JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA"

Transcrição

1 JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA Gece Wallace Santos Reno (UFSCar) Carolina Peres Diniz (UNICAMP) Henrique Kazuo Bicalho Yamaguti (EESC/USP) Diogo Aparecido Lopes Silva (EESC/USP) Este artigo tem por objetivo a documentação de um jogo de negócio capaz de simular os efeitos da aplicação do Lean Manufacturing, que contempla um grupo de ferramentas de melhoria contínua através da Mentalidade Enxuta. O jogo sugere a monttagem de carrinhos de madeira em diferentes rodadas, tornando nítida a diferença de produtividade, qualidade, segurança e custos de fabricação ao compararem-se os principais indicadores possíveis de serem medidos durante a realização da montagem pelos jogadores. O jogo tem por principal característica intercalar a explanação de conceitos teóricos de forma simples e clara, permitindo aos jogadores a imediata aplicação destes conceitos e a medição de seus efeitos. As dinâmicas foram realizadas por funcionários de uma empresa que não tiveram contato anterior com o jogo e os dados para cada condição foram colhidos e confirmados através de uma ferramenta de análise. Com esses dados, observa-se que um ambiente em que todas as ferramentas são aplicadas é 96% mais produtivo do que um ambiente não padronizado, 200% mais lucrativo e 250% mais seguro, ressaltando que melhorias consistentes e padronizadas tornam os processos mais eficazes. Palavras-chaves: Lean, Produtividade, Jogos de Negócios, Simulação, Aprendizado lúdico

2 1. Introdução Visando minimizar a dificuldade dos operadores em entender os conceitos de Lean Manufacturing e conseguir romper o bloqueio para a mudança na realização de tarefas rotineiras, foi elaborado um treinamento lúdico, no qual se simula uma fábrica de carros. Utilizando carrinhos de madeira compostos de várias peças, as quais são montadas na linha principal de montagem, nos setores de tratamento térmico, usinagem, prensagem, laminação, almoxarifado e planejamento. Com o auxílio dessa fábrica de carrinhos, visa-se mostrar as vantagens da mudança de cultura dentro de uma empresa, criando um ambiente de trabalho mais organizado, limpo, seguro e eficiente. O treinamento permite aos participantes vivenciarem as melhorias que ocorrem a cada turno da fábrica. O objetivo desse trabalho é mostrar como um treinamento lúdico, que envolve as pessoas trazendo-as para uma fábrica fictícia e mostrando como as mudanças podem colaborar para o ambiente de trabalho, pode criar nos participantes a curiosidade de implementar as melhorias em sua área de trabalho. 2. Fundamentação Teórica 2.1 Lean Manufacturing Para Hines (2000) e Liker (2005), o Lean Manufacturing é um termo utilizado para caracterizar o Sistema Toyota de Produção, em que a flexibilidade de produção e metas como menores leadtimes, alta produtividade e boa qualidade fazem com que se desenvolvam processos padronizados com foco em baixo custo e eliminação de perdas. O sucesso da Toyota surgiu do alto desempenho operacional, que se tornou uma estratégia baseada em métodos de melhorias de qualidade e ferramentas fundamentadas pela compreensão e motivação de pessoas e organização de aprendizagem (LIKER, 2005). Durante décadas a Toyota aplicou e melhorou seu sistema nas fábricas com operadores e administradores aprendendo novos métodos por meio da prática no seu ambiente de trabalho. Porém, para Gounet (1999) uma nova organização do trabalho depende da aceitação dos operadores, tornando esta nova organização um modelo estável. É preciso comprometimento e dedicação para o desenvolvimento da autodisciplina necessária para manter a implementação das atividades de melhoria. Abaixo, está representada a Casa de Gemba que mostra uma visão geral das atividades que ocorrem no gemba e que atingem qualidade, custo e entrega (IMAI, 1996). 2

3 2.2 Valor Figura 1 Representação da Casa de Gemba (IMAI, 1996) Segundo a filosofia do Lean Manufacturing as atividades que não agregam valor ao processo, desde a chegada da matéria-prima até a entrega do produto ao cliente, são consideradas perdas e devem ser identificadas e eliminadas. Um bom método para visualização do processo como um todo é Mapeamento de Fluxo de Valor, mais conhecido por VSM (Value Stream Mapping), em que se pode fazer uma análise detalhada da cadeia de valor, permitindo a identificação de fontes de desperdício. Existem sete principais tipos de perdas ou desperdícios: superprodução, espera, movimentação, processos desnecessários, retrabalho, estoque e transporte S A implementação dos 5S é o ponto de partida para qualquer implementação de melhoria em uma empresa. Essa atividade promove o trabalho em grupo, melhora o controle da produção, manutenção, qualidade e compreende uma sequência de atividades a fim de eliminar perdas que colaboram com erros, defeitos e acidentes de trabalho (IMAI, 1996). A aplicação dessa filosofia começa com eliminação dos itens desnecessários (seiri), organização de todos (seiton), limpeza para identificação de problemas (seiso), manutenção contínua dessas três etapas (seiketsu) e disciplina na execução de todas as atividades (shitsuke) (IMAI, 1996). A realização dessas atividades promove a melhoria contínua, com o objetivo de produzir o que os clientes desejam com segurança, qualidade, rapidez e baixo custo. (MONDEN, 1997). 2.4 Trabalho Padrão Originalmente vindo do Toyotismo, o método mais recomendado na literatura para se alcançar um desempenho efetivo e consistente é o estabelecimento de processos e procedimentos padronizados. O conceito de Trabalho Padrão é utilizado para manter a estabilidade nos processos, garantir que as atividades sejam realizadas em uma determinada sequência e em um determinado intervalo de tempo, buscando a eliminação de desperdícios e a obtenção de segurança, qualidade e produtividade. Essa ferramenta não é aplicada como um elemento isolado, ela faz parte da atividade contínua de identificação de problemas, do estabelecimento de métodos eficazes e da definição do modelo com que esses métodos devem ser aplicados a fim de se obter o desempenho mais consistente possível (KISHIDA, SILVA e GUERRA, 2005). 3

4 O Trabalho Padronizado gera ganhos na produção, na redução de falhas, na redução do tempo das operações, na regulamentação das funções e na melhoria da organização do espaço físico. 2.5 Fluxo Contínuo As principais ferramentas no estabelecimento de processos e procedimentos padronizados são os documentos de trabalho padronizado. Estes documentos devem ser redigidos pela pessoa que executa a tarefa e específicos o suficiente para serem guias úteis, mas também gerais o suficiente para permitir alguma flexibilidade (LIKER e MEIER, 2007b). A partir disso algumas atividades procuram estabelecer o ritmo e fluxo do processo e estão baseadas em alguns elementos descritos por Shingo (1996), tais como o ritmo de trabalho, ou Tempo Takt, que é o ritmo no qual os produtos devem ser produzidos; a sequência de trabalho que é aquela que o operador realiza suas tarefas dentro do ritmo de trabalho; estoque padrão de processo que é o estoque mínimo necessário para manter o processo operando continuamente e o tempo de ciclo, que é o tempo alocado para fazer uma peça ou unidade. 2.6 Produção Puxada Em toda operação é preciso um método de planejamento e controle visando atender a demanda. O Just in Time é um método de planejamento que visa suprir as necessidades da produção e do cliente no momento certo, na quantidade certa e no local certo. Esse método é baseado no sistema de produção puxada através do Kanban, o qual sinaliza o momento em que o fornecedor deve produzir o que o cliente necessita. De acordo com Ghinato (2000), o sistema Kanban tem como objetivo controlar e balancear a produção, permitir a reposição de estoques conforme a demanda e eliminar perdas, sendo um método simples de controlar visualmente os processos. O nivelamento da produção é importante para que a mesma flua normalmente. A ferramenta Heijunka tem por objetivo garantir uma programação linear, aproveitando-se ao máximo os materiais e a mão-de-obra, diminuindo assim o tempo ocioso e perda de recursos. 3. Estudo de Caso 3.1 Metodologia aplicada O treinamento é composto de atividades teóricas e práticas, tendo em vista que o entendimento da teoria fica mais claro aos participantes com o auxílio de uma dinâmica, na qual os conceitos são usados. Assim, foi criada uma sistemática para o treinamento, a qual está representada abaixo e em que se observa 6 rodadas e a ocorrência de 4 turnos da fábrica. 4

5 Figura 2 Sistemática do Treinamento (Fonte: Próprios autores) Conforme a figura abaixo o treinamento é iniciado com a apresentação do objetivo do treinamento e a história da fábrica. 1ª Rodada Apresentação do Treinamento Figura 3 1ª Rodada, apresentação do treinamento (Fonte: Próprios autores) Inicia-se o treinamento com a apresentação da fábrica e exibição de um vídeo institucional que mostra como cada atividade deve ser realizada. Além disso, é disponibilizada no posto de trabalho uma folha de instrução que juntamente com o vídeo, permitem ao participante compreender a realização de cada uma das operações. Vídeo da operação de cada posto 5

6 Figura 4 1ª Rodada, vídeo institucional (Fonte: Próprios autores) A primeira rodada é realizada com 9 a 16 operadores e o planejamento da fábrica deve ser baseado no histórico de compra de 20 carros pelo cliente. 1 Turno de 25 minutos para produção Figura 5 1ª Rodada, 1º Turno (Fonte: Próprios autores) A cada rodada finalizada é realizada uma contabilização do faturamento, custos da fabrica, inventário, segurança e qualidade; no montante de custos, incluem-se: pagamento de salários, matéria prima, adicional de salário de produtividade e custos de operação. Apontamento dos indicadores do turno Figura 6 1ª Rodada, 1º Apontamento dos indicadores (Fonte: Próprios autores) 2ª Rodada 30 minutos para discussão e implementação Figura 7 Discussão das melhorias (Fonte: Próprios autores) Antes de iniciar a segunda rodada, os participantes tem 30 minutos para discussões de melhorias e implementação, porém tais melhorias não podem gerar custo, como por exemplo mudança de layout e substituição de maquinário. 2 Turno de 25 minutos para produção Apontamento dos indicadores do turno Figura 8 2ª Rodada, 2º Turno e apontamentos (Fonte: Próprios autores) 6

7 Finalizada a segunda rodada inicia-se a parte teórica do treinamento onde são apresentados os conceitos de agregação de valor, detecção e eliminação de desperdícios de manufatura e escritório. Em seguida é explicado o conceito de mapa de fluxo de valor, qual a sua finalidade e como criá-lo, apresentando um exemplo e mostrando os dados que o mesmo deve conter. 3ª Rodada Teoria: -agregação de valor - eliminação de desperdício - Mapa de fluxo de valor Figura 9 3ª Rodada, Teoria da 3ª Rodada (Fonte: Próprios autores) Para fixação do conhecimento é realizada uma dinâmica, utilizando uma folha com os sete desperdícios: superprodução, retrabalho, estoque, processo desnecessário, transporte, espera e movimentação. Nessa dinâmica, cada participante preenche se existiu ou não o desperdício em seu posto de trabalho. Exercício prático : - enxergar desperdícios Figura 10 3ª Rodada Exercício, enxergar desperdícios (Fonte: Próprios autores) Usando cartões com os devidos símbolos é criado o mapa de fluxo de valor atual da fábrica de carrinhos em uma das paredes da sala com a ajuda do instrutor. Assim que o mapa é finalizado, os participantes colam os desperdícios que enxergaram em cada posto de trabalho e é criado um pareto com os desperdícios em cada posto de trabalho, identificando os maiores desperdícios e realizando uma análise crítica da situação atual. Exercício prático: - criar o mapa de fluxo de valor da fábrica Figura 11 3ª Rodada Exercício, mapa de fluxo de valor (Fonte: Próprios autores) Retorna-se para mais uma parte teórica do treinamento em que são apresentados os conceitos 7

8 de gerenciamento visual, 5S, manutenção autônoma, trabalho padronizado, sequência das operações, tempo de ciclo, tempo takt, balanceamento de operadores, layout padrão e estoque padrão. 4ª Rodada Teoria: - 5S - Manutenção Autônoma - Trabalho padronizado - Tempo takt - Balanceamento de operadores Figura 12 4ª Rodada, Teoria de trabalho (Fonte: Próprios autores) Com esses conceitos em mente, os participantes têm 30 minutos para discussões e implementação e uma nova rodada é iniciada. 30 minutos para discussão e implementação 3 Turno de 25 minutos para produção Apontamento dos indicadores do turno Figura 13 4ª Rodada, Discussões, implementação e 3º Turno (Fonte: Próprios autores) Dando continuidade ao treinamento, são apresentados os conceitos de Just in Time, supermercado, Kanban e sistema puxado de produção, que para serem implementados necessitam de flexibilidade para a produção de diversos itens, sendo indispensável uma troca rápida de ferramenta. 8

9 Figura 14 5ª Rodada, Teoria JIT e Sistema Puxado (Fonte: Próprios autores) Com a ideia da necessidade de troca rápida de ferramenta, realiza-se uma dinâmica utilizando duas prensas e duas laminadoras. Durante essa dinâmica os participantes fazem anotações dos tempos de cada operação. Exercício prático de Troca de ferramenta Figura 15 5ª Rodada, Troca de Ferramenta (Fonte: Próprios autores) Após a finalização da dinâmica, algumas informações sobre como efetuar uma troca rápida de ferramenta, tais como atividade interna e externa, poka yoke, jidoka e cadeia de ajuda são apresentadas aos participantes. Com esses conceitos, os participantes são estimulados a realizar modificações na troca de ferramenta e é proposta uma disputa entre as equipes, fazendo com que as mudanças tenham maior velocidade e os melhores métodos são utilizados na última rodada. Teoria: - Troca rápida de ferramenta Exercício prático: - Competição de troca rápida de ferramenta Figura 16 5ª Rodada, Teoria e prática de troca rápida de ferramenta (Fonte: Próprios autores) Para finalizar o treinamento, durante 30 minutos são realizadas as modificações, utilizando todos os conceitos aprendidos e é iniciada a última rodada, na qual a fábrica deve operar com o mínimo de operadores, rota de abastecimento, kanban, sistema puxado de produção e 9

10 realizando trocas rápidas de ferramentas na laminadora e prensa. 3.2 Análise dos dados Figura 17 6ª Rodada, Rodada final (Fonte: Próprios autores) Esse treinamento foi realizado diversas vezes e ao final de cada rodada foram contabilizados o lucro, produtividade por operador, segurança e nível de inventário. Abaixo estão relacionados os indicadores obtidos em cada turno e as atividades implementadas em cada etapa. No primeiro turno nota-se que o lucro ficou negativo, justificado pela falta de estabilidade dos processos, métodos padronizados e comunicação. Essa situação fica evidenciada também nos outros indicadores. Indicadores T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 T8 T9 T10 Média Desvio Padrão Variância Lucro ,5 16,66 277,61 Inventário 7,8 8,0 9,2 7,7 9,3 8,2 8,3 8,2 8,6 8,0 8,3 0,55 0,30 Operadores ,5 0,71 0,50 Carros produzidos ,9 1,52 2,32 Produtividade 0,06 0,27 0,20 0,00 0,27 0,13 0,07 0,06 0,00 0,19 0,12 0,10 0,01 Segurança ,7 0,82 0,68 Observação: Dados obtidos nos treinamentos Tabela 1 - Medidas dos indicadores no Turno 1 de cada treinamento 10

11 Já no segundo turno os participantes tiveram discussões e implementações de melhoria, porém sem base teórica. Pelos resultados obtidos, nota-se que o enfoque foi dado em mudanças pontuais, que não necessariamente representam melhorias para o processo como um todo. Indicadores T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 T8 T9 T10 Média Desvio Padrão Variância Lucro ,8 23,51 552,84 Inventário 7,0 6,4 5,3 7,1 8,8 10,3 5,0 7,5 11,3 7,8 7,6 2,02 4,06 Operadores ,5 0,71 0,50 Carros produzidos ,16 4,67 Produtividade 0,31 0,20 0,47 0,00 0,33 0,19 0,07 0,06 0, ,19 0,14 0,02 Segurança ,7 0,82 0,68 Observação: Dados obtidos nos treinamentos Tabela 2 - Medidas dos indicadores no Turno 2 de cada treinamento No turno seguinte foi possível verificar melhorias consistentes, já que houve mapeamento de fluxo de valor do processo, identificação de desperdícios e implementação das metodologias de 5S, Trabalho Padrão, Manutenção Autônoma e Fluxo Contínuo. A principal alteração observada nesse turno foi o balanceamento das operações em que se disponibilizaram alguns operadores para função de facilitador (team leader) e para auxiliarem nas melhorias futuras. Indicadores T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 T8 T9 T10 Média Desvio Padrão Variância Lucro ,88 395,16 Inventário 5 7,8 7,1 6 6, ,5 8 7,5 6,7 0,95 0,90 Operadores ,05 1,11 Carros produzidos ,7 2,00 4,01 Produtividade 1,70 1,64 2,11 1,50 1,89 2,22 1,36 1,67 2,22 1,60 1,79 0,31 0,09 Segurança ,3 0,48 0,23 Observação: Dados obtidos nos treinamentos Tabela 3 - Medidas dos indicadores no Turno 3 de cada treinamento Na sequência do treinamento houve um momento dedicado à troca rápida de ferramentas. Com a teoria em mente, foi possível aplicar os conceitos numa dinâmica focada no setup da laminadora e da prensa. O método mais eficiente foi considerado como o padrão para essa atividade durante o processo de fabricação. Máquinas T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 T8 T9 T10 Inicial 17:05 42:10 30:25 37:20 40:12 29:05 42:11 30:26 17:06 31:40 Laminadora Final 03:12 12:02 03:00 02:15 02:46 03:55 03:20 12:03 03:05 02:00 Variação 81,27% 71,46% 90,14% 93,97% 93,12% 86,53% 92,10% 60,41% 81,97% 93,68% Inicial 15:00 12:20 17:05 12:00 16:05 10:15 22:00 12:35 15:05 13:25 Prensa Final 02:25 10:00 02:26 02:30 03:37 05:35 07:30 10:00 04:32 03:30 Variação 83,89% 18,92% 85,76% 79,17% 77,51% 45,53% 65,91% 20,53% 69,94% 73,91% Observação: Dados obtidos nos treinamentos Tabela 4 - Medidas de tempos de setup de cada treinamento 11

12 Por fim, houve um último turno no qual todas as ferramentas aprendidas, inclusive Sistema de Produção Puxada e Troca Rápida de Ferramentas foram implementadas no processo. Todos os operadores estavam treinados em suas funções, o ambiente e operações de trabalho estavam padronizados e controlados. Observa-se uma fábrica mais enxuta em decorrência da mudança de layout, a qual viabilizou um melhor balanceamento das atividades, com maior eficiência e estoques em processo (kanban). Indicadores T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 T8 T9 T10 Média Desvio Padrão Variância Lucro ,3 9,32 86,90 Inventário 7,0 6,4 5,3 7,1 8,8 10,3 5,0 7,5 11,3 7,8 7,65 2,02 4,06 Operadores ,4 0,52 0,27 Carros produzidos ,00 0,00 Produtividade 3,33 2,86 3,33 3,33 2,86 2,86 3,33 2,86 3,33 3,33 3,14 0,25 0,06 Segurança ,2 0,42 0,18 Observação: Dados obtidos nos treinamentos Tabela 5 - Medidas dos indicadores no Turno 4 de cada treinamento Comparando-se as médias dos turnos, percebeu-se que a maioria dos indicadores se comportou da forma prevista. Isso porque o treinamento foi apresentado de forma padronizada durante todas as rodadas, garantindo assim o nivelamento dos dados obtidos. Analisando a entrega de carros por rodada, já que esse é um dos principais indicadores, pois está relacionado diretamente com a satisfação do cliente, observa-se uma evolução do processo de fabricação a cada rodada, mostrando a efetividade das mudanças e implementações feitas. Indicadores Média 1º Turno Variação Média 2º Turno Variação Média 3º Turno Variação Média 4º Turno Lucro -216,50-7,28% -201,80 423,40% 62,40 69,75% 206,30 Inventário 8,33-8,89% 7,65-14,52% 6,68 12,68% 7,65 Operadores 15,50 0,00% 15,50-55,00% 10,00-56,25% 6,40 Carros produzidos 1,90 36,67% 3,00 83,05% 17,70 11,50% 20,00 Produtividade 0,12 36,18% 0,19 89,13% 1,79 43,01% 3,14 Segurança 0,70 0,00% 0,70-133,33% 0,30-50,00% 0,20 Observação: Dados obtidos nos treinamentos Tabela 6 Resultado Final Analisando as rodadas, nota-se que foram obtidas melhorias em todos os indicadores, aumento nos valores de lucro, produtividade e segurança e diminuição do inventário e operadores na linha. Em relação à quantidade de carros produzidos, na primeira rodada foram entregues 2 carros, enquanto que na última rodada a demanda de 20 carros foi atendida. 12

13 4. Conclusão XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Com a realização dessa dinâmica, as pessoas envolvidas puderam comprovar que esse é um bom método prático para ensino e aprendizagem das principais ferramentas do Lean Manufacturing. A aplicação desse método ajudou a melhorar a linha de montagem de um processo de produção de carros de brinquedo, e assim constatar que se aplicadas as ferramentas, existem ganhos de melhoria na satisfação dos clientes, motivação dos funcionários, diminuição de tempo, aumento de segurança, melhoria de qualidade, aumento de produtividade e padronização de serviços e processos. Com os dados obtidos, observa-se que um ambiente com todas as ferramentas aplicadas é 96% mais produtivo do que um ambiente não padronizado, 200% mais lucrativo e 250% mais seguro, mostrando mais uma vez que melhorias consistentes e padronizadas tornam os processos mais eficazes. O emprego de metodologias lúdicas como base para a modificação de hábitos culturais é um modelo de grande aceitação em ambientes industriais, onde se conseguiu prender a atenção dos treinandos, permitindo assim, aplicações reais com maior credibilidade. É nítido que, se a metodologia do Lean Manufacturing for corretamente empregada trará enormes benefícios às organizações, pois foca seus esforços na melhoria contínua com a eliminação de desperdícios. Nota-se também que a implantação das diversas ferramentas apenas terá resultados satisfatórios se estas forem aplicadas com o devido envolvimento dos trabalhadores, para garantir que todas as melhorias não desapareçam com o tempo. Referências GHINATO, P. Produção & Competitividade: aplicações e inovações. Recife: Adiel T. de Almeida & Fernando M. C. Souza, GOUNET, T. Fordismo e Toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo Editorial, HINES, P. Manufatura Enxuta. São Paulo: IMAM, IMAI, M. Gemba Kaizen: estratégias e técnicas do kaizen no piso de fábrica. São Paulo: IMAM, p , 69-77, KISHIDA, M., SILVA, A.H., GUERRA, E. Benefícios da Implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Disponível em <http://www.lean.org.br>. Acesso em: 11 jul LIKER, J.K. O Modelo Toyota: 14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. Porto Alegre: Bookman, p , , LIKER, J.K., MEIER, D.P. Toyota Talent Developing your people The Toyota Way. New York, 2007b. MONDEN, Y. Toyota Production System: an integrated approach to just-in-time. 3rd edition. Geórgia: Institute of Industrial Engineers, p , SANTOS, J.A. Manual de treinamento Ótima Estratégia e Gestão. Revisão SHINGO, S. O sistema Toyota de Produção do ponto de vista da Engenharia de Produção. Porto Alegre, Bookman,

Gece Wallace Santos Renó (UFSC) gece.reno@uol.com.br Carolina Peres Diniz (UNICAMP) carolinaperesdiniz@yahoo.com.br

Gece Wallace Santos Renó (UFSC) gece.reno@uol.com.br Carolina Peres Diniz (UNICAMP) carolinaperesdiniz@yahoo.com.br XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DA FERRAMENTA 5S - ORGANIZAÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO NA PRODUTIVIDADE DE UM PROCESSO DE MONTAGEM

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO RESUMO. Palavras-Chaves: Lean Manufacturing. Cronoanálise. Padronização.

LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO RESUMO. Palavras-Chaves: Lean Manufacturing. Cronoanálise. Padronização. LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO Daiane Maciel Rezende ¹ Jessica Freitas da Silva ² Sheila Marcela Miranda ³ Anderson Barros 4 RESUMO O objetivo deste artigo é de

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE)

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) Jeferson Duarte Oliveira * Este artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica das mais importantes formas de desperdício nos escritórios e apresentar os métodos

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA

VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA Arielton Freire da Silva (UFRN) aryfreire@gmail.com Fabio

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia Jordana Lemos Pinheiro Novaes - jordanalemos@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia da Produção Instituto de Pós-Graduação IPOG Resumo

Leia mais

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Nelson Eiji Takeuchi Uma cadeia logística convencional é composta por logística inbound, logística outbound, warehouse e movimentação interna. Fala-se que

Leia mais

PROJETO DE LAYOUT ALINHADO ÀS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA EMPRESA SIDERÚRGICA DE GRANDE PORTE

PROJETO DE LAYOUT ALINHADO ÀS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA EMPRESA SIDERÚRGICA DE GRANDE PORTE ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROJETO DE LAYOUT ALINHADO ÀS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

Portugal. Alemanha. França. Rússia. Holanda. Directivas Comunitárias. Fundada em 1978. UP - Serpins. UP - Serpins II

Portugal. Alemanha. França. Rússia. Holanda. Directivas Comunitárias. Fundada em 1978. UP - Serpins. UP - Serpins II EMPRESA FABRIL DE PRODUTOS ELÉCTRICOS, SA O Lean Lean na EFAPEL Carlos Ramos Gestão de Operações carlos.ramos@efapel.pt A EFAPEL no Mundo Exportamos para mais de 40 países da Europa,, Ásia, Europa Ásia,

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009 O que é o Programa 5Ss? O Programa 5Ss é uma filosofia de trabalho que busca promover a disciplina na empresa através de consciência e responsabilidade de todos, de forma a tornar o ambiente de trabalho

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

www.gestaoleanmanufacturing.com.br

www.gestaoleanmanufacturing.com.br www.gestaoleanmanufacturing.com.br www.gestaoleanmanufacturing.com.br Master em Lean Manufacturing Processo de Solução de Problemas Competitividade nas Empresas Gestão de Processos & Produção x Eficiência

Leia mais

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Osiran Lima* Este artigo mostra a implementação de células de manufatura em uma empresa gráfica, substituindo o layout linear pelo layout celular, onde foi

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos Viviane Salyna Estrutura da Apresentação Muitas abordagem de processos geram: Processos devem gerar resultados

Leia mais

Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos

Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos Paulino G. Francischini pgfranci@usp.br Conteúdo 1. Conceito de Lean Production 2. Desperdícios no processos produtivo

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS Eduardo Bezerra dos Santos (CESUPA) eduardosnts13@gmail.com Pedro Henrique Bueno Meirelles

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção Bosch Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção por Douglas Costa Ferreira Mestre em Engenharia Mecânica pela UFPR - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA.

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA. OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA. Palestrante: Recife, Pernambuco LEAN THINK DEFINIÇÃO O Lean Manufacture é uma filosofia de administração da manufatura, surgida no Japão,

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Marco Antonio Equi marcoequi@hotmail.com FESA Hugo Pissaia Junior hugo.planejamento@sampel.com.br FESA Resumo:No atual cenário vivido

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA Alexandro Gilberto Silva 1 Eduardo Gonçalves Magnani 2 Sabrina G. Cabral 3 RESUMO: Neste trabalho é feito uma análise da diferença

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Soraia

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Formação Interempresas 2015

Formação Interempresas 2015 Formação Interempresas 2015 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

Leia mais

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria Prof. Marcio Santos Antigamente Custo Operacional Preço da Venda Lucro Hoje Custo Operacional Preço de Mercado Lucro O mercado determina o preço! Custo operacional Preço de venda Lucro Melhoria Não me

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Exercícios

Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Exercícios Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) A FILOSOFIA DA PRODUÇÃO ENXUTA (LEAN THINKING) Exercícios Prof. Eduardo G. M. Jardim, PhD. Prof.

Leia mais

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia Logística/6º 07/05/2015 PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Hendy de Oliveira Analista de Suprimentos

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11]

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11] Iniciando com a Logística [1 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Esta série de artigos foi elaborada de tal forma que os artigos fazem referências uns aos outros. Portanto, para melhor

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN

CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN ISSN 1984-9354 CLASSIFICAR EMPRESAS CONSTRUTORAS QUANTO AO GRAU DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN HELOIZA PIASSA BENETTI (UTFPR) Ildeivan da Silva Junior (UTFPR) Eduardo Bellei (UTFPR) Resumo Nesta pesquisa,

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO Bruno Carara (UFRGS) bcarara@hotmail.com Felipe Muller Treter (UFRGS)

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S Gestão da Qualidade Os 5 S Histórico dos 5S A gestão da Qualidade é primordial para o estabelecimento e sobrevivência de uma instituição e para viabilizar o controle de atividades,informações e documentos.

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MANUFATURA ENXUTA EM UM PROCESSO PRODUTIVO: Um Estudo de Caso em uma Indústria Eletromecânico

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MANUFATURA ENXUTA EM UM PROCESSO PRODUTIVO: Um Estudo de Caso em uma Indústria Eletromecânico A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MANUFATURA ENXUTA EM UM PROCESSO PRODUTIVO: Um Estudo de Caso em uma Indústria Eletromecânico Pedro Augusto da Cunha Prof. Dani Marcelo Nonato Marques Tecnologia em Produção

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

PROPOSTA DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM UMA INDÚSTRIA DO SETOR METAL-MECÂNICO UTILIZANDO PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO ENXUTA ASSOCIADOS À SIMULAÇÃO

PROPOSTA DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM UMA INDÚSTRIA DO SETOR METAL-MECÂNICO UTILIZANDO PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO ENXUTA ASSOCIADOS À SIMULAÇÃO PROPOSTA DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM UMA INDÚSTRIA DO SETOR METAL-MECÂNICO UTILIZANDO PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO ENXUTA ASSOCIADOS À SIMULAÇÃO Marcia Marcondes Altimari Samed (UEM) mmasamed@uem.br Ariane

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

MANUFATURA ENXUTA COMO FERRAMENTA NA MUDANÇA DE LAYOUT DO FORMATO DE U PARA O FORMATO EM I. UM ESTUDO DE CASO

MANUFATURA ENXUTA COMO FERRAMENTA NA MUDANÇA DE LAYOUT DO FORMATO DE U PARA O FORMATO EM I. UM ESTUDO DE CASO MANUFATURA ENXUTA COMO FERRAMENTA NA MUDANÇA DE LAYOUT DO FORMATO DE U PARA O FORMATO EM I. UM ESTUDO DE CASO Alessandra Osório Freitas (UFAM) afreitas83@gmail.com Maria Elena Leon Olave (UEA) melena@usp.br

Leia mais

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Kishida, Marino (Lean Institute Brasil) Silva, Adriano Henrique (ThyssenKrupp) Guerra, Ezequiel (ThyssenKrupp) Este artigo mostra os

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

Como Operar um andon

Como Operar um andon Como Operar um andon Sergio Kamada* Este artigo irá explicar uma das várias maneiras de como a Toyota utiliza o Andon para controlar visualmente as várias paradas de uma linha de produção devido aos problemas

Leia mais

SELMA CRISTINA CORRÊA

SELMA CRISTINA CORRÊA SELMA CRISTINA CORRÊA AS DIFICULDADES DE IMPLANTAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN NO SETOR PRODUTIVO DE UMA EMPRESA: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE COMPRESSORES HERMÉTICOS JOINVILLE SC 2006 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

TRABALHO PADRONIZADO: A BUSCA POR ELIMINAÇÃO DE DESPERDÍCIOS

TRABALHO PADRONIZADO: A BUSCA POR ELIMINAÇÃO DE DESPERDÍCIOS TRABALHO PADRONIZADO: A BUSCA POR ELIMINAÇÃO DE DESPERDÍCIOS Adriana de Oliveira Silveira Bacharelanda em Administração asilveirao@yahoo.com.br Heloisa Helena Coutinho Bacharelanda em Administração locoutinho@yahoo.com.br

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais