Projeto Político Pedagógico do Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Político Pedagógico do Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio"

Transcrição

1 Projeto Político Pedagógico do Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Iporá, GO

2 Diretor Geral Prof. MSc. José Junio Rodrigues de Sousa Diretor de Administração e Planejamento Prof. M.Sc. Marcelo Medeiros Santana Diretor do Ensino Prof. Dr. Renato Lara de Assis Coordenadora do Ensino Médio e Técnico Profª. Drª.Vania Sardinha dos Santos Diniz Pedagoga Profª. Esp. Marta Regina de Freitas Cabral Corrdenador de Ensino de Graduação Prof. Esp. Iuri Stênio Rodrigues Coordenadora de Pesquisa e Pós-Graduação Prof a. Dra. Cristiane de Melo Cazal Diretor de Apoio Institucional Prof. M.Sc. Admilson Araújo da Silva

3 SUMÁRIO 1. Introdução JUSTIFICATIVA DO CURSO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS ÁREA DE ABRANGÊNCIA MISSÃO DO CURSO PERFIL DO EGRESSO ÁREAS DE ATUAÇÃO Mercado de trabalho ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Matriz Curricular Carga Horária SISTEMA DE AVALIAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES ESTÁGIO SUPERVISIONADO EMENTAS REGIME DE FUNCIONAMENTO E VAGAS INFRA-ESTRUTURA FÍSICA Locais para aulas teóricas e atendimento aos alunos Outros recursos materiais Laboratórios Laboratórios de informática Laboratório de Química Orgânica / Produtos Laboratório de Química Geral e Analítica Laboratório de Físico-Química Central Analítica Central de Gerenciamento de Resíduos Almoxarifado Laboratório de Análise de Solo e Foliar... 19

4 Laboratório de Tecnologia de Alimentos Sala de Microscopia Acessibilidade às pessoas portadoras de necessidades específicas Biblioteca Espaço Físico Horário de funcionamento Acervo Bibliográfico Asesso on line de periódicos e revistas RECURSOS HUMANOS Estrutura Administrativa Pessoal de Apoio ANEXOS... 24

5 1. Introdução As Instituições que formam a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica são originárias, em grande parte, das 19 escolas de aprendizes artífices instituídas por um decreto presidencial de 1909, assinado pelo então presidente Nilo Peçanha. Essas escolas, inicialmente subordinadas ao Ministério dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio, foram transferidas em 1930 para a supervisão do Ministério da Educação e Saúde Pública. Sete anos depois foram transformadas nos Liceus Industriais. Um ano após o ensino profissional ser considerado de nível médio, em 1942, os Liceus passaram a se chamar escolas industriais e técnicas e em 1959, Escolas Técnicas Federais configuradas como autarquias. Ao longo desse tempo, constituiu-se uma rede de escolas agrícolas as Escolas Agrotécnicas Federais. Esse ensino técnico teve ênfase numa época em que o Brasil, em franco desenvolvimento agrícola e industrial, necessitava ampliar seu contingente de mão-de-obra técnica especializada. Logo a Educação Profissional e Tecnológica assumiu valor estratégico para o desenvolvimento nacional resultante das transformações das últimas décadas. Na mais recente dessas transformações nasce o Instituto Federal Goiano (IF Goiano), criado por meio da Lei , de 29 de dezembro de 2008, juntamente com outros 37 Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. As novas instituições são frutos do reordenamento e da expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, iniciados em abril de De acordo com o disposto na Lei, o Estado de Goiás ficou com dois Institutos. O Instituto Federal Goiano (IF Goiano) integrou os antigos Centros Federais de Educação Tecnológica (CEFETs) de Rio Verde, de Urutaí e sua respectiva Unidade de Ensino Descentralizada de Morrinhos, mais a Escola Agrotécnica Federal de Ceres (EAFCE) todos provenientes de antigas Escolas Agrícolas. Como órgão de administração central, o IF Goiano tem uma Reitoria instalada em Goiânia, Capital do Estado. O IF Goiano é uma autarquia Federal detentora de autonomia administrativa, 5

6 patrimonial, financeira, didático-pedagógica e disciplinar, equiparado às Universidades Federais. Oferece educação básica, profissional técnica, tecnológica e superior, pluricurricular e multicampi, especializada em educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino. Em 2010, o IF Goiano inaugura o Campus Iporá, com o compromisso de responder de forma rápida e eficaz às demandas crescentes por formação profissional, por difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos e de suporte aos arranjos produtivos na região oeste do Estado de Goiás. Naquele ano o Campus Iporá inicia as suas atividades oferecendo os cursos técnicos em Agropecuária, nos períodos matutino e vespertino; Informática, nos períodos vespertino e noturno; ambos nas modalidades concomitante e subsequente e do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação Jovens e Adultos (Proeja), sendo a habilitação oferecida em técnico em Administração. Para o ano de 2011 o IF Goiano Campus Iporá passa a oferecer o curso técnico em Informática integrado ao Ensino Médio, o curso de graduação em Química (Licenciatura) e o curso técnico em Química. O curso técnico integrado ao Ensino Médio torna-se importante, pois oferece às comunidades de Iporá e região a oportunidade de acesso ao ensino básico de qualidade agregado ao ensino profissionalizante atendendo a uma urgente demanda nacional por mão-de-obra qualificada, ao mesmo tempo, que possibilita a continuidade dos estudos para os que assim desejarem. 2. JUSTIFICATIVA DO CURSO O último censo realizado (2010) em Iporá revelou que existem habitantes, distribuídos numa área de aproximadamente 1026,38 km², sendo 1012,29 km2 de área rural e 14,09 km2 de área urbana, localizada nas coordenadas geográficas de Sul e Oeste. O município tem relevante inserção na região Centro-Oeste do 6

7 País devido ao entroncamento rodoviário entre as rodovias BR-060 e GO-060 e sua economia baseia-se nos setores de agricultura, com produção em pequena escala de banana e coco da Bahia, além de produções em maior escala de palmito, arroz, cana-deaçúcar, feijão, mandioca e milho; pecuária, com produção de bovinos, suínos, equinos e laticínios; extração vegetal, com produção de carvão vegetal, lenha e móveis; indústria, nas áreas extrativas, de transformação e construção; comércio, nas áreas de reparação de veículos automotores e peças, área de alojamento e alimentação de pessoas, transporte, comunicação, intermediação financeira e atividades imobiliárias; serviços, com a presença de casas lotéricas, bancos, entre outros (IBGE, 2011). Na área de educação, o município de Iporá possui estabelecimentos de ensino (Tabela 01), para os níveis infantil (redes municipal e privada), fundamental (redes estadual e privada), médio (redes estadual e privada), de educação especial (rede estadual) e de educação de jovens e adultos (redes estadual e federal). Para o nível de educação profissional e tecnológica, o município conta com o SENAC, que oferece cursos pagos nas áreas de serviços, além do IF Goiano Campus Iporá, que oferece os cursos técnicos gratuitos em Agropecuária, Informática, Química e Administração, na modalidade PROEJA, além do curso de Licenciatura em Química. O ensino de nível superior conta com a Unidade Universitária de Iporá, da Universidade Estadual de Goiás - UEG, que oferece os cursos de Licenciatura em Matemática, História, Geografia, Letras, Pedagogia, Biologia, Educação Física e Seqüencial de Gestão Pública. A cidade conta também com a Faculdade de Iporá FAI, instituição privada que oferece os cursos de Marketing, Administração, Pedagogia, Gestão de Agronegócios e Análises de Sistemas. 7

8 Tabela 01 - Números de estabelecimentos de ensino segundo etapa/ modalidade de ensino no ano de (Adaptado de SEPLAN). Estabelecimento de Ensino Dependência Administrativa Municipal Estadual Privada Federal Total Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Educação Especial Educação de Jovens e Adultos Educação Profissional e Tecnológica Sistema S 01 Educação superior Total de Estabelecimentos de Ensino Para elevar as taxas de emprego e renda gerando o crescimento econômico do município de Iporá e região é indispensável o investimento na educação técnica e tecnológica de seus habitantes. Adotando políticas de capacitação técnica dos produtores e profissionais se eleva a produtividade na pecuária de corte e leite, na agricultura e no setor industrial e a Informática está inserida em todos os segmentos do setor produtivo. Nesta perspectiva, sendo a Informática ferramenta essencial no processo de desenvolvimento de diversas atividades produtivas, há uma grande solicitação do 8

9 contexto sócio-econômico para a formação de profissionais Técnicos em Informática, a fim de atender à grande demanda do mercado de trabalho. Mesmo com a economia local apoiada em grande parte no Agronegócio, a dependência de sistemas computacionais eficientes é cada vez maior. Grandes empresas do Agronegócio procuram cada vez mais a melhoria, gerando demanda de profissionais desta área. 3. OBJETIVO GERAL O curso técnico em Informática integrado ao Ensino Médio tem como objetivo formar profissionais-cidadãos técnicos de nível médio, com responsabilidade social e que contemple um novo perfil de saber-fazer, saber-ser, saber-saber e do saber-conviver. O profissional Técnico em Informática integrado ao Ensino Médio possui conhecimentos técnicos gerais em planejamento e implementação de sistemas de informação e/ou comunicação. Conhece software e hardware, bem como a arquitetura básica de equipamentos de informática e/ou comunicação para atender as necessidades do mercado de trabalho. Além da formação profissional, o curso técnico integrado ao Ensino Médio tem como objetivo oferecer um ensino básico de qualidade que permita o acesso do aluno ao nível superior de ensino bem como prepará-lo para o exercício da cidadania. 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Os objetivos específicos do curso compreendem a formação de Técnicos em Informática aptos a: 2.1. Especificar, montar, instalar, configurar e utilizar computadores 2.2. Instalar, configurar e utilizar softwares; 2.3. Interligar sistemas de computadores; 2.4. Diagnosticar e corrigir falhas no funcionamento de computadores; 2.5. Planejar e desenvolver aplicações comerciais com uso de Banco de Dados de 9

10 forma integrada e coerente com princípios básicos de usabilidade, engenharia de software e interface amigável (IHC); 2.6. Conhecer técnicas, comandos, estruturas de controle e armazenamento para desenvolvimento de algoritmos; 2.7. Desenvolver aplicações WEB em sistemas cliente-servidor; e, 2.8. Identificar, projetar e implementar arquitetura, tipo, serviços e funções de redes de computadores. 5. ÁREA DE ABRANGÊNCIA O Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio está aberto para receber alunos oriundos das instituições de ensino públicas ou privadas, que oferecem o Ensino Fundamental, não somente do município de Iporá e região, como também do estado de Goiás, de toda a região Centro-Oeste e até mesmo, de qualquer parte do Brasil ou do exterior. Terá abrangência nos municípios localizados na microrregião de Iporá, (Figura 01), além de municípios adjacentes que fazem parte do Oeste Goiano (Figura 02), beneficiados por uma malha rodoviária num raio de 200 km, tais como Adelândia, Anicuns, Aragarças, Arenópolis, Aruanã, Aurilândia, Baliza, Bom Jardim de Goiás, Britânia, Buriti de Goiás, Diorama, Doverlândia, Firminópolis, Itapirapuã, Ivolândia, Jandaia, Jussara, Matrinchã, Montes Claros de Goiás, Mossâmedes, Nazário, Novo Brasil, Palestina, Palmeiras de Goiás, Palminópolis, Paraúna, Piranhas, Sancrerlândia, Santa Bárbara de Goiás, Santa Fé de Goiás, São João da Paraúna, São Luís de Montes Belos e Turvânia. 10

11 Figura 01 Mapa da Microrregião de Iporá (SEPLAN, 2008) Figura 02 Área de Abrangência do Curso no Oeste Goiano 11

12 6. MISSÃO DO CURSO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Oferecer educação profissional e tecnológica, de forma indissociável da pesquisa e extensão buscando o padrão de excelência na formação integral de profissionais com valores éticos e humanos para o mundo do trabalho, contribuindo com o desenvolvimento sustentável e a qualidade de vida da sociedade. 7. PERFIL DO EGRESSO - Ser capaz de tomar iniciativa, agir com criatividade, gerando e propondo novas idéias; - Ter compromisso profissional, ético e social; - Buscar o aprimoramento constante, percebendo a educação como um processo contínuo; - Mostrar-se dinâmico, responsável, flexível e comunicativo; - Posicionar-se como líder inovador, socializado com o conhecimento; - Apresentar espírito de pesquisa, buscando articulação com os fenômenos sociais e naturais; - Expressar-se nas várias linguagens como forma de posicionamento social; - Estar apto para o trabalho em equipe como membro atuante e inserido no contexto; - Mostrar autonomia, resolvendo problemas de maneira abrangente; - Ter intimidade com os avanços científicos, sociais e tecnológicos; - Ser capaz de compreender a natureza do processo de construção científica; - Perceber a realidade social em que está inserido para que tenha a possibilidade de transformá-la. - Ter uma visão sistêmica do papel da informação e comunicação na sociedade, atuando com ética profissional, sustentabilidade, iniciativa empreendedora, responsabilidade social com domínio em sua área de formação. 12

13 8. ÁREAS DE ATUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Instituições públicas, privadas, de economia mista e como profissional liberal que demandem sistemas computacionais, especialmente envolvendo sistemas de programação de computadores Mercado de trabalho Atuação em empresas de pequeno, médio e grande porte na área de informática bem como hardware, software e redes de computadores. 9. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 9.1 Matriz Curricular A Matriz curricular é composta de disciplinas do núcleo básico do ensino médio mais disciplinas da área profissional (Anexo 1) Carga Horária O Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Goiano campus Iporá-GO oferecerá de forma integrada, no período diurno (matutino e vespertino) o curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio na forma de disciplinas anuais, totalizando três anos de duração. O curso terá carga horária total de horas, que correspondem a 3040 horas de disciplinas do Ensino Médio, 960 horas do ensino profissional e 30 horas de atividades complementares, sendo realizado em tempo integral. O tempo normal para conclusão é de 3 anos, sendo o mínimo e o máximo determinados no Regulamento da Organização Didático Pedagógica. 13

14 10. SISTEMA DE AVALIAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL A avaliação do rendimento escolar será feita bimestralmente, sendo que as disciplinas do Ensino Médio terão pelo menos uma prova escrita e sem consulta por bimestre com valores entre 3,0 e 5,0 pontos (a critério do professor) mais um simulado e uma redação bimestral no valor de 1,0 ponto cada e os outros pontos o professor da disciplina terá autonomia para avaliar na forma de trabalhos, seminários, provas escritas com ou sem consultas. A forma de avaliação das disciplinas profissionalizantes ficará a critério do professor obedecendo o Regulamento dos Cursos Técnicos que sugere pelo menos dois intrumentos avaliativos por bimestre. A recuperação será feita bimestralmente de forma paralela conforme Regulamento Geral dos Cursos Técnicos do IF Goiano. 11. ATIVIDADES COMPLEMENTARES Para obtenção do diploma de Técnico em Informática, o estudante obrigatoriamente deverá cumprir 30 horas de atividades complementares que compreendam atividades de iniciação científica, extensão, artísticas, culturais e esportivas ligadas à instituição e de participação e organização de eventos, produção técnica e/ou científica e experiências vinculadas diretamente à formação profissional ou correlatas devidamente comprovadas por meio de certificados. O instrumento das atividades complementares visa promover a inserção do estudante na sociedade, tanto no mercado profissional quanto no meio social, buscando constantemente o objetivo de instigar discussões extras curriculares complementares à formação. Com vistas a propiciar ao estudante mecanismos que garantam o cumprimento da carga horária exigida, serão oferecidas visitas técnicas a empresas da região ou outras instituições de ensino, públicas ou privadas, bem como eventos científicos e/ou 14

15 tecnológicos com temas específicos da área de formação. 12. ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estágio curricular supervisionado obrigatório terá duração de 160 horas, sendo um dos instrumentos de prática profissional e requisito para conclusão do curso Técnico em Agropecuária. Será regido pelo Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Goiano campus Iporá-GO. 13. EMENTAS As ementas das disciplinas do Ensino Médio e Ensino Profissionalizante encontram-se no Anexo REGIME DE FUNCIONAMENTO E VAGAS A admissão dos alunos será feita por processo seletivo (Exame de Seleção), oferecendo 35 vagas anuais, em conformidade com o edital próprio elaborado e aprovado pela comissão responsável do IFGoiano - Campus Iporá. O curso é integrado e anual, se destina aos egressos do ensino fundamental. O Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Goiano Campus Iporá-GO poderá ainda aceitar transferência de alunos oriundos de outras instituições, desde que haja vaga e compatibilidade de Matriz Curricular. 15. INFRA-ESTRUTURA FÍSICA Pode-se observar, na tabela abaixo, que o IF Goiano Campus Iporá possui uma boa infra-estrutura física para atuação e apoio didático. 15

16 15.1.Locais para aulas teóricas e atendimento aos alunos Dependências para atendimento aos alunos DESCRIÇÃO APLICAÇÃO NÚMERO Salas climatizadas, com capacidade para 45 alunos, equipadas Salas de aula 06 com TV LCD 42 e quadro branco formicado. Salas climatizadas, com capacidade para 45 alunos, equipadas Salas de aula 06 com quadro branco formicado. Auditório com capacidade para 192 pessoas, climatizado, com palco, equipado com mesa de som, 1 microfone sem fio, 1 microfone com fio, 2 caixas acústicas e 1 púbito. Palestras, cursos e eventos culturais. 01 Salas com capacidade para 45 alunos, climatizadas, equipadas Laboratórios de com 35 computadores com acesso a internet, TV LCD 42 e Informática. quadro branco formicado. Sala com capacidade para 45 alunos, climatizada, equipada Laboratórios de com 45 computadores, com acesso a internet e quadro branco Informática. formicado. Sala climatizada, com capacidade para 40 alunos, equipada com 3 computadores e quadro branco formicado, destinada a atividades de manutenção de computadores. Sala, climatizada, com capacidade para 20 pessoas. Salas climatizadas, equipada com computador com acesso a internet e telefone. Salas para trabalho individual, equipadas com mesas, cadeiras, armários e com acesso à internet e telefone. Laboratórios de Informática. Reuniões Didático- pedagógicas. Coordenação Pedagógica. Salas de Professores Salas climatizadas, com capacidade para 3 pessoas, equipadas Salas de com mesas, cadeiras, armários e com acesso à internet e Professores telefone

17 O IF Goiano Campus Iporá dispõe, ainda, de um centro de convivência com cantina e copiadora, além de uma quadra poliesportiva e de um posto médicoodontológico com sala para curativos Outros recursos materiais ÍTEM OBSERVAÇÕES QUANTIDADE Data Show 04 Retroprojetor 04 Ônibus Capacidade para 48 pessoas 1 Camionete 1 Automóvel Laboratórios Laboratórios de informática LABORATÓRIO ÁREA MÁQUINAS m m m m Laboratório de Química Orgânica / Produtos O laboratório tem 90 m 2, pé direito de 3 m, paredes revestidas em azulejo, piso em granitina, bancadas em granito, rede elétrica, hidráulica e para gás (GLP), 3 pias, armários para armazenamento de vidrarias, equipamentos e/ou reagentes/solventes, quadro branco formicado e sistemas para climatização de ambiente; também, tem 1 capela com sistema de exaustão, 1 chuveiro e 1 lava olhos para atender as normas de segurança em laboratório. Neste pode-se realizar aulas práticas, pesquisa básica e aplicada. 17

18 Laboratório de Química Geral e Analítica Este laboratório tem 60 m 2, pé direito de 3 m, paredes revestidas em azulejo, piso em granitina, bancadas em granito, rede elétrica, hidráulica e para gás (GLP), 1 pia, armários para armazenamento de vidrarias, equipamentos e/ou reagentes/solventes, quadro branco formicado e sistemas para climatização de ambiente; também, tem 1 capela com sistema de exaustão, 1 chuveiro e 1 lava olhos para atender as normas de segurança em laboratório. Neste pode-se realizar aulas práticas, pesquisa básica e aplicada Laboratório de Físico-Química Este laboratório tem 90 m 2, pé direito de 3 m, paredes revestidas em azulejo, piso em granitina, bancadas em granito, rede elétrica, hidráulica e para gás (GLP), 3 pias, armários para armazenamento de vidrarias, equipamentos e/ou reagentes/solventes, quadro branco formicado e sistemas para climatização de ambiente; também, tem 1 capela com sistema de exaustão, 1 chuveiro e 1 lava olhos para atender as normas de segurança em laboratório. Neste pode-se realizar aulas práticas, pesquisa básica e aplicada Central Analítica Este laboratório tem 60 m 2, pé direito de 3 m, paredes revestidas em azulejo, piso em granitina, bancadas em granito, rede elétrica, hidráulica e para gás (GLP), 1 capela com sistema de exaustão, 1 pia, armários para armazenamento de vidrarias, equipamentos e/ou reagentes/solventes e sistemas para climatização de ambiente. Neste pode-se realizar aulas práticas, pesquisa básica e aplicada, além de atividades de prestação de serviços à comunidade. 18

19 Central de Gerenciamento de Resíduos Em fase de construção Almoxarifado Esta sala tem 40 m 2, pé direito de 3 m, piso em granitina, bancadas, armários para armazenamento de vidrarias e reagentes/solventes e sistema para climatização de ambiente. Neste pode-se armazenar reagentes, solventes e vidrarias Laboratório de Análise de Solo e Foliar Neste laboratório são realizadas as seguintes análises: a) Análises químicas: ph; MO; Mg; Ca; P; K; H+Al; b) Análises físicas: areia, limo e argila; c) Análises de calcário: CaO; MgO; E. R; V. N.; PRNT%; d) Análise de folhas Laboratório de Tecnologia de Alimentos Em fase de construção Sala de Microscopia Em fase de construção Acessibilidade às pessoas portadoras de necessidades específicas O Instituto Federal Goiano Campus Iporá vem se preocupando cada vez mais com a política de acessibilidade a comunidade escolar, portanto está previsto para o ano de 2012 a implantação do Núcleo de Apoio a Pessoas Portadoras de Necessidades Especiais (NAPE). Esta iniciativa faz parte de um programa do governo federal denominado ação TEC NEP Tecnologia, Educação, Cidadania e Profissionalização para Pessoas com Necessidades Específicas, que visa a inserção das Instituições 19

20 Federais Tecnológicas no atendimento as PNEs, que visa implementar políticas de atendimento aos alunos com necessidades educativas especiais, organização de serviços a serem desenvolvidos pela Instituição. exigindo uma No que se refere a infra-estrutura específica, o Campus Iporá precisa fazer adaptações em suas instalações, construindo rampas, adaptando sanitários, telefones, enfim, dotando os acessos de forma apropriada. As edificações novas já contemplam as características estruturais destinadas aos PNEs, inclusive rampas elevatórias. Na questão específica das metodologias didático-pedagógicas pretende-se, no primeiro momento, ampliar o debate e aglutinar pessoas à idéia e posteriormente, elaborar e/ou implementar programas específicos Biblioteca Espaço Físico A biblioteca climatizada possui uma área total de 320 m 2, dividida em espaços para serem ocupados com estantes de livros, mesas para estudo e com dez computadores com acesso a internet, que são de uso exclusivo dos alunos, além de 18 cabines para estudo individual. A biblioteca é servida com banheiros masculinos, femininos, banheiros adaptados e bebedouros. Além disso, existe o espaço administrativo equipado com fichários e computadores Horário de funcionamento A biblioteca é acompanhada por um grupo de 2 servidores, que possibilitam o atendimento em horário corrido, de sete horas às 22 horas, de segunda-feira a sexta-feira, aspecto de grande importância porque cria elasticidade de tempo para estudo e pesquisas dos alunos. 20

21 Acervo Bibliográfico SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL O acervo bibliográfico está em fase de aquisição, uma vez que o instituto iniciou suas atividades recentemente Asesso on line de periódicos e revistas O IF Goiano Campus Iporá tem acesso ao Portal de Periódicos gerido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) por meio do endereço que oferece acesso aos textos completos de artigos de mais de 9095 revistas internacionais, nacionais e estrangeiras, e a mais de 90 bases de dados com resumos de documentos em todas as áreas do conhecimento. Além de obras de referência, podem ser acessados: Biblioteca Digital - Domínio Público PesquisaObraForm.do Revista de Administração de Empresas - RAE Revista de Administração Contemporânea - RAC _base.php?revista=3 Administradores O Portal da Administração Revista Inovar Journal ript=sci_serial&pid= &nrm=iso&rep=&lng=pt Revista de Administração Mackenzie RAM erial&pid= &nrm=isso&rep=&lng=pt SCIELO 21

22 16. RECURSOS HUMANOS Estrutura Administrativa SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Diretor Geral: Prof. M.Sc. José Júnio Rodrigues de Souza Diretor de Administração e Planejamento: Prof. M.Sc. Marcelo Medeiros Santana Diretor do Ensino: Prof. Dr. Renato Lara de Assis Coordenadora do Ensino Médio e Técnico: Profª. Drª. Vania Sardinha dos Santos Diniz Coordenadora Pedagógica: Profª. Esp. Marta Regina de Freitas Cabral Coordenador de Ensino de Graduação: Prof. Esp. Iuri Stênio Rodrigues Coordenador do Curso Técnico em Agropecuária: Prof. Esp. Vanderlei Alves Cardoso Coordenadora de Pesquisa e Pós-Graduação: Profa. Drª. Cristiane de Melo Cazal Coordenação de Extensão: Prof. M. Sc. José Geraldo Soares Diretor de Apoio Institucional: Prof. M.Sc. Adimilson Araujo da Silva A tabela abaixo mostra os docentes do IF Goiano campus Iporá com as respectivas titulações e as disciplinas do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio pelas quais serão responsáveis. Professor Disciplina Titulação Adson Silva Rocha Engenharia da Computação Mestre Adriane da Silveira Gomes Química Doutora Aline Ditomaso Educação Física Mestre Arianny Grasielly Baião Malaquias Matemática Mestre Cristiane de Melo Cazal Química Doutora Eliana Tiba Gomes Grande Cientista da Computação Especialista Fabio Antônio Leão de Sousa Matemática Especialista Iraci Balbina Gonçalves Silva Pedagoga Mestre Iuri Stênio Rodrigues Química Especialista Léia Adriana da Silva Santiago História Mestre Luciana Recart Analista de Sistemas Mestre Maria Eugênia Sebba Ferreira Literatura/Inglesa Mestre Michel Rezende da Silveira Geografia Mestre Paulo Silva Melo Físico Mestre Rafael Feitosa Sistema de Informação Especialista Rosemeire de Souza Pinheiro Gramática, Espanhol Especialista Vania Sardinha dos Santos Diniz Biologia Doutora 22

23 16.2. Pessoal de Apoio SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL A Tabela mostra os servidores que têm atividades intercomplementares com as ações educativas do Curso Técnico Informática integrado ao Ensino Médio e que, por isso, integram a logística do ensino-aprendizagem pretendido. Servidor Função Cristiane Borges dos Santos Auxiliar em Administração Débora Neves Alves Assistente em Administração Alfredo Pupak Pereira Virote Analista de Tecnologia da Informação Marta Regina de Freitas Cabral Pedagoga Márcia Maria de Borba Assistente em Administração Maria Alessandre de Sousa Auxiliar de Biblioteca Wender Santos Prudente Administrador Antônia Costa Ramos Auxiliar em Administração Dênis Júnio de Almeida Auxiliar de Biblioteca Irinéia Martins da Silva Auxiliar em Administração Rosiane Gonçalves de Lima Santana Bibliotecária Thiago Diniz dos Santos Auxiliar em Administração Educadora Física Aline Ditomaso Motorista (Terceirizado) Odontólogo Previsto para 2012 Orientador Educacional Previsto para 2012 Técnico em Assuntos Educacionais Previsto para 2012 Médico Previsto para 2012 Rececpcionista Previsto para 2012 Telefonista Previsto para 2012 Limpeza Terceirizado 23

24 ANEXOS 24

25 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO Matriz Curricular reestruturada RESOLUÇÃO/CS Nº 034/2010 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2010 Áreas de Conhecimento Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Ciências da Natureza e suas tecnologias. Ciências Humanas e suas Tecnologias Disciplinas 1ª Série CHS CHT Aulas* Lingua Portuguesa Artes Inglês Espanhol Educação Física Física Quimica Biologia Matemática História Geografia Sociologia Filosofia Total de aulas/semanal/anual/em Ensino Profissional Fundamentos de Informática e Operações de Compu Lógica de Programação Manutenção de Computadores Total de aulas/semanal/anual/ep 1ª Série Total de aulas/semanal/anual/ep +EM 1ª Série Áreas de Conhecimento Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Ciências da Natureza e suas tecnologias. Ciências Humanas e suas Tecnologias Disciplinas 2ª Série CHS CHT Aulas* Lingua Portuguesa Inglês Espanhol Educação Física Física Quimica Biologia Matemática História Sociologia Geografia Filosofia Total de aulas/semanal/anual/em Ensino Profissional Banco de Dados Redes de Computadores I Tópicos Especiais Linguagens e Técnicas de Programação Total de aulas/semanal/anual/ep 2ª Série Total de aulas/semanal/anual/ep +EM 2ª Série

26 Disciplinas 3ª Série CHS CHT Aulas* Lingua Portuguesa Inglês Espanhol Educação Física Física Quimica Biologia Matemática História Geografia Filosofia Sociologia Redes de Computadores II Linguagem de Programação Desenvolvimento de projetos e Sistemas *Aula de 55 minutos 26

27 ANEXO 2 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO ENSINO MÉDIO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS IPORÁ DISCIPLINA: Língua Portuguesa CARGA HORÁRIA: 160 hora/aula AULAS SEMANAIS: 4 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 1º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI EMENTA Leitura - interpretação e produção de textos, variações linguísticas e registros de linguagem, funções da linguagem, figuras de linguagem, gêneros Literários, literatura brasileira, gramática, análise de obras literárias. CEREJA, Willian Roberto & Magalhães, Thereza Cochar. Português/Linguagens. Vol.1, 6ª. Ed. Revista e ampliada, São Paulo, Editora Atual, BECHARA, Evanildo. A nova ortografia. São Paulo: Nova Fronteira, HOUAISS, A. e VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001 BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo. Cultrix. FARACO & MOURA. Gramática. São Paulo. Edit. Ática. MOISÉS,Massaud.A Literatura Portuguesa. São Paulo. Cultrix. PLATÃO & FIORIN.Para entender o texto Literatura e Redação. São Paulo. Edit. Ática DISCIPLINA: Língua Portuguesa CARGA HORÁRIA: 160 hora/aula AULAS SEMANAIS: 4 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 2º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI EMENTA Leitura - interpretação de textos, produção de texto, literatura - escolas literárias, gramática, análise de obras literárias. CEREJA, Willian Roberto & Magalhães, Thereza Cochar. Português/Linguagens. Vol.1, 6ª. Ed. Revista e ampliada, São Paulo, Editora Atual,

28 BECHARA, Evanildo. A nova ortografia. São Paulo: Nova Fronteira, HOUAISS, A. e VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo. Cultrix. FARACO & MOURA. Gramática. São Paulo. Edit. Ática. MOISÉS,Massaud.A Literatura Portuguesa. São Paulo. Cultrix. PLATÃO & FIORIN. Para entender o texto Literatura e Redação. São Paulo. Edit. Ática DISCIPLINA: Língua Portuguesa CARGA HORÁRIA: 160 horas AULAS SEMANAIS: 4 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 3º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Texto-leitura, redação literária, literatura: fases do Modernismo, redação literária, análise de obras literárias. CEREJA, Willian Roberto & Magalhães, Thereza Cochar. Português/Linguagens. Vol.1, 6ª. Ed. Revista e ampliada, São Paulo, Editora Atual, BECHARA, Evanildo. A nova ortografia. São Paulo: Nova Fronteira, HOUAISS, A. e VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo. Cultrix. FARACO & MOURA. Gramática. São Paulo. Edit. Ática. MOISÉS,Massaud.A Literatura Portuguesa. São Paulo. Cultrix. PLATÃO & FIORIN.Para entender o texto Literatura e Redação. São Paulo. Edit. Ática. DISCIPLINA: Artes CARGA HORÁRIA: 40 horas AULAS SEMANAIS: 1 aula CÓDIGO: PERÍODO: 1º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI 28

29 Estudo dos conceitos fundamentais da História da Arte. Conhecimento das diferentes linguagens artísticas e suas especificidades. Estudo das heranças artísticas das matrizes formadoras da identidade e cultura brasileira e goiana. Análise crítica da arte contemporânea em suas várias vertentes e desdobramentos. ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna, São Paulo: Companhia das Letras, GOMBRICH, Ernst H. História da arte. 16. ed. São Paulo: LTC, HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, JANSON, Horst W. Iniciação à história da arte. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, WOLFFLIN, Heinrich. Conceitos fundamentais da história da arte. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, DISCIPLINA: Língua Inglesa CARGA HORÁRIA: 40 horas AULAS SEMANAIS: 1 aula CÓDIGO: PERÍODO: 1º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Leitura; comunicação oral e prática de leitura e escrita em Língua Inglesa para fins diversos (aplicação social ou no mercado de trabalho). BRASIL. Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias BRASIL. Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica. PCN+- Ensino médio. Orientações curriculares complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: linguagens, códigos e suas tecnologias MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de Leitura.São Paulo: Textonovo, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE Católica de São Paulo. Reading Strategies and the Active Classroom. São Paulo: PUC, s.d. (Resource Package 2) Projeto Ensino de Inglês Instrumental em Universidades Brasileiras. SILVA, J.A. de C.; GARRIDO, M.L.M. & BARRETO, T.P. Inglês Instrumental: leitura e compreensão de textos. Salvador: UFBA,

30 TORRES, N. Gramática Prática da Língua Inglesa: o inglês descomplicado. 8 ed. São Paulo: Saraiva, DISCIPLINA: Língua Inglesa CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 2º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Leitura; comunicação oral e prática de leitura e escrita em Língua Inglesa para fins diversos (aplicação social ou no mercado de trabalho). BRASIL. Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias BRASIL. Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica. PCN+- Ensino médio. Orientações curriculares complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: linguagens, códigos e suas tecnologias MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de Leitura.São Paulo: Textonovo, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE Católica de São Paulo. Reading Strategies and the Active Classroom. São Paulo: PUC, s.d. (Resource Package 2) Projeto Ensino de Inglês Instrumental em Universidades Brasileiras. SILVA, J.A. de C.; GARRIDO, M.L.M. & BARRETO, T.P. Inglês Instrumental: leitura e compreensão de textos. Salvador: UFBA, TORRES, N. Gramática Prática da Língua Inglesa: o inglês descomplicado. 8 ed. São Paulo: Saraiva, DISCIPLINA: Língua Inglesa CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 3º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Leitura; comunicação oral e prática de leitura e escrita em Língua Inglesa para fins diversos (aplicação social ou no mercado de trabalho). BRASIL. Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias

31 BRASIL. Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica. PCN+- Ensino médio. Orientações curriculares complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: linguagens, códigos e suas tecnologias MUNHOZ, R. Inglês Instrumental: Estratégias de Leitura.São Paulo: Textonovo, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE Católica de São Paulo. Reading Strategies and the Active Classroom. São Paulo: PUC, s.d. (Resource Package 2) Projeto Ensino de Inglês Instrumental em Universidades Brasileiras. SILVA, J.A. de C.; GARRIDO, M.L.M. & BARRETO, T.P. Inglês Instrumental: leitura e compreensão de textos. Salvador: UFBA, TORRES, N. Gramática Prática da Língua Inglesa: o inglês descomplicado. 8 ed. São Paulo: Saraiva, DISCIPLINA: Espanhol CARGA HORÁRIA: 40 horas AULAS SEMANAIS: 1 aula CÓDIGO: PERÍODO: 1º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Aspectos histórico-culturais da língua espanhola no contexto mundial. Estruturas básicas voltadas à interação sociocomunicativa com ênfase nas quatro habilidades: audição, fala, leitura e escrita. MARTIN, Ivan Rodrigues. Síntesis.Ed. ática. ALVES, Adda-Nari M.: MELLO, Angélica. Mucho.Ed. Moderna. BRUNO, Fátima Cabral: MENDONZA, Maria Angélica. Hacia el Españhol. Ed. Saraiva. DICIONÁRIO Larousse míni: português-espanhol. 1. ed. bras. Larousse, CASTRO, F. et alii. Madrid: Edelsa, Ven 1, Ven 2, Ven 3. MILANI, Esther Maria. Gramática de Espanhol para brasileiros. São Paulo: Saraiva, BRUNO, Fátima Cabral & MENDOZA, Maria Angélica. Hacia el español - curso de lengua y cultura hispánica. São Paulo: Saraiva, ALONSO, E. Cómo ser profesor y querer seguir siéndolo? Madrid: Edelsa,

32 DISCIPLINA: Espanhol CARGA HORÁRIA: 40 horas AULAS SEMANAIS: 1 aula CÓDIGO: PERÍODO: 2º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Noções gerais sobre a estrutura gramatical da língua espanhola morfologia, sintaxe, ortografia básica, etc. Aspectos histórico-culturais da língua espanhola no contexto mundial. Estruturas básicas voltadas à interação sociocomunicativa com ênfase nas quatro habilidades: audição, fala, leitura e escrita. MARTIN, Ivan Rodrigues. Síntesis.Ed. ática. ALVES, Adda-Nari M.: MELLO, Angélica. Mucho.Ed. Moderna. BRUNO, Fátima Cabral: MENDONZA, Maria Angélica. Hacia el Españhol. Ed. Saraiva. DICIONÁRIO Larousse míni: português-espanhol. 1. ed. bras. Larousse, CASTRO, F. et alii. Madrid: Edelsa, Ven 1, Ven 2, Ven 3. MILANI, Esther Maria. Gramática de Espanhol para brasileiros. São Paulo: Saraiva, BRUNO, Fátima Cabral & MENDOZA, Maria Angélica. Hacia el español - curso de lengua y cultura hispánica. São Paulo: Saraiva, ALONSO, E. Cómo ser profesor y querer seguir siéndolo? Madrid: Edelsa, DISCIPLINA: Espanhol CARGA HORÁRIA: 40 horas AULAS SEMANAIS: 1 aula CÓDIGO: PERÍODO: 3º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Aspectos histórico-culturais da língua espanhola no contexto mundial. Estruturas básicas voltadas à interação sociocomunicativa com ênfase nas quatro habilidades: audição, fala, leitura e escrita. Com foco no aperfeiçoamento do caráter receptivo e produtivo da língua, preocupando-se com o desenvolvimento das habilidades linguísticas como um todo em nível médio. MARTIN, Ivan Rodrigues. Síntesis.Ed. Ática. ALVES, Adda-Nari M.: MELLO, Angélica. Mucho.Ed. Moderna. 32

33 BRUNO, Fátima Cabral: MENDONZA, Maria Angélica. Hacia el Españhol. Ed. Saraiva. DICIONÁRIO Larousse míni: português-espanhol. 1. ed. bras. Larousse, CASTRO, F. et alii. Madrid: Edelsa, Ven 1, Ven 2, Ven 3. MILANI, Esther Maria. Gramática de Espanhol para brasileiros. São Paulo: Saraiva, BRUNO, Fátima Cabral & MENDOZA, Maria Angélica. Hacia el español - curso de lengua y cultura hispánica. São Paulo: Saraiva, ALONSO, E. Cómo ser profesor y querer seguir siéndolo? Madrid: Edelsa, DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 1º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Apresenta os aspectos anatômicos do corpo humano, bem como os benefícios à saúde decorrentes da prática de exercícios físicos. Tendo por intuito tornar o aluno crítico e autônomo na escolha de exercícios físicos existentes nas diferentes práticas da cultura corporal de movimento para a manutenção da saúde. BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnológica, p. DARIDO, S.C. Educação Física na escola: questões e reflexões. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Os Conteúdos da Educação Física na Escola. In: DARIDO, S.C.; RANGEL, I.C.A. (Org.). Educação Física na Escola: Implicações para a Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, GALVÃO, Z.; RODRIGUES, L.H.; SILVA, E.V.M. Esporte. In: DARIDO, S. C.; RANGEL, I.C.A. (Org.). Educação Física na Escola: Implicações para a Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005, p SÃO PAULO (Estado) Secretaria da educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias/secretaria da Educação. São Paulo:

34 DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 2º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Trabalha com as diferentes manifestações da cultura corporal, compreendendo, reconhecendo e valorizando as diferenças de desempenho, linguagem e expressão, proporcionando ao aluno a autonomia na escolha e elaboração das atividades corporais. BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnológica, p. DARIDO, S.C. Educação Física na escola: questões e reflexões. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Os Conteúdos da Educação Física na Escola. In: DARIDO, S.C.; RANGEL, I.C.A. (Org.). Educação Física na Escola: Implicações para a Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, GALVÃO, Z.; RODRIGUES, L.H.; SILVA, E.V.M. Esporte. In: DARIDO, S. C.; RANGEL, I.C.A. (Org.). Educação Física na Escola: Implicações para a Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005, p SÃO PAULO (Estado) Secretaria da educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias/secretaria da Educação. São Paulo: DISCIPLINA: Educação Física CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 3º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Relaciona as manifestações da cultura corporal associando os conceitos anatômico-fisiológicos, como forma de reconhecer e modificar as atividades corporais, valorizando-as como recurso para melhoria de suas aptidões. BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnológica, p. DARIDO, S.C. Educação Física na escola: questões e reflexões. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,

35 . Os Conteúdos da Educação Física na Escola. In: DARIDO, S.C.; RANGEL, I.C.A. (Org.). Educação Física na Escola: Implicações para a Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, GALVÃO, Z.; RODRIGUES, L.H.; SILVA, E.V.M. Esporte. In: DARIDO, S. C.; RANGEL, I.C.A. (Org.). Educação Física na Escola: Implicações para a Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005, p SÃO PAULO (Estado) Secretaria da educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias/secretaria da Educação. São Paulo: DISCIPLINA: Física CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 1º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Padrões e unidades. Conversão de unidades. Incerteza e algarismos significativos. Vetores e soma vetorial. Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado. Cinemática vetorial. Vetor posição, velocidade e aceleração. Movimento circular. As leis de Newton e suas aplicações: partículas em equilíbrio, dinâmica das partículas, forças de atrito, dinâmica do movimento circular. Trabalho. Energia cinética e o teorema do trabalho-energia. Potencia. Energia potencial e conservação de energia. Forças conservativas e não conservativas. Diagramas de energia Hidrostática. GUALTER & ANDRE; Física para o Segundo Grau, Volume Único, Ed.: Saraiva. Terceira edição, RAMALHO, NICOLAU E TOLEDO; Fundamentos de Física I (Mecânica), Ed.: Moderna, Quinta Edição, ANTÔNIO MÁXIMO E BEATRIZ ALVARENGA; Curso de Física Volume I, Ed. Harbra, Segunda Edição, DISCIPLINA:Física CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 2º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Padrões e unidades. Conversão de unidades. Conceitos iniciais de termologia; Transmissão de energia térmica; Trocas de calor sem mudança de estado físico; Trocas de calor com mudança 35

36 de estado físico; Dilatação térmica; Gases perfeitos e termodinâmicos; Movimento harmônico simples; Ondas; Reflexão da luz e espelhos planos; Espelhos esféricos; Refração da luz; Lentes esféricas. GUALTER & ANDRE; Física para o Segundo Grau, Volume Único, Ed.: Saraiva. Terceira edição, RAMALHO, NICOLAU E TOLEDO; Fundamentos de Física II (Mecânica), Ed.: Moderna, Quinta Edição, ANTÔNIO MÁXIMO E BEATRIZ ALVARENGA; Curso de Física Volume II, Ed. Harbra, Segunda Edição, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS IPORÁ DISCIPLINA: Física CARGA HORÁRIA: 120 horas AULAS SEMANAIS: 3 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 3º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Conceitos iniciais de eletrostática; Força elétrica; Campo elétrico; Potencial elétrico; Corrente elétrica e resistores elétricos; Gerador elétrico; Receptor elétrico; Medição de grandezas elétricas; Capacitores; Campo magnético; Partícula eletrizada em um campo magnético; Indução eletromagnética. GUALTER & ANDRE; Física para o Segundo Grau, Volume Único, Ed.: Saraiva. Terceira edição, RAMALHO, NICOLAU E TOLEDO; Fundamentos de Física III (Mecânica), Ed.: Moderna, Quinta Edição, ANTÔNIO MÁXIMO E BEATRIZ ALVARENGA; Curso de Física Volume III, Ed. Harbra, Segunda Edição, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS IPORÁ DISCIPLINA: Química CARGA HORÁRIA: 80 horas 36

37 AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 1º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Introdução ao estudo da Química, Estudo da Matéria, Estrutura Atômica, Tabela Periódica, Ligações Química, Funções Inorgânicas, Relações de Massa, Estudo dos Gases e Estequiometria. PERUZZO, Francisco Miragaia. CANTO, Eduardo Leite. Química na Abordagem do Cotidiano: Química Geral, São Paulo. Moderna, ª edição. FELTRE, Ricardo. Química Geral, São Paulo. Moderna, º Edição. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS IPORÁ DISCIPLINA: Química CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 2º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Soluções, Propriedades Coligativas, Termoquímica, Óxido-redução, Eletroquímica Cinética química, Equilíbrio Químico e Radiotividade. PERUZZO, Francisco Miragaia. CANTO, Eduardo Leite. Química na Abordagem do Cotidiano: Físico-química, São Paulo. Moderna, ª edição. FELTRE, Ricardo. Físico-química, São Paulo. Moderna, º Edição. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS IPORÁ DISCIPLINA: Química CARGA HORÁRIA: 120 horas AULAS SEMANAIS: 3 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 3º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI Introdução ao Estudo da Química Orgânica, Hidrocarbonetos, Funções Orgânicas Oxigenadas, Funções Organicas Nitrogenadas, Funções Mistas, Propriedades Físicas dos Compostos Orgânicos, Isomeria, Reações Orgânicas, Polímeros, Lipídeos, Carboidratos, Aminoácidos e Proteínas.. 37

38 PERUZZO, Francisco Miragaia. CANTO, Eduardo Leite. Química na Abordagem do Cotidiano: Química Orgânica, São Paulo. Moderna, ª edição. FELTRE, Ricardo. Química Orgânica, São Paulo. Moderna, º Edição. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO - CAMPUS IPORÁ DISCIPLINA: Biologia CARGA HORÁRIA: 80 horas AULAS SEMANAIS: 2 aulas CÓDIGO: PERÍODO: 1º ano PRÉ-REQUISITO: NÃO POSSUI A origem da Biologia. Vida: o estudo da Biologia. Níveis de organização em Biologia. A natureza do conhecimento científico. Origem da vida na Terra. A base molecular da vida. A célula animal e vegetal. Metabolismo energético: respiração e fotossíntese. O controle gênico das células. Tecidos animais. Reprodução e ciclo de vida. Desenvolvimento embrionário dos animais. Desenvolvimento embrionário humano. AMABIS, J.M. & MARTHO, G.R. Biologia: Biologia das células. Vol.1. 2ª edição. Editora Moderna p. LINHARES, S. & GEWANDSZNAJDER, F. Biologia. Vol. Único. Editora Ática p. LOPES, S. & ROSSO, S. Biologia. Vol. Único. Editora Saraiva p. AMABIS, J.M. & MARTHO, G.R. Fundamentos da Biologia Moderna. Vol.Único. 4ª edição. Editora Moderna p. 38

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº aprovado pela portaria Cetec nº de / / Etec: Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação Administração) (Administração); Administração Administração (EII) Administração - Ênfase em

1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação Administração) (Administração); Administração Administração (EII) Administração - Ênfase em 1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação ) (); (EII) - Ênfase em Análise de Sistemas - Habilitação em de Empresas - Habilitação em de Negócios - Habilitação em Hoteleira - Habilitação em Análise

Leia mais

Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Pedagogia, conforme segue:

Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Pedagogia, conforme segue: Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Pedagogia, conforme segue: I Ato autorizativo, expedido pelo MEC, com a data de publicação

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

DISCIPLINA Turmas DIA TURNO Períodos SALA ÁLGEBRA II LM11 2 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

DISCIPLINA Turmas DIA TURNO Períodos SALA ÁLGEBRA II LM11 2 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO ÁLGEBRA II LM11 2 N 1234 1202 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EC11 EP11 6 N 1234 1202 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EQ11 2 T 1234 2209 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EE11 EP12 LF11 2 M 45 1203 ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO EE11

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA CURSO: Curso Técnico em Agroindústria FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( )

Leia mais

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA:Ciências da Natureza - DISCIPLINA: Física ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA:Ciências da Natureza - DISCIPLINA: Física ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA:Ciências da Natureza - DISCIPLINA: Física ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 1º 2 80 Competências a serem desenvolvidas: - Reconhecer

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia de Produção

Currículo do Curso de Engenharia de Produção Currículo do Curso de Engenharia de Engenheiro de ATUAÇÃO O Curso de Engenharia de da UFV visa preparar profissionais que, integrando equipes interdisciplinares e articulando fatores de diferentes naturezas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL 1º TERMO Aulas Teóricas Práticas Total Comunicação e Expressão 40-40 Cálculo Diferencial e Integral I 80-80 Fundamentos da Administração 40-40 Introdução

Leia mais

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO PÁGINA: 1 INGRESSOS DE 20041 161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 NÚMERO MÁXIMO DE PERÍODOS 9 CARGA HORÁRIA 3640 1 132 FUNDAMENTOS ÉTICOS DE EDUCAÇÃO 30 OBRIGATORIA

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

EDITAL SG Nº 073/2016

EDITAL SG Nº 073/2016 EDITAL SG Nº 073/2016 Comunicamos aos senhores alunos das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba FARESC, as disciplinas que serão ofertadas em Período Especial para o 1º semestre de 2017: Disciplina

Leia mais

CRONOGRAMA CARGOS, VAGAS E FUNÇÕES. MONTES CLAROS

CRONOGRAMA CARGOS, VAGAS E FUNÇÕES. MONTES CLAROS Atividade CRONOGRAMA Período Divulgação no Site 24/07/2016 Prazo para cadastro de currículos 24 à 31/07/2016 Publicação da relação de candidatos habilitados para realização da prova Até 05/08/2016 Aplicação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS Os recursos humanos que atuarão no Curso de Licenciatura

Leia mais

Ensino a distância no Curso de Biblioteconomia: demandas, desafios e perspectivas. Profa. Dra. Marta Valentim

Ensino a distância no Curso de Biblioteconomia: demandas, desafios e perspectivas. Profa. Dra. Marta Valentim Ensino a distância no Curso de Biblioteconomia: demandas, desafios e perspectivas Profa. Dra. Marta Valentim Florianópolis 2016 Sumário 1. Breve Histórico 2. Projeto Pedagógico 2.1 Estrutura 2.2 Conteúdos

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET Descrição do Curso: Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET - Curso de Engenharia Industrial - - Habilitação em Química e Habilitação

Leia mais

1 - Administração de Marketing (Administração Integrado ao Ensino Médio);

1 - Administração de Marketing (Administração Integrado ao Ensino Médio); 1 - de Marketing ( Integrado ao Ensino Médio); (EII) - Habilitação em de Empresas - Habilitação em de Negócios - Habilitação em Geral - Habilitação em Hoteleira - Habilitação em Comércio Exterior - Habilitação

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET - Curso de Engenharia Mecânica Currículo 2013/01 Descrição do Curso: O Curso de graduação em Engenharia

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Manutenção e suporte em Informática FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

1 - Aplicativos Informatizados (Biblioteconomia); Administração - Habilitação em Análise de Sistemas Administração - Habilitação em Gestão da

1 - Aplicativos Informatizados (Biblioteconomia); Administração - Habilitação em Análise de Sistemas Administração - Habilitação em Gestão da 1 - Aplicativos Informatizados (Biblioteconomia); - Habilitação em Análise de Sistemas - Habilitação em Gestão da Informação de Sistemas de Informação Análise de Sistemas Análise de Sistemas Administrativos

Leia mais

PRO-REITORIA REITORIA DE ENSINO,

PRO-REITORIA REITORIA DE ENSINO, INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PROJETO IFPR/VIZIVALI INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRO-REITORIA REITORIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DIREÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DIRETORIA DE EaD Equipe

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DISCIPLINAS 1. Introdução à Pesquisa em Letras 2. Metodologia de ensino de línguas estrangeiras I: perspectivas teóricas e abordagens

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA ICHLA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA Currículo Novo - 2010/02 - Noturno. RECONHECIMENTO RENOVADO PELA PORTARIA Nº 1.657, DE 07/10/2010 - D.O.U. DE 08/10/2010

Leia mais

Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Sociologia, conforme segue:

Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Sociologia, conforme segue: Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Sociologia, conforme segue: I Ato autorizativo, expedido pelo MEC, com a data de publicação

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO

CENSO ESCOLAR - EDUCACENSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BOLETIM OFICIAL NÚMERO ESPECIAL SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO B. O.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Curso: Licenciatura Plena em Ciências Biológicas Projeto de Estágio Supervisionado do curso de Ciências Biológicas Profa.: Angela Martins Baeder 2005 PROGRAMAÇÃO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico PROET Direção de Ensino Campus Paracambi MATRIZ

Leia mais

COMPONENTE CURRICULAR (CURSO E/OU HABILITAÇÃO):

COMPONENTE CURRICULAR (CURSO E/OU HABILITAÇÃO): ETEC PROF. DR. JOSÉ DAGNONI SANTA BÁRBARA D OESTE AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Médio Código: 262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Planejamento Empresarial e Empreendedorismo Série: 1º Eixo Tecnológico:

Leia mais

Proposta Pedagógica Institucional da UFOB. Comissão de elaboração do Projeto Político Pedagógico da UFOB

Proposta Pedagógica Institucional da UFOB. Comissão de elaboração do Projeto Político Pedagógico da UFOB Proposta Pedagógica Institucional da UFOB Comissão de elaboração do Projeto Político Pedagógico da UFOB UNIVERSIDADE PÚBLICA Instituição social de formação humana e profissional que, por meio de um conjunto

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Formação de Professores para a Educação Básica DEB PIBID 2016/2017

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Formação de Professores para a Educação Básica DEB PIBID 2016/2017 Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Formação de Professores para a Educação Básica DEB PIBID 2016/2017 2016 OBJETIVO DO PIBID O Programa Institucional de Iniciação

Leia mais

GEOGRAFIA BACHARELADO E LICENCIATURA. COORDENADOR Eduardo José Pereira Maia

GEOGRAFIA BACHARELADO E LICENCIATURA. COORDENADOR Eduardo José Pereira Maia GEOGRAFIA BACHARELADO E LICENCIATURA COORDENADOR Eduardo José Pereira Maia eduardomaia@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 333 Bacharelado ATUAÇÃO O profissional de Geografia deve ter um perfil que o

Leia mais

1 - Aplicativos de Design (Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio);

1 - Aplicativos de Design (Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio); 1 - Aplicativos de Design (Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio); Análise de e Tecnologia da Informação e Tecnologia da Informação - Bacharel com habilitação em e Tecnologias e Tecnologia

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

Os corredores são amplos e medem em sua totalidade m², possuem bebedouros com água filtrada e gelada.

Os corredores são amplos e medem em sua totalidade m², possuem bebedouros com água filtrada e gelada. A Sociedade Educacional do Centro Oeste SOECO mantenedora da Faculdade de Chapadão do Sul FACHASUL segue o planejamento de construção e ampliação das instalações físicas necessárias para o oferecimento

Leia mais

METODOLOGIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TCCE- METODOLOGIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO

METODOLOGIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TCCE- METODOLOGIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO METODOLOGIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TCCE- METODOLOGIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Pretende-se com a implementação dessa metodologia uma maior integração

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Objetivo Geral Curso: Ciências Aeronáuticas Habilitação: Asas Rotatórias SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO O Curso de Ciências Aeronáuticas habilitação em asas rotativas tem como missão formar profissionais qualificados e ajustados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM IMAGEM E SOM REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR São Carlos, dezembro de 2014. 1 Regulamento de estágio obrigatório do curso de Bacharelado em Imagem

Leia mais

ANEXO I CARGO, REQUISITOS DE ESCOLARIDADE, DESCRIÇÃO SUMÁRIA, CARGA HORÁRIA e VENCIMENTO BASE.

ANEXO I CARGO, REQUISITOS DE ESCOLARIDADE, DESCRIÇÃO SUMÁRIA, CARGA HORÁRIA e VENCIMENTO BASE. ANEXO I,,, e VENCIMENTO BASE. Auxiliar de Serviços Gerais NÍVEL FUNDAMENTAL Ensino Fundamental Completo. Limpeza dos prédios públicos, móveis e equipamentos e similares. 01 Auxiliar de Serviços Urbanos

Leia mais

NOVIDADES E PARCERIAS

NOVIDADES E PARCERIAS ......... Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-1712 / 3371-2265 / 98837-0282 Site: www.escolafazendinhafeliz.com.br / Email: contato@escolafazendinhafeliz.com.br

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Faculdade de Ciências de Administração de Pernambuco FCAP, como entidade de Ensino Superior integrante da UPE, criada pela Lei 2622 de 30 de novembro de 1956, comunga das

Leia mais

10 - Matemática (Base Nacional Comum Ensino Médio) 11 - Química (Base Nacional Comum Ensino Médio) 12 - Sociologia (Base Nacional Comum Ensino Médio)

10 - Matemática (Base Nacional Comum Ensino Médio) 11 - Química (Base Nacional Comum Ensino Médio) 12 - Sociologia (Base Nacional Comum Ensino Médio) Escola Técnica Estadual Lauro Gomes - São Bernardo do Campo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL

Leia mais

Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998.

Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998. Quando o ENEM foi criado? O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado em 1998. Qual era o objetivo inicial do ENEM? Avaliar o desempenho do estudante ao fim da educação básica. Qual é o objetivo do ENEM

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB Cícero Nicácio do Nascimento Lopes. Superintendente Anselmo Guedes de Castilho

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB Cícero Nicácio do Nascimento Lopes. Superintendente Anselmo Guedes de Castilho ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB Presidente da FUNETEC-PB Cícero Nicácio do Nascimento Lopes Superintendente Anselmo Guedes de Castilho Diretora Escolar Helena Mercedes Monteiro Gerente de Ensino Adeane Nunes

Leia mais

Programa. Especialização em Planejamento e Estratégias de Desenvolvimento. Pós-graduação Lato Sensu 1º edição (2017/2018)

Programa. Especialização em Planejamento e Estratégias de Desenvolvimento. Pós-graduação Lato Sensu 1º edição (2017/2018) Programa Especialização em Planejamento e Estratégias de Desenvolvimento Pós-graduação Lato Sensu 1º edição (2017/2018) Especialização em Planejamento e Estratégias de Desenvolvimento (2017/2018) Programa

Leia mais

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO OFERTA DE DISCIPLINAS 2015.1 ALUNOS REGULARES DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS (ALUNOS REGULARES): MESTRADO

Leia mais

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ Reconhecida pelo Decreto Governamental n.º 70.906 de 01/08/72 e Portaria n.º 1.062

Leia mais

PORTFOLIO. Cursos a Distância 157 programas

PORTFOLIO. Cursos a Distância 157 programas PORTFOLIO Cursos a Distância 157 programas Iniciação Profissional - Competência Transversal: 13 cursos Consumo Consciente de Energia - 14h Desenho Arquitetônico - 14h Educação Ambiental - 14h Empreendedorismo

Leia mais

Sala 14 1ª Sessão. Professor(es) Apresentador(es): Profa. Trézia Ieda Ballerini Bruno

Sala 14 1ª Sessão. Professor(es) Apresentador(es): Profa. Trézia Ieda Ballerini Bruno PARCERIA COM O CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAE, DE SÃO JOÃO DABOA VISTA, EM COLABORAÇÃO COM A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E MONTAGEM DE EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE FÍSICA E QUÍMICA, DISPONIBILIZADOS PELA FDE DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º IF663- COMPUTACAO L OBRIG 0 60 60 2.0 SF451- FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO OBRIG 60 0 60 4.0 INTRODUÇÃO À ANÁLISE E DISCUSSÃO DO FENÔMENO EDUCATUVO, CONSIDERANDO AS RELAÇÕES ENTRE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE

Leia mais

Sistema Educativo Português 2011/2012

Sistema Educativo Português 2011/2012 Sistema Educativo Português 011/01 Objectivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades e valores profissionais) Auto Conhecimento; Explorar o Mundo das Profissões; Explorar as oportunidades

Leia mais

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e Agora Serviço de Psicologia e Orientação Psicóloga Eduarda Seabra Dossier Informação Escolar e Profissional Pág.1 1 Natureza dos Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette UFV Catálogo de Graduação 2011 229 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br 230 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro de Produção ATUAÇÃO O Curso de Engenharia de Produção

Leia mais

CALENDÁRIO DAS DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA º SEMESTRE MÊS DATA OBS.:

CALENDÁRIO DAS DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA º SEMESTRE MÊS DATA OBS.: CALENDÁRIO DAS DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA 2016.2 2º SEMESTRE MÊS DATA OBS.: Agosto 06/08/2016 Sábado (SUBSTITUTIVA) Fenômenos de Transporte; Sistemas Digitais; Cálculo Numérico; Teoria e Elétricos; Circuitos

Leia mais

RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO NA AVALIAÇÃO DOCENTE 1/2016 CURSOS PRESENCIAIS E EAD DE GRADUAÇÃO

RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO NA AVALIAÇÃO DOCENTE 1/2016 CURSOS PRESENCIAIS E EAD DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO NA AVALIAÇÃO DOCENTE 1/2016 CURSOS PRESENCIAIS E EAD DE GRADUAÇÃO Equipe Técnica: COPLAI Marcia Helena do Nascimento

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS. COORDENADOR José Antonio Marques Pereira

Currículos dos Cursos do CCE UFV CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS. COORDENADOR José Antonio Marques Pereira 216 CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS COORDENADOR José Antonio Marques Pereira jampereira@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 217 Bacharelado ATUAÇÃO O egresso do curso de Ciência e Tecnologia de Laticínios

Leia mais

Curso: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Curriculo: /13 DISCIPLINAS EM OFERTA 2ºº Semestre de NOTURNO

Curso: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Curriculo: /13 DISCIPLINAS EM OFERTA 2ºº Semestre de NOTURNO GR01156 GR01443 GR02648 GR01560 GR02671 GR01195 1º PERÍODO Carga Horária Docentes Biologia Educacional 36.00 Não ofertada no 2º semestre de 2016 Didática 72.00 Não ofertada no 2º semestre de 2016 Estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Ciências Exatas I Álgebra Linear 02 0 02 40 Cálculo Diferencial e Integral I 04 0 04 80 Cálculo Vetorial e Geometria Analítica

Leia mais

Laboratório de Didática da Biologia - LDBio

Laboratório de Didática da Biologia - LDBio PROPOSTA DE PROJETO DE EXTENSÃO Laboratório de Didática da Biologia - LDBio PROPONENTE: PROF. DR. VALDIR MARCOS STEFENON CAMPUS SÃO GABRIEL SÃO GABRIEL, JUNHO DE 2011 I. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

Leia mais

Escola Técnica Estadual Professora Helcy Moreira Martins Aguiar. Cafelândia

Escola Técnica Estadual Professora Helcy Moreira Martins Aguiar. Cafelândia Escola Técnica Estadual Professora Helcy Moreira Martins Aguiar - Cafelândia AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Leia mais

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características A Educação Profissional e Tecnológica Conceituação Princípios Objetivos Características Conceituação A educação profissional tecnológica, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, a ciência

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Manutenção e Suporte em Informática FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Comportamento Organizacional Carga horária: 72 horas/aula (36

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002.

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002. RESOLUÇÃO CONSEPE 44/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, DO CÂMPUS ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente PLANO DE ENSINO Escola ENGENHARIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (EETI) Engenharias: Ambiental; Civil; de Computação; de Petróleo; de Produção; Elétrica; Curso(s) Mecânica; Mecatrônica e Química Disciplina

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Química Série: 1º Eixo Tecnológico:

Leia mais

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano PROCESSO SELETIVO FÍSICA 1. EIXO TEMÁTICO: PRINCÍPIOS E LEIS QUE REGEM A FÍSICA Objetivo Geral: Compreensão dos Conceitos, Princípios e Leis da Física no estudo do movimento dos corpos materiais, calor,

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos FUPAC Unidade de Barão de Cocais MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Fundação Presidente Antônio Carlos FUPAC Unidade de Barão de Cocais MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2012 1º PERÍODO Pré Geometria Analítica e Cálculo Vetorial 4 Introdução ao Cálculo 4 Introdução à Engenharia de Produção Introdução à Programação para Engenharia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA PERÍODO 2015 TABELA 1 Adesão de docentes e discentes na avaliação 2015

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

MATRIZ CURRICULAR - LICENCIATURA EM PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR - LICENCIATURA EM PEDAGOGIA 1 a FASE CÓD DISCIPLINAS EIXO C/H Créditos Filosofia da I Epistemologia Introdução à Ciência Epistemologia Científica educativa Português Comunicação e expressão

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Manutenção e Suporte em informática FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

I Ato autorizativo, expedido pelo MEC, com a data de publicação no DOU: MODALIDADE AUTORIZAÇÃO RECONHECIMENTO RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO

I Ato autorizativo, expedido pelo MEC, com a data de publicação no DOU: MODALIDADE AUTORIZAÇÃO RECONHECIMENTO RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Bacharelado em, conforme segue: I Ato autorizativo, expedido pelo MEC, com a data de publicação no DOU:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CRÉDITOS Obrigatórios: 136 Optativos: 16. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CRÉDITOS Obrigatórios: 136 Optativos: 16. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:28:06 Curso : CIÊNCIAS

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DEPENDÊNCIA FÍSICA I (TÉC. EM ELETROTÉCNICA) 2010

PLANO DE ENSINO DE DEPENDÊNCIA FÍSICA I (TÉC. EM ELETROTÉCNICA) 2010 PLANO DE ENSINO DE DEPENDÊNCIA FÍSICA I (TÉC. EM ELETROTÉCNICA) 2010 Prof. Frederico Mercadante Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento apresenta a definição, os objetivos, a caracterização e a explicitação das condições

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim APRESENTAÇÃO

NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim APRESENTAÇÃO NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim ONDAS E ÓTICA FÍSICA TERMODINÂMICA, APRESENTAÇÃO A disciplina aborda conteúdos como hidrostática, termodinâmica, ondas e

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE Curso: Ensino Médio Disciplina: Física Professores: Elisângela Schons. Aproveitamento: 100% JUSTIFICATIVA:

PLANO DE TRABALHO DOCENTE Curso: Ensino Médio Disciplina: Física Professores: Elisângela Schons. Aproveitamento: 100% JUSTIFICATIVA: . Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos Cursos: Ensino Fundamental Fase II e Ensino Médio. Rua Monteiro Lobato, 1038 Cep. 85950-000 Fone/Fax (44) 3649-5214 Site: www.potceebjapalotina.seed.pr.gov.br

Leia mais

Módulo: 1ª fase C-H: 36 h-a Ano: Professora: Karoliny Correia. ESTRATÉGIAS DE ENSINO 4 h-a Aula expositivodialogada;

Módulo: 1ª fase C-H: 36 h-a Ano: Professora: Karoliny Correia. ESTRATÉGIAS DE ENSINO 4 h-a Aula expositivodialogada; IDENTIFICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO Unidade Curricular:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ UESPI COORDENAÇÃO GERAL DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ UESPI COORDENAÇÃO GERAL DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Área de Formação exigida de acordo com item 1.2 do edital Biogeografia 60 Biologia 1 (uma) 11 a 17.06.2014 Evolução 60 Biologia 1 (uma) 18 a 25.06.2014 Poeta Torquato

Leia mais

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Habilitação: Licenciatura em LC101 Leitura e produção textual 30-10 40 2 - LC102 Informática e sociedade 30-10 40 2 - LC103 Inglês básico 50-10 60 3-1º LC104

Leia mais