ÍNDICE. Programa Preliminar Parte Escrita 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Programa Preliminar Parte Escrita 2"

Transcrição

1 CONCURSO PÚBLICO, NO ÂMBITO DA UNIÃO EUROPEIA, PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE EQUIPAMENTOS E ARRANJOS EXTERIORES DA PLATAFORMA À SUPERFÍCIE, NA SEQUÊNCIA DO REBAIXAMENTO DA VIA-FÉRREA, NO ATRAVESSAMENTO DA CIDADE DE ESPINHO. PROGRAMA PRELIMINAR

2 ÍNDICE PARTE ESCRITA 01. Áreas de Intervenção Desenvolvimento das Projectos Princípios Orientadores Condicionantes Soluções de Projecto Faseamento da Intervenção Alterações da responsabilidade da REFER 06 PARTE GRÁFICA 01. DESENHOS: Programa Preliminar Situação Existente 02. FOTOGRAFIAS AÉREAS 03. ORTOFOTOMAPA 04. PDM CONDICIONANTES 05. REFER: Passagens a Sul P.I.P. Norte Ventilação à superfície Volume 05 Terraplanagens e Drenagem Volume 11 Túnel Volume 12 Edifício de Passageiros Volume 14 Acústica Programa Preliminar Parte Escrita 2

3 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO Conforme apresentado de forma detalhada na Planta Síntese do Programa Preliminar, em Anexo, para efeitos de definição de níveis de intervenção e desenvolvimento das propostas, foram consideradas e delimitadas as seguintes áreas parcelares: - Área 1, compreendida entre o limite Norte de Espinho e a Rua 35, incluindo o espaço canal ao longo da Via-férrea, entre as Ruas 35 e Área 2, compreendida entre as Ruas 35 e 43, excluindo o espaço canal acima referido. - Área 3, compreendida entre as Ruas 43 e a Rua do Loureiro / Bairro Piscatório. 2. DESENVOLVIMENTO DOS PROJECTOS Sem prejuízo da definição, em Caderno de Encargos, das peças a entregar, a solução de projecto a apresentar pelos concorrentes, deverá ter em conta as Fases de Projecto a seguir indicadas para cada uma das Áreas de Intervenção, definidas na da Portaria de 07/02/72 do MOPC, publicada no Diário do Governo, II Série, n.º 35 de 11/02/72: - Estudo Prévio, para a Área 1 e Área 3 - Programa Base, para a Área 2 3. PRINCÍPIOS ORIENTADORES O desenvolvimento das Soluções de Projecto, para as várias Áreas de Intervenção, deverá ter em consideração os seguintes Princípios Orientadores: - Conferir uma coesão entre a malha existente, edifícios e cenários envolventes e a plataforma; - Melhoria da qualidade de vida e a imagem da cidade; - Tratamento do plano horizontal do espaço público, incluindo pavimentos, mobiliário urbano e elementos vegetais e arbóreos; - Levar a cidade a desfrutar de novos espaços públicos; - Tornar a cidade acessível tendo em consideração a mobilidade dos seus utilizadores e o definido no Decreto-lei n.º 163/2006 de 8 de Agosto; Programa Preliminar Parte Escrita 3

4 - Favorecer a actividade pedonal; - Dar resposta a novas actividades em espaços urbanos abertos, desde eventos colectivos ao turismo cultural; - Adaptação do espaço a usos múltiplos e flexíveis, com previsão das respectivas infra-estruturas, favorecendo um número máximo de utentes, a sua diversificação e consequente complementaridade; - Facilitar a leitura da hierarquia do sistema urbano; - Atenuar o efeito barreira nos topos do túnel (Ruas 13 e 37). 4. CONDICIONANTES As Soluções de Projecto a desenvolver devem ter em consideração as seguintes condicionantes, constantes dos elementos fornecidos na Parte Gráfica do Programa Preliminar: - Traçado da Via-férrea; - Túnel Ferroviário; - Edifício da nova Estação da Linha de Caminho de Ferro, entre as Ruas 25 e 27 e o respeito pelas respectivas cotas de soleira; - Eliminação do Viaduto existente para veículos e peões a Norte da Cidade; - Eliminação e substituição da passagem inferior de peões localizada a Norte da Cidade (Rio Largo), com previsão de passagem inferior com circulação pedonal e automóvel apenas com um sentido, ascendente de Oeste para Este, de saída da zona de praias; - Localização e tratamento das saídas de emergência do túnel à superfície; - Localização das bocas do túnel próximo das Ruas 13 (Norte) e 37 (Sul); - Previsão de uma passagem superior de peões, no enfiamento da Ribeira de Silvalde, com projecto em curso da responsabilidade da REFER. 1 - Previsão de uma passagem inferior de veículos junto ao Campo de Golfe, a Sul; - Previsão de painéis acústicos de protecção nas bocas do túnel (Norte e Sul); 5. SOLUÇÕES DE PROJECTO A proposta deve contemplar, conforme apresentado na Planta Síntese constante da Parte Gráfica do presente Programa Preliminar: - A ampliação do parque de estacionamento exterior existente a Norte; 1 Os elementos actualizados do projecto serão oportunamente disponibilizados pela REFER aos concorrentes. Alertamos para o facto da versão desta passagem superior, disponibilizada na Parte Gráfica, REFER, Passagens a Sul, ficheiro , estar desconforme com a localização prevista na Planta Síntese do Programa Preliminar, devendo os concorrentes considerar esta última localização, versão mais actualizada. Programa Preliminar Parte Escrita 4

5 - Criação de uma via de dois sentidos, paralela à Via-férrea, no prolongamento da Rua 8 desde a Rua 13 até à saída Norte da Cidade, com estacionamento lateral e tratamento vegetal; - Assegurar a ligação viária sobre a plataforma, entre as áreas Nascente e Poente da cidade, nomeadamente nas Ruas 15, 23, 31, 33, 35 e 37; - Prolongamento da Rua 8, entre as Ruas 37 e do Golfe; - Uma passagem superior de peões, com escadas e elevadores, no enfiamento da Rua 5; - Reformulação do Quarteirão formado pelas ruas 8,15 e 62, tendo em conta um equilíbrio entre o edificado e o espaço livres propostos, com maior ênfase no espaço livre, em complemento à área de tratamento sobre a plataforma; - Equipamentos de apoio às actividades lúdicas; - Ocupação em subsolo da área nascente adjacente ao túnel, entre as Ruas 15 e 23 e entre as Ruas 27 e 33, destinadas a parques de estacionamento, com possíveis ligações pedonais à Estação da Linha de C. F., com dois níveis subterrâneos, caso as condições naturais sejam favoráveis e tendo em conta que poderão vir a ser concessionados posteriormente em concursos concessão/construção, pelo que os respectivos projectos terão desenvolvimentos autónomos e posteriores, salvaguardando o tratamento à superfície do projecto geral; - Criação de canais de circulação para velocípedes; - Proposta de um eixo de circulação, longitudinal, sob o qual deve ser previsto um túnel técnico capaz de comportar todas as infra-estruturas necessárias, com acesso versátil e pontual à superfície, para instalações temporárias de carácter lúdicorecreativo; - Arborização e arranjo paisagístico; - Filtro de Sebes/Vegetação, marginal e ao longo da Protecção do Túnel, nas bocas do túnel (a Norte e a Sul), com vista a minimizar o impacto visual do mesmo, com a mesma altura dos painéis acústicos previstos nas condicionantes ao Estudo Preliminar; - As espécies a considerar nestas acções devem permitir a rápida obtenção de massa verde, com dimensões adequadas à escala dos espaços e preferencialmente de folha perene, com vista a uma menor manutenção de futuro; - Os pavimentos de maior circulação devem ser em materiais pétreos e perenes; - Deve existir um particular cuidado na escolha do tipo e na localização do mobiliário urbano (bancos, papeleiras, cabines telefónicas, depósitos de resíduos sólidos, estacionamento de bicicletas, ecrãs de informação, paragens de autocarros, sinalética viária e outra, etc.) e nos tipos de elementos para a iluminação, privilegiando o uso de iluminação indirecta e difusa, complementando a circulação e repouso pedonal, com a vegetação e os edifícios; - Previsão de áreas destinadas a Parques Infantis e Juvenis, com vista a dinamizar o espaço público, aumentar a oferta lúdica e recreativa, sugerindo-se que os mesmos sejam tratados como continuidade do espaço envolvente, sem barreiras ou encerramentos; - Cais de embarque para veículos particulares, táxis e transportes públicos, a Sul da Estação; Programa Preliminar Parte Escrita 5

6 6. FASEAMENTO DA INTERVENÇÃO A Proposta Geral de Intervenção deverá ter em conta a capacidade de autonomização das várias soluções de projecto, para cada uma das Áreas, 1, 2 e 3, garantindo a independência das mesmas de modo a viabilizar a sua execução/implementação faseada. É considerada como prioritária a intervenção na Área 1. O desenvolvimento dos projectos para a Área 3 poderá ser adjudicado numa fase posterior à adjudicação da Área 1. A Área 2 abrange terrenos que são propriedade de terceiros, pelo que a Entidade Promotora reserva o direito de não prosseguir com o desenvolvimento dos projectos apresentados para a mesma. As Soluções de Projecto a desenvolver para as Áreas 1 e 3 deverão ainda viabilizar a possibilidade da execução faseada dos diversos equipamentos/programas a propor. 7. ALTERAÇÕES DA RESPONSABILIDADE DA REFER O presente Concurso Público deve ter em conta que podem surgir alterações decorrentes do decurso dos trabalhos de execução da obra de rebaixamento do túnel, da responsabilidade da REFER, pelo que as mesmas serão comunicadas atempadamente a todos os concorrentes, com vista a serem tomadas como condicionantes a respeitar, tanto no decurso do Concurso Público como na posterior execução da proposta adjudicada. Programa Preliminar Parte Escrita 6

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

ÍNDICE. Memória Descritiva PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO

ÍNDICE. Memória Descritiva PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO ÍNDICE LEVANTAMENTO DO JARDIM E ESPAÇO ANEXO EXISTENTE PEÇAS DESENHADAS 01.1 e 01.2 - Levantamento de Elementos Construídos

Leia mais

FEIRA ANUAL DE OUTUBRO 2016

FEIRA ANUAL DE OUTUBRO 2016 DE VILA FRANCA DE XIRA DEPARTAMENTO DE OBRAS, VIATURAS E INFRAESTRUTURAS FEIRA ANUAL DE OUTUBRO 2016 Condicionamento de Trânsito Divisão de Obras, Viaturas e Infraestruturas setembro 2016 FEIRA ANUAL DE

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

EB1/JI Quinta de S. Gens. Freguesia: Senhora da Hora Arquitecto/a: Luis Filipe Rodrigues Trindade Investimento: ,00 euros

EB1/JI Quinta de S. Gens. Freguesia: Senhora da Hora Arquitecto/a: Luis Filipe Rodrigues Trindade Investimento: ,00 euros EB1/JI Quinta de S. Gens Freguesia: Senhora da Hora Arquitecto/a: Luis Filipe Rodrigues Trindade Investimento: 3 919 262,00 euros LEVANTAMENTO FOTOGRÁFICO Matosinhos, imagem retirada do site maps.live.com

Leia mais

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5 Termos de Referência 1. Oportunidade da elaboração do Plano de Pormenor do Parque Empresarial para Novas Estratégias de Localização do Investimento O Plano Director Municipal de Penela, em processo de

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

Prestação de Esclarecimentos ao CP-CCP-ABS n.º 15/2016

Prestação de Esclarecimentos ao CP-CCP-ABS n.º 15/2016 Prestação de Esclarecimentos ao CP-CCP-ABS n.º 15/2016 Exmos. Srs., Na sequência dos pedidos de esclarecimentos efetuados, abaixo se evidenciam as diferentes questões colocadas bem como a respetiva resposta

Leia mais

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2 1 ESTALEIRO 1.1. Execução de montagem e desmontagem de estaleiro, adequado à natureza dos trabalhos a executar e à dimensão da obra, incluindo reposição de pavimentos e solo, fornecimento, montagem e desmontagem

Leia mais

PLANO DE PRAIAS do PPT

PLANO DE PRAIAS do PPT COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S.A. PLANO DE PORMENOR DAS PRAIAS DE TRANSIÇÃO PLANO DE PRAIAS do PPT ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1. Enquadramento 1.2. Objectivos

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

PAVIMENTOS EXTERIORES

PAVIMENTOS EXTERIORES PAVIMENTOS EXTERIORES PARQ 7 TMCT III A construção de um espaço exterior engloba trabalhos: - em ZONAS PAVIMENTADAS (caminhos, alamedas, muros, rampas, praças, parques infantis, campos de jogos, estacionamentos,

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA. Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA. Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada 01 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada Índice Introdução 4 Bicicletas 5/6 Transporte de Crianças 7 Documentos 8 Pagamentos de Coimas

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO.

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. Artigo 1º Aplicação 1. O presente Plano de Pormenor, adiante designado

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA Remodelação e Ampliação da Casa Municipal da Protecção Civil 2. LOCALIZAÇÃO Avenida Mendes Silva Freguesia de Santo António dos Olivais 3. SCRIÇÃO

Leia mais

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40;

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40; ALTERAÇÃO AO LOTEAMENTO URBANO DA ÁREA DA CERÂMICA DE MORTÁGUA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A proposta de alteração ao Loteamento que se apresenta surge na sequência da modificação das condições

Leia mais

PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE MAFRA ANEXO III FICHAS DE PROJETO PARA A ARU MAIO 2016

PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE MAFRA ANEXO III FICHAS DE PROJETO PARA A ARU MAIO 2016 PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DA ARU DE MAFRA Maio 2016 PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE MAFRA ANEXO III FICHAS DE PROJETO PARA A ARU MAIO 2016

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA PLANO DE PORMENOR DE RECONVERSÃO DA AUGI 9 LAGOA DE ALBUFEIRA COM O APOIO DA ADMINISTRAÇÃO CONJUNTA.

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA PLANO DE PORMENOR DE RECONVERSÃO DA AUGI 9 LAGOA DE ALBUFEIRA COM O APOIO DA ADMINISTRAÇÃO CONJUNTA. Regulamento CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Norma Habilitante O presente Regulamento tem o seu suporte legal, genericamente no artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa e na alínea a)

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1- Âmbito O Plano de Urbanização de Carregal do Sal, adiante designado por PUCS, abrange a Vila de Carregal

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES TERMOS DE REFERÊNCIA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Proposta de

Leia mais

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização PENELA 05 setembro de 2015 Redes de defesa da floresta contra incêndios Legislação

Leia mais

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB AP 10 UP 8 Folha 1 / 6 AP 10 UP 8 Folha 2 / 6 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA

Leia mais

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Regimes ITUR - ITED Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Santarém, 4 de Julho de 2011 Regime ITUR Criação de condições para o livre acesso às infra-estruturas por parte dos diferentes

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Antonio Pedro Alves de Carvalho Imagem: omnistudio.com.br Qualidades de uma solução arquitetônica: Funcionalidade Economia Beleza Flexibilidade Expansibilidade

Leia mais

Casa Rua de Gondarém e Avª Brasil Foz

Casa Rua de Gondarém e Avª Brasil Foz Casa Rua de Gondarém e Avª Brasil Foz Projecto Aprovado para Hotel de 4 Estrelas N/Refª 3388-H Índice 1 Localização e Envolvente 3 2 Descrição 5 3 Fotografias do existente 7 4 Projecto aprovado para Hotel

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA Legenda: 1 Introdução 2 Descrição dos Arranjos Exteriores 3 Requalificação do Espaço de Estacionamento 4 Reperfilamento e Requalificação de

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho A empresarialização dos sistemas multimunicipais e municipais de captação, tratamento e distribuição de água para consumo

Leia mais

3. Edificado 3.7. Religioso. Capítulo II Levantamento e Diagnóstico. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final

3. Edificado 3.7. Religioso. Capítulo II Levantamento e Diagnóstico. Plano Municipal de Acessibilidade Para Todos Município da Maia - Entrega Final - 3. Edificado 3.7. Religioso Março 2010 3.7.1. Cemitério e espaço público envolvente de Águas Santas Identificação Cemitério de Águas Santas Localização Rua do Mosteiro Descrição função e uso do edifício

Leia mais

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES 2266-0369 SMTR www.rio.rj.gov.br 2589-0557 SMO Rio de Janeiro

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº 483/XI-2ª Cria o Programa de Remoção de Obstáculos e Armadilhas nas vias de circulação rodoviária Preâmbulo Não existindo uma abordagem

Leia mais

Deslocamentos e transportes internos são fatores a minimizar para que se alcance um bom arranjo físico.

Deslocamentos e transportes internos são fatores a minimizar para que se alcance um bom arranjo físico. Àreas Mínimas Deslocamentos e transportes internos são fatores a minimizar para que se alcance um bom arranjo físico. Fatores a considerar: - Área ocupada pelo equipamento na condição mais desfavorável;

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES

PROGRAMA DE NECESSIDADES Área Total - Presidência Espera / Secretaria Sala da presidência Acesso ao setor 1 posto de trabalho; estar Presidência para 6 O ambiente de 1 mesa de trabalho, 1 reuniões deverá ser mesa de reunião para

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS. Artigo 1 ENTIDADES PROMOTORAS

REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS. Artigo 1 ENTIDADES PROMOTORAS REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS A generalização da prática desportiva de recreação e lazer, como forma de promoção de estilos de vida saudáveis,

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Os artigos 48.º e 49.º do Regulamento do PDM de S. João da Pesqueira passam a ter a seguinte redacção: Artigo 48.º Espaços Agrícolas

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO A ANPC já publicou o a ultima versão dos esclarecimentos sobre os procedimentos para a implementação das medidas de autoproteção. http://www.proteccaocivil.pt/segurancacontraincendios/pages/planosdeseguranca.aspx

Leia mais

Operação de Loteamento para Área de Acolhimento Empresarial de Ul / Loureiro

Operação de Loteamento para Área de Acolhimento Empresarial de Ul / Loureiro Operação de Loteamento para Área de Acolhimento Empresarial de Ul / Loureiro REGULAMENTO ART.º 1º DESTINO E GESTÃO 1. A Área de Acolhimento Empresarial de Ul / Loureiro (adiante definida pela sigla AAEUL),

Leia mais

ARRANJO FÍSICO (LAYOUT)

ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Definição ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O arranjo físico (ou layout) corresponde ao arranjo dos diversos postos de trabalho nos espaços

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

Relatório de Execução

Relatório de Execução Arborização dos Terrenos anexos à Divisão Equipamento Departamento de Servidões RNT 1. INTRODUÇÃO O presente relatório diz respeito à empreitada de arborização dos terrenos anexos à, levada a cabo no âmbito

Leia mais

AVENIDA MOUSINHO DE ALBUQUERQUE O DESAFIO DA MUDANÇA

AVENIDA MOUSINHO DE ALBUQUERQUE O DESAFIO DA MUDANÇA AVENIDA MOUSINHO DE ALBUQUERQUE O DESAFIO DA MUDANÇA câmara municipal ARRANJO URBANÍSTICO DA AVENIDA MOUSINHO DE ALBUQUERQUE FINAL DO SÉCULO XIX RASGAR UMA AVENIDA. FINAL DO SÉCULO XIX RASGAR UMA AVENIDA.

Leia mais

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. PRINCIPAIS DISPOSITIVOS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

Estudo de circulação da Rua de Costa

Estudo de circulação da Rua de Costa Estudo de circulação da Rua de Costa Cabral PELOURO DA MOBILIDADE Apresentação preliminar - Março 2015 ENQUADRAMENTO No âmbito do projeto Via Livre, que envolve a STCP, PM e DMGVP, a rua de Costa Cabral

Leia mais

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA O TRAÇADO DE UMA ESTRADA Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 2 Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 3 Projeto de uma estrada Projeto geométrico Projeto de terraplenagem Pavimentação

Leia mais

no Outras Entidades Cofinanciamento Município de Ribeira de Pena 2º Semestre 1º Semestre

no Outras Entidades Cofinanciamento Município de Ribeira de Pena 2º Semestre 1º Semestre MECANISMO DE FINANCIAMENTO Programa Operacional Regional do Norte ON.2, DESIGNAÇÃO DA OPERAÇÃO NORTE-10-0156-FEDER-000132 - Rede Desportiva de Ribeira de Pena- Requalificação do pavilhão Municipal EIO

Leia mais

SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS

SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS SEGURANÇA EM ESTALEIROS TEMPORÁRIOS E MÓVEIS Exercício 39 21 Es 48 21 Grua (12m lança) Vias de circulação Central de betão Armazém de ferro Ferramentaria Estacionamento Guarda/porteiro Ep SEGURANÇA EM

Leia mais

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

Leia mais

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Ana Bastos Silva, Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra João Pedro Silva, Dep. Engª Civil da ESTG, Instituto Politécnico

Leia mais

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico Licenciamento Administrativo de Operação Urbanística Espaço reservado aos Serviços Exmº Senhor Presidente da Câmara Municipal do Bombarral Nome Contribuinte fiscal n.º, B.I. n.º, Cartão do Cidadão, com

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ALTERAÇÃO AO PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO SUL-NASCENTE DA CIDADE DE SINES JUSTIFICAÇÃO PARA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA PLANO DE PORMENOR DA ZONA DE EXPANSÃO ALTERAÇÃO FEVEREIRO DE 2016 Assunto: Alteração ao Plano de Pormenor da Zona de Expansão Sul-Nascente da Cidade de Sines Justificação para não sujeição a avaliação

Leia mais

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela (aplicação do artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014) 1- Introdução O artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014 define as regras

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Escolha do Traçado Objetivos (i) a delimitação dos locais convenientes para a passagem da rodovia, a partir da obtenção de informações básicas a respeito da geomorfologia

Leia mais

POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE

POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE D.G.I.E.- DIRECÇÃO GERAL DE INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS POSTO TERRITORIAL DA G.N.R. RESENDE VOLUME 1 - ARQUITECTURA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA PROJECTO DE EXECUÇÃO DOCUMENTO Nº : 30165 PE AR

Leia mais

do Manual Técnico de Edificações - versão 2

do Manual Técnico de Edificações - versão 2 Atualização do Manual Técnico de Edificações - versão 2 Aplicação da restrição altimétrica do Ministério da Defesa 1. Pág. 319 - O presente documento substitui o item 5.3, à página 319 do Manual Técnico

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S 10:37 2011/04/02 Fluxos de caixa Pag. 1 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2010/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 165.362,24 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL...

Leia mais

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia USOS PARA AS PONTUAÇÕES DE NÍVEL 4 / ESTADIAS Nº Concelho Km 0 VR 00+000 1 VR 00+370 2 VR 00+773 3 VR 02+256 4 VR 04+018 5 VR 04+893 Uso proposto (segundo requisitos Observações para a pontuação 4) com

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

Apartamento T4D Apartamento Tarouca

Apartamento T4D Apartamento Tarouca Apartamento Tarouca Comando ON/OFF de Ar Condicionado: Controlo ON/OFF de aparelho de ar condicionado Controlo de Estores Eléctricos - Centralizado: Comando de um estore eléctrico a partir do quadro da

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 1 Introdução O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 18 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Descrever a especificidade deste sistema complementar de compartimentação cujas caracteristicas de funcionamento são equivalentes às

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i

PROJETO DE ESTRADAS Prof o. f D r D. An A de rson on Ma M nzo zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: O projeto de uma estrada em perfil é constituído de greides retos, concordados dois a dois por curvas verticais. Os greides retos são definidos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS

DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS DIMENSIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS 12 de Junho de 2002 Rute Roque OBJECTIVO E ENQUADRAMENTO LEGAL Cumprir o Decreto-Lei nº 292/2000 de 14 de Novembro (REGIME LEGAL SOBRE A POLUIÇÃO SONORA

Leia mais

Regulamento do Plano de Pormenor da Rua das Flores CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º Âmbito e aplicação

Regulamento do Plano de Pormenor da Rua das Flores CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º Âmbito e aplicação Regulamento do Plano de Pormenor da Rua das Flores CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e aplicação O Plano de Pormenor da Rua das Flores abrange a área assinalada na planta de zonamento e que

Leia mais

Grandes Linhas de Orientação Estratégica

Grandes Linhas de Orientação Estratégica Grandes Linhas de Orientação Estratégica Conselho de Administração da SRU 28.Novembro.2006 1. Passado 1.1. Caracterização Uma história de planeamento inconsequente; O desinteresse das entidades públicas;

Leia mais

PARECER TÉCNICO REFERENTE À EMPREITADA DO CENTRO INTERGERACIONAL DE CAMPOLIDE

PARECER TÉCNICO REFERENTE À EMPREITADA DO CENTRO INTERGERACIONAL DE CAMPOLIDE 1 PARECER TÉCNICO REFERENTE À EMPREITADA DO CENTRO INTERGERACIONAL DE CAMPOLIDE 1. Breve introdução O projeto de arquitetura "Centro Intergeracional de Campolide" tem como finalidade adaptar duas caves

Leia mais

CÃMARA MUNICIPAL DE ÍLHAVO

CÃMARA MUNICIPAL DE ÍLHAVO DOIA Divisão de Obras, Investimentos e Ambiente MEMORIA DESCRITIVA ÍNDICE Memória Descritiva Introdução Projeto Caraterização DOIA Divisão de Obras, Investimentos e Ambiente 1 INTRODUÇÃO O número de veículos

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DO DIREITO DE SUPERFÍCIE

TERMOS E CONDIÇÕES DO DIREITO DE SUPERFÍCIE TERMOS E CONDIÇÕES DO DIREITO DE SUPERFÍCIE (Processo n.º 34192/CML/15) A constituição do direito de superfície a favor da CENTRO COLOMBO CENTRO COMERCIAL, S.A., objeto da presente proposta fica subordinada

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS. Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas

SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS. Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas I) INTRODUÇÃO Genericamente, a gestão de pavimentos tem como objectivo definir uma política de conservação

Leia mais

60% 92% Território abrangido. dos edifícios abrangidos A REABILITAÇÃO URBANA Estratégia de Reabilitação Urbana / Delimitação ARU

60% 92% Território abrangido. dos edifícios abrangidos A REABILITAÇÃO URBANA Estratégia de Reabilitação Urbana / Delimitação ARU A REABILITAÇÃO URBANA 2007 2014 2012 - Estratégia de Reabilitação Urbana / Delimitação ARU 60% Território abrangido 92% dos edifícios abrangidos 1 REGENERAÇÃO/REABILITAÇÃO O PDM DOS 3 R Reutilizar Reabilitar

Leia mais

jawfl N : 10/2016 Data:

jawfl N : 10/2016 Data: Porto de lisboa Ordem de Serviço N : 10/2016 Data: 19-04-2016 1 Assunto: Regulamento de Tarifas de Atividades Dominiais para 2016 O Conselho de Administração, na sua reunião de 15 de outubro de 2015, considerando

Leia mais

REGULAMENTO ACESSO AO CAMPUS E INSTALAÇÕES E DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO PARQUE DE ESTACIONAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA

REGULAMENTO ACESSO AO CAMPUS E INSTALAÇÕES E DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO PARQUE DE ESTACIONAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA REGULAMENTO DE ACESSO AO CAMPUS E INSTALAÇÕES E DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO PARQUE DE ESTACIONAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Preâmbulo A necessidade de se implementarem regras de acesso

Leia mais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009 ao funcionamento dos órgãos e serviços, podendo comportar esforço físico; Detém responsabilidade pelos equipamentos sob sua guarda e pela

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

FICHA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A ANEXAR AOS PROJECTOS DE ARQUITECTURA DE EDIFÍCIOS DE OCUPAÇÃO EXCLUSIVA OU MISTA COM UTILIZAÇÕES TIPO DA 1ª E 2ª CATEGORIAS DE RISCO Ficha a ser apreciada pela Câmara Municipal (1ª Categoria) ou pelos

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

AVISO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO MUNICIPAL N

AVISO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO MUNICIPAL N 1 -------------------------------------------AVISO---------------------------------------------- -----OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO MUNICIPAL N.º 2/2011, HORTAS DA FOZ, EM PONTE DE SOR--------------------------------------------------------

Leia mais

Lisboa. uma cidade de bairros

Lisboa. uma cidade de bairros Lisboa uma cidade de bairros Fonte: Relatório do PDM Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Setembro 2010 No PDM de Lisboa, foram identificadas Zonas de Moderação da circulação automóvel, que podem ser concretizadas

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA ZONA ENVOLVENTE À ESTAÇÃO DE LAGOS. VOLUME III Versão Final da Proposta de Plano. Regulamento CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS

PLANO DE PORMENOR DA ZONA ENVOLVENTE À ESTAÇÃO DE LAGOS. VOLUME III Versão Final da Proposta de Plano. Regulamento CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS PLANO DE PORMENOR DA ZONA ENVOLVENTE À ESTAÇÃO DE LAGOS VOLUME III Versão Final da Proposta de Plano Regulamento Agosto de 2008 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS PLANO DE PORMENOR DA ZONA ENVOLVENTE À ESTAÇÃO

Leia mais

Capítulo I. Artigo 1º. Objecto. Artigo 2º. Âmbito territorial. Artigo 3º. Objectivos do Plano. Artigo 4º. Composição do Plano

Capítulo I. Artigo 1º. Objecto. Artigo 2º. Âmbito territorial. Artigo 3º. Objectivos do Plano. Artigo 4º. Composição do Plano PLANO DE PORMENOR DO POÇO QUENTE REGULAMENTO Capítulo I Disposições de Natureza Administrativa Artigo 1º Objecto O Plano de Pormenor do Poço Quente, adiante designado por Plano, destina-se a disciplinar

Leia mais

Recuperação da Paisagem Mestrado 1º ano 2º semestre. Thomas Panagopoulos Prof. Auxiliar

Recuperação da Paisagem Mestrado 1º ano 2º semestre. Thomas Panagopoulos Prof. Auxiliar Recuperação da Paisagem Mestrado 1º ano 2º semestre Thomas Panagopoulos Prof. Auxiliar Encerramento e recuperação de lixeiras aterros sanitários Um dos passos importantes para a recuperação do passivo

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO ACTIVIDADES PARA ANO 2011

JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO ACTIVIDADES PARA ANO 2011 JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO E ACTIVIDADES PARA ANO 2011 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Srª. Guadalupe Tel. 266 781 165 Tel. 266 747 916 Fax : 266 747 917 Email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores. Lisboa, 28 de Abril de

Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores. Lisboa, 28 de Abril de Nova Alcântara Novo Nó Ferroviário e Terminal de Contentores Lisboa, 28 de Abril de 2008 1 O sector dos transportes é uma peça fundamental do desenvolvimento económico do país, contribuindo decisivamente

Leia mais

CONCURSO DE CONCEÇÃO TERMINAL INTERMODAL DE CAMPANHÃ PROGRAMA PRELIMINAR ANEXO 6 DEFINIÇÃO CRITÉRIOS DE ACESSIBILIDADE

CONCURSO DE CONCEÇÃO TERMINAL INTERMODAL DE CAMPANHÃ PROGRAMA PRELIMINAR ANEXO 6 DEFINIÇÃO CRITÉRIOS DE ACESSIBILIDADE CONCURSO DE CONCEÇÃO TERMINAL INTERMODAL DE CAMPANHÃ PROGRAMA PRELIMINAR ANEXO 6 DEFINIÇÃO CRITÉRIOS DE ACESSIBILIDADE Programa Preliminar Anexo 6 Definição Critérios de Acessibilidade 1 Índice 1. Introdução..4

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA DA ÁREA URBANA DE BEJA

ESTRUTURA ECOLÓGICA DA ÁREA URBANA DE BEJA BEJA 1/6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROPOSTA DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DA CIDADE... 4 2/6 1. INTRODUÇÃO Com a Estrutura Ecológica Urbana pretende-se criar um «continuum naturale» integrado no espaço urbano,

Leia mais

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.)

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.) 1. De acordo com a legislação em vigor (Decreto-Lei n.º 338/98, de 3 de Novembro), na sua área de jurisdição, compete à APSS, S.A. conceder licenças para a execução de obras directamente relacionadas com

Leia mais

UI6. Requalificação do Largo de Santo António Rua de Santo António. requerente Câmara Municipal do Fundão

UI6. Requalificação do Largo de Santo António Rua de Santo António. requerente Câmara Municipal do Fundão UI6 Requalificação do Largo de Santo António Rua de Santo António requerente Câmara Municipal do Fundão projecto de arquitectura Janeiro 2011 ÍNDICE GERAL I PEÇAS ESCRITAS pág. Termo de Responsabilidade

Leia mais

relatório da avaliação das condições de acessibilidade

relatório da avaliação das condições de acessibilidade relatório da avaliação das condições de acessibilidade identificação do cliente nome e descrição da atividade principal (a certificar) outras atividades relevantes /complementares data da visita Centro

Leia mais

Postos de transformação

Postos de transformação Postos de transformação PFU e PF Edifícios tipo Cabina para Postos de Transformação Até 36 kv PFU EDIFÍCIO MONOBLOCO TIPO CABINA PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO O edifício PFU de fabrico Ormazabal

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico DESENHO ARQUITETÔNICO I O Projeto Arquitetônico O que é um projeto arquitetônico? É uma representação em um plano das projeções de uma edificação. Possui três fases: 1. Fase preliminar - Estudo da viabilidade

Leia mais

Convento de Cristo. Tomar. Obras de Conservação e Reabilitação. Locais de trabalho seguros e saudáveis. José Delgado

Convento de Cristo. Tomar. Obras de Conservação e Reabilitação. Locais de trabalho seguros e saudáveis. José Delgado Convento de Cristo Tomar Obras de Conservação e Reabilitação Locais de trabalho seguros e saudáveis ACÇÕES DO DONO DE OBRA Na fase de concepção: - Definir objectivos da empreitada; - Contratar projectistas

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo regime instituído pelo Decreto-Lei nº 234/2007, de 19 de Junho Uso exclusivo da

Leia mais

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA)

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA 2010 1. ENQUADRAMENTO LEGAL DO PLANO

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES - CONFINS - MG ELAB.: LSL PROJETO BÁSICO - CANTEIRO DE OBRAS

AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES - CONFINS - MG ELAB.: LSL PROJETO BÁSICO - CANTEIRO DE OBRAS DOCUMENTO N DOCUMENTO N DATA 40 40 5 5 TITULO Qtd. FORMATO ESCALA STATUS REV. PROJETO BÁSICO - CANTEIRO DE OBRAS PROJETO BÁSICO Parecer técnico INFRAERO CANTEIRO DE OBRAS 7/00-IA-ET-3000 CF.8/0.9/8 GERAL

Leia mais

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Anexo B A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos

Leia mais

Casos de estudo LNEC-CM CM Silves-CM Lagoa- CM Portimão-CM Vila do Bispo. APA, 17 de Setembro de 2007

Casos de estudo LNEC-CM CM Silves-CM Lagoa- CM Portimão-CM Vila do Bispo. APA, 17 de Setembro de 2007 PROJECTO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Casos de estudo LNEC-CM CM Silves-CM Lagoa- CM Portimão-CM Vila do Bispo APA, 17 de Setembro de 2007 Enquadramento LNEC/DT/NPTS não contratou bolseiros R.H. existentes carreira

Leia mais