RODOLFO MODRIGAIS STRAUSS NUNES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RODOLFO MODRIGAIS STRAUSS NUNES"

Transcrição

1 OS NEGÓCIOS ELETRÔNICOS COMO INSTRUMENTO DE APERFEIÇOAMENTO ENTRE REDES DE ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE O PORTAL DE COMPRAS DO GOVERNO FEDERAL BRASILEIRO RODOLFO MODRIGAIS STRAUSS NUNES ( ) UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP ODUVALDO VENDRAMETTO ( ) UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP Resumo O presente artigo apresenta uma análise dos principais benefícios gerados pelo uso de negócios eletrônicos na área governamental e o aperfeiçoamento nas relações das redes de organizações em que se inserem. Para isso, é apresentada uma revisão bibliográfica abordando a literatura sobre os negócios eletrônicos e as redes de organizações, dando ênfase para os conceitos de comércio eletrônico, governo eletrônico e as relações das redes empresariais. Ao final é exposto um estudo de caso de abordagem qualitativa sobre o Portal de Compras do Governo Federal Brasileiro Comprasnet, demonstrando as vantagens implementadas pela ferramenta e as melhorias nas relações das redes organizacionais que o utilizam. Palavras-chave: E-business; E-commerce; E-government; Cadeia de Suprimentos; Redes; Comprasnet. 1. Introdução A partir da década de 1990 as oportunidades de negócios existentes na Internet foram identificadas pelos agentes econômicos no mercado mundial, iniciando a fase de utilização da rede mundial de computadores para realização de negócios. Para não ficarem desatualizadas as empresas começaram a marcar presença na Internet, usufruindo os benefícios previstos pela adaptação aos processos vinculados a um plano de negócios na grande rede. Começaram a surgir então, as empresas ponto com, as ferramentas de utilização de catálogos eletrônicos e os primeiros portais de compras eletrônicas, que acabaram introduzindo a era da economia digital. Na segunda metade da década de 90 foi desenvolvido através de convênios de empresas de telefonia e firmas de televisão a cabo, um tipo de acesso à Internet projetado para transmitir dados em grandes quantidades, chamado de acesso banda larga. Com a redução dos preços da Internet banda larga e sua adoção em maior escala, os conceitos de negócios eletrônicos se estabeleceram definitivamente na economia global. Visando aumentar a eficiência de seus atos e acompanhar a evolução tecnológica, os governos de vários países adotaram ferramentas de negócios eletrônicos via Internet. A partir de então, as relações entre governo, cidadãos e empresas começaram a tornarem-se mais intensas e efetivas. 1/16

2 Sendo assim, o objetivo do presente estudo é discutir as relações e benefícios existentes nas transações de negócios eletrônicos implementados pelos governos, visando analisar a formação e a efetividade de redes de organizações implementadas por tais ferramentas. Num primeiro momento o artigo apresenta uma revisão da literatura, abordando os principais aspectos relacionados aos negócios eletrônicos, a implementação destes pelas instituições de governo e a abordagem da formação de redes de organizações. Em seguida é apresentado um estudo de caso sobre o Portal de Compras do Governo Federal Brasileiro Comprasnet, visando analisar as melhorias geradas pelas ferramentas que o mesmo disponibiliza e as vantagens obtidas pelas redes organizacionais que o sustentam, seguido das considerações finais e referências bibliográficas utilizadas. 2. Revisão Bibliográfica 2.1 Os conceitos de E-business e E-commerce O e-business é uma combinação personalizada de tecnologias, normalmente baseada na Internet, para auxiliar as relações comerciais da empresa, estabelecendo melhores relações com os clientes, fornecedores e funcionários. (DERFLER, 2002, p.2-4) Ainda sobre o conceito de e-business, Felipini (2003) explica tratar-se do uso de recursos eletrônicos, mais especificamente, da Internet, para realizar negócios com mais eficiência. Portanto, a expressão e-business encerra exatamente o significado de sua tradução, ou seja, negócios eletrônicos, sendo que a forma mais prática e atraente para praticá-los é através do canal eletrônico de comunicação da Internet, que vem se popularizando cada vez mais pelo mundo. Desta forma, o e-business pode oferecer, através das facilidades da Internet, muitas vantagens e benefícios, como a personalização, serviço de alta qualidade ao cliente e um melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos, isto é, o gerenciamento estratégico dos canais de distribuição e os processos que os sustentam. (DEITEL, DEITEL e STEINBUHLER, 2004, p.25) São inúmeras as formas de utilização dos recursos da Internet aplicada aos negócios, desde a divulgação institucional das empresas e seus produtos até o aperfeiçoamento na relação com clientes, fornecedores e funcionários. A utilização destes tipos de aplicações é muito importante para auxiliar a empresa na otimização do seu negócio, estabelecendo melhores formas de comprar, de se relacionar com o mercado, de divulgar a sua marca, etc. Porém, dentre estas aplicações, nenhuma delas possibilitou uma transformação tão radical nos negócios quanto o e- commerce: a Internet como um novo e promissor canal de venda de produtos e serviços. (FELIPINI, 2003) O e-commerce é o comércio eletrônico propriamente dito, é a ampla categoria contendo todos os negócios realizados utilizando-se as tecnologias da Internet. (DERFLER, 2002, p.03) De acordo com Venetianer (1999, p.208), o comércio eletrônico pode ser definido como: 2/16

3 [...] o conjunto de todas as transações comerciais efetuadas por uma empresa, visando atender, direta ou indiretamente, a um grupo de clientes, utilizando, para tanto, as facilidades de comunicação e de transferência de dados mediados pela rede mundial Internet. Para Silva Neto (2004, p.52) o comércio eletrônico é aquele realizado fundamentalmente por recursos e meios eletrônicos, que tornam dispensável o contato físico-presencial entre as partes envolvidas, bem como, irrelevante a distância geográfica que se interponha entre elas. Desta forma, concatenando as idéias apresentadas, é possível compreender que o e-commerce ou comércio eletrônico é a evolução da forma tradicional de transações comerciais, tendo como característica principal, a utilização de tecnologia da informação, principalmente a Internet, como canal de comunicação para viabilizálo. Também ficou evidente, que o e-business e o e-commerce, não são sinônimos, pois o e-business abrange os negócios como um todo, e o e-commerce, as transações comerciais. O fato é que a Internet vem revolucionando a forma de relacionamento entre as pessoas, empresas e governos, e particularmente, os negócios eletrônicos vêm progressivamente alterando o modo de produção, comercialização, distribuição e consumo mundial, sendo que, tal fato pode ser constatado no cotidiano de qualquer país do mundo. Acompanhando este entendimento, é oportuno o comentário de Gates apud Felipini (2003): daqui a algum tempo, vão existir dois tipos de empresas: as que fazem negócios pela Internet e as que estão fora dos negócios. A seguir, na Figura 1, são apresentados os vários elementos dos negócios eletrônicos que se enquadram nos processos de negócios sob diversas formas. Figura 1 Os Elementos do E-Business Fonte: Derfler (2002, p.04) Antes da expansão da Internet, já havia um tipo de comércio eletrônico, que é o EDI, que vem sendo praticado por algumas empresas há mais de vinte anos. O EDI, abreviação de Eletronic Data Interchange, é uma forma de compra que consiste em uma tecnologia para transmissão eletrônica e automática de dados entre os computadores das empresas participantes. Através da utilização de um computador 3/16

4 conectado a um modem e a uma linha telefônica, e equipado com um software específico para comunicação e tradução dos documentos eletrônicos, o computador do cliente fica interligado diretamente ao computador do fornecedor. (MARTINS e ALT, 2003, p.70) Com a utilização da Internet, os principais tipos de comércio eletrônico são: o B2C (business to consumer) e o B2B (business to business). A seguir, cada um destes tipos de comércio eletrônico serão detalhados para o melhor desenvolvimento e compreensão deste estudo Business to Consumer (B2C) O Business to Consumer ou B2C é a transação de negócios eletrônicos com foco no consumidor final, ou seja, no cliente. Nesse caso, o comprador será sempre uma pessoa física que através de seu computador pessoal, realiza procedimentos de busca e aquisição de produtos ou serviços, via Internet. (NOVAES, 2001, p.84) Em geral, as transações acontecem através de lojas virtuais ou portais de Internet, criados por grandes distribuidores, atacadistas e redes de varejo, que buscam criar uma alternativa de vendas que vá além dos limites de suas lojas físicas. No caso das lojas virtuais, não existem lojas físicas, mas apenas o portal para vendas de produtos via Internet, como é o caso do <Submarino.com.br> no Brasil, e da <Amazon.com> nos Estados Unidos. (DERFLER, 2002, p.05) De acordo com Felipini (2004), nos Estados Unidos o comércio eletrônico B2C começou a se expandir a partir de 1995 com a criação da <Amazon.com> e outras empresas. Já no Brasil, esse processo teve início apenas cinco anos depois, quando várias empresas iniciaram suas atividades através do canal de Internet, desde então, esse tipo de comércio eletrônico não parou de crescer Business to Business (B2B) De acordo com Novaes (2001, p.80) o business to business ou B2B, é o comércio eletrônico entre empresas ou corporações, caracterizando-se principalmente por ter apenas pessoas jurídicas envolvidas no processo. Geralmente, são desenvolvidos sites na Internet pelas empresas fornecedoras, formando um ambiente virtual para troca de informações com as empresas-cliente, possibilitando que estas possam realizar seus processos de compra no próprio site. Para Ching (2001, p.185) o B2B pode ser entendido por companhias conduzindo negócios uma com a outra por meio do World Wide Web [...] o B2B permite que dezenas de milhares de companhias conectem-se com dezenas de milhares de outras companhias, por meio de uma rede virtual. Segundo Cunningham (2000, p.17) o B2B pode ser definido como transações comerciais conduzidas através de redes públicas ou privadas, incluindo transações públicas e privadas que usam a Internet como veículo de realização. Portanto, pode-se entender como B2B, a realização de quaisquer transações comerciais entre empresas por meio eletrônico, e apesar desta prática também ser realizada através de redes particulares, este estudo se limitará à análise de sua prática através da Internet, que pela eficiência apresentada e aumento da competitividade, fez com que órgãos governamentais passassem a adotar soluções semelhantes para realização de suas compras e contratações. 4/16

5 Atualmente, o comércio eletrônico B2B através da Internet, pode ser um diferencial competitivo para as organizações, pois esta tecnologia pode otimizar o gerenciamento da cadeia de suprimentos, à medida que, torna mais eficiente e eficaz as práticas internas de aquisições e aperfeiçoa as relações com fornecedores e clientes. Sobre esta realidade, é oportuno o comentário de Derfler (2002, p.34): O comércio eletrônico de B2B utiliza tecnologia da Internet para implementar o gerenciamento da cadeia de suprimento em novas e eficientes formas. Uma cadeia de suprimento eficiente reduz o custo total das operações, reduzindo assim o custo do produto. Isso pode ter um impacto muito maior nos resultados financeiros do que, até mesmo, a obtenção de novas fontes de receitas e lucros. De forma semelhante, Carillo Junior et al. (2003, p ) fazem o seguinte comentário: O B2B é um conceito mais amplo que engloba todas as atividades da empresa, desde as produtivas até as de logísticas, passando pelas financeiras [...] um passo adiante constitui o chamado B2B estratégico, que implica acordos entre grandes para criar comunidades (portais) sinérgicas na Internet, com o objetivo de integrar toda a cadeia logística e de valor. Desta forma, a Internet proporciona aos profissionais da área de compras através das ferramentas de B2B, consideráveis reduções nos custos de aquisição, que por sua vez, ocasionam aumentos na lucratividade. No Brasil, o comércio eletrônico entre empresas tem apresentado um excelente desempenho. Felipini (2006) comenta que pesquisas realizadas pela empresa e-consulting apontam que as transações eletrônicas B2B totalizaram R$ 267,6 bilhões em 2005, valor 37% maior do que o movimentado no ano anterior. A mesma pesquisa ainda indica que cerca de 80% do valor transacionado (R$ 212 bilhões) é referente a negócios realizados em portais privados, ou seja, empresas que possuem seus próprios canais de comércio eletrônico; e os 20% restantes, referem-se às transações realizadas em portais de terceiros, que são os e- marketplaces eletrônicos, que oferecem toda estrutura de hardware, software e mãode-obra especializada. Em pesquisa realizada recentemente pela Associação Brasileira de e- Business (e-business Brasil) que visou identificar as tendências da prática de e- procurement entre grandes corporações brasileiras, foi relevado que em 2006 o correspondente a 66,2% haviam consolidado a prática de compras eletrônicas em suas atividades, representando crescimento de 3,8% em relação ao ano anterior. (E- BUSINESS BRASIL, 2006) Na mesma pesquisa a e-business Brasil ainda revela que o fator apontado como mais relevante para implementação de compras eletrônicas pela maioria das empresas foi a redução do tempo gasto pelo comprador para efetuar cotações e colocar o pedido. Nota-se que a utilização do canal eletrônico para a realização de transações comerciais entre empresas é uma tendência em razão dos vários benefícios que são proporcionados aos participantes, tanto para o vendedor como para o comprador, como a agilização dos procedimentos de compras, o aumento da competitividade e a 5/16

6 economia proporcionada às empresas, tornando-se um grande diferencial competitivo no gerenciamento da cadeia de suprimentos. Por todas essas tendências e consolidação da Internet como canal eficiente e eficaz para realização de negócios, principalmente transações comerciais, os governos passaram a adotar a tecnologia da informação através da rede mundial para aprimorar os seus processos de compras e também facilitar o seu relacionamento com o cidadão, como será exposto adiante. 2.2 E-government Com a crescente expansão da Internet e sua consolidação como meio de comunicação eficiente e eficaz, os órgãos governamentais passaram a utilizar esta tecnologia para modernizar a sua estrutura. Sendo assim, os conceitos de e- business ou negócios eletrônicos, incluindo o e-commerce ou comércio eletrônico, passaram a ser aplicados nos órgãos do governo, buscando simplificar e aperfeiçoar os seus procedimentos. Surgiu então o conceito de governo eletrônico, ou e-government, ou e- governo, ou ainda e-gov, consistindo na busca do governo em melhorar o atendimento ao cidadão, aperfeiçoar a relação com empresas fornecedoras e facilitar a interação com outros órgãos públicos, utilizando-se da tecnologia da informação, principalmente através da Internet. (WILLECKE, 2003, p.13; MARTINS, 2004, p.60) Através do governo eletrônico, desenvolveram-se os seguintes conceitos: G2C (government to citzen/consumer), que é o relacionamento entre governo e cidadãos clientes; G2B (government to business) que são as transações entre o governo e empresas; e G2G (government to government) que é o relacionamento entre órgãos governamentais. A Figura 2, apresentada a seguir, ilustra essas interações de governo eletrônico. (ZIMATH, 2003, p.23; BERMEJO, 2004, p.14) Figura 2 A interface do governo eletrônico Fonte: Zimath (2003, p.23) No Brasil, vem sendo praticada desde o ano 2000, uma política de governo eletrônico, visando disseminar o uso da Internet na prestação de serviços públicos, melhorando conseqüentemente o relacionamento do governo com os cidadãos e a sua integração com parceiros e fornecedores. 6/16

7 Para implementação desta política, foi criado em outubro do mesmo ano, o Comitê Executivo do Governo Eletrônico (CEGE), que estabeleceu como princípios para sua atuação: a promoção da cidadania como prioridade; a indissociabilidade entre inclusão digital e o governo eletrônico; a utilização do software livre como recurso estratégico; a gestão do conhecimento como instrumento estratégico de articulação e gestão das políticas públicas; a racionalização dos recursos; a adoção de políticas, normas e padrões comuns; e por fim, a integração com outros níveis de governo e demais poderes. (CEGE, 2004, p.06) Government to Citizens (G2C) O Government to Citzen ou G2C utiliza o canal da Internet e a tecnologia da informação para que o governo possa interagir diretamente com o cidadão. Para isto, são desenvolvidos portais ou sistemas, que permitem a interação do cidadão nas ações do governo. No Brasil, o conceito de governo eletrônico tem sido levado a sério como política pública, fazendo com que o governo adote a digitalização de procedimentos tradicionais e a utilização de novas tecnologias como a Internet, com o objetivo de melhorar o atendimento ao cidadão, que é o seu cliente. O Brasil é, por exemplo, o único país do mundo que utiliza o voto eletrônico em grande escala nas eleições, atingindo elevado grau de eficiência, já que os resultados da apuração são conhecidos em questão de algumas horas. Pode-se citar, ainda, o sistema eletrônico de declaração do imposto de renda via Internet, que concede uma certa comodidade ao cidadão, que não precisa sair da sua casa para declarar o seu imposto. (FELIPINI, 2006) Zimath (2003, p.61) comenta que as iniciativas de G2C realizadas pelo governo brasileiro, foram organizadas segundo os direitos sociais da constituição, saúde, educação, justiça, o direito ao controle social, e o direito a informação. Com isso, o governo espera promover a disponibilidade de todos os seus serviços e o acesso à informação através da Internet, promovendo a inclusão digital e a transformação da sociedade como um todo. No âmbito do Governo Federal, existem três sites que são coordenados pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), para oferecer serviços interativos aos cidadãos, e fornecer o acesso a informações relacionadas a políticas públicas, podendo ser acessados pelos seguintes endereços eletrônicos: <www.redegoverno.gov.br>; <www.e.gov.br>; e, <www.governoeletronico.gov.br> Government to Business (G2B) O Government to Business ou G2B é o relacionamento do Governo com empresas através da tecnologia da informação. Esse relacionamento foi estabelecido de forma transacional, através de portais de compras eletrônicas via Internet, buscando a simplificação e desburocratização dos processos licitatórios e a racionalização do processo de interação entre o Governo e seus fornecedores. De acordo com Diniz apud Willeck (2003, p.15) o relacionamento entre governo e empresas, através do uso da tecnologia da informação e comunicação de 7/16

8 forma intensiva e estratégica, assumindo o conceito de governo eletrônico, pode ser desenvolvido nos processos de compras governamentais. As práticas de e-business e e-commerce tiveram influência direta nas decisões dos governos em utilizar ferramentas de compras eletrônicas, permitindo racionalizar os processos, reduzir o tempo de aquisição e ampliar o acesso às informações, garantindo transparência para a sociedade. (BERMEJO, 2004, p.12-13) De acordo com Lenk e Traunmüllerv (apud MARTINS, 2004, p.61) o governo eletrônico sob uma perspectiva de processos, engloba uma reformulação da forma de operação dos procedimentos adotados no âmbito das várias esferas do governo, citando, por exemplo, o processo de licitações para compras, que passaria a se desenvolver através de práticas de leilões reversos. Desta forma, entende-se que o governo eletrônico, que foi inspirado nos modelos de e-business e e-commerce das empresas privadas, trouxe uma perspectiva de mudanças e transformações que ocorreriam através do uso de tecnologia da informação, principalmente através da Internet, proporcionando melhorias e desburocratização dos processos de compras governamentais, tornando-os mais ágeis e eficientes. Como a iniciativa privada aderiu rapidamente à economia digital, equipandose com toda uma infra-estrutura de tecnologia da informação, que passou a ser fundamental para as organizações, tornava-se necessário aos órgãos governamentais acompanhar o desenvolvimento tecnológico, revestindo-se de novas soluções. Completando este raciocínio, Zimath (2003, p.87-88) faz o seguinte comentário: As iniciativas voltadas para o setor empresarial, o G2B, surgem para atender uma demanda das organizações atualmente munidas de computadores, sistemas de informações gerenciais, aplicações em comércio eletrônico, intranet, extranet. O e-gov permite o diálogo digital entre empresas e governo, reduzindo custos, promovendo o desenvolvimento de determinados segmentos e regiões e viabilizando negócios. Assim, o Governo pode utilizar as políticas de governo eletrônico, para ajudar a promover, através do G2B, o desenvolvimento tecnológico e econômico do mercado interno, através da união de seu poder de compras governamentais e a utilização de novas tecnologias. No início das ações de G2B, em meados do ano de 1999, poucos portais conseguiram atingir o nível transacional, porém aumentaram-se as iniciativas dos Estados, para buscar através do meio eletrônico, soluções que trariam economia, racionalidade e transparência nos processos de compras governamentais. O resultado desta fase foi uma excelente base de experiências sobre a atuação de diversos governos do mundo, que serviram de aprendizado. Em razão do poder de compra e dos altos valores transacionados pelo governo, juntamente com o fato do portal se estabelecer como canal oficial de compras e publicação de informações de aquisições do país, os fornecedores sentiram-se estimulados a usar a nova tecnologia pelo canal de Internet. 8/16

9 Com o estabelecimento dos portais eletrônicos para compras governamentais, as suas vantagens começaram a ser notória, como a redução de custos, rapidez, transparência e desburocratização. No Brasil uma das ferramentas pioneiras de G2B foi a implantação de sistemas eletrônicos de licitações para a otimização das atividades de compras governamentais, disponibilizadas no âmbito federal por meio do portal denominado Comprasnet Government to Government (G2G) O Government to Government ou G2G, representa as relações de comércio eletrônico entre órgãos governamentais. Abrange desde as atividades realizadas entre diferentes unidades dentro de um organismo de governo até as transações que se estabelecem entre diferentes governos. (TURBAN e KING, 2004, p.246) 2.3 Cadeias de Suprimentos e Redes de Organizações A partir do advento da globalização da economia e a intensificação da competição, as empresas ou organizações passaram a buscar novas estratégias e inovações tecnológicas visando à obtenção de vantagem competitiva no mercado. Nesse contexto, começaram a surgir novos conceitos e formas de organização empresarial, como o gerenciamento da cadeia de suprimentos, alianças estratégicas, parcerias e redes de empresas, cujo embasamento principal está na colaboração e cooperação para aumento da competitividade. A cadeia de suprimentos pode ser entendida como o modo em que as organizações parceiras estão ligadas entre si, e o seu gerenciamento significa a otimização do fluxo dos materiais, informações, dinheiro e serviços ao longo do canal, gerando melhorias de desempenho para todos os participantes. (BALLOU, 2006, p. 28; TURBAN e KING, 2004, p.39) De forma semelhante surgiu o conceito de cadeia de valor, que pode ser entendida como as atividades que executadas por uma empresa para atingir suas metas nos vários estágios do processo produtivo, desde a aquisição dos produtos até a entrega aos clientes. O seu resultado é a geração de valor agregado, com aumento de lucratividade e melhoria do posicionamento competitivo no mercado. (TURBAN e KING, 2004, p.42) De acordo com Porter (2001) a utilização da Internet pode ser incorporada a todas as atividades envolvidas na cadeia de valor. Sendo assim, o comércio eletrônico pode aumentar o valor agregado com a automatização dos processos de negócios, além de aperfeiçoar o fluxo da cadeia de suprimentos. Recentemente, uma outra abordagem bastante difundida entre os relacionamentos das organizações é a de rede de empresas, analisando-se os diversos formatos de alianças, parcerias e colaboração visando o aumento de competitividade. Segundo Paulillo (2000) o conceito de redes de cooperação, tem o objetivo de promover ao conjunto dos atores envolvidos, o aumento da competitividade, sendo assim, a rede seria uma alternativa de organização para otimização das operações, tornando-as mais eficientes e eficazes. 9/16

10 Fusco et al (2005) propõem um modelo de avaliação de competitividade de redes de empresas baseado na análise simultânea das seguintes configurações de redes: Rede Física é baseada nas relações que envolvem o gerenciamento da cadeia de suprimentos, que visa maximizar as sinergias entre todas as partes da cadeia com para servir ao consumidor final mais efetivamente, seja reduzindo custo ou agregando valor. É por meio da rede física que os negócios acontecem concretamente. Rede de Valor é representada pelo conjunto de caminhos para obter as condições objetivas que permitam atender às necessidades do cliente. Seu principal benefício é propiciar um contexto de análise que permita examinar as ligações entre as organizações participantes e identificar o valor que é gerado para os consumidores, criando vantagem competitiva para a companhia. Rede de Negócios é um grupo de negócios que coopera e colabora na procura de novas oportunidades de negócios, envolvendo cooperação entre as empresas para empreender projetos e alcançar os objetivos que cada uma das empresas envolvidas não podem alcançar independentemente. Sacomano Neto e Truzzi (2004) também apresentam outras duas abordagens para o estudo das organizações em redes: As redes como forma de Governança esta abordagem enxerga as redes como um tipo de lógica de organização ou uma forma de governar as relações entre os atores econômicos. Redes como ferramenta analítica com base na sociologia, na teoria das organizações e na ciência política, esta abordagem utiliza as redes como um aparelho analítico para esclarecer as relações sociais, tanto nas relações interorganizacionais quanto no ambiente das organizações. Dentro desse conceito a Figura 3, representa os elementos da caracterização morfológica de uma rede. Figura 3 Aspectos que compõem a Análise das Redes Fonte: adaptado de Sacomano Neto e Truzzi (2004) Dentro desses conceitos apresentados sobre a formação de redes de organizações para obtenção de valor agregado e vantagens competitivas, entendese que a utilização dos negócios eletrônicos por meio da Internet pode formar grandes redes digitais de empresas e promover uma integração mais efetiva na gestão da cadeia de suprimentos. 10/16

11 3. Estudo de Caso: Análise da formação de Redes de Organizações efetivas por meio das ferramentas de E-government do Portal Comprasnet O estudo de caso consistirá na análise das estruturas de redes de organizações que se estabeleceram devido às ferramentas de E-government via Internet constantes no Portal Comprasnet. Serão apontadas as relações atuais entre os atores envolvidos, visando o desenvolvimento de uma nova abordagem teórica para o estudo das redes de organizações e o aperfeiçoamento da cadeia de suprimentos, que é a abordagem das redes digitais, capazes de integrar quaisquer atores independentemente da localização geográfica e realizando todas as transações no meio virtual. Para isso, será apresentado o histórico, desenvolvimento e a estrutura do referido Portal, seguido da análise de formação de redes de organizações por meio digital, devido a utilização dos conceitos de e-government, citando as possíveis vantagens auferidas pelo modelo. 3.1 Histórico e evolução do Portal Comprasnet Em meados de 1998, o Governo Federal brasileiro lançou o site <www.comprasnet.gov.br>, com o objetivo de modernizar as ações de logística governamental através dos benefícios oferecidos pelo canal eletrônico, como a obtenção de maior alcance de divulgação e o fato de se obter mais transparência ou lisura em relação às compras e contratações realizadas pela Administração Pública. O órgão responsável pelo lançamento do portal foi a Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). O desenvolvimento do portal foi uma realização do Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO), que é o órgão responsável pelo seu suporte e manutenção. No início, o portal Comprasnet tinha apenas a função de divulgação de editais e avisos referentes a licitações públicas. Para isto, foi integrado à sua estrutura o Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (SIASG) que é um sistema informatizado de apoio às atividades operacionais no âmbito dos órgãos da Administração Federal direta, autárquica e fundacional, possuindo vários módulos que exercem funções como cadastramento de fornecedores, catálogo de materiais e serviços, divulgação de licitações e registro de preços de bens e serviços. Pouco tempo depois, foram implantadas novas funcionalidades ao portal, permitindo que os usuários acessassem novos serviços, através dos menus de Legislação, Publicações, Fornecedores, Serviços de Acesso Livre, Serviços por Assinatura e o SIASG, que também passou a ser integrado ao site. A partir de 29 de janeiro de 2001, foi implantado o sistema eletrônico de compras através do Pregão Eletrônico, uma nova modalidade de licitação baseada no conceito de leilão reverso via Internet, criada pela Medida Provisória nº 2.026/2000, que posteriormente teve sua autorização na Lei nº de 17 de julho de 2002, e finalmente foi regulamentado em definitivo no âmbito da União pelo Decreto nº de 31 de maio de No atual estágio de desenvolvimento, o objetivo do portal Comprasnet é proporcionar uma visão pública de todas as compras e contratações realizadas pelo 11/16

12 Governo Federal, oferecendo à sociedade, o acesso às informações sobre licitações, legislação e publicações do Ministério do Planejamento, além de permitir o acompanhamento das contratações eletrônicas. Aos fornecedores é disponibilizado o acesso aos avisos e resultados de licitações, a obtenção da íntegra de editais de licitações através de download, o acesso aos serviços do Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (SICAF Web), e a participação dos processos eletrônicos de contratações. Já para os gestores públicos que militam na área de licitações, são disponibilizadas informações sobre preços praticados, catálogos de materiais e consultas. 3.2 Estrutura do Portal Comprasnet Infra-estrutura Em relação à infra-estrutura de hardware, que é fundamental para o serviço de compras eletrônicas do portal, pois é realizado em tempo real, foi implantada uma arquitetura computacional superdimensionada para atender tamanha demanda. De acordo com os técnicos do SERPRO responsáveis pela infra-estrutura e suporte do portal, em condições normais o Comprasnet opera em uma plataforma com menos de 50% de sua capacidade de processamento em horários de pico. Em relação à largura da banda utilizada pelo portal, os técnicos também revelaram que o Comprasnet utiliza apenas 40% de sua capacidade disponível, também em horários de pico O sistema de Pregão Eletrônico A modalidade de compras denominada pregão eletrônico, que funciona como leilão reverso, é desenvolvida em um ambiente de negociação virtual em tempo real (on-line) disponibilizado pelo portal Comprasnet, para realização de compras governamentais, principalmente pelos órgãos e entidades integrantes do âmbito federal, trazendo como principais vantagens: a redução do lead time ou tempo de compra, a racionalização, o aumento da competitividade entre fornecedores, segurança adequada, maior transparência, a instituição de uma ata padronizada, a desburocratização e o aperfeiçoamento dos processos. É importante salientar, que a legislação do pregão eletrônico, não apenas instituiu esta nova modalidade para funcionamento nas autarquias, fundações e empresas de economia mista no âmbito do Governo Federal, mas permitiu que as outras esferas do governo, ou seja, a Estadual e a Municipal, desenvolvessem as suas próprias soluções de portais eletrônicos de compras. Porém, a utilização do portal Comprasnet, também foi disponibilizada de forma gratuita aos estados, municípios e entidades da Administração Federal Indireta, bastando para isso, realizar um procedimento de adesão ao sistema. Para facilitar a adesão destas entidades, o Governo Federal editou em 2005, a Portaria nº 4 (disponível no menu Legislação do site Comprasnet) contendo instruções e formulários que deverão ser preenchidos e enviados ao Ministério do Planejamento. Na atualidade, mais de 400 órgãos municipais, estaduais e federais indiretos, utilizam o portal de compras do Governo Federal para realizarem as suas aquisições de forma totalmente gratuita. 12/16

13 Em relação à eficiência, o Comprasnet é reconhecido internacionalmente, sendo o primeiro sistema de compras públicas na forma eletrônica do mundo, a ser aceito pelo Banco Mundial (Bird) e pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para aquisições envolvendo recursos destas instituições financeiras internacionais. Inclusive, através de um estudo realizado pelo Banco Mundial, entre os anos de 2005 e 2006, na área de compras públicas eletrônicas, o portal de compras brasileiro conseguiu atingir os parâmetros máximos de eficiência, tendo sido considerado como indicadores de avaliação, a transparência na divulgação das licitações e a utilização de métodos licitatórios competitivos. (MPOG, 2006) O módulo de Intenção de Registro de Preços O Decreto Federal nº 3.931, de 19 de setembro de 2001, instituiu uma nova prática nas compras públicas denominada de Sistema de Registro de Preços (SRP), que consiste em um sistema de compras pelo qual, a Administração Pública, por meio de licitação, seleciona a proposta mais vantajosa, sendo que o licitante vencedor registrará o seu preço junto ao órgão competente por um certo período, através de uma ata específica, e a aquisição ou contratação só será realizada quando melhor convier aos órgãos ou entidades que integram a ata. O objetivo principal do SRP é semelhante ao do just-in-time, permitindo ao órgão público deixar o produto que precisa registrado para adquiri-lo no momento mais oportuno. A outra novidade introduzida pelo SRP foi o estabelecimento da possibilidade de diversos órgãos públicos federais poderem se unir de forma colaborativa para a realização de compras, visando a obtenção de ganhos estratégicos, como por exemplo o ganho de escala. Sendo assim, foi desenvolvido no Comprasnet um módulo chamado Intenção de Registro de Preços (IRP), o qual permite que os diversos órgãos públicos que se utilizam do portal, possam registrar o planejamento de compras e contratações pretendidas, visando a formação de parcerias colaborativas entre órgãos que possuem as mesmas necessidades de materiais para realização de compras em conjunto, visando a obtenção de vantagens, como a redução de preços pelo ganho de escala. Todas as etapas de negociação, ajustes e trocas de documentos entre os órgãos são realizadas por meio digital por campos do próprio sistema. 3.3 Análise das redes de organizações digitais promovidas pelos recursos de e-government do Portal Comprasnet O portal Comprasnet reúne todos os conceitos de governo eletrônico, ou seja, realiza o G2B através de transações com empresas fornecedoras de forma totalmente on-line; pratica o G2G a medida em que disponibiliza as informações de licitações de todos os órgãos públicos que utilizam o portal, permitindo interações entre eles para a formação de alianças colaborativas para realização de compras; e propõe intrinsecamente o relacionamento G2C, pois disponibiliza para a sociedade as informações sobre todas as licitações realizadas através do portal, promovendo a transparência e o controle social. Desta forma, o Comprasnet interliga os órgãos do governo, as empresas e a sociedade, permitindo que estes interajam entre si, como pode ser visualizado na Figura 4, apresentada a seguir. 13/16

14 Figura 4 As interações oferecidas pelo Comprasnet Fonte: adaptado de MPOG (2006) Sendo assim, no que se refere ao relacionamento de G2B do Comprasnet, muitos órgãos públicos se relacionam com vários fornecedores por meio do canal da Internet, realizando toda a transação e contratação pela via digital, caracterizando-se o conceito de bolsa de negócios públicos. As principais vantagens são o aumento do número de participantes pela eliminação da barreira geográfica e o conseqüente aumento da concorrência e competitividade entre os fornecedores, o que ocasiona a redução dos preços de contratação e economias aos cofres públicos. Porém, esse tipo de comércio eletrônico gera ligações fracas entre o governo e os fornecedores, já que as sessões são públicas e abertas a quaisquer interessados que atendam ao edital de convocação. Em relação aos aspectos de G2G do Comprasnet, merece destaque a abertura do portal para outras instâncias administrativas, como a estadual e a municipal, que poderão interagir com os serviços e órgãos que utilizam o Comprasnet por meio de uma simples adesão ao sistema. Porém, a principal relação G2G que se verifica no portal, sem dúvida é a estabelecida no módulo IRP, que proporciona o planejamento de aquisições por meio da formação de redes de órgãos governamentais para atuar de forma colaborativa, auferindo vantagens como redução de custos e ganho de escala, além de realizar trocas de experiência e conhecimento por meio dessas inter-relações. E por fim, a relação de G2C existente no portal, permite que a sociedade inserida no contexto digital possa acompanhar todos os atos relativos às compras públicas, averiguando os gastos governamentais, pois as informações ficam disponíveis na Internet para quaisquer interessados, aumentando à transparência e publicidade dos atos. Pode-se dizer, que os cidadãos também são atores conectados às redes digitais envolvendo órgãos públicos, fornecedores e outros sistemas eletrônicos formadas e intensificadas pelas ferramentas de negócios eletrônicos existentes no portal estudado, tendo as suas relações aperfeiçoadas e melhoradas para obtenção de vantagens no uso de tais ferramentas. 14/16

15 4. Considerações Finais ANAIS Foi possível verificar que as ferramentas de negócios eletrônicos, principalmente de comércio eletrônico, implementadas nas atividades governamentais, realmente contribuem para a obtenção de vantagens e melhorais ao longo da cadeia de suprimentos, além de proporcionar o aperfeiçoamento das relações das redes de organizações que se formam. A análise do Portal de Compras do Governo Federal Comprasnet, permitiu visualizar a formação de redes digitais integrando as relações das redes organizacionais envolvidas em torno dos negócios promovidos pelo sistema do portal, assim como, as vantagens e reduções de custos que podem ser obtidas com o modelo. Todas as informações apresentadas também permitem que seja feita uma análise positiva a respeito do Comprasnet, pois o portal reúne ampla variedade de serviços que proporcionam vantagens às empresas fornecedoras do Governo, aos órgãos públicos e à sociedade, além de proporcionar reduções de custos para ambas as partes, e aumentar a competitividade e transparência das compras públicas. Referências BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, BERMEJO, P. H. S. Metodologia para definição de unidades de informação para plataformas de governo eletrônico: uma aplicação à plataforma lattes Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. CARILLO JUNIOR, E. et al. Atualidades na cadeia de abastecimento. São Paulo: Instituto Imam, CEGE. Comitê Executivo do Governo eletrônico. Oficina de planejamento estratégico: relatório consolidado Disponível em: <http://www.governoeletronico.gov.br/governoeletronico/publicacao/down_anexa.wsp?tmp.a rquivo=e1s_243diretrizes_governoeletronico1.pdf>. Acesso em : 25 abr CHING, H. Y. Gestão estratégica de estoques na cadeia de logística integrada. São Paulo: Editora Atlas, CUNNINGHAM, M. J. Business to business: como implementar estratégias de e-commerce entre empresas. Rio de Janeiro: Campus, DEITEL, H. M.; DEITEL, P. J.; STEINBUHLER, K. E-business e e-commerce para administradores. São Paulo: Pearson Education, DERFLER, F. J. E-Business essencial. São Paulo: Makron Books, E-BUSINESS BRASIL. Panorama do uso e tendências do e-procurement no Brasil Cenário Associação Brasileira de e-business, FELIPINI, D. Ecommerce: aplicação máxima da Internet Disponível em: <http//www.e-commerce.org.br/artigos/ecommerce_maxima.htm>. Acesso em: 04 abr /16

16 FELIPINI, D. O e-commerce decola, também no Brasil Disponível em: <http//www.e-commerce.org.br/artigos>. Acesso em: 04 abr FELIPINI, D. O comércio eletrônico B2B Disponível em: <http//www.e-commerce.org.br/artigos/comercioeletronico_b2b.htm>. Acesso em: 04 abr FUSCO, J. P. A. et al. Modelos de redes simultâneas para avaliação competitiva de redes de empresas. São Paulo: Gestão e Produção, v.12, n.2, p , mai.-ago MARTINS, P. G.; ALT, P. R. C. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Editora Saraiva, MARTINS, S. R. Geração automática de textos em plataformas de governo eletrônico: um estudo de caso na Plataforma Lattes Dissertação (Mestrado) Programa de Pós- Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. MPOG. Workflow pregão eletrônico Disponível em: <http://www.comprasnet.gov.br/publicacoes/manuais/apresentacao_workflow_pregao.pdf>. Acesso em: 03 jun NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição (estratégia, operação e avaliação). São Paulo: Editora Campus, PAULILLO, L. F. Redes de poder & territórios produtivos: indústria, citricultura e políticas públicas no Brasil do século XX. São Carlos: UFSCAR, PORTER, M. E. Strategy and the Internet. Harvard Business Review, mar SACOMANO NETO, M. TRUZZI, Configurações estruturais e relacionais da rede de fornecedores: uma resenha compreensiva. R.Adm. São Paulo, v.39, n.3, p , jul SILVA NETO, A. N. Modelo conceitual de verificação do alinhamento entre as estratégias de negócios, de TI e de comércio eletrônico por meio do perfil do site web da organização Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. TURBAN, E.; KING, D. Comércio eletrônico: estratégia e gestão. São Paulo: Prentice Hall, VENETIANER, T. Como vender seu peixe na Internet: um guia prático de marketing e comércio eletrônico. Rio de Janeiro: Campus, WILLECK, R. Governo eletrônico na mídia on line: análise da repercussão das iniciativas de e-gov em publicações jornalísticas na web Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. ZIMATH, P. M. B. O e-gov como fator de promoção do exercício da cidadania no Brasil Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 16/16

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas Governo Eletrônico Capítulos 1, 2 e 3 do Livro Verde Leandro Carioni Cenário Futuro E-business E-Group E-Commerce E-Government

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil

Governo Eletrônico no Brasil Governo Eletrônico no Brasil João Batista Ferri de Oliveira Natal, 18 de Setembro de 2009 II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal Estrutura da apresentação Estrutura organizacional Diretrizes Principais

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

Adequação dos Fornecedores

Adequação dos Fornecedores Melhores Práticas em E-Procurement Adequação dos Fornecedores Paulo Afonso dos Santos Abril, 2005 Promover o fortalecimento das competências tecnológicas Adotar práticas de e-business visando a redução

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Keila Michelly Bispo da Silva 2, Starlone Oliverio Passos 3,Wesley Vaz 4 Resumo: O processo de compras governamentais

Leia mais

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Tópicos: ü e- business ü e- commerce ü e- procurement ü e-

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre

COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre E-COMMERCE x E-BUSINESS E-COMMERCE processos pelos quais consumidores, fornecedores e

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Navegando pela área de livre acesso...4 3. Navegando pela área de ACESSO SEGURO...6 A. Instalando o Certificado de Segurança...6 B. Fazendo Cadastramento nos Serviços

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Gestão e Controle nas Contratações Governamentais

Gestão e Controle nas Contratações Governamentais Gestão e Controle nas Contratações Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Logística e Serviços Gerais Brasília

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Sistemas de Informações e o Uso comercial

Sistemas de Informações e o Uso comercial ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ASI Elabora por Prof.Mestra Rosimeire Ayres Conectan a Empresa à Rede Intranet Internet Extranet B2B B2C B2E C2C As empresas estão se tornan empresas conectadas

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar AGOSTO/2015 LINHA DE APRENDIZADO Departamento de Compras Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Central de Compras Modelo de Negócio Fundada há 120 anos. Atendimento de média e alta

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos.

Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos. 1 2 Este capítulo tem por objetivo apresentar os principais modelos de aplicações de comércio eletrônico e exemplos de aplicação dos mesmos. O comércio eletrônico é um gigante que movimentou no comércio

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA

Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA Gnatus inova e simplifica gestão com SAP Business Suite powered by SAP HANA A Gnatus é uma importante fabricante de equipamentos odontológicos e precisava sustentar seu crescimento em um ambiente de alta

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais