GABRIEL DAIJIRO KURAUCHI. A importância da gestão do design no varejo eletrônico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GABRIEL DAIJIRO KURAUCHI. A importância da gestão do design no varejo eletrônico"

Transcrição

1 GABRIEL DAIJIRO KURAUCHI A importância da gestão do design no varejo eletrônico Monografia apresentada ao Centro Universitário de Belas Artes de São Paulo, como exigência parcial para obtenção do título de Especialista em Gestão do Design, sob a orientação da professora Mestre Márcia Auriani. São Paulo: 26/02/2007

2 2 Dedicado àqueles que acreditam que cativar as pessoas com idéias corretas e justas pode mudar o mundo para melhor.

3 Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas Antoine de Saint-Exupéry 3

4 4 AGRADECIMENTOS À minha orientadora Márcia Auriani, pelo grande auxílio na condução desta monografia e por sua exigência por qualidade; Aos meus pais Senji e Lídia Kurauchi, pela ajuda e incentivo; A Eliane Buini, pela ajuda e incentivo; A Mauro Ueda, pela entrevista concedida; À professora Fernanda Moreton; Ao professor Nikolas Alexander Savio Chicrala; A Christine Vanstreels pela revisão ortográfica; A todos que ajudaram nas entrevistas; A todos que estiveram envolvidos na monografia e que não foram citados nesta página.

5 5 RESUMO Esta pesquisa demonstra a importância da gestão estratégica do design no varejo eletrônico. A monografia é de interesse de setores ligados ao varejo realizado na internet e empresas que necessitem manter boas relações com os consumidores na web, a fim de captar novos clientes e manter os antigos. A análise se dá pelo estudo das características do varejo eletrônico, da importância da construção de marca e da tecnologia aplicada na internet. Conclui-se que a gestão do design se tornou um diferencial estratégico, que quando trabalhada corretamente em conjunto com as áreas de marketing e tecnologia, geram conhecimento para a empresa e fidelidade do cliente. Palavras-chave: comércio. design. eletrônico. estratégia. gestão. internet. marcas. varejo. virtual.

6 6 ABSTRACT This research is focused on the areas related to the internet retail sales and demonstrates the relevance of the strategic management of the design in that media, by means of analyzing the electronic retail sales characteristics, the relevance of building a brand for the success of the company, and the ever-renewed technology employed on the internet sites. Actually, the conclusion is that when applied together with the marketing and technology areas, the design management is a strategic distinction that provides the company the control of the production processes and the customer fidelity to the brand of the virtual retail saler. Keywords: branding. commerce. design. eletronic. e-commerce. e-tailing. eletronic. internet. management. strategy.

7 INTRODUÇÃO PESQUISA COM USUÁRIOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO Universo da pesquisa Perguntas e respostas Conclusão geral da pesquisa O VAREJO ELETRÔNICO Conceito de Varejo Varejistas exclusivamente virtuais Varejo eletrônico: dados de Varejistas e relacionamentos com outras empresas Fusões, compras e parcerias entre empresas O novo contexto Novo contexto: usuários O varejo na prática Reconhecimento de compra Busca de informação Análise das alternativas Decisão de compra Avaliação pós-compra Varejo eletrônico versus varejo real Vantagens do varejo eletrônico Atendimento Menores gastos Nicho encontrado pelos varejistas virtuais: produtos raros em lojas reais Concorrência no varejo eletrônico A MARCA E O PROCESSO DE BRANDING NO VAREJO ELETRÔNICO O caso Coca-Cola: o amor à marca conquistado através do branding Valor de marca (brand equity) Naming e associações de marca Caso: CompreBem e o naming Capital intelectual e o endobranding Posicionamento, diferenciação e segmentação O caso Grupo Pão de Açúcar Marketing viral e o branding Inovação e renovação Branding e o CRM Gestão Integrada de Branding Isqueiros Bic: reposicionando sua imagem A Experiência no processo de branding Fatores funcionais Fatores humanos Fatores mecânicos INTERNET, TECNOLOGIA E O VAREJO VIRTUAL A tecnologia como auxílio estratégico empresarial Desafios e oportunidades Telefonia móvel Adaptação dos usuários Evolução e inovação A Web 2.0, a evolução da internet e dos usuários YouTube

8 5. GESTÃO ESTRATÉGICA DO DESIGN E O VAREJO ELETRÔNICO Diagnóstico da situação da empresa frente aos concorrentes e nos contextos de mercado Avaliação dos objetivos de um projeto de design e a sua relação com a capacidade da empresa Organização e acompanhamento da implantação dos sistemas de design e tecnologia Avaliação de resultados obtidos com a implantação dos sistemas de design e tecnologia Identificação de problemas e oportunidades na comunicação visual Mudança na estrutura corporativa e entrada em novos mercados Mudança de clientes Magazine Luiza e os diferentes consumidores nas diferentes mídias Novos dispositivos que permitem o acesso à internet Fidelidade baixa ou perda de participação de mercado Imagem ultrapassada e reposicionamento de imagem Novos concorrentes Renovação do ciclo...93 CONCLUSÃO...95 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...97 REVISTAS...99 GLOSSÁRIO ANEXOS

9 9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - REPRODUÇÃO DO SITE KALUNGA.COM.BR...26 FIGURA 2 - PARCERIA ENTRE AMERICANAS.COM E SACK S...28 FIGURA 3 - CAUDA LONGA NO COMÉRCIO DE MÚSICA ON-LINE...39 FIGURA 4 - FERRARI: UMA MARCA QUE TRAZ MUITOS ASPECTOS INTANGÍVEIS...42 FIGURA 5 - NEW COKE E COCA-COLA CLASSIC...44 FIGURA 6 - PÃO DE AÇÚCAR E COMPRE BEM: POSICIONAMENTOS DIFERENTES TAMBÉM NA INTERNET...54 FIGURA 7 - PERSONALIZADO MEU SUBMARINO...59 FIGURA 8 - HOTSITE BIC MUSIC...62 FIGURA 9 - EXEMPLOS DE RESOLUÇÕES DE MONITORES...72 FIGURA 10 - SERVIÇOS DO GOOGLE...76 FIGURA 11 - TELA DO YOUTUBE...78 FIGURA 12 - NOVA IDENTIDADE DO INGRESSO.COM...86 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - PARADIGMAS DA ECONOMIA INDUSTRIAL E DA ECONOMIA DIGITAL...29 TABELA 2-7 P s DO MIX VAREJISTA VIRTUAL...34

10 10 LISTA DE ESQUEMAS ESQUEMA 1 - CADEIA DE SUPRIMENTOS DE BENS DE CONSUMO...22 ESQUEMA 2: ETAPAS DE COMPRAS...31 ESQUEMA 3 - CICLO DA GESTÃO DO DESIGN NO VAREJO ELETRÔNICO...81

11 11 INTRODUÇÃO O modo como as pessoas se relacionam e realizam suas atividades diárias mudou muito com o advento da internet. Inicialmente utilizada como ferramenta de pesquisa e comunicação via , a internet se tornou essencial para grande parte da população, que pode realizar várias tarefas simultaneamente, economizando um item cada vez mais importante e valioso em suas vidas: o tempo. As pessoas ganham mais tempo para dedicar ao lazer, aos hobbies, aos amigos e aos filhos, mesmo trabalhando mais. Pelo viés das empresas, a internet passou de uma mídia de mera exposição de marca para um potencial canal de negócios, capaz de gerar lucros por si só e ser o principal ou o único meio de atuação de uma marca. Nesse contexto surgiu o varejo eletrônico, com a intenção de proporcionar ao consumidor mais comodidade ao fazer as compras. Este trabalho tem a intenção de demonstrar a importância da gestão do design no varejo eletrônico como elemento estratégico. No primeiro capítulo foram realizadas entrevistas com pessoas habituadas a utilizar a internet todos os dias. Usuários de várias idades e classes sociais responderam perguntas abertas, com o objetivo de conhecer exatamente a sua percepção sobre o varejo eletrônico e alguns elementos que o compõem, como design e tecnologia. No segundo capítulo é abordado o varejo eletrônico em si, demonstrando a sua importância nos contextos econômico e social atuais. O varejo virtual é comparado com o real, e são apuradas as vantagens e desafios de se vender pela internet, com dados sobre o crescimento do varejo eletrônico em 2006.

12 12 O terceiro capítulo engloba a importância da marca e do processo de branding para o varejista eletrônico. Questões como valor de marca, importância do nome, endobranding, inovação e marketing são estudadas e demonstram a necessidade compreensível de construir a marca na mente do consumidor a fim de obter sucesso em um mercado cada vez mais competitivo. A tecnologia é essencial e muitas vezes fator primordial para o varejista eletrônico inovar. O quarto capítulo trata da importância que a tecnologia obteve na vida da população e na estratégia das empresas. O quinto capítulo utiliza todos os aspectos apresentados nos capítulos anteriores para explicar a importância da gestão estratégica do design nesse contexto que envolve internet, tecnologia, marketing e mudança de comportamento dos consumidores, entre outros.

13 13 1. PESQUISA COM USUÁRIOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO Esta pesquisa foi elaborada com o intuito de conhecer os motivos pelos quais as pessoas utilizam ou não o varejo pela internet, dando prioridade a questões relacionadas ao design, e como este influencia a decisão de compra do consumidor. Além disso, teve como objetivo mensurar a percepção dos usuários com relação a questões como segurança, aparência e importância da marca, entre outros. As perguntas foram formuladas com a intenção de obter respostas abertas, sem influências do pesquisador Universo da pesquisa Foram entrevistadas 30 pessoas de diferentes classes sociais e ambos os sexos que lidam com o computador e navegam na internet diariamente, seja no trabalho ou em casa, embora nem todas tenham o hábito de comprar em lojas virtuais. Todos moram na capital de São Paulo, Brasil Perguntas e respostas Com que freqüência faz compras pela web (em média)?

14 14 Dentre os que não compram (ou os que compram raramente), o que o fariam comprar (ou comprar mais): Costuma fazer pesquisa pela internet antes de comprar (pela web ou em lojas reais)? O que pesquisa em um site de comércio eletrônico? Com estes quatro resultados, chega-se à conclusão que a internet é para a grande maioria fonte de pesquisa. Embora muitos ainda não comprem pela web ou a utilizem pouco,

15 15 procuram conhecer os preços das lojas virtuais antes de fechar a compra, seja ela em uma loja real ou pela internet. Muitos ainda utilizam a web para buscar informações sobre produtos e serviços. É um exemplo de comodidade a favor de todos os usuários, sejam eles compradores ou não de lojas virtuais. Clica em informativos de promoções que recebe por ? Considerando-se que 14 pessoas compram pela web pelo menos uma vez por mês e 16 raramente compram ou não compram, pode-se dizer que o marketing realizado por funciona com aqueles habituados às compras pela internet. Dos que clicam sempre ou às vezes, efetuam a compra eventualmente? Muitas pessoas não clicam em ofertas enviadas por . Entretanto, quando é solicitado, o marketing deixa de ser considerado spam ( não autorizado) e passa a ser objeto de estudo para que o consumidor decida se vai ou não comprar aquilo que lhe está sendo oferecido. Daqueles que clicam em informativos enviados por , a maioria conhece a fonte e está apta a efetuar a compra.

16 16 O que considera importante em um site de comércio eletrônico? O que mais desagrada em um site de comércio eletrônico? Estas duas últimas perguntas foram elaboradas com a intenção de obter a percepção dos entrevistados quanto à usabilidade de um site. A facilidade de encontrar itens é uma

17 17 opção importante para as pessoas, sendo inclusive mais citada que o preço. Informações sobre os produtos e segurança do site foram outros itens bastante citados. Além disso, foram citadas outras opções ligadas à boa organização de um site, como rapidez, funcionalidade e simplicidade. Os consumidores não gostam de itens invasivos, como pop-ups (janelas que se abrem à frente do conteúdo) ou s não autorizados em suas caixas-postais, além de se irritarem com uma comunicação visual confusa e poluída. Um site lento e com muitos erros também é motivo de insatisfação. O design em si de um site de compras pode fazê-lo (a) trocar de loja? Incrementos e facilidades visuais ligados à tecnologia para fazer a compra são importantes em uma loja virtual? As duas últimas perguntas comprovam que o design é importante para a maioria das pessoas por passar valores intangíveis como confiabilidade e tangíveis como facilidade de

18 18 navegação. Entretanto, se não for apresentada uma solução palpável e que realmente traga benefícios ao usuário, o design e a tecnologia não são vistos por grande parte das pessoas como úteis. Além disso, se mal planejados, podem ser itens de difícil compreensão para aqueles menos ligados à tecnologia, e podem acabar poluindo o visual do site, trazendo problemas que irritam o usuário como dificuldade de navegação e lentidão. Compra sempre pelo preço mais baixo? Valores agregados ao serviço são fatores decisivos na hora de comprar em lojas virtuais. Confiança e credibilidade são necessidades primordiais para quem compra pela web. Não adianta ter o preço muito abaixo do mercado se a empresa não é conhecida ou tem má reputação junto aos usuários ou à mídia. Quando se fala em comércio eletrônico, qual marca vem à cabeça?

19 19 Quando se fala em uma marca confiável, qual vem à cabeça? O Submarino foi a marca relacionada ao comércio eletrônico mais lembrada pelos entrevistados. Apesar de não possuir lojas reais, o Submarino também é citado como confiável pela maioria das pessoas. Isso mostra a importância da construção de uma marca forte. Quando o consumidor se dirigir a um lugar para comprar, é grande a possibilidade da empresa ser uma das primeiras consultadas, e caso a compra seja realizada com pressa, ela seja a escolhida. A Americanas é a segunda mais citada, apesar de ser a que mais vende na internet e a que mais fatura no meio on-line no Brasil. Muitas pessoas confiam nas empresas que possuem lojas reais porque têm locais tangíveis onde reclamar seus direitos. Dentre aqueles que citaram a Americanas.com como marca de comércio eletrônico, a maioria também a citou como marca confiável. A Amazon, embora não esteja presente no Brasil, foi bem lembrada tanto como marca relacionada ao comércio eletrônico quanto como marca confiável, mesmo quando as pessoas não tiveram experiências com a empresa.

20 Conclusão geral da pesquisa Apesar de muitos ainda terem receio de comprar pela internet (mesmo aqueles que lidam com a mídia todos os dias), já é considerável o número de pessoas que o fazem freqüentemente. Com a pesquisa destaca-se a importância de se formar uma marca forte, facilmente lembrada e confiável, já que esses o sucesso desses fatores estão interligados, pois as marcas confiáveis foram em sua maioria também as mais lembradas. Percebeu-se que a comunicação visual de um site, além de elemento organizacional, que melhora e facilita a navegação, age sobre a percepção das pessoas sobre a marca, podendo aumentar sua confiabilidade e fazendo conseqüentemente com que ela seja mais lembrada. Muitas pessoas buscam ofertas e preços baixos nos sites de varejo virtual. Promoções em destaque, com um visual atraente e que façam com que as pessoas tenham vontade de comprar, são itens que agregam valor à marca e atraem mais consumidores do que aquelas com visual estático, escondidas no site. A tecnologia traz novas possibilidades de interação para o varejista eletrônico, permitindo que este persuada o consumidor a fazer compras impulsionadas pelo vendedor, configurando um interessante canal de vendas, já que grande parte das pessoas disse que clica em informativos enviados por . O design portanto mostrou ter um papel importantíssimo na comunicação de uma marca, exigindo uma gestão estratégica adequada aos contextos econômico e social em que se encontra o varejista eletrônico. Todos estes itens serão estudados nos capítulos a seguir.

21 21 2. O VAREJO ELETRÔNICO Compra-se pela internet em casa ou no trabalho e recebe-se no mesmo local. O pagamento é feito on-line em poucos minutos: são itens que proporcionam comodidade e rapidez ao consumidor, vantagens cada vez mais procuradas e oferecidas essencialmente pelo varejista eletrônico. Inicialmente acessível apenas para as classes mais altas, o varejo eletrônico está se expandindo para outras camadas da população e tornando-se opção rotineira de compras para considerável parte da população. Ainda existe preconceito quanto à compra on-line, mas à medida que as pessoas se conscientizam da segurança oferecida pelas tecnologias que surgiram e continuam se aperfeiçoando continuamente, e das vantagens do comércio eletrônico, o mercado cresce exponencialmente Conceito de Varejo Varejo é o tipo de comércio em que serviços ou produtos são vendidos diretamente ao consumidor final. O varejista atua como intermediário de vendas entre o fabricante ou distribuidor e o cliente. Como extensão de sentido, o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa na internet <http://houaiss.uol.com.br> classifica varejo como venda de mercadorias em pequenas porções ou quantidades, diferenciando-o do comércio por atacado, caracterizado pelo contrário: vendas em grandes quantidades. Alguns exemplos de lojas varejistas: Carrefour, Pão de Açúcar, Lojas Americanas, Casas Bahia e Ponto Frio. Segundo Parente (2000, p. 22), quando fabricantes e atacadistas vendem diretamente para o consumidor final, estão também desempenhando atividades de varejo, porém não são

22 22 considerados como varejo, pois essa não é sua principal fonte de receita. A empresa de computadores Dell é um exemplo de fabricante que vende diretamente ao consumidor final, sem intermediários. A empresa utiliza a internet como um poderoso canal de vendas diretas. O esquema típico de cadeia de suprimentos de bens de consumo pode ser construído da seguinte maneira: Fonte: PARENTE, Juracy. Varejo no Brasil. São Paulo: Atlas, p. 22. ESQUEMA 1: CADEIA DE SUPRIMENTOS DE BENS DE CONSUMO Já as atividades de varejo podem ser realizadas de maneiras diversas: - loja física: os produtos estão expostos na loja real e o cliente pode compará-los, em uma experiência tangível e sensorial. É a modalidade mais tradicional de varejo; - por telefone, correio, catálogos em CD-ROM ou internet: são modalidades intangíveis de varejo em que o cliente pode ver o produto através de fotos e compará-los através de seus respectivos textos explicativos. No caso da internet ou catálogos em CD- ROM, tecnologias adicionais podem ser disponibilizadas ao consumidor, como visualização em três dimensões, vídeos explicativos e outros;

23 23 - vendas de porta em porta: o vendedor vai à casa do cliente ou empresa e realiza a transação no local. Muitas vezes é uma experiência tangível e sensorial, quando o vendedor leva o produto consigo. Entretanto, o vendedor pode apresentar catálogos, o que torna a compra uma experiência intangível do consumidor com o produto. O varejo eletrônico (em inglês, e-tailing ou eletronic-tailing) é aquele realizado pela internet. Também é chamado de varejo virtual, uma vez que os serviços e produtos não estão dispostos para o consumidor ver, sentir ou cheirar suas características. Enfim, não são palpáveis antes da compra. A essência do varejo eletrônico consiste na venda de produtos ou serviços para o consumidor final (B2C ou Business to Consumer). Entretanto, alguns varejistas virtuais vendem diretamente para outras empresas (B2B ou Business to Business). Muitos varejistas eletrônicos se originaram a partir de lojas com presença real, como a Americanas.com (que advém das Lojas Americanas), Pernambucanas, Ponto Frio, Fnac, Carrefour e Pão de Açúcar (todos estes homônimos das lojas reais). A maioria dessas empresas já teve presença estritamente institucional na web, com websites contendo informações das lojas reais e serviços de atendimento ao consumidor, mas que posteriormente encontraram na internet um canal poderoso e promissor de venda direta ao consumidor. Alguns varejistas com presença real, como as Casas Bahia, utilizam-se da internet unicamente como canal de comunicação institucional e de atendimento ao consumidor Varejistas exclusivamente virtuais Varejistas como o Submarino têm presença exclusivamente on-line e não possuem lojas físicas. A empresa se tornou o segundo maior varejista eletrônico do mercado brasileiro em 2006, atrás apenas da Americanas.com, cujas lojas reais existem em grande parte dos

24 24 estados brasileiros. A Amazon, maior varejista virtual do mundo e presente em vários países, também surgiu diretamente na internet e não possui lojas reais Varejo eletrônico: dados de 2006 Em 2006, as vendas no varejo virtual chegariam a R$ 13,3 bilhões, segundo previsão da consultoria E-Consulting e da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) feita no começo de dezembro do mesmo ano. Em 2005, o faturamento foi de R$ 9,9 bilhões e em 2004, de R$ 7,5 bilhões. Para 2007, era estimado um total de R$ 17,4 bilhões. Entretanto, o varejo eletrônico ainda é baixo no Brasil, se comparado aos Estados Unidos, por exemplo, cujo faturamento atingiu mais de US$ 100 bilhões em % a mais que em 2005, segundo a consultoria comscore, cujos dados foram publicados no site IDG Now!. Quanto à presença de computadores nos lares brasileiros, a porcentagem aumentou consideravelmente nos últimos anos. Segundo o IBGE, 18,6% das residências brasileiras tinham computador em 2005, contra 8,6% em 2001, quando foi iniciado o levantamento, apontando para taxas de crescimento maiores que as dos demais bens duráveis, como televisão e rádio. Dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostram que em 2005 foram vendidos 6,5 milhões de computadores no Brasil, 24% a mais que em O crescimento naquele ano pode ser creditado à chamada MP do bem, medida provisória instituída pelo governo federal que estabeleceu vários incentivos fiscais, como a diminuição dos impostos na venda de computadores no varejo, a redução do valor do dólar em relação à moeda brasileira, e melhores condições de financiamento para os computadores.

25 25 Esses dados demonstram que o varejo eletrônico continua crescendo, à medida em que o número de computadores aumenta nos lares brasileiros e as pessoas se rendem cada vez mais à comodidade oferecida pelas vendas on-line. O fato de o varejo eletrônico ainda ser reduzido no Brasil em relação à sua representatividade no total de vendas no exterior pode ser creditada principalmente ao perfil de grande parte da população, que, apesar de todos os esforços dos varejistas virtuais para demonstrar a segurança existente no comércio eletrônico, ainda é desconfiada e não faz compras freqüentes pela internet, seja por medo de roubo do número de cartão de crédito, pela pouca familiaridade com o computador ou por medo do produto não ser entregue. Ou seja, muitas pessoas ainda têm a percepção de que comprar pela internet não é seguro. Mudar esses paradigmas na mente do consumidor é um desafio a ser combatido pelo varejista eletrônico. Ações como a diversificação das formas de pagamento são importantíssimas para impulsionar essa mudança. São alternativas para aqueles que não confiam na segurança de se inserir o número do cartão de crédito no site do varejista. Além do cartão de crédito, o pagamento das compras na internet pode ser feito por meio de boleto bancário, débito automático e até por financiamento junto a um banco ou ao próprio varejista. Uma solução encontrada para o problema da desconfiança pela Amazon do Japão foi permitir que o consumidor só pague pelo que comprou na hora em que a entrega é realizada e conferida, tranqüilizando-o quanto à integridade da transação.

26 Varejistas e relacionamentos com outras empresas O contexto que possibilitou o surgimento e crescimento do comércio eletrônico criou novas maneiras de relacionamento entre as empresas. Empresas tradicionalmente varejistas, que vendem diretamente ao consumidor final, criaram parcerias com outras empresas, praticando o comércio business to business (B2B) pela internet, o que gerou comodidade e menores gastos a ambas as partes. A Kalunga é um exemplo de empresa que pratica o varejo eletrônico e também efetua vendas para outras empresas. Seus principais mercados-alvo são o corporativo, de varejo e ainda as licitações, que contemplam os governos municipal, estadual e federal, suas respectivas autarquias e demais órgãos públicos, segundo informava a área institucional do seu site <http://www.kalunga.com.br> em 15 de novembro de A empresa, além da internet, também vende por telemarketing: a Kalunga mantém uma revista mensal que apresenta um catálogo de seus produtos e pode ser adquirida em suas lojas ou por telefone. Os pedidos de compras são feitos através do telefone. FIGURA 1: REPRODUÇÃO DO SITE KALUNGA.COM.BR

27 27 Acessando o site da Kalunga ou comprando por telefone, uma empresa pode repor o seu estoque de necessidades diárias (como materiais de escritório) muito rapidamente, comprando em grandes quantidades e sem precisar deslocar um funcionário para fazê-lo. A web oferece mais vantagens que o telefone, pois traz a possibilidade de visualizar descontos em tempo real, buscar, comparar e ver produtos muito mais rapidamente do que em outro meio Fusões, compras e parcerias entre empresas Antigamente, os varejistas lutavam entre si para ganhar o consumidor. Segundo Blackwell (2001, p.21), cada entidade era forte o bastante para enfrentar os próprios concorrentes. Se essas empresas sobreviviam e prosperavam ou enfraqueciam e fechavam as portas dependia do desempenho em relação aos pares. Nos tempos atuais, são feitas fusões, compras e parcerias (co-branding) entre empresas para conquistarem participações maiores do mercado e se tornarem mais competitivas. Grandes empresas varejistas estão se relacionando profundamente com outras de nichos iguais ou diferentes. A Amazon firmou parcerias com múltiplas empresas, que vão do acesso à internet a serviços financeiros. A Americanas comprou a Shoptime (outra varejista virtual) em 2005, e passou a dominar quase 40% do mercado nacional do varejo eletrônico naquele ano, além de manter parceria como com a perfumaria virtual Sack s. Alguns varejistas virtuais estão formando parcerias com as próprias fábricas e prestadores de serviços, reinventando a cadeia de suprimentos. O Submarino eliminou a etapa

28 28 dos atacadistas e fornecedores em vários setores de produtos, comprando diretamente da fábrica e mantendo estoque próprio, o que permite cortar custos operacionais. FIGURA 2 - PARCERIA ENTRE AMERICANAS.COM E SACK S Em novembro de 2006, a Americanas.com e o Submarino se fundiram, formando o conglomerado B2W e mantendo a estratégia de multimarcas independentes. Ou seja, Americanas.com, Submarino e Shoptime atuariam cada qual com sua marca. As fusões e parcerias permitem ao varejista cortar custos ao negociar com suas parceiras preços mais baixos, que podem ser repassados ao consumidor. Além disso, juntam o know-how de cada uma das empresas, oferecendo serviços mais variados e satisfatórios O novo contexto A economia digital utiliza a internet e a tecnologia para potencializar, diferenciar e dinamizar negócios. Novas formas de interatividade entre as empresas e entre as pessoas quebraram velhos paradigmas da economia industrial.

29 29 Fonte: Adaptado de PARENTE, Juracy. Varejo no Brasil. São Paulo: Atlas, p. 42 TABELA 1 - PARADIGMAS DA ECONOMIA INDUSTRIAL E DA ECONOMIA DIGITAL A internet se tornou essencial na economia digital, uma fez que revolucionou os meios de comunicação e de transmissão de dados, facilitando e dinamizando os processos. Informações que eram trocadas pessoalmente, por carta ou por telefone passaram a ser transmitidas por meio da internet. A partir das necessidades competitivas de mercado, o conhecimento e a inovação passaram a ser mais importantes do que a simples repetição operacional do trabalho. A internet se transformou em grande ferramenta para a troca de conhecimento - que pode ser realizada rapidamente em nível mundial - gerando idéias e projetos inovadores.

30 Novo contexto: usuários O público da internet já foi muito específico e restrito. Os usuários faziam parte das classes sociais mais altas, com elevado poder aquisitivo. Segundo Blackwell (2001, p.59), estes consumidores são inteligentes e de grande iniciativa quando o assunto é tomar decisões de compra. Talvez não comprem o item de menos preço, mas buscam o valor máximo. Com a redução dos impostos sobre o microcomputador no varejo e a diminuição do valor do dólar, aliados à melhora nas condições de financiamento, as vendas dessas máquinas se tornaram mais acessíveis às pessoas de classes mais baixas, que passaram a ter acesso à internet e maior participação no mercado on-line. Outros fatores ajudaram a web a se popularizar: alguns provedores como a Embratel e a Telefonica, oferecem acesso à internet grátis, em que o usuário paga somente os pulsos telefônicos. Para quem não possui computador em casa, o Sesc oferece acesso grátis em banda larga em São Paulo, o que cria oportunidade para que visite sites, realize operações bancárias e até compre pela web. A ampliação da gama de consumidores fez com que alguns varejistas virtuais voltados exclusivamente às classes mais altas apostassem em um marketing mais amplo, que englobasse desde o consumidor de baixa renda até aquele mais abastado, implicando nas estratégias mais variadas, com uma maior variedade de serviços e produtos.

31 O varejo na prática A atividade de compras realizada pelo consumidor é um processo muito complexo mas que pode ser dividida em etapas esquemáticas. O modelo desenvolvido por Engel, Kollat e Blackwell (1993 apud PARENTE, 2000, p.118) divide o processo de compras em 5 fases: ESQUEMA 2: ETAPAS DE COMPRAS Reconhecimento de compra É o primeiro momento, onde o consumidor, por suas necessidades ou anseios, define o objeto de compra. Essas necessidades advêm de vários fatores, como por exemplo: - fatores fisiológicos (indispensáveis para a sobrevivência, como alimentos); - necessidades diárias (como roupas e materiais de limpeza); - eventos sociais (como casamentos e aniversários); - persuasão no ponto de venda (no caso do comércio eletrônico, o próprio site) através de estímulos sensoriais, como a visão, audição ou olfato. Nesse ponto, é importante a clareza de informações e organização como elementos auxiliares na persuasão; - estímulos inconscientes (como propagandas em televisão, rádio e outros meios de comunicação, ou mesmo indicações de amigos). Segundo Parente (2000, p. 120):

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão I

Sistemas Integrados de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistemas Integrados de Gestão I Aula - 9 Comércio Eletrônico (E-commerce) Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 O que a Web mudou na vida das

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 7 Passos para um e-commerce de Sucesso André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... Crescimento 20,3% Crescimento 24,4% 354% R$ 770 Milhões 117%

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL Victor Nassar 1 O advento da internet e o consequente aumento da participação do consumidor nos websites, representou uma transformação

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Marcelo Ivanir Peruzzo

Marcelo Ivanir Peruzzo 5 Web Marketing Marcelo Ivanir Peruzzo É comum as pessoas utilizarem o termo marketing nas mais variadas situações, como na política: Ele está fazendo uma jogada de marketing para conquistar o cargo de

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Afinal, tudo começa em sua maneira de pensar. E marketing é isto, uma questão de posicionamento. PROPOSTA DE SERVIÇOS Logotipos Web Sites Lojas

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

E-Mail Marketing: Primeiros Passos

E-Mail Marketing: Primeiros Passos E-Mail Marketing: Primeiros Passos E-Mail Marketing: Primeiros Passos Aprenda a utilizar o email marketing para alavancar o seu negócio O Marketing Digital vem ganhando cada vez mais força entre as empresas

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto Módulo 6. O Produto Para os consumidores a existência de uma multiplicidade de produtos expostos no mercado, cheio de características e adicionais, é de encher os olhos. A livre concorrência possibilita

Leia mais

COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE

COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE White Paper com dicas essenciais para quem já trabalha ou pretende trabalhar com vídeos em lojas virtuais. 1 PORQUE USAR VÍDEOS ONLINE NO E-COMMERCE?

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

apresentação iagente shop

apresentação iagente shop apresentação iagente shop Rua Sport Clube São José, 54 506. Porto Alegre Rio Grande do Sul CEP: 91030-510 Fone: (51) 3398.7638 e-mail: www.iagenteshop.com.br www.iagente.com.br Data: 01 de Abril de 2009

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

O processo de decisão de compra

O processo de decisão de compra DOSSIÊ O processo de decisão de compra Estudo IBM Business Consulting Services sugere uma ferramenta para entender as escolhas dos consumidores Você sabe tudo que precisa saber sobre as razões que levam

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como:

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: TENDÊNCIAS 1. Globalização Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: Grupo Casino Carrefour Wal-Mart C&A

Leia mais

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS Emoção Grande parte das nossas decisões de compra são feitas por impulso, de forma irracional, instintiva. Se temos dinheiro, compramos as marcas com as quais nos relacionamos emocionalmente. Cada marca

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

7 Passos para um e- Commerce de Sucesso. André Lucena 28.nov.2013

7 Passos para um e- Commerce de Sucesso. André Lucena 28.nov.2013 7 Passos para um e- Commerce de Sucesso André Lucena 28.nov.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... E- commerce Processo de compra e venda de produtos e serviços online. Além de catálogos, carrinhos

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

A grande verdade é que a maioria das empresas está perdendo muito dinheiro tentando criar um negócio online.

A grande verdade é que a maioria das empresas está perdendo muito dinheiro tentando criar um negócio online. Você gostaria de aprender o que os negócios campeões em vendas online fazem? Como eles criam empresas sólidas na internet, que dão lucros por vários e vários anos? A grande verdade é que a maioria das

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Como marca, fachada e merchandising podem se ajudar O DESAFIO Competindo com Competência Todos sabem que a competitividade do mercado

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ]

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ] Módulo 4 CRM [ Customer Relationship Management ] Sumário Introdução pág. 01 1. Definição 2. Por que usar o CRM?? 3. Cadastro pág. 02 pág. 02 pág. 02 4. Tipos de CRM CRM pág. 04 4.1 Operacional: Criação

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

Quem somos? ECID desenvolver sistemas de ensino qualificados e adaptados à realidade brasileira.

Quem somos? ECID desenvolver sistemas de ensino qualificados e adaptados à realidade brasileira. Introdução Nesta apresentação falaremos sobre como ser um Representante Educacional ECID e todas suas vantagens. Apresentaremos-lhe nossos produtos e formas de negócio para sua empresa. Leia atentamente

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

Sumário. Vipexpress Plataforma web para intermediação de vendas online entre usuários

Sumário. Vipexpress Plataforma web para intermediação de vendas online entre usuários Sumário... 1 Sobre o Vipexpress... 2 Vantagens do Marketplace... 2 Funcionalidades destaques da plataforma... 2 Categorias... 2 Anúncios... 3 Módulo de pedidos do administrador... 3 A combinar com o vendedor...

Leia mais

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Marcas Marcas Introdução...3 O que é marca?...4 Marcas x produtos...4 Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Exemplo de diferentes níveis de produto...6 Desafios do branding...8 Conceito de

Leia mais

MANUAL PARA REDUZIR O ABANDONO DO CARRINHO DE COMPRAS

MANUAL PARA REDUZIR O ABANDONO DO CARRINHO DE COMPRAS MANUAL PARA REDUZIR O ABANDONO DO CARRINHO DE COMPRAS ÍNDICE Introdução 1 A jornada do cliente no site 2 Desvendando o problema 5 Técnicas para redução 6 Fidelizando o cliente após a compra 8 Conclusão

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline OPORTUNIDADES Divulgar, vender e lucrar na internet O QUE SIGNIFICA TER UM COMÉRCIO ELETRÔNICO? VANTAGENS DO

Leia mais

Sobre as Franquias Honing Brasil A Honing Brasil é a marca de roupa masculina inspirada no Hóquei no Gelo canadense. A paixão dos canadenses por este esporte e a garra de seus praticantes inspiram a Honing,

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB.

SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB. SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB. #estratégia #marketingdigital #websites Somos uma agência especializada em MARKETING DIGITAL 2007 +7 anos de experiência A Ramosdesign foi criada

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Vamos, juntos. Equipe de Atendimento.

Vamos, juntos. Equipe de Atendimento. Vamos, juntos Somos agência de publicidade e consultoria em marketing digital com a missão de atender as necessidades de comunicação da sua empresa, com serviços que abrangem desde campanhas integradas

Leia mais

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD!

Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! Uma solução completa para sua estrátegia de SOCIAL MEDIA HELLO WORLD! SocialSuite Rua Claudio Soares, 72-16 andar +55 11 3032 1982 São Paulo - SP Brasil Introdução Esse material foi desenvolvido pela equipe

Leia mais

MAC5743 - Computação Móvel

MAC5743 - Computação Móvel Departamento de Ciência da Computação IME/USP MAC5743 - Computação Móvel Cássio Alexandre Paixão Silva Alkmin {cassiop@ime.usp.br} Tema da Monografia: Mobile Commerce 1 Introdução O constante aumento nas

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

10 Dicas para lucrar

10 Dicas para lucrar E-BOOK 10 Dicas para lucrar com Fotografia Infantil, Gestante e Casamentos Autor: Leo Castro www.marketingparafotografos.com.br E-BOOK Copyright 2015, Marketing para fotógrafos, Todos os direitos reservados

Leia mais

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?...

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Conteúdo do ebook O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Deixando sua loja virtual mais rápida

Leia mais

25 dicas fundamentais. para e-commerces. BigHouseWeb

25 dicas fundamentais. para e-commerces. BigHouseWeb 25 dicas fundamentais para e-commerces BigHouseWeb 1ª Edição 2013 Dicas: #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16 #17 #18 #19 #20 #21 #22 #23 #24 #25 25 dicas fundamentais para e-commerces

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Campanhas Multi-Canais. Encontrando a combinação perfeita de estratégias de publicidade

Campanhas Multi-Canais. Encontrando a combinação perfeita de estratégias de publicidade Campanhas Multi-Canais Encontrando a combinação perfeita de estratégias de publicidade Campanhas Multi-Canais: Encontrando a combinação perfeita de estratégias de publicidade..............................................................

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho Adm. Paulo Adriano da S. Carvalho Formado em Administração; MBA em Gestão Empresarial; Formado em Ciências da Computação;

Leia mais

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento Como aumentar as vendas do seu e-commerce Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento 2013 O e-commerce se prepara para um crescimento histórico 2000 Banda larga chega ao Brasil. É lançado no

Leia mais