MÓDULO FI 75MHz. Descrição do circuito:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO FI 75MHz. Descrição do circuito:"

Transcrição

1 MÓDULO FI 75MHz. O módulo FI 75MHz é uma placa de 9 pol x 3,5 pol conectado a placa-mãe em J6 e localizado no quarto nicho (slot) da direita do rádio. É utilizado na recepção e transmissão. A Figura 5-19 é um diagrama de bloco do módulo FI 75 MHz e a Tabela 5-14 mostra as conexões do módulo. O módulo é alimentado com _12V e gera 8V internamente (8VOC). R8 é utilizado apenas na recepção; T8 apenas na transmissão; T12 é utilizado como linha de controle de polarização para Amplificador de RF enquanto T8 e R8 são utilizados para alimentar chaves T/R e os circuitos no Módulo que operam apenas em recepção e transmissão. O decodificador/driver U7 é utilizado para transformar dados série do processador em sinais que acionam a matriz de chaveamento. Este circuito controla filtro passa alta (K2) atenuador 12dB (K1) e o status BITE. Modo recepção: O sinal Rx do módulo Filtros RF é conectado via o cabo coaxial ao J52. Passando por filtro passa-alto (HPF) para todos as freqüências acima de 2MHz. Este sinal passa por um atenuador de 12dB cuja inclusão no circuito controlado pela tecla do painel frontal (ATTN). Este sinal é misturado no 10 misturador para formar 10 FI de 75MHz. Então amplificado, filtrado e amplificado novamente antes de sair para módulo FI 5MHz. No conector coaxial J53. A tensão AGC para a recepção é aplicado em J6-18 e é utilizado para controlar o ganho no último amplificador de 75MHz. Modo transmissão: Em transmissão, o sinal modulado de 5MHz do módulo FI 75 MHz passa pelo J53 e passa pelo amplificador de transmissão. O ganho deste amplificador é controlado por ALC em particular (ALCVL) J6-6 e (RAWALC) J6-12. As linhas vem do módulo processador e são utilizados como referência para ajustar a saída de RF no nível desejado, enquanto a linha ALC vem do módulo de referência/controle. A tensão ALC é uma combinação de tensões produzidas pelo detetores de potência direta e refletida. Quando a antena esta casada em 50 Ohms não há tensão de potência refletida e o ALC permitirá ao rádio fornecer a potência nominal na saída via ALCVL. Com um aumento do VSWR aumenta-se a tensão refletida e os valores maiores na linha (RAWALC) causam o decréscimo da potência na saída proporcionalmente. O sinal Tx do amplificador de transmissão passa por um filtro de 75MHz, amplificado para mistura com sinal do 10 LO dentro do 10 misturador. O sinal de transmissão agora está na freqüência do canal. Agora, ele é amplificado por excitador de transmissão de dois estágios cuja saída é um amplifica dor "push-pull". O nível de saída é de + 20dBm. O sinal de saída passa por J60 (TXRFLOW) via um cabo coaxial ao módulo Amplificador de RF. Descrição do circuito: O módulo FI 75 MHz é dividido em quatro partes: circuito de recepção que funciona quando +8V é comutado a linha R8. O circuito de transmissão funciona quando +8V é aplicado a linha T8 e +12V a linha T12. Ainda ha um circuito independente de amplificação do sinal do 1--.!1 LO e circuito de controle. Recepção: A partir de aplicação de +8V na linha R8, o sinal vindo do módulo Filtros RF ( RXRF - J52 ) sera ampliaficado e filtrado ate sua saída em J53-75 MHz RF. Na linha do sinal de recepção é ligada uma lâmpada neon OS1, que atua como proteção contra descargas, limitação de fortes sinais de RF. O sinal passa por um filtro passa alta de 2 MHz quando a freqüência for maior que 2 MHz e passa através dos contatos dos relê K2 quando for menor que 2 MHz. Este relê é ativado através da

2 programação do processador principal do pino U7-3 que satura o transistor Q14, fornecendo a corrente ao relê. Após este filtro o sinal passa por atenuador R1,R2,R3 de 12dB quando é ativado apartir de controle "A TI do painel frontal. A ativação se da via programação do processador principal do pino U7-1 que satura o transistor Q7 e fornece a corrente ao relê K1. Quando o atenuador é desativado o sinal passa através dos contatos do relê em posição de repouso. Após disso o sinal passa por C6,01,C7 e entra no MX1-1. O misturador MX1 de alto nível de injeção e foi escolhido para permitir uma excelente banda dinâmica ao receptor. 01 é um diodo PIN que conduz em recepção devido ao +8V em R8. O sinal com a freqüência do canal é subtraído da freqüência do sinal do 1 LO no primeiro misturador MX1. A diferença de freqüências é o sinal da 1 FI 75 MHz na saída do MX1-3,4. O sinal passa por C8, 02 (conduz em Rx), C9, amplificador monolitico U1, C10, 03 (conduz em Rx), Filtro de casamento L27, C47, C48, Filtro cristal de 75 MHz XF2, filtro de casamento L28, C49, C50, 04 (conduz em Rx), C11, amplificador monolitico U2, C12, R12, 05 (conduz Rx), C13 e saia no J53-75 MHz IF. Circuito Transmissão: O sinal de transmissão vem do modulo FI 5 MHz no mesmo conector J53 e percorre um caminho inverso do recepção. Quando em transmissão +8V é aplicada na linha T8. O sinal de J53 passa pelo C 13, 06 (conduz em Tx), C14, R80, amplificador monolitico U3, C15, R18, C16, 07 (conduz em Tx), filtro de casamento L28, C50, C49, filtro a cristal XF2, filtro de casamento L27, C47, C48, 08 (conduz em Tx), C18, amplificador monolitico U4, filtro C59, L30, C19, 09, C8 e entra no misturador MX1-3,4. O sinal e subtraído da freqüência do 1 LO e chega na saída como a freqüência de canal HF. Este sinal passa por 010 (conduz em Tx), C20, passa por amplificador monolitico U6. Este estagio é acoplado por transformador T1 ao excitador HF formado por 02 e 03. Este amplificador é do tipo "push-pull, funcionando em classe AB. O circuito do 04 fornece a polarização necessária a este estagio independente da variação de temperatura. O amplificador é acoplado a saída J60 através do transformador T2 e capaz de fornecer ate 100 mw de RF. A potência RF do transceptor é controlada pelo circuito ALC que atua exclusivamente no modulo FI 75 MHz. Este circuito varia o ganho do 1 Q estagio de amplificação do modulo FI 75 MHz U3. O circuito atenua (diminui) o ganho do circuito através dos dois diodos PIN 022 e 023 ligados em paralelo na entrada e saída do amplificador. A impedância destes diodos depende linearmente da corrente direta aplicada. Assim, a maior corrente diminua a impedância característica do diodo. Esta corrente é determinada pela tensão aplicada na saída do U9A e resistores R78 e R79 respectivamente. A tensão aplicada na saída é proporcional ao sinal RAWALC proveniente do modulo Referencia/Controle. O ganho OC é fixo e todo ajuste é feito no modulo Referencia/Controle. A saída do U9A-1 também é enviada para o processador principal como ALCL VL - J6-6 para a leitura de ALC. 1 o LO: O sinal do J59 1 stlo é ampliado pelo amplificador monolitico U5 e em seguir pelo estagio 01, L24 que no final fornece o nível de +17 dbm necessário para o misturador MX1-8 (LO) de alto nível. Antes entrar no misturador o sinal do amplificador 01 passa por um filtro de casamento L31, C56, C57. Circuito de Controle: Este circuito se encarrega de programar e chavear o modulo. Inicialmente o processador principal testa a presença do modulo no local, programando a saída do U7-2 e U7-15 em nível alto. O 013 conduz 06 corta e 05 conduz. Isso produzira uma tensão de 1,85V na linha BITE (J6-17) devido ao divisor R52+R51 e R 12 do processado r. No passo seguinte o processador programa U7-2 com nível baixo e 0013 corta. A tensão de RF na saída do amplificador é retificada pelo 011 e produz a tensão suficiente para saturar o 06 que corta 05. A linha BITE fica alta, indicando o bom funcionamento. A diminuição no nível de injeção do 1..Q LO fará a tensão da linha BITE ir

3 para 1,85V indicando este módulo como defeituoso. Circuito de chaveamento RxfTx: Em recepcão: o sinal PTT (J6-5) fica alto. Atensão +8V é obtida através de um regulador monolitico U10, cuja alimentação é +12V. Nestas condições: 08 é cortado e T12 = OVo 010 conduz, 09 conduz, 011 corta, R8 = +8Ve T8 = Ovo Em transmissão: O sinal PTT ativado e é nível baixo (OV). 08 conduz e T12 = +12V; 010 corta, 09 corta, 011 conduz _ T8 = +8V e R8 = OVo A tabela 5-15 fornece a lista de procedimentos de teste para módulo FI de 75MHz.

4

5

6

7

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

Diodo P-I-N Aplicação em Sistema de Chaveamento

Diodo P-I-N Aplicação em Sistema de Chaveamento Diodo P-I-N Aplicação em Sistema de Chaveamento Utilizando dois diodos PIN é possível conseguir chaves de RF com duas posições. Quando D1 for polarizado reversamente e D2 polarizado diretamente, há transferência

Leia mais

Pontas de prova para instrumentos

Pontas de prova para instrumentos Pontas de prova para instrumentos São denominados pontas de prova o conjunto de cabos, conectores e terminações que fazem a conexão entre os instrumentos e os circuitos a serem analisados. 1 Pontas de

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA Concurso Público - NÍVEL MÉDIO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES 2. Demodulador

TELECOMUNICAÇÕES 2. Demodulador TELECOMUNICAÇÕES 2 3 Demodulação: a Detecção por amplitude: Detetor de envoltória. AM b Detecção por freqüência: Demodulação de quadratura. FM c Detecção por fase: Demodulação por desvio de fase. Demodulador

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA TEORIA Princípios básicos de transmissão a. Sinais de radiofreqüência (RF) Possuem freqüências acima de 100 KHz e são usados pelas emissoras para transportar

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES OBJETIVOS Descrever a função de cada bloco do diagrama-bloco do RECEPTOR-TRANSMISSOR EB 11-RY 20/ERC; Descrever os procedimentos de medição

Leia mais

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV www.thevear.com.br www.teleco.com.br A recepção de sinais TV em prédios de apartamentos é feita através de antenas coletivas colocadas no topo do edifício

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

Capítulo 2 - Diodos para Microondas. Diodo P-I-N

Capítulo 2 - Diodos para Microondas. Diodo P-I-N Diodo P-I-N É composto por um bloco de cristal intrínseco que separa uma fina camada de cristal P + de uma fina camada de cristal N +. Como é impossível obter um cristal intrínseco 100% livre de impurezas,

Leia mais

Introdução 5. Amplificador em base comum 6. Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10

Introdução 5. Amplificador em base comum 6. Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10 Sumário Introdução 5 Amplificador em base comum 6 Princípio de funcionamento 8 Com sinal de entrada positivo 8 Com sinal de entrada negativo 10 Parâmetros do estágio amplificador em base comum 12 Ganho

Leia mais

FILTRO PASSA BANDA PARA A FAIXA DE 6 METROS

FILTRO PASSA BANDA PARA A FAIXA DE 6 METROS FILTRO PASSA ANDA PARA A FAIXA DE 6 METROS PU2XEA por Lúcio A. Magalhães Filho 1. INTRODUÇÃO A necessidade de se usar um filtro para a banda de 6 metros ficou evidente quando percebi que certos transceptores

Leia mais

Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas

Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas Resumo de trabalho Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas Disciplina: Componentes e sistemas de sensoriamento a fibra ótica PEA5719 Professor:

Leia mais

Aula Prática 01. O Amplificador Diferencial e Aplicações

Aula Prática 01. O Amplificador Diferencial e Aplicações Aula Prática 01 I - Objetivos O objetivo desta aula prática é estudar o amplificador diferencial, suas propriedades e aplicações. A técnica adotada é reforçar a noção de associação de amplificadores em

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse:

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br ELETRÔNICA, princípios e aplicações 2 Capítulo 8 Amplificador de Sinais Sumário do capítulo: 8.1

Leia mais

SISCOM 8 SET = ktbr em volt rms

SISCOM 8 SET = ktbr em volt rms SISCOM 8 SET 2008 1 ruído em sistema de telecomunicação fontes de ruído o ruído nos sistemas eletrônicos se deve basicamente ao caráter discreto da carga elétrica a corrente elétrica é composta de pacotes

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

AMPLIFICADOR PUSH-PULL CLASSE B

AMPLIFICADOR PUSH-PULL CLASSE B AMPLIFICADOR PUSH-PULL CLASSE B OBJETIVOS: a) analisar o funcionamento básico de um amplificador push-pull; b) entender e explicar o significado de push-pull; c) entender o significado de distorção por

Leia mais

Condicionamento de sinais analógicos

Condicionamento de sinais analógicos Condicionamento de sinais analógicos O condicionamento do sinal analógico do sensor/transdutor é uma etapa fundamental antes de ser efetuada a conversão A/D. Os principais processos de condicionamento

Leia mais

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas Universidade Federal de São João del-rei Material Teórico de Suporte para as Práticas 1 Amplificador Operacional Um Amplificador Operacional, ou Amp Op, é um amplificador diferencial de ganho muito alto,

Leia mais

O DECIBEL INTRODUÇÃO TEÓRICA

O DECIBEL INTRODUÇÃO TEÓRICA O DECIBEL OBJETIVOS: a) conhecer o decibel como unidade de relação entre potências ou tensões elétricas; b) conhecer níveis de referência de tensão e potência elétricas através da unidade de medida decibel;

Leia mais

V L V L V θ V L = V E + I L + θ +... V E I L θ

V L V L V θ V L = V E + I L + θ +... V E I L θ DISCIPLINA CIRCUITOS ELETRÔNICOS Circuitos Eletrônicos Módulo um: Estudo dos reguladores de tensões. Objetivo: Este módulo de ensino o aluno de aprender o conceito de regulador. É mostrado que para ter

Leia mais

CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET

CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET Definição : O offset é definido como uma tensão residual que aparece na saída do Amplificador Operacional quando

Leia mais

AMPLIFICADOR COLETOR COMUM OU SEGUIDOR DE EMISSOR

AMPLIFICADOR COLETOR COMUM OU SEGUIDOR DE EMISSOR AMPLIFICADOR COLETOR COMUM OU SEGUIDOR DE EMISSOR OBJETIVOS: Estudar o funcionamento de um transistor na configuração coletor comum ou seguidor de emissor; analisar a defasagem entre os sinais de entrada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

STV 22 SET Um caminho é para o sinal de luminância Y, e o outro é para o sinal C de 3,58 MHz

STV 22 SET Um caminho é para o sinal de luminância Y, e o outro é para o sinal C de 3,58 MHz STV 22 SET 2008 1 MODULAÇÃO DE CROMINÂNCIA NO SISTEMA NTSC os sinais I e Q são transmitidos como as faixas laterais de um sinal de subportadora de 3,58 MHz, que, por sua vez, modula a onda portadora principal

Leia mais

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista IFBA 1 a Parte CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 JFET s - estrutura e símbolo Transistor de junção por efeito de campo (Junction

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Circuitos Periféricos Sistema Amplificador de Áudio

Circuitos Periféricos Sistema Amplificador de Áudio Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Eletrônicos Circuitos Periféricos Sistema Amplificador

Leia mais

CPM800S. Manual do Usuário

CPM800S. Manual do Usuário CPM800S Manual do Usuário R Descrição Geral O CPM800S é um contador e totalizador microprocessado especialmente desenvolvido para máquinas de corte e solda. Possui algumas funções especiais como trabalho,

Leia mais

Circuitos Ativos em Micro-Ondas

Circuitos Ativos em Micro-Ondas Circuitos Ativos em Micro-Ondas Unidade 1 Comportamento de Dispositivos Passivos e Semicondutores em Micro-Ondas Prof. Marcos V. T. Heckler 1 Conteúdo Introdução Resistores operando em Micro-Ondas Capacitores

Leia mais

Aplicações dos Misturadores - Receptores

Aplicações dos Misturadores - Receptores Aplicações dos Misturadores - Receptores Prof. Gil Pinheiro MSc. UERJ-FEN-DETEL Parâmetros de um misturador Relacionados ao uso de um misturador num receptor heteródino Misturador Saída de frequência intermediária

Leia mais

Transistor de Junção Bipolar (TJB)

Transistor de Junção Bipolar (TJB) Transistor de Junção Bipolar (TJB) 25-abr-11 1 DEFINIÇÃO : O termo TRANSISTOR vem da expressão em inglês TRANSfer resistor (resistor de transferência), como era conhecido pelos seus inventores. É um componente

Leia mais

APOSTILA ELETRÔNICA GERAL MÓDULO - 3

APOSTILA ELETRÔNICA GERAL MÓDULO - 3 APOSTILA GERAL figura 20 R1 VOLT/DIV TIME/DIV 0,1V 0,2mS 180W Amplificador de baixa potência com controle de corrente de repouso feito por dois diodos, que equilibram a corrente circulante pelos transistores

Leia mais

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2 p. 1/2 Resumo Realimentação Dessensibilização do Ganho Extensão de Largura de Banda Redução de Ruído Redução de Distorção não Linear As quatro tipologias básicas Amplificadores de Tensão Amplificadores

Leia mais

Circuito sensor de som

Circuito sensor de som Circuito sensor de som Introdução Para a prática proposta, buscando sempre auxílio no conhecimento de trabalhos anteriores e integrando um pouco com as necessidades e tecnologias atuais, devemos projetar

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA. Termômetro Digital

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA. Termômetro Digital UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA Termômetro Digital Desenvolvido por Luciano Lettnin Relatório Final da Disciplina

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA EXERCÍCIOS FILTROS

INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA EXERCÍCIOS FILTROS INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA EXERCÍCIOS FILTROS 1. Num determinado sinal oriundo de um transdutor, observouse a presença de ruído de 100 Hz com a amplitude de 50 mvpp. O sinal de interesse pode apresentar

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 3 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 Cálculos de Interrupção de alta freqüência Ron Roscoe O esquema acima representa

Leia mais

2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital

2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital 2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital 2.2.1 Objetivo Este método de medida tem por objetivo avaliar a degradação produzida em um sinal digital modulado nos padrões ATSC, DVB-T ou ISDB-T

Leia mais

MX-404SW. Manual de Instalação e Operação Versão 4.0 Janeiro 2007 PORTUGUÊS. Microphone Mixer Switch. MX-404SW Microphone Mixer BB TECH

MX-404SW. Manual de Instalação e Operação Versão 4.0 Janeiro 2007 PORTUGUÊS. Microphone Mixer Switch. MX-404SW Microphone Mixer BB TECH MX-404SW Microphone Mixer Switch Manual de Instalação e Operação Versão 4.0 Janeiro 2007 BB TECH MIC1 MIC2 MIC3 MIC4 20 40 60 80 90 100% -50 10-40 -60 5 MX-404SW Microphone Mixer PORTUGUÊS MIC1 MIC2 MIC3

Leia mais

OHMÍMETRO DIGITAL. 1 O Projeto. 1.1 Sensor. 1.2 Conversor A/D

OHMÍMETRO DIGITAL. 1 O Projeto. 1.1 Sensor. 1.2 Conversor A/D Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Fontes Cavalcanti Aluno: Raphael Dantas Ciríaco OHMÍMETRO DIGITAL

Leia mais

5 - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

5 - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 5 - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Especificações do Repetidor RP-970 Frequência UL DL 890-915 MHz 935-960 Mhz Especificações elétricas Potência de saída (dbm) DL: 20 UL: 15 Ganho máximo (db) DL: 70 UL: 65 Controle

Leia mais

28/10/2010 IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista, 2010.

28/10/2010 IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista, 2010. IFBA CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista, 2010 1 a Parte Introdução Amplificador Diferencial 1 Amplificador Diferencial A fabricação

Leia mais

Controle remoto de 4 canais utilizando módulo de RF 433 Mhz

Controle remoto de 4 canais utilizando módulo de RF 433 Mhz Controle remoto de 4 canais utilizando módulo de RF 433 Mhz O objetivo principal deste artigo é mostrar a funcionalidade do módulo de transmissão RF (FS1000A transmissor) + recepção de RF. Para demonstrar

Leia mais

qualizador duplo tipo gráfico 1/3 de oitava com 30 faixas de Eatuação em cada canal. Diversos recursos estão incorporados neste produto, dos quais

qualizador duplo tipo gráfico 1/3 de oitava com 30 faixas de Eatuação em cada canal. Diversos recursos estão incorporados neste produto, dos quais qualizador duplo tipo gráfico 1/3 de oitava com 30 faixas de Eatuação em cada canal. Diversos recursos estão incorporados neste produto, dos quais pode-se destacar: Circuito de ultra-baixo ruído e ótima

Leia mais

Saída 24 V DC, 12 W < 1 % < 1 % < 200 < 200 < 10 < 20 < 90 < 100

Saída 24 V DC, 12 W < 1 % < 1 % < 200 < 200 < 10 < 20 < 90 < 100 Características 78.12 78.36 Fontes de alimentação DC Alta eficiência (acima de 91%) Baixo consumo em stand-by (

Leia mais

@Box ATENUADOR VARIAVEL E INTERFACE BOX MANUAL DE INSTRUÇÕES

@Box ATENUADOR VARIAVEL E INTERFACE BOX MANUAL DE INSTRUÇÕES @Box ATENUADOR VARIAVEL E INTERFACE BOX MANUAL DE INSTRUÇÕES Índice Termo de garantia...4 Conteúdo da embalagem...4 Introdução...5 Controles...6 Ajuste inicial...8 Diagrama esquemático...9 Cabos de entrada

Leia mais

CARBAT Carregador de Bateria CARBAT Safesoft Ltda. Ver Safesoft Ind. E Com. De Equip. Eletrônicos

CARBAT Carregador de Bateria CARBAT Safesoft Ltda. Ver Safesoft Ind. E Com. De Equip. Eletrônicos .. CARBAT- 0661 Carregador de Bateria CARBAT-0661 Safesoft Ind. E Com. De Equip. Eletrônicos Avenida dos Pinheirais, 999 Araucária - PR CEP: 83705-570 Tel: (41) 3031-8800 / 3031-8801 / 3031-8813 Cel: (41)

Leia mais

Folha 5 Transístores bipolares.

Folha 5 Transístores bipolares. Folha 5 Transístores bipolares. 1. Considere um transístor npn que possui uma queda de potencial base emissor de 0.76 V quando a corrente de colector é de 10 ma. Que corrente conduzirá com v BE = 0.70

Leia mais

Placa DMX 108 canais LED (versão 2)

Placa DMX 108 canais LED (versão 2) Placa DMX 108 canais LED (versão 2) Após ler o manual veja também o exemplo de ligação da placa de 108 canais (este exemplo se refere a versão antiga desta placa, mas as ligações são idênticas). Introdução

Leia mais

Série 78 - Fonte chaveada. Características Relés temporizadores e de controle SÉRIE

Série 78 - Fonte chaveada. Características Relés temporizadores e de controle SÉRIE Série - Fonte chaveada SÉRIE Características.12...2400.12...1200.36 Fontes de alimentação DC Alta eficiência (acima de 91%) Baixo consumo em stand-by (

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555 ELE-59 Circuitos de Chaveamento Prof.: Alexis Fabrício Tinoco S. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555 1. OBJETIVOS: Os objetivos

Leia mais

Amplificador de Áudio em Class G

Amplificador de Áudio em Class G Amplificador de Áudio em Class G por Pedro Ferreira ISEL, 30 de Setembro 2005 Resumo Este projecto consiste no dimensionamento e construção de um amplificador de áudio em Class G com monitorização e controlo

Leia mais

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos 1 de 6 8/8/2007 18:40 PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 80 A 120 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES Assinale X entre os parênteses que indicar

Leia mais

Figura - Radio em 1920.

Figura - Radio em 1920. Curiosidade: Muitos dos primeiros receptores AM com alimentação AC (para as válvulas) funcionavam com o chassi ligado ao neutro da rede (como terra), freqüentemente, ao se inverter a posição da tomada,

Leia mais

OM SISTEMAS MOD: AMD5000SS

OM SISTEMAS MOD: AMD5000SS TRANSMISSOR DE ESTADO SÓLIDO DE 50000W. OM SISTEMAS MOD: AMD5000SS Características Gerais: O transmissor de radiodifusão AMD5000SS foi projetado para operar em qualquer freqüência dentro da faixa de AM,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Escola de Engenharia - Engenharia Elétrica. Ondas Eletromagnéticas I 1º sem/2004. Profª. Luciana Chaves Barbosa

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Escola de Engenharia - Engenharia Elétrica. Ondas Eletromagnéticas I 1º sem/2004. Profª. Luciana Chaves Barbosa Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia - Engenharia Elétrica Ondas Eletromagnéticas I 1º sem/2004 Profª. Luciana Chaves Barbosa Profª. Yara Maria Botti Mendes de Oliveira 1. De que fator

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Elétrica de Autos 1. O movimento ordenado de elétrons livres em um condutor

Leia mais

5 Um amplificador operacional que deve trabalhar como amplificador de pequenos sinais deve trabalhar com

5 Um amplificador operacional que deve trabalhar como amplificador de pequenos sinais deve trabalhar com Exercícios ANAC Análise de Circuitos 1 Definir Amplificador Operacional e quais suas aplicações. 2- Quais são as principais característicass de um Amplificador Operacional ideal? 3 O que é tensão de offset

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 2 TRANSISTORES BIPOLARES (BJT)

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 2 TRANSISTORES BIPOLARES (BJT) 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO TRANSISTORES IPOLARES (JT) O transistor é o componente mais importante do mundo da eletrônica, serviu de base para impulsionar a explosão tecnológica, na área da eletrônica e da

Leia mais

RELATÓRIO DE ST2. TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz) Nome:Gilberto Rocha Nome:Marco Lima

RELATÓRIO DE ST2. TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz) Nome:Gilberto Rocha Nome:Marco Lima RELATÓRIO DE ST2 TRANSMISSÃO DE VIDEO POR FEIXE HERTZIANO NA BANDA X (11GHz) Nome:Gilberto Rocha Nome:Marco Lima Objectivos: -Pretende-se realizar um sistema de transmissão de um sinal de vídeo -Testar

Leia mais

ezap 900 Controlador Lógico Programável ezap900/901 Diagrama esquemático Apresentação Módulo ZMB900 - Características Gerais Dados Técnicos

ezap 900 Controlador Lógico Programável ezap900/901 Diagrama esquemático Apresentação Módulo ZMB900 - Características Gerais Dados Técnicos Caixa Aço carbono zincado Grau de proteção IP20 Dimensões 98 (L) x 98 (A) x 125 (P) mm Diagrama esquemático Apresentação A família de controladores lógicos programáveis ZAP900 foi desenvolvida para atender

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES CAPÍTULO 5 TRANSSTORES BPOLARES O transistor é um dispositivo semicondutor de três terminais, formado por três camadas consistindo de duas camadas de material tipo "n", de negativo, e uma de tipo "p",

Leia mais

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley LIGA DE AMADORES BRASILEIROS DE RADIO EMISSÃO LABRE/RN SEDE: CAIC de Lagoa Nova Vila das Federações Cx. Postal 251, Natal/RN, 59010-970) Home Page http://www.ps7aa.kit.net Tel. 3086 2140 (Ed PS7DX) e-mail:

Leia mais

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente.

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. 4.4. Chave de Partida Série-Paralelo As chaves de partida série-paralelo são utilizadas

Leia mais

Itautec DATA SHEET OBJETO: FONTE BABY 350W AUTO

Itautec DATA SHEET OBJETO: FONTE BABY 350W AUTO Itautec DATA SHEET OBJETO: FONTE BABY 350W AUTO CÓDIGO DO DOCUMENTO 04ROM2397000-022 PÁGINA 1 PROJETO: PART NUMBER: CONFORME O SISTEMA OCO650 OBS: EM ANEXO O DATA-SHEET DO FABRICANTE. FABRICANTE: PHB 00

Leia mais

Manual da placa de amplificação e filtragem de sinais dos transdutores de pressão HCX, MPXV7007DP e MPXV7025G

Manual da placa de amplificação e filtragem de sinais dos transdutores de pressão HCX, MPXV7007DP e MPXV7025G Manual da placa de amplificação e filtragem de sinais dos transdutores de pressão HCX, MPXV7007DP e MPXV7025G Introdução Manual de documentação do circuito responsável pela amplificação e filtragem do

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Externa. Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007

Sistema de Gerenciamento de Externa. Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007 CL-10 Sistema de Gerenciamento de Externa Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007 SELECT MODE PORTUGUÊS TALK RETURN CL-10 Line Communication System INSTALAÇÃO! A Billy Broadcasting comunica

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET. Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto ET74C Eletrônica 1

Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET. Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto ET74C Eletrônica 1 Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto (ucnetto@utfpr.edu.br) 11 de Novembro de 2015 Objetivo da Aula Conhecer a estrutura e operação do Transistor de efeito de campo

Leia mais

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos 2. PRÉ-REQUISITOS: Capítulo 2 do livro texto. 3. RESUMO TEÓRICO: O diodo, apesar de ser o dispositivo semicondutor

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Recomendações Técnicas para instalação de CLP s. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Recomendações Técnicas para instalação de CLP s HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.0021 Versão 1.01 novembro-2013 HI Tecnologia Recomendações Técnicas para instalação de CLP

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Conversor Buck Módulo de Potência APARATO UTILIZADO: Você recebeu uma placa com de circuito com o circuito cujo esquema é mostrado na figura 1. O circuito é composto por um retificador

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

Manual Técnico Módulo Ponte H 5A

Manual Técnico Módulo Ponte H 5A Manual Técnico Módulo Ponte H 5A Introdução Módulo de Ponte H 5A para controlar um motores DC de grande porte. Com este módulo é possível controlar o sentido de rotação de motores DC de 5 a 8 Ampères.

Leia mais

Amplificador Eletrônico pq 11

Amplificador Eletrônico pq 11 Amplificador Eletrônico pq 11 Controla um solenóide proporcional Instalado diretamente sobre a válvula Opera com sinais teóricos de tensão ou corrente Admite operação de CLP Circuitos compensadores de

Leia mais

AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

AMPLIFICADORES OPERACIONAIS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS OBJETIVOS: Analisar o funcionamento de um amplificador operacional e seus principais parâmetros. INTRODUÇÃO TEÓRICA O nome amplificador operacional (também denominado op-amp)

Leia mais

Transistores. Figure 1. corrente de electrões num díodo de junção p-n

Transistores. Figure 1. corrente de electrões num díodo de junção p-n Transistores O primeiro transistor (de junção) foi desenvolvido nos laboratórios Bell (EU) em 1948. O seu uso comercial, no entanto, deu-se muito mais tarde. Os primeiros transístores de junção eram de

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

XConverter. Conversor DC-DC elevador de tensão

XConverter. Conversor DC-DC elevador de tensão Este conversor eleva uma tensão de 12Vdc de uma fonte linear ou chaveada com capacidade de pelo menos 1A para uma alta tensão programável de 40Vdc a 190Vdc trocando apenas um resistor e fornecendo até

Leia mais

SUPERTEC2007 SINCRONISMO DETETOR DE MODOS MICRO

SUPERTEC2007 SINCRONISMO DETETOR DE MODOS MICRO XXVIII. SINCRONISMO DETETOR DE MODOS MICRO Os monitores analógicos usam um CI chamado Detetor de modos e configurador (às vezes é mais de um CI). Este CI recebe os sinais de sincronismo H e V vindos do

Leia mais

Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada. Regulador LM7805. Fonte de tensão regulada. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 8 EEL/CTC/UFSC

Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada. Regulador LM7805. Fonte de tensão regulada. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 8 EEL/CTC/UFSC Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada Regulador LM7805 78xx é o nome de uma popular família de reguladores positivos de tensão. É um componente comum em muitas fontes de alimentação. Eles

Leia mais

Ligando uma lâmpada com Arduino. Professor: Paulo Marcos Trentin

Ligando uma lâmpada com Arduino. Professor: Paulo Marcos Trentin Ligando uma lâmpada com Arduino Professor: Paulo Marcos Trentin Aviso Importante! Energia elétrica de alta corrente e tensão pode matar! Tome sempre muito cuidado ao trabalhar com estas tensões. Verifique

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00)

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) 2 Objetivo O painel para análise de circuitos resistivos CC tem por objetivo auxiliar os estudantes do Ensino Médio e do Ensino Superior que

Leia mais

Treinamento Técnico Wireless 2015

Treinamento Técnico Wireless 2015 Treinamento Técnico Wireless 2015 TERMINAL CELULAR FIXO TCF-100D 1 - Torre com pára-raios e bom aterramento (vide norma NBR-5419). Sistema SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas 2 - Possibilita

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais

C. CIRCUITOS PARA O ACIONAMENTO DE CARGAS

C. CIRCUITOS PARA O ACIONAMENTO DE CARGAS C. CIRCUITOS PARA O ACIONAMENTO DE CARGAS A corrente de saída que os circuitos digitais podem fornecer para dispositivos externos, geralmente é insuficiente para a maioria das cargas, tais como: relés,

Leia mais

MÓDULO DE PASSAGEM LINEAR HCS

MÓDULO DE PASSAGEM LINEAR HCS LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 Revisado em 15/03/2007 MÓDULO DE PASSAGEM LINEAR HCS DESCRIÇÃO GERAL: O Módulo de passagem é um equipamento

Leia mais

CIRCUITOS NÃO LINEARES COM AMP OP CIRCUITOS NÃO LINEARES COM

CIRCUITOS NÃO LINEARES COM AMP OP CIRCUITOS NÃO LINEARES COM IFBA CIRCUITOS NÃO LINEARES COM AMP OP CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 CIRCUITOS NÃO LINEARES COM AMP OP Amps Op são componentes

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL037

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL037 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL037 1 Título Prática 1 Fonte de Alimentação Regulável 2 Objetivos Estudo de algumas topologias e desenvolvimento de uma fonte de alimentação

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

ELT030. 2º Semestre-2016

ELT030. 2º Semestre-2016 ELT030 Instrumentação 2º Semestre-2016 Estrutura típica de um instrumento de medição Em geral, um instrumento de medição possui um elemento sensor ou transdutor, um tratamento de sinais e um elemento de

Leia mais