SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO"

Transcrição

1 SUMÁRIO CAPÍTULO I 2 DA DEFINIÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2 CAPÍTULO II 3 DOS OBJETIVOS 3 CAPÍTULO III 4 DAS MODALIDADES 4 CAPÍTULO IV 5 DA INDICAÇÃO DOS CANDIDATOS À PARTICIPAÇÃO NO PIC 5 CAPÍTULO V 6 DO PROCESSO DE SELEÇÃO 6 CAPÍTULO VI 7 DAS COMPETÊNCIAS 7 CAPÍTULO VII 11 DO PLANO DE TRABALHO DO ACADÊMICO 11 CAPÍTULO VIII 11 DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 11 1

2 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) DA É finalidade do presente Regulamento normatizar as atividades de Iniciação Científica da Faculdade Padrão. CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Artigo 1º - A Iniciação Científica é um Programa de inserção do aluno de graduação em atividades de pesquisa científica, visando à construção de interações com o ambiente científico, por meio do desenvolvimento de projeto de pesquisa e sob a orientação de um professor orientador com titulação stricto sensu e, quando necessário, de um professor co-orientador. Artigo 2º - A iniciação científica caracteriza-se como uma ferramenta de apoio teórico e metodológico à realização de um projeto de pesquisa e constitui um canal adequado de auxílio para a formação de uma nova mentalidade no aluno. Artigo 3º - Promove a participação efetiva do aluno em projetos investigativos que agucem sua curiosidade e o levem a estudar situações reais com rigor científico. Acadêmica Artigo 4º - O Programa de Iniciação Científica está vinculado à Diretoria 2

3 Artigo 5º - Para contemplar a diversidade da cultura acadêmica universitária da Instituição, as atividades de Iniciação Científica serão próprias de todos os Departamentos, Cursos e Áreas de Conhecimento, respeitadas as normas estabelecidas neste regulamento. CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Artigo 6º - São objetivos da Iniciação Científica: I- Possibilitar ao acadêmico contato direto com a atividade científica engajamento na pesquisa; II- Privilegiar a participação ativa de acadêmicos selecionados, em projetos de pesquisa com qualidade acadêmica e mérito científico; III- Despertar vocação científica e incentivar talentos potenciais entre os alunos mediante suas participações em projetos de pesquisa. IV- Oportunizar ao acadêmico a aplicação, na prática, do método científico e a participação num ambiente de investigação, desde os primeiros anos da graduação; V- Proporcionar ao acadêmico a aprendizagem de técnicas e métodos, bem como estimular o desenvolvimento do pensar cientificamente, a partir das condições criadas pelo confronto direto com os problemas de pesquisa; VI- Promover oportunidade de enriquecimento acadêmico, aprofundamento e atualização dos conceitos associados à Ciência; 3

4 VII- Incentivar o acadêmico a participar de congressos e eventos que promovam discussões e reflexões sobre sua área de estudos e sua futura área de trabalho; VIII- Possibilitar ao acadêmico o desenvolvimento do seu espírito crítico, criatividade, organização, concentração e ampliação da sua visão de mundo para influenciar sua forma de atuação no mercado de trabalho; IX- Incentivar pesquisadores produtivos a envolverem os alunos de graduação no processo acadêmico, otimizando a capacidade de orientação à pesquisa da instituição X- Estimular a produção científica da instituição. XI- Aprimorar o processo de formação dos alunos visando sua qualificação profissional para o setor produtivo. CAPÍTULO III DAS MODALIDADES Artigo 7º - O Programa Institucional de Iniciação Científica da Faculdade Padrão em suas modalidades comporta atualmente a categoria de Programa Voluntário de Iniciação Científica da Faculdade Padrão (PVIC/PADRÃO) Artigo 8º - Para participar como voluntário o aluno deve inscrever-se no programa de Iniciação Científica (PIC), sob orientação de um professor-pesquisador, autor de um projeto de pesquisa. 4

5 CAPÍTULO IV DA INDICAÇÃO DOS CANDIDATOS À PARTICIPAÇÃO NO PIC Artigo 10º - A Supervisão de Pesquisa irá avaliar as candidaturas apresentadas e classificar os candidatos inscritos Artigo 11º - Os documentos necessários são: I)- Proposta de projeto de pesquisa, enquadrado nos critérios do Edital que regulamenta o processo seletivo de projetos de pesquisa; II)- Plano de trabalho individual (Apêndice I) do candidato à Iniciação Científica devidamente preenchido, impresso e assinado. III)- Curriculum Lattes do orientador; Artigo 12º - A documentação e as informações prestadas pelo candidato e seu orientador serão de inteira responsabilidade destes, sendo passível de exclusão do processo seletivo aquele que não fornecer documentação de forma completa, correta e legível e/ou que fornecer dados comprovadamente inverídicos. Artigo 13º - A qualquer tempo o acadêmico ou orientador poderá ser excluído do processo seletivo, desde que verificada alguma falsidade nas declarações ou irregularidades nos documentos apresentados. 5

6 Parágrafo Único: O desligamento do PIC pelo orientador ou acadêmico poderá ser efetivado mediante o preenchimento do Formulário de Desligamento (Apêndice II) e repassado ao Supervisor do PIC. Artigo 14º - É vetada a inscrição fora do período de inscrição. Artigo 15º - Não serão aceitas inscrições via fax e/ou via correio eletrônico. incompleta. Artigo 16º- Em hipótese alguma será homologada a inscrição com documentação CAPÍTULO V DO PROCESSO DE SELEÇÃO Artigo 17º - Poderão inscrever-se como candidatos ao Processo de Seleção de orientandos de Iniciação Científica alunos matriculados nos cursos de graduação da Faculdade Padrão que tenham: I- Sido aprovados em todas as disciplinas dos dois primeiros semestres ou períodos do curso de graduação; II - Disponibilidade para dedicação às atividades de Iniciação Científica; III - Familiaridade com uma língua estrangeira; IV - Habilidades básicas de informática. 6

7 Artigo 18º - Os Processos de Seleção poderão ser realizados tanto no primeiro como no segundo semestre de cada ano letivo. Artigo 19º - O edital de divulgação do Processo de Seleção deverá explicitar as exigências para inscrição, os procedimentos de seleção, os objetivos e as atividades previstas no projeto de pesquisa, as atribuições dos orientandos em cada caso. Artigo 20º - A seleção propriamente dita deverá ser realizada por meio de procedimentos que verifiquem a capacidade dos candidatos para enfrentar as atividades de pesquisa, e a adequação da motivação para o trabalho científico. Artigo 21º - Os Processos de Seleção previstos artigo 21º serão de responsabilidade do Núcleo de Iniciação Científica. CAPÍTULO VI DAS COMPETÊNCIAS dos Cursos e do NDE Artigo 22º- São atribuições do Núcleo de Iniciação Cientifica, da Coordenação Científica. I- Estimular os professores da Instituição para atuar nas atividades da Iniciação II- Assessorar a elaboração de projetos e programas. 7

8 III- Participar dos processos de seleção de alunos candidatos à Iniciação Científica. IV- Acompanhar o desenvolvimento de projetos e programas aprovados. V- Apreciar, com parecer de mérito, propostas de projetos e programas de Iniciação Científica. VI-Organizar atividades acadêmicas que proporcionem aos professores orientadores a ampliação, o aprofundamento e o aperfeiçoamento de sua formação científica e, conseqüentemente, de sua capacidade de orientação à pesquisa. Artigo 23º - São atribuições dos Professores Orientadores I - Propor projetos e/ou programas de pesquisa de Iniciação Científica de acordo com as normas deste Regulamento. II - Participar do Processo de Seleção de alunos candidatos à Iniciação Científica em projetos e/ou programas sob sua responsabilidade. III - Favorecer a divulgação da(s) pesquisa(s) sob sua orientação nos cursos e Departamentos, promovendo oportunidades de acesso a alunos e professores em geral. IV - Elaborar Relatórios Semestrais das Atividades (Apêndice III) que serão entregues ao Núcleo de Iniciação Científica e orientar os alunos nos procedimentos necessários ao desenvolvimento do Projeto de Pesquisa; V) - Prestar informações sobre o andamento do Projeto de Pesquisa, sempre que solicitado; VI) - Zelar pelo andamento das atividades do projeto de pesquisa e pela utilização dos recursos empregados no mesmo; 8

9 VII) - Responsabilizar-se pelo cumprimento da carga horária dedicada pelo(s) voluntários aos trabalhos de Pesquisa, informar ao responsável quaisquer ocorrências, bem como solicitar a substituição do acadêmico que não cumprir a atividade proposta. VII) - Orientar os acadêmicos na elaboração dos relatórios, de artigos e material a ser divulgado em eventos científicos, bem como, em outras ocasiões que se fizerem necessário, constando o nome do acadêmico e do docente; IX) Acompanhar e orientar os acadêmicos na exposição dos trabalhos no Seminário de Iniciação Científica; X)- Justificar, por escrito, o cancelamento ou necessidade de substituição dos acadêmicos vinculados ao projeto, assim como quaisquer outras necessidades que interferem no desenvolvimento do projeto; XI)- Não estar licenciado/afastado da Instituição; XII) - Encaminhar aos coordenadores os Planos de Trabalhos dos acadêmicos bem como os relatórios parciais e finais. Parágrafo Primeiro - Poderão ser orientadores os professores da Instituição que atenderem às exigências contidas nos objetivos da Iniciação Científica, contemplados no Capítulo II deste Regulamento. Parágrafo Segundo - Poderá ser priorizado o desenvolvimento de projetos e programas de Iniciação Científica, já aprovados, que estejam sob a responsabilidade de professores engajados e comprometidos com as finalidades e compromissos institucionais da Faculdade Padrão. 9

10 Parágrafo Terceiro - Aos professores orientadores, cujos projetos e/ou programas tiverem o seu desenvolvimento priorizado, poderá ser efetuada remuneração na forma de ampliação de carga horária semanal, tomando-se como critério a categoria da hora-aula. Artigo 24 º - São atribuições dos Alunos Orientandos: I) - Ser selecionado e indicado pelo orientador; II) - Realizar as atividades propostas pelo orientador; III) - Dedicar, no mínimo 4 (quatro) horas semanais às atividades propostas em local a ser acordado com o orientador; IV) - Preencher o Relatório Final das Atividades dos Orientandos (Apêndice IV), em conjunto com o orientador; V) - Apresentar os resultados de seu trabalho no Seminário de Iniciação Científica; VI) - Nas publicações e trabalhos apresentados, fazer referência a sua condição de acadêmico, indicando o programa de iniciação científica e a IES a que está vinculado e citando o órgão financiador, caso exista; VII) - Estar vinculado a apenas um programa de iniciação cientifica; VII) - Para ingresso nos programas, não estar no último ano do curso de graduação; IX) - No caso de renovação na participação dos programas de iniciação científica, estar em dia com todas as obrigações, inclusive com os relatórios exigidos até aquela data; 10

11 CAPÍTULO VII DO PLANO DE TRABALHO DO ACADÊMICO Artigo 25º - O orientador deverá submeter um Plano de Trabalho detalhado para cada acadêmico vinculado ao projeto. Artigo 26º - O plano de trabalho deverá indicar as funções específicas do acadêmico no desenvolvimento do projeto sem coincidir com as atividades do orientador e/ou demais membros da equipe. CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 27º - Aplicam-se subsidiariamente ao presente as normas gerais pertinentes, dispostas no Regimento Geral da Faculdade Padrão. Artigo 28 - A participação em Projetos e Iniciação Cientifica não poderão ser aproveitadas para fins de dispensa de disciplinas que integram o currículo do curso. Artigo 29 - Compete ao Responsável pelo PIC dirimir eventuais dúvidas referentes à interpretação das presentes normas, bem como suprir suas lacunas. 11

12 Artigo 30º- Este Regulamento entra em vigor a partir de sua aprovação pelo Colegiado de Curso, ratificada pelo CONSUP, revogando-se disposições anteriores. Artigo 31º- Os casos omissos e as interpretações deste regulamento serão apreciados pela Direção. 12

13 PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL PIC APÊNDICE I Orientador: Acadêmico: Titulo do Projeto: ATIVIDADES DO ACADÊMICO PESQUISADOR CARGA HORÁRIA Assinatura do Orientador 13

14 Acadêmico e /ou Orientador: FORMULÁRIO DE DESLIGAMENTO - PIC APÊNDICE II Titulo do Projeto: Tempo de Participação no Projeto: Justificativa do Desligamento: Data: / / Assinatura 14

15 Acadêmico orientando: Projeto: Professor Orientador: Duração do Projeto: RELATÓRIO DAS ATIVIDADES FINAIS (Orientando) PIC APÊNDICE IV Relatório das Atividades Desenvolvidas: Assinatura do Orientando Data: / / 15

16 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES FINAIS (Orientador) PIC APÊNDICE V Professor Orientador: Projeto: Acadêmico orientando: Duração do Projeto: Relatório das Atividades Desenvolvidas: Assinatura do Orientador Data: / / 16

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA-PIC/UNIMAR

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA-PIC/UNIMAR PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA-PIC/UNIMAR OBJETIVOS O Programa de Iniciação Científica da Universidade de Marília PIC/UNIMAR destinase a alunos de graduação para desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FACULDADE DE ARACRUZ ARACRUZ 2010 INTRODUÇÃO A Iniciação Científica, segundo o Conselho Nacional

Leia mais

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOTO CONSU 2012-04 de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Monitoria do Centro Universitário Adventista de São Paulo UNASP é um programa

Leia mais

APÊNDICE I EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017

APÊNDICE I EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017 APÊNDICE I EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017 Pelo presente faz-se saber que estarão abertas, no período de 10 a 30 de junho de 2016, as inscrições para seleção de bolsistas do Programa Institucional

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP ANEXO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º

Leia mais

CAPÍTULO I. Dos Objetivos da Pesquisa

CAPÍTULO I. Dos Objetivos da Pesquisa RESOLUÇÃO Nº 01/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO DO GRUPO DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. A Direção Geral da IES

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO

UNIVERSIDADE POSITIVO UNIVERSIDADE POSITIVO CHAMADA DE PROJETOS PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) CICLO 2012-2013 EDITAL N o 117 de 03/04/2012 Art. 1 o A Reitoria da Universidade Positivo (UP) torna público o presente

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 Abertura do Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade das Américas Artigo 1 o A Diretoria

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014.

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. Fixa normas para o Programa de Iniciação Científica, no Instituto Superior de Educação

Leia mais

Regulamento do Programa de Iniciação Científica da UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga - PIC/UNIFEV

Regulamento do Programa de Iniciação Científica da UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga - PIC/UNIFEV Regulamento do Programa de Iniciação Científica da UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga - PIC/UNIFEV Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º - O Programa de Iniciação Científica da UNIFEV

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Faculdade de Tecnologia SENAI de Desenvolvimento Gerencial NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1. Introdução A Iniciação Científica é um instrumento de formação de recursos humanos,

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROGRAMA DE MONITORIA Agosto/2010 2 1. O QUE É MONITORIA A Monitoria é a modalidade de ensino-aprendizagem,

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TGI TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO SÃO PAULO JUNHO DE 2007 CAPÍTULO 1 DA CONCEITUAÇÃO Art. 1º - O Trabalho de Graduação Interdisciplinar (TGI), atividade obrigatória

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Edital n o 01/2016 Seleção de Projetos de Pesquisa A Coordenadoria do Mestrado Acadêmico e Pesquisa

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Belo Horizonte 2015 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética do Centro Universitário

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACCAMP

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACCAMP PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACCAMP A iniciação científica é a integração das atividades de graduação e pós-graduação da Instituição que permite a iniciação do acadêmico de graduação na pesquisa científica.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013 A Pró-reitora de Ensino da Universidade Feevale, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Resolução nº 004/2015

Resolução nº 004/2015 Resolução nº 004/2015 Dispõe sobre estágio de prática docente para os alunos do Mestrado em Direito e Instituições do Sistema de Justiça. Art. 1º O Estágio de Prática Docente (EPD) tem por objetivo aperfeiçoar

Leia mais

Regulamento Interno PRINCÍPIOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Regulamento Interno PRINCÍPIOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Regulamento Interno Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO DECISÃO 03/2015 - Altera: Decisão n o 03/2013 ESTÁGIO SUPERVISIONADO A, reunida em 18 de novembro de 2015, no uso de suas atribuições, DECIDE Regulamentar a atividade de Ensino de Estágio Supervisionado,

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS Aprovado pela Congregação em 01/03/2011 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento normatiza o cumprimento

Leia mais

EDITAL Nº 001/PIC/AU/2016

EDITAL Nº 001/PIC/AU/2016 EDITAL Nº 001/PIC/AU/2016 Estabelece os procedimentos para inscrição de acadêmicos no Programa de Iniciação Científica do Curso de Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo da FACC Faculdade Concórdia. A

Leia mais

Manual de Atividades Complementares

Manual de Atividades Complementares CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual de Atividades Complementares Belo Horizonte 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementar

Leia mais

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS Dispõe sobre a oferta de atividades de Monitoria no curso de graduação da Faculdade Processus e dá outras providências.

Leia mais

EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES

EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES A Pró-Reitoria de Ensino

Leia mais

EDITAL INICIAÇÃO CIENTÍFICA - UPE 2009

EDITAL INICIAÇÃO CIENTÍFICA - UPE 2009 EDITAL INICIAÇÃO CIENTÍFICA - UPE 2009 OBJETIVOS Promover o interesse pela pesquisa no campo da Ciência e Tecnologia, despertando a vocação científica e incentivando talentos entre estudantes de graduação,

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017 REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017 CAPÍTULO I OBJETIVO GERAL Art. 1 o - O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades de Iniciação Científica da Faculdade Governador Ozanam

Leia mais

EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO

EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO ABERTURA O Diretor Geral do câmpus Araraquara do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, torna pública,

Leia mais

EDITAL 2014/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL 2014/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL 2014/2015 PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Em atendimento às diretrizes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

Faculdade Adventista da Bahia. Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia

Faculdade Adventista da Bahia. Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia Faculdade Adventista da Bahia Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia Cachoeira BA Abril de 2011 Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina o Programa de Monitoria

Leia mais

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016 EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016 Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO (MONITORIA) EDITAL 01/2015. I. Da Caracterização do Programa de Estímulo ao Ensino de Graduação- Monitoria

PROGRAMA DE ESTÍMULO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO (MONITORIA) EDITAL 01/2015. I. Da Caracterização do Programa de Estímulo ao Ensino de Graduação- Monitoria PROGRAMA DE ESTÍMULO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO (MONITORIA) EDITAL 01/2015 DISPÕE SOBRE O EDITAL 01/2015 DO PROGRAMA DE ESTÍMULO AO ENSINO DA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO QUE VISA A OFERECER A ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 37130-00 Alfenas - MG RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 2014

EDITAL DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 2014 EDITAL DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 2014 A Direção do Núcleo Acadêmica do Centro Universitário Monte Serrat, no uso de suas atribuições, torna público o Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015)

Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015) Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de 2014 Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015) Com base na Resolução 35/2011 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que estabelece as Normas

Leia mais

Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 13/2013 Ciência sem Fronteiras

Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 13/2013 Ciência sem Fronteiras Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 13/2013 Ciência sem Fronteiras Dispõe sobre a candidatura de alunos da Universidade Federal Fluminense ao Programa Ciência sem Fronteiras país de destino: Nova Zelândia

Leia mais

REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Simone da Silva Gomes Cardoso, Diretora da FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS

Leia mais

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015

RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 ANO XLV N. 098 14/07/2015 SEÇÃO IV PÁG. 076 RESOLUÇÃO TGT Nº 06/2015 Niterói, 24 de junho de 2015 O Colegiado do Curso de Graduação em Engenharia de Telecomunicações, em reunião ordinária de 24/06/2015,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 2016 Regulamento

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. EDITAL PRPPG N.º 012/2014 (PBIP-DA UFPel)

Universidade Federal de Pelotas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. EDITAL PRPPG N.º 012/2014 (PBIP-DA UFPel) Universidade Federal de Pelotas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação EDITAL PRPPG N.º 012/2014 (PBIP-DA UFPel) A Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal de Pelotas torna público

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior.

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior. i.e PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO DA MONITORIA Art. 1º. O presente regulamento estabelece as regras para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu UNIG, por meio de programas

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC -

FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO INSTITUCIONAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - SUMÁRIO CAPITULO I... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO II... 3 DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES...

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PIBIC Jr/IFAP

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PIBIC Jr/IFAP PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PIBIC Jr/IFAP Julho/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROEC EDITAL BOLSAS DE EXTENSÃO E CULTURA 2009

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROEC EDITAL BOLSAS DE EXTENSÃO E CULTURA 2009 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROEC EDITAL BOLSAS DE EXTENSÃO E CULTURA 2009 No período de 02 a 16 de fevereiro de 2009, estarão abertas as inscrições para bolsas de Extensão e Cultura, cujos resultados

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 004/2011 CONSUNI/CGRAD Institui o Programa de Monitorias no âmbito da UFFS e dá outras providências. A Câmara de Graduação do Conselho Universitário CGRAD/CONSUNI, da Universidade Federal

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19 INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Hortolândia 2015 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO

Leia mais

Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 11/2013 Ciência sem Fronteiras

Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 11/2013 Ciência sem Fronteiras Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 11/2013 Ciência sem Fronteiras Dispõe sobre a candidatura de alunos da Universidade Federal Fluminense ao Programa Ciência sem Fronteiras países de destino: Alemanha,

Leia mais

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ Reconhecida pelo Decreto Governamental n.º 70.906 de 01/08/72 e Portaria n.º 1.062

Leia mais

EDITAL PIBIC / CNPq/ MAST 2013/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROPOSTA DE EDITAL

EDITAL PIBIC / CNPq/ MAST 2013/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROPOSTA DE EDITAL EDITAL PIBIC / CNPq/ MAST 2013/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROPOSTA DE EDITAL A Coordenação do PIBIC/CNPq/MCTI/MAST comunica aos interessados que estão abertas as inscrições

Leia mais

EDITAL UnC REITORIA 054/2015

EDITAL UnC REITORIA 054/2015 EDITAL UnC REITORIA 054/2015 Dispõe sobre as inscrições para concessão de Bolsa de Pesquisa para o Fundo de Apoio a Pesquisa da Universidade do Contestado FAP/UnC. A Reitora da Universidade do Contestado,

Leia mais

EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA

EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA A Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX) informa à comunidade acadêmica da Faculdade Leão Sampaio que está recebendo solicitações

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC REGULAMENTO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC REGULAMENTO Texto Aprovado CONSU Nº 2010-08 - Data: 10/06/10 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC REGULAMENTO 1. O programa se destina a apoiar os discentes do UNASP

Leia mais

Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 03/2013 Ciência sem Fronteiras

Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 03/2013 Ciência sem Fronteiras Edital Conjunto DRI/Proppi/Prograd 03/2013 Ciência sem Fronteiras Dispõe sobre a candidatura de alunos da Universidade Federal Fluminense ao Programa Ciência sem Fronteiras países de destino: Áustria,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ORIENTADORES DE TCC Edital n.º 01/2017

EDITAL DE SELEÇÃO DE ORIENTADORES DE TCC Edital n.º 01/2017 1.SOBRE A PESQUISA Faculdade de Ensino Superior do Piauí FAESPI EDITAL DE SELEÇÃO DE ORIENTADORES DE TCC Edital n.º 01/2017 O acelerado crescimento do conhecimento nos últimos anos tornou impraticável

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CAPÍTULO I Das Considerações Preliminares Art.1º O presente Regulamento disciplina a oferta, o funcionamento e o registro acadêmico

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº.01 de 07 de abril de 2015.

RESOLUÇÃO Nº.01 de 07 de abril de 2015. ANO XLV N. 143 30/09/2015 SEÇÃO IV PÁG. 024 RESOLUÇÃO Nº.01 de 07 de abril de 2015. EMENTA: Estabelece Normas para o Trabalho de Conclusão do Curso de Bacharelado Em Segurança Pública e Social. O COORDENADOR

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID EDITAL 002/2015 PIBID/UNESPAR ABERTURA DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Esse regulamento revoga o que foi estabelecido no mês de março do ano de 2006.

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Esse regulamento revoga o que foi estabelecido no mês de março do ano de 2006. TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO O aluno do curso de Nutrição da Anhanguera Brasília, desenvolve o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) nas disciplinas de Projeto e TCC em que o aluno realiza

Leia mais

EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID

EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID EDITAL PIBID FESL Nº 03/2015 SELEÇÃO DE BOLSISTAS ID A Direção Acadêmica e a Coordenação do PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUIS tornam público a abertura

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR METROPOLITANA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR METROPOLITANA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR METROPOLITANA Art. 1º O presente Regulamento integra o Projeto Pedagógico dos Cursos de Graduação da FACULDADE REDENTOR

Leia mais

EDITAL DE BOLSA DO PROJETO MILTON SANTOS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ( PROMISAES) 2013

EDITAL DE BOLSA DO PROJETO MILTON SANTOS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ( PROMISAES) 2013 EDITAL DE BOLSA DO PROJETO MILTON SANTOS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ( PROMISAES) 2013 A Pró-Reitoria de Graduação - PRG e a - DAE, no uso de suas atribuições, em conformidade com o disposto na Portaria

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS EDITAL PIBIC-AF/ CNPq/UPE 2012-2013 APRESENTAÇÃO O programa PIBIC nas Ações Afirmativas resulta

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação - PROPEP Fone: (82)

ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação - PROPEP Fone: (82) ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação - PROPEP Fone: (82) 3521-3379. E-mail: propep@uneal.edu.br PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Aprovações CONSEPE 2004-01 de 15/20/20014 CONSU 2008-01 de 02/04/2008 CONSU 2010-01 de 25/03/2010 CONSU 2010-052 de 13/12/2010 CONSU 2013-17 de 26/09/2013 Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA INSTITUTO DE ENGENHARIAS E GEOCIÊNCIAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA INSTITUTO DE ENGENHARIAS E GEOCIÊNCIAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA INSTITUTO DE ENGENHARIAS E GEOCIÊNCIAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RESOLUÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 01 / 2014 - DE 10

Leia mais

Edital n 43 /2016 TORNAR PÚBLICA

Edital n 43 /2016 TORNAR PÚBLICA Edital n 43 /2016 O presidente da (CPC), no uso de suas atribuições legais e com base em diretrizes debatidas e acordadas pelo Conselho de Ensino e Pesquisa (Cepe), resolve: TORNAR PÚBLICA A abertura das

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N º 01 /2016

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N º 01 /2016 1 CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N º 01 /2016 A Coordenação do Curso de Arquitetura e Urbanismo, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas

Leia mais

Instituto de Psicologia Comissão de Graduação Curso de Psicologia

Instituto de Psicologia Comissão de Graduação Curso de Psicologia RESOLUÇÃO nº 12 / 2010 Processo nº 028730/10-77 aprovado pela Câmara de Graduação em 29/09/2010 A Comissão de Graduação da Psicologia, do Instituto de Psicologia, em reunião realizada no dia 18/08/2010,

Leia mais

EDITAL 01/2016 ABERTURA DE SELEÇÃO INTERNA PARA MONITOR-BOLSISTA DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (GTI) I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

EDITAL 01/2016 ABERTURA DE SELEÇÃO INTERNA PARA MONITOR-BOLSISTA DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (GTI) I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES EDITAL 01/2016 ABERTURA DE SELEÇÃO INTERNA PARA MONITOR-BOLSISTA DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (GTI) I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A FAI Faculdades de Itapiranga/SC, no uso de suas atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Diretoria de Graduação e Educação Profissional Câmpus Curitiba

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Diretoria de Graduação e Educação Profissional Câmpus Curitiba EDITAL Nº 16/2015-DIRGRAD-CT SELEÇÃO DO COORDENADOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA- PIBID- SUBPROJETOS PIBID LÍNGUA INGLESA E PIBID INTERDISCIPLINAR DE LÍNGUA INGLESA A do

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Art.1 o Trabalho de Conclusão de Curso é elemento obrigatório à formação dos alunos regularmente matriculados no Curso de Fisioterapia,

Leia mais

EDITAL PIBIC 2015/2016

EDITAL PIBIC 2015/2016 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR MÚLTIPLO Credenciado pela Portaria n 2.535 de 19/08/04 - MEC CNPJ 05.379.062/0001-70 Avenida Boa Vista nº700 - Bairro: São Francisco CEP: 65631-350 Timon/MA Fone: 99 3212-2185

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística RESOLUÇÃO N o 01/2011, DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Regulamenta a composição, as competências

Leia mais

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Complementares (AC) atendem ao Parecer n 776/97 da CES, que trata das Diretrizes Curriculares dos cursos de graduação,

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL nº 002/2016-PPGCJ

EDITAL nº 002/2016-PPGCJ Programa Nacional do Pós-Doutorado CAPES (Portaria Capes nº 86/2013) EDITAL nº 002/2016-PPGCJ Seleção de Projetos de Pesquisa de Pós-doutorado O Coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências Jurídicas

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais

EDITAL PROPI Nº 02/2014 PROCESSO SELETIVO DE BOLSAS DO MESTRADO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA DE MATERIAIS E PROCESSOS INDUSTRIAIS

EDITAL PROPI Nº 02/2014 PROCESSO SELETIVO DE BOLSAS DO MESTRADO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA DE MATERIAIS E PROCESSOS INDUSTRIAIS EDITAL PROPI Nº 02/2014 PROCESSO SELETIVO DE BOLSAS DO MESTRADO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA DE MATERIAIS E PROCESSOS INDUSTRIAIS A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação da Universidade Feevale, no uso das

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES COORDENADORA Susana Elena Delgado ELABORAÇÃO Conselho do Curso 20 2 INTRODUÇÃO A Lei de Diretrizes e Bases

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR)

ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR) ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR) REGIMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - SEMESTRAL DA FACULDADE DE APUCARANA-FAP

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC PRÓ-REITORIA DE ENSINO CURSO: CIENCIAS BIOLÓGICAS REGIMENTO DE ESTÁGIO (BACHARELADO)

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC PRÓ-REITORIA DE ENSINO CURSO: CIENCIAS BIOLÓGICAS REGIMENTO DE ESTÁGIO (BACHARELADO) UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC PRÓ-REITORIA DE ENSINO CURSO: CIENCIAS BIOLÓGICAS REGIMENTO DE ESTÁGIO (BACHARELADO) Novembro / 2003 APRESENTAÇÃO/JUSTIFICATIVA O estágio curricular caracteriza-se pelo envolvimento

Leia mais

N 2016/02 01 de Dezembro a 06 Dezembro de O DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

N 2016/02 01 de Dezembro a 06 Dezembro de O DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, EDITAL DE PROCESSO EXTERNO PARA SELETIVO INTERNO E O CURSO DE NUTRIÇÃO N 2016/02 01 de Dezembro a 06 Dezembro de 2016. Dispõe sobre o TESTE SELETIVO INTERNO E EXTERNO para COORDENADOR DO CURSO DE NUTRIÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC ÁREA DAS CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CURSO DE DESIGN MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE DESIGN São Miguel do Oeste,

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA - PIBID/CAPES/FVJ

FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA - PIBID/CAPES/FVJ FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA - PIBID/CAPES/FVJ EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 032/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 032/07 CONSUNI APROVA O REGULAMENTO QUE NORMATIZA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI

Leia mais

Diretoria de Pesquisa - DPE Coordenação de Pesquisa

Diretoria de Pesquisa - DPE Coordenação de Pesquisa Diretoria de Pesquisa - DPE Coordenação de Pesquisa Capacitação e Qualificação Docente Edital. 01/2016 1. Objetivo Subsidiar a capacitação dos docentes da Unit, visando ao aperfeiçoamento contínuo do corpo

Leia mais

EDITAL PROEN/ PIBID DIVERSIDADE Nº 03/2014 PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS AO PIBID DIVERSIDADE

EDITAL PROEN/ PIBID DIVERSIDADE Nº 03/2014 PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS AO PIBID DIVERSIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ IFPA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES PRÓ REITORIA DE ENSINO EDITAL PROEN/ PIBID DIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este regulamento rege as atividades de estágio no Núcleo de Prática Jurídica do curso de Direito da Faculdade Cesmac do

Leia mais

EMBRAPA SOJA ANO 2015/2016 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO

EMBRAPA SOJA ANO 2015/2016 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO EDITAL PIBIC-PIBITI/CNPq DA EMBRAPA SOJA ANO 2015/2016 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBIC-PIBITI/CNPq DA EMBRAPA SOJA 1. DEFINIÇÃO

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FATEC PINDAMONHANGABA 1. INTRODUÇÃO O objetivo de presente regulamento é estabelecer as normas e os procedimentos gerais do programa de iniciação científica-tecnológica

Leia mais

EDITAL PIBID No05 /2014

EDITAL PIBID No05 /2014 EDITAL PIBID No05 /2014 O Centro Universitário Serra dos Órgãos UNIFESO, por intermédio da Pró-Reitoria Acadêmica - PROAC, torna pública a abertura de inscrições e estabelece as normas para o processo

Leia mais

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA HORIZONTINA SETEMBRO/2008 O aluno do Curso de Ciências Econômicas da Faculdade Horizontina, deverá,

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FANESE

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/FANESE EDITAL nº 04/2014 Edital de abertura de seleção de alunos para Iniciação Científica da Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe FANESE para os Cursos de Administração, Direito e Engenharia de Produção.

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA Belo Horizonte 2016 Presidente do Grupo Splice Antônio Roberto Beldi Reitor João Paulo Barros Beldi Secretária-Geral Jacqueline Guimarães Ribeiro

Leia mais