CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA"

Transcrição

1 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA AVALIAÇÃO DAS SOLUÇÕES ESTRUTURAIS DEFINITIVAS DE INTEGRAÇÃO DA CORTINA DE ESTACAS DO EDIFÍCIO Nº 41, REALIZADA NO ALINHAMENTO ADJACENTE À AV. FONTES PEREIRA DE MELO EDIFÍCIO Nº 41 AV. FONTES PEREIRA DE MELO PARECER E839-A2P-EXE-PAR A Maio, 2016 Contribuinte e Conservatória do Registo Comercial de Lisboa nº Capital Social ,00 Rua Acácio de Paiva nº Lisboa - Portugal Tel.: Fax:

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DO EDIFÍCIO FASE ACTUAL DE EXECUÇÃO DOS TRABALHOS RELATIVOS À CONTENÇÃO DA AV. FONTES PEREIRA DE MELO SOLUÇÕES ESTRUTURAIS, COM OU SEM INCORPORACÃO DA CORTINA DE ESTACAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES i Avaliação das soluções estruturais definitivas integração da cortina de estacas do edifício nº 41, realizado no alinhamento adjacente à

3 1. INTRODUÇÃO O presente parecer refere-se à avaliação da incorporação, na estrutura definitiva do Edifício 41, da cortina de estacas da contenção da, requerida para execução das caves. Esta questão colocou-se por terem as estacas sido realizadas parcialmente fora do lote respectivo (0,40 m para fora do lote) de acordo com o projecto de escavação / contenção cujo processo de aprovação não estava concluído, por estar em análise o acordo para permuta de parcelas do referido lote

4 2. DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DO EDIFÍCIO O edifício a realizar na designado por FPM41 inclui 6 pisos enterrados e 17 pisos elevados na zona adjacente à. Em planta o edifício tem uma geometria irregular com uma área de cerca de 1400 m 2 por piso. Em elevação o edifício no corpo adjacente à Av. 5 de Outubro recua 12,5m ao nível do piso 2. Esta zona do edifício em consola é suportada por um conjunto de tirantes metálicos

5 Fig. 1 - Planta e Corte AA Na fachada adjacente à a estrutura dos pisos apoia num conjunto de pilares metálicos realizados com tubos RHS, com uma secção aparente de 250 mm x 100 mm, afastados cerca de 1,35 m. O apoio da zona em consola realiza-se na fachada da na parede PA6 com uma secção de 0,25 m x 2,80 m, parede interligada com a cortina de estacas

6 Fig. 2 - Planta do Piso 0 Pormenor da implantação da parede PA6 e pilares metálicos Tendo em conta o âmbito limitado deste parecer analisa-se seguidamente apenas a questão do apoio da estrutura do edifício na parede de contenção da cave no alinhamento da Av. Fontes Pereira de Melo. Na figura 3 apresenta-se em planta e corte a ligação dos perfis metálicos da estrutura à parede de contenção da

7 Fig. 3 Pormenor da planta e cortes do apoio dos perfis metálicos na parede de contenção Na figura 4 apresenta-se o detalhe da parede PA6 que constitui um apoio fundamental das lajes dos pisos e estrutura metálica de suporte da zona em consola adjacente à Av. 5 de Outubro

8 Fig. 4A - Secção da estrutura ilustrando as acções transmitidas à Parede PA6 e pormenor de betão armado da parede (a parede para baixo do piso 0 tem 0,30 m de espessura) - 7 -

9 3. FASE ACTUAL DE EXECUÇÃO DOS TRABALHOS RELATIVOS À CONTENÇÃO DA AV. FONTES PEREIRA DE MELO Actualmente encontram-se executadas a totalidade das estacas do alinhamento A de contenção da ) e a viga de coroamento das estacas. Está parcialmente executada a viga de ligação dos troços da laje de travamento ao nível do piso -1 (fig. 5). Fig. 5 Viga de ligação aos troços de laje e sua ligação às estacas 4. SOLUÇÕES ESTRUTURAIS, COM OU SEM INCORPORACÃO DA CORTINA DE ESTACAS O projecto de estrutura do edifício considerou que os pilares de fachada apoiam na viga de coroamento das estacas com a excentricidade indicada figura 3. Em 6/5/2016 foi apresentada alteração à solução de contenção adicionando entre o piso 0 e o piso -1 a execução de uma parede sob a viga de coroamento das estacas, interligada à laje de travamento. Esta alteração mereceu a nossa total concordância

10 Fig. 6 Nova parede a realizar no alinhamento da Tal excentricidade de implantação das estacas em relação ao alinhamento da fachada resultou do estudo do estacionamento nas caves do edifico As estacas estão executadas e não é possível proceder à alteração da sua implantação. A alteração do pormenor de apoio dos pilares metálicos e da parede PA6 implicaria adaptações significativas no projecto. De qualquer modo deve-se sempre manter o projecto de escavação / contenção com a adaptação do sistema de travamento conforme desenhos em anexo (mail de 6/05/2016) que incluiu a realização do travamento ao nível do piso -1 em todo o alçado A. Se se pretender anular a participação das estacas na estrutura definitiva do edifício será necessário realizar as seguintes tarefas: - 9 -

11 Para o apoio dos pilares metálicos: - Realização de baixo para cima (após execução da escavação / contenção) de uma nova parede estrutural no interior da cortina de estacas (interligada à parede já prevista entre o piso 0 e -1, mas que deveria ser desligada das estacas - Corte de viga de bordo para isolar as estacas da estrutura definitiva do edifício, o que implicaria o reforço da viga de bordo. Para a parede PA6: - Realização da parede PA6 no interior da cortina de estacas sem interligação às estacas, o que implicará o reforço e espessamento dessa parede. A parede PA6 terá continuidade acima do piso 0. Fig. 7 Separação da estrutura do edifico da cortina de estacas

12 5. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 5.1. Tendo em conta 1. Que a implantação de estacas não trará no futuro restrição à instalação de infraestruturas sob o passeio da 2. Que a solução do projecto de estrutura foi desenvolvido considerando a ligação à cortina de estacas. 3. Que na solução de travamento da cortina de estacas com troços de laje vai ser realizada uma parede entre o piso 0 e o piso -1 ligada à cortina de estacas, reforçando a cortina de estacas e o apoio dos pilares metálicos. 4. Que as alterações associadas à separação da estrutura do edifico à cortina de estacas implicam diversas alterações relevantes e complexas. Consideramos que a solução de manutenção da cortina de estacas integrada na estrutura definitiva do edifício é a tecnicamente mais adequada Não é competência do autor deste parecer comentar as contrapartidas ou permutas requeridas para aprovação desta solução Qualquer que venha a ser a solução adoptada a estrutura de escavação / contenção deve ser realizada com base no projecto e alterações de 6/05/ Atendendo à importância das acções transmitidas, à parede de contenção, pelos pilares metálicos e parede PA6 ao nível do piso 0 considera-se conveniente proceder à verificação da segurança destes elementos localizados no alinhamento da, sendo conveniente dispor dos cálculos justificativos do projecto de estrutura para realizar essa verificação

13 Nota final: 1. Após a elaboração do parecer preliminar de 13 de Maio de 2016 foram-nos facultados os cálculos do projecto de estrutura relativos aos elementos estruturais referidos em 5.4. Foinos também fornecida a alteração da classe do betão e pormenorização das armaduras da parede PA6, conforme ilustrado na figura 4A deste relatório final. 2. Em relação às acções transmitidas pelos perfis metálicos à estrutura de contenção temos a referir o seguinte: - Os esforços axiais máximos de cálculo transmitidos pelos pilares metálicos à cortina de estacas são de kn/pilar (1350 kn/m). - A segurança da cortina de estacas foi verificada para esta acção combinada com as restantes acções actuantes nessa cortina. - A excentricidade da carga dos pilares metálicos em relação ao eixo das estacas foi devidamente considerada e as necessárias armaduras na laje do piso 0 detalhadas em conformidade no projecto. - A estrutura de contenção conforme desenho de 6/05/2016 inclui uma parede de betão armado ligada às estacas entre os pisos 0 e -1, o que diminui o efeito de excentricidade da carga atrás referida. 3. Em relação aos esforços transmitidos pela parede PA6 ao nível do piso 0 para a estrutura de contenção importa referir o seguinte: - Atendendo ao elevado nível de carga actuante na parede PA6 esta será executada com um betão da classe C55 / 67. Os esforços axiais na parede ao nível do piso 0 são respectivamente N = kn e N = kn para a combinação de acções com a acção de base sismos ou sobrecarga. - A parede PA6 terá continuidade vertical até ao nível das fundações do edifício pelo que a transferência de carga para a parede de contenção só ocorrerá se se verificar uma deformação relativa dessa fundação em relação à cortina de estacas. Esta hipótese foi considerada na verificação de segurança da cortina de estacas tendose estimado um valor máximo de transferência de 500 kn para uma estaca, acréscimo

14 de esforço que é suportado em condições de segurança pelas estacas. Em conclusão: - A estrutura do edifício 41 da é uma obra de grande porte e singularidade. A superstrutura do edifício foi concebida com transmissão de esforços à cortina de estacas da. - Consideramos estarem reunidas as condições cautelares para que a obra do edifício possa prosseguir como projectado devendo, no que se refere à estrutura de contenção da, manter-se a frequência de leituras do sistema de monitorização instalado, para além do adequado controlo de qualidade dos materiais e execução dos trabalhos. Lisboa, 2016, Maio, 23 (Júlio Appleton)

15 Anexo - Desenhos de alteração ao sistema de contenção de 6/05/

16 EDIFÍCIO 41 - PROMOÇÃO IMOBILIÁRIA E HOTELARIA SA. building SOLID PROJECT MANAGEMENT estruturas Este desenho é propriedade da JetSJ, não podendo ser reproduzido, divulgado ou copiado, total ou parcialmente, sem expressa autorização do seu autor (DL 63 / 85 de 14 de Março)

17 EDIFÍCIO 41 - PROMOÇÃO IMOBILIÁRIA E HOTELARIA SA. building SOLID PROJECT MANAGEMENT estruturas Este desenho é propriedade da JetSJ, não podendo ser reproduzido, divulgado ou copiado, total ou parcialmente, sem expressa autorização do seu autor (DL 63 / 85 de 14 de Março)

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM EDIFICIOS R. ANTÓNIO CARNEIRO, nº 373, 375, 381, 385 e 389, PORTO PORTO MARÇO DE 2009 ÍNDICE 01 INTRODUÇÃO 02 DESCRIÇÃO SUMÁRIA

Leia mais

UNIDADE CURRICULAR PROJECTO DE ESTRUTURAS PARTE ESTRUTURAS METÁLICAS 6º SEMESTRE ENUNCIADOS DE PROBLEMAS AVALIAÇÃO A REALIZAR EM GRUPO

UNIDADE CURRICULAR PROJECTO DE ESTRUTURAS PARTE ESTRUTURAS METÁLICAS 6º SEMESTRE ENUNCIADOS DE PROBLEMAS AVALIAÇÃO A REALIZAR EM GRUPO UNIDADE CURRICULAR PROJECTO DE ESTRUTURAS PARTE ESTRUTURAS METÁLICAS 6º SEMESTRE ENUNCIADOS DE PROBLEMAS AVALIAÇÃO A REALIZAR EM GRUPO SEMESTRE INVERNO 2014/2015 Problema 1 A estrutura de pavimento de

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

Insolvência de Edigaia - Imobiliária, S.A. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo. Processo 635/10.3TYVNG

Insolvência de Edigaia - Imobiliária, S.A. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo. Processo 635/10.3TYVNG . Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo Processo 635/10.3TYVNG Relatório de Análise / Avaliação dos Activos Imobiliários 1 Identificação do Cliente Massa Insolvente de Edigaia - Imobiliária,

Leia mais

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia I. CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/70 5. FASES CONSTRUTIVAS estrutura pórtico sapatas vigas de fundação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES TIPOLOGIAS DE TABULEIROS NO PROJETO DE ALARGAMENTO E AMPLIAÇÃO DE UM VIADUTO

A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES TIPOLOGIAS DE TABULEIROS NO PROJETO DE ALARGAMENTO E AMPLIAÇÃO DE UM VIADUTO A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES TIPOLOGIAS DE TABULEIROS NO PROJETO DE ALARGAMENTO E AMPLIAÇÃO DE UM VIADUTO José Afonso Pereira Vitório Engenheiro Civil Vitório & Melo Projetos Estruturais e Consultoria Ltda.

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Fig. 1 Vista tridimensional do modelo de cálculo global da estrutura projetada

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Fig. 1 Vista tridimensional do modelo de cálculo global da estrutura projetada MEMÓRIA DE CÁLCULO MODELOS DE ANÁLISE O procedimento usado na análise da estrutura baseia-se em modelos diferenciados em função dos objetivos. Para a análise global da estrutura utilizou-se um modelo de

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+ Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do MACS+ Sumário Nova metodologia MACS+ MACS+ Breve descrição da obra Projeto base Solução Blocotelha - Metodologia tradicional

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES RELATÓRIO

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES RELATÓRIO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES ALTERAÇÃO ABRIL DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Relatório Data:

Leia mais

PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL

PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL Tema 5 Realizações 627 de Autores PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL JÚLIO APPLETON Eng. Civil A2P Consult, Lda. J. NUNES DA SILVA Eng. Civil A2P Consult,

Leia mais

AMPLIAÇÃO DA PISTA DO AEROPORTO DA MADEIRA

AMPLIAÇÃO DA PISTA DO AEROPORTO DA MADEIRA SEGADÃES TAVARES & ASSOCIADOS, Lda AMPLIAÇÃO DA PISTA DO AEROPORTO DA MADEIRA Dono da Obra: ANAM Aeroportos e Navegação Aérea da Madeira, SA AMPLIAÇÃO DA PISTA DO AEROPORTO DA MADEIRA A MADEIRA NO MUNDO

Leia mais

UNL V l á ter e J. J. G. G. Lú L c ú i c o Universidade Nova de Lisboa 16 de Maio de 2012

UNL V l á ter e J. J. G. G. Lú L c ú i c o Universidade Nova de Lisboa 16 de Maio de 2012 PROJETO DE ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS PARA EDIFÍCIOS Válter J. G. Lúcio Universidade Nova de Lisboa 16 de Maio de 2012 PROJETO DE ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS PARA EDIFÍCIOS 1. INTRODUÇÃO Tipos estruturais

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

TERMINAL DE VOOS DOMÉSTICOS AEROPORTO DE LUANDA CONCEPÇÃO ESTRUTURAL

TERMINAL DE VOOS DOMÉSTICOS AEROPORTO DE LUANDA CONCEPÇÃO ESTRUTURAL TERMINAL DE VOOS DOMÉSTICOS AEROPORTO DE LUANDA CONCEPÇÃO ESTRUTURAL Vitor França a, Hugo Sousa b e Narciso Ferreira c a,b Eng.º Civil, TRIEDE ANGOLA, Luanda c Eng.º Civil, TRIEDE, Lisboa Resumo. Descreve-se

Leia mais

30 Projectos e Obras #1 Biblioteca Central e Arquivo Municipal de Lisboa

30 Projectos e Obras #1 Biblioteca Central e Arquivo Municipal de Lisboa 30 Engenharia e Vida 30-37 Projectos e Obras - As soluções adoptadas na obra de escavação e contenção periférica do edifício da futura Biblioteca e Arquivo Municipal de Lisboa, no Vale de Santo António,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Nota técnica: 01/2009. Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro

RELATÓRIO TÉCNICO. Nota técnica: 01/2009. Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro RELATÓRIO TÉCNICO Nota técnica: 01/2009 Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro Trabalho realizado por: Débora Ferreira Hermínia Morais Índice 1 - Introdução... 3 2 - Descrição

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS

ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS Mestrado Integrado em Engenharia Civil 2014-2015 Sumário 2 34 1. Objectivos da especialização 2. Saídas profissionais 3. Estrutura do plano curricular 4. Descrição das disciplinas 5. Temas de dissertação

Leia mais

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC 1 - Considere uma estaca cravada, de betão, com secção circular de 0,5 m de diâmetro. Calcule a carga vertical máxima

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Par de cabos N Sd [kn] N Rd [kn] 1 623, , , , ,

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Par de cabos N Sd [kn] N Rd [kn] 1 623, , , , , MEMÓRIA DE CÁLCULO ANÁLISE ESTÁTICA DA ESTRUTURA Para a análise estática da estrutura são consideradas relevantes as acções permanentes, sobrecargas de utilização, variações de temperatura e acção do vento.

Leia mais

1/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 3/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações

1/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 3/73. DFA Estruturas Estruturas de Edifícios de B.A. Reforço de Fundações 1/73 2/73 Tipos e Patologias Técnicas de Reforço Métodos Construtivos Disposições Construtivas Casos Práticos Tipos e Patologias 3/73 Tipos de Fundações tradicionais em terrenos brandos 4/73 Solução de

Leia mais

Pesos próprios e sobrecargas em edifícios segundo o EC1

Pesos próprios e sobrecargas em edifícios segundo o EC1 Pesos próprios e sobrecargas em edifícios segundo o EC1 Luciano Jacinto Área Departamental de Engenharia Civil Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Dezembro 2013 Índice 1 Introdução... 1 2 Pesos

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Justificação para não sujeição a avaliação

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Casa de Chá no Jardim da Sereia Parque de Santa Cruz 2. LOCALIZAÇÃO Freguesia de Santa Cruz 3. PROJECTO Projecto de Arquitectura: Gabinete para o

Leia mais

2.0 O PROJETO DE LAJES PROTENDIDAS - SÍNTESE

2.0 O PROJETO DE LAJES PROTENDIDAS - SÍNTESE LAJES PLANAS PROTENDIDAS: DETERMINAÇÃO DA FORÇA DE PROTENSÃO E PRÉ-DIMENSIONAMENTO DOS CABOS UM PROCESSO PRÁTICO 1.0 - INTRODUÇÃO Nos projetos de lajes protendidas, as armaduras a serem determinadas resultam

Leia mais

1. Ligações em estruturas de aço

1. Ligações em estruturas de aço 1. Ligações em estruturas de aço Bibliografia: ABNT NBR 8800:2008 Projeto de estruturas de aço e de estrutura mista de aço e concreto de edifícios QUEIROZ, G.; VILELA, P. M. L. Ligações, regiões nodais

Leia mais

AULA 01: SISTEMAS DE FUNDAÇÃO E O PROJETO DE FUNDAÇÕES

AULA 01: SISTEMAS DE FUNDAÇÃO E O PROJETO DE FUNDAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 114 FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA AULA 01: SISTEMAS DE FUNDAÇÃO E O PROJETO DE FUNDAÇÕES

Leia mais

ESTRUTURAS PRÉ-ESFORÇADAS

ESTRUTURAS PRÉ-ESFORÇADAS ESTRUTURAS PRÉ-ESFORÇADAS CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO EXEMPLOS JOÃO F. ALMEIDA SETEMBRO 005 1 PASSAGEM SUPERIOR PS1-ESPL Alçado PASSAGEM SUPERIOR PS1-ESPL Secção Transversal 3 PASSAGEM SUPERIOR PS1-ESPL

Leia mais

Procedimento de Aprovação e Recepção

Procedimento de Aprovação e Recepção Pag. 1 de 7 1. Normas de referência/publicações Regulamento de Fundações, Guia de Dimensionamento de Fundações, Norma de Betões, REBAP, EN 1536:1999, ARP/DEE/001, ARP/DG/11, ARP/DG/13, ARP/DG/14, Code

Leia mais

Imagens relativas à Fracção A Rua das Escolas Gerais nº 13 1100-218 Lisboa

Imagens relativas à Fracção A Rua das Escolas Gerais nº 13 1100-218 Lisboa Tecto falso parcialmente destruído Lareira (à direita) existente dentro da parede mestra Interior do espaço, degradação avançada das paredes Mau estado de conservação e ruína do armazém exterior Mau estado

Leia mais

MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS

MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS MANUTENÇÃO E RESTAURAÇÃO DE OBRAS Prof. Arq. Aline Fernandes 2013 PATOLOGIA DE FUNDAÇÕES Fases que os problemas podem ocorrer ou ser originados: - Caracterização do comportamento do solo; - Análise e projeto

Leia mais

SAPATAS - DIMENSIONAMENTO

SAPATAS - DIMENSIONAMENTO SAPATAS - DIMENSIONAMENTO VERIFICAÇÕES PRELIMINARES ORDEM DE GRANDEZA DO CARREGAMENTO VERIFICAÇÕES PRELIMINARES VIABILIDADE DO EMPREGO DE FUNDAÇÃO DIRETA Exemplo VERIFICAÇÕES PRELIMINARES TENDÊNCIA AO

Leia mais

Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores

Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores EC2 A 2d kd B > 2d kd d d A Contorno u out B Contorno u out,ef Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores NOTA: O valor de k a utilizar num determinado país poderá ser dado no respectivo

Leia mais

Processo N.º / / CML REQUERENTE

Processo N.º / / CML REQUERENTE Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO PROJECTOS DE ESPECIALIDADES Processo N.º / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal

Leia mais

CIV Sistemas Estruturais na Arquitetura III. Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado

CIV Sistemas Estruturais na Arquitetura III. Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado CIV 1113 - Sistemas Estruturais na Arquitetura III Desenvolvimento de um projeto simples em Concreto Armado A idéia deste curso é que se possa desenvolver, em seus passos básicos, um projeto estrutural

Leia mais

Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto

Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto Para se escolher a estrutura do pavimento-tipo, começa-se por decalcar a planta de alvenaria deste pavimento, desenhando-se no CAD a posição das

Leia mais

Influência do Comportamento de Caixilharias Metálicas de Fachada na Concepção Estrutural de um Edifício. ANEXO 1 Plantas de Arquitectura

Influência do Comportamento de Caixilharias Metálicas de Fachada na Concepção Estrutural de um Edifício. ANEXO 1 Plantas de Arquitectura ANEXO 1 Plantas de Arquitectura ANEXO 2 Pórticos Secções Tipo: Estrutura A Secções tipo b h I 0,25 0,65 II 0,30 0,30 III 0,30 0,40 IV 0,30 0,60 V 0,20 0,20 VI 0,30 0,40 Estrutura

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios

Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios Luís Jorge Jornada Técnica Eficiência Energética em Edifícios FABRICANTE DE PAINÉIS X-LAM MAIOR PRODUTOR EUROPEU APROVAÇÃO TÉCNICA EUROPEIA GABINETE DE ENGENHARIA

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

título: alteração na base das unidades condensadoras da família splitão e chiller

título: alteração na base das unidades condensadoras da família splitão e chiller Página 01/07 título: alteração na base das unidades condensadoras da família splitão e chiller SUMÁRIO: Este Boletim Técnico visa informar a alteração na base das unidades condensadoras da família Splitão

Leia mais

Obra 409. Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550

Obra 409. Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550 Designação: Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao Km 1+550, do Muro de Contenção da Plataforma Rodoviária da Zona da Gibalta, da PS ao CF ao Km 3+600, da PI ao Km 8+700, da PP ao Km 10+660 e da PI ao Km 11+280

Leia mais

CAPÍTULO IV ASPECTOS NORMATIVOS PARA CONTENTORES

CAPÍTULO IV ASPECTOS NORMATIVOS PARA CONTENTORES CAPÍTULO IV ASPECTOS NORMATIVOS PARA CONTENTORES 4.1 Introdução Neste capítulo, apresentam-se as disposições normativas dos eurocódigos estruturais que podem ser usadas para verificar a segurança dos elementos

Leia mais

soluções +eficientes de reabilitação de edifícios sistemas de renovação +sustentáveis sistemas energéticos +verdes Um edifício +sustentável.

soluções +eficientes de reabilitação de edifícios sistemas de renovação +sustentáveis sistemas energéticos +verdes Um edifício +sustentável. APRESENTAÇÃO A Reabilitação Sustentável é um serviço que agrega o know-how, os recursos, e a experiência das diversas áreas de atividade da Sotecnisol. A Sotecisol apresenta ao mercado uma oferta inovadora

Leia mais

ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL

ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL ESTADO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EM PORTUGAL PACS: :55.Rg Patrício, Jorge Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. do Brasil, 1700 Lisboa, Portugal Tel. 5121827; Fax.

Leia mais

Questões Tipo Cálculo dos coeficientes b tr, traçado das

Questões Tipo Cálculo dos coeficientes b tr, traçado das Questão 1 Considere as plantas, alçados e cortes (à escala 1:100) bem como os pormenores construtivos (sem escala) anexos a este enunciado correspondentes a uma moradia a ser construída numa zona rural

Leia mais

Catalogo Técnico Lâminas Brisa Sol

Catalogo Técnico Lâminas Brisa Sol Catalogo Técnico Lâminas Brisa Sol Pala de Sombreamento Quebra Sol Vertical Soluções diversas para: Estendais com e sem Guarda corpos Rua Nª Sª da Fátima, nº 1922 * 2425-452 COIMBRÃO LRA Tel: 244 691 625

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS TÉCNICAS CONSTRUTIVAS Módulo 2 Técnicas Construtivas Aula 3 Locação de Obras Prof. Cristóvão C. C. Cordeiro TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 8 Locação de Obras Cristóvão C. C. Cordeiro Objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE POLITÉCNICA UNIVERSIDADE POITÉCNICA ANÁISE E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS PAREDE. VERIFICACAO DA SEGURANÇA Índice Temático 1. Definição de vigas parede (REBAP - Artº 128º)... 1 2. Definição do Vão Teórico e Espessura

Leia mais

RESISTÊNCIA DE MATERIAIS II

RESISTÊNCIA DE MATERIAIS II RESISTÊNCIA DE MATERIAIS II - 2014-2015 PROBLEMAS DE VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA Problema 1 (Problema 100 da colectânea, modificado) Considere a estrutura representada na figura, a qual está contida no plano

Leia mais

SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO. Generalidades. (Item 6.1 da NBR 8800/2008)

SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO. Generalidades. (Item 6.1 da NBR 8800/2008) SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO Ligações em Estruturas Metálicas MAJ MONIZ DE ARAGÃO Generalidades d (Item 6.1 da NBR 8800/2008) Item 6.1 NBR 8800 / 2008 Elementos de ligação:

Leia mais

REPARAÇÃO E REFORÇO DA ESTRUTURA DO CORO

REPARAÇÃO E REFORÇO DA ESTRUTURA DO CORO REPARAÇÃO E REFORÇO DA ESTRUTURA DO CORO Paulo B. Lourenço, Professor Catedrático, Engº Civil Nuno Mendes, Doutorado, Engº Civil ISISE, Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil, Guimarães

Leia mais

Universidade Católica de Goiás - Departamento de Engenharia Estruturas de Concreto Armado I - Notas de Aula

Universidade Católica de Goiás - Departamento de Engenharia Estruturas de Concreto Armado I - Notas de Aula conteúdo 2 lajes 2.1 Classificação das lajes Como o cálculo das lajes tem por base a Teoria das Grelhas, para melhor entender sua classificação, vamos analisar primeiro como se realiza a transferência

Leia mais

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40;

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40; ALTERAÇÃO AO LOTEAMENTO URBANO DA ÁREA DA CERÂMICA DE MORTÁGUA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A proposta de alteração ao Loteamento que se apresenta surge na sequência da modificação das condições

Leia mais

PORMENORES CONSTRUTIVOS

PORMENORES CONSTRUTIVOS UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS PORMENORES CONSTRUTIVOS Os intervenientes na construção civil são cada vez mais solicitados para efectuarem reparações e alterações

Leia mais

Sistemas de Fundação. Sobre o Projeto de Fundações. Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt FUNDAÇÕES AULA 02.

Sistemas de Fundação. Sobre o Projeto de Fundações. Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt FUNDAÇÕES AULA 02. Sistemas de Fundação Sobre o Projeto de Fundações FUNDAÇÕES AULA 02 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES Sistemas de fundação Geotecnia e Estrutura

Leia mais

PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE

PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE Autora: Arq.ª Ana Cravinho Coordenação: Prof. F. A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Prof. Pedro Vaz Paulo e Prof. João Pedro Correia 1/57 ÍNDICE

Leia mais

Formas e Escoramentos ECONOMIA, QUALIDADE E SEGURANÇA NOSSO OBJETIVO: ATENDER BEM PARA ATENDER SEMPRE

Formas e Escoramentos ECONOMIA, QUALIDADE E SEGURANÇA NOSSO OBJETIVO: ATENDER BEM PARA ATENDER SEMPRE ECONOMIA, QUALIDADE E SEGURANÇA NOSSO OBJETIVO: ATENDER BEM PARA ATENDER SEMPRE VIGAS H20 Utilizada como viga principal no nosso sistema de escoramento, a Viga H20 é um material de ponta na construção

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

Manutenção Estrutural e Construtiva

Manutenção Estrutural e Construtiva Manutenção de Instalações de Tratamento e Armazenamento de Águas Em actividade desde 1980, e actuando exclusivamente na área da reabilitação de estruturas, a Stap consolidou ao longo dos anos a sua posição

Leia mais

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik - 1 - UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 04 LAJES CONCEITOS, DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO DE REAÇÕES NAS VIGAS - 2 - NA_04/2011 SISTEMAS ESTRUTURAIS NOTAS DE AULA

Leia mais

Parecer Técnico Visita técnica Reservatórios Elevados em Concreto Armado Avaliação de integridade Estrutural.

Parecer Técnico Visita técnica Reservatórios Elevados em Concreto Armado Avaliação de integridade Estrutural. Parecer Técnico Visita técnica Reservatórios Elevados em Concreto Armado Avaliação de integridade Estrutural. Engº Pierre de Almeida Engº Pierre de Almeida Projetos Estruturas, Materiais e Fundações Página

Leia mais

Anexo A PROJECTO DAS ESTRUTURAS MECÂNICAS

Anexo A PROJECTO DAS ESTRUTURAS MECÂNICAS Anexo A PROJECTO DAS ESTRUTURAS MECÂNICAS Resumo : Neste anexo são apresentadas as várias fases do projecto e construção das estruturas de reforço e de suporte dos novos elementos a introduzir, bem como

Leia mais

Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal.

Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal. Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/7 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal. 1.1. Abreviaturas e definições

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

PONTE SOBRE O RIO TUA, E PONTE SOBRE O RIO CEIRA - PROCESSOS CONSTRUTIVOS E EQUIPAMENTOS.

PONTE SOBRE O RIO TUA, E PONTE SOBRE O RIO CEIRA - PROCESSOS CONSTRUTIVOS E EQUIPAMENTOS. PONTE SOBRE O RIO TUA, E PONTE SOBRE O RIO CEIRA - PROCESSOS CONSTRUTIVOS E EQUIPAMENTOS. Autor: Nuno Henriques Engenheiro Civil (UP) Telemóvel n.º +351 916647167 / Email: nuno.henriques@mota-engil.pt

Leia mais

PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS DUNAS DE SÃO JACINTO DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO

PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS DUNAS DE SÃO JACINTO DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DAS DUNAS DE SÃO JACINTO DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO S. JACINTO, 25 de Agosto de 2004 INTRODUÇÃO O período de Discussão Pública da proposta do Plano

Leia mais

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna 2015 Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Agenda 1. Enquadramento 2. Abordagem Operacional 3. Execução do Plano 2015 4. Plano de Auditoria Interna 2016

Leia mais

RSA Regulamento de Segurança e Acções para Estruturas de Edifícios e Pontes. Decreto Lei nº235/83, de 31 de Maio

RSA Regulamento de Segurança e Acções para Estruturas de Edifícios e Pontes. Decreto Lei nº235/83, de 31 de Maio RSA Regulamento de Segurança e Acções para Estruturas de Edifícios e Pontes Decreto Lei nº235/83, de 31 de Maio Objecto e Campo de Aplicação Critérios gerais de segurança Verificação da segurança Estados

Leia mais

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE Considerando que a,s.a. ( Sociedade Interessada ) tem interesse em analisar a eventual participação no projecto de da sociedade ( Promotora ), vem a Sociedade Interessada

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Pedroso Vila Nova de Gaia - Porto

Dossier Promocional. Moradia em Pedroso Vila Nova de Gaia - Porto Dossier Promocional Moradia em Pedroso Vila Nova de Gaia - Porto 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização

Leia mais

CAPÍTULO XVII PAREDES DE BETÃO

CAPÍTULO XVII PAREDES DE BETÃO CAPÍTULO XVII PAREDES DE BETÃO 17.1 INTRODUÇÃO As paredes de betão têm elevada importância na construção pois fornecem um óptimo suporte estrutural, devido às propriedades resistentes que o betão oferece.

Leia mais

110 o uso do aço na arquitetura

110 o uso do aço na arquitetura 110 o uso do aço na arquitetura 10 objetivo: compreender o funcionamento estrutural do edifício e fornecer alternativas para seu bom desempenho estrutural 111 edifícios de andares múltiplos: Conceito relativo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAÍBA Secretaria de Administração e Orçamento Seção de Engenharia e Arquitetura / COSEG RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM

Leia mais

Execução Alvenaria Estrutural. Jean Marie Désir

Execução Alvenaria Estrutural. Jean Marie Désir Execução Alvenaria Estrutural Jean Marie Désir http://chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html Execução Alvenaria Estrutural PROJETO EXECUÇÃO Execução Alvenaria Estrutural Terraplanagem Cobertura

Leia mais

LAJES COGUMELO e LAJES LISAS

LAJES COGUMELO e LAJES LISAS LAJES COGUMELO e LAJES LISAS Segundo Montoja são consideradas lajes cogumelo as lajes contínuas apoiadas em pilares ou suportes de concreto, ou seja, sem vigas. Podem ser apoiadas diretamente nos pilares

Leia mais

Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses

Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses 1 Quem é a Yellowbrick Houses Somos uma incorporadora atuando no mercado de casas residenciais em Alphaville/Tamboré desde 2009 Nossos diferenciais:

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

Gafisa Construtora - Rio de Janeiro

Gafisa Construtora - Rio de Janeiro Injeções de Consolidação Obra Executada Impermeabilização abaixo da parede Diafragma Gafisa Construtora - Rio de Janeiro Sumário da obra: Na área acima havia um prédio que foi demolido, cujo local está

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE CASTRO VERDE DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DE RESULTADOS

PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE CASTRO VERDE DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DE RESULTADOS PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE CASTRO VERDE DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DE RESULTADOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. DISCUSSÃO PÚBLICA 2.a DIVULGAÇÃO 2.b CONSULTA 2.c MODO

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto Estruturas de concreto As estruturas das edificações, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO.

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. Artigo 1º Aplicação 1. O presente Plano de Pormenor, adiante designado

Leia mais

DECRETO Nº DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 39748 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015 Determina o tombamento definitivo do edifício que abrigou o Colégio Arte e Instrução, situado na Avenida Ernani Cardoso, nºs 225, 229, 233 e 237,Cascadura XV

Leia mais

ENCONTRO Bem utilizar a madeira

ENCONTRO Bem utilizar a madeira ENCONTRO Bem utilizar a madeira Universidade do Minho Novembro de 2005 Pedro Pontífice (LNEC) pedropontifice@lnec.pt EUROCÓDIGO 5 MARCAÇÃO CE DE PRODUTOS ESTRUTURAIS DE MADEIRA 1 EUROCÓDIGOS ESTRUTURAIS

Leia mais

FERRAMENTAS PARA A CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO

FERRAMENTAS PARA A CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO FERRAMENTAS PARA A CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA DE CONCRETO O MELHOR KNOW-HOW E SOLUÇÕES IT DEDICADAS EXCLUSIVAMENTE PARA O MERCADO DOS PRÉ-MOLDADOS AGORA TAMBÉM NO BRASIL P2000 e LEGOCAD SÃO FERRAMENTAS

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade ARQUITECTURA E ARTES Licenciatura ARQUITECTURA Unidade Curricular CONCEPÇÃO ESTRUTURAL Semestre: 7 Nº ECTS: 3,5 Regente Professor Doutor Artur Jorge de Oliveira

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016 Andamento das Obras Civis Serviços concluídos até 29/02/16: Estacas Escavadas são as paredes de concreto, composta por estacas executadas

Leia mais

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS PARA A Nota Introdutória Os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) estão definidos na Portaria nº 113/2015,

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Valongo, Porto

Dossier Promocional. Moradia em Valongo, Porto Dossier Promocional Moradia em Valongo, Porto 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

uniformização de cargas

uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL - comportamento - Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br uniformização de cargas importância de armar (e grautear) os encontros de paredes! uniformização

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

PROJECTO DE LICENCIAMENTO

PROJECTO DE LICENCIAMENTO HABITAÇÃO UNIFAMILIAR Casal da Parada, Freguesia de Arranhó Arruda dos Vinhos PROJECTO DE LICENCIAMENTO Peças Escritas JUNHO 2011 HABITAÇÃO UNIFAMILIAR Casal da Parada, Freguesia de Arranhó Arruda dos

Leia mais

O sistema LiderA em Obra de Infraestrutura rodoviária

O sistema LiderA em Obra de Infraestrutura rodoviária O sistema LiderA em Obra de Infraestrutura rodoviária EN6 Reabilitação e Reforço da Ponte sobre a Ribeira do Jamor ao km 1+550, do muro de contenção da plataforma rodoviária da zona da Gibalta, da PS ao

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU Solicitante: 1 CASO O IMÓVEL SEJA ATINGIDO POR ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) - MARGEM DE CURSO D ÁGUA, DEVERÁ OBEDECER A LEI FEDERAL Nº 12651 - CÓDIGO FLORESTAL, DE 25 DE MAIO DE 2012. CONFORME

Leia mais

Parque de Negócios de Rio Maior

Parque de Negócios de Rio Maior Newsletter Edição de Maio de 2014 Periodicidade Bimestral Newsletter Parques de Negócios do Vale do Tejo Parque de Negócios de Rio Maior Nova fábrica do sector agro-alimentar no Parque de Negócios F oram

Leia mais

TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota

TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota TEMAS SUGERIDOS PARA PG - PROJETO DE GRADUAÇÃO Orientadores: Prof. Joaquim Mota / Profa. Magnólia M. Campêlo Mota Prezados Alunos, Estamos apresentando sugestões de temas para PG nas áreas: Engenharia

Leia mais