Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil"

Transcrição

1 200 Internacional Journal of Cardiovascular Sciences. 2015;28(3): ARTIGO ORIGINAL Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil Mortality in Cardiac Surgeries in a Tertiary Care Hospital of South Brazil Guilherme Maia Monteiro 1, Daniel Medeiros Moreira 1,2,3 1 Instituto de Cardiologia de Santa Catarina São José, SC Brasil 2 Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul Porto Alegre, RS Brasil 3 Universidade do Sul de Santa Catarina Palhoça, SC Brasil Resumo Fundamentos: A prevalência de doenças cardiovasculares é muito alta e cirurgias cardíacas são comuns em centros terciários de atenção cardiovascular. Objetivo: Avaliar a mortalidade cirúrgica e comparar com a mortalidade esperada pelo EuroSCORE em pacientes de centro terciário de atenção cardiovascular. Métodos: Trata-se de coorte histórica que avaliou pacientes submetidos a cirurgias cardíacas em 2011 e 2012, em hospital terciário de referência em cardiologia no sul do Brasil. O desfecho principal foi a mortalidade por qualquer causa durante a internação hospitalar. Os desfechos secundários foram a mortalidade de acordo com o procedimento cirúrgico, o EuroSCORE total e de acordo com o procedimento, a mortalidade ajustada por EuroSCORE e o perfil de risco dos pacientes. Resultados: Foram incluídos 364 pacientes. Cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM) isolada foi o procedimento realizado em 59,9% dos pacientes, o procedimento valvar (PV) isolado (troca ou plastia valvar) em 33,0% e a CRM + PV em 7,1% dos pacientes. A mortalidade observada foi 14,2%, sendo 5,2% nas primeiras 24 horas. A mortalidade esperada pelo EuroSCORE, por sua vez, foi 5,7±7,4%. A mortalidade ajustada foi, assim, 2,5 vezes superior à esperada, mas dentro do intervalo de dois desvios-padrão da mortalidade esperada. A mortalidade associada aos procedimentos combinados, entretanto, foi 5,2 vezes superior a do EuroSCORE esperado e superior ao intervalo de dois desvios-padrão do EuroSCORE. Conclusão: Pacientes submetidos à cirurgia cardíaca no centro estudado apresentaram mortalidade superior à esperada, em especial aqueles submetidos a procedimentos combinados. Palavras-chave: Cirurgia torácica; Revascularização miocárdica; Implante de prótese de valva cardíaca Abstract (Full texts in English - Background: The prevalence of cardiovascular diseases is very high and cardiac surgeries are common in tertiary centers for cardiovascular care. Objective: Evaluate the surgical mortality and compare the mortality level expected by EuroSCORE in patients from tertiary centers for cardiovascular care. Methods: Historical cohort study evaluating patients who have undergone cardiac surgeries in 2011 and 2012, at a renowned tertiary cardiology hospital in southern Brazil. The primary outcome was all-cause mortality during hospitalization. Secondary outcomes were surgery-related mortality, total and procedure-related EuroSCOREs, the adjusted mortality rate by EuroSCORE and the risk profile of patients. Results: The study comprised 364 patients. Coronary artery bypass graft (CABG) surgery alone was the procedure performed in 59.9% of patients, followed by the valve procedure (VP) (valve replacement or repair) in 33.0%, and CABG + VP in 7.1% of patients. The mortality rate was 14.2%, with 5.2% in the first 24 hours. The mortality rate expected by EuroSCORE, in turn, was 5.7 ± 7.4%. The adjusted mortality rate was thus 2.5 times higher than the expected, however within the range of two standard deviations of the expected mortality rate. Mortality associated with combined procedures, however, was 5.2 times higher than the EuroSCORE expected, and higher than the range of two standard deviations of EuroSCORE. Conclusion: Patients undergoing cardiac surgery at the center under study showed higher mortality than the expected rate, especially those undergoing combined procedures. Keywords: Thoracic surgery; Myocardial revascularization; Heart valve prosthesis implantation Correspondência: Daniel Medeiros Moreira Rua Adolfo Donato da Silva, s/n - Praia Comprida São José, SC Brasil DOI: / Artigo recebido em 26/02/2015, aceito em 26/04/2015, revisado em 28/04/2015.

2 Int J Cardiovasc Sci. 2015;28(3): Introdução As doenças cardiovasculares englobam uma variedade de doenças, com alta prevalência e mortalidade. Estatísticas norte-americanas apontam que 1:3 pessoas apresenta algum tipo de doença cardiovascular e estas ocorreram em 31,3% de todas as mortes no ano de A alta prevalência impõe procedimentos terapêuticos como a cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM) ou de procedimento valvar (PV) como troca ou plastia valvar, que são bastante comuns em centros terciários de atenção cardiovascular. Em 2010, 7 milhões de norteamericanos foram submetidos a alguma cirurgia cardíaca, número inferior apenas aos procedimentos obstétricos 1. Dados sobre a mortalidade em cirurgias cardíacas variam bastante de acordo com o centro, o volume de cirurgias e o tipo de procedimento: em cirurgias de revascularização miocárdica, a mortalidade média pode ser de apenas 0,7% em centros norte-americanos, enquanto a cirurgia de revascularização associada a algum procedimento valvar pode alcançar 20,8% em alguns centros brasileiros 2-4. A enorme variabilidade na mortalidade e na incidência de complicações motivou o desenvolvimento de escores prognósticos pré-operatórios, como o EuroSCORE e o da Society of Thoracic Surgeons Scores (STS) 5-7. Apesar de inúmeros escores disponíveis na literatura, o EuroSCORE parece apresentar o melhor valor preditivo, além da facilidade para ser calculado 8. De forma anacrônica ao que ocorre em outros centros no mundo, contudo, existe uma carência de avaliação de centros terciários brasileiros que realizam cirurgias cardíacas: a adequada avaliação possibilitaria um aumento na qualidade do registro dos dados e na redução dos índices de complicação trans e pós-operatória 9. Assim, o objetivo deste estudo foi o de analisar os procedimentos cirúrgicos realizados em centro terciário de referência em atenção cardiovascular, avaliar as taxas de mortalidade cirúrgica e compará-las ao EuroSCORE pré-operatório. Métodos Trata-se de uma coorte histórica que avaliou todos os pacientes submetidos à CRM e/ou PV e utilizou como base o banco de dados do serviço de Cirurgia Cardíaca, no período de janeiro de 2011 a dezembro de 2012, de hospital que é referência em cardiologia no sul do Brasil. Dados epidemiológicos adicionais foram obtidos no prontuário eletrônico dos pacientes, bem como registros manuais gerados na Unidade Coronariana, Enfermaria, setor de Hemodinâmica, Ambulatório e setor de Ecocardiografia. O hospital atende a pacientes exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde. Trata-se de um serviço de referência no Estado, com um serviço de Cirurgia Cardíaca onde atuam cirurgiões cardíacos devidamente capacitados em serviços autorizados de residência médica, com volume médio de 20 cirurgias maiores (como cirurgia de revascularização do miocárdio e troca valvar) por mês, e em média quatro cirurgias maiores por cirurgião. A unidade de terapia intensiva pósoperatória tem 10 leitos. O hospital conta ainda com o Programa de residência médica em Cardiologia, Cirurgia Cardíaca e Cirurgia Vascular. O desfecho principal avaliado pelo estudo foi a mortalidade, definida como morte por qualquer causa durante ou após o procedimento e durante a internação hospitalar. Os desfechos secundários foram a mortalidade de acordo com o tipo de procedimento cirúrgico realizado, o EuroSCORE médio total e de acordo com o procedimento, a mortalidade ajustada por EuroSCORE (definida pelo quociente entre a mortalidade observada e a esperada pelo EuroSCORE) total e de acordo com o procedimento, além do perfil de risco dos pacientes 5,10. Cada um dos registros de cirurgia foi avaliado quanto ao tipo de cirurgia realizada, caráter da cirurgia (eletiva, urgência ou emergência), motivo da internação, dias de internação e mortalidade intra-hospitalar. Um pesquisador treinado realizou o cálculo do EuroSCORE para cada paciente, independentemente da presença do valor prévio em prontuário. Foram considerados ainda: idade, sexo, lesões coronarianas à angiografia, intervenções coronarianas percutâneas, presença de hipertensão arterial sistêmica (HAS), diabetes mellitus (DM), insuficiência renal, dislipidemia (DLP), história ABREVIATURAS E ACRÔNIMOS CRM cirurgia de revascularização do miocárdio DAC doença arterial coronariana DAP doença arterial periférica DLP dislipidemia DM diabetes mellitus DPOC doença pulmonar obstrutiva crônica FE fração de ejeção HAP hipertensão arterial pulmonar HAS hipertensão arterial sistêmica IAM infarto agudo do miocárdio PV procedimento valvar STS Society of Thoracic Surgeons Scores familiar de doença arterial coronariana (DAC), doença arterial periférica (DAP), doença neurológica, insuficiência cardíaca, tabagismo, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), fração de ejeção (FE) avaliada por ecocardiograma, hipertensão arterial pulmonar (HAP) e tipo de lesão valvar, cirurgia há menos de três meses de infarto agudo do miocárdio (IAM), cirurgia em vigência de angina instável, choque cardiogênico ou endocardite infecciosa. Para análise foi utilizado o software SPSS 13.0 for windows. Variáveis contínuas foram analisadas pelo teste t de Student para amostras independentes e expressas como média±desvio-padrão ou pela análise da variância (ANOVA) com post hoc de Bonferroni, quando apropriado. Variáveis categóricas foram analisadas pelo teste exato

3 202 Int J Cardiovasc Sci. 2015;28(3): de Fisher e expressas em frequências. Foram considerados significativos valores de p<0,05. O trabalho respeitou a Resolução CNS nº 466/2012 e a Declaração de Helsinki, tendo sido aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da instituição sob o nº Resultados Foram estudados 364 pacientes, com média de idade 60,6±11,7 anos, maioria de homens (64,3%). Outras características epidemiológicas dos pacientes estão apresentadas na Tabela 1. Tabela 1 Características epidemiológicas da população estudada segundo o tipo de procedimento Total CRM PV CRM + PV Pacientes n (%) 364 (100,0) 218 (59,9) 120 (33,3) 26 (7,1) Idade (anos) - média±dp 60,5±11,7 61,3±9,2 59,2±15,0 60,7±13,5 Sexo masculino n (%) 234 (64,3) 149 (68,3) 69 (57,5) 16 (61,5) Fatores de risco para DAC HAS n (%) 285 (79,2) 189 (87,5) 75 (63,6) 21 (80,8) Dislipidemia n (%) 196 (54,4) 146 (67,6) 37 (31,4) 13 (50,0) DM n (%) 105 (28,8) 83 (38,4) 18 (15,3) 4 (15,4) História familiar para DAC n (%) 105 (28,8) 83 (38,4) 13 (11,0) 9 (34,6) Tabagismo n (%) 74 (20,3) 60 (27,5) 11 (9,2) 3 (11,5) Comorbidades DPOC n (%) 25 (6,9) 14 (6,5) 10 (8,5) 1 (3,8) Doença arterial periférica n (%) 39 (10,7) 30 (13,9) 7 (6,0) 2 (7,7) Hipertensão pulmonar (PSAP >60) n (%) 16 (4,4) 3 (1,4) 13 (10,8) 0 (0,0) Insuficiência renal crônica n (%) 18 (4,9) 9 (4,1) 6 (5,0) 3 (11,5) Endocardite n (%) 20 (5,5) 0 (0,0) 12 (10,2) 2 (7,7) Cirurgia cardíaca prévia n (%) 39 (10,7) 3 (1,4) 33 (27,5) 3 (11,5) Doença neurológica n (%) 23 (6,3) 20 (9,2) 3 (2,5) 0 (0,0) Estado crítico pré-operatório n (%) 10 (2,7) 1 (0,5) 7 (5,8) 2 (7,7) Angina classe CCS IV n (%) 11 (3,0) 10 (4,6) 1 (0,8) 0 (0,0) Infarto recente n (%) 97 (26,9) 91 (42,1) 2 (1,7) 4 (415,4) Cirurgia de urgência n (%) 20 (5,6) 10 (4,6) 8 (6,8) 2 (7,7) Lesões coronarianas Território de CD n (%) 188 (51,6) 167 (77,3) 8 (8,7) 13 (54,2) Território de DA n (%) 219 (60,2) 191 (88,4) 11 (12,0) 17 (70,8) Território de Cx n (%) 165 (45,3) 148 (68,5) 7 (7,6) 10 (41,7) TCE n (%) 68 (18,7) 62 (28,7) 2 (2,2) 4 (16,7) Lesão em enxerto n (%) 7 (1,9) 3 (1,4) 2 (2,2) 2 (8,4) FEVE (%) média±dp 57,7±14,3 58,2±13,6 57,5±15,0 57,7±14,4 CCS Sociedade Canadense de Cardiologia; DAC doença arterial coronariana; CRM cirurgia de revascularização do miocárdio; HAS hipertensão arterial sistêmica; DM diabetes mellitus; DPOC doença pulmonar obstrutiva crônica; PSAP pressão sistólica artéria pulmonar; PV procedimento valvar; CD coronária direita; DA descendente anterior; Cx circunflexa; TCE tronco coronária esquerda; FEVE fração de ejeção do ventrículo esquerdo; DP desvio-padrão

4 Int J Cardiovasc Sci. 2015;28(3): A principal indicação para internação hospitalar dos pacientes estudados foi angina instável ou IAM sem supradesnível do segmento ST (53,0%), seguindo-se lesões valvares (31,3%), IAM com supradesnível do segmento ST (6,9%), endocardite (5,5%) e outras causas (3,0%). Os pacientes aguardaram média de 38,1±25,9 dias até a cirurgia, com tempo total de permanência no hospital de 53,5±32,9 dias. Não houve associação entre a mortalidade e o número de dias de hospitalização até o procedimento (32,6±23,1 dias nos pacientes que morreram e 38,8±26,3 dias naqueles que tiveram alta, p=0,11) ou no tempo total de internação (55,3±45,9 dias nos pacientes que morreram e 53,1±30,5 dias naqueles que tiveram alta, p=0,74). Os procedimentos realizados foram: CRM isolada (59,9%), procedimento valvar isolado (troca ou plastia valvar) (33,0%) e CRM + PV (7,1%). A mortalidade intra-hospitalar observada foi 52 (14,2%) pacientes, dos quais 19 (5,2%) foram a óbito nas primeiras 24 horas. A mortalidade esperada pelo EuroSCORE logístico, por sua vez, foi 5,7±7,4% (EuroSCORE médio aditivo de 4,5±2,9). A mortalidade ajustada foi, assim, 2,5 vezes superior à esperada, mas dentro do intervalo de dois desvios-padrão da mortalidade esperada (Figura 1). A mortalidade e o EuroSCORE de acordo com o procedimento cirúrgico são apresentados na Tabela 2. Na população estudada, os procedimentos valvares apresentaram escore de risco mais elevado, contudo a mortalidade observada foi maior no grupo que realizou procedimentos combinados (CRM + PV). O procedimento combinado mostrou ainda uma mortalidade ajustada acima de dois desvios-padrão da mortalidade esperada (Figura 1). Figura 1 Mortalidade encontrada por procedimento, de acordo com desvios-padrão da mortalidade esperada CRM cirurgia de revascularização do miocárdio; PV procedimento valvar Tabela 2 Mortalidade por tipo de cirurgia realizada Cirurgia CRM PV CRM + PV Total p EuroSCORE (média±dp) 3,9±4,7 8,5±9,7 8,1±8,8 5,7±7,3 <0,001 Mortalidade observada n (%) 17 (8,3) 24 (18,3) 11 (42,3) 52 (14,2) <0,001 Mortalidade ajustada 2,1 2,2 5,2 2,5 p<0,001 comparado à CRM; p<0,05 comparado à CRM CRM cirurgia de revascularização do miocárdio; PV procedimento valvar; DP desvio-padrão

5 204 Int J Cardiovasc Sci. 2015;28(3): Discussão Este estudo apresenta importantes dados sobre as cirurgias cardíacas realizadas em centro de referência em Cardiologia no sul do Brasil, demonstrando alta mortalidade cirúrgica, particularmente entre os pacientes submetidos a procedimentos combinados cuja mortalidade ajustada foi 5,2 vezes superior à esperada, superior a dois desvios-padrão da mortalidade esperada. A taxa de mortalidade encontrada foi superior à de outros centros brasileiros: dados do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia apontam para uma mortalidade total em cirurgias cardíacas de 5,9%, sendo que a mortalidade em procedimentos de primeira troca valvar é de 4,3%, em seguimento médio de 10 anos 11,12. Dados nacionais e internacionais apontam, contudo, taxas de mortalidade bastante diferentes entre os centros, variando de 5,77% a 20,8% quando CRM + PV 2-4, A mortalidade ajustada total, bem como a mortalidade na CRM ou PV foram superiores à esperada, mas ainda dentro do intervalo de dois desvios-padrão, como descrito para o atendimento público em outros centros do mundo 10. A mortalidade em procedimentos combinados, contudo, mostra índices bastante superiores à margem de dois desvios-padrão da mortalidade esperada: estes valores não encontraram semelhança em outros dados da literatura e tornaram proibitiva a realização de procedimentos combinados (CRM + PV) até que medidas adequadas fossem tomadas. Diferentes justificativas poderiam explicar as taxas mais elevadas encontradas, como a deficiência técnica de componentes da equipe ou a participação de residentes em formação nos procedimentos, já que a curva de aprendizagem poderia comprometer a qualidade da cirurgia. Além disso, os pacientes apresentaram em média um longo período de permanência até o procedimento, que possibilitaria a colonização com germes hospitalares no período pré-operatório: o tempo de espera médio superior a um mês é bastante elevado se comparado a outros dados da literatura nacional; outros estudos já apontaram o tempo de espera pelo procedimento como um dos fatores para maior mortalidade entre os pacientes atendidos pelo sistema público 13,16,17. Cabe ressaltar que apesar da longa permanência, não foram observadas diferenças significativas na média de dias de internação até o procedimento entre os pacientes que apresentaram morte intra-hospitalar. Este estudo apresenta algumas limitações: trata-se de estudo de coorte retrospectiva e, como tal, falhas nos registros dos bancos de dados poderiam comprometer a análise. Apesar de não comprometer as conclusões, ressalta-se que não houve avaliações estatísticas específicas como regressão logística para promover ajuste a potenciais confundidores. Além disso, não foi possível identificar a causa imediata da morte de cada um dos pacientes e o estudo não permitiu avaliar causas não cardíacas de mortalidade pós-operatória, como infecção hospitalar. Conclusão Os pacientes submetidos à cirurgia cardíaca no centro estudado apresentaram mortalidade superior à esperada, em especial pacientes submetidos a procedimentos combinados. Tendo em vista a importância do feedback para maior qualidade nos procedimentos e para segurança dos pacientes, a chefia do setor de Cirurgia Cardíaca foi oficialmente comunicada, bem como a Direção do hospital e o Comitê de Ética em Pesquisa da instituição 9. Após a divulgação interna dos dados, foi instituída uma comissão de avaliação dos óbitos para apontar as causas da alta taxa de mortalidade e de potenciais falhas no atendimento. Potencial Conflito de Interesses Declaro não haver conflitos de interesses pertinentes. Fontes de Financiamento O presente estudo não teve fontes de financiamento externas. Vinculação Acadêmica Este artigo representa parte do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) em Residência Médica em Cardiologia de Guilherme Maia Monteiro, pelo Instituto de Cardiologia de Santa Catarina.

6 Int J Cardiovasc Sci. 2015;28(3): Referências 1. Mozaffarian D, Benjamin EJ, Go AS, Arnett DK, Blaha MJ, Cushman M, et al; American Heart Association Statistics Committee and Stroke Statistics Subcommittee. Heart disease and stroke statistics update: a report from the American Heart Association. Circulation. 2015;131(4):e Tatoulis J, Buxton BF, Fuller JA, Royse AG. Total arterial coronary revascularization: techniques and results in 3,220 patients. Ann Thorac Surg. 1999;68(6): Hannan EL, Racz MJ, Jones RH, Gold JP, Ryan TJ, Hafner J-P, et al. Predictors of mortality for patients undergoing cardiac valve replacements in New York State. Ann Thorac Surg. 2000;70(4): Bueno RM, Ávila Neto V, Melo RFA. Fatores de risco em operações valvares: análise de 412 casos. Rev Bras Cir Cardiovasc. 1997;12(4): Roques F, Nashef SA, Michel P, Gauducheau E, de Vincentiis C, Baudet E, et al. Risk factors and outcome in European cardiac surgery: analysis of the EuroSCORE multinational database of patients. Eur J Cardiothorac Surg. 1999;15(6): Higgins TL, Estafanous FG, Loop FD, Beck GJ, Blum JM, Paranandi L. Stratification of morbidity and mortality outcome by preoperative risk factors in coronary artery bypass patients. A clinical severity score. JAMA. 1992;267(17): Erratum in: JAMA.1992;268(14): Hattler BG, Madia C, Johnson C, Armitage JM, Hardesty RL, Kormos RL, et al. Risk stratification using the Society of Thoracic Surgeons Program. Ann Thorac Surg. 1994;58(5): Geissler HJ, Hölzl P, Marohl S, Kuhn-Régnier F, Mehlhorn U, Südkamp M, et al. Risk stratification in heart surgery: comparison of six score systems. Eur J Cardiothorac Surg. 2000;17(4): Fine LG, Keogh BE, Cretin S, Orlando M, Gould MM; UK Cardiac Surgery Experience. How to evaluate and improve the quality and credibility of an outcomes database: validation and feedback study on the UK Cardiac Surgery Experience. BMJ. 2003;326(7379): Ribera A, Ferreira-González I, Cascant P, Pons JM, Permanyer- Miralda G. [Evaluation of risk-adjusted hospital mortality after coronary artery bypass graft surgery in the Catalan Public Healthcare System. Influence of hospital management type (ARCA Study)]. Rev Esp Cardiol. 2006;59(5): Bianco ACM, Timerman A, Paes AT, Gun C, Ramos RF, Freire RBP, et al. Análise prospectiva de risco em pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica. Arq Bras Cardiol. 2005;85(4): Ribeiro FFF, Arruda GDS, Ptak DM, Menezes FR, Torrico MAO, Oliveira Ramos AI. Seguimento pós-operatório em longo prazo de pacientes submetidos à cirurgia valvar. Rev Bras Cardiol. 2013;26(2): Piegas LS, Bittar OJNV, Haddad N. Cirurgia de revascularização miocárdica: resultados do Sistema Único de Saúde. Arq Bras Cardiol. 2009;93(5): Oliveira TML, Oliveira GMM, Klein CH, Souza e Silva NA, Godoy PH. Letalidade e complicações da cirurgia de revascularização miocárdica no Rio de Janeiro, de 1999 a Arq Bras Cardiol. 2010;95(3): Ramos ARW, Flores MB, Libonati RMF, Quaresma JAS, Carneiro SR. Preditores de mortalidade na cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev Bras Cardiol. 2013;26(3): Mesquita ET, Ribeiro A, Araújo MP, Campos LAA, Fernandes MA, Colafranceschi AS, et al. Indicadores de qualidade assistencial na cirurgia de revascularização miocárdica isolada em centro cardiológico terciário. Arq Bras Cardiol. 2008;90(5): Almeida FF, Barreto SM, Couto BRGM, Starling CEF. Fatores preditores da mortalidade hospitalar e de complicações peroperatórias graves em cirurgia de revascularização do miocárdio. Arq Bras Cardiol. 2003;80(1):41-50.

Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Resultados do Sistema Único de Saúde

Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Resultados do Sistema Único de Saúde Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Resultados do Sistema Único de Saúde Myocardial Revascularization Surgery (MRS). Results from National Health System (SUS) Leopoldo S. Piegas, Olímpio J Nogueira

Leia mais

http://www.theheart.org/article/1466345.do.

http://www.theheart.org/article/1466345.do. Resultados finais do estudo SYNTAX reafirmam a cirurgia de revascularização miocárdica como intervenção de escolha, em pacientes com doença coronária complexa. http://www.theheart.org/article/1466345.do.

Leia mais

EuroSCORE e mortalidade em cirurgia de revascularização miocárdica no Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco

EuroSCORE e mortalidade em cirurgia de revascularização miocárdica no Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco artigo original EuroSCORE e mortalidade em cirurgia de revascularização miocárdica no Pronto Socorro Cardiológico de EuroSCORE and mortality in coronary artery bypass graft surgery at Cardiologic Emergency

Leia mais

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar.

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Boletim Científico SBCCV 01/09/2014 Número 04 Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Predicting early left ventricular dysfunction

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Fatores preditores de infarto do miocárdio no período perioperatório de cirurgia de revascularização miocárdica

Fatores preditores de infarto do miocárdio no período perioperatório de cirurgia de revascularização miocárdica ARTIGO ORIGINAL Fatores preditores de infarto do miocárdio no período perioperatório de cirurgia de revascularização miocárdica Predictors of perioperative myocardial infarction in surgical myocardial

Leia mais

8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO

8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO 8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO ESTADO ATUAL E PERSPECTIVAS DA INTERVENÇÃO CORONÁRIA EM PACIENTES COM LESÃO DE TRONCO NÃO PROTEGIDO JOÃO BATISTA L.LOURES LESÃO DE TCE NÃO PROTEGIDO

Leia mais

Boletim Científico SBCCV 11-2012

Boletim Científico SBCCV 11-2012 1 2 Boletim Científico SBCCV 11-2012 Nova Diretriz da American Heart Association para Doença Coronariana Estável confirma papel da terapia clínica e da cirurgia de revascularização miocárdica, como estratégias

Leia mais

EuroSCORE e os pacientes submetidos a revascularização do miocárdio na Santa Casa de São Paulo

EuroSCORE e os pacientes submetidos a revascularização do miocárdio na Santa Casa de São Paulo EXPERIÊNCIA DE SERVIÇO Rev Bras Cir Cardiovasc ; (): 6-67 EuroSCORE e os pacientes submetidos a revascularização do miocárdio na Santa Casa de São Paulo EuroSCORE and the patients undergoing coronary bypass

Leia mais

A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade

A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade Doença Aterosclerótica Coronariana e o Emprego Racional de Endopróteses Procedimento Operacional Padrão Dr. Marco Antonio de Mattos Hospital UNIMED-RIO-

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro

Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro Rui Cerejo, Luís Baquero, Andreia Gordo, Hagen Kahlbau, Nuno Banazol, José Fragata Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar Lisboa

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS?

IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS? IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS? Prof. Dr. Flávio Tarasoutchi Unidade de Valvopatias Instituto do Coração (InCor) - Hospital das Clínicas Universidade de São Paulo

Leia mais

Após extensa revisão os autores deste trabalho dão as

Após extensa revisão os autores deste trabalho dão as Qual é o risco de eventos cardíacos adversos ou de sangramento grave, após cirurgias não cardíacas, relativos à terapia antiplaquetária, em pacientes com angioplastia coronariana prévia? The Risk of Adverse

Leia mais

Depressão como fator de risco de morbidade imediata e tardia pós-revascularização cirúrgica do miocárdio

Depressão como fator de risco de morbidade imediata e tardia pós-revascularização cirúrgica do miocárdio ARTIGO ORIGINAL Braz J Cardiovasc Surg 2006; 21(1): 6874 Depressão como fator de risco de morbidade imediata e tardia pósrevascularização cirúrgica do miocárdio Depression as a risk factor for early and

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

Influências Temporais nas Características e Fatores de Risco de Pacientes Submetidos a Revascularização Miocárdica

Influências Temporais nas Características e Fatores de Risco de Pacientes Submetidos a Revascularização Miocárdica Influências Temporais nas Características e Fatores de Risco de Pacientes Submetidos a Revascularização Miocárdica The Influence of Time on the Characteristics and Risk Factors for Patients Submitted to

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Tabela 01 - Pacientes de Cirurgia Cardíaca - Principais Características Clinicas - Gênero (n, %) Masculino 473 68,55 Feminino 217 31,45 Idade (anos) (média ± DP) 60,78

Leia mais

Perfil de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica: implicações para o cuidado de enfermagem

Perfil de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica: implicações para o cuidado de enfermagem Artigo Original Perfil de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica: implicações para o cuidado de enfermagem Profile of patients undergoing to coronary artery bypass grafting: implications

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE ANEURISMA DE AORTA. CORREÇÃO POR VIA ENDO-VASCULAR ESTADO DA ARTE Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Seção Médica de Radiologia 2010 ACCF/AHA/AATS/ACR/ASA/SCA/SCAI/SIR/STS SVM Guidelines for the

Leia mais

Stents farmacológicos e diabetes

Stents farmacológicos e diabetes Stents farmacológicos e diabetes Constantino González Salgado Hospital Pró Cardíaco Realcath-RealCordis HUPE-UERJ DM analisando o problema O Diabetes Mellitus é doença sistêmica de elevada prevalência

Leia mais

08h30-08h45 Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014. Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída

08h30-08h45 Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014. Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída PROGRAMA CIENTÍFICO Quinta-feira 13 de agosto de 2015 SALA A MESA REDONDA - DAC CRÔNICA Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014 Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída Quando

Leia mais

Rui Manuel Sequeira de Almeida. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brazil.

Rui Manuel Sequeira de Almeida. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brazil. [Index FAC] [FVCC Index] Cirugía Cardíaca/Cardiovascular Surgery Revascularização do Miocárdio - Estudo Comparativo do Custo da Cirurgia Convencional e da Angioplastia Transluminal Percutânea Myocardial

Leia mais

13 Cirurgia Cardíaca. Cirurgia Cardíaca agosto 2011

13 Cirurgia Cardíaca. Cirurgia Cardíaca agosto 2011 13 Cirurgia Cardíaca 37 TL Oral 24146 SAPS 3 como escore de mortalidade em pacientes admitidos na unidade de terapia intensiva em pós operatório imediato de revascularização do miocárdio isolada Viviane

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES

Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES COM CARDIOPATIA ISQUÊMICA OU VALVULAR. Autora: Carine Ghem Orientadora: Dra. Melissa

Leia mais

Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência Portuguesa SP Maio/2010

Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência Portuguesa SP Maio/2010 Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Indicações, Aórtico: Indicações, Critério de Critério Seleção de e Seleção Resultados e Resultados Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência

Leia mais

Sobrevida em longo prazo de octogenários submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica isolada

Sobrevida em longo prazo de octogenários submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica isolada ARTIGO ORIGINAL Rev Bras Cir Cardiovasc 2011; 26.1: 2126 Sobrevida em longo prazo de octogenários submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica Longterm survival of octogenarian patients submitted

Leia mais

Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes

Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes Circulation 2003;108:1655 61 Diabetes predispõe para uma forma difusa

Leia mais

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias F.X.Valente 1, C. Trigo 2, J.D.F. Martins 2, I. Freitas 2, F. Paramés 2, M. António 2, L. Bakero 3, J. Fragata

Leia mais

Morbimortalidade em Octogenários Submetidos à Cirurgia de Revascularização Miocárdica

Morbimortalidade em Octogenários Submetidos à Cirurgia de Revascularização Miocárdica Morbimortalidade em Octogenários Submetidos à Cirurgia de Revascularização Miocárdica Morbimortality in Octogenarian Patients Submitted to Coronary Artery Bypass Graft Surgery Fernando Pivatto Júnior 1,2,

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Avaliação Cognitiva em Pacientes Submetidos à Revascularização Cirúrgica Cardíaca

Avaliação Cognitiva em Pacientes Submetidos à Revascularização Cirúrgica Cardíaca Rev Bras Cardiol. 2014;27(4):254-259 Carrazedo et al. Artigo Original Avaliação Cognitiva em Pacientes Submetidos à Revascularização Cirúrgica Cardíaca Cognitive Assessment of Patients Undergoing CABG

Leia mais

Associação de Fatores Pré-Operatóros e Óbitos na Cirurgia de Revascularização Miocárdica em Hospitais Públicos do Rio de Janeiro: 1999-2003

Associação de Fatores Pré-Operatóros e Óbitos na Cirurgia de Revascularização Miocárdica em Hospitais Públicos do Rio de Janeiro: 1999-2003 311 Associação de Fatores Pré-Operatóros e Óbitos na Cirurgia de Revascularização Miocárdica em Hospitais Públicos do Rio de Janeiro: 1999-2003 Pre-operative variables and Death in Myocardial Revascularization

Leia mais

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE PERCUTANEUS REPAIR OR SURGERY FOR MITRAL REGURGITATION EVEREST II=ENDOVASCULAR VALVE EDGE-TO-EDGE REPAIR STUDY A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A

Leia mais

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP EDITAL/ REGULAMENTO INTERNO ESTÁGIO MÉDICO EM CARDIOLOGIA CLÍNICA 1. CORPO CLÍNICO. A disciplina de Cardiologia

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Survival in Coronary Artery Bypass Grafts and Coronary Angioplasties Paid Privately or by Health Insurance in Rio de Janeiro State: 2000 2007

Survival in Coronary Artery Bypass Grafts and Coronary Angioplasties Paid Privately or by Health Insurance in Rio de Janeiro State: 2000 2007 Rev Bras Cardiol. 2010;23(6):334-343 Artigo Original 42º Lugar Prêmio de Melhor Trabalho Científico no 27º Congresso de Cardiologia da SOCERJ Godoy et al. Sobrevida nas Reperfusões Miocárdicas Cirúrgicas

Leia mais

Estudo sobre o perfil dos pacientes portadores de Síndrome Coronariana Aguda

Estudo sobre o perfil dos pacientes portadores de Síndrome Coronariana Aguda PESQUISA Estudo sobre o perfil dos pacientes portadores de Síndrome Coronariana Aguda Grace Kelly Viudes Torres Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isaac Rosa Marques Docente do Curso de Graduação

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) Digitally signed by Francisco Henrique Moura George Francisco DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Henrique Saúde, cn=francisco Henrique George Moura George Moura Date: 2015.01.21 12:20:20

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

Proposta de Escore de Risco Pré-Operatório para Pacientes Candidatos à Cirurgia Cardíaca Valvar

Proposta de Escore de Risco Pré-Operatório para Pacientes Candidatos à Cirurgia Cardíaca Valvar Proposta de Escore de Risco Pré-Operatório para Pacientes Candidatos à Cirurgia Cardíaca Valvar Proposed Preoperative Risk Score for Patients Candidate to Cardiac Valve Surgery João Carlos Vieira da Costa

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas. Dr. Antonio Alceu dos Santos

Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas. Dr. Antonio Alceu dos Santos Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas Dr. Antonio Alceu dos Santos Dr. Antonio Alceu dos Santos Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Não

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO Sara Priscila Constantino de Castro. UNIFACEX. E-mail: sarapryscyla@hotmail.com Ana Elza Oliveira de Mendonça.

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares

Leia mais

Dissertação COMPARAÇÃO ENTRE A CLASSE FUNCIONAL DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E A FRAÇÃO DE EJEÇÃO COMO PREDITOR DE COMPLICAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO DE

Dissertação COMPARAÇÃO ENTRE A CLASSE FUNCIONAL DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E A FRAÇÃO DE EJEÇÃO COMO PREDITOR DE COMPLICAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO DE Dissertação COMPARAÇÃO ENTRE A CLASSE FUNCIONAL DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E A FRAÇÃO DE EJEÇÃO COMO PREDITOR DE COMPLICAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Valério Martins

Leia mais

Aplicabilidade de Dois Escores de Risco Internacionais em Cirurgia Cardíaca em Centro de Referência Brasileiro

Aplicabilidade de Dois Escores de Risco Internacionais em Cirurgia Cardíaca em Centro de Referência Brasileiro Aplicabilidade de Dois Escores de Risco Internacionais em Cirurgia Cardíaca em Centro de Referência Brasileiro Applicability of Two International Risk Scores in Cardiac Surgery in a Reference Center in

Leia mais

VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO. Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra

VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO. Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra Gripe e idade A gripe é mais frequente em crianças e adultos jovens do que em idosos

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

Avaliação do Sistema de Triagem de Manchester na Síndrome Coronariana Aguda

Avaliação do Sistema de Triagem de Manchester na Síndrome Coronariana Aguda Internacional Journal of Cardiovascular Sciences. 2015;28(2):107-113 107 ARTIGO ORIGINAL na Síndrome Coronariana Aguda Evaluation of the Manchester Triage System in the Acute Coronary Syndrome Vivian Ellen

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO CARDÍACO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de

Leia mais

João Carlos Vieira da Costa Guaragna PROPOSTA DE ESCORE DE RISCO PRÉ-OPERATÓRIO PARA PACIENTES CANDIDATOS À CIRURGIA CARDÍACA VALVAR

João Carlos Vieira da Costa Guaragna PROPOSTA DE ESCORE DE RISCO PRÉ-OPERATÓRIO PARA PACIENTES CANDIDATOS À CIRURGIA CARDÍACA VALVAR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA E CIÊNCIAS DA SAÚDE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: CLÍNICA MÉDICA TESE DE DOUTORADO João Carlos Vieira da Costa Guaragna

Leia mais

Prótese Valvular Aórtica

Prótese Valvular Aórtica Aquilo que o cardiologista clínico deve saber sobre Intervenção não coronária- Quando e Como Prótese Valvular Aórtica Algarve, Abril 2014 Daniel Caeiro Centro Hospitalar Gaia/Espinho História natural da

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA Sábado 07 de Dezembro de 2013 09:00 10:30 Sessão 4 Novas Estratégias Para Prevenção

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Perfil clínico-cirúrgico de pacientes operados por ruptura do septo interventricular pós-infarto do miocárdio

Perfil clínico-cirúrgico de pacientes operados por ruptura do septo interventricular pós-infarto do miocárdio ARTIGO ORIGIAL Rev Bras Cir Cardiovasc 1; 5(3): 341-349 Perfil clínico-cirúrgico de pacientes operados por ruptura do septo interventricular pós-infarto do miocárdio Clinical and surgical profile of patients

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS MARTOS, Natália Martinez; HALBE, Ricardo natymm@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: O número

Leia mais

Custo-efetividade do stent farmacológico: A busca da adequação para ampliação da sua utilização. Denizar Vianna

Custo-efetividade do stent farmacológico: A busca da adequação para ampliação da sua utilização. Denizar Vianna Custo-efetividade do stent farmacológico: A busca da adequação para ampliação da sua utilização Denizar Vianna Análise de Custo-efetividade 1 a etapa: Revisão sistemática da literatura sobre eficácia /

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Custos Hospitalares da Cirurgia de Revascularização do Miocárdio em Pacientes Coronarianos Eletivos

Custos Hospitalares da Cirurgia de Revascularização do Miocárdio em Pacientes Coronarianos Eletivos Custos Hospitalares da Cirurgia de Revascularização do Miocárdio em Pacientes Coronarianos Eletivos Hospital Costs of Coronary Artery Bypass Grafting on Elective Coronary Patients Nagib Haddad, Eliana

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA CARDÍACA NO HOSPITAL SANTA GENOVEVA EM GOIÂNIA RESUMO INTRODUÇÃO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA CARDÍACA NO HOSPITAL SANTA GENOVEVA EM GOIÂNIA RESUMO INTRODUÇÃO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA CARDÍACA NO HOSPITAL SANTA GENOVEVA EM GOIÂNIA Ludmilla Bizinoto Ferreira, Mara Olívia Viegas RESUMO O presente estudo tem como objetivo determinar

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa

O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa Marcelo J C Cantarelli, MD, PhD, FACC, FSCAI H. Bandeirantes H. Leforte H. Rede D Or São Luiz Anália Franco

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL. Ana Wieczorek Torrens

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL. Ana Wieczorek Torrens UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL Ana Wieczorek Torrens EFETIVIDADE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NA CURA DA TUBERCULOSE BRASÍLIA 2015 I EFETIVIDADE

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Volume 3 Número 6 novembro/dezembro de 2011

movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Volume 3 Número 6 novembro/dezembro de 2011 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Circulação Extracorpórea como Fator Predisponente para Atraso no Desmame da Prótese Ventilatória Após Cirurgia Cardíaca Cardiopulmonary Bypass as Predisposing Factor for

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE ENTRE HOMENS E MULHERES APÓS REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE ENTRE HOMENS E MULHERES APÓS REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO 1 COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE ENTRE HOMENS E MULHERES APÓS REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Comparison of Health-related Quality of Life Among Men and Women after Coronary Artery Bypass

Leia mais

Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE

Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Efeito da injecção intracoronária de células progenitoras autólogas derivadas da medula óssea no strain global longitudinal em doentes com enfarte agudo do miocárdio com supradesnivelamento de ST Serviço

Leia mais

Pós-trombólise. O que fazer? Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Fibrinolíticos menor tempo isquemia mioc aguda menor

Leia mais

TÍTULO: TRANSTORNO DEPRESSIVO E CARDIOPATIA: ESTUDO PROSPECTIVO EM REVASCULARIZAÇÃO CIRURGICA DO MIOCÁRDIO CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: TRANSTORNO DEPRESSIVO E CARDIOPATIA: ESTUDO PROSPECTIVO EM REVASCULARIZAÇÃO CIRURGICA DO MIOCÁRDIO CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: TRANSTORNO DEPRESSIVO E CARDIOPATIA: ESTUDO PROSPECTIVO EM REVASCULARIZAÇÃO CIRURGICA DO MIOCÁRDIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HOSPITAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TRINDADE

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HOSPITAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TRINDADE Artigo apresentado no II Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2011-2 Coordenação, organização e formatação final: Prof. Dr. Rodrigo Irani Medeiros PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM

Leia mais

Cirurgia de revascularização miocárdica na fase aguda do infarto: análise dos fatores preditores de mortalidade intra-hospitalar

Cirurgia de revascularização miocárdica na fase aguda do infarto: análise dos fatores preditores de mortalidade intra-hospitalar ARTIGO ORIGINAL Rev Bras Cir Cardiovasc 2012;27(1):6674 Cirurgia de revascularização miocárdica na fase aguda do infarto: análise dos fatores preditores de mortalidade intrahospitalar Coronary artery bypass

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

Acadêmicos do curso de medicina da Universidade de Ribeirão Preto UNAERP (ruan.med19@yahoo.com.br). 2

Acadêmicos do curso de medicina da Universidade de Ribeirão Preto UNAERP (ruan.med19@yahoo.com.br). 2 ANGIOPLASTIA TRANSLUMINAL PERCUTÂNEA CORONARIANA PARA TRATAMENTO DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO SEM SUPRADESNIVELAMENTO DO SEGMENTO ST EM PACIENTE COM VARIAÇÃO ANATÔMICA EM ARTÉRIA CORONÁRIA DIREITA Ruan

Leia mais

Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham

Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham Rev Bras Cardiol. 2013;26(5):356-63 Artigo Original 4 Galvão et al. Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham Determination of Cardiovascular

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO:

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais