificado em projecto. Devem ser executadas em toda a Diâmetro dos varões de aço da armadura Comprimento das emendas por sobreposição ( empalmes ) Recobrimento (Dimensões e distância entre calços) Comprimentos de amarração

2 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 2/6 sua altura. Colocação dos tubos-junta e Deverão possuir espaçadores ( calços ) que garantam o recobrimento adequado. São colocados distanciadores ( Cadeiras ) de forma a garantir a distância entre as duas que constituem a parede moldada. As são executadas respeitando a disposição e os diâmetros definidos no projecto. Por forma a rigidificar o conjunto durante o transporte, são dispostos varões diagonais nas faces laterais da armadura soldados à armadura ou com arame de atar reforçado. Diâmetro dos varões de aço da armadura Comprimento das emendas por sobreposição ( empalmes ) Recobrimento (Dimensões e distância entre calços) Comprimentos de amarração Betonagem A betonagem da parede moldada é efectuada de baixo para cima garantindo a compactação do betão por gravidade. A betonagem de um painel deve ser feita em contínuo. Esta operação é realizada por descarga directa, utilizando-se uma coluna de betonagem (Tremie). Este equipamento deve ser posicionado a 15 cm do fundo do furo, devendo ser garantida a subida do tubo abastecedor por forma a manter a extremidade do mesmo mergulhado no betão somente 2 a 3 metros, durante a betonagem. O tipo de betão utilizado deve ser o definido em projecto. A betonagem será executada até uma cota de 20 Aplicação Cota da Betonagem Encarregado cm acima da cota de betonagem especificada no projecto. Paralelamente à betonagem, é necessário proceder à recolha das lamas bentoniticas para reciclagem. Após terem passado 3 a 3,5 horas da betonagem, procede-se à recuperação do tubo guia, com o auxílio de um macaco hidráulico que transmite os esforços aos muros guia. Saneamento Finalizada a betonagem, procede-se ao saneamento dos 40 cm / 50 cm de betão superiores do painel, por forma a eliminar o betão Não Aplicável Não Aplicável contaminado. colocação de Os varões existentes no topo das paredes, são envolvidos na viga de coroamento a executar ao longo da contenção. Devem ser previstos varões de espera de ligação à superestrutura. As são montadas em estaleiro ou in situ. Diâmetro dos varões de aço da armadura Comprimento das emendas por sobreposição ( empalmes ) São colocados espaçadores entre a armadura

3 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 3/6 exterior da cofragem por forma a garantir o colocação de recobrimento. Executam-se amarrações entre os diversos varões de ferro que constituem a armadura. Antes da betonagem procede-se à limpeza das de depósitos superficiais que Recobrimento (Dimensões e distância entre calços) Comprimentos de amarração prejudiquem a aderência entre o aço e o betão. São colocados painéis de cofragem laterais para cofragem execução da viga de coroamento. Antes da betonagem verifica-se o nivelamento e posicionamento da cofragem. Deverá ainda ser revista a estabilidade, da cofragem Estanquidade estanquidade e fixações das cofragens. A colocação do betão quando não bombeado betonagem deverá ser feita através de balde munido de manga que evite a sua queda de altura superior a 1,5m. Deverá evitar-se o amontoar de betão em zonas localizadas. A compactação do betão é feita por vibração em simultâneo com a betonagem. A compactação do betão é feita por vibração devendo verificar-se as seguintes recomendações: Dispor de uma agulha por cada 6 m 3 de betão colocado por hora; Deslocar a agulha a distâncias compreendidas entre 6 e 10 vezes o seu Aplicação e Vibração Cota da Betonagem diâmetro; Vibrar em curtos intervalos de tempo e pontos próximos em vez de longos momentos em pontos afastados; Não vibrar a menos de 10 cm das cofragens; Não inclinar a agulha a mais de 45º; Retirar a agulha lentamente em 10 a 15 s; Não vibrar demasiado tempo para evitar a segregação. Após a conclusão da execução das paredes Furação moldadas, procede-se á escavação do terreno por fases, sendo colocadas ancoragens provisórias e escoramentos (perfis metálicos) junto aos cantos. Nos negativos da parede, procede-se à abertura Localização da dos furos através de perfuradoras por rotação e/ou retopercussão em função do terreno a perfurar, do Profundidade da diâmetro da ancoragem e do tipo de ancoragem. Os furos terão a inclinação e a profundidade Inclinação da definidas em projecto e o diâmetro que melhor garanta o manuseamento para enchimento por injecção.

4 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 4/6 Dever-se-á perfurar com um diâmetro de 20 mm Furação maior que do que nas partes mais largas da ancoragem, quer estas sejam contínuas ou descontínuas. O processo e o equipamento de devem ser adequados ao tipo de terreno, aos comprimentos, inclinações e tolerâncias impostas e deverão reduzir ao máximo a deterioração das características mecânicas do maciço. Localização da Profundidade da Inclinação da O furo deverá estar limpo de materiais soltos antes de proceder à colocação da ancoragem. Os elementos constituintes da ancoragem Colocação e selagem dos cordões chegarão ao ponto de trabalho de forma independente. De tal modo que os cabos serão fornecidos em troços com o comprimento de ancoragem. Uma vez limpa a per procede-se à introdução dos respectivos cordões de préesforço, até ao extremo interior do furo. Posteriormente, é introduzido até ao extremo do furo um tubo utilizado para a injecção da calda de cimento que garantirá a selagem ou ancoragem dos cordões de pré-esforço. O tipo de calda de cimento utilizado na injecção do Número de cordões Tipo de Cordões furo é o definido em projecto. O processo e a pressão de injecção da selagem Comprimento da selagem estarão adequados às condições do maciço, às tracções limites por arranque do bolbo e terão em conta a necessidade de não danificar as estruturas e as infra-estruturas vizinhas da e os elementos de contenção já existentes. Após 12 a 24 horas procede-se a nova injecção de calda de cimento, utilizando o tubo de injecção introduzido em simultâneo com os cordões de préesforço.

5 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 5/6 De seguida, procede-se à colocação da cabeça da ancoragem e das respectivas cunhas. Aplicação de pré-esforço Posiciona-se o macaco hidráulico e aplica-se um valor de pré-esforço/tracção até uma força 10% superior ao pré-esforço de projecto. Enquanto a pressão do macaco hidráulico é libertada, as cunhas automaticamente fecham os buracos cónicos em redor de cada cordão existentes na cabeça da ancoragem. A aplicação de pré-esforço é feita através da utilização de macacos hidráulicos com a Cota da cabeça da ancoragem Tensão de préesforço aplicada e alongamentos reais capacidade adequada à força (expressa em KN) a aplicar nos cordões. O pré-esforço é aplicado 5 dias depois da selagem, para garantir a presa da calda de cimento, com introdução de aditivo. À medida que vai sendo executada a superestrutura, vão sendo desactivadas as desactivação das ancoragens ancoragens e retirados os escoramentos. A desactivação das ancoragens é efectuada através da extensão dos cabos de pré-esforço e corte dos cabos na zona da cabeça da ancoragem. Fecho da cavidade da ancoragem, através do seu Corte dos Cabos de Pré-Esforço Fecho da cavidade da ancoragem preenchimento com betão, tendo em atenção a sua aplicação, por forma a evitar o rebentamento por influência do esforço transverso aí aplicado. Na recepção das deverá ser tido em conta o definido no PEQ Aços para Armaduras de betão armado e pré-esforçado. Na recepção do betão deverá ser tido em conta o definido no PEQ Betão com Comportamento Especificado. 3. Monitorização e Medição Documento Registo Designação Plano de Monitorização e Registo de Inspecção PMRI 82 Paredes Moldadas F281 Boletim de controlo de topografia Vários (documentos facultados pelo subempreiteiro da especialidade) Plano de aplicação de pré-esforço, registos do tensionamento e outros

6 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 6/6 4. Controlo de Registos Identificação Documentos Plano de Monitorização e Registo de inspecção Plano de Monitorização e Registo de inspecção Boletim de controlo de topografia Boletim de controlo de topografia PMRI 082 PMRI 082 F281 F281 Organização Arquivo Indexação Compilação Local Tempo de Retenção Por / por data Por / por data Por / por ordem numérica Por / por ordem numérica Director de Gestão contratual Director de Gestão contratual Obra Arquivo geral Obra Arquivo geral Durante a realização da Prazo de garantia da Durante a realização da Prazo de garantia da

Lajes pré-esforçadas PEQ 62

Lajes pré-esforçadas PEQ 62 Procedimento Específico de Qualidade Página: 1/5 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a execução de lajes em betão Armado Pré- Esforçado por Pós-tensionamento

Leia mais

CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS

CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS Autora: Eng.ª Sandra Lopes Coordenação: Prof. F. A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/44 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ESTACAS MOLDADAS

Leia mais

Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal.

Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal. Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/7 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal. 1.1. Abreviaturas e definições

Leia mais

Obras Geotécnicas. Cortinas multi-apoiadas. Nuno Guerra

Obras Geotécnicas. Cortinas multi-apoiadas. Nuno Guerra Obras Geotécnicas Cortinas multi-apoiadas Nuno Guerra Estruturas flexíveis versus Estruturas rígidas Aspectos a analisar: Geometria Abordagem (filosofia) de cálculo Suporte de terras: qual a acção? 2 Estruturas

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R Página 1/5 LAJE ALVEOLADA LA 12 -R DESCRIÇÃO Painel pré-fabricado em betão pré-esforçado, com armadura constituída por fios de aço aderentes, de secção vazada, com as faces prontas a pintar. As lajes apresentam-se

Leia mais

Procedimento de Aprovação e Recepção

Procedimento de Aprovação e Recepção Pag. 1 de 7 1. Normas de referência/publicações Regulamento de Fundações, Guia de Dimensionamento de Fundações, Norma de Betões, REBAP, EN 1536:1999, ARP/DEE/001, ARP/DG/11, ARP/DG/13, ARP/DG/14, Code

Leia mais

PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE

PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE Autora: Arq.ª Ana Cravinho Coordenação: Prof. F. A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Prof. Pedro Vaz Paulo e Prof. João Pedro Correia 1/57 ÍNDICE

Leia mais

ROTEIROS DOS TRABALHOS

ROTEIROS DOS TRABALHOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I ECV 5356 ROTEIROS DOS TRABALHOS Profs. Denise e Humberto ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS escolher 1 pavimento inteiro, incluindo montagem de fôrmas de pilares, vigas,

Leia mais

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia I. CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/70 5. FASES CONSTRUTIVAS estrutura pórtico sapatas vigas de fundação

Leia mais

Varão de aço para armadura PEQ 084 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6

Varão de aço para armadura PEQ 084 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6 Procedimento Específico da Qualidade PÁGI: 1/6 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento refere-se às condições que devem ser satisfeitas na aquisição, recepção e inspecção de aços para armaduras de betão

Leia mais

Idrostop PVC BI Idrostop PVC BE

Idrostop PVC BI Idrostop PVC BE Waterstop em PVC para a selagem de juntas estruturais CAMPOS DE APLICAÇÃO Impermeabilizações de juntas estruturais nas construções civis, industriais e hidráulicas. Alguns exemplos típicos de aplicação

Leia mais

Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra.

Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra. 1.1. OBJECTO Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS As pré-lajes visam constituir pavimentos em lajes maciças, a partir da justaposição de vários

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MONTAGEM DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS P/ NAVES INDUSTRIAIS OU P/ OUTROS EDÍFICIOS C/ ESTRUTURA SIMILAR

IMPLANTAÇÃO E MONTAGEM DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS P/ NAVES INDUSTRIAIS OU P/ OUTROS EDÍFICIOS C/ ESTRUTURA SIMILAR 1. OBJECTIVO Descrever o método de implantação e montagem de elementos pré-fabricados (com ou sem pré-esforço) para Naves industriais ou para Outros edifícios com estrutura similar. 2. ÂMBITO Todos os

Leia mais

Manual de instalação Bakof / Engenharia

Manual de instalação Bakof / Engenharia Manual de instalação Bakof / Engenharia Poço de Inspeção Poço de visita Obrigado por adquirir um produto "Bakof engenharia". Garantimos a você um produto confiável, produzido com a mais alta tecnologia

Leia mais

Infra-estruturas de Transporte G R U P O

Infra-estruturas de Transporte G R U P O Vigas T G R U P O T70 - VTS70 - T90 - VTS90 - T110 damos forma ao progresso Infra-estruturas de Transporte Infra-estruturas de Transporte G R U P O Indice Pag. Introdução 1 Vantagens da Solução Construtiva

Leia mais

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR 0 v1.0-030510 Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR APRESENTAÇÃO A Estação Elevatória é uma estação completa de recolha e elevação para águas carregadas pronta a ser instalada. É composta por um reservatório

Leia mais

ETAR S > MICRO ETAR Compacta

ETAR S > MICRO ETAR Compacta ETAR S ETAR S A Etar Compacta ROTOPORT é uma estação de tratamento de águas residuais do tipo doméstico. Fabricada em polietileno de alta densidade e construída num depósito único, apresenta duas zonas

Leia mais

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação

Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação Isolamento Térmico com Grés Cerâmico Manual de Instalação www.candigres.com :: candigres@candigres.com Índice Pág. 1.0 Cálculo do Material necessário 4 2.0 Preparação do suporte 4 2.1 Condições Gerais

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 MÓDULO ESCORAMENTO 5 MOS ESPECIFICAÇÕES REVISÃO 2 PÁGINA 1/9 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 2 0502 ESCORAMENTO METÁLICO...

Leia mais

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Arame Recozido Trançadinho Recozido Prático Sapatas Recozido Fácil Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo

Leia mais

Amarração de alvenaria em pilar

Amarração de alvenaria em pilar Página 1 de 10 Amarração de alvenaria em pilar Confira as etapas para fazer a ligação de alvenaria e pilar Reportagem: Juliana Nakamura Fissuras e outros problemas nas alvenarias de paredes costumam gerar

Leia mais

Lajes pós-esforçadas PEQ 63

Lajes pós-esforçadas PEQ 63 Procedimento Específico de Qualidade Página: 1/5 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a execução de lajes de Betão Armado Pós- Esforçado por Pós-tensionamento

Leia mais

Elementos Componentes da Mesoestrutura

Elementos Componentes da Mesoestrutura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE PONTES Elementos Componentes da Mesoestrutura

Leia mais

PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA

PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA CONSTRUÇÃO DE QUARTEL / SEDE DA ASSOCIAÇÃO ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DO BOMBARRAL PRAÇA DA RÉPUBLICA BOMBARRAL

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

Mão-de-obra desempenha um papel fundamental

Mão-de-obra desempenha um papel fundamental Colocação Inclui três operações fundamentais: - Preparação da superfície para receber o betão. - Lançamento. - Maneira como deve ficar depositado até receber a compactação. A colocação e a compactação,

Leia mais

REFORÇO DE ESTRUTURAS POR ENCAMISAMENTO DE SECÇÕES

REFORÇO DE ESTRUTURAS POR ENCAMISAMENTO DE SECÇÕES REFORÇO DE ESTRUTURAS POR ENCAMISAMENTO DE SECÇÕES Aumento da secção transversal através da adição de armaduras suplementares e betão Campos de aplicação Aumentar a resistência de zonas comprimidas Necessidade

Leia mais

TÚNEIS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

TÚNEIS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.09 - TÚNEIS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Este capítulo refere-se à listagem e definição das rúbricas dos trabalhos em túneis e os respectivos critérios de medição. Definem-se quais

Leia mais

Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação.

Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação. Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação. Ernesto Carneiro, APSS, ecarneiro@portodesetubal.pt Tiago Barata,

Leia mais

Introduzir o conceito de estrutura de suporte flexível;

Introduzir o conceito de estrutura de suporte flexível; Aula 9- Estruturas de Suporte Flexíveis: definição e tipologias. Dimensionamento de estruturas flexíveis: MEF e método Britânico para cortinas autoportantes Paulo Coelho - FCTUC Mestrado em Engª. Civil

Leia mais

Perfuração Horizontal Dirigida (HDD Horizontal Directional Drilling )

Perfuração Horizontal Dirigida (HDD Horizontal Directional Drilling ) Perfuração Horizontal Dirigida (HDD Horizontal Directional Drilling ) 1. Introdução Desenvolvimento e utilização Originalmente utilizada nos anos 70, as travessias horizontais dirigidas são um casamento

Leia mais

Projecto de Documento Normativo Português. prdnp Guia 1

Projecto de Documento Normativo Português. prdnp Guia 1 Projecto de Documento Normativo Português prdnp Guia 1 Guia interpretativo da NP 4487:2009 Guide d interprétation de la NP 4487:2009 Interpretive guide to NP 4487:2009 ICS 79.040 CORRESPONDÊNCIA ELABORAÇÃO

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

"EMPREITADA DE VALORIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ" LISTA DE ERROS

EMPREITADA DE VALORIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ LISTA DE ERROS 2 - ESTRUTURA DO CAIS COMERCIAL 2.1 - Remoção de betão em profundidade 2.1.1 - Remoção do betão de recobrimento com recurso a martelos pneumáticos leves, na profundidade de recobrimento de cada elemento,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM EDIFICIOS R. ANTÓNIO CARNEIRO, nº 373, 375, 381, 385 e 389, PORTO PORTO MARÇO DE 2009 ÍNDICE 01 INTRODUÇÃO 02 DESCRIÇÃO SUMÁRIA

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE RAMAIS ISOLADOS EM POLIETILENO

CONSTRUÇÃO DE RAMAIS ISOLADOS EM POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 602 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 602 16 de Novembro de 2007 Página 1 de 9 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1.

Leia mais

3. Descrição dos Testes Experimentais

3. Descrição dos Testes Experimentais 36 3. Descrição dos Testes Experimentais Neste capítulo serão descritos todos os testes experimentais realizados. 3.1. Considerações Iniciais O sistema estrutural construído consiste em uma laje mista

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas Belgo

Telas Soldadas Nervuradas Belgo Telas Soldadas Nervuradas Belgo As Telas Soldadas de Aço Nervurado são uma armadura pré-fabricada, constituída por fios de aço Belgo 60 nervurado longitudinais e transversais, de alta resistência mecânica,

Leia mais

SISTEMA DE COFRAGEM PLANA

SISTEMA DE COFRAGEM PLANA SISTEMA DE COFRAGEM PLANA Cofragem Plana Ligeira Montagem Simples e Rápida O Cofiber é um sistema de cofragem ligeiro constituído por um reduzido número de componentes. As vigas primárias são designadas

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA BETONAGEM 2 DESCRIÇÃO Entende-se por betonagem, a colocação de argamassas de cimento fresco em zonas limitadas, normalmente por cofragem, bem

Leia mais

Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades

Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades Instalações e Equipamentos Hidráulicos Mapa de Trabalhos e Quantidades CÓDIGO Artigo DESIGNAÇÃO UN. QUANT. PREÇO (EUROS) UNIT. TOTAL 1 REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 1.1 Rede Exterior 1 1.1.1 Fornecimento

Leia mais

Gestão de Obras e Estaleiros

Gestão de Obras e Estaleiros Gestão de Obras e Estaleiros Planeamento Grupo 13 Ricardo Dias Nº31209 Tânia Henriques Nº33099 Pedro Duarte Nº33787 Semestre Inverno 2011/12 Índice GESTÃO DE OBRAS E ESTALEIROS Introdução... 3 Sequência

Leia mais

Sistema de pré-esforço com barras roscadas

Sistema de pré-esforço com barras roscadas www.eurotec-eu.com Sistema de pré-esforço com barras roscadas www.eurotec-eu.com 01 2 EUROTEC Sistema de pré-esforço com barras roscadas O pré-esforço com barras é utilizado há mais de 35 anos em todo

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de 2005 www.construlink.com CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS - PAREDES SIMPLES A necessidade

Leia mais

3 PROGRAMA EXPERIMENTAL

3 PROGRAMA EXPERIMENTAL 3 PROGRAMA EXPERIMENTAL 3.1.Características dos modelos ensaiados 3.1.1.Parâmetros e variáveis A Figura 3.1 apresenta as características geométricas dos espécimes. Figura 3.1 Características geométricas

Leia mais

>>contramarco de concreto 42

>>contramarco de concreto 42 >>contramarco de concreto 42 A fim de fornecer maior abertura para iluminação e ventilação, foi desenvolvido o contramarco de concreto como extensão do modo e tecnologia do sistema. Com padrão de acabamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e Equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

ESTACAS ESCAVADAS TRADO MECÂNICO

ESTACAS ESCAVADAS TRADO MECÂNICO ESTACAS ESCAVADAS TRADO MECÂNICO RESUMO Neste breve artigo abordaremos a metodologia executiva das estacas escavadas sem fluido de estabilização ou lama bentonitica. Esse tipo de fundação também é conhecido

Leia mais

Está correto o que consta em A) II e III, apenas. B) II e IV, apenas. C) I e IV, apenas. D) I e III, apenas. E) I, II, III e IV.

Está correto o que consta em A) II e III, apenas. B) II e IV, apenas. C) I e IV, apenas. D) I e III, apenas. E) I, II, III e IV. 49.(TRF-4/2012/FCC) Sobre a lama bentonítica, considere: I. Sua utilização reduz o consumo de concreto nas paredes de diafragma em 15%. II. Tem a função de evitar instabilidades na escavação das paredes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA AVALIAÇÃO DAS SOLUÇÕES ESTRUTURAIS DEFINITIVAS DE INTEGRAÇÃO DA CORTINA DE ESTACAS DO EDIFÍCIO Nº 41, REALIZADA NO ALINHAMENTO ADJACENTE À AV. FONTES PEREIRA DE MELO EDIFÍCIO

Leia mais

Estruturas de Contenção - Estacas Prancha. Marcio Varela

Estruturas de Contenção - Estacas Prancha. Marcio Varela Estruturas de Contenção - Estacas Prancha. Marcio Varela Introdução Elemento de contenção geralmente metálico; Recuperáveis ou não, caso tenha caráter provisório ou definitivo; Elementos pouco rígidos

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO PROPRIETÁRIO: Município de Três Arroios OBRA: Pavilhão em concreto armado, coberto com estrutura metálica, destinado a Ginásio de Esportes (1ª etapa) LOCAL: Parte do lote

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III Aula 15 Cortinas e escoramentos: Cortina Atirantada Eng. Civil Augusto

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

Lajes Aligeiradas

Lajes Aligeiradas www.ferca.pt Lajes Aligeiradas Princípios O sistema de moldes FG assenta em princípios de racionalização económica que permitem a execução de lajes das unidireccionais ou bidireccionais vulgarmente referenciadas

Leia mais

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág.

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág. Rio de Janeiro, 04 de Abril de 2016 Segunda Feira Tempo estável Continuidade no trabalho de escavação Sendo executado estruturas de canteiro tais como: banheiro, vestiário e depósito de cimento Arrumação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à realização do ensaio de pressão a efetuar nas condutas dos sistemas de abastecimento de água. O seu objetivo é permitir verificar a estanquidade e a estabilidade

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-F01 FUNDAÇÕES RASAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. S... 3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 4. MATERIAIS... 4 5. EXECUÇÃO DA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG. Especificação Técnica revisada conforme FSET nº 175/2011 acordado com o DERAT.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG. Especificação Técnica revisada conforme FSET nº 175/2011 acordado com o DERAT. EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG NÚMERO: 132008 DESENHO: DT- 494/7 EMISSÃO: MARÇO/2013 VALIDADE: MARÇO/2015 REVOGA: 082104 REVOGA

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas Nervuradas da ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Os serviços de topografia ficarão a encargo da empresa licitante.

MEMORIAL DESCRITIVO. Os serviços de topografia ficarão a encargo da empresa licitante. MEMORIAL DESCRITIVO DADO GERAIS: OBRA: Pavimentação com Blocos de Concreto e Microdrenagem Urbana LOCAL: Rua do Comércio PROPRIETÁRIO: Município de Toropi DATA: Novembro/2008 OBJETO Pavimentação com blocos

Leia mais

MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO

MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO Rafael Batezini Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil, rafaelbatezini@gmail.com Maciel Donato Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo,

Leia mais

arquitetura e expografia

arquitetura e expografia METRO arquitetura e expografia masp 14.40m 2 o 8.40m 1 o 0.00m T 1SS -5.10m 2SS -9.95m CORTE TRANSVERSAL TRANSVERSAL SECTION ESCALA SCALE // 1:300 2 o 1 o T 1SS 2SS 2 O PAVIMENTO 2 ND FLOOR

Leia mais

Ascensores PEQ 61. Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. Critérios de Execução

Ascensores PEQ 61. Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. Critérios de Execução Procedimento Específico de Qualidade Página: 1/5 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. 1.1. Abreviaturas e definições Não aplicável

Leia mais

R.T. Eng. Geotécnico Prof. Edgar Pereira Filho CORTINAS DE CONTENÇÃO

R.T. Eng. Geotécnico Prof. Edgar Pereira Filho CORTINAS DE CONTENÇÃO CORTINAS DE CONTENÇÃO RESUMO Neste breve artigo apresentamos as principais características executivas de estruturas de contenção em cortina de estacas. São abordados os tipos de estacas, métodos executivos

Leia mais

Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco

Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco RENOVAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE LISBOA Reabilitação Conduta DN 600 - Barbadinhos - Monte Arco Instalação por entubamento Tubo DN500 PEAD PE100 SDR17 Actividades criticas do processo de reabilitação

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO DESLIZAMENTO/EXPLORAÇÃO DAS PLATAFORMAS MÓVEIS. 1 Criação (PA) (CG) (VS)

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO DESLIZAMENTO/EXPLORAÇÃO DAS PLATAFORMAS MÓVEIS. 1 Criação (PA) (CG) (VS) 1 de 10 REGISTO DE ALTERAÇÕES: EDIÇÃO DESCRIÇÃO Elaborado Verificado Aprovado Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data 1 Criação (PA)

Leia mais

VIGAS PRÉMOLDADAS PROTENDIDAS

VIGAS PRÉMOLDADAS PROTENDIDAS VIGAS PRÉMOLDADAS PROTENDIDAS Construção da Linha Vermelha - Via Expressa no Rio de Janeiro sobre a Baia da Guanabara Sua inauguração foi feita em 2 etapas: a primeira delas foi em 30 de abril de 1992,

Leia mais

ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS.

ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS. ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS. Medição por metro linear de tubagem aplicada, incluindo todos os acessórios e ligações. 1 - A abertura e o tapamento de roços e

Leia mais

FQ-01. Fechamento para quadra de esportes. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1/5 7 18/09/09

FQ-01. Fechamento para quadra de esportes. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1/5 7 18/09/09 1/5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Fundação em baldrame sobre brocas ou sapatas corridas, conforme as condições do terreno e de acordo com especificação de projeto. Impermeabilização rígida, tipo

Leia mais

CI/SfB. July Para Juntas de Movimento Temporário

CI/SfB. July Para Juntas de Movimento Temporário CI/SfB (29) Et6 July 2010 Ligadores Bloqueáveis Para Juntas de Movimento Temporário Dificuldade de acesso Lajes escoradas durante muitas semanas 2 Telef: (+351) 939 262 958 WWW.CORTARTEC.NET O ligador

Leia mais

Concreto Protendido. EQUIPAMENTOS DE PROTENSÃO Prof. MSc. Letícia R. Batista Rosas

Concreto Protendido. EQUIPAMENTOS DE PROTENSÃO Prof. MSc. Letícia R. Batista Rosas Concreto Protendido EQUIPAMENTOS DE PROTENSÃO Prof. MSc. Letícia R. Batista Rosas Os equipamentos de protensão são responsáveis por produzir forças e as transferir para as peças de concreto, com o mínimo

Leia mais

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC 1 - Considere uma estaca cravada, de betão, com secção circular de 0,5 m de diâmetro. Calcule a carga vertical máxima

Leia mais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais LAJES PRÉ-MOLDADAS Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni GRADUAÇÃO Florestal AULA 10 Aula 10b Lajes pré-moldadas 1 1. Definições São estruturas de concreto armado ou mistas,

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção 1

Grupo de Materiais de Construção 1 Grupo de Materiais de Construção 1 Grupo de Materiais de Construção 2 Fundações: O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente de solo

Leia mais

AULA 17 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. SANEAMENTO Aula 17 - Sumário. Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo

AULA 17 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. SANEAMENTO Aula 17 - Sumário. Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo SANEAMENTO Aula 17 - Sumário REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Acessórios Mapas de Nós Instalações Complementares Mapas de trabalhos Vala tipo Aula 17 [1] Mapa de nós Aula 17 [2] Redes de Distribuição / Mapas

Leia mais

PÁGINA Município da Marinha Grande DATA IMPRESSÃO 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06

PÁGINA Município da Marinha Grande DATA IMPRESSÃO 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06 1 1.1 DESMATAÇÃO E DECAPAGEM Corte e remoção de árvore, extração de troco e raízes com posterior enchimento e 1.000 U compactação da abertura com terra da própria

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS TÉCNICAS CONSTRUTIVAS Módulo 2 Técnicas Construtivas Aula 3 Locação de Obras Prof. Cristóvão C. C. Cordeiro TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 8 Locação de Obras Cristóvão C. C. Cordeiro Objetivo

Leia mais

Paredes de concreto. Passo 1. O nivelamento preciso da fundação, neste caso em radier, assegura a montagem correta do sistema de fôrmas.

Paredes de concreto. Passo 1. O nivelamento preciso da fundação, neste caso em radier, assegura a montagem correta do sistema de fôrmas. Paredes de concreto Sistema, assim como a produtividade, está associado a uso de concreto autoadensável, que não exige vibração. Veja como fazer montagem e desmontagem das fôrmas, bem como o lançamento

Leia mais

AS CONDIÇÕES DE FUNDAÇÃO DOS PRUMOS E O DESEMPENHO DAS GUARDAS DE SEGURANÇA FLEXÍVEIS

AS CONDIÇÕES DE FUNDAÇÃO DOS PRUMOS E O DESEMPENHO DAS GUARDAS DE SEGURANÇA FLEXÍVEIS AS CONDIÇÕES DE FUNDAÇÃO DOS PRUMOS E O DESEMPENHO DAS GUARDAS DE SEGURANÇA FLEXÍVEIS CARLOS A. ROQUE NORVIA, CONSULTORES DE ENGENHARIA, S.A. (PRONORSAN) RAMON TOMAS RAZ ELSAMEX / CIESM Cientro de Investigacion

Leia mais

17:50. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS

17:50. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1. Pré-moldadas 2. Moldadas in loco Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo

Leia mais

Concreto Protendido. EQUIPAMENTOS DE PROTENSÃO Prof. Letícia R. Batista Rosas

Concreto Protendido. EQUIPAMENTOS DE PROTENSÃO Prof. Letícia R. Batista Rosas Concreto Protendido EQUIPAMENTOS DE PROTENSÃO Prof. Letícia R. Batista Rosas Os equipamentos de protensão são equipamentos que produzem forças e as transferem para as peças de concreto, com o mínimo de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO APRESENTAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO APRESENTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO APRESENTAÇÃO As presentes especificações referem-se aos serviços da construção de um pavilhão em concreto pré-moldado. Trata-se de uma cobertura para a quadra de esportes da escola

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto Estruturas de concreto As estruturas das edificações, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

Manual instruções bomba submersível poço

Manual instruções bomba submersível poço Manual instruções bomba submersível poço Bomba Submersível Poço 1. Recomendações Antes de proceder à instalação, leia atentamente o conteúdo deste manual. Ele pretende fornecer toda a informação necessária

Leia mais

Serviços preliminares de construção. Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria

Serviços preliminares de construção. Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria Serviços preliminares de construção Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria Atividades prévias que devem ser realizadas antes da construção de um edifício: Verificação da disponibilidade de

Leia mais

SÉRIE RF 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 2 FOLHAS BATENTE

SÉRIE RF 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 2 FOLHAS BATENTE SÉRIE RF SÉRIE RF 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 2 FOLHAS BATENTE SÉRIE RF 1 2 3 4 Fotografias gerais e pormenores SÉRIE RF 5 6 7 Fotografias gerais e pormenores 6 1 FOLHA / 2

Leia mais

Código Designação Descrição Unidade Qtd

Código Designação Descrição Unidade Qtd Código Designação Descrição Unidade Qtd 1 ESTALEIRO 1.1 Desenvolvimento do Plano de Segurança e Saúde (PSS) para a execução da obra, de acordo com o estipulado no artigo 11º do Decreto Lei n.º 273/2003

Leia mais

PROCESSO CONTRUTIVO DAS SAPATAS E ENSOLEIRAMENTOS. Autor: Eng. Nuno Almeida e Prof. João Ramôa Correia

PROCESSO CONTRUTIVO DAS SAPATAS E ENSOLEIRAMENTOS. Autor: Eng. Nuno Almeida e Prof. João Ramôa Correia PROCESSO CONTRUTIVO DAS SAPATAS E ENSOLEIRAMENTOS Autor: Eng. Nuno Almeida e Prof. João Ramôa Correia Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Prof. Pedro Vaz Paulo e Prof. João Ramôa Correia

Leia mais

MUNICÍPIO DA NAZARÉ - CÂMARA MUNICIPAL Divisão de Planeamento e Urbanismo ORÇAMENTO. Código Descrição Un. Quantidade Unitário Total. vg 1,00.

MUNICÍPIO DA NAZARÉ - CÂMARA MUNICIPAL Divisão de Planeamento e Urbanismo ORÇAMENTO. Código Descrição Un. Quantidade Unitário Total. vg 1,00. ORÇAMENTO OBRA: Código Descrição Un. Quantidade Unitário Total Custo 1 ESTALEIRO 1.1 Desenvolvimento do Plano de Segurança e Saúde (PSS) para a execução da obra, de acordo com o estipulado no artigo 11º

Leia mais

Manuseamento, armazenamento, transporte e instalação.

Manuseamento, armazenamento, transporte e instalação. Manuseamento, armazenamento, transporte e instalação. Manuseamento Armazenamento Transporte Instalação Cuidados a ter no manuseamento, armazenamento, transporte e instalação de tubos de PE e PVC Os sistemas

Leia mais

Tubo de injecção com válvulas integrais para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques

Tubo de injecção com válvulas integrais para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 07.210 Versão nº 1 SikaFuko VT 1 Tubo de injecção com válvulas integrais para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques Descrição

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00045/

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00045/ 22202 - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUARIA 135011 - EMBRAPA/CNPA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00045/2012-000 1 - Itens da Licitação 1 - CIMENTO PORTLAND CIMENTO PORTLAND, MATERIAL CLINKER,

Leia mais

DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA

DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA EXECUÇÃO DA AMPLIAÇÃO DA REDE COLETORA E RAMAIS PREDIAIS PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

Leia mais

Obra 409. Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550

Obra 409. Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550 Designação: Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550, do Muro de Contenção da Plataforma Rodoviária da Zona da Gibalta, da PS ao CF ao Km 3+600, da PI ao Km 8+700, da PP ao Km 10+660 e da PI ao Km 11+280

Leia mais

Paredes de tijolos maciços

Paredes de tijolos maciços ELEVAÇÃO DA ALVENARIA: 4.2.1 - Paredes de tijolos maciços Depois de, no mínimo, um dia da impermeabilização, serão erguidas as paredes conforme o projeto de arquitetura. O serviço é iniciado pêlos cantos

Leia mais

SÉRIE PLANO 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE

SÉRIE PLANO 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE SÉRIE PLANO SÉRIE PLANO 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE Produto vencedor do Red Dot Design Award 2013 Produto patenteado registo nº. 002200311 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE Caracterização

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 05/2016 Atualização: 06/2016 GRUPO ATERRO

Leia mais