Lajes pré-esforçadas PEQ 62

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lajes pré-esforçadas PEQ 62"

Transcrição

1 Procedimento Específico de Qualidade Página: 1/5 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a execução de lajes em betão Armado Pré- Esforçado por Pós-tensionamento aderente Abreviaturas e definições Não aplicável 2. MODO DE PROCEDER Implantação topográfica Execução do escoramento Execução da cofragem armaduras ordinárias Procede-se à implantação do elemento em obra com o auxílio de equipamento topográfico. Implantação São definidas cotas altimétricas e planimétricas (piquetagem), que elemento devem ficar bem materializadas e legíveis em campo, através de tinta, pregos de aço, estacas ou ferros. do Topógrafo / Encarregado Apoio do escoramento O escoramento é constituído por um sistema de vigas primárias e Verticalidade dos prumos secundárias apoiadas sobre prumos metálicos. Posicionamento de prumos e vigas Verificação da disposição dos elementos resistentes e de Elementos de contraventamento, garantindo o afastamento máximo entre si. fixação Contraventamento das vigas Antes de se efectuar a cofragem / escoramento dos elementos, deverá ser verificado o estado de conservação em que se encontra o equipamento a utilizar (prumos, painéis, vigas, peças de fixação, etc.). Deve ser verificada a compatibilidade entre os componentes Estado de técnicos da cofragem e a sua adequação à situação real. Conservação Compatibilidade de Montagem da cofragem tendo como referência a marcação utilização da efectuada. cofragem Posicionamento da Antes de se iniciar a colocação das armaduras, os painéis da cofragem cofragem são limpos e untados com óleo descofrante. Guarda corpos periféricos Antes da betonagem verifica-se o nivelamento e posicionamento dos vários painéis que constituem a cofragem bem como a estabilidade, estanqueidade e fixações das cofragens. Os negativos são colocados conforme especificado em projecto de estrutura e/ou desenhos de preparação. Diâmetro dos As armaduras são efectuadas após a colocação da cofragem e varões de aço executam-se cadeiras por forma a garantir a distância entre as Posicionamento da armadura armaduras inferior e superior definida em projecto. Comprimento das No caso de elementos com continuidade, a armadura é empalmada emendas por sobreposição aos ferros de espera deixados no elemento estrutural anterior. ( empalmes ) São colocados calços entre a armadura exterior e a cofragem por Recobrimento (Dimensões e forma a garantir o recobrimento. distância entre calços)

2 Procedimento Específico de Qualidade Página: 2/5 Executam-se amarrações entre os diversos varões de ferro que armaduras ordinárias constituem a armadura. Antes da betonagem procede-se à limpeza das armaduras e da cofragem de depósitos superficiais que prejudiquem a aderência entre o aço e o betão. Comprimentos amarração Altura distanciadores de dos armaduras de Betonagem Aplicação de Nesta fase procede-se à colocação de ancoragens, dispositivos de purga, baínhas, cabeças de ancoragem e enfiamento do aço de. Colocam-se as travincas para montagem de baínhas. As baínhas são montadas sobre as travincas e atadas às mesmas, com o traçado definido em projecto. Tipo de armaduras Procede-se ao enfiamento do aço de nas baínhas (esta de operação poderá ser efectuada após a betonagem). A colocação Traçado de armaduras / dos cordões de aço nas baínhas é, regra geral, feita cordão a baínhas de préesforço cordão, utilizando máquinas de enfiar, podendo no entanto, ser Estado das bainhas efectuada manualmente quando o comprimento dos cabos o possibilite. Colocação de purgas nas baínhas, por forma a garantir que durante a injecção não se formam vazios. Os tubos de purga são constituídos por um tubo de polietileno, que sai aproximadamente 0,50 m para fora do betão. Deverá ser seguido o PEQ 098 Betão com comportamento especificado. A colocação do betão quando não bombeado deverá ser feita através de balde munido de manga que evite a sua queda de altura superior a 1,5 m. Deverá evitar-se o amontoar de betão em zonas localizadas. A compactação do betão é feita por vibração devendo verificar-se as seguintes recomendações: Dispor de uma agulha por cada 6 m3 de betão colocado por Aplicação e Vibração hora; Cota da Betonagem Deslocar a agulha a distâncias compreendidas entre 6 e 10 vezes o seu diâmetro; Vibrar em curtos intervalos de tempo e pontos próximos em vez de longos momentos em pontos afastados; Não vibrar a menos de 10 cm das cofragens; Não inclinar a agulha a mais de 45º; Retirar a agulha lentamente em 10 a 15 s; Não vibrar demasiado tempo para evitar a segregação Concluídas as operações de selagem, procede-se à colocação da cabeça da ancoragem e das respectivas cunhas. Resistência do Para que as caldas atinjam um estado de presa satisfatório, é betão à compressão antes forçoso um intervalo de tempo, que se encontra estabelecido no do tensionamento projecto, até posterior instalação do

3 Procedimento Específico de Qualidade Página: 3/5 Aplicação de Tratamento das juntas e cura do betão Descofragem O tensionamento dos cordões de, é efectuado recorrendo a um macaco hidráulico com manómetro, com a capacidade adequada à força (expressa em KN) a aplicar nos cordões, conforme especificado no projecto de. Posicionamento do macaco hidráulico e aplicação do valor de préesforço especificado no projecto. Para ligação do macaco hidráulico, fixa-se um ponto de referência no cordão, junto das cunhas do macaco, passando as leituras a ser efectuadas a partir desse ponto. Aumento sucessivo da pressão da bomba até aos patamares de pressão definidos, com registo do alongamento das armaduras em cada patamar. Enquanto a pressão do macaco hidráulico é libertada, as cunhas automaticamente fecham os buracos cónicos em redor de cada cordão existentes na cabeça da ancoragem. O tratamento das juntas de betonagem deverá ser feito na altura de presa através de jacto de ar e água sob pressão de forma a tornar aparentes os inertes. O tratamento de cura do betão, é efectuado através da tomada de algumas medidas, tais como: Recobrimento através de uma membrana plástica; Utilização de antisol; Rega regular do elemento durante 2 a 6 dias (a cura do betão deverá ser efectuada mediante as condições meteorológicas que se verificarem na altura). A Desmoldagem / Descimbramento, deverá satisfazer os seguintes prazos mínimos, contados a partir da data de conclusão da betonagem: Prazo Moldes Tipo de elemento (dias) Tensão de préesforço aplicada e alongamentos reais Não Aplicável Não Aplicável l 6 m 7 Moldes de faces Lajes inferiores l > 6 m 14 Reverificação do Vigas 14 posicionamento l Comprimento do vão Estado da superfície Prazos da retirada Este prazo pode ser reduzido para 12 h se forem tomadas da cofragem precauções especiais para evitar danificações das superfícies. No caso de lajes em consola, deve tomar-se como vão, l, o dobro do balanço teórico. Após ultrapassado o período em que o betão adquire resistência, inicia-se a descofragem, fazendo uso de um desmoldador, sendo os materiais retirados pelos meios de elevação existentes em obra

4 Procedimento Específico de Qualidade Página: 4/5 Descofragem Descimbrame nto Reverificação do A desmoldagem deverá ser executada de forma a não ficarem posicionamento restos de cofragem e outros resíduos junto dos elementos que se Estado da superfície está a desmoldar. Prazos da retirada da cofragem A retirada do escoramento é efectuada a partir do momento em que esteja garantida a resistência do betão; Esta operação deverá satisfazer os seguintes prazos mínimos, contados a partir da data de conclusão da betonagem: Escoramentos Tipo de elemento Prazo (dias) l 6 m 14 Lajes l > 6 m 21 Vigas 21 Prazos de retirada do escoramento l - Comprimento do vão Este prazo deve ser aumentado para 28 dias no caso de lajes e vigas que, na ocasião do descimbramento, fiquem sujeitas a acções de valor próximo do que, satisfeita a segurança, corresponde à sua capacidade resistente. No caso de lajes em consola, deve tomar-se como vão, l, o dobro do balanço teórico. Na recepção das armaduras deverá ser tido em conta o definido no PEQ Aços para Armaduras de betão armado e pré-esforçado. Na recepção do betão deverá ser tido em conta o definido no PEQ Betão com Comportamento Especificado. 3. Monitorização e Medição Documento Registo Designação Plano de Monitorização e Registo de Inspecção PMRI 62 Lajes pré-esforçadas Boletim de controlo de topografia Vários (documentos facultados pelo subempreiteiro da especialidade) Plano de aplicação de, registos do tensionamento e outros

5 Procedimento Específico de Qualidade Página: 5/5 4. Controlo de Registos Identificação Documentos Organização Arquivo Indexação Compilação Local Tempo de Retenção Plano de Monitorização e Registo de inspecção Plano de Monitorização e Registo de inspecção Boletim de controlo de topografia Boletim de controlo de topografia PMRI 062 PMRI 062 data data ordem numérica ordem numérica Pasta de obra Director de obra Obra Pasta de obra Gestão contratual Arquivo geral Pasta de obra Director de obra Obra Pasta de obra Gestão contratual Arquivo geral Durante a realização da obra Prazo de garantia da obra Durante a realização da obra Prazo de garantia da obra

Lajes pós-esforçadas PEQ 63

Lajes pós-esforçadas PEQ 63 Procedimento Específico de Qualidade Página: 1/5 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a execução de lajes de Betão Armado Pós- Esforçado por Pós-tensionamento

Leia mais

Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal.

Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal. Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/7 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras básicas para a realização de drenagem longitudinal. 1.1. Abreviaturas e definições

Leia mais

Varão de aço para armadura PEQ 084 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6

Varão de aço para armadura PEQ 084 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6 Procedimento Específico da Qualidade PÁGI: 1/6 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento refere-se às condições que devem ser satisfeitas na aquisição, recepção e inspecção de aços para armaduras de betão

Leia mais

Lajes Aligeiradas

Lajes Aligeiradas www.ferca.pt Lajes Aligeiradas Princípios O sistema de moldes FG assenta em princípios de racionalização económica que permitem a execução de lajes das unidireccionais ou bidireccionais vulgarmente referenciadas

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO LAJE ALVEOLADA LA 12 -R ARMADURAS LA12-2-R Página 1/5 LAJE ALVEOLADA LA 12 -R DESCRIÇÃO Painel pré-fabricado em betão pré-esforçado, com armadura constituída por fios de aço aderentes, de secção vazada, com as faces prontas a pintar. As lajes apresentam-se

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MONTAGEM DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS P/ NAVES INDUSTRIAIS OU P/ OUTROS EDÍFICIOS C/ ESTRUTURA SIMILAR

IMPLANTAÇÃO E MONTAGEM DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS P/ NAVES INDUSTRIAIS OU P/ OUTROS EDÍFICIOS C/ ESTRUTURA SIMILAR 1. OBJECTIVO Descrever o método de implantação e montagem de elementos pré-fabricados (com ou sem pré-esforço) para Naves industriais ou para Outros edifícios com estrutura similar. 2. ÂMBITO Todos os

Leia mais

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia I. CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/70 5. FASES CONSTRUTIVAS estrutura pórtico sapatas vigas de fundação

Leia mais

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR

Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR 0 v1.0-030510 Estações Elevatórias Compactas ECODEPUR APRESENTAÇÃO A Estação Elevatória é uma estação completa de recolha e elevação para águas carregadas pronta a ser instalada. É composta por um reservatório

Leia mais

MANUAL DA CONCRETAGEM

MANUAL DA CONCRETAGEM O planejamento da concretagem é um conjunto de medidas a serem tomadas antes do lançamento do concreto para assegurar a qualidade da peça concretada. Este manual tem a finalidade de servir como um check

Leia mais

Amarração de alvenaria em pilar

Amarração de alvenaria em pilar Página 1 de 10 Amarração de alvenaria em pilar Confira as etapas para fazer a ligação de alvenaria e pilar Reportagem: Juliana Nakamura Fissuras e outros problemas nas alvenarias de paredes costumam gerar

Leia mais

REFORÇO DE ESTRUTURAS POR ENCAMISAMENTO DE SECÇÕES

REFORÇO DE ESTRUTURAS POR ENCAMISAMENTO DE SECÇÕES REFORÇO DE ESTRUTURAS POR ENCAMISAMENTO DE SECÇÕES Aumento da secção transversal através da adição de armaduras suplementares e betão Campos de aplicação Aumentar a resistência de zonas comprimidas Necessidade

Leia mais

Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra.

Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra. 1.1. OBJECTO Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS As pré-lajes visam constituir pavimentos em lajes maciças, a partir da justaposição de vários

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO DESLIZAMENTO/EXPLORAÇÃO DAS PLATAFORMAS MÓVEIS. 1 Criação (PA) (CG) (VS)

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO DESLIZAMENTO/EXPLORAÇÃO DAS PLATAFORMAS MÓVEIS. 1 Criação (PA) (CG) (VS) 1 de 10 REGISTO DE ALTERAÇÕES: EDIÇÃO DESCRIÇÃO Elaborado Verificado Aprovado Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data 1 Criação (PA)

Leia mais

ETAR S > MICRO ETAR Compacta

ETAR S > MICRO ETAR Compacta ETAR S ETAR S A Etar Compacta ROTOPORT é uma estação de tratamento de águas residuais do tipo doméstico. Fabricada em polietileno de alta densidade e construída num depósito único, apresenta duas zonas

Leia mais

Sistema de pré-esforço com barras roscadas

Sistema de pré-esforço com barras roscadas www.eurotec-eu.com Sistema de pré-esforço com barras roscadas www.eurotec-eu.com 01 2 EUROTEC Sistema de pré-esforço com barras roscadas O pré-esforço com barras é utilizado há mais de 35 anos em todo

Leia mais

Normativas Gerais da NR-18

Normativas Gerais da NR-18 Normativas Gerais da NR-18 18.12 - ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS 2 ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS - A transposição de pisos com diferença de nível superior a 40cm deve ser feita por meio de escadas ou rampas.

Leia mais

Procedimento de Aprovação e Recepção

Procedimento de Aprovação e Recepção Pag. 1 de 7 1. Normas de referência/publicações Regulamento de Fundações, Guia de Dimensionamento de Fundações, Norma de Betões, REBAP, EN 1536:1999, ARP/DEE/001, ARP/DG/11, ARP/DG/13, ARP/DG/14, Code

Leia mais

PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE

PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE PROCESSO DE EXECUÇÃO DE MUROS DE BERLIM E MUROS DE MUNIQUE Autora: Arq.ª Ana Cravinho Coordenação: Prof. F. A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Prof. Pedro Vaz Paulo e Prof. João Pedro Correia 1/57 ÍNDICE

Leia mais

ROTEIROS DOS TRABALHOS

ROTEIROS DOS TRABALHOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I ECV 5356 ROTEIROS DOS TRABALHOS Profs. Denise e Humberto ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS escolher 1 pavimento inteiro, incluindo montagem de fôrmas de pilares, vigas,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL 9 PERÍODO. PONTES DE CONCRETO ARMADO Prof. Roberto Monteiro

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL 9 PERÍODO. PONTES DE CONCRETO ARMADO Prof. Roberto Monteiro FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL 9 PERÍODO PONTES DE CONCRETO ARMADO Prof. Roberto Monteiro PONTES DE CONCRETO ARMADO Embasamento teórico As pontes de concreto armado comumente são executadas

Leia mais

Ascensores PEQ 61. Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. Critérios de Execução

Ascensores PEQ 61. Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. Critérios de Execução Procedimento Específico de Qualidade Página: 1/5 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. 1.1. Abreviaturas e definições Não aplicável

Leia mais

Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores

Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores EC2 A 2d kd B > 2d kd d d A Contorno u out B Contorno u out,ef Figura 6.22 Perímetros de controlo para pilares interiores NOTA: O valor de k a utilizar num determinado país poderá ser dado no respectivo

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Nota técnica: 01/2009. Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro

RELATÓRIO TÉCNICO. Nota técnica: 01/2009. Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro RELATÓRIO TÉCNICO Nota técnica: 01/2009 Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro Trabalho realizado por: Débora Ferreira Hermínia Morais Índice 1 - Introdução... 3 2 - Descrição

Leia mais

PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO

PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO Ferramentas utilizadas PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO Furadeira Parafusadeira Serrote Estilete Escada Linha de marcar Nível a laser / mangueira de nível Trena metálica Lápis de carpinteiro Martelo Tesoura para

Leia mais

Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco

Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco RENOVAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE LISBOA Reabilitação Conduta DN 600 - Barbadinhos - Monte Arco Instalação por entubamento Tubo DN500 PEAD PE100 SDR17 Actividades criticas do processo de reabilitação

Leia mais

Trabalho 3. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Direcção de Obra 2007/2008

Trabalho 3. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Direcção de Obra 2007/2008 Mestrado Integrado em Engenharia Civil Direcção de Obra 2007/2008 Trabalho 3 Trabalho realizado por: Ana Araújo Jaime Rocha Paula Arantes Pedro Couto Tiago Campos Introdução Actualmente, tendo em conta

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S

C Â M A R A M U N I C I P A L D E B A R C E L O S O presente regulamento visa dar cumprimento ao disposto no artigo 5.º do REGULAMENTO INTERNO DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO do MUNICIPIO DE BARCELOS. Pretende-se estabelecer um conjunto de normas

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO

ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO VANTAGENS: Redução de formas e armaduras; Eliminação das etapas de moldagem dos pilares e vigas; Montagem

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto Estruturas de concreto As estruturas das edificações, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade

Leia mais

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Introdução: Para se articular com a política de tratamento de resíduos sólidos Reciclagem

Leia mais

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado AULA 5 Materiais de Construção II II Aços para Construção Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado; Estruturas de Aço;. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

Leia mais

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Implementação de um SCP Marcação CE de Vigotas NP EN 15037-1 Helena Teixeira Sistemas de Gestão e Melhoria 1 CTCV 09/DEZ/2010 centro tecnológico

Leia mais

1. Introdução Sistemas de Pré-Esforço Materiais Efeitos do Pré-Esforço (Diagramas de Tensões)... 11

1. Introdução Sistemas de Pré-Esforço Materiais Efeitos do Pré-Esforço (Diagramas de Tensões)... 11 Universidade Politécnica/ Apolitécnica Capítulo 3 INTRODUÇÃO. SISTEMAS DE PRÉ-ESFORÇO. MATERIAIS. EFEITOS DO PRÉ- ESFORÇO Índice Temático 1. Introdução... 1 1.1. Conceito de Pré-Esforço... 1 1.2. Vantagens

Leia mais

VIGAS PRÉMOLDADAS PROTENDIDAS

VIGAS PRÉMOLDADAS PROTENDIDAS VIGAS PRÉMOLDADAS PROTENDIDAS Construção da Linha Vermelha - Via Expressa no Rio de Janeiro sobre a Baia da Guanabara Sua inauguração foi feita em 2 etapas: a primeira delas foi em 30 de abril de 1992,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS EM ALTURA EM APOIOS METÁLICOS 2 DESCRIÇÃO Os trabalhos em linhas apoiadas em torres metálicas contêm um grande número de operações

Leia mais

MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO

MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO MONTAGEM E EXECUÇÃO DE ENSAIOS DE PLACA EM LABORATÓRIO Rafael Batezini Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil, rafaelbatezini@gmail.com Maciel Donato Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo,

Leia mais

built build to LAJES ST100

built build to LAJES ST100 uilt build to LAJES LAJES ST100 Lajes_mesa st110 382 Empresa Projetos Produtos mesa ST110 Mesa para lajes de grande superfície, ideal para a execução em fases repetidas, de lajes de grandes dimensões

Leia mais

UNIVERSIDADE POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE POLITÉCNICA UNIVERSIDADE POITÉCNICA ANÁISE E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS PAREDE. VERIFICACAO DA SEGURANÇA Índice Temático 1. Definição de vigas parede (REBAP - Artº 128º)... 1 2. Definição do Vão Teórico e Espessura

Leia mais

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume:

Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Peso especifico aparente é a razão entre o peso da amostra e o seu volume: Porosidade - é a razão entre o volume de vazios e o volume total de uma amostra da rocha: Absorção de água ou índice de absorção

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 11 CONTRAPISOS O contrapiso é uma camada de argamassa executada sobre uma base, que pode ser a laje de um pavimento ou um lastro de concreto, se for sobre o solo. Sua função é regularizar a superfície

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO PROPRIETÁRIO: Município de Três Arroios OBRA: Pavilhão em concreto armado, coberto com estrutura metálica, destinado a Ginásio de Esportes (1ª etapa) LOCAL: Parte do lote

Leia mais

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel /

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel / www.metlor.com Caldeira a Pellets aqualuxo Informações de segurança Atenção: o interior da máquina pode atingir em funcionamento elevadas temperaturas que provocam queimaduras graves, manter crianças afastadas

Leia mais

CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 19 CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 3.1. INTRODUÇÃO Diversos procedimentos de campo em Topografia são realizados com o auxílio de equipamentos como estações totais e teodolitos. Para que estes equipamentos

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 Licenciatura de Eng. Civil 3º ano Docentes Regentes: Prof. Maria de Lurdes Costa Lopes Professora Associada com Agregação Prof. Professora Auxiliar (www.fe.up.pt/~jcouti) Práticas:

Leia mais

Ampola química HVU com HIS-(R)N

Ampola química HVU com HIS-(R)N Ampola química HVU com HIS-(R)N Sistema de injecção de químico Vantagens Ampola Hilti HVU Manga HIS- (R)N - adequado para betão não fendilhado C 20/25 a C 50/60 - grande capacidade de carga - adequado

Leia mais

17:50. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS

17:50. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS FUNDAÇÕES INDIRETAS PRÉ-MOLDADAS Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1. Pré-moldadas 2. Moldadas in loco Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo

Leia mais

PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL

PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL Tema 5 Realizações 627 de Autores PONTE SOBRE O RIO SADO NA A2 AUTO-ESTRADA DO SUL SUBLANÇO GRÂNDOLA SUL/ALJUSTREL JÚLIO APPLETON Eng. Civil A2P Consult, Lda. J. NUNES DA SILVA Eng. Civil A2P Consult,

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001 1. Descrição: A Argamassa é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos de vidro em sistemas de vedação

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação LC 100 Chave de nível Cod: 073AA-010-122M Rev. A Março / 2009 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999 FAX: (11) 3488-8980

Leia mais

Rebarbar: o diâmetro usual dos discos de rebarbar é de 115 ou 125 m consoante o modelo da rebarbadora.

Rebarbar: o diâmetro usual dos discos de rebarbar é de 115 ou 125 m consoante o modelo da rebarbadora. A REBARBADORA A rebarbadora pode ser utilizada para trabalhos de esmerilagem, rebarbagem e corte de metais (chapa metálica, perfis de alumínio, chapas em ferro fundido, etc.) e materiais de construção)

Leia mais

Movimento Pendular regulável

Movimento Pendular regulável A SERRA DE RECORTES A serra de Recortes (ou Tico-tico) serve para fazer cortes em curva ou rectilíneos numa variedade de materiais: painéis de madeira, tubos de cobre, perfis de alumínio, placas de fibrocimento,

Leia mais

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág.

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág. Rio de Janeiro, 04 de Abril de 2016 Segunda Feira Tempo estável Continuidade no trabalho de escavação Sendo executado estruturas de canteiro tais como: banheiro, vestiário e depósito de cimento Arrumação

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

MUNICÍPIO DE OEIRAS. Largo Marquês de Pombal OEIRAS. Divisão de Infraestruturas Municipais. Mapa de Quantidades

MUNICÍPIO DE OEIRAS. Largo Marquês de Pombal OEIRAS. Divisão de Infraestruturas Municipais. Mapa de Quantidades 1 Estaleiro 1.1 1.2 1.3 2 Montagem e desmontagem do estaleiro, incluindo a recuperação e o arranjo paisagístico da área ocupada após desmontagem, incluindo todos os materiais, equipamentos e operações

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações.

Leia mais

TÍTULO: CONCRETO PROTENDIDO: ANALISE DE PROTENSAO ADERENTE COM CORDOALHAS EM VIGAS PRÉ-MOLDADAS.

TÍTULO: CONCRETO PROTENDIDO: ANALISE DE PROTENSAO ADERENTE COM CORDOALHAS EM VIGAS PRÉ-MOLDADAS. TÍTULO: CONCRETO PROTENDIDO: ANALISE DE PROTENSAO ADERENTE COM CORDOALHAS EM VIGAS PRÉ-MOLDADAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS TÉCNICAS CONSTRUTIVAS Módulo 2 Técnicas Construtivas Aula 3 Locação de Obras Prof. Cristóvão C. C. Cordeiro TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 8 Locação de Obras Cristóvão C. C. Cordeiro Objetivo

Leia mais

FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS

FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS LINHA ASTM A325 TIPO 1 São fixadores específicos de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade.

Leia mais

Manual de Instalação Adelift Light com Divisória de Lona

Manual de Instalação Adelift Light com Divisória de Lona Página 1 de 13 Objetivo: O objetivo desse manual é ajudar na identificação dos componentes e orientar os procedimentos para instalação do sistema Adelift Light, e sua divisória, no implemento rodoviário.

Leia mais

Competências a Desenvolver

Competências a Desenvolver ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE GONDOMAR Curso Profissional Técnico de Construção Civil Turma: 12º12 Disciplina de OFICINA TECNOLÓGICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ATIVIDADES LETIVAS 2013/2014

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM EDIFICIOS R. ANTÓNIO CARNEIRO, nº 373, 375, 381, 385 e 389, PORTO PORTO MARÇO DE 2009 ÍNDICE 01 INTRODUÇÃO 02 DESCRIÇÃO SUMÁRIA

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Fig. 1 Vista tridimensional do modelo de cálculo global da estrutura projetada

MEMÓRIA DE CÁLCULO. Fig. 1 Vista tridimensional do modelo de cálculo global da estrutura projetada MEMÓRIA DE CÁLCULO MODELOS DE ANÁLISE O procedimento usado na análise da estrutura baseia-se em modelos diferenciados em função dos objetivos. Para a análise global da estrutura utilizou-se um modelo de

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17

ÍNDICE CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 ÍNDICE ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA 1. EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO CONTRA QUEDAS EM ALTURA 23 1.1. Introdução 23 1.2. Guarda-corpos 25 1.3.

Leia mais

Acesse:

Acesse: Segurando as pontas As operações de tornear superfícies cilíndricas ou cônicas, embora simples e bastante comuns, às vezes apresentam algumas dificuldades. É o que acontece, por exemplo, com peças longas

Leia mais

Versão da ancoragem. HSL-3-G Varão roscado. Aprovação Técnica Europeia

Versão da ancoragem. HSL-3-G Varão roscado. Aprovação Técnica Europeia HSL-3 Ancoragem para Versão da ancoragem HSL-3 Parafuso sextavado Varão roscado HSL-3-B Cápsula de segurança HSL-3-SH Parafusos de cabeça cilíndrica, sextavado interior HSL-3-SK Parafuso de embeber sextavado

Leia mais

SP10 (construções metálicas) a o Praça D. Manuel I, 48 - Novelhos, S. Paio Arcos de Valdevez Tel Fax

SP10 (construções metálicas) a o Praça D. Manuel I, 48 - Novelhos, S. Paio Arcos de Valdevez Tel Fax SP10 (construções metálicas) 1. Condições gerais. Refere-se esta especificação ao fabrico e montagem de estruturas e construções de aço, soldadas ou aparafusadas, a executar de acordo com o especificado

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do Software MACS+ Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Caso de estudo e apresentação do MACS+ Sumário Nova metodologia MACS+ MACS+ Breve descrição da obra Projeto base Solução Blocotelha - Metodologia tradicional

Leia mais

SISTEMA DE FÔRMA COM REFIL PARA EXECUÇÃO DE LAJE NERVURADA (SISTEMA PATENTEADO)

SISTEMA DE FÔRMA COM REFIL PARA EXECUÇÃO DE LAJE NERVURADA (SISTEMA PATENTEADO) SISTEMA DE FÔRMA COM REFIL PARA EXECUÇÃO DE LAJE NERVURADA 1. INTRUDUÇÃO (SISTEMA PATENTEADO) A presente invenção é um sistema de fôrma utilizada para execução de laje nervurada montada sobre tablado ou

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS.

ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS. ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS. RESUMO Ricardo frazzetto Guetner (1), Alexandre Vargas (2). UNESC Universidade do Extremo Sul

Leia mais

FICHA TÉCNICA CHAPA COLABORANTE PERFIL AL65

FICHA TÉCNICA CHAPA COLABORANTE PERFIL AL65 ESPESSURAS: 0,75 1,00 1,20 comercial para cálculo Peso próprio (kn/m 2 ) e=0,75 mm 0,71 0,08 e= 1,00 mm 0,96 0,1 e= 1,20 mm 1,16 0,12 Peso Comercial Massa (Kg/m 2 ) 0,75 8,52 1 11,36 1,2 13,64 total Volume

Leia mais

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS:

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Ligação Predial Localização no website Tigre: Obra de Infra-Estrutura Saneamento Água LIGAÇÃO PREDIAL Função: Condução de água potável em trecho de tubulação compreendido entre o ponto de derivação da

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Estruturas de Concreto

Disciplina: Construção Civil I Estruturas de Concreto UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Componentes Formas: molde para

Leia mais

Conceito de normalização em DT

Conceito de normalização em DT Desenho técnico Normalização Alcínia Zita de Almeida Sampaio Conceito de normalização em DT O Desenho Técnico deve basear-se em NORMAS: A concepção de uma norma tem como objectivo estabelecer modos de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO PARA ALVENARIA CARACTERÍSTICAS E ENSAIOS DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006 1 OBJECTIVOS A presente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Nivelamento

Departamento de Engenharia Civil Nivelamento Departamento de Engenharia Civil Nivelamento Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 4. NIVELAMENTO O conjunto de operações topográficas que permitem definir a posição altimétrica dos

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de

GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES. FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de GUIÃO TÉCNICO CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS PAREDES SIMPLES FICHA TÉCNICA DOW Nº 14 Nº de pág.: 5 16 de Setembro de 2005 www.construlink.com CORRECÇÃO DE PONTES TÉRMICAS - PAREDES SIMPLES A necessidade

Leia mais

(54) Epígrafe: MÉTODO DE PROTECÇÃO DA FIXAÇÃO DA BORRACHA-CALEIRA NAS JUNTAS DE DILATAÇÃO DE PONTES/VIADUTOS E SUA MONTAGEM

(54) Epígrafe: MÉTODO DE PROTECÇÃO DA FIXAÇÃO DA BORRACHA-CALEIRA NAS JUNTAS DE DILATAÇÃO DE PONTES/VIADUTOS E SUA MONTAGEM (11) Número de Publicação: PT 105358 A (51) Classificação Internacional: E01D 19/06 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.10.29 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Flange de Fixação Série STW

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Flange de Fixação Série STW IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Flange de Fixação Série STW As flanges de fixação STW pertencem às uniões por meio de pressão, com a finalidade de unir cubos com eixos lisos. Este tipo de união transmite

Leia mais

Realização: Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo

Realização: Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo Realização: 2014 Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo Luiz Antonio Nascimento Maria Diretor da Método Engenharia Caracteristicas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P BEST 2 AVISOS O ar aspirado não deve ser canalizado por uma conduta já utilizada para evacuar fumos produzidos por aparelhos alimentados

Leia mais

Bucha de ancoragem expansível 15,0

Bucha de ancoragem expansível 15,0 08/2011 Instruções de montagem 999415006 pt ucha de ancoragem expansível 15,0 rt. n.º 581120000 Instruções de montagem ucha de ancoragem expansível 15,0 escrição do produto bucha de ancoragem expansível

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS ASSEMBLAGEM E MONTAGEM DE APOIO METÁLICO (TORRES METÁLICAS)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS ASSEMBLAGEM E MONTAGEM DE APOIO METÁLICO (TORRES METÁLICAS) PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSEMBLAGEM E MONTAGEM DE APOIO METÁLICO (TORRES METÁLICAS) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a assemblagem de apoio metálico (torres

Leia mais

Ensaio de compressão

Ensaio de compressão A UU L AL A Ensaio de compressão Podemos observar o esforço de compressão na construção mecânica, principalmente em estruturas e em equipamentos como suportes, bases de máquinas, barramentos etc. Às vezes,

Leia mais

CI/SfB. July Para Juntas de Movimento Temporário

CI/SfB. July Para Juntas de Movimento Temporário CI/SfB (29) Et6 July 2010 Ligadores Bloqueáveis Para Juntas de Movimento Temporário Dificuldade de acesso Lajes escoradas durante muitas semanas 2 Telef: (+351) 939 262 958 WWW.CORTARTEC.NET O ligador

Leia mais

GESTÃO DE PROJECTOS 2008/2009

GESTÃO DE PROJECTOS 2008/2009 GESTÃO DE PROJECTOS 2008/2009 BETÃO ARMADO EM MURO 3 INCLUINDO BETÃO, COFRAGEM E ARMADURAS Projecto nº: 8 Nº de Ordem: 25 Tiago Lopes de Almeida Coimbra Turma 8 2 Betão armado em Muro 3 incluindo betão,

Leia mais

LUSOPONTE / GESTIPONTE PONTE VASCO DA GAMA

LUSOPONTE / GESTIPONTE PONTE VASCO DA GAMA LUSOPONTE / GESTIPONTE PONTE VASCO DA GAMA O programa de Manutenção Estrutural é realizado de acordo com o Manual de Inspecção e Manutenção, elaborado pela empresa construtora e aprovado pelo Concedente.

Leia mais

Medidas de Consolidação Temporária

Medidas de Consolidação Temporária Workshop Sismo de L Aquila: Ensinamentos para Portugal Medidas de Consolidação Temporária D. Oliveira, G. Vasconcelos, L. Ramos, P. Roca, P. Lamego, P. Pereira 10. Julho. 2009 2 CONTEÚDO I. Introdução

Leia mais

- Executar trabalhos em tensão, segundo plano de trabalhos pré-estabelecido pela equipa, sob orientação do responsável de trabalhos (Executantes);

- Executar trabalhos em tensão, segundo plano de trabalhos pré-estabelecido pela equipa, sob orientação do responsável de trabalhos (Executantes); 1 CARACTERIZAÇÃO RESUMIDA 1.1 Objectivos No final do curso os formandos deverão ser capazes de: - Conhecer as condições de execução de trabalhos, processos operatórios, fichas técnicas correspondentes

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

Hidráulica e Eletrohidráulica

Hidráulica e Eletrohidráulica Hidráulica e Eletrohidráulica Professor: Leonardo Leódido Elementos de Máquinas Sumário Mangueiras e Conexões Válvula de Controle de Pressão Mangueiras e Conexões Tipos: Mangueiras e Conexões Tipos: Tubo

Leia mais

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro e Locação de obra Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro de Obras Canteiro de obras (Definição segundo a NBR 12264) Conjunto de áreas destinadas à execução e apoio dos

Leia mais

CONCRETAGEM PARA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

CONCRETAGEM PARA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA CONCRETAGEM PARA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO LOTE 1 Versão: 001 Vigência: 12/2015 Última

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA UTILIZAÇÃO DE CABOS DE AÇO 2 DESCRIÇÃO Os cabos e cintas são elementos amplamente utilizados na maioria das actividades industriais e de distribuição.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES DIMENSIONAMENTO ATRAVÉS DA TABELA DE CZERNY APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES DIMENSIONAMENTO ATRAVÉS DA TABELA DE CZERNY APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO 1 DIMENSIONAMENTO DE LAJES MACIÇAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES DIMENSIONAMENTO ATRAVÉS DA TABELA DE CZERNY APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Professor: Cleverson Arenhart 2 1) Tipos de lajes.

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS PRÓXIMOS DE INSTALAÇÕES EM TENSÃO 2 DESCRIÇÃO Nas tarefas de exploração, construção e manutenção das instalações eléctricas são susceptíveis

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1) ENG 2333 (2016/1) Aula 08 Contrapiso CONTRAPISO Funções: Regularizar a superfície do piso ou da laje; Embutir instalações que passem pelo piso; Permitir o correto caimento do piso nas áreas molhadas; Fornecer

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-F01 FUNDAÇÕES RASAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. S... 3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 4. MATERIAIS... 4 5. EXECUÇÃO DA

Leia mais