Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural"

Transcrição

1 Cultura, Turismo e Patrimônio Cultural

2 Perspectivas do Plano Municipal de Cultura - PMC O Plano Municipal de Cultura de São Luís (PMC-São Luís) foi concebido e trabalhado durante o ano de 2012, tendo sido finalizado em 2013, após diversas tentativas de mobilização e articulação das linguagens artísticas e segmentos da diversidade cultural. Este documento é, portanto, resultado da ação conjunta entre Prefeitura de São Luís, por meio da então Fundação Municipal de Cultura - FUNC e a sociedade civil, uma vez que foram realizados seminários, encontros e consulta pública na internet, mecanismos que permitiram a discussão e a colaboração coletiva. Em janeiro de 2015 foi aprovado o Sistema Municipal de Cultura de São Luís pela Câmara Municipal de São Luís, sendo criada a secretaria Municipal de Cultura em dezembro de 2015.

3 Plano Municipal de Cultura PMC principais metas relacionadas ao patrimônio cultural Meta 15: 400 (quatrocentos) Pontos de Cultura em funcionamento até Os Pontos de Cultura são unidades de produção, recepção e disseminação cultural em comunidades localizadas fora dos circuitos tradicionais e que desenvolvem ações de impacto sociocultural. Recebem apoio técnico e financeiro do governo federal, estadual e municipal e promovem o acesso à cultura e cidadania e o reconhecimento das manifestações culturais locais. Em São Luís existem atualmente 26 Pontos de Cultura conveniados com o Governo do Estado do Maranhão e seis conveniados com o Ministério da Cultura, totalizando 32 pontos de cultura na Cidade.

4 Meta 20: 100 profissionais da área de patrimônio beneficiados anualmente, a partir de 2014, com incentivos para pesquisa, formação, produção e difusão do conhecimento sobre o patrimônio cultural de São Luís. A proteção do patrimônio cultural é um dever de todo cidadão, com a colaboração do poder público e da iniciativa privada por meio de inventários, registros, tombamentos e outras formas de preservação. O incentivo à pesquisa e à promoção de cursos, em parceria com instituições e órgãos públicos, é uma importante iniciativa para educar a sociedade no sentido de garantir às gerações futuras suas referências históricas e o fortalecimento de suas raízes culturais. No momento, grande parte da pesquisa, formação, produção e difusão do conhecimento sobre patrimônio cultural em São Luís é desenvolvida no âmbito dos programas de pós-graduação das IES e universidades.

5 Meta 21: 100% das escolas municipais e comunitárias com 05 (cinco) atividades e projetos anuais de educação patrimonial até A Educação Patrimonial é uma forma de despertar no indivíduo o sentimento de pertencimento para reconhecimento e defesa do patrimônio material e imaterial de sua cidade. Portanto, é dever da escola valorizar conteúdos sobre a cultura local, destacando as linguagens artísticas e o patrimônio cultural, contribuindo assim para a formação da cidadania cultural de alunos da rede pública municipal. A Educação Patrimonial em São Luís acontece de forma pontual, precisamente no mês de setembro, por ocasião do aniversário da cidade, em ações desenvolvidas em parceria com a Secretaria Municipal de Educação SEMED e a Fundação Municipal do Patrimônio Histórico FUMPH.

6 Meta 22: 02 (dois) projetos anuais de restauro do patrimônio edificado do Centro Histórico de São Luís a partir de O primeiro passo para uma política de preservação do patrimônio de São Luís é a criação, regulamentação e funcionamento do Sistema Municipal de Patrimônio Cultural e a subsequente adesão ao Sistema Nacional de Patrimônio Cultural. Em relação ao patrimônio edificado de São Luís, faz-se necessário desenvolver uma severa e eficaz política de preservação do acervo arquitetônico, por meio de convênios com os governos federal e estadual, para implantação de mecanismos de apoio, incentivo e fomento ao setor. Atualmente, alguns imóveis da área reconhecida como Centro Histórico de São Luís foram contemplados no PAC-Cidades Históricas, por meio da interposição de projetos junto ao MINC e IPHAN pela FUMPH. Dentre esses imóveis, foram reformados e restaurados o prédio do Teatro Cidade de São Luís e o Centro de Referência Azulejar, que abrigará a Escola de Restauro de São Luís do Maranhão.

7 Meta 23: 30 (trinta) projetos de incentivo e financiamento municipal por ano para a área de patrimônio cultural material e imaterial até A diferença entre Patrimônio Material (cal e pedra) e Patrimônio Imaterial (saberes, celebrações e formas de expressão) é pautada nos valores e significados atribuídos a estes patrimônios pelas coletividades. Assim, é possível dizer que todo patrimônio cultural é, em última instância, imaterial, pois significados e valores são de natureza imaterial ou intangível. No município existe uma relação contratual entre o órgão gestor e as manifestações artístico-culturais. É importante superar essa realidade e estabelecer uma nova relação, que envolva o incentivo e apoio ao patrimônio cultural de São Luís.

8 Meta 25: 80% dos professores da rede pública municipal e comunitária capacitados na área de educação patrimonial (material e imaterial) até A Educação Patrimonial é um instrumento de alfabetização cultural que contribui para a elevação da autoestima dos indivíduos e comunidades e valorização da cultura. A formação continuada de professores é uma forma de aproximá-los da criação e produção artístico-cultural, preparando-os para a transmissão de conhecimentos culturais na sala de aula. Atualmente não são promovidos cursos de formação técnica nesta área nas redes estadual e municipal de ensino.

9 Meta 34: 600 (seiscentos) jovens atendidos com Projetos de Cultura e Turismo até A formação cultural de jovens em São Luís deverá envolver ações de desenvolvimento cidadão e profissional. O que se espera do gestor municipal da cultura é exatamente a consecução de projetos que tenham como foco a inclusão dos jovens ludovicenses no universo cultural e profissional da cidade. Atualmente, as secretarias municipais de Turismo e da Criança e Assistência Social desenvolvem atividades voltadas para o público jovem masculino e feminino, atendendo principalmente aqueles que se encontram em situação de rua e de risco social. Quem participa desse programa é aproveitado como guia/condutor de museus, igrejas e outros espaços. No momento, esta é a única iniciativa do poder público municipal voltada para formação de jovens na área de cultura (turismo cultural).

10 Projetos da Fundação Municipal de Cultura relacionados ao Turismo e ao Patrimônio Cultural Imaterial Carnaval São João Feira do Livro Salão de Artes Visuais Concurso Literário Rede São Luís de Pontos de Cultura Punga de Saberes

11 Qual Reflexões o modelo e Críticas Qual o modelo de cultura adequado para o Turismo? Tradição Patrimônio Material e Imaterial Institucionalização da Cultura Espetacularização da Cultura

12 https://secultsl.wordpress.com/

1. Legislação federal referente à cultura no Brasil

1. Legislação federal referente à cultura no Brasil 1. Legislação federal referente à cultura no Brasil Emenda Constitucional 48/2005: cria o Plano Nacional de Cultura LEI Nº 12.343/2010- Aprova o Plano Nacional de Cultura e estabelece o Sistema Nacional

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura Foco: Impactos da Emenda Constitucional do SNC na organização

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura

Sistema Nacional de Cultura Sistema Nacional de Cultura O Sistema Nacional de Cultura (SNC) é um instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura entre os entes federados e a sociedade civil. Seu principal objetivo

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA ATENÇÃO ARTISTAS, GRUPOS, PRODUTORES CULTURAIS E DEMAIS REALIZADORES! FORAM LANÇADOS OS EDITAIS PROAC 2014. ACOMPANHE AS NOVIDADES DESTA EDIÇÃO! Ficha de inscrição online: disponível no site da Secretaria

Leia mais

REDE DE PONTOS DE CULTURA DE GOVERNADOR VALADARES - MG

REDE DE PONTOS DE CULTURA DE GOVERNADOR VALADARES - MG TÍTULO DO PROJETO Área Predominante: (Marque um x nas áreas que seu projeto mais se identifica) CULTURAS POPULARES ( ) Tradição Oral ( ) Artesanato ( ) Manifestações culturais ( ) Contador de Histórias

Leia mais

DE INÍCIO: MÊS/ANO DE TÉRMINO:

DE INÍCIO: MÊS/ANO DE TÉRMINO: Página 1 PROGRAMA: QUALIDADE DO ENSINO FUNDAMENTAL OBJETIVO: Assegurar a igualdade nas condições de acesso, permanência e êxito dos alunos matriculados no Ensino Fundamental. PUBLICO ALVO: Alunos do Ensino

Leia mais

e educação de jovens e adultos

e educação de jovens e adultos Formação de neoleitores e educação de jovens e adultos Tancredo Maia Filho III Fórum do Plano Nacional do Livro e Leitura III Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias 20 de agosto

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospital localizados no Município. População

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

Perfil do Município IDHM. População. Renda per capita em R$ 0, hab. 593,90. Fonte: PNUD, Ipea e FJP

Perfil do Município IDHM. População. Renda per capita em R$ 0, hab. 593,90. Fonte: PNUD, Ipea e FJP IDHM 0,717 População Perfil do Município 700.000 hab. Renda per capita em R$ 593,90 Fonte: PNUD, Ipea e FJP Regionalização da Gestão Mapa dos Quatro Eixos Igualdade Competitividade Habitabilidade Modernidade

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

Projeto de Lei n.º 253/XIII Isenta de IVA a doação de bens móveis a museus da Rede Portuguesa de Museus

Projeto de Lei n.º 253/XIII Isenta de IVA a doação de bens móveis a museus da Rede Portuguesa de Museus Projeto de Lei n.º 253/XIII Isenta de IVA a doação de bens móveis a museus da Rede Portuguesa de Museus A Rede Portuguesa de Museus é composta por 146 museus, cuja diversidade de coleções, de instalações,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 PROGRAMA: ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO OBJETIVO: Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospitais localizados no

Leia mais

ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO

ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO O esporte é uma via privilegiada para o desenvolvimento humano. Por meio do esporte, as crianças e jovens têm oportunidade de desenvolver valores, atitudes e competências

Leia mais

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012.

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012. LEI Nº 11.226, DE 5 DE MARÇO DE 2012. Institui o Plano Municipal do Livro e da Leitura (PMLL) no Município de Porto Alegre, cria o Conselho Municipal do Livro e da Leitura (CMLL) e dá outras providências.

Leia mais

EXPERIÊNCIA EM RESTAURAÇÃO: ANTIGO CASTELINHO DE PANAMBI RS.

EXPERIÊNCIA EM RESTAURAÇÃO: ANTIGO CASTELINHO DE PANAMBI RS. EXPERIÊNCIA EM RESTAURAÇÃO: ANTIGO CASTELINHO DE PANAMBI RS. Uma parceria entre autores do projeto, Prefeitura de Panambi e comunidade interessada. PLANEJAMENTO, URBANISMO E APROPRIAÇÃO SOCIAL NA PRESERVAÇÃO

Leia mais

Pronunciamento do Secretário Sergio Mamberti na IV Conferência de Educação e Cultura na Câmara dos Deputados (*)

Pronunciamento do Secretário Sergio Mamberti na IV Conferência de Educação e Cultura na Câmara dos Deputados (*) POLÍTICAS PÚBLICAS: CULTURA E DIVERSIDADE Pronunciamento do Secretário Sergio Mamberti na IV Conferência de Educação e Cultura na Câmara dos Deputados (*) O conceito de Diversidade Cultural é fator fundamental

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - 1. Número e Título do Projeto: BRA 09/004 - Aprimoramento

Leia mais

Carta do Rio de Janeiro. Políticas Públicas Culturais para Inclusão de Pessoas com Deficiência

Carta do Rio de Janeiro. Políticas Públicas Culturais para Inclusão de Pessoas com Deficiência Carta do Rio de Janeiro Políticas Públicas Culturais para Inclusão de Pessoas com Deficiência "Sob o olhar do outro estamos expostos à idéia de que o reconhecimento é baseado na diferença e semelhança.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. DE O CONGRESSO NACIONAL decreta,

PROJETO DE LEI Nº. DE O CONGRESSO NACIONAL decreta, CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº. DE 2015. (Do Senhor Luiz Lauro Filho) Cria a Política Nacional de Combate à Dengue, a Chikungunya e à febre Zika O CONGRESSO NACIONAL decreta, Art. 1º - A Política

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho Avaliação e Monitoramento do PME Professora Marcia Adriana de Carvalho TEMAS 1 Por que avaliar e monitorar o PME 2 Qual a diferença entre avaliar e monitorar 3 4 Como definir plano de ações para o período

Leia mais

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES):

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi CAPÍTULO I DA FINALIDADE E CONSTITUIÇÃO Art. 1º - Ora em diante, o denominado GEPNuDi Grupo de Estudos e Pesquisa em Nutrição e Dietética

Leia mais

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro Prefeitura de São Paulo União Européia Histórico do Projeto Cooperação técnica bilateral da Prefeitura de São Paulo com a União Européia com duração de quatro

Leia mais

Violência gerada pela veiculação de bens de consumo versus sociedade

Violência gerada pela veiculação de bens de consumo versus sociedade Violência gerada pela veiculação de bens de consumo versus sociedade Maria Beatriz Corrêa Salles Coordenadora Geral de Assuntos Jurídicos Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Contexto Expansão

Leia mais

Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos

Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos JoelSaade Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos Guarulhos Agosto/2016 1. introdução Este documento reflete a Proposta de Gestão, conforme exigência

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa.

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa. CTC - CENTRO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS MISSÃO DA UNIDADE: O Centro de Tecnologia e Ciências tem seu objetivo maior consubstanciado nos objetivos gerais de Ensino, Pesquisa e Extensão. No que tange ao objetivo

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

DOCUMENTO DE NARA SOBRE A AUTENTICIDADE Pág. 1 de5. DOCUMENTO DE NARA sobre a AUTENTICIDADE (1994)

DOCUMENTO DE NARA SOBRE A AUTENTICIDADE Pág. 1 de5. DOCUMENTO DE NARA sobre a AUTENTICIDADE (1994) Pág. 1 de5 DOCUMENTO DE NARA sobre a AUTENTICIDADE (1994) Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Fevereiro de 2007 Pág. 2 de5 Preâmbulo 1. Nós, os especialistas reunidos em Nara (Japão),

Leia mais

Gestão Compartilhada de Telecentros

Gestão Compartilhada de Telecentros Gestão Compartilhada de Telecentros Objetivo Formalizar TERMOS DE CONVÊNIO, visando à operação e manutenção de Centro de Democratização de Acesso à Rede Mundial de Computadores Telecentro Comunitário,

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA OBJETIVO GERAL Promover ações integradas para o enfrentamento da epidemia de HIV/AIDS e outras DST

Leia mais

APOIOS FINANCEIROS E PROGRAMAS DE INCENTIVO AO ESTUDANTE DA FERA

APOIOS FINANCEIROS E PROGRAMAS DE INCENTIVO AO ESTUDANTE DA FERA APOIOS FINANCEIROS E PROGRAMAS DE INCENTIVO AO ESTUDANTE DA FERA A FERA é uma instituição de Ensino Superior da Sociedade por isso a faculdade tem o compromisso de formar alunos para a cidadania. Neste

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A presente norma dispõe sobre as regras de governança do Complexo Histórico

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008

FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008 FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008 1 Conceito de Financiamento Público da Cultura Conjunto de ofertas governamentais e não governamentais de recursos para a concretização de produção cultural

Leia mais

Foto: Rafael Neddermeyer

Foto: Rafael Neddermeyer Foto: Rafael Neddermeyer SECRETARIA ADJUNTA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Pablo Rebouças Secretário Adjunto PLANEJAMENTO Degraus a avançar Foto: A procura do autor PLANEJAMENTO Plano de Médio Prazo PPA

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

V Bienal de Culturas Lusófonas Câmara Municipal de Odivelas

V Bienal de Culturas Lusófonas Câmara Municipal de Odivelas V Bienal de Culturas Lusófonas Câmara Municipal de Odivelas Cerimónia de Abertura 4 de maio, 17h00 Centro de Exposições de Odivelas Intervenção de Sua Excelência, Secretário Executivo da CPLP, Senhor Embaixador

Leia mais

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos

OFICINA DAS CORES. Eduardo Dias Mattos. Artes Visuais. Professor. Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP. DER-Santos OFICINA DAS CORES Professor Eduardo Dias Mattos Escola Estadual Júlio Conceição Cubatão / SP DER-Santos 2016 Artes Visuais Introdução O Projeto foi criado em 2006 pelo Arte Educador, Professor Eduardo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO ENCONTRO ANUAL DE PLANEJAMENTO 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO ENCONTRO ANUAL DE PLANEJAMENTO 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO ENCONTRO ANUAL DE PLANEJAMENTO 2015 ABRIL DE 2015 PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL Metas na LOA 2015; Atividades realizadas em 2014; Metas

Leia mais

Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE

Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE CONTEXTO: O TERCEIRO SETOR Terceiro Setor O Terceiro Setor é um tipo de Frankenstein : grande, heterogêneo, construído de pedaços, desajeitado,

Leia mais

Do material ao Imaterial: Patrimônios Culturais do Brasil

Do material ao Imaterial: Patrimônios Culturais do Brasil Do material ao Imaterial: Patrimônios Culturais do Brasil Maria Amelia Jundurian Corá mcora@pucsp.br Objetivo Compreender como se deu o processo de implantação do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial

Leia mais

Pacto Nacional Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, Cultura de Paz e Direitos Humanos

Pacto Nacional Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, Cultura de Paz e Direitos Humanos Pacto Nacional Universitário pela Promoção Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Ministério da Educação SECADI/MEC Secretaria Especial de Direitos Humanos Ministério

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO O Ministério de Educação, nos últimos três anos, vem construindo uma concepção educacional tendo em vista a articulação dos níveis e modalidades de ensino,

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO

GESTÃO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO GESTÃO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO O QUEM FAZEMOS? SOMOS? SUPERINTENDÊNCIA DO PATRIMÔNIO CULTURAL Responsáveis SPC pela elaboração e implementação de políticas públicas de proteção e valorização do

Leia mais

PROJETO. #SouAlterosa

PROJETO. #SouAlterosa EDITAL 03/2016 DIST II DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DO TERRITÓRIO PROJETO #Sou Contratação de Agente comunitário 1. Objetivo do Projeto O Projeto #Sou tem por objetivo contribuir para a melhoria

Leia mais

Título. Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI

Título. Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI Título Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI Nossos números em 2015 30.004 pessoas beneficiadas diretamente 13 municípios atendidos 18 colaboradores diretos e 01 indireto (cedido

Leia mais

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes Lei de Parcerias - Lei nº 13.019/14 Fundamentos Princípios Diretrizes Lei nº 13.019/14 Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros,

Leia mais

Entidade sem fins lucrativos, a OSCIP criada em 2002, realiza pesquisas, oficinas culturais, parcerias com escolas públicas e velhas guardas,

Entidade sem fins lucrativos, a OSCIP criada em 2002, realiza pesquisas, oficinas culturais, parcerias com escolas públicas e velhas guardas, Entidade sem fins lucrativos, a OSCIP criada em 2002, realiza pesquisas, oficinas culturais, parcerias com escolas públicas e velhas guardas, encontros de incentivo à criação de samba, produção de CDs

Leia mais

DECRETO Nº DE 26 DE JANEIRO DE 1989

DECRETO Nº DE 26 DE JANEIRO DE 1989 DECRETO Nº 8.356 DE 26 DE JANEIRO DE 1989 Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado

Anexo 7 - Despesa por Projeto e Atividade - Detalhado Folha N. 1 01 LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031 AÇÃO LEGISLATIVA 120.000,00 4.543.000,00 4.848.000,00 01.031.0001 PROCESSO LEGISLATIVO 4.543.000,00 4.728.000,00 01.031.0001.0125 INATIVOS

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013.

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013. DECRETO Nº 44.159 DE 15 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO RIO CRIATIVO - PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

INVESTIMENTOS SOCIAIS

INVESTIMENTOS SOCIAIS SABARÁ 2015 INVESTIMENTOS SOCIAIS Projeto Esporte na Cidade, na Casa da Criança Fotos: arquivo AGA Reunião do Projeto Bons Conselhos, com representantes das seis cidades, no Centro de Educação Ambiental,

Leia mais

Texto a ser submetido ao Prêmio VivaLeitura 2014 PROJETO LIVRO VIVO: RELATO DA EXPERIÊNCIA RUMO A UMA BIBLIOTECA VIVA

Texto a ser submetido ao Prêmio VivaLeitura 2014 PROJETO LIVRO VIVO: RELATO DA EXPERIÊNCIA RUMO A UMA BIBLIOTECA VIVA JUSTIFICATIVA Texto a ser submetido ao Prêmio VivaLeitura 2014 PROJETO LIVRO VIVO: RELATO DA EXPERIÊNCIA RUMO A UMA BIBLIOTECA VIVA Muitas iniciativas já foram realizadas na Biblioteca Pública Municipal

Leia mais

PLANO PLURIANUAL R$ 1,00 INFORMAÇÕES SOBRE AS AÇÕES ESTRATÉGICAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - FUESPI

PLANO PLURIANUAL R$ 1,00 INFORMAÇÕES SOBRE AS AÇÕES ESTRATÉGICAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - FUESPI 90 - GESTÃO E MANUTENÇÃO DO PODER EXECUTIVO COORDENAÇÃO GERAL DA FUESPI PROMOVER POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DO SERVIDOR DOCENTE E ADMINISTRATIVO, INCLUINDO O PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA. AMPLIAR O QUADRO

Leia mais

PROJETO CONHECER A CIDADE

PROJETO CONHECER A CIDADE PROJETO CONHECER A CIDADE O Projeto Conhecer a Cidade "Conhecer a Cidade" é um projeto da RBE em parceria com a Ordem dos Arquitetos, com a finalidade de promover a educação pela arquitetura, património,

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, Estiva CEP Itajubá Minas Gerais. Lei nº 2797

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, Estiva CEP Itajubá Minas Gerais. Lei nº 2797 Lei nº 2797 JORGE RENÓ MOUALLEM, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona

Leia mais

Plano Estadual do Livro e Leitura da Bahia ( ) Textos de referência

Plano Estadual do Livro e Leitura da Bahia ( ) Textos de referência Plano Estadual do Livro e Leitura da Bahia (2013-2022) Textos de referência 1. PROBLEMAS DIAGNOSTICADOS a. Índices elevados de analfabetismo e baixo nível de escolaridade da população. b. Fragilidade de

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura e os desafios da integração federativa

Sistema Nacional de Cultura e os desafios da integração federativa Sistema Nacional de Cultura e os desafios da integração federativa Luana Vilutis UFBA Curso de Especialização em Acessibilidade Cultural UFRJ Rio de Janeiro, 19 de junho de 2013 GILBERTO GIL Encontro de

Leia mais

ART I C U LAR TER V I R. Ações para o. Desenvolvimento Regional PARA. 27 janeiro 2016 Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve Faro

ART I C U LAR TER V I R. Ações para o. Desenvolvimento Regional PARA. 27 janeiro 2016 Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve Faro I C U Ações para o Desenvolvimento Regional 27 janeiro 2016 Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve Faro DIETA MEDIRÂNICA - Dieta Mediterrânica - uma herança cultural que a todos cumpre preservar Em outubro

Leia mais

1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965,

1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965, 1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965, para se constituir em uma Instituição de Ensino Superior

Leia mais

Missão Gerar e transferir tecnologias sociais orientadas ao desenvolvimento humano integral.

Missão Gerar e transferir tecnologias sociais orientadas ao desenvolvimento humano integral. Instituto Kairós Organização sem fins lucrativos fundada em 2002, com núcleos físicos em Minas Gerais instalados nos municípios de Nova Lima e Brumadinho. Atuação Atua no território por meio do fortalecimento

Leia mais

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ ARACRUZ 2010 INTRODUÇÃO A Iniciação Científica, segundo o Conselho Nacional

Leia mais

Critérios para boas práticas de educação em Museus Exemplos de processos educativos no Museu da República

Critérios para boas práticas de educação em Museus Exemplos de processos educativos no Museu da República Critérios para boas práticas de educação em Museus Exemplos de processos educativos no Museu da República Magaly Cabral Museu da República Rio de Janeiro Ao final de 2009, fui convidada a produzir um texto

Leia mais

Marco Regulatório das relações entre Estado e Sociedade Civil

Marco Regulatório das relações entre Estado e Sociedade Civil LEI Nº 13.019, DE31 JULHO DE 2014 Novo regime jurídico das parcerias, envolvendo o Poder Público e as Aguinaldo Luiz de Lima Histórico da Caminhada Resistência e construção de Propostas Desafios Mobilização

Leia mais

ANEXO I. Estado do Tocantins Prefeitura Municipal de Cariri do Tocantins PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS

ANEXO I. Estado do Tocantins Prefeitura Municipal de Cariri do Tocantins PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS DAS METAS E PRIORIDADES DA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL 01 LEGISLATIVA PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS LEGISLATIVOS * Manter os serviços de suas atividades internas em conformidade com a legislação em vigor Órgão

Leia mais

Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016

Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016 Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016 Qual contexto atuamos? Museus no Estado de São Paulo 415 museus em 190 cidades 18 museus da Secretaria da Cultura do Estado Museus no

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES Tema Valorização dos servidores Situação 2009 Situação Atual Resultado Folha de pagamento Cargos comissionados Valor da hora/aula do Professor 1 Valor da

Leia mais

PROCESSO Nº INTERESSADA:

PROCESSO Nº INTERESSADA: PROCESSO Nº 424935/2016 INTERESSADA: Instituto de Desenvolvimento, Estudo e Integração pela Animação MODALIDADE: Termo de Fomento (com inexigibilidade de chamamento público) OBJETO: Anima Mundi Cuiabá

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM E O LIVRO ESCOLAR

BASE NACIONAL COMUM E O LIVRO ESCOLAR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Currículos e Educação Integral BASE NACIONAL COMUM E O LIVRO ESCOLAR Clarice Salete Traversini claricetraversini@mec.gov.br 23 Bienal Internacional

Leia mais

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Kátia Valéria C.T.Peressinotto Marilda Suzani Gonçalves Realização: Foco Desenvolver competências e habilidades

Leia mais

PROJETO Servir com Proteção Social

PROJETO Servir com Proteção Social 2012 Coordenador do Projeto: CARLOS HENRIQUE SILVA SANTOS TEL.: 7376-1274 / (019) 7828-5604 (ID 957*31090) e-mail: henriquefaixapreta@yahoo.com.br ou pservircomprotecaosocial@yahoo.com.br PROJETO Servir

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS (AACC) EM FISIOTERAPIA

ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS (AACC) EM FISIOTERAPIA ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS (AACC) EM FISIOTERAPIA As AACC são componentes curriculares obrigatórios propostos para complementar a formação do aluno e futuro profissional. Conforme a legislação

Leia mais

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília 2014 Extensão: 8,5 milhões km 2 População: 191,5 milhões População

Leia mais

7º Gestão das Cidades

7º Gestão das Cidades 7º Gestão das Cidades INVESTIMENTO PRODUTIVO NOS MUNICÍPIOS Vitória, 21 de novembro de 2012 Walsey de Assis Magalhães O BNDES e a Administração Pública Objetivo estratégico: redução das desigualdades regionais

Leia mais

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE FORUM DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE Recife,

Leia mais

Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde

Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde Política Nacional de Sustentabilidade Lançada em 2001 como Política de Responsabilidade Social Comitê Nacional de Sustentabilidade

Leia mais

RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE

RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E GESTÃO PPA - Exercício - RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE Órgão

Leia mais

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Constituição do Brasil O que é SCJS Uma Estrategia De Reconhecimento e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Nº 249, quarta-feira, 30 de dezembro de 2015 1 ISSN 1677-7042 159. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 117, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2015 Aprova o orçamento

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Educação Escolar Quilombola

Educação Escolar Quilombola Ministério da Educação Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI Coordenação Geral de Educação para as Relações Étnico-Raciais Educação Escolar Quilombola Diretrizes

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

2º ENCONTRO BRASILEIRO DAS CIDADES HISTÓRICAS TURÍSTICAS E PATRIMÔNIO MUNDIAL. 24 a 27 de fevereiro de 2016 São Luís MA

2º ENCONTRO BRASILEIRO DAS CIDADES HISTÓRICAS TURÍSTICAS E PATRIMÔNIO MUNDIAL. 24 a 27 de fevereiro de 2016 São Luís MA 2º ENCONTRO BRASILEIRO DAS CIDADES HISTÓRICAS TURÍSTICAS E PATRIMÔNIO MUNDIAL 14 às 18h Credenciamento 24 a 27 de fevereiro de 2016 São Luís MA Dia 24 de fevereiro - Quarta-feira Teatro Arthur Azevedo

Leia mais

Departamento. Responsabilidade Social ELETROBRÁS

Departamento. Responsabilidade Social ELETROBRÁS Departamento de Responsabilidade Social ELETROBRÁS das@eletrobras.com (21) 2514-6146 Histórico de Criação da Área 1º Momento 27.01.2003 Res - 038/2003 Coordenadoria para o Desenvolvimento Humano e Responsabilidade

Leia mais

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Projeto apoio a biblioteca FESP-SP : preservação e integração entre equipes, acervo e disciplina Fernanda Kelly Silva de Brito Rosa Maria Beretta Eixo Temático: Preservação da Memória Institucional. Palavras-chave:

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX DISPÕE SOBRE O PLANO MUNICIPAL DE APOIO E INCENTIVO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO MUNICÍPIO DE ARACRUZ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

INFÂNCIA. PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ano Letivo 2015/2016

INFÂNCIA. PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ano Letivo 2015/2016 INFÂNCIA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ano Letivo 2015/2016 Plano aprovado em reunião de Direção de 24 de setembro de 2015 Plano elaborado e proposto pelo Corpo Docente em reunião de 14 de setembro de 2015

Leia mais

POLÍTICA DA FUNDAÇÃO 10 DE AGOSTO

POLÍTICA DA FUNDAÇÃO 10 DE AGOSTO POLÍTICA DA FUNDAÇÃO 10 DE AGOSTO A Fundação 10 de Agosto, entidade social e educativa, sem fins lucrativos, com sede na Riviera de São Lourenço- Bertioga, SP tem como visão para sua existência proporcionar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIAMÃO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 04, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIAMÃO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 04, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE VIAMÃO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 04, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece Diretrizes para a oferta da Modalidade de Educação de Jovens

Leia mais

Mostra de Projetos Criando Identidade com Pontal do Paraná. Protegendo a Maternidade. Alimentando Vidas. Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras

Mostra de Projetos Criando Identidade com Pontal do Paraná. Protegendo a Maternidade. Alimentando Vidas. Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras Mostra de Projetos 2011 Criando Identidade com Pontal do Paraná Protegendo a Maternidade Alimentando Vidas Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras Mostra Local de: Pontal do Paraná. Categoria do projeto:

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA

CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA O Centro de Extensão e Pesquisa, além de contribuir para a formação integral do aluno, tem como objetivo geral desenvolver projetos de pesquisa e extensão e como objetivos

Leia mais