ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES 2007

2 PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO 2007 INTRODUÇÃO No cumprimento das disposições estatutárias, a Direcção da Associação dos Bombeiros Voluntários de Mangualde, vem submeter à consideração e aprovação da Assembleia-geral, o Plano de Actividades para As Associações de Bombeiros são identificadas como principais agentes da protecção civil, por via do fim para que foram criadas manutenção de um Corpo de Bombeiros e, através deste, prestar socorro a pessoas e bens. Neste sentido, como vem sendo hábito, a maior fatia das nossas energias continuará a ser direccionada para as questões operacionais. Privilegiando esta vertente de forma activa e decidida, dedicamos-lhe a melhor atenção, desenvolvendo esforços contínuos no sentido de conseguirmos melhores condições de funcionamento, mais reforços de meios, apoiando incondicionalmente a formação e procurando congregar sinergias entre Direcção, Comando e Corpo Activo. Sentimos e sabemos que estamos no caminho certo e, assim, tudo faremos para continuar a lutar com empenho e dedicação pelos interesses e objectivos da nossa Instituição. No entanto, de outra forma, a nossa Associação é também um espaço de cultura, desporto, centro de orientação de jovens, etc. Nesta linha de actuação, temos procurado manter e desenvolver estas vertentes, pelo que, também neste plano de actividades merecem ser contempladas. Uma referência particularmente significativa, que vai com certeza ser um marco importantíssimo na história dos Bombeiros Voluntários de Mangualde, é a inauguração do Novo Quartel prevista neste documento. Contamos que este acontecimento seja um motivo de grande orgulho e satisfação para todos nós, e contribua de forma única para desenvolvermos e intensificarmos o espírito de serviço de forma solidária e altruísta, consolidando da mesma forma os valores do associativismo e do voluntariado. A Direcção

3 PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO 2007 PROGRAMA I ACTIVIDADES PRIMORDIAIS PROJECTO 1. Actividades Principais A defesa de pessoas e bens Socorro a acidentados e transporte de doentes Extinção de incêndios urbanos, industriais, florestais e outros Reforço e cooperação com a Protecção Civil Municipal. PROJECTO 2. Formação Patrocinar cursos das várias vertentes operacionais que permitam mais valorização e conhecimentos ao Corpo Activo Promover a formação de novas escolas de bombeiros Formação para concursos a bombeiros. PROJECTO 3. Juvebombeiro Patrocinar e apoiar as actividades da JUVEBOMBEIRO a nível interno e ao nível da Federação de Bombeiros do Distrito de Viseu Acção de sensibilização para a protecção e segurança junto da comunidade escolar Candidatura à organização das IV Jornadas Distritais de Emergência, promovidas pelo Núcleo Distrital da JUVEBOMBEIRO.

4 PROJECTO 4. Meios Materiais Aquisição de uma ABTD Aquisição de diverso material de combate a incêndios e assistência a sinistrados Aquisição de meios de comunicação individuais e colectivos, incluindo um sistema de link a instalar no Monte da Senhora do Castelo Aquisição de máquinas e ferramentas indispensáveis à actividade da oficina Aquisição de equipamento de detecção de gás Aquisição de rebarbadora (equipamento de desencarceramento) Aquisição de tesoura multi-usos (equipamento de desencarceramento) Desenvolver esforços para aquisição de uma Escada Magirus. PROJECTO 5. Fardamentos e Equipamento Aquisição de equipamento de protecção individual Aquisição de fatos de aproximação Aquisição de fatos de protecção química Aquisição de fardamentos para a Fanfarra. PROJECTO 6. Complexo Novo Quartel Conclusão das obras de construção do Novo Quartel Apetrechamento de mobiliário, maquinaria e equipamento de comunicação e dados do Novo Quartel Montagem de um pavilhão multi-usos, equipado com cozinha e sanitários Montagem de um laboratório de fogo.

5 PROJECTO 7. Instalações Manutenção e conservação das instalações da Secção Destacada de Abrunhosa a Velha. PROJECTO 8. Património 8.1- Permuta de lotes de terreno do Loteamento, pela parcela de terreno pertença da Direcção Geral do Património do Estado Alienação de património. PROJECTO 9. Loteamento das Lajes da Igreja Concluir as negociações com a Câmara Municipal de Mangualde, para a execução das infra-estruturas.

6 PROGRAMA II ACTIVIDADES CORRENTES/FUNCIONAMENTO PROJECTO 1. Relações com a Comunidade Aprofundar as relações da Associação/Corpo de Bombeiros com a Comunidade Reforço, melhoramento e actualização do sítio da Associação, na Internet Manter o bom relacionamento entre a Associação, as Instituições Oficiais e Particulares do Concelho e as Comunidades de Emigrantes espalhadas pelo Mundo, em particular as dos E.U.A. PROJECTO 2. Angariação de Fundos Angariação de novos sócios Realização dos peditórios anuais, da Nossa Senhora do Castelo e da Feira dos Santos Sorteios Cantar de Janeiras. PROJECTO 3. Recuperação/Restauro de equipamento antigo 3.1 Prosseguir com a recuperação da viatura BUICK.

7 PROGRAMA III ACTIVIDADES DE LAZER PROJECTO 1. Fanfarra Apoio à Fanfarra e criação de incentivos que possibilitem a formação para melhoria do seu desempenho Realização do IV Festival de Fanfarras. 1.3 Participação em festividades diversas. PROJECTO 2 Juvebombeiro Realização da III Gala. PROJECTO 3. Festividades Comemoração do 78º Aniversário da Associação Inauguração do Complexo do Novo Quartel Realização do tradicional Magusto Realização do Convívio de Natal do Bombeiro Realização do Passeio de Cicloturismo Participação em outras festividades realizadas pela Liga e Federação Participação no Torneio de Futebol Inter-Bombeiros Apoio e colaboração com as diversas Associações e Colectividades do Concelho.

8 PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO 2007 ENCERRAMENTO O presente Plano de Actividades foi aprovado em reunião da Direcção dos Bombeiros Voluntários de Mangualde, 29/11/2006. A Direcção, TERMO DE APROVAÇÃO FINAL O Plano de Actividades que antecede mereceu aprovação por da Assembleia Geral, realizada em 14/12/2006. O Presidente, O 1º Secretário, O 2º Secretário,

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS Comendador da Ordem de Benemerência 1935 Membro Honorário da Ordem Militar de Cristo 1980 Membro Honorário da Ordem da

Leia mais

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS

LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E CORPOS DE BOMBEIROS Comendador da Ordem de Benemerência - 1935 Membro Honorário da Ordem Militar de Cristo - 1980 FUNDADA EM 18 DE AGOSTO DE

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR Relação de subvenções e Benefícios Públicos Ano 2015

MUNICÍPIO DE ALJEZUR Relação de subvenções e Benefícios Públicos Ano 2015 (503661821) Suportar os encargos com a funcionária. (503661822) Projeto de valorização do sítio da Barrada. (503661823) Aquisição de material de limpesa e manutenção do espólio de arqueologia. Deliberação:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 104/IX REFORÇA OS DIREITOS DA LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES. Preâmbulo

PROJECTO DE LEI N.º 104/IX REFORÇA OS DIREITOS DA LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES. Preâmbulo PROJECTO DE LEI N.º 104/IX REFORÇA OS DIREITOS DA LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES Preâmbulo O voluntariado em bombeiros desenvolve a sua acção há mais de 600 anos. Nasceu da necessidade de protecção contra

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Edital n.º 82/2000 (2.ª série). AP. Carlos Alberto Pinto de Oliveira, presidente da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007 PARA O ANO FINANCEIRO 2007 SCRIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO FINIDA 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 01 02 ENSINO BÁSICO - 1º CICLO DO PROGRAMA 01 0 0 0 56 Refeitórios escolares 0701-020104/05/06-04050102-040701-05010102

Leia mais

ACTIVIDADE DO CORPO DE BOMBEIROS EM 2009 DISPOSITIVO ESPECIAL COMBATE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2009

ACTIVIDADE DO CORPO DE BOMBEIROS EM 2009 DISPOSITIVO ESPECIAL COMBATE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2009 ACTIVIDADE DO CORPO DE BOMBEIROS EM 2009 INCÊNDIOS Florestal / Agrícola / Inculto / Urbano / Industrial / Transportes 155 ACIDENTES Rodoviário / Atropelamento 54 OUTROS SINISTROS Gás / Inundação / Outros

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA NOVA DE TAZEM

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA NOVA DE TAZEM ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA NOVA DE TAZEM PLANO DE ACTIVIDADES ORÇAMENTO 2012 Plano de Actividades e Orçamento de 2012 Página 1 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIADE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS

Leia mais

União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro

União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro I Informação do Presidente acerca da sua atividade e da Junta de Freguesia (período compreendido entre 28 de Dezembro de 2013 e 22 de Abril de 2014) SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Atendimento dos fregueses duas

Leia mais

RELATÓRIO REUNIÃO COM A ASSOCIAÇÃO FAIALENSE DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS.

RELATÓRIO REUNIÃO COM A ASSOCIAÇÃO FAIALENSE DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS. RELATÓRIO REUNIÃO COM A ASSOCIAÇÃO FAIALENSE DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS. Horta, 11 de Janeiro de 2006 A Comissão de Politica Geral visitou a Ilha do Faial, no dia 11 de Janeiro de 2006, onde, no âmbito das

Leia mais

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês

Corpo Nacional de Escutas. Agrupamento 1233 Almalaguês Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 1233 Almalaguês Paulo Pinto Ilídio Dionísio Duarte Fachada João Rosado Idalina Rosa João Rosado Paulo Pinto Renato Rosa Alberto Dionísio Duarte Fachada Ilídio Dionísio

Leia mais

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Regulamento Interno da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Capítulo I Natureza e Âmbito Artigo 1º Âmbito 1- O presente regulamento disciplina a criação e funcionamento da Universidade Sénior de Alfândega

Leia mais

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 Pagina : 1 1. Funções gerais 692.793,77 700.893,77 502.238,97 494.714,37 442.264,06 425.619,24 425.619,24 198.654,80 69.095,13 60.73 60.73 100.00 1.1. Serviços gerais

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Introdução A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro e a Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redacção conferida pela Lei nº 5-A/2002 de 11 de Janeiro,

Leia mais

Social E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA. Segurança Social de Castelo Branco D C. B R A N. Segurança Social. Plano de Actividades e Orçamento 2009

Social E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA. Segurança Social de Castelo Branco D C. B R A N. Segurança Social. Plano de Actividades e Orçamento 2009 ENTRO DE Acção Social ULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA Segurança Social de astelo Branco A S D. B R A N O Segurança Social Plano de Actividades e Orçamento 2009 2009 será o princípio de uma nova

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR DLBC Terras de Basto

Sessão de Divulgação PDR DLBC Terras de Basto Sessão de Divulgação PDR 2020 - DLBC Terras de Basto Operação 10.2.1.1 - Pequenos investimentos nas explorações agrícolas Promover a melhoria das condições de vida, de trabalho e de produção dos agricultores;

Leia mais

Casa do Povo do Concelho de Vila Nova de Paiva

Casa do Povo do Concelho de Vila Nova de Paiva PLANO DE ACTIVIDADES CASA DO POVO DE VILA NOVA DE PAIVA ANO DE 2016 Atividades a desenvolver para 2016 O plano de actividades a que nos propomos tem o objetivo de manter a imagem e a presença da Casa do

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO

GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO Junta Freguesia Castelo Branco Município Castelo Branco GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO 2008/2011 APROVADO PELA JUNTA DE FREGUESIA Em reunião / / PELA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Em sessão / / Fl.

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Senhor Secretário de Estado da Administração Interna Excelência Senhores Presidente da Assembleia Municipal de Carregal do Sal Presidente da

Senhor Secretário de Estado da Administração Interna Excelência Senhores Presidente da Assembleia Municipal de Carregal do Sal Presidente da Senhor Secretário de Estado da Administração Interna Excelência Senhores Presidente da Assembleia Municipal de Carregal do Sal Presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil Comandante Operacional

Leia mais

04 Abril 05 Maio 06 Junho acontece

04 Abril 05 Maio 06 Junho acontece 04 Abril 05 Maio 06 Junho 2010 acontece 2 Armamar acontece ABrIl/MAIO/JuNhO 3 04 Abril 05 Maio 06 Junho Durante o mês de Abril A campanha Pão com Memória, integrada nas comemorações do Aniversário do Ilustre

Leia mais

CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA SEGURANÇA SOCIAL DO PORTO. PLANO DE ACTIVIDADES

CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA SEGURANÇA SOCIAL DO PORTO. PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA SEGURANÇA SOCIAL DO PORTO. PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Introdução: Como vai sendo habitual esta Direcção, mais uma vez, apresenta o seu plano de actividades

Leia mais

SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL

SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL SEJA VOLUNTÁRIO! CONTRIBUA PARA O CRESCIMENTO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA SOCIAL Objectivos: Promover o encontro entre a oferta e a procura de voluntariado; Sensibilizar os cidadãos e as organizações para

Leia mais

Arranque das Comemorações 9 de Abril de 2006

Arranque das Comemorações 9 de Abril de 2006 Arranque das Comemorações 9 de Abril de 2006 SESSÃO SOLENE Discurso do Presidente da Direcção Excelentíssimas Senhoras e Senhores: 1. Em primeiro lugar, em nome dos Corpos Sociais, do Corpo Activo e do

Leia mais

Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil. Cooperação a nível bilateral

Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil. Cooperação a nível bilateral Relações de Cooperação de Portugal com os países da CPLP em matéria de protecção civil A cooperação em matéria de protecção civil no quadro da CPLP tem vindo a ser desenvolvida a 2 níveis: no plano bilateral,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL L ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE S. PEDRO DO SUL 2008 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA IDENTIFICAÇÃO EM PLANTA DE: ESPAÇO ESCOLAR VIAS DE ACESSO DE VIATURAS DE SOCORRO QUARTEL DOS BOMBEIROS DA ÁREA ESQUADRA DA GUARDA NACIONAL

Leia mais

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4

Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Índice Introdução Página 2 A CPCJ de Boticas Página 3 Plano de Atividades Página 4 Introdução O objetivo do Plano de Atividades da CPCJ de Boticas para 2016 é planear as atividades, procurando manter,

Leia mais

Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos

Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES Seminário Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos Lisboa Vice presidente Conselho Executivo Rui Santos Silva ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Leia mais

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010

CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 CULTURSOL Apresentação e Plano de Actividades 2010 I. APRESENTAÇÃO 2 Objectivos...2 Âmbito de Actuação..3 Projectos para 2010..4 II. PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2010.. 5 Actividades de Intervenção Social

Leia mais

Museu de Alverca até

Museu de Alverca até Museu de Alverca 07-02-14 até 02-03-14 Na próxima 6ª feira, pelas 19:30, vai inaugurar no Museu de Alverca a 2ª parte de uma exposição colectiva intitulada "Momentos de Luz. O Clube OGMA convida todos

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO Ano de 2012 NOTA DE APRESENTAÇÃO A actual Direcção da Associação terminou o mandato para que foi eleita em 31/12/2010. Após a marcação de vários actos eleitorais para os

Leia mais

Programa de Acção e Orçamento

Programa de Acção e Orçamento 1 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VAGOS Programa de Acção e Orçamento 2013 2 PROGRAMA DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2013 O programa de acção e orçamento para o ano de 2013 vai de encontro

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Dia. Actividade Objectivos Organização /Local Visita do Movimento Paroquial da Palavra de Vida Leitura e reflexão da mensagem mensal de Chiara Lubich

Dia. Actividade Objectivos Organização /Local Visita do Movimento Paroquial da Palavra de Vida Leitura e reflexão da mensagem mensal de Chiara Lubich Mês 04 (3ªfeira) 07 (6ªfeira) Dia (Data a 31 (2ªfeira) 31 (2ªfeira) 01 (3ªfeira) (data a 28 (2ªfeira) 28 (2ªfeira) 01 (3ªfeira) (data a 22 (3ª feira) Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software Actividade

Leia mais

1. NOTA INTRODUTÓRIA. A Associação Desportiva e Recreativa do Loureiro, associação juvenil

1. NOTA INTRODUTÓRIA. A Associação Desportiva e Recreativa do Loureiro, associação juvenil Relatório de Actividades 2009 1. NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Desportiva e Recreativa do Loureiro, associação juvenil cujas as preocupações estatutárias são o bem estar, a promoção cultural, desportiva,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

Plano de Acção da Estratégia para a Fiscalização Participativa de Florestas e Fauna Bravia em Moçambique. Primeiro Draft

Plano de Acção da Estratégia para a Fiscalização Participativa de Florestas e Fauna Bravia em Moçambique. Primeiro Draft Plano de Acção da Estratégia para a Fiscalização Participativa de Florestas e Fauna Bravia em Moçambique Primeiro Draft Meta estratégica Lograr no prazo de cinco anos (2006-2010) que todas a províncias

Leia mais

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE MONTALEGRE DO ANO 2008

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE MONTALEGRE DO ANO 2008 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 1.179.500,00 1.179.500,00 1.179.500,00 1.1. Serviços gerais de 1.080.000,00 1.080.000,00 1.080.000,00 administração pública 1.1.1. Administracao geral 1.080.000,00 1.080.000,00

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJUSTREL REGULAMENTO DE VENDA DE LOTES DO MUNICÍPIO DE ALJUSTREL, NA ZONA INDUSTRIAL

CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJUSTREL REGULAMENTO DE VENDA DE LOTES DO MUNICÍPIO DE ALJUSTREL, NA ZONA INDUSTRIAL CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJUSTREL REGULAMENTO DE VENDA DE LOTES DO MUNICÍPIO DE ALJUSTREL, NA ZONA INDUSTRIAL 1 Introdução O presente regulamento define o regime, as condições e a forma de acesso

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO ACTIVIDADES PARA ANO 2011

JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO ACTIVIDADES PARA ANO 2011 JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO E ACTIVIDADES PARA ANO 2011 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Srª. Guadalupe Tel. 266 781 165 Tel. 266 747 916 Fax : 266 747 917 Email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4. PROJECTOS SUPRAMUNICIPAIS Cuidar de Quem Cuida e cidades Amigas das Pessoas Idosas 9

1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4. PROJECTOS SUPRAMUNICIPAIS Cuidar de Quem Cuida e cidades Amigas das Pessoas Idosas 9 PLANO DE ACÇÃO DE GERONTOLOGIA 2011 1 ÍNDICE PROJECTOS CONCELHIOS Lazer, Cultura e Desporto 2 1. Animar Sénior 2 2. Refrescar Sénior 3 3. Movimentar Sénior 4 Intergeracionalidade 5 4. Troca de Saberes

Leia mais

Senhor. Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor. Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo A Protecção Civil é a actividade desenvolvida pelo Estado e pelos cidadãos com a finalidade de prevenir riscos colectivos inerentes a situações de acidente grave, catástrofe ou calamidade, de origem natural

Leia mais

ORÇAMENTO DA DESPESA

ORÇAMENTO DA DESPESA 01 03 00 Administração Autárquica DESPESAS CORRENTES 01 Despesas com o pessoal 16.894,00 01 01 Remunerações certas e permanentes 14.169,00 01 01 01 Titulares de órgãos de soberania e membros de 14.169,00

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Frequência Gratuita FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA A Formação Modular Certificada, que tem por base as Unidades de Formação de Curta Duração de 25 ou 50 horas constantes do Catálogo Nacional de Qualificações,

Leia mais

Reunião de Câmara de 7 de dezembro de Informação sobre os despachos do senhor presidente e dos senhores vereadores.

Reunião de Câmara de 7 de dezembro de Informação sobre os despachos do senhor presidente e dos senhores vereadores. Reunião de Câmara de 7 de dezembro de 2016 De acordo com o Regimento elaborado nos termos da alínea a) do artigo 39º da Lei 75/2013, de 12 de setembro e aprovado em reunião ordinária de 05 de novembro

Leia mais

Associação de Pais e Encarregados de Educação do Jardim de Infância dos Olivais PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016

Associação de Pais e Encarregados de Educação do Jardim de Infância dos Olivais PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação de Pais e Encarregados de Educação do Jardim de Infância dos Olivais PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 O ano letivo 2015/2016 será um ano de implementação da Associação de Pais e Encarregados de

Leia mais

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES

Rede Social CLAS Fornos de Algodres C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES C.L.A.S. CONSELH0 LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICIPIO DE FORNOS DE ALGODRES ABRIL DE 2009 NOTA INTRODUTÓRIA No documento aqui apresentado estão identificados os projectos e intervenções a realizar no Município

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto

REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto JOÃO ANTÓNIO DE SOUSA PAIS LOURENÇO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA COMBA DÃO, TORNA PÚBLICO O REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO, APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL, EM SUA SESSÃO

Leia mais

2010 / Projecto Nestum Rugby nas Escolas

2010 / Projecto Nestum Rugby nas Escolas 2010 / 2011 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Índice Pág. 1. Introdução 3 2. Rugby nas Escolas 4 2.1 Objectivos 3. Formação de Professores (Fase I) 5 3.1 Acção de Formação para Professores 4. Ensino do

Leia mais

HORTAS COMUNITÁRIAS DO PARQUE DA DEVESA. Conferência Modelos de desenvolvimento, sustentabilidade e ecologia urbana

HORTAS COMUNITÁRIAS DO PARQUE DA DEVESA. Conferência Modelos de desenvolvimento, sustentabilidade e ecologia urbana HORTAS COMUNITÁRIAS DO PARQUE DA DEVESA Conferência Modelos de desenvolvimento, sustentabilidade e ecologia urbana 1 Guimarães, 5 de Junho de 2014 Marisa Moreira 2 1 Cidade: 11 Km² Concelho: 201 Km² -

Leia mais

1ª Revisão Orçamental ao Orçamento 2007

1ª Revisão Orçamental ao Orçamento 2007 1ª Revisão Orçamental ao Orçamento Construir com e para os Marvilenses uma freguesia de futuro Proposta para aprovação em Assembleia de Freguesia de 31 de Maio de. Ilustres membros da Assembleia de Freguesia,

Leia mais

MUNICIPIO DE VIZELA DO ANO 2008

MUNICIPIO DE VIZELA DO ANO 2008 PÁGINA : 1 R E C E I T A S C O R R E N T E S 11.662.740,23 01 IMPOSTOS DIRECTOS 3.970.000,00 01.02 3.970.000,00 01.02.02 IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS 2.100.000,00 01.02.03 IMPOSTO ÚNICO DE CIRCULAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMODÔVAR CÂMARA MUNICIPAL PUBLICITAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS DE NATUREZA CORRENTE E DE CAPITAL CONCEDIDAS DURANTE O ANO DE 2015

MUNICIPIO DE ALMODÔVAR CÂMARA MUNICIPAL PUBLICITAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS DE NATUREZA CORRENTE E DE CAPITAL CONCEDIDAS DURANTE O ANO DE 2015 4.800,00 Deliberação: 06-03-2013 apoiar os encargos mensais do tratador de cavalos Associação dos Cavaleiros da Vila Negra 507049438 4.500,00 Deliberação: 21-01-2015 1.500,00 Deliberação: 15-04-2015 apoiar

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 O Plano Anual de Actividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das actividades es, para um ano lectivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os objectivos

Leia mais

POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DO SISTEMA DESPORTIVO A EXPERIÊNCIA DE ALMADA

POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DO SISTEMA DESPORTIVO A EXPERIÊNCIA DE ALMADA POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DO SISTEMA DESPORTIVO A EXPERIÊNCIA DE ALMADA Congresso do Desporto Setúbal 28 e 29 de Janeiro INTERVENÇÃO NO DESPORTO: DAS RAZÕES ÀS ACÇÕES POLÍTICA GLOBAL DE QUALIFICAÇÃO DAS

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

Responsabilidades. Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da LFFB ZONA NORTE. Conselho de Ministros. Beira, Maio de 2013

Responsabilidades. Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da LFFB ZONA NORTE. Conselho de Ministros. Beira, Maio de 2013 Republica de Moçambique REPÚBBLICA DE MOÇAMBIQUE Governo da Provincia de Sofala Actualização Direcção do Regulamento da Proposta Provincial LFFB de Revisão de Agricultura do Regulamento Base Legal da da

Leia mais

Critérios de Apoio ao associativismo Desportivo

Critérios de Apoio ao associativismo Desportivo Critérios de Apoio ao associativismo Desportivo FACTORES DE PONDERAÇÃO ESPECÍFICOS DEFINIÇÃO DOS CRITÉRIOS DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO 1. OBJECTO Os factores de ponderação mencionados do artigo

Leia mais

ORÇAMENTO DA RECEITA

ORÇAMENTO DA RECEITA Código ORÇAMENTO DA RECEITA Designação Ano : 24 Montante RECEITAS CORRENTES Impostos directos 28.500,00 02 Outros 28.500,00 02 02 Imposto Municipal sobre imoveis 28.500,00 02 Impostos indirectos 62.500,00

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades 2014 / 2015 APAEA Índice 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 1 2. RELAÇÃO COM OS PAIS/ENCARREGADOS DE EDUCACAÇÃO E SOCIOS... 2 3. REPRESENTAÇÃO NOS ORGÃOS DO AGRUPAMENTO... 3 4. MELHORIA

Leia mais

Plano de Governo Municipal para o mandato /2016

Plano de Governo Municipal para o mandato /2016 Plano de Governo Municipal para o mandato - 2013/2016 Dolcinópolis SP. 1- ASSISTÊNCIA SOCIAL Auxilio com medicamentos e complementos a cesta básica ao idoso e enfermo; Criação de programas para o atendimento

Leia mais

Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira ( ) Programa

Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira ( ) Programa Seminário: Os desafios do Envelhecimento Activo Inovar no presente e planear o futuro Plano Estratégico para a Terceira Idade do Concelho de Santa Maria da Feira (2008-2011) Programa e-mili@ Cristina Ribeiro

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2010 - DEPARTAMENTO: 1º Ciclo PCA1 Coordenador(a): Fernando Martins Tel/Tem:

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

INDICE Parte I Enquadramento Geral do Plano Introdução Âmbito de Aplicação Objectivos Gerais... 9

INDICE Parte I Enquadramento Geral do Plano Introdução Âmbito de Aplicação Objectivos Gerais... 9 M MIIN NIIS ST TÉ ÉR RIIO OD DA AA AD DM MIIN NIIS ST TR RA AÇ ÇÃ ÃO O IIN NT TE ER RN NA A G O CO NC AN RA BR OB LO EL TE ST AS CA EC DE LD VIIL CIIV OC NO RN ER VE OV GO CASTELO BRANCO, JANEIRO DE 2010

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

INSTITUTO FONTE DE VIDA IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social

INSTITUTO FONTE DE VIDA IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social INSTITUTO FONTE DE VIDA IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2016 1 - INTRODUÇÃO Ao longo de dezoito anos, um grupo de voluntários determinados, tem levado adiante,

Leia mais

Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 5. PLANO OPERACIONAL DE GESTÃO

Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 5. PLANO OPERACIONAL DE GESTÃO Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 1.. REGULAMENTO 2.. PLANTA DE ORDENAMENTO 3.. RELATÓRIO 4.. PLANTA DE CONDICIONANTES

Leia mais

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9

CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990. Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO. Página 1 de 9 CORPO NACIONAL ESCUTAS AGRUPAMENTO Nº 990 ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS 2014 Plano de Actividades / Orçamento VIANA DO CASTELO Página 1 de 9 1 - OBJECTIVOS O Corpo Nacional de Escutas é uma associação de

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2017

PLANO DE ATIVIDADES 2017 PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE FREAMUNDE - IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social Largo de Santo António, nº 33 4590-305 Freamunde Telefone: +351 255878362

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2011

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2011 3 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2011 3.1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, revista pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, estabelece no n.º 2, alínea a) do artigo 34.º, que compete

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

Responsabilidade Social Delta Cafés

Responsabilidade Social Delta Cafés Responsabilidade Social Delta Cafés Cláudia Cidraes Gama Coimbra, 12 de Novembro 2014 Em 1961, Rui Nabeiro, criou a Delta Cafés. Marca de sucesso no país e no mundo, exemplo de pioneirismo, inovação, vontade

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 809.124,29 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 550.398,68 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 258.725,61 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA CURRICULUM PROFISSIONAL DE. (Nome) Bacharel ou Licenciado em Engenharia Civil ÍNDICE 1. DADOS BIOGRÁFICOS 2. GRAU

Leia mais

Plano UMAR Açores -Associação para a Igualdade e Direitos das Mulheres

Plano UMAR Açores -Associação para a Igualdade e Direitos das Mulheres gerais Prosseguir e aprofundar a intervenção da UMAR Açores como associação de cariz feminista, de forma articulada em diferentes áreas. Promover o trabalho e os laços de Parceria. Consolidar o trabalho

Leia mais

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais Luís Cecílio Santos SERVIÇO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL COM PRESIDENTE DA CÂMARA SERVIÇO

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR

OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR OCEANO XXI CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR MISSÃO OCEANO XXI Dinamizar o Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar (EEC Estratégia de Eficiência Colectiva reconhecida pelo POFC Compete

Leia mais

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal PROTOCOLO Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal Entre A Câmara Municipal de Setúbal, adiante designada por CMS, na qualidade de 1.º Outorgante, representada pela Presidente,

Leia mais

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período JANEIRO Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período Receção dos alunos e diálogo sobre as férias de Natal Elaboração de um texto sobre as mesmas Prof./Educ. e Responsáveis Dia de Reis Comemoração desta

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013 05-04-2013 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PAÇO DE ARCOS Documento aprovado por maioria em Assembleia-Geral Ordinária no dia 5 de Abril de 2013.

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

MUNICIPIO DE VINHAIS DO ANO 2015 PÁGINA : 1

MUNICIPIO DE VINHAIS DO ANO 2015 PÁGINA : 1 PÁGINA : 1 1. FUNCOES GERAIS 4.670.218,46 1.262.000,00 1.262.000,00 761.000,00 201.000,00 201.000,00 7.095.218,46 1.1. SERVICOS GERAIS DE 4.670.218,46 1.262.000,00 1.262.000,00 761.000,00 201.000,00 201.000,00

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES ANO SOCIAL 2008/2009

PLANO DE ACTIVIDADES ANO SOCIAL 2008/2009 PLANO DE ACTIVIDADES ANO SOCIAL 2008/2009 As associações de pais visam a defesa e a promoção dos interesses dos seus associados em tudo quanto respeita à educação e ensino dos seus filhos e educandos que

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 18 AGOSTO DE 2010 ORDEM DO DIA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 18 AGOSTO DE 2010 ORDEM DO DIA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 18 AGOSTO DE 2010 ORDEM DO DIA EXPEDIENTE 1. Ofício da Junta de Freguesia da Quinta do Conde a enviar o texto da moção subordinada ao

Leia mais

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também,

A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, A Taxa de Insucesso Escolar verificada no Concelho, revela-se bastante elevada quando comparada com a registada a nível nacional. De referir também, o facto de o insucesso escolar aumentar à medida que

Leia mais

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO DESPORTO Câmara Municipal da Figueira da Foz

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO DESPORTO Câmara Municipal da Figueira da Foz REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO DESPORTO Preâmbulo A criação do Regulamento Municipal de Apoios ao Desporto, surge da necessidade de adequar o apoio das Autarquias locais à legislação em vigor, conforme

Leia mais

ORÇAMENTO E PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015

ORÇAMENTO E PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 ORÇAMENTO E PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 1 ORÇAMENTO E PLANO DE ATIVIDADES PARA O ANO 2015 INTRODUÇÃO 1.1 Dando cumprimento ao estabelecido no Art.º 24º, nº 2, dos Estatutos do Centro de Cultura e Desporto

Leia mais

PROGRAMA TAG RUGBY NAS ESCOLAS

PROGRAMA TAG RUGBY NAS ESCOLAS PROGRAMA TAG RUGBY NAS ESCOLAS 2013 2014 ÍNDICE Introdução 1. Evolução do Rugby nas Escolas 5 2. Rugby nas Escolas 9 2.1 Objectivos 3. Formação de Professores (Fase I) 9 3.1 Acção de Formação para Professores

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO DE 2010

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO DE 2010 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO DE 2010 I SALA DA ORDEM / SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS SALA DA ORDEM: Aquisição das seguintes obras para a Biblioteca: Código Civil; Código de Processo Civil; Código Penal;

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais