Estatutos da Musikarisma Associaça o

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatutos da Musikarisma Associaça o"

Transcrição

1 Estatutos da Musikarisma Associaça o

2 SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na freguesia de Eixo, concelho de Aveiro, com o Número de Pessoa Colectiva e registada na Conservatória do Registo Comercial de Aveiro. Artigo 2º A Associação tem como objecto o desenvolvimento de atividades culturais, produzir, difundir e participar em eventos que enfoquem a cultura, promover exposições, conferências, concursos, pesquisas e outras atividades de formação e difusão cultural.

3 SECÇÃO II DOS ASSOCIADOS Artigo 3º 1. Os associados efectivos e fundadores da Musikarisma contribuiram para o seu património social, com uma jóia e uma quota periódica a fixar pela Assembleia Geral. 2. Constituem bens da Associação, doações, legados, aquisição de bens móveis e imóveis e direitos de qualquer natureza. 3. Os bens da Associação e as rendas que deles resultem bem como as resultantes de actividades da Associação, não poderão ser utilizados com outra finalidade senão a prossecução dos seus objectivos. Artigo 4º 1. A Musikarisma tem associados fundadores, efectivos e honorários. 2. São considerados associados fundadores todos aqueles que participaram nas reuniões preparatórias e conducentes à constituição da Musikarisma. 3. São associados efectivos todas as pessoas singulares ou colectivas que concordem com os objectivos da Associação e que queiram

4 contribuir para que os mesmos sejam alcançados. 4. Podem ser associados honorários, personalidades individuais, nacionais ou estrangeiras, que se hajam distinguido pelos seus contributos relevantes para o desenvolvimento cultural ou em qualquer área cultural. Artigo 5º 1. Os associados efectivos são admitidos pela Direcção mediante proposta escrita assinada por um associado fundador ou dois associados efectivos da Musikarisma. 2. Os associados honorários são aprovados em Assembleia Geral por maioria de três quartos dos votos dos associados presentes. Artigo 6º A qualidade de associado não é transmissível quer por ato entre vivos quer por sucessão; o associado não pode incumbir outro(a) de exercer os seus direitos pessoais.

5 Artigo 7º 1. São direitos gerais dos associados fundadores e efetivos: a) Votar em Assembleia Geral; b) Eleger e ser eleito para os órgãos sociais; c) Participar em todas as atividades promovidas pela associação, desde que estejam em pleno gozo dos seus direitos sociais; d) Propor a admissão de novos associados. 2. Aplica-se aos associados honorários o disposto na alínea c) do número um. 3. São deveres gerais dos associados fundadores e efetivos: a) Respeitar e cumprir as normas constantes dos presentes Estatutos, bem como disposições demandadas pela Direção; b) Zelar pelo património moral e cultural da Musikarisma. c) Cooperar com o desenvolvimento e prestígio da Associação; d) Desempenhar com diligência, dedicação e profissionalismo as tarefas a que foram incumbidos e que aceitaram;

6 e) pagar pontual e regularmente as quotas. 4. Aplica-se aos associados honorários o disposto nas alíneas a), b) e c) do número três. Artigo 8º Perdem a qualidade de associados os que: a) Não paguem as suas quotas durante dois anos consecutivos; b) Expressamente o solicitarem à Direção; c) Por decisão da Direção, ratificada pela Assembleia Geral, por maioria simples, sejam excluídos por infracção dos Estatutos, ou por outra ocorrência que possa pôr em causa o bom nome da Associação.

7 SECÇÃO III DOS ÓRGÃOS DA ASSOCIAÇÃO Artigo 9º Órgãos 1. Os órgãos sociais da Associação são: a Assembleia Geral, a Direção, o Conselho Fiscal e o Conselho Consultivo. 2. Os mandatos para os corpos sociais têm a duração de Três anos renováveis. 3. Os órgãos são eleitos por meio de voto secreto, em Assembleia Geral, por lista, entregue ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral no período da apresentação das candidaturas. 4. As candidaturas para os órgãos sociais deverão ser apresentadas com candidaturas para todos os órgãos.

8 SUBSECÇÃO I DA ASSEMBLEIA GERAL Artigo 10º 1. A Assembleia é o órgão soberano da Associação e será constituída por todos os associados em pleno gozo dos seus direitos sociais. 2. A Mesa da Assembleia é constituída por três membros, sendo um Presidente, um Vice-Presidente e um Secretário, que serão eleitos, logo que instalada a Assembleia, por maioria simples. Artigo 11º Compete à Assembleia Geral: a) a eleição e destituição dos titulares dos órgãos da Associação; b) fixar o valor das quotas; c) a aprovação e discussão do orçamento anual, bem como do relatório e contas da Direção e o parecer do Conselho Fiscal; d) a alteração dos Estatutos; e) a extinção da Associação;

9 f) a autorização para esta demandar os diretores por fatos praticados no exercício do seu cargo; g) exercer as demais competências que lhe sejam cometidas pela Lei e pelos Estatutos. Artigo 12º 1. A Assembleia Geral reúne ordinariamente uma vez por ano, para aprovação do Plano de Atividades, para a eleição dos órgãos sociais e para análise, discussão e votação do relatório de contas relativo ao ano anterior e orçamento. 2. A Assembleia Geral é convocada pelo seu Presidente, por aviso postal expedido para todos os associados, com antecedência mínima de quinze dias; no aviso indicar-se-á o dia, a hora, o local e a respectiva ordem do dia, da reunião. 3. A Assembleia Geral reunirá extraordinariamente sempre que tal seja pedido pela Direção ou a pedido de, pelo menos, um quinto dos associados, quando a convocação seja requerida com um fim legítimo.

10 Artigo 13º As deliberações são tomadas, salvo o disposto nos Estatutos ou na lei, por maioria absoluta dos associados presentes. SUBSECÇÃO II DA DIREÇÃO Artigo 14º A Direção é composta por três membros, sendo um deles o Presidente, outro o Secretário e outro o Tesoureiro. Artigo 15º 1. Compete à Direção: a) a condução executiva dos atos e atividades da Associação e das deliberações da Assembleia Geral; b) a sua representação em juízo e fora dele; c) a administração dos bens da Associação;

11 d) a admissão de associados efetivos; e) a preparação da proposta de planos anuais de atividades e das contas de cada ano, para submeter à apreciação da Assembleia Geral; f) a convocação de Assembleias Gerais, extraordinárias; g) a organização e direção dos serviços da Associação. 2. Para obrigar a Associação é necessária a assinatura do Presidente. SUBSECÇÃO III DO CONSELHO FISCAL Artigo 16º 1. O Conselho Fiscal é o órgão de fiscalização financeira da Musikarisma. 2. É composto por três membros, sendo um Presidente e dois Vogais, competindo-lhe acompanhar as atividades da Direção, emitir parecer sobre o relatório de atividades e contas anuais e examinar as contas da Associação.

12 SECÇÃO IV DO CONSELHO CONSULTIVO Artigo 17º 1. O Conselho Consultivo é o órgão de aconselhamento e de apoio à Direção em todas as questões de ordem cultural e relacionadas com atividades da Associação. 2. O Conselho Consultivo é constituído pelo número de membros que a Assembleia Geral entender, sendo, obrigatoriamente, três deles por inerência e os restantes por eleição individual. 3. São membros por inerência o Presidente da Mesa da Assembleia Geral, o Presidente da Direção e o Presidente do Conselho Fiscal. 4. Os membros eleitos serão personalidades reputadas na sua área profissional, eleitos individualmente por voto secreto, pela Assembleia Geral sob proposta da Direção, de dois associados fundadores ou de quatro associados efetivos. 5. O Presidente do Conselho Consultivo é eleito pelos seus membros. 6. O Conselho Consultivo reúne-se, por iniciativa do seu Presidente, sempre que seja necessário e, no mínimo, uma vez por ano, podendo reunir extraordinariamente a pedido do Presidente da

13 Direção. SECÇÃO IV DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 18º Os Estatutos podem ser alterados em reunião de Assembleia Geral, com os votos favoráveis de três quartos dos associados presentes. Artigo 19º Os casos de omissão destes Estatutos serão resolvidos por regulamentos internos a aprovar em Assembleia Geral e pelas disposições legais aplicáveis. Artigo 20º A decisão de dissolução da Associação cabe à Assembleia Geral, com maioria de três quartos dos votos de todos os associados.

14 Artigo 21º No caso de dissolução da Associação, o destino do património social será fixado pela Assembleia Geral. Artigo 22º Todos os pedidos a Fornecedores serão feitos obrigatoriamente por oficio da assinado e carimbado pela Administração e com Pedido também Assinado e Carimbado. A Musikarisma é uma associação cultural sem fins lucrativos, de iniciativa privada, cujo intuito é a difusão da cultura. Aprovado em Assembleia Geral em 01 de Agosto de 2011 Presidente da Vítor Hugo

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O O presente regulamento tem como objectivo complementar e regular as situações omissas dos Estatutos. CAPÍTULO I Do regulamento interno ARTIGO 1.º (Vigência)

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza)

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) 1. O Grupo Desportivo Santander Totta, é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e ESTATUTOS DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA CAPÍTULO I (DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO OBJECTIVOS) excursões e viagens. c) Organização de festas tradicionais

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro.

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro. ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação Artigo Primeiro Denominação A Associação terá a denominação de CÍRCULO TEIXEIRA GOMES

Leia mais

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS

Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação A Associação denominar-se-á A.F.P.L.P., Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa, adiante

Leia mais

Estatutos para associações, clubes e colectividades

Estatutos para associações, clubes e colectividades Estatutos para associações, clubes e colectividades Artigo 1.º Designação e Objectivos O/A (nome da colectividade ou associação), adiante designada por (sigla) é uma associação de fins (concretização dos

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 23 de setembro de 2016 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ES- COLA DA AJUDA

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de

A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de Associação A CIVIDADE ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de duração indeterminada. Artigo 2º

Leia mais

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação)

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação) Estatutos Capítulo I Disposições fundamentais Art.1º (Denominação) A Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação, abreviadamente designada por APCT, é uma associação que se rege pelos

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO ARTIGO 1º Denominação É constituída, por tempo indeterminado, uma associação de direito privado sem fins lucrativos denominada, Associação Portuguesa de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO REGISTADA SOB O Nº527/2008 CARTÓRIO NOTARIAL DE LOURES 1

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO REGISTADA SOB O Nº527/2008 CARTÓRIO NOTARIAL DE LOURES 1 ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA GRANDE IDADE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO REGISTADA SOB O Nº527/2008 CARTÓRIO NOTARIAL DE LOURES 1 CAPITULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1.

Leia mais

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO E FINS Artigo 1º É constituída uma associação, sem fins lucrativos, denominada APP Associação dos Portos de Portugal,

Leia mais

CLUBE DE AUTOMÓVEIS ANTIGOS DA FIGUEIRA DA FOZ REGULAMENTO INTERNO

CLUBE DE AUTOMÓVEIS ANTIGOS DA FIGUEIRA DA FOZ REGULAMENTO INTERNO CLUBE DE AUTOMÓVEIS ANTIGOS DA FIGUEIRA DA FOZ REGULAMENTO INTERNO Figueira da Foz 15 de Novembro de 2002 Com actualização de 11 de Março de 2005 Com actualizaçâo de 24 de Março de 2007 CLUBE DE AUTOMÓVEIS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado)

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) SOCIEDADE PORTUGUESA DE VIDA SELVAGEM CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Duração, Sede e Objecto

Leia mais

CAIS ASSOCIAÇÃO DE SOLIDADRIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DESIGNAÇÃO, DIURAÇÃO E SEDE)

CAIS ASSOCIAÇÃO DE SOLIDADRIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DESIGNAÇÃO, DIURAÇÃO E SEDE) VERSÃO ACTUALIZADA DOS ESTATUTOS DEPOIS DA ALTERAÇÃO DA SEDE SOCIAL, DELIBERADA PELA ACTA Nº 22, DE 26 DE ABRIL DE 2005. ---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO "AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO" CAPÍTULO I. Designação, Fins, Sede e Duração. Artigo 1.º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO CAPÍTULO I. Designação, Fins, Sede e Duração. Artigo 1.º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO "AMIGOS DO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO" CAPÍTULO I Designação, Fins, Sede e Duração Artigo 1.º Com a designação de "Amigos do Museu Nacional do Azulejo" é constituída uma associação

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Artigo 1.º Natureza Jurídica, Denominação e Sede 1. A Academia Olímpica de Portugal, adiante designada por AOP, é uma entidade integrada no, adiante designado

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

A associação tem como fim...

A associação tem como fim... ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação, sede e duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação, e tem a sede na, freguesia de, concelho de e constitui-se por. 2. A associação tem o número

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1º (Denominação) Por iniciativa de um grupo de cidadãos, interessados em contribuir para a resolução dos problemas

Leia mais

RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS

RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS RUAS - ASSOCIAÇÃO UNIVER(S)CIDADE ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS - Associação Univer(s)cidade, adiante designada abreviadamente por Associação, é uma pessoa

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ALCOOLOGIA. Capítulo 1

ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ALCOOLOGIA. Capítulo 1 ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ALCOOLOGIA Capítulo 1 Denominação, sede, duração, constituição e afins Artigo 1.º - (Denominação, sede e duração) A Sociedade adopta a designação de Sociedade Portuguesa

Leia mais

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Regulamento do Núcleo Empresarial da Ilha da Graciosa (Aprovado em Assembleia Geral de 1999) Princípios Gerais Artigo 1º O Núcleo Empresarial da Ilha de São Jorge,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) OBJECTIVOS e SEDE Artigo 1º Parágrafo 1. A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor,

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º

ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º ESTATUTOS DA DELEGAÇÃO NACIONAL PORTUGUESA DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Fundada em 1934 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ARTIGO 1º 1. A Delegação Nacional Portuguesa da Câmara de Comércio

Leia mais

Estatutos Com as alterações aprovados em Assembleia Geral de

Estatutos Com as alterações aprovados em Assembleia Geral de Estatutos Com as alterações aprovados em Assembleia Geral de 23.09.2010 ESTATUTOS DA GARE ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE UMA CULTURA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA ------Artigo Primeiro--------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Denominação, natureza, duração, sede e fins. Artigo 1º

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Denominação, natureza, duração, sede e fins. Artigo 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, natureza, duração, sede e fins Artigo 1º A Associação Portuguesa para a Protecção dos Arquivos Privados (APPAP) é uma associação sem fins lucrativos, dotada de personalidade

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CULTURAL RECREATIVA E DESPORTIVA DE LOURIÇAL - C.P.T Nº Inscrita em: 22/12/88. Sede Louriçal 3125 Louriçal

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CULTURAL RECREATIVA E DESPORTIVA DE LOURIÇAL - C.P.T Nº Inscrita em: 22/12/88. Sede Louriçal 3125 Louriçal ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CULTURAL RECREATIVA E DESPORTIVA DE LOURIÇAL - C.P.T Nº. 628 ARTIGO 1º Inscrita em: 22/12/88 Sede Louriçal 3125 Louriçal DISTRITO DE LEIRIA CAPÍTULO I Constituição, Designação e

Leia mais

ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA

ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA ESTATUTOS DA COMISSÃO NACIONAL PORTUGUESA DO ICOM Capítulo I Da origem e dos fins da Comissão Nacional Artigo 1º A Comissão Nacional Portuguesa do ICOM (International Council of Museums), adiante designada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA ESTATUTO Artigo 1º (Definição) A Associação de Atletas Olimpicos de Angola, abreviadamente designada de AAOA é uma Instituição não governamental, de caracter associativo, autonóma e sem fins lucrativos,

Leia mais

C A U O. Estatutos Confraria da Cerveja

C A U O. Estatutos Confraria da Cerveja P da Estatutos Confraria da Cerveja Capítulo 1 Da Confraria rtigo 1 - Denominação rtigo 2 - Sede rtigo 3 - bjetivos Capítulo 2 Dos Confrades rtigo 4 - Categorias e graus rtigo 5 - Confrades Efetivos rtigo

Leia mais

ANPERE Associação Nacional dos Profissionais e Empresas do Ramo Automóvel

ANPERE Associação Nacional dos Profissionais e Empresas do Ramo Automóvel ANPERE Associação Nacional dos Profissionais e Empresas do Ramo Automóvel CAPÍTULO I Denominação, Duração, Sede, Âmbito e Objeto. ARTIGO 1º (Denominação, duração, sede e âmbito) A associação, sem fins

Leia mais

Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo

Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo 1º A associação de pais e encarregados de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FUTEBOL DE RUA ESTATUTOS. Capítulo II. Da denominação, sede e âmbito de acção e fins. Artigo 5º

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FUTEBOL DE RUA ESTATUTOS. Capítulo II. Da denominação, sede e âmbito de acção e fins. Artigo 5º ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FUTEBOL DE RUA ESTATUTOS Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acção e fins Artigo 1º 1. A Associação Nacional de Futebol de Rua é uma instituição particular de solidariedade

Leia mais

ESTATUTOS LIONS CLUBE DE LISBOA - SETE COLINAS

ESTATUTOS LIONS CLUBE DE LISBOA - SETE COLINAS ESTATUTOS LIONS CLUBE DE LISBOA - SETE COLINAS Capítulo I Princípios Gerais ARTIGO 1 (denominação, sede e objectivos) UM A Associação adopta a denominação LIONS CLUBE DE LISBOA- SETE COLINAS, sendo de

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal.

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Capítulo III Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais Artigo 16º. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Artigo 17º. O exercício de qualquer cargo nos corpos

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA ONCOLÓGICA REGULAMENTO INTERNO

SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA ONCOLÓGICA REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA ONCOLÓGICA DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA ONCOLÓGICA PREÂMBULO O presente Regulamento Interno da Sociedade Portuguesa de Estudos em Psicologia

Leia mais

ESTATUTOS DA CEFAMOL ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE MOLDES

ESTATUTOS DA CEFAMOL ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE MOLDES ESTATUTOS DA CEFAMOL ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE MOLDES 2002 CEFAMOL - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE MOLDES CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, ÂMBITO, SEDE E FINS ARTº 1º (DENOMINAÇÃO) A CEFAMOL - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA. Estatutos. CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA. Estatutos. CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA Estatutos CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo ARTIGO 1º Constituição A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS ARSENAL DO ALFEITE, S. A. (Constituída pelo Decreto-Lei n.º33/2009, de 5 de Fevereiro) ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º Forma e denominação A sociedade adopta a forma

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º ESTATUTOS DA SOCIEDADE ANÓNIMA Capitulo I Firma, sede, objecto e duração Artigo 1º Firma A Sociedade adopta o tipo de Sociedade anónima, com a firma EDAB Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA SECUNDÁRIA STUART CARVALHAIS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA SECUNDÁRIA STUART CARVALHAIS REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Índice Capítulo Primeiro1 - Constituição, Objectivo, Designação e Afins Artigo 1º... 3 Artigo 2º... 3 Capítulo Segundo - Dos Sócios, Seus

Leia mais

SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA

SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA SCVZ ESTATUTOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Criação 1.É criada Sociedade Caboverdiana de Zoologia, abreviadamente designada SCVZ. 2.A duração da sociedade

Leia mais

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA Setembro 2001 REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAPÍTULO I Natureza e objectivos Artigo 1º O Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Instituto Shotokan Portugal Associação Nacional Karate. CAPÍTULO II Composição

REGULAMENTO INTERNO. Instituto Shotokan Portugal Associação Nacional Karate. CAPÍTULO II Composição REGULAMENTO INTERNO Instituto Shotokan Portugal Associação Nacional Karate CAPÍTULO I Denominação, Objeto e Sede Artigo 1.º O ISP-ANK Instituto Shotokan Portugal Associação Nacional Karate é uma Associação

Leia mais

E S T A T U T O S Fevereiro 2007

E S T A T U T O S Fevereiro 2007 E S T A T U T O S Fevereiro 2007 CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Natureza) O Conselho Nacional de Juventude, a seguir designado CNJ, é uma pessoa colectiva

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA VENDA DO PINHEIRO. Capítulo I Dos sócios ARTIGO 1º DIREITOS DOS SÓCIOS

REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA VENDA DO PINHEIRO. Capítulo I Dos sócios ARTIGO 1º DIREITOS DOS SÓCIOS REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA VENDA DO PINHEIRO Capítulo I Dos sócios ARTIGO 1º DIREITOS DOS SÓCIOS a) Participar nas Assembleias Gerais da Associação; b) Eleger e

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA Capítulo I Da Denominação, Objeto, Natureza, Sede, e Fins Artigo 1º - Denominação A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E

Leia mais

ESTATUTOS. CADIn - CENTRO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INFANTIL. CAPÍTULO PRIMEIRO (Natureza, Denominação, Sede e Objecto) Artigo Primeiro

ESTATUTOS. CADIn - CENTRO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INFANTIL. CAPÍTULO PRIMEIRO (Natureza, Denominação, Sede e Objecto) Artigo Primeiro ESTATUTOS do CADIn - CENTRO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INFANTIL CAPÍTULO PRIMEIRO (Natureza, Denominação, Sede e Objecto) Artigo Primeiro (Natureza e Denominação) O CADIn Centro de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO ESTATUTOS

PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DESPORTO ESTATUTOS P C A N D PP AA RR AA LL I SS I AA CC EE RR EE BB RR AA L AA SS SS OO CC I AA ÇÇ ÃÃ OO NN AA CC I OO N AA LL DD EE DD EE SS PP OO RR TT OO ESTATUTOS Coimbra, Dezembro 2000 1 PARALISIA CEREBRAL-ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO EQUESTRE DE SANTO ANDRÉ (CESA) Estatutos do Centro Equestre de Santo André Área de Sines (CESA-AS)

ESTATUTOS DO CENTRO EQUESTRE DE SANTO ANDRÉ (CESA) Estatutos do Centro Equestre de Santo André Área de Sines (CESA-AS) ESTATUTOS DO CENTRO EQUESTRE DE SANTO ANDRÉ (CESA) Estatutos do Centro Equestre de Santo André Área de Sines (CESA-AS) CAPÍTULO UM Da denominação e fins Artº.1º Denomina-se Centro Equestre de Santo André

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Estudantes Sociais-Democratas) Os Estudantes Sociais-Democratas (adiante designados por ESD) são a estrutura sectorial

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º - Denominação e regime jurídico ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Denominação e regime jurídico 1. É constituída a InComunidade Cooperativa de Solidariedade Social CRL, doravante designada como Cooperativa,

Leia mais

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza O Conselho Geral é o órgão deliberativo intermédio do Fórum Académico

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Capítulo I Natureza, Sede e Objecto Artigo 1º 1. È constituída com duração ilimitada a associação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

Clube de Golfe dos Engenheiros

Clube de Golfe dos Engenheiros REGULAMENTO INTERNO Artigo 1.º (Objectivos) Para atingir os objectivos previstos no Artigo 2º dos Estatutos, a Direcção do Clube promoverá: 1. A organização de torneios de golfe em conformidade com as

Leia mais

CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO

CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO Estatutos da Associação e Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica 2.3 Conde de Oeiras CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO ARTIGO 1.º - DENOMINAÇÃO A presente Associação toma a denominação de Associação

Leia mais

ESTATUTOS SUSÃO FUTEBOL CLUBE

ESTATUTOS SUSÃO FUTEBOL CLUBE ESTATUTOS SUSÃO FUTEBOL CLUBE CAPITULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - NATUREZA O Susão Futebol Clube é uma entidade colectiva de direito privado, constituída, sob a forma de associação sem fins lucrativos.

Leia mais

Grupo de Cultura Musical de Ponte de Lima ESTATUTOS CAPÍTULO I. Natureza, Sede, Fins e Atividades. Artigo 1.º. Denominação, Duração e Sede

Grupo de Cultura Musical de Ponte de Lima ESTATUTOS CAPÍTULO I. Natureza, Sede, Fins e Atividades. Artigo 1.º. Denominação, Duração e Sede Grupo de Cultura Musical de Ponte de Lima ESTATUTOS CAPÍTULO I Natureza, Sede, Fins e Atividades Artigo 1.º Denominação, Duração e Sede O Grupo de Cultura Musical de Ponte de Lima tem duração por tempo

Leia mais

MOVIMENTO DE DEFESA DA VIDA (MDV) CAPÍTULO I Natureza, Denominação, Sede e Objecto

MOVIMENTO DE DEFESA DA VIDA (MDV) CAPÍTULO I Natureza, Denominação, Sede e Objecto MOVIMENTO DE DEFESA DA VIDA (MDV) CAPÍTULO I Natureza, Denominação, Sede e Objecto Artigo 1º Denominação e Natureza Jurídica O Movimento de Defesa da, adiante designado por MDV, é uma instituição particular

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores PREÂMBULO As políticas públicas dirigidas à juventude assumem nos dias de hoje uma transversalidade indiscutível. O estabelecimento

Leia mais

QUE VISE PROSSEGUIR ATIVIDADE DESPORTIVA SEM FINS LUCRATIVOS

QUE VISE PROSSEGUIR ATIVIDADE DESPORTIVA SEM FINS LUCRATIVOS A Lei de Bases da Atividade Física e do Desporto - Lei n.º 5/2007 - define os Clubes Desportivos como «as pessoas coletivas de direito privado, constituídas sob a forma de associação sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTOS. Secção de Pediatria Ambulatória. da Sociedade Portuguesa de Pediatria

ESTATUTOS. Secção de Pediatria Ambulatória. da Sociedade Portuguesa de Pediatria ESTATUTOS Secção de Pediatria Ambulatória da Sociedade Portuguesa de Pediatria Braga 2009 Artigo 1º Designação Secção de Pediatria Ambulatória da Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPA-SPP). Artigo 2º

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

ESTATUTOS DA CONFRARIA DA CHANFANA

ESTATUTOS DA CONFRARIA DA CHANFANA Alterado a 21 de Junho de 2006 ESTATUTOS DA CONFRARIA DA CHANFANA 1 CAPÍTULO I DA CONFRARIA Art. 1º (Denominação e Natureza Jurídica) 1. Confraria da Chanfana é uma Associação Cultural sem fins lucrativos

Leia mais

EMPRESAS. Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE

EMPRESAS. Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE EMPRESAS Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE Élia da Conceição Borges Correia de Medeiros Duarte, 2.ª ajudante do Cartório Notarial de

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

Associação de Atletismo Lebres do Sado

Associação de Atletismo Lebres do Sado Associação de Atletismo Lebres do Sado REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Para orientação, disciplina, actividade e orgânica interna, todos os associados e Orgãos Sociais da Associação de Atletismo Lebres

Leia mais

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna Competências da Assembleia A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna ex.: elaboração do regimento; comissões ou grupos de

Leia mais

IDEFF. Organização. Estatutos. Capítulo I Constituição, Duração e Sede

IDEFF. Organização. Estatutos. Capítulo I Constituição, Duração e Sede IDEFF Organização Estatutos Capítulo I Constituição, Duração e Sede Artigo 1º (Constituição e denominação) 1. É constituída uma associação cultural sem fins lucrativos denominada Instituto de Direito Económico,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE EMPRESÁRIOS E GESTORES AG de 22 de Abril de 2016

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE EMPRESÁRIOS E GESTORES AG de 22 de Abril de 2016 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE EMPRESÁRIOS E GESTORES AG de 22 de Abril de 2016 Página 1 de 8 CAPÍTULO I Denominação, sede, duração, fins e objecto Artigo 1.º 1. A Associação Cristã de Empresários e

Leia mais

Artigo 5.º 1. A Associação é composta pelos seguintes órgãos: a) Assembleia- Geral; b) Direcção; c) Conselho Fiscal d) Conselho Consultivo;

Artigo 5.º 1. A Associação é composta pelos seguintes órgãos: a) Assembleia- Geral; b) Direcção; c) Conselho Fiscal d) Conselho Consultivo; Estatutos - Barcelos Sénior, Associação Educacional, Cultural, Social e Recreativa de Formação Permanente Artigo 1.º 1. A Associação adopta a denominação BS - Barcelos Sénior, Associação Educacional, Cultural,

Leia mais

ESTATUTOS DO CLUB DESPORTIVO O MACULUSSO

ESTATUTOS DO CLUB DESPORTIVO O MACULUSSO ESTATUTOS DO CLUB DESPORTIVO O MACULUSSO CÁPITULO I ARTIGO 1º CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE O Clube desportivo O Maculusso, designado abreviadamente O MACULUSSO, fundado a 15 de Agosto de 1982

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL RESPIRA Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL Com a publicação do Decreto-Lei nº. 172-A/2014, de 14 de novembro, e da Lei nº.

Leia mais

Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ

Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Versão aprovada em Conselho de Direcção de 9 de Julho de 2015 Documento Regulamento do Conselho Pedagógico do ISPAJ Data 05/07/2015 Conselho de Direcção 09/07/2015

Leia mais

ESTATUTOS DO AERO CLUBE DE CASTELO BRANCO

ESTATUTOS DO AERO CLUBE DE CASTELO BRANCO ESTATUTOS DO AERO CLUBE DE CASTELO BRANCO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS SOCIAIS Artigo Primeiro O Aero Clube de Castelo Branco, também designado abreviadamente por ACCB, é um organismo dotado de

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Denominação, sede, âmbito e fins. Artigo 1.º. Denominação, natureza e sede

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Denominação, sede, âmbito e fins. Artigo 1.º. Denominação, natureza e sede ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, âmbito e fins Artigo 1.º Denominação, natureza e sede 1. A Associação adopta a denominação A.P.P.IMAGEM - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS PROFISSIONAIS DA IMAGEM, é uma

Leia mais

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Criado em 1979, pelo Decreto-Lei nº 513-L1/79, de 27 de Dezembro, então como Conselho Coordenador da Instalação dos Estabelecimentos de Ensino

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TELEFONE DA AMIZADE CAPITULO I

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TELEFONE DA AMIZADE CAPITULO I ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO TELEFONE DA AMIZADE CAPITULO I Denominação, Natureza, Sede e Objecto ARTIGO 1.º Denominação e Natureza Jurídica A Associação Telefone da Amizade, adiante designada por Associação,

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais