UNIVERSIDADE DE MARÍLIA MAINARDO FILHO PAES DA SILVA COMÉRCIO ELETRÔNICO: TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE MARÍLIA MAINARDO FILHO PAES DA SILVA COMÉRCIO ELETRÔNICO: TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE MARÍLIA MAINARDO FILHO PAES DA SILVA COMÉRCIO ELETRÔNICO: TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS MARÍLIA 2013

2 MAINARDO FILHO PAES DA SILVA COMÉRCIO ELETRÔNICO: TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Direito da Universidade de Marília como requisito para obtenção do título de Mestre em Direito, sob orientação da Professora Doutora Jussara Suzi Assis Borges Nasser Ferreira. MARÍLIA 2013

3 . Silva, Mainardo Filho Paes da. Comércio Eletrônico: Títulos de Créditos Virtuais; Mainardo Filho Paes da Silva - Marília: UNIMAR, f. Dissertação (Trabalho de Conclusão de Curso) Mestrado em Direito, Universidade de Marília, Marília, Comércio Eletrônico 2. Títulos de Créditos 3. Títulos de Créditos Virtuais. I. Silva, Mainardo Filho Paes da. CDD

4 MAINARDO FILHO PAES DA SILVA COMÉRCIO ELETRÔNICO: TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Direito da Universidade de Marília, área de concentração Empreendimentos Econômicos, Desenvolvimento e Mudança Social, sob a orientação da Professora Doutora Jussara Suzi Assis Borges Nasser Ferreira. Aprovado pela Banca Examinadora em / /2013. Prof.(a) Dr.(a) Jussara Suzi Assis Borges Nasser Ferreira Orientadora Prof.(a) Dr.(a Prof.(a) Dr.(a

5 Dedico este trabalho primeiramente a DEUS e, em seguida, à minha família, especialmente aos meus pais Zouraima Glória da Silva e Mainardo Paes da Silva, que sempre me educaram com valores que pretendo passar para meu filho e alunos. À minha vozinha Iracema da Conceição, que sempre rezou por mim. Dedico também à minha companheira e esposa Andrea Paulo B. E. Paes, que esteve ao meu lado durante toda esta jornada, com toda a dedicação, ternura e paciência, principalmente nos momentos mais difíceis e de cansaço, quando eu pensava em desistir sempre me incentivava com palavras de estímulo e encorajamento. Ao meu filho Davi Eufrásio Paes, meu grande amigo e companheiro, sempre me recebendo com um sorriso, um beijo, um abraço gostoso e pronto para brincar. Não posso esquecer das minhas irmãs, três, Nara, Nayara e Zenaide que me orgulham e me dão preocupação. Meu cunhado Alessandro, pelas caronas de sua casa para o aeroporto, acordando de madrugada, sempre pronto para ajudar. A todos que contribuíram direta e indiretamente para a realização deste projeto de vida.

6 Agradeço, em primeiro lugar, a DEUS, pois é ele que me fortalece. Obrigado Professora Doutora. Jussara Suzi Assis Borges Nasser Ferreira, por ter me auxiliado durante este trabalho acadêmico, com toda dedicação, carinho e simpatia. Agradeço, também, a todos os professores e colaboradores do Mestrado da Universidade de Marília, que além de terem possibilitado em sala a discussão de importantes temas, me passaram valores que serão fundamentais para minha vida. Obrigado a todos os meus colegas Mestrandos, que me receberam com muito carinho e amizade, principalmente nos dias em que eu estava mais cansado, em razão das longas viagens.

7 A divisão entre classes já não é definida entre quem tem e quem não tem posses, e sim, entre quem está conectado ou desconectado. Os desconectados permanecerão pobres. Shimon Peres (Ex-ministro de Israel e prêmio Nobel da Paz de 1994)

8 COMÉRCIO ELETRÔNICO: TÍTULOS DE CRÉDITO VIRTUAIS Resumo: O comércio eletrônico surge como ferramenta protagonista desta nova fase do capitalismo globalizado. Esta nova modalidade comercial, baseada na atividade de intermediação de bens e serviços via web, impacta a economia mundial. Com o comércio eletrônico, aparecem os títulos de crédito virtuais, que em razão das suas características, quais sejam a cambiaridade, negociabilidade e executabilidade, servindo como instrumentos de pagamento dos negócios oriundos deste tipo de comércio. Diante da importância destes dois institutos, comércio eletrônico e títulos de crédito virtuais, surgem alguns questionamentos: Os negócios pactuados na web e os títulos de créditos emitidos virtualmente têm validade jurídica? O comércio eletrônico pode contribuir para o desenvolvimento do Brasil? Quais as vantagens que os títulos de créditos virtuais podem proporcionar ao comércio eletrônico? Para a construção deste trabalho foi utilizado o método dedutivo, por meio de pesquisas bibliográficas em doutrinas e artigos, consulta a legislações e jurisprudências, de onde foram extraídos os conceitos e características gerais dos institutos discutidos, sempre com a cautela de se fazer a devida referência. Desta forma, a conquista dos objetivos propostos demonstra que o comércio eletrônico é vital para que o Brasil alcance o desenvolvimento, garantido pelo preâmbulo e inciso II do artigo 3º da Constituição Federal e que os títulos de créditos são importantes como instrumentos de adimplemento de obrigações nesta nova modalidade comercial, que é o e-commerce. Ademais, tanto o comércio eletrônico como os títulos de créditos eletrônicos já têm reconhecimento jurídico. Palavras chaves: Adimplemento. Comércio eletrônico. Títulos de Créditos Virtuais.

9 ELECTRONIC COMMERCE: BONDS OF VIRTUAL CREDIT Abstract: Electronic commerce emerges as a tool protagonist of this new phase of global capitalism. This new business arrangement, based on the intermediation activity of goods and services via web, impact the world economy. With e-commerce, the titles appear virtual credit, which because of its characteristics, namely the cambiaridade, marketability and enforceability, serving as instruments of payment of business coming from this type of trade. Given the importance of these two institutes, commerce and securities virtual, some questions arise: The business agreed on the web and credit securities issued virtually have legal validity? Electronic commerce can contribute to the development of Brazil? What advantages do the titles of virtual credits can provide e-commerce? For the construction of this work we used the deductive method, through literature searches and articles on doctrines, consulting laws and jurisprudence, from which they were extracted concepts and general characteristics of the institutions discussed, always with the caution to give proper. Thus, the achievement of the proposed objectives demonstrates that electronic commerce is vital for Brazil to achieve development, guaranteed by the preamble and section II of Article 3 of the Federal Constitution and that the debt claims are important as tools for due performance of obligations in this new business arrangement, which is e-commerce. Moreover, both the e-commerce as the titles of electronic claims already have legal recognition. Keywords: adimplemento. Ecommerce. Virtual Credit Notes.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1 - Gráfico do número de computadores por casa e com acesso a internet 23 no ano de Ilustração 2 - Gráfico do número de computadores por casa e com acesso a internet 24 no ano de Ilustração 3 - Figura representativa do funcionamento do business to business (b2b) 45

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO DEFINIÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO COMÉRCIO ELETRÔNICO INTERNET E COMÉRCIO ELETRÔNICO COMÉRCIO ELETRÔNICO: DESENVOLVIMENTO E FUNDAMENTOS ECONÔMICOS DA VALORIZAÇÃO DO TRABALHO E LIVRE INICIATIVA PREVISTOS NO ART. 170 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE REFLEXOS DO COMÉRCIO ELETRONICO NAS RELAÇÕES E FONTES OBRIGACIONAIS INSTRUMENTOS DE NEGOCIAÇÃO E SEGURANÇA JURÍDICA Documento Eletrônico Assinatura Digital Criptografia Certificação Digital FORMAS DE NEGOCIAÇÃO ELETRÔNICA Business to Governement(b2g) Business to Business(b2b) Business to Consumer (b2c) ASPECTOS JURÍDICOS DOS NEGÓCIOS VIRTUAIS Tutela Jurídica do Comércio Eletrônico no Brasil Tutela Jurídica do Comércio Eletrônico na Legislação Estrangeira TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS ASPECTOS GERAIS DOS TÍTULOS DE CRÉDITOS Surgimento, Conceito e Importância Previsão Legal no Brasil Atributos e Princípios Formalismo Cambial Obrigações Representáveis Classificação Pagamento, Aval e Protesto TÍTULOS DE CRÉDITOS PRÓPRIOS E TÍPICOS Letra de Câmbio Nota Promissória Cheque Duplicata DESMATERIALIZAÇÃO DOS TITULOS DE CRÉDITO Conceito Análise dos Aspectos Legais dos Títulos de Créditos Virtuais Atendimento ao Formalismo Cambial Títulos Virtuais à Luz dos Princípios e Atributos Cambiais Títulos Atípicos

12 3 TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS: INSTRUMENTOS DE ADIMPLEMENTO MEIOS MAIS COMUNS DE ADIMPLEMENTO Boleto Bancário Cartão de Crédito ou Débito TÍTULOS DE CRÉDITOS VITUAIS Duplicata Virtual (e-duplicata) Cheque Virtual (e-cheque) Nota Promissória Virtual (e-promissória) INADIMPLEMENTO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO VIRTUAIS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

13 11 INTRODUÇÃO O comércio eletrônico surge como ferramenta protagonista desta nova fase do capitalismo globalizado. Esta nova modalidade comercial, baseada na atividade de intermediação de bens e serviços via web, está impactando a economia mundial, especialmente em razão da rapidez, simplicidade e facilidade na celebração dos negócios, o comprador, que pode ser empresa, governo ou consumidor, consegue contratar e receber pagamento em poucos click s. Neste novo ambiente comercial a empresa pode funcionar 24h (vinte e quatro horas), existir somente virtualmente, ter um estoque virtual, vantagens estas que acarretam em menor preço dos produtos e serviços, comparando-se com o do comércio tradicional ou físico. Diante deste novo espaço comercial, que é o ambiente virtual, com grande potencial econômico, é imprescindível que o Brasil, como forma de alcançar seu desenvolvimento, garantido no preâmbulo e no inciso II do artigo 3º da Constituição Federal de 1988, invista neste novo mercado, por meio de políticas públicas voltadas a incentivar a abertura de empresas que ofereçam suas mercadorias via web ou empresas virtuais. Ademais, o comércio eletrônico atende fundamentos da ordem econômica da valorização do trabalho humano, com a possibilidade de abertura de novos postos de trabalho e, da livre iniciativa, por ser espaço mais competitivo e possibilitar a socialização do comércio. Uma das barreiras identificadas para um maior crescimento deste comércio no Brasil e no mundo está situada na validade dos negócios pactuados na web, segurança deste ambiente e escassez dos instrumentos de adimplemento das obrigações. Quanto à validade das obrigações pactuadas no ambiente digital, no Brasil já existem normas que reconhecem a legalidade das relações advindas da internet, como as previstas no Código Civil, Código de Defesa do Consumidor e em várias legislações esparsas. No que toca à segurança do ambiente virtual, existem vários mecanismos que possibilitam transações seguras, como a criptografia, assinatura digital e, certificação digital. Com relação aos instrumentos para pagamento das obrigações feitas virtualmente, conforme verificado em várias lojas virtuais, há cartão de crédito, cartão de débito e boleto bancário, podendo ser acrescido a estes os títulos de crédito virtuais. Os títulos de crédito são instrumentos simples, mas extremamente formais, tendo, desde há muito tempo, papel importante para o comércio, não perdendo, neste mundo dos negócios virtuais, sua importância; pelo contrário, são extremamente significativas para o fomento deste novo mercado, vez que podem ser utilizados como instrumentos de pagamento, sem perda de seus atributos e características. Os títulos de crédito oferecem para o credor,

14 12 diante do inadimplemento, meios efetivos para recebimento do seu crédito administrativamente, por meio do protesto e judicialmente, por meio do processo de execução. O ordenamento jurídico pátrio já prevê a possibilidade de emissão de títulos de crédito virtuais, conforme se observa no parágrafo 3º do artigo 889 do Código Civil. A validade desses instrumentos, também, já está sendo reconhecida por nossos tribunais. Os títulos de crédito são instrumentos que servem para o comércio eletrônico, tendo esta temática, grande relevância social. É grande seu valor para o desenvolvimento do Brasil, tanto econômico como social, com a valorização da mão de obra, socialização do mercado e abertura de espaço mais competitivo para as empresas.

15 13 1 COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio eletrônico surge em razão dos avanços tecnológicos para atender às novas necessidades da sociedade. Esta modalidade comercial cresce e assume papel significativo em todo o mundo, visto a facilidade que oferece para comerciantes e compradores. Luca Marine comenta que: Il progresso della tecnologia e lo straordinario sviluppo Che ha caracterizzato, negli ultimi anni, il settore delle telecomunicazioni e dell informatica hanno influenzato in modo significativo ogni aspetto della vita quotidiana, modificando abitudini ed usi ormai consolidati. In particolare, il connubio tra tecnologie informatiche e telecomunicazioni (la telemática) [...] há offerto soluzioni e possibilita contemporanea, quali la semplificazione di attività, forme e procedure, la rapidità e I automatismo delle operazioni, la riduzione dei costi, I abbattimento delle distanze geografiche e la comunicazione tra um numero crescente di soggetti, solo per ricordare alcuni dei vantaggi fornit [...]. (grifo do autor) 1 Os avanços tecnológicos que permitem o surgimento do comércio eletrônico, destacados pelo autor são a evolução nas áreas da tecnologia da informação e da informática, que permitem o surgimento desta nova forma de praticar o comércio, com mais facilidade, rapidez, simplicidade, baixo custo sem a barreira geográfica. As grandes empresas, atrizes da econômica, estão cada vez mais utilizando a tecnologia da informação para suas atividades, pois se trata de ferramenta de competitividade no mercado. Os negócios que são travados pelos atores do comércio, no meio virtual, não são pessoais, mas por meio do computador. 2 Diante destas mudanças torna-se necessária a reflexão sobre a segurança e validade dos negócios estabelecidos neste novo espaço negocial. Sem esgotar a discussão sobre o assunto, será feita uma análise do comércio eletrônico nos seus aspectos históricos, com abordagem desde a época do escambo até os dias atuais. Serão apresentadas, também, as ferramentas que propiciaram o surgimento deste novo comércio, quais sejam o computador e a internet, tendo este último impactado fontes, relações negociais e economia do Brasil e do mundo. Apresentar-se-á definição de comércio eletrônico e, também, instrumentos que tornam as tratativas feitas no ambiente virtual mais seguras e juridicamente reconhecidas, formas de negociação conhecidas como, business to governement, business to business e, business to consumer. Por fim, será apresentada a tutela 1 MARINI, Luca. Il Commercio Elettronico: Profili di diritto comunitário. Milão: CEDAM, 2000, p.1. 2 Idem, ibidem, p.2.

16 14 jurídica deste comércio no Brasil e em alguns países da União Européia (UE) e do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL). 1.1 DEFINIÇÃO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO COMÉRCIO ELETRÔNICO. O comércio eletrônico surge [...] justamente em razão da exigência da natureza humana, ou seja, da necessidade do homem agilizar suas relações, por meio de meios mais rápidos e eficazes. 3 Esta modalidade comercial traz várias vantagens, tais como, rapidez na contratação, no pagamento, acesso de pessoas de diferentes lugares a produtos que pessoalmente seria inalcançáveis ou inviáveis (economicamente), queda de preços, pode ser chamada da socialização do comércio. A definição de comércio eletrônico ainda é um caminho tortuoso tendo sido enfrentado por poucos autores. Enfrentando este desafio Ricardo Lorenzetti, com muita responsabilidade, define comércio eletrônico como [...] todas as atividades que tenham por fim o intercâmbio, por meios eletrônicos, de bens físicos e bens digitais ou imateriais, gerando relações jurídicas diversas. 4 Gregores cita algumas definições de comércio eletrônico. A primeira, feita pela Federal Eletronic Commerce Acquisition Team dos Estados Unidos, em 29 de abril de 1994, que a define como sendo [...] o uso combinado e otimizado de várias tecnologias de telecomunicação disponíveis para desenvolvimento do comércio de empresa. 5. A autora traz, também, a definição feita pelo ilustre professor Fábio Ulhoa Coelho que diz que o comércio eletrônico seria [...] a venda de produtos (virtuais ou físicos) ou a prestação de serviços realizados em estabelecimento virtual (grifo do autor). 6 Ao final a autora dá seu ponto de vista sobre o assunto, colocando que para melhor compreender o comércio eletrônico deveria depreender [...] que sempre que utilizarmos um meio eletrônico capaz de transferir a vontade para criar um vínculo jurídico de aquisição de bens ou prestação de serviços, estamos diante do comércio eletrônico. 7 Para Albertin o comércio eletrônico seria: 3 GREGORES, Valéria Elias de Melo. venda eletrônica e suas implicações. São Paulo: Método, 2006, p LORENZETTI, Ricardo L.. SALGARELLI, Kelly Cristina. Direito do Consumidor no Comércio Eletrônico: Uma abordagem sobre confiança e boa-fé. São Paulo: Ícone, 2010, p GREGORES, Valéria Elias de Melo. Op. cit., p COELHO apud GREGORES, Valéria Elias de Melo. Op. cit., p GREGORES, Valéria Elias de Melo. Op. cit., p. 34.

17 15 [...] a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios num ambiente eletrônico, por meio da aplicação intensa das tecnologias de comunicação e de informação, atendendo aos objetivos de negócio. Os processos podem ser realizados de forma completa ou parcial, incluindo as transações negócio-a-negócio, negócio-a-consumidor e intra organizacional, numa infra-estrutura predominantemente pública de fácil e livre acesso e baixo custo. 8 O que se destaca dos conceitos é a necessidade de estabelecimento de vínculo jurídico obrigacional que não seja feito pessoalmente (fisicamente), mas em ambiente virtual. Assim, poder-se-ia entender que o comércio eletrônico é ambiente virtual que possibilita o estabelecimento de vínculos jurídicos entre pessoas (físicas ou jurídicas). O comércio sempre foi importante para a sociedade, sendo responsável pela povoação do planeta, do processo de inter-relacionamento entre os povos e, principalmente, do desenvolvimento das nações. O ser humano, desde os primórdios, pratica o comércio, no inicio para atender suas necessidades básicas como alimentação, vestuário, lazer e moradia, posteriormente, com o intuito de acumular riquezas. Lo que ocurre es que los métodos de comerciar han sido evolucionado a ló largo de la historia, a la vez que la propia humanidad há progresado y evolucionado también. (grifo do autor) 9 De forma sistemática, podem ser destacadas duas grandes fases da evolução comercial: a primeira chamada de comércio de troca ou permuta e a segunda de comércio capitalista. O modelo econômico que tem no comércio seu ator principal é denominado capitalismo e, segundo Machado, este [...] vem definindo a história do mundo desde meados de 1400 até os nossos dias. 10 O capitalismo que, de certa forma, é o modelo econômico adotado em quase todos os países do planeta, é o grande responsável pelo avanço comercial. Surge com a queda do feudalismo, período em que as pessoas viviam em torno dos feudos, que eram, segundo Jácome, autossuficientes, haja vista que no feudo [...] os servos e seus familiares cultivavam seus próprios alimentos e fabricavam seus [...] utensílios de acordo com suas necessidades ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio Eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2004, p E-COMERCIO.US. Origen y Evolucion Histórica. Disponível em: <http://www.ecomercio.us/electronico/banca/origen-y-evolucion-historica/>. Acesso em 18 fev MACHADO, Fernando. Mercantilismo: O renascimento do comércio põe fim ao feudalismo. Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia/mercantilismo-o-renascimento-do-comercio-poe-fim-aofeudalismo.htm>. Acesso em 18 fev JÁCOME, Rafael. Surgimento do comércio eletrônico nas cidades. Disponível em: <http://rafaeljacome.blogspot.com.br/2010/04/o-surgimento-do-comercio-nas-cidades.html>. Acesso em 17 fev

18 16 Nesta fase, denominada de feudalismo, as pessoas produziam apenas para sua autosubsistência, ou seja, sem animus lucrandi. Em determinado momento da história as pessoas começaram a perceber que podiam negociar o excedente do que produziam, tendo, essa nova fase sido chamada de burguesia, surgindo um novo modelo econômico, em que as pessoas buscavam o lucro. Nesta fase modificou-se a forma de valorar as coisas. A explicação de Sousa: A prática comercial experimentada imprimiu uma nova lógica econômica em que o comerciante substituiu o valor de uso das mercadorias pelo seu valor de troca. Isso fez com que a economia começasse a se basear em cima de quantias que determinavam numericamente o valor de cada mercadoria. Dessa maneira, o comerciante deixou de julgar o valor das mercadorias tendo como base sua utilidade e demanda, para calcular custos e lucros a serem convertidos em uma determinada quantia monetária. 12 Assim, o valor do bem é o seu custo acrescido do lucro desejado pelo comerciante. Nesta fase, começa a surgir o capitalismo como é conhecido hoje, em que o objetivo principal do comércio é o lucro, ou seja, o acúmulo de riquezas. Komparato comenta que: A mudança radical de mentalidade correspondeu ao surgimento, como modelo global de vida, da busca do lucro máximo pelo exercício profissional de uma atividade economia. 13 O autor acrescentou ainda que o capitalismo representa o traço de maior importância no processo de transformação global da vida em nosso planeta. 14 Transformação não somente no aspecto econômico, mas, também, social e cultural. A expansão do sistema capitalista, da Europa Ocidental ao mundo todo, representou um dos movimentos mais característicos daquilo que se denominou a aceleração da História. Essa façanha, sem precedentes no longo do processo de desenvolvimento da espécie humana na face da Terra, foi, sem dúvida, o resultado do exercício de uma nova modalidade de poder: O econômico. A dominação dos ricos sobre os pobres é tão velha quanto a própria humanidade. O capitalismo soube, porém, organizá-la de modo a lhe conferir extraordinária eficácia transformadora do meio social.(grifo do autor) 15 É indubitável que o capitalismo transforma as relações das pessoas com seus pares, com a natureza e com a tecnologia, tudo isto em razão do fato de que o poder econômico 12 SOUSA, Rainer. Origem do Capitalismo. Disponível em: < Acesso em 18 fev COMPARATO, Fábio Konder. Capitalismo: civilização e poder. Estudos Avançados, p Disponível em: Acesso em 30 abr Idem, ibidem. 15 Idem, ibidem..

19 17 capitalista está intimamente ligado à capacidade de permanente acumulação e centralização do capital. Destaca-se 03(três) fases no desenvolvimento do capitalismo: A primeira chamada de capitalismo comercial, a segunda capitalismo industrial, a terceira capitalismo financeiro. A primeira, capitalismo comercial, iniciou-se com: [...] as Grandes Navegações e Expansões Marítimas Europeias, fase em a burguesia mercante começa a buscar riquezas em outras terras fora da Europa. Os comerciantes e nobreza estavam a procura de ouro, prata, especiarias e matérias-primas não encontradas em solo europeu. Estes comerciantes, financiados por reis e nobres, ao chegarem à América, por exemplo, vão começar um ciclo de exploração, cujo objetivo principal era o enriquecimento e o acúmulo de capital. Neste contexto, podemos identificar as seguintes características capitalistas: busca do lucro, uso de mão-de-obra assalariada, moeda substituindo o sistema de trocas, relações bancárias, fortalecimento do poder da burguesia e desigualdades sociais. 16 Nesta fase, ocorre a substituição do feudalismo pelo capitalismo, com o crescimento da classe burguesa e, descoberta de novas terras, diante da necessidade de encontrar riquezas. Este período é responsável pela ligação comercial entre a América, África e Europa, expandindo-se, consequemente os mercados consumidores. A segunda fase, chamada de capitalismo industrial ocorre por volta do século XVIII, tendo a Europa, neste período importantes mudanças nos seus sistemas de produção, especialmente em decorrência da Revolução Industrial que fortalece o capitalismo, a máquina foi colocada para substituir o homem, para produzir e gerar, consequentemente mais lucros. A terceira fase denominada de Capitalismo Financeiro inicia-se no século XX e perdura até os dias de hoje, sendo as grandes corporações financeiras e o mercado globalizado suas principais características desenvolvimentistas, tendo a informática relevante papel neste contexto. Pode-se dizer que este período, [...] está em pleno funcionamento até os dias de hoje. Grande parte dos lucros e do capital em circulação no mundo passa pelo sistema financeiro. A globalização permitiu as grandes corporações produzirem seus produtos em diversas partes do mundo, buscando a redução de custos. Estas empresas, dentro de uma economia de mercado, vendem estes produtos para vários países, mantendo um comércio ativo de grandes proporções. Os sistemas informatizados possibilitam a circulação e transferência de valores em tempo quase real. Apesar das indústrias e do comércio continuarem a lucrar muito 16 SUA PESQUISA.COM. Capitalismo: origens do sistema capitalista, características, lucros e trabalho assalariado, neocolonialismo. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/capitalismo/>. Acesso em 18 fev

20 18 dentro deste sistema, podemos dizer que os sistemas bancário e financeiro são aqueles que mais lucram e acumulam capitais dentro deste contexto econômico atual. 17 Destaca-se, nesta fase, um fenômeno denominado globalização. O ser humano tem vocação para a globalização, [...] desde os primórdios, quando o homem descobriu as possibilidades do comércio, nasceu a ideia de globalização, ou seja, as trocas entre tribos e povos diferentes obtendo o que lhes faltava ou lhes era conveniente [...]. 18 Para Spich a globalização [...] pode ser definida como um conceito que expressa uma política internacional de integração tanto econômica quanto sociocultural, a despeito de predominar o viés negocial. 19 Para efetivação do processo de globalização, com alcance dos povos de diversas nações e continentes, é incontestável a influência do avanço tecnológico, tais como, avanço nos transportes aéreos, terrestres e marítimos, surgimento do computador, melhoria no processo de informação especialmente nos serviços de telefonia e internet. Neste período globalizado, contemporâneo, vive-se em um estágio em que as relações interpessoais (nacionais e internacionais), estão cada vez mais dinâmicas, especialmente após o surgimento da internet, que potencializa o processo de informação e permite que as pessoas negociem de qualquer lugar do mundo. Por exemplo, um brasileiro pode adquirir pela internet produtos da Ásia e Oceania. Esse novo mercado, oriundo da internet é chamado de comércio eletrônico ou virtual, sendo responsável por importante fatia da circulação de riqueza no mundo. O comércio eletrônico é imprescindível para esta economia globalizada em razão do seu [...] poder de integrar fornecedores, clientes e consumidores e interligar diferentes localidades, sem restrição de tempo. 20 Este processo globalizado digital da origem a uma nova economia que pode ser denominada de economia digital. 21 Esta mudança pode ser diferenciada na medida em que a [...] economia para a era da inteligência em rede é uma 17 SUA PESQUISA.COM. Capitalismo: origens do sistema capitalista, características, lucros e trabalho assalariado, neocolonialismo. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/capitalismo/>. Acesso em 18 fev RELVAS, Marcos. Comércio Eletrônico: Aspectos contratuais da relação de consumo. 5 reimp. Curitiba: Juruá, 2012, p SPICH, R. S. citado por SOUZA, Luciano Comper. O comércio Eletrônico Global: Desenvolvimento e regulação internacional. Disponível em : <http://www.revistadir.mcampos.br/producaocientifica/artigos/lucianocomperdesouzaocomercioeletron icoglobal.pdf>. Acesso em 30 abr ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio Eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2004, p Idem, ibidem.

21 19 economia digital. Na velha economia, o fluxo de informação era físico: dinheiro, cheques, faturas, notas de embarque, relatórios, reuniões face a face, mapas, fotografias etc. (grifo do autor) 22 Ou seja, neste novo contexto econômico, para que uma empresa seja competitiva deverá dominar não somente as estratégicas tradicionais de negociação, mas, também as tecnologias da informação (comércio eletrônico, contratos eletrônicos, títulos de crédito eletrônicos, dinheiro eletrônico e o cartão de crédito). Surge em 1980, quando a NSF (US National Science Foundation) cancelou a proibição imposta às companhias de usar a internet para tráfego comercial. (grifo do autor) 23. Pode ser acrescentado ainda que [...] em 1994 criou-se a primeira floricultura a aceitar encomendas via Internet e a cadeia Pizza Hut começa a oferecer o serviço de pizza em seu website. (grifo do autor) 24 Segundo a revista Veja, o Brasil tem um crescimento no comércio eletrônico de 29% em 2012, bem como 9 (nove) milhões de pessoas compram pela primeira pela internet, tendo as vendas somado uma importância de 24,12 bilhões de reais. 25 Podem ser identificadas várias vantagens do comércio eletrônico, tais como: conexão direta entre comprador e vendedor, troca de informações digitalmente, eliminação dos limites de tempo e lugar, interatividade, atualização das informações em tempo real. O comércio eletrônico está modificando as relações de consumo de forma intensa. Nesses mercados virtuais de compra, os consumidores, para fazerem suas compras, precisam apenas apertar o botão comprar. A título de exemplificação da importância do comércio eletrônico para a sociedade, apresenta-se, alguns campos em que o mesmo está presente: serviços bancários, shopping, entretenimentos, transações de informações e, principalmente, no mercado varejista. O sítio eletrônico E-commercebrasil.org indica os 5(cinco) sites varejistas mais visitados: em primeiro lugar está a loja Americanas.com; em segundo, a loja Submarino.com; em terceiro livraria Saraiva; em quarto a Netshoes que vende artigos esportivos e, em quinto lugar, a Casas Bahia.com. Destas lojas algumas são físicas e virtuais e outras somente virtuais. 22 TAPSCOTT apud ALBERTIN, Luiz Alberto. Comércio Eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2004, p SALGARELLI, Kelly Cristina. Direito do Consumidor no Comércio Eletrônico: Uma abordagem sobre confiança e boa-fé. São Paulo: Ícone, 2010, p Idem, ibidem. 25 VEJA. Vendas no comércio eletrônico brasileiro crescem 29% em Disponível em: <http://veja.abril.com.br/noticia/economia/vendas-no-comercio-eletronico-brasileiro-crescem-29-em-2012>. Acesso em: 27 fev

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Katyúscia Kelly Pereira de Sousa Feitoza* Títulos de crédito são documentos que representam obrigações

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu Desembaraço Informações da indústria como você nunca viu Introdução É uma ferramenta dominada pela geração Y, mas que foi criada pela geração X. Ela aproxima quem está longe e tem distanciado quem está

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 *

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Henrique Santos Pinheiro UEMG Unidade Carangola Márcio Ferreira dos Passos UEMG Unidade Carangola Rogério de Oliveira

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico DESTAQUES 2007 O Estudo sobre Comércio Eletrônico da TIC Domicílios 2007 apontou que: Quase a metade das pessoas que já utilizaram a internet declarou ter realizado

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-38 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

Inteligência Competitiva e Tecnológica

Inteligência Competitiva e Tecnológica Inteligência Competitiva e Tecnológica Gilda Massari Coelho, Lúcia Regina Fernandes, Cícera Henrique da Silva, Vera Lúcia Maria Lellis A globalização constitui uma chave essencial para explicar os fenomênos

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline OPORTUNIDADES Divulgar, vender e lucrar na internet O QUE SIGNIFICA TER UM COMÉRCIO ELETRÔNICO? VANTAGENS DO

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

Tecnologia da Informação. Aula 3 e-business. Prof. Adrian Kemmer Cernev. Prof. Adrian Cernev. Tec. da Informação

Tecnologia da Informação. Aula 3 e-business. Prof. Adrian Kemmer Cernev. Prof. Adrian Cernev. Tec. da Informação Tecnologia da Informação Aula 3 e-business Prof. Adrian Kemmer Cernev Questão-chave Como eu faço, então, esse negócio online deslanchar? Nascimento e evolução da Internet 1969 ARPAnet - rede baseada em

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP CURSO DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS TRABALHO DE GESTÃO DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2010 PROFESSOR JOSÉ CARLOS VAZ São Paulo,

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Março de 2012 Introdução Para aqueles que no dia-a-dia atuam no mundo do livro, na leitura e/ou

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA Giovanna Filomena Silveira Teles Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos 1. BREVE HISTÓRICO DO DIREITO EMPRESARIAL Para melhor compreendermos

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD ESTUDO DO PERFIL DE ESTUDANTES EM ADMINISTRAÇÃO E SUA FAMILIARIDADE COM O E-COMMERCE. Osmar Meira de Souza Junior José Mauro de Sousa Balbino Rafaela Módolo de Pinho 1" ESTUDODOPERFILDEESTUDANTESEMADMINISTRAÇÃOESUAFAMILIARIDADECOMO

Leia mais

Utilização do comércio eletrônico como elemento facilitador da sociedade

Utilização do comércio eletrônico como elemento facilitador da sociedade Utilização do comércio eletrônico como elemento facilitador da sociedade Prof. Esp. Lângesson Lopes da Silva. Professor da Faculdade José Augusto Vieira. e-mail: prof_langesson@yahoo.com.br Cleide Ane

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento Como aumentar as vendas do seu e-commerce Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento 2013 O e-commerce se prepara para um crescimento histórico 2000 Banda larga chega ao Brasil. É lançado no

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

ITU Regional Human Capacity Development Forum. TIC e Desenvolvimento Econômico e Social

ITU Regional Human Capacity Development Forum. TIC e Desenvolvimento Econômico e Social ITU Regional Human Capacity Development Forum TIC e Desenvolvimento Econômico e Social O mundo passa por um momento de profundas transformações...... as comunicações são parte dessas transformações. Políticas

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Agenda. Cenário. Tendências e o impacto da Tecnologia. Demandas do Novo Consumidor. Desafios no novo cenário

Agenda. Cenário. Tendências e o impacto da Tecnologia. Demandas do Novo Consumidor. Desafios no novo cenário Agenda Cenário Tendências e o impacto da Tecnologia Demandas do Novo Consumidor Desafios no novo cenário Agenda Cenário Tendências e o impacto da Tecnologia Demandas do Novo Consumidor Desafios no novo

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Manual Prático do Usuário

Manual Prático do Usuário Página 12 Saiba mais Em quanto tempo seu cliente recebe o produto Como é emitida a Nota fiscal e recolhido os impostos Pergunte ao Suporte Todos os pedidos serão enviados em até 24 horas úteis, após a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br 1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br BALBONI, Mariana (coord. executiva). Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil: TIC Domicílios e TIC Empresas 2007. São Paulo: Comitê Gestor

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO

E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO Antonio Donizete Lemes (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) e-mail: lemesad@ig.com.br Desireé de Castro Perecin (Discente do 4º ano do curso de Administração

Leia mais

Perfil do Jovem Brasileiro. Realização: Núcleo de Tendências e Pesquisa do Espaço Experiência da FAMECOS/PUCRS

Perfil do Jovem Brasileiro. Realização: Núcleo de Tendências e Pesquisa do Espaço Experiência da FAMECOS/PUCRS Perfil do Jovem Brasileiro Realização: Núcleo de Tendências e Pesquisa do Espaço Experiência da FAMECOS/PUCRS Porto Alegre, setembro de 2013 ASPECTOS METODOLÓGICOS 2 Objetivos e Síntese Metodológica Objetivo

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

Thais Pereira Teixeira

Thais Pereira Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Thais Pereira Teixeira ESTRATÉGIA COMPETITIVA E COMÉRCIO ELETRÔNICO: ESTUDOS

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

A Pitney Bowes está ajudando corporações e agências do governo a prepararem o caminho para a análise de rede avançada.

A Pitney Bowes está ajudando corporações e agências do governo a prepararem o caminho para a análise de rede avançada. Gerenciamento de Informações dos Clientes Gerenciamento e Integração de dados Análise de Rede Social Soluções para possibilitar relacionamentos duradouros com clientes A Pitney Bowes está ajudando corporações

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL 1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL FABRICIO, M. A. F. Resumo: O presente trabalho tem por finalidade um estudo sobre a responsabilidade civil do sítio no comércio eletrônico,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves comentários aos contratos eletrônicos Alessandro Fonseca* Conceito e Contratação nos dias atuais Conceito de contrato eletrônico Antes de abordar o conceito de contrato eletrônico,

Leia mais

Panorama do e-commerce tendências e expectativas.

Panorama do e-commerce tendências e expectativas. Panorama do e-commerce tendências e expectativas. As marcas BuscaPé atuam em toda a cadeia de valores do e-commerce na América Latina Ciclo de Compras PERCEPÇÃO INTERESSE DECISÃO AÇÃO PÓS-VENDA REVENDA

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-Correio Telégrafo (século XIX)

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais