Equações-chave FUNDAMENTOS. Seção A. Seção E. Seção F. Seção G. mv 2. E c E P. mgh. Energia total energia cinética energia potencial, ou E E c.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equações-chave FUNDAMENTOS. Seção A. Seção E. Seção F. Seção G. mv 2. E c E P. mgh. Energia total energia cinética energia potencial, ou E E c."

Transcrição

1 Equações-chave FUNDAMENTOS Seção A 3 A energia cinética de uma partícula de massa m relaciona-se com sua velocidade v, por: E c mv 2 4 Um corpo de massa m que está a uma altura h da Terra tem energia potencial gravitacional dada por: E P mgh 5 A energia potencial de Coulomb de uma partícula de carga Q 1 colocada a uma distância r de outra partícula de carga Q 2 : 6 A energia total de uma partícula: Energia total energia cinética energia potencial, ou E E c E P Seção E 1 Número de objetos por N e a quantidade de substância (em mol) por n: N nn A 2 Massa total da amostra por m: m nm Seção F 1 Composição percentual em massa: Seção G 1 Concentração molar: 4a Volume da solução estoque inicial

2 4b A Equação 4a pode ser rearranjada: C inicial V inicial C final V final Seção M 1 Rendimento percentual de uma reação: Capítulo 1 1 A relação entre o comprimento de onda,, e a frequência, v, da radiação eletromagnética: v c 4 A energia de um fóton de radiação eletromagnética de frequência v: E hv 6 Condição de frequência de Bohr: h E superior E inferior 7b A equação de de Broglie para o comprimento de onda,, de uma partícula de momento linear p: 8 O princípio da incerteza de Heisenberg: p x 11 A energia de uma partícula de massa m em uma caixa quadrada de uma dimensão de lado L: n 1, 2,... 14b Os níveis de energia de um átomo de hidrogênio de número atômico: n 1, 2, Função de onda para um elétron em um átomo: (r,, ) R(r)Y(, ) 16 Momento angular do orbital do elétron em um átomo: Momento angular orbital {l(l 1)} 1/2 18 A função de distribuição radial para um elétron em um orbital s de um átomo P(r) 4 r 2 2 (r) 21 Energia de ionização de um elemento X: X(g) X (g) e (g) I E(X ) E(X) 22 Afinidade eletrônica de um elemento X: X(g) e (g) X (g) E ea (X) E(X) E(X )

3 Capítulo 2 1 Energia potencial de Coulomb entre dois íons isolados: 3 Equação de Born-Meyer: 4 Carga formal: CF V (L S) Capítulo 3 1 Um orbital molecular de H 2 a partir da interferência construtiva de orbitais atômicos: A1s B1s 2 Um orbital molecular de H 2 a partir da interferência destrutiva de orbitais atômicos: A1s B1s 3 A ordem de ligação para uma molécula diatômica com N elétrons nos orbitais ligantes e N* elétrons nos orbitais antiligantes: OL (N N*) 4 Um orbital molecular em uma molécula diatômica heteronuclear: C A A C B B Capítulo 4 5a Volume molar: 6 Lei dos gases ideais: PV nrt 7 Lei dos gases combinada: 10 Densidade de um gás com massa molar M: 11 Lei de Dalton da pressão parcial: P P A P B Fração molar: 14 Pressão parcial de um gás: P A x A P

4 16a Lei de Graham para dois gases, A e B, com massas molares M A e M B : 21a A raiz quadrada da velocidade quadrática média de um gás: 23 Equação de van der Waals: Capítulo 5 1 Energia potencial, E p, entre duas cargas, Q 1 e Q 2, separadas por uma distância r: 7 Energia potencial das interações dipolo-dipolo entre moléculas em rotação na fase gasosa, as interações de London e as interações dipolo-dipolo induzido: 8 Razão radial em um cristal iônico: Capítulo 7 3 Trabalho de expansão contra uma pressão externa constante: w P ex V 4 O trabalho da expansão isotérmica reversível de um gás ideal: 7 Primeira lei da termodinâmica: U q w 8 Relação entre a variação na energia interna e o calor que entra ou sai em volume constante: U q 9 Definição de entalpia: H U PV 11 Relação entre a variação na entalpia e o calor que entra ou sai em pressão constante: H q 13 Relação entre as duas capacidades caloríficas molares de um gás ideal: C P,m C V,m R

5 16 Variação de entalpia para o processo inverso: H processo inverso H processo direto 18 Entalpia de sublimação de uma substância: H sub H fus H vap 19 Relação entre a variação de entalpia e a variação de energia interna de uma reação química: H U n gás RT 20 Entalpia padrão de reação a partir das entalpias padrão de formação: 23 Lei de Kirchhoff: (produtos) H (T 2 ) H r (T 1 ) (T 2 T 1 ) C P Capítulo 8 1 Definição da variação de entropia: (reagentes) 2 A variação de entropia quando uma substância de capacidade calorífica constante, C, é aquecida de T 1 a T 2. 3a Variação de entropia de um gás ideal, quando ele se expande isotermicamente de um volume V 1 até um volume V 2 : 4 Entropia padrão de vaporização na temperatura de ebulição: Na temperatura de ebulição: 5 Entropia padrão de fusão de uma substância em seu ponto de fusão (ou de congelamento): Na temperatura de congelamento: 6 Fórmula de Boltzmann para a entropia estatística: S kln W 8 Entropia padrão de reação: S o ns o m (produtos) ns o m (reagentes) 9 Variação de entropia total para um processo:

6 10 Variação de entropia da vizinhança para um processo em um sistema com variação de entalpia H: 11a Inigualdade de Clausius: em pressão constante 12 Variação de entropia para um processo em equilíbrio: S tot 0 14 Definição da energia livre de Gibbs: G H TS 15 Variação na energia livre de Gibbs em temperatura constante: G H T S 20 Energia livre de Gibbs padrão de reação a partir das energias livres de Gibbs padrão de formação: G o n G f o (produtos) n G f o (reagentes) 21 A relação entre a energia livre de Gibbs e o trabalho de não expansão máximo: G w e, max em temperatura e pressão constantes Capítulo 9 2 Lei de Henry: s k H P 3 Definição de molalidade: 5 Lei de Raoult: P x solvente P puro 5b Expressão para a depressão do ponto de congelamento de uma solução de eletrólito: depressão do ponto de congelamento ik f molalidade 6 Equação de van't Hoff para a pressão osmótica de uma solução: irtc Capítulo 10 1b Lei de ação das massas para os gases: 2b Expressão geral para a constante de equilíbrio: a A b B c C d D

7 Para gases: a J P J /P Para solutos a J [J]/c Para sólidos e líquidos puros: a J 1 4b Energia livre de Gibbs molar de uma substância J: G m (J) G o m (J) RT ln a J 5 Variação da energia livre de Gibbs da reação com composição: G r G o r RT ln Q 8 Relação entre a energia livre de Gibbs padrão de reação e a constante de equilíbrio: G r RT ln K 12a A relação entre K e K c : 13 Equação de van't Hoff para a variação da constante de equilíbrio com a temperatura. Capítulo 11 1b Autoprotólise da água: K w [H 3 O ][OH ] 2b Definição de ph: ph log [H 3 O ] 5b Definição de poh: poh log [OH ] 6a Relação entre ph e poh: ph poh pk W 8 Constante de acidez para um ácido HA na água: 9 Constante de basicidade para uma base B na água: 10 Formas logarítmicas das constantes de acidez e de basicidade: pk a log K a pk b log K b 11a Relação entre as constantes de acidez e de basicidade de um par ácido-base conjugado: K a K b K w 11b Forma logarítmica da gangorra da conjugação: pk a pk b pk w

8 12a Porcentagem de desprotonação de um ácido HA em solução: 12b 13 Porcentagem de protonação das moléculas da base na solução: 14 ph de um sal anfiprótico: ph (pk a1 pk a2 ) Capítulo 12 1 O ph quando [HA] [A ]: ph pka 2 Equação de Henderson-Hasselbalch: 4 O ph no ponto final de um indicador In: ph pk In Capítulo 13 1 Relação entre a energia livre de Gibbs da relação e a fem da célula: G nfe 2 Relação entre a energia livre de Gibbs padrão da reação e a fem padrão da célula: G nfe 5 Constante de equilíbrio a partir do potencial padrão da célula: 6 Equação de Nernst: E E 8 Quantidade de elétrons fornecida por uma determinada carga durante a eletrólise:

9 Capítulo 14 1 A definição da velocidade de reação: Velocidade média do consumo de R, Velocidade média da formação de P 2 A velocidade média única da reação a A b B c C d D, 3 Ordem de uma reação: Para velocidade k[a] a [B] b ordem em A a, ordem em B b, ; ordem total a b 5 Lei da velocidade integrada para a velocidade de desaparecimento de A k[a]:, 7 Meia-vida de um reagente em uma reação de primeira ordem: 8 Lei da velocidade integrada para a velocidade de desaparecimento de A k[a] 2 :, 11 A constante de equilíbrio em termos de constantes de velocidade: 13 A equação Arrhenius para a dependência da temperatura de uma constante de velocidade:, 16 Velocidade média relativa dos reagentes A e B: 18 A constante da velocidade de acordo com a teoria da colisão: 19 Lei da velocidade para uma reação catalisada por enzima que ocorre pelo mecanismo de Michaelis-Menten: Velocidade de formação do produto,

10 A constante da velocidade em uma temperatura em termos do seu valor em outra temperatura: Capítulo 17 2 Lei do decaimento radioativo: Atividade velocidade de decaimento k N 3 Número de núcleos radioativos restantes após certo tempo: N N 0 e kt 4 Meia-vida de um reagente em um decaimento radioativo: 5 Equação de Einstein para a relação entre massa e energia: E mc 2 6 Relação da energia de ligação a partir da diferença de massa entre um núcleo e os núcleons separados: E lig

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26 Sumário CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1 Introdução 1 Os sistemas de medida 1 O Sistema Internacional de Unidades (SI) 1 A temperatura 2 Outras escalas de temperatura 3 O uso e o mau uso das unidades

Leia mais

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67 Prefácio 1 Introdução: matéria e medidas 1 1.1 O estudo da química 1 1.2 Classificações da matéria 3 1.3 Propriedades da matéria 8 1.4 Unidades de medida 12 1.5 Incerteza na medida 18 1.6 Análise dimensional

Leia mais

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples.

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. PROVA DE INGRESSO ANO LECTIVO 2016/2017 QUÍMICA 1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. 2. Conhecer o espectro de emissão de hidrogénio. 3. Compreender como os resultados do estudo

Leia mais

Fundamentos de Química

Fundamentos de Química FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências Equilíbrio Químico FCiências Reações em

Leia mais

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES INTERAÇÕES INTERMOLECULARES Serão abordados: as forças íon-dipolo, dipolo-dipolo, dispersão de London e ligação de hidrogênio e a relação entre propriedade física e interação intermolecular. As partículas

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/07/10 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,14

Leia mais

O processo de dissolução

O processo de dissolução SOLUBILIDADE Sabemos que um soluto altera as propriedades do solvente. Solução sólida: silício dopado com fósforo eletrônica. indústria Sal sobre o gelo abaixa o ponto e congelamento se a temperatura é

Leia mais

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake 2. Introdução: Conceitos e cálculos fundamentais (Estequiometria; Concentrações) 1 Lei das proporções definidas (Lei de Proust) Em uma substância química, os elementos estão sempre presentes em proporções

Leia mais

Estudo Físico-Químico dos Gases

Estudo Físico-Químico dos Gases Estudo Físico-Químico dos Gases Prof. Alex Fabiano C. Campos Gás e Vapor Diagrama de Fase Gás Vapor Gás: fluido elástico que não pode ser condensado apenas por aumento de pressão, pois requer ainda um

Leia mais

Lista de exercícios 2 QB70D

Lista de exercícios 2 QB70D Lista de exercícios 2 QB70D 1) Suponha que você jogue uma bola de tênis para o alto. (a) A energia cinética da bola aumenta ou diminui à medida que ela ganha altitude? (b) O que acontece com a energia

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach Imagens de Rorschach 1 Leis de velocidade Velocidade de uma reação química: Variação de reagentes / produtos em função do tempo: a A+ b B produtos v = k [A] x [B] y Lei de velocidade k: constante de velocidade

Leia mais

Estudo Físico-Químico dos Gases

Estudo Físico-Químico dos Gases Estudo Físico-Químico dos Gases Prof. Alex Fabiano C. Campos Fases de Agregação da Matéria Sublimação (sólido em gás ou gás em sólido) Gás Evaporação (líquido em gás) Condensação (gás em líquido) Sólido

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Química Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica Seleção ao Curso de Mestrado 2015/II

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Química Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica Seleção ao Curso de Mestrado 2015/II Universidade Federal de Viçosa Departamento de Química Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica Seleção ao Curso de Mestrado 2015/II Número do(a) Candidato(a) (Campo reservado para a comissão

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Princípios de Físico Química Curso: Farmácia 1º semestre de 2011 Quartas / Quintas: 9:30 11:30 Prof. Dr. Marcio Vidotti www.quimica.ufpr.br/mvidotti mvidotti@ufpr.br criação de modelos CQ110 : Princípios

Leia mais

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA Profa. Dra. Luciana Maria Saran 1 1.TERMODINÂMICA Compreende o estudo da energia e suas transformações. Em grego, thérme-; calor, dy namis, energia. Termoquímica: área

Leia mais

PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA DA PROVA ESPECÍFICA FÍSICA/QUÍMICA

PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA DA PROVA ESPECÍFICA FÍSICA/QUÍMICA PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA DA PROVA ESPECÍFICA FÍSICA/QUÍMICA 2012 Componente de Física 1. Mecânica da Partícula 1.1 Cinemática e dinâmica da partícula em movimento

Leia mais

DISCIPLINA DE QUÍMICA

DISCIPLINA DE QUÍMICA DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª série Traduzir linguagens químicas em linguagens discursivas e linguagem discursiva em outras linguagens usadas em Química tais como gráficos, tabelas e relações matemáticas,

Leia mais

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake Bloco 2. Soluções. Equilíbrio químico em solução aquosa 2.1 Ácidos e bases 1 Bibliografia - Exercícios selecionados Exercícios retirados dos seguintes livros-texto: J.E. Brady, G.E. Humiston. Química Geral,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO: Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1

IDENTIFICAÇÃO: Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1 Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1 Determine o volume molar (em unidades de L mol 1 ) e o fator de compressibilidade Z do vapor saturado de água à pressão de 1,00 bar e temperatura

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03/12/05

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03/12/05 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03//05 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol - K - = 8,34 J

Leia mais

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos 2016 QUÍMICA Conteúdos Programáticos MATERIAIS - Origem - Constituição e composição dos materiais: - Constituição

Leia mais

Aula de Bioquímica I. Tema: Água. Prof. Dr. Júlio César Borges

Aula de Bioquímica I. Tema: Água. Prof. Dr. Júlio César Borges Aula de Bioquímica I Tema: Água Prof. Dr. Júlio César Borges Depto. de Química e Física Molecular DQFM Instituto de Química de São Carlos IQSC Universidade de São Paulo USP E-mail: borgesjc@iqsc.usp.br

Leia mais

EDITAL DE TURMA ESPECIAL

EDITAL DE TURMA ESPECIAL Edital N 0132 2016. Cacoal, 31 de Outubro de 2016. EDITAL DE TURMA ESPECIAL A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal FACIMED, no uso de suas atribuições legais, e tendo presente o disposto no Art.

Leia mais

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados:

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Modelos Atômicos Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Os elétrons giram, ao redor do núcleo, somente em determinadas órbitas permitidas e com energia quantizada. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Os

Leia mais

CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS

CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS Turno: Integral Currículo 2014 Período 1º Período Tipo Obrigatória Teórica 72 horas CURSO: FARMÁCIA INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Química Fundamental Carga Horária Prática ----- Habilitação /

Leia mais

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato 1) (1,0 ponto) a) Como é definido o fator de compressibilidade, Z, de um gás? b) Qual

Leia mais

Entalpia. O trabalho realizado por esta reação é denominado trabalho de pressão-volume (trabalho PV)

Entalpia. O trabalho realizado por esta reação é denominado trabalho de pressão-volume (trabalho PV) Entalpia As reações químicas podem absorver ou liberar calor e também podem provocar a realização de trabalho. Quando um gás é produzido, ele pode ser utilizado para empurrar um pistão: Zn(s) + 2H + (aq)

Leia mais

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular)

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Os conteúdos conceituais de Química estão distribuídos em 5 frentes. Química Extensivo A)Meio ambiente; estrutura atômica; Classificação

Leia mais

Propriedades Coligativas

Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas Propriedades Coligativas São propriedades que se somam pela presença de um ou mais solutos e dependem única e exclusivamente do número de partículas (moléculas ou íons) que estão

Leia mais

Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras

Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras 1. A condição de estabilidade Inicialmente precisamos estabelecer a importância da energia de Gibbs molar na discussão das transições de fase. A energia de

Leia mais

QUÍMICA. Professores: Andréia, Herval, Thiago

QUÍMICA. Professores: Andréia, Herval, Thiago QUÍMICA Professores: Andréia, Herval, Thiago Comentário Geral A prova de química deste ano foi abrangente, porém, infelizmente, faltaram alguns assuntos relevantes: atomística, tabela periódica, hibridação

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Termodinâmica A primeira Lei

Termodinâmica A primeira Lei Departamento de Química e Bioquímica Termodinâmica A primeira Lei Cap. 7 Atkins FUNDAMENTOS DE QUÍMICA Termodinâmica Estudo das transformações de energia entre as suas diferentes formas Sistema + Vizinhança

Leia mais

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM MÓDULO 1 Atomística Tabela Periódica Cálculos Químicos: Grandezas Químicas Cálculos Químicos: Fórmulas Químicas Ligações Químicas Química Orgânica I Estudo da Matéria

Leia mais

Química 4 Módulo 5. Módulo 6 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA CLASSIFICAÇÃO DOS ELEMENTOS

Química 4 Módulo 5. Módulo 6 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA CLASSIFICAÇÃO DOS ELEMENTOS Química 4 Módulo 5 CLSSIFICÇÃO PERIÓDIC Elementos de um mesmo grupo ou família apresentam o mesmo número de elétrons na última camada Em 93, o inglês Henry G J Moseley (884-95 estabeleceu o conceito de

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K) =

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

A Primeira Lei da Termodinâmica. Energia. U = variação na energia de um sistema U = U final -U inicial

A Primeira Lei da Termodinâmica. Energia. U = variação na energia de um sistema U = U final -U inicial Química Aplicada à Engenharia Civil Termodinâmica Química Continuação Profa. Geisamanda Pedrini Brandão Athayde Revisão Calor Sistema ganha calor Æ q > 0 Æ Processo Endotérmico Sistema perde calor Æ q

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES

MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES MUDANÇA DE ESTADO ROMPIMENTO DE FORÇAS INTERMOLECULARES DEFORMAÇÃO DA NUVEM ELETRÔNICA EFEITO COLISÃO = CHOQUE ///// EFEITO INDUÇÃO = VARIAÇÃO ELÉTRICA DIPOLO INDUZIDO FORÇAS DE LONDON ///// DIPOLO INSTANTÂNEO

Leia mais

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas: São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química,

Leia mais

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC)/2015.2

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC)/2015.2 Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Programa de Pós-Graduação em Química Caixa Postal 12.200 Tel. (085)3366.9981 CEP 60.450-970 Fortaleza - Ceará - Brasil EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA

Leia mais

Gases. 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação?

Gases. 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação? Capítulo 2 Gases 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação? Van der Waals verificou que o fato do gás real não se comportar como o gás ideal é

Leia mais

TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2

TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2 PROPRIEDADES DAS SUBSTÂNCIAS PURAS SUMÁRIO Neste capítulo o conceito de substância pura é introduzido e as várias fases, bem como as propriedades físicas dos processos

Leia mais

29/2/2008. Interações intermoleculares

29/2/2008. Interações intermoleculares Química 2 ano Forças Intermoleculares Décio Helena Fev/08 O tipo de interação existente entre as moléculas e/ou íons definem algumas propriedades importantes das substâncias, como o estado físico, temperaturas

Leia mais

MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS

MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Elementos químicos e sua organização Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 10º Ano Planificação Anual 201-2016 Física

Leia mais

Resolução de Química UFRGS / 2012

Resolução de Química UFRGS / 2012 26. Resposta C Resolução de Química UFRGS / 2012 Água super-resfriada é água líquida em temperatura abaixo do seu ponto de congelamento. Geralmente ocorre num resfriamento lento e sem agitação onde qualquer

Leia mais

Química 2º Ano. Professora Cristina Lorenski Ferreira

Química 2º Ano. Professora Cristina Lorenski Ferreira Química 2º Ano Professora Cristina Lorenski Ferreira 2016 1 GEOMETRIA MOLECULAR POLARIDADE DAS MOLÉCULAS INTERAÇÕES INTERMOLECULARES PROFESSORA CRISTINA LORENSKI FERREIRA 2 ALGUNS QUESTIONAMENTOS Como

Leia mais

Solução Comentada Prova de Química

Solução Comentada Prova de Química Solução Comentada rova de Química 34. A formulação da Tabela eriódica Moderna só foi possível devido à contribuição de vários cientistas no entendimento das propriedades dos elementos. or exemplo, os estudos

Leia mais

C m Q C T T 1 > T 2 T 1 T 2. 1 cal = 4,184 J (14,5 o C p/ 15,5 o C) 1 Btu = 252 cal = 1,054 kj

C m Q C T T 1 > T 2 T 1 T 2. 1 cal = 4,184 J (14,5 o C p/ 15,5 o C) 1 Btu = 252 cal = 1,054 kj A teoria do calórico (~1779) Para atingir o estado de equilíbrio térmico, T 1 T 2 T 1 > T 2 -Substância fluida - invisível - peso desprezível T a quantidade de calórico Esta teoria explicava um grande

Leia mais

Cinética Química. c) A opção (C) está correta. B 3+ e B 4+ não aparecem na reação global, portanto, são intermediários da reação.

Cinética Química. c) A opção (C) está correta. B 3+ e B 4+ não aparecem na reação global, portanto, são intermediários da reação. Capítulo 6 Cinética Química 1. (ITA) Considere o seguinte mecanismo de reação genérica: A 4+ + B 2+ A 3+ + B 3+ (etapa lenta) A 4+ + B 3+ A 3+ + B 4+ (etapa rápida) C + + B 4+ C 3+ + B 2+ (etapa rápida)

Leia mais

Forças intermoleculares

Forças intermoleculares Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio As ligações de hidrogênio são responsáveis pela: Flutuação do gelo

Leia mais

Entropia e energia livre de Gibbs. Prof. Leandro Zatta

Entropia e energia livre de Gibbs. Prof. Leandro Zatta Entropia e energia livre de Gibbs Prof. Leandro Zatta 1 Segunda e a terceira leis Ideias importantes Sentido Natural Desordem Medido por Energia livre de Gibbs 2 Chave para compreensão da ocorrência ou

Leia mais

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF Parte da química que estuda a rapidez das reações Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois

Leia mais

ÁTOMO: núcleo muito pequeno composto por prótons e nêutrons, que é circundado por elétrons em movimento;

ÁTOMO: núcleo muito pequeno composto por prótons e nêutrons, que é circundado por elétrons em movimento; 1.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS ÁTOMO: núcleo muito pequeno composto por prótons e nêutrons, que é circundado por elétrons em movimento; Elétrons e prótons são eletricamente carregados: 1,60 x 10-19 C; Elétrons:

Leia mais

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA FOLHA DE DADOS

COMENTÁRIO DA PROVA FOLHA DE DADOS 1 COMENÁRIO DA PROVA FOLHA DE DADOS Constantes: Constante de Faraday = 965 C. mol 1 R = 2, cal. mol 1. K 1 = 8,314. mol 1. K 1 =,82 atm. L. mol 1. K 1 K w = 1, x 1 14, a 25 ºC. log 2 =,3 log 3 =,48 log

Leia mais

2.2.1 Efeito Hall e Magnetoresistência Condutividade Elétrica AC Corrente Elétrica em um Campo Magnético

2.2.1 Efeito Hall e Magnetoresistência Condutividade Elétrica AC Corrente Elétrica em um Campo Magnético Conteúdo 1 Revisão de Física Moderna 1 1.1 Equação de Schrödinger; Autoestados e Valores Esperados.. 1 1.2 O Poço de Potencial Innito:Quantização da Energia.............................. 7 1.3 O Oscilador

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba. Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Programa de Pós-graduação em Química

Universidade Federal da Paraíba. Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Programa de Pós-graduação em Química Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Programa de Pós-graduação em Química PROVA DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

Leia mais

SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS

SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA EEL/USP TERMODINÂMICA QUÍMICA PROF. ANTONIO CARLOS DA SILVA SOLUÇÕES - SOLUÇÃO IDEAL E AS PROPRIEDADES COLIGATIVAS 1. TIPOS DE SOLUÇÕES Solução é uma mistura homogênea de

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

TEORIAS ATÔMICAS. Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807)

TEORIAS ATÔMICAS. Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807) TEORIAS ATÔMICAS Átomo Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807) 1. Os elementos são constituídos por partículas extremamente pequenas chamadas átomos; 2. Todos os átomos

Leia mais

UNIFESO - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos. ÁGUA, ph E TAMPÕES

UNIFESO - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos. ÁGUA, ph E TAMPÕES UNIFES - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos ÁGUA, p E TAMPÕES ÁGUA É uma substância essencial para o organismo. Todas as reações bioquímicas ocorrem em meio aquoso. É uma substância

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2012 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização DEPARTAMENTO DE FÍSICA-QUÍMICA DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA A - 11º ANO OBJETIVOS / CONTEÚDOS... 1º PERÍODO Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização 1. MECÂNICA (FÍSICA) 1.1. Tempo, posição

Leia mais

Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia

Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia Sistemas Em termodinâmica, o universo é formado

Leia mais

Resolução UNIFESP 2015

Resolução UNIFESP 2015 Resolução UNIFESP 2015 1-Utilizando o aparato indicado na figura, certo volume de solução aquosa de sulfato de cobre(ii) hidratado foi colocado dentro do béquer. Quando o plugue foi conectado à tomada

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08 2 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Quão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821 atm L

Leia mais

PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DO ELÉTRON

PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DO ELÉTRON MODELO QUÂNTICO PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DO ELÉTRON EINSTEIN: usou o efeito fotoelétrico para demonstrar que a luz, geralmente imaginada como tendo propriedades de onda, pode também ter propriedades de

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Cinética Química Lei de Velocidade Integrada Mostra a variação das concentrações

Leia mais

Número atômico de A = número atômico de B = 18

Número atômico de A = número atômico de B = 18 61 e QUÍMICA O elemento químico B possui 20 nêutrons, é isótopo do elemento químico A, que possui 18 prótons, e isóbaro do elemento químico C, que tem 16 nêutrons Com base nessas informações, pode-se afirmar

Leia mais

Sumário. Unidade II Propriedades dos materiais 40. Introdução ao estudo da Química 14. Unidade I. Capítulo 2 Unidades de medida...

Sumário. Unidade II Propriedades dos materiais 40. Introdução ao estudo da Química 14. Unidade I. Capítulo 2 Unidades de medida... Sumário Unidade I Capítulo 1 Introdução ao estudo da Química 14 Química: objeto de estudo e aplicações... 16 1. Química: a ciência que estuda a matéria... 17 Matéria... 17 Características da matéria...

Leia mais

Cinética. Módulo I - Físico Química Avançada. Profa. Kisla P. F. Siqueira

Cinética. Módulo I - Físico Química Avançada. Profa. Kisla P. F. Siqueira Cinética Módulo I - Físico Química vançada Profa. Introdução Estudo das velocidades das reações químicas; Velocidade em função das concentrações das espécies presentes; Leis de velocidade: equações diferenciais;

Leia mais

TEORIA DO ESTADO ESTACIONÁRIO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL.

TEORIA DO ESTADO ESTACIONÁRIO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL. EXERCÍCIOS SOBRE: TEORIA DA COLISÃO, TEORIA DO ESTADO ESTACIONÁRIO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL. Glauber Silva Godoi META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair os parâmetros cinéticos de uma reação

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

Aula 09: Termodinâmica. Disciplina: Química I (106201) Data: 25 / 07 / 11 1

Aula 09: Termodinâmica. Disciplina: Química I (106201) Data: 25 / 07 / 11 1 Aula 09: Termodinâmica Disciplina: Química I (106201) Data: 25 / 07 / 11 1 Etimologia Aspectos iniciais Variáveis Unidades: J (joule), cal (caloria), BTU, 2 Aspectos iniciais Etimologia Estudo da composição

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/11/13

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/11/13 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30//3 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 0,0 Constantes e equações: F = 96500 C mol - 273,5 K

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física

Universidade de São Paulo Instituto de Física Universidade de São Paulo Instituto de Física FEP - FÍSICA II para o Instituto Oceanográfico º Semestre de 009 Sexta Lista de Exercícios a. Lei da Termodinâmica e Teoria Cinética dos Gases ) Uma máquina

Leia mais

LIGAÇÃO COVAL COV AL NT

LIGAÇÃO COVAL COV AL NT LIGAÇÃO COVALENTE INTRODUÇÃO Resulta do compartilhamento de elétrons. Ex: H 2 Os dois átomos de hidrogênio se aproximam devido à força de atração que depois de determinada distância diminuem surgindo as

Leia mais

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36 1ª QUESTÃO Valor 1,0 Uma lâmpada é colocada no fundo de um recipiente com líquido, diretamente abaixo do centro de um cubo de cortiça de 10 cm de lado que flutua no líquido. Sabendo que o índice de refração

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 MODELOS ATÔMICOS E A VELHA TEORIA QUÂNTICA Edição de junho de 2014 CAPÍTULO 3 MODELOS ATÔMICOS E A VELHA TEORIA QUÂNTICA ÍNDICE 3.1-

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2016, 2.ª Fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2016, 2.ª Fase, versão 1 Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A, 2.ª Fase, 2016 Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2016, 2.ª Fase, versão 1, 22 de julho de 2016 Exame

Leia mais

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml.

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml. Unesp 1-Em 2013 comemora-se o centenário do modelo atômico proposto pelo físico dinamarquês Niels Bohr para o átomo de hidrogênio, o qual incorporou o conceito de quantização da energia, possibilitando

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam.

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam. Cinética Química...? Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciência e Tecnologia groalimentar Profª Roberlucia Candeia Disciplina: Química geral É o estudo da velocidade das reações químicas

Leia mais

Propriedades das Soluções

Propriedades das Soluções Propriedades das Soluções Prof. Alex Fabiano C. Campos O Processo de Dissolução Uma solução é uma mistura homogênea de soluto(presente em menor quantidade de mols) e solvente(presente em maior quantidade

Leia mais

Deve-se esperar uma redução na velocidade de rotação do hidrômetro em dias frios.

Deve-se esperar uma redução na velocidade de rotação do hidrômetro em dias frios. 01. Considere que dez litros de cada um dos seguintes gases estão nas mesmas condições de pressão e temperatura: PH 3, C 2 H 6 O, H 2, NH 3, Ne, Cl 2 e SO 2. A alternativa que apresenta corretamente os

Leia mais

Dois exercícios desta lista entrarão na primeira prova teórica

Dois exercícios desta lista entrarão na primeira prova teórica Dois exercícios desta lista entrarão na primeira prova teórica 01. Quais são os três estados físicos da matéria? Quais as diferenças entre eles do ponto de vista de movimentação de moléculas e interações

Leia mais

Teoria dos Orbitais Moleculares. Prof. Fernando R. Xavier

Teoria dos Orbitais Moleculares. Prof. Fernando R. Xavier Teoria dos Orbitais Moleculares Prof. Fernando R. Xavier UDESC 013 Antecedentes... A teoria de ligação de valência (TLV) não cosnsegue explicar com eficiência a formação de moléculas poliatômicas. Uma

Leia mais

PAG Química Cinética 1.

PAG Química Cinética 1. 1. 2. 3. errata: a reação é em mais de uma etapa, os gráficos devem apresentar pelo menos duas!! 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaixo é correta ou não, para reações químicas que ocorrem

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Sistemas a Pressão Constante Quando o volume do sistema não é constante,

Leia mais

Tabela Periódica dos Elementos

Tabela Periódica dos Elementos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Química EXAME SELETIVO PARA INGRESSO

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte. Esta aula tratará de gases e termodinâmica:

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte. Esta aula tratará de gases e termodinâmica: Esta aula tratará de gases e termodinâmica: Estudando a matéria, os cientistas definiram o mol. Um mol corresponde a 6,02. 10 " unidades de algo, número conhecido por N A, número de Avogadro. A importância

Leia mais

. (Um agente oxidante comumente formado nas células aeróbias)

. (Um agente oxidante comumente formado nas células aeróbias) Pense: Qual seria a distribuição de elétrons no íon superóxi-ânion? O 2. (Um agente oxidante comumente formado nas células aeróbias) Onde estudar?? Atkins e Jones, Princípios de Química, Cap. 3>> p. 93-131

Leia mais

1.5. Ácidos e Bases (Bibliografia Principal: Brown, 2nd) Primeira Definição: Arrhenius (1884)

1.5. Ácidos e Bases (Bibliografia Principal: Brown, 2nd) Primeira Definição: Arrhenius (1884) 1.5. Ácidos e Bases (Bibliografia Principal: Brown, 2nd) i) Reações orgânicas são catalisadas por: a) ácidos doadores de prótons (Ex: H 3 O + ) b) ácidos de Lewis (Ex: AlCl 3 ) ii) Muitas reações em química

Leia mais

1 de 6 01/11/12 11:08

1 de 6 01/11/12 11:08 OLIMPÍADA BRASILEIRA DE QUÍMICA 2001 - FASE III (nacional) Seletiva para escolha dos 4 estudantes da equipe nacional PROBLEMA 1 Modelo atômico de Bohr As teorias são construções nascidas da especulação

Leia mais

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência.

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência. 13 QUÍMICA A posição dos elementos na Tabela Periódica permite prever as fórmulas das substâncias que contêm esses elementos e os tipos de ligação apropriados a essas substâncias. Na Tabela Periódica atual,

Leia mais

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA/ MESTRADO

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA/ MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA/2016.1

Leia mais

Química. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente 2, quais os valores de pk a2 e pk a3?

Química. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente 2, quais os valores de pk a2 e pk a3? Química 01. O gráfico a seguir representa a variação do p de 50 ml de uma solução aquosa de um ácido 3 X em função do volume de NaO 0,30 moll -1 adicionado. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente

Leia mais

QUÍMICA. CO (g) + 2H 2 (g) CH 3 OH(g) 1M 2M 0 1M x 2M 2x 0 + x 0,5M 1M 0,5M PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 05 RESPOSTA: 29 - NÍVEL FÁCIL

QUÍMICA. CO (g) + 2H 2 (g) CH 3 OH(g) 1M 2M 0 1M x 2M 2x 0 + x 0,5M 1M 0,5M PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 05 RESPOSTA: 29 - NÍVEL FÁCIL PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS É uma forma de os professores do Colégio Platão contribuírem com seus alunos, orientando-os na resolução das questões do vestibular da UEM. Este caderno ajuda o vestibulando

Leia mais