O SETOR DE FACÇÕES E O BAIXO NÍVEL DE EMPREENDEDORISMO EM ACARAPE (CE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SETOR DE FACÇÕES E O BAIXO NÍVEL DE EMPREENDEDORISMO EM ACARAPE (CE)"

Transcrição

1 O SETOR DE FACÇÕES E O BAIXO NÍVEL DE EMPREENDEDORISMO EM ACARAPE (CE) Maria de Jesus Monteiro de Oliveira 1, Salomão Moreira Focna 2 Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os resultados da pesquisa realizada em Acarape-Ce, no setor de facções, onde foi feito um levantamento sobre os faccionistas microempreendedores de Acarape e sua situação socioeconômica, os motivos destes permanecerem reproduzindo os conhecimentos adquiridos no período da implantação das cooperativas de Acarape e o sistema de produção terceirizado, onde a exploração da mão-deobra permanece, e o empreendedorismo real não acontece. Analisar as políticas públicas municipais e estaduais que não apoiam e nem dão visibilidade a uma classe que ajuda a manter a economia do município mesmo nos períodos de crise, apesar de existir a lei 467/2013 que institui o Estatuto do Microempreendedor Individual,(M.E.I.) da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte no Município de Acarape, onde consta como responsabilidade da administração pública municipal, a criação e o funcionamento da sala do empreendedor, espaço para suporte aos M.E.I. que queiram se formalizar para terem acesso aos direitos do trabalhador, as linhas de credito para investirem nos seus negócios e poderem realmente empreender e esclarecimento de dúvidas relativas a atividade exercida. Esta sala funcionou dentro da secretaria de Educação por alguns meses e depois foi fechada, deixando os microempreendedores sem apoio. Apresentando dados concretos para os órgãos que podem de alguma forma ajudar a manter em funcionamento este setor, pode vir a melhorar o setor e o nível de empreendedorismo em Acarape. Palavras-chave: empreendedorismo. Faccionistas. Acarape. 1 Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Instituto de humanidades e letras, bolsista PIBIC/UNILAB, 2 Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Instituto de humanidades e letras, bolsista voluntário PIBIC/UNILAB,

2 INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo apresentar o resultado final da pesquisa realizada em acarape (Ce) com os faccionista, e expor fatores apontados por pessoas que sobrevivem do setor de facções de Acarape mesmo sem incentivos ou a aplicação da lei Orgânica Municipal 46/2013 que dispõe do Estatuto do Microempreendedor Individual, da Microempresa de pequeno porte que determina como função do Governo Municipal criar e colocar em funcionamento [ ] a sala do Empreendedor. Esta sala teria como objetivo auxiliar os faccionistas para legalização de sua atividade e ajudá-los a promover a reestruturação, pois como Araújo e Amorim (2001, p.270) apontam, A indústria de confecção, por ser um ramo industrial baseado no uso intensivo de mão-de-obra, cujo a produção se desenvolveu com poucas inovações técnicas, limitadas a máquina de costura industrial e ao trabalho manual, caracterizou-se desde seus primórdios pelo uso continuo de diversas formas de trabalho subcontratado, principalmente do trabalho á domicilio. O intenso processo de reestruturação pelo qual vem passando este setor nas duas últimas décadas tem levado[...] a explosiva expansão da produção em pequena escala, das micro empresas e do trabalho a domicilio. Apresentaremos também o perfil formado através dos questionários aplicado aos faccionistas de Acarape e as dificuldades enfrentadas por eles no período 2014/15 devido à crise econômica que fez com que grupos fechassem e muitos faccionistas mudassem de atividade ou reduzissem seus grupos em um setor responsável por boa parte da geração de emprego e renda no município. METODOLOGIA A metodologia consistiu na análise de diferentes fontes e métodos como: a elaboração e aplicação de um questionário socioeconômico junto aos faccionistas, no período de dezembro de 2015 a julho de 2016, visitando seu local de trabalho e observando como trabalham e interagem com outros faccionistas. Isso nos permitiu observar as trocas de experiências e materiais que possibilitam a redução de custos de produção. Além disto, podemos avaliar as relações sociais no ambiente de trabalho entre os faccionistas. Pesquisamos também sobre empreendedorismo e inovação no site do Sebrae e os direitos e deveres do M.E.I. faccionistas de Acarape. Analisamos os cursos e outros meios que os ajudariam a aumentar seus conhecimentos sobre métodos produtivos e de gestão, o que contribuiria para que seu desempenho melhorasse. Pesquisamos em documentos oficiais da prefeitura municipal de Acarape e câmara municipal sobre leis que poderiam apoiar os microempreendedores municipais. Assim, foi utilizada tanto uma metodologia quantitativa, como a qualitativa, pois ambas são necessárias para a realização de levantamento de dados para a análise da realidade

3 empírica dos entrevistados, como afirma Godoy, (1995, p.62), levando-se em consideração as necessidades relacionadas para servir de indicadores de desenvolvimento para políticas públicas voltadas para o setor de facções em Acarape. RESULTADOS E DISCUSSÃO A aplicação do questionário sócio econômico foi realizada sem a identificação nominal do entrevistado, já que na primeira tentativa de aplicação, onde havia a identificação, informações importantes foram ocultadas por receio dos entrevistados que trabalham na informalidade de que seus dados pudessem ser acessados por órgãos fiscalizadores, o que poderiam trazer consequências para eles. Identificamos que muitos dos faccionistas, não constam como empreendedores, o que de fato ocorre por pertencerem a um setor onde inovação, fator que destaca a atividade empreendedora não ser facilmente aplicável. Como se criar sem recursos? Como as facções podem sobreviver em uma região com tão poucos recursos e sem suporte governamental, principalmente em período de crise e no setor que mais foi afetado em 2015 no município? Confecções em Acarape foram fechadas, grupos foram reduzidos, e uma das reclamações dos faccionistas, é que o preço da peça para fabricação, apesar do salário e o custo de vida se elevar, permanece o mesmo, ou é reduzido, como aconteceu nos anos de 2014/15. As grandes empresas fecham seus grupos, reduzem seus custos com encargos fiscais e trabalhistas e subcontratam facções por preços abaixo do mercado, aproveitando-se da atual situação, pois muitas estão sem peças para trabalhar. Entrevistamos aproximadamente 60 faccionistas, pois alguns se recusaram a fazer parte desta pesquisa, a outros não tivemos acesso pois ou não encontramos em seu local de trabalho, ou não conseguimos identificar. Temos entre os colaboradores, as microempresas individuais, microempresas e empresas de pequeno porte que atuam em Acarape e que movimentam mais de um milhão de reais mensais e geram mais de 600 empregos entre formais e informais, demostrando que apesar de existir um baixo nível de empreendedorismo, o setor contribui para que o município se mantenha estável, sobrevivendo em períodos de crise, como tem acontecido nos últimos anos, quando a terceirização tem reduzido os empregos formais e aumentado a luta pela sobrevivência em um setor sem incentivos, sem visibilidade e contando com pessoas que tem boa vontade, mas falta capital e políticas que facilitem o acesso real ao pequeno, seja faccionista ou de outra área, pois eles com algumas iniciativas do setor público poderiam inovar e empreender. Alguns faccionistas já tentaram criar sua marca, confeccionar para si, mas por falta de capital, pois o custo com tecido, modelagem, corte, lavanderia, acabamento e distribuição para revenda requer um investimento que está além do poder aquisitivo destes faccionistas e no material que fica no estoque, o lucro que ele teria fica parado. Mesmo quem conseguiu criar sua marca ou trabalhar com o sistema private label (P. L.), onde o faccionista toma para si a responsabilidade de desenvolver a peça, modelar, cortar, costurar, lavar, fazer o acabamento (colocar botão, rebites

4 e etiqueta do cliente, o dono da marca), requer um investimento que a maioria dos faccionistas não possui. Alguns tem conhecimento sobre as políticas de empréstimo aos pequenos produtores, mas a burocracia, faz com que muitos dos pedidos sejam negados por falta de documentação. O tipo de apoio de mais fácil acesso é o crediamigo, do BANCO DO NORDESTE, que faz parte do Crescer - Programa Nacional de Microcrédito do Governo Federal. Durante o período da coleta de informações com os faccionistas, houve uma transformação muito grande no setor, grupos que trabalhavam com 35 pessoas foram reduzidos para 12. Outros com 96 passaram a contar com 77, grupos com mais de 10 costureiros foram fechados por falta de abastecimento e pessoas que ficaram desempregadas passaram a trabalhar em casa com a família formando outros grupos de faccionistas que, com a reabertura de vagas em empresas deverão retornar para o mercado formal. Uma das observações dos faccionistas é a falta de apoio governamental, apesar de existir em Acarape o estatuto do microempreendedor individual, desde dia 27 de agosto de 2013, aprovado na sansão de lei de N 467/2013 que institui microempresa de pequeno porte do município. O estatuto mostra que a prefeitura se compromete unificar processo de registro e de legalização dos empresários e pessoas jurídicas, e criação de um banco de dados com informações e orientações, e colocar instrumentos à disposição dos usuários preferencialmente via rede mundial de computação. O que não conseguimos identificar durante nossos estudos, pois dos poucos documentos que encontramos sobre as facções, encontravam-se armazenadas dentro de caixas na secretaria de educação em uma espécie de deposito. Por ser um mercado que necessita somente da máquina de costura industrial e do trabalho manual, a terceirização e o trabalho domiciliar são facilmente aplicáveis (Araújo e Amorim, 2001), pois na indústria de confecção as várias etapas do processo produtivo podem ser separadas e executadas em locais diferentes, como acontece nas facções de Acarape. Grupos podem ser constituídos por duas pessoas que produzem somente a parte dianteira (frente) da peça, outro pode pranchar (engomar para pregar) o bolso traseiro, outro pode preparar o traseiro da peça (pala e gancho), são pessoas que procuram conciliar o trabalho e a família, acompanhar o crescimento dos filhos, cuidar da casa, uma rotina que o trabalho formal não permite, se há pouca inovação nos meios de trabalho, ela está presente nas formas que este tem adquirido no município. CONCLUSÕES De acordo a pesquisa realizada podemos identificar que a falta de recurso financeiro dos faccionistas, é um dos principais fatores que contribuem para que o empreendedorismo e a inovação não aconteça no município, mas que também a falta de apoio aos faccionista por parte do poder público, governo municipal que não dão apoio e visibilidade ao setor como consta na lei de N 467/2013, tem contribuído com a desvalorização do setor de facções de Acarape e que

5 com a união entre os faccionistas e a aplicação da lei 467/2013 poderia vir a melhorar o nível de empreendedorismo e a inovação, com apoio poderá acontecer. AGRADECIMENTOS Agradecemos a todos os faccionistas que colaboraram para que este trabalho tivesse êxito, que dedicaram um pouco do seu tempo para nos atander e nos deram sua atenção, ao nosso orientador professor Dr. José Weyne de Freitas Sousa por sua contribuição na pesquisa, e ao PIBIC/UNILAB por nos ter proporcionado a possibilidade de trabalhar junto com a comunidade local meios de contribuir para o seu desenvolvimento. REFERÊNCIAS ARAÚJO, Angela Maria Carneiro. AMORIM, Elaine Regina Aguiar. Redes de subcontratação e trabalho a domicilio na indústria de confecção: um estudo na região de Campinas.2011 Disponível em: acesso em: 22/07/2014 GODOY, Arlida Schmidt. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, v. 35, n. 2, p , LEI MUNICIPAL. Acarape, lei 467/2013 de 02 de setembro de MOREIRA, Maria Vilma Coelho. A Inserção da Mão-de-Obra Feminina na Indústria de Confecção no Ceará: o Caso das Cooperativas de Confecções do Maciço de Baturité.1997 Portal do Empreendedor, Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comercio Exterior. Disponível em: < >. Acesso em 6 de julho de Credamigo, Banco do Nordeste. Disponível em: < >. Acesso em 04 de agosto de SILVA, Clébia Mardônia Freitas. Educação, Microcrédito e Pobreza no Brasil: O caráter educativo do microcrédito produtivo orientado nas experiências de bancos comunitários do Ceará. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil,2013.

O SETOR DE FACÇÕES E O BAIXO NÍVEL DE EMPREENDEDORISMO EM ACARAPE (CE)

O SETOR DE FACÇÕES E O BAIXO NÍVEL DE EMPREENDEDORISMO EM ACARAPE (CE) O SETOR DE FACÇÕES E O BAIXO NÍVEL DE EMPREENDEDORISMO EM ACARAPE (CE) Salomão Moreira Focna 1 Resumo: O setor de facção de Acarape é uma das principais fontes de renda de boa parte da população do município.

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio.

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. 2 Apresentação Milhões de brasileiros já estão aproveitando os benefícios de ser um Microempreendedor Individual.

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR. junho de 2017

Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR. junho de 2017 Sondagem conjuntural dos Pequenos Negócios BR junho de 2017 Sondagem conjuntural dos pequenos negócios Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Conhecer as expectativas

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios

MPE INDICADORES Pequenos Negócios MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE DOCES EM TABULEIRO DO NORTE 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE DOCES EM TABULEIRO DO NORTE 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE DOCES EM TABULEIRO DO NORTE 1 1. Localização (discriminação): Município de Tabuleiro do Norte. 2. Natureza da Atividade: Produção de doces 3. Idade do arranjo A maioria das empresas

Leia mais

SENSUS. Pesquisa & Consultoria

SENSUS. Pesquisa & Consultoria Perfil do Empresário, do Administrativo e do Trabalhador da Construção Civil 04 de Abril a 30 de Maio de 2011 Dados Técnicos Pesquisa Perfil do Empresário, do Administrativo e do Trabalhador da Construção

Leia mais

Sebrae, parceiro dos pequenos negócios

Sebrae, parceiro dos pequenos negócios Sebrae, parceiro dos pequenos negócios O Sebrae existe para apoiar os pequenos negócios no Paraná e no Brasil Cenário das micro e pequenas empresas no Brasil Representam 95% dos estabelecimentos formais

Leia mais

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA GESTOR EMPRESARIAL SETOR DE SERVIÇOS GESTOR DE PROJETOS SETOR DE SERVIÇOS CURSO

Leia mais

I. Informações Básicas. II. Estrutura Produtiva

I. Informações Básicas. II. Estrutura Produtiva I. Informações Básicas item Órgão municipal de desenvolvimento Agenda 21 Plano Municipal de Desenvolvimento ou similar Incubadoras de empresas ou tecnológicas Distritos industriais ou similares Comissão

Leia mais

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados /

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados / Forma de Atuação SEBRAE/RS Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br Importância dos Pequenos Negócios no RS Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

Sobrevivência das Empresas no Brasil

Sobrevivência das Empresas no Brasil Sobrevivência das Empresas no Brasil Outubro 2016 1 Objetivo: 1. Calcular a taxa de sobrevivência/mortalidade de empresas no Brasil; e 2. Identificar os fatores determinantes da sobrevivência/mortalidade

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO EMPREENDEDORISMO FEMININO PARA OS MUNICÍPIOS DE AURIFLAMA E GENERAL SALGADO. UMA ABORDAGEM DOS ASPECTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO EMPREENDEDORISMO FEMININO PARA OS MUNICÍPIOS DE AURIFLAMA E GENERAL SALGADO. UMA ABORDAGEM DOS ASPECTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS 16 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO EMPREENDEDORISMO FEMININO PARA OS MUNICÍPIOS DE AURIFLAMA E GENERAL SALGADO. UMA ABORDAGEM DOS ASPECTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

TÍTULO: LEVANTAMENTO DO NÚMERO DE MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) EM ITAJUBÁ-MG NO PERÍODO DE 2009 A 2012, COMPARANDO OS ATIVOS COM OS ENCERRADOS.

TÍTULO: LEVANTAMENTO DO NÚMERO DE MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) EM ITAJUBÁ-MG NO PERÍODO DE 2009 A 2012, COMPARANDO OS ATIVOS COM OS ENCERRADOS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: LEVANTAMENTO DO NÚMERO DE MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) EM ITAJUBÁ-MG NO PERÍODO DE 2009

Leia mais

olo de Moda Divinópolis

olo de Moda Divinópolis olo de Moda Divinópolis ivinópolis Polo de Moda População de Divinópolis representa 17% da população da região centro-oeste de Minas Gerais. 220.000 1.300.000 De cada 100 habitantes 17 são residentes em

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae SEBRAE 2022 Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Índia. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Índia. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Índia Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a Lei de Desenvolvimento das Micro, Pequenas e Médias Empresas da Índia,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS TUBULARES EM IGUATU 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS TUBULARES EM IGUATU 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS TUBULARES EM IGUATU 1 1. Localização (discriminação): Município de Iguatu. 2. Natureza da Atividade: Móveis Tubulares. 3. Idade do Arranjo A empresa pioneira está no mercado

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Paraguai Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios No Paraguai, as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) podem ser classificadas

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O CONHECIMENTO E A ADERÊNCIA DOS ARTESÃOS DE JOÃO PESSOA À LEI DO MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL E À PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

UM ESTUDO SOBRE O CONHECIMENTO E A ADERÊNCIA DOS ARTESÃOS DE JOÃO PESSOA À LEI DO MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL E À PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR UM ESTUDO SOBRE O CONHECIMENTO E A ADERÊNCIA DOS ARTESÃOS DE JOÃO PESSOA À LEI DO MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL E À PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR MEIRELES 1, Jéssica Maria da Silva KATAOKA 2, Sheila Sayuri

Leia mais

P P E B P A SEBRAE Francisco José Cesarino

P P E B P A SEBRAE Francisco José Cesarino P P E B P A SEBRAE Francisco José Cesarino Gerente Adjunto da Unidade de Gestão Estratégica do SEBRAE Brasil cesarino@sebrae.com.br 284 Perfil das pequenas empresas brasileiras e os projectos de apoio

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014 Eixos de atuação Mapa da Pobreza Aumento das capacidades e oportunidades GaranPa de Renda Inclusão

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 20/03/2009. Produção ASCOM

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 20/03/2009. Produção ASCOM EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 20/03/2009 Produção ASCOM Seapa 19/03/2009 www.agricultura.mg.gov.br Ministro e secretários de Agricultura discutem Código Florestal

Leia mais

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I LEI Nº 2.493 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Lei Municipal relativa ao Empreendedor Individual e dá outras providências A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Políticas de emprego e renda

Políticas de emprego e renda Políticas de emprego e renda - Como gerar e sustentar ocupações? Produção Depende de condições históricas e institucionais 1- Políticas macroeconômicas e de desenvolvimento: prioridades 2- Paradigma técnico-produtivo:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO EDITAL Nº 01, 10 DE MARÇO DE 2017 SELEÇÃO PARA BOLSISTAS O Núcleo de Empreendedorismo da Universidade Federal de Sergipe EMPREENDER UFS, torna público a chamada para a seleção de alunos que desejam participar

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL GRUPO E SUBGRUPOS

BALANÇO PATRIMONIAL GRUPO E SUBGRUPOS U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E G O I Á S (Criada pela Lei n.º 13.456 de 16 de abril de 1999, publicada no DOE - GO de 20 de abril de 1999) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS

Leia mais

Cursos com os menores preços de mercado!

Cursos com os menores preços de mercado! Jan/Jun Agenda 2017 Faça a DIFERENÇA nagestão suaempresa! da Cursos com os menores preços de mercado! Aparecida de Goiânia - Bela Vista de Goiás Hidrolândia - Senador Canedo Classificação dospequenosnegócios

Leia mais

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística. e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística. e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP INSTITUCIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - SINP/PMSP

Leia mais

O PAPEL DO ENGENHEIRO QUÍMICO NO MERCADO DE TRABALHO GLOBALIZADO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

O PAPEL DO ENGENHEIRO QUÍMICO NO MERCADO DE TRABALHO GLOBALIZADO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO O PAPEL DO ENGENHEIRO QUÍMICO NO MERCADO DE TRABALHO GLOBALIZADO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Raphael Carlos Rosa Pereira ( ¹ ) ; Eder Dias da Silva ( ² ). (1) Graduando em Engenharia Química

Leia mais

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos Formalização recente em pequenas unidades de 1. Contexto geral 2. Ciclos da formalização produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

Apoios ao Empreendedorismo

Apoios ao Empreendedorismo Apoios ao Empreendedorismo IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, I.P.MEI - Ministério da Economia e da Inovação Objetivos: Facilitar o acesso a soluções de financiamento

Leia mais

BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA 1 Ano 2- N 5 Maio de 2015

BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA 1 Ano 2- N 5 Maio de 2015 BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA 1 Ano 2- N 5 Maio de 215 Laboratório de Gestão Laboratório de Economia Aplicada Projeto de Extensão: Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1. Apresentação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março 2017 Indicador de Propensão a Investir Sem ver necessidade, micro e pequenos empresários não pretendem investir nos próximos

Leia mais

X REUNIÃO DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

X REUNIÃO DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP As Ministras e os Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), reunidos na cidade de Fortaleza, no período de 22 a 24 de fevereiro de 2010, Considerando:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE NOVOS TRAINEES TRISTATE 2017/1

EDITAL DE SELEÇÃO DE NOVOS TRAINEES TRISTATE 2017/1 EDITAL DE SELEÇÃO DE NOVOS TRAINEES TRISTATE 2017/1 EDITAL PROCESSO SELETIVO 2017/1 A Empresa Júnior Tristate Consultoria em Mecatrônica comunica por este edital que estão abertas as inscrições para o

Leia mais

Regional Metropolitana Aparecida de Goiânia. Cursos com os menores preços de mercado! Agenda. Jan/Jun

Regional Metropolitana Aparecida de Goiânia. Cursos com os menores preços de mercado! Agenda. Jan/Jun Regional Metropolitana Aparecida de Goiânia Faça a DIFERENÇA nagestão suaempresa! da Cursos com os menores preços de mercado! Agenda Jan/Jun 2017 Classificação dospequenosnegócios Microempreendedor Individual

Leia mais

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Bahia EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA CAPTAÇÃO DE PATROCÍNIO

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Bahia EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA CAPTAÇÃO DE PATROCÍNIO PROGRAMA NEGÓCIO A NEGÓCIO ANEXO I CADERNO - PROGRAMA NEGÓCIO A NEGÓCIO O Programa Negócio a Negócio (NAN) é um programa de âmbito nacional que tem por objetivo auxiliar microempreendedores individuais

Leia mais

PROJETO: PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO MUNICÌPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA PROGREDIR BOM JESUS

PROJETO: PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO MUNICÌPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA PROGREDIR BOM JESUS PROJETO: PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO MUNICÌPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA PROGREDIR BOM JESUS PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RURAL PROJETO: PROMOVER O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Crescimento do empreendedorismo no Brasil.

Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia 1 Conceito Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) Normas BACEN Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural

Leia mais

SUMÁRIO AULA. Empreendedorismo. Curso de Empreendedorismo USP Escola de Engenharia de Lorena. Aula 04 Planejamento Mercadológico

SUMÁRIO AULA. Empreendedorismo. Curso de Empreendedorismo USP Escola de Engenharia de Lorena. Aula 04 Planejamento Mercadológico Empreendedorismo Aula 04 Planejamento Mercadológico SUMÁRIO AULA Pesquisa e análise de mercado Estratégias e ações para atingir o mercado Análise Concorrência Como criar negócios de alto crescimento Habitats

Leia mais

Direito Societário. Quais são as minhas opções para abrir uma empresa criativa?

Direito Societário. Quais são as minhas opções para abrir uma empresa criativa? Direito Societário Quais são as minhas opções para abrir uma empresa criativa? Ficha Técnica Universidade de Brasília UnB Reitor Prof Dr. Ivan Marques de Toledo Camargo Núcleo de multimídia e internet

Leia mais

SOBRE A CONTRATAÇÃO TERCEIRIZADA DE SERVIÇOS:

SOBRE A CONTRATAÇÃO TERCEIRIZADA DE SERVIÇOS: ÁREA: Ciências Contábeis ANÁLISE SOBRE A CONTRATAÇÃO TERCEIRIZADA DE SERVIÇOS: Estudo no Município de Boa Esperança Pr. CARBONERA, Fabio Luis 1 SANTOS, Adriane Oliveira 2 STELA, Éder Rogério 3 Introdução

Leia mais

Marco Aurélio Bedê (Sebrae) Rafael de Farias Moreira (Sebrae)

Marco Aurélio Bedê (Sebrae) Rafael de Farias Moreira (Sebrae) Marco Aurélio Bedê (Sebrae) Rafael de Farias Moreira (Sebrae) Fonte das informações desta apresentação: PESQUISAS Bancarização das MPE, (nov/15) 6.005 entrevistas Financiamento dos Pequenos Negócios no

Leia mais

Programa EaD em REDE

Programa EaD em REDE Programa EaD em REDE Regulamento Interno Regulamenta o Programa EaD em Rede da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais - ABRUEM. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

PRECISA MELHORAR O SEU NEGÓCIO?

PRECISA MELHORAR O SEU NEGÓCIO? PRECISA MELHORAR O SEU NEGÓCIO? PROGRAMAÇÃO 1º Trimestre - e Região PARA MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS, MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Importante! As vagas para cada evento são limitadas A

Leia mais

2.6 Relações de Trabalho

2.6 Relações de Trabalho Por que Relações de Trabalho? No Brasil, o sistema legal e institucional que rege o mercado de trabalho é defasado, rígido e juridicamente inseguro, o que compromete a competitividade das empresas e o

Leia mais

Etapas do Plano de Negócios

Etapas do Plano de Negócios Etapas do Plano de Negócios Etapa 7. Plano financeiro Detalhes Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Etapa 7 Plano Financeiro Investimento

Leia mais

Etapa 7 Plano Financeiro

Etapa 7 Plano Financeiro 17/10/12 Etapas do Plano de Negócios Etapa Detalhes 7. Plano financeiro Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Investimento é tudo

Leia mais

Sua marca na revista Brasil em Código e na Feira do Empreendedor Sebrae: exponha sua marca para quem interessa.

Sua marca na revista Brasil em Código e na Feira do Empreendedor Sebrae: exponha sua marca para quem interessa. Sua marca na revista Brasil em Código e na Feira do Empreendedor Sebrae: exponha sua marca para quem interessa. Índice A revista O evento Visitantes Benefícios Gôndola exclusiva Premissas e regras Exposição

Leia mais

SEBRAE REGIONAL NOROESTE MARÇO E ABRIL - 2016. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebraego.com.br

SEBRAE REGIONAL NOROESTE MARÇO E ABRIL - 2016. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebraego.com.br AGENDA SEBRAE REGIONAL NOROESTE MARÇO E ABRIL - 2016 Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebraego.com.br VEJA QUAL SUA CATEGORIA EMPRESARIAL Microempreendedor Individual (MEI) O MEI é

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Corretor de Imóveis

SIMPLES NACIONAL. Corretor de Imóveis SIMPLES NACIONAL Corretor de Imóveis MARIA RICARTE CRC-CE: 016078/O-9 Contadora, graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Ceará UECE. Profissional com vastos conhecimentos nas áreas:

Leia mais

Perfil do Empreendedor

Perfil do Empreendedor 2015/2016 Perfil do Empreendedor de Caxias do Sul Descrição da pesquisa O empreendedorismo é um tema bastante presente no cotidiano político e econômico do país. Você pode ser um empreendedor corporativo

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PATRULHENSE MERCADO DE TRABALHO: APOSENTADOS E JOVENS PERMANENTEMENTE NA LUTA. Orientadora: Carmem Zeli de Vargas

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PATRULHENSE MERCADO DE TRABALHO: APOSENTADOS E JOVENS PERMANENTEMENTE NA LUTA. Orientadora: Carmem Zeli de Vargas ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PATRULHENSE MERCADO DE TRABALHO: APOSENTADOS E JOVENS PERMANENTEMENTE NA LUTA Orientadora: Carmem Zeli de Vargas Santo Antônio da Patrulha 2008 2 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

Indústria Náutica Brasileira Fatos & Números 2012

Indústria Náutica Brasileira Fatos & Números 2012 Indústria Náutica Brasileira Fatos & Números 2012 Segunda edição do estudo realizado em 2005 Objetivo: Dimensionar o tamanho do segmento náutico no Brasil, sua importância e seu potencial de contribuição

Leia mais

Projeto de Confecções do Agreste Pernambucano

Projeto de Confecções do Agreste Pernambucano Projeto de Confecções do Agreste Pernambucano Pesquisa de Caracterização Econômica do Pólo de Confecção do Agreste Araripina S. Cruz do Capibaribe 19 km Serra Talhada Pólo de Confecções Toritama Caruaru

Leia mais

O SETOR DE SERVIÇOS NAS REGIÕES METROPOLITANAS PAULISTAS: EVOLUÇÃO DO EMPREGO ENTRE

O SETOR DE SERVIÇOS NAS REGIÕES METROPOLITANAS PAULISTAS: EVOLUÇÃO DO EMPREGO ENTRE O SETOR DE SERVIÇOS NAS REGIÕES METROPOLITANAS PAULISTAS: EVOLUÇÃO DO EMPREGO ENTRE 2-2 Giulia Bianchi Faculdade de Ciências Econômicas Centro de Economia e Administração giulia.b@puccamp.edu.br Profª.

Leia mais

A ESTRATÉGIA DE INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

A ESTRATÉGIA DE INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL A ESTRATÉGIA DE INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA A estratégia de inclusão produtiva urbana do Plano Brasil sem Miséria trouxe novas perspectivas para uma parcela significativa da população

Leia mais

MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS

MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS Ana Paula CUNHA 1 Wilson de Luces Forte MACHADO 2 RESUMO: O objetivo deste estudo é analisar e comparar dois modelos de planejamento (estratégico e participativo)

Leia mais

Apresentação. Aplicação do IPM no bairro do Caju. Foto: Arquivo AfroReggae. Aplicação do Formulário IPM. Foto: Arquivo AfroReggae.

Apresentação. Aplicação do IPM no bairro do Caju. Foto: Arquivo AfroReggae. Aplicação do Formulário IPM. Foto: Arquivo AfroReggae. Apresentação Em março de 2014 o trabalho do Mutirão AfroReggae, em parceria com a Natura, permitiu a conclusão do trabalho de visita e acompanhamento das famílias em uma das comunidades no Complexo de

Leia mais

bancodopovo.sp.gov.br

bancodopovo.sp.gov.br Dinheiro fácil e barato para quem quer produzir O que é o Banco do Povo Paulista? O Banco do Povo Paulista é o programa de microcrédito produtivo desenvolvido pelo Governo do Estado de São Paulo e executado

Leia mais

+ PLANO DE NEGÓCIO = SUCESSO. Prof.ª Regis luiz gomes

+ PLANO DE NEGÓCIO = SUCESSO. Prof.ª Regis luiz gomes EMPREENDEDORISMO + PLANO DE NEGÓCIO = SUCESSO Prof.ª Regis luiz gomes PLANO DE NEGÓCIO O QUE É? É UM CONJUNTO DE INFORMAÇÕES QUE PERMITEM AO EMPREENDEDOR DECIDIR COM MAIS SEGURANÇA SOBRE O NEGÓCIO,

Leia mais

Gerência de Políticas Públicas

Gerência de Políticas Públicas Gerência de Políticas Públicas Principais projetos para 2015 Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br AMBIENTE DE NEGÓCIOS DESFAVORÁVEL Concorrência

Leia mais

Gestão da Inovação. Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios.

Gestão da Inovação. Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios. Gestão da Inovação Gestão da Inovação Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios. Não existem evidências confirmando a melhor

Leia mais

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA O QUE CAPITALISMO? É um sistema socioeconômico que regula as relações sociais e a economia da sociedade

Leia mais

REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE. BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina²

REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE. BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina² REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina² Introdução: Em fevereiro de 2004, o Ministério da Saúde institui

Leia mais

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito Atualização: SEBRAE-SP - Unidade de Políticas Públicas e Relações Institucionais UPPRI - 13 maio 2013 Cartilha do 4 Microempreendedor Individual MICROCRÉDITO O QUE É? O microcrédito é a concessão de empréstimos

Leia mais

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa.

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aprender a Empreender Objetivo: Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes sobre

Leia mais

Órgão Ministério do Turismo (MTur) Representação Efetiva Câmara Temática de Turismo Sustentável e Infância do CNT Representante Ana Paula de Siqueira

Órgão Ministério do Turismo (MTur) Representação Efetiva Câmara Temática de Turismo Sustentável e Infância do CNT Representante Ana Paula de Siqueira T U R I S M O Órgão Ministério do Turismo (MTur) Representação Efetiva Câmara Temática de Turismo Sustentável e Infância do CNT Representante Ana Paula de Siqueira Assessora Secretaria Geral da CNC Ações

Leia mais

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás Perfil do Microempreendedor Individual 2015 Sebrae Goiás Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais no Brasil; 384 Microempreendedores Individuais em Goiás; Entrevistas

Leia mais

Indicador de Demanda por crédito e Investimentos do Micro e Pequeno Empresário (IDCI-MPE)

Indicador de Demanda por crédito e Investimentos do Micro e Pequeno Empresário (IDCI-MPE) Indicador de Demanda por crédito e Investimentos do Micro e Pequeno Empresário (IDCI-MPE) SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) Junho de 2015 INDICADOR DE DEMANDA POR CRÉDITO

Leia mais

POR QUE FORMALIZAR-SE?

POR QUE FORMALIZAR-SE? POR QUE FORMALIZAR-SE? São inúmeras as vantagens que a formalização traz, assim como são inúmeros os riscos que a informalidade proporciona. Ao registrar sua empresa você como empresário passa a existir

Leia mais

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. Perfil do

Leia mais

Quais os determinantes dos avanços tecnológicos? Avanços tecnológicos e inserção internacional brasileira PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO

Quais os determinantes dos avanços tecnológicos? Avanços tecnológicos e inserção internacional brasileira PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO BOLETIM: Setembro/2016 Quais os determinantes dos avanços tecnológicos? Avanços tecnológicos e inserção internacional brasileira PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL

Leia mais

Empreendedorismo EMPREENDEDORISMO

Empreendedorismo EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo Assunto do momento Empreendedorismo Assunto do momento www.gembrasil.org.br www.endeavor.org.br Empreendedorismo na tv também O que é empreendedorismo?

Leia mais

PROGRAMA GAÚCHO DE MICROCRÉDITO

PROGRAMA GAÚCHO DE MICROCRÉDITO PROGRAMA GAÚCHO DE MICROCRÉDITO O governo do Estado do Rio Grande do Sul em conjunto com o Banrisul, e suas Secretarias de Estado, está instituindo o Programa Gaúcho de Microcrédito, conforme o Decreto

Leia mais

Resultados de junho 2015

Resultados de junho 2015 Resultados de junho No 1º semestre de, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 11,9% no faturamento real sobre o mesmo período de 2014 (já descontada a inflação). O resultado

Leia mais

Pré-requisitos Para integrar o Programa MACAL de Estágio Supervisionado, o candidato precisa atender os seguintes requisitos:

Pré-requisitos Para integrar o Programa MACAL de Estágio Supervisionado, o candidato precisa atender os seguintes requisitos: Prezados Senhores: A MACAL - Soluções em Nutrição, desde 2003 desenvolve o programa de Estágio Supervisionado que consiste em um intensivo programa para a preparação de novos profissionais, tendo como

Leia mais

COMPROMISSO COM A FORMALIDADE Regulamentação da Lei Geral Municipal

COMPROMISSO COM A FORMALIDADE Regulamentação da Lei Geral Municipal COMPROMISSO COM A FORMALIDADE Regulamentação da Lei Geral Municipal Prefeitura Municipal de Aperibé RJ. Secretária Municipal de Planejamento e Fazenda. 2009 Município: APERIBÉ- RJ Formação do Grupo de

Leia mais

FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS

FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS HORIZONTINA - RS 2011 PAE Programa de Acompanhamento de Egressos I HISTÓRICO Desde 2006, ano em que formou a sua primeira turma,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CLIMA ORGANIZACIONAL PARA O SUCESSO DA EMPRESA

A IMPORTÂNCIA DO CLIMA ORGANIZACIONAL PARA O SUCESSO DA EMPRESA A IMPORTÂNCIA DO CLIMA ORGANIZACIONAL PARA O SUCESSO DA EMPRESA O sucesso de uma empresa e um bom clima organizacional estão intimamente ligados. Quando os funcionários sentem felicidade nas tarefas e

Leia mais

Projeto: PROJ-02 Inventário. Termo de Abertura do Projeto

Projeto: PROJ-02 Inventário. Termo de Abertura do Projeto Inventário 2014 Termo de Abertura do Projeto 1 Aprovação do projeto Elaborado por Responsável Data Assinatura Vanessa Godoy Kinoshita Aprovado por Responsável Data Assinatura David Dutkievicz 2 1. Dados

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Atualmente, no Brasil, há pelo menos três definições utilizadas para limitar o que

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo. 1º semestre de 2014

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo. 1º semestre de 2014 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo 1º semestre de 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA Tatiane Moreira da Silva - Pedagogia/ B

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA Tatiane Moreira da Silva - Pedagogia/ B CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA Tatiane Moreira da Silva - Pedagogia/2013 4 B Thaís Aparecida dos Santos Pedagogia/2013 4 B (voluntária)

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO O SEBRAE-SP O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) - em SP, tem a missão de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos

Leia mais

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL

IV JORNADA DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL ISSN 2359-1277 AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS ASSISTENTES SOCIAIS QUE ATUAM NOS MUNICÍPIOS DE ABRANGÊNCIA DO ESCRITÓRIO REGIONAL DE PARANAVAÍ - SECRETARIA DA FAMÍLIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO ESTADO DO

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Set/16

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Set/16 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Set/16 SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) 1. Indicador de Demanda por Crédito Em setembro de

Leia mais