7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high"

Transcrição

1 Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 7 Technological Constraints est of tructural dhesives high connections resistance

2 1 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS COLAGEM COM ADESIVOS ESTRUTURAIS ESTUDO EXPERIMENTAL DADOS EXPERIMENTAIS

3 CONDICIONANTES TECNOLÓGICAS 1 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS Este trabalho pretende avaliar a influência do tipo de superfície num material no processo de colagem. O estudo é realizado sobre provetes de aço carbono ligados através de uma junta sobreposta sobre a qual é imposto um ensaio ao corte. As juntas são unidas através de colagem e comparadas com juntas soldadas por pontos. As superfícies terão quatro estados diferentes para cada ensaio: superfícies normais (limpas apenas com um pano); superfícies com álcool isopropílico, superfícies com óleo e superfícies com um tratamento abrasivo e álcool isopropílico em simultâneo. No final far-se-á uma comparação da resistência de cada ligação analisando o valor da força máxima suportada pela junta. Os testes serão efectuados para quatro colas diferentes de modo a avaliar também o comportamento de cada uma. 1.1 COLAGEM COM ADESIVOS ESTRUTURAIS.82. A colagem estrutural consiste em efectuar a ligação de componentes através do uso de adesivos. Os adesivos são substâncias de natureza polimérica possuindo características visco-elásticas, utilizados para unir dois materiais sólidos ao longo das respectivas superfícies. Um adesivo pode englobar dois ou mais constituintes que são misturados, antes da aplicação sobre a superfície a unir. Na altura da aplicação o adesivo deve molhar bem a superfície. O ângulo de contacto para um dado adesivo é em regra tanto menor quanto maior for a energia de superfície do sólido: é por esta razão que os metais e cerâmicos são relativamente mais fáceis de colar que os plásticos e outros poliméricos. Após a sua aplicação o adesivo sofre um processo de cura (tempo necessário até se transformar em sólido). A cura pode ocorrer por vários processos sendo as principais variáveis a temperatura, a pressão e tempo de operação. Um adesivo típico tem a capacidade de unir materiais iguais ou diferentes sem alteração da sua composição química, sendo os requisitos básicos de um adesivo: Fluidez no estado inicial Boa molhagem das superfície a unir Capacidade de formar, por cura um sólido ou um gel de alta viscosidade, resistente e estável numa gama útil de temperaturas A natureza e estado das superfícies a colar condicionam fortemente a eficiência da união adesiva. Os tratamentos da superfície incluem desengorduramento, abrasão e ataque químico ou electro-químico.

4 Parâmetros que influenciam as características da ligação por adesivos: Comprimento da zona de sobreposição Largura da junta Espessura do adesivo Fig 43 - Juntas sobrepostas coladas.83. O comprimento da zona de sobreposição tem influência para gamas pequenas em que a resistência ao corte varia substancialmente com este valor. A partir de determinado comprimento a variação é ínfima e a influência pode considerar-se desprezável. Deste modo determina-se que é necessário um comprimento mínimo para assegurar uma boa ligação, mas o seu aumento posterior é desnecessário, como mostra a figura seguinte. Fig 44 - Influência do comprimento da zona de sobreposição A largura da junta é directamente proporcional à resistência ao corte A espessura ideal de um adesivo depende do seu tipo e pode variar com o tipo de carregamento a que o provete é sujeito. A figura seguinte mostra a influência da espessura do adesivo na resistência da ligação.

5 Fig 45 - Influência da espessura do adesivo Vantagens dos adesivos.84. Capacidade de ligar vários tipos de materiais Distribuição mais uniforme das tensões em toda a área de ligação Excelente comportamento à fadiga Capacidade de ligar materiais sensíveis ao calor (ligações a frio) Capacidade de isolamento e vedação (redução da corrosão) Capacidade de amortecimento de vibrações e atenuamento acústico Redução de peso face às ligações por rebites, parafusos e outras Redução de custos Desvantagens dos adesivos Elevada influência das características da junta Necessidade de juntas especiais para a união Temperatura de funcionamento (normalmente até 200ºC) Eventual necessidade de sistemas auxiliares para efectuar a cura

6 2 ESTUDO EXPERIMENTAL Com o intuito de avaliar a influência do tipo de superfície no processo de Colagem serão realizados testes sobre provetes na forma de chapa metálica, os quais serão colados com quatro tipos de adesivos e quatro tipos de tratamento de superfície. Às chapas coladas serão realizados ensaios ao corte sobre uma junta sobreposta. Provetes Chapa metálica com as seguintes características: Material: Aço ao Carbono St 37 Dimensões: Largura 25mm; Espessura 1,5mm.85. Fig 46 Provete em aço carbono ST37 Ensaios: ao corte Fig 47 Máquina de tracção

7 Tipos de superfície: Normal ambas as superfícies a colar limpas com um simples pano Com Óleo Ambas as superfícies com óleo Com Álcool Isopropílico ambas as superfícies limpas com álcool Com tratamento abrasivo ambas as superfícies são lixadas com uma lima e depois limpas com álcool isopropílico Fig 48 Material de ensaio.86. Para cada caso diferente foram usados quatro provetes dos quais três serviram para ensaio e um para amostra. O ensaio ao corte consiste apenas na aplicação de uma força de corte através da máquina acima representada e a recolha de dados limitou-se ao registo da força máxima suportada por cada junta sobreposta ensaiada. Tipo de colas usadas: 3M DP 190 Adesivo estrutural epóxido, constituído por duas partes. Apresenta elevada resistência ao arrancamento, impacto, resistência às vibrações, elevada fluidez e elevada resistência à humidade e a reagentes químicos. Working time 90m. Cure time 7 dias 3M DP 490 Semelhante ao adesivo anterior mas com working time maior, cerca de 3h 3M DP 810 Semelhante aos adesivos anteriores mas com um working extremamente reduzido, cerca de 8 minutos, tempo de cura 24 horas Plexus EP 250 Adesivo líquido, epóxido e constituído por dois componentes. Working time 65m, cure time 5h.

8 3 DADOS EXPERIMENTAIS Os valores registados durante os ensaios encontram-se nos anexos I e II, em seguida mostra-se um quadro resumo com o valor médio dos ensaios efectuados. 3M 190 3M 490 3M 810 Plexus 250 [MPa] [MPa] [MPa] [MPa] Soldado Col. Normal Col. Álcool Col. Óleo Col. Abrasivo Soldado Sc. Normal Sc. Álcool Sc. Óleo Sc. Abrasivo Tabela 7 - Valores médios registados nos ensaios ao corte MPa Influência da Superfície na Colagem M 190 [MPa] 3M 490 [MPa] 3M 810 [MPa] Plexus 250 [MPa] Soldado Col. Normal Col. Álcool Col. Óleo Col. Abrasivo Fig 49 Influência da superfície na colagem Como se pode verificar a influência do tipo de superfície na resistência da junta colada é significativo, verificando-se para todas as colas que as juntas com óleo apresentam valores de resistência muito baixos (tensão máxima suportada, cerca de 5 MPa em média). As superfícies com tratamento abrasivo (através de um lima e limpas com álcool isopropílico) foram as que apresentaram melhores resultados (o valor mais alto foi de 19,1 MPa) e em seguida as juntas limpas com álcool (valor mais alto foi de 14 MPa).

9 De referir que a cola que obteve melhores resultados foi a 3MDP190 mas a cola 3MDP810 tem resultados muito semelhantes com a vantagem de ter um workingtime muitíssimo inferior (cerca de 8 minutos) o que a torna muito competitiva para uso em linhas de montagem, pois não requer grandes tempos de espera, mesmo sabendo que o tempo de cura total é de 24 horas. Pelos resultados obtidos, decidimos escolher a 3MDP810 para aplicar no projecto SMAP e verificar se é compatível com os esforços existentes..88.

10 ANEXO - DADOS DOS ENSAIOS COM MÉDIAS EFECTUADAS E VALORES EM KN Colado - 3M 190 Soldocolado - 3M 190 Normal Álcool Óleo Abrasiva Normal Álcool Óleo Abrasiva Média [kn] Colado - 3M 490 Soldocolado - 3M 490 Normal Álcool Óleo Abrasiva Normal Álcool Óleo Abrasiva Média [kn] Colado - 3M 810 Soldocolado - 3M 810 Normal Álcool Óleo Abrasiva Normal Álcool Óleo Abrasiva Média [kn] Colado - Plexus 250 Soldocolado - Plexus 250 Normal Álcool Óleo Abrasiva Normal Álcool Óleo Abrasiva Média [kn] Soldado Média 19.8 [kn]

10/25/10. Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira

10/25/10. Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira 1 O que são adesivos estruturais Vantagens de desvantagens do uso de adesivos estruturais Tipos de adesivos estruturais Requerimentos

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Calibração e utilização de um sensor de temperatura Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL DE SISTEMAS ADESIVOS VIDRO-AÇO

ESTUDO EXPERIMENTAL DE SISTEMAS ADESIVOS VIDRO-AÇO ESTUDO EXPERIMENTAL DE SISTEMAS ADESIVOS VIDRO-AÇO Raquel Pardal a, Paulo J. S. Cruz b e Isabel B. Valente c a,b ISISE, Escola de Arquitectura, Universidade do Minho c ISISE, Departamento de Engenharia

Leia mais

Boletim Técnico Outubro, 2011

Boletim Técnico Outubro, 2011 Extreme Sealing Tape Boletim Técnico Outubro, 2011 Descrição do Produto 3M Extreme Sealing Tape é uma fita simples face com adesivo sensível à pressão desenvolvida para aplicações de difícil vedação. O

Leia mais

TELHAS DE POLICARBONATO

TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO As Telhas de Policarbonato BOLD proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro), favorecendo maior aproveitamento da luz natural, reduzindo

Leia mais

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Dados Técnicos Agosto/99 Descrição do Produto TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Produto extrusivo, com rápido tempo de cura inicial, utilizado para colagem de madeira. Produto extrusivo com rápido tempo de cura

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

helicoidais. Nesta aula vamos continuar nosso estudo sobre as molas.veremos

helicoidais. Nesta aula vamos continuar nosso estudo sobre as molas.veremos A UU L AL A Molas ll Na aula passada você conheceu as molas helicoidais. Nesta aula vamos continuar nosso estudo sobre as molas.veremos o que são molas planas. Introdução Molas planas As molas planas são

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

BASE QUÍMICA EPOXI E POLIURETANO,

BASE QUÍMICA EPOXI E POLIURETANO, ADESIVOS E SELANTES BASE QUÍMICA NOSSOS ADESIVOS E SELANTES SÃO FORMULADOS A PARTIR DAS BASES QUÍMICAS EPOXI E POLIURETANO, DEVIDO SUAS EXCELENTES PROPRIEDADES MECÂNICAS E QUÍMICAS. ADESIVO EPOXI RETAPOX

Leia mais

Ensaio de cisalhamento

Ensaio de cisalhamento A U A UL LA Ensaio de cisalhamento Introdução Pode ser que você não tenha se dado conta, mas já praticou o cisalhamento muitas vezes em sua vida. Afinal, ao cortar um tecido, ao fatiar um pedaço de queijo

Leia mais

ARMACELL ACESSÓRIOS 2

ARMACELL ACESSÓRIOS 2 ARMACELL ACESSÓRIOS 2 ACESSÓRIOS 164 Os melhores acessórios para uma boa instalação Armaflex Gama completa de ferramentas e acessórios profissionais. Ampla gama de adesivos compatíveis com os diferentes

Leia mais

MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL

MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL MONTAGE AGARRE IMEDIATO FIXE CARGAS PESADAS NO INTERIOR OU EXTERIOR INTERIOR E EXTERIOR REFORÇADO COM FIBRAS MATERIAIS POROSOS EXTERIOR

Leia mais

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO A Aplitek desenvolveu no Brasil uma tecnologia para recuperação e isolamento de telhados, esta extraordinária solução teve sucesso no mundo nos últimos

Leia mais

Capítulo 6. Conclusões e Desenvolvimentos Futuros Introdução Sumário e conclusões

Capítulo 6. Conclusões e Desenvolvimentos Futuros Introdução Sumário e conclusões Capítulo 6 Conclusões e Desenvolvimentos Futuros 6.1- Introdução... 6.2 6.2- Sumário e conclusões... 6.2 6.3- Perspectivas de desenvolvimentos futuros... 6.4 Capítulo 6 - Conclusões e Desenvolvimentos

Leia mais

Movimento Pendular regulável

Movimento Pendular regulável A SERRA DE RECORTES A serra de Recortes (ou Tico-tico) serve para fazer cortes em curva ou rectilíneos numa variedade de materiais: painéis de madeira, tubos de cobre, perfis de alumínio, placas de fibrocimento,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 Prof: Diego R. Alba 1. Duas chapas de aço 1018 laminado à frio de 1 por 4 são unidas por meio de sobreposição de duas chapas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO PARA ALVENARIA CARACTERÍSTICAS E ENSAIOS DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006 1 OBJECTIVOS A presente

Leia mais

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações.

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Caleira Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Especificações técnicas do produto Caleiras 102 E 150 Condução de águas pluviais Tubo em PVC rígido Cor: cinza (existe ainda a possibilidade

Leia mais

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado AULA 5 Materiais de Construção II II Aços para Construção Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado; Estruturas de Aço;. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

Leia mais

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC)

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC) As termoresistências, ou termómetros de resistência, são sensores de alta precisão e excelente repetibilidade de leitura. O seu funcionamento baseia-se na variação da resistência eléctrica de modo proporcional

Leia mais

Sistemas de Aquecimento Solar COLETORES SOLARES

Sistemas de Aquecimento Solar COLETORES SOLARES Sistemas de Aquecimento Solar Sumário Tipos de coletores Sistemas de aquecimento solar com coletor solar de placa plana Qualidade e Normas Projeto e Dimensionamento Coletor reservatório Placa plana sem

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Introdução Tensões e Deformações Ensaio

Leia mais

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI Ultra Polimeros PEEK Polimeros de Alta-Performance Polimeros de Engenharia PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI SEMI-CRISTALINO PEEK - Poli(éter-éter-cetona) PEEK é um termoplástico de Ultra Performance que

Leia mais

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing MIG BRAZING O processo MIG BRAZING é um processo de SOLDABRASAGEM porque ocorre a fusão parcial do metal de base e a capilaridade é mínima. Soldagem Fusão do MA e MB; Soldabrasagem Fusão do MA e parcial

Leia mais

Física dos Materiais FMT0502 ( )

Física dos Materiais FMT0502 ( ) Física dos Materiais FMT0502 (4300502) 1º Semestre de 2010 Instituto de Física Universidade de São Paulo Professor: Antonio Dominguesdos Santos E-mail: adsantos@if.usp.br Fone: 3091.6886 http://plato.if.usp.br/~fmt0502n/

Leia mais

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo M. F. Paulo Pereira, José B. Aguiar, Aires Camões e Hélder M. A. Cruz University of Minho Portugal 18 e 19 de Março, LNEC, Lisboa 1.

Leia mais

Superfícies Crivantes TALLERES NÚÑEZ

Superfícies Crivantes TALLERES NÚÑEZ hapa Perfurada Superfícies rivantes 8 8. hapa Perfurada 8.1. Aço ao arbono Aço Inoxidável Aço Anti desgaste 8.2. Tipos de perfuração TALLERES NÚÑEZ 89 90 TALLERES NÚÑEZ 8 hapas Perfuradas Pela sua resistência

Leia mais

Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento

Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento Martins, M. S.¹ Schaeffer, L.² ¹ Engenheiro Mecânico, Mestrando no Programa de Pós-graduação de Minas, Metalurgia

Leia mais

Válvula de retenção de disco, tipo "WAFER"

Válvula de retenção de disco, tipo WAFER 18/04/2013 Válvula de retenção de disco, tipo "WAFER" Válvula de retenção de disco oscilante tipo "WAFER" (possibilidade de fabrico com flanges, a pedido). Corpo em fundição de uma peça com forma cónica

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia : Técnico em Metalurgia Descrição do Perfil Profissional: O profissional Técnico em Metalurgia deverá ser capaz de realizar controle visual, dimensional e laboratorial de materiais e substâncias utilizadas

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

Resolução do 2º Exame Final de Ciência de Materiais. Lisboa, 6 de Fevereiro de Resolução COTAÇÕES

Resolução do 2º Exame Final de Ciência de Materiais. Lisboa, 6 de Fevereiro de Resolução COTAÇÕES Resolução do 2º Exame Final de Ciência de Materiais Lisboa, 6 de Fevereiro de 2010 Resolução COTAÇÕES Pergunta Cotação 1. (a) 0,50 1. (b) 0,50 1. (c) 0,50 2. (a) 1,00 2. (b) 1,00 2. (c) 1,00 2. (d) 0,50

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

FICHA TÉCNICA UNIFIX MS ESPELHO

FICHA TÉCNICA UNIFIX MS ESPELHO F.I.S.P.Q. N 13 - Página 1/5 MERCOTRADE IMP. E EXP. LTDA Matriz: Av. Panamericana, 641 91050-001 Porto Alegre - RS Fone: 51-3208.5000 Fax: 51-3208.5050 Fax:11-3796.6116 CNPJ: 94.583.788/0001-50 Informação

Leia mais

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD FICHA TÉCNICA Nº5 AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) Referências: AN STANDARD Para Isolamento Térmico Regranulados Calibre 2 / 9 e 4,5 / 15 mm Nota: Por encomenda, fabricam-se ainda outros

Leia mais

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial Materiais / Materiais I Guia para Trabalho Laboratorial ENSAIO DE DUREZA 1. Introdução A dureza de um material é uma propriedade mecânica que mede a resistência à deformação plástica (permanente). A dureza

Leia mais

Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão

Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão LABORATÓRIO DE FÍSICA ATÓMICA, ÓPTICA E FÍSICA DAS RADIAÇÕES Mestrado Integrado em Engenharia Física Tecnológica Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão 1. Objectivos O estudo de diversos espectros

Leia mais

REFORÇO DE ESTRUTURAS COM FRP. Reabilitação e Reforço de Estruturas Diploma de Formação Avançada em Engenharia de Estruturas

REFORÇO DE ESTRUTURAS COM FRP. Reabilitação e Reforço de Estruturas Diploma de Formação Avançada em Engenharia de Estruturas REFORÇO DE ESTRUTURAS COM FRP Campos de aplicação Quando há deficiência de armaduras O betão é de boa/média qualidade O aspecto estético é importante É inconveniente o aumento das secções O reforço é moderado

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I A - Tensão Normal Média 1. Ex. 1.40. O bloco de concreto tem as dimensões mostradas na figura. Se o material falhar quando a tensão normal média atingir 0,840

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO ENSAIOS DO BETÃO NAS ESTRUTURAS DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE ESCLEROMÉTRICO (Ensaio não destrutivo) DOCENTE:

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Instalações em Sistemas Industriais Profa. Roberta Leone Aula 04 MEIOS DE LIGAÇÃO Para que serve? Ligação tubo a tubo, ou a dispositivos, equipamentos tanques

Leia mais

PHENOTAN M Madeira Compensada

PHENOTAN M Madeira Compensada PHENTAN M Madeira Compensada PHENTAN M é uma resina modificada quimicamente, de origem vegetal, destinada à colagem de madeira compensada, especialmente aquelas que exigem resistência à água. CNSTITUIÇÃ

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Introdução: Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. Os rebites

Leia mais

ESTIMATIVA DA DIMENSÃO DE MOLÉCULAS ORGÂNICAS

ESTIMATIVA DA DIMENSÃO DE MOLÉCULAS ORGÂNICAS ESTIMATIVA DA DIMENSÃO DE MOLÉCULAS ORGÂNICAS. Objectivo O objectivo deste trabalho é, com base numa montagem experimental extremamente simples, obter uma estimativa da ordem de grandeza da dimensão de

Leia mais

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN DOUBLE DIP O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN A OBO Bettermann inclui na sua ampla gama de produtos uma grande variedade de soluções em calha caminho de

Leia mais

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel /

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel / www.metlor.com Caldeira a Pellets aqualuxo Informações de segurança Atenção: o interior da máquina pode atingir em funcionamento elevadas temperaturas que provocam queimaduras graves, manter crianças afastadas

Leia mais

T v. T f. Temperatura. Figura Variação da viscosidade com a temperatura para materiais vítreos e cristalinos (CARAM, 2000).

T v. T f. Temperatura. Figura Variação da viscosidade com a temperatura para materiais vítreos e cristalinos (CARAM, 2000). 7 ESTRUTURAS AMORFAS 7.1 Introdução Também chamadas de estruturas vítreas, as estruturas amorfas são formadas por arranjos atômicos aleatórios e sem simetria ou ordenação de longo alcance. Esse tipo de

Leia mais

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-t Perfil de transição entre pavimentos. Lâmina de metal em forma de T que se insere na junta de separação de dois pavimentos diferentes, permitindo cobrir ligeiras diferenças de altura.

Leia mais

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Dados técnicos: Base Poliuretano Consistência Espuma estável Sistema de endurecimento Polimerização pela humidade do ar Formação de pele Ca. 8 min. (20 C/65% H.R.) Tempo de secagem

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 7 Características dos aços Índice Perfis Estruturais Tipos de Perfis Perfil Laminado Perfil de Chapa Dobrada Perfil de Chapa Soldada Perfil Calandrado Cantoneiras

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas

Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas Ficha de Produto Edição de Agosto de 2007 Nº de identificação: 5.43 Versão nº 4 SikaTack -Panel Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas Descrição do sistema SikaTack -Panel é um sistema de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 12 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO

Leia mais

REFRIGERAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS

REFRIGERAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS REFRIGERAÇÃO Ivo Rodrigues 2007/2008 1. Objectivos da refrigeração de Alimentos... prolongar a vida útil dos alimentos aumentando as possibilidades de conservação (geral) 1 1. Objectivos da refrigeração

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA Contribuição técnica nº 7 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA Autores: Eduardo M. Batista, COPPE/ UFRJ - batista@coc.ufrj.br Elaine

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO LIGAÇÕES POR CONECTORES Edson Cabral de Oliveira TIPOS DE CONECTORES E DE LIGAÇÕES O conector é um meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas. Tipos de conectores:

Leia mais

ReefLED - PAR38 15W Lâmpadas PAR38 15W. Copyright 2012 ReefLED Todos os direitos reservados. Versão 1.3

ReefLED - PAR38 15W Lâmpadas PAR38 15W. Copyright 2012 ReefLED Todos os direitos reservados. Versão 1.3 Lâmpadas PAR38 15W 1 Índice Introdução... 3 Vantagens... 3 Caraterísticas... 4 Modelos:... 5 Especificações técnicas / dimensões... 8 Gráficos espetro... 8 Valores PAR (photosynthetically active radiation)...11

Leia mais

Aula 17 Ligações covalentes e metálicas

Aula 17 Ligações covalentes e metálicas Aula 17 Ligações covalentes e metálicas Em nossa aula passada falamos de ligações iônicas, aquelas que ocorrem entre átomos com grandes diferenças de eletronegatividade. Entretanto, essa não é a única

Leia mais

3 Fibras Nextel MR. Fibras cerâmicas para aplicações industriais em altas temperaturas

3 Fibras Nextel MR. Fibras cerâmicas para aplicações industriais em altas temperaturas 3 Fibras Nextel MR Fibras cerâmicas para aplicações industriais em altas temperaturas Propriedades Físicas 3M Nextel MR, tecidos, fibras e fitas são destinados a atender os requisitos para performance

Leia mais

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR /

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR / Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR 15270-1 / 15270-2 Página 1/1 Revisão: 01 Data: 05/05/2016 Código: FT - 076 FORNECEDOR: ENDEREÇO

Leia mais

Ensaio de compressão

Ensaio de compressão A UU L AL A Ensaio de compressão Podemos observar o esforço de compressão na construção mecânica, principalmente em estruturas e em equipamentos como suportes, bases de máquinas, barramentos etc. Às vezes,

Leia mais

2.1 Breve história da termodinâmica

2.1 Breve história da termodinâmica 2.1 Breve história da termodinâmica TERMODINÂMICA calor força, movimento No início, estudava os processos que permitiam converter calor em trabalho (força e movimento). 2.1 Breve história da termodinâmica

Leia mais

Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais

Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Materiais Elétricos - Teoria Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, setembro

Leia mais

ISEL CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA SEMESTRE Mar.07 a Jul.07. MECÂNICA DE MATERIAIS I 1.º Teste de Repetição ( ) Calcule:

ISEL CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA SEMESTRE Mar.07 a Jul.07. MECÂNICA DE MATERIAIS I 1.º Teste de Repetição ( ) Calcule: ISL CURSO NGNHRI MCÂNIC SMSTR Mar.07 a Jul.07 MCÂNIC MTRIIS I 1.º Teste de Repetição (0-07-07 P Problema 1 uas barras cilíndricas (ig.1, uma de aço com 0 mm de diâmetro e 00 GPa e outra de latão com 30

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM)

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) J-BOND Os painéis de Alumínio (ACM), são compostos de duas chapas de alumínio unidas por uma camada de polietileno de baixa densidade. São fabricadas em processo contínuo

Leia mais

Índice de refracção e propriedades ópticas. Química 12º Ano. Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial

Índice de refracção e propriedades ópticas. Química 12º Ano. Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial Índice de refracção e propriedades ópticas Química 12º Ano Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial Dezembro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng. Cerâmica

Leia mais

Redutores de pressão automotores Série 44 Tipo 44-1 B Válvula Redutora de Pressão Tipo 44-6 B Válvula de Descarga de Pressão

Redutores de pressão automotores Série 44 Tipo 44-1 B Válvula Redutora de Pressão Tipo 44-6 B Válvula de Descarga de Pressão Redutores de pressão automotores Série 44 Tipo 44-1 B Válvula Redutora de Pressão Tipo 44-6 B Válvula de Descarga de Pressão Aplicação Gamas de 0. a 0 bar em válvulas de dimensão G ½, G ¾ e G 1 e também

Leia mais

Conteúdo. Resistência dos Materiais. Prof. Peterson Jaeger. 3. Concentração de tensões de tração. APOSTILA Versão 2013

Conteúdo. Resistência dos Materiais. Prof. Peterson Jaeger. 3. Concentração de tensões de tração. APOSTILA Versão 2013 Resistência dos Materiais APOSTILA Versão 2013 Prof. Peterson Jaeger Conteúdo 1. Propriedades mecânicas dos materiais 2. Deformação 3. Concentração de tensões de tração 4. Torção 1 A resistência de um

Leia mais

Acessórios de colagem a UV. Referência Máquina para colar a UV Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca

Acessórios de colagem a UV. Referência Máquina para colar a UV Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca Referência 008 75 310 Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca Lâmpada recarregável Referência 008 75 319 Marca: Bohle 87 Referência 008 75 400 Entrada 230 V Potência 45W Cor da luz: Azul Comprimento

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TIPO DE AGREGADO E LIGANTE NO COMPORTAMENTO DAS MISTURAS BETUMINOSAS

INFLUÊNCIA DO TIPO DE AGREGADO E LIGANTE NO COMPORTAMENTO DAS MISTURAS BETUMINOSAS INFLUÊNCIA DO TIPO DE AGREGADO E LIGANTE NO COMPORTAMENTO DAS MISTURAS BETUMINOSAS JORGE PAIS PROFESSOR AUXILIAR, DEP. ENG. CIVIL DA UNIVERSIDADE DO MINHO PAULO FONSECA GERENTE DA RECIPAV ENGENHARIA E

Leia mais

ÍNDICE. Instruções de montagem Exemplos de corrimãos ligados

ÍNDICE. Instruções de montagem Exemplos de corrimãos ligados 2 ÍNDICE Instruções de montagem Exemplos de corrimãos ligados acessórios e abrasivos Acessórios espelhados Acessórios para cabo de aço Acessórios para chapa perfurada Acessórios para madeira Acessórios

Leia mais

Hahn KT-SV / KT-SN. Dobradiças universais para portas de PVC

Hahn KT-SV / KT-SN. Dobradiças universais para portas de PVC Hahn KT-SV / KT-SN Dobradiças universais para portas de PVC Classes de uso Capacidade de função contínua Medidas da porta de ensaio Resistência ao fogo Segurança Resistência à corrosão Anti-arrombamento

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT Painéis ISOJOINT WALL PUR Construção civil Os Painéis ISOJOINT WALL PUR são constituídos de núcleo de PUR (poliuretano) ou PIR (Poliisocianurato)

Leia mais

POSTE Está construído em aço galvanizado, para evitar deterioração por agentes atmosféricos e calculado para suportar cargas de vento. Tem uma altura

POSTE Está construído em aço galvanizado, para evitar deterioração por agentes atmosféricos e calculado para suportar cargas de vento. Tem uma altura Iluminação 03 A iluminação pública através de lâmpadas solares, tornou-se como uma das grandes aplicações da energia fotovoltaica. A ViV Energia e Ambiente dispõe de equipamentos desenhados especificamente

Leia mais

geometric justification

geometric justification Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 10 Ergonomic Validation geometric justification ) ) 25º 60º 280 mm 420 mm 280 mm 1 DIMENSIONAR O PAINEL SMAP...134 1.1 AS DIMENSÕES ANTROPOMÉTRICAS CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Recolha de Lixo KO

Recolha de Lixo KO Recolha de Lixo KO45011 Principais benefícios: Simplicidade e confiabilidade na operação e manutenção; Contentores abertos, removíveis e grande capacidade volumétrica; Possibilidade de recolha de todos

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4 TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4 LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA I 2009/2010 1. Objectivo Determinação do coeficiente de convecção natural e

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 Prof: Diego R. Alba 1. O macaco AB é usado para corrigir a viga defletida DE conforme a figura. Se a força compressiva

Leia mais

A - MATERIAIS DIELÉCTRICOS

A - MATERIAIS DIELÉCTRICOS PROPRIEDADES ELECTROMAGNÉTICAS DOS MATERIAIS 3ª Série A - MATERIAIS DIELÉCTRICOS IST, Maio 2006 Dieléctricos1 Materiais dieléctricos I OBJECTIVOS Este trabalho tem como objectivos: A introdução de métodos

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço Fernando G. Branco de Estruturas Prof. Aux. DEC/FCTUC Aula 15: Reforço por colagem de chapas de aço. Fernando G. Branco 1/56 Em que consiste:

Leia mais

Série 700 Produtos Híbridos 3M TM Selante Híbrido 730, Transparente 3M TM Selante Híbrido 755 3M TM Selante Híbrido 755 FC 3M TM Selante Híbrido 760

Série 700 Produtos Híbridos 3M TM Selante Híbrido 730, Transparente 3M TM Selante Híbrido 755 3M TM Selante Híbrido 755 FC 3M TM Selante Híbrido 760 3M TM Selante Híbrido 730, Transparente 3M TM Selante Híbrido 755 3M TM Selante Híbrido 755 FC 3M TM Selante Híbrido 760 Dados Técnicos Julho / 2012 Descrição do Produto Edição: 05 A Série 700 de Selantes

Leia mais

Placa Cimento-Madeira

Placa Cimento-Madeira Placa Cimento-Madeira INFORMAÇÃO GERAL: Painel de superfície lisa ou rugosa para diferentes aplicações. COMPOSIÇÃO: 75% Cimento 25% Madeira APRESENTADA COMO: B1 / A2 Bruto / Lixado Lisa / Bordo Maquinado

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS. Equipamentos Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS. Equipamentos Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS Equipamentos Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso, misto Fluido quente

Leia mais

FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA)

FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA) FUNDIÇÃO DE ALUMÍNIO POR GRAVIDADE (COQUILHA) Serviço indicado para fabricantes de máquinas e equipamentos, que utilizam peças; de pequenas dimensões (até 10kg) em alumínio fundidas em areia; shell moulding;

Leia mais

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo

Aula 3 Instrumentos de Pressão. Prof. Gerônimo Aula 3 Instrumentos de Pressão Prof. Gerônimo Instrumentos para medir Pressão As variáveis mais encontradas nas plantas de processos são: pressão, temperatura, vazão e nível. Estudando instrumentos de

Leia mais

Engenharia Automóvel

Engenharia Automóvel Aquisição e visualização de dados dos veículos em teste no banco de potência. Autores do Trabalho: Luís Cardiga Fernando Ferreira Orientador Eng. João Fonseca Pereira 7 de Janeiro de 24 Apresentação de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

Grupo I 1. Os rótulos seguintes dizem respeito a alguns produtos alimentares.

Grupo I 1. Os rótulos seguintes dizem respeito a alguns produtos alimentares. Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Física e Química A, 10º ano Ano lectivo 2007 / 2008 Correcção do teste de avaliação sumativa Nome: N.º aluno: Turma: Classificação : Professor: Grupo I 1. Os

Leia mais

GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS

GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS TEARES DUPLOS Amostra de sortimento outros modelos sob consulta GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS LÂMINAS ESPECIAIS PELÍCULA FIBRAS QUÍMICAS E

Leia mais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais Materiais Poliméricos Conceitos Gerais ESTRUTURA DOS POLIMEROS DEFINIÇÃO São moléculas muito grandes (macromoléculas) formadas pela repetição de pequenas e simples unidades químicas (monômeros), ligadas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON

UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS PARA REFORÇO ESTRUTURAL E ISOLAMENTO TÉRMICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL FEICON - 2014 VISTA AÉREA DA UNIDADE FABRIL DA TEXIGLASS VINHEDO SP 2 POR QUE UTILIZAR REFORÇOS DE FIBRA DE VIDRO

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Ligações Aparafusadas Primeira Parte Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Ligações em

Leia mais

Ensaio de Dureza. Propriedade utilizada na especificação de materiais

Ensaio de Dureza. Propriedade utilizada na especificação de materiais Ensaio de Dureza Propriedade utilizada na especificação de materiais Base de medida para: Resistência mecânica e ao desgaste Resistência ao corte em usinagem Tratamento térmico e tratamento mecânico Conceitos

Leia mais

Proposta para concurso de escultura

Proposta para concurso de escultura Proposta para concurso de escultura INTERFACES Classe: Mistura de materiais Autor: Filipe J.P. Chaves pág. 1 Índice Introdução 1 Aspectos construtivos 3 Custos 6 Atravancamentos gerais 9 Informação relativa

Leia mais