Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação SISTEMA CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E DE MODELO DE FINANCIAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação SISTEMA CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E DE MODELO DE FINANCIAMENTO"

Transcrição

1 SISTEMA CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E DE INOVAÇÃO MODELO DE FINANCIAMENTO 0

2 ÍNDICE Enquadramento Introdução Situação Actual Condicionantes Estratégia do Novo Modelo de Financiamento Objectivos Estímulos ao Sistema Descrição do Modelo de Financiamento Nova Organização das Entidades do Sistema Síntese do Modelo de Financiamento Componentes do Modelo de Financiamento 1

3 ÍNDICE (continuação) Financiamento das Entidades do Sistema Base de Financiamento Factor Complementar Índice de Actividade Científica Notas Explicativas do Índice de Actividade Científica Índice de Transferência de Tecnologia Notas Explicativas do Índice de Transferência de Tecnologia Notas Explicativas Sobre o Factor Complementar Limite de Financiamento Elegibilidade das Instituições Elegibilidade de Doutorados 2

4 ÍNDICE (continuação) Complemento de Estímulo à Excelência e à Formação de Recursos Humanos Qualificados Beneficiários Complemento de Estímulo Procedimentos Projectos de Investigação Breve Descrição Entrada em vigor do Modelo de Financiamento Unidades de I&D Laboratórios rios Associados Novos Laboratórios rios Associados Financiamento dos Laboratórios rios Associados Audição e Consulta à Sociedade 3

5 ENQUADRAMENTO 4

6 INTRODUÇÃO - I A Investigação, o Desenvolvimento Tecnológico, a Qualificação dos Recursos Humanos e a Inovação são os pilares essenciais para o crescimento económico e o desenvolvimento integrado e sustentável de Portugal. A dinâmica crescente de internacionalização da Ciência, à escala europeia e mundial, constitui um desafio a que Portugal não pode ficar alheio, e é um estimulo à adesão e integração do País s no Espaço o Europeu da Ciência, através s da promoção da excelência, relevância, qualidade e competitividade do nosso sistema científico. 5

7 INTRODUÇÃO - II Torna-se, assim, imperativo redireccionar e adequar o Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação em função desta nova realidade competitiva e da necessidade de promover o conhecimento científico, pelas suas consequências positivas na vida cultural, social e económica do País. Com vista a atingir este desafio, importa repensar e redefinir o modelo de financiamento subjacente às s Unidades de I&D. Este novo modelo de financiamento tem como objectivos promover o desenvolvimento científico, tecnológico e a inovação, promover a excelência e incrementar a internacionalização do Sistema Científico fico,, Tecnológico e de Inovação 6

8 INTRODUÇÃO - III O modelo de Financiamento do Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação enquadra-se num Plano de Acção que o Ministério da Ciência e do Ensino Superior se encontra a preparar sobre o investimento em I&D I Objectivo Europeu 3% do PIB, intitulado: Investir em I&D Um Plano de Acção para Portugal até 2010 Este Plano de Acção estrutura-se se em 4 grandes eixos prioritários: rios: - Aumentar o investimento público p em I&D; - Promover o ambiente facilitador para o investimento privado em I&D; - Aumentar os recursos humanos nas ciências e tecnologias; - Promover o emprego científico. 7

9 SITUAÇÃO ACTUAL Até esta data, o Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação organiza-se em Laboratórios rios de Estado e em Unidades de I&D (431) dos quais 15 são Laboratórios rios Associados. De realçar ar que este documento não inclui a Componente de Laboratórios rios de Estado. Estes serão objecto de uma análise própria. pria. No ano de 2003 o financiamento ao Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação atingiu os 45 milhões de euros (30 milhões referentes às s Unidades de I&D e 15 milhões referentes aos Laboratórios rios Associados). 8

10 CONDICIONANTES - I No período , 2002, o financiamento corrente do Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação foi concedido através s do Programa Operacional da Ciência, Tecnologia e Inovação (POCTI), situação desenquadrada dos objectivos inerentes ao apoio por parte do FEDER cujo objectivo é financiar projectos de investimento. Desde Março o de 2002, o POCTI tem sido objecto de diversas acções de controlo (Direcção Geral de Desenvolvimento Regional PT, Comissão Europeia DGRegio e Inspecção Geral de Finanças as questionados alguns dos financiamentos nos termos concedidos. PT), sendo 9

11 CONDICIONANTES - II As recomendações da Comissão Europeia e da Inspecção Geral de Finanças, as, em sede de auditoria do POCTI, obrigam a uma reformulação e definição clara de objectivos e plano de actividades adequados aos recursos financeiros concedidos no período e com efeitos até 2006, bem como ao cumprimento das normas e procedimentos desde sempre previstos para os projectos co-financiados no âmbito dos fundos estruturais, nomeadamente do FEDER. Na sequência destas recomendações, encontra-se em curso um trabalho de regularização e de recuperação do histórico que obriga, na maioria dos casos, à reconstituição dos respectivos processos, i.e, desde a formalização da candidatura até à audição da Unidade de Gestão do POCTI, para efeitos de parecer e posterior homologação da tutela. 10

12 CONDICIONANTES - III Para a maioria das Unidades de I&D, a regularização desta matéria encontra-se em fase de conclusão. No caso dos Laboratórios rios Associados é ainda necessário reformular os processos administrativos e financeiros, que deverão incluir a descrid escrição das actividades, resultados esperados/obtidos e justificação adequada aos recursos financeiros solicitados e executados. A regularização desta situação é absolutamente imprescindível para evitar a devolução, por parte do Estado Português à financiamentos jáj concedidos. Comissão Europeia, de 11

13 CONDICIONANTES - IV A aplicação do novo modelo de financiamento, que aqui se apresenta, irá permitir, desde já, j, reformular os processos dos Laboratórios rios Associados de acordo com as novas regras. O novo modelo de financiamento será aplicado às s restantes Unidades de I&D de forma gradual. 12

14 A ESTRATÉGIA DO NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO 13

15 OBJECTIVOS - I O novo modelo de financiamento do Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação visa: Contribuir para o desenvolvimento de Portugal e da sua posição na Europa e no Mundo; Promover o Ensino da Ciência e a Cultura Científica; Promover a fixação de capital intelectual em Portugal pelo estímulo ao emprego científico; Promover a criação de massas críticas, a competitividade e a internacionalização; Constituir um instrumento fundamental da transferência de tecnologia ogia para as empresas, serviços públicos p e outros sectores da sociedade; 14

16 OBJECTIVOS - II Promover um equilíbrio entre as grandes áreas de investigação científica: fundamental, aplicada e as estratégias de interesse público; p Capacitar o Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação pelo reforço das Instituições com vista à sua sustentabilidade, através s de estratégias de dinamismo próprio, prio, expressas em: Definição de objectivos adequados à sua dimensão; Abertura às s oportunidades e desafios exteriores, parte dos quais a criar pelo próprio prio MCES (através s de projectos mobilizadores e de encomenda pública); p 15

17 OBJECTIVOS - III - Captação de recursos suplementares de financiamento, obtidos através s de concursos nacionais e internacionais; - Execução, avaliação e prestação de contas sobre o seu desempenho. 16

18 ESTÍMULOS AO SISTEMA Excelência; Consolidação Institucional; Multidisciplinaridade; Produção Científica; Formação de Recursos Humanos Qualificados; Emprego Científico; Transferência de Tecnologia; Competitividade; Internacionalização; Intensidade Tecnológica e Capacidade Experimental; Áreas Prioritárias rias e Estratégicas. 17

19 DESCRIÇÃO DO MODELO DE FINANCIAMENTO 18

20 NOVA ORGANIZAÇÃO DAS ENTIDADES DO SISTEMA - I As entidades de I&D podem revestir-se se de carácter cter temático tico ou territorial e organizar-se de acordo com as seguintes tipologias e características: GRUPO DE I&D, apresenta um nível n de identidade científica elevado e dimensão apropriada ao desempenho na área científica em que se insere. O Grupo de I&D deve integrar um mínimo m de sete doutorados; CENTRO DE I&D, apresenta um nível n multidisciplinar, equilíbrio entre ciências fundamentais, aplicadas e as estratégias de interesse público. p O Centro de I&D integra um mínimo m de quinze doutorados; INSTITUTO DE I&D, apresenta também m uma larga abrangência científica, multidisciplinaridade evidente, forte abertura ao exterior e empenho enho claro no desenvolvimento social, cultural e económico. O Instituto de I&D integra um mínimo m de quarenta doutorados. 19

21 A NOVA ORGANIZAÇÃO DAS ENTIDADES DO SISTEMA - II Às s Unidades de I&D pode ser atribuído, através s de concurso, o estatuto de Laboratório rio Associado para a prossecução de objectivos de politica científica e tecnológica nacional em áreas estratégicas para o Estado Português. Para além m dos actuais Laboratórios rios Associados, enquadram-se nesta categoria as entidades aprovadas no concurso que regularmente será aberto. 20

22 SÍNTESE DO MODELO DE FINANCIAMENTO - I O modelo de financiamento do Sistema Científico, Tecnológico e de Inovação consistirá em: Base de financiamento das entidades do sistema, que é calculado com base na avaliação científica, índices de actividade científica e índices de transferência de tecnologia. Depois de calculado o financiamento nto global, este é formalizado através s de um ou mais projectos de I&D. Reforço o de financiamento às s Unidades de I&D, às s quais seja reconhecido o estatuto de Laboratório rio Associado (existentes ou novos). Este reforço o traduz-se num programa de contratação de doutores. 21

23 SÍNTESE DO MODELO DE FINANCIAMENTO - II Complemento de estímulo à Excelência e à Formação de Recursos Humanos Qualificados a conceder a investigadores radicados ou que e se queiram radicar em Portugal com uma carreira científica excepcional. Financiamento das Unidades de I&D por projectos a que estas se podem candidatar através s de concurso. As novas tipologias de projecto serão anunciadas oportunamente. 22

24 COMPONENTES DO MODELO DE FINANCIAMENTO Base de Financiamento das Entidades = Base de Financiamento x Factor Complementar; Programa de contratação de doutores; Projectos de Investigação e Demonstração; Complemento de estímulo à Excelência e à Formação de Recursos Humanos Qualificados. 23

25 FINANCIAMENTO DAS ENTIDADES DO SISTEMA 24

26 BASE DE FINANCIAMENTO - I A Base do Financiamento assenta na classificação da Avaliação Externa Internacional ( (Excelente, Muito Bom, Bom, Regular e Não Satisfatório rio). Esta base de financiamento tem ainda factores multiplicativos, privilegiando: p Multidisciplinaridade,, Gestão e Autonomia; Intensidade Tecnológica e Experimental; Áreas de Aplicação Prioritárias. rias. 25

27 BASE DE FINANCIAMENTO II tabela 1 tabela 2 tabela 3 tabela 4 Base de Financiamento = Base X Majoração de Intensidade Tecnológica e Experimental X Majoração de Multidisciplinaridade, Gestão e Autonomia X Majoração Áreas de Aplicação Prioritária (a definir periodicamente por portaria) Avaliação Montante Avaliação Majoração Tipo de Entidade Majoração Áreas Prioritárias 1,2 Excelente /doutorado Alta 1,2 Institutos ou Centros 1,1 Restantes Áreas 1,0 Muito Bom /doutorado Baixa 0,8 Institutos ou Centros Integrados 1,0 Bom /doutorado Grupos 0,8 Regular --- Não Satisfatório

28 FACTOR COMPLEMENTAR A Base de Financiamento é ainda aferida por um factor complementar que tem por base: Índices de actividade científica; Índices de transferência de tecnologia. 27

29 tabela 5 ÍNDICE DE ACTIVIDADE CIENTÍFICA [0.8; 1.4] (relativos a 2 anos de actividades)/calculados e publicados bienalmente I 1 I 2 x = = Nº de Doutores Formados + 2 x Nº N de Doutores formados em ambiente empresarial Artigos publicados em revistas internacionais = Nº de Doutores existentes Valor médio m das unidades Nº de artigos publicados em revistas internacionais Nº de doutores Valor médio m das unidades por área científica da FCT Valor médio m dos factores de impacto das revistas em que foram publicados os artigos Valor médio m dos factores de impacto por área científica da FCT Valor de incentivo efectivamente recebido I 3 = Projectos de I&D = Nº de doutores e técnicos t Valor médio m de todas as unidades 28

30 NOTAS EXPLICATIVAS SOBRE O ÍNDICE DE ACTIVIDADE CIENTÍFICA No cálculo c do índice I3, I, são considerados os projectos de I&D com financiamento público p nacional ou comunitário ou internacional. O valor do incentivo relativo a projectos comunitários e internacionais é multiplicado pelo factor 1,5. O índice de Actividade Cientifica Real é o que resulta da média m dos três índices I1, I, I2I e I3. I. No entanto, o índice que vai ser utilizado na fórmula f de financiamento é confinado ao intervalo [0.8; 1.4]. 29

31 tabela 6 ÍNDICE DE TRANFERÊNCIA DE TECNOLOGIA [1; 1.2] (relativos a 2 anos de actividades)/calculados e publicados bienalmente I 4 = Índice de Transferência de Tecnologia = Actividade contratual por meios próprios prios + Actividade contratual decorrente de projectos de I&D financiados directamente por clientes + royalties de direitos de propriedade industrial Nº de doutores e técnicos t Valor médio m de todas as unidades 30

32 NOTAS EXPLICATIVAS SOBRE O ÍNDICE DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA O valor real do Índice de Transferência de Tecnologia é dado por I4. I. No entanto, o índice que vai ser utilizado na fórmula f de financiamento é confinado ao intervalo [1; 1.2]; 31

33 NOTAS EXPLICATIVAS SOBRE O FACTOR COMPLEMENTAR O Factor Complementar = Índice de Actividade Cientifica x Índice de Transferência de Tecnologia; O Factor Complementar que vai ser utilizado na fórmula f de financiamento confina-se ao intervalo [0.8; 1.68]; O financiamento final pode ser majorado até 15% se, durante o período de 2 anos, a Unidade de Investigação gerou spin-offs ou start-ups ups, e até 10%, se nesse período tiver havido registo de patentes; Estes índices não se sobrepõem à avaliação externa internacional. São apenas aferidores da posição relativa que ocupa o Grupo, o Centro ou a Instituição em relação à média das Unidades de I&D congéneres neres que concorrem no mesmo modelo de financiamento. 32

34 LIMITE DE FINANCIAMENTO 33

35 ELEGIBILIDADE DAS INSTITUIÇÕES! As Unidades de I&D com a classificação Não Não Satisfatório rio não serão consideradas no Registo da Fundação para a Ciência e a Tecnologia;! As Unidades de I&D com a classificação Regular poderão ser objecto de uma análise suplementar por parte da Comissão de Avaliação Externa com vista à negociação de um plano de recuperação e definição de financiamento;! As Unidades de I&D com a classificação Regular em dois períodos consecutivos de avaliação não serão consideradas no Registo da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. 34

36 ELEGIBILIDADE DOS DOUTORADOS - I! É considerado elegível, para efeitos de financiamento das Unidades de I&D, o Doutorado que a integra, dedicando um tempo ETI igual ou superior a 40%;! No caso de Doutorados a realizar nas áreas de investigação clínica, a fracção de tempo ETI considerada para efeitos de financiamento é de 20%; 35

37 ELEGIBILIDADE DE DOUTORADOS - II! Só serão considerados elegíveis, os Doutorados que nos últimos 4 anos tiverem cumprido pelo menos um dos seguintes critérios: rios: Publicação de quatro artigos em revistas científicas internacionais, referenciados no Institute of Science Information (ISI); Orientação de, pelo menos, uma Tese de Doutoramento concluída; Coordenação de Projectos de Investigação ou transferência de Tecnologia ou Inovação ou prestação de serviços com relevância científica no valor de ; Ser Autor de um livro texto publicado por uma Editora; Ser Editor de Livros de Actas de Conferências ou Congressos, Edições Especiais de Revistas Internacionais ou membro do Conselho Editorial de Revistas Internacionais referenciadas no ISI. 36

38 ELEGIBILIDADE DE DOUTORADOS - III! Aos recém-doutorados não se lhes aplicam os critérios referidos no ponto anterior. Neste caso são considerados elegíveis, por um período de 4 anos, os Doutorados integrados numa Unidade de Investigação há menos de 4 anos e com uma dedicação ETI superior a 40% (ou 20% no caso de investigação clínica);! A não elegibilidade de um Doutorado pela aplicação dos critérios acima referidos, determina a entrada do mesmo no estatuto de Colaborador or da Unidade de I&D, não sendo contabilizado para efeitos de financiamento. 37

39 COMPLEMENTO DE ESTÍMULO À EXCELÊNCIA E À FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS QUALIFICADOS 38

40 BENEFICIÁRIOS Todos os investigadores, na vida activa, com: 100 artigos em revistas internacionais referenciadas no ISI e com m 200 citações; Supervisão de, pelo menos, 10 doutoramentos jáj concluídos, mas com pelo menos 50 artigos em Revistas Internacionais referenciados no ISI e com 100 citações, Será concedido um complemento para despesas de investigação. 39

41 COMPLEMENTO DE ESTÍMULO! O complemento de estímulo será concedido por um período de dois anos;! O complemento destina-se se a investigadores nacionais ou estrangeiros radicados numa instituição portuguesa ou que se venham a radicar em Portugal;! O complemento terá um acréscimo de 100% no caso de um investigador português a trabalhar no estrangeiro e que regresse para se radicar em Portugal;! O complemento será gerido pelo investigador de acordo com as regras da instituição a que se encontra vinculado;! Este complemento é supletivo a todos os outros financiamentos. 40

42 PROCEDIMENTOS! O Investigador enviará,, até 1 de Junho de cada ano, a iniciar em 2004, à Fundação para a Ciência e a Tecnologia, a lista de artigos e de citações bem como a lista de doutorados (caso aplicável) e o nome da entidade a que se encontra vinculado;! O financiamento produz efeitos a partir de 1 de Julho de cada ano o e até 30 de Junho do ano n+2 e será pago, semestralmente, em tranches de 25%;! O complemento será gerido pelo investigador de acordo com as regras da instituição a que se encontra vinculado;! Ao fim dos dois anos, o investigador enviará à Fundação para a Ciência e Tecnologia a lista de novos artigos e doutorados. 41

43 PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO 42

44 BREVE DESCRIÇÃO Os valores obtidos para o financiamento total de cada Unidade de Investigação serão justificados através s de projectos de I&D. Além m dos projectos correspondentes ao financiamento total de cada Unidade I&D, estas podem concorrer aos diversos concursos de I&D nacionais e internacionais. 43

45 ENTRADA EM VIGOR DO MODELO DE FINANCIAMENTO 44

46 UNIDADES DE I&D - I! As Unidades de I&D, exceptuando as que têm estatuto de Laboratório rio Associado, encontram-se avaliadas até ao final de Esta avaliação foi efectuada por um painel de peritos internacionais da especialidade de de cada área;! Assim, o financiamento base e o financiamento programático das Unidades de I&D para o período encontram-se definidos;! O novo modelo de financiamento, acima descrito, será aplicado a todas as Unidades de I&D a partir de 1 de Janeiro de 2006; 45

47 UNIDADES DE I&D - II!As Unidades de I&D poderão, se assim o entenderem, requerer o novo modelo de financiamento a partir de 1 de Janeiro de 2005 (através s de concurso a abrir para novos Laboratórios rios Associados entre 15 de Setembro e 30 de Outubro 2004, ou através s de solicitação expressa devidamente justificada à Fundação para a Ciência e a Tecnologia);!As novas Unidades de I&D, resultantes de fusões ou reorganizações entre as existentes, serão enquadradas neste novo modelo de financiamento, nto, mediante solicitação expressa devidamente justificada à Fundação para a Ciência e a Tecnologia. 46

48 LABORATÓRIOS ASSOCIADOS O Governo assume o acordo de princípio pio que presidiu à atribuição do estatuto de Laboratório rio Associado. Os Laboratórios rios Associados serão objecto de um processo de avaliação documental em Maio e Junho de Esta avaliação contempla o trabalho desenvolvido (Relatórios de ) 2003) e o plano de actividades a implementar até actualmente em vigor. ao final da programação Com base nesta avaliação, serão celebrados os contratos de acordo com os objectivos específicos de politica científica e tecnológica do Governo e de acordo com o novo modelo de financiamento, com efeitos retroactivos, a partir de 1 de Janeiro de

49 NOVOS LABORATÓRIOS ASSOCIADOS Vai ser aberto, entre 15 de Setembro e 30 de Outubro de 2004, um concurso para a atribuição do estatuto de Laboratório rio Associado a Unidades de I&D existentes. Pretende-se que as Unidades de I&D a que seja atribuído este estatuto criem massa crítica e cooperem de forma competente e eficaz, em áreas estratégicas, na prossecução dos objectivos específicos de política científica, tecnológica e de inovação do Estado. Os contratos a assinar com estes novos Laboratórios rios Associados terão efeitos a partir de 1 de Janeiro de

50 FINANCIAMENTO DOS LABORATÓRIOS RIOS ASSOCIADOS Os Laboratórios rios Associados existentes ou a criar têm as mesmas regras de financiamento das restantes Unidades de I&D. No entanto, serão objecto de reforço o financeiro com vista a um programa de contratação de doutorados de acordo com o respectivo Plano de Actividades. 49

51 AUDIÇÃO 50

52 AUDIÇÃO Este novo modelo de financiamento será objecto de audição, até 30 de Abril: - Do Conselho Superior de Ciência, Tecnologia e Inovação; - Dos Conselhos Científicos da Fundação para a Ciência e a Tecnologia; - Do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP); - Do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CSISP); - Da Associação Portuguesa do Ensino Superior Privado (APESP); - Das Entidades representativas da Comunidade Científica; - Das Entidades Representativas da Comunidade Empresarial. 51

53 CONSULTA À SOCIEDADE Até 3O de Abril este novo modelo de financiamento do Sistema Cientifico, Tecnológico e de Inovação será objecto de audição, através s do site: e do endereço 52

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Enquadramento no Sistema de Apoio às Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SAESCTN) de Projectos de IC&DT em todos os domínios científicos Projectos

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013

Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 A. Âmbito e objetivos do exercício de avaliação A Fundação para

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos O crescimento do Sistema Científico e Tecnológico Nacional nas últimas duas décadas foi

Leia mais

Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento

Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento IN+ Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento REGULAMENTO INTERNO (aprovado pelo Conselho Científico em 12/03/1999)

Leia mais

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Nos termos do Regulamento de Bolsas de Investigação da Fundação

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento EDITAL Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento A difusão de informação e do conhecimento tem um papel fundamental na concretização de projectos inovadores e com grande

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

EDITAL Nº2/2014 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº2/2014 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº2/2014 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA - PROVERE Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE Fomento da competitividade

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

SESSÃO DE CAPACITAÇÃO

SESSÃO DE CAPACITAÇÃO SESSÃO DE CAPACITAÇÃO Apoios Financeiros para a Área Social 27 de Maio de 2013 MISSÃO ÁREAS ESTATUTÁRIAS ARTE BENEFICÊNCIA EDUCAÇÃO CIÊNCIA Promoção do desenvolvimento individual e apoio à inclusão social

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 14 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS Os apoios a atribuir

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 1 / SAMA/ 2009 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) PROJECTOS-PILOTO SUSTENTADOS EM REDES DE NOVA GERAÇÃO OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Portaria n. º 181-A/2015 - Primeira alteração à Portaria n.º 60-C/2015, de 2 de março, que adota o Regulamento Específico do Domínio do Capital Humano

Portaria n. º 181-A/2015 - Primeira alteração à Portaria n.º 60-C/2015, de 2 de março, que adota o Regulamento Específico do Domínio do Capital Humano - CIRCULAR N.Refª: 58 /2015 Data: 23/06/15 ASSUNTO: Primeira alteração aos Regulamentos Específicos dos Domínios: Capital Humano, Competitividade e Internacionalização e Inclusão Social e Emprego Exmos.

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-45-2015-08

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-45-2015-08 AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20-45-2015-08 SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL No ano de 2000, o Conselho Europeu, reunido em Lisboa, fixou o objectivo de na próxima década, tornar-se a economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica

Leia mais

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 03 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO Nos termos do

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA GUIA PORTUGAL 2020 NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? www.f-iniciativas.com GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? 1. O que é Portugal 2020 2. Metas para o Portugal

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS

ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR TODAS AS ETAPAS DO FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE CANDIDATURAS AO CIÊNCIA NA HORA MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS POR VIA

Leia mais

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas Sistemas de incentivos às empresas ACIBTM/In.Cubo 6 de julho 2015 P. O. financiadores Domínio Competitividade e OBJETIVO: Criação de riqueza e de emprego através da melhoria da competitividade das empresas

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do dia 10 de Março até ao dia

Leia mais

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT Normas de execução financeira Financiamento de Projetos de Investigação Exploratória no âmbito do Programa

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO!

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Candidaturas abertas até 18 de Setembro QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Tel./Fax: 22 600 71 20 projectos@advancedway.pt www.advancedway.pt Qualificação e internacionalização

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

REGULAMENTO. Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional

REGULAMENTO. Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional REGULAMENTO Contratação de doutorados para o Sistema Científico e Tecnológico Nacional O programa do XVII Governo Constitucional e o seu Compromisso com a Ciência apontam o rápido desenvolvimento científico

Leia mais

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março e a Certificação IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março QUALIDADE - motor do sucesso de qualquer empresa. Factor de distinçã ção o e escolha de produtos e serviços QUALIDADE e INOVAÇÃ

Leia mais

Artigo 1.º Princípios da atividade de investigação

Artigo 1.º Princípios da atividade de investigação REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO Artigo 1.º Princípios da atividade de investigação A atividade de investigação desenvolvida no âmbito do Centro observa os seguintes princípios e critérios gerais: a) Desenvolvimento

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS?

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O ISQ e a ASK querem ajudar empreendedores e empresários à procura de financiamento a obterem o apoio de que necessitam para lançar ou desenvolver os seus

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Iniciativa i MERCA Protocolo Iniciativa Merca Medida 3 Incentivos a projectos de PME integrados em Estratégias de Valorização Económica de Base Territorial Acções de Regeneração

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 07 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO Nos termos do Regulamento do SI Qualificação

Leia mais

Eficiência Peso: 30.0

Eficiência Peso: 30.0 ANO: Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Beja MISSÃO: O Instituto Politécnico de Beja é uma instituição de ensino superior ao serviço da sociedade, destinada à produção e difusão

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais