VOLUME. Diagnóstic. Setembro, 2013 Rev.00 1/252. de Resíduos Sólidos (PERS) Volume 2: Diagnóstico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOLUME. Diagnóstic. Setembro, 2013 Rev.00 1/252. de Resíduos Sólidos (PERS) Volume 2: Diagnóstico"

Transcrição

1 GOVERNOO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA Consultoria e Assessoria Técnica dee Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) VOLUME 2 Diagnóstic co dos Resíduos Sólidos TOMO I Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Planoo Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) Setembro, /252 Rev. 000

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 METODOLOGIA ADOTADA... 5 Coleta e Análise de dados... 6 ABRANGÊNCIA DO DIAGNÓSTICO... 8 Dados populacionaiss considerados RESÍDUOSS SÓLIDOSS URBANOS - RSU Estimativa da geração de resíduos sólidos urbanos Estimativa de Geração de Resíduos de Limpeza Urbana (RLU)( e resíduos Domiciliares (RDO) Geração de materiaiss recicláveiss a partir do consumo aparente Alumínio Aço Papel e papelão Plásticos Vidro Estimativa da geração per capitaa de embalagens (Alumínio, aço, papel/ /papelão, plástico e vidro) Análise gravimética dos resíduoss domiciliares gerados no n estado Elementos de Gravimetria Estimativa da Composição Gravimétrica dos Resíduos domiciliares gerados no Estado do Rio de Janeiro Geração de Recicláveis a Partir da Gravimetria Coleta dos resíduos sólidos s domiciliares Abrangência dos serviços de Coleta Regular de RSU Coleta Seletiva Tratamento de RSU Reciclagem Compostagem Fluxo de Materiais Disposição Final Destinação Final de RSU Geração e Tratamento de Lixiviados nos Aterros Sanitários Aspectoss Econômicos da Gestão dos RSU Aspectos Gerais Aspectos Tributários Custos da Disposição Final dos Resíduoss Sólidos Tomo I 2/252

3 4.9. Comentários Finais Conclusões Aspectos Específicos RESÍDUOSS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS Contextualização Classificação dos RSS estimativa da geração de Resíduos de Serviços de Saúde no estado do Rio de Janeiro.. 98 Formas de Tratamento A Experiência da Companhia Municipal de Limpeza Urbana da Cidade do Rio de Janeiro COMLURB na gerenciamento de RSS Conclusões RESÍDUOSS SÓLIDOSS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - RCC Contextualização Aspectos Legais Critérios para Estimativa de Geração de RCC Caracterização dos RCC Instrumentos de Gestão Alguns Aspectos Financeiros a Respeito de RCC Custos da Geração de RCC Custos da Coleta e Transporte dee RCC Custos da Destinação dos RCC Algumas Considerações Complementares a Respeito de RCC Situação dos RCC no Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro Belford Roxo, Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu e Sãoo João de Meriti (Baixada Fluminense) Outras Iniciativas municipais Quadro Resumo Comentários Finais Conclusões Anexos /252

4 1. A APRESENTAÇÃO Este relatório tem por objetivo apresentar o DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, conforme estabelece o Item 2.2, do Termo de Referência (TR) para a contrataçãoo de empresa de consultoria para assessor a Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) nas ações previstas na Meta 2, estabelecidaa no âmbito do Convênio do Estado do Rio de Janeiro com o Ministério do Meio Ambiente ( MMA - Convênio 010/2007). A estruturação do relatório procurou seguir a mesma organização ão, sistematizando a apresentação da informação, sempre que disponível, para as tipologias de resíduos classificadas no art. 13 da Lei Federal nº /10 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). A partida para sua elaboração o ocorreu nos dados disponibilizados pelo diagnóstico realizado, em 2009, pela Universidade doo Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Tais dados foram revistos, atualizados e compatibilizados com dados de recebimento de resíduos gerados por operadores s de aterros sanitários e comparados sobretudo com os dados alcançados no âmbito do Subprograma Lixão Zero, em execução pela SEA. Cabe destacar que o Diagnóstico elaborado pela UERJJ compreendeu somente os resíduos sólidos urbanos e os resíduos de serviços de saúde e o presente diagnóstico avança sobre os resíduoss sólidoss urbanos; resíduos de estabelecimentos comerciais e de prestadores de serviços; resíduos dos serviços públicos de saneamento básico; resíduos industriais; resíduoss de serviços de saúde; resíduos da construção civil; resíduos agrossilvopastoris; resíduos de serviços de transporte; e resíduos de mineração. Paraa facilitar o manuseio deste relatório, este segue apresentada do em três tomos, a saber: TOMO I: Abrange as seguintes tipologias: 1. Resíduos Sólidos Urbanos; 2. Resíduos de Serviços de Saúde; 3. Resíduos da Construção Civil. TOMO II: Abrange as seguintes tipologias: 4. Resíduos de estabelecimentos comerciais s e de serviços; prestadores de 4/252

5 5. Resíduos agrossilvopastoris; 6. Resíduos de mineração; 7. Resíduos industriais; 8. Resíduos de serviços de transporte; 9. Resíduos de serviços de saneamento básico. TOMO III: Diagnóstico da Legislação Estadual 2. M METODOLOGIA ADOTADA A Lei de Diretrizes Nacionais para o Saneament o Básico (Lei Federal nº /07), anterior a Política Nacional de Resíduos Sólidos S - PNRS (Lei Federal nº /10), considerou os serviços de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos como o conjuntoo de atividades, infraestrutura e instalações operacionais de coleta, transporte, transbordo, tratamento e destino final de resíduos doméstico e dos resíduoss originárioo da varrição e limpeza de logradouros e vias públicas. A PNRS ao vigorar, reafirmou essas considerações e apresentou a classificação dos resíduos sólidos que deve serr adotada em todos os processos inerentes aos resíduos sólidos no país. Neste argumento, os resíduos domiciliares gerados em ambientes domésticos nas áreas rurais devem ser geridoss no âmbito das atividades agrossilvopastoris. Portanto, a população considerada neste diagnóstico é a população urbana presente no Estado (Censo Demográficoo IBGE, ano de 2010) e os resíduos domiciliares gerados nas atividades a agrossilvopastoris não foram contabilizados como RSU. As informações econômicas foram extraídas do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento SNIS-2010 (Ministério das Cidades) que, apesar de ser uma amostragem dos municípios brasileiros, fornece indicações sobree a evolução dos custos de disposição final dos resíduos sólidos. Porém os dados apresentados pelo SNIS apresentam fragilidades, uma vez que os municípios são convidados a declarar suas informações por meio do preenchimento de formulários, o que muitas vezes resulta em respostass com de baixo nível de precisão em função de possíveis deficiências do corpo técnico municipal na busca de dados, seja quantitativa ou qualitativa. Outro aspecto considerado no levantamento de dadoss relaciona-se às diferenças nas abordagens adotadas pelos órgãos do governo no levantamento de seus dados. As informações produzidas pelo Ministério de Minass e Energia, por 5/252

6 exemplo, estão focadas na etapaa da produção, enquanto quee as informações geradas pelo Ministério das Cidades e pelo IBGE, estão focadas nos aspectos relacionados ao saneamento básico. Entretanto, os dados levantados passaram por tratamento estatístico para que pudessem ser considerados como uma primeira abordagema m para sua real consolidação e seus resultados devem ser considerados e avaliados criteriosamentee quando da elaboração das políticas públicas do Estado para o setor COLETA E ANÁLISE DE DADOS O levantamento dos dados primários, principal fonte de informações para elaboração deste diagnóstico considerou os dados levantados pela UERJ na execução do Convênio MMA/SRH HU/Nº0010/ /2007 (Elaboração do Plano Estadual de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PEGIRS do Estado do Rio de Janeiro), além de dados disponibilizados pelos municípios ao Estado. A coleta de informações e as constataçõess efetuadas nos municípioss tiveram como referencial a experiência prática dos envolvidos direta e indiretamente com o gerenciamento dos serviços de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos. Dados secundários extraídos de fontes oficiais, trabalhos científicos e empresas do setor de resíduos sólidos no âmbito Estadual e Federal F foram compilados e avaliados, sendo consultadas as seguintes fontes: Sistema Nacional dee Informações sobre Saneamento Ministério das Cidades, Diagnóstico do Manejo de Resíduos Urbanos, 2010; (SNIS), Sólidos Sistema Nacional de Informações sobre Resíduos R (SINIR), Ministério do Meio Ambiente; Instituto Brasileiro dee Geografia e Estatística (IBGE) - Dados Censitários de 2010 e Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - PNSB, 2000 e 2008; Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos doo Rio de Janeiro (CEPERJ), Anuário Estatístico do Estado do Rio de Janeiro, 2010 e 2012; Departamento de Recursos Minerais do Rio de Janeiro (DRM-RJ), Panorama Mineral do Estado do Rio de Janeiro, 2012; 6/252

7 Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Especiais (ABRELPE), Panoramaa dos Resíduos Sólidos no Brasil, 2006, 2010, 2011 e 2012; Compromissoo Empresarial para Ciclosoft, 2012; a reciclagem (CEMPRE), Pesquisa Ministério de Minas e Metalúrgico, 2011; Energia (MME), Anuário Estatístico do Setor Companhia Municipal (COMLURB);; de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro Banco de dados disponibilizado pela Ambiente - SEA; Secretariaa de Estado do Associação Brasileira da Indústria Química (ABIQUIM); Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST); Associação Brasileira de Celulosee e Papel (BRACELP( PA); Associação Brasileira do Alumínio (ABRAL); Companhia COMLURB; de Limpeza Urbana da Cidade do Rio de Janeiro - Superintendência de Limpeza Urbana de Belo Horizonte - SLU; e Empresa de Limpeza Urbana de Salvador - LIMPURB. Busco-se ainda avaliar os resultados obtidos dos vários programas em execução na SEA/INEAA (Programa Coletaa Seletiva Solidáriaa PCSS, Catadores e Catadoras em Rede Solidária CRS, Programa de Reaproveitamento de Óleo Vegetal PROVE, Ecobarreiras, Compra de Lixo Tratado e Projeto Entulho Limpo da Baixada ELB). Dados adicionais foram obtidos junto as 12 principais Centrais de Tratamento de Resíduos Sólidos e Aterros Sanitários do Estado do Rio de Janeiro (públicos e privados), responsáveis pela disposição final de resíduos sólidos gerados em 41 municípios fluminenses que, juntos, agregam 88% da população p total do Estado o que permitiu consolidar os números referentes à geração dos RSU. 7/252

8 Cabe ressaltar que o diagnóstico deve ser considerado como uma primeira abordagem em consolidação, cujos dados devem ser avaliados criteriosamente quando da elaboração das políticass públicas do Estadoo para o setor. 3. A ABRANGÊNCIA DO DIAGNÓST ICO O diagnostico dos resíduos sólidos do Estado do Rio R de Janeiro, abrange a população estadual distribuída em seus 92 municípios (Figura x).. Abrange ainda, as seguintes tipologias de resíduos: resíduos sólidos urbanos; resíduos de estabelecimentos comerciais e de prestadoresp s de serviços; resíduos dos serviços públicos de saneamento básico; b resíduos industriais; resíduos de serviços de saúde; resíduos da construção civil; resíduos agrossilvopastoris; ; resíduos de serviços de transporte; resíduos de mineração. 8/252

9 FI IGURA 2.1-1:A ABRANGÊNCIA DO DIAGNÓSTICO Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Planoo Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) 9/252

10 3.1. DADOS POPULACIONAIS CONSIDERADOSS De acordo com as estimativas populacionais realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, 2010 (Anexo I), o Estado do Rioo de Janeiro conta com uma população total de habitantes, dividida entre áreas urbanas e rurais. Aproximadamente 97% de sua população esta e concentrada em áreas urbanas, e somente 3% encontra-se em áreas rurais (Tabela 3.1-1). TAB BELA 3.1-1: P Estado do Rio de Janeiro POPULAÇÃO URBANA, RURAL E TOTAL DOS MUNICÍPIOS DO ESTADOO DO RIO DE JANEIRO J POPULAÇÃO URBANA POPULAÇÃO RURAL (HAB) (HAB) POPULAÇÃOO TOTAL B) (HAB FONTE: IBGE, CENSO DEMOGRÁFICO, Nos cálculos efetuados para estimativa de diversas tipologiass de resíduos, foi utilizada a população urbana, à exceção da estimativa de geração de resíduos agrossilvopastoris, onde considerou-se a população rural em função da deficiência de informações a respeito da geração de resíduos sólidos em áreas rurais. A Figura 3.1-1, apresenta a proporcionalidade entre a população p Estado. urbana e rural do 3% RURALR 97% URBANA FIGURA PROPORCIONALIDADE ENTRE AS POPULAÇÕES URBANA E RURAL NO ESTADO dos Resíduoss Sólidos Tomo I 10/252

11 4. R RESÍDUOSS SÓLIDOSS URBANO OS - RSU A Política Nacional de Resíduos Sólidos define e engloba noss resíduos sólidos urbanos - RSU, os resíduos domiciliares - RDO (originárioss das atividades domesticas em residências urbanas) e os resíduos de limpeza urbana - RLU (aqueles originários da varrição, limpeza de logradouros e vias publicas e outros serviços de limpeza urbana). O diagnóstico dos RSU gerados noo Estado do Rio de Janeiro, J abordada aspectos referentes à geração, bem comoo os demais aspectos referentes às ações de coleta seletiva existentes no Estado, cujo objetivo é estabelecer uma conexão entree o potencial de geração de materiais recicláveiss e o volume efetivamente recuperado e ainda, sobre o volume descartado o desses materiais, sem aproveitamento. Neste contexto, o diagnóstico de RSU desenha o cenário atual do destino final de resíduos sólidoss urbanos no Estado ESTIMATIVA DA GERAÇÃO DEE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS U Os dados iniciais para estimativaa da geração dos resíduos sólidos urbanos no Estado, foram extraídos do Diagnóstico de Resíduos Sólidos Urbanos do Estado do Rio de Janeiro elaborado pela Universidade do Estado doo Rio de Janeiro (UERJ) em Naquela oportunidade, o diagnóstico efetuado apresentou aspectos demográficos, indicadores socioeconômicos, estruturas organizacionais e legislações municipais, além doss índices de geraçãoo per capita calculados com base nos dados fornecidos pelos municípios. Dados adicionais foram obtidos por meio de informações disponibilizadas por diversas instituições que elaboram estudos na área dee saneamento básico, tanto no Estado como nos municípios, bem como em levantamentos realizados em campo por meio de visita realizadas (Tabela 4.1-1). 11/252

12 MUNICÍPIO Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação dos Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa Belford Roxo Bom Jardim Bom Jesus do Itabapoana Cabo Frio Cachoeiras de Macacu Cambuci Campos dos Goytacazes Cantagalo Carapebus TABELA ÍNDICES DE GERAÇÃO PER CAPITA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS ANALISADOS POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ABRELPE (2006) (*1) GERAÇÃO PER CAPITA (KG/HAB/DIA) 0,819 0,487 0,819 0,595 0,651 0,651 0,819 0,819 1,050 0,651 0,651 0,819 0,769 0,595 0,936 0,651 0,595 IBGE (*2) GERAÇÃO PER CAPITA (KG/HAB/DIA) 0,840 0,660 0,840 0,580 0,640 0,640 0,840 1,720 1,720 0,640 0,640 0,840 0,710 0,580 0,910 0,640 0,580 UERJ/PGIRS (2010) (*3) GERAÇÃO PER CAPITA (KG/HAB/DIA) 0,950 1,050 0,910 0,670 1,750 1,860 0,520 0,510 1,200 0,600 0,740 1,080 0,520 0,410 0,690 0,490 1,420 ECOLOGUS/ CTR'S (2013) (*4) GERAÇÃO PER CAPITA (KG/HAB/DIA) 0,575 2,064 0,941 0,619 0,852 0,927 0,576 SNIS/CIDADES SNIS/CIDADES (2009) (2010) (*5) (*6) GERAÇÃO PER CAPITA (KG/HAB/DIA) 0,810 0,810 0,810 0,810 0,810 0,810 0,770 0,810 0,970 0,810 0,770 0,810 0,770 0,810 0,970 0,810 0,810 GERAÇÃO PE CAPITA (KG/HAB/DIA) 0,90 0,80 0,90 0,80 0,80 0,80 0,81 0,90 0,90 0,80 0,81 0,90 0,81 0,80 0,90 0,80 0,80 R ) Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduoss Sólidos (PERS) dos Resíduos Sólidos - Tomo I 12/252

13 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ABRELPE (2006) (*1) GERAÇÃO PER CAPITA IBGE (*2) GERAÇÃO PER CAPITA UERJ/PGIRS (2010) (*3) GERAÇÃO PER CAPITA ECOLOGUS/ CTR'S (2013) (*4) GERAÇÃO PER CAPITA SNIS/CIDADES SNIS/CIDADES (2009) (2010) (*5) (*6) GERAÇÃO PER CAPITA GERAÇÃO PE CAPITA R (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) ) (KG/HAB/DIA) Cardosoo Moreira ,595 0,580 0,640 0,810 0,80 Carmo ,595 0,580 0,610 0,548 0,810 0,80 Casimiro de Abreu ,651 0,640 0,430 0,929 0,770 0,81 Comendador Levy Gasparian ,487 0,660 0,570 0,810 0,80 Conceição de Macabu ,651 0,640 0,870 0,810 0,80 Cordeiro ,595 0,580 0,750 0,810 0,80 Duas Barras ,595 0,580 0,460 0,810 0,80 Duque de Caxias ,050 1,720 1,220 1,170 0,970 0,90 Engenheiro Paulo de Frontin ,595 0,580 0,760 0,810 0,80 Guapimirim ,651 0,640 0,600 0,740 0,770 0,81 Iguaba Grande ,651 0,640 0,580 0,826 0,810 0,80 Itaboraí ,936 0,910 0,520 0,528 0,810 0,90 Itaguaí ,819 0,840 1,040 1,079 0,810 0,90 Italva ,595 0,580 0,680 0,810 0,80 Itaocara ,595 0,640 0,530 0,810 0,80 Itaperuna ,769 0,710 0,800 0,770 0,81 Itatiaia ,651 0,640 0,420 0,810 0,80 Japeri ,819 0,840 0,760 0,770 0,81 Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduoss Sólidos (PERS) dos Resíduos Sólidos - Tomo I 13/252

