Centro de Bioética do Cremesp ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA. CREMESP Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro de Bioética do Cremesp ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA. CREMESP Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo"

Transcrição

1 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Centro de Bioética do Cremesp CREMESP Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo

2 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA CREMESP Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo 2013

3 Atestado Médico Prática e Ética Publicação do Centro de Bioética do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) Rua Domingos de Morais, Vila Mariana São Paulo SP CEP: Tel: (11) Coordenação Gabriel Oselka Elaboração Grupo de Apoio às Comissões de Ética Médica (Gacem) Organização geral, Edição e Revisão Concília Ortona (MTb ) Diretor do Departamento de Comunicação do Cremesp João Ladislau Rosa Coordenador do Centro de Bioética Reinaldo Ayer de Oliveira Diagramação José Humberto de S. Santos Revisão BK Consultoria e Serviços Ltda Apoio Bibliográfico Dinaura Paulino Franco Apoio Administrativo Laura Abreu Atestado médico prática e ética. / Coordenação de Gabriel Oselka. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, p. 1. Atestado médico 2. Ética médica I. Oselka, Gabriel (coord.) II. Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo III. Título NLM W50

4 Para Sérgio Gomes de Souza, com carinho e saudade

5

6 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Apresentação O atestado médico é um dos documentos mais comuns no repertório de nossa profissão, ao lado do prontuário e da ficha de atendimento. Ao longo da carreira, é possível perder a conta de quantos pacientes o requisitaram alegando motivações diversas, que vão da necessidade de afastamento do trabalho por doença a situações mais graves, como a perda de um ente querido, falando-se em declaração de óbito. Por curioso que pareça, a frequência com que são solicitados a emitir atestados leva boa parte dos médicos a, de maneira equivocada, fazêlo de forma automática, sem questionar quais são as particularidades práticas e éticas envolvidas nesse universo tão pouco discutido na formação acadêmica. Práticas porque, entre outros pontos, o atestado resulta de um ato médico realizado sendo, portanto, parte deste. Dissociar o documento do atendimento é cometer ilícito ético passível de punição junto aos Conselhos de Medicina. Éticas, pois o que pode parecer um simples relato das condições de saúde envolve questões relacionadas, como o sigilo e a relação médico-paciente, devidamente sedimentadas ao longo da história da medicina. De maneira oportuna e corajosa, o Centro de Bioética do Cremesp, por meio do Grupo de Apoio às Comissões de Ética Médica (Gacem), dedicou anos ao debate e à reflexão desse assunto tão pouco explorado e, ao mesmo tempo, tão presente no dia a dia da profissão. O resultado materializou-se nesta obra que ora tenho o orgulho de apresentar. 5

7 APRESENTAÇÃO Atestado Médico Prática e Ética destina-se a esclarecer dúvidas pontuais, de vários âmbitos, surgidas no momento do preenchimento do atestado. Ou seja, não tem a intenção de se tornar a última palavra sobre o tema, pois se trata de algo dinâmico, em constante construção a partir da rotina dos atendimentos. O livro é oferecido como lembrete útil, no sentido de os médicos agirem corretamente ao emitir o documento, seja para pacientes, familiares, colegas ou autoridades sanitárias. Enfim, atuarem de forma adequada em relação à sociedade em geral, que ainda vê a carreira médica como exemplo de conduta adequada e retidão de caráter. Boa leitura! Renato Azevedo Júnior, presidente do Cremesp 6

8 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Índice INTRODUÇÃO 15 O ATESTADO MÉDICO 17 Vários atestados, várias finalidades 17 Classificação legal específica sobre atestados 18 Atestado e declaração 18 Valorize o atestado 18 Motivos para a devolução 19 O carimbo não é obrigatório 19 Algumas definições sobre documentos médicos 21 ATESTADO PARA PORTADOR DE DOENÇA 23 Justificar falta ao trabalho 23 Justificar falta à escola 24 Comprovar deficiência para admissão em emprego 24 Avalizar viagem aérea de passageiros especiais 25 Atender exigência de rede pública 26 Isenção do imposto de renda 26 Transporte gratuito 27 Liberação do IPI, IOF e outros impostos 28 Emissão para o não uso do cinto de segurança? 29 ATESTADO DE SAÚDE 31 Prática de atividade física ou esportiva 31 As academias e os atestados 32 Atendimento inicial 33 Par-Q 33 Exames 34 Atestado de saúde ocupacional 35 7

9 ÍNDICE Esquema representativo das finalidades dos atestados 35 Modelo de atestado de saúde 36 Modelo de atestados para portador de doença 36 A CID nos atestados 37 Alguns equívocos 38 Dilemas éticos 38 Referências bibliográficas 43 SIGILO MÉDICO 47 Sigilo e segredo 48 Pilar da medicina 48 Normas éticas e legais 49 Quebra de sigilo 50 Revelação por solicitação de autoridade 52 A CID 10 e o sigilo 52 Algumas resoluções 54 Alguns pareceres 55 Formulário de notificação compulsória 57 Alguns equívocos 58 Dilemas éticos 58 Referências bibliográficas 61 ATESTADOS VINCULADOS AO TRABALHO 63 Saúde ocupacional 63 Preenchimento do ASO 63 Exames ocupacionais 65 Atestado para o afastamento do trabalho 66 Quem arca? 66 Esquema representativo de atestado para afastamento 67 Quem é o médico do trabalho? 68 Atestado para não se afastar do trabalho 68 Declaração de comparecimento 68 Declaração para acompanhante 69 Atestado médico e perícia 69 Quem é o médico perito? 70 Funções 70 Capacidade X aptidão: conflitos 71 PCMSO 73 Alguns equívocos 75 Dilemas éticos 75 Referências bibliográficas 78 8

10 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA ATESTADOS PARA GESTANTES 81 Licença-maternidade 81 Licença para amamentar 82 Viagem aérea 83 Regras de uma grande companhia aérea internacional 83 Regras de uma grande companhia aérea nacional 84 Modelo de atestado para que grávidas possam voar 85 Prática de exercícios 86 Alguns equívocos 87 Dilemas éticos 87 Referências bibliográficas 89 ATESTADO DE ÓBITO 91 Pequeno histórico 92 A quem se destina a declaração de óbito? 92 Fundamentos legais e deontológicos 93 Preenchimento 97 Causa da morte 98 Tira-dúvidas sobre o preenchimento 99 Emissão 100 Médico assistente do falecido? 101 Morte violenta 101 Morte sem assistência 102 Localidade onde não há médicos 103 Atendimento por não médico 103 Situações especiais 104 Declaração de nascido vivo 106 Modelo de declaração de óbito 108 Esquema representativo sobre os destinos do cadáver 110 Glossário 111 Alguns equívocos 114 Dilemas éticos 114 Referências bibliográficas 117 ATESTADOS ENVOLVENDO O MÉDICO E AS SEGURADORAS 119 Referências bibliográficas 125 ANEXOS 127 9

11

12 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Autores Sérgio Gomes de Souza (in memoriam) Ginecologista e obstetra pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP); mestre em Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP); delegado da Delegacia Metropolitana da Zona Oeste do Cremesp (até maio de 2012). Airton Gomes Médico e advogado; doutor em Medicina pela Universidade de São Paulo; delegado superintendente da Delegacia Regional de Santo André do Cremesp. Carlos Alberto Pessoa Rosa Especialista em Cardiologia e Clínica Médica; membro da Câmara Técnica de Cardiologia do Cremesp; delegado da Delegacia Regional de Bragança Paulista do Cremesp. Enrico Supino Especialista em Medicina do Trabalho, Medicina Legal e Perícia Médica; vice-presidente da Associação dos Médicos Peritos da Previdência de São Paulo; delegado da Delegacia Metropolitana da Vila Mariana do Cremesp. 11

13 AUTORES Gabriel Oselka Pediatra; professor associado do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FMUSP; coordenador do Centro de Bioética do Cremesp (de 2002 a 2012). Jarbas Simas Médico perito e do trabalho; advogado e mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC-SP; delegado superintendente da Delegacia Metropolitana da Vila Mariana do Cremesp. Lisbeth Afonseca Ferrari Duch Neurocirurgiã pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo; especialista em Bioética pelo Instituto Oscar Freire, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP); delegada superintendente da Delegacia Metropolitana da Zona Oeste do Cremesp. Mário Jorge Tsuchiya Médico Legista; diretor do Núcleo de Antropologia Forense do Instituto Médico Legal de São Paulo; professor colaborador do curso de Especialização em Medicina Legal e Perícias Médicas da Faculdade de Medicina USP; delegado da Delegacia Metropolitana da Vila Mariana do Cremesp. Mário Mosca Filho Especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas; presidente da Sociedade Paulista de Medicina Legal e Perícias Médicas; membro da Câmara Técnica de Medicina Legal e Perícias Médicas do Conselho Federal de Medicina; delegado da Delegacia Metropolitana da Vila Mariana do Cremesp. 12

14 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Marly Aparecida L. A. Mazzucato Oncologista Clínica; especialista em Medicina do Trabalho, Saúde Pública e Administração Hospitalar; pós-graduada em Gestão Pública e Gestão do SUS; delegada da Delegacia Metropolitana da Vila Mariana do Cremesp. Max Grinberg Diretor da Unidade Clínica de Valvopatia do InCor HC FMUSP; coordenador do Espaço Proética do InCor HC FMUSP; delegado da Delegacia Metropolitana da Vila Mariana do Cremesp. Nabil Ghorayeb Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; doutor em Cardiologia FMUSP, pós-doutorado no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia USP; delegado da Delegacia Metropolitana da Vila Mariana do Cremesp. Rosany Pimenta Urologista pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FMUSP; delegada da Delegacia Metropolitana da Vila Mariana do Cremesp. 13

15

16 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Introdução Quem nunca se deparou (e se constrangeu) com a situação de um parente, amigo ou vizinho pedindo atestado médico para abonar falta ao serviço ou à escola, ou declaração destinada a permitir o sepultamento de conhecido idoso que morrera em casa? Obviamente, mais do que uma gentileza, o documento corresponderá a uma obrigação profissional, no caso de o favorecido haver passado por exame clínico capaz de justificar a sua emissão. Só que, na prática, não é infrequente os médicos serem abordados para dar atestado sem o exame clínico, como se o mesmo fosse algo banal e livre de implicações éticas, legais e práticas, entre outras. É fato que, apesar de fazer parte da rotina dos médicos tanto quanto jaleco e estetoscópio, a emissão de atestados continua gerando dúvidas de várias naturezas tanto aos que procuram o atendimento médico como aos próprios colegas. Podemos citar algumas, como a obrigatoriedade (ou não) de se informar o diagnóstico no próprio documento; aquelas vinculadas às finalidades específicas de cada tipo de atestado; ou as questões relacionadas à revalidação de atestado emitido por colega. Aliás, a indignação gerada ao formular parecer referente à revalidação de documento de um par foi o ponto de partida para que nosso colega e amigo Sérgio Gomes de Souza, delegado metropolitano do Cremesp da Zona Oeste, insistisse, junto aos companheiros do Grupo de Apoio às Comissões de Ética Médica (Gacem), para que o grupo considerasse condição sine qua non debruçar-se sobre esse tema complicado. 15

17 INTRODUÇÃO Sugestão aceita, o Gacem dedicou os últimos três anos de atividades à elaboração do livro Atestado Médico Prática e Ética, grande desafio, considerando-se a carência de literatura ou de consensos capazes de estruturar atestados ao mesmo tempo completos de informações e embasados em fundamentos éticos. Na obra, de maneira até tímida e em linguagem simples, o Gacem procurou abarcar os vários tipos de atestados voltados à saúde, tais como os destinados à prática de atividades físicas e laborais; à doença, usados para o afastamento ao trabalho; e obtenção de direitos previdenciários, além do atestado de óbito. Reforçou, ainda, eventuais diferenças de definição entre atestados, relatórios, declarações, boletins, laudos etc., incluindo também capítulos dos quais não se deve fugir, vinculados ao sigilo e ao segredo médico, e aspectos sobre a emissão de atestados às empresas seguradoras de saúde. Como o livro é fruto do trabalho do Centro de Bioética, como não poderia deixar de ser, os capítulos são finalizados com particularidades éticas presentes em cada modalidade de documento. Em meio ao entusiasmo e ao prazer, presentes em todos os membros do grupo, pela finalização de mais uma tarefa, é doloroso, mas necessário, lembrar que infelizmente o grande entusiasta da obra nos deixou subitamente em maio de 2012, e não pôde ver (pelo menos presencialmente) a concretização de sua ideia, o que não diminui sua participação fundamental nessa empreitada. Serginho, esse vai para você, com nosso carinho, respeito e saudades. Grupo de Apoio às Comissões de Ética Médica Gacem 16

18 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA O atestado médico Documento de fé pública, o atestado é parte integrante do atendimento portanto é direito do paciente solicitá-lo e tem como função básica confirmar a veracidade de um ato médico realizado. Para Souza Lima (1904) (1), criador do ensino prático da medicina legal, o atestado ou certificado médico é a afirmação simples, por escrito, de fato médico e suas consequências. Concordam Croce e Croce Jr. (1995) (2) : trata-se de documento indicativo de uma atestação, no qual se afirmam fatos ou situações que têm uma existência, uma obrigação. A responsabilidade pela emissão do atestado médico é de profissional ativo devidamente habilitado e inscrito no CRM, que deve confeccioná-lo em receituário próprio e sem rasuras, garantindo sua validade legal, e com letra legível (ou digitado em computador), atendendo aos objetivos ético e prático de ser entendido corretamente pelo paciente, bem como pela pessoa e/ou a instituição a qual o documento se destina. Vários atestados, várias finalidades Os atestados médicos são documentos bem definidos, mas podem variar conforme suas finalidades, sendo que é o paciente (ou seu representante legal) quem determina seu uso. Os tipos mais frequentes são: Atestado de Portador de Doença (que pode agregar, entre outros, atestado de comparecimento ou o destinado ao acompanhante, ambos fornecidos de acordo com o livre arbítrio do médico). 17

19 O ATESTADO MÉDICO Atestado de Saúde ou de Sanidade. Atestado de Óbito. Classificação legal específica sobre atestados Entre outras, vale a pena destacar uma das classificações legais específicas de atestados médicos (2). É ela: Oficiosos (ausência do trabalho e aula): geralmente solicitados pelo paciente a fim de provar a existência de algum problema de saúde que levou à sua ausência em suas obrigações estudantis e/ou laborais. Administrativos (licença e abono de faltas): interessam ao servidor público para fins de licença, aposentadoria ou justificativa de faltas. Judiciários: solicitados pelo juiz e interessam à administração da justiça. Atestado e declaração Uma das dúvidas comuns refere-se à existência de diferenças entre atestado médico e declaração médica. De acordo com o dicionário Michaelis, o ato de declarar corresponde a dar a conhecer, expor, manifestar e até confessar, entre outros significados. Já atestar vincula-se a certificar por escrito ; testemunhar ; demonstrar e provar. Pela falta de clareza quanto às diferenças entre os termos há quem considere tratar-se da mesma coisa ou, ao contrário, que atestado médico conta com mais validade ética e legal do que a declaração médica ou vice versa. Na avaliação do Cremesp (3), atestados e declarações médicas contam com o mesmo peso ético. Isso significa que inverdades e imprecisões em qualquer um dos dois podem acarretar em infrações à ética. Essa é apenas uma das várias controvérsias envolvendo tal universo. Veja algumas definições nas páginas 21 e 22. Valorize o atestado! Tão importante sob os pontos de vista ético, legal e prático, ainda hoje há quem não credite ao atestado seu devido valor. Quem já não ouviu pacientes e até colegas! se referirem ao atestado como um 18

20 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA documentozinho sem importância? Isso é inadmissível, pois, ao desvalorizá-lo, até de maneira inconsciente, o médico passará a não dedicar a devida atenção ao preenchê-lo, possibilitando uso questionável e conteúdo inverídico. Saliente-se: se os próprios médicos agem assim, como poderão exigir que pacientes, atendidos, familiares e seus advogados, entre outros, confiem no documento? Motivos para a devolução Durante levantamento realizado em uma cidade do Interior de São Paulo sobre os principais motivos de recusa e devolução de atestados, foram identificados problemas básicos na confecção do documento, como: Falta de assinatura do médico. Falta do nome e do CRM do profissional. Ausência da especificação sobre dias de afastamento. Estar ilegível. A ausência da Classificação Internacional de Doenças (CID) motivou algumas devoluções de atestados. Porém, como observado nas páginas 37 e 52, a atitude não é justificada: longe de ser exigência, a revelação do diagnóstico sem a autorização do paciente é quebra de sigilo. O carimbo não é obrigatório O hábito entre os profissionais de bater seus carimbos em receituários e atestados surgiu para que fossem evitadas determinadas confusões: em passado recente, a letra de médico era vista pelos leigos como hieróglifo (sinal de escrita de civilizações antigas). O hábito foi estimulado ainda pela questão histórica cartorial no Brasil. Parte da cultura de exigir-se o carimbo surgiu ainda da tradição burocrática vigente entre os brasileiros, segundo a revista da Associação Médica Brasileira (4). Instrumento de uso pessoal, o carimbo tem a finalidade de simplificar o trabalho do médico em sua identificação obrigatória, por conter nome e número de CRM. Apesar da praticidade, seu uso não é obrigatório, desde que haja, no documento expedido pelo médico, a possibilida- 19

21 O ATESTADO MÉDICO de de identificá-lo como emissor. Assim, é perfeitamente substituível por simples assinatura e grafia do número de CRM, conforme esclarece resolução do CFM (5). Parecer do Cremesp (6) lembra o quanto é descabida a obrigatoriedade até porque qualquer pessoa pode mandar fazer um carimbo de médico com CRM falso. Portanto, o carimbo não dá ao documento nenhuma prova de autenticidade. O que se exige é que os documentos médicos tenham a assinatura do médico, seu nome e número de CRM legíveis, podendo isso ser feito de próprio punho ou através de carimbo, especifica o parecerista. Da mesma forma, em notificação de receitas correspondentes ao receituário azul (usado na prescrição de psicotrópicos, anorexígenos e ansiolíticos, entre outros), não é necessário constar o carimbo: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) exige apenas a identificação do profissional médico emissor, no campo emitente, com o endereço de seu consultório. Nesse caso, o uso do carimbo para a identificação de assinatura, contendo o número do registro profissional, acontece caso tal número não esteja devidamente impresso no campo emitente. 20

22 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Algumas definições sobre documentos médicos São documentos emitidos por profissional habilitado, que contam com fé pública e, por isso, precisam representar a expressão da verdade sobre ato realizado. Correspondem basicamente ao/à: Atestado médico: resume-se na declaração pura e simples, por escrito, de um fato médico e suas consequências. (...) A utilidade e a segurança do atestado estão intrinsecamente vinculadas à certeza de sua veracidade (2). Outra visão sobre atestados dá conta tratar-se de relato escrito e singelo de uma dedução médica e seus complementos, cuja finalidade é sintetizar, de forma objetiva e singela, o que resultou do exame feito em um paciente, sugerindo um estado de sanidade ou um estado mórbido, anterior ou atual, para fins de licença, dispensa ou justificativa de faltas ao serviço, entre outros (2). Declaração de Óbito (DO): documento que confirma o óbito, fornecido pelo médico a paciente ao qual vinha prestando assistência (exceto em situações específicas). Possui a finalidade de definir uma causa mortis e responder aos interesses de ordem legal, ética e médico-sanitária, sendo considerado como o documento-base do Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde (SIM/MS) (7). As estatísticas de mortalidade são produzidas com base na DO emitida pelo médico. Além da sua função legal, os dados de óbitos são utilizados para conhecer a situação de saúde da população e gerar ações visando à sua melhoria. Para tanto, devem ser fidedignos e refletir a realidade. Certidão de Óbito: também conhecida como Certificado de Óbito é o documento emitido pelos cartórios, utilizando os dados constantes na Declaração de Óbito. 21

23 O ATESTADO MÉDICO Laudo médico: termo comumente utilizado para a interpretação de exame complementar, ou resultado de perícia médica, elaborado por médico. O laudo médico, a priori, não é instrumento, isoladamente, para definir gozo de licença para tratamento de saúde. Relatório médico: descrição escrita, minuciosa e circunstanciada de fatos clínicos ocorridos e decorrentes de um ato ou atendimento médico. Boletim médico: documento escrito com uma breve notícia, podendo ser diária, que expõe ao público a condição e a evolução clínica e terapêutica de um paciente geralmente internado. 22

24 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Atestado para portador de doença Documento fornecido a partir de pedido do paciente ou seu representante legal, tem a função de sintetizar, de forma direta e clara e para fins objetivos, a conclusão do atendimento médico, expressando a existência de um estado mórbido anterior ou atual. A finalidade do atestado médico para portador de doença é específica, ou seja, não cabe a utilização da expressão atesto para os devidos fins. Pode ser usado para fins como: Falta ao trabalho. Falta à escola. Comprovar deficiência física em admissão de emprego. Viagem aérea, a pacientes especiais. Declarar a incapacidade de familiar, entre outros. Justificar falta ao trabalho Trata-se de documento fornecido por médico (ou por odontólogo), depois de exame clínico (e, se necessário, realização de exames laboratoriais ou de imagem), afirmando que o trabalhador está acometido por doença que o impede de comparecer ao trabalho por tempo determinado. O diagnóstico, por meio de CID (Classificação Internacional de Doenças), por tratar-se de sigilo médico, só será colocado no atestado se o paciente, devidamente esclarecido sobre as implicações, autorizar. A autorização do paciente é necessária inclusive se a revelação da CID for solicitada pelo médico do trabalho. 23

25 ATESTADO PARA PORTADOR DE DOENÇA O atestado para afastamento do trabalho será abordado, em profundidade, no capítulo Atestado para fins trabalhistas, pág. 63. Justificar falta à escola Quando o aluno precisar ser afastado da escola para um tratamento de saúde, o médico será o responsável por fornecer um atestado ou declaração constatando tal necessidade. O documento só poderá ser emitido depois de um exame físico, e, dependendo da situação, por exames complementares. Conterá apenas a quantidade de dias que o aluno precisa para se restabelecer e, se solicitado pelo paciente e/ou responsáveis, o diagnóstico, sempre orientando o interessado das implicações quanto a quebra do sigilo médico. Em situações muito particulares, em que a revelação do diagnóstico é importante por colocar em risco a comunidade, cabe ao médico esclarecer os pais, comunicar a Vigilância Sanitária em caso de doenças de comunicação obrigatória e buscar uma ponte com o serviço médico da escola (se houver), para que se tomem as providências necessárias. Por que os atestados para dispensa das atividades escolares são solicitados com frequência aos médicos? Estudos indicam que crianças e adolescentes que frequentam escolas apresentam mais chances de contrair doenças como infecções respiratórias das vias aéreas superiores (resfriados, faringites e sinusites) e inferiores (bronquites, bronquiolites e pneumonias), otite média e doenças diarreicas transmitidas por contato direto ou indireto, por ingestão de água ou alimento contaminado, entre outras. Comprovar deficiência física em admissão em emprego Lei Federal (8) estabelece cotas de 2% a 5% de cargos a trabalhadores reabilitados, ou com algum tipo de deficiência física, para o desempenho de funções compatíveis. Nesse caso, depois de exame clínico, cabe ao médico assistente elaborar documento confirmando o diagnóstico e suas implicações, que subsidiará a conduta do médico do trabalho da empresa e/ou da instituição, no sentido de comprovar a deficiência física. 24

26 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA Isso significa que, apesar de o médico assistente desempenhar um papel importante de apoio ao médico do trabalho, é o atestado fornecido pelo segundo que terá legitimidade para fins trabalhistas. Veja capítulo específico sobre Atestados para fins trabalhistas, pág. 63. Avalizar viagem aérea de passageiros especiais Passageiros considerados especiais ou aqueles que necessitarem de cuidados médicos específicos durante as viagens poderão ser solicitados a providenciar documentos médicos que deixem claro à empresa aérea o grau da deficiência, e, eventualmente, o tipo de assistência a ser dispensada antes, durante ou imediatamente após o voo. Conforme o manual Guia Anac 2009 (9), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), são considerados passageiros com necessidades de assistência especial portadores de deficiência e pessoas com mobilidade reduzida, entre outros. Idosos a partir de 60 anos; pessoas com crianças de colo; e crianças desacompanhadas também são consideradas especiais, mas quando saudáveis, não necessitarão de documento médico para viajar. Outro grupo considerado especial é o das mulheres em fim de gestação, condição sobre a qual não há consenso entre as companhias, e que será melhor abordada em capítulo específico. Apenas a título de exemplo, pode-se citar como atua uma grande companhia aérea internacional, e uma nacional, no transporte de gestantes em final de gravidez. Veja boxes nas págs. 83 e 84. A avaliação sobre o estado físico do paciente e, em consequência, a emissão do atestado devem ser motivadas a pedido do solicitante em um período de quatro a seis semanas antes da viagem. Para evitar problemas na hora do embarque, a Anac recomenda que, no ato da reserva (ou, pelo menos, 48 horas antes da viagem), o passageiro notifique a deficiência (ou outras condições especiais) à empresa escolhida, possibilitando que sejam adotadas providências, como designar funcionários habilitados para auxiliar; liberar lugares extras; e disponibilizar materiais necessários incluindo o transporte até a aeronave, se for o caso. 25

27 ATESTADO PARA PORTADOR DE DOENÇA Vale lembrar que, quando a dependência for muito elevada (e se o paciente realmente precisa ou quer viajar), talvez seja necessário o acompanhamento de um médico e/ou um enfermeiro. Atender à exigência de rede pública Há pacientes que, por motivo de doença, deficiência ou condição especial, solicitam aos seus médicos atestados destinados à isenção de Imposto de Renda, à obtenção de passe livre da SPTrans e à liberação do IPI para compra de veículos, entre outras demandas. Nada impede o fornecimento de tal documento. Porém, é possível que seja necessária avaliação física por médico do serviço público, que atuará como perito médico daquele paciente, cabendo a ele o fornecimento de um laudo pericial, se comprovada a condição capaz de levar à isenção. Em boa parte dos casos, além do atestado do colega, o perito aceitará relatório detalhado, no qual serão indicados o diagnóstico e os detalhes do tratamento, úteis para subsidiar sua decisão. Por princípio legal (e não ético), tal validação de opinião e de documento ou reavaliação objetiva garantir que os dados mencionados anteriormente pelo médico assistente são verdadeiros. Ainda que esteja com o relatório em mãos, o perito pode solicitar outros documentos e exames, que comprovem o diagnóstico e a terapêutica, realizados até aquele momento. Isenção do imposto de renda Portadores de doenças graves, bem como os vitimados por acidente em serviço e portadores de moléstia profissional, ficarão isentos de pagar Imposto de Renda sobre rendimentos relativos à aposentadoria, à pensão ou à reforma, de acordo com a Lei (11, 12). As doenças que permitem essa modalidade de isenção são: AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida); alienação mental; cardiopatia grave; cegueira; 26

28 ATESTADO MÉDICO PRÁTICA E ÉTICA contaminação por radiação; doença de Paget em estados avançados (osteíte deformante); doença de Parkinson; esclerose múltipla; espondiloartrose anquilosante; fibrose cística (mucoviscidose); hanseníase; nefropatia grave; hepatopatia grave; neoplasia maligna; paralisia irreversível e incapacitante; tuberculose ativa. Para ter direito ao benefício, o contribuinte precisará apresentar à fonte pagadora (Instituto Nacional do Seguro Social/INSS; Instituto de Pagamentos Especiais de São Paulo/Ipesp; e Instituto de Previdência Municipal de São Paulo/Iprem) laudo pericial emitido por serviço médico oficial da União, Estados, ou municípios. Vale lembrar que, se a doença puder ser controlada, o laudo deverá mencionar o tempo de tratamento, pois a isenção só será válida durante esse período. Nesses casos, a pedido do paciente, o médico assistente poderá emitir atestado ou relatório capaz de fundamentar a isenção ou seja, explicando a situação clínica do atendido, que será analisado pelo órgão mantenedor do benefício. Transporte gratuito (passe livre) A SPTrans emite o Bilhete Único Especial, válido por 2 anos, que garante o transporte gratuito, nos veículos públicos municipais (ônibus e microônibus) e metropolitanos (Metrô e CPTM), às pessoas com deficiência física, visual, auditiva, mental e/ou intelectual, temporária ou permanente, residentes na cidade ou na Região Metropolitana de São Paulo. Entre os documentos necessários para a obtenção de tal benefício, está o Relatório Médico, válido por 60 (sessenta) dias a partir da data de emissão, 27

Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO. Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP

Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO. Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP Documento de fé pública, é parte integrante do atendimento e tem como função confirmar a veracidade de

Leia mais

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA)

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA) ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA) Recebi o diagnóstico de ELA e agora? Orientações básicas sobre direitos previdenciários Esta cartilha surgiu com a intenção de esclarecer dúvidas frequentes, quando

Leia mais

IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA

IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA Instrução Normativa SRF 15, de 6/2/2001 O que é? Os portadores de câncer (neoplasia maligna) estão isentos do Imposto de Renda relativo aos rendimentos de

Leia mais

Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Projeto de Lei N.º, de 2012 (do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Altera o art. 186, da Lei 8.112/90 e o art. 151 da Lei 8.213/91 O Congresso Nacional decreta: Art. 1º - O 1º, do art. 186, da Lei 8.112/90, passa

Leia mais

Processo nº 13854.720271/2014-90 Parecer SARAC/DRF/DOU/MS nº 31/2015

Processo nº 13854.720271/2014-90 Parecer SARAC/DRF/DOU/MS nº 31/2015 Processo nº 13854.720271/201490 Parecer SARAC/DRF/DOU/MS nº 31/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM DOURADOS MS Seção de Arrecadação

Leia mais

Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel.

Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel. Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel. Isenção de IPI As pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental severa ou profunda, ou autistas, ainda

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários APRESENTAÇÃO DE ATESTADO À CHEFIA IMEDIATA As licenças

Leia mais

www.cuiaba.mt.gov.br

www.cuiaba.mt.gov.br www.cuiaba.mt.gov.br COLABORADORES DA PERÍCIA MÉDICA SETOR MÉDICO: Dr. george salvador brito alves lima - assessor téc. em perícia médica dr. jaime pereira frank - assessor téc. em perícia médica SETOR

Leia mais

Sistel Presente Rio de Janeiro/RJ

Sistel Presente Rio de Janeiro/RJ Sistel Presente Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro, outubro de 2012 Depois de tanto trabalho, enfim um tempo para organizar as coisas da vida... Por onde começar? Regularizando a papelada sucessão hereditária

Leia mais

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro;

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro; Prezado Beneficiário, Para melhor apoiá-lo neste momento, encaminhamos abaixo todos os formulários e documentos necessários, bem como a orientação de como realizar o envio desses documentos. Procedimentos

Leia mais

Informações sobre Aposentadoria

Informações sobre Aposentadoria MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral do Serviço Exterior Departamento do Serviço Exterior Informações sobre Aposentadoria Departamento do Serviço Exterior Divisão de Pagamentos Esplanada

Leia mais

INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> INDICE >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> INTRODUÇAO... OBRIGATORIEDADE... NOVAS REGRAS... DESPESAS DEDUTIVEIS... DECLARAÇÃO DE BENS E DÍVIDAS... DOENÇA GRAVE... PRAZO

Leia mais

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou?

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? CÓDIGO DE ÉTICA Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ruth Virgolino Chefe da DIPOC/DIRSAT/INSS CÓDIGO DE ÉTICA NOVO CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA MÉDICA DO INSS Código de

Leia mais

ACORDO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL - JAPÃO

ACORDO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL - JAPÃO ACORDO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL E JAPÃO 63 ACORDO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL - JAPÃO Acordo internacional Brasil/Japão, que foi assinado em 29 de julho de 2010 e entrou em vigor em 1º de março de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se redigir ação declaratória, cumulada com ação de repetição de indébito, endereçada à justiça federal. Fundamento de mérito: art. 6.º, inciso XIV, da Lei n.º 7.713/1988, com a redação

Leia mais

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR A Lei n.º 11.053, de 29 de dezembro de 2004, trouxe

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CÓDIGO PENAL Artigo 154. Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena detenção,

Leia mais

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio.

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Prezado (a) cliente: Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Procedimentos para envio dos documentos de

Leia mais

DIREITOS DOS PACIENTES COM CÂNCER. Palestra CION/2014

DIREITOS DOS PACIENTES COM CÂNCER. Palestra CION/2014 DIREITOS DOS PACIENTES COM CÂNCER Palestra CION/2014 nagilasauaia@hotmail.com FGTS a) direito de levantar FGTS: 1) trabalhador com neoplasia maligna (câncer) e 2) qualquer trabalhador que tenha dependente

Leia mais

ASSUNTO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO IRRF MOLÉSTIA GRAVE

ASSUNTO: PEDIDO DE RESTITUIÇÃO IRRF MOLÉSTIA GRAVE MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM MACAPÁ SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA - SAORT PROCESSO Nº PARECER x INTERESSADO CNPJ/CPF

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA ESTUDO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA Sandra Cristina Filgueiras de Almeida Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO JUNHO/2003 Câmara dos Deputados

Leia mais

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho A. Aposentadoria por invalidez Decreto Federal nº 3.048, de 06 de maio de 1999 (Regulamento da Previdência Social), que regulamentou a Lei Federal nº 8.122, de 24 de julho de 1991 (Lei Orgânica da Seguridade

Leia mais

Prezado(a) cliente: Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Central Itau Resolve:

Prezado(a) cliente: Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Central Itau Resolve: Prezado(a) cliente: Para nós é importante oferecer a você o apoio necessário neste momento. E,para melhor atendêlo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários. Procedimentos para envio

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

Direitos do paciente com câncer

Direitos do paciente com câncer Direitos do paciente com câncer Saque do FGTS O trabalhador com câncer pode realizar o saque do FGTS na fase sintomática da doença, o trabalhador cadastrado no FGTS que tiver neoplasia maligna (câncer)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES 1 1. Quais os benefícios fiscais direcionados às pessoas com deficiência? R.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 10 - Data 14 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: Imposto sobre a Renda de Pessoa Física - IRPF Os valores recebidos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 PROCESSO CONSULTA CRM-MT Nº 17/2013 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 22/2013 DATA DA ENTRADA: 22 de abril de 2013 INTERESSADA:COORDENADORIA DE VIGILANCIA SANITÁRIA DE CUIABÁ

Leia mais

Art. 4º. Esta lei complementar entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser regulamentada no prazo de 60 (sessenta) dias.

Art. 4º. Esta lei complementar entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser regulamentada no prazo de 60 (sessenta) dias. B. Passe Livre Lei Complementar do Estado de São Paulo nº 666, de 26/11/1991, regulamentada pelo Decreto Estadual n 34.753, de 01/04/92, e Resolução STM nº 101, de 28 de maio de 1992, que disciplina as

Leia mais

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo

XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica. Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo INSS - DIRETORIA DE BENEFÍCIOS XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica Isenção de Carência do INSS Temporário x Definitivo Filomena Maria Bastos Gomes Coordenadora Geral de Benefícios por Incapacidade

Leia mais

ATESTADO MÉDICO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - CFM

ATESTADO MÉDICO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - CFM ATESTADO MÉDICO A justificativa da ausência do empregado ao serviço, por motivo de doença, para não ocasionar a perda da remuneração correspondente, deve ser comprovada mediante atestado médico. O atestado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e odontológica através da UNIDADE SIASS/INSS, de que trata

Leia mais

EDITAL N.º 083/15 DE 24 DE ABRIL DE 2015

EDITAL N.º 083/15 DE 24 DE ABRIL DE 2015 EDITAL N.º 083/15 DE 24 DE ABRIL DE 2015 CHAMAMENTO PÚBLICO O Município de Não-Me-Toque, através da Secretaria Municipal de Habitação, em consonância com o Edital de Seleção Nº 001/2014, a Lei N.º 4.489/2014

Leia mais

Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013

Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013 Centro Universitário Senac MANUAL PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS INCENTIVO ACADÊMICO 2º SEMESTRE 2013 1. O QUE É 1.1. O Programa de Bolsas de Estudo do Centro Universitário Senac, na modalidade Bolsa Incentivo

Leia mais

PORTARIA Nº 025/2009. CONSIDERANDO o elevado volume de perícias judiciais realizadas mensalmente no Jef de Santo André,

PORTARIA Nº 025/2009. CONSIDERANDO o elevado volume de perícias judiciais realizadas mensalmente no Jef de Santo André, PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE SANTO ANDRÉ 26ª Subseção da Seção Judiciária do Estado de São Paulo Av. Pereira Barreto, nº 1.299, Paraíso Santo André SP CEP 09190-610 PORTARIA Nº 025/2009

Leia mais

MANUAL DO PACIENTE ONCOLÓGICO

MANUAL DO PACIENTE ONCOLÓGICO MANUAL DO PACIENTE ONCOLÓGICO 1 2 ÍNDICE 1. Objetivos 03 2. Algumas doenças graves previstas em Lei 04 3. Saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) 05 4. Licença para Tratamento de Saúde (Auxílio-Doença)

Leia mais

ACORDO BRASIL/JAPÃO 1

ACORDO BRASIL/JAPÃO 1 ACORDO BRASIL/JAPÃO 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - INSS PRESIDÊNCIA DIRSAT DIRBEN DIRAT DGP DIROFL PFE AUDGER CORREG SUP REGIONAL CGAIS CGRD CGGPB GEX CAINTER APS Corpo funcional: 39 mil servidores 2 ESTRUTURA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DIRBEN. Corpo funcional: 39 mil servidores CGRD CAINTER DIRSAT SUP REGIONAL GEX APS

PRESIDÊNCIA DIRBEN. Corpo funcional: 39 mil servidores CGRD CAINTER DIRSAT SUP REGIONAL GEX APS ACORDO BRASIL/JAPÃO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - INSS PRESIDÊNCIA DIRSAT DIRBEN DIRAT DGP DIROFL PFE AUDGER CORREG SUP REGIONAL CGAIS CGRD CGGPB GEX CAINTER APS Corpo funcional: 39 mil servidores ESTRUTURA

Leia mais

Parágrafo único. Incluem-se na condição de serviço convencional:

Parágrafo único. Incluem-se na condição de serviço convencional: DECRETO Nº 10.890, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. Regulamenta a Lei Nº 1307, de 15 de janeiro de 2004, que concede passe livre às pessoas idosas, e portadoras de deficiência. no sistema de transporte intermunicipal

Leia mais

ÍNDICE. 1. Objetivos. 3. Saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) 4. Licença para Tratamento de Saúde (Auxílio-Doença)

ÍNDICE. 1. Objetivos. 3. Saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) 4. Licença para Tratamento de Saúde (Auxílio-Doença) ÍNDICE 1. Objetivos 3. Saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) 4. Licença para Tratamento de Saúde (Auxílio-Doença) 5. Aposentadoria por Invalidez 6. Isenção do Imposto de Renda na Aposentadoria

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE VISTO CANADÁ

FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE VISTO CANADÁ FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE VISTO CANADÁ Rascunho dos formulários para pedido de visto de entrada no Canadá: as informações abaixo descritas serão transferidas para o sistema de informações do Canadá

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 CONSULTA nº 157.177/11 Assunto: Sistema sem registro no Brasil, com servidor hospedado em outro país, para conter

Leia mais

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE Ano Calendário/ 2010 Quer entender um pouco mais sobre este documento? Conheça as informações que devem constar em cada quadro

Leia mais

EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS GRAVES. ROL

EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS GRAVES. ROL PARECER N. 001/2015-SINDIJUS/MS INTERESSADO: SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL SINDIJUS/MS EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS

Leia mais

O artigo 1º da Lei nº 10.048/00 passou a ter nova redação após o advento do Estatuto do Idoso 2, como se vê adiante:

O artigo 1º da Lei nº 10.048/00 passou a ter nova redação após o advento do Estatuto do Idoso 2, como se vê adiante: A Lei nº 10.048/00 conferiu atendimento prioritário a determinado grupo de pessoas, o que foi regulamentado pelo Decreto nº 5.296/04, sendo também estabelecidas prioridades pela Lei nº 12.008/09, e, no

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS. Caxias do Sul, 23 de julho de 2015

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS. Caxias do Sul, 23 de julho de 2015 CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS Caxias do Sul, 23 de julho de 2015 Conceito de Atestado Declaração escrita e assinada que uma pessoa devidamente qualificada faz sobre a verdade de um fato, e que

Leia mais

GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS

GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS GUIA DE ATUAÇÃO MINISTERIAL ORIENTAÇÕES SOBRE O DIREITO AO ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AOS IDOSOS A Lei nº 10.048/00 conferiu atendimento prioritário a determinado grupo de pessoas,

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1524/2009 Altera a Lei Municipal nº 1032 de 29 de Junho de 1998 e a Lei Municipal nº 1030 de 29 de Junho de 1998 e dá outras providências: Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 13/2012 DATA DA ENTRADA: 12 de junho de 2012 INTERESSADO: Dr. MHM CRM-MT XXXX CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO:

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas APOSENTADORIA POR INVALIDEZ - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/10/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Aposentadoria por Invalidez 2.1 - Concessão

Leia mais

PGSST PR O G R A M A GERAL DE SAÚ D E E SEGUR A N Ç A D O T R A B A L H A D O R

PGSST PR O G R A M A GERAL DE SAÚ D E E SEGUR A N Ç A D O T R A B A L H A D O R PGSST PROGRAMA GERAL DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR PERÍCIA MÉDICA INSTRUÇÃO NORMATIVA OBJETIVO DESTE DOCUMENTO Orientar quanto às rotinas de funcionamento do Sistema de Perícias Médicas do Programa

Leia mais

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro;

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro; Prezado Beneficiário, Para melhor apoiá-lo neste momento, encaminhamos abaixo todos os formulários e documentos necessários, bem como a orientação de como realizar o envio desses documentos. Procedimentos

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

DC 349 Rev 03. Manual de Atendimento de Saúde Ocupacional no Consultório Médico

DC 349 Rev 03. Manual de Atendimento de Saúde Ocupacional no Consultório Médico DC 349 Rev 03 Manual de Atendimento de Saúde Ocupacional no Consultório Médico SUMÁRIO 1.1 Atendendo o funcionário...3 1.2 Preenchendo o RE227 ASO Atestado de Saúde Ocupacional ou RE884 - ASO - Atestado

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 33/2011 INTERESSADA: Dra V. da C. R. F. Perita Médica Precidenciária/SST/MOB

Leia mais

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 2014 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 1 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Pergunta: A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Por Eduardo Varela Consultor da Factor9.com.br Março

Leia mais

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/CGRH/SEPLAD, DE 1 DE MARÇO DE 2004 PUBLICADA NO DOE Nº 5426, DE 04.03.04

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/CGRH/SEPLAD, DE 1 DE MARÇO DE 2004 PUBLICADA NO DOE Nº 5426, DE 04.03.04 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/CGRH/SEPLAD, DE 1 DE MARÇO DE 2004 PUBLICADA NO DOE Nº 5426, DE 04.03.04 Dispõe, orienta e disciplina os procedimentos necessários para a concessão de direito à Licença para

Leia mais

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio.

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Prezado (a) cliente: Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Procedimentos para envio dos documentos de

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

Guia de Direitos do Paciente Oncológico

Guia de Direitos do Paciente Oncológico Guia de Direitos do Paciente Oncológico 1 Apresentação Apesar de garantidos pela legislação brasileira, muitos pacientes com câncer e outras doenças incapacitantes simplesmente não utilizam ou desconhecem

Leia mais

PROCESSO DE RENOVAÇÃO DA BOLSA DE ESTUDO

PROCESSO DE RENOVAÇÃO DA BOLSA DE ESTUDO Edital 001 /2015 PROCESSO DE RENOVAÇÃO DA BOLSA DE ESTUDO Dispõe sobre o PROCESSO DE RENOVAÇÃO DA BOLSA DE ESTUDO para o Ensino Fundamental - Anos Iniciais, Finais e Ensino Médio do Colégio Salesiano São

Leia mais

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro;

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro; Prezado Beneficiário, Para melhor apoiá-lo neste momento, encaminhamos abaixo todos os formulários e documentos necessários, bem como a orientação de como realizar o envio desses documentos. Procedimentos

Leia mais

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema?

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Saber é poder definir. Quando duas pessoas discutem, devem saber primeiro sobre o que discutem.

Leia mais

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO.

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. Eduardo Carvalho Abdalla Advogado, Especialista em Gestão Jurídica da Empresa Consultor de Saúde, Segurança

Leia mais

CARTILHA PARA EMISSÃO DA DIRF NO ESTADO DA BAHIA

CARTILHA PARA EMISSÃO DA DIRF NO ESTADO DA BAHIA CARTILHA PARA EMISSÃO DA DIRF NO ESTADO DA BAHIA 2014 1 ÍNDICE 1. O QUE É DIRF... 3 2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA DIRF... 3 3. QUAIS INFORMAÇÕES DEVEM CONSTAR NA DIRF... 5 4. CRITÉRIOS UTILIZADOS PARA

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO O QUE É É o que ocorre pelo exercício da atividade a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou perda ou redução, permanente

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGULAÇÃO DE SINISTRO VIDA PREMIADO

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGULAÇÃO DE SINISTRO VIDA PREMIADO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGULAÇÃO DE SINISTRO VIDA PREMIADO Documentos Necessários Junto com o Formulário de Aviso de Sinistro - Vida totalmente preenchido e assinado pelo beneficiário ou reclamante,

Leia mais

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio.

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Prezado (a) cliente: Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Procedimentos para envio dos documentos de

Leia mais

Direitos do paciente com câncer

Direitos do paciente com câncer Direitos do paciente com câncer Sumário Introdução...4 Nosso Serviço Social...7 Amparo Assistencial ao Idoso e ao Deficiente...7 Aposentadoria por Invalidez...9 Auxílio-Doença...9 Isenção de ICMS na Compra

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2015 IPI ISENÇÃO DE IPI E IOF PARA PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA GENERALIDADES... Pág. 87 ICMS MG REMESSA PARA MANUTENÇÃO E CONSERTO

Leia mais

Prezado(a) candidato(a),

Prezado(a) candidato(a), Prezado(a) candidato(a), Por favor, fique atento às informações a seguir, as quais garantirão o bom andamento do seu processo de comprovação de informações para o PROUNI na ULBRA. Dedique alguns minutos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CREMESC -

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CREMESC - 1 Consulta Nº: 2148/12 Consulente: G. G. G. Conselheiro: Rodrigo Bertoncini Ementa: A responsabilidade pelas atividades médicas em um hospital, qualquer que seja seu porte, é do Diretor Técnico e a responsabilidade

Leia mais

O seu futuro em boas mãos

O seu futuro em boas mãos O seu futuro em boas mãos Previdência Social de Campina Grande do Sul Paraná Previdência Social de Campina Grande do Sul Paraná Março 1994 Aposentadoria por Tempo de Contribuição Os Servidores Públicos

Leia mais

Orientações para obter isenção de impostos (IPI, IOF, ICMS e IPVA) na compra de veículo para pessoa com deficiência

Orientações para obter isenção de impostos (IPI, IOF, ICMS e IPVA) na compra de veículo para pessoa com deficiência Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004 Art. 5 o Os órgãos da administração pública direta, indireta e fundacional, as empresas prestadoras de serviços públicos e as instituições financeiras deverão

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro;

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro; Prezado Beneficiário, Para melhor apoiá-lo neste momento, encaminhamos abaixo todos os formulários e documentos necessários, bem como a orientação de como realizar o envio desses documentos. Procedimentos

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Residência Médica em Medicina Legal

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Residência Médica em Medicina Legal Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Programa de Residência Médica em Medicina Legal 1) Objetivos do programa O principal objetivo da Residência em Medicina Legal é a formação de especialistas

Leia mais

O Erro Médico. Erro de Diagnóstico e Erro de Procedimento Alessandra Abate. cit., p. 422). ! " # $ % % & ' ( ( ( ( % ) * +, -.

O Erro Médico. Erro de Diagnóstico e Erro de Procedimento Alessandra Abate. cit., p. 422). !  # $ % % & ' ( ( ( ( % ) * +, -. O Erro Médico Erro de Diagnóstico e Erro de Procedimento Alessandra Abate Primeiramente vale mencionar a dificuldade de se fazer um diagnóstico em qualquer fase do tratamento de um paciente ou até mesmo

Leia mais

Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012

Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012 Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012 Ementa: Dúvidas acerca da concessão de medicamentos. Diversos questionamentos. Autonomia médica. Observância das normas éticas na indicação de medicamentos pelos

Leia mais

ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 47/2010

ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 47/2010 ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 47/2010 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS CAT - CADASTRO DA COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO - CONSIDERAÇÕES Introdução - Conceito - Cuidados

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

PORTARIA Nº 005 de 17 de janeiro de 2013.

PORTARIA Nº 005 de 17 de janeiro de 2013. PORTARIA Nº 005 de 17 de janeiro de 2013. O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PAULO RUI KUMAGAI DE AGUIAR PUPO, JUIZ FEDERAL NA PRESIDÊNCIA DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, 6ª SUBSEÇÃO

Leia mais

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org.

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org. PROCESSO-CONSULTA CFM nº 9.936/10 PARECER CFM nº 15/12 INTERESSADO: INSS Instituto Nacional do Seguro Social ASSUNTO: Registro e comunicação de afastamento e/ou substituição de diretor técnico e clínico

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) Fixa os valores das anuidades e taxas para o exercício de 2013 e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA,

Leia mais

MANUAL DE REGULAMENTAÇÃO PARA TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO/ TFD NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS- PR.

MANUAL DE REGULAMENTAÇÃO PARA TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO/ TFD NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS- PR. MANUAL DE REGULAMENTAÇÃO PARA TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO/ TFD NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS- PR. 123 CURITIBA, ABRIL DE 2007 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CONCEITO... 3 2. SOLICITAÇÃO DE TFD... 4 1 Documentos

Leia mais