Swing-By Propulsado aplicado ao sistema de Haumea

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Swing-By Propulsado aplicado ao sistema de Haumea"

Transcrição

1 Tabalho apesentado no DINCON, Natal - RN, Poceeding Seies of the Bazilian Society of Computational and Applied Mathematics Swing-By Populsado aplicado ao sistema de Haumea Alessanda Feaz da Silva Feeia 1 Depatamento de Engenhaia e Tecnologias Espaciais/ Mecânica Espacial e Contole, INPE, São José dos Campos, SP Antonio F. Betachini de Almeida Pado Depatamento de Engenhaia e Tecnologias Espaciais/ Mecânica Espacial e Contole, INPE, São José dos Campos, SP Othon Cabo Winte Gupo de Dinâmica Obital e Planetologia, UNESP, Guaatinguetá, SP Resumo. O Swing-By populsado é estudado. A manoba é aplicada ao sistema excêntico de Haumea. O compotamento da enegia do satélite é analisado. Os esultados mostaam condições onde a manoba é vantajosa em elação à aplicação do impulso e quanto pode se obtido em temos de ganho de enegia. Palavas-chave. Swing-By, manobas impulsivas, tajetóia de satélites, passagens póximas, impulso. 1 Intodução Alguns tabalhos apesentados na liteatua sobe manoba de Swing-By populsada [, 5-6] e sobe o poblema elíptico estito de tês copos [1]. O objetivo do pesente tabalho é o estudo da manoba de Swing-By, paa o caso onde os dois pimáios estão em óbitas elípticas, com a combinação da aplicação de um impulso em difeentes dieções. É uma sequência do tabalho [], que fez um estudo da manoba de Swing-By paa o caso elíptico, poém sem a aplicação do impulso. Aplicações deste tipo de pesquisa podem se genealizadas e aplicadas paa qualque sistema de pimáios excênticos. Um exemplo com alta excenticidade no Sistema Sola é o planeta anão Haumea. Consideando a pesença de suas duas luas, podem-se foma os sistemas Haumea- Hi iaka e Haumea-Namaka. Eles foam estudados, pois se encaixam no poblema 1 DOI: / SBMAC

2 elíptico estito de tês copos devido às altas excenticidades, pincipalmente de Namaka em elação à Haumea. Se um Swing-By populsado é ealizado em tono deles, a excenticidade da sua óbita deve se levada em consideação e o seus efeitos são muito fotes. Haumea é um planeta anão localizado no Cintuão de Kuipe, a uma distância de 45 U.A. do Sol, com diâmeto equatoial de 1600 km, tem ápida otação e extema elongação. Hi iaka é sua maio lua, descobeta em janeio de 005, e a excenticidade de sua óbita é 0,051. Sua massa estimada é de ceca de 19 1,79 x10 kg. Tem um diâmeto equatoial de apoximadamente 50 km e semi-eixo maio de km. Namaka foi descobeta em junho de 005, é intena a óbita de 18 Haumea, tem excenticidade de 0,49 e massa estimada em 1,79 x10 kg, diâmeto equatoial de 170 km e semi-eixo maio de 5657 km [4]. Um algoitmo paa o cálculo da vaiação da enegia foi desenvolvido e aplicado a esses sistemas. Dinâmica do Sistema A dinâmica usada é a dada pelo poblema estito elíptico de tês copos, o que significa que o sistema é assumido se fomado po dois copos massivos, chamado pimáios, em óbitas elípticas em tono do cento de massa deles e um teceio copo com massa negligenciável. É desenvolvido um algoitmo paa obte a vaiação da enegia paa o Swing-By populsado, que tem o impulso aplicado exatamente duante a máxima apoximação da passagem póxima. A dieção do impulso pode se vaiada. Desta maneia é possível enconta a melho dieção paa faze a manoba impulsiva de modo a maximiza a vaiação da enegia. Resultados de outos tabalhos mostam que a aplicação do impulso na dieção do movimento do satélite gealmente não é a solução ótima e que há uma fote elação com a posição do copo secundáio na óbita em tono do copo pincipal e com a excenticidade dos pimáios. O sistema canônico de unidades é usado e abeviado como u.c. Os sistemas de efeência mais usados são o fixo (inecial) e otacional [7]. As equações do movimento do poblema elíptico estito de tês copos: ( 1 )( x x ) ( x x x 1 ) 1 (1 )( y y1) ( y y) y, 1 (1) () Sendo 1 a distância ente M1 e M e é a distância ente M e M. Resultados O objetivo é estuda o efeito da aplicação do impulso exatamente no momento da DOI: / SBMAC

3 máxima apoximação ente o veículo espacial e a lua de Haumea. Deseja-se obte qual a melho dieção paa aplicação desse impulso, de modo a obte a máxima vaiação de enegia possível..1 Haumea Hi iaka Paa as simulações adotamos o valo de ψ = 90 e ψ = 70, anomalia vedadeia (ν) de M no momento do enconto póximo igual a 0, 90, 180 e 70, magnitude do impulso de 0.5 a.0 unidades canônicas (u.c.), dieção de aplicação do impulso α vaiando de -180 a 180, com passo de 1,0 gau. A excenticidade de Hi iaka em elação à Haumea é 0,051. O paâmeto de massa deste sistema é μ = 0, e o aio do peiapside foi adotado sendo 1,1 aios de Hi iaka. Figua 1 apesenta a vaiação da enegia paa os casos com ψ = 90, impulso de 0.5 a.0 unidades canônicas e anomalia vedadeia 0 (cuva peta), 90 (cuva azul), 180 (cuva vemelha) e 70 (cuva vede). O eixo hoizontal epesenta α (ângulo que define a dieção do impulso) e o eixo hoizontal epesenta a vaiação da enegia. (d) δv=.0 Figua 1: Gáfico de α Vs vaiação da enegia, paa ψ = 90, com difeentes δv e DOI: / SBMAC

4 A figua apesenta a vaiação da enegia paa os casos com ψ = 70, impulso de 0.5 a.0 unidades canônicas e anomalia vedadeia 0 (cuva peta), 90 (cuva azul), 180 (cuva vemelha) e 70 (cuva vede). O eixo hoizontal epesenta α (ângulo que define a dieção do impulso) e o eixo hoizontal epesenta a vaiação da enegia. (d) δv=.0 Figua : Gáfico de α Vs vaiação da enegia, paa ψ = 70, com difeentes δv e Nota-se que o efeito da magnitude do impulso é o aumento na vaiação da enegia. A excenticidade causa um aumento na velocidade obital do satélite quando Hi iaka está no peiapside, e quando está no apoapside a velocidade é meno. Quando Hi iaka está a ν=70 de Haumea é a melho posição paa se obte maio vaiação na enegia. O ganho máximo da enegia ocoe em tono de α= ± 0. Na figua (d) a máxima vaiação de enegia é 7.0 u.c., α=-9 e ν=70. As egiões com descontinuidade em α são casos esultantes em captuas ou colisões.. Haumea - Namaka O pincipal inteesse neste estudo é o sistema Haumea-Namaka, devido à sua alta DOI: / SBMAC

5 5 excenticidade, e = 0,49. Adotamos o ângulo de apoximação (ψ) igual a 90 e 70, anomalia vedadeia de M no momento do enconto póximo igual a 0, 90, 180 e 70, magnitude do impulso de 0.5 a.0 unidades canônicas (u.c.), α vaiando de -180 a 180, com passo de 1,0 gau. O paâmeto de massa deste sistema é μ = 0, e o aio do peiapside foi adotado sendo 1,1 aios de Namaka. A figua apesenta a vaiação da enegia paa os casos ψ =90, com impulso de 0.5 a.0 unidades canônicas e anomalia vedadeia 0, e 70, espectivamente. O eixo hoizontal epesenta α (ângulo que define a dieção do impulso) e o eixo hoizontal a vaiação da enegia. (d) δv=.0 Figua : Gáfico de α Vs vaiação da enegia, paa ψ = 90, com difeentes δv e A figua 4 apesenta a vaiação da enegia paa os casos com ψ = 70, impulso de 0.5 a.0 unidades canônicas e anomalia vedadeia 0 (cuva peta), 90 (cuva azul), 180 (cuva vemelha) e 70 (cuva vede), espectivamente. O eixo hoizontal epesenta α (ângulo que define a dieção do impulso) e o eixo hoizontal epesenta a vaiação da enegia. DOI: / SBMAC

6 (d) δv=.0 Figua 4: Gáfico de α Vs vaiação da enegia, paa ψ = 70, com difeentes δv e A excenticidade neste caso é maio compaado ao caso anteio. Neste caso ν=90 esulta em maio vaiação da enegia. A magnitude do impulso é dietamente popocional à vaiação da enegia. 4 Conclusão O tabalho mosta a vaiação da enegia causada pela manoba de Swing-By populsada aplicado ao sistema de Haumea, que é um planeta anão localizado no cintuão de Kuipe. O inteesse nesse sistema é devido à excenticidade ente os pimáios. Foam analisadas quato difeentes configuações ente os pimáios, sendo anomalia vedadeia igual a 0, 90, 180 e 70 e difeentes valoes paa a magnitude do impulso (δv) e ângulo de apoximação (ψ). Dos esultados vemos que a vaiação da enegia é dietamente popocional à magnitude do impulso. O efeito físico da excenticidade é que a velocidade obital não é mais constante, a velocidade é maio quando M está no peiapside e meno quando está no apoapside. No DOI: / SBMAC

7 7 sistema Haumea-Hi iaka a configuação que dá a maio vaiação de enegia é quando ν=70 e δv=.0 u.c. e paa Haumea-Namaka é ν=90 e δv=.0 u.c. Em geal, foi mostado que a melho dieção paa se aplica o impulso nos casos estudados é na dieção não tangencial a óbita (α 0 ). Este estudo consideando a excenticidade ente os pimáios pemite obte esultados mais ealísticos do poblema. Agadecimentos Os autoes desejam expessa seu agadecimento pelo apoio pestado po doações # 4787/01-, 04700/009-6 e 181/01-9, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); subsídios # 011/1101-4, 011/ , 01/10-6 e 014/ da Fundação de Pesquisa de São Paulo (FAPESP) e com o apoio financeio do Conselho Nacional de Apefeiçoamento de Ensino Supeio (CAPES). Refeências [1] R. A. Boucke, Stability of Peiodic Obits in the Elliptic, Resticted Thee-Body Poblem, AIAA Jounal, vol. 7, , (1969). [] A. F. B.A. Pado, Poweed swing-by, Jounal of Guidance Contol and Dynamics, vol. 19, , (1996). [] A. F. B. A, Pado, Close-appoach tajectoies in the elliptic esticted poblem, Jounal of Guidance, Contol and Dynamics vol. 0, , (1997). [4] D. Ragozzine, e M. E. Bown, Obits and Masses of the Satellites of the Dwaf Planet Haumea (00 EL61), Astonomical Jounal, v. 17, , (009). [5] A. F. Silva, A. F. B. A. Pado, A.F.B.A. e O. C. Winte, Optimal impulsive contol in a poweed Swing-By, AIAA Guidance, Navigation, and Contol (GNC) Confeence, (01). [6] A. F. Silva, A. F. B. A. Pado, A.F.B.A. e O. C. Winte, Poweed Swing-By Maneuves aound the Moon, Jounal of Physics: Confeence Seies, vol. 465, (01). [7] V. Szebehely, Theoy of Obits, Academic Pess, (1967). DOI: / SBMAC