14 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ABRELPE (2006) (*1) GERAÇÃO PER CAPITA IBGE (*2) GERAÇÃO PER CAPITA UERJ/PGIRS (2010) (*3) GERAÇÃO PER CAPITA ECOLOGUS/ CTR'S (2013) (*4) GERAÇÃO PER CAPITA SNIS/CIDADES SNIS/CIDADES (2009) (2010) (*5) (*6) GERAÇÃO PER CAPITA GERAÇÃO PE CAPITA R (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) ) (KG/HAB/DIA) Laje do Muriaé ,487 0,660 0,750 0,810 0,80 Macaé ,819 0,840 1,290 0,978 0,810 0,90 Macuco ,487 0,660 0,270 0,810 0,80 Magé ,936 0,910 0,410 0,880 0,810 0,90 Mangaratiba ,651 0,640 0,700 1,688 0,770 0,81 Maricá ,819 0,840 0,890 0,810 0,90 Mendes ,595 0,580 0,670 0,810 0,80 Mesquita ,819 0,840 1,230 0,884 0,810 0,90 Miguel Pereira ,651 0,640 0,700 0,810 0,80 Miracema ,651 0,640 0,560 0,810 0,80 Natividade ,595 0,580 0,780 0,810 0,80 Nilópolis ,819 0,840 0,740 0,640 0,810 0,90 Niterói ,936 0,910 1,360 0,778 0,970 0,90 Nova Friburgo ,819 0,840 0,870 0,673 0,810 0,90 Nova Iguaçu ,050 1,720 1,220 1,120 0,970 0,90 Paracambi ,651 0,640 0,670 0,770 0,81 Paraíbaa do Sul ,651 0,640 0,650 0,770 0,81 Paraty ,651 0,640 0,560 0,770 0,81 Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduoss Sólidos (PERS) dos Resíduos Sólidos - Tomo I 14/252

15 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ABRELPE (2006) (*1) GERAÇÃO PER CAPITA IBGE (*2) GERAÇÃO PER CAPITA UERJ/PGIRS (2010) (*3) GERAÇÃO PER CAPITA ECOLOGUS/ CTR'S (2013) (*4) GERAÇÃO PER CAPITA SNIS/CIDADES SNIS/CIDADES (2009) (2010) (*5) (*6) GERAÇÃO PER CAPITA GERAÇÃO PE CAPITA R (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) ) (KG/HAB/DIA) Paty do Alferes ,651 0,640 0,760 0,477 0,810 0,80 Petrópolis ,936 0,910 0,730 0,970 0,90 Pinheiral ,651 0,640 0,490 0,810 0,80 Piraí ,651 0,640 1,150 0,810 0,80 Porciúncula ,595 0,580 0,490 0,810 0,80 Portoo Real ,595 0,580 0,370 0,810 0,80 Quatis ,595 0,580 0,380 0,810 0,80 Queimados ,819 0,840 0,720 0,434 0,810 0,90 Quissamã ,595 0,580 0,450 0,646 0,810 0,80 Resende ,819 0,840 0,640 0,810 0,90 Rio Bonito ,769 0,710 0,560 0,770 0,81 Rio Claro ,595 0,580 0,290 0,810 0,80 Rio das Flores ,487 0,660 0,480 0,810 0,80 Rio das Ostras ,769 0,710 0,720 0,810 0,90 Rio de Janeiro ,630 1,500 1,420 1,513 0,950 0,91 Santa Mariaa Madalena ,595 0,580 0,570 0,810 0,80 Santo Antônio de Pádua ,651 0,640 0,640 0,770 0,81 São Fidélis ,651 0,640 0,460 0,770 0,81 Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduoss Sólidos (PERS) dos Resíduos Sólidos - Tomo I 15/252

16 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ABRELPE (2006) (*1) GERAÇÃO PER CAPITA IBGE (*2) GERAÇÃO PER CAPITA UERJ/PGIRS (2010) (*3) GERAÇÃO PER CAPITA ECOLOGUS/ CTR'S (2013) (*4) GERAÇÃO PER CAPITA SNIS/CIDADES SNIS/CIDADES (2009) (2010) (*5) (*6) GERAÇÃO PER CAPITA GERAÇÃO PE CAPITA R (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) ) (KG/HAB/DIA) São Francisco de Itabapoana ,651 0,640 0,630 0,770 0,81 São Gonçalo ,050 1,720 0,740 1,210 0,970 0,90 São Joãoo da Barra ,651 0,640 0,820 0,770 0,81 São Joãoo de Meriti ,936 0,910 0,920 0,417 0,970 0,90 São José de Ubá ,487 0,660 0,340 0,810 0,80 São José do Vale do Rio Preto ,651 0,640 0,870 0,427 0,810 0,80 São Pedro da Aldeia ,769 0,710 0,540 0,614 0,770 0,81 São Sebastião do Alto ,487 0,660 0,880 0,810 0,80 Sapucaia ,595 0,580 0,860 0,810 0,80 Saquarema ,769 0,710 1,010 0,770 0,81 Seropédica ,769 0,710 0,630 0,571 0,770 0,81 Silva Jardim ,651 0,640 0,670 0,587 0,810 0,80 Sumidouro ,595 0,580 0,780 0,235 0,810 0,80 Tanguá ,651 0,640 0,460 0,430 0,770 0,81 Teresópolis ,819 0,840 0,800 0,608 0,810 0,90 Trajano de Moraes ,487 0,660 0,810 0,810 0,80 Três Rios ,769 0,710 0,850 0,770 0,81 Valença ,769 0,710 0,590 0,770 0,81 Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduoss Sólidos (PERS) dos Resíduos Sólidos - Tomo I 16/252

17 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ABRELPE (2006) (*1) GERAÇÃO PER CAPITA IBGE (*2) GERAÇÃO PER CAPITA UERJ/PGIRS (2010) (*3) GERAÇÃO PER CAPITA ECOLOGUS/ CTR'S (2013) (*4) GERAÇÃO PER CAPITA SNIS/CIDADES SNIS/CIDADES (2009) (2010) (*5) (*6) GERAÇÃO PER CAPITA GERAÇÃO PE CAPITA R (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) (KG/HAB/DIA) ) (KG/HAB/DIA) Varre-Sai ,487 0,660 0,680 0,810 0,80 Vassouras ,651 0,640 0,500 0,770 0,81 Volta Redonda ,936 0,910 0,610 0,729 0,970 0,90 TOTAL FONTES: (*1) PANORAMA NACIONAL DOS RESÍDUOSS SÓLIDOS (ABRELPE, 2006). (*2) PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO (IBGE, 2010); (*3) PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS (UERJ, 2010); (*4) CENTROS DE TRATAMENTO E DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ATERROS SANITÁRIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ECOLOGUS, 2013); (*5) DIAGNÓSTICO DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS/ / SNIS (CIDADES, 2009); (*6) DIAGNÓSTICO DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS/ / SNIS (CIDADES, 2010). Observação: utilizou-se, para fins de análise, o Panorama dos Resíduos Sólidos 2006 (ABRELPE) por ter sido a última versão desta publicação a apresentar índices de geração per capita de RSU por município Fluminense. As publicações posteriores passaram a apresentarr os índices de geração per capita de RSU por estado e por região do país. Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduoss Sólidos (PERS) dos Resíduos Sólidos - Tomo I 17/252

18 Ainda, para a composição da estimativa de geração, foram coletados dados dos volumes de resíduos ingressados nos 12 (doze) principais Centros de Tratamento de Resíduos Sólidos e Aterros Sanitários do Estado doo Rio de Janeiro (públicos e privados), que são responsáveis pela disposição final de d resíduos sólidos gerados em 41 municípios fluminenses e que, juntos, agregam 88% da população total do Estado. Estess forneceram informações sobre o histórico quantitativo de recebimentos de resíduos sólidos urbanos - RSU segundo sua origem, conforme pode ser observado na Tabela TABELA CENTROSS DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS E ATERROS SANITÁRIOSS CONSULTADOS, MUNICÍPIOS E POPULAÇÃO ATENDIDA ITEM C CTR'S/ATERROS SANITÁRIOS CTR Rio 1 Seropédica TOTAL CTR Seropédica Aterro Dois Arcos 2 São Pedro da Aldeia TOTAL Aterro Dois Arcos CTR Nova Iguaçu 3 Nova Iguaçu TOTAL CTR Nova Iguaçu CTR Barra Mansa 4 Barra Mansa TOTAL CTR Barra Mansa CTR Alcântara 5 São Gonçalo TOTAL CTR Alcântara 6 CTR Macaé MUNICÍPIOS ATENDIDOS A Rio de Janeiro Itaguaí Seropédica Mangaratiba Angra dos Reis 5 municípios São Pedro da Aldeia Armação dos Búzios Arraial doo Cabo Cabo Frio Casimiro de d Abreu Iguaba Grande G Silva Jardim 7 municípios Nova Iguaçu Mesquita Nilópolis Queimados S. J. Meriti M 5 municípios Barra Mansa M Volta Redonda 2 municípios São Gonçalo 1 município Macaé POPULAÇÃO TOTAL (IBGE, 2010)* dos Resíduoss Sólidos Tomo I 18/252

19 ITEM C CTR'S/ATERROS SANITÁRIOS Macaé TOTAL CTR Macaé CTR Itaboraí Itaboraí TOTAL CTR Itaboraí CTR Campos Campos dos Goytacazes TOTAL CTR Campos CTR Teresópolis Teresópolis TOTAL CTR Teresópolis Aterro Sanitário de Nova Friburgo Nova Friburgo TOTAL Aterro dee Nova Friburgo CTR Bob Ambiental Belford Roxo TOTAL CTR Bob Ambiental Aterro de Bongaba Magé MUNICÍPIOS ATENDIDOS A São Francisco de d Itabapoana São João da Barra Miracema 4 municípios Teresópolis Carmo Sumidouro São José do Vale do Rio Preto 4 municípios Nova Friburgo 1 município Belford Roxo Duque dee Caxias 2 municípios Magé POPULAÇÃO TOTAL (IBGE, 2010)* Quissamã municípios Itaboraí Maricá Niterói Cachoeiras de d Macacu Tanguá Guapimirim Paty do Alferes A Rio Bonito municípios Campos dos Goytacazes TOTAL TOTAL Aterro de Bongaba TOTAL ESTADUAL 1 município 42 municípios 92 municípios /252

20 Diante dos dados organizados, tornou-se complexa a identificação de índices de geração per capita paraa cada um dos municípios fluminenses, uma vez que as diferentes metodologias utilizadass na de obtenção dos dados, somadas aos diferentes períodos de coleta dos dados, produziram índices com nível de variância que justificaram a necessidade da aplicação de tratamentos estatísticos paraa possibilitar a obtenção do melhor índice per capitaa a ser utilizado. Desta forma, optou-se por estabelecer um intervalo dee confiançaa para determinar quais índices possuem probabilidade de serem verdadeiros e adequados no universo analisado. Estabeleceu-se, um coeficiente de confiança de 95% %, e elegeu-se o intervalo superior como o índice a ser adotado (Média dos Índices + Intervalo de Confiança dos Índices), o que possibilitou a obtenção do índice de geração per capita para cadaa município, conforme demonstra a Tabela TAB BELA Í ÍNDICES DE GERAÇÃO PER CAPITA ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITA C (IBGE 2010) (KG/HAB/DIA) QUANTITATIVO ESTIMADO E (TON/DIA) Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação dos Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa Belford Roxo Bom Jardim Bom Jesus do Itabapoana Cabo Frio Cachoeiras de Macacu Cambuci Campos dos Goytacazes Cantagalo Carapebus Cardosoo Moreira Carmo Casimiro de Abreu , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,71 133,90 6,84 91,58 6,85 31,14 26,61 69,89 160,34 525,65 10,69 21,55 126,44 32,86 7,23 368,48 9,53 8,96 6,04 8,89 20,25 20/252

21 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITA C (KG/HAB/DIA) QUANTITATIVO ESTIMADO E (TON/DIA) Comendador Levy Gasparian Conceição de Macabu Cordeiroo Duas Barras Duque de Caxias Engenheiro Paulo de Frontin Guapimirim Iguaba Grande Itaboraí Itaguaí Italva Itaocaraa Itaperuna Itatiaia Japeri Laje do Muriaé Macaé Macuco Magé Mangaratiba Maricá Mendes Mesquita Miguel Pereira Miracema Natividade Nilópolis Niterói Nova Friburgo Nova Iguaçu Paracambi Paraíba do Sul Paraty Paty do Alferes , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,69 5,27 13,94 14,10 5, ,52 6,76 34,82 16,45 165,87 95,87 7,17 11,78 68,04 18,63 76,39 3,83 190,69 2,80 174,34 28,59 106,67 12,21 154,91 15,48 17,32 8,67 124,37 477,81 130,69 921,45 29,62 25,67 19,11 12,82 21/252

22 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITA C (KG/HAB/DIA) QUANTITATIVO ESTIMADO E (TON/DIA) Petrópolis Pinheiral Piraí Porciúncula Porto Real Quatis Queimados Quissamã Resendee Rio Bonito Rio Claro Rio das Flores Rio das Ostras Rio de Janeiro Santa Maria Madalena Santo Antônio de Pádua São Fidélis São Francisco de Itabapoana São Gonçalo São João da Barra São João de Meriti São José de Ubá São José do Vale do Rio Preto São Pedro da Aldeia São Sebastião do Alto Sapucaia Saquarema Seropédica Silva Jardim Sumidouro Tanguá Teresópolis Trajano de Moraes Três Rios , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,78 250,34 13,88 17,09 9,17 10,56 7,70 104,85 8,45 89,86 30,12 8,54 3,87 77, ,19 3,97 21,77 19,88 14, ,89 19,01 389,87 1,92 6,30 57,50 3,37 9,69 57,77 45,64 11,28 3,48 17,28 116,97 3,44 58,63 22/252

23 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITA C (KG/HAB/DIA) QUANTITATIVO ESTIMADO E (TON/DIA) Valençaa Varre-Sai Vassouras Volta Redonda TOTAL , , , , ,42 4,00 15,78 219, ,61 Com as estimativas ajustadas, foram detectadas variações nos índices de geração per capita (mínimo de 0,61 kg/hab/dia e máximo de 1,333 kg/hab/dia), cuja variância relaciona-se diretamente e ao porte populacional do município e à sua localização geográfica, uma vez que a maior parte daa população do Estado esta concentrada encontrada.) na região metropolitana ( Erro! Fonte de referência não FIGU URA R REPRESENTATIVIDADE DA POPULAÇÃO URBANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO O Estado conta com 8 (oito)( regiões administrativas dentre d as quais se insere a região metropolitana. Como a maior parte da população concentra-see nesta região, índices da geração de resíduos segundo as regiões administrativas do Estado foram estabelecidos. 23/252

24 TABELA A ESTIM MATIVA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS NA REGIÃO R METROPOLITANA ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITAC (IBGE 2010) QUANTITATIVO ESTIMADO E (KG/HAB/DIA) (TON/DIA) Belford Roxo Duque de Caxias Guapimirim Itaboraí Itaguaí Japeri Magé Maricá Mesquita Nilópolis Niterói* Nova Iguaçu Paracambi Queimados Rio de Janeiro São Gonçalo São João de Meriti Seropédica Tanguá TOTAL METROPOLITANA ,12 1,18 0,70 0,77 0,92 0,80 0,81 0,85 0,92 0,79 0,98 1,17 0,71 0,76 1,33 525, ,52 34,82 165,87 95,87 76,39 174,34 106,67 154,91 124,37 477,81 921,45 29,62 104, , ,11 0,85 0,71 0,63 1, ,89 389,87 45,64 17, ,01 TABELA ESTIMATIV VA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS NA REGIÃO CENTRO SUL FLUMINENSE ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITA C (IBGE 2010) QUANTITATIVO ESTIMADO E (KG/HAB/DIA) (TON/DIA) Areal Comendador Levy Gasparian Engenheiro Paulo de Frontin Mendes Miguel Pereira , , , , ,72 6,85 5,27 6,76 12,21 15,48 24/252

25 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITA C (KG/HAB/DIA) QUANTITATIVO ESTIMADO E (TON/DIA) Paraíba do Sul Paty do Alferes Sapucaia Três Rios Vassouras TOTAL CENTRO SUL , , , , , ,73 25,67 12,82 9,69 58,63 15,78 169,16 TABEL LA EST TIMATIVA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS NAA REGIÃO COSTA VERDE ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITA C (IBGE 2010) QUANTITATIVO ESTIMADO E (KG/HAB/DIA) (TON/DIA) Angra dos Reis Mangaratiba Paraty TOTAL COSTA VERDE , , , ,81 133,9 28,59 19,11 181,6 TABELA ESTIMAT TIVA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS NA REGIÃO BAIXADAS LITORÂNEAS ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITA C (IBGE 2010) QUANTITATIVO ESTIMADO E (KG/HAB/DIA) (TON/DIA) Araruama Armação dos Búzios Arraial do Cabo Cabo Frio Cachoeiras de Macacu Casimiro de Abreu Iguaba Grande Rio Bonito Rio das Ostras , , , , , , , , ,78 91,58 31,14 26,61 126,44 32,86 20,25 16,45 30,12 77,93 25/252

26 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITA C (KG/HAB/DIA) QUANTITATIVO ESTIMADO E (TON/DIA) São Pedro da Aldeia Saquarema Silva Jardim TOTAL B. LITORÂNEAS , , , ,82 57,5 57,77 11,28 579,93 TABELA A ESTI IMATIVA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS NA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITA C (IBGE 2010) QUANTITATIVO ESTIMADO E (KG/HAB/DIA) (TON/DIA) Barra do Piraí Barra Mansa Itatiaiaa Pinheiral Piraí Porto Real Quatis Resende Rio Claro Rio das Flores Valença Volta Redonda TOTAL MÉDIO PARAÍBA , , , , , , , , , , , , ,81 69,89 160,34 18,63 13,88 17,09 10,56 7,7 89,86 8,54 3,87 45,42 219,03 664,81 TABELA ESTIMAT TIVA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS NA REGIÃO NOROESTE FLUMINENSE ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITAC (IBGE 2010) QUANTITATIVO ESTIMADO E (KG/HAB/DIA) (TON/DIA) Aperibé Bom Jesus do Itabapoana , ,72 6,84 21,55 26/252

27 MUNICÍPIO POPULAÇÃO URBANA (IBGE 2010) ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITAC (KG/HAB/DIA) QUANTITATIVO ESTIMADO E (TON/DIA) Cambuci Italva Itaocara Itaperuna Laje do Muriaé Miracema Natividade Porciúncula Santo Antônio de Pádua São José de Ubá Varre-Sai TOTAL NOROESTEE FLUMINENSE , , , , , , , , , , , ,72 7,23 7,17 11,78 68,04 3,83 17,32 8,67 9,17 21,77 1,92 4,00 189,29 TABELA ESTIMATIV VA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS NA REGIÃO NORTE FLUMINENSE (2 ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITAC (IBGE 2010) QUANTITATIVO ESTIMADO E (KG/HAB/DIA) (TON/DIA) 2010) Campos dos Goytacazes Carapebus Cardoso Moreira Conceição de Macabu Macaé Quissamã São Fidélis São Francisco de Itabapoana São João da Barraa TOTAL NORTE FLUMINENSE , , , , , , , , , ,87 368,48 8,96 6,04 13,94 190,69 8,45 19,88 14,76 19,01 650,21 27/252

28 TABE ELA E ESTIMATIVA DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS NA REGIÃO SERRANA ÍNDICE DE POPULAÇÃO GERAÇÃO MUNICÍPIO URBANA PER CAPITAC (IBGE 2010) QUANTITATIVO ESTIMADO E (KG/HAB/DIA) (TON/DIA) Bom Jardim Cantagalo Carmo Cordeiro Duas Barras Macuco Nova Friburgo Petrópolis Santaa Maria Madalena São José do Vale do Rio Preto São Sebastião do Alto Sumidouro Teresópolis Trajano de Moraes TOTAL SERRANA , , , , , , , , , , , , , , ,82 10,69 9,53 8,89 14,1 5,03 2,8 130,69 250,34 3,97 6,3 3,37 3,48 116,97 3,44 569,6 Diante dos índices levantados é possível apresentar as médiass de geração per capita nas diferentes regiões administrativass do Estadoo do Rio de Janeiro (Tabela ). TABE ELA MÉDIA DOS ÍNDICES PER CAPITA DE GERAÇÃO DE RSU NAS REGIÕES ADMINISTRATIVAS DO ESTADOO DO RIO DE JANEIRO (2010) REGIÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITAA (KG/HAB/DIA) Região Metropolitana 1,19 Região Centro Sul Fluminensee 0,73 Região da Costa Verde 0,81 Região das Baixadas Litorâneas 0,82 Região do Médio Paraíba 0,81 Região Noroeste Fluminense 0,72 28/252

29 REGIÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITAA (KG/HAB/DIA) Região Norte Fluminense Região Serrana MÉDIA ESTADUAL 0,87 0,82 1,10 Desta forma, é possível afirmar r que o maior índice de geração do Estado pertence à sua região metropolita ana e os menores índices às regiões Noroeste Fluminense e Centro Sul Fluminense (Figura 4.1-2). 29/252

30 FIGURA ÍNDICES DE G GERAÇÃO PER CAPITA DE RSU SEGUNDO REGIÕES ADMINISTRATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (KG/HAB/DIA) Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) dos Resíduos Sólidos Tomo I Setembro, 2013 Rev /252

31 A observaçãoo dos valores estimados ainda permite inferir que a geração percentual de RSU na Região Metropolitana 1 esta representada por 83% da geração total de resíduoss do Estado (Figura 4.1-3). FIG GURA PERCENTUAL DA GERAÇÃO DE RSU NA REGIÃO METROPOLITANAA E DEMAIS REGIÕES ADMINISTRATIVAS Desta forma, a Tabela apresenta os índices estimadoss de geração per capita nas regiões e o índice médio estabelecido paraa a geração de resíduos no Estado do Rio de Janeiro. TABELA ÍNDICES MÉDIOS DE GERAÇÃO PERR CAPITA DE R ÍNDICE DE GERAÇÃO PER CAPITA RSU Região Metropolitana (média): Demais Regiões Administrativas do Estado do Rio de 1,19 Kg/hab/dia 0,81 Kg/hab/dia 1 Conforme definida pela Lei Complementar r Estadual n 133, de 15 de dezembroo de 2009: "Art. 1º Fica instituída a Região Metropolitana do Rio de Janeiro,, composta pelos Municípios doo Rio de Janeiro, Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Japeri, Magé, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova N Iguaçu, Paracambi, Queimados, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica, Tanguá e Itaguaí..." dos Resíduoss Sólidos Tomo I 31/252

32 Janeiro (média): ÍNDICE MÉDIO DE GERAÇÃO PERR CAPITA NO ESTADO 1,10 Kg/hab/dia Estimados os índices médios dee geração per capita, foi possível estabelecer índices que refletem a geração perr capita nos consórcios e arranjos estabelecidos no Estado, conforme demonstradoo na tabela a seguir e apresentada na figura x. TABELA ESTIMA ATIVA DE GERAÇÃO DE RSU SEGUNDO AS A REGIÕES CONSORCIADAS Consórcios/Arranjos População urbanaa Geração de RSU (IBGE, 2010) (kg/habxdia) Arranjo Baía de Sepetiba Arranjo Centro Fluminense Arranjo Costa Verde Arranjo Lagos II Arranjo Metropolitana Leste Arranjo Norte Fluminense I Arranjo Norte Fluminense II Arranjo Serrana II II Arranjo Sul Fluminense I Consórcio Sul Fluminense II Consórcio Baixadaa Fluminensee Consórcio Centro Sul Fluminense I Consórcio Lagos I Consórcio Noroeste Fluminense Consórcio Serranaa I Consórcio Serranaa II Consórcio Vale do Café Soluções Individuais Total geral /252

33 FIGURA ÍNDICES DE GERAÇÃO PERR CAPITA NOS CONSÓRCIOS E ARRANJOS DO ESTADO NAS REGIÕES ADMINISTRATIVAS. Os índices médios de geração per capita encontrado os, permitem inferir que no Estado são geradas aproximadamente 17 mil toneladas diárias ou 510 mil toneladas mensais de RSU, conforme pode ser observado na tabela a seguir: TABE ELA E ESTIMATIVA DE GERAÇÃO DE RSU SEGUNDO AS REGIÕES ADMINISTRATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIR REGIÃO ADMINISTRATIVA RO (2010) POPULAÇÃO URBANA (IBGE, 2010) ESTIMATIVA DE GERAÇÃO DE RSU (HAB) (TON/DIA) (TON/MÊS) Região Metropolitana Região Centro Sul Fluminense Região da Costa Verde Região das Baixadas Litorâneas Região do Médio Paraíba Região Noroeste Fluminense Região Norte Fluminense /252

34 REGIÃO ADMINISTRATIVA POPULAÇÃO URBANA (IBGE, 2010) ESTIMATIVA DE GERAÇÃO DE RSU (HAB) (TON/DIA) (TON/MÊS) Região Serrana TOTAL ESTADUAL ESTIMATIVA DE GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE LIMPEZAA URBANA ( DOMICILIARES (RDO) (RLU) E RE ESÍDUOS A PNRS classifica os resíduos sólidos urbanos ( RSU), como aqueles que englobam os resíduos domiciliare es (RDO), ou seja, os o originários de atividades domésticas em residências urbanas e os resíduos de limpeza urbana (RLU), aqueles originários da varrição, limpeza de logradouros e vias públicas e outros serviços de limpeza urbana. Estima-se, conforme apresentadoo na Tabela , que o Estado do Rio de Janeiro gere aproximadamente toneladas diárias de RSU, o que implica em registrar uma geração aproximada de 1,10 kg/ /hab./dia, valor atribuído à somatória de RDO e RLU. Diferente da nomenclatura utilizada na PNRS, o SNIS-2010S 2, denominou os resíduos de limpeza urbana RLU comoo resíduoss públicos s RPU, agrupa municípios por porte populacionall (Tabela 4.2-1) e estabelece valores mínimos, médios e máximos de massa coletada (RDO + RPU) R em relação ao porte populacional dos municípios. Tais valores podem ser verificados na Tabelaa TA ABELA AGRUPAMENTO DOS MUNICÍPIOS POR FAIXAS POPULACIONAIS, SEGUNDO SNIS FAIXA NÚMERO DE HABITANTES S até habitantes de até habitantes de a habitantes de a habitantes de a habitantes 2 O SNIS, importante sistema nacional de informações do setor saneamento brasileiro, apoia-see em um bancoo de dados, que contém informações de caráter operacional, gerencial, financeiro e de qualidade sobree a prestação de d serviços públicos de saneamento básico. O Diagnóstico doo Manejo de Resíduos Sólidoss Urbanos é elaborado anualmente desde /252

35 FONTE: 6 SNIS, 2010 mais de de habitantes TABELA VALORES S DE MASSA DE RESÍDUOS COLETADOS ATRIBUÍDOS A P MASSA COLETADA PER CAPITA (RDO+ +RPU) FAIXA (KG/HAB/DIA) PELO SNIS-2010 MÍNIMO MÁXIMO MÉDIO 1 0,10 2, 72 0,80 2 0,10 2, 46 0,81 3 0,28 2, 68 0,90 4 0,46 1, 56 0,90 5 0,30 2, 30 1,13 6 0,89 0, 95 0,81 FONTE: SNIS-2010 Nestas considerações, dos 92 municípios do Estado, aproximadamente 72% apresentam população entre 5 e 100 mil habitantes, 17% contamm com população entree 100 e 250 mil habitantes e apenas 11% com população superior a 250 mil habitantes. Deste universo apenass o município do Rio de Janeiroo se enquadra na faixaa de municípios com população superiorr a de habitantes, segundo CENSO IBGE, FIG GURA D DIVISÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POR FAIXA POPULACIONAL, SEGUNDO SNIS, /252

36 Os municípios pesquisados no Estado foram divididoss em conformidade com as faixas de extratos populacionais apresentados pelo SNIS-2010S 0 e os valores de massa coletada atribuídaa aos RSU foram verificados (Tabela 4.2-3). TAB BELA MASSA COLETADA DE RSUU NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO, DE ACORDO COM AS FAIXAS POPULACIONAIS Massa coletada Representatividade Massa coletada FAIXA SNIS 2010 dos municípios do (RSU - PERS) POPULACIONAL Estado (RDO+RPU) (kg/hab/dia) (kg/hab/dia) 1 47% 0,80 0, % 0,81 0, % 0,90 0,84 4, 5 e 6 11% 0,95 1,211 Média 0,84 1,10 Conforme os valores apresentados na Tabela , o valor médio de massa coletada de resíduos sólidos urbanos, respeitando-se a proporção da distribuição dos municípios do Estado pelas faixas de referênciaa é de 1,10 kg/hab./ /dia, ou seja, 30% maior do que a apresentada no dado nacional oficial. O SNIS-2010 expõe ainda, de forma especifica, que a massa coletada per capta de resíduos domiciliares e resíduos públicos (RDO+RPU) é dee 0,96 kg/hab./dia paraa o Estado do Rio de Janeiro, ou seja, aproximadamentee 13% inferior ao índice encontrado pelo presente diagnóstico. Paraa o Estado do Rio de Janeiro, de acordo com oss dados disponibilizados no SNIS-2010, o índice médio estimado para a geração dee RDO emm relação à massa coletada de RSU é de 0,7 kg/hab./dia paraa o universo de municípios avaliados, conforme pode ser observado no quadro a seguir: TABELA A ÍNDIC CE MÉDIO ESTIMADO DA MASSA COLETADA DE RDO NO ESTADO MUNICÍPIO Barra Mansa Cabo frio Campos do Goytacazes Carapebus Casemiro de Abreu Duque de Caxias Iguaba Grande MASSA COLETADA DE RDO (kg/hab./dia) 0,6 0,7 0,6 0,7 0,7 0,8 0,8 36/252

37 Itaboraí Macuco Maricá Mendes Mesquita Niterói Nova Friburgo Paty dos Alferes Petrópolis Pinheirall Piraí Porciúncula Queimados Rio Bonitoo Rio das Flores Rio de Janeiro São José Vale do Rio Preto Valença Média 0,6 1,0 0,7 0,7 0,7 0,9 0,8 0,8 1,1 0,6 0,7 1,5 0,6 0,7 0,8 0,9 0,1 0,6 0,7 FONT TE: SNIS, (MUNICÍPIOS QUE APORTARAM DADOS) Assumindo-se o acréscimo de 13% no índice médio apresentado pelo SNIS, a massa média estimada de geração de RDO no Estado será dee 0,8 kg/hab./dia. Nas estimativas apresentadas e para efeitos de cálculo da massa coletada de resíduos domiciliares e resíduos r de limpeza urbana, os três índices apresentados foram projetados em relação à população do Estado ( Tabela 4.2-5). TABELA MASSA A COLETADA D DE RDO E RL LU NO ESTADOO População Massa REFERÊNCIA Massa Total do coletada coletada total (massa coletada de RSU) Estado RDO (ton/dia)) (hab.) (ton/dia) Índice por extratos populacionais (SNIS/10) Índice atribuído ao Estado (SNIS/10) Índice diagnostico RSU (PERS- RJ) 0,84 0,96 1, * Massa coletada RLU (ton/dia) /252

38 * Massa corrigida por meio do índice de 0.8 kg/hab./dia Portanto, com base nos dados apresentados na tabela , estima-see que o Estado do Rio de Janeiro colete aproximadamente 4 a 5 mil ton/dia de RLU e de 13 mil a 17 mil ton/dia de RDO. A considerar que outras tipologias de resíduos podem estar contabilizadas no montante e para efeitos de cálculo estimativo, os valores mínimos encontrados serãoo adotados neste documento. Ainda, segundo confirmado nos indicadores nacionais (SNIS, 2010), os órgãos públicos gestores do manejo de resíduos sólidos urbanos nos municípios são, em sua maioria, os órgãos da administração direta. Segundo ainda esses indicadores, a taxa de cobertura da coleta de RDO noo Estado é igual ou superior a 90% GERAÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS A PARTIR DO CONSUMO APARENTE A análise da geração de materiaiss recicláveis a partir do d consumo aparente parte de dois parâmetros: o consumo aparente 3 de materiaiss potencialmente recicláveis e da participação de cada um destes na produção de embalagene s. Foram levantados os dados relativos ao consumoo aparente dos seguintes materiais em território nacional: alumínio, aço, papel/papelão, plástico e vidro A ALUMÍNIO FONT ALUMÍNIO TES: ABAL (2011). TABELA DADOS UNIDADE S RELATIVOS AO CONSUMOO DE ALUMÍNIOO E Consumo Aparente Embalagens Latas Embalagens por Habitante t t t Kg/hab 832,6 256,4 132,6 1,4 892,8 275,0 147,4 1,55 984,6 303,3 166,5 1, ,7 347,0 180,9 1,4 3 Entende-se por Consumo Aparente de umm bem, o total de sua produção adicionada as importações e subtraída as exportações, calculado sobre um determinado período ou o base de tempo, geralmente um ano. 38/252

39 Da análise dos valores apresentados, infere-se que o consumo aparente deste material tem crescido de forma contínua nos últimos anos, a sendo as embalagens em geral, responsáveis por aproximadamente 30% de seu consumo. Entre as embalagens, as latas de alumínio são aquelas comm mais destaque, principalmentee no campo da reciclagem, e respondem por cerca de 55% de todas as embalagens de alumínio vendidas. Os dados também indicam o crescimento do consumo de embalagens dee alumínio por habitante, embora sem uma alteração significativa da participação das latas no setor A AÇO Segundo dados do Ministério de Minas e Energia (MME), o consumo aparente de aço no Brasil vem crescendo desde a década de Todavia, para este material, o setor de embalagenss tem uma relevância menor, uma vez que responde por apenas 4% do consumo aparente doo material.. Desta forma, a quantidade de aço e sucata ferrosa encontrada nos resíduos se deve menos à presença de embalagens e mais a outros bens, como eletrodomée ésticos. Neste sentido, programas voltados à eficiência energética que estimulem a substituição de eletrodomésticos poucoo eficientes devemm fomentar as possibilidades de reciclagem destes bens. A tabela, a seguir, apresenta dadoss relativos ao consumo de açoo no Brasil. AÇO TABELA A DAD UNIDADE DOS RELATIVOS AO CONSUMO DE AÇO Consumo Aparente t , , , ,3 Embalagens t 936,0 873, 0 891,0 886,0 Embalagens por Kg/hab 5,1 4,7 Habitante FONTE: ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO SETOR METALÚRGICO O, 2010 MME. 4,7 4,7 Apesar da pequena participação doo setor de embalagens para o setor siderúrgico, as embalagens de aço, em termos de quantidade por habitante,, ainda correspondem a mais que o dobro das embalagens dee alumínio. Isto provavelmentee se deve à maior densidade do ferro e à maior gama de produtos que utilizam o aço. Todavia, diferentemente do alumínio, a quantidade consumida de embalagens de aço por habitante mostrou uma leve redução no consumo durante o período 39/252

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS)

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) VOLUME 2 Diagnóstico

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu Apresentação: Lançado pelo SEBRAE RJ, é um roteiro turístico composto por 10 municípios do Estado do Rio de Janeiro; 3 Regiões turísticas: Metropolitana, Serra Verde Imperial, Costa do Sol - integradas

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Corregedor JUIZ ANTONIO AUGUSTO DE TOLEDO GASPAR Diretora -

Leia mais

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos 1/14 1a. DP 4a. DP 5a. DP 6a. DP 7a. DP 9a. DP 10a. DP 12a. DP 13a. DP Totais Praça Mauá Praça da República Mem de Sá Cidade Nova Santa Teresa Catete Botafogo Copacabana Ipanema Homicídio doloso (total)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO POR MEIO DO SiSU NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Reitor da Universidade

Leia mais

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. 1 CAPÍTULO XIV Dos Juízes de Direito nas Comarcas de Angra dos Reis, Araruama, Armação dos Búzios, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Cabo Frio,

Leia mais

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Municípios em Dados SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Equipe da Dimensão Territorial do Planejamento: Haidine da Silva Barros Duarte Francisco Filomeno Abreu Neto Paulo Cesar Figueredo

Leia mais

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO Código Serventia Nome da Serventia Município 1214 RCPN 02 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU (BARRA S. JO 1216 02 OFICIO DE JUSTICA CASIMIRO DE ABREU 1217 RCPN 01 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU 1221 OFICIO UNICO CONCEICAO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA RUBRICA: FLS.: 657 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA VOTO GC-2 1593/2014 PROCESSO: TCE-RJ N o 238.182-1/13 ORIGEM: COORDENADORIA DE AUDITORIA E

Leia mais

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008 Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar 25 de junho de 2008 Estrutura da Apresentação I Objetivo do Trabalho; II Metodologia; e III Estudos de Caso. I Objetivo do Trabalho O objetivo

Leia mais

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando:

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando: RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 107 DE 22 DE MAIO DE 2013 APROVA NOVA DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E REVOGA A RESOLUÇÃO CERHI N 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 O CONSELHO ESTADUAL

Leia mais

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro - 2010 Lista de Abreviaturas e Siglas FOB Significa livre a bordo (free on board) o vendedor encerra suas obrigações quando a mercadoria

Leia mais

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 Comarcas: Promotorias de Justiça da Infância e Juventude da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso e Promotorias de Justiça

Leia mais

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES CREDORES - R.P. e Realizadas - /INVESTIMENTO - Página: Page 1 of 16 02 RESTITUIÇÕES 2º DISTRITO DA COMARCA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES CNPJ/CPF: 23064378000154 2º RCPN DA COMARCA DA CAPITAL CNPJ/CPF: 23407222000129

Leia mais

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 s Centro Regional de Apoio Administrativo Institucional MUNICÍPIOS Promotorias de Justiça ÚNICAS, CÍVEIS e de Proteção à INFÂNCIA

Leia mais

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Jurisdição das cidades da 7ª Região. Delegacia Cidade/Bairro* Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Pinheiral Pirai

Leia mais

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro Nº 20080101 Janeiro - 2008 Fernando Cavallieri, Fabrício Leal de Oliveira - IPP/Prefeitura

Leia mais

Livro Adicional Eletrônico XML

Livro Adicional Eletrônico XML PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA Diretoria Geral de Fiscalização e Apoio às Serventias Extrajudiciais Divisão de Monitoramento Extrajudicial Livro Adicional Eletrônico

Leia mais

Q1 Cidade de Residência:

Q1 Cidade de Residência: Q Cidade de Residência: Respondidas: 8 Ignoradas: RIO DE JANEIRO ANGRA DO REIS APERIBE ARARUAMA AREAL ARMACAO DO BUZIOS ARRAIAL DO CABO BARRA DO PIRAI BARRA MANSA BELFORD ROXO BOM JARDIM BOM JESUS DO ITABAPOANA

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 Fixa as normas do Processo Seletivo para ingresso na 3ª Turma do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO * RESOLUÇÃO N o 746/10 TRE/RJ O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e CONSIDERANDO que compete, privativamente, aos Tribunais Regionais, nos

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, agosto de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de

Leia mais

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich *

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * Como introdução ao tema, algumas observações se fazem necessárias. Primeiro, deve ser considerado que se trata de um

Leia mais

Dia da Consciência Negra - feriados municipais

Dia da Consciência Negra - feriados municipais Nº UF Município 1 AL UNIAO DOS PALMARES 2 AM MANAUS 3 GO FLORES DE GOIAS 4 MG ITAPECERICA 5 MT ACORIZAL 6 MT AGUA BOA 7 MT ALTA FLORESTA 8 MT ALTO ARAGUAIA 9 MT ALTO DA BOA VISTA 10 MT ALTO GARCAS 11 MT

Leia mais

2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS

2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS 2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: contradições e fracassos Resumo

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de, Janeiro e Fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de, Janeiro

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 47 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso.

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COORDENAÇÃO GERAL DO ESTÁGIO FORENSE XXXIX CONCURSO PARA ADMISSÃO AO ESTÁGIO FORENSE DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL *A Coordenadora

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 20 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 7 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Gláucio José Marafon 1 João Rua 1 Adriana Paula da Silva Galhardo 2 Alvaro Henrique de Souza Ferreira 2 Ivan Luiz de Oliveira

Leia mais

ATENÇÃO PSICOS. EXTRA-HOSP. ATENÇÃO PSICOS. EXTRA- HOSP res.235 PORTARIAS SIA

ATENÇÃO PSICOS. EXTRA-HOSP. ATENÇÃO PSICOS. EXTRA- HOSP res.235 PORTARIAS SIA 1 PROGRAMAÇÃO PACTUADA E INTEGRADA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIMITES FINANCEIROS GLOBAIS MENSAIS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - TETO ABRIL DE 2009 APROVADO EM REUNIÃO

Leia mais

ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015.

ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Transportes Departamento de Transportes Rodoviários ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. REAJUSTA AS TARIFAS

Leia mais

MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE

MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE FEVEREIRO DE 2011 MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE Coordenação Geral Martha Macedo de Lima Barata

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO SOMANDO FORÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO Localização: Região Sudeste 57% do PIB Nacional Área: 43.696

Leia mais

PROGRAMA O Drama MAIS da Inclusã EDUCAÇÃO - o PME Perversa

PROGRAMA O Drama MAIS da Inclusã EDUCAÇÃO - o PME Perversa PROGRAMA MAIS O Drama EDUCAÇÃO da Inclusão - PME Perversa Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Currículos e Educação Integral Construção da Política de Educação Integral no

Leia mais

Nome da Unidade Endereço da Unidade Telefone da Unidade E-mails funcionais dos Membros

Nome da Unidade Endereço da Unidade Telefone da Unidade E-mails funcionais dos Membros PROMOTORIA DE JUSTIÇA JUNTO ÀS TURMAS RECURSAIS CRIMINAIS DA CAPITAL AVENIDA MARECHAL CÂMARA 350 7º ANDAR 20020080 CENTRO RIO DE carlara@mprj.mp.br PROMOTORIA DE JUSTIÇA JUNTO AO XVIII JUIZADO ESPECIAL

Leia mais

Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais

Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais Requisitos: Para que a distribuição eletrônica ocorra são necessários: 1. Um sistema apto a criar um arquivo de texto cujos dados estejam de acordo com a formatação

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEMAIS MUNICÍPIOS CT 2 MUNICÍPIO ENDEREÇO TELEFONE CEP ANGRA DOS REIS RUA QUARESMA JÚNIOR, 38 / 202 (22) 9836-0136 / 9830-0136 FAX: (22) 2664-1513 23.900-000

Leia mais

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer uma sistemática organizada de controle e combate a situações de vazamentos e derrames com risco ambiental e este procedimento se aplica a todas

Leia mais

26.03.10 29.03.10 018216

26.03.10 29.03.10 018216 1 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C129 Caderno de turismo do Estado do Rio de Janeiro : passaporte para o desenvolvimento do Estado / [João Carlos Gomes,

Leia mais

QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Resumo: Vanessa Campagnac Thaís C. Ferraz Thiago Soliva Poucas pesquisas foram realizadas objetivando

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 11/2016 Rio de Janeiro, 29 de março de 2016. Ref: Desconto da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor Novamente estamos no período do desconto da Contribuição Sindical, anteriormente

Leia mais

SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da da CIB CIB

SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da da CIB CIB SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da CIB CREDENCIAMENTOS Processo - E-08/05034/2012 - Credenciamento da Unidade de Saúde CAPS-IMBARIÊ, CNES nº 7032862, localizado no Município de Duque de Caxias RJ

Leia mais

INTERNADOS INVOLUNTARIAMENTE

INTERNADOS INVOLUNTARIAMENTE 2012 RELATÓRIO do MÓDULO DE SAÚDE MENTAL - 2012 O Módulo de Saúde Mental - MSM é um sistema informatizado desenvolvido para o envio das notificações de internações psiquiátricas involuntárias, bem como

Leia mais

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco Rudi Rocha 1. Introdução Ao longo da última década, o Brasil vêem experimentando

Leia mais

Ministério Público do Rio de Janeiro Av. Marechal Câmara, 370 Centro CEP 20020-080 (em frente ao Protocolo)

Ministério Público do Rio de Janeiro Av. Marechal Câmara, 370 Centro CEP 20020-080 (em frente ao Protocolo) Pontos de coleta Rio de Janeiro Clube Naval Av. Rio Branco, 180 Centro Rio de Janeiro Primeira Igreja Batista do Recreio Rua Helena Manela, 101, Recreio, Rio de Janeiro Superintendência Regional da Receita

Leia mais

26.03.10 29.03.10 018216

26.03.10 29.03.10 018216 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C129 Caderno de turismo do Estado do Rio de Janeiro : passaporte para o desenvolvimento do Estado / [João Carlos Gomes, organização].

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015 APROVA A TABELA DE PLANTÃO DOS DEFENSORES PÚBLICOS PARA O MÊS DE ABRIL DE 2015, NOS TERMOS DA RESOLUÇÃO Nº 430/2007:

Leia mais

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013

HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 HIV/AIDS no Estado do Rio de Janeiro 2013 Gerência de DST/AIDS/Hepatites Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental Secretaria de Estado de Saúde DADOS GERAIS No Brasil: Prevalência do HIV

Leia mais

Sistema DCP. Provimento CGJ 63/2012. Alvará de Soltura Interior

Sistema DCP. Provimento CGJ 63/2012. Alvará de Soltura Interior Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Alvará de Soltura Interior Índice 1. Informações Iniciais... 3 2. Utilização do Texto Alvará de Soltura... 3 2.1. Andamento 52 - Digitação de Documentos... 3 3. Recebimento

Leia mais

PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J

PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J MUNDIAL Produção Mundial de Pescado,5 milhões de toneladas FAO - 2 5,6 milhões ton. Consumo

Leia mais

Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo. Tarifa (R$)

Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo. Tarifa (R$) Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo Tarifa (R$) RJ 101 AUTO ÔNIBUS FAGUNDES LTDA. 0 430 M Niterói - São José SA O 3,60 0 431 M Niterói - Monjolos SA C 3,60 0 701 M Alcântara - Itaboraí (via Bernardino) SA O

Leia mais

Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro Demanda Potencial e Universidade: notas sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro Documento de Trabalho nº 29 Série Educação em Números Edson Nunes Enrico Martignoni Márcia Marques de Carvalho Março

Leia mais

Programa Lixão Zero - RJ: instrumentos, avanços e desafios

Programa Lixão Zero - RJ: instrumentos, avanços e desafios ABES Brasília - 2014 encerramento de lixões, inclusão dos catadores e recuperação de áreas degradadas Programa Lixão Zero - RJ: instrumentos, avanços e desafios Victor Zveibil Superintendente de Políticas

Leia mais

CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS

CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS NOMES ENDEREÇOS TELEFONES EMAILS Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação de Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa

Leia mais

CEJA ENDEREÇOS TELEFONES

CEJA ENDEREÇOS TELEFONES CEJA ENDEREÇOS TELEFONES Araruama CIEP Brizolão 148 Professor Carlos Élio Vogas da Silva Rua Oscar Clark, s/nº - Parque Mataruna - Araruama - RJ (22) 2665-5953 (22) 2665-5431 Arraial do Cabo Maricá CEJA

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014 A Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Desembargadora LEILA MARIA CARRILO CAVALCANTE RIBEIRO MARIANO, no uso das atribuições

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014 PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014 NO PAÍS, OS INCIPIENTES SISTEMAS PÚBLICOS DE PLANEJAMENTO FORAM DESMOBILIZADOS, SEUS QUADROS FUNCIONAIS SÃO MÍNIMOS.

Leia mais

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LEI Nº 5636, DE 06 DE JANEIRO DE 2010. DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Gestão dos Resíduos Sólidos no Estado do Rio de Janeiro: avanços e desafios

Gestão dos Resíduos Sólidos no Estado do Rio de Janeiro: avanços e desafios ABRAMPA - ABIVIDRO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Perspectivas e Soluções Gestão dos Resíduos Sólidos no Estado do Rio de Janeiro: avanços e desafios Victor Zveibil Superintendente de Políticas

Leia mais

DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES

DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES MANUAL PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIA DATA DE VIGÊNCIA 01/10/2013 SUMÁRIO 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Disciplina: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Viviane Japiassú Viana GERENCIAMENTO PARTE 4. Disposição final de resíduos sólidos

Disciplina: GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Viviane Japiassú Viana GERENCIAMENTO PARTE 4. Disposição final de resíduos sólidos GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOSS PARTE 4 Disposição final de resíduos sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Disposição final De acordo com a Resolução CONAMA 358/05, disposição final de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) Estudo de caso: Diagnóstico do sistema de manejo de resíduos sólidos domiciliares

Leia mais

GUANABARA LIMPA PSAM. rograma de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara

GUANABARA LIMPA PSAM. rograma de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara GUANABARA LIMPA PSAM rograma de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara PACTO PELO SANEAMENTO: RIO+LIMPO Meta do ERJ : 80% de Coleta e Tratamento de Esgotos até 2018 BAÍA DE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Gestão, Plano Diretor de Gestão Integrada, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Aterros Sanitários

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Gestão, Plano Diretor de Gestão Integrada, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Aterros Sanitários III-124 A IMPLANTAÇÃO DOS ATERROS PROPOSTOS NO PLANO DIRETOR DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO ATRAVÉS DE EMPRESAS PRIVADAS João Alberto Ferreira (1) D.Sc.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/2014. Consulta para Identificação das Preferências da Comunidade Universitária para a escolha de Reitor e Vice-Reitor da UFF Quadriênio 204/208 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/204. A Comissão Especial instituída

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DOS CONJUNTOS FUZZY NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE DA GERAÇÃO DE MASSA SALARIAL DA INDÚSTRIA EM 2006.

APLICAÇÃO DA TEORIA DOS CONJUNTOS FUZZY NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE DA GERAÇÃO DE MASSA SALARIAL DA INDÚSTRIA EM 2006. APLICAÇÃO DA TEORIA DOS CONJUNTOS FUZZY NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE DA GERAÇÃO DE MASSA SALARIAL DA INDÚSTRIA EM 2006. Guilherme Luis Nilson Pinto de Carvalho Doutorando em Economia UFF Jorge

Leia mais

PROGRAMA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: AÇÕES, RESULTADOS E PERSPECTIVAS

PROGRAMA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: AÇÕES, RESULTADOS E PERSPECTIVAS PROGRAMA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: AÇÕES, RESULTADOS E PERSPECTIVAS Ubirajara Aluizio de Oliveira Mattos (UERJ) ubirajaraaluizio@yahoo.com.br Elmo Rodrigues da Silva (UERJ)

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012

Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Alvará de Soltura Fórum Central e Regionais Índice 1. Informações Iniciais...3 2. Utilização do Texto Alvará de Soltura...3 2.1. Andamento 52 - Digitação de Documentos...3

Leia mais

Distribuição espacial dos polos regionais do Cederj: uma análise estatística

Distribuição espacial dos polos regionais do Cederj: uma análise estatística 82 doi: 10.1590/S0104-40362016000100004 Distribuição espacial dos polos regionais do Cederj: uma análise estatística Keila Mara Cassiano a Fátima Kzam Damaceno de Lacerda b Carlos Eduardo Bielschowsky

Leia mais

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE Redes Integradas de Monitoramento Rede Hidrometeorológica Básica do Estado do Rio de Janeiro Monitoramento de Quantidade e Qualidade de Água REDES DE MONITORAMENTO

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO SOMANDO FORÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO Localização: Região Sudeste 57% do PIB Nacional Área: 43.696

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Bertrand Sampaio de Alencar Teresina, 12 de junho de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Marco

Leia mais

2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses

2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses 24 2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses A autonomia municipal adquirida com a CF/88 intensificou o processo de emancipação municipal. Como conseqüência,

Leia mais

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS)

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) VOLUME 2 Diagnóstico

Leia mais

Polícia Civil Principais Ocorrências Registro Interior - RJ 2010 Números Absolutos

Polícia Civil Principais Ocorrências Registro Interior - RJ 2010 Números Absolutos 1/8 Totais 88a. DP 89a. DP 90a. DP 91a. DP 92a. DP 93a. DP 94a. DP 95a. DP 96a. DP 97a. DP 98a. DP 99a. DP 100a. DP 101 DP 104a. DP 105a. DP Barra do Piraí Resende Barra Mansa Valença Rio das Flores Volta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE - INEA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE - INEA GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE - INEA RESOLUÇÃO INEA Nº 15 DE 23 DE SETEMBRO DE 2010 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

CADERNO DE TURISMO: APOIO À ORIENTAÇÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CADERNO DE TURISMO: APOIO À ORIENTAÇÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CADERNO DE TURISMO: APOIO À ORIENTAÇÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Autores Dayane Moraes Vidal, Eduardo Araujo de Melo, Fellipe Viêtas Rodrigues, Gabriel Campos Pereira da Costa,

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELA SECRETARIA:

CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELA SECRETARIA: CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELA SECRETARIA: Curso CE Local Tel ADMINISTRAÇÃO ALMIRANTE TAMANDARÉ Japeri (21) 2670-1250 2667-4924 AURELINO LEAL Niterói 2717-2802 2620-2319 AYDANO DE ALMEIDA Nilópolis 3760-2475

Leia mais

MAPA DA VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. 2014

MAPA DA VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. 2014 i MAPA DA VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. 2014 Coordenação Geral - Martha Macedo de Lima Barata D.Sc. Coordenação Técnica - Ulisses

Leia mais

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013 Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de 2013, com a publicação de duas novas

Leia mais

EAD na Graduação-UFRJ

EAD na Graduação-UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro EAD na Graduação-UFRJ Belkis Valdman Pró Reitora de Graduação Caetano Moraes Coordenador UFRJ - UAB Dalva Kato Técnica de Assuntos Educacionais EAD 1 Cursos de Graduação

Leia mais

Caderno de Diagnóstico. Resíduos Sólidos Urbanos. Equipe Técnica Bruno Milanez Luciana Miyoko Massukado. Supervisão Gustavo Luedemann Jorge Hargrave

Caderno de Diagnóstico. Resíduos Sólidos Urbanos. Equipe Técnica Bruno Milanez Luciana Miyoko Massukado. Supervisão Gustavo Luedemann Jorge Hargrave Caderno de Diagnóstico Resíduos Sólidos Urbanos Equipe Técnica Bruno Milanez Luciana Miyoko Massukado Supervisão Gustavo Luedemann Jorge Hargrave Assistente Tássia Nunes Dias Pereira Documento preliminar

Leia mais

Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R. Coordenadoria Regional Metropolitana II E/CR23.R. Coordenadoria Regional Metropolitana III E/CR26.

Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R. Coordenadoria Regional Metropolitana II E/CR23.R. Coordenadoria Regional Metropolitana III E/CR26. Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R Endereço: Rua: Profª Venina Correa Torres, nº 41 Bairro: Centro Município: Nova Iguaçu CEP: 26.220-100 Abrangência: Nova Iguaçu, Japeri, Mesquita, Nilópolis,

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais