IMAGEM. Ana Cândida Marques Monteiro. IPG, Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Sumário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMAGEM. Ana Cândida Marques Monteiro. IPG, Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Sumário"

Transcrição

1 IMAGEM Ana Cândida Marques Monteiro IPG, Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Tecnologia e Gestão Sumário Neste documento apresentam-se alguns conceitos relacionados com imagem, para a cadeira de Multimédia. São descritas as características principais de um mapa de bits e um gráfico vectorial, de modo a que um utilizador possa optar conscientemente por um ou outro tipo de representação. São ainda enumerados os vários tipos de formatos de ficheiros e compactação. Por último alguns aspectos importantes sobre aquisição de imagem por meio de processos digitais. 0. Introdução Dar uma definição da palavra IMAGEM é difícil, talvez porque, como dizia um antigo provérbio chinês: "Uma imagem contém mais de mil palavras...". Este trabalho pretende ser uma abordagem, bastante genérica, a alguns dos muitos conceitos relacionados com a Imagem. Foi, pensando no trabalho a realizar sobre a ferramenta PHOTOSHOP, que abordei estes, e não outros assuntos. 1. Mapa Bits vs. Vectorial As imagens podem ser classificadas, relativamente à sua codificação, em: mapa de bits e vectoriais. Então como podemos identificá-las, e qual o tipo de codificação a usar para um determinado efeito? Não podemos dizer que uma das duas codificações de imagens seja melhor do que a outra. Cada uma delas foi concebida para se adaptar melhor a um tipo de situação. As imagens de mapa de bits oferecem melhores prestações quando se trabalha com imagens fotográficas, enquanto que os gráficos vectoriais são adequados para as imagens designadas de gestão (apresentações, estatísticas, etc.) ou desenhos simples, que serão denominadas neste trabalho como gráficos. As imagens fotográficas têm habitualmente uma grande quantidade de cores diferentes e tonalidades muito variadas. Se se utilizarem mapas de bits as características de uma imagem fotográfica podem ser representadas perfeitamente, contudo, é impossível conseguir um resultado semelhante se tentarmos representar uma fotografia através de um gráfico. Com os gráficos isto não sucede. Os gráficos são em si muito mais simples do que as

2 imagens fotográficas e podem representar-se fielmente tanto através de uma imagem de mapa de bits como através de vectores. A escolha de uma codificação ou de outra dependerá do tratamento que a imagem irá sofrer. O desenho de um gráfico permite uma grande liberdade no momento de modificar os atributos das formas, como a cor ou o tamanho, ao passo que os mapas de bits são muito mais limitados e as alterações podem requerer um trabalho laborioso. Fig. 1- Imagem criada com um programa de desenho vectorial Na figura 1 podemos ver uma imagem criada com um programa de desenho vectorial. Este gráfico pode ser decomposto nos várias objectos que o compõem (Fig2): Fig.2 Decomposição de um gráfico vectorial O tamanho da imagem é outro aspecto importante no momento de optar por um tipo de codificação ou outro. Por exemplo, uma imagem pequena, como um ícone, deveria ser trabalhado como um mapa de bits e não como vector porque os gráficos vectoriais perdem a precisão quando sofrem uma redução tão grande. Ao mesmo tempo que as imagens têm uma visualização mais rápida, mas ocupam muito mais espaço, necessitando mesmo de processos de compressão.

3 2. Gráficos Vectoriais Um gráfico vectorial é uma representação de imagens digitais através de uma sequência de comandos ou declarações matemáticas, que colocam linhas e imagens num dado espaço de duas ou três dimensões. Na física, um vector é a representação de uma quantidade e direcção simultaneamente. Nos gráficos vectoriais, o ficheiro que resulta de um artista gráfico é criado e salvo como uma sequência de declarações de vectores. Por exemplo, em vez de conter um bit no ficheiro por cada bit de uma linha desenhada, um ficheiro de gráficos vectoriais descreve uma série de pontos a serem ligados. Daqui resulta um ficheiro muito mais pequeno. 1 A maioria dos gráficos vectoriais são formatos proprietários e necessitam das suas próprias aplicações. A escolha de um formato ou de outro deve fazer-se conhecendo as possibilidades que oferecem as aplicações correspondentes. É verdade que a maioria dos programas podem importar e exportar formatos vectoriais e que, portanto, um programa que os crie poderá exportá-los sem dificuldade, contudo não é aconselhável mover os referidos ficheiros, porque durante o processo de conversão se perde, definitivamente, informação. Normalmente a perda de informação não afecta o aspecto da imagem, mas afecta os parâmetros desta, e pode afectar a maneira de a manipular. Nos gráficos vectoriais não é necessário preocupar-se demasiado com a qualidade da imagem ou com o espaço que ocupa. A qualidade é a mesma em todos os formatos conhecidos e as diferenças de espaço, ainda que variem bastante em função da aplicação e do tipo de imagem, não constituem um ponto problemático, porque em qualquer caso o espaço que ocupa uma imagem vectorial é sempre pequeno. O que é importante é a qualidade do programa com que se trabalham os gráficos vectoriais e para que tipo de imagem está orientado. Pode tratar-se de um programa concebido para criar apresentações, desenho gráfico, estatísticas, organigramas, Mapas de Bits As imagens que nos chegam através dos ecrãs dos nossos computadores, menus, ícones, botões, controlos,..., estão codificadas como mapas de bits. São utilizados nos sistemas operativos, nas barras de ferramentas das aplicações, nas janelas de informação e em qualquer local onde a imagem torne o ecrã mais agradável visualmente. Face a esta avalanche de imagens, é lógico que exista uma grande quantidade de formatos para as representar. A diversidade de formatos, que em princípio pode parecer vantajosa 1 Adaptado de

4 para os utilizadores, no momento da verdade provocam uma grande confusão, porque muitos formatos são equivalentes e não apresentam vantagens relativamente a outros. A figura 3 representa uma imagem criada com um programa de mapa de bits: Fig. 3 Imagem criada com um programa de mapa de bits Para poder distinguir um mapa de bits é necessário compreender dois conceitos básicos: a paleta de cores e a compactação. 3.1 Paleta de Cores A melhor maneira de compreender um mapa de bits consiste em imaginar o processo utilizado por um explorador. Para começar, divide a imagem numa pequena grelha, e assim a escala dispõe de várias quadrículas com pequenos pedaços de imagem. A maior parte destas quadrículas serão todas de uma única cor, mas também haverá algumas que tenham duas, três ou mais cores. Recorre-se à desfocagem da lente para obter uma só cor de cada quadrícula (dithering). No final obtemos uma imagem com o aspecto de um mosaico. Em seguida o explorador converte estas cores num número que o computador possa compreender. Para isso existem diferentes métodos de codificação de cor: CMYK, HSB, YUV,... mas o que se utiliza mais frequentemente, e que identifica as cores luz primárias, sendo este o processo usado pelo monitor de qualquer computador, é o RGB (Red, Green, Blue). O método consiste em dividir a cor nos seus três componentes básicos e atribuir a cada uma valores ou faixas de intensidade. Se se substituírem todas as cores de cada quadrícula pelas respectivas codificações RGB e se se lerem da direita para a esquerda e de cima para baixo, obtém-se o mapa de bits. O resultado final é uma cadeia de números que representa uma imagem. Cada uma das cores básicas (vermelho, verde e azul) contém uma faixa que vai desde 0 a 255, pelo que é necessário um byte para cada cor base (8 bits) e um total de 3 bytes para codificar a cor completa de cada quadrícula com qualidade fotográfica (24 bits).

5 Esta codificação permite visualizar de cada vez 16 milhões de cores diferentes; isto pressupõe que uma imagem VGA de 640 por 480 pontos ocupa 900 Kb. Para minimizar este problema de espaço existem as paletas de cores. Assim, uma paleta de cores é uma tabela de 256 cores que se incluem dentro do mapa de bits. Nesta tabela estão codificadas todas as cores que se irão utilizar simultaneamente. Dependendo do número de cores da paleta, o número de bits que é necessário para codificar cada quadrícula será de 1, 4 ou 8, e o espaço que ocupará o mapa de bits variará proporcionalmente. Através da paleta o espaço que ocupa a imagem de mapas de bits fica reduzido, ainda que frequentemente esta redução não seja suficiente para manusear os ficheiros. Para uma redução eficaz existem técnicas de compactação. 3.2 Compactação A palavra compactação associa-se ao acto de encolher e leva a acreditar que as informações se encolhem fisicamente num dispositivo de armazenamento. Deve referir-se que em tempos existiam placas de compactação de discos rígidos que utilizavam este método, contudo o tempo demonstrou que esta metodologia não era interessante, nem do ponto de vista do rendimento nem do económico. Hoje em dia, a compactação evoluiu muito e já não é considerada de um ponto de vista físico mas lógico. A compactação lógica consiste em representar os dados da forma mais pequena possível, eliminando as redundâncias. Existem muitos algoritmos de compactação diferentes e normalmente cada uma deles está concebido para um tipo de dados concreto. Não convém utilizar um algoritmo de redução num ficheiro para o qual o utilitário de compactação não foi concebido, porque não só pode acontecer que a compactação não seja efectuada, como inclusivamente pode suceder que o ficheiro ainda ocupe mais espaço. As técnicas de compactação aplicadas a mapas de bits conseguem compactações de 10:1 e 2:1, dependendo do tipo de imagem que está a ser tratada. A dupla redução de ocupação em mapas de bits com paletas é bastante aceitável, contudo nos mapas de bits True Color a redução, normalmente, é muito pequena. Para solucionar este problema existem os algoritmos de compactação com perda que implicam perda de informação. Nos mapas de bits, esta técnica de compactação com perda só se utiliza para as codificações True Color, visto que este tipo de imagens contém muitíssima informação e, ainda que se perca parte dela, a imagem pode compreender-se perfeitamente à vista desarmada. Este tipo de utilitários de compactação costuma poder ser graduado pelo utilizador, ou seja,

6 este pode escolher se deseja perder mais informação com o objectivo de reduzir o tamanho de uma imagem até um determinado ponto, ou se a perda não vale a pena. Os rácios de compactação que se conseguem podem atingir 1:30 sem que isso pressuponha uma perda de qualidade de imagem para a vista. 4. Formatos de Ficheiros e de Compactação Como sabemos, quando trabalhamos com programas de desenho ou com qualquer outro tipo de programas: folhas de cálculo, processadores de texto, software de vídeo ou áudio,..., cada aplicação tem normalmente a sua respectiva extensão de ficheiro junto do nome que desejamos atribuir ao documento. Chamamos-lhe extensão e tem a função de facilitar o acesso directo à aplicação com a qual criámos o referido documento ou com a qual poderemos executá-lo de forma mais eficaz. Geralmente, guardamos os documentos num formato ou noutro, dependendo da utilização que venhamos a fazer deles. Podemos estar a trabalhar na composição de um documento numa aplicação de desenho como o CorelDraw e, por sua vez, este documento conter elementos que anteriormente desenvolvemos noutras aplicações, como por exemplo, uma imagem digitalizada ou um texto escrito num processador de texto. Deste modo, o nosso documento terá uma extensão.cdr que indicará o programa em que o realizámos, mas por sua vez incluirá imagens.tif e textos.txt, cujas extensões permitiram que fossem executados no CorelDraw. Este processo continua a ser o mesmo para qualquer documento que estejamos a criar. Se se tratar da realização de um CD-Rom vamos ter de manipular sons, gráficos, vídeos e convém que os classifiquemos com uma extensão adequada. 4.1 Extensões mais usuais no formato de imagem EPS: Encapsulated PostScript é o único formato de ficheiro fiável para transferir informação vectorial de uma plataforma para outra (por exemplo de Macintosh para PC). Quando guardamos um ficheiro em EPS, o computador pergunta se queremos guardar em codificação binária, que ocupa quase metade do espaço do que se o guardarmos em codificação ASCII. A base desta diferença está no facto de existirem muitos programas que não interpretam bem os dados guardados em codificação ASCII. Outra das opções ao exportar uma imagem em formato EPS é a possibilidade de incluir especificações sobre as tramas de meios tons que tenhamos atribuído à imagem. PICT: este é um formato gráfico capaz de armazenar tanto elementos de pintura como de desenho. Se dois objectos são agrupados num programa e se abrem num outro continua a ser possível desagrupá-los e editá-los em separado, uma vez que a descrição deste formato é constituída por dados matemáticos. Não obstante, este formato não é tão sofisticado como o

7 EPS uma vez que pode perder -se alguma informação. Como este formato é muito comum, ele é suportado por quase todos os programas. O formato PICT1 é a preto e branco, embora actualmente o mais utilizado seja o PICT2, a cores. Um dado importante que devemos ter em consideração quando utilizamos este formato é o facto de não podermos guardar as imagens a cores em CMYK, só podemos guardá -las em RGB. TIFF: A sua descrição em inglês é Tagged Image Format. Este é um formato de mapa de bits utilizado muito frequentemente com imagens digitalizadas. Quando utilizamos este formato para as imagens digitalizadas por um scanner a informação de cor de cada pixel do ficheiro mantém-se com uma alta definição. Assim, um ficheiro capturado com uma resolução de milhões de cores pode chegar a ter um tamanho grande e tornar muito lenta a sua manipulação. Um ficheiro em formato TIFF pode descrever as imagens em RGB ou CMYK. Praticamente todas as aplicações suportam o formato TIFF, sendo portanto um tipo de ficheiro muito corrente BMP: formato de ficheiro muito utilizado por computadores PC compatíveis. Guarda as imagens em mapa de bits. Os ficheiros windows bitmap são guardados no f ormato deviceindependent bitmap (DIB) - dispositivo independente de bitmap, que permite ao windows mostrar o bitmap em qualquer dispositivo de visualização. O termo device independent - dispositivo independente - significa que o bitmap especifica a cor do pixel de forma independente do método usado pa ra visualização da cor. A extensão por defeito de um DIB de windows é.bmp. Photo CD: introduzido no ano de 1992, o sistema Kodac PhotoCD facilita o processo de introdução de imagens de alta resolução provenientes de películas fotográficas com qualidade digital e suporte CD. Para poder visualiza -las é necessár io um dispositivo de leitura de CDs compatível, no entanto hoje em dia, praticamente todos os que existem o são. O formato Photo CD também se pode visualizar na televisão através de um dispositivo de leitura de imagens Cdi. Os ficheiros PhtoCD não podem co mpactar-se. Actualmente, qualquer pessoa pode levar o seu rolo de 35mm a um estúdio fotográfico e pedir que ponham as fotografias em CD. A capacidade de um CD é consideravelmente elevada, sendo possível armazenar umas 100 imagens com este formato num único CD. DXF: Este é um formato 3D muito comum para a transferência de imagens entre programas 3D e outro tipo de software. É o formato que necessitamos para guardar imagens 3D se quisermos importá -las especificamente para um programa de rendering. 4.2 Formatos de Compactação A compactação de dados possui uma grande importância nos sistemas computacionais nos dias actuais. Isto deve -se essencialmente à crescente utilização de sistemas conectados em redes e à necessidade de transmitir cada vez mais informação atravé s de uma rede.

8 JPEG: Joint Photographic Experts Group, é o grupo que desenvolveu este formato de compactação para fotografias digitalizadas por scanner. O objectivo deste formato consiste em reduzir substancialmente o tamanho das digitalizações através de técnicas de compactação. É evidente que durante este processo perdemos alguma informação de cor, mas em teoria a vista humana é incapaz de percebe -lo. Conseguem-se relações de compactação desde 20:1. Este formato, só pode ser utilizado em imagens estática s. GIF: Compuserve Graphics Interchance Format. Trata-se de um formato que compacta as imagens para poder minimizar o tempo de transferência de ficheiros através de uma linha telefónica. É o formato mais utilizado na Internet para transferir imagens. Quand o guardamos uma imagem neste formato é conveniente que, com uma aplicação de retoque fotográfico, guardemos a imagem em modo de cor indexada e com uma paleta de cores o mais reduzida possível. Frequentemente trabalhamos com uma combinação de cores reduzida e é melhor limitar a paleta às cores necessárias para a leitura da nossa composição. Deste modo o ficheiro ocupará o mínimo espaço possível. O formato GIF, ao contrário do JPEG, é sem perdas. O arquivo GIF está dividido em duas partes, um cabeçalho com informações sobre a imagem e o conjunto de dados codificados. Em 1989 a Compuserve acrescentou algumas novas características ao formato, como a transparência e forma animada do formato ( Aminated gif). Um dos principais defeitos deste formato é ter sido projectado para um número pequeno de cores (máximo 256). Quando mais cores são aplicadas, mais indicado é a utilização de outros formatos específicos para fotografia, como o JPEG e o TIFF. PNG: Portable Network Graphics, foi desenhado para ser o sucessor do t ão popular formato.gif, pronuncia -se PING e é um formato de compactação de imagens. As características principais deste formato são: Múltiplos CRC (bit de controlo de erros) - a integridade do ficheiro é garantida Melhor compressão do que o formato GIF, tipicamente 5% a 25% ( mas frequentemente 40 ou mesmo 50%) Suporte de paletas de e 8 bits (como o GIF) Suporte de e 8 bits de escala de cinzas Canal de transparências de 8 e 16 bits (não simplesmente existe ou não existe como no formato GIF, podendo ser controlado o grau da transparência). Paletas de 8 e 16 bits por amostra (isto é, 24 e 48 bits) suporte TrueColor 2 2 in

9 5. Obtenção de Imagem Os avanços tecnológicos da fotografia permitem registar, de forma económica, cenas da realidade para serem vistas por outras pessoas. Não há duvida que a reprodução de imagens através de película ou papel sensível à luz requer muito tem po e técnicas de processamento precisas. A realização de múltiplas cópias fotográficas é dispendiosa e, com frequência, a cor resultante difere muito da cena original. Os processos de impressão baseados em tintas, como o offset, permitem a reprodução em grandes quantidades, por um preço reduzido. Estes processos requerem a separação das imagens nos respectivos componentes ciano, magenta, amarelo e preto (CMYK), as quatro tintas de quadricromia utilizadas na impressão. No passado, os métodos de separação CMYK utilizavam máquinas de reprografia de formato grande, equipadas com filtros de cor. Os operadores das máquinas de reprografia utilizavam filtros RGB para registar componentes vermelho, verde e azul da imagem em películas a preto e branco. Era necessário fazer muitas películas intermédias positivas e negativas antes de obterem as separações CMYK. Assim eram obtidas as películas de separação de cor a partir das quais se executavam as tábuas de impressão. Os novos métodos digitais de exploração e registo ecl ipsaram estes sistemas complexos, que requeriam uma grande especialização, e abriram o mundo do processamento de imagens a muito mais pessoas. 5.1 Introdução ao Processo Digital As técnicas modernas de introdução digital permitem manipular e retocar as imagens num computador com um controlo preciso e uma grande flexibilidade. Os resultados finais podem reproduzir -se facilmente o número de vezes que se pretenda sem perda de qualidade. O armazenamento das cópias digitais em discos magnéticos ou outros suportes digitais assegura a integridade dos dados. As imagens digitais são formadas por uma grelha de pequenos quadrados denominados pixeis. Os dispositivos de introdução RGB reduzem a gama de cor visível a uma paleta limitada. A cada pixel é atribuída a cor da pale ta que mais se assemelhe à da imagem original. Quanto maior for a paleta, maior a precisão com que se poderá digitalizar o original. 5.2 Dispositivos de Introdução de Imagem Os diferentes desenhos de captura de imagens tornam alguns deles mais adequados para certas tarefas do que outros. Uma boa maneira de decidir qual o dispositivo se adapta

10 melhor às nossas necessidades, consiste em determinar o tipo de original que vamos trabalhar e a forma como iremos utilizar os dados capturados. Para introduzirmos texto impresso num programa de processamento de texto pode ser adequado um scanner manual com um programa de Reconhecimento Óptico de Caracteres (OCR). Para captar imagens em tons de cinzento ou trabalhos de linha, pode ser suficiente um scanner sensível, de mesa, a preto e branco. Se necessitarmos de ampliar muito imagens de cor com muitos detalhes e não quisermos perder qualidade, os scanners de mesa ou de tambor profissionais proporcionar -nos-ão a elevada resolução necessária para este tipo de digitalizações Scanners de Mesa Os scanners de mesa são os dispositivos de captura de imagem mais utilizados na edição automática e na pré -impressão profissional. Normalmente podem utilizar -se como programas de manipulação de imagens padrão. Os programas de interface mais avançados que podem ser controlados pelos scanners de mesa não exigem operadores especializados, porque o equilíbrio óptimo da cor e a densidade correcta da imagem são determinados automaticamente. Existe um ampla variedade de scanners de mesa, des de económicos, a preto e branco, até scanners a cor, profissionais, de alta qualidade. Os scanners de gama alta digitalizam não só originais opacos como transparentes Scanners de Tambor Os tubos fotomultiplicadores utilizados no sacnners de tambor para detecção dos valores das cores RGB permitem resultados de elevada qualidade. O scanner de tambor utiliza três amplificadores de sinal RGB para ler os valores de cor do original, colocado num tambor giratório. Estes valores são convertidos nas separações de c or CMYK, que são expostas directamente sobre uma película monocromática colocada sobre um segundo tambor giratório. Nos scanners de tambor só podem montar -se originais flexíveis sobre os cilindros de acrílico transparente. Podem explorar -se, sem qualquer p roblema, originais opacos ou transparentes, negativos ou positivos Scanners Manuais Estes dispositivos, muito mais económicos, passam manualmente sobre originais planos a cor ou a preto e branco. Não foram concebidos para digitalizar transparências e a su a largura máxima costuma ser

11 inferior à do formato A4. Embora alguns scanners manuais tenham resoluções consideravelmente altas, a sua capacidade para produzir resultados aceitáveis é bastante limitada. Estes scanners podem utilizar-se como dispositivos OC R e de captura rápida de imagens de tonalidade contínua Máquinas Digitais Recentemente apareceram no mercado máquinas digitais, especialmente conce bidas para registar dados digitais e não aceitam ser carregadas com as películas tradicionais. As máquinas digitais registam os dados em discos, que podem ser extraídos. A capacidade destes discos costuma ser um factor determinante na resolução das imagens captadas. Geralmente, as máquinas digitais transmitem os dados através de um cabo ligado a um disco rígido, quando se torna importante conseguir uma maior resolução. Os dados de RGB são digitalizados simultaneamente, ou em 3 passos. Embora as máquinas dig itais sejam as mais adequadas para captar cenas ou objectos tridimensionais, também podem utilizar -se como alternativa aos scanners de mesa Câmaras de Vídeo A partir de câmara de vídeo, ou de fitas de vídeo gravadas é possível captar directamente sequências de imagens em movimento ou fotogramas fixos individuais através de sistemas de captura de fotogramas. Os programas de apresentações multimédia podem utilizar e modificar fragmentos destas imagens em movimento, embora a grande quantidade de informação di gital limite a qualidade da imagem, o tamanho e a duração. Quando o vídeo é o único registo de um acontecimento importante, é possível aumentar a resolução de alguns fotogramas através de um processo de nova amostragem da imagem que permite optimizar a qua lidade. 5.3 Avaliação dos Originais Antes de iniciar a digitalização de um original, é importante verificar as características do mesmo com a finalidade de escolher o sistema de digitalização mais adequado ao projecto que vamos desenvolver Trabalhos de Linha Quando uma imagem original é constituída por linhas e zonas uniformas a preto ou com tonalidades escuras, pode ser digitalizada como trabalho de linha. Se tiver alguma cor ou

12 tonalidades de cinzento, estas serão convertidas em preto e branco puros, criando uma imagem com duas tonalidades. Os desenhos a bolígrafo e lápis digitalizados como trabalhos de linha podem converter -se em contornos, que serão tratados posteriormente com programas de vectores. Os objectos desenhados com uma só cor simples, como alguns logotipos, também se denominam trabalhos de linha. Quando se digitalizam imagens em tonalidades de cinzento para a reprodução de textura devemos ter em consideração a linearidade da textura, o factor de ampliação entre o original e o formato de saída, a g ama de tonalidades correcta e a nitidez. A imagem digitalizada deve conter toda a gama de tonalidade presente no original e assegurar um bom contraste e uma boa luminosidade. Estes aspectos podem ser controlados em programas de tratamento de imagens atravé s de alterações nos histogramas, curvas de tonalidade e controladores de densidade Cor Quando digitalizamos imagens a cor, para além de termos em consideração o factor de ampliação, a nitidez e a gama de tonalidades correcta relativamente ao original, não devemos esquecer que as imagens a cor são digitalizadas em modo RGB, mas s erão convertidas em separações CMYK para posterior impressão. Os ficheiros que contêm imagens RGB costumam ocupar um espaço de armazenamento três vezes superior ao de um ficheiro em tonalidades de cinzento. Não esquecendo que uma imagem em RGB é constituída por três espectros de luz (vermelho, verde e azul) que, misturados, oferecem a gama de tonalidades completa da imagem. Do mesmo modo, quando convertemos uma imagem a cor em CMYK p ara posterior impressão, o espaço que este ficheiro irá ocupar será quatro vezes maior do que o de tonalidades de cinzento. Quando se digitalizam imagens a cor, é conveniente obter o melhor resultado durante a digitalização. As operações destinadas a mante r uma gama de tonalidades bem distribuída e um correcto equilíbrio cromático relativamente ao original, podem realizar -se posteriormente em programas de tratamento de imagem. Contudo, pode acontecer que a imagem digitalizada não contenha informação suficiente e estes retoques apareçam falsamente corrigidos, razão pela qual é mais eficaz realizar estes ajustamentos durante o processo de digitalização Mapa de bits Uma imagem digitalizada é constituída por um mapa de bits, pixéis adjacentes, que são pequenos quadrados pretos, brancos, cinzentos ou de cores uniformes.

13 Todas as imagens de mapas de bits têm uma resolu ção específica ao número de pixé is por polegada. Se ampliarmo s uma imagem sem ampliarmos pixé is adicionais, o tamanho de cada pixel também aumentará. Isto significa que haverá menos pixé is por polegada, portanto a resolução será menor, ainda que o tamanho do ficheiro seja o mesmo. Quando as imagens são demasiado ampliadas, os pixé is poderão ver -se perfeitamente à vista desarmada produzindo os típicos dentes de serra nas linha diagonais. Quando se reduz o tamanho de uma imagem sem eliminar pixéis sucede precisamente o contrário. Os pixéis tornam -se mais pequenos, portanto a resolução aumenta. Visualmente, não constitui um problema, mas a resolução pode chegar a ser desnecessariamente elevada quando comparada com os requisitos de saída. Manter a resolução da imagem na relação correcta com o dispositivo de saída previsto, permite utilizar sempre o tamanho mais adequado do ficheiro e assegura um processame nto e impressão eficientes. Se for necessário mudar o tamanho de um original, a resolução de digitalização deverá adaptar -se ao novo tamanho. Por exemplo, uma fotografia de 5x5 cm que tenha de ser digitalizada e ampliada para 20x20 cm terá um factor de amp liação de 4, o que significa que a resolução da digitalização adequada deverá ser 4 vezes superior à resolução final pretendida para a imagem. Se for necessária uma resolução final de 200ppi o original deverá ser digitalizado com 800ppi. 5.4 Regras de Resoluçã o Quando digitalizamos uma imagem no modo de trabalho de linha, é aconselhável ter em consideração esta regra para conseguirmos uma resolução coerente entre o tamanho de entrada e de saída. A resolução da digitalização é igual à resolução do dispositivo de saída multiplicado pelo factor de ampliação. Quando digitalizamos imagens em tonalidades de cinzento ou a cores, para além deste factor de ampliação não devemos esquecer que a resolução deve ajustar -se às texturas utilizadas para a impressão dos valores d as tonalidades. Assim, devemos utilizar a regra seguinte para assegurarmos uma relação óptima: a resolução da digitalização é igual à linearidade da textura multiplicada pelo factor de qualidade multiplicado por sua vez pelo factor de ampliação. Entendemos com factores de qualidade óptimos 1,5 para linearidade de texturas superiores a 133 lpi (linhas por polegada) e costuma recomendar -se um factor de 2 para texturas inferiores a 133 lpi. Por exemplo uma imagem filmada a 85lpi em 50% do seu tamanho original deve digitalizarse a 85ppi (85lpi x 2 x 0,50 = 85ppi)

14 6. Conclusão Espera-se que este documento possa contribuir para um melhor uso da imagem e das potencialidades que, quando bem usada, ela pode oferecer. Que possa servir ainda de motivação e apoio, para o conhecime nto das inúmeras ferr amentas de tratamento de imagem. Referências Design Gráfico por Computador, Salvat Multimédia hi.html

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Conteúdo s: Aspetos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais. Imagens computacionais e programas que criam ou manipulam esse tipo de imagens.

Leia mais

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros Utilização do Sistema Multimédia 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens 2.1. Compressão Formatos com e sem compressão Técnicas de compressão (reduzem tamanho) de 2 tipos: Compressão

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sumário Gráficos e imagens bitmap Tipos de dados para gráficos e imagens Imagens de 1-bit Imagens de gray-level

Leia mais

CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN

CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN Com o Corel você vai trabalhar com um dos aplicativos mais usados no campo do design e da auto-edição, já que permite operar com dois tipos de gráficos (vetoriais

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5 A cor e o computador Introdução A formação da imagem num Computador depende de dois factores: do Hardware, componentes físicas que processam a imagem e nos permitem vê-la, e do Software, aplicações que

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático.

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. Prof. Reginaldo Brito Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA Joseph-Nicéphore Niepce * França, (1765-1833) James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. 1826,

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Aspectos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais Imagens computacionais e programas que

Leia mais

Apresentação do Projeto Gráfico

Apresentação do Projeto Gráfico Arte-final Arquivo feito no computador utilizando softwares específicos que permitem a produção de um fotolito para impressão gráfica. Programas Utilizados para a Produção de Arte-final. Dependendo das

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage FormatosdeImagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger FormatosdeImagens Índice 1 FORMATOS

Leia mais

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS ELEMENTOS GRÁFICOS Parte 4 José Manuel Russo 2005 24 A Imagem Bitmap (Raster) As imagens digitais ou Bitmap (Raster image do inglês) são desenhadas por um conjunto de pontos quadrangulares Pixel alinhados

Leia mais

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Também conhecido por digitalizador Scanner é um periférico de entrada Leitura de textos e imagens

Leia mais

Tamanho e resolução da imagem

Tamanho e resolução da imagem Tamanho e resolução da imagem Para se produzir imagens de alta qualidade, é importante compreender como é que os dados dos pixels da imagem são medidos e mostrados. Dimensões dos pixels O número de pixels

Leia mais

FORMATOS DE ARQUIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS NATIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS GENÉRICOS. Produção Gráfica 2 A R Q U I V O S D I G I T A I S -

FORMATOS DE ARQUIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS NATIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS GENÉRICOS. Produção Gráfica 2 A R Q U I V O S D I G I T A I S - Produção Gráfica 2 FORMATOS DE ARQUIVOS A R Q U I V O S D I G I T A I S - FORMATOS DE ARQUIVOS PARA IMAGEM BITMAPEADAS Uma imagem bitmapeada, uma ilustração vetorial ou um texto são armazenados no computador

Leia mais

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O Grupo I (Utilização de Sistemas Multimédia) 1. Indique os atributos elementares das imagens 2. Complete as seguintes afirmações de forma a torná-las verdadeiras: a. A resolução de uma imagem digital é

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica Diferenças entre Mídia Impressa e Eletrônica Resolução Web >> 72dpi Impressão >> 300dpi Padrão de cores Web >> RGB Impressão >> CMYK Tipos de Arquivos Web >> GIF / JPEG Impressão >> TIF / EPS Tamanho dos

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 703/7 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 1.ª FASE PROVA PRÁTICA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica A natureza da imagem fotográfica PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital - 1 Antes do desenvolvimento das câmeras digitais, tínhamos a fotografia convencional, registrada em papel ou filme, através de um processo

Leia mais

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP Docente: Bruno Duarte Fev 2010 O que é uma imagem digital? Uma imagem diz-se digital quando existe um ficheiro em computador que guarda a informação gráfica desta

Leia mais

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Conceitos do Photoshop Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Bitmap Image Conceito de pixel Imagem bitmap x imagem vetorial Pixel x bits Resolução de tela e imagem 72 pixel/inch 300

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Este tutorial tem por finalidade esclarecer algumas dúvidas sobre arquivos abertos e arquivos fechados. Leia e entenda um pouco mais sobre PDF, diferenças

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO SISTEMA - SCANNER MONITOR 2 CLÁUDIO MELO

CALIBRAÇÃO DO SISTEMA - SCANNER MONITOR 2 CLÁUDIO MELO GESTÃO DE CORES - OBJECTIVOS DA GESTÃO DE COR A NECESSIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE COR (CMS) OS PERFIS DE COR A CRIAÇÃO DE PERFIS OS MODELOS DE COR 1 GESTÃO DE CORES - OBJECTIVOS DA GESTÃO DE COR A

Leia mais

Pesquisa e organização de informação

Pesquisa e organização de informação Pesquisa e organização de informação Capítulo 3 A capacidade e a variedade de dispositivos de armazenamento que qualquer computador atual possui, tornam a pesquisa de informação um desafio cada vez maior

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA Editores vetoriais são frequentemente contrastadas com editores de bitmap, e as suas capacidades se complementam. Eles são melhores para leiaute

Leia mais

Formatos de Imagem PNG. Universidade Federal de Minas Gerais. Bruno Xavier da Silva. Guilherme de Castro Leite. Leonel Fonseca Ivo

Formatos de Imagem PNG. Universidade Federal de Minas Gerais. Bruno Xavier da Silva. Guilherme de Castro Leite. Leonel Fonseca Ivo Universidade Federal de Minas Gerais Formatos de Imagem PNG Bruno Xavier da Silva Guilherme de Castro Leite Leonel Fonseca Ivo Matheus Silva Vilela Rafael Avelar Alves Belém Belo Horizonte, 5 de maio de

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1... 3 Apresentação do Photoshop... 3 Barra de Menus... 3 Barra de Opções... 3 Barra de Ferramentas...4

Leia mais

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento

Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento Manipulação Digital de Imagens Recursos Básicos de Tratamento 1 Antes de mais nada, é extremamente necessário lembrar que para tratar uma imagem é necessário que o monitor de seu computador esteja calibrado

Leia mais

PHOTOSHOP. Menus. Caixa de Ferramentas:

PHOTOSHOP. Menus. Caixa de Ferramentas: PHOTOSHOP Universidade de Caxias do Sul O Photoshop 5.0 é um programa grande e complexo, é o mais usado e preferido pelos especialistas em editoração e computação gráfica para linha PC. Outros programas

Leia mais

404 CAMCORDER CAMCORDER E CÂMARA FOTOGRÁFICA

404 CAMCORDER CAMCORDER E CÂMARA FOTOGRÁFICA POrtuguês Portuguese 404 CAMCORDER CAMCORDER E CÂMARA FOTOGRÁFICA Suplemento do Manual do Utilizador do ARCHOS 404 Versão 1.1 Visite o site www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas LIGADORES DE VIDEO: VGA, DVI, S-VIDEO E COMPONENTE VIDEO José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução

Leia mais

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1 Linhas de Orientação de Media GS1 Portugal 1 Índice Introdução... 3 Especificações Gerais de Imagens... 4 Propriedades da imagem... 5 Cor e Qualidade... 5 Clipping Paths... 5 Fundo... 6 Borda... 6 Formato

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS Informática - Ano letivo de 2013 / 2014

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS Informática - Ano letivo de 2013 / 2014 Objetivos Tratamento de Imagem Conhecer as potencialidades dos programas de tratamento de imagem nas suas múltiplas funções. Criar, editar e retocar imagens, utilizando software de edição de imagem. Usar

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB. Professora Andréia Freitas

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB. Professora Andréia Freitas TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB Professora Andréia Freitas 2012 3 semestre Aula 03 MEMORIA, F. Design para a Internet. 1ª Edição. Rio de Janeiro:

Leia mais

1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits)

1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits) Geração e captura de imagem 1. Formatos de ficheiros de imagem (mapas de bits) 1.1. Formatos mais comuns Existe a necessidade muitas vezes de transferir uma imagem de um programa para outro, quando um

Leia mais

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta TRATAMENTO DE IMAGENS Elisa Maria Pivetta CATEGORIAS DE IMAGENS Distinguem-se geralmente duas grandes: Bitmap (ou raster) - trata-se de imagens "pixelizadas", ou seja, um conjunto de pontos (pixéis) contidos

Leia mais

Alguns métodos utilizados

Alguns métodos utilizados Alguns métodos utilizados TIF Algumas pessoas exportam o trabalho feito no Corel em formato TIF,que é um procedimento comum para impressão em jornais e publicações impressas. Para exportar desta forma

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Introdução A possibilidade de utilizarmos imagens, gráficos, desenhos e textos artísticos

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 10 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

Visão Artificial Para a Indústria. Manual do Utilizador

Visão Artificial Para a Indústria. Manual do Utilizador Visão Artificial Para a Indústria Manual do Utilizador Luis Fonseca Carvalho de Matos ( luis.matos@ua.pt ) Julho de 2007 Índice de conteúdos 1. Apresentação......1 1.Conceito de Funcionamento......1 2.

Leia mais

Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros

Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros Especificações Técnicas - Dicas, evitando erros Recomendações que evitam os erros mais freqüentes Nunca utilize quadricromia para textos em preto, para evitar problemas de registro na impressão. Evite

Leia mais

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED Preparação de documentos 1 Preparação de Documentos Quais documentos digitalizar? Eliminação: remoção e destruição de duplicatas, materiais sem importância

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 3 - MANUAL DO UTILIZADOR Diogo Mateus 3.1. REQUISITOS MÍNIMOS * Computador Pessoal com os seguintes Programas * Microsoft Windows 95 * Microsoft Access 97 A InfoMusa

Leia mais

a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. Dezembro de 2009

a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. Dezembro de 2009 16 a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. 17 Marca Dinâmica e evolutiva, a marca Bematech é formada pelo símbolo e logotipo. Suas elipses simbolizam a essência de uma empresa empreendedora.

Leia mais

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA.

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. Imagem digital é a representação de uma imagem bidimensional usando números binários codificados de modo a permitir seu armazenamento, transferência, impressão ou reprodução,

Leia mais

Formatos Imagem. Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2. Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010

Formatos Imagem. Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2. Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 Formatos Imagem Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula Ray-Tracing Ferramentas Utilizadas: POV-Ray 3.6 (modelling, texturing,

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

Canon permanece na linha da frente com dois novos scanners de alta velocidade

Canon permanece na linha da frente com dois novos scanners de alta velocidade Canon permanece na linha da frente com dois novos scanners de alta velocidade Lisboa, 20 de Agosto de 2007- A Canon anuncia o lançamento de dois novos modelos na gama CanoScan: o CanoScan 8800F e o CanoScan

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a MonkeyJam M a

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º Código 401470 Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico Dr. Joaquim de Carvalho DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação DOMÍNIOS (Unidades) UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Introdução Conteúdos Objetivos Estratégias/ recursos Conceitos fundamentais Teste e controlo de erros em algoritmia Estruturas de controlo Arrays

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca

Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca Exame a Nível de Escola Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 357/2007, de 29 de Outubro Prova Escrita Aplicações Informáticas B 11º Ano Curso Científico-Humanistícos

Leia mais

Produção Gráfica. Fechamento de arquivos para impressão

Produção Gráfica. Fechamento de arquivos para impressão Arquivo aberto vs Arquivo fechado Arquivo aberto: Pacote de arquivos Na gráfica: Pacote de arquivos abertura do arquivo checagem de links conferência de imagens conferência de fontes edição de retoques

Leia mais

Atividade: matrizes e imagens digitais

Atividade: matrizes e imagens digitais Atividade: matrizes e imagens digitais Aluno(a): Turma: Professor(a): Parte 01 MÓDULO: MATRIZES E IMAGENS BINÁRIAS 1 2 3 4 5 6 7 8 Indique, na tabela abaixo, as respostas dos 8 desafios do Jogo dos Índices

Leia mais

E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro.

E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro. E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro. Atenção a cor de fundo deve estar definida no antes de criar a nova imagem. Comprovação do trabalho

Leia mais

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia Multimídia Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia Tópico Hardware e Hardware para Multimídia Com a popularização dos sistemas multimídia foi criado o padrão MPC (PC Multimídia)

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 703/8 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA PRÁTICA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Representação de Informação -- Texto -- Representação de Informação. Representação de Caracteres

Representação de Informação -- Texto -- Representação de Informação. Representação de Caracteres Representação de Informação -- Texto -- Sistemas Informáticos I, 2004/2005 (c) Paulo Marques SLIDES 5 Representação de Informação Como é que se representa texto? Como é que se representam imagens? Como

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Canon lança nova PIXMA All-in

Canon lança nova PIXMA All-in Canon lança nova PIXMA All-in in-one premium Lisboa, 20 de Agosto de 2007 A Canon enriquece a sua linha de impressoras All-in-One com um novo modelo Premium, a PIXMA MP970. Substituindo a PIXMA MP810,

Leia mais

Manual do Utilizador do Scanner

Manual do Utilizador do Scanner Manual do Utilizador do Scanner A caixa de diálogo TWAIN Apêndices Índice 2 A caixa de diálogo TWAIN... 3 Obter (Adquirir) e utilizar a caixa de diálogo TWAIN... 4 Desempenhar uma digitalização simples...

Leia mais

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo Manual Sistema MLBC Manual do Sistema do Módulo Administrativo Este documento tem por objetivo descrever as principais funcionalidades do sistema administrador desenvolvido pela MLBC Comunicação Digital.

Leia mais

Aquisição e Representação da Imagem Digital

Aquisição e Representação da Imagem Digital Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Aquisição e Representação da Imagem Digital Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/33 Sumário. Introdução 2. Aquisição e Representação da Imagem

Leia mais

Chapter 2 Guia de referência rápida 2-

Chapter 2 Guia de referência rápida 2- Chapter 2 Guia de referência rápida 2- Este capítulo descreve como descompactar e exibir imagens de maneira rápida com o kit de desenvolvimento de software (SDK) para captura de imagens.net RasterMaster.

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS GED MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br

Leia mais

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB Bons web sites necessitam de uma correta integração entre textos e imagens. Este artigo contém o mínimo que você precisa saber sobre imagens para a web. Introdução

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA PRODUÇÃO GRÁFICA PUBLICIDADE & PROPAGANDA Prova Semestral --> 50% da nota final. Sistema de avaliação Atividades em laboratório --> 25% da nota final Exercícios de práticos feitos nos Laboratórios de informática.

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Manual de Utilização do Software de Leitura de Bitmap. Rev. 1.01

Manual de Utilização do Software de Leitura de Bitmap. Rev. 1.01 Manual de Utilização do Software de Leitura de Bitmap Rev. 1.01 Visão Geral Este manual tem por objetivo explicar o processo de conversão dos dados gráficos impressos nas Reduções Z, também referido às

Leia mais

Fluxo de trabalho no Picasa

Fluxo de trabalho no Picasa Fluxo de trabalho no Picasa Neste bloco serão abordados: Download e Instalação Aquisição de imagens Tratamento básico de imagem digital fotográfica Opções de impressão Tratamento para envio para a web

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Fundamentos da fotografia digital: Câmeras digitais CCD e CMOS Resolução Armazenamento Softwares para edição e manipulação de imagens digitais: Photoshop e Lightroom

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais