Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Centro de Políticas Públicas do Insper

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Centro de Políticas Públicas do Insper"

Transcrição

1 Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua Centro de Políticas Públicas do Insper Dezembro de 2016

2 Apresentação Com o objetivo de ampliar o debate sobre a economia brasileira e o mercado de trabalho e difundir informações para subsidiar o mesmo, o Centro de Políticas Públicas do Insper divulga o Panorama do Mercado de Trabalho PNAD Contínua. Nessa apresentação, utilizamos informações sobre taxas de participação, desemprego e salários médios mostrar as tendências mais gerais do que vem ocorrendo no mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos.

3 Notas Metodológicas Os dados a seguir mostram o panorama do mercado de trabalho no Brasil. O período analisado foi de 2012 até 2016, utilizando os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, a qual é realizada trimestralmente pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE).

4 Notas Metodológicas Salários médios Os valores apresentados para os salários correspondem às médias dos salários do trabalho principal, para todas as pessoas ocupadas com salários positivos e 14 anos ou mais de idade. Fizemos cálculos, em primeiro lugar, para 4 faixas educacionais que correspondem aos seguintes graus: segundo ciclo do fundamental incompleto (0 a 7 anos de estudo), segundo ciclo do fundamental completo (8 a 10 anos de estudo), médio completo (11 a 14 anos de estudo), e superior completo (15 ou mais anos de estudo). Posteriormente, para verificarmos o comportamento do mercado de trabalho para diferentes grupos de idade, calculamos estatísticas para as seguintes faixas etárias: pessoas entre 14 e 24 anos (Jovens), entre 25 e 70 anos (Adultos) e maiores de 70 anos (Idosos). Por fim, dividimos a análise em 4 categorias por condição no domicílio: pessoa responsável pelo domicílio (chefe), cônjuge, filhos e outros (genro, sogro, irmão, etc). Para manter a comparabilidade ao longo do tempo, os valores foram deflacionados para 1º de Agosto de 2016, utilizando-se a série do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

5 Notas Metodológicas Taxas de desemprego e de participação As taxas de desemprego e de participação foram calculadas usando informações sobre População Economicamente Ativa (PEA), População em Idade Ativa (PIA) e População Desocupada (PD), considerando todos os indivíduos com 14 anos ou mais de idade. A taxa de participação foi calculada como a razão entre a PEA e o total de pessoas com 14 anos ou mais (PIA). A taxa de desemprego foi calculada como a razão entre a PD e a PEA. Também foram consideradas as faixas de educação, idade e condição domiciliar para esses indicadores. Nas análises por grupos de escolaridade, idade e condição no domicílio, também realizamos uma decomposição da taxa de desemprego, calculando as importância de cada grupo para a taxa agregada. O cálculo é realizado pelo produto entre a taxa de desemprego específica ao grupo e sua participação na PEA.

6 Desemprego e Participação

7 Taxa de Desemprego e Participação O gráfico 1 mostra as taxas de desemprego no período entre o primeiro trimestre de 2012 e o terceiro trimestre de A taxa geral, daqueles com 14 anos ou mais, apresentou crescimento no começo do primeiro trimestre de 2015, após período de relativa estabilidade. Em 2016, a taxa está acima do patamar do início de 2012 (de 7,9% para 11,8%). Esse aumento consistente vivenciado está provavelmente atrelado aos efeitos da crise econômica nacional. A taxa de participação daqueles com 14 anos ou mais, mostrada no gráfico 2, exibe oscilações relativamente pequenas em torno de 61,2%, com crescimento entre o primeiro trimestre de 2015 e o segundo trimestre de 2016 (de 61,0% para 61,6%). No terceiro trimestre de 2016, houve uma redução da taxa de participação para 61,2%.

8 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 1 TAXA DE DESEMPREGO 14% 12% 11,8% 10% 8% 7,9% 6% 4% 2% 0% Taxa de desemprego média

9 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 2 TAXA DE PARTICIPAÇÃO 61,8% 61,6% 61,4% 61,2% 61,0% 61,2% 61,2% 60,8% 60,6% 60,4% Taxa de participação média

10 Taxa de Desemprego e Participação por Nível de instrução O gráfico 3 mostra as taxas de desemprego por nível de instrução. Os níveis de desemprego foram mais elevados entre aqueles com Ensino Fundamental completo (média de 10,88% no período) e mais baixos entre aqueles com Ensino Superior completo (média de 4,28%). Fundamental incompleto e Médio completo apresentaram taxas de desemprego médias de, respectivamente, 6,88% e 9,33%. O gráfico 4 mostra uma decomposição da taxa de desemprego por faixas de escolaridade, para verificar qual é a contribuição de cada uma delas para a taxa agregada. Podemos verificar que aqueles com ensino médio são os que mais contribuíram para a taxa de desemprego, especialmente nos últimos anos. Isso ocorre pela taxa de desemprego relativamente elevada, associada a uma alta participação na PEA. As taxas de desemprego relativamente baixas registradas pelo Ensino Fundamental incompleto podem ser explicadas pela baixa participação desse grupo na força de trabalho (gráfico 5). A taxa de participação é maior entre aqueles mais instruídos e manteve-se constante no período em análise. Do nível de instrução mais baixo para o alto, as taxas de participação médias foram: 46,97%, 56,98%, 74,92% e 82,79%.

11 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 3 TAXA DE DESEMPREGO POR EDUCAÇÃO 18% 16% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Fundamental incompleto Fundamental completo Médio completo Superior completo

12 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. 6 Gráfico 4 CONTRIBUIÇÃO PARA A TAXA DE DESEMPREGO POR EDUCAÇÃO Fundamental incompleto Fundamental completo Médio completo Superior completo

13 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 5 TAXA DE PARTICIPAÇÃO POR EDUCAÇÃO 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Fundamental incompleto Fundamental completo Médio completo Superior completo

14 Taxa de Desemprego e Participação por Faixa Etária O gráfico 6 mostra as taxas de desemprego por faixas etárias, que foram mais elevadas entre os mais jovens (média de 18,71% no período) e mais baixos entre os idosos (média de 1,17%). Os adultos compõem a faixa intermediária com uma taxa média de 5,56%. O contraste da taxa de desemprego entre os jovens e os adultos pode significar que aqueles com menos experiência estão tendo maior dificuldade em estarem empregados. Notamos que a taxa de contribuição dos jovens na taxa de desemprego total foi superior na maior parte do período, apesar da oscilação (gráfico 7). O gráfico 8 expõe as taxas de participação por faixa etária. Podemos observar que os adultos apresentam a maior taxa de participação, com média de 69,97% no período. A taxa de participação dos mais jovens e dos mais velhos apresentaram níveis menores, devido em parte, respectivamente, aos estudos e às aposentadorias.

15 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 6 TAXA DE DESEMPREGO POR IDADE 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Jovens Adultos Idosos

16 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. 8 Gráfico 7 CONTRIBUIÇÃO PARA A TAXA DE DESEMPREGO POR IDADE Jovens Adultos Idosos

17 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 8 TAXA DE PARTICIPAÇÃO POR IDADE 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Jovens Adultos Idosos

18 Taxa de Desemprego e Participação por Condição domiciliar O gráfico 9 mostra as taxas de desemprego por condição domiciliar. Os níveis de desemprego mais elevados estão entre os filhos (média de 15,96% no período) e os menores estão entre os chefes de família (média de 4,29%), com tendências semelhantes ao movimento mais geral de crescimento. Cônjuge e Outros compõe a faixa intermediária com uma taxa média de 6,19% e 13,11%, respectivamente. Notamos que a taxa de contribuição dos filhos do chefe de família na taxa de desemprego total é a maior (gráfico 10). O gráfico 11 expõe as taxas de participação por condição domiciliar. Podemos observar que os chefes apresentam a maior taxa de participação, com média de 68,41% no período. Cônjuges apresentaram uma taxa de participação média de 56,86%. Já a taxa de participação de filhos e outros foi de 58,01% e de 48,86%, respectivamente.

19 25% Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 9 TAXA DE DESEMPREGO POR CONDIÇÃO 20% 15% 10% 5% 0% Chefe Cônjuge Filhos Outros

20 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. 6 Gráfico 10 CONTRIBUIÇÃO PARA A TAXA DE DESEMPREGO POR CONDIÇÃO Chefe Cônjuge Filhos Outros

21 80% Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 11 TAXA DE PARTICIPAÇÃO POR CONDIÇÃO 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Chefe Cônjuge Filhos Outros

22 Taxa de Desemprego e Participação por domicílio O gráfico 12 mostra as taxas de desemprego por domicílio, que apresentou tendências semelhantes ao movimento mais geral da taxa. Do primeiro trimestre de 2012 ao quarto trimestre de 2013, houve uma queda da taxa de desemprego domiciliar de 7,2% para 5,6%. Do primeiro trimestre de 2014 ao terceiro de 2016, houve aumento da taxa de desemprego domiciliar, de 6,5% para 10,5%. O gráfico 13 expõe as taxas de não ocupação e de desemprego (considerando a PIA) por domicílio. Podemos observar que a taxa de domicílios com representantes não ocupados, que abrange tanto os inativos como os desocupados, sofreu aumento de 2,5 pp no período em análise. Já a proporção de domicílios com representantes desocupados aumentou 1,8 pp no mesmo período. Isso mostra que a grande parte do crescimento da não ocupação foi derivado do aumento da desocupação e não do crescimento da inatividade.

23 12% Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 12 TAXA DE DESEMPREGO POR DOMICÍLIO (DESOCUPADOS/PEA) 10,5% 10% 8% 7,2% 6% 4% 2% 0% Taxa de desemprego (PEA)

24 Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 13 TAXA DE NÃO OCUPAÇÃO E TAXA DE DESEMPREGO (DESOCUPADOS/PIA) POR DOMICÍLIO 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Taxa de não ocupação Taxa de desemprego por domicílio (PIA)

25 Salário Médio

26 Salário Médio Trimestral por Nível de instrução O gráfico 14 nos mostra que o salário médio do trabalho principal apresentou crescimento entre o primeiro trimestre de 2012 e o de 2014, com oscilações relevantes. A partir do primeiro trimestre de 2015, o salário médio apresentou queda significativa até o segundo trimestre de No final do período em análise houve uma elevação do salário médio para R$ 1.964,00. No gráfico 15, observa-se o salário médio do trabalho principal por faixa de escolaridade da população brasileira. Há uma forte correlação entre o grau de escolaridade e os salários médios. Os valores médios do período como um todo para pessoas com o Fundamental incompleto, o Fundamental completo, o Médio completo e o Superior completo foram de, respectivamente, R$ 1.115,59, R$ 1.334,72, R$ 1.771,47 e R$ 4.722,47. Um fato que se destaca no gráfico é a diferença salarial da faixa do ensino superior completo e ensino médio completo. Também observamos que apenas a faixa de Ensino Superior completo está acima da média salarial no período.

27 R$ Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 14 SALÁRIO MÉDIO TRIMESTRAL Salário médio

28 R$ Fonte: PNAD. Elaboração Própria Gráfico 15 SALÁRIO MÉDIO TRIMESTRAL POR ANOS DE ESTUDO Fundamental incompleto Fundamental completo Médio completo Superior completo Salário Médio

29 Salário Médio Trimestral por Idade e Condição O gráfico 16 nos mostra que o salário médio do trabalho principal apresentou certa estabilidade entre os jovens e adultos entre o primeiro trimestre de 2012 e segundo trimestre de 2016, com oscilações relevantes. Os valores médios do período como um todo foram de R$ 1.071,72 para os jovens, R$ 2.149,28 para os adultos e R$ 2.260,48 para os idosos. Observa-se também que o salário médio dos idosos foi o que apresentou maior flutuação. No gráfico 17, observa-se o salário médio do trabalho principal por condição domiciliar. Os valores médios do período como um todo foram de R$ 2.355,58 para o chefe da família, R$ 1.872,51 para o cônjuge, R$ 1.397,23 para filhos e R$ 1.436,63 para outros. Vemos também que o único salário a estar acima da média no período foi o do chefe da família.

30 R$ Fonte: PNAD. Elaboração Própria Gráfico 16 SALÁRIO MÉDIO TRIMESTRAL POR IDADE Salário Médio Jovens Adultos Idosos

31 R$ Fonte: PNAD. Elaboração Própria Gráfico 17 SALÁRIO MÉDIO TRIMESTRAL POR CONDIÇÃO DOMICILIAR Salário Médio Chefe Cônjuge Filho Outros

32 Diferencial Salarial por Nível de instrução O gráfico 18 mostra a evolução do diferencial salarial por anos de estudo (razão entre salários médios). Em todo o período, o diferencial entre aqueles com algum ano completo no Ensino Superior em relação àqueles com Ensino Médio completo é grande, mas manteve-se constante. Isso indica a importância da graduação no mercado de trabalho brasileiro, porém isso também se deve em parte à grande proporção de pessoas com o Ensino Médio completo na força de trabalho. Já o diferencial do nível de escolaridade entre aqueles que possuem Ensino Médio completo e Fundamental completo e entre aqueles com Ensino Fundamental completo e incompleto são pequenos e próximos (1,18 e 1,31, respectivamente).

33 R$ Fonte: PNAD. Elaboração Própria. 3,00 Gráfico 18 EVOLUÇÃO DO DIFERENCIAL SALARIAL POR ANOS DE ESTUDO 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0,00 Fundamental completo/incompleto Médio completo/fundamental completo Superior completo/médio completo

34 Rendimento do Trabalho per capita por domicílio O gráfico 19 mostra a evolução do rendimento total do trabalho per capita por domicílio. Considerou-se como renda domiciliar per capita a soma dos rendimentos mensais provenientes do trabalho dos moradores do domicílio, em reais, dividida pelo número de seus moradores. As médias foram feitas no nível do domicílio. Como podemos observar no gráfico, a média apresentou comportamento semelhante àquele do salário médio individual. Apesar das oscilações, houve crescimento entre o primeiro trimestre de 2012 e o terceiro trimestre de 2016, inicialmente em R$ 929 para R$ 934.

35 R$ Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico 19 RENDA PERCAPITA Renda percapita

36 Comparação entre Renda do trabalho média e Renda do trabalho per capita O gráfico 20 fixa o primeiro trimestre de 2012 igual a cem, de maneira que pode-se comparar a evolução dos rendimentos médios do trabalho de todas as faixas populacionais em relação ao rendimento do trabalho per capita. O que se observa no gráfico, grosso modo, são tendências de queda a partir do primeiro trimestre de 2015 até o ano de Vale chamar a atenção para o fato de que a renda do trabalho per capita apresentou uma queda mais acentuada em relação a renda média do trabalho nos trimestres de 2016.

37 R$ Fonte: PNAD. Elaboração Própria. Gráfico COMPARAÇÃO ENTRE RENDA DO TRABALHO MÉDIA E RENDA DO TRABALHO PER CAPITA , , Renda Percapita Renda média

38 Panorama do Mercado de Trabalho Centro de Políticas Públicas do Insper Contato: CPP no

39

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

BNB Conjuntura Econômica Nº40

BNB Conjuntura Econômica Nº40 BNB Conjuntura Econômica Nº40 Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE 4. Mercado de Trabalho O cenário atual da economia brasileira, que experimentou queda sucessiva do PIB nos dois

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Divulgação ano 2008 BALANÇO DE 2008 MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA 1. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego, em 2008, a População

Leia mais

Série Estudo das Desigualdades Regionais

Série Estudo das Desigualdades Regionais CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Série Estudo das Desigualdades Regionais BREVE RADIOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Quadro-Resumo Taxa mensal de desemprego

Leia mais

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Neste edição especial do boletim Mercado de trabalho do CEPER-FUNDACE, serão comparados dados do Cadastro Geral de Empregados e

Leia mais

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho 1 Pesquisa Mensal de Emprego Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre 2003-2008 Rio de Janeiro

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Setembro/2013 registra a sua menor taxa de desemprego 1. Conforme as informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego para os residentes em, a taxa

Leia mais

TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA

TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 23 Nº 11 Resultados de novembro de 2014 TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA 1. As informações produzidas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego PED no Distrito

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 31º Edição - Junho de 2016 Sumário Conjuntura da Saúde Suplementar 1) Emprego e Planos coletivos 3 2) Renda e Planos individuais 4 3) PIB e Receita/Despesa das operadoras

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO 535 DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO Rosycler Cristina Santos Simão (USP) 1. INTRODUÇÃO É de conhecimento geral que o Brasil destaca-se no cenário mundial como um dos

Leia mais

Outubro de 2014 * ELEVAÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO

Outubro de 2014 * ELEVAÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 10 Outubro de 2014 * ELEVAÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana

Leia mais

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Novembro de 2009 A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO As informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015

MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015 MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 - Número Especial MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015 Os valores aqui apresentados referem-se aos valores anuais médios dos principais indicadores

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. MÁRCIO NOME N o 6 º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão anuladas.

Leia mais

Ind010201RNE - Renda média domiciliar per capita, por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões metropolitanas do Nordeste e escolaridade

Ind010201RNE - Renda média domiciliar per capita, por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões metropolitanas do Nordeste e escolaridade Ind010201RNE Renda média domiciliar per capita, por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões metropolitanas do Nordeste e escolaridade Indicador Descrição Renda média domiciliar per capita Média das

Leia mais

Taxa de desemprego segue em alta em maio

Taxa de desemprego segue em alta em maio Taxa de desemprego segue em alta em maio Taxa de 6,5% representará o maior aumento em 12 meses desde 2003 A taxa de desemprego nas seis regiões metropolitanas acompanhadas pela PME/IBGE deve ficar em 6,5%

Leia mais

Mudança Social Carioca : O Legado Pré-Olímpico. Sumário Executivo

Mudança Social Carioca : O Legado Pré-Olímpico. Sumário Executivo Mudança Social Carioca 2009-2016: O Legado Pré-Olímpico Sumário Executivo O principal objetivo do projeto é medir a evolução das condições de vida da população carioca a partir do anúncio da Rio 2016.

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Mercado de trabalho Janeiro de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Mercado de trabalho Janeiro de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 211 Mercado de trabalho Janeiro de 213 RESULTADOS DA PNAD 211 MERCADO DE TRABALHO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2009

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA EM 2009 NA REGIÃO METROPOLITANA E FORTALEZA 2009 Ano 2 Número Especial O MERCAO E TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA E FORTALEZA EM 2009 Os resultados aqui apresentados referem-se aos valores anuais médios dos principais

Leia mais

25/11/2016 IBGE sala de imprensa notícias PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução

25/11/2016 IBGE sala de imprensa notícias PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução fotos saiba mais De 2014 para 2015, houve, pela primeira vez em 11 anos, queda nos rendimentos reais (corrigidos pela inflação).

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NO RJ: uma análise da PNAD de 2012

MERCADO DE TRABALHO NO RJ: uma análise da PNAD de 2012 MERCADO DE TRABALHO NO RJ: NOTA CONJUNTURAL OUTUBRO DE 2013 Nº25 uma análise da PNAD de 2012 NOTA CONJUNTURAL OUTUBRO DE 2013 Nº25 PANORAMA GERAL Ao acompanhar a evolução dos pequenos negócios no Estado

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE AGOSTO DE REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE Taxas de atividade e desocupação estáveis Em agosto de havia 3.081 mil pessoas em idade ativa na Região Metropolitana de Recife. Deste

Leia mais

ABRIL DE Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável

ABRIL DE Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Ano 21 - Número 04 ABRIL DE 2012 Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável Em abril, a Pesquisa de Emprego e Desemprego captou relativa estabilidade da taxa

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Última atualização: 2014 1 DOMICÍLIOS ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS 2 Água EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO

Leia mais

Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites

Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites João Saboia Instituto de Economia - UFRJ 7 e 8 de Maio de 2014 Seminário Política de Salário Mínimo para 2015-2018 Avaliações de Impacto

Leia mais

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO 2001-08 No período 2001-08, o total de pessoas ocupadas na agricultura nordestina apresentou um quadro de relativa estabilidade. No entanto, houve

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 05 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9.

Leia mais

no mercado de trabalho

no mercado de trabalho A Desigualdade de Gênero no mercado de trabalho Eugenia Troncoso Leone 1 Agradeço ao GT Gênero da Abep a oportunidade de participar desta mesa redonda e agradeço, principalmente, a Moema Guedes que me

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Setor de transporte e comunicações tem queda de 15,61% em junho comparado ao mês anterior na Mesorregião Oeste Catarinense

Setor de transporte e comunicações tem queda de 15,61% em junho comparado ao mês anterior na Mesorregião Oeste Catarinense Publicação Mensal do Observa pelo Curso de Ciências Econômicas Unochapecó. V.06, Ano: 02 Setor de transporte e tem queda de 15,61% em junho comparado ao anterior na Mesorregião Catarinense Dada a importância

Leia mais

Desindustrialização no Brasil Diagnósticos, Causas e Consequências

Desindustrialização no Brasil Diagnósticos, Causas e Consequências Março/2015 Desindustrialização no Brasil Diagnósticos, Causas e Consequências Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Estrutura da Apresentação Diagnósticos do Processo de Desindustrialização

Leia mais

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr.

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr. 98 5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA Álvaro Alves de Moura Jr. O principal destaque na análise do nível de atividade econômica se refere à mudança na metodologia do cálculo do PIB, que passou a incluir informações

Leia mais

Desenvolvimento Socioeconômico na NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2013 Nº23

Desenvolvimento Socioeconômico na NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2013 Nº23 Desenvolvimento Socioeconômico na NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2013 Nº23 METRÓPOLE E NO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2013 Nº23 PANORAMA GERAL O Estado do Rio de Janeiro (ERJ) é caracterizado

Leia mais

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da O TRABALHO INFANTO- JUVENIL NO ESTADO DA BAHIA Destaques do relatório preparado por Inaiá Maria Moreira de Carvalho e Cláudia Monteiro Fernandes para a OIT Brasil Março de 2010 1 Objetivo Geral Subsidiar

Leia mais

CURITIBA - PR habitantes habitantes ,84 hab/km². 76,30 anos. População : Estimativa populacional - 2.

CURITIBA - PR habitantes habitantes ,84 hab/km². 76,30 anos. População : Estimativa populacional - 2. CURITIBA - PR População - 2.010: 1.751.907 habitantes Estimativa populacional - 2.016: 1.893.997 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010: 0,99% Densidade demográfica - 2.010: 4.024,84 hab/km²

Leia mais

Mudanças nas estatísticas do mercado de trabalho

Mudanças nas estatísticas do mercado de trabalho Boletim 998/2016 Ano VIII 13/06/2016 Mudanças nas estatísticas do mercado de trabalho Por Leandro Pires Em março último, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) encerrou a divulgação da

Leia mais

Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos

Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos Candidatos enfrentam a maior concorrência por vagas de trabalho em três anos Mercado de trabalho continua gerando menos vagas enquanto a procura por emprego segue em alta Em junho de 2015, o número de

Leia mais

Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões

Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões Taxa de desemprego registra comportamento diverso entre as regiões AGOSTO DE 2016 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego cresceu em Porto Alegre

Leia mais

FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego

FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego Nível de ocupação diminui nos Serviços, na Indústria de Transformação e na Construção e se eleva

Leia mais

O Panorama da Saúde no Brasil. Centro de Políticas Públicas do Insper

O Panorama da Saúde no Brasil. Centro de Políticas Públicas do Insper O Panorama da Saúde no Brasil Centro de Políticas Públicas do Insper 2012 A saúde no Brasil O tema da saúde está aparecendo cada vez mais na discussão pública, uma vez que ela afeta a qualidade de vida

Leia mais

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872 A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do

Leia mais

Taxa de desemprego aumenta no DF

Taxa de desemprego aumenta no DF MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 25 Nº 01 Resultados de janeiro de 2016 Taxa de desemprego aumenta no DF 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria

Leia mais

A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro

A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro A evolução recente do desemprego no mercado de trabalho brasileiro Luma de Oliveira * Marina Silva da Cunha ** RESUMO - Este trabalho tem como objetivo analisar a tendência recente do desemprego no Brasil,

Leia mais

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL A inserção do negro no mercado de trabalho no Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990 Isabel Caldas Borges Mestranda do Programa de Pós Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Marconi Gomes da Silva Professor Doutor do Departamento de Economia da Universidade

Leia mais

Queda expressiva no saldo de vagas no mercado de trabalho da Mesorregião Oeste em julho de 2015

Queda expressiva no saldo de vagas no mercado de trabalho da Mesorregião Oeste em julho de 2015 Publicação Mensal do Observa pelo Curso de Ciências Econômicas Unochapecó. V.07, Ano: 03 Queda expressiva no saldo de vagas no mercado de trabalho da Mesorregião Oeste em julho de 2015 Dada a importância

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO 2011 Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela

Leia mais

O PERFIL DOS TRABALHADORES NA ECONOMIA INFORMAL

O PERFIL DOS TRABALHADORES NA ECONOMIA INFORMAL Seminário tripartite A economia informal no Brasil: Políticas para facilitar a transição para a formalidade O PERFIL DOS TRABALHADORES NA ECONOMIA INFORMAL Eugenia Troncoso Leone Instituto de Economia

Leia mais

Indicadores IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 3º trimestre de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 3º trimestre de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua trimestre de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel Elias Temer Lulia

Leia mais

Indicadores confeccionados com dados do IBGE

Indicadores confeccionados com dados do IBGE Indicadores confeccionados com dados do IBGE IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Pesquisas domiciliares Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Censo Demográfico Taxa

Leia mais

EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS

EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS Em dezembro, a pesquisa de emprego do IBGE registrou uma taxa de desocupação de 10,9%. Como é normal

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 Em comemoração ao dia 20 de novembro, Dia da Consciência

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cáceres, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24478,87 km² IDHM 2010 0,708 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 87942 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Juara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 21474,36 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 32791 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lucas do Rio Verde, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3674,76 km² IDHM 2010 0,768 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 45556 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Matupá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5172,94 km² IDHM 2010 0,716 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14174 hab. Densidade

Leia mais

Indicadores IBGE O TRABALHO A PARTIR DOS 50 ANOS DE IDADE PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

Indicadores IBGE O TRABALHO A PARTIR DOS 50 ANOS DE IDADE PESQUISA MENSAL DE EMPREGO Indicadores IBGE O TRABALHO A PARTIR DOS 50 ANOS DE IDADE PESQUISA MENSAL DE EMPREGO (RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO E PORTO ALEGRE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

Destaque para aumento salarial das admissões em janeiro de 2015 no município de Chapecó

Destaque para aumento salarial das admissões em janeiro de 2015 no município de Chapecó Publicação Mensal do Observa pelo Curso de Ciências Econômicas Unochapecó. V.01, Ano: 03 Destaque para aumento salarial das admissões em janeiro de 2015 no município de Chapecó Dada a importância de avaliar

Leia mais

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos Taxa de participação feminina tem comportamento diverso nas regiões E ntre 2014 e 2015, a proporção de mulheres com dez anos ou mais inseridas no mercado

Leia mais

IPES Índice de Preços ao Consumidor

IPES Índice de Preços ao Consumidor IPES Índice de Preços ao Consumidor Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPC-IPES Índice de Preços ao Consumidor de Caxias do Sul Agosto de 2016 Agosto de 2016 UNIVERSIDADE

Leia mais

na Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro

na Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro EMPREGOS E SALÁRIOS na Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, AGOSTO DE 2012 14 2012 A geração de empregos

Leia mais

SETEMBRO DE LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO

SETEMBRO DE LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 SETEMBRO DE 2013 2 LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS NO BRASIL: UMA ANALISE DE SUA EVOLUÇAO RECENTE

INDICADORES SOCIAIS NO BRASIL: UMA ANALISE DE SUA EVOLUÇAO RECENTE INDICADORES SOCIAIS NO BRASIL: UMA ANALISE DE SUA EVOLUÇAO RECENTE Henrique Dantas Neder (hdneder@ufu.br) web: www.ecn26.ie.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia - MG Objetivos da pesquisa: Desenvolver

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro Balanço de 2012

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro Balanço de 2012 NOTA CONJUNTURAL GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro Balanço de 2012 OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JANEIRO DE 2013 19 2013 PANORAMA GERAL Os

Leia mais

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP. Distribuição da Renda Pessoal nas Áreas Censitárias do Estado do Ceará na Década de 2000

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP. Distribuição da Renda Pessoal nas Áreas Censitárias do Estado do Ceará na Década de 2000 LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP uo UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CAEN Nº 09 RELATÓRIO DE PESQUISA Distribuição da Renda Pessoal nas Áreas Censitárias do Estado

Leia mais

Número 50 Setembro de Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em 2006

Número 50 Setembro de Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em 2006 Número 50 Setembro de 2007 Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em Apresentação Nesta sexta-feira, dia 14 de setembro de 2007, o Instituto Brasileiro

Leia mais

Taxa de desemprego estável no DF

Taxa de desemprego estável no DF MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 11 Resultados de novembro de 2015 Taxa de desemprego estável no DF 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Dezembro

Cesta Básica. Boletim Dezembro Cesta Básica Boletim Dezembro - 2011 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus aumentou 1,19%, de R$206,00 em novembro passou para R$208,45 em dezembro (Tabela 1). A elevação de 18,85% no preço da banana

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU Aspectos Econômicos ** Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina SEBRAE/SC. Santa Catarina em Números. Disponível em ,

Leia mais

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014 Índice de Preço no Consumidor Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014 Janeiro-2015 1 Índice I.PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO ÍNDICE... 4 1 - Amostra de bens e serviços seleccionados... 4 2 - Amostra

Leia mais

VCMH/IESS. Variação de Custos Médico-Hospitalares. Edição: Janeiro de 2016 Data-base: Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO

VCMH/IESS. Variação de Custos Médico-Hospitalares. Edição: Janeiro de 2016 Data-base: Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO Variação de Custos Médico-Hospitalares Edição: Janeiro de 2016 Data-base: Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO O VCMH/IESS O índice VCMH/IESS para planos individuais atingiu 17,1% no período de 12 meses terminados

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CA/SP/SEPLAN nº 02/2013 Evolução da extrema pobreza em Mato

Leia mais

Carta Econômica Trimestral

Carta Econômica Trimestral CARTA ECONÔMICA Nº 10/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, Outubro 2016 Neste final de outubro os gestores de recursos dos RPPSs, notadamente aqueles que fazem um

Leia mais

PLURIATIVIDADE E RENDA NO MEIO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PLURIATIVIDADE E RENDA NO MEIO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLURIATIVIDADE E RENDA NO MEIO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Neste trabalho analisa-se a participação das atividades não-agrícolas no meio rural do Estado do Rio de Janeiro, observando-se dois grupos:

Leia mais

OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO

OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO Estabelecimentos, emprego formal e rendimentos: NOTA CONJUNTURAL NOVEMBRO DE 2013 Nº26 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL NOVEMBRO DE 2013 Nº26 PANORAMA GERAL Esta nota analisa o perfil

Leia mais

CESTA BÁSICA DE CAMPINAS: dezembro de 2007

CESTA BÁSICA DE CAMPINAS: dezembro de 2007 CESTA BÁSICA DE CAMPINAS: dezembro de 2007 Cândido Ferreira da Silva Filho 1 Introdução A pesquisa da cesta básica de Campinas, atividade de extensão realizada pela PUC Campinas, acompanha a evolução dos

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015 Índice de Preço no Consumidor Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015 Abril-2015 1 Índice I.PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO ÍNDICE... 4 1 - Amostra de bens e serviços seleccionados... 4 2 - Amostra

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Mudanças nos Preços Relativos

Mudanças nos Preços Relativos Mudanças nos Preços Relativos Tabela 1 Variação acumulada do IPCA: eiro/ junho/ Discriminação Brasil Belém 1/ Nordeste Sudeste Sul Centro- Gráfico 1 - Alteração no peso do IPCA por segmento de consumo:

Leia mais

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Novembro de 2009 A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO 2004 2008 No Dia da Consciência Negra,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Julho de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Julho de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Julho de 2015 Setembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,9% em julho de 2015, na comparação

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Major Isidoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 455,14 km² IDHM 2010 0,566 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

DESEMPREGO EM FORTE ELEVAÇÃO

DESEMPREGO EM FORTE ELEVAÇÃO INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE Apoio da COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON DESEMPREGO EM FORTE ELEVAÇÃO Situação do Mercado de Trabalho

Leia mais

Desempenho do mercado de trabalho em 2014 interrompe processo de formalização do emprego feminino

Desempenho do mercado de trabalho em 2014 interrompe processo de formalização do emprego feminino A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE MARÇO 2015 Desempenho do mercado de trabalho em 2014 interrompe processo de formalização do emprego feminino O mundo

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais