PRIME Uma Retrospectiva. Internacionalização do Calçado. Manuel Carlos. 4 de Fevereiro de 2010 Centro de Congressos de Lisboa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRIME Uma Retrospectiva. Internacionalização do Calçado. Manuel Carlos. 4 de Fevereiro de 2010 Centro de Congressos de Lisboa"

Transcrição

1 PRIME Uma Retrospectiva Internacionalização do Calçado Manuel Carlos 4 de Fevereiro de 2010 Centro de Congressos de Lisboa

2 PNDES Plano Estratégico Calçado

3 PNDES Década anterior a 1998 O futuro Conjunto de incertezas

4 Programa Operacional da Economia - POE Ano 2000 Deverá referir-se que o sector português do calçado regista a especialização mais elevada da Europa relativamente a todos os sectores e a todos os países, ou seja, este sector tem um peso relativo na estrutura produtiva portuguesa não comparável a nenhum outro em qualquer país da União Europeia

5 PNDES Plano Estratégico Calçado

6 Plano Estratégico Diagnóstico Um enredamento intersectorial que, nos inputs, permite um abastecimento irregular em qualidade, quantidade e preços, e que, nos outputs, sofre a irracionalidade de um mercado interno atomizado; uma concorrência não-salutar que resulta do predomínio de unidades de produção infradimensionadas, muitas das quais em regime préindustrial; uma gestão carecida de métodos e técnicas modernas, uma organização deficiente e, como efeito, uma produtividade relativamente baixa. Não é possível dizer, claramente, onde residem as causas e onde estão os efeitos num círculo que, parcialmente pelo menos, é vicioso e do qual o sector precisade sair por um esforço próprio e um substancial auxílio exógeno

7 Plano Estratégico posta a questão tecnológica em termos de futuro,... esboça-se uma profunda transformação das condições tecnológicas de produção. Segundo a Presidential Comission on Innovation (U.S.A.) o fim da década de 80 ficará assinalado pela automatização da indústria de calçado.... inovações já perfiladas no horizonte imediato, a saber: - A aplicação dos sistemas CAD...; - A aplicação do computador às operações de corte...; - A aplicação do computador às operações de costura, associado a técnicas de alta frequência; - A aplicação do sistema CAM (computer-aid-manufacturing) permitindo a automação da produção através da introdução da micro-electrónica; - A automação das operações de corte de couro através da associação de um mecanismo sensor (scanner) que avalia a peça de couro, localizando os defeitos,... e determina o corte que maximiza o rendimento da pele;

8 Plano Estratégico Calçado Visão:... fazer da indústria portuguesa do calçado a líder europeia do sector, assentando numa elite de empresas das mais modernas do mundo. Propostas: -Substituição dos apoios destinados à modernização das empresas pelo reforço dos apoios à internacionalização; -Forte investimento em I&DI: Projecto FATEC; Projecto SHOEMAT

9 Taxas de Crescimento do PIB e das exportações mundiais 12% PIB 10% Exportações 8% 6% 4% 2% 0% Fonte: de Melo 1997, WTO, APICCAPS

10 Peso das exportações no PIB - Mundo 20% 18% 16% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Fonte: OCDE, WTO, APICCAPS

11 A Produção de Calçado no mundo % 16.4% 6.1% 34.1% 1.3% 3.6% 84.6% 45.4% Dos quais a China 63.5% 17.3% 0.1% 0.5% Total mundial milhões de Pares em 2007 Total mundial milhões de Pares em 1985 Fonte: Satra, APICCAP

12 Exportações Portuguesas de Calçado Em presas Capital Estrangeiro Em presas Capital Nacional Milhões de Euros Fonte: INE, APICCAPS

13 Processo de Internacionalização do Calçado Empresas Participações +121% % % +57% Fonte: APICCAPS

14 Investimento no sector do Calçado Investimento / VAB média para o período F rance 7,7 Germany 9,1 H ungary 8,0 Italy 9,0 P o land 14,0 P o rtugal 14,8 Spain 7,8 United Kingdo m 4, % Fonte: Eurostat

15 Projectos mobilizadores de I&DT FATEC SHOEMAT Objectivo: Desenvolvimento de novos Equipamentos e Tecnologias Objectivo: Desenvolvimento de novos Materiais e componentes Investimento: mil Euros Investimento: mil Euros Incentivo: mil Euros Incentivo: mil Euros Período de Execução : Julho de 2002 a Junho de 2005 Período de Execução : Outubro de 2003 a Agosto de 2006 Consórcio envolvendo 17 Entidades: SCTN (4); Empresas de base tecnológica (5), Empresas de Calçado, componentes e Curtumes (8) Consórcio envolvendo 20 Entidades: SCTN (7); Empresas de materiais e componentes (10), Empresas de Calçado (3)

16 Quadro dos investimentos e incentivos - PRIME Sector do Calçado Valores em milhares de euros Instrumento N.º Projectos Investimento Incentivo Distribuição Calçado Distribuição Total Projectos Empresariais (SIME, SIPIE, SIME Internacional, SIED, Proj. Aut. Formação Profissional) % 47% Projectos I&DI (Proj. Mobilizadores, IDEIA, NITEC, DEMTEC, Inov-Jovem) % 8% PIP Internacionalização % 6% Outros projectos da envolvente % 21% TOTAL Agregado % 100% Valor equivalente a 8,8 cêntimos por cada par exportado

17 Evolução da quota de mercado - Calçado Quota de Portugal no total dos 3 maiores produtores europeus (Portugal, Espanha e Itália) 18% Produção 17% Exportações 16% 15% 14% 13% 12% Fonte: CEC, APICCAPS

18 Preço médio de exportação de Calçado - PORTUGAL Euros / par Fonte: INE, APICCAPS

19 Saldo Comercial por produtos Milhões de Euros MADEIRA E CORTIÇA E SUAS OBRAS CALÇADO MATÉRIAS TÊXTEIS E SUAS OBRAS CERÂMICA; VIDRO SUAS OBRAS PASTAS DE MADEIRA; PAPEL E CARTÃO OBJECTOS DE ARTE OU ANTIGUIDADES ARMAS E MUNIÇÕES GORDURAS E ÓLEOS PÉROLAS, METAIS PRECIOSOS IND. ALIMENTARES; BEBIDAS; TABACO PRODUTOS DIVERSOS PELES, COUROS, ETC PLÁSTICOS; BORRACHA E SUAS OBRAS APARELHOS DE ÓPTICA, FOTOGRAFIA PRODUTOS DO REINO ANIMAL PRODUTOS DO REINO VEGETAL METAIS COMUNS E SUAS OBRAS MATERIAL DE TRANSPORTE PRODUTOS DAS IND. QUÍMICAS MATERIAL ELÉCTRICO PRODUTOS MINERAIS Fonte: INE, APICCAPS

20 Índice de Balassa (X-M)/(X+M) % -60% -40% -20% 0% 20% 40% 60% CALÇADO MADEIRA E CORTIÇA E SUAS OBRAS CERÂMICA; VIDRO SUAS OBRAS MATÉRIAS TÊXTEIS E SUAS OBRAS PASTAS DE MADEIRA; PAPEL E CARTÃO OBJECTOS DE ARTE OU ANTIGUIDADES ARMAS E MUNIÇÕES IND. ALIMENTARES; BEBIDAS; TABACO GORDURAS E ÓLEOS PRODUTOS DIVERSOS PLÁSTICOS; BORRACHA E SUAS OBRAS MATERIAL DE TRANSPORTE MATERIAL ELÉCTRICO METAIS COMUNS E SUAS OBRAS PÉROLAS, METAIS PRECIOSOS PRODUTOS DAS IND. QUÍMICAS PRODUTOS DO REINO ANIMAL APARELHOS DE ÓPTICA, FOTOGRAFIA PRODUTOS MINERAIS PRODUTOS DO REINO VEGETAL PELES, COUROS, ETC Fonte: INE, APICCAPS

21 Vantagem Comparativa Revelada 2007 Calçado Madeira e Cortiça Cerâm ica e Vidro Têxtil Oleos e Gorduras Pasta de Madeira, Papel e Cartão Industria Alim entar, Bebidas e Tabaco Outros Produtos Plásticos e Borracha Armas e Munições Produtos do Reino Anim al Material de Transporte Mateis Comuns e Outros Material Eléctrico Produtos do Reino Vegetal Produtos Minerais Produtos Quím icos Peles e Couros Fotografia e Aparelhos Ópticos Objectos de arte e antiguidades Pérolas e Metais Preciosos Fonte: UN, APICCAPS

22 Vantagem comparativa Revelada - Calçado (2008) P o rtugal Italy C hina H o ng Ko ng Slo vakia B razil Spain B elgium D enmark T hailand A ustria N etherlands F rance Germany United Kingdo m USA * Países com exportações superiores a milhões USD Fonte: UN, APICCAPS

23 Ano 2009 Como conclusão, e na linha do POE, este relatório de execução final do PRIME poderia afirmar o seguinte: Deverá referir-se que o sector português do calçado regista a especialização mais elevada da Europa e do Mundo relativamente a todos os sectores e a todos os países, ou seja, este sector tem um peso relativo na estrutura produtiva portuguesa não comparável a nenhum outro em qualquer país da União Europeia e no Mundo

Trilogia do Crescimento Inteligente: Investimento, Inovação e Política Industrial

Trilogia do Crescimento Inteligente: Investimento, Inovação e Política Industrial Trilogia do Crescimento Inteligente: Investimento, Inovação e Política Industrial Manuel Carlos 9 de Novembro 2013 A Produção de Calçado no mundo 1985-2012 1985 8 832 milhões de Pares 34.1% 3.7% 45.4%

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Calçado

A Indústria Portuguesa de Calçado A Indústria Portuguesa de Calçado Campanha para a Melhoria Contínua das Condições do Trabalho na Indústria do Calçado Casa das Artes, Felgueiras 04 de Março de 2015 Manuel Carlos Costa da Silva Aliar a

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens - eiro a embro (resultados preliminares) Informação Portugal, 7 de eiro de 2011 Comércio Internacional Português em 2010 (eiro a embro)

Leia mais

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira 3 a sessão NORTE & ECONOMIA 30 novembro Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões Matosinhos www.ccdr-n.pt/norte-economia Competitividade

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO Josep-Francesc Valls Coordenador do Centro de Formação e Investigação em Turismo da UMa Professor Esade Business & Law School RESUMO 1. Posição de Portugal

Leia mais

Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves

Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves Gestor do COMPETE Braga, 17 de Fevereiro de 2012 QREN 2007-2013 Agendas Prioritárias Competitividade Potencial Humano Valorização do

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Estratégias de crescimento e internacionalização no cluster Habitat

Estratégias de crescimento e internacionalização no cluster Habitat Estratégias de crescimento e internacionalização no cluster Habitat Seminário Plataforma para a Construção Sustentável Gonçalo Caetano 16.11.2011 Estratégias de crescimento e internacionalização no cluster

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Workshop O Sistema Nacional de Investigação e Inovação - Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Eduardo Brito Henriques, PhD Presidente

Leia mais

Polónia - Síntese País

Polónia - Síntese País Informação Geral sobre a Polónia Área (km 2 ): 311 889 Primeiro-Ministro: Beata Szydło População (milhões hab.): 38,4 (estimativa 2015) Risco de crédito: (*) Capital: Varsóvia Risco do país: BBB (AAA =

Leia mais

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2010 1. Variáveis das empresas A fabricação de máquinas para trabalhar madeira insere-se na CAE 294 Fabricação de máquinas ferramentas, que, por sua vez, está contemplada

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Relações Comerciais Brasil-Alemanha

Relações Comerciais Brasil-Alemanha Relações Comerciais Brasil-Alemanha Balança Comercial Brasil Alemanha / 2002 Mar 2015 (em mil US$ - FOB) Ano Exportação Importação Saldo Volume de Comércio 2002 2.539.954 4.418.971-1.879.016 6.958.926

Leia mais

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor)

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor) OBSERVATÓRIO DO VINHO Análise de Mercados de Exportação EUA Canadá Brasil - Angola Mercados Internacionais de Vinho 1. Balança do Vinho Português 2. Exportações Terceiros de Vinho Português para Países

Leia mais

Ponto de Situação Incentivos às Empresas Portugal 2020

Ponto de Situação Incentivos às Empresas Portugal 2020 N.º 14 Ponto de Situação Incentivos às Empresas Portugal 2020 Dados reportados a 31 de agosto de 2016 Ponto de Situação Sistemas de Incentivos às Empresas Portugal 2020 Dados reportados a 31 de agosto

Leia mais

Risco do país: BB (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Xi Jinping Tx. câmbio (média): 1 EUR = 7,4537 CNY (agosto 2016)

Risco do país: BB (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Xi Jinping Tx. câmbio (média): 1 EUR = 7,4537 CNY (agosto 2016) Informação Geral sobre a China Área (km 2 ): 9 561 000 Primeiro-Ministro: Li Keqiang População (milhões hab.): 1 361 (estimativa 2015) Risco de crédito: 2 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Beijing

Leia mais

Perfil País. Moçambique

Perfil País. Moçambique Perfil País Moçambique Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Moçambique Indicadores Econômicos Crescimento do PIB

Leia mais

Israel - Síntese País

Israel - Síntese País Informação Geral sobre Israel Área (km 2 ): 20 325 Risco de crédito: (*) População (milhões hab.): 8,4 (estimativa ) Risco do país: A (AAA = risco menor; D = risco maior) Língua oficial: Hebraico e Árabe

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Alemanha Janeiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA Informação Geral sobre os EUA Área (km 2 ): 9 161 923 Vice-Presidente: Joseph R. Biden População (milhões hab.): 321,3 (2015) Risco de crédito: (**) Capital: Washington, D.C. Risco do país: AA (AAA = risco

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados de 2011 Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior -

Leia mais

MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA

MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama Comunitário... 8 Anexo Estatístico... 9 2 Panorama

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

Turquia - Síntese País

Turquia - Síntese País Informação Geral sobre a Turquia Área (km 2 ): 783 562 Primeiro-Ministro: Binali Yildirim População (milhões hab.): 76,7 (estimativa 2015) Risco de crédito: 4 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE PRODUTOS E EQUIPAMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE PRODUTOS E EQUIPAMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO Título do Eixo COMÉRCIO INTERNACIONAL DE PRODUTOS E A - EXPORTAÇÕES Em 2014, Portugal exportou mais de 6.240 milhões de Euros de Produtos e Equipamentos para a Construção, o que equivale a quase 13% das

Leia mais

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO TECIDO EMPRESARIAL DA BEIRA INTERIOR

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO TECIDO EMPRESARIAL DA BEIRA INTERIOR 1998 BREVE CARACTERIZAÇÃO DO TECIDO EMPRESARIAL DA BEIRA INTERIOR O Distrito de Castelo Branco enquadra Concelhos de duas regiões (NUTS III) a Cova da Beira e a Beira Interior Sul. Ambas as regiões apresentam

Leia mais

INTENSIFICAÇÃO DAS TROCAS COMERCIAIS ENTRE O NORTE DE PORTUGAL E A GALIZA

INTENSIFICAÇÃO DAS TROCAS COMERCIAIS ENTRE O NORTE DE PORTUGAL E A GALIZA 15 de Dezembro de 2004 Trocas comerciais entre a Região Norte de Portugal e a Galiza 2000-2002 INTENSIFICAÇÃO DAS TROCAS COMERCIAIS ENTRE O NORTE DE PORTUGAL E A GALIZA As trocas comerciais entre a Região

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 O Processo de Inovação na Empresa Brasileira: Avanços e Desafios Prof. Dr. Ruy Quadros Unicamp e Innovarelab Belo Horizonte 4/11/2013 O Processo de Inovação na Empresa

Leia mais

ESTUDOS PARA COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO OBSERVATÓRIO EMPRESARIAL PRODUTO E EMPREGO

ESTUDOS PARA COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO OBSERVATÓRIO EMPRESARIAL PRODUTO E EMPREGO ESTUDOS PARA COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO OBSERVATÓRIO EMPRESARIAL 2014 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Produto interno bruto... 5 3. Estrutura do VAB... 7 4. Emprego... 9 5. Anexo estatístico...

Leia mais

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 508 548 527 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira de 2009 1 A F. Ramada

Leia mais

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março e a Certificação IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março QUALIDADE - motor do sucesso de qualquer empresa. Factor de distinçã ção o e escolha de produtos e serviços QUALIDADE e INOVAÇÃ

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR 09 de Maio de 2003 Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro a Fevereiro de 2003 DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR O défice da balança comercial registou, nos dois primeiros meses de

Leia mais

Costa do Marfim - Síntese País

Costa do Marfim - Síntese País Informação Geral sobre a Costa do Marfim Área (km 2 ): 322 463 Primeiro-Ministro: Daniel Kablan Duncan População (milhões hab.): 20,8 (Banco Mundial 2014) Risco de crédito: 6 (1 = risco menor; 7 = risco

Leia mais

Inovação em Colaboração 2020

Inovação em Colaboração 2020 Jornadas Técnicas da Cerâmica Ílhavo Novembro 15 Miguel Barbosa mbarbosa@aninov.pt 1 ANI e Inovação em Colaboração Portugal Hoje Onde estamos? Colaborar 2020: Desafios I&I Colaborar 2020: Oportunidades

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit COLETIVA DE IMPRENSA Rafael Cervone Presidente da Abit RESULTADOS 2014 Var.% em relação ao mesmo período do ano anterior 2013 2014* Perfil 2014* Emprego +7.273-20.000 1,6 milhão Produção Vestuário -1,3%

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Internacionalização das PME Qualificação das PME

Internacionalização das PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização PME Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

México - Síntese País e Relacionamento Bilateral

México - Síntese País e Relacionamento Bilateral México - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre o México Área (km 2 ): 1.964.375 Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) População (milhões hab.): 116,2 (estimativa

Leia mais

Oportunidades de Negócios em Minas Gerais. Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos

Oportunidades de Negócios em Minas Gerais. Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos Oportunidades de Negócios em Minas Gerais Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos Aspectos de MG 588.000 km2 20 milhões de habitantes 18.000 escolas básicas 289 faculdades/universidades 265.000

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades Desafios e Oportunidades Conferência NORGARANTE Braga 29 Novembro 16 José Carlos Caldeira jcaldeira@ani.pt 1 O CONTEXTO 4.0 Principais tendências HUMAN CENTERED Customização de Produtos Processos Inteligentes

Leia mais

Nova Fábrica de Papel inicia testes de produção na data prevista

Nova Fábrica de Papel inicia testes de produção na data prevista Informação à Imprensa 25.08.09 Nova Fábrica de Papel inicia testes de produção na data prevista Investimento de 550 milhões, gerador de elevado valor acrescentado, terá um impacto significativo na economia

Leia mais

Risco do país: B (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: José Eduardo dos Santos Tx. Câmbio: 1 EUR = 117,8535 AOA (janeiro 2015)

Risco do país: B (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: José Eduardo dos Santos Tx. Câmbio: 1 EUR = 117,8535 AOA (janeiro 2015) Informação Geral sobre Angola Área (km 2 ): 1 246 700 Vice-Presidente: Manuel Vicente População (milhões hab.): 22,1 (estimativa ) Risco de crédito: 5 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Luanda

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O GABÃO

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O GABÃO BALANÇA COMERCIAL Var % a 05/09 Var % b 09/10 Exportações 1.661 2.118 1.702 4.445 2.113 29,1 2.035 6.652 226,8 Importações 15.503 9.430 11.457 7.302 4.850-21,9 4.654 4.867 4,6 Saldo -13.842-7.312-9.755-2.857-2.737

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-9 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 7 TELECOMUNICAÇÕES 8 SERVIÇOS,

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação

Leia mais

ª Fase AECVEXE10_04

ª Fase AECVEXE10_04 AECVEXE10_04 20 pontos 15 pontos 15 pontos 10 pontos 20 pontos 20 pontos 15 pontos 15 pontos 10 pontos TOTAL 200 pontos Exame Nacional de Economia A 10.º/11.º Anos, 2007, 2.ª fase in www.gave.min-edu.pt

Leia mais

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz

PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar. ALTO MINHO Desafio Isabel Braga da Cruz PortugalFoods - Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar ALTO MINHO Desafio 2020 Isabel Braga da Cruz Vila Nova de Cerveira, 19 de Abril 2012 O Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Alimentar

Leia mais

Rede europeia de apoio à inovação e à internacionalização de empresas: mais inovação, mais internacionalização, mais crescimento

Rede europeia de apoio à inovação e à internacionalização de empresas: mais inovação, mais internacionalização, mais crescimento Rede europeia de apoio à inovação e à internacionalização de empresas: mais inovação, mais internacionalização, mais crescimento Lisboa, 7 Julho 2016 Enterprise Europe Network Lançada em 2008 no âmbito

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral

São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre São Tomé e Príncipe Área (km 2 ): 1.001 Primeiro-Ministro: Gabriel Costa População (milhares hab.): 186,817 (estimativa

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Luxemburgo: Síntese País

Luxemburgo: Síntese País Informação Geral sobre o Luxemburgo Área (km 2 ): 2 586 Primeiro-Ministro: Xavier Bettel População (milhares hab.): 563 (2015) Risco de crédito: (*) Capital: Luxemburgo Risco do país: AA (AAA = risco menor,

Leia mais

Risco do país: BB (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Pranab Mukherjee Tx. câmbio (média): 1 EUR = 75,0303 INR (agosto 2016)

Risco do país: BB (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Pranab Mukherjee Tx. câmbio (média): 1 EUR = 75,0303 INR (agosto 2016) Informação Geral sobre a Índia Área (km 2 ): 3 287 263 Primeiro-Ministro: Narendra Modi População (milhões hab.): 1 311 (2015) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Nova Deli

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Projeto Euroace Invest

Projeto Euroace Invest Consejería de Economía, Competitividad e Innovación Registro. SV:3/3/15 Elaboração de estudos e análises de dados socioeconómicos da Eurorregião, incluindo o desenvolvimento de uma estratégia de especialização

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015)

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015) Informação Geral sobre o Laos Área (km 2 ): 236 800 Primeiro-Ministro: Thongloun Sisoulith População (milhões hab.): 7,0 (estimativa 2015) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes

Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes Situação Actual da Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa,

Leia mais

Perfil País. Cazaquistão

Perfil País. Cazaquistão Perfil País Cazaquistão Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Cazaquistão Indicadores Econômicos Crescimento do

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

Factos e Tendências no Emprego e Desemprego: Implicações de Política. Francisco Lima IST, Universidade de Lisboa

Factos e Tendências no Emprego e Desemprego: Implicações de Política. Francisco Lima IST, Universidade de Lisboa Factos e Tendências no Emprego e Desemprego: Implicações de Política Francisco Lima IST, Universidade de Lisboa Verifica-se uma segmentação no mercado de trabalho: uma parte dos trabalhadores não conseguem

Leia mais

Departamento Nacional do SENAI

Departamento Nacional do SENAI do SENAI Rede SENAI de Serviços Técnicos e Tecnológicos Sérgio Motta 16 de Agosto de 2011 O que é o SENAI - Criado em 1942 por iniciativa do empresariado do setor industrial; - Maior complexo de educação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

: a Economia Portuguesa na União Europeia

: a Economia Portuguesa na União Europeia 1986-2010: a Economia Portuguesa na União Europeia NOVAS TECNOLOGIAS E TRANSFORMAÇÃO DA ESTRUTURA PRODUTIVA C A R L O S C A R R E I R A F A C U L D A D E D E E C O N O M I A D A U N I V E R S I D A D E

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

República Dominicana - Síntese País

República Dominicana - Síntese País Informação Geral sobre a República Dominicana Área (km 2 ): 48 511 População (milhões hab.): 10,6 (2016, estimativa EIU) Capital: Santo Domingo Língua oficial: Castelhano Chefe de Estado: Danilo Medina

Leia mais

Cabo Verde - Síntese País

Cabo Verde - Síntese País Informação Geral sobre Cabo Verde Área (km 2 ): 4 033 Primeiro-Ministro: Ulisses Correia e Silva População:521 000 (Nações Unidas, 2015) Risco de crédito: 6 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009 As exportações chinesas e o impacto na Zona Franca de Manaus FIAM 2009 Modelo econômico de desenvolvimento chinês P d Produção para exportação China A retração do mercado americano e europeu As alternativas

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

El Salvador - Síntese País

El Salvador - Síntese País Informação Geral sobre El Salvador Área (km 2 ): 20 720 População (milhões hab.): 6,4 (estimativa 2015) Capital: São Salvador Língua oficial: Castelhano Chefe de Estado: Salvador Sánchez Cerén Vice-Presidente:

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

Feiras no Contexto da Globalização. Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013

Feiras no Contexto da Globalização. Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013 Feiras no Contexto da Globalização Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013 Do comércio mundial à globalização Pós Guerra: Aumento intensivo das trocas

Leia mais

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra INICIATIVA MATÉRIAS PRIMAS: RUMO AO FORNECIMENTO SEGURO E À GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS MINERAIS EUROPEUS 23 de Fevereiro de 2010 Raw Materials Initiative: towards to mineral resources secure supply

Leia mais

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin.

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin. GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD Professor Rodolfo Visentin. QUE É GEOGRAFIA AGRÁRIA A estrutura agrária reúne as condições sociais e fundiárias de um espaço, envolvendo aspectos referentes á legalidade das terras,

Leia mais

A Central de Balanços em Portugal. Paula Casimiro Coordenadora de Área 27 janeiro 2017 Vila Real

A Central de Balanços em Portugal. Paula Casimiro Coordenadora de Área 27 janeiro 2017 Vila Real A Central de Balanços em Portugal Paula Casimiro Coordenadora de Área 27 janeiro 2017 Vila Real A Central de Balanços do Banco de Portugal Produtos e serviços Quadros do Setor e Quadros da Empresa e do

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico"

Exportações Subsecção da CAE. Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico "Exportações" Subsecção da CAE "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico" 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico" Quota de Portugal

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e."

Exportações Subsecção da CAE. Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e. "Exportações" Subsecção da CAE "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e." 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e." Quota de Portugal

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica Belo Horizonte MG dezembro /2007 Missão do BNDES Promover o desenvolvimento econômico e social Redução das desigualdades sociais e regionais Geração

Leia mais

Valorização Económica do Conhecimento Científico ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ESTÍMULO AO INVESTIMENTO PRIVADO EM I&D. Luís Portela

Valorização Económica do Conhecimento Científico ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ESTÍMULO AO INVESTIMENTO PRIVADO EM I&D. Luís Portela ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ESTÍMULO AO INVESTIMENTO PRIVADO EM I&D Luís Portela Porto Evolução da despesa em I&D das Empresas portuguesas, entre 1990 e 2003 (preços correntes) Milhões de Euros 1.000 750

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região Autónoma dos Açores como Mercado

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Implicações da subida do IVA no sector alimentar

Implicações da subida do IVA no sector alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares Implicações da subida do IVA no sector alimentar Junho 2011 Agenda 1. Enquadramento estratégico do sector 2. Análise de competitividade da Indústria

Leia mais