Perspectiva sobre a precificação futura da Nafta. Novembro 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectiva sobre a precificação futura da Nafta. Novembro 2008"

Transcrição

1 Perspectiva sobre a precificação futura da Nafta Novembro 2008

2 Ressalva sobre declarações futuras Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas da direção da Braskem. As palavras "antecipa", "acredita", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", "estima", "projeta", "objetiva" e similares são declarações prospectivas. Embora acreditemos que essas declarações prospectivas se baseiem em pressupostos razoáveis, essas declarações estão sujeitas a vários riscos e incertezas, e são feitas levando em conta as informações às quais a Braskem atualmente tem acesso. A Braskem não se responsabiliza por operações ou decisões de investimento tomadas com base nas informações contidas nesta apresentação.

3 Premissas básicas A lógica da apresentação está baseada na operação das refinarias O mercado analisado foi o mercado Norte-Americano por 2 motivos: Representa cerca de 30% do mercado de gasolina mundial Por sua característica de competitividade de custos é o produtor global marginal O estudo foi conduzido num cenário mundial pré-crise

4 Atualmente os spreads internacionais entre os preços de leves e pesados estão em níveis mais altos US$/bbl Diferença de produtos leves/pesados é diferença entre a gasolina/destilado e o óleo combustível com alto enxofre Esta diferença aumenta quando existe sobre-oferta de óleo combustível (ocorreu desde 04) Grandes entradas de novas capacidades de conversão de óleo combustível para produtos leves reduzirão o diferencial mais uma vez, possivelmente até 2009 Spreads de produtos leves-pesados* Fonte: Platts Spread Maya (21.9 API) - Brent Petróleo Maya equivalente ao petróleo Marlim do Brasil, no México

5 Outros fatores também contribuirão com o aumento de oferta de gasolina, afetando seu preço e o da nafta Balanço de oferta vs. demanda de gasolina nos EUA (kbd) Elemento Descrição Impacto Adições de capacidade Penetração de biocombustíveis Aumento de oferta devido ao CAFE* Demanda de destilado (Diesel) Capacidades relatadas (firmes e prováveis) DBN = 0.5% U.S. atinge o mínimo do Ato de Energia (30 Bg/a em 2020) U.S. atinge E10 em 2009 Aumento da eficiência da frota (redução de 35mpg para 25 mpg em 2020) Espera-se que a demanda por diesel cresça a 2,5% pa vs. 2,0% pa para a gasolina >1 milhão bpd de destilação adicionados nos U.S. até 2011 (capacidade atual de ~18 milhões bpd) 0.4 milhões bpd de incrementos marginais Biocombustíveis atingem 10% do mercado de gasolina em 2009 e 20% em 2020 Reduz a demanda em >0.7 milhões bpd em 2020 Demanda de diesel demandará mais refino, o que gerará gasolina e nafta, como co-produtos Falta de 350 kbd de gasolina em 2007 Gasolina U.S. (capacidade anunciada+mandato de biocombustíveis) Oferta incremental Demanda incremental * CAFE (Corporate Average Fuel Economy) lei que presume o aumento da eficiência de combustível da frota americana Fonte:EIA; pesquisa de mercado Bg/a bilhões de galões/ano Mpg milhas por galão

6 Nafta internacional deverá ter menor preço globalmente Historicamente, os preços de gasolina eram definidos baseados no break-even economics da refinaria contudo, a sobre-oferta de gasolina e de outros co-produtos leves pode resultar em mudança do mecanismo de definição de preço para o GLP e nafta* Breakeven economics da refinaria Preço Petróleo Substituição de combustíveis Combustíveis de transporte Diesel Jet Gasolina Óleo Comb. + $10-15/bbl - $20/bbl Gás natural Combustíveis estacionários Economics de mistura da Gasolina - $5-10/bbl MP Petchem GLP Naftas Combustíveis de transporte Breakeven economics da refinaria Preço Petróleo Diesel Óleo Comb. Jet + $40-45/bbl - $20/bbl - $18-22/bbl Substituição de combustíveis Combustíveis estacionários GN Substituição de combustíveis A diferença de precificação da nafta é zero quando o fator nafta($/t)/petróleo($/bbl) é igual a 8,9x. Quando essa diferença é negativa, significa que o fator é menor que 8,9x e vice versa. Ao final de novembro essa diferença estava negativa em $22/bbl Gasolina GLP Economics de mistura da Gasolina MP Petchem - $30-40/bbl Nafta * Preços calculados através do modelo de Equilíbrio de Preços, para novos mecanismos de preço com petróleo a US$100 bbl

7 Perspectiva sobre a precificação futura da Nafta Novembro 2008

Teleconferência de Resultados 4T06 e José Carlos Grubisich Carlos Fadigas

Teleconferência de Resultados 4T06 e José Carlos Grubisich Carlos Fadigas Teleconferência de Resultados e 2006 José Carlos Grubisich Carlos Fadigas Ressalva sobre declarações futuras Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre 2016 Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T16

Teleconferência de Resultados 2T16 Teleconferência de Resultados 2T16 Relações com Investidores São Paulo, 5 de Agosto de 2016 RESSALVA SOBRE DECLARAÇÕES FUTURAS Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de 2015 Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015 1 AVISOS Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

mestre Clique para editar o texto Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 Clique para editar o texto mestre

mestre Clique para editar o texto Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 Clique para editar o texto mestre Clique Plano de para Negócios editar e o Gestão título mestre 2015-2019 Clique para editar o texto mestre Clique para editar o texto mestre Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 AVISOS Clique

Leia mais

Divulgação de Resultados

Divulgação de Resultados Divulgação de Resultados 2º trimestre de 2010 (legislação societária) 13 de agosto de 2010 Conferência com a Imprensa Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 1 AVISO

Leia mais

Divulgação de Resultados do 1T10 07 de maio de 2010

Divulgação de Resultados do 1T10 07 de maio de 2010 Divulgação de Resultados do 07 de maio de 2010 Divulgação de Resultados Comentários de abertura Rubens Menin 2 Divulgação de Resultados Destaques Crescimento com margens diferenciadas; Maior operação no

Leia mais

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004 José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores Julho de 2004 As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década

Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década Roberto Gonçalves Gerente Executivo da Engenharia da Petrobras 8º Encontro Nacional do Prominp 23 de Novembro-São Luis, MA

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS)

PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS) PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO 2012 2016 Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS) PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2020 Santos, 23 de outubro de 2012 MERCADO DE DERIVADOS

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T de Novembro de 2016 Relações com Investidores

Teleconferência de Resultados 3T de Novembro de 2016 Relações com Investidores Teleconferência de Resultados 11 de Novembro de 2016 Relações com Investidores 1 Disclaimer Este material constitui uma apresentação de informações gerais sobre a Marfrig Global Foods S.A. e suas controladas

Leia mais

Aquisição do negócio de distribuição de combustíveis Texaco no Brasil Um grande país se faz com grandes empresas

Aquisição do negócio de distribuição de combustíveis Texaco no Brasil Um grande país se faz com grandes empresas Aquisição do negócio de distribuição de combustíveis Texaco no Brasil Um grande país se faz com grandes empresas 1 Previsões acerca de eventos futuros Este documento pode conter previsões acerca de eventos

Leia mais

RESULTADOS 1T16 13 DE MAIO DE 2016

RESULTADOS 1T16 13 DE MAIO DE 2016 RESULTADOS 1T16 13 DE MAIO DE 2016 AVISO LEGAL 2 Esta apresentação contém declarações acerca de eventos futuros. Todas as declarações exceto aquelas relativas a fatos históricos contidas nesta apresentação

Leia mais

Tabela 2.1: Contas Agregadas do Petróleo (Barril).

Tabela 2.1: Contas Agregadas do Petróleo (Barril). PETRÓLEO Rafael Nogueira Julia Febraro sendo 24,7% da produção óleo leve (>=31 API), 46,4% óleo médio (>=22 API e

Leia mais

ENAIQ 2/12/2016. Petrobras e perspectivas para 2017

ENAIQ 2/12/2016. Petrobras e perspectivas para 2017 ENAIQ 2/12/2016 Petrobras e perspectivas para 2017 Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da companhia

Leia mais

Brasília, 13 de julho de 2006

Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Roteiro Observações Iniciais Petróleo e Derivados no Mundo Aspectos

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Armando Guedes Coelho Conselheiro IBP Junho/2009 PANORAMA MUNDIAL SÉCULO XXI DIVERSIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA Fonte: Nakícenovic, Grübler e MaConald,

Leia mais

resultados 3T08 24 de outubro de 2008

resultados 3T08 24 de outubro de 2008 resultados 3T08 1 24 de outubro de 2008 mercado alvo CF&T - Brasil > Mercado Alvo 1 Receita Líquida (R$ bilhões, nominal) CAGR (2003-2007) = 15,9% 14 12 10 8 6 7,2 8,7 10,1 11,4 +13,2% 13,0 5,7 6,4 4 +12,0%

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL Jorge Celestino Diretor Executivo de Refino e Gás Natural 24.10.2016 Transformações na indústria do petróleo mundial Mudança no cenário competitivo: shale

Leia mais

3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy

3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy 3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy São Paulo, 13 de novembro de 2015 1 DISCLAIMER Esta Apresentação pode conter declarações prospectivas, as quais estão sujeitas a riscos e incertezas, pois foram baseadas

Leia mais

PROMOVE PROCESSOS QUÍMICOS DA REFINARIA HIDROCRAQUEAMENTO CATALÍTICO (HCC)

PROMOVE PROCESSOS QUÍMICOS DA REFINARIA HIDROCRAQUEAMENTO CATALÍTICO (HCC) HIDROCRAQUEAMENTO CATALÍTICO (HCC) O hidrocraqueamento catalítico (HCC) consiste na quebra de moléculas existentes na carga de gasóleo com a ação do catalisador, com altas temperaturas e pressões (acima

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T16 UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T16 UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS São Paulo, 12 de Maio de 2016 RESULTADOS CONSOLIDADOS 2 DESTAQUES CONSOLIDADOS DO RECEITA LÍQUIDA (R$ MILHÕES) LUCRO BRUTO (R$ MILHÕES)

Leia mais

4 Produtos do Petróleo

4 Produtos do Petróleo 30 4 Produtos do Petróleo 4.1 Principais Derivados do Petróleo De acordo com FARAH (1989), os derivados do petróleo podem ser distribuídos em duas categorias: Derivados Leves e Derivados Pesados. Conforme

Leia mais

Matérias-Primas para Revestimentos. Dow Brasil Cedric Leslie Bridger

Matérias-Primas para Revestimentos. Dow Brasil Cedric Leslie Bridger Matérias-Primas para s Dow Brasil Cedric Leslie Bridger Os revestimentos usam múltiplos produtos petroquímicos MatériasPrimas Petroquímicos Básicos VAM Eteno Resinas Acrílicas Propeno Solventes Tolueno

Leia mais

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL Prof.º: Carlos D Boa - geofísica Introdução Biocombustíveis (Biodiesel, Etanol e Hidrogênio) Biogás Biomassa Energia Eólica Energia das Marés Energia Hidrelétrica Energia Solar

Leia mais

VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO

VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XI 10/março/2016 n. 486 VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO Os dados mais recentes sobre as vendas de combustíveis nos postos brasileiros disponibilizados

Leia mais

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Sillas Oliva Filho Maio, 2007 Petrobras e os Biocombustíveis Uso dos Biocombustíveis no Mundo Motivação para os Biocombustíveis Atividades da Petrobras nos Biocombustíveis

Leia mais

A Indústria Química e de Matérias Primas essenciais para a Indústria de tintas

A Indústria Química e de Matérias Primas essenciais para a Indústria de tintas A Indústria Química e de Matérias Primas essenciais para a Indústria de tintas 8 FÓRUM ABRAFATI Isabel Figueiredo BRASKEM Renato Pellicci 21/08/2013 Agenda A indústria química e de matérias primas essenciais

Leia mais

EPDM de cana-de-açúcar

EPDM de cana-de-açúcar EPDM de cana-de-açúcar Daniel Taylor Gerente de Desenvolvimento de Novos Negócios da linha de negócios EPDM da unidade de negócios Technical Rubber Products da LANXESS AUTOMOTIVE DAY BRASIL, 6 de outubro

Leia mais

Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão

Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021 Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2016 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras informa que seu Conselho de Administração aprovou, em reunião realizada

Leia mais

ECONOMIA DO PETRÓLEO

ECONOMIA DO PETRÓLEO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo ECONOMIA DO PETRÓLEO PMI 3101 -Introdução à Engenharia para a Indústria Mineral Prof. Eduardo César Sansone

Leia mais

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás 2º trimestre/2013 R SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás Série Informações Energéticas, 004 Resumo Executivo Petróleo e Gás Resumo Executivo São Paulo V.02 02/2013 agosto / 2013 Resumo

Leia mais

RESULTADO DAS OPERAÇÕES

RESULTADO DAS OPERAÇÕES RESULTADO DAS OPERAÇÕES Resultados do 1T- : Lucro bruto Lucro bruto superior em 2% (R$ 395 milhões), refletindo: Receita de vendas de R$ 74.353 milhões, inferior em 13%, decorrente de: Redução da demanda

Leia mais

S M E Comissão de Energia 28/04/2010

S M E Comissão de Energia 28/04/2010 Oportunidades e Desafios do Pré-Sal S M E Comissão de Energia 28/04/2010 HIDROCARBONETOS Definição Compostos orgânicos constituídos de átomos de carbono e hidrogênio. PETRÓLEO INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país 2 O mercado brasileiro de derivados possui uma concentração na costa litorânea e no sul sudeste do país e o potencial de crescimento

Leia mais

Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural. Adriano Pires

Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural. Adriano Pires Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural Adriano Pires 17/03/2009 1 O Ano de 2009 Uma queda no crescimento da demanda global de energia conduzirá a preços menores de petróleo e de gás em

Leia mais

RESULTADOS 2T15 AGOSTO DE 2015

RESULTADOS 2T15 AGOSTO DE 2015 RESULTADOS AGOSTO DE 2015 AVISO LEGAL Esta apresentação contêm declarações acerca de eventos futuros. Todas as declarações exceto aquelas relativas a fatos históricos contidas nesta apresentação são declarações

Leia mais

Ministério de Minas e Energia. Diesel BTE e TRR CLÁUDIO AKIO ISHIHARA. Diretor do Departamento de Combustíveis Derivados de Petróleo

Ministério de Minas e Energia. Diesel BTE e TRR CLÁUDIO AKIO ISHIHARA. Diretor do Departamento de Combustíveis Derivados de Petróleo Diesel BTE e TRR CLÁUDIO AKIO ISHIHARA Diretor do Departamento de Combustíveis Derivados de Petróleo 27ª CONVENÇÃO NACIONAL TRR 09/03/2012 SUMÁRIO PROCONVE ACORDO JUDICIAL CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DIESEL

Leia mais

Oportunidades de investimentos do setor no País. Isabela M. C. da Rocha Gerente Executiva de Relacionamento com Investidores da Petrobras

Oportunidades de investimentos do setor no País. Isabela M. C. da Rocha Gerente Executiva de Relacionamento com Investidores da Petrobras Oportunidades de investimentos do setor no País Isabela M. C. da Rocha Gerente Executiva de Relacionamento com Investidores da Petrobras Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos

Leia mais

Estratégia Tecnológica da Petrobras

Estratégia Tecnológica da Petrobras Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2011 Estratégia Tecnológica da Petrobras Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do CENPES Petrobras no mundo

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

PROMOVE PROCESSOS TÉRMICOS

PROMOVE PROCESSOS TÉRMICOS 1. CRAQUEAMENTO TÉRMICO 1.1. Definição: Processo que provoca a quebra das moléculas aquecimento em temperaturas elevadas ( 450 C) e ausência de ar/oxigênio. Carga resíduo atmosférico ou gasóleo. Resíduo

Leia mais

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Reservas Petrolíferas do Pré-Sal Audiência Pública

Leia mais

LOCALIZA RENT A CAR S.A.

LOCALIZA RENT A CAR S.A. LOCALIZA RENT A CAR S.A. Conference call 1º de Outubro de 2008 As informações financeiras a seguir são preliminares, ainda não revisadas pelos auditores independentes e apresentadas em Reais. Dívida em

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO 3.c EXTRAÇÃO: 3 EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO Classificam-se em dois tipos: Extrações Onshore Extrações Offshore 3.c EXTRAÇÃO: Extrações Onshore 3 EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO 3.c EXTRAÇÃO: Extrações Offshore 3 EXPLORAÇÃO

Leia mais

Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009

Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009 Teleconferência / Webcast DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 2 o trimestre de 2009 (Legislação Societária) Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009 Reservatório

Leia mais

O desafio. energia. Plano Estratégico Plano de Negócios e Gestão Indicadores. 1,2% 1% 1% US$ 220,6 bilhões 0,4% 5% 4% 16% 12% 18% 20%

O desafio. energia. Plano Estratégico Plano de Negócios e Gestão Indicadores. 1,2% 1% 1% US$ 220,6 bilhões 0,4% 5% 4% 16% 12% 18% 20% PANORAMA O desafio é a nossa energia Criada em 1953, a Petrobras atua de forma integrada nas atividades de exploração e produção, refino, comercialização, transporte e petroquímica, distribuição de derivados,

Leia mais

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil

Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil Financiamento de Projetos de Infra-estrutura da Indústria de Petróleo e Gás no Brasil João Carlos Cavalcanti Superintendente da Área de Infra-Estrutura Salvador, 16 de novembro de 2005 www.bndes.gov.br

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA "Polí&cas Públicas: Buscando Estabilidade e Previsibilidade" MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Ricardo de Gusmão Dornelles Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 Nota à Imprensa 8 de agosto de 2014 Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 O lucro bruto no 1º semestre de 2014 foi de R$ 38,5 bilhões, 2% superior ao 1º semestre

Leia mais

Prof: Francisco Sallas

Prof: Francisco Sallas Prof: Francisco Sallas Classificado como hidrocarboneto aromático. Todos os aromáticos possuem um anel benzênico (benzeno), que, por isso, é também chamado de anel aromático. É líquido, inflamável, incolor

Leia mais

Licitação de Gasodutos de Transporte

Licitação de Gasodutos de Transporte Mesa Redonda sobre Energia no Brasil : O inicio de uma nova era energética? Licitação de Gasodutos de Transporte Melissa Cristina Mathias José Cesário Cecchi Superintendência de Comercialização e Movimentação

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 52 - Outubro/Novembro 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 52 - Outubro/Novembro 2012 Sumário...04 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

Excedentes da Cessão Onerosa

Excedentes da Cessão Onerosa Excedentes da Cessão Onerosa DESDOBRAMENTOS DA REUNIÃO DO CNPE Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014 Informações preliminares Cessão Onerosa Através da Cessão Onerosa a Petrobras adquiriu os direitos para

Leia mais

resultados 3T09 23 de outubro de 2009

resultados 3T09 23 de outubro de 2009 resultados 3T09 23 de outubro de 2009 1 mercado alvo CF&T - Brasil > Mercado Alvo 1 Receita Líquida (R$ bilhões, nominal) CAGR (2004-2008) = 15,0% 16,0 15,2 14,0 13,0 12,0 11,5 10,0 8,0 8,7 10,1 +17,3%

Leia mais

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja:

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja: 1. OBJETIVO A Portaria MME Nº 113, de 1º de fevereiro de 2011, deflagrou a promoção dos leilões de compra de energia elétrica proveniente de novos empreendimentos de geração (A-3/2011) bem como a contratação

Leia mais

Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro. Março/2006

Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro. Março/2006 Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro Março/2006 O COMPLEXO PETROQUÍMICO DO RIO DE JANEIRO Marlim 150.000 bbl/d Eteno Unidade de Produção de Petroquímicos Básicos - Itaboraí P-Xileno Combustíveis Petroquímicos

Leia mais

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO BARRIL O Barril é uma unidade de medida de petróleo líquido (geralmente petróleo cru) igual a: 158,987294928 litros (se for

Leia mais

Automação no Abastecimento - Refino

Automação no Abastecimento - Refino Abinee Tec 2003 Automação no Abastecimento - Refino São Paulo, 9 de outubro de 2003. Objetivo SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DA AUTOMAÇÃO DO ABASTECIMENTO-REFINO DA PETROBRAS FRENTE AS METAS DESAFIADORAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001. Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e

Leia mais

BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL

BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL Dra. Roseli Aparecida Ferrari DEA UEPG Email ferrarir@uepg. @uepg.br PRODUÇÃO DE BIODIESEL BIODIESEL É um combustível renovável produzido a partir de óleos

Leia mais

REFINARIA DE PETRÓLEO NO BRASIL, ESPECIALMENTE NO NORTE FLUMINENSE

REFINARIA DE PETRÓLEO NO BRASIL, ESPECIALMENTE NO NORTE FLUMINENSE A VIABILIDADE ADE DE UMA NOVA REFINARIA DE PETRÓLEO NO BRASIL, ESPECIALMENTE NO NORTE FLUMINENSE PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII ESTUDO NOVEMBRO/2003 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO. Dezembro 2013

ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO. Dezembro 2013 ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO Dezembro 2013 Sumario Cenário Especificação da Gasolina S-50 Investimentos e Mercado Atributos e Benefícios da Gasolina S-50 Aspectos Relevantes Aditivação Total

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

José Sergio Gabrielli Presidente. 24 de Agosto de 2011

José Sergio Gabrielli Presidente. 24 de Agosto de 2011 José Sergio Gabrielli Presidente 24 de Agosto de 2011 1 AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 47 - Fevereiro/Março 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 47 - Fevereiro/Março 2012 Sumário...4 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

Localiza Rent a Car S.A. Divulgação de resultados - 1T06

Localiza Rent a Car S.A. Divulgação de resultados - 1T06 Localiza Rent a Car S.A. Divulgação de resultados - 1T06 0 Plataforma integrada Plataforma integrada 123 agências 20.096 carros 13.116 carros Estratégia de negócios Objetivos Vantagens competitivas Oportunidades

Leia mais

resultados 2T08 25 de julho de 2008

resultados 2T08 25 de julho de 2008 resultados 2T08 25 de julho de 2008 1 mercado alvo CF&T - Brasil > Mercado Alvo 1 Receita Líquida (R$ bilhões, nominal) CAGR (2003-2007) = 15,9% 14 13,0 12 10 8 7,2 8,7 10,1 11,4 +13,2% 6 4 3,6 4,1 2 +12,0%

Leia mais

5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Painel 1 Petróleo e Gás no Espirito Santo

5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Painel 1 Petróleo e Gás no Espirito Santo 5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Sumário A conjuntura global do setor petróleo Mercado Investimento Impacto na cadeia global de fornecedores - O futuro do petróleo Perspectivas

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009 1. OBJETIVO Este informe técnico visa fornecer subsídios para a operacionalização do art. 5º da Portaria MME nº. 46, de 9 de março de 2007, com a redação dada na Portaria nº 175, de 16 de abril de 2009,

Leia mais

Petrobras (PETR4) Comprar: PETR4

Petrobras (PETR4) Comprar: PETR4 21 de setembro de 2016 Petrobras (PETR4) Comprar: PETR4 O Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017 2021 anunciado ontem veio em grande parte dentro da expectativa do mercado: (i) redução da

Leia mais

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Roberto Murilo Carvalho de Souza Gerente de Estratégia Tecnológica CENPES PETROBRAS

Leia mais

Sumário PARTE 1 UPSTREAM SEÇÃO 1 PRODUTORES E ESTRATÉGIAS...5

Sumário PARTE 1 UPSTREAM SEÇÃO 1 PRODUTORES E ESTRATÉGIAS...5 Sumário PARTE 1 UPSTREAM SEÇÃO 1 PRODUTORES E ESTRATÉGIAS...5 Capítulo 1 DIÁLOGO SOCRÁTICO SOBRE A TENDÊNCIA DO PREÇO DO PETRÓLEO: AS PERGUNTAS CERTAS....7 Resumo...7 Introdução...7 O Espectro da Penúria

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis

Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis Haroldo Lima Diretor-Geral Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis 1 1 Surgimento e evolução

Leia mais

Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI)

Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI) Taller de Estadísticas Energéticas TALLER DE ESTADÍSTICAS ENERGÉTICAS JOINT OIL DATA INITIATIVE (JODI) Ney Cunha Superintendente Adjunto de Planejamento e Pesquisa da ANP 1 APRESENTAÇÃO Indústria do Petróleo

Leia mais

Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015

Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015 Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015 Publicado no DO em 30 jun 2015 Altera a Resolução ANP nº 40 de 2013, que regula as especificações das gasolinas de uso automotivo, consoante as disposições contidas no

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

O combustível e a Combustão

O combustível e a Combustão CAPITULO 3 O combustível e a Combustão Motores a GASOLINA / ÁLCOOL com ignição por centelha Volvo Powertrain Julio Lodetti Revisão sobre as características gerais A COMBUSTÃO consiste na etapa essencial

Leia mais

TECNOLOGIA DO AÇÚCAR E DO ÁLCOOL

TECNOLOGIA DO AÇÚCAR E DO ÁLCOOL TECNOLOGIA DO AÇÚCAR E DO ÁLCOOL OBJETIVOS Reconhecer a importância da Agroindústria Sucro-Alcooleira no Brasil e no mundo; Avaliar a qualidade da cana-de-açúcar como matéria-prima para a fabricação do

Leia mais

ECOLOGIA E ECONOMIA 1. CARACTERÍSTICAS DA SOCIEDADE MODERNA

ECOLOGIA E ECONOMIA 1. CARACTERÍSTICAS DA SOCIEDADE MODERNA ECOLOGIA E ECONOMIA 1. CARACTERÍSTICAS DA SOCIEDADE MODERNA Altas taxas de mudanças Incremento das inovações tecnológicas Incremento nas inovações sociais Ambiente de incertezas Globalização: mercados

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Márcio Félix Secretário

Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Márcio Félix Secretário Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Márcio Félix Secretário COP-21 - Compromisso Brasileiro Pretendida Contribuição Nacionalmente Determinada (intended Nationally

Leia mais

1 28 de abril de 2015

1 28 de abril de 2015 28 de abril de 2015 1 Informações importantes O Banco Santander, S.A. ("Santander") informa que esta apresentação contém declarações prospectivas. Essas declarações prospectivas foram incluídas ao longo

Leia mais

24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO

24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO 24 OUT RIOCENTRO RIO DE JANEIRO UM DEBATE C-LEVEL SOBRE OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR DE ÓLEO E GÁS NO BRASIL INVESTIDORES, BANCOS E GRANDES EMPRESAS REUNIDAS PARA FALAR SOBRE O

Leia mais

SMILES S.A. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T de maio de 2016

SMILES S.A. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T de maio de 2016 SMILES S.A. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T16 05 de maio de 2016 Aviso Importante O material divulgado pela Companhia reflete as expectativas dos administradores e poderá conter estimativas sobre eventos

Leia mais

SEÇÃO 1 Panorama Internacional. Petróleo 1.1 Reservas 1.2 Produção 1.3 Refino 1.4 Preços. Gás Natural 1.5 Reservas 1.6 Produção

SEÇÃO 1 Panorama Internacional. Petróleo 1.1 Reservas 1.2 Produção 1.3 Refino 1.4 Preços. Gás Natural 1.5 Reservas 1.6 Produção SEÇÃO 1 Panorama Internacional Petróleo 1.1 Reservas 1.2 Produção 1.3 Refino 1.4 Preços Gás Natural 1.5 Reservas 1.6 Produção 1 Esta seção apresenta informações sobre o desempenho da indústria mundial

Leia mais

MARBRAX CCD 315 e 415

MARBRAX CCD 315 e 415 MARBRAX CCD 315 e 415 Lubcenter 21 3297-2931 www.lubcenter.com MARBRAX CCD 315 e 415 são recomendados para motores diesel marítimos que utilizam combustível destilado com teor de Enxofre tipicamente inferior

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA Agosto de 2002 Produção Mensal na Região Centro-Sul Álcool

Leia mais

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 No segmento de refino, a produção de derivados atingiu 2,02 milhões de barris/dia,

Leia mais

A indústria do petróleo: Possibilidades de maior contribuição da iniciativa privada para a exploração e produção de áreas do Pré-Sal

A indústria do petróleo: Possibilidades de maior contribuição da iniciativa privada para a exploração e produção de áreas do Pré-Sal A indústria do petróleo: Possibilidades de maior contribuição da iniciativa privada para a exploração e produção de áreas do Pré-Sal Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia de Energia Instituto de Economia

Leia mais

4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil

4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil 4. A Infra-Estrutura logística da Indústria de Petróleo no Brasil Para permitir o fluxo dos produtos através da Cadeia de Suprimentos de Petróleo, iniciando na produção ou importação de óleos crus, passando

Leia mais

O CASO MARLIM: DESCONTOS DA CORRENTE DE EXPORTAÇÃO EM RELAÇÃO AO BRENT E POLÍTICAS DA PETROBRAS PARA REDUZIR ESTA PERDA

O CASO MARLIM: DESCONTOS DA CORRENTE DE EXPORTAÇÃO EM RELAÇÃO AO BRENT E POLÍTICAS DA PETROBRAS PARA REDUZIR ESTA PERDA 4 o PDPETRO, Campinas, SP 7.2.0102 1 O CASO MARLIM: DESCONTOS DA CORRENTE DE EXPORTAÇÃO EM RELAÇÃO AO BRENT E POLÍTICAS DA PETROBRAS PARA REDUZIR ESTA PERDA SZKLO, Alexandre 1 (PPE-UFRJ), MACHADO, Giovani

Leia mais

CANA & ENERGIA. Estoques Estratégicos de Combustíveis. Carlos Valois Maciel Braga

CANA & ENERGIA. Estoques Estratégicos de Combustíveis. Carlos Valois Maciel Braga CANA & ENERGIA Estoques Estratégicos de Combustíveis Carlos Valois Maciel Braga Superintendente de Comercialização e Movimentação de Petróleo e seus Derivados Agência Nacional do Petróleo - ANP Coordenador

Leia mais

Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos Despesas ajustadas e investimentos para 2017

Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos Despesas ajustadas e investimentos para 2017 Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos Despesas ajustadas e investimentos para 2017 Dez/2016 ORÇAMENTOS DE DESPESAS AJUSTADAS E INVESTIMENTOS Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno

Leia mais

Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis. Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa

Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis. Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa Combustíveis Fósseis Carbono retido na crosta terrestre durante eras geológicas Renováveis Carbono retirado da atmosfera

Leia mais