REGULAMENTO ESPECÍFICO TIRO DE PISTOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO ESPECÍFICO TIRO DE PISTOLA"

Transcrição

1 REGULAMENTO ESPECÍFICO TIRO DE PISTOLA I - DA FINALIDADE E DA PARTICIPAÇÃO Art. 1º - As regras aplicadas nodo I Jogos Nacionais de Integração dos PRF/2015, para as competição do Tiro Pistola será realizada de acordo com as Regras da Confederação Brasileira de Tiro prático (CBTP), bem com algumas alterações conforme abaixo descrito: II - DA INSCRIÇÃO Art. 2º - A modalidade Tiro pistola, deverão ser inscritos, no máximo, 5 (cinco) atiradores por delegação, devendo ser indicado o responsável pela equipe de cada Estado; III DA FORMA DE DISPUTA Art. 3º - As competições serão realizadas em pista de NRA rápido. Art. 4º - ARMA- PISTOLA PT100 ou PT 840 (.40 S&W, brasonada da PRF). O armamento deve ser do tipo standard sujeito a inspeção pelos árbitros das provas. Art. 5º - COLDRE: - É obrigatório o uso de cinto, porta carregadores e coldre, e que cubra o gatilho da arma. Podendo o coldre ser de perna ou estar à altura dos quadris. Art. 6º - ALVO: - O A-1 da CBTP, com X (também utilizado no Saque Rápido), conforme Anexo I. Art. 7º - DISTÂNCIA ÚNICA DE TIRO: - 25 (vinte e cinco) metros. Art. 8º - POSIÇÕES DE TIRO: - Em Pé; De Joelhos (torre); Sentado (nádegas no solo); Deitado (abdome no solo). Sendo essa seqüência

2 obrigatória na execução da prova. No tiro Deitado a arma não pode tocar o solo, só as mãos. Art. 9º - EMPUNHADURA: - Livre. Art. 10º - SERÁ DISPUTADO EM 1 (uma) SÉRIE: Parágrafo Único. Série de 24 tiros; 6 por posição, conforme Art. 8º; em 80 (oitenta) segundos. 01 (um) carregador em cada posição, sendo cada carregador (serão usados 4 carregadores) deverá estar com no máximo 6 (seis) cartuchos, mesmo que possuam capacidade para mais. IV REALIZAÇÃODA PROVA: Art. 11º - Todos os procedimentos na linha de tiro, antes, durante e após a realização das séries serão executados através de comandos emitidos pelo árbitro. Art. 12º - O atirador posicionado a 25 metros do alvo (identificados) aguarda o comando para poder Municiar, Alimentar e Carregar sua arma. Art. 13º - PARTIDA: - Arma carregada no coldre (Pistolas travadas); todo o material a ser utilizado na prova deverá estar junto ao corpo do atirador; carregadores das Pistolas com no máximo 6 (seis) cartuchos; braços soltos ao longo do corpo. Art. 14º - A prova terá início com um silvo de apito breve que marca o início do tempo, o atirador saca sua arma, e efetua 6 (seis) disparos por posição, efetuando a troca de carregadores na mudança de posição (Art. 8º). Será permitida qualquer empunhadura ao competidor, desde que não comprometa a segurança de nenhum dos participantes. Art. 15º - Ao final do tempo (80 segundos) o árbitro emitirá novo som de apito (silvo longo) sendo então proibido qualquer disparo. O atirador que efetuá-lo após o apito será penalizado por cada tiro executado. Terminada a série, descarrega a arma, colocando-a no coldre. Art. 16º - Mediante ordem, acompanha a pontuação, devendo reclamar, de imediato, possíveis enganos, por parte do árbitro da prova. Todos os impactos corretos dentro da zona de pontuação do alvo serão válidos.

3 V -DEFEITO DE ARMA OU MUNIÇÃO Art. 17º - Correrão por conta e risco do atirador. Deverá tentar solucionar o problema (sem auxílio de terceiros) dentro do tempo previsto para a realização da prova. VI DAS PENALIDADES Art. 18º - Será desclassificado o atirador que atentar contra as normas de segurança. Art. 19º - Cada disparo além do tempo: - Uma penalidade. Impactos a mais: - Serão descontados os de maior (es) pontuação(ões). VII -PONTUAÇÃO Art. 20º - Será o total da soma dos pontos obtidos, conforme abaixo: a. O máximo de pontos possíveis são 240 (duzentos e quarenta) pontos, sendo divididos conforme alvo padrão NRA; b. Pontuação no alvo NRA: X (centro-centro), 9, 8, 7 e 6 sendo o X equivalente ao 10; Art. 21º - Em caso de empate será considerada a maior quantidade de disparos em cada uma das pontuações decrescentemente para o desempate, iniciando-se da maior pontuação X. Art. 22º- Nos alvos em que forem constatados tiros a mais, procedese da seguinte maneira: a. Se forem do próprio atirador, contam-se os piores tiros.

4 b. Se, pelo seu formato ou calibre, os tiros forem identificados, computa-se os impactos do alvo para o atirador daquele Posto. O restante será considerado zero. c. Não havendo possibilidade de identificar os tiros, e ficar comprovado que foi atirador de outro Posto que os efetuou, o alvo será obreado ou substituído, e o atirador do alvo com tiros a mais, repetirá a série. d. Em ambos os casos, o atirador autor dos disparos no alvo errado, só terá computado os impactos existentes no seu alvo. Se houve má fé, será eliminado da competição. VI - DA ARBITRAGEM Art. 23º - Os árbitros serão designados pela Comissão Organizadora, não podendo, em hipótese alguma, haver recusa ou rejeição por parte dos atletas/equipes participantes. VII DA PREMIAÇÃO Art. 24º - Para o cômputo da premiação por equipe, será considerado o total de pontos dos atiradores, independente da quantidade, respeitando o número máximo de cinco, atribuindo 0 (zero) pontos para a ausência de cada atleta. Para a premiação individual, serão considerados os 03(três) atiradores mais bem pontuados dentre todos os competidores, independentemente de sua delegação. Art. 25º - Premiação Geral da modalidade Tiro Para o cômputo da modalidade TIRO será considerado por delegação, a pontuação dos 5 (cinco) atiradores. VIII - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

5 Art. 26º - Os materiais (armamento, munição, equipamentos de proteção individual e outros) serão providenciados pelos competidores. Art. 27º - O recurso será recebido na forma do Regulamento Geral com fundamentação legal específica. Art. 28º - Armamento e equipamentos, nas condições estabelecidas neste regulamento, serão por conta e risco do competidor, eximindo-se a Coordenação da Prova e seus organizadores de quaisquer problemas, sejam de suprimento e/ou manutenção. Art Os casos omissos deste regulamento serão resolvidos pela Comissão Organizadora do I Jogos Nacionais de Integração dos PRF/2015.

6 ANEXO I ALVO A 1 C.B.T.P.

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL SOCIETY

REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL SOCIETY REGULAMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL SOCIETY REGU I DA FINALIDADE E DA PARTICIPAÇÃO Art. 1º. As regras aplicadas nos I Jogos Nacionais de Integração da PRF 2015 - para a competição de Futebol Society Livre serão

Leia mais

Regras. Tiro Rápido de Precisão (TRP)

Regras. Tiro Rápido de Precisão (TRP) Regras Tiro Rápido de Precisão (TRP) Atualização de Abril de 2015 Regulamento de Tiro Rápido de Precisão Atualização de Abril de 2015 1 - DA ARMA a. O comprimento do cano não deverá exceder a 6" (seis

Leia mais

FEDERAÇÃO MINEIRA DE TIRO PRÁTICO

FEDERAÇÃO MINEIRA DE TIRO PRÁTICO REGULAMENTO DA FEDERAÇÃO MINEIRA DE TIRO PRÁTICO (FMTP) PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS ON LINE IMPORTANTE LER AS REGRAS BEM COMO TIRAR AS DÚVIDAS ANTES DA REALIZAÇÃO DAS PROVA. OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: O pagamento

Leia mais

VII JOGOS DOS APOSENTADOS FENACEF 2016

VII JOGOS DOS APOSENTADOS FENACEF 2016 REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL SOÇAITE Art. 1º. O campeonato de futebol soçaite será realizado com as regras estabelecidas pelo Regulamento Geral do VII JOGOS FENACEF, pelo que dispuser o presente regulamento

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO TORNEIO INTEGRAÇÃO DOS CURSOS DA FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO TORNEIO INTEGRAÇÃO DOS CURSOS DA FASETE TORNEIO INTEGRAÇÃO DOS CURSOS DA FASETE Paulo Afonso 2015 Docentes do curso de Educação Física TORNEIO INTEGRAÇÃO DOS CURSOS DA FASETE Paulo Afonso 2015 Torneio Integração dos Cursos da FASETE Regulamento

Leia mais

a) VITÓRIA PONTOS b) EMPATE COM GOL PONTOS c) EMPATE SEM GOL PONTO d) DERROTA PONTO

a) VITÓRIA PONTOS b) EMPATE COM GOL PONTOS c) EMPATE SEM GOL PONTO d) DERROTA PONTO REGULAMENTO GERAL DO 1º CAMPEONATO DE FUTEBOL SOCIETY DA ASSTBM l DA FINALIDADE: Art. 1º O Torneio de Futebol Society, tem por finalidade: A congregação de associados e público em geral, através do esporte.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FUTEBOL SETE PRIMEIRA DIVISÃO

PROGRAMAÇÃO FUTEBOL SETE PRIMEIRA DIVISÃO PROGRAMAÇÃO FUTEBOL SETE PRIMEIRA DIVISÃO FUTEBOL SETE PRIMEIRA DIVISÃO: CHAVE A MORPHOS COREMA CAMPEÃO SEGUNDA VICE SEGUNDA CHAVE B 1. È OBRIGATÓRIO O USO DE CANELEIRAS. 2. Os jogos terão a duração de

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS DE PISTOLA SPORT.45 ACP 10 DE NOVEMBRO DE 2010 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS DE PISTOLA SPORT.45 ACP Artigo 1º Âmbito do Regulamento

Leia mais

Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013. Duelo 20 segundos

Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013. Duelo 20 segundos Regulamento de Prova de Tiro Numero 1/2013 Duelo 20 segundos FINALIDADE Regulamentar a Prova de Tiro Duelo 20 segundos no âmbito do Estande de Tiro do 2º Batalhão de Policia do Exercito. MODALIDADE Tiro

Leia mais

II TORNEIO DE FUTEBOL DA OAB SUB. PARNAÍBA-PI

II TORNEIO DE FUTEBOL DA OAB SUB. PARNAÍBA-PI II TORNEIO DE FUTEBOL DA OAB SUB. PARNAÍBA-PI REGULAMENTO GERAL I. OBJETIVO Art. 1º - O 2º Torneio de Futebol Society da OAB Subseção de Parnaíba-PI, tem por finalidade a integração entre a comunidade

Leia mais

VII JOGOS DOS APOSENTADOS FENACEF 2016

VII JOGOS DOS APOSENTADOS FENACEF 2016 REGULAMENTO TÉCNICO DOMINÓ Art. 1º. O torneio de Dominó do VII JOGOS FENACEF, será realizado de acordo com as regras estabelecidas pela FENACEF no Regulamento Geral do VII JOGOS FENACEF, combinado com

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL DA PROMOÇÃO E ORGANIZAÇÃO: A promoção e a organização são do Centro Universitário UNIVATES/Complexo Esportivo

Leia mais

Futebol Sete Masculino Livre

Futebol Sete Masculino Livre Futebol Sete Masculino Livre FASE LOCAL CANOINHAS 2016 FUTEBOL SETE MASCULINO LIVRE CHAVE A CHAVE B 1 CIA B 6 FRICASA A 2 BONETES 7 INVIOLÁVEL 3 MILI 8 GRUPO GSA B 4 PROENGEL 9 GRUPO GSA A 5 CIA A 10 FRICASA

Leia mais

Regulamento Específico. Voleibol

Regulamento Específico. Voleibol Regulamento Específico Voleibol 2015 Art. 1º - A competição de voleibol dos Jogos Escolares de Minas Gerais JEMG/2015 obedecerá às regras oficiais da Confederação Brasileira de Voleibol - CBV, observandose

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO TORNEIO DE FUTEBOL 7 - MONTEIRO LOBATO 2016 NOME DA EQUIPE: REPRESENTANTE: CELULAR: 1. RG/MATRÍCULA 2.

FICHA DE INSCRIÇÃO TORNEIO DE FUTEBOL 7 - MONTEIRO LOBATO 2016 NOME DA EQUIPE: REPRESENTANTE: CELULAR:   1. RG/MATRÍCULA 2. FICHA DE INSCRIÇÃO TORNEIO DE FUTEBOL 7 - MONTEIRO LOBATO 2016 NOME DA EQUIPE: REPRESENTANTE: CELULAR: EMAIL: 1. RG/MATRÍCULA 2. RG/MATRÍCULA: 3. RG/MATRÍCULA: 4. RG/MATRÍCULA 5. RG/MATRÍCULA 6. RG/MATRÍCULA

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 TRUCO CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 TRUCO CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 TRUCO CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O torneio de truco denominado Circuito Verão 2015 será promovido em conformidade com o presente regulamento.

Leia mais

FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL

FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL - 2015 REGULAMENTO DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO ARTIGO 1º - FESTIVAL MIRIM DE VOLEIBOL é o nome fantasia oficial da XX COPA SESI MIRIM DE VOLEIBOL, competição máxima do calendário

Leia mais

TORNEIO DE ESPORTE INCLUSIVO APABB 2009

TORNEIO DE ESPORTE INCLUSIVO APABB 2009 1 I DO OBJETIVO TORNEIO DE ESPORTE INCLUSIVO APABB 2009 O 1º Torneio de Esporte Inclusivo APABB - 2009 têm como finalidade promover inclusão, congraçamento e integração das pessoas com deficiência e entidades

Leia mais

Jogos Champagnat 2013

Jogos Champagnat 2013 Jogos Champagnat 2013 Capítulo I Geral Art. 1º - Este Regulamento é o conjunto das disposições que regem os Jogos Champagnat 2013. Art. 2º - Os Jogos Champagnat são organizados pelo Colégio Marista Santa

Leia mais

Centro Universitário UNIVATES Complexo Esportivo IX JOGUEM 2015 HANDEBOL MASCULINO E FEMININO

Centro Universitário UNIVATES Complexo Esportivo IX JOGUEM 2015 HANDEBOL MASCULINO E FEMININO Centro Universitário UNIVATES Complexo Esportivo IX JOGUEM 2015 HANDEBOL MASCULINO E FEMININO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO E ORGANIZAÇÃO: A promoção e organização é da UNIVATES DAS FINALIDADES: A promoção tem

Leia mais

Regulamento Específico. Tênis de Mesa

Regulamento Específico. Tênis de Mesa Regulamento Específico Tênis de Mesa 2015 Art. 1º - A competição do Tênis de Mesa dos Escolares de Minas Gerais JEMG/2015 obedecerá às regras oficiais da Federação Internacional de Tênis de Mesa - ITTF

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO 3 JOGOS DO IFRS

REGULAMENTO ESPECÍFICO 3 JOGOS DO IFRS REGULAMENTO ESPECÍFICO 3 JOGOS DO IFRS REGULAMENTO ESPECÍFICO 3 JOGOS DO IFRS DO FUTSAL Art.1 - Os jogos de futsal nos 3º JOGOS DO IFRS serão realizados de acordo com as Regras Oficiais da CBFS, pelo regulamento

Leia mais

Federação Mineira de Handebol Filiada a CBHb Confederação Brasileira de Handebol Fundada em 20 de julho de 1971

Federação Mineira de Handebol Filiada a CBHb Confederação Brasileira de Handebol Fundada em 20 de julho de 1971 REGULAMENTO CAMPEONATO MINEIRO INFANTIL DE CLUBES 2013 1. A Competição será realizada de acordo com o Regulamento Geral de Competições da FMH, pelas regras oficiais da IHF e por este Regulamento Especifico.

Leia mais

1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO REGULAMENTO GERAL

1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO REGULAMENTO GERAL 1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO - 2010 - REGULAMENTO GERAL DAS FINALIDADES 1 O Campeonato Interno da Unioeste / Campus de Toledo tem por finalidade a integração e

Leia mais

Regulamento Geral. - 1º Torneio de Basquetebol Interclasses ITE Bauru

Regulamento Geral. - 1º Torneio de Basquetebol Interclasses ITE Bauru 1. DA ORGANIZAÇÃO E DIREÇÃO Art. 1. O campeonato interclasses de basquete obedecerá às disposições deste regulamento, da Declaração do Termo de Responsabilidade constante na Ficha de Inscrição e das demais

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA 2016 Futebol de 7 PC

CAMPEONATO PAULISTA 2016 Futebol de 7 PC CAMPEONATO PAULISTA 2016 Futebol de 7 PC REGULAMENTO GERAL I Objetivo Art.1º O Campeonato Paulista 2016 tem como objetivo fomentar o desporto em São Paulo e desenvolver o intercâmbio desportivo e social,

Leia mais

Open de Peteca do PTC

Open de Peteca do PTC Título I - Das disposições gerais Artigo 1 - O Presente regulamento contém as disposições que regerão o Open de Peteca do PTC, sediado pelo Patos Tênis Clube, nos dias 20 e 21 de agosto de 2016. Artigo

Leia mais

Regulamento de saque-rápido Atualização de julho de 2007

Regulamento de saque-rápido Atualização de julho de 2007 Regulamento de saque-rápido Atualização de julho de 2007 Capitulo 1. Organização. A parte executiva da organização da prova é composta de Diretor de Prova (Match Director); Chefe dos Árbitros (Chief Range

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PRIMEIRA LIGA MACAÍBA

REGULAMENTO GERAL DA PRIMEIRA LIGA MACAÍBA REGULAMENTO GERAL DA PRIMEIRA LIGA MACAÍBA Art. 1º - A liga tem por finalidade: A confraternização entre os times, o fortalecimento dos laços de amizade e a camaradagem sadiamente disputada. I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO DOS TORNEIOS ESCOLARES DE CORFEBOL ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. ESCALÕES ETÁRIOS, BOLA, DURAÇÃO DO JOGO E VARIANTES DA MODALIDADE 2. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA 3. ARBITRAGEM 4. CLASSIFICAÇÃO,

Leia mais

Regulamento Técnico Jogos Estudantis para Todos 2012 Secretaria Municipal de Educação e Desporto Novo Hamburgo

Regulamento Técnico Jogos Estudantis para Todos 2012 Secretaria Municipal de Educação e Desporto Novo Hamburgo Regulamento Técnico Jogos Estudantis para Todos 2012 Secretaria Municipal de Educação e Desporto Novo Hamburgo CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º - Este regulamento é o conjunto das disposições

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. 3 - É permitida a reunião de associações da mesma região para participação dos Jogos.

REGULAMENTO GERAL. 3 - É permitida a reunião de associações da mesma região para participação dos Jogos. 1 DA FINALIDADE V JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA DE 26 A 30 DE MAIO DE 2010 Foz do Iguaçu PR REGULAMENTO GERAL Art. 1º - Os JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA, competição oficial da ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS

Leia mais

Campeonato. Portugal. Pistola Sport 9mm

Campeonato. Portugal. Pistola Sport 9mm Campeonato de Portugal de Pistola Sport 9mm Em vigor desde 01 de Janeiro de 2005 INTRODUÇÃO O Campeonato de Portugal com Armas de Ordenança perdeu as suas características próprias, as de um campeonato

Leia mais

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes).

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes). REGULAMENTO 1. O ATL MINI TOUR 2014 (MT) é um circuito de provas para os escalões de Sub8 e Sub10, promovido pela Associação de Ténis de Lisboa (ATL), havendo uma calendarização das provas através de um

Leia mais

Interséries FEMA 2016

Interséries FEMA 2016 Interséries FEMA 2016 CAPITULO I - DA ORGANIZAÇÃO Art. 01 - Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as disputas das interséries 2016, nas modalidades de voleibol e caçador misto, basquete,

Leia mais

Regulamento Específico OlimpiArqui 2016

Regulamento Específico OlimpiArqui 2016 Regulamento Específico OlimpiArqui 2016 TÍTULO I CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º. A competição tem por finalidade fazer o congraçamento de todos os alunos e colaboradores do Colégio Arquidiocesano.

Leia mais

Jogos de Integração Universitária JIU

Jogos de Integração Universitária JIU Jogos de Integração Universitária JIU (Modalidades de Quadras e Corrida) REGULAMENTO GERAL A Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis PROAE -, através da Coordenadoria de Formação e Integração

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO VOLEI DE PRAIA

REGULAMENTO TÉCNICO VOLEI DE PRAIA VOLEI DE PRAIA Art. 1º - O Campeonato de Voleibol de praia, naipes masculino e feminino, será regido pelas regras oficiais da Federação Internacional de Voleibol (FIVB), por este Regulamento e conforme

Leia mais

FUTSAL Art. 1º - As partidas obedecerão as regras oficiais da C.B.F.S.. Art. 2º - O tempo de cada partida será de 08 (oito) minutos. Inciso I - quando

FUTSAL Art. 1º - As partidas obedecerão as regras oficiais da C.B.F.S.. Art. 2º - O tempo de cada partida será de 08 (oito) minutos. Inciso I - quando VOLEIBOL Art. 1º - As partidas obedecerão às regras oficiais da FIVB, com as seguintes alterações: Inciso I - Os jogos serão realizados em 01 (um) set de 16 (dezesseis) pontos. Inciso II - Em caso de empate

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TÊNIS DE MESA DOS SURDOS JOINVILLE/SC REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa dos Surdos - 2015. Art.

Leia mais

COPA UNIMED ESCOLAR 2016 MODALIDADES PARALÍMPICAS

COPA UNIMED ESCOLAR 2016 MODALIDADES PARALÍMPICAS COPA UNIMED ESCOLAR 2016 MODALIDADES PARALÍMPICAS 01 - REGULAMENTO GERAL Ø Das Disposições Preliminares Ø Dos Objetivos Ø Da Organização Desportiva Ø Da Comissão de Disciplina Desportiva Ø Das Participações

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL SOÇAITE

REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL SOÇAITE REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL SOÇAITE Art. 1º. O Critério de disputa está previsto no REGULAMENTO GERAL. Art.2º. Será realizado nos dias 21 a 23/04/2005, nas dependências do campus da Unemat. Art. 3º. É

Leia mais

I Revezamento Gigante de Natação 18 de setembro de 2010 Colégio Elias Moreira Joinville-SC

I Revezamento Gigante de Natação 18 de setembro de 2010 Colégio Elias Moreira Joinville-SC I Revezamento Gigante de Natação 18 de setembro de 2010 Colégio Elias Moreira Joinville-SC REGULAMENTO Art. 01 - O Colégio Cenecista José Elias Moreira, realizará o I Revezamento Gigante de Natação, no

Leia mais

REGULAMENTO MIRIM 2016

REGULAMENTO MIRIM 2016 REGULAMENTO MIRIM 2016 1. OBJETIVOS Art. 1º - O Campeonato Mirim de Handebol tem por objetivo a) estimular a prática do handebol na faixa etária selecionada; b) promover o intercâmbio esportivo; e c) aprofundar

Leia mais

COPA DO MUNDO EM UM DIA EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA URI - F. W. FUTEBOL SETE ESCOLAR ENSINO MÉDIO REGULAMENTO GERAL

COPA DO MUNDO EM UM DIA EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA URI - F. W. FUTEBOL SETE ESCOLAR ENSINO MÉDIO REGULAMENTO GERAL COPA DO MUNDO EM UM DIA EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA URI - F. W. FUTEBOL SETE ESCOLAR ENSINO MÉDIO REGULAMENTO GERAL DA ORGANIZAÇÃO: A Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões em apoio

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015

REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 1- CATEGORIAS: Definidas pelo regulamento geral do Evento. 2- EXERCÍCIOS: a) Categoria

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo Artigo 1.º Participação Artigo 2.º Escalões Etários Artigo 3.º Constituição das Equipas

Leia mais

REGULAMENTO COPA PHD GUINDASTES JUVENTUDE

REGULAMENTO COPA PHD GUINDASTES JUVENTUDE REGULAMENTO COPA PHD GUINDASTES JUVENTUDE O presente documento delimita as normas do regulamento a serem aplicadas ao torneio de futebol denominado COPA PHD GUINDASTES JUVENTUDE no ano de 2014. DA ORGANIZAÇÃO,

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO ADULTO NAIPE FEMININO

REGULAMENTO ESPECIFICO ADULTO NAIPE FEMININO REGULAMENTO ESPECIFICO ADULTO NAIPE FEMININO Art. 1º - DA ORGANIZAÇÃO E DIREÇÃO DO CAMPEONATO a) A competição de que trata este Regulamento será organizada e dirigida pela FESFS, através da Direção Técnica,

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL

REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL 2013 2017 Índice 1. Introdução 2 2. Escalões etários 2 3. Constituição das Equipas 3 3.1. Infantis (andebol de 5) 3 3.2. Iniciados, Juvenis e Juniores (andebol de 7) 3 4.

Leia mais

REGULAMENTO CAMPEONATO SERGIPANO ABSOLUTO DE XADREZ 2016

REGULAMENTO CAMPEONATO SERGIPANO ABSOLUTO DE XADREZ 2016 FEDERAÇÃO SERGIPANA DE XADREZ Filiada à Confederação Brasileira de Xadrez REGULAMENTO CAMPEONATO SERGIPANO ABSOLUTO DE XADREZ 2016 REALIZAÇÃO: FEDERAÇÃO SERGIPANA DE XADREZ (FSX) Diretora do Torneio: Sílvia

Leia mais

REGULAMENTO DE TIRO PROVA DE PISTOLA DE COMBATE

REGULAMENTO DE TIRO PROVA DE PISTOLA DE COMBATE REGULAMENTO DE TIRO PROVA DE PISTOLA DE COMBATE EsEFEx Atualizado em 2015 1 PROVA DE PISTOLA DE COMBATE Art 1º - A prova de Pistola de Combate será realizada com armamento e munição de dotação do Exército

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL DE CAMPO

REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL DE CAMPO FUTEBOL DE CAMPO Art. 1º - O Campeonato de Futebol será regido pelas regras oficiais estabelecidas pela FIFA, em vigor, por este Regulamento e conforme o disposto no Regulamento Geral. Art. 2º - Modalidade

Leia mais

CLUBE COMERCIAL DE LORENA

CLUBE COMERCIAL DE LORENA TORNEIO INTERNO DE FUTSAL 2014 I - Dos Objetivos: REGULAMENTO Art. 1 - O evento tem por finalidade promover o intercambio social e esportivo entre os associados do Clube Comercial de Lorena e desenvolver

Leia mais

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo I

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo I Regulamento Específico Ginástica Rítmica Módulo I 1 Art. 1º - A competição de ginástica rítmica será regida de acordo com as regras oficiais da Federação Internacional de Ginástica (FIG), reconhecidas

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO SESC DE CÂMBIO

REGULAMENTO CIRCUITO SESC DE CÂMBIO REGULAMENTO CIRCUITO SESC DE CÂMBIO 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO...3 CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS...3 CAPÍTULO III DA COORDENAÇÃO...3 CAPÍTULO IV DA FASE DE DISPUTA...4 CAPÍTULO V DAS INSCRIÇÕES E DOCUMENTOS...4

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - FUTSAL JOGOS INTERCAMPI DOS SERVIDORES

REGULAMENTO ESPECÍFICO - FUTSAL JOGOS INTERCAMPI DOS SERVIDORES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR REGULAMENTO ESPECÍFICO

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA NATAÇÃO 2016

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA NATAÇÃO 2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA NATAÇÃO 2016 Art. 1º. A Competição de Natação será realizada de acordo com as regras oficiais da Federação Internacional de Natação (FINA), da Confederação Brasileira de Desportos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO 1 CAMPEONATO DE FUTEBOL SOCIETY SEMAS/PARÁ

REGULAMENTO GERAL DO 1 CAMPEONATO DE FUTEBOL SOCIETY SEMAS/PARÁ REGULAMENTO GERAL DO 1 CAMPEONATO DE FUTEBOL SOCIETY SEMAS/PARÁ Art. 1º O Campeonato de Futebol Society da SEMAS tem por finalidade: A congregação dos servidores, o fortalecimento dos laços de amizade

Leia mais

Parágrafo único Os jogos serão divididos em 4 tempos de 7 minutos, tanto na seletiva quanto na etapa final.

Parágrafo único Os jogos serão divididos em 4 tempos de 7 minutos, tanto na seletiva quanto na etapa final. BASQUETE Artigo 1º - A competição de basquete dos 15 os Jogos de Integração da APCEF/SP será realizada de acordo com as regras internacionais seguidas pela CBB - Confederação Brasileira de Basquete - e

Leia mais

8ª LIGA INTERNA DE FUTEBOL SOCIETY 2016

8ª LIGA INTERNA DE FUTEBOL SOCIETY 2016 8ª LIGA INTERNA DE FUTEBOL SOCIETY 2016 REGULAMENTO GERAL I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 01 - Este regulamento é o conjunto das disposições preliminares que regem a 8ª LIGA INTERNA DE FUTEBOL SOCIETY

Leia mais

Associação de Futebol do Porto

Associação de Futebol do Porto RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, 96/100 4100.068 PORTO COMUNICADO OFICIAL Circular n.º 112 = 2015/2016= Para o conhecimento e orientação dos Clubes Filiados, SAD s, SDUQ s, Árbitros, Órgãos de Comunicação Social

Leia mais

CAMPEONATO DO NORDESTE 2016 CATEGORIA SUPER MASTER REGULAMENTO GERAL

CAMPEONATO DO NORDESTE 2016 CATEGORIA SUPER MASTER REGULAMENTO GERAL CAMPEONATO DO NORDESTE 2016 CATEGORIA SUPER MASTER REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Finalidade Art. 1º O Campeonato de Futebol das Caixas de Assistência dos Advogados da Região Nordeste, categoria Super Master

Leia mais

REGULAMENTO GERAL I- ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO GERAL I- ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO GERAL I- ORGANIZAÇÃO Artigo 1 - Os jogos do CAMPEONATO ABERTO serão promovidos, dirigidos e organizados pelo Departamento de Esportes, do Centro Esportivo Multi Esporte. A inscrição do campeonato

Leia mais

Regulamento Específico de Andebol

Regulamento Específico de Andebol Regulamento Específico de Andebol Regulamento Andebol 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESCALÕES ETÁRIOS / BOLA DE JOGO... 4 3. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA... 4 4. MESA DE JOGO... 4 5. ARBITRAGEM... 5 6. DURAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1º A competição será para alunos devidamente matriculados na Instituição de Ensino - Univale. ART. 2º As pessoas físicas que participarem do evento consideradas

Leia mais

Esporte. Melhora o resultado de pessoas e empresas.

Esporte. Melhora o resultado de pessoas e empresas. Esporte. Melhora o resultado de pessoas e empresas. Comprometimento Orgulho de representar a empresa Motivação Espírito de equipe Respeito Comprometimento: Renovando seu compromisso para grandes valores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ITAJAIENSE DE TENIS DE MESA CNPJ: / END: RUA: Aristides Francisco Palumbo nº. 387, Bairro: Dom Bosco.

ASSOCIAÇÃO ITAJAIENSE DE TENIS DE MESA CNPJ: / END: RUA: Aristides Francisco Palumbo nº. 387, Bairro: Dom Bosco. REGULAMENTO VI LIGA ESCOLAR DE TÊNIS DE MESA DA CIDADE DE ITAJAÍ. Art. 1 º - A competição será realizada de acordo com as Regras da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF), Confederação Brasileira

Leia mais

REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012

REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012 REGULAMENTO INTERCLUBES INFANTO JUVENIL 2012 1. DO CAMPEONATO Poderá participar do Interclubes Infanto Juvenil toda agremiação que estiver devidamente cadastrada na FPT e com suas obrigações financeiras

Leia mais

XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016

XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016 XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016 REGULAMENTO DE ATLETISMO 1º - As provas de Atletismo serão realizadas no Estádio do Caldas de São Jorge Sport Clube, nos dias 9 e 10 de Julho

Leia mais

Campeonato Nacional Airsoft

Campeonato Nacional Airsoft Campeonato Nacional Airsoft COMPETIÇÃO ANA Coordenação Competição ANA: Hugo CostilhasD Sousa Coordenação Campeonato Nacional de Airsoft: Hugo CostilhasD Sousa 1 INDICE: Organização: I Condições impostas

Leia mais

Ficha de Inscrição I Torneio de Tênis de Mesa SINCOMERCIARIOS 2016

Ficha de Inscrição I Torneio de Tênis de Mesa SINCOMERCIARIOS 2016 Ficha de Inscrição I Torneio de Tênis de Mesa SINCOMERCIARIOS 2016 Nome da Atleta: CPF.: Local de Trabalho: Telefone para Contato: I TORNEIO DE TÊNIS DE MESA SINCOMERCIÁRIOS SOROCABA Capítulo I Disposições

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição Índice Preâmbulo Artigo 1.º Participação Artigo 2.º Escalões Etários Artigo 3.º Constituição das Equipas

Leia mais

JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006

JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006 CEP 33.400-000 ESTADO DE MINAS GERAIS JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006 REGULAMENTO GERAL I Das Finalidades II Da Cerimônia de Abertura III Das Categorias IV Das Inscrições V Das Modalidades VI Regulamento

Leia mais

CAMPEONATO DE TREBUCHET 2016/02

CAMPEONATO DE TREBUCHET 2016/02 REGULAMENTO CAMPEONATO DE TREBUCHET 2016/02 Apresentação O campeonato de Trebuchet dos Cursos de Engenharia da UNISOCIESC tem por objetivo aplicar conhecimentos adquiridos nas disciplinas de primeira a

Leia mais

Campeonato Arena Transamérica

Campeonato Arena Transamérica Campeonato Arena Transamérica REGULAMENTO 19 de Março a 18 de Junho de 2016 1 CAPITULO I Disposições Prliminares Art. 1º - O Campeonato Arena Transamérica promovido pelo programa de rádio Arena Transamérica,

Leia mais

JOGOS DO JOÃO ontem/hoje/sempre

JOGOS DO JOÃO ontem/hoje/sempre UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF Reitor Henrique Duque de Miranda Chaves Filho COLÉGIO DE APLICAÇÃO JOÃO XXIII UFJF Diretor Geral Diretora de Ensino Prof. José Luiz Lacerda Prof a. Andréa Vassallo

Leia mais

JOGOS DE INTEGRAÇÃO Campus Santo Ângelo

JOGOS DE INTEGRAÇÃO Campus Santo Ângelo JOGOS DE INTEGRAÇÃO 2015 Campus Santo Ângelo REGULAMENTO - JOGOS DE INTEGRAÇÃO 22 de Agosto de 2015 DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Art. 1º - Os JOGOS DE INTEGRAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA/ CÂMPUS

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. ESCALÕES ETÁRIOS, BOLA, DURAÇÃO DO JOGO E VARIANTES DA MODALIDADE 2. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA 3. ARBITRAGEM 4. QUADRO COMPETITIVO E CRITÉRIOS

Leia mais

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL REGULAMENTO DESPORTIVO CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA 2012 Art.º 1 OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras e normas aplicáveis ao Andebol de Praia

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO. Campeonato de Abertura CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO. Campeonato de Abertura CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO Campeonato de Abertura CORFEBOL CAMPEONATO DE ABERTURA ENQUADRAMENTO O Campeonato de Abertura surge como complemento às competições seniores da Federação Portuguesa de Corfebol:

Leia mais

REGULAMENTO DO 10º TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY Participarão do torneio os advogados, estagiários, serventuários da justiça e convidados;

REGULAMENTO DO 10º TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY Participarão do torneio os advogados, estagiários, serventuários da justiça e convidados; REGULAMENTO DO 10º TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY 1. DA FINALIDADE: A finalidade do torneio interno de futebol society da OAB/JUIZ DE FORA, tem por objetivo integrar de maneira efetiva e primordial o esporte

Leia mais

39º. Campeonato Intercubes 2014 FEXERJ - Classes A B - C REGULAMENTO GERAL:

39º. Campeonato Intercubes 2014 FEXERJ - Classes A B - C REGULAMENTO GERAL: 39º. Campeonato Intercubes 2014 FEXERJ - Classes A B - C Realização: Apoio: Direção da Prova: Arbitragem: FEXERJ Tijuca Tênis Clube MF Alberto Mascarenhas FA Marcelo Einhorn e Equipe REGULAMENTO GERAL:

Leia mais

II III JOGOS INTERCAMPI REGULAMENTO. III JOGOS INTERCAMPI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS O esporte tem a força de mudar o mundo - Nelson Mandela

II III JOGOS INTERCAMPI REGULAMENTO. III JOGOS INTERCAMPI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS O esporte tem a força de mudar o mundo - Nelson Mandela II III JOGOS INTERCAMPI REGULAMENTO III JOGOS INTERCAMPI DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS O esporte tem a força de mudar o mundo - Nelson Mandela ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS -

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO PRIMEIRA LIGA 2016 1 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º A Primeira Liga 2016 é uma competição organizada pela Primeira Liga, doravante denominada LIGA,

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 SINUCA CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 SINUCA CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO CIRCUITO VERÃO 2015 SINUCA CAPITULO I DAS CONDIÇÕES BÁSICAS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O torneio de sinuca denominado Circuito Verão 2015 será promovido em conformidade com o presente REGULAMENTO.

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS DE MODALIDADES HANDEBOL

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS DE MODALIDADES HANDEBOL REGULAMENTOS ESPECÍFICOS DE MODALIDADES HANDEBOL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º O HANDEBOL NO JEFS tem como objetivos disseminar a prática do Handebol escolar em toda rede de ensino; promovendo intercâmbio

Leia mais

TORNEIO DE FUTEBOL SINDEEPRES 2016 REGULAMENTO

TORNEIO DE FUTEBOL SINDEEPRES 2016 REGULAMENTO TORNEIO DE FUTEBOL SINDEEPRES 2016 REGULAMENTO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar os participantes do Torneio de Futebol Sindeepres 2016.

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO HANDEBOL

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO HANDEBOL PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO HANDEBOL PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO MATRIX LEAGUE 2017 SÉRIE C

REGULAMENTO MATRIX LEAGUE 2017 SÉRIE C REGULAMENTO MATRIX LEAGUE 2017 SÉRIE C Capítulo I Das Finalidades Art. 1º. A Matrix League 2017 Série C será realizada para membros participantes da comunidade São Paulo F.C. Tricolor, vulgo SPFC Matrix,

Leia mais

Campeonato Paulista Interclubes e 21 de fevereiro "Esporte Clube Pinheiros" 27 e 28 "A Hebraica" Regulamento Geral

Campeonato Paulista Interclubes e 21 de fevereiro Esporte Clube Pinheiros 27 e 28 A Hebraica Regulamento Geral Campeonato Paulista Interclubes - 2010 20 e 21 de fevereiro "Esporte Clube Pinheiros" 27 e 28 "A Hebraica" Regulamento Geral O Campeonato Paulista Interclubes destina-se a definir o campeão e vice-campeão

Leia mais

REGULAMENTO PARA O CIRCUITO PARAIBANO Regulamento Campeonato Paraibano Regras Paraibana e Brasileira.

REGULAMENTO PARA O CIRCUITO PARAIBANO Regulamento Campeonato Paraibano Regras Paraibana e Brasileira. REGULAMENTO PARA O CIRCUITO PARAIBANO 2013 Regulamento Campeonato Paraibano Regras Paraibana e Brasileira. Art. 1º- O Campeonato Paraibano 2013 de Futmesa é um evento promovido pela FPFM que irá definir

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO JOGOS ESCOLARES DE FLORIANÓPOLIS 2015 JESF 2015 SUPERINTENDÊNCIA TÉCNICA

REGULAMENTO TÉCNICO JOGOS ESCOLARES DE FLORIANÓPOLIS 2015 JESF 2015 SUPERINTENDÊNCIA TÉCNICA JESF JESF CAPÍTULO I SISTEMA DE DISPUTA E CLASSIFICAÇÃO Art. 1º. As competições de todas as modalidades do JESF serão disputadas de acordo com as regras oficiais de cada modalidade adotada pela Confederação

Leia mais

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG

CAMPEONATO BRASILEIRO HANDEBOL DOS SURDOS a 21 de Junho Uberlândia/MG REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem ao Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos - 2015. Art. 2º

Leia mais

LIGA DE FUTEBOL DE NOVA ESPERANÇA

LIGA DE FUTEBOL DE NOVA ESPERANÇA LIGA DE FUTEBOL DE NOVA ESPERANÇA V CAMPEONATO VETERANO REGIONAL DE FUTEBOL 2015 DEPARTAMENTO DE FUTEBOL AMADOR V CAMPEONATO VETERANO REGIONAL DE FUTEBOL - 2.015 NORMAS ESPECIAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS CAMPEONATO BRASILEIRO DE NATAÇÃO ABDEM REGULAMENTO GERAL I - Das disposições Preliminares Art.1º - O Campeonato Brasileiro de Natação será promovido pela Associação Brasileira de Desportos para Deficientes

Leia mais

CERAP - CIRCUITO ESTADUAL DE XADREZ RÁPIDO CEREL CIRCUITO ESTADUAL DE XADREZ RELÂMPAGO

CERAP - CIRCUITO ESTADUAL DE XADREZ RÁPIDO CEREL CIRCUITO ESTADUAL DE XADREZ RELÂMPAGO CERAP - CIRCUITO ESTADUAL DE XADREZ RÁPIDO CEREL CIRCUITO ESTADUAL DE XADREZ RELÂMPAGO Art. 1º. FINALIDADE a) Incentivar a participação dos enxadristas cadastrados na FESX em torneios abertos, além de

Leia mais

33º CAMPEONATO ADULTO DE FUTEBOL SUÍÇO CLUBE DUQUE DE CAXIAS REGULAMENTO

33º CAMPEONATO ADULTO DE FUTEBOL SUÍÇO CLUBE DUQUE DE CAXIAS REGULAMENTO I DAS FINALIDADES 33º CAMPEONATO ADULTO DE FUTEBOL SUÍÇO CLUBE DUQUE DE CAXIAS REGULAMENTO Artigo 1º - O Clube Duque de Caxias, através do seu Departamento de Esportes promoverá o 33º CAMPEONATO ADULTO

Leia mais

1. O jogador que receber um cartão amarelo ficará 02 (dois minutos) fora de campo durante o jogo vigente podendo retornar ao jogo após esse tempo.

1. O jogador que receber um cartão amarelo ficará 02 (dois minutos) fora de campo durante o jogo vigente podendo retornar ao jogo após esse tempo. 1. O jogador que receber um cartão amarelo ficará 02 (dois minutos) fora de campo durante o jogo vigente podendo retornar ao jogo após esse tempo. 2. O jogador que receber um cartão azul será excluído

Leia mais