Problema de três corpos. Caso: Circular e Restrito

Problema de três corpos. Caso: Circular e Restrito Poblema de tês copos Caso: Cicula e Restito Tópicos Intodução Aplicações do Poblema de tês copos Equações Geais Fomulação do Poblema Outas vaiantes Equações do Poblema Restito-Plano-Cicula Integal de Jacobi

Leia mais

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido Cap.1: Rotação de um Copo Rígido Do pofesso paa o aluno ajudando na avaliação de compeensão do capítulo. Fundamental que o aluno tenha lido o capítulo. 1.8 Equilíbio Estático Estudamos que uma patícula

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues ula 5 Veto Posição, plicações do Poduto Escala Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos bodados Nesta ula Vetoes Posição. Veto Foça Oientado ao Longo de

Leia mais

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO Capítulo 4 - Cinemática Invesa de Posição 4 CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO 4.1 INTRODUÇÃO No capítulo anteio foi visto como detemina a posição e a oientação do ógão teminal em temos das vaiáveis

Leia mais

Série II - Resoluções sucintas Energia

Série II - Resoluções sucintas Energia Mecânica e Ondas, 0 Semeste 006-007, LEIC Séie II - Resoluções sucintas Enegia. A enegia da patícula é igual à sua enegia potencial, uma vez que a velocidade inicial é nula: V o mg h 4 mg R a As velocidades

Leia mais

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados ap03 - Estudo da foça de inteação ente copos eletizados 3.1 INTRODUÇÃO S.J.Toise omo foi dito na intodução, a Física utiliza como método de tabalho a medida das qandezas envolvidas em cada fenômeno que

Leia mais

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia)

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia) Univesidade de Évoa Depatamento de Física Ficha de eecícios paa Física I (Biologia) 4- SISTEMA DE PARTÍCULAS E DINÂMICA DE ROTAÇÃO A- Sistema de patículas 1. O objecto epesentado na figua 1 é feito de

Leia mais

Bola, taco, sinuca e física

Bola, taco, sinuca e física Revista Basileia de Ensino de ísica, v. 29, n. 2, p. 225-229, (2007) www.sfisica.og. Bola, taco, sinuca e física (Ball, cue, snooke and physics) Eden V. Costa 1 Instituto de ísica, Univesidade edeal luminense,

Leia mais

Campo Magnético produzido por Bobinas Helmholtz

Campo Magnético produzido por Bobinas Helmholtz defi depatamento de física Laboatóios de Física www.defi.isep.ipp.pt Campo Magnético poduzido po Bobinas Helmholtz Instituto Supeio de Engenhaia do Poto- Depatamento de Física ua D. António Benadino de

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES 1. Resumo A coente que passa po um conduto poduz um campo magnético à sua volta. No pesente tabalho estuda-se a vaiação do campo magnético em função da

Leia mais

TEXTO DE REVISÃO 13 Impulso e Quantidade de Movimento (ou Momento Linear).

TEXTO DE REVISÃO 13 Impulso e Quantidade de Movimento (ou Momento Linear). TEXTO DE REVISÃO 13 Impulso e Quantidade de Movimento (ou Momento Linea). Cao Aluno: Este texto de evisão apesenta um dos conceitos mais impotantes da física, o conceito de quantidade de movimento. Adotamos

Leia mais

RUBENS RIBEIRO JACOB MANOBRA ORBITAL TERRA-LUA -TERRA

RUBENS RIBEIRO JACOB MANOBRA ORBITAL TERRA-LUA -TERRA RUBENS RIBEIRO JACOB MANOBRA ORBITAL TERRA-LUA -TERRA Dissetação apesentada à Faculdade de Engenhaia do Campus de Guaatinguetá, Univesidade Estadual Paulista, paa a obtenção do título de Meste em Física

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

19 - Potencial Elétrico

19 - Potencial Elétrico PROBLEMAS RESOLVIDOS DE FÍSICA Pof. Andeson Cose Gaudio Depatamento de Física Cento de Ciências Exatas Univesidade Fedeal do Espíito Santo http://www.cce.ufes.b/andeson andeson@npd.ufes.b Última atualização:

Leia mais

Sistemas de Referência Diferença entre Movimentos Cinética. EESC-USP M. Becker /58

Sistemas de Referência Diferença entre Movimentos Cinética. EESC-USP M. Becker /58 SEM4 - Aula 2 Cinemática e Cinética de Patículas no Plano e no Espaço Pof D Macelo ecke SEM - EESC - USP Sumáio da Aula ntodução Sistemas de Refeência Difeença ente Movimentos Cinética EESC-USP M ecke

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico ESAF/ANA/2009 da Pova de Raciocínio Lógico (Refeência: Pova Objetiva 1 comum a todos os cagos). Opus Pi. Rio de Janeio, maço de 2009. Opus Pi. opuspi@ymail.com 1 21 Um io pincipal tem, ao passa em deteminado

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas eléticas em altas fequências A gande maioia das medidas eléticas envolve o uso de cabos de ligação ente o ponto de medição e o instumento de medida. Quando o compimento de onda do sinal medido

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 4 Adição e Subtração de Vetores Cartesianos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 4 Adição e Subtração de Vetores Cartesianos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 4 Adição e Subtação de Vetoes Catesianos Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos Abodados Nesta Aula Opeações com Vetoes Catesianos. Veto Unitáio.

Leia mais

Mecânica. Teoria geocêntrica Gravitação 1ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11

Mecânica. Teoria geocêntrica Gravitação 1ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 1-0-011 Mecânica Gavitação 1ª Pate Pof. Luís Pena 010/11 Teoia geocêntica Foi com Ptolomeu de Alexandia que sugiu, po volta de 150 d.c. no seu livo Almagest, uma descição pomenoizada do sistema sola. Cláudio

Leia mais

setor 1202 Aulas 39 e 40 ESTUDO DO CAMPO ELÉTRICO

setor 1202 Aulas 39 e 40 ESTUDO DO CAMPO ELÉTRICO seto 10 100508 ulas 39 e 40 ESTUDO DO CMPO ELÉTRICO CMPO DE UM CRG PUNTIFORME P E p = f (, P) Intensidade: E K = Dieção: eta (, P) Sentido: 0 (afastamento) 0 (apoximação). (FUVEST) O campo elético de uma

Leia mais

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria E APÊNDICE Revisão de Tigonometia FUNÇÕES E IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS ÂNGULOS Os ângulos em um plano podem se geados pela otação de um aio (semi-eta) em tono de sua etemidade. A posição inicial do aio

Leia mais

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru Luiz Fancisco da Cuz Depatamento de Matemática Unesp/Bauu EXERCÍCIOS SOBRE CÁLCULO VETOTIL E GEOMETRI NLÍTIC 01) Demonste vetoialmente que o segmento que une os pontos médios dos lados não paalelos de

Leia mais

Áreas parte 2. Rodrigo Lucio Isabelle Araújo

Áreas parte 2. Rodrigo Lucio Isabelle Araújo Áeas pate Rodigo Lucio Isabelle Aaújo Áea do Cículo Veja o cículo inscito em um quadado. Medida do lado do quadado:. Áea da egião quadada: () = 4. Então, a áea do cículo com aio de medida é meno do que

Leia mais

O sofrimento é passageiro. Desistir é pra sempre! Gravitação

O sofrimento é passageiro. Desistir é pra sempre! Gravitação O sofimento é passageio. Desisti é pa sempe! Gavitação 1. (Upe 015) A figua a segui ilusta dois satélites, 1 e, que obitam um planeta de massa M em tajetóias ciculaes e concênticas, de aios 1 e, espectivamente.

Leia mais

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Capítulo 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Cap. 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Índice Lei de iot-savat; Cálculo do Campo Poduzido po uma Coente; Foça Ente duas Coentes Paalelas; Lei

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Seção 24: Laplaciano em Coordenadas Esféricas

Seção 24: Laplaciano em Coordenadas Esféricas Seção 4: Laplaciano em Coodenadas Esféicas Paa o leito inteessado, na pimeia seção deduimos a expessão do laplaciano em coodenadas esféicas. O leito ue estive disposto a aceita sem demonstação pode dietamente

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

O perímetro da circunferência

O perímetro da circunferência Univesidade de Basília Depatamento de Matemática Cálculo 1 O peímeto da cicunfeência O peímeto de um polígono de n lados é a soma do compimento dos seus lados. Dado um polígono qualque, você pode sempe

Leia mais

- Física e Segurança no Trânsito -

- Física e Segurança no Trânsito - - Física e Seguança no Tânsito - - COLISÕES E MOMENTUM LINEAR - COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES O QUE É MELHOR: - Se atopelado

Leia mais

Polarização Circular e Elíptica e Birrefringência

Polarização Circular e Elíptica e Birrefringência UNIVRSIDAD D SÃO PAULO Polaização Cicula e líptica e Biefingência Nessa pática estudaemos a polaização cicula e elíptica da luz enfatizando as lâminas defasadoas e a sua utilização como instumento paa

Leia mais

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I FGE7 Eleticidade e Magnetismo I Lista de execícios 5 9 1. Quando a velocidade de um eléton é v = (,x1 6 m/s)i + (3,x1 6 m/s)j, ele sofe ação de um campo magnético B = (,3T) i (,15T) j.(a) Qual é a foça

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE BOBINAS PARA O CONTROLE DE ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS

UTILIZAÇÃO DE BOBINAS PARA O CONTROLE DE ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS INPE-131-PRE/898 UTILIZAÇÃO DE BOBINAS PARA O CONTROLE DE ATITUDE DE SATÉLITES ARTIFICIAIS Rafael Navet de Souza * *Bolsista Univesidade São Macos Relatóio Final de Pojeto de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq/INPE),

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO INTRODUÇÃO... NOÇÕES BÁSICAS... POSIÇÃO DE UM PONTO EM RELAÇÃO AO SISTEMA...4 DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS...6 RAZÃO DE SECÇÃO... 5 DIVISÃO DE UM SEGMENTO NUMA RAZÃO DADA... 6 PONTO MÉDIO DE UM SEGMENTO...

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Accionamento de máquinas. Motores assíncronos

Máquinas Eléctricas. Accionamento de máquinas. Motores assíncronos Accionamento de máquinas Estudo do moto eléctico, quando acoplado a uma máquina. A máquina accionada impõe duas condicionantes ao aanque: Bináio esistente Inécia das massas. Bináio esistente O conhecimento

Leia mais

DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA

DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA Aulas páticas de Óptica e Acústica º semeste de / DISPERSÃO E PODER RESOLVENTE DUM PRISMA Conceitos envolvidos: Equações de Maxwell, dispesão, polaizabilidade, índice de efacção, pisma, ede de difacção

Leia mais

DIVERGÊNCIA DO FLUXO ELÉTRICO E TEOREMA DA DIVERGÊNCIA

DIVERGÊNCIA DO FLUXO ELÉTRICO E TEOREMA DA DIVERGÊNCIA ELETROMAGNETIMO I 18 DIVERGÊNCIA DO FLUXO ELÉTRICO E TEOREMA DA DIVERGÊNCIA.1 - A LEI DE GAU APLICADA A UM ELEMENTO DIFERENCIAL DE VOLUME Vimos que a Lei de Gauss pemite estuda o compotamento do campo

Leia mais

CURSO DE DINÂMICA ORBITAL E CONTROLE CAPÍTULO I: FUNDAMENTOS DA MECÂNICA CELESTE

CURSO DE DINÂMICA ORBITAL E CONTROLE CAPÍTULO I: FUNDAMENTOS DA MECÂNICA CELESTE CADERNO DE FÍSICA DA UEFS, 03 (01): 47-59, 004 CURSO DE DINÂMICA ORBITAL E CONTROLE CAPÍTULO I: FUNDAMENTOS DA MECÂNICA CELESTE Antonio Delson de Jesus Depatamento de Física - UEFS 1. Apesentação e Objetivos

Leia mais

n θ E Lei de Gauss Fluxo Eletrico e Lei de Gauss

n θ E Lei de Gauss Fluxo Eletrico e Lei de Gauss Fundamentos de Fisica Clasica Pof icado Lei de Gauss A Lei de Gauss utiliza o conceito de linhas de foça paa calcula o campo elético onde existe um alto gau de simetia Po exemplo: caga elética pontual,

Leia mais

1. EXPERIMENTOS FATORIAIS.

1. EXPERIMENTOS FATORIAIS. Expeimentos Fatoiais 89. EXPERIMENTOS FTORIIS. Nos expeimentos mais simples compaamos tatamentos ou níveis de um único fato, consideando que todos os demais fatoes que possam intefei nos esultados obtidos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DA DINÂMICA EM ENGENHARIA MECÂNICA

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DA DINÂMICA EM ENGENHARIA MECÂNICA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DA DINÂMICA EM ENGENHARIA MECÂNICA Paulo de Taso Salviano Filho - tasosalviano@ibest.com.b Maio Olavo Magno de Cavalho - molavo@unb.b Cistiano Viana

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS ORBITAIS ENVOLVENDO ÓRBITAS DO TIPO HALO

TRANSFERÊNCIAS ORBITAIS ENVOLVENDO ÓRBITAS DO TIPO HALO INPE-59-TDI/ TRANSFERÊNCIAS ORBITAIS ENOLENDO ÓRBITAS DO TIPO HALO Gislaine de Felipe Tese de Doutoado do Cuso de Pós-Gaduação em Engenhaia e Tecnologia Espaciais/Mecânica Espacial e Contole, oientada

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

Experiência 2 - Filtro de Wien - 7 aulas

Experiência 2 - Filtro de Wien - 7 aulas Instituto de Física - USP FGE0213 - Laboatóio de Física III - LabFlex Estudo de uma patícula em um campo eletomagnético Aula 5 - (Exp 2.1) Filto de Wien Mapeamento de Campo Elético Manfedo H. Tabacniks

Leia mais

ANÁLISE AERODINÂMICA DE PERFIS DE ASA CONEM2012-0547

ANÁLISE AERODINÂMICA DE PERFIS DE ASA CONEM2012-0547 ANÁLISE AERODINÂMICA DE PERFIS DE ASA CONEM2012-0547 LIMA; Rudson de Souza, udsonsouza@yahoo.com.b RIBEIRO; Fenanda Alves, alves@ct.ufn.b FORD; Elmo Thiago Lins Cöuas, elmocouas@hotmail.com CAVALCANTI;

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

1 Busca em Amplitude

1 Busca em Amplitude Algoitmos de Busca A modelagem mostada até aqui detemina a configuação do espaço de estados do poblema, mas não mosta como chega à solução, isto é, como enconta um estado final em um tempo azoável. Paa

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Adriano Pedreira Cattai

Adriano Pedreira Cattai Adiano Pedeia Cattai apcattai@yahoocomb didisuf@gmailcom Univesidade Fedeal da Bahia UFBA :: 006 Depatamento de Matemática Cálculo II (MAT 04) Coodenadas polaes Tansfomações ente coodenadas polaes e coodenadas

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

Prova Escrita de Matemática B

Prova Escrita de Matemática B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Deceto-Lei n.º 139/01, de 5 de julho Pova Escita de Matemática B 10.º e 11.º Anos de Escolaidade Pova 735/.ª Fase 13 Páginas Duação da Pova: 150 minutos. Toleância:

Leia mais

Teoria clássica das vibrações. Cap 22 ASHCROFT- MERMIN Cap 4 KITTEL

Teoria clássica das vibrações. Cap 22 ASHCROFT- MERMIN Cap 4 KITTEL Teoia clássica das vibações Cap ASHCOFT- MEMIN Cap 4 KITTEL Hoje: Falhas do modelo da ede estática tica Teoia clássica do cistal hamônico Calo específico de um cistal clássico Lei de Dulong-Petit Teoia

Leia mais

Os parâmetros cinéticos da taxa de reação são as constantes cinéticas

Os parâmetros cinéticos da taxa de reação são as constantes cinéticas 3.6 Deteminação dos paâmetos cinéticos Os paâmetos cinéticos da taxa de eação são as constantes cinéticas,, e as odens (a, b, n de eação em elação a cada componente. O efeito da tempeatua está na constante

Leia mais

Feixes de Comunicação Satélite

Feixes de Comunicação Satélite Sistemas de Telecomunicações 007-008 Feixes de Comunicação Satélite Rui Macelino Abil 008 Engenhaia Electica e Electónica - TIT Sumáio 1. Teoia Básica da tansmissão. Pojecto do feixe 3. Potência de uído

Leia mais

ENERGIA POTENCIAL ELÉTRICA

ENERGIA POTENCIAL ELÉTRICA Pof(a) Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 NRGIA POTNCIAL LÉTRICA O que é enegia otencial elética? Comaando-se o modelo mecânico da mola, onde uma mola comimida ossui enegia otencial elástica é, devido a

Leia mais

3. Potencial Eléctrico

3. Potencial Eléctrico 3. Potencial Eléctico 3.1. Difeença de Potencial e Potencial Eléctico. 3.2. Difeenças de Potencial num Campo Eléctico Unifome. 3.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial de Cagas pontuais. 3.4. Potencial

Leia mais

SISTEMA DE COORDENADAS

SISTEMA DE COORDENADAS ELETROMAGNETISMO I 1 0 ANÁLISE VETORIAL Este capítulo ofeece uma ecapitulação aos conhecimentos de álgeba vetoial, já vistos em outos cusos. Estando po isto numeado com o eo, não fa pate de fato dos nossos

Leia mais

APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL

APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA TEXTO DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL Rui Lança, Eq. Pofesso Adjunto David Peeia, Eq. Pofesso Adjunto SETEMBRO DE

Leia mais

FORÇA MAGNÉTICA SOBRE CONDUTORES

FORÇA MAGNÉTICA SOBRE CONDUTORES ELETROMAGNETSMO 95 11 FORÇA MAGNÉTCA SOBRE CONDUTORES Até então, nossos estudos sobe campos magnéticos o enfatiaam como sendo oiginado pela ciculação de uma coente elética em um meio conduto. No entanto,

Leia mais

MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE

MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE I-MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE II-MOVIMENTO DE QUEDA COM RESISTÊNCIA DO AR MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE 1 1 QUEDA LIVRE A queda live é um movimento de um copo que, patindo do epouso, apenas está sujeito à inteacção

Leia mais

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano Escola Secundáia/ da Sé-Lamego Ficha de Tabalho de Matemática Ano Lectivo 00/04 Geometia - Revisões º Ano Nome: Nº: Tuma: A egião do espaço definida, num efeencial otonomado, po + + = é: [A] a cicunfeência

Leia mais

Apresentado para: Hélio Morishita Professor Dept. de Engenharia Naval e Oceânica. Preparado por:

Apresentado para: Hélio Morishita Professor Dept. de Engenharia Naval e Oceânica. Preparado por: PRINCÍPIOS FUNDAMENAIS DA RANSFERÊNCIA DE CALOR Apesentado paa: Hélio Moishita Pofesso Dept. de Engenhaia Naval e Oceânica Pepaado po: Macelo Rosáio da Baosa Aluno de Gaduação Dept. de Engenhaia Naval

Leia mais

Adaptação da Voz. Adaptação da Voz Sistema de Reconhecimento de Voz

Adaptação da Voz. Adaptação da Voz Sistema de Reconhecimento de Voz Pofesso: T. J. Hazen Revisão Métodos de Adaptação Nomalização do compimento do tato vocal Adaptação Bayesana Adaptação de Tansfomação Pesando a voz de Refeência Vozes Pópias Adaptação Estutual Aglomeamento

Leia mais

Vetores Cartesianos. Marcio Varela

Vetores Cartesianos. Marcio Varela Vetoes Catesianos Macio Vaela Sistemas de Coodenadas Utilizando a Rega da Mão Dieita. Esse sistema seá usado paa desenvolve a teoia da álgeba vetoial. Componentes Retangulaes de um Veto Um veto pode te

Leia mais

GEO046 Geofísica. Campo magnético. Campo magnético. Campo magnético dipolar

GEO046 Geofísica. Campo magnético. Campo magnético. Campo magnético dipolar GEO046 Geofísica Aula n o 06 MÉTODO MAGNÉTICO Teoia básica e paleomagnetismo Campo magnético Mateiais que apesentavam um compotamento inteessante (magnetismo) ea conhecido desde a antigüidade. Esse conhecimento

Leia mais

Ligações iônicas. Molécula estável E(KCl) < E(K) + E(Cl) Física Moderna 2 Aula 15

Ligações iônicas. Molécula estável E(KCl) < E(K) + E(Cl) Física Moderna 2 Aula 15 Ligações iônicas? Molécula estável E(KCl) < E(K) + E(Cl) 43376 - Física Modena Aula 5 ,7 nm ke U ( ) + EExcl + E Ion E Ion enegia necessáia paa foma o cátion e o ânion sepaados. E Ion,7 ev paa o KCl. E

Leia mais

2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Cuso: Execícios ESAF paa Receita Fedeal 03 Disciplina: Raciocínio Lógico-Quantitativo Assunto: Tópico 04 Matizes, Deteminantes e Sistemas Lineaes Pofesso: Valdenilson Gacia 03 Copyight. Cuso Agoa eu Passo

Leia mais

RECONHECIMENTO DE GESTOS DE MÃO USANDO O ALGORITMO GMM E VETOR DE CARACTERÍSTICAS DE MOMENTOS DE IMAGEM

RECONHECIMENTO DE GESTOS DE MÃO USANDO O ALGORITMO GMM E VETOR DE CARACTERÍSTICAS DE MOMENTOS DE IMAGEM RECONHECIMENTO DE GESTOS DE MÃO USANDO O ALGORITMO GMM E VETOR DE CARACTERÍSTICAS DE MOMENTOS DE IMAGEM Hebet Luchetti Ribeio Escola de Engenhaia de São Calos Univesidade de São Paulo-USP São Calos, São

Leia mais

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (14 de agosto de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (14 de agosto de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Instuções: XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Pova da Pimeia Fase (14 de agosto de 010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Folha de Peguntas A duação da pova é de 3h30min. O tempo mínimo

Leia mais

1. Introdução: classificação das colisões segundo a variação na energia

1. Introdução: classificação das colisões segundo a variação na energia Colisões M.F.B, 004 Física 004/ tua IFA AULA Objetivo: discuti ocessos de colisão ente atículas. Assuntos: colisões elásticas e inelásticas O que você deve se caaz ao final desta aula:! obte as velocidades

Leia mais

O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM A AJUDA DO SOFTWARE EXCEL

O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM A AJUDA DO SOFTWARE EXCEL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETA O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

1. Mecanica do Sistema Solar (II): Leis de Kepler do movimento planetário

1. Mecanica do Sistema Solar (II): Leis de Kepler do movimento planetário . Mecanica do Sistea Sola (II): Leis de Keple do oviento planetáio Astonoy: A Beginne s Guide to the Univese, E. Chaisson & S. McMillan (Caps. 0 e ) Intoductoy Astonoy & Astophysics, M. Zeilek, S. A. Gegoy

Leia mais

Desigualdade de Renda no Nordeste Brasileiro: Uma Análise de Decomposição. Autores. Ensaio Sobre Pobreza Nº 08

Desigualdade de Renda no Nordeste Brasileiro: Uma Análise de Decomposição. Autores. Ensaio Sobre Pobreza Nº 08 Desigualdade de Renda no Nodeste Basileio: Uma Análise de Decomposição. Autoes Macelo Lettiei Siqueia Mácia Lettiei Siqueia Ensaio Sobe Pobeza Nº 08 Novembo de 2006 CAEN - UFC Desigualdade de Renda no

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

Problemas sobre Indução Electromagnética

Problemas sobre Indução Electromagnética Faculdade de Engenhaia Poblemas sobe Indução Electomagnética ÓPTICA E ELECTROMAGNETISMO MIB Maia Inês Babosa de Cavalho Setembo de 7 Faculdade de Engenhaia ÓPTICA E ELECTROMAGNETISMO MIB 7/8 LEI DE INDUÇÃO

Leia mais

Rolamentos de Precisão

Rolamentos de Precisão Rolamentos de Pecisão Rolamentos de Pecisão Índice Descição técnica 1 Seleção do 1-1 Pocedimento de seleção dos s... 2 1-2 Seleção do tipo de... 3 2 Vida dos s 2-1 Capacidade de caga dinâmica e vida nominal...

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

APÊNDICE DO CAPÍTULO 12.

APÊNDICE DO CAPÍTULO 12. APÊNDICE DO CAPÍTULO 12. GRAVITAÇÃO A foça gavitacional é o paadigma de foça em mecˆanica newtoniana. Este esumo visa auxilia o estudo dessa foça no capítulo 12 do livo-texto, cujas figuas e exemplos complementam

Leia mais

Aula 35-Circunferência. 1) Circunferência (definição) 2)Equação reduzida. 3) Equação geral. 4) Posições relativas. 5) Resolução de exercícios

Aula 35-Circunferência. 1) Circunferência (definição) 2)Equação reduzida. 3) Equação geral. 4) Posições relativas. 5) Resolução de exercícios Aula 35-icunfeência 1) icunfeência (definição) 2)Equação eduzida 3) Equação geal 4) Posições elativas 5) Resolução de execícios 1) icunfeência definição. A cicunfeência é o luga geomético definido como:

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

Exercícios. setor Aula 25. Separando as esferas. afastando a barra A ELETRIZAÇÃO POR INDUÇÃO E A ATRAÇÃO DE CORPOS NEUTROS

Exercícios. setor Aula 25. Separando as esferas. afastando a barra A ELETRIZAÇÃO POR INDUÇÃO E A ATRAÇÃO DE CORPOS NEUTROS seto 116 1160409 1160409-SP ula 5 ELETIZÇÃO PO INDUÇÃO E TÇÃO DE COPOS NEUTOS = conduto ou isolante, inicialmente eletizado (induto) = conduto, inicialmente neuto (induzido) Passo 1: Passo : Passo 3: Passo

Leia mais

II MATRIZES DE RIGIDEZ E FLEXIBILIDADE

II MATRIZES DE RIGIDEZ E FLEXIBILIDADE Cuso de nálise Maticial de stutuas II MTIZS D IGIDZ FXIBIIDD II.- elação ente ações e deslocamentos II.. quação da oça em temos do deslocamento F u Onde a igidez da mola () é a oça po unidade de deslocamento,

Leia mais

CAPÍTULO 02 MOVIMENTOS DE CORPO RÍGIDO. TRANSFORMAÇÕES HOMOGÊNEAS

CAPÍTULO 02 MOVIMENTOS DE CORPO RÍGIDO. TRANSFORMAÇÕES HOMOGÊNEAS Caítulo 2 - Movimentos de Coo Rígido. Tansfomações Homogêneas 8 CAPÍTULO 02 MOVIMENTOS DE CORPO RÍGIDO. TRANSFORMAÇÕES HOMOGÊNEAS 2. INTRODUÇÃO Paa o desenvolvimento das equações cinemáticas do maniulado

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

2.5 Aplicações da lei de Gauss para distribuições de carga com simetria

2.5 Aplicações da lei de Gauss para distribuições de carga com simetria .5 Aplicações da lei de Gauss paa distibuições de caga com simetia Paa distibuições de caga com alto gau de simetia, a lei de Gauss pemite calcula o campo elético com muita facilidade. Pecisamos explica

Leia mais

Prova de Física 1 o Série 1 a Mensal 1 o Trimestre TIPO - A

Prova de Física 1 o Série 1 a Mensal 1 o Trimestre TIPO - A Pova de Física 1 o Séie 1 a Mensal 1 o Timeste TIPO - A 01) A fómula matemática a segui mosta a elação que existe ente volume,, em m, de uma pessoa e sua massa, m, em kg. m a) Utilizando a fómula, calcule

Leia mais

Simulação Realista de Tecidos

Simulação Realista de Tecidos Simulação Realista de Tecidos Leando P. Monteio Shin-Ting Wu Univesidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenhaia Elética e Computação, Basil (a) (b) (c) Figua : (a) bandeia hasteada, (b) poltona cobeta,

Leia mais

MODELO EFICIENTE PARA O CÁLCULO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS ACÚSTICAS EM ÁGUAS POUCO PROFUNDAS UTILIZANDO O MÉTODOO DAS SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

MODELO EFICIENTE PARA O CÁLCULO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS ACÚSTICAS EM ÁGUAS POUCO PROFUNDAS UTILIZANDO O MÉTODOO DAS SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS MODELO EFICIENTE PARA O CÁLCULO DA PROPAGAÇÃO DE ONDAS ACÚSTICAS EM ÁGUAS POUCO PROFUNDAS UTILIZANDO O MÉTODOO DAS SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS E. G. A. Costa, L. Godinho, A. Peeia, J. A. F. Santiago Pogama de

Leia mais

Mecânica e Ondas. Capítulo I Interacção mecânica. Lei da atracção gravitacional de Newton

Mecânica e Ondas. Capítulo I Interacção mecânica. Lei da atracção gravitacional de Newton ecânica e Ondas aguspak Cusos EI e EE Capítulo I Inteacção mecânica ei da atacção gavitacional de Newton Se consideamos duas massas pontuais m1 e m, a uma distância ente si, vai have uma foça de atacção

Leia mais

GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC - 31 16 a 21 Outubo de 2005 Cuitiba - Paaná GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC ESTUDO

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

ANÁLISE DE BIFURCAÇÃO DE OSCILAÇÕES FORÇADAS NÃO- LINEARES EM PLACAS CIRCULARES COM BORDA LIVRE

ANÁLISE DE BIFURCAÇÃO DE OSCILAÇÕES FORÇADAS NÃO- LINEARES EM PLACAS CIRCULARES COM BORDA LIVRE INPE-303-PRE/8300 ANÁLISE DE BIFURCAÇÃO DE OSCILAÇÕES FORÇADAS NÃO- LINEARES EM PLACAS CIRCULARES COM BORDA LIVRE Robeto de Oliveia Possidente* *Bolsista FEG/UNESP Relatóio Final de Pojeto de Iniciação

Leia mais

Dinâmica do Sistema Solar

Dinâmica do Sistema Solar Dnâmca do Sstema Sola Intodução Poblema de dos copos Poblema de N copos e movmento planetáo Dnâmca de pequenos copos Poblema de 3 copos Movmento essonante Caos Intodução Segunda le de Newton F = Le da

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais