α1 Glicoproteína Ácida Mono

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "α1 Glicoproteína Ácida Mono"

Transcrição

1 α1 Glicoproteína Ácida Mono Artigo K K Apresentação 2 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de α1 Glicoproteína Ácida 4 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de α1 Glicoproteína Ácida Protocolo de Automação - DIMENSION 1. Preparação do Reagente Amostra: Diluir amostras e controles 1:10 em NaCl 9 g/l. Reagente: Calibrador: Diluir o padrão de Proteínas 1:10 (Se o equipamento não realizar esta diluição) e posteriormente diluí-lo sucessivamente 1:2 em NaCl 9 g/l. Utilizar salina como ponto zero. 2. Instrument setting CHANNEL Name Mode Standard Curve SAMPLE Volume FIRST REAGENT (R1) Component 1 (A) SECOND REAGENT Component 1 (B) PHOTOMETRY P1 P2 ** AGP Turbidimetric Logit 0.0 sec MODERATE sec NONE sec 10 sec 270 sec CARTRIDGE CONFIG. Component Number of Tests Well Life REAG. CARTRIDGE LIFE CALIBRATION INTERVAL (A) (A) (A) (A) (A) (A) h 2160 h

2 Notas: 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação. Method: AGP Test Name: AGP Decimal: 1 Units: mg/dl Calculation Type: Logit Automatic Dil. Vol.: NONE INTERVALS : Reference : Assay : Panic : CALIBRATION CO 0 C1 * C2 * C3 * C4 * C5 *

3 PREDEFINED CALC. TEMPLATE : Mode : End Point Measuring filter : 340 nm Blanking filter : 700 nm P1 : 10 sec Dilution : IOD ( ** ) P2 : 270 sec Dilution : FOD ( ** ) * Standard Values ** User defined

4 Anti-estreptolisina O Artigo K K Apresentação R1 1x25ml Tampão + R2 1x5ml Látex + 1x1 ml Padrão de Anti-estreptolisina O R1 2x25ml Tampão + R2 1x10 ml Látex + 1x1 ml Padrão de Anti-estreptolisina O Protocolo de Automação - DIMENSION 1.Preparação do Reagente Amostra: Reagentes: Calibrador: Diluir o padrão de Proteínas Alto sucessivamente 1:2 em NaCl 9 g/l. Utilizar salina como ponto zero. 2. Instrument setting CHANNEL Name SAMPLE Volume FIRST REAGENT Component 1 (A) SECOND REAGENT Component 1 (B) PHOTOMETRY P1 P2 ** ASL 0.0 sec 6 10 GENTLE sec NONE sec GENTLE REAGENT CARTRIDGE Component Aliquots Well Life REAG. CARTRIDGE LIFE CALIBRATION INTERVAL STANDARD CURVE MEASUREMENT MODE (A) (A) (A) (A) (A) (B) (h) 2160 (h) Linear Turbidimetric

5 Notas: 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação.

6 Proteína C-Reativa Artigo K K Apresentação R1 1 x 25 ml (Tampão) + R2 1 x 5 ml (Anticorpo) + 1 x 1 ml Padrão de PCR R1 2 x 25 ml (Tampão) + R2 1 x 10 ml (Anticorpo) + 1 x 1 ml Padrão de PCR Protocolo de Automação DIMENSION RXL Preparação do Reagente Amostra: Reagente 1: Reagente 2: Calibrator: Diluir o padrão de Proteínas Alto sucessivamente 1:2 em NaCl 9 g/l. Notas: Utilizar salina como ponto zero. 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação. CHANNEL Name SAMPLE Volume FIRST REAGENT Component 1 (A) SECOND REAGENT Component 1 (B) PHOTOMETRY P1 P2 REAGENT CARTRIDGE Component Aliquots Well Life REAG. CARTRIDGE LIFE CALIBRATION INTERVAL STANDARD CURVE MEASUREMENT MODE ** CRP 0.0 sec GENTLE sec NONE sec GENTLE sec sec (A) (A) (A) (A) (A) (B) (h) 2160 (h) Linear Turbidimetric

7 HbA1c Referência K K Apresentação R1 2 x 15 ml + R2 1 x 10 ml + R3 1 x 5 ml R1 3 x 20 ml + R2 2 x 10 ml + R3 1 x 10 ml Protocolo de Automação - DIMENSION Notas: 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação. Test Channel: # Name: HbA1c Measure: Turbim Method: Normal Std Curve Spline Act. wavelength: 700 nm Ref.Wavelength: 0 nm Sample Volume Dilution µl 10 µl moderate Reagent delivery time Comp.1 Comp2/3 Dilution 1.: (A) 225 µl µl 0 µl None 2.: (B) 75 µl - 20 µl Low 3.: (C) 38 µl - 20 µl Low Photometry Factor 1.: 420 s : Method parameter Method HbA1c Decimal places 1 Units # Calculate Logit Normal range Technical range Serum/Plasma # - # # # Urine - - #) Data entry by the user *) Enter calibration or standard value and position

8 IgA Mono Artigo K K Apresentação 2 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de IgA 4 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de IgA Protocolo de Automação DIMENSION 1. Preparação do Reagente Amostra: Diluir amostras e controles 1:10 em NaCl 9 g/l. Reagente: Calibrador: Diluir o padrão de Proteínas Alto 1:10 (Se o equipamento não realizar esta diluição) e posteriormente diluí-lo sucessivamente 1:2 em NaCl 9 g/l. Utilizar salina como ponto zero. 2. Instrument setting CHANNEL Name Mode Standard Curve SAMPLE Volume FIRST REAGENT (R1) Component 1 (A) SECOND REAGENT Component 1 (B) PHOTOMETRY P1 P2 ** IGA Turbidimetric Logit 0.0 sec 6 10 MODERATE sec NONE sec 10 sec 270 sec CARTRIDGE CONFIG. Component Number of Tests Well Life REAG. CARTRIDGE LIFE CALIBRATION INTERVAL (A) (A) (A) (A) (A) (A) h 2160 h

9 Notas: 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação.

10 IgG Mono Artigo K K Apresentação 2 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de IgG 4 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de IgG Protocolo de Automação - DIMENSION Preparação do Reagente Amostra: Diluir amostras e controles 1:10 em NaCl 9 g/l. Reagente: Calibrador: Diluir o padrão de Proteínas Alto 1:10 (Se o equipamento não realizar esta diluição) e posteriormente diluí-lo sucessivamente 1:2 em NaCl 9 g/l. Utilizar salina como ponto zero. 2. Instrument setting CHANNEL Name Mode Standard Curve SAMPLE Volume FIRST REAGENT (R1) Component 1 (A) SECOND REAGENT Component 1 (B) PHOTOMETRY P1 P2 ** IGG Turbidimetric Logit 0.0 sec 3 10 MODERATE sec NONE sec 10 sec 270 sec CARTRIDGE CONFIG. Component Number of Tests Well Life REAG. CARTRIDGE LIFE CALIBRATION INTERVAL (A) (A) (A) (A) (A) (A) h 2160 h

11 Notas: 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação.

12 IgM Mono Artigo K K Apresentação 2 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de IgM 4 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de IgM Protocolo de Automação - DIMENSION Preparação do Reagente Amostra: Diluir amostras e controles 1:10 em NaCl 9 g/l. Reagente: Calibrador: Diluir o padrão de Proteínas Alto 1:10 (Se o equipamento não realizar esta diluição) e posteriormente diluí-lo sucessivamente 1:2 em NaCl 9 g/l. Utilizar salina como ponto zero. 2. Instrument setting CHANNEL Name Mode Standard Curve SAMPLE Volume FIRST REAGENT (R1) Component 1 (A) SECOND REAGENT Component 1 (B) PHOTOMETRY P1 P2 ** IGM Turbidimetric Logit 0.0 sec MODERATE sec NONE sec 10 sec 270 sec CARTRIDGE CONFIG. Component Number of Tests Well Life REAG. CARTRIDGE LIFE CALIBRATION INTERVAL (A) (A) (A) (A) (A) (A) h 2160 h

13 Notas: 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação.

14 Fator Reumatóide Artigo nº Apresentações K K K R1 1x 25 ml Tampão + R2 1 x 5 ml Anticorpo + 1 x 1 ml Padrão de Fator Reumatóide R1 2 x 25 ml Tampão + R2 1 x 10 ml Anticorpo + 1 x 1 ml Padrão de Fator Reumatóide R1 5 x 25 ml Tampão + R2 1 x 25 ml Anticorpo + 1 x 1 ml Padrão de Fator Reumatóide Protocolo de Automação - DIMENSION 1.Preparação do Reagente Amostra: Reagentes: Calibrator: Diluir o padrão de Proteínas Alto sucessivamente 1:2 em NaCl 9 g/l. Utilizar salina como ponto zero. 2. Instrument setting CHANNEL Name SAMPLE Volume FIRST REAGENT (R1) Component 1 (A) SECOND REAGENT Component 1 (B) PHOTOMETRY P1 P2 ** RF 0.0 sec GENTLE sec NONE sec GENTLE 100 sec 400 sec CARTRIDGE CONFIG. Component Number of Tests Well Life REAG. CARTRIDGE LIFE CALIBRATION INTERVAL STANDARD CURVE MEASUREMENT MODE (A) (A) (A) (A) (A) (B) h 2160 h Logit Turbidimetric

15 Notas: 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação.

16 Transferrina Monoreagente Artigo nº Apresentações K K K R 1x25 ml + 1x1 ml Padrão de Transferrina R 2x25 ml + 1x1 ml Padrão de Transferrina R 4x25 ml + 1x1 ml Padrão de Transferrina Protocolo de Automação - DIMENSION 1. Preparação do Reagente Amostra: Diluir amostras e controles 1:10 em NaCl 9 g/l. Reagente: Calibrador: Diluir o padrão de Proteínas 1:10 (Se o equipamento não realizar esta diluição) e posteriormente diluí-lo sucessivamente 1:2 em NaCl 9 g/l. Utilizar salina como ponto zero. 2. Instrument setting CHANNEL Name Mode Standard Curve SAMPLE Volume FIRST REAGENT (R1) Component 1 (A) SECOND REAGENT Component 1 (B) PHOTOMETRY P1 P2 ** TRF Turbidimetric Logit 0.0 sec MODERATE sec NONE sec 10 sec 270 sec CARTRIDGE CONFIG. Component Number of Tests Well Life REAG. CARTRIDGE LIFE CALIBRATION INTERVAL (A) (A) (A) (A) (A) (A) h 2160 h

17 Notas: 1. Por favor, recorra a bula do produto para informações detalhadas sobre os seguintes testes: 2. A estabilidade do reagente a bordo do analisador é pelo menos um mês contanto que sejam evitadas a contaminação e a evaporação. Method: TRF Test Name:TRF Decimal: 1 Units: mg/dl Calculation Type: Logit Automatic Dil. Vol.: NONE INTERVALS : Reference : Assay : Panic : CALIBRATION CO 0 C1 * C2 * C3 * C4 * C5 * PREDEFINED CALC. TEMPLATE : Mode : End Point Measuring filter : 340 nm Blanking filter : 700 nm P1 : 10 sec Dilution : IOD ( ** ) P2 : 270 sec Dilution : FOD ( ** ) * Standard Values ** User defined

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S Indice α-1-glicoproteína ÁCIDA 3 APO A 4 APO B 5 ASO TURBILATEX 6 COMPLEMENTO C3 7 COMPLEMENTO C4 8 FATOR REUMATOIDE 9 FERRITINA 10 HbA1c 11 IMUGLOBULINA A (IgA) 12 IMUGLOBULINA G (IgG) 13 IMUGLOBULINA

Leia mais

Protocolos de Aplicação

Protocolos de Aplicação Protocolos de Aplicação IN VITRO Diagnóstica MEGA Rua Cromita 278 - Distrito Industrial - Itabira - MG Telefax: 31 3834-6400 e.mail: dsa@invitro.com.br ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO Cat: 10687 Volume: 100 ml

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S

Programações de Automação Biotécnica COBAS MIRA S Página 1 Página 2 Indice ÁCIDO ÚRICO 03 ALBUMINA 04 -AMILASE 05 ALT/TGP 06 AST/TGO 07 BILIRRUBINA DIRETA (MONO) 08 BILIRRUBINA DIRETA (BI) 09 BILIRRUBINA TOTAL (MONO) 10 BILIRRUBINA TOTAL (BI) 11 CÁLCIO

Leia mais

BIO PLUS / BIO 2000 PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO

BIO PLUS / BIO 2000 PROTOCOLOS DE APLICAÇÃO α-amilase 027 120 ml 120 MODO: CIN IMPRESSÃO: EXTENSA WL1: 405 INTERVALO CINÉTICO: 60 WL2: - Nº INTERVALOS: 2 BLANK: NÃO DA/min: 0.220 BLANK- AMOSTRA / PAD: NAO % LIM. LIN: 20 CUB. FLUXO: SIM DIR: INCR

Leia mais

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA

MEGA ÍNDICE. Manual de Automação - Mega LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol KIT PÁGINA Manual de Automação MEGA LANÇAMENTOS! CÁLCIO ARSENAZO MICROPROTE pirogalol * ÍNDICE KIT PÁGINA ALBUMINA...01-02 ALT/TGP CINÉTICA...03-04 AMILASE CNPG...05-06 AST/TGO CINÉTICA...07-08 CÁLCIO ARSENAZO (LANÇAMENTO)...09-10

Leia mais

REVISÃO: 14 (11/2013) CKMB HDLD LDL D C C EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA. HbA1c URBIDIMÉTRICO P P

REVISÃO: 14 (11/2013) CKMB HDLD LDL D C C EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA. HbA1c URBIDIMÉTRICO P P Manual de Automação A15 REVISÃO: 14 (11/2013) M A F R C SLOTEST C P P H T OLESTEROL OLESTEROL T U URBIDIMÉTRICO T HDLD LDL D T IRETO IRETO ERRITINA TURBIDIMÉTRICA EMOGLOBINA ICROALBUMINÚRIA CRTEST CRTEST

Leia mais

PRINCÍPIO. Imunoprecipitação (antígeno x anticorpo). Testes Labtest baseados neste princípio: AGP C3 C4 IgA IgG IgM MICROALBUMINÚRIA TRANSFERRINA

PRINCÍPIO. Imunoprecipitação (antígeno x anticorpo). Testes Labtest baseados neste princípio: AGP C3 C4 IgA IgG IgM MICROALBUMINÚRIA TRANSFERRINA PRINCÍPIO Imunologia A Imunologia é o ramo das ciências da vida que estuda o sistema imune e suas funções. O organismo humano vive em equilíbrio permanente com uma flora variada. Além disso, é penetrado

Leia mais

PROTOCOLO DE APLICAÇÃO TARGA 3000

PROTOCOLO DE APLICAÇÃO TARGA 3000 ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO CÓDIGO VOLUME (ml) Nº. TESTES 100/100-100 100 333 100/100-200 200 666 AUR Pt. Final Único Filtros (A/B) 510 mg/dl Trinder Number of Needle Washes 1 Incub. Reagentes (Sec) 300 Tempo

Leia mais

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR ACIDO URICO : mg/dl MODO LECTURA : MONOCROMÁTICA : 546nm TIEMPO ESTABIL. : 1 VOL.ASP. :800 TIPO DE REACCION : CRESCIENTE ESTANDAR : * Reagente de trabalho: Pronto para uso. Estabilidade: 18 meses, se armazenado

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica BIO 2000 - CONCEPT - LABQUEST

Programações de Automação Biotécnica BIO 2000 - CONCEPT - LABQUEST Site: www.biotecnica.ind.br / e-mail: sacbiotecnicaltda.com.br α-1-glicoproteína ÁCIDA 3 APOLIPOPROTEÍNA A 4 APOLIPOPROTEÍNA B 5 ASO TURBILATEX 6 COMPLEMENTO C3 7 COMPLEMENTO C4 8 FATOR REUMATÓIDE 9 FERRITINA

Leia mais

COBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃO JULHO 2004. Visite nosso site :

COBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃO JULHO 2004. Visite nosso site : CBAS MIRA PLUS ATUALIZAÇÃ JULH 2004 Av. Pedroso de Morais, 613, 3 º andar CEP 05419-000 - São Paulo SP Brasil Fone: (11) 3816 5968 Fax: (11) 3212 3017 e-mail: labinbraz@wiener-lab.com.br Visite nosso site

Leia mais

Nome que consta no Site Nome Correto (conforme Linha de Produtos) Nomes dos arquivos para acrescentar. Anti - HBc --- Anti - HBs ---

Nome que consta no Site Nome Correto (conforme Linha de Produtos) Nomes dos arquivos para acrescentar. Anti - HBc --- Anti - HBs --- Ácido Úrico Uric Acid AFP AFP Albumina 001 Albumina AlfaAmilase a-amilase Amilase 002 Amilase Anti - HBc --- Anti - HBs --- Anti - HCV Anti-HCV Anti-HCV Double Spot Test --- Anti-n-DNA quick teste SLE

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07

ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07 ÁCIDO ÚRICO Liquiform Página 1 Determinações Catálogo Monoreagente Bi-reagente 73-4/30 480 400 73-2/100 800 666 Revisão: 31/01/07 O número de determinações (brancos, calibradores e amostras) corresponde

Leia mais

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso.

QUICK LAB / Drake ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE. NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE NOME ÁCIDO ÚRICO Preparo do Reagente de Cor: MODO PONTO FINAL O Reagente está pronto para uso. LEITURA MONOCROMÁTICA FILTRO 546 nm Estabilidade do Reagente de Uso: TEMPERATURA

Leia mais

RELAÇÃO DE EXAMES REALIZADOS NO IBEx

RELAÇÃO DE EXAMES REALIZADOS NO IBEx 1 Ácido úrico 2 Albumina 3 Alfa 1 glicoproteína ácida 4 Alfa fetoproteína 5 Amilase 6 Androstenediona 7 Anticorpos Anti-HIV I, Western Blot 8 Anticorpos anti-hiv1 + HIV2 (Determinação Conjunta) ELISA 9

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

ANEXOS ANEXO I. Cálculos para a Preparação de Solução Tampão de Fosfato de Potássio 0,1 M, p.h. 6,8

ANEXOS ANEXO I. Cálculos para a Preparação de Solução Tampão de Fosfato de Potássio 0,1 M, p.h. 6,8 ANEXOS ANEXO I Cálculos para a Preparação de Solução Tampão de Fosfato de Potássio 0,1 M, p.h. 6,8 M(K 2 HPO 4 ) = 174,18 g/mol M(KH 2 PO 4 )=136,09 g/mol Cálculo do número de mol n necessário para a realização

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PE-LB-TX-001 ESPECTROFOTÔMETRO DE ABSORÇÃO ATÔMICA FORNO DE GRAFITE 26/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PE-LB-TX-001 ESPECTROFOTÔMETRO DE ABSORÇÃO ATÔMICA FORNO DE GRAFITE 26/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A determinação de metais em material biológico é realizada por espectrofotometria de absorção atômica com forno de grafite. A espectrofotometria é o método de análise óptico mais usado

Leia mais

Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE)

Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE) Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE) Desenvolvido por: Nilton Pereira Alves em 07/08/1999 QUIMLAB - Química e Metrologia Av. Shishima Hifumi, No 2911 Campus UNIVAP - Incubadora

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150 Indice ÁCIDO ÚRICO - MONO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 ALT / TGP 6 AST / TGO 7 BILIRRUBINA DIRETA 8 BILIRRUNINA TOTAL 9 CÁLCIO ASX 10 CÁLCIO 11 CK NAC 12 CK MB 13 CLORO 14 COLESTEROL 15 CREATININA 16 DESIDROGENASE

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL Determinação da concentração plasmática de triglicéridos por um método enzimático O conteúdo em triglicéridos pode ser determinado

Leia mais

Exames de análises clínicas Laboratório Central

Exames de análises clínicas Laboratório Central Exames de análises clínicas Laboratório Central Simples o Ácido úrico sérico o Ácido úrico urinário o Albumina o Amilase (LIQUOR) o Amilase (sérica) o Anti estreptolisina (ASLO) o Antibiograma o Baciloscopia

Leia mais

ELISA PeliClass human IgG subclass kit REF M1551

ELISA PeliClass human IgG subclass kit REF M1551 Sanquin Reagents Plesmanlaan 5 0 CX Amsterdam The Netherlands Phone: +.0.5.599 Fax: +.0.5.570 Email: reagents@sanquin.nl Website: www.sanquinreagents.com M55/ November 007 ELISA PeliClass human IgG subclass

Leia mais

Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii.

Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii. POP n.º: I 111 Página 1 de 8 1. Sinonímia Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii. 2. Aplicabilidade Bioquímicos do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

A value-added exopolysaccharide as a coating agent for MRI nanoplatforms

A value-added exopolysaccharide as a coating agent for MRI nanoplatforms Electronic Supplementary Material (ESI) for Nanoscale. This journal is The Royal Society of Chemistry Supporting Information value-added exopolysaccharide as a coating agent for MRI nanoplatforms Susana

Leia mais

Conectar a um smartphone utilizando uma conexão direta

Conectar a um smartphone utilizando uma conexão direta Observe que, neste documento, as páginas no manual Wi-Fi do produto são referenciadas. Consulte o site da Canon para baixar o PDF completo. É necessária a instalação do EOS Remote/Camera Connect Para se

Leia mais

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO Hibridação para cortes de tecidos preservados em parafina Materiais fornecidos: DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). Buffer(tampão) de Hibridação Reativos para preparar

Leia mais

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola?

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola? Física e Química A 11ºAno - Química AL.2.3. Neutralização: uma reacção de ácido-base Ano lectivo: 2010/2011 Nomes: N.º s : T.ª: PARTE I - Introdução Questão problema Como identificar se os resíduos são

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano. POP n.º: B07 Página 1 de 5 1. Sinonímia: CKMB, MB. Mnemônico: MB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro da atividade

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Índice 1. USO PREVISTO... 2 2. RESUMO E EXPLANAÇÃO DO TESTE... 2 3. PRINCÍPIOS DO TESTE... 2 4. REAGENTES... 2 5. AVISOS E PRECAUÇÕES...

Índice 1. USO PREVISTO... 2 2. RESUMO E EXPLANAÇÃO DO TESTE... 2 3. PRINCÍPIOS DO TESTE... 2 4. REAGENTES... 2 5. AVISOS E PRECAUÇÕES... PLATELIA DENGUE IgA CAPTURE 96 72831 Imunoensaio baseado na metodologia de imunocaptura para detecção qualitativa de IgA específico para dengue no soro ou plasma humano. 881102-2013/05 Índice 1. USO PREVISTO...

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

PCR TURBIQUEST PLUS Instruções de Uso

PCR TURBIQUEST PLUS Instruções de Uso PCR TURBIQUEST PLUS Instruções de Uso Ref.:331 MS 10009010198 Proteína C reativa Finalidade. Sistema para determinação quantitativa da proteína C-reativa (PCR) em amostras de soro por imunoturbidimetria.

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Conteúdo HBV PCR QUANTITATIVO EM TEMPO REAL - ALTERAÇÃO DE LAYOUT... 2 TESTE DO PEZINHO MASTER, TESTE DO PEZINHO MASTER + HIV E TESTE DO PEZINHO MASTER + MCAD

Leia mais

D-Link500T. Simulador Site DLINK - Clique Aqui. D-Link500T - Alterar usuário e senha

D-Link500T. Simulador Site DLINK - Clique Aqui. D-Link500T - Alterar usuário e senha D-Link500T Simulador Site DLINK - Clique Aqui D-Link500T - Alterar usuário e senha 1 - Para configurar, digite o IP do seu modem (padrão: http://10.1.1.1 ) no seu navegador. A seguinte tela deverá aparecer:

Leia mais

Dimension. Andrea Nocelli. Copyright Siemens AG 2008. Todos os direitos reservados

Dimension. Andrea Nocelli. Copyright Siemens AG 2008. Todos os direitos reservados Sistema de Química Clínica Dimension Andrea Nocelli Dimension i História i e Herança Visão Geral das Características Sistema de Reagentes e Informações do Método Software e Informática Conclusão Herança

Leia mais

ONCOLOGIA. Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano. PSA Total 11 2 Específico da Próstata (PSA) PSA livre PSA Livre 11 2

ONCOLOGIA. Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano. PSA Total 11 2 Específico da Próstata (PSA) PSA livre PSA Livre 11 2 ONCOLOGIA Programas Disponíveis Programa Aplicação Clínica /Analito Nº de distribuições por ano Nº de amostras por distribuição Identificação de Proteínas Monoclonais Identificação de Proteínas Monoclonais

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B35 Página 1 de 6 1. Sinonímia: FOLATO Mnemônico: FOL 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do Ácido Fólico

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

Comandos Complementares

Comandos Complementares Comandos Complementares Nesta parte do curso vou apresentar comandos que geralmente não são ensinados em cursos rápidos porém são fáceis de se aprender e vão facilitar bastante o uso do CAD. Dist Esse

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA FORMALDEÍDO RESIDUAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

NADAL Testes Médicos Rápidos

NADAL Testes Médicos Rápidos NADAL Testes Médicos Rápidos Testes Imunológicos de Diagnóstico Imediato (Point-of-Care) Competente Inovador Personalizado 4 Infecciologia / Pediatria / Imunologia Na área das doenças infecciosas temos

Leia mais

UREA/BUN 6. Teste UV cinético para ureia/azoto ureico. Português

UREA/BUN 6. Teste UV cinético para ureia/azoto ureico. Português Português 1999-03 147009001 01 01 0 Teste UV cinético para ureia/azoto ureico Ref. Frasco Conteúdo 1 Tampão/NADH, 6 x 66 ml 179691 Tampão/enzimas/substrato, 6 x 43 ml 199470 1 Tampão/NADH, 6 x 186ml 199488

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O BIO 2000 ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430M ÁCIDO ÚRICO - Cat. 430 100 Determinações - Volume: 100 ml 200 Determinações - Volume: 200 ml 3-Para a Calibração, usar o Padrão do kit ou Calibrador Gold Analisa Cat. 410. 4-É importante

Leia mais

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c.

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 1/5 1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 2. APLICAÇÃO CLÍNICA Hemoglobina Glicada, também abreviada como Hb A1c, é

Leia mais

SÓDIO ENZIMÁTICO. 01 Português - Ref.: 124. Ref.:124 MS Instruções de Uso. Finalidade. Princípio. Precauções e cuidados especiais

SÓDIO ENZIMÁTICO. 01 Português - Ref.: 124. Ref.:124 MS Instruções de Uso. Finalidade. Princípio. Precauções e cuidados especiais SÓDIO ENZIMÁTICO Instruções de Uso Ref.:24 MS 000900230 Finalidade. Sistema para determinação quantitativa do íon sódio em amostras de soro, por reação enzimática, em modo cinético. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 7ª AULA PRÁTICA Determinação

Leia mais

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 BILIRRUBINA DIRETA 6 BILIRRUBINA TOTAL 7 CÁLCIO 8 CÁLCIO AZUL DE METILTIMOL 9 CLORETO 10 COLESTEROL 11 COLESTEROL HDL 12 CREATININA 13 CREATINO KINASE MB (CK-MB)

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO. Curso de Mestrado em Economia MÉTODOS ECONOMÉTRICOS (EC706)

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO. Curso de Mestrado em Economia MÉTODOS ECONOMÉTRICOS (EC706) FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Curso de Mestrado em Economia MÉTODOS ECONOMÉTRICOS (EC706) Exame Final 10 de Janeiro de 2005 NOTAS PRÉVIAS: 1. A prova tem três horas de duração. 2. Apenas é permitida a

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DOS ACCESS POINT EM MODO AP REPEATE (REPETIDOR) TL-WA501G E TL-WA601G. Roteadores Versão:

CONFIGURAÇÃO DOS ACCESS POINT EM MODO AP REPEATE (REPETIDOR) TL-WA501G E TL-WA601G. Roteadores Versão: CONFIGURAÇÃO DOS ACCESS POINT EM MODO AP REPEATE (REPETIDOR) TL-WA501G E TL-WA601G Roteadores Versão: 080429 CONECTANDO O PONTO DE ACESSO 1. Primeiro, conecte o cabo de força no painel traseiro do TL-WA501G.

Leia mais

Célia Fagundes da Cruz

Célia Fagundes da Cruz LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR LACEN/PR: 117 anos

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: I123 Página 1 de 8 1. Sinonímia Quantificação da carga viral do HIV-1. 2. Aplicabilidade Bioquímicos, auxiliares técnicos e estagiários do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica O Vírus da Imunodeficiência

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano. POP n.º: B44 Página 1 de 6 1. Sinonímia:, HORMÔNIO LUTEINIZANTE. Mnemônico: 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do

Leia mais

Imprimir imagens em uma impressora sem fio usando uma conexão direta

Imprimir imagens em uma impressora sem fio usando uma conexão direta Imprimir imagens em uma impressora sem fio usando uma conexão direta Observe que, neste documento, as páginas no manual Wi-Fi do produto são referenciadas. Consulte o site da Canon para baixar o PDF completo.

Leia mais

Layout de Importação de Resultados de Exames

Layout de Importação de Resultados de Exames Layout de Importação de Resultados de Exames O processo de atualização dos resultados de exames laboratoriais é uma tarefa extensa e exaustiva. Para tal, foi implementada uma rotina no Nefrodata-ACD que

Leia mais

Incubação. Incubação. Fase sólida (Poço de uma placa de 96 poços) IgG Anti-HIV Presente na amostra do indivíduo

Incubação. Incubação. Fase sólida (Poço de uma placa de 96 poços) IgG Anti-HIV Presente na amostra do indivíduo Aula 5 Diagnóstico laboratorial da infecção pelo HIV Em 1985, surgiu a primeira geração de ensaios para o diagnóstico da infecção pelo HIV. Esses ensaios empregavam antígenos virais, obtidos a partir da

Leia mais

Índice 1 Descrição 1.1 1.2 1.3 2 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 3 3.1 3.2 4 4.1 4.1.1 4.1.2 4.1.3 4.1.4 4.2 4.2.1 4.2.2 4.3 4.3.1 4.3.2 4.3.3 4.3.3.1 4.3.3.

Índice 1 Descrição 1.1 1.2 1.3 2 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 3 3.1 3.2 4 4.1 4.1.1 4.1.2 4.1.3 4.1.4 4.2 4.2.1 4.2.2 4.3 4.3.1 4.3.2 4.3.3 4.3.3.1 4.3.3. Índice 1 Descrição 3 1.1 Princípio 3 1.2 Ambiente De Trabalho 3 1.3 Especificações Técnicas 3 2 Instalações 3 2.1 Instruções 3 2.2 Ambiente De Trabalho 3 2.3 Retirar Da Embalagem 4 2.4 Instalações 4 2.5

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE. TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE Cd, Cu, Fe, Pb E

MÉTODO DE ANÁLISE. TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE Cd, Cu, Fe, Pb E TÍTULO: DETERMINAÇÃO DE Cd, Cu, Fe, Pb E Mn PELO MÉTODO ABSORÇÃO ATÔMICA Pág.: 1/7 1.0. OBJETIVO Determinar a concentração de Cádmio, Chumbo, Cobre, Manganês e Ferro pelo método Absorção Atômica em Óxido

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS

FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo Mercado Comum.

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 No intuito de se determinar a pureza do sal Na 2 HPO 4, 2,469 g de amostra foi pesada, dissolvida e diluída

Leia mais

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

PCR. Transiluminador * Características

PCR. Transiluminador * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

MIF IgG para clamídia

MIF IgG para clamídia Código do Produto:IF1250G Rev. J Características de desempenho Distribuição proibida nos Estados Unidos VALORES ESPERADOS População com pneumonia adquirida na comunidade Dois pesquisadores externos avaliaram

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Análise Química Instrumental 2016/1 Semestre - Prof.Ms. Vanderlei I. Paula Lista 3A Nome: RA

Centro Universitário Anchieta Análise Química Instrumental 2016/1 Semestre - Prof.Ms. Vanderlei I. Paula Lista 3A Nome: RA Centro Universitário Anchieta Análise Química Instrumental 2016/1 Semestre - Prof.Ms. Vanderlei I. Paula Lista 3A Nome: RA 1) Qual é a relação entre *(a) absorbância e transmitância? (b) absortividade

Leia mais

Papel do laboratório clínico na pesquisa, controle e tratamento da DRC. Dr. Carlos Zúñiga San Martín

Papel do laboratório clínico na pesquisa, controle e tratamento da DRC. Dr. Carlos Zúñiga San Martín Papel do laboratório clínico na pesquisa, controle e tratamento da DRC. Dr. Carlos Zúñiga San Martín Faculdade de Medicina Universidade de Concepción Chile Objetivos da Apresentação 1.Revisar o papel dos

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 06N 0 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Eduardo M. Reis Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas

Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-41 Técnico Laboratório - Biotecnologia - Análise de Proteínas Apresenta-se abaixo um protocolo para preparação de géis SDS-PAGE a ser utilizado em uma análise de confirmação

Leia mais

Preparação e estabilidade do reagente de trabalho: utilizar as instruções de uso.

Preparação e estabilidade do reagente de trabalho: utilizar as instruções de uso. Úrico Ácido Úrico Padrão 4 20 Reduzir 10 Pto final Onda primária 505 Reag. Nulo 16 20 Tempo reação 38 42 Decimal 0.1 mg/dl Int linear 0 20 Serum inferior/superior 3,6---8,2 Water + topkal ALB Albumina

Leia mais

O PÂNCREAS ENDÓCRINO. Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior

O PÂNCREAS ENDÓCRINO. Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior O PÂNCREAS ENDÓCRINO Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior IITRODUÇÃO O diabetes mellitus (DM) é uma desordem metabólica

Leia mais

125/50 Tumores malignos, infecções, inflamações OWLA. 125/50 Diabetes, insuficiencia renal, proteinúria OSAM OSAY OSCA OSCB

125/50 Tumores malignos, infecções, inflamações OWLA. 125/50 Diabetes, insuficiencia renal, proteinúria OSAM OSAY OSCA OSCB Prezados Clientes, Dando continuidade ao nosso informativo BN-NEWS, anexamos o de numero 13 Dezembro 2004 - aonde destacamos a V.S. o intenso menu de testes que dispõe o sistema de nefelometria (BN-II/

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

Excel BÁSICO Aula 2. Prof. Cassiano Isler Turma 4

Excel BÁSICO Aula 2. Prof. Cassiano Isler Turma 4 Excel BÁSICO Aula 2 Cálculos Básicos Prof. Cassiano Isler 2016.2 - Turma 4 Prof. Cassiano Isler Excel BÁSICO - Aula 2 2 / 26 GÓMEZ, Luis Alberto. Excel para engenheiros. Visual Books, 2009. Capítulo 1.

Leia mais

Géis de Entrada e Separação

Géis de Entrada e Separação (1) Géis de Entrada e Separação ESCOLHA DO GEL Depende do tamanho da proteína que se quer detectar: Tamanho da Proteína Gel 4 40 kda 20% 12 45 kda 15% 10 70 kda 12% 15 100 kda 10% 25 200 kda 8% PREPARO

Leia mais

Simplificação do procedimento de calibração de pesos-padrão em comparador de massa automático

Simplificação do procedimento de calibração de pesos-padrão em comparador de massa automático Simplificação do procedimento de calibração de pesos-padrão em comparador de massa automático Anderson Beatrici 1, Fábio L Cacais 1, Victor M Loayza 1 1 Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia

Leia mais

Folha de protocolo do QIAsymphony SP

Folha de protocolo do QIAsymphony SP Folha de protocolo do QIAsymphony SP Protocolo DNA_Buffy_Coat_400_V6_DSP Informações gerais Para utilização em diagnóstico in vitro. Este protocolo destina-se à purificação de ADN total genómico e mitocondrial

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

Determinação da concentração das proteínas plasmáticas (proteinémia)

Determinação da concentração das proteínas plasmáticas (proteinémia) Determinação da concentração das proteínas plasmáticas (proteinémia) Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Bioquímica I 1.º Ano do Mestrado Integrado de Medicina Turma 6 Ano lectivo 2010/2011

Leia mais

Graphing Basic no Excel 2007

Graphing Basic no Excel 2007 Graphing Basic no Excel 2007 Tabela de Conteúdos 1. Inserindo e formatando os dados no Excel 2. Criando o gráfico de dispersão inicial 3. Criando um gráfico de dispersão de dados de titulação 4. Adicionando

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Procedimentos para configuração do DWL-2100AP em modo Access Point

Procedimentos para configuração do DWL-2100AP em modo Access Point Procedimentos para configuração do DWL-2100AP em modo Access Point No modo Access Point o DWL-2100AP se conecta a várias máquinas, sejam elas notebooks ou desktops com adaptador wireless. Neste manual

Leia mais

4/8/2007. Análise de vitaminas

4/8/2007. Análise de vitaminas Métodos ensaios biológicos em animais e humanos apenas usados quando não existem métodos alternativos ensaios microbiológicos com protozoários, bactérias e leveduras requerem passos de extracção da vitamina

Leia mais

4. Reagentes e Metodologia Analítica

4. Reagentes e Metodologia Analítica 4. Reagentes e Metodologia Analítica 4.1. Reagente para os testes de oxidação Os reagentes P.A empregados durante os testes de oxidação foram: KCN (Merck) NaOH (Vetec) H 2 SO 4 (Vetec) H 2 O 2 (Peróxidos

Leia mais

3. Materiais e Métodos

3. Materiais e Métodos 59 3. Materiais e Métodos Os experimentos foram realizados nos Laboratórios de Metalurgia e Meio Ambiente do DEMa da Puc-Rio. 3.1. Equipamentos de medição 3.1.1. Carbono orgânico total (COT) Os métodos

Leia mais

Padronização e Escores z. Transformação z Percentis

Padronização e Escores z. Transformação z Percentis Padronização e Escores z Transformação z Percentis Padronização Definição Padronização de escores é o processo de converter o escore bruto de uma distribuição em escore z. Escore bruto O valor individual

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-010 BILIRRUBINA TOTAL 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-010 BILIRRUBINA TOTAL 22/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A bilirrubina é o produto da quebra da hemoglobina. Depois de formada pelo sistema reticuloendotelial, ela circula no sangue sob a forma não-conjugada ligada à albumina (bilirrubina indireta).

Leia mais

Editando Métodos. Tabela de amostra ou multi system. Softawre D-7000 dicas e truques 1/8

Editando Métodos. Tabela de amostra ou multi system. Softawre D-7000 dicas e truques 1/8 Editando Métodos 1. Mudanças no método ou tabelas não têm nenhum efeito! O método tem efeitos em janelas diferentes e operações como aquisição de dados, exibir cromatograma, geração de relatório e extração

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 203 Professores Carlos Takeshi Hotta Guilherme Menegon Arantes Esta apostila foi desenvolvida

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Controle de Qualidade Interno e Externo em Sorologia

Controle de Qualidade Interno e Externo em Sorologia Controle de Qualidade Interno e Externo em Sorologia AMADEO SÁEZ-ALQUEZAR ANDRÉ VALPASSOS PACIFICI GUIMARÃES André Valpassos - PNCQ Procedimentos de Controle de Qualidade em Laboratórios de Sorologia Controle

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

Desenho de Estruturas de Navios em AutoCad. Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007

Desenho de Estruturas de Navios em AutoCad. Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007 Desenho de Estruturas de Navios em AutoCad Manuel Ventura Licenciatura em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval 2007 Procedimentos em AutoCad Criar Eixos Linhas-traçado

Leia mais