7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high"

Transcrição

1 Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 7 Technological Constraints est of tructural dhesives high connections resistance

2 1 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS COLAGEM COM ADESIVOS ESTRUTURAIS ESTUDO EXPERIMENTAL DADOS EXPERIMENTAIS

3 CONDICIONANTES TECNOLÓGICAS 1 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS Este trabalho pretende avaliar a influência do tipo de superfície num material no processo de colagem. O estudo é realizado sobre provetes de aço carbono ligados através de uma junta sobreposta sobre a qual é imposto um ensaio ao corte. As juntas são unidas através de colagem e comparadas com juntas soldadas por pontos. As superfícies terão quatro estados diferentes para cada ensaio: superfícies normais (limpas apenas com um pano); superfícies com álcool isopropílico, superfícies com óleo e superfícies com um tratamento abrasivo e álcool isopropílico em simultâneo. No final far-se-á uma comparação da resistência de cada ligação analisando o valor da força máxima suportada pela junta. Os testes serão efectuados para quatro colas diferentes de modo a avaliar também o comportamento de cada uma. 1.1 COLAGEM COM ADESIVOS ESTRUTURAIS.82. A colagem estrutural consiste em efectuar a ligação de componentes através do uso de adesivos. Os adesivos são substâncias de natureza polimérica possuindo características visco-elásticas, utilizados para unir dois materiais sólidos ao longo das respectivas superfícies. Um adesivo pode englobar dois ou mais constituintes que são misturados, antes da aplicação sobre a superfície a unir. Na altura da aplicação o adesivo deve molhar bem a superfície. O ângulo de contacto para um dado adesivo é em regra tanto menor quanto maior for a energia de superfície do sólido: é por esta razão que os metais e cerâmicos são relativamente mais fáceis de colar que os plásticos e outros poliméricos. Após a sua aplicação o adesivo sofre um processo de cura (tempo necessário até se transformar em sólido). A cura pode ocorrer por vários processos sendo as principais variáveis a temperatura, a pressão e tempo de operação. Um adesivo típico tem a capacidade de unir materiais iguais ou diferentes sem alteração da sua composição química, sendo os requisitos básicos de um adesivo: Fluidez no estado inicial Boa molhagem das superfície a unir Capacidade de formar, por cura um sólido ou um gel de alta viscosidade, resistente e estável numa gama útil de temperaturas A natureza e estado das superfícies a colar condicionam fortemente a eficiência da união adesiva. Os tratamentos da superfície incluem desengorduramento, abrasão e ataque químico ou electro-químico.

4 Parâmetros que influenciam as características da ligação por adesivos: Comprimento da zona de sobreposição Largura da junta Espessura do adesivo Fig 43 - Juntas sobrepostas coladas.83. O comprimento da zona de sobreposição tem influência para gamas pequenas em que a resistência ao corte varia substancialmente com este valor. A partir de determinado comprimento a variação é ínfima e a influência pode considerar-se desprezável. Deste modo determina-se que é necessário um comprimento mínimo para assegurar uma boa ligação, mas o seu aumento posterior é desnecessário, como mostra a figura seguinte. Fig 44 - Influência do comprimento da zona de sobreposição A largura da junta é directamente proporcional à resistência ao corte A espessura ideal de um adesivo depende do seu tipo e pode variar com o tipo de carregamento a que o provete é sujeito. A figura seguinte mostra a influência da espessura do adesivo na resistência da ligação.

5 Fig 45 - Influência da espessura do adesivo Vantagens dos adesivos.84. Capacidade de ligar vários tipos de materiais Distribuição mais uniforme das tensões em toda a área de ligação Excelente comportamento à fadiga Capacidade de ligar materiais sensíveis ao calor (ligações a frio) Capacidade de isolamento e vedação (redução da corrosão) Capacidade de amortecimento de vibrações e atenuamento acústico Redução de peso face às ligações por rebites, parafusos e outras Redução de custos Desvantagens dos adesivos Elevada influência das características da junta Necessidade de juntas especiais para a união Temperatura de funcionamento (normalmente até 200ºC) Eventual necessidade de sistemas auxiliares para efectuar a cura

6 2 ESTUDO EXPERIMENTAL Com o intuito de avaliar a influência do tipo de superfície no processo de Colagem serão realizados testes sobre provetes na forma de chapa metálica, os quais serão colados com quatro tipos de adesivos e quatro tipos de tratamento de superfície. Às chapas coladas serão realizados ensaios ao corte sobre uma junta sobreposta. Provetes Chapa metálica com as seguintes características: Material: Aço ao Carbono St 37 Dimensões: Largura 25mm; Espessura 1,5mm.85. Fig 46 Provete em aço carbono ST37 Ensaios: ao corte Fig 47 Máquina de tracção

7 Tipos de superfície: Normal ambas as superfícies a colar limpas com um simples pano Com Óleo Ambas as superfícies com óleo Com Álcool Isopropílico ambas as superfícies limpas com álcool Com tratamento abrasivo ambas as superfícies são lixadas com uma lima e depois limpas com álcool isopropílico Fig 48 Material de ensaio.86. Para cada caso diferente foram usados quatro provetes dos quais três serviram para ensaio e um para amostra. O ensaio ao corte consiste apenas na aplicação de uma força de corte através da máquina acima representada e a recolha de dados limitou-se ao registo da força máxima suportada por cada junta sobreposta ensaiada. Tipo de colas usadas: 3M DP 190 Adesivo estrutural epóxido, constituído por duas partes. Apresenta elevada resistência ao arrancamento, impacto, resistência às vibrações, elevada fluidez e elevada resistência à humidade e a reagentes químicos. Working time 90m. Cure time 7 dias 3M DP 490 Semelhante ao adesivo anterior mas com working time maior, cerca de 3h 3M DP 810 Semelhante aos adesivos anteriores mas com um working extremamente reduzido, cerca de 8 minutos, tempo de cura 24 horas Plexus EP 250 Adesivo líquido, epóxido e constituído por dois componentes. Working time 65m, cure time 5h.

8 3 DADOS EXPERIMENTAIS Os valores registados durante os ensaios encontram-se nos anexos I e II, em seguida mostra-se um quadro resumo com o valor médio dos ensaios efectuados. 3M 190 3M 490 3M 810 Plexus 250 [MPa] [MPa] [MPa] [MPa] Soldado Col. Normal Col. Álcool Col. Óleo Col. Abrasivo Soldado Sc. Normal Sc. Álcool Sc. Óleo Sc. Abrasivo Tabela 7 - Valores médios registados nos ensaios ao corte MPa Influência da Superfície na Colagem M 190 [MPa] 3M 490 [MPa] 3M 810 [MPa] Plexus 250 [MPa] Soldado Col. Normal Col. Álcool Col. Óleo Col. Abrasivo Fig 49 Influência da superfície na colagem Como se pode verificar a influência do tipo de superfície na resistência da junta colada é significativo, verificando-se para todas as colas que as juntas com óleo apresentam valores de resistência muito baixos (tensão máxima suportada, cerca de 5 MPa em média). As superfícies com tratamento abrasivo (através de um lima e limpas com álcool isopropílico) foram as que apresentaram melhores resultados (o valor mais alto foi de 19,1 MPa) e em seguida as juntas limpas com álcool (valor mais alto foi de 14 MPa).

9 De referir que a cola que obteve melhores resultados foi a 3MDP190 mas a cola 3MDP810 tem resultados muito semelhantes com a vantagem de ter um workingtime muitíssimo inferior (cerca de 8 minutos) o que a torna muito competitiva para uso em linhas de montagem, pois não requer grandes tempos de espera, mesmo sabendo que o tempo de cura total é de 24 horas. Pelos resultados obtidos, decidimos escolher a 3MDP810 para aplicar no projecto SMAP e verificar se é compatível com os esforços existentes..88.

10 ANEXO - DADOS DOS ENSAIOS COM MÉDIAS EFECTUADAS E VALORES EM KN Colado - 3M 190 Soldocolado - 3M 190 Normal Álcool Óleo Abrasiva Normal Álcool Óleo Abrasiva Média [kn] Colado - 3M 490 Soldocolado - 3M 490 Normal Álcool Óleo Abrasiva Normal Álcool Óleo Abrasiva Média [kn] Colado - 3M 810 Soldocolado - 3M 810 Normal Álcool Óleo Abrasiva Normal Álcool Óleo Abrasiva Média [kn] Colado - Plexus 250 Soldocolado - Plexus 250 Normal Álcool Óleo Abrasiva Normal Álcool Óleo Abrasiva Média [kn] Soldado Média 19.8 [kn]

10/25/10. Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira

10/25/10. Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira Artur Luís Daniel Viera da Silva Inês Rocha Rodrigo Tavares Rui Moreira 1 O que são adesivos estruturais Vantagens de desvantagens do uso de adesivos estruturais Tipos de adesivos estruturais Requerimentos

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL DE SISTEMAS ADESIVOS VIDRO-AÇO

ESTUDO EXPERIMENTAL DE SISTEMAS ADESIVOS VIDRO-AÇO ESTUDO EXPERIMENTAL DE SISTEMAS ADESIVOS VIDRO-AÇO Raquel Pardal a, Paulo J. S. Cruz b e Isabel B. Valente c a,b ISISE, Escola de Arquitectura, Universidade do Minho c ISISE, Departamento de Engenharia

Leia mais

Tema: Adesivos estruturais em automóveis. Problema: Que adesivos se utilizam em automóveis e qual a sua função?

Tema: Adesivos estruturais em automóveis. Problema: Que adesivos se utilizam em automóveis e qual a sua função? Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica, Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais, Licenciatura em Ciências de Engenharia Engenharia de Minas e Geo-Ambiente Tema: Adesivos estruturais

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Calibração e utilização de um sensor de temperatura Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

Scotch-Weld MR DP-810 / DP810NS Adesivo Acrílico de Baixo Odor

Scotch-Weld MR DP-810 / DP810NS Adesivo Acrílico de Baixo Odor MR / DP810NS Adesivo Acrílico de Baixo Odor Dados Técnicos Agosto/2008 Em substituição a versão de Agosto de 1998 Descrição do Produto Os Adesivos Acrílicos de Baixo Odor 3M MR MR e NS possuem dois componentes

Leia mais

Boletim Técnico Outubro, 2011

Boletim Técnico Outubro, 2011 Extreme Sealing Tape Boletim Técnico Outubro, 2011 Descrição do Produto 3M Extreme Sealing Tape é uma fita simples face com adesivo sensível à pressão desenvolvida para aplicações de difícil vedação. O

Leia mais

Elementos de máquina. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Diego Rafael Alba E Diego Rafael Alba Rebites Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. A solda é um bom meio de fixação, mas, por causa do calor, ela

Leia mais

Depois do corte os varões tem de ser dobrados para terem a forma pretendida e constituir as armaduras elementares

Depois do corte os varões tem de ser dobrados para terem a forma pretendida e constituir as armaduras elementares ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada. Orientador: João Ramôa Correia

Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada. Orientador: João Ramôa Correia Título: Comportamento mecânico de materiais compósitos FRP a temperatura elevada Os materiais compósitos de polímero reforçado com fibras (FRP) apresentam diversas vantagens face aos materiais tradicionais

Leia mais

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Dados Técnicos Agosto/99 Descrição do Produto TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Produto extrusivo, com rápido tempo de cura inicial, utilizado para colagem de madeira. Produto extrusivo com rápido tempo de cura

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

Soldagem por ultra-som

Soldagem por ultra-som Soldagem por ultra-som Genealogia Princípio - Esforços Aplicações De Plásticos: freqüências entre 20 e 70 khz; os materiais têm que ter pontos de fusão equivalentes. vibrações mecânicas introduzidas verticalmente;

Leia mais

TELHAS DE POLICARBONATO

TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO As Telhas de Policarbonato BOLD proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro), favorecendo maior aproveitamento da luz natural, reduzindo

Leia mais

Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica

Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica Engineered Polymers Soluções em Adesão Estrutural, Fixação e Vedação para Indústria Náutica Polymers Sealants Polymers Adhesives PP&F Asia Polymers South America Aperfeiçoando a produção de barcos com

Leia mais

AULA 4 Materiais de Construção II

AULA 4 Materiais de Construção II AULA 4 Materiais de Construção II Introdução Para a construção, as propriedades que interessam considerar aos metais são várias, concretamente, a aparência, densidade, dilatação e condutibilidade térmica,

Leia mais

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento.

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

Sistemas de Aquecimento Solar COLETORES SOLARES

Sistemas de Aquecimento Solar COLETORES SOLARES Sistemas de Aquecimento Solar Sumário Tipos de coletores Sistemas de aquecimento solar com coletor solar de placa plana Qualidade e Normas Projeto e Dimensionamento Coletor reservatório Placa plana sem

Leia mais

Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 8 Structural Validation. Structural Analys

Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 8 Structural Validation. Structural Analys Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 8 Structural Validation Structural Analys 1 OBJECTIVOS... 91 2 MODULAÇÃO GEOMÉTRICA DO PAINEL SMAP... 93 3 PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS CONSTITUINTES DO MODELO...

Leia mais

BACKING CERÂMICO. Conheça as vantagens de utilização deste produto. soldor.com.br

BACKING CERÂMICO. Conheça as vantagens de utilização deste produto. soldor.com.br BACKING CERÂMICO Conheça as vantagens de utilização deste produto. soldor.com.br 21 2450 1121 2450 2544 comercial@soldor.com.br Rua Ibiá, 305 Turiaçú Rio de Janeiro RJ CEP 21540-070 O backing cerâmico

Leia mais

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO Inês Flores-Colen (I.S.T) Jorge de Brito (I.S.T) Fernando A. Branco (I.S.T.) Introdução Índice e objectivo Ensaio de arrancamento pull-off Estudo

Leia mais

José Luís Miranda Dias. Investigador Auxiliar do LNEC-DED/NTC. 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005

José Luís Miranda Dias. Investigador Auxiliar do LNEC-DED/NTC. 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005 1º Congresso Nacional de Argamassas de Construção 24/25 Nov. 2005 Avaliação das deformações da zona em redor de juntas de argamassa de paredes de alvenaria sujeitas a fendilhação devida a acções de compressão

Leia mais

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Fundamentos do processo É um processo de soldagem no estado sólido, que produz uma solda pelo impacto em alta velocidade das peças como resultado de uma detonação (explosão) controlada.

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Aula 2 - Tensão/Tensão Normal e de Cisalhamento Média; Tensões Admissíveis. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a.

Leia mais

MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL

MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL MONTAGE MONTAGE MONTAGE AGARRE IMEDIATO TRANSPARENTE PROFISSIONAL MONTAGE AGARRE IMEDIATO FIXE CARGAS PESADAS NO INTERIOR OU EXTERIOR INTERIOR E EXTERIOR REFORÇADO COM FIBRAS MATERIAIS POROSOS EXTERIOR

Leia mais

Grupo I Caso Prático (9.0 valores)

Grupo I Caso Prático (9.0 valores) 2º Teste 12 de Dezembro de 2007 Complementos de Tecnologia Mecânica Mestrado em Engenharia Mecânica Professor Pedro Vilaça 1º Semestre do ano lectivo 2007/2008 Duração: 1h30 Grupo I Caso Prático (9.0 valores)

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Agosto de 2007 Nº de identificação: 5.36 Versão nº 4 Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações As peças são elementos

Leia mais

helicoidais. Nesta aula vamos continuar nosso estudo sobre as molas.veremos

helicoidais. Nesta aula vamos continuar nosso estudo sobre as molas.veremos A UU L AL A Molas ll Na aula passada você conheceu as molas helicoidais. Nesta aula vamos continuar nosso estudo sobre as molas.veremos o que são molas planas. Introdução Molas planas As molas planas são

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS AO AR

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS AO AR Método de Ensaio Folha : 1 de 10 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Execução do ensaio 7_ Resultados 8_ Anexos A, B, C, D, E e F. 1_ OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 2 1. INTRODUÇÃO Algumas das

Leia mais

BASE QUÍMICA EPOXI E POLIURETANO,

BASE QUÍMICA EPOXI E POLIURETANO, ADESIVOS E SELANTES BASE QUÍMICA NOSSOS ADESIVOS E SELANTES SÃO FORMULADOS A PARTIR DAS BASES QUÍMICAS EPOXI E POLIURETANO, DEVIDO SUAS EXCELENTES PROPRIEDADES MECÂNICAS E QUÍMICAS. ADESIVO EPOXI RETAPOX

Leia mais

K-FLEX K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FLEX 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM K-FLEX SOLAR R Acoplamento rápido à compressão Sistema completo para instalações de painéis solares térmicos Fácil e rápido

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 Prof: Diego R. Alba 1. Duas chapas de aço 1018 laminado à frio de 1 por 4 são unidas por meio de sobreposição de duas chapas

Leia mais

Movimento Pendular regulável

Movimento Pendular regulável A SERRA DE RECORTES A serra de Recortes (ou Tico-tico) serve para fazer cortes em curva ou rectilíneos numa variedade de materiais: painéis de madeira, tubos de cobre, perfis de alumínio, placas de fibrocimento,

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

Melhoria da Aderência de Revestimentos Contínuos de Gesso a Camadas Contínuas Impermeáveis ao Vapor

Melhoria da Aderência de Revestimentos Contínuos de Gesso a Camadas Contínuas Impermeáveis ao Vapor 1 INTRODUÇÃO O trabalho experimental que tem por base a comunicação que se apresenta foi desenvolvido no âmbito da Tese de Doutoramento que está a ser realizada na Escuela Técnica Superior de Arquitectura

Leia mais

ARMACELL ACESSÓRIOS 2

ARMACELL ACESSÓRIOS 2 ARMACELL ACESSÓRIOS 2 ACESSÓRIOS 164 Os melhores acessórios para uma boa instalação Armaflex Gama completa de ferramentas e acessórios profissionais. Ampla gama de adesivos compatíveis com os diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS PARTE A ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 2 1. INTRODUÇÃO Algumas

Leia mais

Ensaio de cisalhamento

Ensaio de cisalhamento A U A UL LA Ensaio de cisalhamento Introdução Pode ser que você não tenha se dado conta, mas já praticou o cisalhamento muitas vezes em sua vida. Afinal, ao cortar um tecido, ao fatiar um pedaço de queijo

Leia mais

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens

Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo por pontos, por costura, por projeção, de topo, Aplicações, Vantagens e Desvantagens Professor: Anderson Luís Garcia Correia

Leia mais

A configuração helicoidal, que se pode observar na figura seguinte, é bastante usada em termómetro com este tipo de funcionamento.

A configuração helicoidal, que se pode observar na figura seguinte, é bastante usada em termómetro com este tipo de funcionamento. Os termómetros bimetálicos pertencem ao conjunto de sensores ou elementos primários, instrumentos que estão em contacto com as unidades processuais e que integram um anel de controlo. São constituídos

Leia mais

Disciplina de Estruturas Metálicas

Disciplina de Estruturas Metálicas DECivil Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Disciplina de Estruturas Metálicas Aulas de Problemas Prof. Francisco Virtuoso Prof. Eduardo Pereira 2009/2010 Capítulo 7 Ligações em estruturas

Leia mais

MECÂNICA APLICADA II

MECÂNICA APLICADA II Escola Superior de Tecnologia e Gestão MECÂNICA APLICADA II Engenharia Civil 2º ANO EXERCICIOS PRÁTICOS Ano lectivo 2004/2005 MECÂNICA APLICADA II I - Teoria do estado de tensão I.1 - Uma barra, com a

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

.Permite utilização de perfis de

.Permite utilização de perfis de CAIXINOVA SG 350 CAIXA A CAIXINOVA SG é uma caixa pré-fabricada em poliestireno expandido de alta densidade. A base da caixa possui, na parede exterior um perfil de alumínio para suporte do reboco, e um

Leia mais

Factores Influentes na Corrosão e Protecção de Metais. Química 12º Ano

Factores Influentes na Corrosão e Protecção de Metais. Química 12º Ano Factores Influentes na Corrosão e Protecção de Metais Química 12º Ano Unidade 1 Metais e ligas metálicas Actividades de Projecto Laboratorial Outubro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng. Cerâmica

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO PARA ALVENARIA CARACTERÍSTICAS E ENSAIOS DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006 1 OBJECTIVOS A presente

Leia mais

Scotch-Weld MR DP-105 Adesivo Estrutural

Scotch-Weld MR DP-105 Adesivo Estrutural Scotch-Weld MR DP-105 Adesivo Estrutural Dados Técnicos Agosto/99 Descrição do Produto O produto é um adesivo epoxi bi-componente com uma proporção de mistura de 1:1 em volume. Sua flexibilidade, quando

Leia mais

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO IMEDIATA E APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS EM ESTUFA

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO IMEDIATA E APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS EM ESTUFA Método de Ensaio Folha : 1 de 11 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Execução do ensaio 7_ Resultados 8_ Anexos A, B, C, D, E e F 1_ OBJETIVO

Leia mais

Bumpon Produtos Moldados

Bumpon Produtos Moldados Dados Técnicos Descrição do Produto Os 3M são produtos de poliuretano com adesivo sensível a pressão em seu costado que podem ser usados como batentes, amortecedores, pés, espaçadores e protetores em várias

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA 1 Por que usar antirrespingo? A remoção de respingos de solda que aderem as superfícies de metal exige a utilização de soluções abrasivas,

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento

Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento Avaliação do Retorno Elástico em Chapas de Aço Bifásicos através do Processo de Dobramento Martins, M. S.¹ Schaeffer, L.² ¹ Engenheiro Mecânico, Mestrando no Programa de Pós-graduação de Minas, Metalurgia

Leia mais

PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem

PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem Os ensaios de fabricação avaliam características intrínsecas do material em produção. Geralmente processos de conformação mecânica de materiais metálicos exigem o conhecimento

Leia mais

Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas

Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas Ficha de Produto Edição de Agosto de 2007 Nº de identificação: 5.43 Versão nº 4 SikaTack -Panel Sistema de colagem elástica para painéis em fachadas Descrição do sistema SikaTack -Panel é um sistema de

Leia mais

NOSSO GRUPO. ITW Performance Polymers and Fluids é uma unidade de negócios que atua com adesivos, selantes, lubrificantes, epóxis e outros.

NOSSO GRUPO. ITW Performance Polymers and Fluids é uma unidade de negócios que atua com adesivos, selantes, lubrificantes, epóxis e outros. NOSSO GRUPO é uma companhia Multinacional Americana que opera 905 negócios localizados em 52 países, 65.000 funcionários, sendo dividida em unidades de negócio que atuam em mercados e segmentos diversos.

Leia mais

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações.

Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Caleira Caleiras em PVC para o encaminhamento de águas nas habitações. Especificações técnicas do produto Caleiras 102 E 150 Condução de águas pluviais Tubo em PVC rígido Cor: cinza (existe ainda a possibilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO ENSAIOS DO BETÃO NAS ESTRUTURAS DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE ESCLEROMÉTRICO (Ensaio não destrutivo) DOCENTE:

Leia mais

Ensaio de compressão

Ensaio de compressão A UU L AL A Ensaio de compressão Podemos observar o esforço de compressão na construção mecânica, principalmente em estruturas e em equipamentos como suportes, bases de máquinas, barramentos etc. Às vezes,

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

Funcionamentos Sonda lambda

Funcionamentos Sonda lambda Linea 1.4 16v Turbo Funcionamnetos 10-020 - SONDA LAMBDA Características De tipo "planar", estão montadas a montante e a jusante do catalisador e informam a centralina de injeção sobre o andamento da combustão

Leia mais

COMPOUND ADESIVO GEL

COMPOUND ADESIVO GEL Produto COMPOUND ADESIVO GEL é um adesivo estrutural de base epóxi que apresenta altíssimas resistências em baixas idades, alta fluidez, possibilitando a aplicação até mesmo em locais de difícil acesso.

Leia mais

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

AULA 5. Materiais de Construção II. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado AULA 5 Materiais de Construção II II Aços para Construção Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado; Estruturas de Aço;. 1 Características de armaduras para Betão Armado e Pré-esforçado

Leia mais

Capítulo 6. Conclusões e Desenvolvimentos Futuros Introdução Sumário e conclusões

Capítulo 6. Conclusões e Desenvolvimentos Futuros Introdução Sumário e conclusões Capítulo 6 Conclusões e Desenvolvimentos Futuros 6.1- Introdução... 6.2 6.2- Sumário e conclusões... 6.2 6.3- Perspectivas de desenvolvimentos futuros... 6.4 Capítulo 6 - Conclusões e Desenvolvimentos

Leia mais

Física dos Materiais FMT0502 ( )

Física dos Materiais FMT0502 ( ) Física dos Materiais FMT0502 (4300502) 1º Semestre de 2010 Instituto de Física Universidade de São Paulo Professor: Antonio Dominguesdos Santos E-mail: adsantos@if.usp.br Fone: 3091.6886 http://plato.if.usp.br/~fmt0502n/

Leia mais

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN DOUBLE DIP O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN A OBO Bettermann inclui na sua ampla gama de produtos uma grande variedade de soluções em calha caminho de

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração

PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS III Propriedades de tração Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Regime plástico Propriedades

Leia mais

COMPOUND ADESIVO. -colagem de concreto, ferro, madeira, azulejo, cerâmica, pedra, fibrocimento, vidro e plásticos; -reparos em concreto;

COMPOUND ADESIVO. -colagem de concreto, ferro, madeira, azulejo, cerâmica, pedra, fibrocimento, vidro e plásticos; -reparos em concreto; Produto COMPOUND ADESIVO é um adesivo estrutural de base epóxi que apresenta altas resistências em baixas idades, média fluidez, possibilitando grande facilidade para manuseio. Proporciona alto rendimento

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Introdução Tensões e Deformações Ensaio

Leia mais

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS I METAL E MADEIRA SEJA BRILHANTE! COM O NOSSO NOVO FLUIDO DE SILICONE INTERMEDIÁRIO

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS I METAL E MADEIRA SEJA BRILHANTE! COM O NOSSO NOVO FLUIDO DE SILICONE INTERMEDIÁRIO CREATING TOMORROW S SOLUTIONS REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS I METAL E MADEIRA SEJA BRILHANTE! COM O NOSSO NOVO FLUIDO DE SILICONE INTERMEDIÁRIO SILRES IC 368 O SEGREDO DOS REVESTIMENTOS BRILHANTES SILRES IC

Leia mais

VENTOSAS PLANAS Ø 30 a 95 mm

VENTOSAS PLANAS Ø 30 a 95 mm VENTOSAS PLANAS Ø 30 a 95 mm As ventosas planas de ligação em linha permitem a preensão por vácuo para a maior parte das aplicações correntes de manipulação. Zona de temperatura ambiente: 0 C a +50 C FIXAÇÕES

Leia mais

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD

FICHA TÉCNICA Nº5. AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) AN STANDARD FICHA TÉCNICA Nº5 AGLOMERADO NEGRO ( ou AGLOMERADO PURO EXPANDIDO) Referências: AN STANDARD Para Isolamento Térmico Regranulados Calibre 2 / 9 e 4,5 / 15 mm Nota: Por encomenda, fabricam-se ainda outros

Leia mais

FICHA TÉCNICA UNIFIX MS ESPELHO

FICHA TÉCNICA UNIFIX MS ESPELHO F.I.S.P.Q. N 13 - Página 1/5 MERCOTRADE IMP. E EXP. LTDA Matriz: Av. Panamericana, 641 91050-001 Porto Alegre - RS Fone: 51-3208.5000 Fax: 51-3208.5050 Fax:11-3796.6116 CNPJ: 94.583.788/0001-50 Informação

Leia mais

RESOLUÇÃO. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior Técnico. Ciência de Materiais 1º Teste (21.Abril.2012)

RESOLUÇÃO. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior Técnico. Ciência de Materiais 1º Teste (21.Abril.2012) Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Ciência de Materiais 1º Teste (21.Abril.2012) RESOLUÇÃO Pergunta Cotação 1. (a) 0,50 1. (b) 0,50 1. (c) 0,50 1. (d) 0,50 1. (e) 0,50 1. (f) 0,50

Leia mais

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias);

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias); Ensaio de Fluência Adaptado do material do prof. Rodrigo R. Porcaro. Fluência é a deformação plástica que ocorre num material, sob tensão constante ou quase constante, em função do tempo ; A temperatura

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I A - Tensão Normal Média 1. Ex. 1.40. O bloco de concreto tem as dimensões mostradas na figura. Se o material falhar quando a tensão normal média atingir 0,840

Leia mais

0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7. tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm)

0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7. tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm) * esp. peso. espessura nominal 80 100 120 150 180 200 0,5 kg/m² 11,2 12,0 12,8 14,0 15,2 16,4 0,6 kg/m² 12,9 13,7 14,5 15,7 16,9 17,7 tolerâncias dimensionais ( de acordo com EN 14509) desvios (mm) comprimento

Leia mais

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial Materiais / Materiais I Guia para Trabalho Laboratorial ENSAIO DE DUREZA 1. Introdução A dureza de um material é uma propriedade mecânica que mede a resistência à deformação plástica (permanente). A dureza

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO LIGAÇÕES POR CONECTORES Edson Cabral de Oliveira TIPOS DE CONECTORES E DE LIGAÇÕES O conector é um meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas. Tipos de conectores:

Leia mais

Dureza Vickers. Vários pesquisadores tentaram encontrar uma solução para superar essas dificuldades.

Dureza Vickers. Vários pesquisadores tentaram encontrar uma solução para superar essas dificuldades. A UU L AL A Dureza Vickers Na aula anterior, você ficou sabendo que o ensaio de dureza Rockwell representou um avanço em relação ao ensaio Brinell, já que possibilitou avaliar a dureza de vários metais,

Leia mais

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC)

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC) As termoresistências, ou termómetros de resistência, são sensores de alta precisão e excelente repetibilidade de leitura. O seu funcionamento baseia-se na variação da resistência eléctrica de modo proporcional

Leia mais

Superfícies Crivantes TALLERES NÚÑEZ

Superfícies Crivantes TALLERES NÚÑEZ hapa Perfurada Superfícies rivantes 8 8. hapa Perfurada 8.1. Aço ao arbono Aço Inoxidável Aço Anti desgaste 8.2. Tipos de perfuração TALLERES NÚÑEZ 89 90 TALLERES NÚÑEZ 8 hapas Perfuradas Pela sua resistência

Leia mais

Unidade Curricular: Física Aplicada

Unidade Curricular: Física Aplicada Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas Unidade Curricular: Física Aplicada Aulas Laboratoriais Trabalho laboratorial nº. 3 (1ª. parte) Viscosidade de Líquidos DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE VISCOSIDADE

Leia mais

2.1 Breve história da termodinâmica

2.1 Breve história da termodinâmica 2.1 Breve história da termodinâmica TERMODINÂMICA calor força, movimento No início, estudava os processos que permitiam converter calor em trabalho (força e movimento). 2.1 Breve história da termodinâmica

Leia mais

FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS

FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS DETERMINAÇÃO DA ABUNDÂNCIA NATURAL DO 40 K O potássio natural é fracamente radioactivo, contendo uma parte em 10 4 de 40 K, um isótopo de potássio emissor de electrões. Conhecendo

Leia mais

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing MIG BRAZING O processo MIG BRAZING é um processo de SOLDABRASAGEM porque ocorre a fusão parcial do metal de base e a capilaridade é mínima. Soldagem Fusão do MA e MB; Soldabrasagem Fusão do MA e parcial

Leia mais

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS Prof. Dr. Vicente A. Ventrella UNESP Campus de Ilha Solteira C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS 1. Introdução 2. Terminologia de Soldagem 3. Simbologia de

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Aula: Materiais e Vida da Ferramenta

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Aula: Materiais e Vida da Ferramenta SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Aula: Materiais e Vida da Ferramenta Materiais para Ferramenta Propriedades desejadas: Dureza a Quente Resistência ao desgaste Tenacidade Estabilidade química Evolução

Leia mais

Projecto FEUP. Tema: Adesivos em engenhos mecânicos. Problema: Que adesivos se utilizam em automóveis e qual a sua função?

Projecto FEUP. Tema: Adesivos em engenhos mecânicos. Problema: Que adesivos se utilizam em automóveis e qual a sua função? Projecto FEUP Tema: Adesivos em engenhos mecânicos Problema: Que adesivos se utilizam em automóveis e qual a sua função? 1 João Silva, Ricardo Pacheco, Ricardo Rego, Steven de Oliveira, Tiago Ferreira,

Leia mais

WWW.PAINEISTERMOISOLANTES.COM.BR Novas tecnologias para isolamento térmico na construção civil: PIR e PUR Rodnei Massamiti Abe Gerente Técnico em Eficiência Energética Dow Brasil Painéis Termoisolantes

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Introdução: Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. Os rebites

Leia mais

AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS

AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS ! AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS 1) - M A S S A E S P E C Í F I C A ( ρ ) OU DENSIDADE ABSOLUTA (ρ ). - É o quociente entre a Massa do fluido e o Volume que contém essa massa. m ρ

Leia mais

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 43 Para a realização dos experimentos, foram realizadas as etapas de definição e preparação das amostras da matéria prima com a variação das propriedades mecânicas (dureza do material),

Leia mais

3 PROGRAMA EXPERIMENTAL

3 PROGRAMA EXPERIMENTAL 3 PROGRAMA EXPERIMENTAL 3.1.Características dos modelos ensaiados 3.1.1.Parâmetros e variáveis A Figura 3.1 apresenta as características geométricas dos espécimes. Figura 3.1 Características geométricas

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

Acessórios de colagem a UV. Referência Máquina para colar a UV Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca

Acessórios de colagem a UV. Referência Máquina para colar a UV Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca Referência 008 75 310 Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca Lâmpada recarregável Referência 008 75 319 Marca: Bohle 87 Referência 008 75 400 Entrada 230 V Potência 45W Cor da luz: Azul Comprimento

Leia mais