MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NA REGIÃO SUL DE ANÁPOLIS: AVALIAÇÃO DO ESTADO DA COBERTURA VEGETAL ORIGINAL Ludiana Ribeiro da Silva 1, Homero Lacerda 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NA REGIÃO SUL DE ANÁPOLIS: AVALIAÇÃO DO ESTADO DA COBERTURA VEGETAL ORIGINAL Ludiana Ribeiro da Silva 1, Homero Lacerda 2"

Transcrição

1 MAPEAMENTO DO USO DO SOLO NA REGIÃO SUL DE ANÁPOLIS: AVALIAÇÃO DO ESTADO DA COBERTURA VEGETAL ORIGINAL Ludiana Ribeiro da Silva 1, Homero Lacerda 2 1 Voluntária de Pesquisa (PVIC/UEG), graduanda em Ciências Biológicas, UnUCET- UEG. 2 Orientador, docente do curso de Geografia, UnUCSEH UEG. Resumo A avaliação do estado da cobertura vegetal original foi feita comparando-se a situação original, reconstituída graficamente, com a situação atual. Originalmente a região tinha 75% da área coberta por Cerrado Ralo e 25% recoberta por Formações Florestais incluindo Mata de Galeria e Mata Seca. Atualmente a região contém apenas 7% da área recoberta por Formações Florestais e 15% recoberta por Cerrado Ralo. O restante da área (78%) tem cobertura antrópica, relacionada à urbanização e atividade agropecuária. Os resultados demonstraram a retirada da vegetação original e a fragmentação dos habitats. Palavras-chaves: Uso do solo, Cartografia, Cerrado. Introdução Neste trabalho o mapeamento do uso e cobertura da terra teve por objetivo inicial avaliar o estado da cobertura vegetal original na região sul de Anápolis (Figura 1), por intermédio da reconstituição gráfica da cobertura vegetal original e comparação com a situação atual. Figura 1: Localização da área de estudo. A área de estudo é delimitada pelos vértices de coordenadas planas UTM (Zona 22S) mE/ mN e mE/ mN. Compreende a alta bacia do Rio da 1

2 Extrema, abrangendo parte da malha urbana residencial e do Distrito Agro Industrial de Anápolis, bem como o Campus da UEG (Figura 1). Com relação aos trabalhos anteriores, Barreto Júnior & Angelini (2003) mapearam as fitofisionomias na área do Campus da UEG, onde observaram e delimitaram Cerrado Ralo, Mata Seca e Mata de Galeria. Neste artigo, resultado de um trabalho de Cartografia Temática aplicada à Biologia, pretende-se avançar no conhecimento das fitofisionomias da região, analisando uma área maior do que aquela trabalhada por Barreto Júnior & Angelini (2003) e comparando a situação original, reconstituída graficamente, com a situação atual. Materiais e Métodos O presente trabalho foi elaborado no método empírico, pois é baseado na observação e descrição sistemática dos elementos da paisagem. As bases cartográficas utilizadas para a realização do trabalho foram: Imagem de satélite Ikonos de 2001 e mapa topográfico 1/ com curvas de nível com eqüidistância de 20m em arquivos dos programas CorelDRAW 9 e AutoCAD 2004 (Lacerda, 2008). A pesquisa compreendeu o mapeamento do uso e cobertura do solo utilizando as fitofisionomias propostas por Ribeiro e Walter (1998) para caracterizar os remanescentes de vegetação original. A partir deste mapa foi analisada a situação da cobertura vegetal original por intermédio de: medição das áreas de cobertura vegetal original remanescentes; observação das relações entre fitofisionomias e relevo; reconstituição gráfica da cobertura vegetal original; comparação entre a situação original e atual da vegetação. O mapa de uso e cobertura da terra foi elaborado por interpretação de imagem Ikonos de 2001 feita na tela utilizando o programa CorelDRAW 9. A medição das áreas de vegetação original foi feita utilizando planímetro de pontos e as relações entre fitofisionomias e relevo foram observadas em modelo digital do terreno gerado a partir do mapa topográfico, utilizando os programas dxf2xyz e Surfer 8. Resultado e Discussão O mapa de uso e cobertura do solo (Figura 2) mostra áreas urbanas residenciais com média e baixa densidade de ocupação no quadrante noroeste e área urbana industrial (Distrito Agro Industrial de Anápolis D.A.I.A.) nas porções oeste e sul da área. Nas partes central e leste da área destaca-se o Campus da UEG em meio às áreas de campo antrópico e de cultivo, com remanescentes de vegetação original. Estes últimos compreendem Formações Florestais 2

3 (Mata de Galeria, Mata Seca e Formações Florestais Secundárias) e Formações Savânicas (Cerrado Ralo e Cerrado Alterado). Ribeiro e Walter (1998) definem Mata Galeria como a vegetação florestal que acompanha os rios de pequeno porte e córregos, formando corredores fechados (galerias) sobre o curso de água. Segundo estes autores as faixas de Mata Galeria quase sempre são circundadas por faixas de vegetação não florestal em ambas as margens e em geral ocorre transição brusca com formações savânicas e campestres. No entanto, Eiten (1993) assinala a existência da associação Florestas de Galeria e Florestas de Encostas Associadas e, neste caso, as matas galerias estão em contato com outras formações florestais denominadas por ele Florestas de Encostas. Este parece ser o caso da área de estudo de acordo com os trabalhos anteriores (Barreto Júnior & Angelini, 2003) e os resultados obtidos nesta pesquisa. Com efeito, na região sul de Anápolis observa-se que as faixas de Mata de Galeria apresentam-se como fragmentos dispostos ao longo das drenagens e são ladeadas ora por Formações Florestais do tipo Mata Seca ora por Formações Savânicas (Cerrado Ralo). Figura 2: Mapa de uso e cobertura da terra. Fonte: Elaborado por Ludiana Ribeiro da Silva a partir de interpretação de imagem Ikonos. As ocorrências de Mata Seca são poucas, restringindo-se a dois fragmentos situados na parte central da área, dentro e nas vizinhanças do Campus da UEG (Figura 2). As Matas Secas possuem diversos níveis de caducifólia durante a estação seca, dependentes das condições físicas e químicas do solo. Esta formação florestal não possui associação com cursos de água, ocorrendo nos interflúvios (Ribeiro & Walter, 1998). A Mata Seca possui fitofisionomia de flora com elementos de cerrado e de mata, com cobertura arbórea que pode oscilar de 50 a 3

4 90% com árvores que variam de oito a quinze metros (Ribeiro & Walter, 1998). Também foram identificadas Formações Florestais Secundárias caracterizadas pela presença de vegetação arbórea com dossel descontínuo. Sua composição afasta-se daquela da floresta primitiva, formando uma espécie de capoeira, em diversos graus de degradação ou de reconstituição (Rizzini, 1997). Formações savânicas designam áreas com árvores e arbustos espalhados sobre um estrato graminoso, sem a formação de dossel contínuo. As savanas do cerrado ocorrem sobre terreno plano ou levemente inclinado e com solos profundos e muitos estéreis, ou sobre solos muitos rasos (Eiten, 1993). Na área de estudo as Formações Savânicas estão representadas por Cerrado Ralo, em duas manchas situadas na porção centro-norte da área. Na parte centro-sul da região estudada existe uma grande área caracterizada como cerrado alterado, que está próximo as áreas de expansão industrial e áreas de campos antrópicos, possui a extensão territorial de 2,5 km 2 e a vegetação se apresenta com árvores em diferentes estados sucessionais em meio a formações naturais de cerrado. Analisando as relações entre distribuição dos fragmentos de Formações Florestais e relevo observou-se que estas fitofisionomias ocorrem, preferencialmente, nos fundos de vales (Figura 3A). Isto está em acordo com a bibliografia onde é ressaltada esta associação (Eiten, 1993), explicada pela disponibilidade hídrica e fertilidade do solo, que seriam maiores nas partes inferiores das encostas. A partir desta constatação é possível propor uma reconstituição gráfica da cobertura vegetal original, que servirá para avaliar o estado de degradação da vegetação na região estudada (Figura 3B). Antes da intervenção antrópica a região tinha cerca de 25% da sua área recoberta por Formações Florestais englobando Mata de Galeria e Mata Seca, em faixas contínuas acompanhando as drenagens (Figura 3B). As Formações Savânicas, representadas por Cerrado Ralo, recobriam originalmente 75% da área. Atualmente esta mesma região possui apenas 7% da área coberta por Formações Florestais e 15% de Formações Savânicas. O restante da área, perfazendo 78%, tem cobertura relacionada com as atividades antrópicas. Além da redução em área, houve fragmentação da cobertura vegetal original e hoje existem manchas de Formações Florestais em pequenos fragmentos, separados por extensas áreas de cobertura antrópica (Figura 3A). A fragmentação de habitats pode ter causas naturais, como flutuações climáticas, processos geológicos e alagamentos, mas atualmente tem sido um processo intimamente relacionado à expansão das atividades humanas, tais como agricultura, pecuária, urbanização 4

5 e construção de estradas (Cunha, 2007). Quando as florestas são fragmentadas, suas populações também são divididas e, assim, a genética e a demografia das populações remanescentes se alteram e, em geral, as conseqüências demográficas da fragmentação são mais críticas que as genéticas (Venticinque, 1999 apud Cunha, 2007). Em muitos casos os fragmentos são tão pequenos que não conseguem manter populações mínimas viáveis, levando rapidamente à extinção das espécies (Goiás, 2002 apud Cunha, 2007). Figura 3: Comparação entre a situação atual da vegetação. Na Figura 3A (à esquerda) observa-se que os fragmentos de Formações Florestais estão, na sua maioria, nos fundos dos vales. A Figura 3B (à direita) representa a cobertura vegetal original reconstituída graficamente. Fonte: Elaborado pelos autores. Devido à rapidez com que as mudanças ambientais provenientes de ações humanas ocorrem, não há tempo para adaptação e muito menos para qualquer processo de evolução que gere características melhor adaptadas ao ambiente gerado. Os animais podem apenas refugiarse em outras manchas de vegetação remanescentes, disputando com competidores da mesma ou de outra espécie (Linhares, 2003). Considerações Finais Os resultados ilustram, em escala local, a destruição do bioma Cerrado, que segundo Goiás (2002, apud Cunha, 2007) teria perdido a vegetação original em 80% de sua área. Ressalta-se que o Cerrado brasileiro esta incluído entre os 25 hotspots mundiais, áreas com grande endemismo e menos de 30% da vegetação original remanescente (Myters, 2000 apud. Cunha, 2007). 5

6 Desta forma, devem ser tomadas medidas para deter o desmatamento e para minimizar o efeito da fragmentação dos habitats sobre a biodiversidade. Na região estudada, está prevista a preservação de parte do terreno do Campus (UEG, 2008) onde ocorrem manchas expressivas de Cerrado Ralo, além de pequenas áreas de Formações Florestais. Outra medida viável e de baixo custo é a criação de faixas de Formações Florestais na forma de corredores, ligando as manchas de Matas de Galeria remanescentes. Referências Bibliográficas BARRETO JUNIOR, N. M.; ANGELINI, R. Mapeamento topográfico e delimitação fitofisionômica da área natural do Campus da UEG (Anápolis). Mostra de iniciação Científica da Universidade Estadual de Goiás, 1 a, Anais... Anápolis, UEG, 2003, 5p. CUNHA, H. F.; FERREIRA, A. A.; BRANDÃO, D. Composição e fragmentação do Cerrado em Goiás usando Sistema de Informação Geográfica (SIG). Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 27, n. 2, p , EITEN, G. Vegetação. In: PINTO, M. N. (Org.). Cerrado: Caracterização e perspectivas. Brasília: Ed. UnB, p LACERDA, H. Atividade da disciplina Impactos Ambientais em Áreas de Cerrado. Anápolis: Curso de Geografia/UnUCSEH/UEG, 2008 (inédito). LINHARES, C. A. As unidades de conservação são adequadas à preservação das espécies animais? In: SIMP. BRAS. SENSOREAMENTO REMOTO, XI, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: INPE, p RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Org.) Cerrado: Ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA, 1998, p RIZZINI, C. T. Tratado de fitogeografia do Brasil. São Paulo: Ed. HUCITEC, p. VALENTE, C. R. Caracterização geral e composição florística do cerrado. In: GUIMARÃES, L. D.; SILVA, M. A. D.; ANACLETO, T.C.(Orgs.). Natureza Viva Cerrado, Caracterização e Conservação. Goiânia: UCG, p UEG. Reitor recebe documento preliminar do Plano Diretor da UEG. Disponível em <http://www.planodiretor.ueg.br/noticia/1.html> acesso em 20/10/

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

ESTUDO DE CONECTIVIDADE

ESTUDO DE CONECTIVIDADE ESTUDO DE CONECTIVIDADE PRESERVAÇÃO DO VERDE DE FORMA INTELIGENTE Fabiana Vita Lopes Assessora jurídico-ambiental Anglogold Ashanti Localização NOVA LIMA SEDE Estudo de Conectividade Um pensamento diferentre...

Leia mais

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS CAATINGA 844 Mil Km 2 (9,9%) Território Brasileiro = 9,9% Nordeste = 55,6% Cobertura Atual 30% Fonte: IBAMA 2002 Elaboração:

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/25.000 Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador - Pesquisador 3 Curso de Geografia,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES 1 RELATO

ESPECIFICAÇÕES 1 RELATO Este material foi elaborado como requisito de avaliação final da oficina Apoio ao Uso dos Recursos do Portal Dia-a-dia Educação na Prática Pedagógica, sob orientação do(a) docente, assessor(a) pedagógico(a)

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3038/2008 UNIDADE DE ASSESSORAMENTO AMBIENTAL GEOPROCESSAMENTO BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA: Dr. Alexandre Saltz Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente DE: Luciano

Leia mais

Biomas / Ecossistemas brasileiros

Biomas / Ecossistemas brasileiros GEOGRAFIA Biomas / Ecossistemas brasileiros PROF. ROGÉRIO LUIZ 3ºEM O que são biomas? Um bioma é um conjunto de tipos de vegetação que abrange grandes áreas contínuas, em escala regional, com flora e fauna

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 43 BRASIL: REGIÃO CENTRO- -OESTE

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 43 BRASIL: REGIÃO CENTRO- -OESTE GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 43 BRASIL: REGIÃO CENTRO- -OESTE Cerrado Campo Limpo Campo Sujo Como pode cair no enem? (UERJ) (Adaptado de http://ibge.gov.br) A proporção de homens e mulheres nesta pirâmide

Leia mais

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF.

Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. 1 Uso de geotecnologias no estudo da sustentabilidade agrícola do núcleo rural Taquara, DF. Lousada, Bruno Maia Soriano (1) ; Lacerda, Marilusa Pinto Coelho (2) ; Boschini Ana Paula Masson (1) & Araújo,

Leia mais

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil)

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Carla Bernadete Madureira Cruz Simone R. Freitas Vinicius Seabra Rafael Barros Departamento de. Geografia Universidade

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo

Programa de Retomada de Conteúdo Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P1-4º BIMESTRE 6º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender o conceito de bioma. Reconhecer fatores bióticos

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Humberto Mesquita Chefe do Centro de Sensoriamento Remoto Introdução Introdução Objetivos do Projeto de Monitoramento do Desmatamento

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA Definição de DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS: Pode ser compreendido como uma região que apresenta elementos naturais específicos que interagem resultando em uma determinada

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA ANÁLISE ESPACIAL DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DO BIOMA MATA ATLÂNTICA

Leia mais

I Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente Progresso, Consumo e Natureza Desafios ao Homem

I Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente Progresso, Consumo e Natureza Desafios ao Homem REMANESCENTES DE VEGETAÇÃO DE CERRADO NO MUNICIPIO DE ANÁPOLIS: MAPEAMENTO E ANALISE DA COBERTURA DA TERRA Roberto Prado de Morais 1 Nislaine Caetano Silva 2 Adriana Sousa do Nascimento 3 RESUMO Anápolis

Leia mais

SANTOS, Cezar Clemente Pires (Discentes do Curso de Biologia do UNIVAG). MORAES, Rodrigo Ferreira de (Docente do Curso de Biologia do UNIVAG).

SANTOS, Cezar Clemente Pires (Discentes do Curso de Biologia do UNIVAG). MORAES, Rodrigo Ferreira de (Docente do Curso de Biologia do UNIVAG). O USO DO SENSORIAMENTO REMOTO PARA LEVANTAMENTO E CLASSIFICAÇÃO VEGETACIONAL NA FAZENDA JOÃO DE BARRO LOCALIZADA NA DIVISA TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES MT E SAN MATIAS BOLÍVIA. SANTOS, Cezar Clemente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA A energia e os fundamentos da vida. Os ciclos biogeoquímicos. Padrões de distribuição e organização dos seres vivos na superfície terrestre. Evolução e caracterização dos biomas terrestres; A

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Os exercícios deverão ser feitos no caderno. Leitura das págs. 91 e 93 do livro de Português

Leia mais

Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria

Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria urso de Graduação em Engenharia Ambiental Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria Ecologia de comunidades: Abordagem geral sobre Distúrbios: Fragmentação de hábitats, efeito de borda, ecologia da

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO

CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO Renata Soares Pinto (*), Carlos Fernando Lemos Universidade Federal de Santa Maria- renatasoares261@gmail.com

Leia mais

Identificação do Projeto Simplificado de Recuperação de Área Degradada ou Alterada PRAD Simplificado:

Identificação do Projeto Simplificado de Recuperação de Área Degradada ou Alterada PRAD Simplificado: ANEXO II Termo de Referência para elaboração de Projeto Simplificado de Recuperação de Área Degradada ou Alterada de Pequena Propriedade ou Posse Rural Familiar TR - PRAD Simplificado Identificação do

Leia mais

Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade.

Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade. INCLINE workshop interdisciplinaridade FEA-USP - 10 de Março de 2015 Quais são os principais drivers do desflorestamento na Amazônia? Um exemplo de interdisciplinaridade. Natália G. R. Mello, PROCAM-USP

Leia mais

EIXO CAPACIDADES CONTEÚDOS / CONCEITOS CICLO COMPLEMENTAR

EIXO CAPACIDADES CONTEÚDOS / CONCEITOS CICLO COMPLEMENTAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃOBÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL 5 MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

ENSINO MÉDIO Geografia

ENSINO MÉDIO Geografia ENSINO MÉDIO Geografia Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2016 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Bruno Data: / /2016 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Resultado / Rubrica

Leia mais

Fragmentação. Umberto Kubota Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp

Fragmentação. Umberto Kubota Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp Fragmentação Umberto Kubota ukubota@gmail.com Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp Fragmentação ou Mosaicos Naturais Fragmentação Processo no qual um habitat contínuo é dividido

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA Fábio Campos MACEDO 1 ; Laerte Guimarães FERREIRA 2 ; Nilson Clementino FERREIRA 3 1 Doutorando em Geografia IESA/UFG; Professor

Leia mais

a) b) c) d) e) 3 2 1

a) b) c) d) e) 3 2 1 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 7 ª TURMA(S):

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG 151 Introdução ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG Viviane Valéria Silva¹, Laura Rafaele S. Silva 1, Júlio Cezar Costa¹, Bruna Cardoso de Faria¹,

Leia mais

MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL. Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL. Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINUTA INSTRUÇÃO NORMATIVA LICENCIAMENTO PARA CONCESSÃO FLORESTAL Versão - 15 junho 2007 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTRUÇÃO NORMATIVA N, DE DE DE 2007. A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso

Leia mais

Palavras-chave: Análise espectral, Cerrado, Uso do solo, Índice de Vegetação EVI. Introdução

Palavras-chave: Análise espectral, Cerrado, Uso do solo, Índice de Vegetação EVI. Introdução ANÁLISES ESPECTRO-TEMPORAIS DE ÁREAS DESMATADAS NO BIOMA CERRADO, VOLTADAS AO MONITORAMENTO DE ÁREAS AGRÍCOLAS Joana Carolina Silva ROCHA; Manuel Eduardo FERREIRA. Programa de Pós-Graduação em Agronegócios

Leia mais

GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL

GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL (26/10/2016 às 15h ) 1) Há um domínio morfoclimático brasileiro, que está situado em zona climática temperada, mas ainda sob efeito dos trópicos, por isso in uenciado por um

Leia mais

R.: R.: R.: d) A região central do Brasil possui duas estações bem definidas, uma seca e outra chuvosa. R.: R.:

R.: R.: R.: d) A região central do Brasil possui duas estações bem definidas, uma seca e outra chuvosa. R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Muitas pessoas

Leia mais

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC )

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC ) Ciências do Ambiente Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL - 1995) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC - 2002) Ciências Ambientais Estudo sistemático tico da natureza

Leia mais

Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. O plano de bacias tem como objetivo a programação de ações no âmbito de cada bacia hidrográfica.

Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. O plano de bacias tem como objetivo a programação de ações no âmbito de cada bacia hidrográfica. Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD - 2537 Água em Ambientes Urbanos Plano de Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco Elídio Nunes Vieira, Henrique Leite Agostinho, Lauro Dela Libera

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. As Regiões Geoeconômicas do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia As Regiões Geoeconômicas do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia Aula XX AS REGIÕES GEOECONÔMICAS DO BRASIL A divisão regional oficial do Brasil é aquela

Leia mais

AAVA. Associação dos Amigos do Vale do Aracatu

AAVA. Associação dos Amigos do Vale do Aracatu AAVA Associação dos Amigos do Vale do Aracatu Conceitos importantes Bacia Hidrográfica Divisor de águas Nascente Bacia Hidrográfica * Bacias hidrográficas são áreas da superfície terrestre separadas topograficamente

Leia mais

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 NAVEGAR É PRECISO 2500 A.C. uma das primeiras representações de mapa, produzido na região da mesopotâmia. NAVEGAR É PRECISO Mapa do Salmo (1260) e Mappe-Monde (1707),

Leia mais

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Debora Cristina LOPES Universidade Federal do Paraná A questão da cobertura vegetal em áreas urbanas possui cada

Leia mais

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Complexos Regionais Amazônia: Baixa densidade demográfica e grande cobertura vegetal. 2 3 Complexos Regionais Nordeste: Mais baixos níveis de desenvolvimento

Leia mais

1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto.

1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto. 1) Em se tratando de questões de natureza cartográfica, assinale o correto. a) A realização de mapeamentos temáticos muito detalhados requer a utilização de produtos de sensoriamento remoto de alta resolução

Leia mais

COLEÇÃO CARTOGRÁFICA DO SUDOESTE GOIANO: A UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA CONFECCIONAR MATERIAL DIDÁTICO DE CARTOGRAFIA.

COLEÇÃO CARTOGRÁFICA DO SUDOESTE GOIANO: A UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA CONFECCIONAR MATERIAL DIDÁTICO DE CARTOGRAFIA. COLEÇÃO CARTOGRÁFICA DO SUDOESTE GOIANO: A UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA CONFECCIONAR MATERIAL DIDÁTICO DE CARTOGRAFIA. Leonardo Martins, MACHADO CAJ/UFG 1 Iraci, SCOPEL CAJ/UFG 2

Leia mais

Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns

Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns Tafnes da Silva Andrade Márcio Nóbrega ; Adrielle Castilho & Genilza França CPRH/UIGA INTRODUÇÃO Entende-se

Leia mais

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO O estado de Mato Grosso está localizado na região Centro-Oeste do Brasil, fazendo fronteira com os estados do Pará e Amazonas ao norte, Mato

Leia mais

Professora: Jordana Costa

Professora: Jordana Costa Professora: Jordana Costa Cartografia Cartografia, segundo a ABNT é definida como: A arte de levantamento, construção e edição de mapas e cartas de qualquer natureza. Função principal: Representar a realidade

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministério do Meio Ambiente

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministério do Meio Ambiente Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério do Meio Ambiente O Projeto TerraClass é resultado da integração de esforços entre o MAPA, o MCTI

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

Análise temporal do uso do solo nos municípios do entorno do Parque Nacional das Emas com a utilização de imagens Landsat e CBERS-2

Análise temporal do uso do solo nos municípios do entorno do Parque Nacional das Emas com a utilização de imagens Landsat e CBERS-2 Análise temporal do uso do solo nos municípios do entorno do Parque Nacional das Emas com a utilização de imagens Landsat e CBERS-2 Renato Alves Moreira 1 Mário Barroso Ramos Neto 2 Cynthia Pinheiro Machado

Leia mais

Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo

Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo SOLO CONSERVAÇÃO Erosão Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo Assoreamento: Depósito de acúmulo de sedimentos nos cursos d água, geralmente provocada, principalmente, pela

Leia mais

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG.

GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. GRUPOS DE PLANTAS ORNAMENTAIS UTILIZADAS NO PAISAGISMO NOS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DA CIDADE DE LAVRAS-MG. PATRÍCIA DUARTE DE OLIVEIRA PAIVA 1 ; PAULO ROBERTO CORRÊA LANDGRAF 2 ; PETTERSON BAPTISTA DA

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE. Introdução

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE. Introdução DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE Daniel de Almeida Papa1, Virgínia de Souza Álvares2 e Daniela Popim Miqueloni3 1Eng. Florestal,

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA TOPOS significa lugar GRAPHEN significa descrição Pode-se dizer que a TOPOGRAFIA é a ciência que trata do estudo da representação detalhada de uma porção da superfície terrestre.

Leia mais

A Ocupação do Cerrado e Subsídios para a Elaboração de Projeto de Lei de Proteção Ambiental do Bioma.

A Ocupação do Cerrado e Subsídios para a Elaboração de Projeto de Lei de Proteção Ambiental do Bioma. A Ocupação do Cerrado e Subsídios para a Elaboração de Projeto de Lei de Proteção Ambiental do Bioma. Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle CMA Senado Federal Audiência

Leia mais

Correlação das Leishmanioses humanas com o bioma cerrado no Estado de Goiás. Human Leishmaniasis correlation with savannah of Goias

Correlação das Leishmanioses humanas com o bioma cerrado no Estado de Goiás. Human Leishmaniasis correlation with savannah of Goias Leishmaniose humana no cerrado de Goiás Correlação das Leishmanioses humanas com o bioma cerrado no Estado de Goiás Hidasi Filho 1,3 Marco-Túlio Garcia-Zapata 2* RESUMO - Nas formações florestais existentes

Leia mais

Redução de área Isolamento Efeito de borda. Fragmentação de Habitats. Fragmentação de Habitats. Biogeografia de ilhas (MacArthur & Wilson, 1963, 1967)

Redução de área Isolamento Efeito de borda. Fragmentação de Habitats. Fragmentação de Habitats. Biogeografia de ilhas (MacArthur & Wilson, 1963, 1967) Fragmentação de Habitats Fragmentação de Habitats Ampla porção contínua de habitat, reduzida em área e dividida em pedaços; Matriz e fragmentos Conseqüências da fragmentação Redução de área Isolamento

Leia mais

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 12, n. 32, p. 121-126, dez. 1998 Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí Arlet Maria Almeida Nassif Prefeitura Municipal de Piracicaba Em 1887, a cidade de Piracicaba

Leia mais

ANÁLISE AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DOS ARROIOS JUÁ E CARACOL BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAÍ / RS.

ANÁLISE AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DOS ARROIOS JUÁ E CARACOL BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAÍ / RS. ANÁLISE AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DOS ARROIOS JUÁ E CARACOL BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAÍ / RS. Maycon Damasceno Mestrando em Geografia pela UFRGS mayconx@gmail.com Dejanira Luderitz Saldanha

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS GEOGRAFIA

LISTA DE EXERCÍCIOS GEOGRAFIA LISTA DE EXERCÍCIOS GEOGRAFIA P2-1º BIMESTRE 7º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Entender o papel das sociedades na produção do território, da

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS BRASIL

BIOMAS BRASILEIROS BRASIL BIOMAS BRASILEIROS BRASIL BIOMAS BRASILEIROS Aziz Ab Sáber (1924) Floresta Tropical pluvial-úmida Tropical:próxima ao Equador, estabilidade climática Pluvial: chuvas intensas e regulares ao longo do ano

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Bacias Hidrográficas Professora: Mayara Moraes Fase terrestre do ciclo hidrológico Elemento fundamental: Bacia hidrográfica. Definição: Área de

Leia mais

PAISAGENS DO PANTANAL

PAISAGENS DO PANTANAL Biomas Brasileiros 35 % 65% PAISAGENS DO PANTANAL BAÍAS Lagoas temporárias ou permanentes de tamanho variado, podendo apresentar muitas espécies de plantas aquáticas emergentes, submersas, ou flutuantes.

Leia mais

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS FSC : FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O FUTURO Certificação FSC poderá um instrumento de mercado promover a conservação de espaços naturais? Agenda FSC FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O

Leia mais

ANÁLISE DE CONTEÚDO SOBRE O BIOMA CAATINGA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO. Apresentação: Pôster

ANÁLISE DE CONTEÚDO SOBRE O BIOMA CAATINGA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO. Apresentação: Pôster ANÁLISE DE CONTEÚDO SOBRE O BIOMA CAATINGA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO Apresentação: Pôster Danilo Dantas da Silva 1 ; Laiane Firmo de Lima 1 ; Raquel Maria da Conceição 1 ; Dalila Regina Mota

Leia mais

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico - SEMADE Presidência da República Casa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR META Demonstrar a localização e a extensão dos fenômenos geográficos que se diferenciam pela sua natureza

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA Ângela Maria Soares * Carolina Santos Melo ** Laila da Silva Vieira *** Suely Regina Del Grossi **** RESUMO O presente artigo é o resultado de uma pesquisa que teve como objetivo mapear e caracterizar

Leia mais

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO 2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO MS. 1. Apresentação O plantio de 104 mudas nas margens do córrego Restinga, localizado no perímetro

Leia mais

VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ

VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 VARIAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NATURAL EM UMA MICROBACIA DO NOROESTE DO PARANÁ Eduardo Tinoz do Santos

Leia mais

ESPAÇOS CLIMÁTICOS E SUAS INFLUÊNCIAS NA EUROPA

ESPAÇOS CLIMÁTICOS E SUAS INFLUÊNCIAS NA EUROPA ESPAÇOS CLIMÁTICOS E SUAS INFLUÊNCIAS NA EUROPA 8º ANO Geografia Prof. Esp. Franciane Borges Créditos: Sistema de Ensino CNEC - MG A maior parte da Europa está situada entre o Trópico de Câncer e o Círculo

Leia mais

M A P A S G E O G R A F I A. Noções de Cartografia para estudantes do 6º Ano. Prof. José Gusmão Rodrigues

M A P A S G E O G R A F I A. Noções de Cartografia para estudantes do 6º Ano. Prof. José Gusmão Rodrigues M A P A S Noções de Cartografia para estudantes do 6º Ano G E O G R A F I A Prof. José Gusmão Rodrigues Clique com o mouse sobre o título desejado ou vá clicando enter para ver a apresentação completa

Leia mais

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos...

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos... Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos......para facilitar a comunicação sobre o Código Florestal Brasileiro!!! por Renata Evangelista de Oliveira FCA-UNESP- Doutorado em Ciência Florestal

Leia mais

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive.

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive. 2ª Geografia 4º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade C1- CATEGORIAS DA GEOGRAFIA: Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica, como elemento

Leia mais

ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES. Renata Maciel Ribeiro

ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES. Renata Maciel Ribeiro ANÁLISE DE EXPANSÃO URBANA E ADENSAMENTO POPULACIONAL DAS CIDADES PARAENSES Renata Maciel Ribeiro Contextualização do Problema O estado do Pará é um dos estados mais populosos da região norte e o segundo

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA Alterações nas condições ambientais Substrato aberto Organismos se estabelecem Novos organismos se estabelecem Estabilização da comunidade e das condições

Leia mais

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela (aplicação do artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014) 1- Introdução O artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014 define as regras

Leia mais

Renascimento de florestas

Renascimento de florestas Renascimento de florestas regeneração na era do desmatamento Robin L. Chazdon SUMÁRIO 1. Percepções sobre florestas tropicais e regeneração natural... 15 1.1 Visão cíclica das florestas... 15 1.2 A resiliência

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 7 Biologia Unidade 16. Exercício 1 Cecierj Exercício 2 Cecierj

Atividade extra. Fascículo 7 Biologia Unidade 16. Exercício 1 Cecierj Exercício 2 Cecierj Atividade extra Fascículo 7 Biologia Unidade 16 Exercício 1 Cecierj - 2013 É um sistema natural onde interagem entre si os seres vivos (fatores chamados de bióticos) e o ambiente (fatores abióticos, como

Leia mais

PROVA ESCRITA DE POLÍTICA INTERNACIONAL E GEOGRAFIA

PROVA ESCRITA DE POLÍTICA INTERNACIONAL E GEOGRAFIA PROVA ESCRITA DE POLÍTICA INTERNACIONAL E GEOGRAFIA Nesta prova, faça o que se pede, utilizando, caso deseje, os espaços indicados para rascunho no presente caderno. Em seguida, escreva os textos definitivos

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I 1-Em um mapa cuja escala é 1:2.500.000, duas cidades estão separadas, em linha reta, por 5 centímetros. A distância real (no terreno) entre essas duas cidades é a) 50

Leia mais

Figura 1 - Distribuição espacial dos quatro módulos fiscais por município.

Figura 1 - Distribuição espacial dos quatro módulos fiscais por município. Anexo metodológico A base de dados utilizada para o cálculo da área de reserva legal foi o Sistema Nacional de Cadastro Rural - SNCR. Essa base, gerenciada pelo INCRA, é a mais adequada para calcular a

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2016-17 / Nº aulas Conteúdos Metas Aulas previstas A importância

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 25, DE 2015 Dispõe sobre a conservação e a utilização sustentável da vegetação nativa do Bioma Cerrado. Autor:

Leia mais

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Supressão de vegetação para edificação em área urbana no Estado de São Paulo aplicação a loteamentos Biomas Cerrado e Mata Atlântica - Quadro comparativo Marcelo Augusto de Barros 1 marcelo@fortes.adv.br

Leia mais

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006.

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. APTIDÃO AGRÍCOLA COMO SUBSÍDIO AO USO AGROECOLÓGICO DAS TERRAS Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. RESUMO: O principal objetivo deste

Leia mais

I Congreso Internacional de Biodiversidad del Escudo Guayanés Santa Elena de Uairén Venezuela de Marzo / 2006

I Congreso Internacional de Biodiversidad del Escudo Guayanés Santa Elena de Uairén Venezuela de Marzo / 2006 Biodiversidad (e ecosistemas) de las sabanas de rio Branco, Roraima, Brasil Dr. Reinaldo Imbrozio Barbosa INPA-Roraima I Congreso Internacional de Biodiversidad del Escudo Guayanés Santa Elena de Uairén

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2015-16 Período Conteúdos INTRODUÇÃO Onde existe vida? Primeira

Leia mais

Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos d água

Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos d água 1/53 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos d água Técnicas de mapeamento: exercícios práticos Eng. Allan Saddi Arnesen Mestre em Sensoriamento Remoto - INPE 2/53 Conteúdo programático: Capitulo

Leia mais

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas.

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. CARTOGRAFIA (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. ELEMENTOS DE UM MAPA. Escala: é a proporção entre o tamanho

Leia mais

Análise de métricas da paisagem utilizando o Fragstats 3.3

Análise de métricas da paisagem utilizando o Fragstats 3.3 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE DISCIPLINA PADRÕES E PROCESSOS DE USO E COBERTURA DA TERRA Análise de métricas da paisagem utilizando

Leia mais